Approaches to E-learning Quality Assessment ABORDAGENS À AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM E-LEARNING

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Approaches to E-learning Quality Assessment ABORDAGENS À AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM E-LEARNING"

Transcrição

1 Approaches to E-learning Quality Assessment ABORDAGENS À AVALIAÇÃO DA QUALIDADE EM E-LEARNING Maria Pietronilla Penna ** Università degli Studi di Cagliari, Facoltà di Sienze della Formazione Vera Stara * Università Plitecnica delle Marche, Facoltà di Ingegneria, DEIT Resumo O campo do e-learning ainda se carateriza por apresentar muitas questões em aberto, tais como: Quem deve garantir a sua qualidade? A avaliação da qualidade em e- learning é uma tarefa difícil, que envolve intervenção humana e não pode ser baseada somente numa metodologia simples e reprodutível. Neste sentido, este artigo é dedicado a discutir diferentes abordagens e critérios que poderiam ser utilizados para uma avaliação da qualidade dentro deste domínio: ISO/IEC : 2005, European Quality Observatory (EQO) (Observatório Europeu da Qualidade) e alguns modelos importantes, tais como o Modelo de Sucesso em e-learning (Holsapple e Lee-Post, 2006), o modelo de Klein et al (2006) e LCD. A partir desta análise, podemos concluir que, apesar dessas tentativas, a avaliação da qualidade em e-learning permanece, até agora, uma questão em aberto, e ainda são necessárias boas práticas em e-learning que garantam um curso eficaz para os alunos e outros atores envolvidos. Palavras-chave: Qualidade em e-learning, avaliação, fator de qualidade do e-learning 1. Introdução Forças económicas, sociais e tecnológicas revolucionam diariamente os processos de ensino e aprendizagem nas organizações, universidades e escolas. No que se refere a esta evolução do ensino e aprendizagem, no entanto, têm sido usadas diferentes expressões para caracterizar a inovação. Entre eles, podemos citar "e-learning", "aprendizagem distribuída", "aprendizagem on-line", "aprendizagem baseada na web" e "ensino a distância" (Wentling et al., 2000). Segundo o Centro Nacional de Estatística para a Educação (National Center for Education Statistics) do Departamento da Educação nos EUA (US Department of Education), 90% das instituições públicas 2- years e 89% das 4-years ofereceram cursos de educação a distância em com matrículas no montante de, respetivamente, e de um total de

2 matrículas. Dessas escolas, 90% ofereceram cursos via Internet, usando a instrução assíncrona baseada em computador, e 88% indicaram planos para iniciar ou aumentar a utilização da Internet como principal meio de entrega de instrução (Waits & Lewis, 2003). Estas estatísticas confirmam a ideia de que a educação a distância baseada na Internet é a tecnologia mais prevalecente no e-learning e de que a Internet causou mudanças drásticas na educação em geral e no ensino a distância em particular. Como consequência, a utilização de tecnologias da Internet para fornecer formação tem sido anunciada como a "revolução do e-learning (Galagan, 2000). E-learning é, essencialmente, a transferência de habilidades e conhecimentos através da rede, e refere-se ao uso de aplicações e processos eletrónicos para a aprendizagem. Aplicações e processos em E-learning incluem aprendizagem baseada na Web, aprendizagem baseada em computador, salas de aula virtuais e colaboração digital. O conteúdo é entregue através da Internet, intranet/extranet, áudio ou vídeo, televisão por satélite e CD-ROM. E-learning é o preferido por uma variedade de razões: ele fornece uma formação consistente e, a nível mundial, reduz o ciclo de tempo de entrega, aumenta a conveniência do aluno, reduz a sobrecarga de informações, melhora o rastreamento e reduz despesas (Welsh et all, 2003). Neste sentido, este artigo dedica-se a discutir a questão complexa e, talvez mais importante, da avaliação da qualidade em e-learning. Esta última tem sido tratada por via do recurso a uma análise das vantagens e limitações das principais abordagens introduzidas para avaliar a qualidade do e- learning. Antes de mais, o que significa "qualidade do e-learning"? A visão predominante (de acordo com os resultados de um levantamento realizado por Ehlers et al., 2005) é que a qualidade é a obtenção de melhores resultados na aprendizagem (50%), juntamente com algo que é excelente no desempenho (19%). Esta compreensão essencialmente pedagógica foi mais difundida do que opções relacionadas com a melhor relação custo-benefício ou de marketing. Além disso, devemos ter em consideração que " qualidade em e-learning" tem uma dupla importância na Europa. Em primeiro lugar, e- learning está associado em vários documentos de reflexão e de planos com um aumento na qualidade das oportunidades educacionais, garantindo uma bem-sucedida adaptação à sociedade da informação. Esse contexto é chamado de 'qualidade através do e-learning'. Em segundo lugar, há um debate separado, mas associado, sobre como melhorar a qualidade do e-learning em si e, neste caso, o contexto é chamado de "qualidade para o e-learning" (Ehlers et al., 2005). 2. A qualidade para o e-learning De acordo com Pawlowski (2003), a qualidade no campo do e-learning não está associada a uma medida bem definida. É variável no que diz respeito ao âmbito, à perspetiva, à dimensão. Apesar deste problema, a avaliação da qualidade está a tornar-se uma questão de importância crescente, como mostrou o interesse da ISO/IEC : 2005 e do Observatório Europeu da Qualidade (OEQ). A ISO/IEC :2005 é um enquadramento para descrever, comparar, analisar e implementar uma gestão da qualidade e abordagens de garantia de qualidade. Vai

3 servir para comparar as diferentes abordagens existentes e para as harmonizar de forma a convergirem para um modelo comum de qualidade. A sua principal componente é o Quadro de Referência para a Descrição de Abordagens de Qualidade (QRDAQ). Consiste nos seguintes itens: um esquema de descrição para a gestão da qualidade; um modelo do processo definindo os processos básicos a serem considerados na gestão da qualidade no domínio da aprendizagem, educação e formação suportadas pelas TIC, e uma declaração de conformidade para o formato da descrição. A ISO/IEC descreve os processos como um ciclo de vida do e-learning. É um modelo referenciado com um alto nível de abstração, que deve ser adaptado a uma dada organização. O modelo será utilizado como um enquadramento para a descrição, comparação e análise das abordagens de processos orientados para a qualidade (Hirata, 2006). Consiste essencialmente em duas partes: Um esquema de descrição para abordagens da qualidade. Um modelo de processo como classificação de referência. O Modelo de Descrição é um esquema para descrever interoperativamente abordagens de qualidade (tais como linhas orientadoras, guias de design, requisitos) e documenta todos os conceitos de qualidade de forma transparente. O Modelo do Processo é um guia dos diferentes processos de desenvolvimento de cenários de aprendizagem e inclui os processos relevantes dentro do ciclo de vida dos sistemas de informação e comunicação para a aprendizagem, educação e formação. O Modelo do Processo é dividido em sete partes. Os subprocessos estão incluídos fazendo referência a uma classificação de processos. Em relação ao grupo de trabalho sobre a qualidade, está atualmente baseado em três subtarefas subsequentes, desenvolvendo mais ferramentas e suporte: Parte 2: O "Modelo de Qualidade" harmonizará os aspetos dos sistemas de qualidade e as suas relações, e fornecerá orientação para todos os intervenientes. Não vai impor uma implementação particular mas, ao invés, focar-se-á nos seus efeitos. O modelo será extensível aos requisitos de determinadas comunidades. Parte 3: As " Referências de Métodos e Métricas" harmonizarão os formatos para descrever os métodos e as medidas para a gestão e garantia da qualidade. Fornecerá uma coleção de métodos de referência que poderá ser usada para gerir e garantir a qualidade em diferentes contextos. Além disso, essa parte fornecerá uma coleção de medidas e indicadores de referência que poderá ser usada para medir a qualidade em processos, produtos, componentes e serviços. Parte 4: As "Boas Práticas e o Guia de Implementação" fornecerão critérios harmonizados para a identificação das melhores práticas, linhas orientadoras para a adaptação, implementação e uso deste padrão, e conterá um rico conjunto de exemplos de boas práticas. Em relação ao OEQ, tem que ser definido e aplicado um enquadramento comparável e adaptável visando estruturar abordagens da qualidade para um mercado comum

4 Europeu e global para produtos e serviços educacionais. O repositório do OEQ é baseado nesta abordagem e conceito. O objetivo principal é fornecer uma plataforma detalhada para que desenvolvedores, gestores, administradores, decisores e alunos encontrem uma abordagem de qualidade adequada às suas necessidades. O OEQ fornece um enquadramento conceptual para a descrição e a harmonização das abordagens de qualidade. Ou seja, sugere um enquadramento de referência como um padrão de qualidade Europeu. O projeto está diretamente ligado aos grupos de padronização do CEN/ISSS (Workshop de Tecnologias de Aprendizagem) e ISO/IEC JTC1 SC36, com o objetivo de transferir resultados das comissões de padronização para os utilizadores e vice-versa. Assim, disponibiliza um repositório baseado na Internet para a gestão da qualidade, garantia de qualidade e abordagens da avaliação da qualidade no campo do e-learning. Além disso, fornece recomendações para a utilização da gestão da qualidade, garantia de qualidade e abordagens de avaliação da qualidade para diferentes grupos-alvo (p. ex. utilizadores finais, administradores de HE, desenvolvedores) e para fins específicos (p. ex. melhoria de processos, transparência de produtos, objetivos de domínio específico, necessidades nacionais / regionais / locais). O projeto do OEQ espera que as seguintes linhas orientadoras possam dar forma à qualidade do e-learning em 2010: (a) os alunos devem desempenhar um papel na determinação da qualidade dos serviços de e-learning; (b) a Europa deve desenvolver uma cultura de qualidade na educação e na formação; (c) a qualidade deve desempenhar um papel central na política de educação e formação; (d) a qualidade não deve ser do domínio exclusivo das grandes organizações; (e) devem ser estabelecidas estruturas de suporte para fornecer assistência competente e orientada para o desenvolvimento da qualidade das organizações; (f) os padrões de qualidade abertos devem ser mais desenvolvidos e amplamente implementados; (g) a investigação interdisciplinar da qualidade deve estabelecer-se no futuro como uma disciplina académica independente; (h) a investigação e a prática devem desenvolver novos métodos de intercâmbio; (i) o desenvolvimento da qualidade deve ser concebido em conjunto por todos os envolvidos; (j) devem ser desenvolvidos modelos de negócio adequados para os serviços no domínio da qualidade.

5 Como é possível verificar a partir das breves descrições das duas abordagens acima apresentadas, ambas tentam incluir todos os aspetos a ter em consideração na avaliação da qualidade do e-learning. O problema destes enquadramentos, no entanto, decorre da sua generalidade. Ou seja, eles pressupõem a ocorrência de processos onde faltam indicações concretas. Por outro lado, cada uma delas requer, para estar corretamente concebida ou controlada, um profundo conhecimento teórico e experimental em domínios como a psicologia, ciência da informação, engenharia de software e sociologia. Não apenas esse conhecimento não está atualmente disponível, como também será difícil torná-lo acessível mesmo num futuro próximo. Portanto, essas abordagens soam como listas de recomendações genéricas, cuja aplicação concreta é deixada apenas à fantasia (e não à ciência) de alguns designers. 3. Fatores de qualidade do e-learning Outras abordagens estão a tentar desenvolver os seus próprios critérios, mas eles estão a ser usados a nível nacional, regional, local (Wirth, 2005) ou consistem apenas em modelos como os descritos a seguir. O Modelo de Sucesso do E-learning (Holsapple e Lee-Post, 2006) é uma descrição de um processo dedicado a medir e avaliar o sucesso. Sucesso em e-learning é definido como uma construção multifacetada a ser avaliada em três fases sucessivas: a conceção do sistema, o sistema de entrega e os resultados do sistema. Conforme se pode ver na Figura 1, na primeira etapa, o objetivo é alcançar o sucesso da conceção do sistema, maximizando as três dimensões da qualidade: qualidade do sistema, qualidade da informação e qualidade de serviço. A segunda etapa é atingir o sucesso do sistema de entrega, maximizando a utilização e as dimensões de satisfação do usuário. A meta final visa o alcançar do resultado do sistema com sucesso através da maximização da dimensão dos benefícios líquidos. Cada dimensão de sucesso é medida como uma única medida numérica, agregando as avaliações de seu conjunto de fatores de atribuição obtidos através de instrumentos de pesquisa. O sucesso global de e-learning pode então ser avaliado para cada dimensão. Uma baixa pontuação para qualquer dimensão de sucesso indica uma deficiência nessa área e os esforços podem ser gastos em concordância a fim de remediar a dita deficiência. O modelo acima descrito sugere que um fator crítico de sucesso no e-learning é a disponibilidade on-line dos alunos. A seleção de alunos para cursos on-line é baseada na avaliação das respostas com referência a quatro medidas de preparação: preparação académica, competência técnica, estilo de vida adequado e com preferência para uma aprendizagem para o e-learning. O aluno capacitado para estudar online é caraterizado por um elevado nível em todas as quatro competências. A capacidade dos alunos de estudarem online tem um impacto decisivo no sucesso do desempenho no curso e satisfação em e-learning.

