Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular USO DE ANTROPÔNIMOS NA FRASEOLOGIA POPULAR. Maria Lúcia Mexias Simon. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular USO DE ANTROPÔNIMOS NA FRASEOLOGIA POPULAR. Maria Lúcia Mexias Simon. Resumo"

Transcrição

1 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular Resumo USO DE ANTROPÔNIMOS NA FRASEOLOGIA POPULAR Maria Lúcia Mexias Simon As frases feitas, como lições de comportamento, mencionam casos específicos para extrair conclusões genéricas; se são, esses casos específicos, reais ou fictícios não importa muito na obtenção dos resultados pretendidos que é passar uma fórmula de domesticação. Um dos recursos para conferir às frases feitas um valor-verdade é citar exemplo de outras pessoas que estão ou estiveram em situação semelhante, nomeando essas pessoas, de forma a obter, na locução, um efeito de sonoridade agradável. Pesquisou-se, em coletâneas de provérbios, a freqüência no uso de antropônimos, observando a preferência por determinados campos, como nomes bíblicos, nomes de santos populares, nomes mitológicos e hipocorísticos. Constatou-se ser apreciável o número de citações envolvendo antropônimos, relacionados, na maioria dos casos, ao campo religioso, de forma consciente ou não. Fazendo trabalho comparativo, ainda em coletâneas, verificou-se ocorrer o mesmo fato em locuções correntes em algumas outras comunidades lingüísticas. Deduz-se não poder ser justificado o uso de antropônimos nas frases feitas, ao menos sincronicamente. Se houve, ou não, um fato verdadeiro na sua origem, quase nunca se pode comprovar, a não ser que se inventem teorias fantasiosas. Comanda a escolha de um ou outro antropônimo a sonoridade, que se obtém por efeitos de aliteração, métrica, ritmo e rima. Abstract Complete utterances specify cases in order to get generic conclusions. These examples, no matter real or imaginary, lead to a formula of domestication. A way to stress the truthfulness of a ready-made sentence is to use examples from different people's experience, naming them by exploring their sound devices. We studied the frequency of proper names in proverbes, and we noticed that the great majority deals with biblical names, saints and mythological names; those, wich suggest a kind of tenderness, are in good use as well. Conscious or inconsciously, a great number of citations have names linked to religious issues, 217

2 Maria Lúcia Mexias Simon no matter their linguistics communities. Synchronically, we cannot justify the use of proper names in complete utterances. There is no way of discovering the origins of this usage. To choose a name depends on its good sound. Stylistic features as alliteration, meter, rythm and rhyme choose proper names. 218

3 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular S ão as "maneiras de falar", as "frases feitas" uma expressão constituída pela união de várias palavras, formando unidade sintática e fraseológica. O emprego de frases feitas é cômodo, pois nos dispensa da obrigação de pensar, de ser original e, até, por vezes, racional. Alguém já pensou por nós, só nos cabe repetir o já-dito, já consagrado pelo uso, que está à disposição de todos. As frases feitas são reforço e exemplo. Por falta de exemplo real, não ficará o discurso sem ilustração. Há um estoque, em cada comunidade, de exemplos, nos quais se acredita, pela força dos anos e da tradição. Servem de introdução, ou de fecho à peroração. Resumem, ou colorem o que foi dito anteriormente. De qualquer forma, não admitem réplica. São tidas como verdade incontestável, avalizadas, exatamente, pelo seu aspecto arcaizado. Nelas aparecem palavras e torneios sintáticos caídos em desuso. Não sofrem mutação. Sua antigüidade é sua garantia. Os "ditos populares" guardam sobrevivências históricas, idiomáticas e sociais, na sua forma concisa, de sonoridade agradável. Estão à margem do uso normal da língua, por suas características de forma e de som, pelo afastamento das normas lexicais e gramaticais e por seus valores metafóricos particulares. Na tentativa de análise da motivação inicial, a locução é rebelde, na maioria dos casos, a qualquer estudo histórico. Torna-se, então, difícil e perigoso procurar saber a etimologia das frases que retemos de memória e aplicamos nas diversas circunstâncias. Mesmo as citações 219

