Divulgação e popularização da ciência. Artigos Científicos. Dossiê DIREDs. Estratégias adotadas durante a SNCT

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Divulgação e popularização da ciência. Artigos Científicos. Dossiê DIREDs. Estratégias adotadas durante a SNCT"

Transcrição

1 ISSN Revista da FAPERN 26 ANO 7 - novembro/dezembro 2012 Divulgação e popularização da ciência Estratégias adotadas durante a SNCT Artigos Científicos Pesquisas apoiadas pela FAPERN abordam educação Dossiê DIREDs Educação para a CTI nas escolas estaduais do RN

2 Expediente Editorial Foto capa: Demis Roussos/Assecom RN GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE Governadora Rosalba Ciarlini Rosado Secretário de Desenvolvimento Econômico Rogerio Marinho FAPERN Diretora Presidente Maria Bernardete Cordeiro de Sousa Diretor Científico George Dantas de Azevedo Diretora de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Susie Alves Silva de Macedo Diretor Administrativo-Financeiro Odair Lopes Garcia Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte FAPERN BR KM 94, Bloco Sedec/Sejuc Centro Administrativo, s/n - Lagoa Nova, Natal/RN - CEP Tel: (84) Fax: (84) Ciência Sempre 26 Edição e reportagens Mônica Costa Comissão Editorial George Dantas de Azevedo Susie Alves Silva de Macedo Ananias Monteiro Mariz Carlos Antônio Lopes Ruiz José Francismar de Medeiros José Yvan Leite Diagramação GR Design Editorial Fortalecer o ensino médio, despertando vocações em CTI Com uma atuação historicamente voltada à pesquisa e à pós-graduação, através de convênios junto ao CNPq, em 2012 a FAPERN direcionou seu foco para o ensino médio, especialmente para o fortalecimento das ações de CTI nesse nível, a fim de promover a melhoria da qualidade da educação pública. O outro - mas não menos importante - objetivo é estimular precocemente nos jovens o interesse pela pesquisa e pela ciência. Com a pioneira implantação do Programa de Pontos e Ciência, Tecnologia e Inovação Ensino Básico em parceria com a Capes e também do Programa de Bolsas de Iniciação Científica Júnior, em parceria com o CNPq, e com a Secretaria de Educação do estado, a FAPERN investe na integração entre professores universitários, professores do ensino médio ou profissionalizante, estudantes de graduação das licenciaturas e bolsistas de iniciação científica júnior para a operacionalização de ações de CTI vinculadas às práticas de ensino na educação básica. Pela primeira vez, a FAPERN executa uma ação formal e institucionalizada junto à Capes para a melhoria e fortalecimento do ensino médio. Esta edição da Ciência Sempre apresenta ações realizadas por algumas escolas estaduais e apoiadas pelas suas respectivas Diretorias Regionais de Educação (DIREDs). As matérias, aqui classificadas sob o título Dossiê DIREDs foram produzidas por alunos do curso de jornalismo da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, por ocasião da 3ª RN Ciência. Ainda seguindo o tema da educação, no Dossiê Científico, estão os artigos dos pesquisadores apoiados pelo Programa Primeiros Projetos (FAPERN/CNPq), cujas pesquisas estão na área da educação. Recém empossado na Secretaria de Desenvolvimento Econômico, à qual está ligada a FAPERN, Rogério Marinho aponta, na sessão Entrevista, os planos e os projetos que pretende implantar na Sedec e junto à FAPERN. Mônica Costa Editora 2 Ciência Sempre 26

3 Sumário FAPERN em Foco Entrevista: Rogério Marinho Dossiê DIREDs 1ª Dired foca nas alternativas para a construção civil e resíduos orgânicos. Educação ambiental como ferramenta para a melhoria da formação básica Transformando energia solar em energia térmica Novas formas de aproveitar o lixo e preservar a fauna são temas de pesquisas Alunos buscam alternativas para preservar o meio ambiente 6ª Dired incentiva projetos de sustentabilidade nas escolas 7ª Dired influencia alunos a expor projetos sustentáveis Sustentabilidade é o foco das escolas de Bodó, Lajes e Afonso Bezerra Escolas da 9ª Dired desenvolvem projetos científicos sustentáveis 10ª Dired apoia projetos de energia sustentável desenvolvido por escolas Escolas dos Vale do Assu apostam em projetos sustentáveis Estratégias e Ações para Difusão e Popularização do Conhecimento: A Semana Nacional no RN Carla Yara Soares F. Castro, Luciana Jeannie Bezerra Mendes 12ª Dired apoia planos científicos sobre água e energia Biodigestor e produção de tilápia são temas na 13ª Dired Escolas da 14ª Dired se destacam em pesquisas nas áreas de energia eólica e reutilização da água Projetos da 15ª Dired visam melhoria da coletividade Terremotos, Casas Eólicas e Eletroímãs nas pesquisas desenvolvidas na 13ª Dired Artigos Científicos A biblioteca escolar e o aluno/leitor: uma relação evidente? Verônica Maria de Araújo Pontes A implantação do projeto político pedagógico nas escolas do Sistema Municipal de Educação de Mossoró-RN: o que mudou na escola? Francisca de Fátima Araújo Oliveira Demis Roussos/Assecom RN Aprendentes camponeses: percursos pessoais e profissionais autoformativos na troca dos saberes na academia Ana Lúcia Aguiar Lopes Leandro, Ana Paula Marinho de Lima Educação quilombola e o direito à diferença José Glebson Vieira Escola pública: dos desafios às perspectivas Arilene Maria Soares de Medeiros, Allan Solano Souza Ciclene Alves da Silva Francisca Otília Neta George Peacock: um matemático reformador do século XIX Mércia de Oliveira Pontes Historiando a prática pedagógica de professores da Faculdade de Educação da UERN: permanências e modificações nas ideias pedagógicas ( ) Maria Antônia Teixeira da Costa Giovanni Sérgio Acervo Assecom FAPERN Ciência Sempre 26 3

4 fapern em foco Principal agência de fomento à pesquisa do Rio Grande do Norte reúne pesquisadores e empresários em evento múltiplo 4 Ciência Sempre 26

5 Marco Polo/Agência Sebrae de Notícias Fulano de Tal Os recursos investidos nas cerca de 200 pesquisas ultrapassam os R$20 milhões, oriundos, via de regra, na proporção de três partes do governo federal e uma parte do governo do estado, através da FAPERN. Nos dias 30 e 31/10 cerca de 200 pesquisadores das várias áreas das ciências apresentaram o andamento e possíveis resultados das pesquisas que desenvolvem com recursos da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (FAPERN), em conjunto com agências de fomento nacional como Finep e CNPq. O evento é um momento oportuno para a sociedade conhecer a atuação dos cientistas, quando estão fora dos laboratórios. Os recursos investidos nas cerca de 200 pesquisas ultrapassam os R$20 milhões, oriundos, via de regra, na proporção de três partes do governo federal e uma parte do governo do estado, através da FAPERN. No Programa de Apoio a Núcleos de Excelência Pronex (Editais 010/2009 e 002/2010), cujo objetivo é apoiar a execução de projetos de grupos consolidados, ou seja, com pesquisadores no topo da carreira, estão investidos recursos financeiros de R$ 3,2 milhões, do CNPq e FAPERN. Atualmente, nove grupos são apoiados pelo Pronex. Na outra ponta da carreira acadêmica, os professores recém titulados doutores têm suas pesquisas financiadas pelo Programa de Infraestrutura para Jovens Pesquisadores, também conhecido como Programa Primeiros Projetos (PPP). Nessa edição do PPP (edital 013/2009), foram investidos R$1,2 milhão em 76 projetos desenvolvidos nas quatro instituições de ensino superior públicas localizadas no estado (UFRN, IFRN, UFERSA e UERN). Ciência Sempre 26 5

