Meta-heurísticas. Métodos Heurísticos José António Oliveira meta-heurísticas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Meta-heurísticas. Métodos Heurísticos José António Oliveira zan@dps.uminho.pt. meta-heurísticas"

Transcrição

1 Meta-heurísticas 105 meta-heurísticas Propriedades e Características: são estratégias que guiam o processo de pesquisa; - o objectivo a atingir é a exploração eficiente do espaço de pesquisa de modo a encontrar soluções (sub)óptimas; - as técnicas que constituem as meta-heurísticas variam desde simples procedimentos de pesquisa local a processos de aprendizagem complexos; - as meta-heurísticas incorporam mecanismos para evitar a retenção do processo de procura em áreas restritas do espaço de pesquisa; - as meta-heurísticas não são específicas do problema; - as meta-heurísticas fazem uso do conhecimento específico do domínio e / ou da experiência de procura (memória) para influenciar a procura. 106

2 meta-heurísticas As meta-heurísticas são conceitos de nível superior para explorar espaços de pesquisa usando diferentes estratégias. As estratégias devem ser escolhidas de tal modo que exista um balanço dinâmico entre: exploitation / intensification: (pesquisa na zona) consolidação da pesquisa em zonas alvo do espaço de soluções resultado da experiência acumulada da procura obtenção do óptimo local de uma zona; exploration / diversification: (pesquisa em novas zonas) cobrir o mais possível o espaço de soluções de modo a encontrar melhores soluções para o problema - cobertura do espaço de pesquisa. 107 meta-heurísticas Os critérios de paragem podem ser: um tempo máximo de CPU; um número máximo de iterações; se for encontrada uma solução com menor que um valor limiar predefinido; um número máximo de iterações sem que sejam obtidas melhorias. 108

3 Novos métodos As três componentes da Pesquisa Local: 1. Gerador da solução inicial 2. Função de vizinhança 3. Função de avaliação Meta-Heurísticas baseadas em Extensões da Pesquisa Local 109 Gerador da solução inicial GRASP: Greedy Randomized Adaptive Search Procedure algoritmo simples que combina os métodos construtivos com a pesquisa local. procedimento iterativo composto por duas fases: construção da solução melhoria a solução 110

4 GRASP a melhor solução é fornecida no final das iterações, quando o critério de paragem é obtido o lista de candidatos de tamanho variável: 1 n o 1: selecção essencialmente gulosa - n: selecção essencialmente aleatória o seleccionar um elemento de acordo com uma função de avaliação dinâmica o estática: custos dos arcos no TSP - dinâmica: custo de inserção no TSP 2ª fase: pesquisa local simples, SA ou TS 111 Função de vizinhança VNS Variable Neighborhood Search e as suas variantes 112

5 Função de vizinhança VNS Variable Neighborhood Search 3 fases principais: shaking, local search e move o shaking: uma solução s vizinha de s da k-ésima vizinhança é conduzida a um óptimo local s (uma qualquer vizinhança). s é comparada com a solução corrente s e toma o lugar de solução corrente se for melhor. O algoritmo recomeça com k=1, senão k é incrementado. Objectivo é saltar para diferentes zonas do espaço de pesquisa e avaliar diferentes óptimos locais, mas que não seja muito distanciado de s para não se tornar num método multi-start. Trocar de vizinhança equivale a diversificar a pesquisa e cobrir o espaço de soluções. 113 Função de vizinhança A função BestImprovement() devolve o óptimo local de uma vizinhança. Baseia-se no conceito de que uma solução que é óptimo local de uma vizinhança pode não ser o óptimo local de outra vizinhança. 114

6 Função de vizinhança Atendendo à dificuldade de definir diferentes vizinhanças no VNS e VND em VNDS usa-se uma decomposição do problema. Cada vizinhança avalia somente k parâmetros do problema (subproblema). 115 Função de vizinhança Extensão do VNS que considera diferentes critérios de aceitação de uma solução que tem em conta a distância / desvio (skew) entre soluções. 116

7 Função de avaliação GLS Guided Local Search Alteração da função de avaliação 117 Função de avaliação GLS Guided Local Search 118

8 Função de avaliação GLS Guided Local Search O principal objectivo do GLS é ajudar gradualmente que a pesquisa saia de um óptimo local, alterando o horizonte da procura. A orientação da pesquisa é obtida por alteração dinâmica da função de avaliação. A função de avaliação é alterada dinamicamente, tornando a solução (óptima local corrente) cada vez menos atractiva. 119 Função de avaliação GLS Guided Local Search Penalizações: Aditivas Multiplicativas Aumenta todas as iterações Aumenta cada 100 iterações. Cuidado especial porque podem afectar parâmetros sensíveis da instância do problema 120