4 Maria Lúcia Mexias Simon encontradas nas obras literárias e de doutrinação não nos tira a dúvida se são criações do autor ou registro de expressões já existentes na comunidade. Também a "moral" das fábulas pode ter sido adotada como dito popular, como podem ser as fábulas paráfrases de ditos já existentes. Por outro lado, há reação contra as frases feitas, tidas como índice de limitação ou, até, de "preguiça" mental. São vistas como folclóricas, vendo-se, também, o folclore, como expressão exclusiva das "classes mais humildes", o que causa uma certa depreciação, embora se afirme ser o folclore, na verdade pertinente a todas as classes sociais. Qualquer membro de uma comunidade reconhece, de imediato, os ditos os "provérbios" como tais; sabem de seu emprego na comunicação, quando o falante quer dar validade a seus argumentos. Pelo seu caráter de hors-texte, ponto de inserção de um, assim chamado, saber comum da coletividade, 1 exime-se o falante de qualquer questionamento em relação à verdade histórica do dito popular. Empregam-se nuances de entonação ( pausa, mudança de altura ) ou fórmulas de introdução ( como se diz, como diz o outro etc ) a fim de deixar claro que se trata de uma voz tomada de empréstimo. Para que uma fórmula passe a constituir uma unidade lingüística, levam-se em conta a freqüência e a duração com que se apresentam em uma comunidade, o que demanda pesquisa orais, em coletâneas e, até mesmo, nos arquivos da 220

5 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular memória pessoal. Nas fontes pesquisadas ( mencionadas na bibliografia ), encontram-se várias das expressões populares contendo topônimos e antropônimos. Se há, ou não, um fato histórico em sua origem, não se pode comprovar, a não ser que se criem teorias. Ocorre, por vezes, o mesmo aconselhamento com nomes diferentes: Roma não se fez em um dia. No se gañó Zamora en una hora. Paris n'a pas été bâti en un jour. O mesmo acontece com antropônimos, como veremos nos exemplos a seguir. Não havendo, ou estando perdida, a razão histórica do uso de um ou outro nome, devemos buscar, no âmbito lingüístico, o motivo de sua permanência. As frases feitas sobrevivem, na memória popular, por suas características de ritmo, métrica e rima, como pequenos poemas que são. A presença de antropônimos encontrará, assim, a sua justificativa pelo encaixe nas propriedades poéticas dos provérbios. A presença de nomes de santos terá uma dupla motivação; além da sonoridade agradável, o maior aval, por serem os santos criaturas mais sábias, mais dignas de admiração e mais próximas aos poderes extraterrestres; portanto, com mais capacidade de influenciar os fatos da vida cotidiana. O uso de 221

6 Maria Lúcia Mexias Simon antropônimos não se observa somente nos provérbios em português, porém em vários outros idiomas, de acordo com as coletâneas consultadas. A mesma idéia, o mesmo aconselhamento, são exemplificados com diversas personagens ou com a mesma personagem em línguas diversas, comandada, a escolha de uma ou outra forma, somente pela sonoridade: Veremos, a seguir, exemplos de provérbios, mostrando nomes de pessoas, em algumas línguas, para comparação, reunidos pela "lição" que fornecem, pela regra de conduta apresentada. Se essas pessoas mencionadas são reais ou hipotéticas, modernamente não o podemos dizer. A referência a indivíduos reforça a "aparência-verdade", é uma maneira de dizer: o que sucede a João, ou Maria, pode suceder ao ouvinte, ou ao falante, ou a qualquer pessoa. diversos de si próprias: As pessoas não procuram, ou não atraem seres muito 1. ( português. ) Cada Manoel tem a sua Maria. 2. ( castelhano ) Tal para cual, Juan para María y María para Juan. 3. ( cast. ) Casaron a Pedro com Marihuela; si ruin es él, ruin es ella. 4. ( alemão ) Jeder Hans hat seine Grete. 5. ( cast. ) Tan honrado es Martín como su rocín. 6. ( provençal. ) Tant tiro Martin coume soun ase. 7. ( cast. ) Tan bueno es Pedro como su amo. 8. ( port. ) Tão bom é Pedro como seu amo. 222

