CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1."

Transcrição

1 CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A. l. COSTA 2. RESUMO: Esta pesquisa faz parte de um projeto maior onde se pretende verificar, entre outros, a importância da agricultura familiar no valor da produção total do município de Monções. Neste trabalho objetiva-se verificar o perfil do produtor rural no seu total e dos familiares e analisar as atividades agrícolas predominantes no município de Monções-SP. Para definir o universo da pesquisa, foram utilizados os critérios adotados pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura familiar (PRONAF). A metodologia proposta neste trabalho é composta pela aplicação de um questionário junto a todos os produtores, definidos como participantes da pesquisa. Os resultados mostram que a área ocupada com pastagens é predominante para a agricultura em geral e para a agricultura familiar do município, a cultura do milho é destaque nos dois casos, a diferença fica com a segunda posição, a soja para o conjunto dos produtores rurais e o algodão no familiar. Como a agricultura familiar tem um papel fundamental na geração de renda e de empregos no setor rural, ações mais específicas, voltadas a estes pequenos produtores, principalmente para a pecuária leiteira, poderá resultar em maior êxito nas políticas de desenvolvimento local e regional. Palavras Chave: Produtor familiar, Perfil, Uso do Solo. INTRODUÇÃO No estado de São Paulo, embora o peso dos setores patronais ligados às culturas da cana-de-açúcar e, em menor grau, da laranja, leve a uma menor participação da agricultura familiar, esta continua a ter um papel de destaque em várias regiões deste Estado. Os resultados da caracterização da agricultura familiar por Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) no estado de São Paulo obtidos por Carvalho e Kuhn (1999), mostram que o EDR de General Salgado, localizado na região oeste do estado de São Paulo, tem sua economia baseada principalmente na agropecuária, sendo que a maioria possui área de até 5 hectares. Com relação à agricultura familiar, 6% dos agricultores dedicam-se a 1 Pesquisa desenvolvida com auxílio FAPESP. 2 Docentes do Departamento de Fitotecnia, Tecnologia de Alimentos e Sócio-Economia da FE/UNESP campus de Ilha Solteira, Caixa Postal 31, CEP , Ilha Solteira-SP, 3 Discente da UNESP Campus de Ilha Solteira.

2 produção de leite, sendo que os demais apresentam atividades integradas ou não com algodão, milho, feijão, citros, seringueira, café e frutíferas. No município de Monções (pertencente ao EDR de General Salgado) o processo de ocupação, assim como ocorreu em outros municípios, deu-se a partir da primeira década do século passado através da expansão cafeeira e da bovinocultura. A crise cafeeira, a partir de 198, levou os agricultores a buscarem novas alternativas de produção e de emprego, contribuindo também para o aumento do êxodo rural. Neste município a área total das propriedades é de hectares, divididos em três Bairros, o Córrego do Saltinho, Ribeirão Ponte Nova e o Ribeirão Mato Grosso, e a economia do município se baseia no setor agropecuário. Quase 8% das propriedades familiares estão situadas na faixa de até 5 ha e as demais na faixa de 5 a 1 ha, evidenciando a importância que a agricultura familiar apresenta nesta região. Estes dados indicam que embora nem toda propriedade pequena seja familiar, todas as propriedades familiares em Monções são pequenas propriedades, quando se consideram os critérios do PRONAF (Fabricio et al., 23). Vários trabalhos de pesquisa, como os de Otani et al. (21), Carvalho e Kuhn (1999), Abramovay et al. (1995) e Bergamasco (1993) vêm mostrando a importância de se estudar a agricultura familiar no Brasil, no Estado, em um município e até especificamente junto a uma atividade. O reconhecimento da importância da agricultura familiar tem sido cada vez maior, o que tem desencadeado ações políticas que buscam reforçar as políticas públicas destinadas a este setor. Estas questões motivaram a realização desta pesquisa para se verificar o perfil do produtor rural no seu total e dos familiares e analisar as atividades agrícolas predominantes, no município de Monções-SP. METODOLOGIA Esta pesquisa faz parte de um projeto maior que tem como objetivo verificar, entre outros, a importância da agricultura familiar no valor da produção total do município de Monções-SP. Especificamente neste trabalho pretende-se a partir da análise dos dados de fonte primária, obtidos a partir da aplicação de questionários, caracterizar o perfil do produtor rural de Monções no seu total e do grupo dos produtores familiares e analisar as atividades agrícolas predominantes Para definir o universo da pesquisa, foram utilizados os critérios adotados pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura familiar (PRONAF) que considera o tamanho máximo da propriedade limitado a 4 módulos fiscais do município; ao limite de, no máximo dois trabalhadores permanentes; ao fato de que o agricultor trabalhe na área com sua família, com ajuda eventual de terceiros, e que seja proveniente da agropecuária a sua principal fonte de renda. A metodologia proposta no projeto é composta pela aplicação de um questionário junto a todos os produtores rurais do município de Monções, definidos como participantes da pesquisa. O questionário foi elaborado visando levantar as principais características dos produtores e de suas famílias e da propriedade. Foram visitadas as 19 propriedades rurais localizadas no município Monções (ou parte deste). Deste total uma propriedade foi desconsiderada por pertencer a prefeitura que ainda estuda a sua utilização. Considerando que as outras 4 propriedades, todas localizadas no bairro Mato Grosso, se encontravam sem atividades, as informações levantadas com terceiros não foram consideradas confiáveis, e ainda não foi possível contactar seus proprietários que se encontram morando em outros Estados, não foram consideradas na pesquisa. Como