6 Conceção do sistema Qualidade do sistema 1. Fácil utilização 2. Amigável 3. Estável 4. Seguro 5. Rápido 6. Recetivo Qualidade da informação 1. Bem organizada 2. Bem apresentada 3. Do tamanho certo 4. Escrita de forma clara 5. Útil 6. Atualizada Qualidade do serviço 1.Imediato 2. Recetivo 3. Justo 4. Conhecedor 5. Disponível Sistema de entrega Utilização 1. PowerPoints 2. Áudio 3. Script 4. Fóruns de discussão 5. Estudos de caso 6. Problemas de prática 7. Tutoriais de qualidade 8. Tarefas 9. Exame de prática Satisfação do Utilizador 1. Satisfação Global 2. Experiência agradável 3. Sucesso Total 4. Recomenda a outros Resultados do sistema Benefícios líquidos Aspectos Positivos 1. Melhorar a aprendizagem 2. Poderes 3. Economia do tempo 4. Sucesso académico Aspectos Negativos 1. Falta de Contato 2. Isolamento 3. Problema de Qualidade 4. Dependência de tecnologia Fig. 1. Modelo de sucesso do E-learning Ao contrário do modelo apresentado na Figura 2 que assume que os resultados do curso são um resultado direto da motivação para aprender (Klein et al., 2006). A motivação para aprender é um fator determinante das escolhas que os indivíduos fazem para interagir, participar e persistir em atividades de aprendizagem. Ela é influenciada por caraterísticas do aluno, características de instrução e barreiras percebidas e que possibilitam (barreiras percebidas e que possibilitam são eventos ou condições ambientais que se acreditam existir ou ser encontradas e pensadas para impedir ou facilitar o progresso). As perceções das barreiras e de incapacitadores são por si influenciadas pelo aprendente e pelas características instrucionais.

7 Fig. 2. O modelo conceitual de Klein et al. (2006) Este modelo destaca o papel central da motivação do aluno para aprender e da perceção de características quer sejam barreiras ou facilitadores: melhorar a perceção dos facilitadores dos estagiários e dar resposta às preocupações sobre potenciais barreiras são estratégias importantes para aumentar a motivação para aprender que, por sua vez, facilita o caminho para resultados positivos. Segundo Klein et al. (2006) uma melhor compreensão do impacto que o uso da tecnologia tem na eficácia do ensino requer a análise dos mecanismos que podem dar conta das diferenças na aprendizagem, tais como a motivação para aprender, bem como efeitos diretos da tecnologia na aprendizagem. Uma perspetiva um pouco diferente foi adotada por Lim et al. (2007), que identificam cinco dimensões que afetam a eficácia da formação on-line: a motivação e a auto eficácia do formando, o conteúdo do ensino, o nível de comunicação entre formador e formando, o ambiente organizacional e a facilidade de uso dos recursos on-line do Website. Quanto a esta última dimensão, uma estratégia específica pode garantir a facilidade de uso: Aprendizagem centrada no aluno (LCD). Uma abordagem LCD baseia-se no conhecimento dos utilizadores e suas diferentes características: como é que os alunos preferem aprender, como é que eles estão a aprender a informação, a que pressões estão os alunos sujeitos no seu dia-a-dia, qual a sua motivação ou incentivo para se empenharem na aprendizagem on-line, quais os constrangimentos que enfrentam, que necessidades especiais têm, em que medidas eles se sentem confortáveis com as aplicações on-line usadas, que experiência têm eles com e-learning (Miller 2005). Conhecer o perfil dos alunos é a melhor maneira de criar projetos úteis, estilos e tons, mas, quando se ensina on-line, existem algumas preocupações de design, que representam outros potenciais benefícios da planificação. Estas preocupações começam a partir de uma etapa comum: a seleção de uma técnica de entrega ou da combinação de técnicas a fim de definir, a priori, um design de interface de utilizador. A conceção da interface do curso é extremamente importante (Jones, 1994), porque