6 A apresentação e avaliação das pesquisas financiadas pelos Programas Pesquisas aplicadas ao SUS (PPSUS), de Apoio a Núcleos Emergentes (PRONEM) e Desenvolvimento Cientifico Regional (DCR) também compôs o Congresso. Fórum e workshop Na área de apoio à inovação tecnológica, foram apresentados trabalhos financiados por vários editais do Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas e suas modernizações (004/2008, 006/2008, 007/2008, 017/2009 e 001/2011). Através do programa Inova RN, nesses editais foram investidos pouco mais de R$8 milhões, da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e FAPERN em 56 projetos. Juntamente com o Congresso FAPERN de CTI, ocorreram simultaneamente no Hotel Imirá Plaza, em Natal, o I Fórum da Gestão da Inovação, realizado pelo Sebrae/RN e o 2º workshop para formação de redes cooperativas em tecnologias e pesquisa em energia eólica integradas ao setores empresariais. Durante o workshop, foi apresentado o projeto do Instituto Internacional de Tecnologia em Energias Renováveis, que está sendo concebido pelo Governo do RN através da FAPERN, em parceria com a UFRN. Outro objetivo é integrar, por meio de apresentações sucintas, os pesquisadores da área no RN com as empresas da área e outros grupos de pesquisa, nacionais e internacionais. Abertura Com a presença da Governadora Rosalba Ciarlini e uma grande participação de pesquisadores e empresários, a necessidade da cooperação entre academia e empresas foi tema recorrente nas oratórias das autoridades presentes à mesa de abertura do Congresso. Ressaltando a importância da área de CTI para o Governo, Rosalba afirmou que vai empenhar esforços para a aprovação da Lei de Inovação Tecnológica, que se encontra na Assembleia Legislativa. A governadora ainda abordou o Instituto Internacional de Tecnologias em Energias Renováveis como resposta do estado às necessidades de geração de energia, prevendo para o ano de 2013 o início da execução do projeto. Para a presidente da FAPERN, Maria Bernardete Cordeiro de Sousa, é imperativa a interação entre a academia e as empresas, classificando a realização conjunta do Congresso juntamente com o Fórum de Gestão da Inovação, do Sebrae como exemplo prático. Outro aspecto do congresso abordado pela presidente é o ineditismo do modelo em relação às outras fundações de amparo à pesquisa. A reunião dos seminários de avaliação dos vários programas executados pela FAPERN num mesmo evento é uma forma de superutilização dos recursos e ainda o estabelecimento de um eficiente canal de divulgação dos trabalhos para a sociedade, além da reunião dos vários parceiros que atuam junto à FAPERN. A atuação em parceria entre o Sebrae e a FA- PERN foi ressaltada pelo superintendente do órgão, Zeca Melo. A atuação da FAPERN no Conselho Deliberativo do Sebrae tem sido de dedicação, interesse e grande criatividade, o que resulta em intensa contribuição, garantiu Zeca Melo, sobre a atuação de Bernardete como representante da FA- PERN no conselho deliberativo. O superintendente esclareceu que o tema da inovação tem merecido cada vez mais destaque para o sucesso de pequenas e micro empresas, que são o foco do Sebrae e adiantou que estão programados lançamento de editais no valor de R$ 7 milhões para os anos de 2013 e 2014, para atender, cerca de 2 mil empresas. Os editais serão executados junto à FAPERN, no Programa Inova RN. INOVAÇÃO NA MPE As mudanças mercadológicas têm trazido um desafio para as micro e pequenas empresas, aliar criatividade e sustentabilidade, o que é possível através da adoção de um modelo de gestão da inovação. O assunto foi discutido em palestra, durante a abertura do Fórum da Gestão da Inovação, promovido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte, dentro a programação do 2º Congresso FAPERN de Ciência, Tecnologia e Inovação.O evento, que busca difundir e fomentar a cultura de inovação no Estado, trouxe o professor titular de Engenharia de Software na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Silvio Meira, que proferiu a palestra Inovação é a mudança de comportamento, no mercado, de fornecedores e consumidores. De acordo com o docente, o problema da inovação no Brasil é a criação e evolução de novos negócios inovadores de crescimento empreendedor. Para o pesquisador, isso passa diretamente pela educação empreendedora e o incentivo a políticas de Ciência e Tecnologia eficientes, voltadas para a educação média e de base. O incentivo a educação científica cria uma população com maior A atuação da FAPERN no Conselho Deliberativo do Sebrae tem sido de dedicação, interesse e grande criatividade, o que resulta em intensa contribuição, 6 Ciência Sempre 26

