O PAPEL DA AUTORIDADE MARÍTIMA PORTUÁRIA NA GARANTIA DA SEGURANÇA DA CARGA, NOS NAVIOS E NO ESPAÇO PORTUÁRIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DA AUTORIDADE MARÍTIMA PORTUÁRIA NA GARANTIA DA SEGURANÇA DA CARGA, NOS NAVIOS E NO ESPAÇO PORTUÁRIO"

Transcrição

1 O PAPEL DA AUTORIDADE MARÍTIMA PORTUÁRIA NA GARANTIA DA SEGURANÇA DA CARGA, NOS NAVIOS E NO ESPAÇO PORTUÁRIO Victor Alexandre de Carvalho Director Geral do IMPA Instituto Marítimo Portuário de Angola 1

2 ÍNDICE 1. ENQUADRAMENTO 2. CONCEITO DE SEGURANÇA MARÍTIMA 3. O INSTITUTO MARÍTIMO E PORTUÁRIO DE ANGOLA 4. ATRIBUIÇÕES DO INSTITUTO MARÍTIMO E PORTUÁRIO DE ANGOLA 5. PORTOS DE ANGOLA 6. CONCLUSÕES 2

3 CAPÍTULO 1 ENQUADRAMENTO 3 3

4 O comércio de mercadorias, e em especial o comércio intercontinental por via marítima, cresceu enormemente no último século. Por via marítima, transportam-se cargas de todo o tipo, desde as ramas de petróleo e gás natural liquefeito aos minérios de ferro, uranio, cobre, às sucatas metálicas para reciclar, veículos, vestuário, televisores, trigo, açúcar, café, cimento, madeira, entre outros. 4 4

5 A introdução de contentores de carga nos anos 60 permitiu melhorar as condições do transporte das mercadorias, reduzindo as perdas e avarias, introduzir rapidez na transferência de cargas, e aumentar o volume de mercadorias transportadas. 5 5

6 Assim, a economia mundial depende fortemente do transporte marítimo, uma vez que mais de 70% das mercadorias são transportadas por embarcações, devido às suas características únicas que o distinguem dos restantes modos, principalmente pela sua elevada capacidade de carga e também por ser dos mais eficientes a nível energético. 6 6

7 Comércio Marítimo Mundial (mil milhões de toneladas-km) 7 7

8 No transporte marítimo de mercadorias existem muitos tipos de navios, consoante a carga que transportam, sendo os mais importantes, os navios de carga geral, estando incluído nestes os navios de contentores, os graneleiros, que são responsáveis pelo transporte de cargas a granel sólidas, como é o caso do carvão, e líquidas, como é o caso do gás natural e o petróleo (petroleiros), existem também navios ro-ro, que transportam principalmente veículos, entre outros. 8 8

9 9 9

10 A esmagadora maioria dos países necessita de transportar por via marítima, combustíveis, matérias primas, bens alimentares ou manufacturados, entre outros. Uma embarcação, no exercício da sua actividade, tanto a navegar como em porto, pode interferir com a segurança de outros navios e da própria instalação portuária

11 O conceito de segurança, hoje em dia, extravasa assim, a dimensão da embarcação, estendendo-se por isso a todo o meio envolvente

12 Mas, qual o conceito de segurança marítima? 12 12

13 CAPÍTULO 2 CONCEITO DE SEGURANÇA MARÍTIMA 13 13

14 A paz mundial e a prosperidade dos estados dependem, em grande medida, da segurança no âmbito marítimo global portos, costas, águas territoriais e alto mar. A palavra segurança tem a sua origem na palavra latina securus, agregação de se, significando desprovido de ou sem, e curus, com o significado de cuidado. A conotação inicial da palavra era pois a de sem preocupação, estar com tudo garantido, não precisar de cuidar ou ocupar-se de si mesmo

