FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ"

Transcrição

1 FREQÜÊNCIA DE OCORRÊNCIA DO NÚMERO DE DIAS COM CHUVA PARA A REGIÃO DE MARINGÁ Élcio Silvério Klosowski Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 79, Jardim Universitário, Maringá Pr ou Maria Cleide Baldo Universidade Estadual de Maringá Av. Colombo, 79, Jardim Universitário, Maringá Pr Emerson Galvani Universidade Estadual Paulista Fazenda Experimental Lageado Caixa Postal: 237 Botucatu SP ABSTRACT The aim of this work was determine the monthly number of rainy days. The utilization of normal distribuition function to describe it was analysed. The metodology praised by Lilliefors (197) was used to significance teste at 1% and % levels. The results confirm the hypotesis that number of rainy days in Maringá PR can be describe by normal distribution function. INTRODUÇÃO As condições de tempo atmosférico influenciam em todas as atividades humanas, sendo por exemplo, a produção agrícola substancialmente dependente das condições climáticas. Esta influência é notória em todas as fases da produção, desde o plantio e crescimento até a frutificação e colheita. A ocorrência de fenômenos meteorológicos adversos contribui para grandes prejuízos na agricultura, causando, desta forma, preocupações aos agricultores assim como a todas as atividades ligadas ao meio urbano. A análise climatológica fornece subsídios importantes, tanto no que diz respeito ao conhecimento da realidade espacial quanto ao da organização das atividades econômicas de uma maneira geral. O parâmetro número de dias com chuva é muito importante pois, para a maioria dos estudos climatológicos, não basta conhecer os totais de chuva observados tanto no período diário, como no mensal ou anual, mas como ocorreu a distribuição temporal, sua freqüência e intensidade (Sant Anna Neto & Barrios 199). Com relação a freqüência de ocorrência de veranicos no Estado do Paraná, Bernardes et al (1988), analisaram dados de 2 estações no período de 2 a 2 anos e concluíram que a menor freqüência de 7 dias, ocorreu no litoral, aumentando do sul para o oeste do Estado. Já os veranicos de 1 dias ocorreram, de maneira geral, com baixa freqüência. A duração de períodos secos variou de 2 a dias, com duração inferior a 2 dias no litoral, entre 2 e 3 dias no sul e parte do centro-oeste sendo entre 3 e 4 dias de duração, no restante do Estado. Nos anos agrícolas de 1977/78, 1978/79 e 1981/1982 houve perda de arroz e milho, devido às estiagens ocorridas no mês de janeiro. Wrege et al. (1997) identificaram as regiões de menor risco para definir as épocas de semeadura para o feijoeiro na safra das águas no Estado do Paraná. A partir de valores diários de evapotranspiração máxima e precipitação provenientes de 32 estações meteorológicas do IAPAR, calcularam o balanço hídrico utilizando um modelo climatológico adaptado ao feijoeiro. Concluíram que toda a região norte apresenta risco elevado de deficiência hídrica, ao passo que a região litorânea possui risco baixo. Nas demais regiões verifica-se nível de risco intermediário A precipitação pluviométrica e o número de ocorrências deste fenômeno durante um período de tempo é um elemento de suma importância para os mais diversos setores da economia. Portanto, o objetivo deste trabalho foi analisar a ocorrência do número de dias com chuva na escala mensal, trimestral e anual para a região de Maringá, para tanto foram utilizados dados mensais obtidos junto a Estação Climatológica Principal de Maringá, no período correspondente a 198 a Como uma segunda proposta metodológica procurou-se verificar o ajuste deste dados a uma função de distribuição de freqüência normal e verificar a normalidade da distribuição através do 171

