Sistemas Distribuídos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Distribuídos"

Transcrição

1 Cassandra - Particionamento de Dados Sistemas Distribuídos Douglas Macedo Hugo Lourenço

2 Sumário Introdução Conceito Anel Multíplos Data center Fatores envolvidos Arquitetura do Sistema Módulo de Particionamento Particionamento em Banco de Dados Distribuídos Experiências Práticas Conclusão

3 Introdução Vem se tornando cada vez mais popular entre as equipes de desenvolvimento que estão migrando para o NoSQL.Une: design completamente distribuído do Dynamo (Amazon) modelo de dados baseado em Column-Family do BigTable (Google) O maior cluster em produção tem cerca de 300 TB em mais de 400 máquinas Slide 3 de 30

4 Introdução NoSQL * Not only SQL (não somente sql) e não NO SQL (não ao sql) *Escalabilidade e Desempenho Cassandra VS MySQL (50GB)* Write: ~0.12 ms vs ~300 ms Read: ~15 ms vs ~350 ms *(tempos médios) Slide 4 de 30

5 Introdução Um particionador que determina qual dos nós irá armazenar os dados; O número de cópias de dados, que são determinados pela "estratégia de replicação"; A topologia do cluster: Número de nós; Distribuição de nós nos racks; Número de data centers. Slide 5 de 30

6 Conceito Cassandra particiona de forma transparente os dados em seus nodes participantes do database no cluster. Cada node fica responsável por uma parte do database global. Slide 6 de 30

7 Conceito Estrutura comum a NOSQL KeySpace Column Family Column key = "row key" (chave de linha) Slide 7 de 30

8 Conceito Cada linha de dados é identificada de forma única pela chave de linha da coluna. A distribuição no cluster se da pelo valor do Token. Slide 8 de 30

9 Anel do Cluster O número total de dados armazenados pelo cluster é representado pelo anel: Dividido em intervalos iguais ao número de nós; Cada nó pode ser responsável por um ou mais intervalos de dados. Um nodo (ex: um PC adicionado) pode-se juntar a um anel,onde lhe é atribuído um token, este determina: Posição do nodo no anel; Faixa de dados. Slide 9 de 30

10 Anel do Cluster Determinando onde o nodo irá ficar no anel: Em sentido horário se localiza o nodo com valor de chave maior do que a chave do nodo a entrar (ou da "row key"). Cada nó é responsável pela região entre si e de seu antecessor. No exemplo, nodo ZERO de 75 a 0. Slide 10 de 30

11 Múltiplos Data Center Clusters NetworkTopologyStrategy: principal estratégia de colocação de réplicas em múltiplos data center, ela especifica quantas réplicas se quer em cada data center Se coloca a primeira réplica para cada linha considerando o valor atribuído em cada nó. As réplicas adicionais são colocadas no mesmo data center, percorrendo em sentido horário até alcançar o próximo data center Slide 11 de 30

12 Múltiplos Data Center Clusters Considerando os nós individualmente a distribuição deve ser uniforme Distribuição de dados não-uniforme Distribuição de dados uniforme Valores dos tokens não devêm entrar em conflito Slide 12 de 30

13 Geração de Token Cassandra inclui uma ferramenta para geração de tokens o a no intervalo máximo possível (0 to 2^127-1)para uso com o RandomPartitioner Cada nó no cluster precisa ser atribuído um token antes de começar pela primeira vez. initial_token = é configurado no arquivo cassandra. yaml Slide 13 de 30

14 Geração de Token Single data center:./tools/bin/token-generator 4 Node #1: 0 Node #2: Node #3: Node #4: Mútiplos data centers usando NetworkTopologyStrategy (por padrão):./tools/bin/token-generator 4 4 DC #1: Node #1: Node #2: Node #3: Node #4: DC #2: Node #1: Node #2: Node #3: Node #4: Slide 14 de 30

15 Geração de Token Evitar colisão de tokens, colocando valores com offsset nos tokens, que permite um intervalo uniforme entre os novos nós Slide 15 de 30

16 Cassandra 1.2 Não é preciso cálculo de tokens se estiver usando virtual nodes (vnodes, novidade na versão) Remoção/Adição de nós sem precisar rebalancemento manual no cluster Reconstroi nós mortos mais rapidamente Melhora o uso de máquinas heterogêneas no cluster Murmur3Partitioner Provém um hash mais rápido e aumenta a performance do que a versão padrão anterior (RandomPartitioner) Usa função MurmurHash (o RandomPartitioner usa hash MD5) Slide 16 de 30