3 existem produtores que possuem até três propriedades o total de produtores de Monções é de 16. Visando atender aos objetivos propostos, os dados foram tabulados no software Microsoft Excel for Windows e sistematizados em gráficos e tabelas. RESULTADOS E DISCUSSÃO Dados referentes ao produtor Do total de 16 produtores, apenas 42 ou 26,3% foram caracterizadas como produtores familiares. Considerando os critérios utilizados pelo PRONAF o principal item não preenchido, de uma forma geral, é a utilização da mão-de-obra familiar, como a maioria não está conseguindo sobreviver da renda agrícola, parte dos membros da família passam a trabalhar em outros setores da economia. Os dados do produtor rural de Monções serão apresentados tendo como referência dois universos diferenciados: um abrangendo todos os produtores rurais (denominado geral) e outro que inclui apenas os produtores que se enquadraram nos critérios definidores dos produtores familiares. Dentre os dados referentes ao produtor, buscou-se efetuar o levantamento da faixa etária de todos os produtores e do conjunto dos produtores familiares, conforme se pode observar nas Figuras 1 e 2. Nota-se pela Figura 1 que quase um terço do total dos produtores tem idade superior a 6 anos, por outro lado, se a análise empreendida for estabelecida do ponto de vista da reprodução familiar, os resultados não são muito animadores, tendo em vista que menos de 5% dos produtores possuem idade inferior a 3 anos. Nas faixas intermediárias, a participação dos produtores é igual 22,5%. 3,63% 4,38% 2,% 22,5% 22,5% < > 6 Figura 1. Faixa etária dos produtores rurais (geral) Fonte: Pesquisa de campo, 22/23

4 Se considerarmos apenas os produtores familiares (Figura 2) a participação dos que apresentam menos de 3 anos se refere a apenas um produtor (2,38%), e, maiores de 6 anos representam mais de um terço de todos os produtores familiares. Novamente nas faixas intermediárias a participação é igual 23,81%. Se considerarmos os produtores familiares com mais de 5 anos a representação aumenta para quase 63%. Considerando que a maioria dos filhos destes produtores se encontra estudando ou trabalhando em outras atividades fora do setor rural, do ponto de vista da reprodução social é muito preocupante. 37,21% 2,33% 11,63% 23,26% 25,58% < > 6 Figura 2. Faixa etária dos produtores familiares Fonte: Pesquisa de campo, 22/23 Outro indicador referente ao produtor que foi levantado está relacionado ao tempo em anos que trabalha na agricultura (Figuras 3 e 4). Verifica-se que 56% (9 produtores) trabalham na agricultura a mais de 2 anos, por outro lado, 28% estão na agricultura a menos de 5 anos. n de produtores a 5 6 a 1 1 a 2 acima de 2 Figura 3. Tempo que trabalha na agricultura (geral)