15 Quando consideramos a segurança no contexto do mar, deverá ter-se presente o seu carácter multidimensional, nomeadamente segurança face às ameaças de acções criminosas contra a segurança das pessoas, bens e recursos, segurança ambiental e da navegação face a acidentes de origem humana ou decorrentes de catástrofes naturais

16 Para uma melhor precisão destas dimensões da segurança marítima, é vantajoso considerar as designações em língua inglesa, que as separa em maritime security e maritime safety, que agregam um conjunto de operações, tarefas e preocupações diferenciadas

17 Safety, envolve o conjunto de medidas destinadas a garantir uma navegação segura por parte dos navios, isto é, quer na envolvência das condições de bordo (qualificação dos tripulantes, estiva e movimentação da carga e, em geral, as condições de navegabilidade estruturais e de equipamentos do navio), quer no sistema de ajudas à navegação e de ordenamento das aproximações a um porto que permitem, aos navios, uma navegação segura

18 Security, envolve todas as medidas de segurança física aplicáveis no espaço sob jurisdição portuária, aos tripulantes e passageiros dos navios e aos demais funcionários que operam nos portos, bem como aos próprios navios

19 19 19

20 Assim, e quanto ao objeto, segurança marítima abrange a «segurança do transporte marítimo» - em que o enfoque se traduz no «navio» e na sua movimentação - e a «segurança portuária» - que respeita, essencialmente, às áreas sob jurisdição portuária, abrangendo os diversos terminais, a área terrestre adjacente e a área molhada

21 Compete às autoridades e organizações marítimas nacionais e internacionais, entre outras, definir, aprovar, fiscalizar e fazer cumprir as normas e as disposições legais relativas à construção e operação de embarcações. Objectivo: Garantir a segurança das pessoas e bens que as embarcações transportam, bem como prevenir a poluição ambiental

22 Em Angola, quem supervisiona e regula um dos principais Sectores Estratégicos da Economia, o Sector Marítimo e Portuário, é o Instituto Marítimo e Portuário de Angola IMPA

23 CAPÍTULO 3 INSTITUTO MARÍTIMO E PORTUÁRIO DE ANGOLA 23 23

24 O Instituto Marítimo e Portuário de Angola, abreviadamente IMPA, é um Instituto Público, dotado de personalidade jurídica, autonomia administrativa, financeira e patrimonial, criado para exercer as funções de coordenação, orientação, controlo, fiscalização, licenciamento, certificação e regulamentação de todas as actividades relacionadas com a Marinha Mercante, com as Capitanias, com os Portos e actividades conexas

25 km Tendo o IMPA a sua sede em Luanda, e detendo jurisdição sobre todo o território nacional, que contempla quilómetros de costa e quilómetros de área fluvial navegável 25

26 necessita de ter algumas das suas atribuições exercidas pelas Capitanias dos Portos de Cabinda, do Soyo, de Luanda, de Porto Amboim, do Lobito e do Namibe e por 19 Delegações Fluviais, constituindo-se estas como as Delegações Regionais ou Provinciais do Instituto, as quais se encontram reguladas por legislação específica

27 27 Existem 6 (seis) Capitanias Marítimas em Angola: 27

28 As Capitanias são dirigidas pelos Capitães dos Portos a quem são conferidas competências nos âmbitos da autoridade marítima, do salvamento e socorro marítimos, da segurança da navegação, do exercício de funções de carácter técnico-administrativo, do registo patrimonial de embarcações, da protecção e conservação do domínio público marítimo e da defesa do património cultural subaquático, da pesca, da aquicultura e das actividades conexas e ainda no campo contra-ordenacional

29 CAPÍTULO 4 ATRIBUIÇÕES DO INSTITUTO MARÍTIMO E PORTUÁRIO DE ANGOLA 29 29

30 O IMPA, de acordo com o seu Estatuto Orgânico, tem competência, entre outras, para intervir de modo a: Assegurar o cumprimento das leis e regulamentos vigentes; 30 30