7 conhecimento do universo ao seu redor e com um potencial empreendedor muito maior, define. Silvio Meira lembra que o Rio Grande do Norte tem grande potencial para produção de energias renováveis e limpas, como a solar e eólica. Acredito que o RN já tenha esse campo de conhecimento, falta apenas viabilizar um projeto dessa proporção. Para o pesquisador a criação de um mercado baseado na cadeia produtiva dessas energias renováveis, como uma fábrica de hélices, seria um modelo inovador, e com potencial de crescimento, para o Estado. Esse negócio pode não se mostrar viável neste momento, mas, devemos observar as próximas gerações, que trarão novas demandas. Mais tarde, a implantação de uma fábrica de hélices para geradores eólicos pode ser uma realidade para o Rio Grande do Norte, acredita. O diretor superintendente do Sebrae-RN, José ferreira de Melo, lembrou que a iniciativa faz parte das ações do Programa Agentes Locais de Inovação (ALI), que atende atualmente indústrias potiguares instaladas nas regiões da Grande Natal, Mossoró e Vale do Açu, com consultorias in loco. Nós pretendemos atender até 1500 empresas, com esse projeto, até 2013 adiantou. José Ferreira destacou a importância da parceria entre o Sebrae no Rio Grande do norte e FAPERN, para incentivar a articulação entre as empresas e a universidade. A diretora presidente da FAPERN, Maria Bernadete de Sousa, reiterou a necessidade de articular a iniciativa privada e as universidades como forma de trazer esse novo paradigma de mercado, na prática, para perto dos estudantes. A presidente da Instituição destacou que muitas parcerias foram firmadas como forma de fortalecer o fomento a ciência, tecnologia e inovação no estado. Uma das ações significativas deste ano foi o acordo que assinamos com a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), para a ampliação da nossa pós-graduação, enfatizou. (Com informações da Agência Sebrae de Notícias). Um Congresso como este é uma forma de criar um ambiente científico com a cara do RN, afirma professor Apaixonado pelo próprio ofício. É assim que pode ser descrito o professor do Departamento de Física Teórica e Experimental da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Artur da Silva Carriço. Participando do 2º Congresso FAPERN de Ciência, Tecnologia e Inovação para apresentar o andamento e os resultados alcançados pelo grupo que estuda Sistemas Magnéticos Nano-estruturados para Aplicações Biomédicas, com recursos do Programa de Apoio a Núcleos de Excelência (Pronex), Carriço afirmou que é um orgulho fazer parte de uma universidade federal. Com ênfase, garantiu que a sociedade brasileira deve cobrar de seus pesquisadores os resultados de suas pesquisas, afinal ela (a sociedade) nos paga 13 vezes por ano, para fazermos o que fazemos, ponderou. O pesquisador afirmou que o Congresso é que é uma iniciativa muito bem vinda e oportuna, além de ter sido muito organizado, acrescentando que a FAPERN está de parabéns. Um Congresso como este é uma forma de criar um ambiente científico com a cara do Rio Grande do Norte, pois ele permite que pesquisadores e estudantes possam discutir o andamento das pesquisas, opina. Foi ainda ressaltado pelo professor a excelente oportunidade para os pesquisadores conhecerem o que está sendo realizado em áreas de atuação diferentes de suas próprias. Vamos ter resultados que não estavam previstos. É só esperar, garante. Sobre a contribuição do Pronex para a pesquisa é ainda mais enfático: viabilizou a aglutinação de vários pesquisadores em torno de uma ideia comum, gente que estava trabalhando no mesmo assunto, mas de forma separada. Com o Pronex foi preciso assumir compromisso específico, de atingir metas em tempo determinado. O nosso grupo comprou equipamentos e isso facilitou em grande medida o nosso trabalho, afirmou. Ainda que não seja este o objetivo do Pronex, Carriço afirma que ele contribui para a formação de recursos humanos, por que o estudante acaba incorporando o conhecimento dos vários pesquisadores. Mônica Costa Ciência Sempre 26 7

8 Estado do Rio Grande do Norte agora tem sua Lei de Inovação Tecnológica Demis Roussos/Assecom RN Com a sanção da Lei 478 pela governadora Rosalba Ciarlini, no dia 27/12/2012, o Rio Grande do Norte estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa e tecnologia, visando a promoção do equilíbrio regional e do desenvolvimento econômico e social Durante a solenidade, realizada na governadoria, a presidente da FAPERN, Maria Bernardete Cordeiro de Sousa, lembrou que agora o Rio Grande do Norte entra no mapa nacional de estados que dispõem de legislação específica para estimular a inovação tecnológica. O RN é o 18º estado do Brasil e o sexto da região Nordeste a estabelecer um marco regulatório para a atividade. Para Rosalba Ciarlini, a sanção dessa Lei cria condições para que o Rio Grande do Norte desenvolva o setor tecnológico abrindo novas portas de investimentos. A Lei 478/2012 foi aprovada pela Assembleia Legislativa em 12/12. Fato foi noticiado no Portal do MCTI, onde foi informado que a adesão das unidades da Federação às políticas de estímulo à inovação reforça a retomada da competitividade nacional, ao corrigir assimetrias e brechas tecnológicas. 8 Ciência Sempre 26

9 Elisa Elsie/Assecom RN FAPERN completa nove anos lançando 10 editais e chamadas públicas Os investimentos feitos hoje em ciência, tecno- -logia e inovação (CT&I) certamente darão frutos para as gerações futuras, afirmou a governadora Rosalba Ciarlini aos servidores da FAPERN, por ocasião da comemoração dos nove anos de criação da fundação. Para a governadora, a CT&I é a chave do desenvolvimento e deve ser estimulada desde o ensino médio, passando pela graduação e pós-graduação e, especialmente, no setor empresarial. Ela lembrou o editais que a FAPERN esta lançando e que vão unir esforços em educação, cultura e agricultura com CT&I. Agradecendo o empenho dos servidores na execução das ações da FAPERN, a presidente Maria Bernardete Sousa apresentou os 10 editais, cujo lançamento variou de outubro/2012 a janeiro/2013. Bernardete fez referência ao trabalho realizado pelos ex-presidentes José Lacerda e Isaura Rosado, presentes ao evento, e destacou o nome da FAPERN como referência ao fomento à pesquisa do estado. Entre os editais e chamadas que estamos lançando, o Programa de Apoio à Qualificação em Nível de Doutorado para Docentes das Instituições Públicas de Ensino Superior do RN terá grande repercussão na educação superior no nosso estado, pois vamos oferecer bolsas de doutorado para nossos professores, contribuindo assim para a criação de novos grupos de pesquisa e a redução de desigualdades em as mesorregiões do estado, pontuou. Para Maria Bernardete, a FAPERN está consolidada no Sistema Nacional de CTI, tendo ampliado sua atuação, ao longo desse tempo. Atualmente estamos nos aproximando ainda mais das outras secretarias estaduais para ações de fomento e divulgação da ciência, tecnologia e inovação. A FAPERN foi criada pela Lei Complementar 257 no dia 14/11/2003. Os investimentos feitos hoje em ciência, tecnologia e inovação (CT&I) certamente darão frutos para as gerações futuras Ciência Sempre 26 9

10 Estratégias e Ações para Difusão e Popularização do Conhecimento: A Semana Nacional no RN Acervo Assecom FAPERN Carla Yara Soares F. Castro Professora-Doutora da Faculdade de Serviço Social da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN) e técnica da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte (FAPERN) Luciana Jeannie Bezerra Mendes Mestre em Irrigação e Drenagem. Bolsista da Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte Exposição das escolas na RNCIÊNCIA, Fonte: FAPERN, Natal, A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT) acontece no Brasil desde O maior evento de divulgação científica do país a cada ano vem abordando temas relevantes para a nação, dentre estes, ciência, meio ambiente, sustentabilidade, saúde, pobreza. No ano de 2012, entre 15 a 21 de outubro, o tema Economia verde, sustentabilidade e erradicação da pobreza foi trabalhado pelas instituições vinculadas ao sistema C&T, ou seja, universidade e institutos de pesquisa; centros e museus de ciência e tecnologia; escolas públicas e privadas; secretarias estaduais e municipais de ciência e tecnologia, secretarias de educação e parque ambiental. 10 Ciência Sempre 26

