FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CURITIBA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CURITIBA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI CURITIBA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURITIBA

2 Edson Campagnolo Presidente Sistema FIEP Federação das Indústrias do Estado do Paraná Marco Antonio Areias Secco Diretor Regional SENAI/PR Filipe Miguel Cassapo Diretor Faculdade de Tecnologia SENAI Miguel Igino Valentini Coordenador de Educação SENAI Edson Korner Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda 2

3 SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO CORPO DOCENTE Núcleo Docente Estruturante (NDE) Corpo Docente do Curso PERFIL DO CURSO PERFIL DO EGRESSO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS MATRIZ CURICULAR DO CURSO EIXOS DE CONHECIMENTO FORMA DE ACESSO AO CURSO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROJETO DE CURSO SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM ATIVIDADES DE CONCLUSÃO DE CURSO ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATENDIMENTO AO DISCENTE E ATIVIDADE EXTRACLASSE ESTÁGIO ATO DE CREDENCIAMENTO ESTRUTURA CURRICULAR PERÍODOS DISCIPLINAS INFRAESTRUTURA DESCRIÇÃO DAS DEPENDÊNCIAS

4 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO NOME DO CURSO: Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda MODALIDADE: Presencial HABILITAÇÃO: Tecnólogo LOCAL DA OFERTA: Faculdade de Tecnologia SENAI Curitiba ENDEREÇO: Av. Comendador Franco Campus da Indústria CEP: Telefone (41) Fax (41) Site da Faculdade :http://www.senaipr.org.br/graduacao/ TURNO: Noturno N VAGAS/ANO: 44 vagas CARGA HORÁRIA TOTAL DO CURSO: 2.280h: Carga horária obrigatória: horas + 120h TCC + 60h Atividades Complementares 2.280h Carga horária disciplina opcional (LIBRAS): 40h. COORDENADOR DO CURSO: Edson Korner e mail: TITULAÇÃO DO COORDENADOR: Especialização em Moda e Gestão 4

5 2. CORPO DOCENTE 2.1. NÚCLEO DOCENTE ESTRUTURANTE (NDE) O Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda possui um Núcleo Docente estruturante formado pelos docentes a seguir relacionados: NOME DO COLABORADOR Malva Valéria de Andrade Ouriques Ereany Cristina Refosco Edson Korner Mariah Salomão Viana Maria Bernadeth Ferraz Koteski TITULAÇAO Especialista Mestre Especialista Mestre Mestre REGIME DE TRABALHO Parcial 20 horas semanais Horista 04 horas semanais Celetista formal, carga horária semanal de 40 horas, regime integral. Parcial 10 horas semanais Horista 04 horas semanais 2.2. CORPO DOCENTE DO CURSO DOCENTE DISCIPLINA HABILITAÇÃO/ QUALIFICAÇÃO Mariah Salomão Viana Edson Korner Daniele Moraes Lugli Lucíola Pires Zamprogna Patricia Gaspar História da Arte I e II Linguagem Visual I e II Produção de Moda Projeto de Coleção I Projeto Integrador I Desenho de Moda I, II, III Rep. Gráfica Digital III Projeto de Coleção III Desenho Técnico I, II e III Rep. Gráfica Digital I e II Projeto de Coleção IV Marketing de Moda I, II e III Projeto Integrador II Graduação: Arquitetura e Urbanismo e Especialista em Projeto Arquitetônico na Cidade Contemporânea Mestrado em Gestão Urbana. CPF Graduação: Desenho Industrial Especialização em Moda e Gestão CPF Graduação: Design de Produto Especializaçãoem Artes Visuais CPF Graduação: Moda- Habilitação Estilismo Especialização em Moda: Criação, Desenvolvimento e Comunicação CPF Graduação em Propaganda e Marketing MBA com especialização em Marketing 5

6 Daniela Gomes Nogueira Malva Valéria de Andrade Ouriques Roseli do Pilar Monteiro Stencel Rafael Carvalho Machado Maria Bernadeth Ferraz Koteski Rafaela Grochewski Ereany Cristina Refosco Leandro Patrício História da Indumentária I, II e III Projeto de Coleção II Fundamentos do Design Análise do Contemporâneo I e II Modelagem Industrial Plana I, II, III, IV e V Ergonomia Aplicada Costura Industrial I, II e III Prototipagem e Análise de Produto I, II e III Modelagem Tridimensional Processo Produtivo da Confecção I, II e III Modelagem Informatizada Metodologia Científica Inovação e Criatividade I e II Materiais e Tecnologia Textil I, II e III Gestão Empresarial I e II Libras CPF Graduação em Design de Moda Especialização em Moda e Gestão CPF Graduação em Fonoaudiologia Especialização em Moda e Gestão CPF Graduação: Pedagogia Especialização : Moda e Gestão CPF Graduação: Administração Especialização: Moda e Gestão CPF Graduação:Letras Especialização: Literatura Brasileira Mestrado: Letras CPF Graduação: Design Gráfico Especialização em Marketing CPF Graduação: Administração Especialização Moda, Produto e Comunicação Mestrado: Design e Marketing para Texteis de Moda CPF Bacharel em Teologia Especialização em Educação Especial Especialização em Educação Bilíngue para Surdos: Libras / Língua Portuguesa Mestrado na área da Educação 6