31 Homologar o tipo de equipamentos a utilizar no ramo; Promover o desenvolvimento de todas as actividades ligadas à Marinha Mercante e Portos, incluindo a investigação, formação e treinamento de pessoal nos domínios científicos e tecnológicos; 31 31

32 Analisar e propor a homologação e aplicação em território nacional das recomendações, normas e outras disposições emanadas de entidades e convenções internacionais e regionais, nos ramos marítimo e portuário; Estudar e propor leis, regulamentos e providências administrativas, destinadas a garantir, orientar e coordenar o exercício das actividades da marinha mercante e do trabalho portuário; 32 32

33 Garantir o licenciamento das actividades de transporte marítimo, do trabalho portuário, do domínio público marítimo e de outros de natureza afim, nos termos da legislação respectiva e inspecionar o cumprimento das condições impostas nos respectivos títulos de licenciamento, autorizações, contratos de concessão e outros; 33 33

34 Organizar a participação e intervenção do sector nas organizações internacionais, assegurar os seus direitos e os compromissos nelas assumidos pela administração e coordenar a distribuição dos documentos e informações ligadas aos assuntos internacionais; 34 34

35 Normalizar os sistemas e procedimentos das operações de busca e salvamento e realizar quaisquer outras tarefas que por força da lei ou por determinação superior lhes sejam incumbidas; 35 35

36 Licenciar, certificar, autorizar e homologar as actividades, os procedimentos, as infraestruturas, os equipamentos e demais meios afectos à Marinha Mercante e aos Portos, cujo exercício, qualificações e utilização estejam condicionados, nos termos da lei e demais regulamentos aplicáveis; 36 36

37 Promover a aplicação e fiscalizar o cumprimento das leis, regulamentos, normas e requisitos técnicos aplicáveis, no âmbito das suas atribuições e aplicar as multas correspondentes às infracções; 37 37

38 Coordenar, com a entidade competente, os procedimentos relativos à vigilância marítima e à prevenção da poluição do meio ambiente marítimo

39 CAPÍTULO 5 PORTOS DE ANGOLA 39 39

40 A Segurança Marítima, tanto do safety como do security, tem uma importância fundamental na protecção das relações comerciais entre os vários actores ligados ao comércio internacional importadores, exportadores, transitários, agentes de navegação, companhias seguradores e, naturalmente, a própria Administração Pública enquanto garante das condições de segurança nos Portos

41 A protecção da carga angolana, seja na componente de importação como de exportação, exige que a segurança nos Portos Nacionais tenha elevados índices de qualidade, de garantia, de modo a que não ofereçam dúvidas aos operadores internacionais quanto à segurança patrimonial, dos navios, da carga e dos recurso humanos

42 É reconhecido pela generalidade dos intervenientes no comércio internacional que a segurança nos Portos, objectivamente e subjectivamente, são um factor que condiciona o custo do frete marítimo, do valor do seguro das cargas e da forma como os próprios armadores podem, face a diversas alternativas de destinos, preferirem determinados Portos, em detrimentos de outros

43 Deste modo, o frete e o seguro tem uma relação muito íntima com as condições de segurança dos Portos em ambas as vertentes referenciadas anteriormente safety e security

44 Angola, conforme é sabido, foi durante muito tempo, penalizada (os operadores económicos, os consumidores e a própria economia nacional) pela forma como a segurança nos Portos marítimos era encarada pela generalidade dos stakeholders, designadamente, pelos armadores

45 A elevação do frete marítimo, nesse período, era tal, que as Autoridades viram-se coagidas a implementar um mecanismo de negociação que permitisse discutir com as contrapartes no exterior o valor do frete marítimo, de modo a nivelar para valores correntes de mercado tipos de navio e natreza de carga homóloga

46 E, foi assim, que nasceu a Bolsa Nacional de Frete

47 Na actualidade, estão ultrapassadas muitas condições de vigentes constrangimento nessa altura. Pontualmente, ainda existam algumas dificuldades. Com a progressiva expansão e modernização dos Portos Nacionais, reforço da segurança marítima e qualidade do atendimento, foram sendo progressivamente ultrapassadas ou mesmo eliminadas

