Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE."

Transcrição

1 Antena Coletiva: Projeto e Cuidados para Receber a TV Digital Este tutorial apresenta considerações para projeto de sistemas de antena coletiva para distribuir sinais de TV digital de alta definição, HD, aberta e gratuita, bem como medir o nível de potência de sinais digitais, complementando e atualizando um tutorial publicado anteriormente pelo autor [1]. Edson Gusella Jr. Engenheiro Eletrônico pela Unicamp e Mestre em Engenharia Eletrônica pelo INPE. Atou no desenvolvimento de equipamentos para satélite de coleta de dados ambientais no INPE e no desenvolvimento de produtos para CATV e Antena Coletiva, nas faixas de VHF e UHF, tais como antenas, tomadas, divisores, amplificadores de distribuição, boosters, moduladores, conversores e filtros. Atua como Consultor, realizando acessoria, cursos e treinamentos, nas áreas de distribuição de sinal e instrumentação de medida de CATV e TV Digital e, também, como Professor de Engenharia na Universidade de Mogi das Cruzes (UMC) na área de Telecomunicações. Categoria: TV e Rádio Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 05/10/2009 1

2 Antena Coletiva para TV Digital: Introdução Um sistema de antena coletiva para distribuir os sinais de TV digital de TV aberta de alta definição, HD, é essencialmente uma antena coletiva para a faixa de UHF, uma vez que os sinais de TV digital estão nesta faixa de freqüências, porém com algumas particularidades. As normas brasileiras prevêem o uso da banda III da faixa de VHF, faixa de freqüências de 174 a 216 MHz, mas esta faixa não é utilizada hoje e, como ela apresenta potenciais problemas para terminais móveis, acredito que ela também não vai ser usada no futuro. Embora o sinal de TV digital do sistema ISDB-Tb, que é o sistema utilizado no Brasil, seja bastante robusto, não dispomos ainda de um volume de dados sobre os problemas encontrados neste tipo de distribuição. Como regra geral, utiliza-se amplificadores para a faixa de UHF faixa larga, bem como tomadas e divisores com largura de faixa de até 1 GHz. Não disponho de dados sobre os efeitos de filtros e misturadores de canais sobre os sinais digitais, mas é preciso um cuidado especial, pois, diferente dos sinais analógicos, os sinais de TV digital são transmitidos em canais adjacentes. Canais adjacentes são aqueles transmitidos um ao lado do outro, como por exemplo, canais 28, 29, 30 e 31 na cidade de São Paulo. Embora esta prática seja comum em sistemas de TV a Cabo, ela não era empregada na radiodifusão de sinais analógicos de TV aberta. A tabela 1 mostra alguns dos canais digitais alocados para a cidade de São Paulo. Tabela 1: Canais de TV Digital em São Paulo DIGITAL EMISSORA ANALÓGICO 15 UHF Mix TV 16 UHF 17 UHF Gazeta 11 VHF 18 UHF Globo 5 VHF 20 UHF Record 7 VHF 22 UHF Play TV 21 UHF 23 UHF Bandeirantes 13 VHF 24 UHF Cultura 2 VHF 28 UHF SBT 4 VHF 29 UHF Rede TV 9 VHF 30 UHF RIT 31 UHF MTV 32 UHF A figura 1 mostra uma região do espectro onde estes canais são transmitidos: 2

3 Figura 1: Exemplo de região do espectro de freqüências para TV Na figura 1 estão mostrados os canais digitais números 28, 29, 30 e 31 ao lado do canal analógico número 32, indicado pela marca tracejada. Através da figura deste espectro é possível perceber que um canal digital tem um formato aproximadamente retangular, ao passo que num canal analógico as portadoras de vídeo e áudio são bem definidas. 3

4 Antena Coletiva para TV Digital: Instalações Coletivas Como uma antena coletiva para distribuir sinais de TV digital é essencialmente uma antena coletiva para a faixa de UHF, alguns cuidados são necessários para a implantação desta instalação. Estes cuidados se fazem necessário, pois as perdas de sinal na faixa de UHF são maiores tanto nos cabos como nos componentes de distribuição, tais como tomadas e divisores. A tabela 2 abaixo mostra a atenuação de sinal dos cabos coaxiais mais comuns empregados para distribuição de sinais de TV. Tipo de Cabo RGC-06 RGC-59 RG-59 B/U Tabela 2: Atenuação nos cabos coaxiais 50 MHz 210 MHz 450 MHz 600 MHz 0,053 0,064 0,081 0,100 0,131 0,177 0,144 0,194 0,271 0,167 0,220 0,318 Por esta tabela é possível ver que a atenuação do cabo RG-59 B/U, que era o cabo coaxial normalmente usado nas antenas coletivas de VHF antes do surgimento dos cabos Celulares RGC-59 e RGC-06, possui aproximadamente o dobro da perda do cabo RGC-06 na freqüência de 600 MHz, que está no meio de faixa de UHF. Por esta razão uma antena coletiva que foi inicialmente projetada para distribuir sinais de VHF dificilmente funcionará adequadamente na faixa de UHF. Quanto às tomadas e divisores usados na distribuição de sinal, é necessário que eles sejam de boa qualidade e tenham largura de faixa de 1 GHz. Existe no mercado produtos de má qualidade que não são adequados para distribuição de sinais em UHF. Eu já encontrei divisores de baixo custo vindos da China que internamente não tinham nem circuito de casamento nem de isolação, a caixa era vazia e os conectores interconectados por fios apenas. Estes divisores causam uma perda de sinal muito grande na faixa de UHF inviabilizando a distribuição de sinais. Como os sinais de TV digital estão na faixa de UHF, para recebê-los é necessária uma boa antena de UHF. A figura a seguir mostra a cabeceira de um sistema de antena coletiva típico de VHF + UHF para distribuição de sinais de TV digital para a cidade de São Paulo onda os canais de VHF também são recebidos. Para informações adicionais sobre os equipamentos, consulte o site do fabricante [2]. 4