9 Função de avaliação Pesquisa Local ILS Passeio Aleatório 121 Função de avaliação Pesquisa Local ILS Passeio Aleatório 122

10 Função de avaliação O esquema mais geral das estratégias explorativas. Por ser generalista é base de outras estratégias, o VNS, mas também pode conter outras metaheurísticas como sub-componentes. Um modelo simples e poderoso Devido à sua flexibilidade e alto nível de abstracção, a ILS pode ser considerada uma plataforma básica para o desenvolvimento da maioria das meta-heurísticas. 123 Função de avaliação Num espaço de pesquisa não é possível redesenhar uma vizinhança que só considere óptimos locais (situação ideal), então: 1. Executar LS de s até s* 2. Perturbar s* para obter s 3. Executar LS de s até s* 4. Atendendo ao critério de aceitação decidir se s* s* Voltar a 2 124

11 Função de avaliação Perturbação Não pode ser muito pequena, senão pode não sair do mesmo óptimo local Não pode ser muito grande, senão o método transforma-se em random start Deve ser tal que gere um novo óptimo local, mas próximo. O critério de aceitação funciona como um contrabalanço da perturbação, filtra e devolve informação sobre a acção da perturbação, dependendo do novo s* 125 Função de avaliação A concepção de algoritmo ILS tem alguns graus de liberdade, na escolha da solução inicial, modelo de perturbação e no critério de aceitação. Um papel chave é desempenhado pela história da pesquisa que pode ser explorada como memória de curto e longo prazo. Criação de solução inicial rápida criação aleatória 126

12 Função de avaliação Perturbação não-determinística para evitar a criação de ciclos e de intensidade variável, ou adaptativa. Intensidade da perturbação pode ser avaliada pela quantidade alterações efectudas. O critério de aceitação pode variar desde aceitar sempre, ou no caso de melhoria de solução. Situações intermédias podem ser obtidas implementando esquemas semelhantes ao dos planos de arrefecimento do SA. Um esquema de arrefecimento não monótono (afina a diversificação e a intensificação) e se explorar a história da pesquisa torna-se num modelo semelhante ao Reactive Tabu Search 127

BUSCA LOCAL ITERADA (ILS ITERATED LOCAL SEARCH)

BUSCA LOCAL ITERADA (ILS ITERATED LOCAL SEARCH) BUSCA LOCAL ITERADA (ILS ITERATED LOCAL SEARCH) Francisco A. M. Gomes 1º sem/2009 MT852 Tópicos em pesquisa operacional Iterated local search (ILS) Método que gera uma sequência de soluções obtidas por

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

DISCIPLINA: Métodos Heurísticos

DISCIPLINA: Métodos Heurísticos DISCIPLINA: Métodos Heurísticos CURSO(S): Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Licenciatura em Engenharia de Sistemas e Informática Licenciatura em Matemática Aplicada Licenciatura em Matemática

Leia mais

Resolução do Problema de Roteamento de Veículos com Frota Heterogênea via GRASP e Busca Tabu.

Resolução do Problema de Roteamento de Veículos com Frota Heterogênea via GRASP e Busca Tabu. Resolução do Problema de Roteamento de Veículos com Frota Heterogênea via GRASP e Busca Tabu. Camila Leles de Rezende, Denis P. Pinheiro, Rodrigo G. Ribeiro camilalelesproj@yahoo.com.br, denisppinheiro@yahoo.com.br,

Leia mais

Minicurso SBSE 2012:

Minicurso SBSE 2012: Campus de Ilha Solteira Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Departamento de Energia Elétrica Minicurso SBSE 2012: Metaheurísticas em sistemas elétricos de potência: introdução ao estudo e aplicações

Leia mais

METAHEURÍSTICAS GRASP E VNS PARA PROBLEMA DE GRAFO COM RESTRIÇÕES DE CAPACIDADE E CONEXIDADE

METAHEURÍSTICAS GRASP E VNS PARA PROBLEMA DE GRAFO COM RESTRIÇÕES DE CAPACIDADE E CONEXIDADE METAHEURÍSTICAS GRASP E VNS PARA PROBLEMA DE GRAFO COM RESTRIÇÕES DE CAPACIDADE E CONEXIDADE Nádia Mendes dos Santos Instituto Federal do Piauí Praça da Liberdade, 1597 Centro Teresina (PI) - 64000-040

Leia mais

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários...

NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX. No Renascimento de uma Nova Era... IX PREÂMBULO... XIII. Organização do livro... xiii. Destinatários... NOTA À 2ª EDIÇÃO... VII PREFÁCIO... IX No Renascimento de uma Nova Era... IX Índice PREÂMBULO... XIII Organização do livro... xiii Destinatários... xiv Utilização do livro... xiv Agradecimentos... xiv

Leia mais

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves

CAP 254 CAP 254. Otimização Combinatória. Professor: Dr. L.A.N. Lorena. Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves CAP 254 CAP 254 Otimização Combinatória Professor: Dr. L.A.N. Lorena Assunto: Metaheurísticas Antonio Augusto Chaves Conteúdo C01 Simulated Annealing (20/11/07). C02 Busca Tabu (22/11/07). C03 Colônia

Leia mais

Planejamento operacional de lavra

Planejamento operacional de lavra UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO Planejamento operacional de lavra Anexo do Relatório Técnico-científico Final apresentado ao CNPq,

Leia mais

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho.

Computação Paralela. Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho. Computação Paralela Desenvolvimento de Aplicações Paralelas João Luís Ferreira Sobral Departamento do Informática Universidade do Minho Outubro 2005 Desenvolvimento de Aplicações Paralelas Uma Metodologia

Leia mais

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO

INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO INVESTIGAÇÃO OPERACIONAL EM AÇÃO CASOS DE APLICAÇÃO RUI CARVALHO OLIVEIRA JOSÉ SOEIRO FERREIRA (EDITORES) IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA COIMBRA UNIVERSITY PRESS CASO 7 SISTEMA DE APOIO À DECISÃO

Leia mais

Resolução de Problemas Com Procura. Capítulo 3

Resolução de Problemas Com Procura. Capítulo 3 Resolução de Problemas Com Procura Capítulo 3 Sumário Agentes que resolvem problemas Tipos de problemas Formulação de problemas Exemplos de problemas Algoritmos de procura básicos Eliminação de estados

Leia mais

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados

Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Projeto e Análise de Algoritmos Projeto de Algoritmos Heurísticas e Algoritmos Aproximados Prof. Humberto Brandão humberto@bcc.unifal-mg.edu.br Universidade Federal de Alfenas Departamento de Ciências

Leia mais

Inteligência de Enxame: ACO

Inteligência de Enxame: ACO Inteligência de Enxame: ACO! Otimização colônia de formigas é uma meta-heurística: «baseada em população «inspirada no comportamento forrageiro das formigas.! Muitas espécies de formigas são quase cegas.!

Leia mais

A Otimização Colônia de Formigas

A Otimização Colônia de Formigas A Otimização Colônia de Formigas Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 22/04/2008 Índice A Inspiração Biológica O Ant System Aplicado ao PCV O Ant System Aplicado

Leia mais

método de solução aproximada

método de solução aproximada método de solução aproximada Definir - Representação - Objectivo - Função de avaliação 73 Representação do problema - Definição das variáveis de decisão do modelo escolhido para o problema real. Importante

Leia mais

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software Estudo de caso III Prof. Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br Introdução Em alguns ambientes industriais, pode ser necessário priorizar

Leia mais

Análise de complexidade

Análise de complexidade Introdução Algoritmo: sequência de instruções necessárias para a resolução de um problema bem formulado (passíveis de implementação em computador) Estratégia: especificar (definir propriedades) arquitectura

Leia mais

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

IA Colônia de Formigas. Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br IA Colônia de Formigas Prof. Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução O Experimento da Ponte Binária. Ant System Aplicado ao PCV. Elitist Ant System. Introdução Otimização colônia

Leia mais

maior probabilidade de ser repetido em circunstâncias semelhantes

maior probabilidade de ser repetido em circunstâncias semelhantes Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 10/1 Controlo Motor e Aprendizagem Aula teórica 10/2 Conhecer o modelo e as estruturas da teoria do circuito fechado, explicativos da capacidade de detecção e

Leia mais

Tony Ítalo Abreu Santiago

Tony Ítalo Abreu Santiago FACULDADE LOURENÇO FILHO Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Tony Ítalo Abreu Santiago UM ALGORITMO HEURÍSTICO PARA O PROBLEMA DA ÁRVORE GERADORA MÍNIMA DE GRAU RESTRITO BASEADO NA META-HEURÍSTICA