48 Por outro lado, se a normalidade da situação é conhecido internamente, teremos de fazer todos os esforços possíveis para levar um quadro actualizado, em termos de segurança marítima nos Portos Angolanos, à comunidade e aos mercados que, connosco, interagem, demonstrando que, efectivamente, Angola tem progredido muito e no bom sentido em matéria de Segurança Marítima

49 E continuamos ainda a desenvolver todos os esforços necessários para dotar a totalidade dos Portos com as condições de infra-estrututras e de equipamentos (VTS e outros equipamentos) indispensáveis a assegurar um nível de excelência na segurança marítima a todos os níveis e, sobretudo, a criar nos armadores, na tripulações dos navios, e nos donos da carga, a consciência perfeita de que os seus interesses, o seu património e a vida humana estão protegidos e salvaguardados com as condições existentes

50 CAPÍTULO 6 CONCLUSÕES 50 50

51 Devido à imprevisibilidade e ao grau de risco normalmente associado ao transporte marítimo, surgiu desde há muito a necessidade de regulamentar a actividade marítima, especialmente no que concerne à segurança marítima. Esta realidade tem como objectivos minimizar a perda de vidas humanas e de bens materiais, bem como proteger o meio ambiente

52 A segurança marítima, que visa não só a proteção dos passageiros e trabalhadores marítimos, mas também a preservação do ambiente marinho e das regiões costeiras, constitui um objetivo fundamental da política de transportes marítimos de Angola

53 O IMPA, enquanto Instituto regulador do Sector Marítimo e Portuário de Angola, tem na segurança das infraestruturas, dos equipamentos, das instalações e dos sistemas marítimos e portuários; na valorização do Sector Marítimo e Portuário e na preservação do meio ambiente e a luta contra a poluição valores que enformam a sua actuação

54 54 54

55 MUITO OBRIGADO 55

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã

Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Sessã o de Aberturã do VII Congresso dos Portos de Lí nguã Portuguesã Excelência, Senhor Vice Governador da Província de Benguela, Dr. João Felizardo em representação do Engº Isaac Francisco Maria dos

Leia mais

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL

DIÁRIO DA REPÚBLICA SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE S U M Á R I O. Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 ASSEMBLEIA NACIONAL Terça-feira, 11 de Setembro de 2007 Número 44 SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE DIÁRIO DA REPÚBLICA S U M Á R I O ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 13/2007. Lei de Base de Segurança Marítima e de Prevenção contra a Poluição

Leia mais

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO

MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO MARINHA MERCANTE COMO UM DOS FACTORES IMPULSIONADORES DE DESENVOLVIMENTO Arlindo Zandamela Instituto Nacional das Comunicações de Moçambique (INCM) Lisboa, Portugal Zandamela.arlindo@gmail.com Sumário

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Ministério dos Transportes

Ministério dos Transportes Ministério dos Transportes Decreto Lei 1/05 De 17 de Janeiro Convindo estabelecer as normas orgânicas e funcionais que se coadunam com as actuais exigências da organização do Ministério dos Transportes,

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal

O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal O novo quadro institucional dos assuntos do Mar em Portugal 19 de Abril de 2012 (5.ª feira), 17h00 CONVITE O Presidente da Sociedade de Geografia de Lisboa (SGL) tem a honra de convidar V. Ex.ª e sua Exma.