7 3. PERFIL DO CURSO O mercado da moda está em plena expansão no Brasil. Segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (ABIT), o consumo per capta de produtos confeccionados é de 12kg por habitante, podendo alcançar os 19 kg em Mesmo considerando o aumento projetado para os próximos anos, verifica-se que ainda há espaço para crescer, já que estamos distantes dos cerca de 25kg consumidos anualmente pelos europeus e muito distantes dos 35kg consumidos pelos norte americanos. Por outro lado, é necessário considerar que nosso clima é predominantemente tropical e que a maioria da população utiliza roupas leves na maior parte do ano. Além disso, o aquecimento da nossa economia, a ampliação de acesso ao crédito e a queda dos juros, pode provocar uma transferência de gastos para o setor de serviços. Essa migração do orçamento é um fenômeno observado sobretudo em países mais ricos, onde existe estagnação e até decréscimo no consumo de vestuário. Contudo, admitindo que existe uma clara correlação entre PIB per capita e consumo per capita, percebe-se que existe um enorme espaço a ser preenchido no mercado doméstico. No Brasil, nos últimos 12 anos, cerca de 30 milhões de pessoas passaram a fazer parte do mercado consumidor graças à ampliação do crédito e ao aumento do rendimento familiar, sobretudo nas classes C, D e E, que foram beneficiadas por programas governamentais. Um reflexo do aumento da demanda é o crescimento do varejo. As vendas no varejo em 2008 alacançaram U$45 bilhões e hoje existem 105 mil pontos de venda do vestuário no páis. Em termos comparativos, o varejo nacional é pouco desenvolvido em relação aos demais mercados emergentes. México, Argentina, Brasil e Chile são vistos como potenciais mercados de varejo confeccionado de maior valor agregado, segundo o Global Market Review of Discount Apparel Retailing. Atualmente no Brasil os cinco maiores varejistas de moda são empresas internacionais que concentram 27% de participação no mercado. Por ordem de faturamente as principais cadeias são: C&A, Renner, Riachuelo, Pernambucanas, Lojas Americanas, Magazine Luiza, Marisa e Lider. Segundo o Instituro de Desenvolvimento do Varejo, as três primeiras concentram uma partcipação de pouco mais de 10% do mercado formal do vestuário. O Brasil é hoje o 6º maior produtor mundial (ABIT, 2009) com aproximadamente empresas (produtores têxteis e do vestuário) (RAIS, 2006), gerando 1,7 milhão de empregos diretos. 82,4% dos produtores do segmento do vestuário são micro-empresas, e os grandes respondem por não mais que 0,3% do volume (ABIT, 2009). 7

8 Ainda que ocupe uma posição de destaque entre os principais produtores mundiais, o Brasil não é um grande exportador de produtos têxteis e confeccionados. Além disso, a participação das empresas nacionais no mercado interno vem caindo a cada ano. Com uma demanda interna em constante expansão, a indústria brasileira nunca concentrou esforços para ampliar as exportações. A participação do Brasil no mercado internacional sempre esteve associada às variações da demanda interna. Nossas empresas direcionam produtos para o mercado externo somente quando há necessidade de compensar problemas de sazonalidade ou em momentos de crise na demanda doméstica. Até 2005, os principais compradores internacionais de produtos brasileiros eram a Argentina e os Estados Unidos. Com o fim do Acordo Internacional de Têxteis e Vestuários (ATV), a China conquistou uma parcela significativa do mercado norte-americano e o Brasil redirecionou suas exportações para a América Latina e boa parte para o Mercosul. Segundo dados da ABIT de 2009, apenas 1% do que é produzido no Brasil é direcionado ao mercado externo. Apesar de estar alicerçada sobre uma demanda interna em franca expansão, a produção recuou 10% em O crescimento do consumo interno está sendo abastecido por produtos confeccionados importados do sudeste asiático. Somente entre 2007 e 2011, as importações avançaram 119,2%, atingindo US$ 6,6 bilhões e resultando num déficit da balança comercial de US$ 3,6 bilhões. Foi a primeira vez que a indústria têxtil não cresceu desde 2003, lembrou Marcelo Prado, diretor do IMEMI. Em diversos estados, o setor de confecções vem enfrentando o fenômeno da desindustrialização. O Brasil reúne todos os elos da cadeia têxtil, desde a produção de fibras, inclusive de fibras naturais, até a fabricação de produtos confeccionados. Como está voltada para mercado interno, nossa indústria reflete a elevada segmentação da demanda com unidades fabris bastante heterogêneas e pulverizadas. O setor de vestuário da indústria de confecção é altamente desagregado com um grande número de micro e pequenas empresas, com escala de produção limitada. Devido às baixas barreiras à entrada, o parque industrial convive com a baixa qualificação técnica e gerencial e um nível ainda bastante elevado de informalidade. Segundo o livro Globalização da Indústria Têxtil e de Confecção Brasileira, publicado pelo Senai Cetiqt, na indústria têxtil os investimentos tem ampliado a relação capital/ trabalho; na indústria de confecções, no entanto, acontece o oposto, já que a intensidade da mão de obra faz com que esse elo apresente o menor dispêndio de capital por posto de trabalho entre todos os elos da cadeia de valor. 8

9 Número de Empresas e Empregados por Segmento (2007) SEGMENTO EMPRESAS NÚMERO DE EMPREGADOS Têxtil Fiações Tecelagens Malharias Beneficiamento Confeccionados Vestuários Meias e Acessórios Linha Lar Outros Total Fonte: Elaboração do BNDES, com base em dados do Iemi (2008). Diante da reconfiguração do mercado internacional, somente as empresas mais versáteis e flexíveis, capazes de atender à demanda de forma rápida e efêmera com produtos de alto valor agregado conseguem sobreviver em países que não possuem vantagens no custo da mão de obra. A organização dessas empresas pouco aproveitam da antiga estrutura hierarquizada e mecanicista que produzia para grandes estoques. Na atual cadeia da demanda, que desloca o poder dos fornecedores para os compradores, as empresas precisam estar mais próximas do consumidor final, com marcas fortes e produtos diferenciados. Segundo os resultados da conferência realizada em 2006 pela International Textile Manufacturers Federation (ITMF) os vetores que condicionarão a sobrevivência de empresas têxteis e de confecção em todo o mundo nos próximos anos são: Aumento da rapidez do ciclo de moda Racionalização da arquitetura dos produtos para reduzir as complexidades de produtos e permitir o máximo aproveitamento de fluxos lineares de produção Crescimentos dos mercados de alto luxo e de massa Crescimento da demanda por pequenos pedidos Modularização de produtos, aumento da capacidade de codificação e do controle sobre a cadeia Grandes tornam-se ainda maiores na produção e no varejo Aumento da pressão nos segmentos intermediários 9