11 Tabela1. Instituições participantes da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, Nº INSTITUIÇÃO 1 Centro de Lançamento da Barreira do Inferno 2 Corpo de Bombeiros Militar CBM/RN 3 Diretorias Regionais - DIREDs 4 Empresa de Pesquisa Agropecuária do RN - EMPARN 5 Instituto de Desenvolvimento Sustentável e Meio Ambiente - IDEMA 6 Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia - IFRN 7 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE 8 Marinha do Brasil 9 Museu Câmara Cascudo 10 Museu de Morfologia da UFRN 11 Parque Estadual Dunas de Natal 12 Secretaria Estadual de Educação e Cultura - SEEC 13 Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas do RN - SEBRAE/RN 14 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN 15 Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN 16 Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA A finalidade principal do evento é mobilizar a população em torno de temas e atividades de Ciência, Tecnologia e Inovação, valorizando a criatividade e a atitude científica. O objetivo é estimular em todo Brasil atividades de difusão de conhecimentos científicos e tecnológicos e ações inovadoras relacionados com o tema. O Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) é o responsável pela coordenação nacional da SNCT, por meio da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis) e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) como principal órgão financiador das atividades. No Estado do Rio Grande do Norte, a organização e realização é capitaneada pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte, através da Diretoria Científica. O evento intitulado Semana Potiguar de Ciência e Tecnologia iniciou-se no ano de 2006, na gestão de José Lacerda Alves Felipe, tendo continuidade com os gestores subsequentes. No ano de 2012, a Semana Potiguar concentrou uma ampla e diversificada programação a partir do dia primeiro (1º) de outubro e se estendeu no decorrer do referido mês. A promoção das atividades envolveram as duas (02) universidades federais; a universidade estadual; noventa (90) escolas públicas estaduais; quinze (15) escolas municipais; dezesseis (16) diretorias regionais de educação; instituto federal de educação, ciência e tecnologia; museus; entidades científicas e tecnológicas; parque ambiental; secretarias estaduais e municipais; empresas privadas; órgãos governamentais e outras entidades da sociedade civil. Dentre as atividades que foram desenvolvidas durante a SNCT destacam-se: 1. Feiras e Mostras de ciência 1.1. Semana de Ciência, Tecnologia e Cultura (CIEN- TEC), evento da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) que contempla exposições interativas e transdisciplinares, enfocando as produções dos Centros Acadêmicos e dos órgãos especiali- Exposição das escolas na RNCIÊNCIA, Fonte: FAPERN, Natal, Acervo Assecom FAPERN Ciência Sempre 26 11

12 Acervo Assecom FAPERN zados e suplementares, como também, estabelece uma interface e interação com a sociedade. São realizados ainda eventos acadêmicos, Congressos, Seminários, Oficinas, Cursos e Exposição de Banners, bem como promove a produção e a integração acadêmico-cultural, abarcando eventos artísticos Mostra de Iniciação ao Conhecimento Científico, Tecnológico e Cultural (RNCIÊNCIA), evento conduzido pela Secretaria de Estado da Educação e da Cultura (SEEC) que tem como objetivo promover a melhoria e atualização da pesquisa na Escola Básica, com ações e atividades que valorizem e estimulem a criatividade, a experimentação e a interdisciplinaridade, além de palestras e apresentações artístico-culturais Curso de capacitação, que foi destinado a jornalistas e pesquisadores, e teve como tema Interações entre Mídia e Ciência. O evento abordou a discussão sobre política científica e política tecnológica; os novos modelos e paradigmas para o jornalismo que acompanha a temática de ciência e tecnologia; a relação entre pesquisador e imprensa, assim como, a importância da mídia para a divulgação do conhecimento científico construído nos espaços das universidades, institutos de pesquisa, entre outros. 3. congresso 3.1. II Congresso FAPERN, evento realizado nos dias 30 e 31 de outubro de 2012, onde foram avaliados e conhecidos o andamento e os resultados de 200 pesquisas apoiadas pela Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Norte em parceria com outros órgãos de fomento, assim como, possibilitou socializar as políticas estaduais de apoio ao desenvolvimento científico e tecnológico e de promover a integração dos diversos setores envolvidos com a CT & I no estado. 4. Pesquisador vai à Escola Pesquisador vai à Escola. Fonte: FAPERN, Mossoró, mídia e ciência 4.1. Trabalho voluntário realizado por pesquisadores de Universidades e Instituições de ensino e pesquisa apoiadas pela FAPERN e que consiste na realização de palestras nas escolas públicas e privadas, para a divulgação das ações de Ciência e Tecnologia desenvolvidas no Estado do Rio Grande do Norte. 5. Escola Vê Ciência 5.1. Compreende as atividades programadas por Instituições parceiras que abrem as portas para vi- 12 Ciência Sempre 26

13 sitação e demonstração de seus serviços, possibilitando aos alunos e professores da rede de ensino do RN, a vivência e a experimentação da ciência e da tecnologia desenvolvida no Estado. A IV edição da Semana Potiguar revestiu-se de êxito, tendo em vista a expressiva participação e envolvimento de pessoas, notadamente alunos das escolas públicas, e das instituições de ensino e pesquisa nas mais variadas atividades desenvolvidas, bem como, a ampliação dos canais de divulgação como jornais, material informativo e promocional, mídia eletrônica, principalmente a homepage (www.fapern.rn.gov.br). 6. Excursões Científicas 6.1. Atividades voltadas a alunos das escolas públicas do interior do estado e que contemplam visitas a eventos, feiras e instituições que desenvolvem ações ligadas a ciência, cultura e arte. Além das atividades já elencadas, ocorreram no período oficinas científicas; colóquio de iniciação científica; exibição de filmes e vídeos científicos; distribuição de folders, revistas, cartilhas, encartes, kits, livros e outros materiais educativos; programas em rádios e TVs. Na sua totalidade, a Semana Potiguar de Ciência e Tecnologia contou com 13 parceiros institucionais (UFRN, UERN, UFERSA, IFRN, SEEC, SEBRAE, EMPARN, INPE, BARREIRA DO INFERNO, MARINHA, IDEMA, SEDEC e Corpo de Bombeiros), 84 municípios participantes, aproximadamente alunos envolvidos e impressos (livros, revistas, cartilhas, folders) e materiais (kits e canetas) distribuídos. Evidenciando que as ações desenvolvidas durante o evento são uma oportunidade privilegiada para a vivência e a experimentação da ciência, da tecnologia e da inovação desenvolvida no nosso estado, tendo em vista estimular o processo de construção e reconstrução do conhecimento de forma integrada e participativa; bem como oportunizar a comunidade acadêmica momentos de socialização dos seus experimentos e produções cientificas, em sinergia com a sociedade. Diretor de Popularização e Difusão da Ciência do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI), Ildeu Castro Moreira foi palestrante no Curso de Capacitação Mídia e Ciência (Entre Luciana e Carla). Acervo Assecom FAPERN Tabela 2. Escolas participantes da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia 2012 Nº ESCOLA 1 E. E. ALBERTO TORRES 2 E. E. ANA JÚLIA DE C. MOUSINHO 3 E. E. CASTRO ALVES 4 E. E. CASTRO ALVES 5 E. E. IMPERIAL MARINHEIRO 6 E. E. JEAN MERMOZ 7 E. E. JORGE FERNANDES 8 E. E. NESTOR LIMA 9 E. E. PROF PAULO PINHEIRO DE VIVEIROS 10 E. E. PROFº JUDITH BEZERRA DE MELO 11 E. E. SEBASTIÃO FERNANDES DE OLIVEIRA 12 E. E. SEVERINO BEZERRA 13 E. E. TIRADENTES 14 E. E. UNIÃO DO PÓVO DE CIDADE NOVA 15 E. E. VALE DO PITIMBU 16 CENEP - Centro Estadual de Educação Profissional Senador Jessé Freire Tabela 3. Instituições participantes da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, Nº INSTITUIÇÃO 1 Centro de Lançamento da Barreira do Inferno 2 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE 3 Museu de Morfologia da UFRN 4 Museu Câmara Cascudo 5 Marinha do Brasil 6 Parque Estadual Dunas de Natal Ciência Sempre 26 13