2 teste de aderência proposto por Lilliefors aos níveis de significância de 1% e %. MATERIAL E MÉTODOS Os dados de dias com ocorrência de precipitação pluviométrica mensal no período correspondente a 198 a 1999 foram obtidos junto a Estação Climatológica Principal de Maringá (ECPM), operando através de um convênio firmado entre a Universidade Estadual de Maringá (UEM) e o Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), localizada nas seguintes coordenadas geográficas 23º 2 S de latitude e 1º 7 W de longitude e 42 metros de altitude. Segundo o INMET (1999) é considerado um dia com chuva, quando a precipitação pluviométrica for igual ou superior a.1 mm no decorrer das 24 horas do dia meteorológico. O dia meteorológico corresponde ao período compreendido entre às 9h1min de um dia civil e às 9hmin do dia seguinte. Os totais diários de precipitação pluvial são obtidos através do somatório das coletas realizadas no dia anterior às 1hmin, 21hmin da hora local e da coleta das 9hmin do dia em questão. Agrupou-se mês a mês os valores do número de dias com chuva e procurou-se verificar se o comportamento destes valores obedecia a uma distribuição de probabilidade contínua, no caso, a distribuição normal na qual têm-se dois parâmetros, a média (µ) e desvio padrão (σ). A função de densidade de probabilidade tem a seguinte forma: A variável transformada (Z) pode ser calculada por: Onde X é o limite superior da classe, X é a média da amostra e s o desvio padrão. O valor de F(Z) pode ser obtido através de tabelas dos valores da distribuição normal padrão. A F(X), ou seja a probabilidade de ocorrer um valor de número de dias com chuva menor ou igual ao da classe é calculada subtraindo-se do valor de F(Z) de cada classe o valor de F(Z) da classe anterior. As freqüências esperadas (fe) em cada classe, são obtidas, multiplicando-se o valor de F(X) pela soma de todas as freqüências. Obtidas as distribuições de freqüência do número de dias com chuva para cada mês do ano no período estudado aplicou-se o teste de aderência. Para tanto utilizou-se o teste de normalidade proposto por Lilliefors (Campos, 1983) aos níveis de 1 e %. RESULTADOS E DISCUSSÃO f 2 ( X µ ) 1 2 2σ ( X ) = e σ De acordo com a Tabela 1, a média anual de dias com chuva para Maringá no período de 198 a 1999 foi de 1 dias. Entretanto os anos de 1983, 199, 199 e 1998 apresentaram mais de 13 dias. O ano de 198 foi o que apresentou menor número de dias chuvosos (1 dias). A variação sazonal dos dias chuvosos mostrou que no período de outubro a março, estação mais úmida chove em média entre e 13 dias. Sendo que no trimestre mais chuvoso, dezembro a fevereiro ultrapassou a dias com chuva. A maior quantidade de dias com chuva foi registrada no mês de janeiro de 1989 com 24 dias. O mês de fevereiro de 1989 e 1998 apresentou 2 dias com chuva. O período mais seco de abril a setembro apresentou a menor quantidade de dias chuvosos, 8 dias em média. No trimestre menos chuvoso (junho, julho e agosto) registrou-se uma média mensal de dias com chuva. Para este trimestre constatou-se, especialmente no mês de agosto, ausência total de dias com chuva. Os meses de dezembro dos anos 198, 1987 e 1992, janeiro de 1992 e fevereiro de 199 foram considerados atípicos para o período estudado, apresentando respectivamente 9, e 4 dias com chuva. Por outro lado, no mês de agosto notadamente seco, observou-se na série analisada que o ano de 1998 apresentou 11 dias com chuva. Resultados muitos semelhantes aos verificados acima foram obtidos por Sant Anna Neto e Barrios (199) 2π ( X Z = s X ) 172

3 quando estudaram o comportamento do número de de dias de chuva para o município de Presidente Prudente localizado nas seguintes coordenadas geográficas: latitude 22º 7 S, longitude 1º 23 W e altitude de 43 metros. Para o caso de Presidente Prudente o período analisado foi de 199 a Esta semelhança nos resultados parece estar associada ao fato de que os dois locais (Maringá e Presidente Prudente) se encontrarem em uma região de transição climática. Tabela 1 do número de dias de chuvas por mês no período de 198 a 1999 no município de Maringá PR. Fonte: ECPM Mês Ano Média DP Total Máx Mín Nas Tabelas 2, 3 e 4 encontram-se as distribuições de freqüência do número de dias de chuva de cada mês para Maringá PR, ajustado a uma distribuição de freqüência contínua do tipo normal. Tabela 2 Distribuição de freqüência do número de dias de chuva para Maringá PR nos meses de janeiro a abril. Mês Classes Ponto médio f Zi F(Zi) f(xi) fe a 2, -1,91,3,3, a 1 7, 3 -,9,18,1 3, Janeiro 1 a 1, 1,1,4,3 7,11 1 a 2 17, 3 1,11,87,33,3 2 a 2 22, 4 2,11,98, 2,32 a 2, 1-2,4,2,2,41 a 1 7, 2 -,84,2,18 3, Fevereiro 1 a 1, 9,3,4,44 8,8 1 a 2 17, 8 1,,94,3, 2 a 2 22, 2,7 1,, 1,13 a 2, -1,87,3,3,1 a 1 7, 7 -,43,33,3, Março 1 a 1, 1 1,1,84,1 1,2 1 a 2 17, 3 2,44,99,1 2,98 2 a 2 22, 3,88 1,,1,1 a 2, 2-1,11,13,13 2,7 a 1 7, 13,,73,9 11,84 Abril 1 a 1, 2,3,99,2,28 1 a 2 17, 4, 1,,1,21 2 a 2 22,,71 1,,, 173

4 Tabela 3 Distribuição de freqüência do número de dias de chuva para Maringá PR nos meses de maio a agosto. Mês Classes Ponto médio f Zi F(Zi) f(xi) fe a 2, 4 -,7,22,22 4,47 a 1 7, 11,1,7,47 9,43 Maio 1 a 1, 4 1,78,9,27,3 1 a 2 17, 1 3, 1,,4,7 2 a 2 22, 4,31 1,,, a 2, -,3,2,2,29 a 1 7, 11,3,74,47 9,43 Junho 1 a 1, 3 1,89,97,23 4,9 1 a 2 17, 1 3,1 1,,3, 2 a 2 22, 4,4 1,,, a 2, 11,,, 1, a 1 7, 8 1,,9,4 9,1 Julho 1 a 1, 1 3,3 1,,,99 1 a 2 17, 4,94 1,,, 2 a 2 22,,9 1,,, a 2, 11,,, 1, a 1 7, 8 1,,9,4 9,1 Agosto 1 a 1, 1 3,3 1,,,99 1 a 2 17, 4,94 1,,, 2 a 2 22,,9 1,,, Tabela 4 - Distribuição de freqüência do número de dias de chuva para Maringá PR nos meses de setembro a dezembro. Mês Classes Ponto médio f Zi F(Zi) f(xi) fe a 2, 4 -,91,18,18 3,3 a 1 7, 8,39,,47 9,41 Setembro 1 a 1, 8 1,9,9,3, 1 a 2 17, 3, 1,,4,88 2 a 2 22, 4,3 1,,,3 a 2, 2-1,4,7,7 1,44 a 1 7, -,13,4,38 7,2 Outubro 1 a 1, 1,19,88,43 8,9 1 a 2 17, 1 2,2,99,11 2,22 2 a 2 22, 3,8 1,,1, a 2, 3 -,97,17,17 3,32 a 1 7, 9,17,7,4 8,3 Novembro 1 a 1, 1,31,9,34,7 1 a 2 17, 2 2,4,99,9 1,7 2 a 2 22, 3, 1,,1,14 a 2, -2,4,1,1,14 a 1 7, 3 -,97,17,1 3,18 Dezembro 1 a 1, 11,2,7,3 1, 1 a 2 17, 2,1,98,28,9 2 a 2 22, 3, 1,,2,44 174