5 Figura 2: Sistema típico de antena coletiva (VHF + UHF) para distribuição de sinais de TV digital 5

6 Antena Coletiva para TV Digital: Medidas de Sinais de TV Digital Ainda não existem no mercado medidores de campo de custo acessível para o sistema brasileiro de TV digital aberta de alta definição, o ISDB-Tb. Existem equipamentos profissionais para medida do sinal ISDB-Tb, mas seu custo ainda é inviável para instaladores. Aguardamos para o inicio de 2010 a disponibilidade de um equipamento com uma boa relação custo/benefício. No Congresso da SET de 2009, a empresa espanhola Promax [3] anunciou que está desenvolvendo um medidor para o nosso sistema de TV digital que estará disponível no início do próximo ano. Enquanto não existem medidores específicos para o sistema ISDB-Tb é possível usar um medidor de campo que meça apenas o nível de sinal. Para sinais digitais, nível de sinal adequado não é garantia de que a imagem será recebida sem problemas. De certa maneira isto também é verdade para os sinais de TV analógica, pois muitas vezes o nível de sinal é bom, mas existem ruídos ou fantasmas na imagem. Porém o sinal de TV digital é diferente do analógico neste aspecto. Quando a qualidade do sinal não é boa, não pega nada, o sinal não abre, mesmo que o nível seja suficiente. Enquanto não houver equipamentos com custo acessível no mercado alguns problemas permanecerão praticamente insolúveis. Existem medidores no mercado, como o Prolink-1C da Promax, fabricado no Brasil [4], que apresentam leituras corrigidas de nível de sinal tanto para sinais analógicos como para sinais digitais. Figura 3: Exemplo de Analisador de TV básico Quando o equipamento não possui esse recurso, é possível corrigir a medida feita com um medidor de campo para canais analógicos para se obter o valor correto. A figura a seguir mostra como isso é feito. 6

7 Figura 4: Correção de leitura com um medidor de campo para sinais analógicos Idealmente o espectro de um canal digital é plano dentro da banda do canal. Neste caso, é suficiente efetuar a media de potência do sinal no meio do canal. Para corrigir o valor da medida é preciso ainda conhecer a largura de faixa do canal, que no caso do sistema ISDB-Tb é de BW1= 5,7 MHz, e a largura de faixa do filtro do medidor de campo BW2. Para o medidor Prolink-1C da Promax, BW2 = 270 khz. O valor do nível do sinal é calculado da seguinte forma: Vcorrigido[dbmV] = Vlido[dbmV] + 10 log (BW1/BW2) Para o sinal do ISDB-Tb e o medidor Prolink-1C, o fator de correção FC tem o seguinte valor: FC = 10 log (5,7MHz / 0,27MHz) = 13,2 db. Portanto, a medida pode ser corrigida usando os valores abaixo: Vcorrigido[dBmV] = Vlido[dBmV] + 13,2dB 7