14 Edital 012/ PROGRAMA DE BOLSAS DE FORMAÇÃO ACADÊMICA MODALIDADE: MESTRADO E DOUTORADO RELAÇÃO DE PROGRAMAS CONTEMPLADOS E OS RESPECTIVOS NÚMEROS DE COTAS CONCEDIDAS Conceito/ Ano de Quotas Quotas Nome do Programa Instituição Capes Criação Concedidas Concedidas Mestrado Doutorado Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Comunicação e Automação UFERSA Programa de Pós-Graduação em Ambiente,Tecnologia e Sociedade UFERSA Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia UFERSA Programa de Pós-Graduação em Patologia Oral UFRN Programa de Pós-Graduação em Neurociências UFRN Programa de Pós-Graduação em Produção Animal UFRN Programa de Pós-Graduação em Fisioterapia UFRN Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Computação UFRN Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais UFRN Programa de Pós-Graduação em Educação Física UFRN Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas UFRN Programa de pós-graduação em Bioquímica UFRN D 1996 M 0 2 Programa de Pós-Graduação em Física UERN Programa de Pós-Graduação em Psicologia UFRN 5 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica UFRN M 2010 D 1983 M 2006 D Programa de Pós-Graduação em Estudos da Mídia UFRN M 1 0 Programa de Pós-Graduação em Turismo UFRN Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente UFRN 4 Programa de Pós-Graduação em Enfermagem UFRN M 2010 D 2001 M 2011 D Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas UFRN Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil UFRN Programa de Pós-Graduação em Sistemática e Evolução UFRN Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva UFRN Programa de Pós-Graduação em Letras UERN Programa de Pós-Graduação em Administração UFRN M 2006 D 0 1 Programa de Pós-Graduação em Demografia UFRN Programa de Pós-Graduação Ciências Naturais UERN Programa de Pós-Graduação Ciências da Saúde UFRN Programa de Pós-Graduação em Ciência Animal UFERSA Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais e Humanas UERN Programa de Pós-Graduação em Química UFRN M 2002 D 1 0 Programa de Pós-Graduação em Ecologia UFRN Programa de Pós-Graduação em Educação UERN Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social UFRN Programa de Pós-Graduação em Música UFRN Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação UERN Programa de Pós-Graduação em Saúde e Sociedade UERN Programa de pós-graduação em Ciências Climáticas UFRN M 2009 D 0 4 TOTAL Ciência Sempre 26

15 entrevista Rio Grande do Norte será um polo de tecnologia da informação e hardware Para secretário de Desenvolvimento Econômico, estado tem grandes potencialidades para capacitar mão de obra especializada, para desenvolver aplicativos e equipamentos de tecnologia da informação e comunicação. Rogério Marinho Secretário de Desenvolvimento Econômico Durante seu mandato como deputado federal, o senhor viabilizou uma emenda carreando recursos para a FAPERN. Agora como secretário, o que o senhor pensa, nesse sentido de conseguir mais recursos paras as ações da FAPERN? Sabendo que cada real investido pelo governo do estado, como contrapartida nos editais, são gerados mais três ou quatro reais do fundo de financiamento a nível federal, que é o FINEP, essa é uma oportunidade que não podemos perder. Na condição de secretário, conversei com a presidente Bernardete e levantamos as pendências em contrapartida referentes aos anos anteriores e estamos juntos com a Secretaria de Planejamento fazendo um escalonamento para gerar adimplência da FAPERN para que ela possa se habilitar a futuros editais. Ciência Sempre 26 15

16 Há um plano sobre um parque tecnológico... Dentro do Programa Crescer RN, estamos trabalhando na elaboração de um termo de referência que servirá na contratação de uma consultoria, que formatará para o estado um modelo de governança e um modelo de utilização de espaço físico para um parque de tecnologia misto. Com atenção maior para energia, tanto petróleo e gás, que são mais tradicionais, como as energias renováveis (como biomassa, energia solar e energia eólica), mas ao mesmo tempo abrindo espaço para outras vertentes da área de tecnologia, como software e áreas de prototipagem. Há num entorno da Universidade Federal do Rio Grande do Norte um grande numero de empresas que estão ali no ambiente em função do ambiente acadêmico. Mas é necessário definirmos uma área geográfica. Damos um tratamento tributário e estruturante a esta área para que as empresas que estão sendo incubadas possam ser desincubadas numa área física e com tratamento tributário diferenciado de redução de alíquota e imposto elas tenham competitividade no mercado. Esse ambiente dá uma sinergia com áreas que tenham serviços como restaurante, hotéis, centro de convivências. Porque este local tem que ser autossustentável. Os recursos (20 milhões de dólares para estrutura e um milhão de dólares para projetos) são do Banco Mundial. Esse é um trabalho que estamos fazendo com a FAPERN com recursos. O Instituto Internacional de Tecnologias e Energias Renováveis estaria também contemplado nesse Parque? Até porque como o terreno é da UFRN, e ele tem valor venal, a ideia é comprar o terreno da pagando não em dinheiro, mas em equipamentos que serão utilizados pela universidade na própria gestão do parque tecnológico (como laboratórios, incubadoras de empresa, salas de aula, centro de pesquisas). E nesse contexto é evidente que o instituto tem seu espaço justamente na área de energia. O instituto voltado para a aplicação da pesquisa pura que pode e deve fazer uma sinergia com o CTGAS, que tem uma aplicação mais direta no dia a dia das empresas. Há prazos estipulados? Até 30 de abril, o termo de referência deverá estar pronto. Esse termo vai apresentar o modelo do parque tecnológico e sua governança que é o SPE (sociedade de propósitos específicos) e definir qual é o investimento de infraestrutura e os projetos básicos executivos provenientes dos investimentos, para no fim dessa consultoria termos capacidade de fazer a licitação e contratarmos a empresa para fazer a infraestrutura. O Instituto Metrópole Digital foi uma proposição sua. Fale um pouco disso. O Metrópole Digital treina quase 2500 programadores de software por ano, incuba 20 empresas e junto com ele vieram cursos de engenharia na área de macro eletrônica, bacharelados em ciência e tecnologia, engenharia de software e cursos de pós-graduação. Houve um estimulo e uma sinergia como ambiente universitário, que tem gerado um impacto na sociedade como um todo. Eu acredito firmemente que a tecnologia da informação, tanto nas redes sociais quanto na prototipagem, na área de hardware, nos aplicativos mais variados, tem uma capacidade impactante de mudar a realidade das sociedades em que essa tecnologia é incorporada. Eu considero que se dá um circulo virtuoso na economia. Os alicerces desse processo no estado já foram plantados. A UFRN, que tem uma longa tradição de parceria com a iniciativa privada, através da Petrobras na questão de petróleo e gás, hoje é líder no Brasil na área de (desenvolvimento de) software de controle na administração publica, já sendo utilizados pelas principais universidades do país, ministérios e a nossa Secretaria Estadual de Educação, o que mostra a competitividade, o empreendedorismo, a capacidade dos nossos técnicos. Natal tem vantagens comparativas enormes em relação a outros lugares do mundo para estabelecer aqui um pólo de tecnologia importante, que pode impactar firmemente nosso PIB. Toda essa gama de pesquisadores, de pessoas, são remunerados com valores muito acima do nosso mercado de trabalho. É um emprego de qualidade e cada posto gera quatro, cinco, empregos na nossa economia. O Rio Grande do Norte está maduro para ter uma rede de conectividade de fibra ótica por todo o estado para nos dar velocidade e ambiente de conectividade em dados criptografados, em velocidade de voz e dados. O Instituto Metrópole Digital vai ter um data center que certamente será o mais moderno do país e nós temos que surfar nessa onda. Os primeiros passos foram dados, a semente foi plantada e agora é aguar, regar e cuidar para que em médio prazo a gente tenha um grande pólo de tecnologia da informação e hardware no Estado do Rio Grande do Norte. Cada real investido pelo governo do estado, como contrapartida nos editais, são gerados mais três ou quatro reais (...) a nível federal. Essa é uma oportunidade que não podemos perder 16 Ciência Sempre 26