5 Fonte: Pesquisa de campo, 22/23 Quando são considerados apenas os produtores familiares, os resultados são significativamente diferentes: quase 86% trabalham na agricultura em um período superior a 2 anos (Figura 4). Se compararmos com o gráfico acima, os dados indicam que a grande maioria dos produtores que iniciou suas atividades a menos de cinco anos (45 no geral) não pode ser caracterizada como produtores familiares (apenas 1 foi considerado produtor familiar). n de produtores a 5 6 a 1 1 a 2 acima de 2 Figura 4. Tempo que trabalha na agricultura familiar Fonte: Pesquisa de campo, 22/23 Quanto ao índice de escolaridade optou-se por classificá-la segundo a nomenclatura atual do ensino, conforme pode ser observado nas Figuras 5 e 6. No âmbito do nível de escolaridade dos produtores no geral, nota-se na Figura 5, que quase 18,59% do total são analfabetos e outros 34,62% estudaram no máximo até o final do primeiro ciclo do ensino fundamental (4ª série). Por outro lado é significativo o número de produtores, 15,38%, que cursam ou já possuem diploma em um curso superior, o que indica a grande heterogeneidade dos produtores quando considerados no âmbito geral.

6 38, Percentagem (%) ,88 1, 4,38 1,25 14,38 14,38 analfabeto 1ª a 4ª Série 5ª a 8ª Série incompleta e. f. completo e.m. incompleto e.m. completo e. superior Figura 7. Escolaridade dos produtores rurais (geral) Fonte: Pesquisa de campo, 22/23 O nível de escolaridade é menor quando se considera o conjunto dos agricultores familiares: os analfabetos aumentam para quase 3%; 45,31% estudaram no máximo até o final do primeiro ciclo do ensino fundamental e somente 1,56% chegaram até o ensino superior (Figura 6). Estes dados podem estar relacionados a Figura 4, uma vez que os produtores familiares com mais de 6 anos representavam mais de um terço e naquela época, as dificuldades ao acesso as escolas eram ainda muito maiores quando comparadas aos dias de hoje, principalmente para os residentes no setor rural. Durante as entrevistas fica evidenciada a importância que eles atribuem a formação de seus filhos. A maioria tem os filhos estudando fora, cursando um curso superior, ou pretendem que eles saiam um dia para se formarem, pois acreditam "que só assim poderão ter uma vida menos sofrida". É preciso ressaltar que os pais pretendem que eles apliquem no setor rural o dinheiro que vão ganhar depois de formado, acreditando que é um bom investimento a compra de um pedaço de terra, ou animais para corte ou leite. Oliveira (23) ressalta que não se deve desprezar os conhecimentos adquiridos por estes produtores rurais em suas experiências de vida, mas sim tentar conciliá-las à inserção de novas perspectivas de vida por meio de diferentes alternativas de produção.

7 1 51,16% 1 Percentagem (%) 18,6% 9,3% 6,98% 2,33% 11,63% analfabeto 1ª a 4ª Série 5ª a 8ª Série incompleta e. f. completo e.m. incompleto e.m. completo Figura 6. Escolaridade dos produtores familiares Fonte: Pesquisa de campo, 22/23. Os dados das Figuras 7 e 8 se referem ao local de residência dos produtores rurais em geral e dos produtores familiares. Verifica-se que quando se consideram todos os produtores apenas 24,38% moram na área rural e quase um terço dos produtores possuem propriedades em Monções, mas residem em outros municípios (Figura 7). 23,75% 34,38% 41,88% fora do municipio mora na propriedade no mucipio de monções Figura 7. Local de residência dos produtores (geral) Fonte: Pesquisa de campo, 22/23