7 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular É em criança que se adquirem os hábitos e os costumes: 9. (italiano) Quello il piccolo Giovannino non imparò non imparerà mai il vecchio Giovanni. 10. (reto-romance) Quei ca Hansèt amprenda buc, amprenda Hans mai buc. 11. (al.) Was Hänschen nicht lernt, lernt Hans nimmermehr. 12. (it.) Bernardo andò e Bernardo tornò. Por uma ninharia, por vezes, há grandes prejuízos: 13. (francês) Pour un point, Martin perd son âne. 14. (prov.) Pèr un poun Martin perdeguè soun ase. 15. (it.) Per un punto Martin perse la cappa. 16. (cast.) Por un solo punto Martín perdió su asno. 17. (catalão) Per un punt l'abat va perdre as mula. substitui-se, aqui, o personativo pelo designativo de profissão; terá havido um Abade Martin na origem da expressão? As pessoas são mais iguais ou mais diferentes entre si do que aparentam: 18. (cast.) El Alfonso e vos Alfonso. Quanto va de Alfonso a Alfonso! 19. (cast.) De Juan a Pedro no va un dedo. 20. (cast.) Algo va de Pedro a Pedro. 21. (port.) O que é bom para Pedro, é mau para Rodrigo. 22. (port.) Com o que Pedro sara, Paulo adoece. 23. (cast.) Com lo que Sancho sana, Domingo adolece. 24. (cast.) Com lo que Sancha sana, Marta cae mala. 223

8 Maria Lúcia Mexias Simon Os filhos nunca são muito diferentes dos pais: 25. (cast.) Cual es María, tal hija cría. 26. (port.) Qual é Maria, tal filha cria. Quando as pessoas são necessárias, são benvindas, caso contrário, dispensam-se: 27. (cat.) Quand es menester María, vinga María; quand no es menester María, fora María. Por sua vez, as pessoas também se retiram, quando satisfeitas: 28. (cast.) Bien canta Marta, después de harta. 29. ( ort.) Bem palra Marta depois de farta. Cada tolo sempre encontra imitadores: 30. (fr.) Quand Jean bête est mort, il a bien laissé des héritiers. 31. (prov.) Quand Jean-lou-sot mourè, foueço eiretié laissé. Observam-se, dos exemplos mencionados, a incidência de nomes populares, com evidente motivação religiosa. A presença do mesmo nome e do mesmo conceito em ditos de línguas diferentes coloca a questão: trata-se de uma poligênese, manifestação do inconsciente coletivo, ou de simples migração do provérbio? De qualquer forma, sua transmissão 224

9 Uso de Antropônimos na Fraseologia Popular oral estende-se no tempo e no espaço, levado por viajantes, mercadores, jograis. Tornam-se patrimônio de uma comunidade, o que não impede que outras comunidades o empreguem. No plano fonético, observa-se ser a escolha do nome comandada pela rima em 3, 5, 12, 13,19 25, e 29, mostrando ser a rima um importante fator determinante de escolha. Observamos, ainda, aliteração (repetição da mesma consoante) em 1, 6, 13, 14, 15, 16, e 24, também compondo sonoridade agradável, auxiliar de memória. Os efeitos de rima e de aliteração podem, até mesmo, ser obtidos com a mesma palavra, como observamos em 12, 18, 20, 27 o que, a primeira vista poderia parecer uma tautologia; porém se "Bernardo andou e Bernardo voltou" não há circularidade de idéia e sim menção à permanência de características numa mesma pessoa. Em todas as formas mencionadas, pode-se ler um dístico, estrofe de dois versos, uma estrutura binária, alternância entre dois fatos, ascensão e queda, em outras palavras, ritmo - significante de um mundo equilibrado, imutável, em repouso, como o querem os provérbios 2. Bibliografia BARROSO, Gustavo. Através dos folclores. S. Paulo: Melhoramentos, Rio: Cayeiras, / s. d. / 225

10 Maria Lúcia Mexias Simon CORSO, Felix F. Refranero español. Buenos Aires; Libreria Perlado, GOTTSCHALK, Walter. Die bildhaften sprichwörter der Romanen. Heidelberg: Carl Winters Universitätsbuchhandlung, / s. d. /. GREIMAS, Algirdas Julien. "Idiotismes, proverbes et dictons". Cahiers de lexicologie. Paris: Didier Larousse, GUIRAUD, Pierre. Les locutions françaises. Paris: Presses Universitaires de France, MELLO, Fernando Ribeiro de. Nova recolha de provérbios e outros lugares comuns. Lisboa: Afrodite, RIBEIRO, João. Frases feitas. Rio: Francisco Alves, ZUMTHOR, Paul. "L'épiphonème proverbial". Révue des sciences humaines. Lille: Notas 1 ZUMTHOR, Paul p GREIMAS, A. J. 1960, p

Para uma Estrutura dos Provérbios nas Línguas Românicas: uma Experiência. Pour une Structure des Proverbes Dans Les Langues Romaniques: une Experience