8 tem um impacto positivo ou negativo sobre o desempenho do utilizador (Tselios et all, 2001). Então, é desejável usar fontes de visualização amigáveis e cores seguras para a web, a fim de criar um padrão consistente e proporcionar tempos rápidos de download e ajudar os utilizadores, fornecendo páginas para impressão. Segundo Norman (1998) a interface deve ser interativa e fornecer também feedback, ter objetivos específicos, motivar, dar uma sensação contínua de desafio, oferecer as ferramentas apropriadas, evitar qualquer fator de irritação que possa interromper o fluxo de aprendizagem. LCD deve ter em conta que os alunos são sensíveis à legibilidade do texto no ecrã. Por isso a formatação e espaçamento do texto, bem como as cores, são importantes. Além disso, um aspeto comum ajuda os utilizadores a distinguir as páginas do curso de páginas externas hiperligadas. As pessoas não gostam de estudar os textos no ecrã e também não querem ir mais longe do que três cliques a partir da página principal, por isso é necessário ter uma barra de navegação sempre disponível. Os alunos estão sempre em busca de algo novo dentro da web. Por isso, é importante atualizar com frequência, conteúdo e notícias e também dar uma indicação direta do que é novo, logo que possível (Van Rennes et al., 1998). Conclusão O e-learning tem vindo a progredir desde a utilização básica das Tecnologias da Informação e da Comunicação no domínio da aprendizagem para novas formas de educação e formação que enfatizam a criatividade e a colaboração, bem como novas habilidades para a sociedade do conhecimento. Esta, por sua vez, requer uma mudança significativa de perspetiva, longe de um enfoque na tecnologia, conectividade e Internet, para uma maior consideração do contexto da aprendizagem e da necessidade de colaboração, comunicação e inovação. No entanto, esta mudança requer uma quantidade de conhecimentos até então não totalmente disponíveis. Este é o motivo para a dificuldade na avaliação da qualidade do e-learning. Ou seja, por um lado, temos quadros muito interessantes, tais como os de ISO/IEC : 2005, e do EQO, mas que consistem essencialmente numa lista de sugestões e prescrições sem indicações para uma implementação em termos práticos. Por outro lado, temos uma série de modelos, como os esboçados na secção anterior, cada um associado a indicações concretas, mas diferentes uns dos outros no que diz respeito às hipóteses de base e aos contextos de aplicação. Neste sentido, a qualidade do e-learning permanece uma questão em aberto, e ainda precisamos de um e-learning que garanta as melhores práticas que justifiquem que um curso seja eficiente para o aluno e para os demais atores envolvidos. Mas tal garantia, contudo, não se pode somente basear na prática. Precisamos, nesta perspectiva, de novas investigações científicas e de pesquisas ad hoc que envolvam especialistas em educação, equipas e designers de e- learning.

9 Bibliografia Ehlers U.D., Goertz L., Hildebrandt B., Pawlowski J.M. (2005). Quality in e-learning. Cedefop Panorama series; 116. Luxembourg: Office for Official Publications of the European Communities, URL: f. Galagan, P.A. (2000). The e-learning revolution. Training & Development, v54 n12 p24-30 Dec Hirata K. (2006). Information model for quality management methods in e-learning. Proceedings of the Sixth International Conference on Advanced Learning Technologies (ICALT'06). URL: pdf Holsapple C.W., Lee-Post A. (2006). Defining, Assessing, and Promoting E-learning Success: An Information Systems Perspective. Decision Sciences Journal of Innovative Education Vol. 4 Number 1 January Jones M.G. (1994). Visuals information access: a new philosophy for screen and interface design. In Imagery and visual literacy: selected readings from annual conference of the international visual literacy association, Tempe, October 12-16, Klein H.J., Noe R.A., Wang C. (2006). Motivation to learn and course outcomes: the impact of delivery mode, learning goal orientation and perceived barriers and enables. Personnel Psychology 59, Koper E.R.J. (2001). Modelling Units of Study from a Pedagogical Perspective: the pedagogical meta model behind EML. URL: Lim H., Lee S.G.,_, Nam K. (2007). Validating E-learning factors affecting training effectiveness. International Journal of Information Management 27 (2007) Miller M.J. (2005). Usability in E-learning. URL:http://www.learningcircuits.org/2005/jan2005/miller.htm. Norman D. (1998). The invisibile computer. Cambridge MA, MIT Press. Pawlowski J.M. (2003). The European quality observatory (EQO): structuring quality approaches for e-learning. Proceedings of the 3rdIEEE International Conference mon Advances Learning Technologies (ICALT 03).

10 Tselios N. K., Avouris N. M., Dimitracopoulou A., Daskalaki S. (2001). Evaluation of Distance-learning Environments: Impact of Usability on Student Performance. International Journal of Educational Telecommunications, Vol. 7, No. 4, pp Van Rennes L., Collis B. (1998). User interface design for WWW-based courses: Building upon student evaluations. ED Waits, T.,&Lewis, L. (2003). Distance education at degree-granting postsecondary institutions: , NCES Washington, DC: National Center for Education Statistics, U.S. Department of Education. Welsh E.T., Wanberg C.R., Brown K.G., Simmering M.J. (2003). E-learning: emerging uses, empirical results and future direction. International Journal of Training and Development 7:4. Wentling T.L., Waight C., Gallaher J., La Fleur J., Wang C., Kanfer A. (2000). E-learning - A Review of Literature. URL: Wirth M.A. (2005). Quality Management in E-learning: Different Paths, Similar Pursuits. 2nd International SCIL Congress. URL: 2005/programme-10-11/docs/workshop-1-wirth-text.pdf.

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Designação Didática da Informática IV

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012. Designação Didática da Informática IV FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 2011/2012 Designação Didática da Informática IV Docente(s) (Indicar também qual o docente responsável pela U.C.) João Filipe Matos João Manuel Piedade Descrição geral (Horas

Leia mais

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000)

Usabilidade e Ergonomia. Usabilidade de Software. Ergonomia. Usabilidade. Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Usabilidade e Ergonomia Usabilidade de Software INF01043 Interação Homem-Computador 2006/2 Ergonomia (International Ergonomics Association em 2000) Ergonomics (or human factors) is the scientific discipline

Leia mais

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições

empresas), embora também esta sujeita a interrogações e dúvidas, porque as vantagens nem sempre são sistemáticas e garantidas com base em condições Prefácio Dezoito anos passados da primeira obra do autor sobre a temática, e olhando o percurso a esta distância, não deixamos de nos surpreender pela evolução realizada no mundo empresarial e na sociedade.

Leia mais

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe?

A que se propõe? Histórico e Evolução. Funcionalidades. Aplicações Comerciais. Tecnologias Envolvidas. Áreas Afetadas. Bibliografia. A que se propõe? O que é? Educação à Distância: [...]a modalidade de educação em que as atividades de ensino-aprendizagem são desenvolvidas majoritariamente (e em bom número de casos exclusivamente) sem que alunos e professores

Leia mais

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física

Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Sistema Web de Ensino Voltado aos Conteúdos da Física Fábio Luiz P. Albini 1 Departamento de Informática, Instituto Federal do Paraná (IFPR) Curitiba, Paraná 81520-000, Brazil. fabio.albini@ifpr.edu.br

Leia mais

BLACKBOARD LEARNING SYSTEM ML

BLACKBOARD LEARNING SYSTEM ML BLACKBOARD LEARNING SYSTEM ML DA INFORMAÇÃO À EDUCAÇÃO Facilidade de uso e facilidade de integração têm sido as características de nossa implantação do Blackboard. Com 75.000 usuários e aproximadamente

Leia mais

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova

CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS. Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade. Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova CIX DISCUSSÕES METODOLÓGICAS Estratégias Ludopedagógicas no Ensino da Contabilidade Romualdo Douglas Colauto Silvia Pereira de Castro Casa Nova 1 Uma introdução Doug LEMOV (2011) estudou o comportamento

Leia mais

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB

APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB APRENDENDO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO VIA WEB Romero Tori Universidade de São Paulo Escola Politécnica INTERLAB Laboratório de Tecnologias Interativas-USP Instituto Sumaré de Educação Superior rometori@usp.br

Leia mais

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO

CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE CURSO, MÓDULO E SEMINÁRIO An 2-A Formulário de preenchimento obrigatório, a anexar à ficha modelo

Leia mais

GUIA DO FORMANDO. Certificado Europeu de Psicologia - Modelo de Competências

GUIA DO FORMANDO. Certificado Europeu de Psicologia - Modelo de Competências GUIA DO FORMANDO Certificado Europeu de Psicologia - Modelo de Competências Índice Enquadramento... pág. 3 Descrição do Curso... Destinatários... Objetivos de aprendizagem... Estrutura e Duração do Curso...

Leia mais

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5

PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE. Maio/2005 023-TC-C5 1 PROPOSTA DE UMA FERRAMENTA DE AUTORIA PARA A GERAÇÃO DE CONTEÚDOS ON-LINE Maio/2005 023-TC-C5 Viviane Guimarães Ribeiro Universidade de Mogi das Cruzes vivianegr@yahoo.com.br Saulo Faria Almeida Barretto

Leia mais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais

Oficina de Formação. O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais Oficina de Formação O vídeo como dispositivo pedagógico e possibilidades de utilização didática: produção e edição de conteúdos audiovisuais (Data de início: 09/05/2015 - Data de fim: 27/06/2015) I - Autoavaliação

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011

ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 1 ALUNO COMO ATIVO E NÃO ATIVO EM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM RECIFE PE MAIO 2011 Otacilio Antunes Santana Universidade Federal de Pernambuco otacilio.santana@ufpe.br José Imaña Encinas - Universidade

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES 96 HORAS MÓDULOS HORAS FORMADOR 1 - FORMADOR: SISTEMA, CONTEXTOS E PERFIL 10H FRANCISCO SIMÕES 2 SIMULAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL 13H FILIPE FERNANDES 3 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância

Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto 85 Considerações sobre uso de ambientes para ensino a distância Tânia Martins Preto (Mestre) Curso de Tecnologia em Processamento de Dados - Universidade Tuiuti do Paraná 86 Considerações

Leia mais

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem

Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem 266 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Arquitetura para Adaptação de Cursos na Modalidade de Educação a Distância empregando Objetos de Aprendizagem Naidú Gasparetto de Souza1, Sidnei Renato

Leia mais

Training Model EMeS Education Methodological Strategies for Students Development and Training Evaluation.

Training Model EMeS Education Methodological Strategies for Students Development and Training Evaluation. FAUSTO PRESUTTI Educational Methodological Strategies for Students Development and Training Assessment. Modelo di Formação SME ESTRATEGIAS METODOLÓGICAS EDUCATIVAS PARA O DESENVOLVO E A AVALIAÇÃO FORMATIVA

Leia mais

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015

janeiro.2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Relatório Intercalar 2014/2015 Índice Introdução... 2 Aplicação do modelo estatístico VALOR ESPERADO... 3 Quadros relativos à aplicação do modelo estatístico de análise de resultados académicos... 5 Avaliação

Leia mais

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB

Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB OBJETIVO GERAL Projeto 2.47 QUALIDADE DE SOFTWARE WEB Marisol de Andrade Maués Como objetivo geral, buscou-se avaliar a qualidade de produtos Web, tendo como base o processo de avaliação de qualidade descrito

Leia mais

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI)

Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) Domínios, Competências e Padrões de Desempenho do Design Instrucional (DI) (The Instructional Design (ID) Domains, Competencies and Performance Statements) International Board of Standards for Training,

Leia mais

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC

Training Manager. Certificação PwC. 7, 14 e 21 de março. www.pwc.pt/academy. Academia da PwC www.pwc.pt/academy Training Manager Certificação PwC 7, 14 e 21 de março Academia da PwC As empresas líderes analisam quais as competências necessárias para o desempenho dos seus colaboradores, implementam

Leia mais

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton 1 Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton www.bettercotton.org Orientação O documento a seguir proporciona uma visão geral do Sistema Better Cotton. Este sistema é formado por componentes interdependentes.

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO DE PESSOAS PROFESSOR: Itair Pereira da Silva DISCENTES: Maria das Graças João Vieira Rafael Vitor ORGANOGRAMA PRESIDENTE GERENTE

Leia mais

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância

Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Caracterização da Modelagem de Ambientes de Aprendizagem a distância Adja F. de Andrade adja@inf.pucrs.br 1 Beatriz Franciosi bea@inf.pucrs.br Adriana Beiler 2 adrianab@inf.pucrs.br Paulo R. Wagner prwagner@inf.pucrs.br

Leia mais

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC

DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC DEFINIÇÃO DE METADADOS PARA O REPOSITÓRIO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM DA EAD - UFSC Projeto desenvolvido junto ao Departamento de EAD/UFSC 2007-2008. Equipe: Profª. Edna Lucia da Silva e Profª. Ligia Café

Leia mais

Educação a Distância aplicada à disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I na graduação de Ciência da Computação. 05/2005

Educação a Distância aplicada à disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I na graduação de Ciência da Computação. 05/2005 1 Educação a Distância aplicada à disciplina de Cálculo Diferencial e Integral I na graduação de Ciência da Computação. 146-TC-C3 Resumo: 05/2005 Alexandre Campos Silva Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP

Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Elaboração de videoaulas seguindo padrões de objetos de aprendizagem para disponibilização no serviço de educação a distância (EDAD) da RNP Eduardo Barrére Liamara Scortegagna Atualizando o título: Elaboração

Leia mais

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região

JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região JOSÉ ERIGLEIDSON DA SILVA Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região Objetivo geral Elaborar um projeto básico de curso on-line Objetivos específicos 1.Aplicar conceitos e fundamentos do DI na concepção

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO

AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO AMBIENTE DE APRENDIZAGEM COLABORATIVO: DESENVOLVIMENTO DE OBJETOS DE APRENDIZAGEM PARA CURSOS DE COMPUTAÇÃO Danilo Abreu SANTOS, Wannyemberg K. da S. DANTAS, Adriano Araújo DOS SANTOS Departamento de Computação,

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Moodle. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens

Moodle. Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens Moodle Modular Object-Oriented Dynamic Learning Environment (Ambiente de Aprendizagem Modular Orientado a Objetos) Ferramentas e Vantagens O que é? Alternativa às soluções comerciais de ensino on-line

Leia mais

Teorias de e-learning Fábio Fernandes

Teorias de e-learning Fábio Fernandes Teorias de e-learning Fábio Fernandes O que é uma teoria? Uma teoria, nesse contexto, pode ser descrita como uma série de hipóteses que aplicam-se a todas as instâncias de um acontecimento ou assunto e

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11

Índice. Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4. Primeiros passos com o e-best Learning 6. Actividades e Recursos 11 Índice Parte 1 - Introdução 2 Enquadramento do curso 3 Estrutura Programática 4 Parte 2 Desenvolvimento 5 Primeiros passos com o e-best Learning 6 Como aceder à plataforma e-best Learning?... 6 Depois

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular DESENHO DE SISTEMAS DE E-LEARNING Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM COMUNICAÇÃO MULTIMÉDIA 3. Ciclo de

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO

PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO COMITÉ DE AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PRINCÍPIOS PARA A AVALIAÇÃO DA AJUDA AO DESENVOLVIMENTO PARIS 1991 ÍNDICE I. INTRODUÇÃO 3 II. FINALIDADE DA AVALIAÇÃO 5 III. IMPARCIALIDADE E INDEPENDÊNCIA 6 IV. CREDIBILIDADE

Leia mais

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) MELHORES PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) MELHORES PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 63ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) MELHORES PRÁTICAS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Dr. Francisco Villa Ulhôa Botelho Universidade Católica de Brasília INTRODUÇÃO A nossa

Leia mais

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet

UFCD 0152 Estrutura de um sítio para Internet INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, IP DELEGAÇÃO REGIONAL DO NORTE CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE VIANA DO CASTELO-SERVIÇO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL UFCD 0152 Estrutura de um sítio

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

A consumerização do comércio multi canal B2B

A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização do comércio multi canal B2B A consumerização de TI é um assunto em evidência pelo fato de as organizações estarem sob crescente pressão para abrir as redes corporativas aos dispositivos

Leia mais

VAREJISTAS AUMENTE OS LUCROS DO VAREJO TRANS FORMANDO O ATENDIMENTO AO CLIENTE IMPERATIVOS DO ATENDIMENTO AO CLIENTE

VAREJISTAS AUMENTE OS LUCROS DO VAREJO TRANS FORMANDO O ATENDIMENTO AO CLIENTE IMPERATIVOS DO ATENDIMENTO AO CLIENTE VAREJISTAS IMPERATIVOS DO ATENDIMENTO AO CLIENTE AUMENTE OS LUCROS DO VAREJO TRANS FORMANDO O ATENDIMENTO AO CLIENTE RESUMO EXECUTIVO Foi comprovado que simplificar e melhorar a experiência de atendimento

Leia mais

O PRINCÍPIO DA MODALIDADE COMO FATOR GERADOR DE UMA MELHOR APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO

O PRINCÍPIO DA MODALIDADE COMO FATOR GERADOR DE UMA MELHOR APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO 1 O PRINCÍPIO DA MODALIDADE COMO FATOR GERADOR DE UMA MELHOR APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO 05/2010 Nádia Cristina de A. Melli - Universidade de São Paulo - nadia@sc.usp.br José Dutra

Leia mais

2012 State of the Industry Survey

2012 State of the Industry Survey 2012 State of the Industry Survey Contact Information Por favor, preencha suas informações de contato (* indicates required information) Nome * Título * Title Razão Social completa da Empresa/Organização

Leia mais

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI

Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Metodologias COBIT e ITIL e as perspectivas do Modelo de Alinhamento Estratégico de TI Gilberto Zorello (USP) gilberto.zorello@poli.usp.br Resumo Este artigo apresenta o Modelo de Alinhamento Estratégico

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260

Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Ref: 2013-1-ES1-LEO05-66260 Boas práticas na utilização de plataformas de aprendizagem colaborativa como modo de incentivar a criatividade e identificar boas práticas no setor da metalúrgica Relatório

Leia mais

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT

Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Aplicando Pontos de Função na Definição de um Sistema de Indicadores BIT Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Rua Pacheco Leão, 1235 - Fundos

Leia mais

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo

Tabela de articulação das diferentes literacias. 3º Ciclo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RAINHA SANTA ISABEL BIBLIOTECA ESCOLAR Projeto Desenvolver a autonomia dos alunos para gerar conhecimento Tabela de articulação das diferentes literacias 3º Ciclo PLANO I - Competências

Leia mais

NP 4512:2012. Sistema de gestão da formação profissional, incluindo aprendizagem enriquecida por tecnologia. Requisitos

NP 4512:2012. Sistema de gestão da formação profissional, incluindo aprendizagem enriquecida por tecnologia. Requisitos NP 4512:2012 Sistema de gestão da formação profissional, incluindo aprendizagem enriquecida por tecnologia Requisitos ENCONTRO ANUAL Rede de Centros de Recursos em Conhecimento 19 de junho 1 Vanda Lima

Leia mais

Qualidade de software

Qualidade de software Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina:Projeto de Sistemas Qualidade de software cynaracarvalho@yahoo.com.br Qualidade de software Qualidade

Leia mais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais

Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Avaliação para a Aprendizagem e Alunos com Necessidades Educativas Especiais O objectivo deste artigo é disponibilizar uma síntese das questões-chave que

Leia mais

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES

COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES t COMPETÊNCIAS PARA A EMPREGABILIDADE NAS ORGANIZAÇÕES Joaquim Domingos Maciel Faculdade Sumaré joaquim.mackim@gmail.com RESUMO: Este artigo pretende alertar estudantes e profissionais para a compreensão

Leia mais

Exclusão Digital: Desafios no Contexto Internacional e Ações no Contexto Interno

Exclusão Digital: Desafios no Contexto Internacional e Ações no Contexto Interno Exclusão Digital: Desafios no Contexto Internacional e Ações no Contexto Interno Ivan Moura Campos Coordenador, Comitê Gestor da Internet Brasil Director, ICANN Sócio-Diretor, Akwan Information Technologies

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB

Engenharia da WEB 16/08/2011. Vida moderna. Sistemas WEB Engenharia da WEB Fernando Schütz Especialização 2010 UTFPR Vida moderna Sistemas WEB Início Arquivos hipertexto Hoje Bancos! Powell Sistemas WEB envolvem uma mistura de publicação impressa e desenvolvimento

Leia mais

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável

jump4innovation Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável jump4innovation Plataforma Web de apoio à Gestão Melhoria, Inovação & Empreendedorismo Oferecemos ideias que aumentam o seu negócio acima do espectável Conteúdo Gestao da Inovacao, Melhoria e Empreendedorismo

Leia mais

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação

ITIL na Prática. Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação ITIL na Prática Quais são os fatores críticos de sucesso para obter valor a partir de um Service Desk? Conhecimento em Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes

Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade métodos & boas práticas Fábio Fernandes Usabilidade vem tornando-se cada vez mais predominante no mercado de desenvolvimento de web sites, seja qual for o tipo de site: corporativo, e-commerce,

Leia mais

NOVEMBRO 2014 NÚMERO: 03 TREINA+

NOVEMBRO 2014 NÚMERO: 03 TREINA+ NOVEMBRO 2014 NÚMERO: 03 TREINA+ 5DIRETRIZES PARA SEGUIR ANTES DE CONTRATAR UM LMS ESTRATÉGIAS PARA APROVEITAR MELHOR SEU LMS LMS, POR QUÊ? O QUE É LMS (LEARNING MANAGEMENT SYSTEM)? EDI ÇÃO EXCLU SIVA

Leia mais

Guia E-Learning Acesso dos estudantes aos cursos de e-learning e ao Sistema de Gerenciamento da Aprendizagem

Guia E-Learning Acesso dos estudantes aos cursos de e-learning e ao Sistema de Gerenciamento da Aprendizagem Guia E-Learning Acesso dos estudantes aos cursos de e-learning e ao Sistema de Gerenciamento da Aprendizagem 1 2006 Microsoft Corporation. All rights reserved. Microsoft is either a registered trademark

Leia mais

Serviços e programas que influenciam as transições escolares de crianças pequenas

Serviços e programas que influenciam as transições escolares de crianças pequenas TRANSIÇÃO ESCOLAR Serviços e programas que influenciam as transições escolares de crianças pequenas Diane Early, PhD. FPG Child Development Institute University of North Carolina at Chapel Hill,EUA Julho

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM. IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM IMPLEMENTAÇÃO DE BANCO DE TRABALHOS CONCLUSÃO CURSO TCCs WEBSITE DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO UEM-DEP Manoel Francisco Carreira 1 Gislaine Camila Lapasini Leal

Leia mais

Manual de Utilização Moodle@ISPAB

Manual de Utilização Moodle@ISPAB Manual de Utilização Moodle@ISPAB [Estudante] Pedro Valente Gabinete de Avaliação e Qualidade (GAQ) gaq@ispab.pt Criado em: 07/10/2014 Última alteração em: 07/10/2014 Versão: 0.9 1 Sumário O manual de

Leia mais

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem

Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Modelos educacionais e comunidades de aprendizagem Temos literatura abundante sobre comunidades de aprendizagem, sobre a aprendizagem em rede, principalmente na aprendizagem informal. A sociedade conectada

Leia mais

Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação

Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação Opción, Año 31, No. Especial 6 (2015): 644-651 ISSN 1012-1587 Orientação de estudantes de enfermagem: Desafios e estratégias das tecnologias de informação João Neves-Amado Universidade Católica Portuguesa

Leia mais

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens

Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Avaliação Interna e Qualidade das Aprendizagens Perspectivas da OCDE www.oecd.org/edu/evaluationpolicy Paulo Santiago Direcção da Educação e das Competências, OCDE Seminário, Lisboa, 5 de Janeiro de 2015

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências

Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Fábrica de Software Fatores motivadores, restrições e tendências Aguinaldo Aragon Fernandes Agenda Revisitando o conceito e escopo da fábrica de software Implicações do uso do conceito de Fábrica de Software

Leia mais

Manual do utilizador do Cisco Unified Communications Self Care Portal, Versão 10.5(1)

Manual do utilizador do Cisco Unified Communications Self Care Portal, Versão 10.5(1) Manual do utilizador do Cisco Unified Communications Self Care Portal, Versão 10.5(1) Unified Communications Self Care Portal 2 Definições do Unified Communications Self Care 2 Telefones 4 Definições adicionais

Leia mais

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso:

MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital Objetivo do curso: Com carga horária de 420 horas o curso MBA em Gestão Estratégica e Marketing Digital é desenvolvido em sistema modular, com 01 encontro por bimestre (total de encontros no curso: 04) para avaliação nos

Leia mais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais

Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Centro de Informática Graduação em Ciência da Computação Estilos de Interação para Auto regulação da Aprendizagem através de Portfólios Digitais Proposta de Trabalho

Leia mais

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO

PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO PROGRAMAÇÃO METODOLÓGICA DO DO CURSO DESIGNAÇÃO DO CURSO E-Tutor: especialização pedagógica em e-learning DURAÇÃO DO CURSO 60 HORAS LOCAL E DATAS DE REALIZAÇÃO DA AÇÃO DE FORMAÇÃO 1. VIRTUAL LEARNING CENTER

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Tecnologia em Midia Digital

Tecnologia em Midia Digital Tecnologia em Midia Digital Programa Certificado IV Marketing em Web e Media Social Australian College of Information Technology Gold Cost Brisbane AUSTRALIA www.acit.edu.au VISAO GERAL Digital Media Technologies

Leia mais

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas

LINHAS TEMÁTICAS. EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil. Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas (Anexo IV) LINHAS TEMÁTICAS EDITAL MCT/CNPq 066/2010 ICT 2011 Chamada coordenada UE/ Brasil Linha temática 1: Microeletrônica/ Microssistemas Metodologia, blocos e ferramentas específicas de projeto que

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

II Congresso Internacional TIC e Educação

II Congresso Internacional TIC e Educação ITIC: UM PROJETO PARA CONTRIBUIR PARA O APERFEIÇOAMENTO E EMBASAMENTO DO CORPO DE PROFESSORES DO PROGRAMA APRENDIZAGEM DO SENAC NO DOMÍNIO DA UTILIZAÇÃO DAS TIC Claudia Machado, Maria João Gomes Universidade

Leia mais

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG

Christiane dos Santos PEREIRA*, Samuel Pereira DIAS, Gabriel da SILVA Centro Federal de Educação Tecnológica de Bambuí-MG A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO FERRAMENTA DE APOIO AO ENSINO PRESENCIAL: estudos preliminares e proposta de uma metodologia de implantação no CEFET-Bambuí Christiane dos Santos

Leia mais

Avaliação da Qualidade e do Desempenho da Biblioteca. Autora: Paula Correia 1

Avaliação da Qualidade e do Desempenho da Biblioteca. Autora: Paula Correia 1 Avaliação da Qualidade e do Desempenho da Biblioteca Autora: Paula Correia 1 Metas propostas do projecto Resumo: A avaliação do desempenho das actividades e dos produtos de uma biblioteca pode ser um dado

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Os novos desafios do secretariado profissional

Os novos desafios do secretariado profissional www.pwc.pt/academy Os novos desafios do secretariado profissional Lisboa, 19 e 26 de fevereiro de 2013 Academia da PwC Um programa que mobiliza competências de eficiência pessoal e profissional apoiando

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes

Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes Conceitos Introdutórios Fábio Fernandes Introdução Com o advento da tecnologia e o maior acesso do público em geral a Internet, o aprendizado on-line (e-learning) tem sido cada vez mais procurado por profissionais

Leia mais

Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI

Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI Documentos: Implementação de melhores práticas de solução de problemas de TI Você pode aguardar o número de bilhetes de defeitos e o tempo para encerrar o bilhete e declinar à medida que a tecnologia de

Leia mais

PLANEJAMENTO PARA SUSTENTABILIDADE

PLANEJAMENTO PARA SUSTENTABILIDADE HYDROAID Water for Development Management Institute PROGRAMA DE FORMAÇÃO NA MODALIDADE ENSINO A DISTÂNCIA CURSO TÉCNICO: PLANEJAMENTO PARA SUSTENTABILIDADE COMUNICADO Esta edição do curso Planejamento

Leia mais

Plano de Trabalho 2013/2015

Plano de Trabalho 2013/2015 SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO REGIONAL UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FUNDAP SEADE CEPAM CONVÊNIO SPDR USP FUNDAP SEADE CEPAM ANEXO I Plano de Trabalho 2013/2015 OUTUBRO DE 2013 I. JUSTIFICATIVAS

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC FLORIANÓPOLIS PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 3.544 de 13 de dezembro de 2002, publicada no DOU em 16 de dezembro de 2002. Diretor da Faculdade: José Carlos

Leia mais

Localização do Tutorial Tecnológico para Educadores

Localização do Tutorial Tecnológico para Educadores Localização do Tutorial Tecnológico para Educadores LUCIANO VENELLI COSTA* RESUMO No século XXI, também conhecido como Era do Conhecimento, as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (NTICs) não

Leia mais

a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção?

a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção? a eficácia do ensino superior agrário português: realidade ou ficção? António José Gonçalves Fernandes resumo: abstract: Keywords 9 A EFICÁCIA DO ENSINO SUPERIOR AGRÁRIO PORTUGUÊS: REALIDADE OU FICÇÃO?

Leia mais

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting

Perguntas. Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo. Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting Perguntas Que todo usuário deveria fazer antes de comprar um software CAD de baixo custo Por Robert Green, proprietário da Robert Green Consulting 5 perguntas que todo usuário deveria fazer antes de comprar

Leia mais

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling

O Storytelling. T- Story NEWSLETTER. Junho 2013 1ª Edição. Porquê utilizar o Storytelling Apresentamos a newsletter oficial do projeto T-Story - Storytelling Aplicado à Educação e Formação, um projeto financiado pela ação transversal Atividade-chave 3 Tecnologias de Informação e Comunicação,

Leia mais

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: UM ESTUDO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAS ACADÊMICAS (SIGA)

SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: UM ESTUDO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAS ACADÊMICAS (SIGA) XXVIENANGRAD SATISFAÇÃO DOS USUÁRIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES: UM ESTUDO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAS ACADÊMICAS (SIGA) Ana Clara Cavalcanti de Miranda José Eduardo de Melo Barros Alessandra Carla

Leia mais

1. Centros de Competência de BI

1. Centros de Competência de BI Pagina: 1 1. Centros de Competência de BI Originalmente, o termo Centro de competência de BI (conhecido também como BICC Business Intelligence Competence Center) foi utilizado pelo instituto de pesquisa

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Relatório Técnico de Pesquisa

Relatório Técnico de Pesquisa Projeto 5: Projeto de Pesquisa: Tele-Enfermagem para a América Latina: implantando uma rede de facilitadores em informática em Enfermagem Coordenação: Prof a Drª Maria Madalena Januário Leite Equipe de

Leia mais