8 Quando se considera os dados referentes aos produtores familiares (Figura 8), os que residem na propriedade aumenta para 5%. Os quase 12% dos produtores familiares que residem fora do município, são de municípios que fazem divisa com Monções, como por exemplo, Turiuba. Os outros 38% moram na sede do município, mas trabalham e vivem da agricultura. 46,51% 2,93% 32,56% fora do municipio mora na propriedade no mucipio de monções Figura 8. Local de residência dos produtores familiares. Fonte: Pesquisa de campo, 22/23. Atividades produtivas Em relação ao uso do solo, pode-se observar a partir dos dados da Figura 9, que a pastagem é amplamente predominante ocupando 86,18% da área total de 1.237,24 ha, composta quase exclusivamente de capim braquiária, em segundo lugar vem as culturas anuais que ocupam menos de 1% da área, totalizando essas duas atividades 95,51% da área total. Este resultado se repete para o conjunto dos produtores familiares, pastagens e culturas anuais são as duas atividades mais significativas na utilização das terras, embora, neste caso, as culturas anuais ocupem uma área maior (18,82%) e haja uma redução da área de pastagens para 73,31% do total.

9 Porcentagem horticulas semi-perene florestais perenes anuais pastagem Total das propriedades Propriedades familiares Figura 9. Distribuição das atividades no município de Monções para o total das propriedades e as familiares. Fonte: pesquisa de campo, 22/23. Em relação às culturas anuais (Tabela 1), a cultura do milho consiste na atividade mais expressiva, ocupando mais da metade da área total cultivada com culturas anuais, seguida pelas culturas da soja (27%), algodão (7,69%) e feijão (6,75%). No caso dos produtores familiares o cultivo do milho também é destaque com 45,28% da área total cultivada com culturas anuais, seguida pelas culturas de algodão (18,87%) e feijão (11,32%). A cultura do milho é destaque nos dois casos, a diferença fica com a segunda posição, a soja nas propriedades maiores e o algodão no familiar. O milho vem sendo utilizado para consumo nas propriedades familiares pelas criações e também na comercialização do grão para intermediários. As culturas semiperenes representam menos de 1% da área total cultivada, mas a cultura da cana-de-açúcar tem uma grande importância na alimentação do rebanho bovino durante o período da seca, tanto para os produtores em geral como para os agricultores familiares. Outra cultura que vem se destacando é o abacaxi, principalmente como opção aos produtores familiares.

10 TABELA 1. Número de produtores e área ocupada com culturas anuais em Monções-SP. CULTURAS ANUAIS GERAL Familiar Nº de produtores Área (ha) Nº de produtores Área (ha) milho , ,8 soja 3 258, algodão 14 73,45 1 6,45 feijão 11 64,85 6 3,6 painço 11 2,45 4 1,25 arroz 6 7,3 3 3,6 sorgo 2 6, 2 6, tomate rasteiro 3 5,6 3 5,6 amendoim 1 2,4 mamona 1 1,5 1 1,5 TOTAL , ,35 Fonte: Pesquisa de campo, 22/23 A cultura da laranja vem se destacando principalmente nas maiores propriedades e sua produção é destinada para a indústria, seguida pelos cultivos da manga e café. Os produtores familiares não produzem laranja de forma comercial, o destaque fica para o cultivo do café, que também vem ganhando espaço, seguida pela cultura da manga, que tem diminuído sua área nos últimos anos devido ao baixo preço e não pagamento pelos compradores. Em relação a pecuária corte, leite e mista, a Figura 1 apresenta a participação percentual por categoria, em relação ao número total de animais e considerando todos os produtores rurais de Monções e a Figura 11 traz estes dados relativo à agricultura familiar. A importância da pecuária de corte pode ser observada na Figura 1, pelo fato de que mais da metade do total de vacas (16,16% do total do rebanho) não são ordenhadas. O alto percentual de novilhas (25,23% do total do rebanho) deve-se a uma característica da pecuária de corte da região: a categoria mais utilizada para recria e engorda é novilha, pois é terminada com menor peso (12-14 arrobas), é bem aceita pelos açougues e comerciantes locais e o produtor tem menor gasto com alimentação. No caso dos produtores familiares, Figura 11, todo plantel de vacas é ordenhado (quase 4% do total do rebanho), embora por trabalharem com gado de aptidão mista, alguns também façam recria. O padrão tecnológico da produção animal (bovinocultura de leite, mista e corte) no município mostra que 1% dos produtores em geral e familiares utilizam sal mineral, vacinas e vermífugos nos animais. Devido a grande importância da produção de leite nas propriedades familiares (pois é uma das principais fontes de renda mensal), a maioria utilizam volumoso(cana-de-açúcar), e ração/ silagem na época da seca para manter ou aumentar a produção de leite no período da seca onde o preço é mais elevado, Em relação ao manejo rotacionado das pastagens e o uso da inseminação artificial, só uma minoria dos produtores utilizaram esses métodos, o que dificulta o melhoramento genético do rebanho leiteiro, e não permite um melhor aproveitamento das pastagens. A importância da atividade leiteira pode ser medida também pelo número de familiares que se encontram nesta atividade. Do total dos produtores familiares 3 (71,4%) produzem leite comercialmente, sendo que um terço deste total produzem em média de 2 a 5 litros por dia e se