Leia mais

B.I.S.T. Built-In Self Test

B.I.S.T. Built-In Self Test Instituto Superior de Engenharia do Porto Mestrado de Engenharia Electrotécnica Automação e Sistemas Disciplina de Síntese Alto Nível de Componentes Programáveis B.I.S.T. Built-In Self Test Elaborado por:

Leia mais

PHC Recursos Humanos CS

PHC Recursos Humanos CS PHC Recursos Humanos CS A gestão total dos Recursos Humanos A solução que permite a optimização da selecção e recrutamento, a correcta descrição de funções, a execução das avaliações de desempenho e a

Leia mais

Sumário. Comunicação Multicast. Soluções. Multicast. Application-Level Multicast. October 20, 2008 Algoritmos Epidémicos

Sumário. Comunicação Multicast. Soluções. Multicast. Application-Level Multicast. October 20, 2008 Algoritmos Epidémicos Sumário Comunicação Multicast Multicast Application-Level Multicast October 20, 2008 Algoritmos Epidémicos Comunicação Multicast Soluções Multicast designa o envio duma mensagem para múltiplos destinatários.

Leia mais

Evolução via Selecção Natural (Darwin) - sobrevivem os mais aptos (fittest )

Evolução via Selecção Natural (Darwin) - sobrevivem os mais aptos (fittest ) Generalidades A metáfora Biológica Evolução via Selecção Natural (Darwin) - sobrevivem os mais aptos (fittest ) Operadores Genéticos (Mendel) - recombinação (crossover ) - mutação (mutation ) Algoritmos

Leia mais

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Gil Romeu A. Pereira 1, Ivairton M. Santos 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) Campus Universitário do Araguaia Instituto

Leia mais

UM ALGORITMO BASEADO EM ITERATED LOCAL SEARCH PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS PERIÓDICO

UM ALGORITMO BASEADO EM ITERATED LOCAL SEARCH PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS PERIÓDICO UM ALGORITMO BASEADO EM ITERATED LOCAL SEARCH PARA O PROBLEMA DE ROTEAMENTO DE VEÍCULOS PERIÓDICO Pablo Luiz Araujo Munhoz (UFF) pablo.munhoz@gmail.com Luiz Satoru Ochi (UFF) satoru@ic.uff.br Marcone Jamilson

Leia mais

A Otimização Nuvem de Partículas (particle swarm)

A Otimização Nuvem de Partículas (particle swarm) A Otimização Nuvem de Partículas (particle swarm) Estéfane G. M. de Lacerda Departamento de Engenharia da Computação e Automação UFRN 20/06/2007 Índice Introdução Algoritmo Nuvem de Partículas Interpretação

Leia mais

Redes Neurais Construtivas. Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE

Redes Neurais Construtivas. Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE Redes Neurais Construtivas Germano Crispim Vasconcelos Centro de Informática - UFPE Motivações Redes Feedforward têm sido bastante utilizadas em aplicações de Reconhecimento de Padrões Problemas apresentados

Leia mais

SUMÁRIO. Introdução... 3

SUMÁRIO. Introdução... 3 SUMÁRIO Introdução..................................... 3 1 Consultas por Similaridade e Espaços métricos............. 5 1.1 Consultas por abrangência e consultas aos k-vizinhos mais próximos... 5 1.2

Leia mais

Programa de Monitorização da Lagoa de Óbidos e do Emissário Submarino da Foz do Arelho

Programa de Monitorização da Lagoa de Óbidos e do Emissário Submarino da Foz do Arelho Programa de Monitorização da Lagoa de Óbidos e do Emissário Submarino da Foz do Arelho Sistema de Informação Geográfica (SIG) para a Lagoa de Óbidos e Emissário Submarino da Foz do Arelho INDÍCE 1. SISTEMA

Leia mais

CTC-17 Inteligência Artificial Problemas de Busca. Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br

CTC-17 Inteligência Artificial Problemas de Busca. Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br CTC-17 Inteligência Artificial Problemas de Busca Prof. Paulo André Castro pauloac@ita.br www.comp.ita.br/~pauloac Sala 110, IEC-ITA Sumário Agentes que buscam soluções para problemas: Exemplo Tipos de

Leia mais

Métodos de Pesquisa em Vizinhança Variável aplicados ao Problema de Alocação de Salas