5 Ao ajustarmos uma distribuição de probabilidade a um conjunto de dados, trabalha-se com a hipótese de que esta representa adequadamente aquele conjunto de dados. Mas é necessário que se faça um teste estatístico para verificar se isto é correto, a princípio aceita-se a hipótese de que o modelo escolhido representa bem os dados apenas através de uma inspeção visual no histograma de freqüência e nas diferenças entre freqüência observadas e as teóricas (Assis et al., 199). Como pode ser observado nas Tabelas 2, 3 e 4 e na Figura 1 os valores estimados da distribuição de freqüência de ocorrência de número de dias com chuva mantiveram-se bem próximos aos valores observados. Efetuando uma análise visual constata-se um comportamento bastante semelhante a uma distribuição de freqüência contínua do tipo normal quando se estuda o período mensal. Aplicando-se o teste de aderência para verificar a normalidade deste conjunto de dados aos níveis de significância de 1% e % constata-se que a distribuição normal pode ser utilizada para estudar os dados apresentados em quase todos os meses do ano. Com exceção dos meses de maio e junho que correspondem ao período de transição entre a época chuvosa e seca observada na região. Notadamente os meses de julho e agosto, que apresentam as menores ocorrências de precipitação pluviométrica, poderiam não apresentar um comportamento que pudesse ser descrito através de uma distribuição de freqüência contínua do tipo normal, como pode ser observado na Figura 1. No entanto, através do teste para normalidade de Lilliefors, 197 citado por Campos, 1983 constata-se que a distribuição de freqüência normal pode ser convenientemente utilizada para estudar o comportamento da variável neste período. Observa-se, para Maringá, no período de dezembro a março e inclusive em outubro uma maior probabilidade de ocorrência de 1 a 1 dias com chuva por mês na série estudada. Espera-se no período de abril a junho e nos meses de setembro e novembro que ocorram com maior freqüência a 1 dias com chuva por mês. O período mais seco do ano para a região compreendido entre os meses de julho e agosto, apresentou maior probabilidade de ocorrência de a dias com chuva. Trabalhando com uma série temporal de 2 anos, que compreendia o período de 199 a 1994, Sant Anna Neto e Barrios (199), encontraram para a região de Presidente Prudente, porção oeste do Estado de São Paulo, resultados bastante semelhantes aos apresentados para Maringá, porção noroeste do Estado do Paraná. No caso de Presidente Prudente, para o período de dezembro a março observou-se, na série estudada, maior freqüência de ocorrência de 1 a 1 dias com chuva. Entre os meses de abril a julho e setembro a novembro constatou-se maior número de anos apresentando de a 1 dias com chuva. Nos meses de julho e agosto, período mais seco do ano, foi mais freqüente a ocorrência de a dias com chuva em cada mês estudado. Assis (1994) estudando uma série de 9 anos de observações de precipitação pluvial para Pelotas-RS procurou determinar a seqüência de dias com chuva ou sem chuva iniciadas 31 dias seguintes aos dias 1, 11, 21 de cada mês sendo deste modo que o ano foi dividido em 3 períodos. Os resultados mostraram que a distribuição binomial negativa truncada e a distribuição geométrica foram adequadas para descrever tanto a ocorrência de dias chuvosos quanto a de dias sem chuva. 17

6 1 Janeiro 1 Fevereiro Março freqüência 14 7 Abril Maio Junho Julho Agosto 1 Setembro 14 Outubro 7 1 Novembro Dezembro Figura 1 Representação gráfica da freqüência observada e da freqüência esperada do número dias de chuva de cada mês para Maringá PR, cálculos efetuados a partir dos dados observados no período de 198 a

7 CONCLUSÕES Aceita-se a hipótese, exceto para os meses de maio e junho, de que as freqüências estimadas com base na distribuição contínua normal não diferem das freqüências observadas ao nível de significância de 1% e % quando se estuda o período mensal AGRADECIMENTOS Agradecemos ao Professor Eraldo Schunk do Departamento de Estatística da Universidade Estadual de Maringá pelo tratamento estatístico dos dados e valiosas sugestões. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ASSIS, F.N.de, Probabilidades de ocorrência de dias sem chuva e chuvosos em Pelotas - RS. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v. 2, p , ASSIS, F. N. de, ARRUDA, H. V., PEREIRA, A.R. Aplicações de estatística à climatologia. Pelotas: Ed. Universitária, p. BERNARDES, L. R. M., AGUILAR, A. P., ABE, S. de ocorrência de veranicos no Estado do Paraná. Boletim de Geografia, UEM, Maringá, v., n. 1, p , INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Manual de observações meteorológicas. 3ª ed. Brasilia, p. SANT ANNA NETO, J.L. & BARRIOS, N.A.Z. Boletim climatológico. Presidente Prudente, FCT/UNESP, 199. p. WREGE M.S., GONÇALVES S.L., CARAMORI P. H., et al. Risco de deficiência hídrica na cultura do feijoeiro durante a safra das águas no estado do Paraná. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Santa Maria, v., n. 1, p. 1-9,