11 considerarmos a faixa de produção de 2 a 1 litros de leite por dia, esse valor aumenta para 7%. Durante as entrevistas constatou-se a ineficiência do sistema de assistência técnica oficial. A insatisfação ocorre devido a vários fatores, entre eles, a demora para o atendimento das solicitações de visitas e ao pequeno número de técnicos. Até 23 a Casa da Agricultura de Monções contava com apenas 1 agrônomo e só recentemente foi contratado um veterinário, o que é muito justificável, dado que a maior área rural do município se encontra com pastagens e é significativo o número de animais tanto para pecuária de corte quanto para leite. Principalmente para agricultura familiar a produção de leite é fundamental, e o acesso à assistência técnica pode permitir avaliar a incorporação de novas técnicas adequadas a esse grupo de produtores. 35, 33,95 3, 25,23 25, 2, 14,88 16,16 15, 1, 8,11 5,,41 1,25, bezerro garrote novilha vacas lactação vacas recria touro boi Figura 1. Participação percentual no número de animais por categoria para o total dos produtores (geral) em Monções-SP. Fonte: Pesquisa de campo, 22/23

12 4, 35, 3, 25, 35,4 39,95 2, 15, 1, 11,7 12,79 5,, bezerro garrote novilha vacas lactação,62,53 touro boi Figura 11. Participação percentual no número de animais por categoria para os produtores familiares em Monções-SP. Fonte: Pesquisa de campo, 22/23. CONSIDERAÇÕES FINAIS A caracterização dos produtores de Monções permitiu, por um lado, verificar o uso do solo e o perfil dos produtores no geral e dos familiares e, por outro lado, evidenciar a potencialidade da pecuária leiteira para os produtores familiares. A maioria dos produtores familiares possui mais de 5 anos e estão a mais de 2 anos nesta atividade. Do ponto de vista da reprodução social é preocupante o fato da maioria dos filhos destes produtores se encontrarem estudando ou trabalhando em outras atividades fora do setor rural. A área ocupada com pastagens é predominante para a agricultura em geral (com pecuária de corte) e para a agricultura familiar (com pecuária de leite), a cultura do milho é destaque nos dois casos, a diferença fica com a segunda posição, a soja para o conjunto dos produtores rurais e o algodão no familiar. Como a agricultura familiar tem um papel fundamental na geração de renda e de empregos no setor rural, ações mais específicas, voltadas a estes pequenos produtores, principalmente para a pecuária leiteira, poderá resultar em maior êxito nas políticas de desenvolvimento local e regional. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABROMOVAY, R. et al. Novos dados sobre a estrutura social do desenvolvimento agrícola em São Paulo. Reforma Agrária, v. 25, n. 2 e 3, p , BERGAMASCO, S. M. P. P. Família e trabalho rural no Brasil e mo Estado de São Paulo. Informações Econômicas, São Paulo, v. 22, p. 7-16, 1993.