Leia mais

Investimento Privado em Angola

Investimento Privado em Angola Abril 2013 Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Investimento Privado em Angola Sectores Económicos Prioritários Sectores económicos prioritários Agricultura e Pecuária Indústria

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 1 2 3 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO E O SEU IMPACTO NA INFRA-ESTRUTURA PORTUÁRIA EXECUÇÃO 2013 4 5 EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE MARÍTIMO O COMÉRCIO INDUZ A OPERAÇÃO DE TRANSPORTE Cabe ao Transporte Marítimo

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Ministério do Ambiente

Ministério do Ambiente Ministério do Ambiente Decreto-Lei n.º 4/09 de 18 de Maio A Lei Constitucional da República de Angola no seu artigo 24.º assegura que «todos os cidadãos têm o direito de viver num meio ambiente sadio e

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO

OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO OPORTUNIDADES DE INVESTIMENTO NO SECTOR DOS TRANSPORTES E LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO FÓRUM ECONÓMICO E DE NEGÓCIOS ANGOLA-ITÁLIA Fevereiro 2014 INDÍCE: Estratégia do Sector 2013-2017; Áreas/Projectos com

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão APA Administração do Porto de Aveiro, S.A. A sustentabilidade do Porto de Aveiro é a garantia do seu futuro. A génese do Porto de Aveiro está ligada à história da Ria e

Leia mais

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014

Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 Publicado no Diário da República, I série, nº 218, de 10 de Dezembro AVISO N.º 10/2014 ASSUNTO: GARANTIAS PARA FINS PRUDENCIAIS Considerando a importância do correcto enquadramento das garantias recebidas,

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março

DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março A competição internacional no sector da marinha de comércio é extremamente forte, tendo conduzido à baixa acentuada e prolongada dos fretes marítimos, facto este que

Leia mais

BOLETIM DA REPÚBLICA SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Quinta-feira, 15 de Março de 2012 I SÉRIE Número 11

BOLETIM DA REPÚBLICA SUPLEMENTO PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE. Quinta-feira, 15 de Março de 2012 I SÉRIE Número 11 Quinta-feira, 15 de Março de 2012 I SÉRIE Número 11 BOLETIM DA REPÚBLICA PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE SUPLEMENTO IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P. A V I S O A matéria a publicar no

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM DIREITO E SEGURANÇA UNL 2014/2015

CURSO DE MESTRADO EM DIREITO E SEGURANÇA UNL 2014/2015 CURSO DE MESTRADO EM DIREITO E SEGURANÇA UNL 2014/2015 3ª U.C. - SISTEMA DE SEGURANÇA INTERNA (SSI) 3.8. «A POLÍCIA MARITIMA» - Quadro geral e a envolvente da Segurança Marítima (3 TEMPOS) 02 de dezembro

Leia mais

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único

Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único Decreto n.º 51/1991 Acordo de Transportes Marítimos entre a República Portuguesa e a República de Moçambique Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Leia mais

Transporte Marítimo e Portos

Transporte Marítimo e Portos Transporte Marítimo e Portos Disposição de Terminais num Porto - 1 Disposição geral do porto de Leixões. 1 Disposição de Terminais num Porto - 2 Porto de Rotterdam (Holanda), o maior porto europeu. Disposição

Leia mais

A intermodalidade e o transporte marítimo

A intermodalidade e o transporte marítimo Ana Paula Vitorino Secretária de Estado dos Transportes A intermodalidade e o transporte marítimo 27 A dinâmica da política de transportes, global e europeia, e a posição geoestratégica de Portugal justificam

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA

TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA TRANSPORTE MARÍTIMO: REGRAS DE TRÁFEGO E DE SEGURANÇA Ao longo dos últimos anos, as diretivas e regulamentos da UE, em particular os três pacotes legislativos adotados no seguimento dos desastres que envolveram

Leia mais

Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE

Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE A competição internacional no sector da marinha de

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros DECRETO nº.../07 de... de... Considerando que as aplicações pacíficas de energia atómica assumem cada vez mais um papel significativo no desenvolvimento

Leia mais

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão:

O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: 1 O Concelho Nacional de Carregadores (CNC) tem por Missão: O CNC CONSELHO NACIONAL DE CARREGADORES é um Instituto Público que tem por Missão, a coordenação e o controlo das operações de comércio e transporte

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira

MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR - Registo Internacional de Navios da Madeira MAR: Registo Internacional de Navios da Madeira S.D.M. - Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, S.A. Rua da Mouraria, n.º 9-1.º P. O. Box 4164, 9001-801

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO 946 Diário da República, 1.ª série N.º 47 6 de março de 2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Decreto-Lei n.º 51/2012 de 6 de março A segurança do transporte

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza

ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP. Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza ESTRATÉGIA PARA A FORMAÇÃO MARÍTIMO-PORTUÁRIA NO ESPAÇO APLOP Prof. Eng. Dea, Msc. Adalmir José de Souza CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Especialização APRESENTAÇÃO O curso tem como objetivo

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A.

ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. ESTATUTOS DA APL - ADMINISTRAÇÃO DO PORTO DE LISBOA, S. A. CAPÍTULO I Denominação, duração, sede e objecto Artigo 1.º Denominação e duração 1 - A sociedade adopta a forma de sociedade anónima de capitais

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais

Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais Carlos Manuel Serra Importância de Moçambique em termos ambientais. Situação de pobreza em que vive a maioria da população moçambicana. Corrida aos recursos naturais destaque para os petrolíferos e mineiros

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS

PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 28/IX SOBRE A REVISÃO DA POLÍTICA COMUM DAS PESCAS A Assembleia da República, reunida em Plenário para um debate de urgência sobre as propostas da Comissão Europeia de reforma

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto executivo nº. 80/04 de 27 de Julho Havendo necessidade de estabelecer as condições a que devem obedecer os meios de transporte aéreo de produtos petrolíferos; Sendo necessário

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 348, DE 2007 (MENSAGEM N o 437, de 2006) Aprova o texto consolidado da Convenção Internacional para a Prevenção

Leia mais

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO

I CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MARÍTIMO E PORTUÁRIO Centro de Direito Marítimo e dos Transportes da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa Em Associação com o CIDP Centro de Investigação de Direito Privado da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

DIRECTIVA 2009/18/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/18/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO L 131/114 Jornal Oficial da União Europeia 28.5.2009 DIRECTIVA 2009/18/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 23 de Abril de 2009 que estabelece os princípios fundamentais que regem a investigação de

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional

Escola Secundária de Paços de Ferreira. Módulo 21 Comércio Internacional Escola Secundária de Paços de Ferreira Módulo 21 Comércio Internacional Trabalho realizado por: Mafalda Neves 12ºS 2009/2010 Importação É o processo comercial e fiscal que consiste em trazer um bem, que

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9, nº 28. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9, nº 28 Seguros enquadramento da actividade de call center na prestação de serviços a empresas seguradoras e correctoras de seguros - despacho do SDG dos

Leia mais

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade

Redes de Acesso Unificado: Oportunidade ou Necessidade Cisco Innovation Day 20 maio 2014 Porto Estádio do Dragão O que é a APDL? APDL Administração dos Portos do Douro e Leixões, SA - Sociedade Anónima de capitais exclusivamente públicos Tem como função a

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS

SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS SMIT, SERVIÇOS MARÍTIMOS DE MOÇAMBIQUE, LIMITADA PARCEIRO MOÇAMBICANO DE SOLUÇÕES MARÍTIMAS 2 QUEM SOMOS 3 UMA EMPRESA LOCAL QUE REÚNE REQUESITOS INTERNACIONAIS A Smit Serviços Marítimos de Moçambique

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA MINISTÉRIOS DA SAÚDE, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DA REFORMA DO ESTADO E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Portaria n. 390/2002 de 11 de Abril A Resolução do Conselho de Ministros n.º 166/2000,

Leia mais

b) A Direcção de Serviços de Regulação Técnica e de Segurança; c) A Direcção de Serviços de Formação e Certificação;

b) A Direcção de Serviços de Regulação Técnica e de Segurança; c) A Direcção de Serviços de Formação e Certificação; Diário da República, 1. a série N. o 83 30 de Abril de 2007 2897 d) Exercer ou autorizar as actividades portuárias, ou as com estas directamente relacionadas, respeitantes a movimento de navios e de mercadorias,

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA. Comandante Dionísio Varela

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA. Comandante Dionísio Varela SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA Comandante Dionísio Varela NAUTICAMPO 11 DE ABRILDE 2015 Agenda 1. Gestão de Segurança 2. Cultura de segurança 3. Conclusões GESTÃO

Leia mais

O Cluster do Mar de Cabo Verde No Quadro da Cooperação e Desenvolvimento da Economia Azul no Atlântico Médio. franklim.spencer@enapor.

O Cluster do Mar de Cabo Verde No Quadro da Cooperação e Desenvolvimento da Economia Azul no Atlântico Médio. franklim.spencer@enapor. O Cluster do Mar de Cabo Verde No Quadro da Cooperação e Desenvolvimento da Economia Azul no Atlântico Médio franklim.spencer@enapor.cv ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO ENQUADRAMENTO HIPERCLUSTER DO MAR; ANÁLISE

Leia mais

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013

Duração: 16 Horas Data Início: Lisboa 12/06/2013 Porto 13/06/2013. 450 Euros* 520 Euros* Prazo para Inscrições: 24/05/2013 2013 Acções de Formação AGEPOR Código IMDG 1ª Edição Início: Lisboa: 12 Junho 2013 Porto: 13 Junho 2013 AGEPOR Associação dos Agentes de Navegação de Portugal Tipo de Acção: Formação Tema: Código IMDG

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Diário da República, 1. a série N. o 82 27 de Abril de 2007 2731

Diário da República, 1. a série N. o 82 27 de Abril de 2007 2731 Diário da República, 1. a série N. o 82 27 de Abril de 2007 2731 CAPÍTULO V Disposições finais e transitórias Artigo 16. o Sucessão O IMTT, I. P., sucede nas atribuições da Direcção- -Geral dos Transportes

Leia mais

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA E ABS GROUP Este ACORDO é celebrado em consonância com o estabelecido nas Normas da Autoridade Marítima para Reconhecimento

Leia mais

INVESTIMENTO PRIVADO AGOSTO 2011

INVESTIMENTO PRIVADO AGOSTO 2011 AGOSTO 2011 O Papel da Iniciativa Privada tem sido crescente Reconhece-se que isso tem contribuído para que os transportes cumpram melhor os objectivos essenciais a que se destinam. Considera-se como objectivo

Leia mais

Madeira: Global Solutions for Wise Investments

Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments Madeira: Global Solutions for Wise Investments O Centro Internacional de Negócios da Madeira Lisboa, 20 de Abril de 2010 Índice 1. Fundamentos do CINM 2.

Leia mais

Lei do património cultural. Lei n.º 107/2001 de 8 de Setembro

Lei do património cultural. Lei n.º 107/2001 de 8 de Setembro Lei do património cultural Lei n.º 107/2001 de 8 de Setembro Lei do património cultural...4 Dos princípios basilares...4 Objecto...4 Conceito e âmbito do património cultural...4 Tarefa fundamental do Estado...4

Leia mais

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo

Apenas para referência. Serviços de transporte marítimo CEPA. Sector ou. 11. Serviços de Transporte. Subsector. A. Serviços de transporte marítimo Serviços de transporte marítimo CEPA A. Serviços de transporte marítimo H. Serviços de apoio Transporte internacional (transporte de mercadorias e de passageiros) (CPC7211, 7212, excluindo serviços de

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Código de Ética e de Conduta

Código de Ética e de Conduta visa dar a conhecer de forma inequívoca aos colaboradores, clientes, entidades públicas, fornecedores e, de uma forma geral, a toda a comunidade os valores preconizados, vividos e exigidos pela empresa,

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS De que trata cada Norma Regulamentadora (NR), urbanas e rurais. Nos links (sublinhados), você pode conferir o texto original das Normas, direto no site do Ministério do Trabalho

Leia mais

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES

IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES OS TRANSPORTES IMPORTÂNCIA DOS TRANSPORTES Contribui para a correcção das assimetrias espaciais e ordenamento do território; rio; Permite uma maior equidade territorial no acesso, aos equipamentos não

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014

MISSÃO EMPRESARIAL. ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 MISSÃO EMPRESARIAL ANGOLA - BENGUELA E MALANGE 8 a 16 de Novembro de 2014 ANGOLA Com capital na cidade de Luanda, Angola é um país da costa ocidental de África, cujo território principal é limitado a norte

Leia mais

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE

Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Código Internacional de Proteção para Navios e Instalações Portuárias ISPS CODE Conferência Interamericana de Transportes de Produtos Perigosos CITRANSPPE São Paulo Setembro de 2004 11 Set/2001 Torres

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde do Algarve, Instituto Público PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS Índice Introdução... 3 1. Atribuições, organograma e identificação

Leia mais

Contribuição da Inspecção Geral da Saúde no combate a contrafacção de Medicamentos

Contribuição da Inspecção Geral da Saúde no combate a contrafacção de Medicamentos REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA SAÚDE INSPECÇÃO GERAL DA SAÚDE SEMANA DA FARMÁCIA ANGOLANA 2014 Contribuição da Inspecção Geral da Saúde no combate a contrafacção de Medicamentos POR: JÚLIA SIMÃO INSPECTORA

Leia mais

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS

A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS A INTEGRAÇÃO DA REDE FERROVIÁRIA COM A REDE LOGÍSTICA E DEMAIS REDES MODAIS NOVEMBRO 2014 ÍNDICE 01. A REDE NACIONAL DE PLATAFORMAS LOGISTICAS 01. INTRODUÇÃO 02. PRIORIDADES NA CONSTRUÇÃO DE NOVAS 02.

Leia mais

d) Licença ambiental de operação documento

d) Licença ambiental de operação documento I SÉRIE N.º 84 DE 13 DE JULHO DE 2007 1283 Decreto n.º 59/07 de 13 de Julho Considerando que a Lei n.º 5/98, de 19 de Junho, Lei de Bases do Ambiente, estabelece a obrigatoriedade de licenciamento das

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

CARTA AFRICANA DO TRANSPORTE MARÍTIMO. Anexo 1. Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da União Africana (UA);

CARTA AFRICANA DO TRANSPORTE MARÍTIMO. Anexo 1. Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da União Africana (UA); PREÂMBULO CARTA AFRICANA DO TRANSPORTE MARÍTIMO Anexo 1 Nós, Chefes de Estado e de Governo dos Estados Membros da União Africana (UA); Inspirados pelos objectivos estabelecidos no Acto Constitutivo da

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

III Congresso Mares da Lusofonia

III Congresso Mares da Lusofonia III Congresso Mares da Lusofonia Rio de Janeiro, 23 de maio de 2013 1 Os Portos como Exemplo de Cooperação Lusófona O CASO DA APLOP José Luís Cacho Presidente APLOP - Associação de Portos de Língua Portuguesa

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

Ministério das Obras Públicas

Ministério das Obras Públicas Ministério das Obras Públicas ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS CAPÍTULO I Natureza e Atribuições Artigo 1.º (Natureza) O Ministério das Obras Públicas é o órgão da administração pública

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA

SEGURANÇA MARÍTIMA PREVENÇÃO OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA SEGURANÇA MARÍTIMA OU REPARAÇÃO - A VISÃO DA AUTORIDADE MARÍTIMA Comandante Dionísio Varela NAUTICAMPO 11 DE ABRILDE 2015 Agenda 1. Gestão de Segurança 2. Cultura de segurança 3. Conclusões Virgem do Sameiro

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO

II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO II CONGRESSO ÂNCORA (FEEM) 14 NOVEMBRO 2013 PORTOS E TRANSPORTES MARÍTIMOS TORNAR PORTUGAL NUM IMPORTANTE HUB DE TRANSPORTE MARÍTIMO Miguel de Paiva Gomes (Transinsular Grupo ETE) GRUPO ETE - PORTFÓLIO

Leia mais