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1

ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ANALISE DA DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO MENSAL E ANUAL PARA A CIDADE DE IGUATU-CE 1 ÍTALO N. SILVA 2, JOAQUIM B. OLIVEIRA 3, ELIAKIM M. ARAÚJO 4, EDMILSON G. C. JUNIOR 4, BRUNO M. ALMEIDA

Leia mais

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL

INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL INFLUÊNCIA DE FASES EXTREMAS DA OSCILAÇÃO SUL SOBRE A INTENSIDADE E FREQUÊNCIA DAS CHUVAS NO SUL DO BRASIL Alice M. Grimm Grupo de Meteorologia - Departamento de Física - Universidade Federal do Paraná

Leia mais

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO MENSAL DURANTE A ESTAÇÃO CHUVOSA EM DIAMANTINA

ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO MENSAL DURANTE A ESTAÇÃO CHUVOSA EM DIAMANTINA ESTUDO DA PRECIPITAÇÃO MENSAL DURANTE A ESTAÇÃO CHUVOSA EM DIAMANTINA MARIA J.H DE SOUZA 1, JOÃO P. G. VIEIRA 2, JOSEANE T. MAGALHÃES 3, FELIPE P. DE CARVALHO 4 1 Engenheira Agrícola, Professora Drª. Adjunta,

Leia mais

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro.

PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001. TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2001 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A Primavera começa este ano às 22h04min (hora de Brasília), no dia 22 de setembro e termina às 17h20min (horário de

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2003). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento,

Leia mais

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA

BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA BLOQUEIOS OCORRIDOS PRÓXIMOS À AMÉRICA DO SUL E SEUS EFEITOS NO LITORAL DE SANTA CATARINA MARIANE CECHINEL GONÇALVES 1 KARINA GRAZIELA JOCHEM 2 VANESSA RIBAS CÚRCIO 3 ANGELA PAULA DE OLIVEIRA 4 MÁRCIA

Leia mais

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto

RESUMO. Vinicius Carmello. Miriam Rodrigues Silvestre. João Lima Sant Anna Neto DESIGUALDADE no campo e o risco climático em áreas de produção da soja no sul do brasil Vinicius Carmello Grupo de Pesquisa GAIA; UNESP/FCT - Presidente Prudente, São Paulo, Brasil viniciuscarmello@gmail.com

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Coordenação Geral de Agrometeorologia 1 PROGNÓSTICO DE ESTAÇÃO PARA A PRIMAVERA DE 2003 TRIMESTRE Outubro-Novembro-Dezembro. A primavera começa neste ano às 07:47h do dia 23 de setembro e vai até 05:04h (horário de Verão) de Brasília, do dia

Leia mais

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC

VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC VERIFICAÇÃO E VALIDAÇÃO DO SIMULADOR ESTOCÁSTICO DE DADOS DIÁRIOS DE PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA - SIMPREC Autores Monica Carvalho E-mail: meinfo@ig.com.br Jorim Sousa das Virgens Filho E-mail: sousalima@almix.com.br

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP

VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP VARIAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA NA BACIA DO RIO SOROCABA-SP Manuel Enrique Gamero Guandique 1 ; Telma de Assis Silveira 2 ; Douglas dos Santos Silva 3 RESUMO Estudos sobre a

Leia mais

FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS - PB

FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS - PB FREQUÊNCIA DA PRECIPITAÇÃO PLUVIAL NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS - PB Medeiros, R.M. (1) ; Santos, D.C. (1) ; Rafael, A. R. (1) ; Oliveira, V.G (1) ; Correia, D. S, (1) ; Brito, J.I.B. (1) mainarmedeiros@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO 674 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO Tayná Freitas Brandão¹; Rosângela Leal Santos². 1. Graduanda em Engenharia Civil

Leia mais

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002).

PROGNÓSTICO CLIMÁTICO. (Fevereiro, Março e Abril de 2002). 1 PROGNÓSTICO CLIMÁTICO (Fevereiro, Março e Abril de 2002). O Instituto Nacional de Meteorologia, órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, com base nas informações de análise e prognósticos

Leia mais

4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA

4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA 4. ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA A pluviosidade representa o atributo fundamental na análise dos climas tropicais, refletindo a atuação das principais correntes da circulação atmosférica. No extremo sul da Bahia,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM VASSOURAS - RJ Gisele dos Santos Alves (1); Célia Maria Paiva; Mônica Carneiro Alves Xavier (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL Agosto-Setembro-Outubro de 2003. Prognóstico Trimestral (Agosto-Setembro-Outubro de 2003). 1 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA Instituto Nacional de Meteorologia INMET Endereço: Eixo Monumental VIA S1 Telefone: + 55 61 344.3333/ Fax:+ 55 61 344.0700 BRASÍLIA / DF - CEP:

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ

MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ MONITORAMENTO AGROCLIMÁTICO DA SAFRA DE VERÃO NO ANO AGRÍCOLA 2008/2009 NO PARANÁ JONAS GALDINO 1, WILIAN DA S. RICCE 2, DANILO A. B. SILVA 1, PAULO H. CARAMORI 3, ROGÉRIO T. DE FARIA 4 1 Analista de Sistemas,