13 CARVALHO, Y; KUHN, V. Agricultura familiar no São Paulo: política e condições econômicas. Informações Econômicas, São Paulo, v.29,n.8,p.15-51, FABRICIO, J.A. TARSITANO, M.A. A., SANT'ANA, A.L. Caracterização da estrutura fundiária da agricultura familiar no município de Monções, estado de São Paulo. IN: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA E SOCIOLOGIA RURAL, 41, 23, Juiz de Fora (MG). ANAIS... Juiz de Fora (MG). CD-ROM. OLIVEIRA, A. R. A fruticultura como alternativa econômica aos pequenos produtores rurais: o caso da região de Dracena/SP. Tese de Doutorado. Presidente Prudente: FCT - UNESP, p. OTANI, M. et al. Caracterização e estudo da agricultura familiar: o caso dos produtores de leite do município de Lagoinha, estado de São Paulo. Informações Econômicas, São Paulo, v.31, n.4, p.43-74, 21.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). MARIA APARECIDA TARSITANO; JULIANO ALARCON FABRICIO; ÉRCIO ROBERTO PROENÇA; UNESP

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). MARIA APARECIDA TARSITANO; JULIANO ALARCON FABRICIO; ÉRCIO ROBERTO PROENÇA; UNESP CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). MARIA APARECIDA TARSITANO; JULIANO ALARCON FABRICIO; ÉRCIO ROBERTO PROENÇA; UNESP ILHA SOLTEIRA - SP - BRASIL maat@agr.feis.unesp.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE POUSO NOVO PRODUTORES DE LEITE

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE POUSO NOVO PRODUTORES DE LEITE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX BANCO DE DADOS REGIONAL - BDR PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE POUSO NOVO PRODUTORES DE LEITE UNIVATES

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES

PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES PROGRAMAS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM REBANHOS BOVINOS: ANÁLISE DOS GANHOS PARA OS PEQUENOS PRODUTORES Rafael Herrera Alvarez Médico Veterinário, Doutor, Pesquisador Científico do Pólo Centro Sul/APTA

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE TEUTÔNIA PRODUTORES DE LEITE

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE TEUTÔNIA PRODUTORES DE LEITE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX BANCO DE DADOS REGIONAL - BDR PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE TEUTÔNIA PRODUTORES DE LEITE Lajeado,

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Desenvolvimento de um software de baixo custo para o gerenciamento de bovinocultura de leite Miler Grudtner BOELL¹; Marcos Roberto RIBEIRO² 1 Aluno do Curso de Tecnologia de Sistemas para Internet e bolsista

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente

AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG. Área Temática: Meio Ambiente AÇÕES AGROECOLÓGICAS E DESENVOLVIMENTO RURAL: PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS NO ASSENTAMENTO PRIMEIRO DO SUL CAMPO DO MEIO, MG Área Temática: Meio Ambiente Responsável pelo trabalho: Artur Leonardo Andrade Universidade

Leia mais

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 As mulheres sempre participaram intensamente das atividades agropecuárias. Na estrutura

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite.

Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Estimativas dos custos de produção da atividade leiteira nos municípios assistidos pelo Programa Mais Leite. Jéssica Samara Leão SIMÕES¹; André da Mata CARVALHO²; Marlon MARTINS Moraes ²; Joiciane Maria

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Comunicado Técnico 94

Comunicado Técnico 94 Comunicado Técnico 94 ISSN 0101-5605 Novembro, 2004 Sete Lagoas, MG Avaliação de Cultivares de Milho e Sorgo para Produção de Forragem Antônio Carlos Viana 1 Marco Aurélio Noce 2 As silagens de milho e

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro)

Entenda o IC AGRO. Sobre o Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) Metodologia Entenda o IC AGRO O Índice de Confiança do Agronegócio (IC Agro) apresenta informações sobre a percepção econômica do Brasil e do agronegócio por produtores agropecuários, cooperativas e indústrias

Leia mais

(NUTROESTE URÉIA PLUS)