Para uma Estrutura dos Provérbios nas Línguas Românicas: uma Experiência. Pour une Structure des Proverbes Dans Les Langues Romaniques: une Experience Para uma Estrutura dos Provérbios nas Línguas Românicas: uma Experiência Universidade Severino Sombra, Revisão das Revistas Eletrônicas da USS, Editoria da Revista Mosaico - Revista Multidisciplinar de

Leia mais

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson

ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA. Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RGS FACULDADE DE LETRAS ANÁLISE DO POEMA AUTOPSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA Sob enfoque da teoria de Roman Jakóbson Disciplina: - Teorias Contemporâneas da Literatura

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Muito do pioneirismo das ideias de Saussure advém do fato de o autor ter sido o primeiro a mencionar a natureza social da língua, como se pode observar no seguinte excerto do Curso de Linguística

Leia mais

Vocabulário e frases chave

Vocabulário e frases chave Vocabulário e frases chave la tradición La sociedad moderna tiende a desvincularse de las tradiciones. a tradição A sociedade moderna tende a se afastar das tradições. la cultura Las distintas culturas

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA

SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA SOBRE A EVOLUÇÃO LINGÜÍSTICA Gabriel de Ávila Othero 1 gabnh@terra.com.br... o tempo altera todas as coisas; não existe razão para que a língua escape a essa lei universal. Ferdinand de Saussure 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Formação de Português 2013/2014

Formação de Português 2013/2014 Formação de Português 2013/2014 Oficina de formação: Ler para compreender, interpretar, reagir e apreciar 6.ª sessão Objetivos do ensino da leitura de poesia Alimentar o gosto pela sonoridade da língua

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo?

Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Aprenda inglês cantando Como ensinar inglês sem saber falá-lo? Taklit Publishing & Productions 22, rue de Fleurus 75006 Paris France All rights reserved 2012 Você compreende essa frase? This is a cat.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO

Plano de Trabalho Docente 2010. Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC DE SUZANO Código: Município: SUZANO Área Profissional: Secretariado Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO EM SECRETARIADO Qualificação:

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

PROJETO DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS POÉTICOS ENTRE VERSOS E RIMAS

PROJETO DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS POÉTICOS ENTRE VERSOS E RIMAS 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA SECRETARIA DE EDUCAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PROJETO DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS POÉTICOS ENTRE VERSOS E RIMAS Equipe: Eliana Terra Barbosa (Coordenadora)

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PESQUISAS EM POÉTICAS ORAIS DA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM CARTOGRÁFICA (2000-2010)

LEVANTAMENTO DE PESQUISAS EM POÉTICAS ORAIS DA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM CARTOGRÁFICA (2000-2010) LEVANTAMENTO DE PESQUISAS EM POÉTICAS ORAIS DA REGIÃO SUL: UMA ABORDAGEM CARTOGRÁFICA (2000-2010) Marcelo Gomes da Silva (bolsista/fundação ARAUCÁRIA) Frederico Augusto Garcia Fernandes (fredericoaugustofernandes@hotmail.com)

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 3º Ciclo, apresentam cinco características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 9º ANO C Ano Letivo: 204 /205. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço

Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças. Temática: Aquisição de linguagem, variação e ensino: um balanço Trabalhando com o lúdico: motivação nas aulas de língua estrangeira para crianças Deise Anne Terra Melgar (UNIPAMPA)¹ Vanessa David Acosta (UNIPAMPA)² Orientadora: Cristina Pureza Duarte Boéssio Temática:

Leia mais

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I

Content Area Grade Quarter Língua Portuguesa 6ª Serie Unidade I Content Area Grade Quarter Língua 6ª Serie Unidade I Texto: parágrafos: descritivo/comparativo; reconto; resenha crítica, anedota, cartum, revista em quadrinhos Linguística: comunicação: elementos/códigos;

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita

Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita Uma experiência em ensinar e aprender linguagem escrita 55 Ana Teberosky neste capítulo propomos uma experiência sobre linguagem escrita cujo enfoque é a interação entre os materiais, a atuação dos professores

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS GERAIS Ampliar gradativamente suas possibilidades de comunicação e expressão, interessando-se por conhecer

Leia mais

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto

Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Governo da Paraíba Secretaria de educação do estado Prêmio mestres da educação Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio José Luiz Neto Maria José Almeida Silva Projeto: A literatura de cordel como

Leia mais

PROJETO DO CURSO CURSOS DE LÍNGUA E CULTURA ITALIANA CURSOS PARA ADULTOS

PROJETO DO CURSO CURSOS DE LÍNGUA E CULTURA ITALIANA CURSOS PARA ADULTOS PROJETO DO CURSO CURSOS DE LÍNGUA E CULTURA ITALIANA CURSOS PARA ADULTOS I - REQUISITOS: Gerais: Escolaridade: Ensino Fundamental concluído Idade mínima: 14 anos Específicos: O Básico e o Intermediário

Leia mais

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino.