10 Importância crescente da capacidade de atender às exigências e de entender as regras de mercado em constante evolução. Diante dessas condições, o design é um forte elemento de competitividade empresarial, em especial para os segmentos pressionados pela concorrência internacional como os produtos da cadeia têxtil e vestuário. São diferenciais estratégicos, visto que possibilitam a otimização no uso de matéria-prima, melhoria nas fases de projeto e de produção assegurando melhores níveis de satisfação do cliente. Segundo o Programa Brasileiro de Design: o design é o diferencial que propicia maior valor agregado às exportações, promovendo a oferta de produtos diferenciados e inovadores, sendo de fundamental importância para a criação de uma identidade e uma imagem favorável que agrega valor ao produto nacional, além de ser uma ferramenta indutora da inovação". A concorrência internacional está inviabilizando a permanência de empresas brasileiras que fabricam produtos indiferenciados e que possuem o preço baixo como principal apelo. É necessário segmentar o mercado, desenvolver produtos autênticos que fogem às tendências internacionais atendidas pelo fast fashion e investir em marca. Ainda há outro aspecto favorável à criação de marcas brasileiras. Segundo consultores contratados pelo Programa TexBrazil, o estilo de vida brasileiro possui uma aceitação elevada em diversos países. Algumas empresas nacionais têm obtido sucesso no exterior, apesar de seus volumes de vendas ainda serem inexpressivos. A onda de preocupação mundial com o meio ambiente é outro fator que pode favorecer a imagem dos produtos brasileiros que utilizam a consciência ecológica sustentável e de responsabilidade social como diferenciais. Segundo Lúcio Tenan e José Maria de Miranda ambos do IPTM SENAI Cetiqt (Instituto de Prospecção Tecnológica e Mercadológica) A verdadeira fonte de vantagem competitiva sustentada repousa na capacidade de fazer as coisas de forma diferente, de modo que não possam ser facilmente copiadas pelos concorrentes. Significa direcionar a empresa para os aspectos intangíveis da competitividade, tais como a criação e sustentação de marcas (imagem das marcas) e os serviços para o consumidor, a reputação e o talento para realizar com originalidade (imagem da empresa). [...] Assim sendo, mudar para produtos diferenciados e lançar mão de ativos intangíveis (design, marcas, comercialização e distribuição, serviços) é uma opção sugerida pelo atual cenário da economia global, como contrapartida à estratégia competitiva baseada em preço. O Paraná é o 4º colocado no ranking de estados em relação ao PIB do setor têxtil e de confecção, com 8,10% (ABIT, 2009). Segundo dados da RAIS de 2007, o estado possui estabelecimentos industriais do vestuário (4ª posição nacional, com 8,9%), gerando

11 empregos diretos (3ª posição nacional, com 13,4%). Já no segmento têxtil, apresenta os seguintes dados: possui 744 estabelecimentos industriais têxteis (5ª posição nacional, com 6,5%) e gera empregos diretos (5ª posição nacional, com 4,1%). Existem 6 APLs estruturados no estado: Cianorte e Maringá (confecções); Apucarana (bonés); Imbituva (malharia retilínea); Terra Roxa (confecção infantil); Francisco Beltrão (confecções com ênfase em moda masculina) e Londrina (confecções). Este, portanto, é um segmento industrial de relevância para a economia do estado. Segundo a pesquisa Rotas Estratégicas para o Futuro das Indústrias Paranaenses Roadmapping de Produtos de Consumo 2015, realizada em 2007 pelo Observatório do SENAI SESI em parceria com o Instituto OPTI (Espanha), a comunidade empresarial percebe a importância em investimentos em design. As visões de futuro apresentadas pelo estudo apontaram para a Inovação em produtos e processos: design e tecnologia como estratégia competitiva para o setor. Vemos que já em 2004 durante o I Congresso da Indústria realizado em Curitiba, esta predisposição estava evidenciada. O setor Têxtil e Vestuário apresentou como proposta durante o encontro: Investir fortemente no design, como meio de fugir da comoditização e oferecer produtos diferenciados em Síntese das Propostas do Congresso da Indústria 2004). Segundo dados da Prefeitura Municipal de Curitiba (fonte RAIS Estabelecimentos econômicos por atividade segundo porte em Curitiba 2006 fonte: MTE/DES/RAIS 2006 elaboração: Agência Curitiba de Desenvolvimento S/A informações sócio-econômicas), existem 198 empresas de fabricação de produtos têxteis, sendo 191 micro empresas, 5 pequenas e 2 médias. Quanto às empresas de confecção de artigos de vestuário e acessórios, estas totalizam 1116, sendo 1097 micro-empresas e 19 pequenas. Das 7675 indústrias da cidade, as empresas de fabricação de produtos têxteis totalizam 2,58% e 14,54% são as do segmento de confecção de artigos de vestuário e acessórios. Visando o atendimento da demanda existente e considerando a nova configuração e oportunidades existentes no setor têxtil, o SENAI PR coloca sua experiência e know how na proposta de um curso condizente com este cenário. O SENAI PR possui experiência na formação de profissionais de estilismo voltados para a indústria há dez anos com o Curso Técnico em Estilismo de Confecção Industrial. A instituição já foi premiada em diversos concursos e competições nacionais, entre elas a Olimpíada do Conhecimento, obtendo a medalha de ouro em 2002, 2006 e O curso de Tecnologia em Design de Moda proposto pelo SENAI PR está focado no desenvolvimento de competências e habilidades que abrangem a inovação, o desenvolvimento de produtos, a visão de oportunidades comerciais e sua interface na 11