(NUTROESTE URÉIA PLUS) O SEU BOI DÁ LUCRO? No Brasil, a atividade pecuária existe há centenas de anos, alternando períodos de lucratividade alta com outros de baixa rentabilidade. Há neste momento uma crise gerada por vários

Leia mais

financeira na ovinocultura de corte

financeira na ovinocultura de corte Gestão e análise financeira na ovinocultura de corte Djalma de Freitas Zootecnista Doutor em Produção Animal Diretor Técnico PlanGesPec ProOvinos SENAR/FAMASUL Campo Grande/MS junho/2012 Objetivos Pensar

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006

Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 Estudo Para Subsidiar a Proposta de Resolução de Santa Catarina ao CONAMA relativa à Lei 11.428 / 2006 1 - Introdução e Objetivos O presente estudo foi elaborado pela EPAGRI/CIRAM com base na proposta

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura

Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura Desempenho Recente e Perspectivas para a Agricultura A safra de grãos do país totalizou 133,8 milhões de toneladas em 2009, de acordo com o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de dezembro,

Leia mais

Caracterização das famílias e das atividades de produção e comercialização do Assentamento Anhumas, em Castilho-SP

Caracterização das famílias e das atividades de produção e comercialização do Assentamento Anhumas, em Castilho-SP Caracterização das famílias e das atividades de produção e comercialização do Assentamento Anhumas, em Castilho-SP Thays Floriano Bezerra Graduanda em Agronomia da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Leia mais

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE

II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE II Fórum SNPA Seminário técnico do Projeto de Reformulação das Pesquisas Agropecuárias do IBGE Rio de janeiro, 25 de outubro de 2011 Av. República do Chile, nº500, 2º andar, Centro, Rio de Janeiro. Programa

Leia mais

Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE)

Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) Nome da Empresa: Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 206009 TEMA:

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades

Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Eficiência no uso da terra: um dos caminhos para alcançar maiores rentabilidades Christiano Nascif, zootecnista, coordenador de assistência do PDPL-RV e coordenador técnico do Projeto Educampo/Sebrae.

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Projeto Agrisus 1084-13

Projeto Agrisus 1084-13 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA AGROPECUÁRIA OESTE RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Projeto Agrisus 1084-13 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA OCUPADA COM SISTEMAS DE INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA

Leia mais

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL

INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL 1 INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL OU MONTA NATURAL Mario Luiz Martinez Luis Carlos Takao Yamaguchi Rui da Silva Verneque A demanda crescente por proteína animal tem exigido que os sistemas de produção sejam cada

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Tabela 1 Produção de leite no Brasil, em 2007, de acordo com cada região do país.

Tabela 1 Produção de leite no Brasil, em 2007, de acordo com cada região do país. A PRODUÇÃO DE LEITE COMO ALTERNATIVA PARA MELHORAR A RENDA DE PEQUENOS PRODUTORES RURAIS: CONSIDERAÇÕES SOBRE A REALIDADE OBSERVADA NO MUNICÍPIO DE CORUMBATAÍ DO SUL-PR COLAVITE, Mariana, USF/Pró-DEPPEC,

Leia mais

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL)

1. Planilha: Indicadores de Desempenho da Propriedade Leiteira (IDPL) Uso de planilhas para controle e avaliação de indicadores técnicos na pequena propriedade leiteira José Ladeira da Costa 1 Embrapa Gado de Leite Introdução A metodologia proposta neste artigo para controle

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio

Índice de Confiança do Agronegócio Índice de Confiança do Agronegócio Terceiro Trimestre 2014 Principais Resultados:» Índice de Confiança do Agronegócio» Índice da Indústria (antes e depois da porteira)» Índice do Produtor Agropecuário

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil

Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Processo para solicitação de registro de nova cultivar no Brasil Chrystiano Pinto de RESESNDE 1 ; Marco Antônio Pereira LOPES 2 ; Everton Geraldo de MORAIS 3 ; Luciano Donizete GONÇALVES 4 1 Aluno do curso