8 Antena Coletiva para TV Digital: Ajuste do Nível de Sinal Em sistemas de Antena Coletiva para sinais analógicos, os níveis de sinal que devem ser entregues ao usuário são bem conhecidos. Os níveis devem ficar na faixa de 65 dbuv a 80 dbuv ou 5 dbmv a 20 dbmv para canais na faixa de VHF e de 60 dbuv a 80 dbuv ou 0 dbmv a 20 dbmv na faixa de UHF. E para os canais digitais, quanto de sinal deve ser entregue ao usuário para que ele consiga receber uma boa imagem? A Norma ABNT NBR15604:2007, Televisão digital terrestre Receptores [5], na pág. 50 traz as seguintes recomendações para a sensibilidade de um receptor de TV digital: Nível mínimo de entrada: menor ou igual a - 77 dbm = 32 dbuv = -28 dbmv Nível máximo de entrada: maior ou igual a - 20 dbm = 89 dbuv = 29 dbmv Embora alguns receptores de TV digital funcionem numa faixa de sinal maior, é recomendado que a antena coletiva entregue o sinal dentro da faixa especificada pela norma. Isso garantirá que a antena coletiva funcionará com qualquer equipamento que obedeça a norma. Porém quando se fala de TV digital, apenas nível de sinal não é garantia de que a imagem vai abrir. Outro parâmetro que a Norma ABNT NBR15604:2007 também especifica na pág. 66 é o limiar da relação portadora/ruído C/N, do inglês Carrier to Noise, que é de 19dB. Isso quer dizer que não basta ter um nível adequado de sinal, é preciso que a qualidade do sinal também seja boa. A relação C/N é uma das medidas da qualidade do sinal, e para que a qualidade seja adequada para TV digital é preciso que a relação C/N seja maior do que 19dB. Este valor é bem menor do que o valor de C/N mínima para sinais analógicos, que é de aproximadamente 46dB. O que é que degrada a qualidade do sinal? O que degrada a qualidade do sinal é o ruído. A relação C/N é a relação da potência do sinal pela potência do ruído. Quanto maior a potência do ruído, menor será a relação C/N. De onde, então, vem o ruído que degrada a qualidade do sinal? O ruído vem de várias fontes, mas convém separá-las em duas categorias: aquelas que contaminam o sinal antes dele ser recebido pela antena e as que contaminam o sinal depois dele ser convertido num sinal elétrico. Como, geralmente, não se tem controle sobre as fontes de ruído externas, a forma de melhorar a relação C/N do sinal recebido na antena é melhorando o nível do sinal recebido. Isso pode ser feito utilizando uma antena com maior ganho ou então alterando a localização da antena, elevando mais sua altura, por exemplo. Adicionar um amplificador tipo booster não melhora a relação C/N recebida pela antena, pois o booster amplifica tanto o sinal como o ruído. Daí a necessidade de uma boa antena para a recepção do sinal de TV digital. Uma vez que o sinal foi recebido pela antena e convertido de onda eletromagnética para sinal elétrico, não é mais possível melhorar a relação C/N. A partir deste ponto a relação C/N só degrada, pois os amplificadores não são dispositivos ideais e adicionam mais ruído ao sinal. O que é possível fazer neste caso é minimizar a degradação da relação C/N, utilizando amplificadores com figura de ruído baixa. A figura de ruído é uma medida da quantidade de ruído introduzida pelo amplificador. 8

9 Num sistema de recepção de sinal como uma antena coletiva, a figura de ruído do sistema depende principalmente da figura de ruído do primeiro amplificador do sistema. Portanto quando o sinal de TV digital chega fraco, ele deve ser amplificado inicialmente por um amplificador com baixa figura de ruído para que a figura de ruído total permaneça baixa e, consequentemente, que a relação C/N degrade o mínimo possível. Isso é o que e feito na recepção de sinais via satélite, onde o LNB, que é um amplificador de baixa figura de ruído e conversor, fica no alimentador da antena parabólica. O booster de UHF é um amplificador de baixo ruído projetado para recepção de sinais de TV que minimiza a degradação da relação C/N. Como a figura de ruído do booster é menor do que a do amplificador de potência, e a figura de ruído total do sistema depende principalmente do primeiro amplificador, consegue-se melhorar a qualidade de sinais fracos utilizando-se um booster. Porém se o sinal é forte, o ganho de qualidade é pequeno, podendo-se dispensar seu uso. Daí decorre a necessidade de bons equipamentos para a amplificação e distribuição de sinal de TV digital. Eles minimizam a degradação do sinal. 9

10 Antena Coletiva para TV Digital: Considerações finais Um sistema de antena coletiva para TV digital é essencialmente uma antena coletiva que opera na faixa de UHF com alguns cuidados adicionais. A ampla faixa dinâmica de recepção de sinais, de -77dBm a -20dBm, permitem que os sinais de TV digital sejam distribuídos sem equalização. Isso é particularmente interessante enquanto não existir no mercado equipamentos para equalização de canais de TV digital, porém deve-se tomar cuidado para que os níveis dos sinais de todos os canais fiquem dentro da faixa especificada. Como a transmissão de sinais de TV digital de alta definição aberta no Brasil é recente, iniciou-se em São Paulo em 2 de dezembro de 2007, o autor não tem relato dos problemas encontrados com este tipo de instalação. Como os casos reportados por instaladores são de êxito, isso nos leva a crer que não existam grandes dificuldades na execução destes projetos e instalações. Contudo o sucesso das instalações deve-se aos cuidados tomados na escolha do cabo coaxial e dos equipamentos. Vale ressaltar que nível de sinal e relação C/N adequados somente não garantem que o sinal seja recebido corretamente. Outros problemas, tais como multipercurso e interferrências, podem degradar o sinal a tal ponto que ele não seja mais recuperável. Na TV analógica o multipercurso provoca fantasmas. Na TV digital ele pode degradar totalmente a qualidade do sinal. Por isso é imprescindível, antes de fazer um orçamento, fazer uma pesquisa do sinal no local da instalação utilizando uma pequena antena e um receptor de TV digital. Esta é uma prática que os instaladores experientes já fazem para antenas coletivas para sinais analógicos e deve ser realizada também para sinais digitais. Referências [1] Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas [2] [3] [4] [5] 10