12 produção, o entendimento da moda como negócio e a flexibilidade de atuação em cenários competitivos. Dessa forma, o SENAI PR contribui para as mudanças estruturais necessárias ao setor e o consequente aumento de sua competitividade em benefício da economia do país. O público-alvo a ser atingido com o Curso Tecnólogo em Design de Moda da Faculdade de Tecnologia Senai Curitiba será de alunos com ensino médio completo e interesse na área de moda e sua abrangência. Proativos, organizados e comprometidos, esses alunos devem buscar traduzir suas referências em escolhas que reflitam sua identidade. Devem gostar de atividades que estimulem a criatividade. Têm relação com música, arte, design, novas mídias (virtuais) e variadas manifestações que são expressas no seu cotidiano. Ainda, devem procurar ter tempo livre para prática de outras atividades que, aliadas ao bem estar, exigem concentração (exercícios físicos, jogos, leituras e hobbies). Devem estabelecer boa comunicação, criar grupos de afinidades que os preparam para atividades em equipe. Seu perfil é fortalecido por grande curiosidade em relação aos diferentes aspectos culturais da sociedade. Esta sensibilidade já estimulada será acentuada em sala de aula, garantindo uma ampla visão de projeto. O curso está estruturado em 8 eixos de conhecimento necessários para o desenvolvimento dessas competências e habilidades. Deles derivam as disciplinas que, junto a práticas pedagógicas interdisciplinares e simulações de situações reais de trabalho, possibilitam ao aluno uma visão abrangente e inovadora da prática profissional. Os eixos de conhecimento são: a) TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO Dedicado ao desenvolvimento das competências e habilidades relacionadas às diversas formas de representação da ideia de um produto ou coleções. b) MERCADO E NEGÓCIO Neste eixo são desenvolvidas as competências e habilidades vinculadas à realidade e organização das empresas, suas interfaces com o mercado e com o mundo do trabalho. c) HISTÓRIA E SOCIEDADE Através do estudo da sociedade e da evolução histórica, procura-se construir um repertório de conhecimentos que possibilitam o desenvolvimento da capacidade de análise e crítica e a compreensão da evolução da sociedade, suas necessidades e formas de expressão. Esta 12

13 capacidade é fundamental para o desenvolvimento do processo criativo e busca de soluções inovadoras. d) DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Neste eixo são desenvolvidas competências e habilidades de caráter técnico, prático e metodológico relacionadas à concepção e desenvolvimento de produtos e coleções para a indústria. e) PRODUÇÃO E TECNOLOGIA Vertente destinada ao conhecimento e análise das interfaces da produção e da tecnologia necessárias aos produtos destinados ao mercado de moda, sempre de forma eficaz e condizente com princípios éticos e sustentáveis. f) ANÁLISE DA IMAGEM Focado no desenvolvimento da capacidade de análise e percepção da imagem, seja ela real ou virtual, como forma de decodificação da realidade social e também de interação de uma marca com seu consumidor final. g) INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE Eixo de conhecimento e desenvolvimento de competências vinculadas à pesquisa, observação e criação de soluções e produtos inovadores. h) PRÁTICAS ACADÊMICAS Eixo destinado ao conhecimento e as práticas acadêmicas. 4. PERFIL DO EGRESSO O egresso do Curso de Tecnologia em Design de Moda terá adquirido as habilidades e competências necessárias para atuar na área de desenvolvimento de produtos de moda e vestuário, em uma conjuntura setorial complexa e dinâmica, característica da indústria da moda. Esta composição de habilidades e competências está baseada nos princípios do: Saber pensar, através da construção do pensamento lógico e racional para a tomada de decisões diante do mercado; 13

14 Saber criar com o estímulo da percepção, da emoção e da imaginação como ferramentas necessárias para o processo criativo; Saber fazer por meio do desenvolvimento sistemático e gradativo das competências de caráter técnico e tecnológico; Saber agir através da capacidade de negociação e relacionamento interpessoal, visando uma atuação profissional dinâmica e produtiva; Saber comunicar, fundamental para a sinergia tão necessária no mundo profissional atual. Dessa forma, o aluno estará apto a enfrentar desafios e propor soluções no que tange ao produto de moda e sua interface com o processo produtivo, o mercado, a sociedade e o meio-ambiente. Será capaz de desenvolver projetos de produtos que conciliem a inovação com a viabilidade técnica, produtiva e comercial. Poderá atuar em empresas de confecção, fiações, tecelagens, empresas de varejo de moda, indústrias de aviamentos, empresas de assessoria e consultoria de moda e tendências, estúdios de design e empresas de comunicação de moda. Funções do Tecnólogo em Design de Moda Pesquisar e interpretar tendências socioculturais; Pesquisar e analisar tendências de moda e consumo; Elaborar estilo de produto baseado em atributos de marca; Definir público-alvo e identificar necessidades e desejos de consumo de produtos do vestuário; Conceber produtos do vestuário, através de metodologia projetual, condizentes com objetivos e recursos da empresa, seu mercado de atuação e consumidor final; Realizar planejamento de coleção; Acompanhar execução de protótipos de produtos do vestuário; Dominar técnicas de representação de produtos do vestuário (croquis, ilustrações e desenhos técnicos); Analisar a interface de comunicação da empresa com seu mercado consumidor; Reconhecer matérias-primas e demais insumos e componentes do produto, analisando a viabilidade de sua inserção em uma coleção ou linha de produtos; Identificar e analisar a viabilidade de utilização de processos de acabamentos têxteis em produtos do vestuário; Conceber estampas para produtos do vestuário; 14

15 Conhecer aspectos legais que impactam a produção e comercialização de produtos do vestuário; Reconhecer sistemas de produção e equipamentos necessários para a produção industrial de produtos do vestuário; Executar documentação técnica para o desenvolvimento de produtos do vestuário. 15

16 5. OBJETIVOS Proporcionar o desenvolvimento de uma nova geração de designers de moda que atuem de forma inovadora no campo da indústria e que sejam disseminadores de conceitos e atitudes voltadas para o aumento da competitividade das empresas OBJETIVO GERAL Promover uma formação diferenciada em design de moda, capacitando profissionais para atuar em ambientes complexos na busca da competitividade para a indústria da moda OBJETIVOS ESPECÍFICOS Capacitar profissionais para que estejam aptos a enfrentar desafios e propor soluções no que tange ao produto de moda e sua interface com o processo produtivo, o mercado, a sociedade e o meio-ambiente. Que sejam capazes de desenvolver projetos de produto que conciliem a inovação com sua viabilidade técnica, produtiva e comercial. 16

17 TCC = 120 h ATIVIDADES COMPLEMENTARES = 60h TECNÓLOGO EM DESIGN DE MODA 6. MATRIZ CURICULAR DO CURSO SEMESTRE LETIVO Componentes Curriculares Carga horária Pré-requisito Desenho de Moda I 70 Fundamentos do Design 35 Linguagem Visual I 35 1º História da Arte I 35 História da Indumentária I 35 PERÍODO Modelagem Industrial Plana I 35 Costura Industrial I 35 Projeto de Coleção 35 Metodologia Científica 35 Carga horária 350h Desenho de Moda II 35 Desenho de Moda I Desenho Técnico I 35 Representação Gráfica Digital I 35 Linguagem Visual II 35 Linguagem Visual I 2º História da Arte II 35 História da Arte I História da Indumentária II 35 História da Indumentária I PERÍODO Modelagem Industrial Plana II 35 Modelagem Industrial Plana I Costura Industrial II 35 Costura Industrial I Materiais e Tecnologia Têxtil I 35 Projeto de Coleção II 35 Projeto de Coleção I Carga horária 350h Desenho de Moda III 35 Desenho de Moda II Desenho Técnico II 35 Desenho Técnico I Representação Gráfica Digital II 35 Representação Gráfica Digital I 3º Marketing de Moda I 35 Processo Produtivo da Confecção I 35 PERÍODO História da Indumentária III 35 História da Indumentária II Modelagem Industrial Plana III 35 Modelagem Industrial Plana II Costura Industrial III 35 Costura Industrial II Materiais e Tecnologia Têxtil II 35 Materiais e Tecnologia Têxtil I Projeto de Coleção III 35 Projeto de Coleção II Carga horária 350h 4º Inovação e Criatividade I 35 Desenho Técnico III 35 Desenho Técnico II 17

18 PERÍODO Representação Gráfica Digital III 35 Representação Gráfica Digital II Marketing de Moda II 70 Marketing de Moda I Processo Produtivo da Confecção Processo Produtivo da Confecção I II 35 Prototipagem e Análise de Produto I 35 Modelagem Industrial Plana IV 35 Modelagem Industrial Plana III Análise do Contemporâneo I 35 Projeto de Coleção IV 35 Projeto de Coleção III Carga horária 350h Modelagem Industrial Plana V 70 Modelagem Industrial Plana IV Modelagem Tridimensional 70 Projeto Integrador I 35 Projeto de Coleção IV 5º Gestão Empresarial I 70 PERÍODO Processo Produtivo da Confecção III 35 Processo Produtivo da Confecção II Materiais e Tecnologia Têxtil III 35 Materiais e Tecnologia Têxtil II Prototipagem e Análise de Produto II 35 Prototipagem e Análise de Produto I Carga horária 350h Projeto Integrador II 70 Projeto Integrador I 6º PERÍODO Modelagem informatizada Ergonomia Aplicada Gestão Empresarial II Produção de Moda Gestão Empresarial I Marketing de Moda III 35 Marketing de Moda II Inovação e Criatividade II 35 Inovação e Criatividade I Análise do Contemporâneo II 35 Análise do Contemporâneo I Carga horária 400h Carga horária total dos módulos 2.100h TCC 120h Atividades Complementares 60h Carga horária total obrigatória do curso 2.280h Disciplina Opcional Libras 40h A disciplina LIBRAS Língua Brasileira de Sinais é ofertada como disciplina opcional para todos os cursos de graduação tecnológica, com 40 horas, todos os semestres, para todos os 18

19 alunos que desejarem se matricular, em dias e horários compatíveis com o horário das aulas do curso, dentro do número de vagas disponíveis EIXOS DE CONHECIMENTO TÉCNICAS DE REPRESENTAÇÃO Dedicado ao desenvolvimento das competências e habilidades relacionadas às diversas formas de representação da ideia de um produto ou coleções. Desenho de Moda I, II e III Linguagem Visual I e II Desenho Técnico I, II e III Representação Gráfica Digital I, II e III MERCADO E NEGÓCIO Neste eixo são desenvolvidas as competências e habilidades vinculadas à realidade e organização das empresas, suas interfaces com o mercado e com o mundo do trabalho. Gestão Empresarial I e II Marketing de Moda I, II e III HISTÓRIA E SOCIEDADE Através do estudo da sociedade e da evolução histórica, procura-se construir um repertório de conhecimentos que possibilitam o desenvolvimento da capacidade de análise e crítica e a compreensão da evolução da sociedade, suas necessidades e formas de expressão. Esta capacidade é fundamental para o desenvolvimento do processo criativo e busca de soluções inovadoras. História da Arte I e II História da Indumentária I, II e III DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Neste eixo são desenvolvidas competências e habilidades de caráter técnico, prático e metodológico relacionadas à concepção e desenvolvimento de produtos e coleções para a indústria. Fundamentos do Design Projeto de Coleção I, II, III, IV, V e VI Modelagem Industrial Plana I, II, III, IV e V 19