O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. O passado com o auxiliar sein: quais recursos podemos utilizar para sistematizar o seu uso e de que recursos podemos dispor na situação de ensino. Edson Domingos Fagundes O elemento motivador deste trabalho

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como?

Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Alfabetizar letrando... Letrar alfabetizando: por quê? Como? Patrícia Moura Pinho 1 Resumo: O presente texto trata da questão da alfabetização e as discussões teóricas e didáticas acerca da mesma, principalmente

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes

Curso Profissional 11º ano. Módulo III Lugares e Transportes Curso Profissional 11º ano Módulo III Lugares e Transportes 1. Competências visadas (a desenvolver no aluno) Compreensão oral: - Compreender o suficiente para resolver necessidades concretas, desde que

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa

Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa Fazer para aprender a prática dos ateliês de escrita dramática em língua francesa Adélia Nicolete Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas - ECA-USP Doutoranda - Pedagogia do Teatro Or. Profª Drª Maria

Leia mais

SOBRE A LÍNGUA DA ALFABETIZAÇÃO INDÍGENA

SOBRE A LÍNGUA DA ALFABETIZAÇÃO INDÍGENA SOBRE A LÍNGUA DA ALFABETIZAÇÃO INDÍGENA Maria Elisa Ladeira Coordenadora do Programa Educação Centro de Trabalho Indigenista Muito se tem discutido, ultimamente, sobre a questão da alfabetização bilíngüe

Leia mais

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS?

1. AS PESSOAS SÃO IGUAIS NO DESEMPENHO DE TAREFAS? CARTILHA DO CANDIDATO APRESENTAÇÃO Uma seleção criteriosa e bem fundamentada premia tanto a organização que necessita incluir profissionais em seus quadros, quanto o candidato que anseia por nela ingressar.

Leia mais

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios

Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Anexo 1: Jogos da dramatização e exercícios Charadas Charadas é um jogo relativamente famoso em alguns lugares. Pode ser jogado de forma sentação de um tema por um indivíduo ou por um grupo. jogo. Eles

Leia mais

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA

O AUXÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA O AUÍLIO DA FONÉTICA NO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA Ana Beatriz Miranda Jorge UFCG/ beatrizjmiranda@gmail.com Bruna Melo do Nascimento UEPB/ bruna.melo.nascimento@gmail.com Isabelle Coutinho Ramos Benício

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535 Slides criados com base no livro Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação

Leia mais

Contação de Histórias

Contação de Histórias Contação de Histórias super simples - Quem, eu? - Sim, você! Finalmente, um sistema para Contação de Histórias que faz sentido e é factível, sem dor de cabeça e aborrecimento. Criado por Kendall Haven

Leia mais

3 Pavimentando o caminho: o contexto

3 Pavimentando o caminho: o contexto 46 3 Pavimentando o caminho: o contexto Because it is we practioners (teachers AND learners) who need understandings of what is happening now (Allwright, 2003) Este capítulo é dedicado a situar o contexto

Leia mais

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016

DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110. Planificação Anual /Critérios de avaliação. Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE DEPARTAMENTO DE 1º Ciclo - Grupo 110 Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português 1.º ano 2015/2016 Domínio (Unidade / Tema) Subdomínio / Conteúdos

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA MOVIMENTO PARANÁ SEM CORRUPÇÃO Primeiro voto: o papel do jovem eleitor em relação ao combate à corrupção ROTEIRO

Leia mais

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE

ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE PLANO DA I UNIDADE ESCOLA PIRLILIM /ANO 2015 PLANO DE UNIDADE GRUPO: 7 PERÍODO: / / ÁREA DO CONHECIMENTO: LÍNGUA INGLESA CARGA HORÁRIA: 1 AULA SEMANAL PLANO DA I UNIDADE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES *Apresentar-se, cumprimentar

Leia mais

Benefícios da leitura em voz alta

Benefícios da leitura em voz alta Ler em voz alta Ler em voz alta Benefícios da leitura em voz alta Ajuda a criança a adquirir informação e a desenvolver vários tipos de competências: Memorizar relações entre som e grafia, nas palavras

Leia mais

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários

3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1. 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 Período Gêneros Prioritários 3º, 4º e 5º Anos Programa de Ensino de Língua 2011 1 3º ANO PROGRAMA DE ENSINO DE PORTUGUÊS 2011 1º. TRIMESTRE Tirinha Música Foco narrativo (sequência); Suporte de origem; Imagem desenhada; Histórias

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

Planificação periódica 7ºano

Planificação periódica 7ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 7ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação 1ºPeríodo 7ºAno 2010/2011

Leia mais

Livro de Estilo Como fazer um trabalho escrito - normas

Livro de Estilo Como fazer um trabalho escrito - normas LIVRO DE ESTILO Este documento é um instrumento de referência para a elaboração de qualquer trabalho escrito Livro de Estilo Como fazer um trabalho escrito - normas Livro de estilo_esa Preâmbulo O Livro

Leia mais

Pontificia Universidad Católica del Ecuador

Pontificia Universidad Católica del Ecuador Pontificia Universidad Católica del Ecuador 1. DADOS INFORMATIVOS: MATÉRIA O MÓDULO: PORTUGUÉS - Curso Intensivo CÓDIGO: 873 NIVEL: CINCO No. CRÉDITOS: 5 SEMESTRE / AÑO ACADÉMICO: II Semestre 0-011 PROFESOR:

Leia mais

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO

PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO PROJETO DE LEITURA PRÉ-LEITURA ATIVIDADES ANTERIORES À LEITURA INTENÇÃO: LEVANTAR HIPÓTESES SOBRE O LIVRO, INSTIGAR A CURIOSIDADE E AMPLIAR O REPERTÓRIO DO ALUNO. Atividade 1 Antes de você iniciar a leitura

Leia mais

Cursos livres de língua Italiana

Cursos livres de língua Italiana Cursos livres de língua Italiana Descontos 10% para alunos da CURSOS DE LÍNGUA Os cursos da não visam somente o ensino da língua, mas transmitem também elementos de cultura e tradição. Através dos vários

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15

LLE9400 - Introdução à Educação a Distância 05 LLE9401 - Leitura e Produção Textual Acadêmica 05 LLE9411 - Língua Espanhola I 05 TOTAL 15 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Coordenadoria de Educação a Distância Campus Prof. João David Ferreira Lima CEP 88040-900 Trindade - Florianópolis - Santa Catarina

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show.

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show. PLANEJAMENTO Folclore Professor (a): Vanessa da Rosa Competências Leitura; Oralidade; Produção textual, Ortografia, Ritmo e Memória. Avançar em seus conhecimentos sobre a escrita, ao escrever segundo suas

Leia mais

TRADUÇÃO DO HUMOR NAS TIRAS CYA- NIDE AND HAPPINESS : ADAPTAÇÃO E EMPRÉSTIMOS TRADUTÓRIOS

TRADUÇÃO DO HUMOR NAS TIRAS CYA- NIDE AND HAPPINESS : ADAPTAÇÃO E EMPRÉSTIMOS TRADUTÓRIOS TRADUÇÃO DO HUMOR NAS TIRAS CYA- NIDE AND HAPPINESS : ADAPTAÇÃO E EMPRÉSTIMOS TRADUTÓRIOS Bruna Vançan de REZENDE Vitor Monteiro de AQUINO Discentes UNILAGO Lauro Maia AMORIM Docente UNILAGO AUTORES RESUMO

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 Literatura na escola: os contos maravilhosos, contos populares e contos de fadas. Professora Marta Maria Pinto

Leia mais

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro

edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro edgar allan poe a filosofia da composição p r e fá c i o pedro süssekind t r a d u ç ã o léa viveiros de castro sumário 9 prefácio. A lição aristotélica de Poe [Pedro Süssekind] 17 A filosofia da composição

Leia mais

O curso de italiano on-line: apresentação

O curso de italiano on-line: apresentação O curso de italiano on-line: apresentação Índice Porque um curso de língua on-line 1. Os cursos de língua italiana ICoNLingua 2. Como é organizado o curso 2.1. Estrutura geral do curso 2.2. Andamento e

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê

O canto coletivo, ensinando a canção Samba lelê O canto coletivo é a prática musical mais elementar na educação musical, grandes educadores musicais como Dalcroze, Kodaly, Willems, Villa-Lobos e outros, utilizavam a voz e o canto coletivo como ponto

Leia mais

Sistemas de Organização Sonora

Sistemas de Organização Sonora Sistemas de Organização Sonora Apoio para Unidade 3 Introdução à Prosódia Musical Coordenador: Fernando Lewis de Mattos Bolsistas: Fernanda Krüger Garcia Bernardo Grings Gerson de Souza Departamento de

Leia mais

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br

O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento. Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br O Evangelho Segundo o Espiritismo e o Novo Testamento Debate em 14/04/2012 www.gede.net.br Objetivo: Analisar as diferenças e semelhanças entre o NT e o ESE. Pontos a debater: 1) Definições; 2) Avaliação

Leia mais

O Jogo dos Espíritos

O Jogo dos Espíritos Atenção: Este livro não é recomendado para pessoas de mente fraca ou menores de 18 anos. Use-o por sua própria conta e risco. O Jogo dos Espíritos Este é um jogo de narrativa compartilhada (também chamado

Leia mais

Trava-línguas. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz

Trava-línguas. CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz Trava-línguas CONSULTORAS Patrícia Corsino e Hélen A. Queiroz SINOPSE geral da série Chico, 6 anos, adora passar as tardes na estamparia de fundo de quintal do seu avô. Nela, Vô Manu construiu um Portal

Leia mais

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição

3. O projeto LINDSEI-BR: apresentação e composição DIFICULDADES INERENTES À COMPILAÇÃO DE UM CORPUS ORAL DE INFORMANTES BRASILEIROS APRENDIZES DE INGLÊS PARA O PROJETO LINDSEI-BR 1. Introdução Predomina, atualmente, a utilização de corpora de falantes

Leia mais

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol

A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o. presente do indicativo em português e espanhol A distribuição complementar entre a perífrase estar +gerúndio e o presente do indicativo em português e espanhol Talita Vieira Moço (USP) Introdução Nesta ocasião apresentaremos algumas das observações

Leia mais

A relação entre a fala e a escrita

A relação entre a fala e a escrita A relação entre a fala e a escrita Karen Alves da Silva Proposta e objetivo: Partindo de um episódio de escrita, podemos refletir sobre: de que maneira está posta a relação entre escrita e oralidade; como

Leia mais

Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados (Mateus 10.30).

Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados (Mateus 10.30). Cabelos Numerados Até os cabelos da cabeça de vocês estão todos contados (Mateus 10.30). Quanto o Senhor Jesus considera os nossos temores! Ele sabia que seu povo seria perseguido e buscava alegrá-los.

Leia mais

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético.

PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Expressão na oralidade, leitura fluente, produção textual, compreensão de texto poético. PLANEJAMENTO (Poesia/poema) Professor (a): Janete Fassini Alves Poesia: Das Flores Competências Objetivo Geral Objetivos Específicos Autor: Armando Wartha Expressão na oralidade, leitura fluente, produção

Leia mais

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto.

- Ler com ritmo, fluência e entonação adequada ao gênero estudado em sala de aula, compreendendo as idéias contidas no texto. PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: História em quadrinho PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura;

Leia mais

Resoluções Prova Anglo

Resoluções Prova Anglo Resoluções Prova Anglo TIPO F P-1 tipo D-5 Língua Portuguesa (P-1) Ensino Fundamental 5º ano DESCRITORES, RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS A Prova Anglo é um dos instrumentos para avaliar o desempenho dos alunos

Leia mais

1. Introdução. 3. Resultados. 2. Metodologia. Andréia Fernandes Muniz a *, Fernando Avancini Tristão a

1. Introdução. 3. Resultados. 2. Metodologia. Andréia Fernandes Muniz a *, Fernando Avancini Tristão a http://dx.doi.org/10.4322/cerind.2014.017 Estudo sobre a Forma de Comercialização e Especificação do Revestimento de Piso com Porcelanato Baseado nas Percepções dos Vendedores de Revestimentos Cerâmicos

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA

ESCRITOS & POESIA HEBRAICA Jörg Garbers ESCRITOS & POESIA HEBRAICA INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Os escritos formam a última parte do cânon do AT. Na Bíblia evangélica pertencem aos escritos os seguintes livros: Jó Salmos Provérbios Eclesiastes

Leia mais

Future School Idiomas

Future School Idiomas Future School Idiomas Sumário Quem somos... pag 2 Sobre o curso... pag 3 Sobre a aula... pag 4 Vantagens em se fazer nosso curso on line... pag 5 Objetivo do curso... pag 6 Como entrar na sala de aula...

Leia mais

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades

Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE GONDOMAR EB 2/3 de Jovim e Foz do Sousa PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 1º Período 5º Ano ANO LETIVO 2014/2015 Objetivos Domínios/ Conteúdos Atividades Conhecer o alfabeto.

Leia mais

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019

HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL... 1019 HORA DO CONTO: NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Evelise Raquel de Pontes Mariane Soares Sana Orientadora: Renata Junqueira de Souza. Instituição: Universidade Estadual

Leia mais

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.:

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS. 01- Quem são os personagens que dialogam na história? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PRODUÇÃO TEXTUAL - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= Querido(a)

Leia mais

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa

Congada PROJETOS CULTURAIS. e ucáçá~o I fa til. Justificativa Congada e ucáçá~o I fa til Justificativa PROJETOS CULTURAIS O Brasil é um país com grande diversidade étnica e cultural. É preciso dar importância e valorizar a cultura dentro e fora da escola, criando

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 346 779 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de21 de outubro de 2014 ) No caso específico da disciplina de Português, do 6.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ao nível

Leia mais

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO

Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Autores: Alex Nakanishi Carolina Horonato Henrique dos Santos Thiago Araújo PAPÉIS DE TRABALHO Introdução O auditor tem o dever de documentar, através de papéis de trabalho, todos os elementos significativos

Leia mais

CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5

CÓDIGO: CRÉDITOS ECTS: 5 Língua Estrangeira II Inglês II Línguas e Culturas Gestão Seminário (S) 3 Outra (O) Reforçar os conhecimentos e competências linguísticas e culturais especificas, permitindo a gestão da comunicação e imagem

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 5 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 (As Aulas previstas

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos CONDORITO NAS AULAS DE LÍNGUA ESPANHOLA Talita Galvão dos Santos (UEMS) tali_galvao@hotmail.com Taís Turaça Arantes (UEMS) taistania@gmail.com Nataniel dos Santos Gomes (UEMS) natanielgomes@uol.com.br

Leia mais

Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 O LÉXICO DA REGIÃO NORTE DO BRASIL

Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 O LÉXICO DA REGIÃO NORTE DO BRASIL Anais da 61ª Reunião Anual da SBPC - Manaus, AM - Julho/2009 O LÉICO DA REGIÃO NORTE DO BRASIL Maria do Socorro Silva de Aragão Universidade Federal do Ceará Universidade Federal da Paraíba RESUMO O Brasil

Leia mais

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1

Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Raciocínio Lógico Matemático Caderno 1 Índice Pg. Números Naturais... 02 Números Inteiros... 06 Números Racionais... 23 Números Decimais... - Dízimas Periódicas... - Expressões Numéricas... - Divisibilidade...

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação. Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares

Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação. Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares Contribuição das Áreas da Linguística para a Organização da Informação Disciplina: Fundamentos da Organização da Informação Profª: Lilian Alvares GRUPO 4 Alunos: Ernesto João Mallen Luziaro Michel Zane

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013.

Cadernos do CNLF, Vol. XVII, Nº 04. Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2013. 122 Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LER, ESCREVER E REESCREVER NO ENSINO MÉDIO POR MEIO DOS CLÁSSICOS DA LITERATURA BRASILEIRA José Enildo Elias Bezerra (IFAP) enildoelias@yahoo.com.br

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes

Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes Resumo para Identificação das Necessidades dos Clientes O processo de decisão de compra é feito através da percepção de que os consumidores têm um problema. Então, se movem em direção à resolução. Disto

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS!

SOBRE ESTE LIVRO BOM TRABALHO PARA TODOS! As pistas e propostas de trabalho que se seguem são apenas isso mesmo: propostas e pistas, pontos de partida, sugestões, pontapés de saída... Não são lições nem fichas de trabalho, não procuram respostas

Leia mais

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO

AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO AS ESTRATÉGIAS DE PERSONALIZAÇÃO DO ALUNO EM PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO Resumo PORTILHO, Evelise Maria Labatut PUCPR evelisep@onda.com.br ALVES, Larissa Maria Volcov PUCPR - PIBIC larissavolcov@hotmail.com

Leia mais

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC)

Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Abordagem da vogal [e] sozinha e em base de ditongo a partir da análise experimental. Adriano de Souza Dias (UERJ e FEUDUC) Introdução Este trabalho que desenvolvemos acerca da vogal [e] sozinha e em posição,

Leia mais

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL POESIA PRA QUÊ TE QUERO? UMA PERSPECTIVA DO TRABALHO COM POESIA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Rita de Cássia Rangel Alves Rita.alves_2007@hotmail.com Paula Sabrina Barbosa de Albuquerque Paulasabrina.ba@hotmail.com

Leia mais