Leia mais

ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE DIAS CONSECUTIVOS SEM CHUVA NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO

ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE DIAS CONSECUTIVOS SEM CHUVA NO ESTADO DO PARANÁ RESUMO ANÁLISE CLIMATOLÓGICA DE DIAS CONSECUTIVOS SEM CHUVA NO ESTADO DO PARANÁ Ângela Beatriz F. da Costa, Heverly Morais, Paulo Henrique Caramori, Wilian da Silva Ricce,, Letícia Trindade Ataíde,, Inês Fumiko

Leia mais

ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3

ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3 ESTUDO DO PERÍODO DE ESTIAGEM EM DIAMANTINA, MINAS GERAIS FELIPE PAOLINELLI DE CARVALHO 1, MARIA JOSÉ HATEM DE SOUZA 2, JOÃO PAULO GUIMARÃES VIEIRA 3 1 Graduando de Agronomia da Universidade Federal dos

Leia mais

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA

VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA VARIABILIDADE E INTENSIDADE DAS CHUVAS EM BELÉM-PA ALAILSON V. SANTIAGO 1, VICTOR C. RIBEIRO 2, JOSÉ F. COSTA 3, NILZA A. PACHECO 4 1 Meteorologista, Dr., Pesquisador, Embrapa Amazônia Oriental (CPATU),

Leia mais

Características Climáticas da Primavera

Características Climáticas da Primavera Previsão Climática para a Primavera/2013 Data da Previsão: 16/09/2013 Duração da Primavera: 22/09/2013(17h44min) a 21/12/2013 (14h11min*) *Não acompanha o horário de verão Características Climáticas da

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico

Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico 44 Figura 18. Distâncias das estações em relação ao Inmet e Mapa hipsmétrico A Figura 18 servirá de subsídios às análises que se seguem, pois revela importantes informações quanto ao comportamento das

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO DA ESTAÇÃO DA EMBRAPA SEMIARIDO, PROJETO BEBEDOURO PRETOLINA/PE, ATRAVÉS DA TÉCNICA DE QUANTIS Iug Lopes¹; Miguel Júlio Machado Guimarães²; Juliana Maria Medrado de Melo³. ¹Mestrando

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS

CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS CARACTERIZAÇÃO DA VELOCIDADE E DIREÇÃO DO VENTO NA REGIÃO SUL NA CIDADE DE GOIÂNIA GOIÁS Rosidalva Lopes Feitosa da Paz 1, Andre de Oliveira Amorim 2 e Raimundo Mainar de Medeiros 3 1 Física e Coordenadora

Leia mais

COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM 2006 NO ESTADO DE GOIÁS

COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM 2006 NO ESTADO DE GOIÁS COMPORTAMENTO DA PRECIPITAÇÃO MÉDIA EM 2006 NO ESTADO DE GOIÁS ROBERTO C. G. PEREIRA 1, ROSIDALVA L. F. da PAZ 2, LEILA DO S. M. LEAL 3 APARECIDA S. CARDOSO 4, ANDRÉ O. AMORIM 5, TATYANE VICENTINI 6 1

Leia mais

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy

reverse speed, results that it showed an increase of precipitations in the rainy ANÁLISE HISTÓRICA DA SÉRIE DE PRECIPITAÇÃO (1931-2010) E O BALANÇO HÍDRICO DE MACEIÓ AL: CICLO HIDROLÓGICO E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. Expedito R. G. Rebello¹; Nadir Dantas de Sales². RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹; Júlio Renato Marques ² ¹Aluno graduando,

Leia mais

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 168 172 ANÁLISE MULTITEMPORAL DO PADRÃO DE CHUVAS DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO NO ÂMBITO DOS ESTUDOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS OLIVEIRA, Rafael

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB)

Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) Comparação entre Variáveis Meteorológicas das Cidades de Fortaleza (CE) e Patos (PB) F. D. A. Lima 1, C. H. C. da Silva 2, J. R. Bezerra³, I. J. M. Moura 4, D. F. dos Santos 4, F. G. M. Pinheiro 5, C.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE RESUMO

ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE RESUMO ASPECTOS METEOROLÓGICOS ASSOCIADOS A EVENTOS EXTREMOS DE CHEIAS NO RIO ACRE Victor Azevedo Godoi 1, André Felipe de Matos Lopes 1, Audálio Rebelo Torres Jr. 1, Caroline R. Mazzoli da Rocha 2, Mariana Palagano

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE

ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE ANÁLISE SINÓTICA DA ESTIAGEM NO VERÃO 2004/2005 NO OESTE E MEIO-OESTE CATARINENSE 1 Gilsânia Cruz 1 Maria Laura Rodrigues 1 Elaine Canônica 1 Marcelo Moraes 1 RESUMO Neste trabalho é analisada a estiagem

Leia mais

Janeiro de 2013 Volume 01

Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 Janeiro de 2013 Volume 01 2 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento - Conab Dipai - Diretoria de Política Agrícola e Informações

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS DATAS DE INÍCIO E FIM DA ESTAÇÃO CHUVOSA PARA REGIÕES HOMOGÊNEAS NO ESTADO DO PARANÁ

DETERMINAÇÃO DAS DATAS DE INÍCIO E FIM DA ESTAÇÃO CHUVOSA PARA REGIÕES HOMOGÊNEAS NO ESTADO DO PARANÁ DETERMINAÇÃO DAS DATAS DE INÍCIO E FIM DA ESTAÇÃO CHUVOSA PARA REGIÕES HOMOGÊNEAS NO ESTADO DO PARANÁ Edmilson Dias de Freitas(1); Alice Marlene Grimm (1) Departamento de Ciências Atmosféricas - IAG -

Leia mais

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO,

o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, 593 o MODELO DE WEIBULL, PARA DISTRIBUIÇOES DE VELOCIDADE DO VENTO, NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Elza Correia Sucharov (1) Margarete O. Domingues (2) Ana Lucia M. da Silva (1) (1) Departamento de Meteorologia/UFRJ

Leia mais

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO

Elisa dos Santos Schütz 1 ; Sandra Regina Pires de Moraes 2 RESUMO DETERMINAÇÃO DOS COEFICIENTES ESTATÍSTICOS DAS EQUAÇÕES DE REGRESSÃO PARA ESTIMATIVA DOS VALORES NORMAIS MÉDIOS, MENSAIS E ANUAL, DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS, MÍNIMAS E MÉDIAS, NOS ESTADOS DE GOIÁS, MATO

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E DURAÇÃO DAS ESTAÇÕES SECA E CHUVOSA NO TRIÂNGULO MINEIRO MG

CARACTERIZAÇÃO E DURAÇÃO DAS ESTAÇÕES SECA E CHUVOSA NO TRIÂNGULO MINEIRO MG CARACTERIZAÇÃO E DURAÇÃO DAS ESTAÇÕES SECA E CHUVOSA NO TRIÂNGULO MINEIRO MG Aline de Freitas Roldão Universidade Federal de Uberlândia alineroldao@yahoo.com.br Washington Luiz Assunção Universidade Federal

Leia mais

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br

Alegre-ES, CEP.: 29.500-000, Caixa Postal 16, edreis@cca.ufes.br ANÁLISE ESTATÍSTICA PARA DETERMINAÇÃO DA NA BACIA DO RIO SÃO MATEUS-ES Eduardo Morgan Uliana 1, Camila Aparecida da Silva Martins 1, José Geraldo Ferreira da Silva 2, Edvaldo Fialho dos Reis 3 1 Universidade

Leia mais

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56

'LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU *OREDOGR(VWDGRGR56 LVWULEXLomR(VWDWtVWLFDGRV9DORUHV([WUHPRVGH5DGLDomR6RODU OREDOGR(VWDGRGR56 6X]DQH5DQ]DQ 6LPRQH0&HUH]HU&ODRGRPLU$0DUWLQD]]R Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões, Departamento de

Leia mais

Distribuição espacial da relação precipitação/número de dias de chuva em Campo Grande - MS

Distribuição espacial da relação precipitação/número de dias de chuva em Campo Grande - MS Distribuição espacial da relação precipitação/número de dias de chuva em Campo Grande - MS Amaury de Souza I ; Hamilton Germano Pavão I Giancarlo Lastoria II Sandra Garcia Gabas II Antonio Conceição Paranhos

Leia mais

TRIMESTRE COM CHUVA ACIMA DO PADRÃO

TRIMESTRE COM CHUVA ACIMA DO PADRÃO Ano 13 / Número 07 BOLETIM CLIMÁTICO AGOSTO SETEMBRO - OUTUBRO (2015) Estado do Rio Grande do Sul Resp. Técnica: 8 0 DISME/INMET e CPPMet/UFPEL Pelotas, 15 de julho de 2015. TRIMESTRE COM CHUVA ACIMA DO

Leia mais

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA.

Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Validação das observações feitas com o pluviômetro de garrafa PET na cidade de Belém-PA. Silvia Letícia Alves Garcêz¹, Maria Aurora Santos da Mota². ¹Estudante de Graduação da Universidade Federal do Pará,

Leia mais

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR

CLIMAS DO BRASIL MASSAS DE AR CLIMAS DO BRASIL São determinados pelo movimento das massas de ar que atuam no nosso território. É do encontro dessas massas de ar que vai se formando toda a climatologia brasileira. Por possuir 92% do

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climas do Brasil GEOGRAFIA DAVI PAULINO Grande extensão territorial Diversidade no clima das regiões Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Motivação! Massas de Ar Grandes

Leia mais

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS

VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS VARIABILIDADE DO VENTO NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO DURANTE A OCORRÊNCIA DA ZCAS De Fonseca da Silva e José Ivaldo B. Brito 2 RESUMO A intensidade e direção do vento são variáveis de grande interesse

Leia mais

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido

Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Expansão Agrícola e Variabilidade Climática no Semi-Árido Fabíola de Souza Silva 1, Magaly de Fatima Correia 2, Maria Regina da Silva Aragão 2 1 Bolsista PIBIC/CNPq/UFCG, Curso de Graduação em Meteorologia,

Leia mais

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil

Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Impacto do Fenômeno El Niño na Captação de Chuva no Semi-árido do Nordeste do Brasil Vicente de Paulo Rodrigues da Silva, Hiran de Melo (Professor DEE/CCT/UFPB), Antônio Heriberto de Castro Teixeira (EMBRAPA

Leia mais

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO

VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO VULNERABILIDADE CLIMÁTICA DO NORDESTE BRASILEIRO: UMA ANÁLISE DE EVENTOS EXTREMOS NA ZONA SEMI-ÁRIDA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO SÃO FRANCISCO 1 Weber Andrade Gonçalves; Magaly de Fatima Correia 2 ; Lincoln

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila

MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA. Ana Maria H. de Avila MUDANÇAS CLIMÁTICAS GLOBAIS E OS EFEITOS À AGRICULTURA BRASILEIRA Ana Maria H. de Avila Pelotas, Novembro de 2010 Mudança Climática Global Mudanças no meio ambiente global (incluindo modificações no clima,

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

ISSN 1517-2201 Dezembro, 2007 296. Boletim Agrometeorológico 2006 - Igarapé-Açu

ISSN 1517-2201 Dezembro, 2007 296. Boletim Agrometeorológico 2006 - Igarapé-Açu ISSN 1517-2201 Dezembro, 2007 296 Boletim Agrometeorológico 2006 - Igarapé-Açu ISSN 1517-2201 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO

INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO INTENSIDADE DAS CHUVAS NA BACIA DE CAÇU-GO Andreia Medeiros de Lima Universidade Federal de Goiás - Câmpus Jataí medeiroslima.andreia@gmail.com José Ricardo Rodrigues Rocha Universidade Federal de Goiás

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS INSTITUTO AGRONÔMICO IAC

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS INSTITUTO AGRONÔMICO IAC GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO AGÊNCIA PAULISTA DE TECNOLOGIA DOS AGRONEGÓCIOS INSTITUTO AGRONÔMICO IAC CENTRO DE MONITORAMENTO E MITIGAÇÃO DE SECA E ADVERSIDADES

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE ÍNDICES DE SECA PARA SANTA LUZIA José Nivaldo da Silva¹, Danilo Barbosa de Aguiar², Hermes Alves de Almeida³. ¹ Estudante de Geografia (UEPB) e bolsista de IC/CNPq, e-mail: jnivaldo_silva@hotmail.com

Leia mais

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015

NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 NARRATIVA DO MONITOR DAS SECAS DO MÊS DE JUNHO DE 2015 Condições Meteorológicas do Mês de Junho de 2015 Historicamente, conforme pode ser observada na figura 1 (b), no mês de junho, o litoral oeste do

Leia mais

1 Pesquisador orientador 2 Bolsista PBIC/UEG 3 Curso de Geografia Unidade Universitária de Iporá - UEG

1 Pesquisador orientador 2 Bolsista PBIC/UEG 3 Curso de Geografia Unidade Universitária de Iporá - UEG 1 IMPLANTAÇÃO DE REDE DE COLETA DE DADOS CLIMÁTICOS COMO SUBSÍDIO À PESQUISA GEOAMBIENTAL NO MUNICÍPIO DE IPORÁ-GO 1º FASE. Valdir Specian 1, 3 ; Leidiane Aparecida de Andrade 2, 3 1 Pesquisador orientador

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana

Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Milho: preços elevados mesmo com super-safra norte-americana Super-safra norte-americana Em seu boletim de oferta e demanda mundial de setembro o Usda reestimou para cima suas projeções para a safra 2007/08.

Leia mais

Revista Brasileira de Climatologia ISSN: 1980-055x (Impressa) 2237-8642 (Eletrônica)

Revista Brasileira de Climatologia ISSN: 1980-055x (Impressa) 2237-8642 (Eletrônica) ANÁLISE DA VARIABILIDADE DA PRECIPITAÇÃO PLUVIOMÉTRICA COMO SUBSÍDIO PARA O PLANEJAMENTO AGRÍCOLA EM CAICÓ/RN LUCENA, Joselma Araújo - joselma.geografia@gmail.com PPGG/UFPB Univ Fed da Paraíba SOUZA, Bartolomeu

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG)

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DEL REI (MG) Alan Cássio Campos 1 Julio Cezar Costa 1 Gabriel Pereira 1 E-mail: allancassiio@hotmail.com; juliocezar188@hotmail.com pereira@ufsj.edu.br

Leia mais

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil.

VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. VARIABILIDADE CLIMÁTICA DA BAIXA UMIDADE DO AR EM ALGUMAS LOCALIDADES: Centro e Sudeste do Brasil. Resumo Francisco de Assis Diniz adiniz@inmet.gov.br Ricardo Lauxe Reinke Estagiário Instituto Nacional

Leia mais

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS

VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS VARIAÇÃO CLIMÁTICA EM GILBUÉS-PI, BRASIL EM ATUAÇÃO AO ARMAZENAMENTO DE ÁGUA PLUVIAIS Raimundo Mainar de Medeiros 1, Paulo Roberto Megna Francisco 2, Roseane Cristina Silva Oliveira 3, Manoel Francisco

Leia mais

As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras

As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras As estações do ano e a incidência do dengue nas regiões brasileiras Paulo Cesar de Holanda Furtado; Izabel Cristina Alcantara de Souza; Ronei Marcos de Moraes Resumo Divulga-se que o período de maior incidência

Leia mais

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE

PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE PROBABILIDADE DE OCORRÊNCIA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA EM OURICURI-PE 1 Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sertão Pernambucano - IF Sertão PE - Campus Ouricuri.-

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC

PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC PREVISÃO DO TEMPO PARA O MUNICÍPIO DE RIO DO SUL-SC Gean Carlos CANAL 1 ; Leonardo de Oliveira NEVES 2 ; Isaac Weber PITZ 3 ; Gustavo SANGUANINI 4 1 Bolsista interno IFC; 2 Orientador; 3 Graduando Agronomia;

Leia mais

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses

Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Fenômeno El Niño influenciará clima nos próximos meses Dados divulgados nesta semana das anomalias de temperatura da superfície do mar no Oceano Pacífico indicaram que fenômeno El Niño está na presente,

Leia mais

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955

CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 CAPÍTULO 10 BALANÇO HÍDRICO SEGUNDO THORNTHWAITE E MATHER, 1955 1. Introdução A avaliação das condições de disponibilidade de água no espaço de solo ocupado pelas raízes das plantas fornece informações

Leia mais

IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE)

IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE) IMPLICAÇÕES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS SOBRE COMPONENTES DO BALANÇO HÍDRICO PARA BARBALHA (CE) 1 Aluno do Curso de Pós-Graduação em Agronomia (Fitotecnia), Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza,

Leia mais

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI

BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI BOLETIM DE MONITORAMENTO DA BACIA DO ALTO PARAGUAI v.6, n. 01, jan. 2011 Bol. Mon. Bacia do Alto Paraguai, Brasília, v. 6, n. 01, p. 1-21, jan. 2011 República Federativa do Brasil Dilma Vana Rousseff Presidenta

Leia mais

ESTIMATIVA DOS QUINTIS USADOS NA PREVISÃO DA PLUVIOMETRIA NO NORDESTE DO BRASIL

ESTIMATIVA DOS QUINTIS USADOS NA PREVISÃO DA PLUVIOMETRIA NO NORDESTE DO BRASIL ESTIMATIVA DOS QUINTIS USADOS NA PREVISÃO DA PLUVIOMETRIA NO NORDESTE DO BRASIL FRANCISCO DE ASSIS SOUSA SANTOS ; PEDRO VIEIRA DE AZEVEDO e BERNARDO BARBOSA DA SILVA Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino

Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino Diagnóstico, Monitoramento de Desastres Naturais com foco na Seca no Semiárido Nordestino CEX Seca no Semiárido Nordestino CEMADEN-MCTI Brasília, 28 de Maio de 2015 2 Operação do CEMADEN EM FUNCIONAMENTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO

AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO 18 AVALIAÇÃO DOS RISCOS DE SECA PARA O MUNICÍPIO DE FEIRA DE SANTANA-BA ASSOCIADO À INFLUÊNCIA DO EL NIÑO NO SEMI-ÁRIDO DO NORDESTE BRASILEIRO Aline F. Diniz¹ Rosângela Leal Santos² Sandra Medeiro Santo³

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO CLIMATOLOGIA AERONÁUTICA INSTITUTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO DADOS CLIMATOLÓGICOS DOS AEROPORTOS CARLOS PRATES (SBPR),

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO

BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO BALANÇO HÍDRICO COMO FERRAMENTA AO PLANEJAMENTO AGROPECUÁRIO PARA A CIDADE DE PALMAS TO ERLAN SILVA DE SOUSA 1, ROBERTA ARAÚJO E SILVA 2, GIRLENE FIGUEIREDO MACIEL 3, RONES GOMES NUNES 4, FRANK WYLHA LIMA

Leia mais

Boletim climatológico mensal maio 2012

Boletim climatológico mensal maio 2012 Boletim climatológico mensal maio 2012 CONTEÚDOS IM,I.P. 01 Resumo Mensal 04 Resumo das Condições Meteorológicas 05 Caracterização Climática Mensal 05 Temperatura do Ar 07 Precipitação Total 09 Insolação

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA. Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo

SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA. Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo SINAIS DE LA NIÑA NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA Alice M. Grimm (1); Paulo Zaratini; José Marengo (1) Grupo de Meteorologia - Universidade Federal do Paraná Depto de Física Caixa Postal 19081 CEP 81531-990

Leia mais

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA

CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA CAPÍTULO 8 O FENÔMENO EL NIÑO -LA NIÑA E SUA INFLUENCIA NA COSTA BRASILEIRA O comportamento climático é determinado por processos de troca de energia e umidade que podem afetar o clima local, regional

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO PLUVIOMETRICA POR QUINQUÍDIOS DA CIDADE DE PIRENOPOLIS - GO

CARACTERIZAÇÃO PLUVIOMETRICA POR QUINQUÍDIOS DA CIDADE DE PIRENOPOLIS - GO CARACTERIZAÇÃO PLUVIOMETRICA POR QUINQUÍDIOS DA CIDADE DE PIRENOPOLIS - GO Silva, M. A. G 1* ; Guimarães Junior, J. M; 1 Esteves, A. A. M; 2 Maciel, F. L; 3 Ucker, F.E; 1,3,4 Santos, F.C.V; 1, 3,4 Correchel,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ

DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA RADIAÇÃO SOLAR E TEMPERATURA DO AR NO ESTADO DO PIAUÍ L. G. M. de Figueredo Júnior 1 ; A. S. Andrade Júnior 2 ; F. E. P. Mousinho 1 RESUMO: O presente trabalho teve por

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Correia, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (2) ; Oliveira, V.G. (3) ; Correia, D. S. (4) ; Brito, J.I.B. (5) dariscorreia@gmail.com (1) Mestranda

Leia mais

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS DA PRECIPITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS DA PRECIPITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANÁLISE DE COMPONENTES PRINCIPAIS DA PRECIPITAÇÃO DO ESTADO DE MINAS GERAIS José Hilário Delconte Ferreira Docente do Curso de Tecnologia Ambiental /CEFET-PR/CM delferrer@uol.com.br Jonas Teixeira Nery

Leia mais