20 Prototipagem e Análise do Produto I e II Modelagem Tridimensional Modelagem Informatizada Ergonomia Aplicada PRODUÇÃO E TECNOLOGIA Vertente destinada ao conhecimento e análise das interfaces da produção e da tecnologia necessárias para a produção de produtos destinados ao mercado de moda, sempre de forma eficaz e condizente com princípios éticos e sustentáveis. Costura Industrial I, II e III Materiais e Tecnologia Têxtil I, II e III Processo Produtivo da Confecção I, II e III ANÁLISE DA IMAGEM Focado no desenvolvimento da capacidade de análise e percepção da imagem, seja ela real ou virtual, como forma de decodificação da realidade social e também de interação de uma marca com seu consumidor final. Análise do Contemporâneo I e II Produção de Moda INOVAÇÃO E CRIATIVIDADE Eixo de conhecimento e desenvolvimento de competências vinculadas à pesquisa, observação e criação de soluções e produtos inovadores. Inovação e Criatividade I e II PRÁTICAS ACADÊMICAS Metodologia Científica 20

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

MODA. HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos MODA 1. TURNO: Noturno HABILITAÇÃO: Bacharelado em Moda - habilitação em modelagem e desenvolvimento de produto GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Moda PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2.

Leia mais

Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de Moda. Parte 1 (solicitante)

Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho de Moda. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Desenho

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO

APRESENTAÇÃO OBJETIVO DO CURSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Design (2004), o curso de graduação em Design deve ensejar, como perfil desejado do formando, capacitação para a apropriação

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design)

MATRIZ CURRICULAR. (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) Curso: Graduação: Regime: Duração: MATRIZ CURRICULAR DESIGN DE MODA (Eixo Tecnológico: Produção Cultural e Design) TECNOLÓGICA SERIADO ANUAL - NOTURNO 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos

DESIGN. 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos DESIGN 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharelado HABILITAÇÃO: Projeto do Produto PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo: Proporcionar

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Design Manual do curso

Design Manual do curso Design Manual do curso Informações gerais INFORMAÇÕES GERAIS Nome: curso de Design, bacharelado Código do currículo: 2130 Nível: curso superior de graduação Início: o curso de Design com habilitação em

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO

Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Especialização em Comunicação Organizacional e Reputação Corporativa - NOVO Apresentação Previsão de Início Julho/2013 Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep O curso de Comunicação Organizacional

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.

http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial. www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/senai-cetiqt/educacao/2014/07/1,40917/cursos-de-extensao-presencial.html Cursos de extensão presencial A Extensão é a ação

Leia mais

MANUAL DO CURSO. ESPM - Campus Vila Olímpia. Rua Gomes de Carvalho, 1195 Vila Olímpia São Paulo - SP. Informações

MANUAL DO CURSO. ESPM - Campus Vila Olímpia. Rua Gomes de Carvalho, 1195 Vila Olímpia São Paulo - SP. Informações MBA em Marketing ESPM MANUAL DO CURSO ESPM - Campus Vila Olímpia Rua Gomes de Carvalho, 1195 Vila Olímpia São Paulo - SP Informações Central de Candidatos: (11) 5081-8200 (opção 1) Segunda a sexta 9h às

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING

PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING PÓS GRADUAÇÃO EMPRESARIAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS COM ÊNFASE EM MARKETING Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA REGÊNCIA (BACHARELADO)

INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA REGÊNCIA (BACHARELADO) 1 ANO CADASTRO NO E-MEC 04/02/2011 INFORMAÇÕES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE MÚSICA REGÊNCIA (BACHARELADO) Justificativa da oferta do curso O Curso de Regência em Bacharelado é noturno, com duração

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Fundamentos de Linguagens de Programação para Multimídia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: Infraestrutura CURSO/MODALIDADE: Curso Técnico em Edificações Subsequente DISCIPLINA: Desenho Técnico CÓDIGO: Currículo: 2010 /02 Ano / Semestre: 2011/02 Carga Horária total: 40 h/a Turno:

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

EDITAL Nº 12/2011. Art. 1º O processo seletivo compreende o acesso de professores para ao quadro de docentes da Estácio FIC.

EDITAL Nº 12/2011. Art. 1º O processo seletivo compreende o acesso de professores para ao quadro de docentes da Estácio FIC. EDITAL Nº 12/21 Processo Seletivo de Docentes para os Cursos de Arquitetura e Urbanismo e Moda da Estácio FIC 21. A DIRETORA GERAL da Faculdade Estácio do Ceará - Estácio FIC, no uso de suas atribuições

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQÜENTE Modalidade a Distância DA UTFPR

REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO SUBSEQÜENTE Modalidade a Distância DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DA ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC) , INCLUINDO ESSE, DEVEM SER RETIRADOS DO TEXTO FINAL, POIS SERVEM SOMENTE COMO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO DOCUMENTO FINAL> PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO (PPC)

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2014 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito

Padrões de Qualidade para os Cursos de Graduação em Direito MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE DIREITO APRESENTAÇÃO: Padrões de Qualidade para os Cursos

Leia mais

ID Fashion. o evento

ID Fashion. o evento 2015 ID Fashion o evento O Conceito Evento de impacto, interativo, cool, compacto, com conteúdo inovador, atitude internacional e alta visibilidade em diversas mídias. Amostra significativa da inovação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda

FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA. Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda FACULDADE DE TECNOLOGIA ITEPA FATEPA Mantida pelo Instituto Técnico de Educação Porto Alegre Ltda CURSO DE GRADUAÇÃO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA/MEC DE AUTORIZAÇÃO Nº 468, D.O.U.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 004/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 004/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 004/2011, DE 11 DE AGOSTO DE 2011. Aprova o Manual de Procedimentos para o Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Marketing, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de XXX Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital.

Fornecer conteúdos e refletir sobre práticas atualizadas de comunicação e marketing, como as técnicas e ferramentas de marketing digital. MBA em Marketing Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições em Breve Turma 09 --> A globalização e os avanços tecnológicos estão abrindo oportunidades de negócios, novas formas de comercialização e despertando

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

one year DESIGN DE MODA

one year DESIGN DE MODA one year DESIGN DE MODA Coordenação Luiz Wachelke Início 05/10/2015 Término 10/2016 Carga horária 360 horas Idioma Português (summer opcional em Barcelona) Aulas Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 e

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu

Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu VICE-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Regulamento Geral dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1º Os Programas de

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL/GESTÃO DA COMUNICAÇÃO INTEGRADA ARCOS 1 PERFIL DO CURSO A comunicação integrada é, cada vez mais, um instrumento necessário para a sobrevivência

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Gestão de Marketing e Vendas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Gestão de Marketing e Vendas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

CONSIDERANDO a Resolução CEPE nº 178/2008, que Dispõe sobre a carga horária mínima dos Cursos de Graduação da UEL e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Resolução CEPE nº 178/2008, que Dispõe sobre a carga horária mínima dos Cursos de Graduação da UEL e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE N 0248/2009 Reformula o Projeto Pedagógico do Curso de Design de Moda, a ser implantado a partir do ano letivo de 2010. CONSIDERANDO a Lei nº 9394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico

Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Pós-Graduação em Gestão de Negócios com Ênfase em Mercado Farmacêutico Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2015 Apresentação O Sindusfarma deseja oferecer aos seus associados à possibilidade de

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ATIVIDADES COMPLEMENTARES 2 DA FINALIDADE E DO OBJETIVO Art. 1º. As Atividades Complementares do Curso de Direito da Faculdade Unida de Suzano serão regidas por este Regulamento.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR

PLANO DE TRABALHO DO PROFESSOR EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO INDUSTRIAL CURSO/MODALIDADE: CURSO TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES SUBSEQUENTE DISCIPLINA: INFORMÁTICA APLICADA CÓDIGO: Currículo: 2010/dezembro Ano / Semestre: 2012/2 Carga Horária total:

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REGULAMENTAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Resolução 012/2010 da Pró-Reitoria de Graduação CAPÍTULO I - DO CONCEITO Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO E LICENCIATURA DA UTFPR Resolução

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO do Curso de Direito da Faculdade Arthur Thomas Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Direito da Faculdade

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS

R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS R E G I M E N T O PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO EM TEORIA LITERÁRIA DOS OBJETIVOS Artigo 1º - O Programa de Pós-Graduação em Letras tem por objetivo a formação de docentes destinados

Leia mais

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO EM MATEMÁTICA APLICADA fgv.br/vestibular IDEALISMO, EXCELÊNCIA E CREDIBILIDADE A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944 com o objetivo de preparar profissionais qualificados

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS DIPLOMA CONFERIDO:

Leia mais

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação

MANUAL DO CANDIDATO. Pós-graduação MANUAL DO CANDIDATO Pós-graduação Prezado(a) Candidato(a), Agradecemos o interesse pelos nossos cursos. Este manual contém informações básicas pertinentes ao curso, tais como: objetivos do curso e das

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:05. Ano/Semestre: 2011/1

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:05. Ano/Semestre: 2011/1 Curso: DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências Humanas e da Comunicação Moda (Noturno) Ano/Semestre: 011/1 09/0/011 1:0 s por Curso Estilismo Industrial 1 ART.0111.00.00-1 ART.0.01.001-9 1 EQU.011.00.001-0

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Publicidade e Propaganda

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS Coordenação do Curso de Publicidade e Propaganda REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamenta as Atividades Complementares do Curso de Publicidade e Propaganda do Centro de Comunicação e Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie CAPÍTULO

Leia mais

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção.

Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a validação e registro das Atividades Complementares dos cursos de Graduação das Faculdades Projeção. O Conselho Superior da Faculdade Projeção, com base nas suas competências

Leia mais

EDITAL Nº 01/2012. Art. 1º O processo seletivo compreende o acesso de professores para ao quadro de docentes da Estácio FIC.

EDITAL Nº 01/2012. Art. 1º O processo seletivo compreende o acesso de professores para ao quadro de docentes da Estácio FIC. EDITAL Nº 01/2012 Processo Seletivo de Docentes dos Cursos de Arquitetura e Urbanismo, Design de Moda, Design Gráfico da Estácio FIC 2012. A DIRETORA GERAL da Faculdade Estácio do Ceará - Estácio FIC,

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC Tratamento de Imagens com Software Livre. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº001/2016 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA EXPERIMENTAL GALO CANTA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº001/2016 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA EXPERIMENTAL GALO CANTA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº001/2016 SELEÇÃO DE ESTAGIÁRIOS PARA AGÊNCIA EXPERIMENTAL GALO CANTA A FACULDADE PROJEÇÃO, por intermédio do curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda da Escola

Leia mais

Pós-Graduação em Marketing de Moda

Pós-Graduação em Marketing de Moda Pós-Graduação em Marketing de Moda Público alvo Indicado para profissionais com formação em Moda, Design, Marketing, Comunicação, Arquitetura, dentre outros, e que atuem ou desejem atuar na área de Moda,

Leia mais

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso

Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing. Manual do Curso Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing Manual do Curso São Paulo Educação Executiva 2016 Apresentação Pós-Graduação Empresarial em Gestão de Negócios com Ênfase em Marketing

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso Curso de Design de Moda FACULDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE - FAPEPE APRESENTAÇÃO O presente Regulamento de Projeto de Graduação, em forma de TCC - Trabalho de

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL

MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO. Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL MBA EXECUTIVO ESTRATÉGIA, LIDERANÇA E INOVAÇÃO MANUAL DO CANDIDATO Ingresso Agosto 2013 ESPM-SUL Rua Guilherme Schell, 350 Santo Antônio Porto Alegre/RS. Informações: Central de Candidatos: (51) 3218-1400

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO)

Curso de MBA. Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) Curso de MBA Especialização em GESTÃO SUSTENTÁVEL DO AGRONEGÓCIO (COM ÊNFASE NO NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO) 1 2 SUMÁRIO 4. FORMATO. 5. CONCEPÇÃO. 7. OBJETIVO. 7. PÚBLICO ALVO. 8. DIFERENCIAIS INOVADORES

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de PROGRAMAÇÃO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS COM ANDROID. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

FACULDADE PASCHOAL DANTAS

FACULDADE PASCHOAL DANTAS FACULDADE PASCHOAL DANTAS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO ÊNFASE GESTÃO DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SÃO PAULO - SP NOVEMBRO DE 2008 ÍNDICE 1. Visão e Missão da FPD...3 2. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas

DESCRITIVO DE CURSO. MBA em Liderança e Gestão de Pessoas DESCRITIVO DE CURSO MBA em Liderança e Gestão de Pessoas 1. Posglobal Após a profunda transformação trazida pela globalização estamos agora em uma nova fase. As crises econômica, social e ambiental que

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH)

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BELO HORIZONTE (UNIBH) Pró-Reitoria de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão (PGPE) Coordenação Geral do Programa de Pós-Graduação Lato Sensu (CGPPGL) Edital do processo seletivo referente

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento e Controle de Estoque. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Planejamento e Controle de Estoque. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Gestão Financeira. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de Gestão Financeira. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

DIREÇÃO GERAL EDITAL Nº 021 DE SETEMBRO DE 2015.

DIREÇÃO GERAL EDITAL Nº 021 DE SETEMBRO DE 2015. DIREÇÃO GERAL EDITAL Nº 021 DE SETEMBRO DE 2015. Dispõe sobre a publicação das normas que regulam o PROCESSO SELETIVO 2016/1 VESTIBULAR DE VERÃO para oferta do Curso de Teologia (Bacharelado) e do Curso

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO NEW BRANDING INNOVATION MBA 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Elétrica tem por missão a graduação de Engenheiros Eletricistas com sólida formação técnica que

Leia mais

EDITAL Nº. 17/2015 PROCESSO SELETIVO 2016/1

EDITAL Nº. 17/2015 PROCESSO SELETIVO 2016/1 EDITAL Nº. 17/2015 PROCESSO SELETIVO 2016/1 O Diretor Superintendente da Faculdade Autônoma de Direito FADISP, no uso de suas atribuições regimentais e em acordo com a Lei nº. 9394/1996 das Diretrizes

Leia mais

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem...

Bem Vindo... 4. A Disciplina de Dependência Interativa... 5. A Organização da Disciplina... 7. O Processo de Ensino e Aprendizagem... 1 2 Sumário Bem Vindo... 4 A Disciplina de Dependência Interativa... 5 A Organização da Disciplina... 7 O Processo de Ensino e Aprendizagem... 10 Sua Semana no Curso... 11 O apoio local ao Ensino Semipresencial...

Leia mais

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO

OBJETIVOS DO CURSO PERFIL DO EGRESSO 1 APRESENTAÇÃO Segundo Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos Tecnologicos conforme RESOLUÇÃO CNE/CP 3, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2002, A educação profissional de nível tecnológico, integrada às diferentes

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 136, DE 24 DE JUNHO DE 2009 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria

3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria 3.2 Sistema de Avaliação e Monitoria RESOLUÇÃO N.º 06/2006 - CONSUN APROVA O SISTEMA DE AVALIAÇÃO E PROMOÇÃO PARA OS ALUNOS DE GRADUAÇÃO E CURSOS SEQÜENCIAIS DA PUCPR INGRESSANTES A PARTIR DE 2000. O Presidente

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA

PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA PÓS-GRADUAÇÃO MARKETING E COMUNICAÇÃO DE MODA Coordenadora: Gláucia Centeno 13/04/2015 > 09/2016 400 horas Idioma: Português Aulas: Segundas e quartas das 19h30 às 22h30 PÚBLICO-ALVO Profissionais com

Leia mais

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016

EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016 EDITAL DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA EM GESTÃO DE MARKETING 1º Semestre de 2016 As FACULDADES INTEGRADAS RIO BRANCO, na forma regimental torna público o presente Edital, estabelecendo as normas para inscrição

Leia mais

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games

4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games 4 Cursos de nível superior no Brasil para formação de Designers de Games Este Capítulo apresenta o levantamento realizado dos cursos de nível superior no Brasil voltados para a formação de Designers de

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS

ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE EMPRESAS DE PETRÓLEO & GÁS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico

Leia mais