17 Consultas por Similaridade Os SGBDs oferecem recursos eficazes para realizar buscas sobre os dados usando relações de igualdade e de ordem total existentes nos dados armazenados (números e textos curtos) Com dados complexos nas buscas por igualdade ou por ordem não se aplicam. Para esses tipos de dados é mais relevante fazer uso de consultas por similaridade, que consistem em procurar por elementos em um conjunto que, segundo algum critério de similaridade, sejam mais parecidos ou mais distintos com/de um determinado elemento. Slide 17 de 30

18 Consultas por Similaridade Consulta por abrangência (Range query Rq): retorna todos os elementos dissimilares de um elemento de consulta até no máximo um certo limiar; Consulta aos k-vizinhos mais próximos (k-nearest Neighbors query k-nnq): retorna os k elementos mais similares ao elemento de consulta sq, isto é, os k elementos si pertence S com menor valor para S(si;sq). Slide 18 de 30

19 Arquitetura do Sistema Dynamo é uma tecnologia interna desenvolvida pela Amazon para a necessidade de ter escalabilidade e alta disponibilidade no sistema de armazenamento de key-value. A tecnologia possibilita: "trade-off"(custo conflitos); consistência; durabilidade; desempenho; alta disponibilidade. Slide 19 de 30

20 Arquitetura do Sistema Dynamo usa hashing consistentes para o particionamento. Os objetos e caches usam a mesma função hash. Vantagens: As máquinas terão um intervalo da escala de função hash e máquinas vizinhas pode levar mais porções do intervalo de seus nós adjacentes se sair e pode ceder parcelas de sua intervalo se algum nó novo membro se junta e é mapeado para um intervalo de perto. Os clientes podem facilmente determinar os nós para executar operações de leitura ou gravação. Slide 20 de 30

21 Arquitetura do Sistema Cada nó é mapeado para vários pontos no anel em vez de um único ponto. Usando o conceito de virtual tem vantagens: Distribuição da carga de trabalho de um nó para os nós disponíveis quando um nó se torna indisponível; Quando um novo nó é adicionado ou quando um se recupera de acidente, começará com carga 'igual' ao dos outros. Slide 21 de 30

22 NoSQL Data Stores Slide 22 de 30

23 Tabela de Comparação Slide 23 de 30

24 Módulo de Particionamento Importante na implantação do Cassandra: escolha de tokens para cada nó Qual nó armazenará os dados? Uso do OPP requer cautela na escolha de tokens; Na distribuição desequilibrada: mais dados são armazenados em um número menor de nós. O ideal é particionar de forma uniforme. Slide 24 de 30

25 Módulo de Particionamento Cassandra é escalável de forma incremental, as máquinas podem entrar e sair de um cluster; Os dados devem ser particionadas e distribuídas entre os nós de um cluster de uma forma que permite que reparticionamento e redistribuição; As tabelas no Cassandra são divididas e distribuídas em hashing consistentes como no Dynamo. Slide 25 de 30

26 Particionamento em Banco de Dados Distribuídos Hashing Consistente x Ordem de Presevação Uso de hash consistentes fornece um melhor esquema ("brain-dead") de balanceamento de carga a partir do algoritmo de hash espalhando chaves no anel; Não apresentou bons resultados na prática, a solução foi atribuir vários tokens para cada nó no cluster e existem várias abordagens para isso; No Cassandra o projeto original considerava o Hashing Consistente uma preferência de balanceamento de carga real. As chaves são distribuídas para os nós em sua ordem natural; Principal vantagem sobre o Hashing Consistente: Capacidade de fazer consultas de intervalo entre as chaves no sistema; O particionador usa a key para determinar em qual nó o dado está; Cada chave pode ter vários dados associados; [modelo de dados] Flexibilidade em consultas de abrangência por propagar os dados entre várias chaves. Slide 26 de 30

27 Wiki Cassandra: Informações de configurações do particionador Particionador: qualquer IPartitioner pode ser usado, incluindo o seu, desde que ele esteja no classpath. Fora da caixa, Cassandra fornece org. apache.cassandra.dht.randompartitioner, org.apache.cassandra.dht.orderpreservingpartitioner, org.apache.cassandra.dht. ByteOrderedPartitioner, e org.apache.cassandra.dht.collatingorderpreservingpartitioner. (CollatingOPP colates acordo com as regras EN, dos EUA, não ordena byte. Use isso como um exemplo, se você precisa localidade ciente.) A única diferença entre BOP e OPP é que a OPP requer chaves codificadas em UTF-8. Range exigem consultas usando um particionador ordem de preservação. Achtung!A alteração deste parâmetro limpa seus diretórios de dados, já que o particionador modifica o formato!sstable no disco. Se você estiver usando um particionador fim de preservação e você sabe que a sua distribuição de chaves, você pode especificar o símbolo para este nó usar. (As chaves são enviadas para o nó com os "mais próximos" token, para a distribuição de seus tokens igualmente ao longo do espaço de distribuição de chaves que vai se espalhar as chaves uniformemente no cluster.) Essa configuração só é verificada a primeira vez que um nó é iniciado. Isto pode também ser útil com RandomPartitioner forçar espaçamento igual em torno do espaço de hash, em especial para aglomerados com um pequeno número de nós. Cassandra usa hash MD5 internamente para colocar a hash das chves do anel em um RandomPartitioner. Portanto, faz sentido dividir o espaço de hash igualmente pelo número de máquinas disponíveis usando InitialToken ou seja, se existem 10 máquinas, cada um vai lidar com 1/10th de valor máximo hash) e esperar que as máquinas terão uma carga razoavelmente igual. Com OrderPreservingPartitioner as próprias chaves são utilizadas para armazenar no anel. Uma desvantagem do potencial desta abordagem é que, se as linhas são inseridas com chaves sequenciais, toda a carga de gravação irá para o mesmo nó. Padrão: 'org.apache.cassandra.dht.randompartitioner'. Atribuir manualmente os tokens é altamente recomendável para garantir uma distribuição uniforme de carga. Slide 27 de 30

28 Experiências Práticas Dentro do arquivo de configuração conf/cassandra.yaml Partitioner: qualquer IPartitioner pode ser usado, inclusive um próprio, desde que esteja no classpath. Cassandra provém: org.apache.cassandra.dht.randompartitioner (RP) org.apache.cassandra.dht.orderpreservingpartitioner (OPP) org.apache.cassandra.dht.byteorderedpartitioner (BOP) org.apache.cassandra.dht.collatingorderpreservingpartitioner (COPP) CollatingOPP agrupa de acordo com as normas do idioma EN,US, não sobre a ordem de byte nativo. É usado quando se precisa de agrupamento de cliente por localidade. A única diferença entre BOP e OPP é que requer chaves para ser codificado em UTF-8. "Consultas por abrangência" (" Range queries" ) requerem um particionador por ordem. A alteração deste parâmetro requer que você limpe os diretórios de dados, desde que o particionador pode modificar o formato de disco e!sstable. Utilizando o particionador por ordem " order-preserving partitioner" e sabendo a distribuição de chaves, pode-se especificar o token que seu nó usa (as chaves são enviadas para os nós com os tokens mais próximos, então a distribuição de tokens vai se espalhar uniformemente através do cluster). Essa configuração só é verificada na primeira vez que um nó e iniciado. Útil também com RandomPartitioner para forçar espaçamento uniforme de tokens em torno do espaço de hash, em especial de aglomerados com um pequeno número do nodos. Cassandra usa hash MD5 internamente para fazer hash das chaves para colocar o anel em um RandomPartitioner. Faz sentido dividir o espaço de hash uniformemente pelo número de maquinas usando um tokeninicial (initiantoken). Por exemplo: se tiver 10 máquinas, cada uma vai lidar com 1/10 de valor máximo do hash e esperar que as máquinas terão uma carga razoavelmente uniforme. Com OrderPreservingPartitioner as chaves delas próprias são colocadas sobre o anel. Uma potencial desvantagem desta abordagem é que estas linhas são inseridas com chaves sequências, toda a carga de gravação irá para o mesmo nó. O padrão é : 'org.apache.cassandra.dht.randompartitioner'. Tokens atribuídos de forma manual são recomendáveis para garantir uma distribuição uniforme de carga.. Slide 28 de 30

29 Conclusão O particionamento no Cassandra se dá através da técnica de hash consistente. Garante: melhor distribuição dos dados entre os nós existentes melhor balanceamento de carga nós servirão a múltiplas requisições ao mesmo tempo. Somada ao protocolo Gossip permite que um nó possa prever aonde está a linha referente à chave pesquisada, de maneira muito eficiente. Entretanto, a existência de um nó coordenador para um determinado conjunto de chaves ainda representa um ponto único de falha, ao menos para esse conjunto de dados. Por isso, o Cassandra replica de forma assíncrona os dados gravados em cada nó coordenador PARTICIONAMENTO + PROTOCOLO GOSSIP + REPLICAÇÃO = sem pontos de falha Slide 29 de 30

30 Referências Referências: https://dl.dropbox.com/u/ /big%20data/cassandra-principios%20e% 20arquitetura.pdf https://www.cloudkick.com/blog/2010/mar/02/4_months_with_cassandra/ Slide 30 de 30

31 FIM

Sistemas Distribuídos - 2012\2 Prof. Vagner J. do Sacramento Rodrigues. Cassandra. Replicação. Leandro, Michelle, Renan

Sistemas Distribuídos - 2012\2 Prof. Vagner J. do Sacramento Rodrigues. Cassandra. Replicação. Leandro, Michelle, Renan Sistemas Distribuídos - 2012\2 Prof. Vagner J. do Sacramento Rodrigues Cassandra Replicação Leandro, Michelle, Renan Replicação Vantagens: maior disponibilidade: os dados permanecem acessíveis diante de

Leia mais

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II

Pollyanna Gonçalves. Seminário da disciplina Banco de Dados II Pollyanna Gonçalves Seminário da disciplina Banco de Dados II Web 2.0 vem gerando grande volume de dados Conteúdo gerado por redes sociais, sensores inteligentes, tecnologias de colaboração, etc. Novas

Leia mais

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS

MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS MÓDULO 8 ARQUITETURA DOS SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Quando falamos em arquitetura, normalmente utilizamos esse termo para referenciar a forma como os aplicativos computacionais são estruturados e os hardwares

Leia mais

Neo4j Aprendendo conceitos por trás do Neo4j. Sem SQL? Apresentação. Por que grafos, por que agora? Por que grafos, por que agora?

Neo4j Aprendendo conceitos por trás do Neo4j. Sem SQL? Apresentação. Por que grafos, por que agora? Por que grafos, por que agora? Neo4j Aprendendo conceitos por trás do Neo4j Universidade Federal do Paraná - UFPR Programa de Pós-Graduação em Informática - PPGInf Oficina de Banco de Dados - CI829 Profa: Dra. Carmem Hara Aluno: Walmir

Leia mais

NoSQL: onde, como e por quê? Rodrigo Hjort rodrigo@hjort.co

NoSQL: onde, como e por quê? Rodrigo Hjort rodrigo@hjort.co NoSQL: onde, como e por quê? Rodrigo Hjort rodrigo@hjort.co Quem aqui usa banco de dados? Por que precisamos de SQL? Onde usamos SQL (i.e. ACID)? MAS... Universo digital em expansão Fonte: IDC White Paper,

Leia mais

Uma Breve Introdução. Andréa Bordin

Uma Breve Introdução. Andréa Bordin Uma Breve Introdução Andréa Bordin O que significa? NoSQL é um termo genérico que define bancos de dados não-relacionais. A tecnologia NoSQL foi iniciada por companhias líderes da Internet - incluindo

Leia mais

Sistema de Arquivos Distribuídos

Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos Sistema de Arquivos Distribuídos A interface cliente para um sistema de arquivos é composta por um conjunto de primitivas e operações em arquivos (criar, apagar, ler, escrever)

Leia mais

Interoperabilidade entre Bancos de Dados Relacionais e Bancos de Dados NoSQL

Interoperabilidade entre Bancos de Dados Relacionais e Bancos de Dados NoSQL Minicurso: Interoperabilidade entre Bancos de Dados Relacionais e Bancos de Dados NoSQL Geomar A. Schreiner Ronaldo S. Mello Departamento de Informática e Estatística (INE) Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015

implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, 2014 2015 Sistemas de ficheiros: implementação Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Descrever algunsdetalhes daimplementação deumsistema de ficheiros Discutir algoritmos

Leia mais

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com

Chord. Tecnologias de Middleware. Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Chord Tecnologias de Middleware 2006/2007 Fernando Martins - fmp.martins@gmail.com Tópicos Objectivo Motivação Peer-To-Peer Chord Descrição Geral Características Distintivas Comparação DNS Modelo do Sistema

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro Volume de dados muito grande Principais problemas em relação aos SGBD Relacionais é conciliar o tipo de modelo com a demanda da escalabilidade. Exemplo -Facebook Um crescimento

Leia mais

Prof. Daniela Barreiro Claro

Prof. Daniela Barreiro Claro Prof. Daniela Barreiro Claro Volume de dados muito grande Principais problemas em relacao aos SGBD Relacionais é conciliar o tipo de modelo com a demanda da escalabilidade. Exemplo -Facebook Um crescimento

Leia mais

Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação

Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Banco de Dados Cassandra: Um Estudo de Caso para Análise dos Dados dos Servidores Públicos Federais Lizane Alvares

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS

SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS SISTEMA DE ARQUIVOS DISTRIBUÍDOS Sistemas Distribuídos 331 Arquivo: objeto que existe após criação, é imune a falhas temporárias e é persistente até que seja destruído Propósito de arquivos: armazenamento

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Introdução aos Bancos de Dados Não-Relacionais. Mauricio De Diana (mestrando) Marco Aurélio Gerosa (orientador)

Introdução aos Bancos de Dados Não-Relacionais. Mauricio De Diana (mestrando) Marco Aurélio Gerosa (orientador) Introdução aos Bancos de Dados Não-Relacionais Mauricio De Diana (mestrando) Marco Aurélio Gerosa (orientador) Conteúdo Histórico de BDs não-relacionais na Web 4 Categorias de bancos NoSQL Exemplos de

Leia mais

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas

Consistência Eventual - Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Consistência Eventual Sistemas Distribuidos e Tolerância a Falhas Marco Bernardo Departamento de Informática Universidade da Beira Interior 25 de Maio de 2009 Descrição Geral 1 Introdução O Problema Definições

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Componentes internos de Um SGBD

Componentes internos de Um SGBD Arquitetura SBGD Gerenciamento de Processos joao@uefs.br Departamento de Ciências Exatas Universidade Estadual de Feira de Santana e sistemas paralelos 1 e sistemas paralelos Componentes internos de Um

Leia mais

Arquiteturas escaláveis utilizando ferramentas Shared Nothing. Victor Canô

Arquiteturas escaláveis utilizando ferramentas Shared Nothing. Victor Canô Arquiteturas escaláveis utilizando ferramentas Shared Nothing Victor Canô Victor Canô - Founder / CTO @ Cazamba - Founder @ Troz.io /victoracano Conteúdo O que esperamos de uma aplicação? Cloud, benefícios

Leia mais

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos

Capítulo 8. Sistemas com Múltiplos Processadores. 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos Capítulo 8 Sistemas com Múltiplos Processadores 8.1 Multiprocessadores 8.2 Multicomputadores 8.3 Sistemas distribuídos 1 Sistemas Multiprocessadores Necessidade contínua de computadores mais rápidos modelo

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

Por que? A WEB está substituindo o desktop Google Gmail, Google Docs, Amazon, Flickr, Facebook, Twitter, YouTube Mudança de Paradigma:

Por que? A WEB está substituindo o desktop Google Gmail, Google Docs, Amazon, Flickr, Facebook, Twitter, YouTube Mudança de Paradigma: Por que? A WEB está substituindo o desktop Google Gmail, Google Docs, Amazon, Flickr, Facebook, Twitter, YouTube Mudança de Paradigma: Amazon Web Services Windows Azure Platform Google App Engine Evolução

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2

Arquitetura de BDs Distribuídos. Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Victor Amorim - vhca Pedro Melo pam2 Arquitetura de BDs Distribuídos Sistemas de bds distribuídos permitem que aplicações acessem dados de bds locais ou remotos. Podem ser Homogêneos ou Heterogêneos: Homogêneos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Comunicação coletiva Modelo Peer-to-Peer Slide 6 Nielsen C. Damasceno Introdução Os modelos anteriores eram realizado entre duas partes: Cliente e Servidor. Com RPC e RMI não é possível

Leia mais

ESTUDO SOBRE A TECNOLOGIA DE BANCO DE DADOS NoSQL

ESTUDO SOBRE A TECNOLOGIA DE BANCO DE DADOS NoSQL ESTUDO SOBRE A TECNOLOGIA DE BANCO DE DADOS NoSQL Autores: Nicolas Ignácio RYBERG 1,2 ;; Angelo Augusto FROZZA 3 Identificação autores: 1 Bolsista PIBIC-EM/CNPq;; 2 Aluno do curso Técnico em Informática

Leia mais

Unidade 5 Armazenamento e Indexação

Unidade 5 Armazenamento e Indexação Unidade 5 Armazenamento e Indexação Engenharia de Computação / Engenharia de Produção Banco de Dados Prof. Maria das Graças da Silva Teixeira Material base: Banco de Dados, 2009.2, prof. Otacílio José

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva

The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System. Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva The Eucalyptus Open- source Cloud-computing System Janaina Siqueira Lara Wilpert Marcelo Scheidt Renata Silva Sumário Introdução Trabalhos Correlatos Eucalyptus Design Conclusões Visão Geral Introdução:

Leia mais

NoSQL: Vantagens, Desvantagens e Compromissos. Mauricio De Diana (mestrando) Marco Aurélio Gerosa (orientador)

NoSQL: Vantagens, Desvantagens e Compromissos. Mauricio De Diana (mestrando) Marco Aurélio Gerosa (orientador) NoSQL: Vantagens, Desvantagens e Compromissos Mauricio De Diana (mestrando) Marco Aurélio Gerosa (orientador) Agenda Definição de NoSQL Atributos de qualidade e trocas Modelo de dados Escalabilidade Transações

Leia mais

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho

Sistemas de Arquivos. André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de Arquivos André Luiz da Costa Carvalho Sistemas de arquivos Sistema de arquivos é o nome que se dá a implementação da organização de dados em discos. Vai desde o acesso a baixo nível até a interface

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

NoSQL - 2014. Edward Ribeiro

NoSQL - 2014. Edward Ribeiro NoSQL - 2014 Edward Ribeiro Edward Pesquisador independente (UnB) Professor Universitário Analista de Sistemas (Senado) Contribuidor de software livre Agenda 1. Motivação 2. Definição 3. Descrição a. Modelos

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Bases de Dados Relacional/Objeto e NoSQL. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

Bases de Dados Relacional/Objeto e NoSQL. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática Bases de Dados Relacional/Objeto e NoSQL Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SGBDs Principais tarefas Gerir grandes volumes de dados Suportar acessos eficientes Garantir

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Megastore: Solução para as crescentes exigências dos serviços na nuvem. Katharina C. Garcia 317144

Megastore: Solução para as crescentes exigências dos serviços na nuvem. Katharina C. Garcia 317144 Megastore: Solução para as crescentes exigências dos serviços na nuvem Katharina C. Garcia 317144 Agenda Problema e Solução Replicação e Paxos Arquitetura Particionamento Modelo de dados Algoritmos Tratamentos

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 REPLICAÇÃO E ALTA DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER 2012 Renata Azevedo Santos Carvalho 1 RESUMO Neste artigo serão relatadas as novidades que o SQL Server 2012 vem trazendo nesta sua nova versão no que se

Leia mais

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007. Módulo V: Indexação em Banco de Dados. (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo V: Indexação em Banco de Dados (Aulas 1, 2 e 3) Clodis Boscarioli Agenda: Estruturas de Índices; Conceitos; Tipos de Índices: Primários; Secundários; Clustering; Multiníveis;

Leia mais

NoSQL. Cintia Freitas de Moura. BCC 441 Banco de Dados II / 2014

NoSQL. Cintia Freitas de Moura. BCC 441 Banco de Dados II / 2014 NoSQL Cintia Freitas de Moura BCC 441 Banco de Dados II / 2014 Origem: O termo NoSQL foi usado pela primeira vez em 1998, como o nome de um banco de dados relacional de código aberto que não possuía um

Leia mais

Engenharia de software 2011A. Trabalho sobre

Engenharia de software 2011A. Trabalho sobre Engenharia de software 2011A Trabalho sobre NOSQL Not only SQL NoSQL Not only SQL GRUPO - 9 Cléverton Heming Jardel Palagi Jonatam Gebing Marcos Wassem NOSQL O Termo NoSQL, foi utilizado pela primeira

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Bancos de dados NOSQL (Not Only SQL)

Bancos de dados NOSQL (Not Only SQL) Bancos de dados NOSQL (Not Only SQL) Qual banco de dados utilizado pelo Facebook e Twitter???? E pelo Google? Quando você digita pindamonhangaba no Google, e ele traz: "Aproximadamente 7.220.000 resultados

Leia mais

Apresentação do Artigo

Apresentação do Artigo Apresentação do Artigo Web Search for a Planet: The Google Cluster Architecture Publicado em IEEE Micro Março 2003, pg.22-28 Luiz A.Barroso, Jeffrey Dean, Urs Hölze Frank Juergen Knaesel fknaesel@inf.ufsc.br

Leia mais

Sistemas distribuídos:comunicação

Sistemas distribuídos:comunicação M. G. Santos marcela@estacio.edu.br Faculdade Câmara Cascudo - Estácio de Sá 16 de abril de 2010 Formas de comunicação Produtor-consumidor: comunicação uni-direccional, com o produtor entregando ao consumidor.

Leia mais

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217

Estruturas de Armazenamento e Indexação. Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento e Indexação Rafael Lage Moreira Barbosa 10.1.4217 Estruturas de Armazenamento Banco de Dados são armazenados fisicamente como arquivos de registro, que em geral ficam em discos

Leia mais

Tabelas Hash. Jeane Melo

Tabelas Hash. Jeane Melo Tabelas Hash Jeane Melo Roteiro Introdução Motivação Definição Tabelas Hash Exemplos Funções hash Colisões Introdução Estudamos a utilização de estruturas como listas e árvores para armazenar informações

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Pg. Autoria. Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer. Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto de. Sistemas de Arquivos Distribuídos (DFS) Súmula

Pg. Autoria. Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer. Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS. Projeto de. Sistemas de Arquivos Distribuídos (DFS) Súmula Autoria 1 versão Alunos de disciplina do PPGC Sistemas de Arquivos Distribuídos: DFS Versão atual V10, nov 2008 C. Geyer Sistemas Distribuidos Sistema de Arquivos Distribuídos 1 Sistemas Distribuidos Sistema

Leia mais

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos

Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Capítulo 8 Arquitetura de Computadores Paralelos Necessidade de máquinas com alta capacidade de computação Aumento do clock => alta dissipação de calor Velocidade limitada dos circuitos => velocidade da

Leia mais

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão

Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Sistemas Processadores e Periféricos Aula 9 - Revisão Prof. Frank Sill Torres DELT Escola de Engenharia UFMG Adaptado a partir dos Slides de Organização de Computadores 2006/02 do professor Leandro Galvão

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

23/05/12. Sistemas de Banco de Dados Paralelos. Sistemas Paralelos de BD. Roteiro. Objetivo. Motivação. Principais conceitos.

23/05/12. Sistemas de Banco de Dados Paralelos. Sistemas Paralelos de BD. Roteiro. Objetivo. Motivação. Principais conceitos. Sistemas Paralelos de BD Sistemas de Banco de Dados Paralelos Aluno: Márcio Angelo B. de Lira mabl@cin.ufpe.br Prof.ª : Bernadette Farias Lóscio Ana Carolina Salgado Roteiro paralelos de banco de dados

Leia mais

Balanceamento de Carga

Balanceamento de Carga 40 4. Balanceamento de Carga Pode-se entender por balanceamento de carga uma política a ser adotada para minimizar tanto a ociosidade de utilização de alguns equipamentos quanto a super utilização de outros,

Leia mais

Sistemas de Nomes Planos

Sistemas de Nomes Planos Sistemas de Nomes Planos November 2, 2009 Sumário Sistemas de Nomes Planos e DHTs Chord Sistemas de Nomes Planos Tipicamente, sistemas de nomes à escala da Internet usam nomes estruturados hierarquicamente.

Leia mais

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França

Arquitetura NUMA 1. Daniel de Angelis Cordeiro. INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França Arquitetura NUMA 1 Daniel de Angelis Cordeiro INRIA MOAIS project Laboratoire d Informatique de Grenoble Université de Grenoble, França 6 de Outubro de 2010 1 Baseado em slides feitos por Christiane Pousa

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Externa Slide 1 Sumário Disco Magnético RAID Memória Óptica Slide 2 Disco Magnético O disco magnético é constituído de um prato circular de metal ou

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II

MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES II Introdução Muitos itens de hardware possuem ferramentas de manutenção que podem ser acionadas via software Ações comuns que um software pode executar para melhorar o desempenho

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2014

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2014 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2014 Nomeação Nomeação Compartilhar recursos, identificar entidades de maneira única, fazer referência a localizações... Resolução de nomes Espaço de nomes e implementação

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE NoSQL Banco de Dados Não Relacional ALUNO: Heitor Oliveira Silva PROFESSOR ORIENTADOR:

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte

Bancos de Dados Distribuídos. Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Bancos de Dados Distribuídos Filipe Gomes Pinto Guilherme Marquesini Reis Ribeiro Matheus Leônidas Silva Pedro Duarte Conceitos Sistema distribuído. Banco de dados distribuído (BDD). Coleção de multiplos

Leia mais

Abordagem NoSQL uma real alternativa

Abordagem NoSQL uma real alternativa 1 Abordagem NoSQL uma real alternativa Renato Molina Toth Universidade Federal de São Carlos Campus Sorocaba Sorocaba, São Paulo email: renatomolinat@gmail.com Abstract Nas grandes aplicações web, desktop

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 6 ENDEREÇAMENTO IP:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Estrutura do IP... 3 1.3 Tipos de IP... 3 1.4 Classes de IP... 4 1.5 Máscara de Sub-Rede... 6 1.6 Atribuindo um IP ao computador... 7 2

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A CONSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS NAS NUVENS

ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A CONSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS NAS NUVENS Universidade Federal de Pernambuco Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação 2012.2 ANÁLISE COMPARATIVA SOBRE A CONSISTÊNCIA DE BANCO DE DADOS NAS NUVENS Trabalho de Graduação Dário Saraiva

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Comunicação de Grupos Peer to Peer Comunicação de Grupos Modelos Anteriores - Comunicação envolvia somente duas partes. RPC não permite comunicação de um processo com vários outros

Leia mais

Sistema de Arquivos EXT3

Sistema de Arquivos EXT3 Sistema de Arquivos EXT3 Introdução Ext3 é uma nova versão do Ext2. Possui as mesmas estruturas do ext2, além de adicionar as propriedades do Journal. O uso do Ext3 melhora na recuperação do sistema(dados),

Leia mais

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System

The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System The Eucalyptus Open-source Cloud-computing System O sistema Open Source de nuvens computacionais Eucalyptus Daniel Nurmi, Rich Wolski, Chris Grzegorczyk, Graziano Obertelli, Sunil Soman, Lamia Youseff,

Leia mais

Dicas para uso de VLDB (very large databases)

Dicas para uso de VLDB (very large databases) Dicas para uso de VLDB (very large databases) Slide 1 Considerações e Marcas Registradas As informações contidas nesta apresentação não foram submetidas à nenhuma revisão formal e é distribuída sem nenhuma

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia

Sistema de Arquivos. Ciclo 5 AT1. Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Sistema de Arquivos Ciclo 5 AT1 Prof. Hermes Senger / Hélio Crestana Guardia Referência: Deitel Cap. 13 Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais,