Métodos de Pesquisa em Vizinhança Variável aplicados ao Problema de Alocação de Salas Métodos de Pesquisa em Vizinhança Variável aplicados ao Problema de Alocação de Salas Prof. Dr. Marcone Jamilson Freitas Souza Departamento de Computação, Universidade Federal de Ouro Preto, Campus Universitário

Leia mais

MLP (Multi Layer Perceptron)

MLP (Multi Layer Perceptron) MLP (Multi Layer Perceptron) André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Roteiro Rede neural com mais de uma camada Codificação de entradas e saídas Decorar x generalizar Perceptron Multi-Camada (MLP -

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva Preâmbulo A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e as práticas são concebidas para promover, tanto quanto possível, a aprendizagem de todos os alunos.

Leia mais

Problema de Alocação de Salas em Cursos Universitários: Um Estudo de Caso

Problema de Alocação de Salas em Cursos Universitários: Um Estudo de Caso CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação Curso de Mestrado em Modelagem Matemática e Computacional Problema de Alocação de Salas em Cursos Universitários:

Leia mais

Investigação Operacional e Gestão de Projectos

Investigação Operacional e Gestão de Projectos Investigação Operacional e Gestão de Projectos Victor Lobo, Maria do Carmo Lucas, Miguel Loureiro Programa 0 Introdução 1 - Programação Linear. Método Simplex e variantes 2 Problemas de Transportes 3 Problemas

Leia mais

Optimização Multi-critério para o Escalonamento de Operações Fabris

Optimização Multi-critério para o Escalonamento de Operações Fabris Unidade de Engenharia de Sistemas de Produção Campus da FEUP Rua Dr. Roberto Frias, 378 4200-465 Porto Tel. +351 22 2094300 Fax +351 22 2094350 E-mail uesp@inescporto.pt Web www.inescporto.pt/uesp Optimização

Leia mais

ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO. Algoritmos de comparação-e-troca. Bubble Sort Merge Sort Quick Sort

ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO. Algoritmos de comparação-e-troca. Bubble Sort Merge Sort Quick Sort ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO ALGORITMOS DE ORDENAÇÃO Algoritmos de comparação-e-troca Bubble Sort Merge Sort Quick Sort 1 BUBBLE SORT Usa a estratégia de comparação-e-troca É constituído por várias fases Cada

Leia mais

Empresariado Nacional e Tecnologias de Informação e Comunicação: Que Soluções Viáveis para o Desenvolvimento dos Distritos?

Empresariado Nacional e Tecnologias de Informação e Comunicação: Que Soluções Viáveis para o Desenvolvimento dos Distritos? Empresariado Nacional e Tecnologias de Informação e Comunicação: Que Soluções Viáveis para o Desenvolvimento dos Distritos? Carlos Nuno Castel-Branco Professor Auxiliar da Faculdade de Economia da UEM

Leia mais

Estratégias de Pesquisa

Estratégias de Pesquisa Estratégias de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Survey Design e Criação Estudo de Caso Pesquisa Ação Experimento

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Metaheurísticas Aplicadas ao Problema de Planejamento de Redes Celulares 3G

Metaheurísticas Aplicadas ao Problema de Planejamento de Redes Celulares 3G Metaheurísticas Aplicadas ao Problema de Planejamento de Redes Celulares 3G Michele da Silva Sousa, UGF - Universidade Gama Filho E-mail: michele ssousa@yahoo.com.br Nelson Maculan Programa de Engenharia

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Linear Aula 25: Programação Não-Linear - Funções de Uma única variável Mínimo; Mínimo Global; Mínimo Local; Optimização Irrestrita; Condições Óptimas; Método da Bissecção; Método de Newton.

Leia mais

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins

Teste de Regressão. R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Teste de Regressão R. Anido Baseado em notas de aulas da profa. Eliane Martins Testes de Regressão Objetivo Utilização Falhas de regressão Manutenção do conjunto de testes Redução do conjunto de testes

Leia mais

PPD: Balanceamento de Carga e Scheduling 2

PPD: Balanceamento de Carga e Scheduling 2 PPD: Balanceamento de Carga e Scheduling 2 Fernando Silva DCC-FCUP 2 (Alguns dos slides são baseados nos de Kathy Yelick, www.cs.berkeley.edu/ yelick) Fernando Silva (DCC-FCUP) PPD: Balanceamento de Carga

Leia mais

A gestão completa dos seus recursos humanos

A gestão completa dos seus recursos humanos PHC Recursos Humanos CS DESCRITIVO Optimize a selecção e recrutamento, proceda à correcta descrição de funções, execute as avaliações de desempenho e avalie as acções de formação. PHC Recursos Humanos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água?

Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? 16 Qual o efeito da radiação solar na evaporação da água? E16-1 o que necessitas coador holofote com uma potência de 500 w filtros de café frasco com água salgada (do mar ou de qualquer compartimento da

Leia mais

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano

Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Planificação anual de 3º ciclo de Educação Tecnológica 7º e 8º ano Domínios TECNOLOGIA E SOCIEDADE Subdomínios/Sugestões de Exploração Tecnologia e necessidades Humanas: Tecnologia como resposta às necessidades

Leia mais

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia

Gestão em Farmácia. Marketing 3. Manuel João Oliveira. Identificação e Selecção da Estratégia Gestão em Farmácia Marketing 3 Manuel João Oliveira Análise Externa Análise do Cliente Segmentação, comportamento do cliente, necessidades não-correspondidas Análise dos Concorrentes Grupos estratégicos,

Leia mais

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software

Sumário. Engenharia de Software. Gestão da Complexidade. Objectivos. Engenharia de Software Engenharia de Software Engenharia de Software António Rito Silva Rito.Silva@inesc-id.pt Objectivos Problemas Qualidades Técnicas Conclusões Referências Sumário Engenharia de Software 2 Objectivos A engenharia

Leia mais

APLICAÇÕES DE TÉCNICAS DE OTIMIZAÇÃO A PROBLEMAS DE PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO

APLICAÇÕES DE TÉCNICAS DE OTIMIZAÇÃO A PROBLEMAS DE PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA EM MINAS A CÉU ABERTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO ESCOLA DE MINAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE MINAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MINERAL APLICAÇÕES DE TÉCNICAS DE OTIMIZAÇÃO A PROBLEMAS DE PLANEJAMENTO OPERACIONAL

Leia mais

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T

Pointer Jumping. odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V. um vértice r tal que. O vértice r é dita raíz de T Pointer Jumping T = (V,E) : árvore direcionada odg(v) e idg(v): graus de saída e entrada do vértice v V um vértice r tal que v V-{r}, odg(v) = 1, odg(r)=0 v V-{r}, um caminho de v a r O vértice r é dita

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias:

3/9/2010. Ligação da UCP com o barramento do. sistema. As funções básicas dos registradores nos permitem classificá-los em duas categorias: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense P.U.R.O. Revisão dos conceitos básicos O processador é o componente vital do sistema de

Leia mais

Diagrama de Precedências

Diagrama de Precedências Planeamento Industrial Aula 06 Implantações por produto:.equilibragem de linhas de montagem Implantações por processo:. minimização dos custos de transporte. método craft. análise de factores Diagrama

Leia mais

Meta-heurísticas para Problemas de Otimização Combinatória

Meta-heurísticas para Problemas de Otimização Combinatória Meta-heurísticas para Problemas de Otimização Combinatória Gerardo Valdisio Rodrigues Viana Faculdade Lourenço Filho FLF Universidade Estadual do Ceará- UECE Resumo A teoria da complexidade mostra que

Leia mais

MOBILE MARKETING O Mobile Marketing é a divulgação de um negócio dirigida aos dispositivos móveis (Smartphones/Tablets), com funcionalidades específicas e estruturadas, pensadas para angariação e retenção

Leia mais

Optimização do Programa de manutenção de centrais térmicas considerando previsões da evolução da procura e dos preços de mercado

Optimização do Programa de manutenção de centrais térmicas considerando previsões da evolução da procura e dos preços de mercado Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Optimização do Programa de manutenção de centrais térmicas considerando previsões da evolução da procura e dos preços de mercado Marcelo Leandro Pereira

Leia mais

Técnicas de Memorização.

Técnicas de Memorização. Como Estudar? Técnicas de Memorização. Aprendizagem: dreamstime As estratégias de estudo que adquiriste no ensino secundário devem ser adaptadas ao ensino superior. Existem disciplinas com forte componente

Leia mais

Resumo Objetivo e Definição do problema

Resumo Objetivo e Definição do problema 1 Resumo Objetivo e Definição do problema O presente trabalho estuda o uso potencial de instrumentos que utilizam uma interação próxima entre os setores público, privado e o terceiro setor, visando aumentar

Leia mais

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Russell & Norvig Seções 3.1, 3.2 e 3.3