11 Antena Coletiva para TV Digital: Teste seu entendimento 1. Os sinais de TV digital aberta de alta definição no Brasil são transmitidos hoje em qual faixa de freqüências? VHF UHF Microondas Satélite 2. Por que é importante escolher um bom cabo coaxial para distribuir os sinais de TV Digital? Por que as perdas de cabos coaxiais são maiores em freqüências maiores. Cabos coaxiais de má qualidade introduzem uma excessiva atenuação de sinal. Cabos coaxiais com malha com cobertura mínima são mais suscetíveis a interferências. Todas as alternativas anteriores. 3. Qual é o efeito de componentes de péssima qualidade na distribuição do sinal? Todas as alternativas abaixo. Introduzem uma excessiva atenuação de sinal. Aumenta o custo da instalação pois o profissional tem que retrabalhar e substituir vários componentes. Não chega sinal de TV digital nos pontos mais distantes da instalação. 11

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas

Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 15/03/2004) Sistemas de Distribuição de CATV e Antenas Coletivas O objetivo deste tutorial é conhecer os componentes utilizados em sistemas de distribuição de CATV (TV à cabo) e antenas coletivas, usadas para a recepção

Leia mais

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas

Luiz Bertini. Antenas Parabólicas Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital

6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital 6 Cálculo de cobertura de sistemas de TV Digital Neste capítulo, os modelos desenvolvidos serão utilizados para a avaliação da cobertura de sistemas de TV digital na cidade de São Paulo. Partindo dos limiares

Leia mais

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em "espera" ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc.

PARA SUA SEGURANÇA 1- DISPLAY. - Indica aparelho em espera ( Stand - By) DISPLAY NORMAL- Indica o número do canal, frequência, etc. 1 Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores de sinais de TV via satélite. Estamos certos de que o receptor Century USR 1900 lhe proporcionará a melhor imagem e também bons momentos

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia,

Comissão de Ciência e Tecnologia, Seminário de Rádio R Digital Comissão de Ciência e Tecnologia, Informática e Inovação Brasília 22 de novembro de 2007 Ronald Siqueira Barbosa O O pobre e o emergente de hoje são aqueles que no passado,

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica

Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas Parabólicas -- Apostila Básica Antenas parabólicas são usadas em UHF e Microondas. Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possuem um alto ganho. Uma antena receptora de satélites

Leia mais

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek

Máscara WiMax LNB Gardiner LNB Greatek 6.5. Caracterização da saturação do LNBF A verificação de nível de saturação no LNBF foi feita com o aumento do nível de sinal de TX até que se observasse frequências espúrias no analisador de espectro.

Leia mais

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo

Capítulo III Descrição geral dos testes de campo Capítulo III Descrição geral dos testes de campo A) Teste de Campo de Cobertura para Comparação de Desempenho dos Sistemas ATSC, DVB-T e ISDB-T A1. Objetivo Este teste tem como objetivo comparar o desempenho

Leia mais

Manual de Operação do USR - 1950

Manual de Operação do USR - 1950 Manual de Operação do USR - 1950 A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp

O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp O Uso Racional do Espectro em beneficio da sociedade: a utilização da faixa dos 700 MHz Fiesp 7-8-2013 Agenda Atribuições e missão da SET Grupos SET de Trabalho Testes e estudos no Japão Proposta de consulta

Leia mais

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA 1844 Demonstração pública bem sucedida do TELÉGRAFO, inventado por SAMUEL MORSE. Transmitida a mensagem What hath God wrought entreo Capitólio em Washington e Baltimore NASCE A ERA DA COMUNICAÇÃO ELÉCTROMAGNÉTICA

Leia mais

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C

Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Teste de interferência de equipamentos WiMax em recepção de satélite banda C Antonio Vivaldi Rodrigues Diretor de Engenharia CelPlan 2/32 Í N D I C E 1. SUMÁRIO EXECUTIVO... 5 2. INTRODUÇÃO... 6 3. SETUP

Leia mais

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com

Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Fundamentos em Sistemas de Computação Davidson Rodrigo Boccardo flitzdavidson@gmail.com Camada Física Primeira cada do modelo OSI (Camada 1) Função? Processar fluxo de dados da camada 2 (frames) em sinais

Leia mais

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do ROTASAT RTS 1900 O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio.

Antenas Parabólicas. - Tela de alumínio; - Fibra de vidro; - Alumínio. Antenas Parabólicas Possuem uma alta diretividade o que nos leva a perceber que possui um alto ganho. Uma antena receptora de satélites de 3 metros de diâmetro, por exemplo, tem um ganho de 33dB, ou seja,

Leia mais

www.philips.com/welcome

www.philips.com/welcome Register your product and get support at www.philips.com/welcome SDV1225T/55 PT Manual do Usuário Sumário 1 Importante 4 Segurança 4 Aviso para os EUA 4 Aviso para o Canadá 4 Reciclagem 4 Português 2

Leia mais

Lista de Exercícios A1

Lista de Exercícios A1 1 a QUESTÃO: A figura abaixo mostra simplificadamente um sistema de televisão inter-oceânico utilizando um satélite banda C como repetidor. O satélite tem órbita geoestacionária e está aproximadamente

Leia mais

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável

Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável Manual de Operação do Century PR 2010 Áudio Variável O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de

Leia mais

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV

Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV Sistemas de Distribuição: Antenas Coletivas e CATV www.thevear.com.br www.teleco.com.br A recepção de sinais TV em prédios de apartamentos é feita através de antenas coletivas colocadas no topo do edifício

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis

Sistemas de. Rádio Móvel Privado. Sistemas de. Comunicações Móveis Rádio Móvel Privado Sistemas e Frequências SiFr (1/11) Existem sistemas de comunicações móveis privados, que são de uso exclusivo dos seus detentores. Os utilizadores são: forças de segurança; serviços

Leia mais

Manual de Operação do SUPER COLOR. A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio.

Manual de Operação do SUPER COLOR. A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Manual de Operação do SUPER COLOR A Century se reserva todos os direitos sobre este Manual podendo alterar seu conteúdo sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO VISÃO

QUEM SOMOS MISSÃO VISÃO QUEM SOMOS A TOP BAHIA ASSESSORIA MUNICIPAL é uma empresa baiana que atua no mercado com profissionais capacitados, prestando um serviço de excelência, fornecendo aos nossos clientes soluções completas

Leia mais

Convivência Banda C Satélite e WiMAX

Convivência Banda C Satélite e WiMAX Convivência Banda C Satélite e WiMAX 16 de agosto de 2011 Interferência na Banda C Sinal satélite ( transmitido a 36.000 km de distância) recebido com potência muito menor que sinal WiMAX (transmitido

Leia mais

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA

Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA Capítulo 3: A CAMADA FÍSICA PCS 2476 Introdução - 1 Meios Físicos e Suas Características PCS 2476 Introdução - 2 Linhas Físicas Linhas Bifilares Par de fios Cabo de Pares Linha Aberta Linha de Alta Tensão

Leia mais

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h)

Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de. Actualização de Projectista ITED 2 (175h) Curso de Formação de O curso tem como objectivos específicos, dotar os participantes de conhecimentos que lhes permitam: Obter a RENOVAÇÃO da CERTIFICAÇÃO reconhecida pela ANACOM como técnico de projecto

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT

Digital no Brasil Audiência PúblicaP 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, - CCT Implantação do Rádio R Digital no Brasil Audiência PúblicaP Brasília 12 de julho de 2007 Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática - CCT Ronald Siqueira Barbosa Lembrando a importância

Leia mais

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO.

Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA. Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Relatório Técnico PD.33.10.91A.0040A/RT-02-AA Análise de convivência entre os sistemas FWA e TVRO. Comparação entre módulos LNB comerciais e modificados para a situação de convivência entre sistemas terrestres

Leia mais

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial

CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO TÉCNICO DE MEIOS DE TRANSMISSÃO. MEIOS DE TRANSMISSÃO Cabo Coaxial Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática CAROLINE XAVIER FERNANDES RELATÓRIO

Leia mais

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física

Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado. A camada Física Fundamentos de Rede e Cabeamento Estruturado A camada Física Largura de banda Compartilhada ou shared bandwidth Comutada ou switched bandwidth Banda base e banda larga Banda base existe a possibilidade

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

1 Problemas de transmissão

1 Problemas de transmissão 1 Problemas de transmissão O sinal recebido pelo receptor pode diferir do sinal transmitido. No caso analógico há degradação da qualidade do sinal. No caso digital ocorrem erros de bit. Essas diferenças

Leia mais

Radiodifusão Sonora Digital

Radiodifusão Sonora Digital 1 Radiodifusão Sonora Digital Lúcio Martins da Silva AUDIÊNCIA PÚBLICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA SENADO FEDERAL ASSUNTO: A ADOÇÃO DE UMA NOVA TECNOLOGIA PARA

Leia mais

Testes SET interferências 4G/LTE em 700MHz sobre a recepção de TV Digital

Testes SET interferências 4G/LTE em 700MHz sobre a recepção de TV Digital Testes SET interferências 4G/LTE em 700MHz sobre a recepção de TV Digital Coletiva de imprensa 13-2-2014 São Paulo SP Brasil Agenda Grupos de Estudos SET Estudos, Testes e Procedimentos no Japão Grupo

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Cobertura de RF em Redes WI-FI

Cobertura de RF em Redes WI-FI Cobertura de RF em Redes WI-FI Este tutorial apresenta as alternativas para estender a área de cobertura de redes locais sem fio com ênfase na utilização de cabos irradiantes. Marcelo Yamaguchi Pós-graduado

Leia mais

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS

COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS Física 11º Ano COMUNICAÇÕES A LONGAS DISTÂNCIAS MARÍLIA PERES TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO Produziu p pela p primeira vez ondas eletromagnéticas em laboratório (1887) utilizando um circuito para produzir

Leia mais

- ANTENAS - INTERFONIA - TELEFONIA - VÍDEO PORTEIRO - FECHADURAS E FECHOS - FIOS E CABOS QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA

- ANTENAS - INTERFONIA - TELEFONIA - VÍDEO PORTEIRO - FECHADURAS E FECHOS - FIOS E CABOS QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA ISO - ANTENAS - INTERFONIA - TELEFONIA - VÍDEO PORTEIRO - FECHADURAS E FECHOS - FIOS E CABOS EMPRESA CERTIFICADA 9001:2000 QUALIDADE E TECNOLOGIA A SERVIÇO DE SUA SEGURANÇA FIOS E CABOS Para sua maior

Leia mais

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof.

Introdução à Informática. Aula 04. Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados. Prof. Aula 04 Sistemas Operacionais Aplicativos e Utilitários Transmissão e meios de transmissão de dados Sistema Operacional Um conjunto de programas que se situa entre os softwares aplicativos e o hardware:

Leia mais

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast)

Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Ensaios de Transmissão Simultânea Analógica/Digital em Radiodifusão Sonora (Simulcast) Yapir Marotta Gerente Geral

Leia mais

Circuitos de Comunicação Introdução

Circuitos de Comunicação Introdução Circuitos de Comunicação Introdução Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Circuitos de Comunicação Objetivo: Estudar os blocos funcionais eletrônicos e de processamento digital de sinais que são utilizados nas comunicações

Leia mais

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio.

Manual de Operação do Century BR2014 Slim. O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Manual de Operação do Century BR2014 Slim O Conteúdo deste manual pode ser alterado sem aviso prévio. Parabéns pela aquisição da mais moderna tecnologia em receptores analógicos de sinais de TV via satélite.

Leia mais

Antena Escrito por André

Antena Escrito por André Antena Escrito por André Antenas A antena é um dispositivo passivo que emite ou recebe energia eletromagnéticas irradiada. Em comunicações radioelétricas é um dispositivo fundamental. Alcance de uma Antena

Leia mais

Figura - Radio em 1920.

Figura - Radio em 1920. Curiosidade: Muitos dos primeiros receptores AM com alimentação AC (para as válvulas) funcionavam com o chassi ligado ao neutro da rede (como terra), freqüentemente, ao se inverter a posição da tomada,

Leia mais

Balanceado X Não-Balanceado

Balanceado X Não-Balanceado Page 1 of 5 Balanceado X Não-Balanceado Informação técnica para usuários de produtos de áudio profissional da Yamaha Conexões não-balanceadas empregam dois condutores: um no potencial do aterramento e

Leia mais

Camada Física. Bruno Silvério Costa

Camada Física. Bruno Silvério Costa Camada Física Bruno Silvério Costa Sinais Limitados por Largura de Banda (a) Um sinal digital e suas principais frequências de harmônicas. (b) (c) Sucessivas aproximações do sinal original. Sinais Limitados

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1

ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 DIGIAIR PRO ISDB-T MANUAL DO USUÁRIO ISDB-T BRASIL Versão: 1.1.1 Conteúdo: DIGIAIR PRO ISDB-T Descrição. 3 1 INTRODUÇÃO 4 1.1 LIGAR E DESLIGAR (ON/OFF) 4 1.2 FONTE DE ALIMENTAÇÃO E BATERIA 4 1.3 COMO USAR

Leia mais

Modelo de um Sistema de Transmissão

Modelo de um Sistema de Transmissão Modelo de um Sistema de Transmissão A finalidade dos sistemas de telecomunicações é a de transformar um ou mais pontos as informações provenientes de uma ou mais fontes. uma configuração típica temos:

Leia mais

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM

Multiplexação. Multiplexação. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Multiplexação - FDM. Sistema FDM Multiplexação É a técnica que permite a transmissão de mais de um sinal em um mesmo meio físico. A capacidade de transmissão do meio físico é dividida em fatias (canais), com a finalidade de transportar

Leia mais

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema?

TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? TV Digital: Como serão as Antenas Transmissoras no novo Sistema? Este tutorial apresenta conceitos básicos sobre antenas empregadas na transmissão de TV Digital que começam em 2 de dezembro de 2007 em

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Meios de Transmissão Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Abril de 2012 1 / 34 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte

Leia mais

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio

Transmissor EXT-240 de áudio e vídeo sem fio Transmissor de áudio e vídeo sem fio Manual de operação Índice I. Introdução... 1 II. Informações de segurança... 1 III. Especificações... 1 IV. Instruções de instalação... 2 1. Opções de posicionamento...

Leia mais

Testes de Interferências do LTE na TV Digital

Testes de Interferências do LTE na TV Digital Testes de Interferências do LTE na TV Digital Prof. Gunnar Bedicks Laboratório de Pesquisas em TV Digital Universidade Presbiteriana Mackenzie São Paulo, 13.02.2014 Metodologia dos Estudos de Interferência

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO

4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO 4 CARACTERÍSTICA DE DESEMPENHO DE RECEPÇÃO Este bloco de ensaios visa a avaliar as características dos sistemas de TV Digital ATSC, DVB-T e ISDB-T para recepção dos sinais. 4.1 Limiar da relação portadora

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente? CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 05 UCs de Eletrônica e/ou de Telecomunicações 26. Dentre as dimensões a seguir, núcleo/casca, quais representam tipicamente fibras monomodo e fibras multimodos, respectivamente?

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg.

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de transmissão - Exemplos práticos Aula-05. Professor: Andrei Piccinini Legg. UFSM-CTISM Comunicação de Dados - Exemplos práticos Aula-05 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Meio de é o caminho físico entre o transmissor e o receptor. Como visto numa aula anterior

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C

Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Uso do Espectro em 3,5GHz e Recepção Satélite na Banda C Agosto de 2012 1 Agenda Testes da Star One A Questão afeta toda a Banda C e não somente a Banda Estendida Tanto a Transmissão Digital quanto a Analógica

Leia mais

Transmissão de Dados

Transmissão de Dados T 1 Transmissão de Dados FEUP/DEEC/RCD 2002/03 MPR/JAR T 2 Terminologia e Conceitos Meios de transmissão A transmissão de sinais, sob a forma de ondas electromagnéticas, é suportada em meios de transmissão

Leia mais

NETCOM 2007 PALESTRA:

NETCOM 2007 PALESTRA: NETCOM 2007 PALESTRA: SOLUÇÕES DE COBERTURA INDOOR PARA APLICAÇÕES WIMAX Marcelo Yamaguchi RFS Radio Frequency Systems Página 1 de (6) INTRODUÇÃO A demanda cada vez maior por portabilidade, mobilidade,

Leia mais

Espectro de Radiofreqüências TV Digital

Espectro de Radiofreqüências TV Digital QUESTÕES REGULATÓRIAS Espectro de Radiofreqüências TV Câmara dos Deputados Seminário Internacional TV - obstáculos e desafios para uma nova comunicação Brasília - 16/05/2006 Regulamentação Pertinente LGT

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO EQUIPAMENTOS Kit necessário para receber o sinal da Escola Satélite: - 01 antena parabólica convencional - 01 receptor digital MPEG4/DVBS2 com suporte para cartão IRDETO - 01 televisão

Leia mais

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio.

Acompanha: 1 cabo de 4m 1 adaptador para plug p10 1 antena 1 receptor. Este microfone pode ser usado com ou sem fio. VX 101: Produto:VHF Sistema de Microfone sem fio de um canal Frequência de Recepção: VHF 165 270 Mhz Estabilidade de frequência:< 0.002% Sensibilidade: 80 dbm Taxa de S/N: > 70dB Voltagem de energia AC

Leia mais

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4

Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 Relatório de Teste de Diferentes Antenas e Equipamentos para o Protocolo NOVUS IEEE 802.15.4 ÍNDICE Índice 1 Introdução 2 Equipamentos Utilizados 3 Modelo de Propagação do Sinal 5 Zona de Fresnel 6 Link

Leia mais

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011

Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 Modelo de propagação: Qual modelo utilizar? SET 2011 valderez@adthec.com.br 25.08.2011 Uma analise dos modelos de propagação em função do tipo de recepção, através da predição de cobertura, modelos de

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

Número PE046/2013. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE046/2013. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 CONECTOR, N - Encaixe tipo femea; Un 20,00 - Fixacao do condutor interno por solda; - Fixacao do cabo por sistema Clamp; - Para cabo coaxial tipo RGC213 50ohms; - Frequencia de trabalho max 6,5GHz;

Leia mais

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO

VANTAGENS COM A UTILIZAÇÃO DOS CONVERSORES DE VIDEO-PASSIVO DE VIDEO-PASSIVO 24.28 1 POSSIBILIDADES DE INSTALAR CÂMERAS A UMA DISTÂNCIA DE ATÉ 300 METROS (CVT-300M) OU DE ATÉ 500 METROS (CVT-500M) DO LOCAL DE MONITORAMENTO E SEM PROBLEMAS DE INTERFERÊNCIAS EXTERNAS

Leia mais

SOLUÇÕES BRASILSAT CONTRA INTERFERÊNCIA - Aplicações em comunicações via satélite em Banda C

SOLUÇÕES BRASILSAT CONTRA INTERFERÊNCIA - Aplicações em comunicações via satélite em Banda C - Aplicações em comunicações via satélite em Banda C V2.0 - AÇÃO DIVERSIDADE - BrasilSat, uma empresa socialmente responsável CAUSAS DE INTERSISTÊMICAS (ESPAÇO PARA TERRA): Dentro da Faixa de 3,625 a 4,2GHz

Leia mais

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS SÃO JOSÉ SANTA CATARINA CAB Cabeamento Estruturado e Redes Telefônicas

Leia mais

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática PAOLA OLIVEIRA BRUNO RELATÓRIO TÉCNICO

Leia mais

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW

Nos links abaixo você encontrará maiores informações sobre o AirVIEW: página do produto software de instalação simulador web do AirVIEW AIRVIEW 2 - O Analisador espectro AirVIEW da Ubiquiti Networks é uma ferramenta que permite ao administrador de redes wireless determinar canais sobrecarregados e possíveis fontes de interferência que

Leia mais

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA

TRANSMISSÃO DE TV 1 TRANSMISSÃO COM POLARIDADE NEGATIVA STV 18 ABR 2008 1 TRANSMISSÃO DE TV método de se transmitir o sinal de imagem modulado em amplitude a amplitude de uma portadora de RF varia de acordo com uma tensão moduladora a modulação é o sinal de

Leia mais

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante.

ADSL BÁSICO ADSL. A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. ADSL ADSL A sigla ADSL refere-se a: Linha Digital Assimétrica para Assinante. Trata-se de uma tecnologia que permite a transferência digital de dados em alta velocidade por meio da linha telefônica. É

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. Inocêncio Oliveira) Dispõe sobre a outorga de canais de televisão no Sistema Brasileiro de Televisão Digital para as entidades que menciona. O Congresso Nacional decreta:

Leia mais

Procedimentos para predição de transmissão do sinal de televisão digital

Procedimentos para predição de transmissão do sinal de televisão digital Procedimentos para predição de transmissão do sinal de televisão digital Maria Emília Gomes Pereira Instituto Nacional de Telecomunicações Inatel mariae@gee.inatel.br Anderson Fagiani Fraga Instituto Nacional

Leia mais

Manual de Instruções Receptor Analógico Banda C - GS-3000

Manual de Instruções Receptor Analógico Banda C - GS-3000 Manual de Instruções Receptor Analógico Banda C - GS-3000 Leia todo o manual antes de usá-lo para obter o máximo de todos os recursos disponíveis. FUNÇÕES Controle de canal no painel superior. Função timer

Leia mais

Tecnologia de faixa para falha

Tecnologia de faixa para falha Tecnologia de faixa para falha Por Tom Bell e John Nankivell Índice 1. Introdução 1 2. Equipamento de teste / processo de teste de PIM existente 2 3. Nova análise de RTF / limitações técnicas 3 4. Fluxograma

Leia mais

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace

Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Camada Física: Redes Sem Fio Antenas, Cabos e Rádio-Enlace Rádio Transmissor (Tx) Linha de Transmissão (LT) Antena Transmissora Meio de

Leia mais

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 4 - Testes de Cabos. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 4 - Testes de Cabos 1 Fundamentos - Ondas As ondas são importantes no estudo das redes, pois são elas que transmitem as informações, utilizando meios de cobre, fibra óptica ou o ar. As ondas são

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 6 Índice 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO)...3 1.1 Cabo coaxial... 3 2 1. MEIOS FÍSICOS DE TRANSMISSÃO (PAR TRANÇADO) Em um projeto de redes,

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006

Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Redes de Computadores Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Sinal no domínio do tempo Redes de Computadores 2 1 Sinal sinusoidal no tempo S(t) = A sin (2πft

Leia mais

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA

INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA INSTITUTO LABORO ESCOLA TECNICA PESQUISA CABO COAXIAIS ASPECTOS TECNICOS FIBRA OPTICA SISTEMA TIPICO DE COMUNICAÇÃO PTICA ESTRUTURA DE UMA FIBRA OPTICA TIPOS DE FIBRA OPTICA Por Ítalo da Silva Rodrigues

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Comunicação

Introdução aos Sistemas de Comunicação Introdução aos Sistemas de Comunicação Edmar José do Nascimento (Princípios de Comunicação) http://www.univasf.edu.br/ edmar.nascimento Universidade Federal do Vale do São Francisco Colegiado de Engenharia

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada

Manual de Instruções. Crossover 4 Vias HD-X4W. Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada Especificações Técnicas (Crossover 4 Vias) Nível máximo de entrada 9V RMS Tweeter CH Crossover /octave 2K, 4K, 6K, 8K Mid CH Crossover /octave Low: 0, 0, 0Hz em Flat High:,, 1,Hz Mid Bass Crossover /octave

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Qualidade. Confiança. Inovação.

Qualidade. Confiança. Inovação. Qualidade. Confiança. Inovação. Soluções em Radiodifusão, Vídeo e Comunicação do Brasil para o mundo. Transmissores Excitadores Multiplexadores Encoders Gap-fillers Micro-ondas Rádio Digital Câmeras Broadcast

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema de Recepção com Amplificação do Nível de Sinal Digital de Alta Definição

Desenvolvimento de Sistema de Recepção com Amplificação do Nível de Sinal Digital de Alta Definição Desenvolvimento de Sistema de Recepção com Amplificação do Nível de Sinal Digital de Alta Definição Diego de Moura, Ingrid C. Cezário, Adroaldo Raizer Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis,

Leia mais