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

OS QUILOMBOS E A FRUTICULTURA

OS QUILOMBOS E A FRUTICULTURA OS QUILOMBOS E A FRUTICULTURA VAREIRO,Jéssica Davalos 1 ; OLIVEIRA, Euclides Reuter 2 ; FORNASIERI, José Luiz 2 ; RAMOS, Marisa Bento Marins 3 ; MONÇÃO,Flávio Pinto 4 ; PIESANTI, Gustavo Henrique Leite

Leia mais

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola:

Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Fatores que proporcionam a grande produção e variedade agrícola: Muito extenso Solos férteis Clima variado Bom regime pluviométrico Extensas planícies Cultivo variado Problemas: Falta de reforma agrária

Leia mais

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta;

Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Programa de Gestão de Propriedades de Sucesso Cronograma: Apresentação do programa; Demonstração da ferramenta; Resultados esperados. Origem do programa: Segundo apontando no diagnóstico da cadeia produtiva

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009 Produção ASCOM Valor Econômico 12/05/2009 Agronegócios Gazeta de São João del Rei 12/05/2009 www.gazetadesaojoaodelrei.com.br

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NAS PEQUENAS PROPRIEDADES DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1. José Roberto Alves Silvestre. Introdução

DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NAS PEQUENAS PROPRIEDADES DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1. José Roberto Alves Silvestre. Introdução Capítulo 10 - Pecuária leiteira nas pequenas propriedades DIAGNÓSTICO DA PECUÁRIA LEITEIRA NAS PEQUENAS PROPRIEDADES DO ESTADO DE MINAS GERAIS 1 José Roberto Alves Silvestre Introdução A participação do

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7. COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.587, DE 2011 (Apenso PL nº 7.468, de 2014) Altera o inciso I do art. 3º da Lei nº 11.326, de 24 de julho de

Leia mais

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar

2 Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar ISSN 1516-41XX Planilha para Cálculo do Custo de Produção de Leite na Agricultura Familiar 32 Introdução Economistas rurais, administradores e zootecnistas elaboram diversas planilhas de custo de produção

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL

CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL CONCEITOS DA CONTABILIDADE RURAL Instituto Federal Goiano Disciplina de Elaboração e Gestão de Projetos Agronegócio (Noturno) Bruno Maia, Eng Agrônomo, M. Sc. ROTEIRO Classificação das atividades agrícolas.

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO

ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA RESUMO ALTERNATIVAS ALIMENTARES NA CRIAÇÃO DE ANIMAIS LEITEIROS NA COMUNIDADE QUILOMBOLA Mariana Viegas dos Santos 1 ; Euclides Reuter de Oliveira 2 ; Rafael Henrique Tonissi e Buschinelli de Goes 2 ; Andréa

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA

TÍTULO. Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA TÍTULO Políticas de Financiamento e Proteção da Produção - MDA Lei 11.326/06 Art. 3o Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar rural aquele que pratica atividades

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural Renata Milani 1 Rosani Marisa Spanevello 2 Adriano Lago 3 Antonio Marcos

Leia mais

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio

Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio Alocação de Recursos em Sistemas de Integração Lavoura-Pecuária: uma abordagem da Teoria do Portfólio FERNANDES, Kellen Cristina Campos 1 ; FIGUEIREDO, Reginaldo Santana 2 Escola de Agronomia e Engenharia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO

A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO A IMPORTÂNCIA DO MANEJO NO PERÍODO SECO Ricardo Dias Signoretti 1 Na prática, o período seco e transição (pré-parto) constituem-se num desafio aos técnicos e produtores de leite, que devem ficar atentos

Leia mais

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela

Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela 199 Trigo não é somente para alimentar o homem Renato Serena Fontaneli Leo de J.A. Del Duca Aimportância do trigo pode ser aquilatada pela posição ocupada como uma das culturas mais importantes para alimentar

Leia mais

Produção de Leite na Agricultura Familiar

Produção de Leite na Agricultura Familiar Produção de Leite na Agricultura Familiar Rosangela Zoccal 1 Antônio Domingues de Souza 2 Aloisio Teixeira Gomes 1 José Luiz Bellini Leite 1 RESUMO Nesse estudo, foi analisada a situação dos produtores

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais