TV a Cabo: Detecção de Vazamento de Sinais na Rede

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TV a Cabo: Detecção de Vazamento de Sinais na Rede"

Transcrição

1 TV a Cabo: Detecção de Vazamento de Sinais na Rede Este tutorial tem por objetivo abordar os aspectos teóricos e práticos da detecção de vazamento de sinais de Radiofreqüência nas redes de TV a Cabo. Esse tema é especialmente relevante, quando se considera a necessidade das operadoras atenderem as normas existentes para as suas redes, e este tutorial procura descrever um procedimento de detecção de vazamento de sinais de RF. Gianfranco Muncinelli Engenheiro Eletricista pela Universidade Federal de Santa Catarina, em Recebeu o título de Especialista em Engenharia Elétrica, concentração em Concepção e Análise de Dispositivos Eletromagnéticos, na mesma Universidade, em Especialista em Moderna Gestão Empresarial, também pela Universidade Federal de Santa Catarina, em Especialista em Telecomunicações pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná em Mestre em Ciências pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (ex CEFET-PR), área de concentração em Telemática, cujo tema da dissertação foi Aplicação do Método das Linhas de Transmissão (TLM) no Estudo de Distúrbios Não Contínuos em Linhas Digitais Assimétricas de Assinante (ADSL), em Trabalhou na NET Florianópolis, operadora de TV a Cabo, com aspectos técnicos relacionados à TV a Cabo e Cable Modem. Trabalhou na Brasil Telecom no início da implantação de sistemas ADSL em Curitiba, PR, na operação da planta. Ainda em Curitiba, atuou como Coordenador do Centro de Operação e Manutenção de Comunicação de Dados (falha, desempenho, configuração e segurança) de redes de Comunicação de Dados (IP, determinísticas, frame relay, X-25 e internet) do Paraná. Atualmente continua na Brasil Telecom como Coordenador do Grupo de Suporte Nível 1 (First Call Resolution) de clientes Corporativos de Comunicação de Dados, no Centro Nacional de Operação, em Florianópolis, SC. É Professor Titular na UnC Fundação Universidade do Contestado, ministrando aulas para Engenharia de Telecomunicações e Instrutor III no Centro de Tecnologia em Automação e Informática - CTAI/SENAI, ministrando aulas para a Especialização em Redes Corporativas: Gerência, Segurança e Convergência IP e para a Graduação em Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações. Publicou diversos artigos, relacionados a TV a Cabo, ADSL, Teoria da Informação e Comunicação de Dados, em revistas especializadas nacionais e em conferências de âmbito nacional e internacional. Interesses: Comunicação de Dados, Teoria da Informação, ADSL, Cable Modem, TV a Cabo, ITIL, Project Management e Gestão de Empresas de Telecomunicação. 1

2 Categoria: TV por Assinatura Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 30/07/2007 2

3 Vazamento de Sinais em CATV: Introdução As empresas de TV a Cabo construíram suas redes híbridas de fibra e coaxial (HFC) tendo em mente a utilização das mesmas para novos serviços. Se no início o sinal trafegava de forma unidirecional, no sentido do headend (cabeçal na norma brasileira) para o assinante, hoje, para tornar possível o tráfego destes serviços, o canal de retorno deve estar ativado, onde o sinal transita também no sentido assinante para o headend. A rede funciona de forma bidirecional. Dos diversos aspectos técnicos de infra-estrutura para a implantação desta tecnologia, destaca-se a detecção de vazamento na rede. O vazamento de sinal indica também uma possível porta de entrada para os sinais externos; ou seja, se há vazamento, pode haver ingresso. Sabe-se que a maioria dos ingressos (de ruído) terá seus efeitos sentidos em maior intensidade na banda de retorno (de 4 MHz a 45 MHz), chegando a níveis que podem inviabilizar o tráfego de sinais. As causas do vazamento de sinal estão relacionadas com a alta variabilidade dos processos de construção e instalação de redes de CATV, além de fatores relacionados com o envelhecimento da rede e mesmo aos ocupantes dos postes. Portanto, um programa que aborde a questão de maneira inteligente pode representar ganhos múltiplos, inclusive com prolongamento da vida útil da rede. Assim, a discussão sobre o vazamento de sinal tem uma relação direta com a disponibilização de serviços banda larga, ponto nevrálgico na evolução do setor. A proposta do presente trabalho é atingir um público composto por profissionais de nível técnico de TV a Cabo, ou interessados em implantação ou gerenciamento da atividade, auxiliando em alguns aspectos teóricos, mas, principalmente, trazendo informações práticas para a implantação de um programa de detecção de vazamento de sinal em redes de TV a Cabo. 3

4 Vazamento de Sinais em CATV: Normas O vazamento de sinal, também chamado de ingresso, ocorre quando sinais de rádio freqüência (doravante chamaremos RF) escapam da rede de CATV e irradiam-se para o meio ambiente. Em abril de 1977, devido a preocupações relacionadas à segurança do tráfego aéreo, a FCC (Federal Communications Comission) estabeleceu a legislação atinente ao vazamento de sinal em freqüências de aeronavegação. As regras sofreram modificações em março de 1985 exigindo a inclusão dos sinais de offset na banda aeronáutica e para o esclarecimento do método CLI (Cumulative Leakage Index) pelo qual os sistemas de cabo seriam medidos para efeito de FCC. A Norma Brasileira, (Norma No 13/96 Ver 97 Serviço de TV a Cabo), de 14 de abril de 1997, prevê em seu item os níveis de irradiação a serem respeitados pelas operadoras. Tabela 1: Níveis de irradiação Norma Brasileira. Faixa de Freqüência (MHz) Valores Máximos Distância Até 54 e acima de ,5 dbµv/m 15 µv/m 30 m Acima de 54 até ,0 dbµv/m 20 µv/m 3 m Ainda, o item prevê que os testes relativos aos requisitos estabelecidos no item , nas faixas de freqüências do serviço de radionavegação aeronáutica ( MHz, 328,6-335,4 MHz e MHz), deverão ser realizados de três em três meses, abrangendo sempre, no mínimo, 75% da rede. Ou seja, de três em três meses as operadoras de cabo devem executar medições para detecção de vazamento de sinal em pelo menos 75% de sua rede, em níveis menores que 20µV/m, a 3 metros da rede e 15µV/m, a 30 metros, para as freqüências contidas na tabela 1. Desde que o monitoramento do vazamento de sinal foi solicitado pelas agências reguladoras, esta prática provou também ser um excelente método de manutenção preventiva disponível para o corpo técnico de CATV. A experiência tem mostrado que um acompanhamento constante e a execução de reparos para evitar o problema do vazamento, melhoram de sobremaneira a performance do sistema e reduzem o número de manutenções corretivas. A manutenção preventiva tem outros benefícios associados, tais como: incremento do tempo de vida útil dos equipamentos, maior taxa de satisfação do assinante, menor quantidade de chamadas de serviço, redução das despesas com manutenção corretiva e maior confiabilidade de rede. Apesar das regras de detecção de vazamento terem sido criadas para garantir a segurança do tráfego aéreo, a abordagem do presente artigo é direcionada para a manutenção preventiva e corretiva, visando a garantia da operação do sistema de TV a Cabo no que diz respeito ao sinal de TV propriamente dito, como a operação dos serviços em banda larga. 4

5 5

6 Vazamento de Sinais em CATV: Fontes de Sinal Podemos classificar em quatro as causa de vazamento: cabo coaxial (cabo quebrado, malha deformada, cabo amassado); conectores (tipo ou tamanho errado, corroídos/oxidados, mal executados); dispositivos passivos (portas de tap corroídas, encapsulamentos com defeito, sem blindagem) e dispositivos ativos (falhas na conexão, módulos internos mal apertados, defeitos de blindagem). Estes itens são normalmente fiscalizados durante o período de construção das redes, mas podem passar despercebidos pelo ritmo normalmente acelerado dos trabalhos. A maioria das fontes de vazamento de sinal está relacionada com os cabos da instalação interna do assinante (chamados de cabos drop), mas seus efeitos são reduzidos, devido ao fato do nível de sinal ser muito baixo (menor que 10dBmV), sendo que os efeitos são percebidos mais fortemente no sistema troncal e de distribuição da rede externa de CATV, onde os níveis são maiores (entre 10 dbmv e 48dBmV). A rápida atuação na correção destes vazamentos melhora sensivelmente a performance geral do sistema, uni e bidirecionalmente. Vazamento na Instalação do Assinante Entende-se por instalação do assinante o trecho compreendido entre a derivação da rede (tap) e o decodificador (ou conversor). Geralmente utiliza-se nestas instalações cabos coaxiais cujo condutor externo é uma malha. Sabe-se que o sinal no cabo coaxial está em modo diferencial, tem sentidos diferentes nos condutores externo e interno, e que justamente por este motivo não há campo elétrico resultante deste movimento de cargas elétricas, ou seja, não há campo elétrico resultante. Porém, um dos mecanismos causadores de fuga em cabos com condutor externo constituído de malha é justamente o fato do condutor externo ser uma malha. No transporte, estocagem ou manuseio do cabo de forma incorreta pode haver deformações na malha externa, ocasionando vazamento quando o cabo for utilizado. Uma das maneiras de evitar o problema de manuseio incorreto do cabo é investir em treinamento e conscientização do pessoal técnico, almoxarifes e instaladores. Além disso, as operadoras de cabo adotam formas de controle de qualidade dos padrões de instalação, visando identificar problemas de ocasionados durante o processo de instalação que venham a gerar vazamentos, tais como cabos que passam por cantos agudos, cabos amassados, preparação incorreta do cabo para conectorização e conectores mal crimpados. Aparelhos de TV e vídeo-cassete com blindagens ineficientes também são fontes de vazamento. Outra fonte de vazamento é a existência de ligações clandestinas. Estas instalações normalmente são realizadas por pessoal não habilitado, com materiais de qualidade duvidosa e ferramentas não adequadas, onde facilitando a localização da fuga de sinal. 6

7 É desnecessário dizer que o assinante que se encontra na condição acima não permite a entrada dos técnicos para o conserto. Neste caso, são instalados filtros que impedem o ingresso de sinal no sentido casa do assinante para a rede. Vazamento na Rede Externa No caso dos cabos de rede, o condutor externo é maciço, ou seja, o condutor externo quebrará quando submetido a esforços, e, devido aos níveis de sinal na rede serem mais elevados do que na instalação do assinante, o vazamento terá intensidade maior. A construção da rede externa deve ser bem supervisionada, pois o manuseio incorreto do cabo no lançamento ou na conectorização pode provocar fraturas, ou mesmo dobraduras, que causarão vazamento de sinal. Todas as conexões entre cabo e os aparelhos de rede (amplificadores, divisores, insertores de potências e taps) deve ser feita com extremo cuidado pelo mesmo motivo. Se a conexão problemática for próxima a saída de amplificadores, onde o nível de sinal é alto, o problema é ainda maior. A figura 1 mostra com detalhes a diferença de níveis na saída de um amplificador típico. A pendente (ou tilt, como encontrado na literatura) é intencional, para compensar a perda elétrica do material condutor. Figura 1: Nível de sinal na saída de um amplificador troncal típico. Mesmo depois da construção, o perfeito fechamento dos encapsulamentos de amplificadores, divisores, insertores de potência e taps deve ser respeitado, pois pode gerar vazamentos. Geralmente, depois da rede vistoriada uma ou duas vezes, a tendência é que problemas de vazamento na rede externa venham a ser cada vez mais raros. Porém, com a dinâmica das ruas envolvendo freqüentes trocas de postes, atividades das ocupantes nos postes, vibração produzida pelo trânsito e vento, nota-se a necessidade da auditoria sistemática visando manutenção preventiva. 7

8 Vazamento de Sinais em CATV: Detecção Programa de Detecção de Vazamento O objetivo básico de um Programa de Detecção de Vazamento de Sinal em Redes de CATV é, partindo de um cronograma pré-estabelecido, revisar toda a rede de cabos coaxiais, procurando pontos de fuga que, quando encontrados, devem ser prontamente consertados. Desta forma, o sistema estará sendo prevenido contra interferências (ingresso) e mantendo-se os padrões da agência reguladora. O procedimento padrão é a utilização de um aparelho de medida de vazamento de sinal, preferencialmente com antena externa veicular, antena portátil e sistema de tagging. A antena externa veicular é fundamental para uma maior rapidez com cobertura de maior área no processo, pois o equipamento é acoplado em um veículo e ajustado com sensibilidade para captar níveis de vazamento conforme a norma (em relação à distância da rede e intensidade). Dessa forma, o operador trafega paralelamente à rede, procurando vazamentos, só parando o veículo quando encontra uma ocorrência. A antena portátil é usada quando é necessária uma busca mais elaborada, executando-se triangulações para encontrar a fuga, pois existem reflexões do meio que podem atrapalhar a leitura do medidor. Quando encontrado o vazamento, o operador repara ou providencia para que seja reparado posteriormente. O local e o nível medido são registrados para futura análise e comprovação junto à agência fiscalizadora. Quando se tem vários sistemas de TV a Cabo operando na mesma área, ou quando se quer distinguir o vazamento vindo da rede de TV a Cabo de outros tipos de ruído é necessário o uso de um sistema de tagging. O sistema de tagging consiste de um emissor de sinais localizado no headend, que modula um pequeno sinal em uma portadora de vídeo em uma freqüência pré-estabelecida (normalmente na faixa de FM) e conhecida pelo equipamento de medida. O medidor reconhece esta freqüência e consegue identificar se vazamento é originado pela rede da operadora ou vêm de outra fonte. Este sinal não é percebido pelo assinante. O programa deve ser repetido continuamente. Um dos motivos é a necessidade de atendimento aos requisitos da Norma Brasileira. Outro motivo é a imprevisibilidade dos fenômenos que podem causar o vazamento de sinal. Localização de Vazamentos O mapeamento e localização de pontos de vazamento de sinal às vezes podem ser vistos mais como uma arte de que como uma ciência. As condições do ambiente e as estruturas que cercam a rede de CATV podem dificultar a localização de uma fuga de sinal. O entendimento de como a fuga de sinal é afetada por estas condições irá minimizar o tempo gasto procurando sinais de vazamento. Correntes de fuga de sinal em RF podem ser transmitidas por distâncias consideráveis por meio de vários materiais condutores que se encontrem nas proximidades do ponto de vazamento. O sinal irradiado pode refletir em estruturas metálicas próximas, dificultando a localização do ponto de fuga (a fuga de sinal pode 8

9 vir de apenas um ponto, mas devido à reflexão pode induzir a procura de mais um ponto). Um Pouco Sobre Antenas A antena dipolo portátil usada para detecção de vazamento é basicamente uma antena dipolo de meia-onda, sendo o seu comprimento metade do comprimento de onda a ser medido. Seu uso foi disseminado pela facilidade de recepção. O padrão de emissão/recebimento de uma antena dipolo é determinado por sua capacidade de recepção ou irradiação quando sintonizada ou apontada em determinada direção. O padrão de uma antena dipolo lembra o número oito, com o plano de máxima irradiação perpendicular ao centro do dipolo. Esta característica faz deste tipo de antena um tipo ideal para a localização de fugas de sinal, pois é possível apontá-la para diferentes direções, procurando a fonte do vazamento. Figura 2: Padrão de irradiação de Antena Dipolo. Fonte: Trilithic Broadband Instruments Catalog. Um item importante a ser observado é o comprimento dos elementos das antenas (portátil e da viatura) e a sua relação com a freqüência a ser sintonizada/medida. Para antenas dipolo de meia onda, o comprimento total da antena deve ser: L = 936 / (3,28 * F(MHz)) (em metros) Lembrando sempre que o comprimento deve ser dividido por dois, para se obter o tamanho de cada elemento da antena. Normalmente os fabricantes oferecem a antena portátil de forma que os elementos sejam retráteis. Dessa forma, é necessária uma checagem do comprimento a cada vez que um elemento seja estendido. Na procura da fuga com a antena portátil, o procedimento consiste em rotacionar a antena verificando o que o mostrador do instrumento de medida indica. Quando identificado o pico do valor da fuga medido, é nesta direção que a investigação será acentuada. Para confirmar a direção, rotaciona-se repetidas vezes. 9

10 Figura 3: Triangulação para localização de fugas. Fonte: Trilithic Broadband Instruments Catalog. Algumas Dicas Práticas Em busca com o veículo, aconselha-se a calibrar a antena do mesmo, comparando os resultados obtidos com a antena portátil, levando sempre em consideração a polarização. No caso de antenas com elementos retráteis, o uso de fita adesiva para marcar o comprimento correto é aconselhável. É importante que a distância mantida entre o veículo e os cabos seja o mais constante possível. Em caso de desvio, é preferível que essa distância seja menor do que maior que a distância que foi ajustada no equipamento de medida. Disparos falsos do medidor de vazamento podem ocorrer em presença de interferência eletromagnética, e são um incômodo no trabalho de detecção de vazamento, causando perda de tempo e esforço de localização, além de esconder fontes reais de vazamento. Cuidado extra deve ser tomado na proximidade de motores, transformadores de potência, anúncios luminosos de néon e ruídos de redes de força. O próprio veículo se estiver com a sua parte elétrica em más condições, pode ser fonte de interferência. 10

11 Vazamento de Sinais em CATV: Registro e Análise Algumas correntes de pensamento defendem a idéia de registrar todas as ocorrências para posterior conserto. Existe quem defenda cronogramas de conserto, criando prioridades para níveis diferentes de vazamento, como por exemplo vazamentos maiores que 150 µv/m são consertados imediatamente; vazamentos de 50 µv/m a 150 µv/m são consertados em 24 horas e vazamentos menores que 50 µv/m são consertados em até duas semanas. Porém, existem mais benefícios no conserto imediato da fuga, sendo que o próprio operador deve ser habilitado para tanto. Evidentemente, que um técnico sozinho não conseguirá trocar 500m de cabo quebrado e, neste tipo de ocorrência, o conserto é posterior. Aconselha-se a fazer um teste com o detector de vazamento após cada conserto gerado por um vazamento prévio; pois é possível que um vazamento maior mascare vazamentos menores. Além disso, é comum ter uma localização errônea, consertar um determinado ponto, mas o vazamento estar vindo de outro ponto diferente. Adicionalmente, pensando em sistemas bidirecionais, é possível que um dos assinantes nem consiga conexão dependendo do ponto de vazamento/ingresso (por exemplo, na entrada de um amplificador de retorno, que irá amplificar o ruído que ingressa), então o conserto deve ser o mais breve possível. Tabela 2: Evolução dos ciclos de detecção de vazamento. Tipo de Falha Localização Ciclo 1 Ciclo 2 Ciclo 3 Ciclo 4 Ciclo 5 Cabo Drop com Problema Instalação do assinante 30% 14% 38% 22% 27% Conector Frouxo Instalação do assinante 21% 16% 12% 23% 8% Conexão Oxidada Instalação do assinante 0% 1% 0% 0% 0% Conexão sem Isolação Instalação do assinante 1% 1% 0% 0% 0% Ligação Clandestina Instalação do assinante 44% 61% 47% 53% 62% Cabo de Rede com Problema Rede externa 1% 1% 1% 0% 1% Conector de Rede Rede externa 0% 2% 0% 1% 1% Eletrônico Mal Fechado Rede externa 1% 3% 1% 1% 0% A tabela 2 exemplifica alguns dos eventos que podem apresentar vazamento de sinal. Os números mostram a evolução de um programa de detecção de vazamento, ficando clara a afirmação de que a maior parte dos eventos de fuga de sinal é encontrada nas instalações dos assinantes. 11