Leia mais

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER

REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL SERVER FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM BANCO DE DADOS REPLICAÇÃO E AUTO DISPONIBILIDADE NO SQL

Leia mais

Um SGBD com Armazenamento Distribuído de Dados Baseado em DHT

Um SGBD com Armazenamento Distribuído de Dados Baseado em DHT Um SGBD com Armazenamento Distribuído de Dados Baseado em DHT Eduardo Augusto Ribas 1, Roney Uba 1, Ana Paula Dias 1, Arion de Campos Jr. 1,2, Davi Arnaut 1, Carmem Hara 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão

Resumo. Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão Peer 2 Peer (P2P) Resumo Introdução História Caracteristicas Exemplos Arquitetura Distribuição Vertical vs Distribuição Horizontal Segurança Conclusão O que é P2P? Introdução Tipo de arquitetura de rede

Leia mais

the slides) Sobre a apresentação (About( Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Objetivos

the slides) Sobre a apresentação (About( Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Sistemas de Arquivos Objetivos Sobre a apresentação (About( the slides) Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin e Gagne em 2005. Esse apresentação

Leia mais

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida

UFCD 787. Administração de base de dados. Elsa Marisa S. Almeida UFCD 787 Administração de base de dados Elsa Marisa S. Almeida 1 Objectivos Replicação de base de dados Gestão de transacções Cópias de segurança Importação e exportação de dados Elsa Marisa S. Almeida

Leia mais

Bancos de Dados Distribuídos

Bancos de Dados Distribuídos Bancos de Dados Distribuídos Fernanda Baião baiao@cos.ufrj.br Departamento de Informática Aplicada UNIRIO 2007.2 Bibliografia Utilizada Principal: Özsu, M.T. Valduriez, P. "Princípios de Sistemas de Banco

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Arquiteturas Ponto a Ponto Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

BusInRio: Explorando Dados Abertos de Transporte Público do Município do Rio de Janeiro

BusInRio: Explorando Dados Abertos de Transporte Público do Município do Rio de Janeiro BusInRio: Explorando Dados Abertos de Transporte Público do Município do Rio de Janeiro Luan Soares Andrade 1, Sérgio Manuel Serra da Cruz 1,2 1 Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - Programa

Leia mais

Avaliação do desempenho de gerenciadores de bancos de dados multi modelo em aplicações com persistência poliglota

Avaliação do desempenho de gerenciadores de bancos de dados multi modelo em aplicações com persistência poliglota Avaliação do desempenho de gerenciadores de bancos de dados multi modelo em aplicações com persistência poliglota Fábio Roberto Oliveira, Luis Mariano del Val Cura Faculdade Campo Limpo Paulista (FACCAMP)

Leia mais

Bancos de Dados NoSQL x SGBDs Relacionais:Análise Comparativa*

Bancos de Dados NoSQL x SGBDs Relacionais:Análise Comparativa* Bancos de Dados NoSQL x SGBDs Relacionais:Análise Comparativa* Ricardo W. Brito, Faculdade Farias Brito e Universidade de Fortaleza, ricardow@ffb.edu.br Resumo O Modelo Relacional tem sido amplamente utilizado

Leia mais

Sistema de Arquivos FAT

Sistema de Arquivos FAT Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos FAT Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br FAT A FAT é o sistema de arquivos usado pelo MS-DOS e outros sistemas operacionais baseados em Windows para organizar

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Arquiteturas www.pearson.com.br capítulo 2 slide 1 2.1 Estilos Arquitetônicos Formado em termos de componentes, do modo como esses componentes estão conectados uns aos outros, dos dados trocados entre

Leia mais

Treinamento PostgreSQL - Aula 01

Treinamento PostgreSQL - Aula 01 Treinamento PostgreSQL - Aula 01 Eduardo Ferreira dos Santos SparkGroup Treinamento e Capacitação em Tecnologia eduardo.edusantos@gmail.com eduardosan.com 27 de Maio de 2013 Eduardo Ferreira dos Santos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS QUIXADÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAVIO DE CASTRO LIMA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS QUIXADÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAVIO DE CASTRO LIMA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CAMPUS QUIXADÁ BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO SAVIO DE CASTRO LIMA PROVISIONAMENTO E PROCESSAMENTO DE CONSULTAS NO CASSANDRA EM UM AMBIENTE DE NUVEM CONSIDERANDO UM

Leia mais

AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD)

AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD) AN EVALUATION OF ALTERNATIVE ARCHITECTURE FOR TRANSACTION PROCESSING IN THE CLOUD (SIGMOD) Donal Krossman, Tim Kraska and Simon Loesing João Lucas Chiquito Universidade Federal do Paraná Departamento de

Leia mais