17 Dossiê DIREDs Ciência Sempre 26 17

18 1ª Dired foca alternativas para a construção civil e resíduos orgânicos Além disso, na Escola Estadual. Ana Julia, a construção de terrários ajuda no estudo do comportamento do solo. Por Isadora Oliveira Tijolos ecológicos, uma alternativa na construção civil Na Escola Estadual Raimundo Soares, localizada no Bairro Cidade Esperança, está sendo realizado um projeto resultante de pesquisas sobre o comportamento químico dos chamados Tijolos ecológico. Esse projeto é coordenado por João Batista, professor de química do 1º ao 3º ano, conta com a participação de duas alunas do 3º ano do Ensino Médio, Ana Catarina e Crislayne Dias. Na produção dos tijolos ecológicos são utilizados restos de materiais considerados pesados e nocivos à natureza: raspas de pneu, isopor, gesso e garrafa pet. Por meio da confecção desses tijolos, torna- -se possível a eliminação de certos resíduos jogados indevidamente na natureza. O laboratório de química utilizado pelos alunos da escola foi construído inteiramente por tijolos ecológicos. No entanto, apesar disso, ainda há necessidade de que sejam realizadas pesquisas mais aprofundadas para que se alcance o objetivo de viabilizar o uso desses tijolos em construções de grande porte. Problemas como desgaste dos tijolos afetando a sua resistência é o fato que ainda mais preocupa. Porém desde sua construção em 2010, o laboratório continua erguido e firme. Em 2011, foram iniciados os estudos sobre o comportamento térmico no interior da construção feita por tijolos ecológicos. Comprovou-se que dentro do laboratório a sensação térmica é mais agradável em comparação a construções feitas com tijolos normais e isso acontece devido ao isopor ser um excelente isolante térmico. O projeto está sendo realizado há três anos e atualmente conta com o financiamento da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e do químico João Batista, pois este foi um dos grandes idealizadores e impulsionadores dessa importante iniciativa sustentável. 18 Ciência Sempre 26

19 Crislayne Dias além de enfatizar a importância do projeto para sua vida acadêmica também afirma que ele a ajudou a vencer sua timidez. Antes falar em público, explicar, apresentar um trabalho era muito difícil para mim, conta. Crislayne se mostra bastante animada com tudo que aprendeu Tudo que seja criar, inventar eu curto, conclui. Aproveitando e reaproveitando os resíduos orgânicos Estudantes da Escola Estadual União do Povo de Cidade Nova, localizada em Natal/RN, estão desenvolvendo meios para reaproveitamento de resíduos orgânicos. O projeto é coordenado pelos professores de química e física, Max Alexandre e Freud Medeiros, respectivamente, contando com aproximadamente 20 alunos do 1º e 2º ano do Ensino Médio, dentre eles, Lidiane Souza e Anderson Faustino do 2º ano. Segundo os representantes, o objetivo é satisfazer as necessidades humanas equilibrando com a exploração coerente dos recursos naturais. Para que assim desenvolvam-se alternativas sustentáveis. Uma das problemáticas destacadas pelo grupo de pesquisa foi a liberação de gases poluentes na atmosfera, que são expelidos por animais ruminantes. Por esse motivo, criou-se a proposta de produzir um biodigestor a partir de fezes bovinas. Produzido com materiais reciclados, as garrafas pet ligadas por tubos veio mostrar, a partir da mistura de esterco e água, o funcionamento de um biodigestor caseiro. Sendo esses resíduos orgânicos responsáveis pela liberação do gás metano. De acordo com Lidiane Souza, ao ser instalado um motor paralelamente ao protótipo do biodigestor, o gás metano preso no interior da garrafa pet promove a produção de energia elétrica. Em complemento, Anderson Faustino afirma que essa técnica de aproveitamento de resíduos orgânicos por meio de biodigestores já é utilizada em países como a Alemanha. O restante da mistura de esterco e água presente na outra garrafa é transformado em adubo através da compostagem orgânica. Logo, é possível perceber que nada deixa de ser aproveitado e reaproveitado. De acordo com Anderson Faustino a produção de alternativas sustentáveis é de grande importância para a vida do planeta e daqueles que nela habitam. O incentivo dos professores e das escolas na promoção dessa importante temática veio conscientizar os jovens. Estudos práticos de botânica e a construção de terrários Na Escola Estadual Professora Ana Julia Mousinho, no Parque dos Coqueiros, é desenvolvido um projeto que busca na construção de Terrários o estudo do solo e da planta. Esse estudo é coordenado por Sandra Luiza, professora de Biologia do 1º ao 3º ano do Ensino Médio e conta com a participação de duas alunas do 3º anos, Mariana Targino e Roberta Brenda. O Terrário simula um ecossistema. Ele é criado num recipiente, geralmente de vidro, e o solo é composto por camadas de pedras, carvão, areia e adubo, sendo o adubo responsável pelo fornecimento de sais e nutrientes para a planta. Embora ocorra normalmente o ciclo da água no interior do Terrário e a planta não morra por falta dessa importante substância, ela não consegue sobreviver por um longo período de tempo. Isso acontece porque a planta é atacada por microfungos. E também por não possui uma grande quantidade de nutrientes para combatê-los. Observou-se que em solo aberto a quantidade e qualidade de vida da planta são bem maiores. Afinal ela, nesse ambiente, ela possui maiores condições de realizar processos primordiais para a manutenção da sua vida como o processo da fotossíntese em que ela produz seu alimento. A aluna Roberta Brenda, apesar de não gostar de Botânica, admite sentir interesse e desejo de seguir a linha de pesquisas científicas, porém na área Biomédica. Ela afirma que trabalhos que incentivem a pesquisa científica são importantes na construção do conhecimento dos alunos e em suas vidas acadêmicas. Antes falar em público, explicar, apresentar um trabalho era muito difícil para mim. Ciência Sempre 26 19

20 Educação ambiental como ferramenta para a melhoria da formação básica Com Projeto, escola da 2ª Dired, em Parnamirim, foi finalista no prêmio Microsoft de Educadores Inovadores no ano de 2011 Por Alice Andrade Produção textual ecologicamente correta Proteção ambiental, utilização da tecnologia da informação de maneira positiva e incentivo à produção textual. São esses os objetivos do projeto Ecologia e Produção Textual, da Escola Estadual Presidente Roosevelt, em Parnamirim. Iniciado há dois anos, ele envolve alunos das três séries do ensino médio e o trabalho tem a duração de um semestre. As autoras são Cláudia Maria Gomes de Araújo, Adriana da Cruz Barbalho e Karla Ronise Peixoto dos Santos e Silva. Segundo Cláudia, professora de Língua Portuguesa, o projeto foi criado para suprir as necessidades dos alunos em relação à produção textual. Nossa ideia nasceu da deficiência dos alunos na hora da escrita., contou. 20 Ciência Sempre 26

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar

Ana possui uma promissora. Ambiente virtual para inovar Ambiente virtual para inovar Secti lança Portal Paraense de Inovação para conectar atores estratégicos e aumentar investimento em inovação no Pará Por Igor de Souza Ana possui uma promissora empresa de

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015.

CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 144, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015. Institui os Programas de Apoio ao Desenvolvimento da Ciência, Tecnologia e Inovação à Pesquisa e à Formação de Recursos Humanos em Ciência

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração

INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE. Palestra para o Conselho Regional de Administração INSTRUMENTOS DE DESENVOLVIMENTO DAS MPEs OFERTADOS PELO SEBRAE Palestra para o Conselho Regional de Administração 1 O QUE É O SEBRAE? 2 O Sebrae O Serviço de Apoio às Micros e Pequenas Empresas da Bahia

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB

Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Salvador, 21 de setembro de 2015 Carta Documento: pela construção e implementação de uma Política de Educação do Campo na UNEB Nos dias 19, 20 e 21 de agosto de 2015 realizou-se no Hotel Vila Velha, em

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO

03 eixos de atuação: ENSINO PESQUISA - EXTENSÃO A Universidade de Cruz Alta, possui uma área construída de 35.785,92m² em seu Campus Universitário, abrigando, nesse espaço, 26 cursos de graduação, cursos de especialização e mestrado, 119 laboratórios,

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA

PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA PLANO ESTADUAL DE CULTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PLANO SETORIAL DO LIVRO E LEITURA Introdução O Plano Setorial da Superintendência da Leitura e do Conhecimento do Estado do Rio de Janeiro é fruto

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA

CONSELHO TEMÁTICO DA MICRO, PEQUENA E MÉDIA INDÚSTRIA ASSUNTOS TRATADOS Cartilha sobre produtos e serviços bancários para Micro e Pequenos Empresários Apresentação dos cases de sucesso e fracasso no setor da Construção Civil Notícias sobre o Fórum Permanente

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ITINERÁRIOS FORMATIVOS: CAMINHOS POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Resumo Gabriel Mathias Carneiro Leão1 - IFPR, UFPR Rosane de Fátima Batista Teixeira2 - IFPR Grupo de Trabalho Cultura, Currículo e Saberes

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Questionário Linha de Base: Educadores Estado: Cidade: Nome Pesquisador: Sala N : Professor N : [Estes dados devem ser preenchidos pelo pesquisador] Boas vindas Caro(a) Educador(a): O objetivo deste questionário

Leia mais

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012

COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 COMUNICADO n o 001/2012 ÁREA DE ENSINO ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Ensino PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIAS INTELIGENTES E FEIRA TECNOLÓGICA EDIÇÃO 2015 SUMÁRIO EXECUTIVO Data do Evento: 19 a 21 de outubro de 2015 Local: Hotel Bourbon Cataratas Convention & Spa / Foz do

Leia mais

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão

FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão FÓRUM DAS ESTATAIS PELA EDUCAÇÃO Diálogo para a Cidadania e Inclusão 1. OBJETIVO DO FÓRUM O Fórum das Estatais pela Educação tem a coordenação geral do Ministro Chefe da Casa Civil, com a coordenação executiva

Leia mais

ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT)

ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 ATA DA 2ª REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DO CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA (COMCIT) Aos dois dias do mês

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia A Coppe Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia nasceu disposta a ser um sopro de renovação na

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015

XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 XVI Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação 22 a 24 de julho de 2015 Modelo 2: resumo expandido de relato de experiência Resumo expandido O Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede de Disseminação, Informação e Capacitação PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria da Micro e Pequena Empresa Fórum Permanente de Microempresas e Empresas de Pequeno Porte MEMÓRIA: Reunião Preparatória do Comitê Temático de Inovação e Crédito GT Rede

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação

:: LINHAS DE AÇÃO. Apoio aos Municípios. Tecnologia e Informação em Resíduos. Promoção e Mobilização Social. Capacitação :: LINHAS DE AÇÃO Apoio aos Municípios Tecnologia e Informação em Resíduos Capacitação Promoção e Mobilização Social :: PRESSUPOSTOS DA COLETA SELETIVA Gestão participativa Projeto de Governo Projeto da

Leia mais

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial

Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Faculdade de Comunicação e Artes Habilitação em Jornalismo Tema 3 O BNDE e a inserção brasileira no capitalismo industrial Economia Brasileira Professora Eleonora Bastos Horta Dayse dos Santos Frederico

Leia mais

Política de Software e Serviços

Política de Software e Serviços Política de Software e Serviços Encontro de Qualidade e Produtividade em Software - Brasília Dezembro / 2003 Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria de Política de Informática e Tecnologia Antenor

Leia mais

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje?

Entrevista Como é o trabalho desenvolvido pelo Departamento? Quantos Fóruns Permanentes de Micro e Pequenas empresas existem hoje? Entrevista A diretora do Departamento de Micro, Pequenas e Médias Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Cândida Cervieri, foi entrevistada pelo Informativo RENAPI.

Leia mais

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR

Planejamento Estratégico. Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Planejamento Estratégico Departamento de Antropologia / Programa de Pós-Graduação em Antropologia - UFPR Visão Oferecer ensino de excelência em nível de Graduação e Pós-Graduação; consolidar-se como pólo

Leia mais

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade

Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Rede de Responsabilidade Social Empresarial pela Sustentabilidade Existe a compreensão evidente por parte das lideranças empresariais, agentes de mercado e outros formadores de opinião do setor privado

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA

SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA SUA ESCOLA, NOSSA ESCOLA PROGRAMA SÍNTESE: NOVAS TECNOLOGIAS EM SALA DE AULA Resumo: O programa traz uma síntese das questões desenvolvidas por programas anteriores que refletem sobre o uso de tecnologias

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO

PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR - RELATO DA EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA COM ALUNOS DO 3ºANO NA EEEF ANTENOR NAVARRO OLIVEIRA, Khomar Tander s (Bolsista do PIBID) PAULINO, Jailson da Silva

Leia mais

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação

Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Diretrizes curriculares nacionais e os projetos pedagógicos dos cursos de graduação Curso de Atualização Pedagógica Julho de 2010 Mediador: Adelardo Adelino Dantas de Medeiros (DCA/UFRN) Diretrizes Curriculares

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS

CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL COM ESTUDANTES ORIUNDOS DA ZONA RURAL DO MUNICÍPIO DE PELOTAS EJE. Comunicacion y Extensión PETER, Cristina Mendes ¹; ZANI João Luiz ²; MONTEIRO, Alegani Vieira³; PICOLI,Tony

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE O PARFOR 1. Como são os cursos ofertados pela plataforma freire e quais os benefícios para os professores que forem selecionados? O professor sem formação poderá estudar nos

Leia mais

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL

RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL RESUMO O HOMEM E O RIO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A SUSTENTABILIDADE DO RIO PARAÍBA DO SUL UNITAU - Universidade de Taubaté CBH-PS Comitê de Bacias Hidrográficas do Rio Paraíba do Sul Trabalho realizado

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA

RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA RELATÓRIO DE MISSÃO INTERNACIONAL À ALEMANHA Participantes: Dr. Roberto Simões, presidente do CDN (Conselho Deliberativo Nacional) e Dr. Carlos Alberto dos Santos, Diretor Técnico do Sebrae Nacional. Objetivo:

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO

ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO 1 ESCOLA ESTADUAL JOAQUIM GONÇALVES LEDO PROJETO INTERDISCIPLINAR HORTA EM GARRAFA PET: UMA ALTERNATIVA PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE IVINHEMA/MS - DISTRITO DE AMANDINA 2013 2 ESCOLA ESTADUAL

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O

P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O P R E F E I T U R A M U N I C I P A L D E B A U R U E s t a d o d e S ã o P a u l o S E C R E T A R I A D A E D U C A Ç Ã O E. M. E. F. P R O F ª. D I R C E B O E M E R G U E D E S D E A Z E V E D O P

Leia mais

e Inovação Contemporâneas

e Inovação Contemporâneas DOCUMENTO RESULTANTE DO Simpósio Ciências Humanas e Sociais nas Políticas de Ciência, Tecnologia e Inovação Contemporâneas Realizado pelo Fórum de Ciências Humanas, Ciências Sociais e Ciências Sociais

Leia mais

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT

Anexo V - A. Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Anexo V - A Proposta de um Novo Programa de Trabalho e Funcionamento da RECYT Breve Histórico A Reunião Especializada em Ciência e Tecnologia do MERCOSUL RECYT, criada em 1992, realizou a sua primeira

Leia mais

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA

DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA DIRETRIZ NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PROMOCÃO SOCIAL E DESENVOLVIMENTO COOPERATIVISTA Área de Atuação 1. Formação Profissional Cooperativista São ações voltadas à formação, qualificação e capacitação dos associados,

Leia mais

Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015. VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_

Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015. VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_ Instituto Federal do Espírito Santo EDITAL 04 /2015 VI SEMINÁRIO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO _ 21 e 22 DE OUTUBRO DE 2015_ O Diretor do Instituto Federal do Espírito Santo e a Comissão

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

TETRA PAK E ONG NOOLHAR Projeto Cultura Ambiental nas Escolas Oficina Educação para Sustentabilidade

TETRA PAK E ONG NOOLHAR Projeto Cultura Ambiental nas Escolas Oficina Educação para Sustentabilidade TETRA PAK E ONG NOOLHAR Projeto Oficina Educação para Sustentabilidade Auditório da Secretaria de Educação e Cultura Cabedelo, Paraíba (PB) Educador Ambiental: William Monteiro Rocha Cidade: Cabedelo (Paraíba)

Leia mais

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira.

BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA. Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 1 PROJETO SETORIAL INTEGRADO BRASIL ARTE CONTEMPORÂNEA Programa Setorial Integrado de Promoção às Exportações da Arte Contemporânea Brasileira. 2 Introdução O Ministério da Cultura, sugeriu a Fundação

Leia mais

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo

Amanda Aroucha de Carvalho. Reduzindo o seu resíduo Amanda Aroucha de Carvalho Reduzindo o seu resíduo 1 Índice 1. Apresentação 2. Você sabe o que é Educação Ambiental? 3. Problemas Ambientais 4. Para onde vai o seu resíduo? 5. Soluções para diminuir a

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos

Sheet1. Criação de uma rede formada por tvs e rádios comunitárias, para acesso aos conteúdos Criação de um canal de atendimento específico ao público dedicado ao suporte de tecnologias livres. Formação de comitês indicados por representantes da sociedade civil para fomentar para a ocupação dos

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014

Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) na UFMT Prof. Dr. Carlos Rinaldi Cuiabá, UFMT, 2014 Hoje, no Brasil, são inúmeras as Instituições de Ensino credenciadas para oferecer cursos na modalidade de

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento e Planejamento Urbano

Secretaria de Desenvolvimento e Planejamento Urbano VIII SEMANA MUNICIPAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 20 A 25 DE OUTUBRO DE 2013 A Semana Nacional de Ciência e Tecnologia foi criada em junho/2004, através do Decreto Lei nº9, visando à popularização e democratização

Leia mais

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012

Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 Não fique para trás! Submeta seu projeto. Fonte de recursos para projetos julho 2012 1. Patrocínios 1.1 Patrocínio a Eventos e Publicações Data limite: 60 dias de antecedência da data de início do evento

Leia mais

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO

ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO ORIENTAÇÕES: NORMAS E PRAZOS PARA INSCRIÇÃO DE PROJETOS PARA A IV MOSTRA REGIONAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA REDE ESTADUAL DE ENSINO 1 INTRODUÇÃO A Política Estadual de Educação Ambiental tem como princípios

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Escola Luiz César de Siqueira Melo

Escola Luiz César de Siqueira Melo Escola Luiz César de Siqueira Melo PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S.A Elaboração: Prof. Elias Alves de Souza I - APRESENTAÇÃO O cultivo de açúcar foi introduzido no Brasil em 1532

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DA ECONOMIA DE EUNÁPOLIS Eunápolis, Julho/2013 1. CONTEXTUALIZAÇÃO Eunápolis possui a terceira maior população do Extremo Sul da Bahia estimada em 102 mil habitantes, sendo

Leia mais

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI)

1 Disseminar a cultura de empreender e inovar, fortalecendo as ações do Comitê de Empreendedorismo e Inovação (CEI) Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Visão: "Que em 2020 Santa Maria e região sejam referência pela capacidade de empreender,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Eficiência energética, como ser competitivo, sustentável e inovador na atualidade

Eficiência energética, como ser competitivo, sustentável e inovador na atualidade Eficiência energética, como ser competitivo, sustentável e inovador na atualidade O papel do Governo do ES por meio da Secretaria da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Trabalho 1 Planejamento

Leia mais