12 Vazamento de Sinais em CATV: Considerações Finais Não é raro o próprio assinante funcionar como um alerta de que está havendo ingresso na rede. Reclamações freqüentes de assinantes da mesma área sobre uma interferência em um ou mais canais do meio da banda certamente está associada a um vazamento Problemas próximos ao canal 18 (145,25 MHz) usualmente vêm de interferência de radioamadores; nos canais 19 (151,25 MHz), 20 (157,25 MHz) e 21 (163,25 MHz) podem vir de rádios trunking. Nestas horas não é razoável apontar o dedo para o vizinho radioamador e dizer que ele é o culpado, tem-se que detectar o local de vazamento/ingresso e consertá-lo o mais rapidamente possível. É necessário determinar se o problema é no sistema de CATV ou no aparelho de TV ou videocassete do assinante. A operadora é responsável por sua rede, mas não pela performance de aparelhos de TV ou videocassetes antigos. Muitas vezes é necessário conectar uma TV diferente na residência do assinante para mostrar o efeito descrito. Deve ficar claro que a detecção de vazamento não é o único meio de identificar a presença de ingresso na rede de CATV. O ingresso pode ser investigado por meio de análise espectral dos sinais de retorno para o headend. Esta análise pode ser eficiente para detecção e classificação do ingresso, porém não é eficiente para localização do ponto de ingresso. Pode-se afirmar que a maioria dos problemas encontrados na primeira vez em que se realiza um programa de detecção de vazamento de sinal encontra-se na rede externa. Conforme o programa vai evoluindo, este número se reduz. Os principais problemas encontrados são cabos quebrados, conectores mal executados, taps e amplificadores mal fechados. Dessa forma, a maioria dos eventos de vazamento é encontrada nas instalações dos assinantes, tais como conectores crimpados com alicate universal, malha fora do conector, conectores oxidados pelo tempo ou por falta de isolação, cabo drop oxidado ou quebrado pela má instalação ou ação das intempéries. Além desse aspecto, o controle de fuga de sinal mostra-se ser uma excelente ferramenta auxiliar nos procedimentos de detecção de fraudes (ligações clandestinas). A monitoração de níveis de fuga pode ser classificada como um programa de manutenção preventiva que tem desdobramentos benéficos na qualidade de imagem recebida pelo assinante e na disponibilidade da rede, pensando-se apenas em termos de transmissão de sinal de TV. Estendendo este raciocínio para redes bidirecionais, já operando com novos serviços de banda larga, é um procedimento fundamental na qualidade e confiabilidade do serviço fornecido aos assinantes. Referências [1] Harms, Rudolf E.. Alternative Approaches to Radiated Emission and Immunity Measurements. ITEM Magazine [2] Hranac, Ron. Establishing a Preventive Maintenance Program. Communications Technology, November 1995 (Part 1), December 1995 (Part 2). 12

13 [3] Hranac, Ron. Signal Leakage & Harmful Interferences: A Ham Radio Perspective. Communications Technology, July, [4] Hranac, Ron. The World of RFI. Communications Technology, March [5] NCTA Papers. Detecting Signal Leakage Part I, II, III, IV and IV. Communications Technology August, September, October, November and December, [6] Neumann, Trav. The Hair Dryer vs. The Return Path. Communications Technology, May [7] Palle, Bob; Nikoo, Emily; Newton, Teri. How to Comply With the New FCC Signal Leakage Rules. Private Cable & Wireless Cable, July [8] Schneider, Raymond J.. Utilizing Ingress as a Plant Maintenance Strategy NCTA Technical Papers. [9] Smith, Chester L.. Energy Leakage from LANs. ITEM Magazine [10] Trilithic Broadband Instruments Catalog; Leakage Equipment Applications. [11] Wavetek Wandel Goltermann. Monitoring and Measuring RF Signal Leakage. Wavetek Wandel Goltermann, Manual do Usuário. 13

14 Vazamento de Sinais em CATV: Teste seu Entendimento 1. Quando ocorre o vazamento de sinais de em redes de TV a cabo? Ocorre quando sinais de rádio freqüência escapam da rede de TV a cabo e irradiam-se para o meio ambiente. Ocorre quando sinais de rádio freqüência escapam da rede de Energia Elétrica e irradiam-se para o meio ambiente. Ocorre quando sinais de rádio freqüência ingressam na rede de Energia Elétrica e no meio ambiente. Ocorre quando sinais de rádio freqüência escapam da rede de TV a cabo e causam fadiga na rede. 2. Assinale a alternativa que representa uma causa de vazamento de sinal na rede de TV a Cabo: Cabo coaxial (cabo quebrado, malha deformada, cabo amassado). Conectores (tipo ou tamanho errado, corroídos/oxidados, mal executados). Dispositivos passivos (portas de tap corroídas, encapsulamentos com defeito, sem blindagem). Dispositivos ativos (falhas na conexão, módulos internos mal apertados, defeitos de blindagem). Todas as alternativas anteriores. 3. Qual é o procedimento padrão para detectar um vazamento de sinal numa rede de TV a Cabo? É a utilização de um aparelho de medida de vazamento de sinal, preferencialmente do tipo celular com antena portátil e sistema de tagging. É a utilização de um aparelho de medida de vazamento de sinal, preferencialmente com antena externa veicular, antena portátil e sistema de tagging. É a utilização de um osciloscópio, preferencialmente com antena externa, antena portátil e sistema de impressão. É a utilização de um aparelho de medida de vazamento de luz infravermelha, preferencialmente com detector externo veicular, detector portátil e sistema de tagging. 14

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD,

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC

PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC PROJETO DO CANAL DE RETORNO PARA REDES HFC Marcelo Melo da Costa mmc@amazon.com.br RESUMO As empresas de TV a cabo atualmente estão implementando redes para a distribuição dos sinais do tipo HFC (híbrida

Leia mais

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios

TE155-Redes de Acesso sem Fios Cabos e Acessórios Cabos e Acessórios Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Cabos e Assessórios Cabos Coaxiais Conectores e Pigtails Cabos Coaxiais Irradiantes

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 Índice 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO)...3 1.1 Cabo coaxial... 3 2 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO) Em um projeto de redes,

Leia mais

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI:

São necessários três componentes, simultaneamente, para existir a EMI: AInterferência Eletromagnética nas Redes de Computadores Prof. José Maurício dos Santos Pinheiro Centro Universitário de Volta Redonda - UniFOA 28 de maio de 2007 EMI Electromagnetic Interference O ambiente

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 04. Meios Físicos de Transmissão Prof. Ronaldo Introdução n

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede.

Meios de Transmissão. Conceito. Importância. É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Conceito Importância É a conexão física entre as estações da rede. Influência diretamente no custo das interfaces com a rede. Meios de Transmissão Qualquer meio físico capaz de transportar

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão

MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão MÓDULO 4 Meios físicos de transmissão Os meios físicos de transmissão são compostos pelos cabos coaxiais, par trançado, fibra óptica, transmissão a rádio, transmissão via satélite e são divididos em duas

Leia mais

Meios Físicos de Transmissão

Meios Físicos de Transmissão Meios Físicos de Transmissão O meios de transmissão diferem com relação à banda passante, potencial para conexão ponto a ponto ou multiponto, limitação geográfica devido à atenuação característica do meio,

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Processamento de Dados

Processamento de Dados Processamento de Dados Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e outros dispositivos conectados entre si de modo a poderem compartilhar seus serviços, que podem

Leia mais

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br

O Padrão Ethernet. Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br O Padrão Ethernet Prof. José Gonçalves Pereira Filho Departamento de Informática/UFES zegonc@inf.ufes.br Origens O início do desenvolvimento da tecnologia Ethernet ocorreu nos laboratórios da Xerox PARC,

Leia mais

WELLINGTON DA SILVA LIMA RELATÓRIO TÉCNICO CABO COAXIAL

WELLINGTON DA SILVA LIMA RELATÓRIO TÉCNICO CABO COAXIAL Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática WELLINGTON DA SILVA LIMA RELATÓRIO

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores

Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Influência do cabeamento na performance de redes locais de computadores Fonte: Prof. Ivan Max Freire de Lacerda Bacharel em Ciências da Computação pela UFRN; Professor âncora do SENAC/RN nas áreas de informática

Leia mais

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática PAOLA OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica

A escolha desses itens é importante pois interfere no custo das interfaces de rede. Cabo coaxial Par trançado Fibra ótica Meios físicos de transmissão Objetivos: 1 - Definir os termos referentes a cabeamento. 2 - Identificar os principais tipos de cabos de rede. 3 - Determinar o tipo de cabeamento apropriado para cada tipo

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Módulo 4 Testes de Cabos

Módulo 4 Testes de Cabos CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 4 Testes de Cabos Fundamentos para o Teste de Cabos em Frequência Ondas Uma onda é energia que se propaga de um lugar para outro. Pode ser definida como um distúrbio

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP

NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES DA SILVA RELATÓRIO FINAL DE PROJETO CABO UTP Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática NOMES DOS AUTORES JEAN PIERRE AIRES

Leia mais

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local

1.264 Aula 22. Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local 1.264 Aula 22 Tecnologia de rede Celular, CATV, ISDN, DSL, rede de área local TV a cabo Permite a transferência de voz e dados nos estados permitidos (poucos até o momento) À LEC foi permitida a transferência

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG

ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG ANÁLISE DA PROPAGAÇÃO DE SINAIS DE TV DIGITAL NA CIDADE DE UBERLÂNDIA - MG Tiago Nunes Santos, Gilberto Arantes Carrijo Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Elétrica, Uberlândia-MG.

Leia mais

NORMA N o 13/96 - REV/97 SERVIÇO DE TV A CABO. b) os parâmetros técnicos que deverão ser atendidos pelos sistemas de TV a Cabo.

NORMA N o 13/96 - REV/97 SERVIÇO DE TV A CABO. b) os parâmetros técnicos que deverão ser atendidos pelos sistemas de TV a Cabo. NORMA N o 13/96 - REV/97 SERVIÇO DE TV A CABO 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma tem por objetivo detalhar a regulamentação do Serviço de TV a Cabo, com base na Lei n o 8.977, de 06 de janeiro de 1995, que instituiu

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br

Prática em Redes de Computadores. Meios de Transmissão. Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Prática em Redes de Computadores Meios de Transmissão Prof. M.Sc. Eduardo Luzeiro Feitosa efeitosa@dcc.ufam.edu.br Sumário Introdução Meios de Transmissão Cabo coaxial Cabo Par Trançado Fibra Óptica Interferências

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E

Prof. Luís Rodolfo. Unidade I REDES DE COMPUTADORES E Prof. Luís Rodolfo Unidade I REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO C Redes de computadores e telecomunicação Objetivo: apresentar os conceitos iniciais e fundamentais com relação às redes de computadores

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts

Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Na Classe A Temos um numero menor de redes e um numero maior de hosts Multicast: Ex; Precisamos enviar mensagem para grupo de computadores. Atualizar antivirus Para 70 maquinas, criamos um grupo multicast

Leia mais

ANTENAS. TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS

ANTENAS. TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS ANTENAS TIPOS e CONCEITOS BÁSICOS Desde os primeiros dias do rádio as antenas envolveram os operadores. Houveram muitos desejos e restrições. Cada tipo de antena foi desenvolvido para ajudar alguém em

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Profº Alexsandro M. Carneiro alexsandro@ucdb.br Bacharelado em Sistemas de Informação AULA 06 Bacharelado em Sistemas de Informação UCBD SG - 2005 Tópicos Abordados Camada Física:

Leia mais

Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados

Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados Fundamentos da Informática e Comunicação de Dados Aula 07 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina, oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores

ATIVIDADE 1. Definição de redes de computadores ATIVIDADE 1 Definição de redes de computadores As redes de computadores são criadas para permitir a troca de dados entre diversos dispositivos estações de trabalho, impressoras, redes externas etc. dentro

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Segunda Lista de Exercícios

Segunda Lista de Exercícios INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA Segunda Lista de Exercícios 1. Qual é a posição dos meios de transmissão no modelo OSI ou Internet? Os meios de transmissão estão localizados abaixo

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação.

Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Componentes do processo de comunicação. Meios de transmissão Conhecer meios de transmissão que utilizam cabos e fios. Quando enviamos uma informação para um destino, ela vai por um canal de comunicação. Esse canal de comunicação tem um limite

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO:

QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: CABEAMENTO DE REDE QUANDO TRATAMOS SOBRE MEIOS DE TRANSMISSÃO, DEVEMOS ENFATIZAR A EXISTÊNCIA DE DOIS TIPOS DESSES MEIOS, SENDO: MEIO FÍSICO: CABOS COAXIAIS, FIBRA ÓPTICA, PAR TRANÇADO MEIO NÃO-FÍSICO:

Leia mais

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA

LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA LISTA DE ESCOPO DE PRODUTOS PARA TELECOMUNICAÇÕES POR FAMÍLIA ANTENAS FAMÍLIAS DE PRODUTOS ACUMULADORES DE ENERGIA (BATERIA) CABOS COAXIAIS CABOS ÓPTICOS E FIBRAS ÓPTICAS CABOS PARA TRANSMISSÃO DE DADOS

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Redes de Computadores. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Redes de Computadores Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com 2/16 Nível Físico Tem a função de transmitir uma seqüência de bits através de um canal e comunicação. Este nível trabalha basicamente

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520

CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso CONVERSOR ISOLADOR RS232 / RS485 I-7520. Para garantir o uso correto e eficiente do I-7520, leia este manual completo

Leia mais

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br

Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior Prof. Dr. Arismar Cerqueira S. Jr. arismar@inatel.br Rádio sobre Fibra: Tecnologia Chave para Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016 Prof. Dr. Arismar Cerqueira Sodré Junior 1 Contexto Tecnológico 2 Sumário da apresentação I. Contexto Tecnológico II.

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão

09/08/2015 DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES. Tecnologia em Jogos Digitais. Mídias (meios) de transmissão Tecnologia em Jogos Digitais Mídias (meios) de transmissão DISCIPLINA: TECNOLOGIA DE REDES DE COMPUTADORES Mídias físicas: composta pelo cabeamento e outros elementos componentes utilizados na montagem

Leia mais

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi

Redes de Computadores. Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Prof. Késsia Marchi Redes de Computadores Redes de Computadores Possibilita a conexão entre vários computadores Troca de informação Acesso de múltiplos usuários Comunicação de dados

Leia mais

Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas

Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas Quanto melhor a comunicação numa equipe, mais eficiente será a sua operação. Os rádios da série DTR são ferramentas poderosas que permitem essa comunicação.

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL EZEQUIEL F. LIMA ATERRAMENTO E BLINDAGEM Os sistemas de cabeamento estruturado foram desenvolvidos

Leia mais

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS

Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Tutorial NEGER Telecom COMO IMPLANTAR REDES WIFI EM VEÍCULOS Julho/2010 Objetivo Este tutorial tem como objetivo fornecer informações técnicas e recomendações na utilização de roteadores 3G para implantação

Leia mais

Comunicações por Computador

Comunicações por Computador Comunicações por Computador António Nabais Grupo de Sistemas e Tecnologias de Informação Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico do Cávado e do Ave anabais@ipca.pt 2006/2007 Componentes de

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

Cabeamento residencial não estruturado

Cabeamento residencial não estruturado 58 Capítulo II Cabeamento residencial para dados, voz e imagem Por José Roberto Muratori e Paulo Henrique Dal Bó* Atualmente, as aplicações encontradas nas residências demandam diferentes tipos de cabos.

Leia mais

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos

eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há Blocos eletrônicos A UU L AL A Manutenção eletroeletrônica II Na linha de produção de uma empresa há uma máquina muito sofisticada. Certo dia essa máquina apresentou um defeito e parou. Imediatamente foi acionada a equipe

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Módulo 2 Comunicação de Dados

Módulo 2 Comunicação de Dados URCAMP - CCEI - Curso de Informática Transmissão de Dados Módulo 2 Comunicação de Dados cristiano@urcamp.tche.br http://www.urcamp.tche.br/~ccl/redes/ Para SOARES (995), a transmissão de informações através

Leia mais

LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO

LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO E TV A CABO 1 FREQÜÊNCIAS DO SISTEMA A CABO CANAIS ADJACENTES no sistema a cabo, a interferência entre canais adjacentes é minimizada pelo balanceamento dos sinais em um nível comum

Leia mais

Tutorial para calibração de receptores Telecontrolli

Tutorial para calibração de receptores Telecontrolli Tutorial para calibração de receptores Telecontrolli Introdução: Muitos na Guerra de Robôs, Sumô e outras modalidades de competição com robôs utilizam módulos de rádio da empresa Telecontrolli ou similar.

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO

Mude para digital. Sistema de rádio bidirecional digital profissional MOTOTRBO Sistema de rádio bidirecional digital profissional A solução de comunicação em rádios bidirecionais de próxima geração está aqui, com melhor desempenho, produtividade e preço e mais oportunidades para

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

DTR 620. Rádio Digital

DTR 620. Rádio Digital DTR 620 Rádio Digital Rádio Digital DTR 620 Ideal para Pequenas Empresas Quanto melhor a comunicação numa equipe, mais eficiente será a sua operação. Os rádios da série DTR são ferramentas poderosas que

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Linhas de transmissão

Linhas de transmissão Linhas de transmissão 1 - Introdução Linha de transmissão é um termo genérico utilizado para referenciar qualquer tipo de meio físico construído para transmissões de sinais elétricos ou óticos. No setor

Leia mais

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA ESCOLA DE COMUNICAÇÕES OBJETIVOS Descrever a função de cada bloco do diagrama-bloco do RECEPTOR-TRANSMISSOR EB 11-RY 20/ERC; Descrever os procedimentos de medição

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio

Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin. Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Universidade Estadual de Campinas Instituto de Física Gleb Wataghin Medida do comprimento de onda das ondas de rádio Aluna: Laura Rigolo Orientador: Prof. Dr. Pedro C. de Holanda Coordenador Prof. Dr.

Leia mais

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital

Sistema de rádio bidirecional digital profissional. Mude para digital Sistema de rádio bidirecional digital profissional Mude para digital Por que o rádio bidirecional digital? Mais capacidade do sistema Melhor Produtividade Excelente desempenho em comunicações bidirecionais

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais