Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular USO DE ANTROPÔNIMOS NA FRASEOLOGIA POPULAR. Maria Lúcia Mexias Simon. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular USO DE ANTROPÔNIMOS NA FRASEOLOGIA POPULAR. Maria Lúcia Mexias Simon. Resumo"

Transcrição

1 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular Resumo USO DE ANTROPÔNIMOS NA FRASEOLOGIA POPULAR Maria Lúcia Mexias Simon As frases feitas, como lições de comportamento, mencionam casos específicos para extrair conclusões genéricas; se são, esses casos específicos, reais ou fictícios não importa muito na obtenção dos resultados pretendidos que é passar uma fórmula de domesticação. Um dos recursos para conferir às frases feitas um valor-verdade é citar exemplo de outras pessoas que estão ou estiveram em situação semelhante, nomeando essas pessoas, de forma a obter, na locução, um efeito de sonoridade agradável. Pesquisou-se, em coletâneas de provérbios, a freqüência no uso de antropônimos, observando a preferência por determinados campos, como nomes bíblicos, nomes de santos populares, nomes mitológicos e hipocorísticos. Constatou-se ser apreciável o número de citações envolvendo antropônimos, relacionados, na maioria dos casos, ao campo religioso, de forma consciente ou não. Fazendo trabalho comparativo, ainda em coletâneas, verificou-se ocorrer o mesmo fato em locuções correntes em algumas outras comunidades lingüísticas. Deduz-se não poder ser justificado o uso de antropônimos nas frases feitas, ao menos sincronicamente. Se houve, ou não, um fato verdadeiro na sua origem, quase nunca se pode comprovar, a não ser que se inventem teorias fantasiosas. Comanda a escolha de um ou outro antropônimo a sonoridade, que se obtém por efeitos de aliteração, métrica, ritmo e rima. Abstract Complete utterances specify cases in order to get generic conclusions. These examples, no matter real or imaginary, lead to a formula of domestication. A way to stress the truthfulness of a ready-made sentence is to use examples from different people's experience, naming them by exploring their sound devices. We studied the frequency of proper names in proverbes, and we noticed that the great majority deals with biblical names, saints and mythological names; those, wich suggest a kind of tenderness, are in good use as well. Conscious or inconsciously, a great number of citations have names linked to religious issues, 217

2 Maria Lúcia Mexias Simon no matter their linguistics communities. Synchronically, we cannot justify the use of proper names in complete utterances. There is no way of discovering the origins of this usage. To choose a name depends on its good sound. Stylistic features as alliteration, meter, rythm and rhyme choose proper names. 218

3 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular S ão as "maneiras de falar", as "frases feitas" uma expressão constituída pela união de várias palavras, formando unidade sintática e fraseológica. O emprego de frases feitas é cômodo, pois nos dispensa da obrigação de pensar, de ser original e, até, por vezes, racional. Alguém já pensou por nós, só nos cabe repetir o já-dito, já consagrado pelo uso, que está à disposição de todos. As frases feitas são reforço e exemplo. Por falta de exemplo real, não ficará o discurso sem ilustração. Há um estoque, em cada comunidade, de exemplos, nos quais se acredita, pela força dos anos e da tradição. Servem de introdução, ou de fecho à peroração. Resumem, ou colorem o que foi dito anteriormente. De qualquer forma, não admitem réplica. São tidas como verdade incontestável, avalizadas, exatamente, pelo seu aspecto arcaizado. Nelas aparecem palavras e torneios sintáticos caídos em desuso. Não sofrem mutação. Sua antigüidade é sua garantia. Os "ditos populares" guardam sobrevivências históricas, idiomáticas e sociais, na sua forma concisa, de sonoridade agradável. Estão à margem do uso normal da língua, por suas características de forma e de som, pelo afastamento das normas lexicais e gramaticais e por seus valores metafóricos particulares. Na tentativa de análise da motivação inicial, a locução é rebelde, na maioria dos casos, a qualquer estudo histórico. Torna-se, então, difícil e perigoso procurar saber a etimologia das frases que retemos de memória e aplicamos nas diversas circunstâncias. Mesmo as citações 219

4 Maria Lúcia Mexias Simon encontradas nas obras literárias e de doutrinação não nos tira a dúvida se são criações do autor ou registro de expressões já existentes na comunidade. Também a "moral" das fábulas pode ter sido adotada como dito popular, como podem ser as fábulas paráfrases de ditos já existentes. Por outro lado, há reação contra as frases feitas, tidas como índice de limitação ou, até, de "preguiça" mental. São vistas como folclóricas, vendo-se, também, o folclore, como expressão exclusiva das "classes mais humildes", o que causa uma certa depreciação, embora se afirme ser o folclore, na verdade pertinente a todas as classes sociais. Qualquer membro de uma comunidade reconhece, de imediato, os ditos os "provérbios" como tais; sabem de seu emprego na comunicação, quando o falante quer dar validade a seus argumentos. Pelo seu caráter de hors-texte, ponto de inserção de um, assim chamado, saber comum da coletividade, 1 exime-se o falante de qualquer questionamento em relação à verdade histórica do dito popular. Empregam-se nuances de entonação ( pausa, mudança de altura ) ou fórmulas de introdução ( como se diz, como diz o outro etc ) a fim de deixar claro que se trata de uma voz tomada de empréstimo. Para que uma fórmula passe a constituir uma unidade lingüística, levam-se em conta a freqüência e a duração com que se apresentam em uma comunidade, o que demanda pesquisa orais, em coletâneas e, até mesmo, nos arquivos da 220

5 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular memória pessoal. Nas fontes pesquisadas ( mencionadas na bibliografia ), encontram-se várias das expressões populares contendo topônimos e antropônimos. Se há, ou não, um fato histórico em sua origem, não se pode comprovar, a não ser que se criem teorias. Ocorre, por vezes, o mesmo aconselhamento com nomes diferentes: Roma não se fez em um dia. No se gañó Zamora en una hora. Paris n'a pas été bâti en un jour. O mesmo acontece com antropônimos, como veremos nos exemplos a seguir. Não havendo, ou estando perdida, a razão histórica do uso de um ou outro nome, devemos buscar, no âmbito lingüístico, o motivo de sua permanência. As frases feitas sobrevivem, na memória popular, por suas características de ritmo, métrica e rima, como pequenos poemas que são. A presença de antropônimos encontrará, assim, a sua justificativa pelo encaixe nas propriedades poéticas dos provérbios. A presença de nomes de santos terá uma dupla motivação; além da sonoridade agradável, o maior aval, por serem os santos criaturas mais sábias, mais dignas de admiração e mais próximas aos poderes extraterrestres; portanto, com mais capacidade de influenciar os fatos da vida cotidiana. O uso de 221

6 Maria Lúcia Mexias Simon antropônimos não se observa somente nos provérbios em português, porém em vários outros idiomas, de acordo com as coletâneas consultadas. A mesma idéia, o mesmo aconselhamento, são exemplificados com diversas personagens ou com a mesma personagem em línguas diversas, comandada, a escolha de uma ou outra forma, somente pela sonoridade: Veremos, a seguir, exemplos de provérbios, mostrando nomes de pessoas, em algumas línguas, para comparação, reunidos pela "lição" que fornecem, pela regra de conduta apresentada. Se essas pessoas mencionadas são reais ou hipotéticas, modernamente não o podemos dizer. A referência a indivíduos reforça a "aparência-verdade", é uma maneira de dizer: o que sucede a João, ou Maria, pode suceder ao ouvinte, ou ao falante, ou a qualquer pessoa. diversos de si próprias: As pessoas não procuram, ou não atraem seres muito 1. ( português. ) Cada Manoel tem a sua Maria. 2. ( castelhano ) Tal para cual, Juan para María y María para Juan. 3. ( cast. ) Casaron a Pedro com Marihuela; si ruin es él, ruin es ella. 4. ( alemão ) Jeder Hans hat seine Grete. 5. ( cast. ) Tan honrado es Martín como su rocín. 6. ( provençal. ) Tant tiro Martin coume soun ase. 7. ( cast. ) Tan bueno es Pedro como su amo. 8. ( port. ) Tão bom é Pedro como seu amo. 222

7 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular É em criança que se adquirem os hábitos e os costumes: 9. (italiano) Quello il piccolo Giovannino non imparò non imparerà mai il vecchio Giovanni. 10. (reto-romance) Quei ca Hansèt amprenda buc, amprenda Hans mai buc. 11. (al.) Was Hänschen nicht lernt, lernt Hans nimmermehr. 12. (it.) Bernardo andò e Bernardo tornò. Por uma ninharia, por vezes, há grandes prejuízos: 13. (francês) Pour un point, Martin perd son âne. 14. (prov.) Pèr un poun Martin perdeguè soun ase. 15. (it.) Per un punto Martin perse la cappa. 16. (cast.) Por un solo punto Martín perdió su asno. 17. (catalão) Per un punt l'abat va perdre as mula. substitui-se, aqui, o personativo pelo designativo de profissão; terá havido um Abade Martin na origem da expressão? As pessoas são mais iguais ou mais diferentes entre si do que aparentam: 18. (cast.) El Alfonso e vos Alfonso. Quanto va de Alfonso a Alfonso! 19. (cast.) De Juan a Pedro no va un dedo. 20. (cast.) Algo va de Pedro a Pedro. 21. (port.) O que é bom para Pedro, é mau para Rodrigo. 22. (port.) Com o que Pedro sara, Paulo adoece. 23. (cast.) Com lo que Sancho sana, Domingo adolece. 24. (cast.) Com lo que Sancha sana, Marta cae mala. 223

8 Maria Lúcia Mexias Simon Os filhos nunca são muito diferentes dos pais: 25. (cast.) Cual es María, tal hija cría. 26. (port.) Qual é Maria, tal filha cria. Quando as pessoas são necessárias, são benvindas, caso contrário, dispensam-se: 27. (cat.) Quand es menester María, vinga María; quand no es menester María, fora María. Por sua vez, as pessoas também se retiram, quando satisfeitas: 28. (cast.) Bien canta Marta, después de harta. 29. ( ort.) Bem palra Marta depois de farta. Cada tolo sempre encontra imitadores: 30. (fr.) Quand Jean bête est mort, il a bien laissé des héritiers. 31. (prov.) Quand Jean-lou-sot mourè, foueço eiretié laissé. Observam-se, dos exemplos mencionados, a incidência de nomes populares, com evidente motivação religiosa. A presença do mesmo nome e do mesmo conceito em ditos de línguas diferentes coloca a questão: trata-se de uma poligênese, manifestação do inconsciente coletivo, ou de simples migração do provérbio? De qualquer forma, sua transmissão 224

9 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular oral estende-se no tempo e no espaço, levado por viajantes, mercadores, jograis. Tornam-se patrimônio de uma comunidade, o que não impede que outras comunidades o empreguem. No plano fonético, observa-se ser a escolha do nome comandada pela rima em 3, 5, 12, 13,19 25, e 29, mostrando ser a rima um importante fator determinante de escolha. Observamos, ainda, aliteração (repetição da mesma consoante) em 1, 6, 13, 14, 15, 16, e 24, também compondo sonoridade agradável, auxiliar de memória. Os efeitos de rima e de aliteração podem, até mesmo, ser obtidos com a mesma palavra, como observamos em 12, 18, 20, 27 o que, a primeira vista poderia parecer uma tautologia; porém se "Bernardo andou e Bernardo voltou" não há circularidade de idéia e sim menção à permanência de características numa mesma pessoa. Em todas as formas mencionadas, pode-se ler um dístico, estrofe de dois versos, uma estrutura binária, alternância entre dois fatos, ascensão e queda, em outras palavras, ritmo - significante de um mundo equilibrado, imutável, em repouso, como o querem os provérbios 2. Bibliografia BARROSO, Gustavo. Através dos folclores. S. Paulo: Melhoramentos, Rio: Cayeiras, / s. d. / 225

10 Maria Lúcia Mexias Simon CORSO, Felix F. Refranero español. Buenos Aires; Libreria Perlado, GOTTSCHALK, Walter. Die bildhaften sprichwörter der Romanen. Heidelberg: Carl Winters Universitätsbuchhandlung, / s. d. /. GREIMAS, Algirdas Julien. "Idiotismes, proverbes et dictons". Cahiers de lexicologie. Paris: Didier Larousse, GUIRAUD, Pierre. Les locutions françaises. Paris: Presses Universitaires de France, MELLO, Fernando Ribeiro de. Nova recolha de provérbios e outros lugares comuns. Lisboa: Afrodite, RIBEIRO, João. Frases feitas. Rio: Francisco Alves, ZUMTHOR, Paul. "L'épiphonème proverbial". Révue des sciences humaines. Lille: Notas 1 ZUMTHOR, Paul p GREIMAS, A. J. 1960, p

Para uma Estrutura dos Provérbios nas Línguas Românicas: uma Experiência. Pour une Structure des Proverbes Dans Les Langues Romaniques: une Experience

Para uma Estrutura dos Provérbios nas Línguas Românicas: uma Experiência. Pour une Structure des Proverbes Dans Les Langues Romaniques: une Experience Para uma Estrutura dos Provérbios nas Línguas Românicas: uma Experiência Universidade Severino Sombra, Revisão das Revistas Eletrônicas da USS, Editoria da Revista Mosaico - Revista Multidisciplinar de

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Muito do pioneirismo das ideias de Saussure advém do fato de o autor ter sido o primeiro a mencionar a natureza social da língua, como se pode observar no seguinte excerto do Curso de Linguística

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino.

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. Edson Domingos Fagundes O elemento motivador deste trabalho

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes Curso Profissional 11º ano Módulo III Lugares e Transportes 1. Competências visadas (a desenvolver no aluno) Compreensão oral: - Compreender o suficiente para resolver necessidades concretas, desde que

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo?

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Taklit Publishing & Productions 22, rue de Fleurus 75006 Paris France All rights reserved 2012 Você compreende essa frase? This is a cat.

Leia mais

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento

Alfabetização e Letramento www.scipione.com.br/letramento AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM ORAL E DA LINGUAGEM ESCRITA PELA CRIANÇA Professor(a), ao abordarmos, no texto anterior, a linguagem escrita como uma das múltiplas linguagens da criança, procuramos enfatizar a

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS POÉTICOS ENTRE VERSOS E RIMAS

PROJETO DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS POÉTICOS ENTRE VERSOS E RIMAS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PROJETO DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS POÉTICOS ENTRE VERSOS E RIMAS Equipe: Eliana Terra Barbosa (Coordenadora)

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

Cursos livres de língua Italiana

Cursos livres de língua Italiana Cursos livres de língua Italiana Descontos 10% para alunos da CURSOS DE LÍNGUA Os cursos da não visam somente o ensino da língua, mas transmitem também elementos de cultura e tradição. Através dos vários

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PESQUISAS EM POÉTICAS ORAIS DA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM CARTOGRÁFICA (2000-2010)

LEVANTAMENTO DE PESQUISAS EM POÉTICAS ORAIS DA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM CARTOGRÁFICA (2000-2010) LEVANTAMENTO DE PESQUISAS EM POÉTICAS ORAIS DA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM CARTOGRÁFICA (2000-2010) Marcelo Gomes da Silva (bolsista/fundação ARAUCÁRIA) Frederico Augusto Garcia Fernandes (fredericoaugustofernandes@hotmail.com)

Leia mais

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários 3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 1º. TRIMESTRE Tirinha Música Foco narrativo (sequência); Suporte de origem; Imagem desenhada; Histórias

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

3 Pavimentando o caminho: o contexto

3 Pavimentando o caminho: o contexto 46 3 Pavimentando o caminho: o contexto Because it is we practioners (teachers AND learners) who need understandings of what is happening now (Allwright, 2003) Este capítulo é dedicado a situar o contexto

Leia mais

Trava-línguas. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Trava-línguas. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Trava-línguas CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT

RESUMO. Palavras-chave: Dramaturgia. Oralidade. Ator. Improvisação. ABSTRACT SILVEIRA, Patrícia dos Santos. Jogos de linguagem e oralidade na construção do texto teatral. Florianópolis: UDESC; CAPES; Mestrado; Orientador Prof. Dr. Stephan Baumgärtel. Atriz. RESUMO Este artigo visa

Leia mais

PROJETO DO CURSO CURSOS DE LÍNGUA E CULTURA ITALIANA CURSOS PARA ADULTOS

PROJETO DO CURSO CURSOS DE LÍNGUA E CULTURA ITALIANA CURSOS PARA ADULTOS PROJETO DO CURSO CURSOS DE LÍNGUA E CULTURA ITALIANA CURSOS PARA ADULTOS I - REQUISITOS: Gerais: Escolaridade: Ensino Fundamental concluído Idade mínima: 14 anos Específicos: O Básico e o Intermediário

Leia mais

Vocabulário e frases chave

Vocabulário e frases chave Vocabulário e frases chave la tradición La sociedad moderna tiende a desvincularse de las tradiciones. a tradição A sociedade moderna tende a se afastar das tradições. la cultura Las distintas culturas

Leia mais

Contação de Histórias

Contação de Histórias Contação de Histórias super simples - Quem, eu? - Sim, você! Finalmente, um sistema para Contação de Histórias que faz sentido e é factível, sem dor de cabeça e aborrecimento. Criado por Kendall Haven

Leia mais

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I Content Area Grade Quarter Língua 6ª Serie Unidade I Texto: parágrafos: descritivo/comparativo; reconto; resenha crítica, anedota, cartum, revista em quadrinhos Linguística: comunicação: elementos/códigos;

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação. Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares

Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação. Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares GRUPO 4 Alunos: Ernesto João Mallen Luziaro Michel Zane

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA Gabriel de Ávila Othero 1 gabnh@terra.com.br... o tempo altera todas as coisas; não existe razão para que a língua escape a essa lei universal. Ferdinand de Saussure 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Resumo PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR evelisep@onda.com.br ALVES, Larissa Maria Volcov PUCPR - PIBIC larissavolcov@hotmail.com

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Planificação periódica 7ºano

Planificação periódica 7ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 7ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação 1ºPeríodo 7ºAno 2010/2011

Leia mais

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano

GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano EDUCAÇÃO INFANTIL Maceió, 02 de outubro de 2015. GUIA PEDAGÓGICO PARA OS PAIS 1 ano Senhores pais ou responsáveis Seguem abaixo os temas, objetivos, atividades e evento de culminância dos projetos a serem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

Case Study 3: Subtitlers 2.4.1. Questionnaires to subtitlers working on SDH /RTP 2.4.

Case Study 3: Subtitlers 2.4.1. Questionnaires to subtitlers working on SDH /RTP 2.4. Case Study 3: Subtitlers 2.4.1. Questionnaires to subtitlers working on SDH /RTP 2.4. Este inquérito inscreve-se no âmbito de um estudo académico conducente a Doutoramento na área da Legendagem para deficientes

Leia mais

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO

PROGRAMA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA ANOS FINAIS / SRE - CURVELO 61 Poema O que é: Segundo o poeta Carlos Drummond de Andrade, entre coisas e palavras principalmente entre palavras circulamos. As palavras, entretanto, não circulam entre nós como folhas soltas no ar.

Leia mais

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR EB 2/3 de Jovim e Foz do Sousa PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 1º Período 5º Ano ANO LETIVO 2014/2015 Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades Conhecer o alfabeto.

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5

CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5 Língua Estrangeira II Inglês II Línguas e Culturas Gestão Seminário (S) 3 Outra (O) Reforçar os conhecimentos e competências linguísticas e culturais especificas, permitindo a gestão da comunicação e imagem

Leia mais

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer

English Adventure. By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer English Adventure By Carmen Castellani Consultant and Teacher trainer " Eu toco o futuro, eu ensino." Christa McAuliffe Você está pronto para levar seus alunos para uma English Adventure? Principais características

Leia mais

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA

PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA PROPORCIONANDO UMA APRENDIZAGEM DINÂMICA E CONTEXTUALIZADA A PARTIR DO GÊNERO TEXTUAL MÚSICA RAVENA FLÁVIA MEDEIROS DE FREITAS, POLIANA SALDANHA DE SOUSA, PATRICIA FERREIRA DOS SANTOS, AIVONEIDE DE OLIVEIRA

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II

EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II EDUCAÇÃO MUSICAL MATERNAL II Músicas infantis. Danças, músicas e personagens folclóricos. Conhecer textos e melodias folclóricos; Entoar músicas do folclore brasileiro; Dançar músicas folclóricas; Imitar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de21 de outubro de 2014 ) No caso específico da disciplina de Português, do 6.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível

Leia mais

UM BRINQUEDO DAS FORMAS MANUAL DE CONSTRUÇÃO MARCOS TEODORICO PINHEIRO DE ALMEIDA

UM BRINQUEDO DAS FORMAS MANUAL DE CONSTRUÇÃO MARCOS TEODORICO PINHEIRO DE ALMEIDA UM BRINQUEDO DAS FORMAS MANUAL DE CONSTRUÇÃO MARCOS TEODORICO PINHEIRO DE ALMEIDA FORTALEZA CEARÁ - BRASIL AGOSTO - 2003 2 TRACA-TRACA Um brinquedo das formas! Conheci este brinquedo, em minha infância

Leia mais

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Com base no texto acima, a língua espanhola, no contexto atual, é. De acordo com o texto acima, assinale a opção correta. A B

Com base no texto acima, a língua espanhola, no contexto atual, é. De acordo com o texto acima, assinale a opção correta. A B Un/ESPE SEU/E 8 QUESTÃO 31 O processo de ensino-aprendizagem da língua espanhola no rasil é uma realidade nos dias atuais, porém foram diversos fatores que fizeram que o espanhol tivesse a importância

Leia mais

TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS TRABALHANDO COM O GÊNERO TEXTUAL HISTÓRIA EM QUADRINHOS NO ENSINO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS Erida Souza Lima 1 Eixo temático: Educação e Ensino de Ciências Humanas e Sociais Resumo: Os gêneros textuais vêm

Leia mais

Assimilação natural x Estudo formal

Assimilação natural x Estudo formal Escolhemos adaptar este texto para inaugurar o novo site do CEI porque ele apresenta duas abordagens do aprendizado de idiomas como sendo propostas contrastantes. No entanto, acreditamos que o ensino na

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico.

PALAVRAS-CHAVE: Linguagem oral dominada, Representação escrita, Sistema simbólico. 7.00.00.00-0 - CIÊNCIAS HUMANAS 7.08.00.00-6 Educação A APRENDIZAGEM DA LEITURA E DA ESCRITA: A LINGUAGEM ORAL DOMINADA E SUA CORRELAÇÃO COM A APRENDIZAGEM DA ESCRITA GIOVANNA GAGGINI RODON Curso de Pedagogia

Leia mais

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM

CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM CENTRO DE REFERÊNCIA EM DISTÚRBIOS DE APRENDIZAGEM Terapia Fonoaudiológica com Ênfase na Estimulação do Processamento Auditivo Fonoaudióloga. Mestra. Adriana de Souza Batista Ouvir é... Habilidade que

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE

PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA UNIDADE PROGRAMAÇÃO CURRICULAR DE LÍNGUA PORTUGUESA 1. ano - 1. volume UNIDADE 1 Símbolos Letras do alfabeto UNIDADE 2 Alfabeto (vogais e consoantes) Crachá Letras do próprio nome, do nome do professor e dos colegas

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para o episódio 1, os trabalhos para o episódio 2 também trazem várias questões

Leia mais

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado

PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE LETRAS NOME DA DISCIPLINA: Estágio 2 (espanhol) PROFESSOR RESPONSÁVEL: Patrícia Roberta de Almeida Castro Machado CARGA HORÁRIA SEMESTRAL:

Leia mais

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show.

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show. PLANEJAMENTO Folclore Professor (a): Vanessa da Rosa Competências Leitura; Oralidade; Produção textual, Ortografia, Ritmo e Memória. Avançar em seus conhecimentos sobre a escrita, ao escrever segundo suas

Leia mais

SOBRE A LÍNGUA DA ALFABETIZAÇÃO INDÍGENA

SOBRE A LÍNGUA DA ALFABETIZAÇÃO INDÍGENA SOBRE A LÍNGUA DA ALFABETIZAÇÃO INDÍGENA Maria Elisa Ladeira Coordenadora do Programa Educação Centro de Trabalho Indigenista Muito se tem discutido, ultimamente, sobre a questão da alfabetização bilíngüe

Leia mais

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura)

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) 4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) ESCALA DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA A

Leia mais

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Educação a Distância Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade - Florianópolis - Santa Catarina

Leia mais

Inglês 1ª / 2ª Fase 2014

Inglês 1ª / 2ª Fase 2014 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês 1ª / 2ª Fase 2014 Prova 06 2014 6.º Ano de Escolaridade - 2.º Ciclo do Ensino Básico PROVA ESCRITA 50% 1. Objeto de avaliação, caraterísticas e estrutura

Leia mais

Como estimularo. desenvolvimento da. filho. linguagem

Como estimularo. desenvolvimento da. filho. linguagem Como estimularo desenvolvimento da linguagem do seu filho Primeiros 3 meses Ao nascer, sua audição já está bem desenvolvida. Atente para a importância de realizar o Teste da Orelhinha no seu filho, logo

Leia mais

FACULDADE DE TEOLOGIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA REGULAMENTO DE DOUTORAMENTO. Normas Específicas da Faculdade de Teologia

FACULDADE DE TEOLOGIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA REGULAMENTO DE DOUTORAMENTO. Normas Específicas da Faculdade de Teologia FACULDADE DE TEOLOGIA UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA REGULAMENTO DE DOUTORAMENTO Normas Específicas da Faculdade de Teologia Março 2000 ARTº 1º (Disposições introdutórias) 1. As presentes normas visam

Leia mais

CURSOS DE LÍNGUA ITALIANA

CURSOS DE LÍNGUA ITALIANA CURSOS DE LÍNGUA ITALIANA A Camera di Commercio Italiana per il Portogallo proporciona uma vasta oferta de cursos com docentes altamente qualificados. É certificada pela DGERT (Direção Geral do Emprego

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LÍNGUA ESPANHOLA DE FORMA CONTEXTUALIZADA

APRENDIZAGEM DA LÍNGUA ESPANHOLA DE FORMA CONTEXTUALIZADA APRENDIZAGEM DA LÍNGUA ESPANHOLA DE FORMA CONTEXTUALIZADA Maria Ester Duarte da Rosa da Silva 1 Jaíne Mendes Rolan 2 Eny Beatriz Ribas Ribeiro 3 Cristina Pureza Duarte Boéssio 4 RESUMO: Este trabalho tem

Leia mais

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético.

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético. PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Professor (a): Janete Fassini Alves Poesia: Das Flores Competências Objetivo Geral Objetivos Específicos Autor: Armando Wartha Expressão na oralidade, leitura fluente, produção

Leia mais

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA:

AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: AFIRMAÇÃO CULTURAL E DE SOBERANIA: A LÍNGUA PORTUGUESA NA ERA DIGITAL ÁGORA Ciência e Sociedade, ciclo de conferências Universidade de Lisboa Auditório do Instituto para a Investigação Interdisciplinar,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2015 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636

FACESI EM REVISTA Ano 3 Volume 3, N. 2 2011 - - ISSN 2177-6636 A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER NO UNIVERSO INFANTIL Ana Maria Martins anna_1280@hotmail.com Karen de Abreu Anchieta karenaanchieta@bol.com.br Resumo A importância do ato de ler no cotidiano infantil é de

Leia mais

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio

inglês MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM Comparativos Curriculares SM língua estrangeira moderna ensino médio MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE EDIÇÕES SM língua estrangeira moderna Comparativos Curriculares SM inglês ensino médio A coleção Alive High Língua Estrangeira Moderna Inglês e o currículo do Estado de Goiás

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

Planificação periódica 8ºano

Planificação periódica 8ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 8ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 Agrupamento de Escolas de Aveiro E S C O L A 2 º E 3 º C I C L O S J O Ã O A F O N S O D E A V E I R O

Leia mais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais

Objetivo desta Aula. Um tópico a cada vez. Roteiro apresentar tópicos gerais Objetivo desta Aula Apresentar dicas de como preparar apresentações Ronaldo Lopes Oliveira Especialização em Produção de Bovinos DPA/MEV/UFBA 2007 Apresentar dicas de como fazer a apresentação Apresentar

Leia mais

WORKSHOPS DE INGLÊS TEENS

WORKSHOPS DE INGLÊS TEENS WORKSHOPS DE INGLÊS TEENS Avenida dos Bombeiros Voluntários de Algés, 29-2º 1495-024 Algés Portugal T. 214102910 www.imagineacademies.com business@imagineacademies.com NIF - 508.835.445 Capital Social

Leia mais

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC)

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Introdução Este trabalho que desenvolvemos acerca da vogal [e] sozinha e em posição,

Leia mais

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO)

PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) PLANO DE CURSO REFERENCIAL LÍNGUA PORTUGUESA/GESTAR 6ª SÉRIE (7º ANO) Processo Avaliativo Unidade Didática PRIMEIRA UNIDADE Competências e Habilidades Aperfeiçoar a escuta de textos orais - Reconhecer

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / / ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA INGLESA CARGA HORÁRIA: 1 AULA SEMANAL PLANO DA I UNIDADE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES *Apresentar-se, cumprimentar

Leia mais

Comunicações e Informações

Comunicações e Informações Jornal Oficial da União Europeia C 224 A Edição em língua portuguesa Comunicações e Informações 58. o ano 9 de julho de 2015 Índice V Avisos PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS Serviço Europeu de Seleção do

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADELEMT01 RESUMO REFLEXÕES E RELATOS DE EXPERIÊNCIAS NO PROCESSO DE APRENDIZAGEM E/LE Wannessa Fadja Dinoá (1); María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/Departamento de

Leia mais

ANÁLISE DE UM LIVRO DIDÁTICO PNLD

ANÁLISE DE UM LIVRO DIDÁTICO PNLD ANÁLISE DE UM LIVRO DIDÁTICO PNLD Autores: Igor Barros de Souza; Luz Marina Canelo De Ramírez; Prof. Dr. Wagner Barros Teixeira - Orientador (Ufam) Universidade Federal do Amazonas UFAM - souzabarrosigor@hotmail.com;

Leia mais

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames.

Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, na redação atual. Regulamento de Exames. Disciplina Francês II Código: 16 Informação - Prova de Equivalência à Frequência 2014/2015 Francês II Código da prova: 16 9º Ano de Escolaridade / 3º ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Língua Portuguesa 9º ano Conteúdos por unidade didática 1º Período A - Comunicação Oral.. Intencionalidade comunicativa. Adequação comunicativa: Ideia geral. Ideias principais. Ideias secundárias. Informação

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa

Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa Adélia Nicolete Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - ECA-USP Doutoranda - Pedagogia do Teatro Or. Profª Drª Maria

Leia mais

Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite

Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite 24 25 Brasília O concreto da arquitetura moderna inspira novos materiais. Brasília Concreto Grafite 26 O cimento, esse clássico contemporâneo, em versão 2013 é uma homenagem à arquitetura moderna da nossa

Leia mais

CURRÍCULO DE PORTUGUÊS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CURRÍCULO DE PORTUGUÊS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CURRÍCULO DE PORTUGUÊS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO Eduardo Campos VICE-GOVERNADOR João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO

Leia mais