Resolução de problemas por meio de busca. Capítulo 3 Russell & Norvig Seções 3.1, 3.2 e 3.3 Resolução de problemas por meio de busca Capítulo 3 Russell & Norvig Seções 3.1, 3.2 e 3.3 Agentes de resolução de problemas Agentes reagvos não funcionam em ambientes para quais o número de regras condição-

Leia mais

Roteamento em Redes de Computadores

Roteamento em Redes de Computadores Roteamento em Redes de Computadores José Marcos Câmara Brito INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações INATEL - Instituto Nacional de Telecomunicações 01/08/00 1 Introdução Objetivo Tipos de rede

Leia mais

Sistemas de Tempo-Real

Sistemas de Tempo-Real Aula 9 Outros aspectos do escalonamento de tempo-real Escalonamento sem preempção Questões de aplicação prática em sistemas reais 1 Aula anterior (8) Execução conjunta de tarefas periódicas e aperiódicas

Leia mais

Introdução a IO V 1.1, V.Lobo, EN/ISEGI, 2007

Introdução a IO V 1.1, V.Lobo, EN/ISEGI, 2007 Investigação Operacional e Gestão de Projectos Victor Lobo Maria do Carmo Lucas Programa 0 Introdução 1 - Programação Linear. Método Simplex e variantes 2 Problemas de Transportes 3 Problemas de Afectação

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Gerência da Multitel Conferência apresentada no Workshop Tecnológico da

Leia mais

Satisfação de Restrições. Capítulo 5 (disponível online)

Satisfação de Restrições. Capítulo 5 (disponível online) Satisfação de Restrições Capítulo 5 (disponível online) Sumário Problemas de Satisfação de Restrições (CSPs) Procura com Retrocesso para CSPs Procura Local para CSPs Estrutura dos CSPs Problemas de Satisfação

Leia mais

Respostas dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig

Respostas dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig Respostas dos Exercícios Cap. 2 Russell & Norvig 1. (2.2) Uma medida de desempenho e utilizada por um observador externo para avaliar o sucesso de um agente. Uma função de utilidade e utilizada por um

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás

Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010. Tarefa: As roupas do Tomás Programa de Formação Contínua em Matemática para Professores dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico 2009-2010 Tarefa: As roupas do Tomás ESE/IPS 8 de Julho de 2010 Enquadramento Curricular: Tema: Números

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

METAHEURÍSTICAS SIMULATED ANNEALING E PESQUISA EM VIZINHANÇA VARIÁVEL APLICADAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO PERIÓDICO DE VEÍCULOS PARA COLETA DE LIXO

METAHEURÍSTICAS SIMULATED ANNEALING E PESQUISA EM VIZINHANÇA VARIÁVEL APLICADAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO PERIÓDICO DE VEÍCULOS PARA COLETA DE LIXO METAHEURÍSTICAS SIMULATED ANNEALING E PESQUISA EM VIZINHANÇA VARIÁVEL APLICADAS AO PROBLEMA DE ROTEAMENTO PERIÓDICO DE VEÍCULOS PARA COLETA DE LIXO William Higino Herlisson Maciel Bezerra Eliseu Junio

Leia mais

Lógica de Negócio e Acesso a dados. Parte 2.2

Lógica de Negócio e Acesso a dados. Parte 2.2 Lógica de Negócio e Acesso a dados Parte 2.2 Estilos arquitecturais Orientado à tabela Table Module Table Data Gateway BLL DAL Orientado aos objectos Domain Model Active Record Data Mapper BLL DAL BLL

Leia mais

HEURÍSTICAS COMPUTACIONAIS APLICADAS À OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE TRELIÇAS BIDIMENSIONAIS

HEURÍSTICAS COMPUTACIONAIS APLICADAS À OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE TRELIÇAS BIDIMENSIONAIS JOÃO PAULO GONÇALVES PEREIRA HEURÍSTICAS COMPUTACIONAIS APLICADAS À OTIMIZAÇÃO ESTRUTURAL DE TRELIÇAS BIDIMENSIONAIS Dissertação de Mestrado 1 JOÃO PAULO GONÇALVES PEREIRA HEURÍSTICAS COMPUTACIONAIS APLICADAS

Leia mais

Sistemas de Nomes Planos

Sistemas de Nomes Planos Sistemas de Nomes Planos November 2, 2009 Sumário Sistemas de Nomes Planos e DHTs Chord Sistemas de Nomes Planos Tipicamente, sistemas de nomes à escala da Internet usam nomes estruturados hierarquicamente.

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação

5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS. 5.1 - Os Programas de Avaliação 36 5. EXPERIÊNCIAS E ANÁLISE DOS RESULTADOS 5.1 - Os Programas de Avaliação Programas de avaliação convencionais foram utilizados para análise de diversas configurações da arquitetura. Estes programas

Leia mais

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Cap.2.5: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos na construção de algoritmos Método

Leia mais

MBA especialização em GesTão De projectos

MBA especialização em GesTão De projectos MBA especialização em GESTão DE projectos FORMEDIA Instituto Europeu de Empresários e Gestores FORMEDIA e INSTITUTO EUROPEO DE POSGRADO FORMEDIA - Instituto Europeu de Empresários e Gestores A FORMEDIA

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código

Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada. Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código Prof. Dr. Abel Gomes (agomes@di.ubi.pt) Cap.4: Design de Algoritmos e Programação Estruturada Algoritmos, fluxogramas e pseudo-código 1 Sumário Problemas e algoritmos Desenho de algoritmos/programas Passos

Leia mais

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos

Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Complemento IV Introdução aos Algoritmos Genéticos Esse documento é parte integrante do material fornecido pela WEB para a 2ª edição do livro Data Mining: Conceitos, técnicas, algoritmos, orientações e

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume II Locais e Postos de trabalho. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume II Locais e Postos de trabalho um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

4 Implementação e Resultados Experimentais

4 Implementação e Resultados Experimentais 4 Implementação e Resultados Experimentais Com o objetivo de fazer a criação automática de visões materializadas, ou seja, prover uma solução on-the-fly para o problema de seleção de visões materializadas,

Leia mais

Desenvolvimento de Conteúdos Educativos

Desenvolvimento de Conteúdos Educativos Projecto de Publicação de Informação Educativa Escola Superior de Educação de Bragança Vitor Manuel Barrigão Gonçalves Bragança, 2003 Sumário Contexto Objectivos Modelo Tecnológico e Modelo de Desenvolvimento

Leia mais

Arquitetura de Computadores I

Arquitetura de Computadores I Arquitetura de Computadores I Pipeline -- Conflito de dados paradas e adiantamentos -- Conflito de controle detecção de desvios e descarte de instruções -- Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno

Leia mais

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins*

Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Investimento Directo Estrangeiro e Salários em Portugal Pedro Silva Martins* Os fluxos de Investimento Directo Estrangeiro (IDE) para Portugal tornaram-se uma componente importante da economia portuguesa

Leia mais

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO

TRIPLO SALTO VELOCIDADE FORÇA OUTRAS VELOCIDADE EXECUÇAO (MOV. ACÍCLICO) FORÇA RESISTÊNCIA HIPERTROFIA CAPACIDADE DE ACELERAÇÃO EQUILÍBRIO TRIPLO SALTO O TRIPLO SALTO É UMA DISCIPLINA TÉCNICA MUITO COMPLEXA QUE OBRIGA A UM GRANDE APERFEIÇOAMENTO EM VÁRIAS VERTENTES, VISTO O SEU DESENVOLVIMENTO DEPENDER DE UMA COMBINAÇÃO DE VÁRIAS HABILIDADES

Leia mais

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha

Centro Comunitário Bairro Social de Paradinha A Cáritas Diocesana de Viseu no Bairro Social de Paradinha A Cáritas continua com um trabalho de relevante interesse social no Bairro Social de Paradinha. No ano de 2008, a Cáritas continuou a desenvolver

Leia mais

Investigação Operacional e Gestão de Projectos

Investigação Operacional e Gestão de Projectos Investigação Operacional e Gestão de Projectos Victor Lobo, Maria do Carmo Lucas, Miguel Loureiro Programa 0 Introdução 1 - Programação Linear. Método Simplex e variantes 2 Problemas de Transportes 3 Problemas

Leia mais

Algoritmos Genéticos (GA s)

Algoritmos Genéticos (GA s) Algoritmos Genéticos (GA s) 1 Algoritmos Genéticos (GA s) Dado um processo ou método de codificar soluções de um problema na forma de cromossomas e dada uma função de desempenho que nos dá um valor de

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Desenvolvimento da criança e o Desporto

Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto Desenvolvimento da criança e o Desporto DESPORTO ENSINO TREINO CRIANÇAS E JOVENS I - O QUÊ? II - QUANDO? III - COMO? Desenvolvimento da criança e o Desporto I Capacidades

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais