LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INSTALAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Brasília-DF, junho de 2017.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INSTALAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Brasília-DF, junho de 2017."

Transcrição

1 LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE INSTALAÇÕES DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Brasília-DF, junho de 2017.

2 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI /2010 A proposta atual é reequipar o Distrito Federal e os municípios da RIDE para que possam atender aos princípios da Política Nacional de Resíduos Sólidos para potencializar: Redução, Reutilização e RECICLAGEM dos resíduos sólidos INCLUSÃO SOCIO PRODUTIVA DE CATADORES de materiais recicláveis COMPOSTAGEM e VALORIZAÇÃO ENERGÉTICA dos resíduos Disposição Final em ATERROS SANITARIOS como último recurso Melhorar a qualidade dos serviços de limpeza pública Buscar eficiência na fiscalização dos serviços de limpeza pública

3 Missão do SLU: promover o gerenciamento dos serviços de limpeza pública, contribuindo para a qualidade de vida da população com sustentabilidade

4 SERVIÇOS DE LIMPEZA PÚBLICA Varrição manual e mecanizada de vias e logradouros Coleta de RSU (Convencional + Seletiva) Coleta manual e mecanizada com transporte de entulhos Lavagem de vias Lavagem de monumentos e equipamentos urbanos Pintura de meio-fio Catação manual de papéis e plásticos em áreas verdes Remoção de animais mortos em vias públicas Transferência de rejeitos Tratamento e destinação final de RSU Compostagem de resíduos orgânicos Educação ambiental e mobilização social

5 SERVIÇOS DE LIMPEZA PÚBLICA - CUSTOS JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL PERCENTUAL Varrição manual de vias ,8% Coleta convencional de RSU ,6% Coleta mecanizada de entulhos ,5% Operação do Aterro Controlado do Jóquei ,7% Coleta Seletiva de RSU ,1% Operação da usina NUSIC ,6% Coleta de resíduos de saúde ,3% Operação da usina NUSIS ,6% Varrição mecanizada de vias ,5% Coleta manual de entulhos ,3% TOTAL MENSAL %

6 SERVIÇOS DE LIMPEZA PÚBLICA - CUSTOS JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ TOTAL POR SERVIÇO PERCENTUAL Lavagem de vias % Lavagem de monumentos % Catação de papéis % Pintura de meios-fios % Serviços diversos % Remoção animais mortos % TOTAL MENSAL %

7 SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RESÍDUOS NO DF DISTRITO FEDERAL Lixão Estrutural (IRREGULAR) Usina Compostagem P Sul Aterro Sanitário de Brasília Usina Compostagem L4 Sul CUSTO ANUAL R$350 MILHÕES 3000 Catadores 1000 Bota-fora clandestinos

8 LÓGICA INVERSA PARA SOLUÇÃO DOS RESÍDUOS 1. Encerrar a operação em Lixão 2. Minimizar o volume de rejeitos para disposição final, maximizando a triagem, a reutilização e a reciclagem A parcela orgânica ( 45%) pode ser digerida e transformada em adubo (composto/biomassa), com perda de metade de seu peso Os gases gerados podem ser captados e queimados com geração de energia e créditos de carbono 35% da fração seca é potencialmente reciclável, e podem ser triados e comercializados pelos catadores 20% são rejeitos que podem ser enterrados em aterro sanitário ou ser utilizados para a geração de energia

9 O LIXÃO DA ESTRUTURAL

10 LIXÃO DA ESTRUTURAL: PASSIVO AMBIENTAL 35 Milhões Ton Resíduos enterrados

11 Video Lixão DJI_0731.MOV

12 Pluma de Contaminação Carneiro 2002 Lagoa de Santa Maria responsável por 25 % do abastecimento de água de Brasília Córrego do Acampamento PNB Lixão da Estrutural Córrego Cabeceira do Valo Vila Estrutural

13 META PARA 2018: ENCERRAR ATIVIDADES NO LIXÃO Para encerrar a atividade de enterrar resíduos em Lixão é necessário resolver 4 questões associadas ao uso da área: Área adequada para a disposição final de resíduos domiciliares - um Aterro Sanitário Áreas para recepção, triagem e reciclagem de resíduos da construção civil - as ATTR Áreas para recepção, triagem e comercialização de resíduos recicláveis (plástico, papel, metais etc.) - os CTRR para as Cooperativas de Catadores Coleta Seletiva com a entrega da fração seca para as cooperativas de catadores e pagamento pelo serviço prestado

14 DIAGNÓSTICO DO LIXÃO Decreto /2015

15 O LIXÃO E SEU PASSIVO SOCIAL

16 PROPOSTA DE RODAS DE CONVERSA - AGENTES ENVOLVIDOS

17 PROPOSTA DE RODAS DE CONVERSA - AGENTES ENVOLVIDOS

18 Aterro Sanitário em operação desde janeiro/ Previsão de encerramento do Aterro do Jóquei em outubro/2017.

19 LIXÃO DA ESTRUTURAL Após encerramento: Continuar monitoramento, captação e tratamento de gases e chorume Usos possíveis: Encerramento tradicional cobrir com grama Área de manejo de resíduos (compostagem, manejo de gases e chorume). Mineração Landfill Mining, retirando o lixo para destinar o local para outra atividade

20 LÓGICA INVERSA PARA SOLUÇÃO DOS RESÍDUOS 1. Encerrar a operação em Lixão 2. Minimizar o volume de rejeitos para disposição final, maximizando a triagem, a reutilização e a reciclagem A parcela orgânica ( 45%) pode ser digerida e transformada em adubo (composto/biomassa), com perda de metade de seu peso Os gases gerados podem ser captados e queimados com geração de energia e créditos de carbono 35% da fração seca é potencialmente reciclável, e podem ser triados e comercializados pelos catadores 20% são rejeitos que podem ser enterrados em aterro sanitário ou ser utilizados para a geração de energia

21 Aterro do Jóquei Aterro Sanitário Brasília Aterro de Planaltina de Goiás

22 Aterro Sanitário Brasília

23 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Por que em Samambaia? Estudo de Impacto Ambiental - Processo /00 - pág Taguatinga, Ceilândia e Samambaia = 40% da população do DF

24 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Por que em Samambaia? 2. Distância mínima de núcleos populacionais

25

26

27

28 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Por que em Samambaia? 3. Complexo de Saneamento Básico instalado 4. Tratamento do chorume

29

30 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Por que em Samambaia? 6. Estradas acessíveis

31 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Licenças Ambientais 1996 Início das discussões 2000 Abertura do processo de licenciamento 2006 Licença prévia (renovada em 2012) 2012 Licença de instalação (2013) 2013 Autorização ambiental para supressão arbórea 2016 Licença de Instalação (retificada em 2016) e Licença de Operação (Dezembro 2016)

32

33

34

35 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Compensações Ambientais e Florestais previstas Obra em andamento

36 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Compensações Ambientais e Florestais previstas Aguardando Termo de Referência do IBRAM Plantadas mudas de árvores nativas e mudas de espécies exóticas (Pinus elliottii).

37 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA - OBRAS

38 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA - OBRAS 2013 Início das Obras 2014 Interrupção das obras 2015 Retomada das obras 2016 Conclusão da Etapa 1 = Agosto/2016 Cercamento e Barreira Vegetal Via de acesso

39 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Colocação da Manta de PEAD

40 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA Poço de Coleta Bacias de Contenção

41 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA

42 ATERRO SANITÁRIO DE BRASÍLIA

43 ESCOLA GUARIROBA

44 ESCOLA GUARIROBA

45

46

47

48

49

50

51

52

53

54

55

56 ATERRO SANITÁRIO BRASÍLIA - OPERAÇÃO Lixão Estrutural Aterro Sanitário de Brasília

57 Lixão Estrutural: Diariamente 3 mil toneladas de resíduos (recicláveis, orgânicos e rejeitos) + 6 mil toneladas de resíduos de construção Aterro Sanitário só rejeitos!

58 Aterro Controlado: 1100 viagens de caminhões por dia Aterro Sanitário Máx. 300 caminhões/dia (1 caminhão a cada 5 min)

59 REDUZIR QUANTIDADE DE RESÍDUOS 1. Coleta Seletiva (Edital em fase de audiência pública): melhoria e expansão 2. Aumento da compostagem de orgânicos 3. Lei de Grandes Geradores incentivo à reciclagem e compostagem 4. Acordos com municípios do entorno que possuem aterros sanitários (Cidade Ocidental, Padre Bernardo, Águas Lindas e Santo Antônio do Descoberto) CORSAP 5. Outras tecnologias

60 TRANSIÇÃO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS URBANOS NO DF DISTRITO FEDERAL Transbordo Brazlândia 50 t/dia 390 t/dia Aterramento no Lixão Transbordo Sobradinho 450 t/dia Usina P Sul 50 t/dia 830 t/dia Usina L4 Sul Aterro Sanitário 380 t/dia Transbordo Gama 550 t/dia vão direto pro Lixão t/dia vão em 2º pro Lixão

61 TRANSIÇÃO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS URBANOS NO DF DISTRITO FEDERAL 50 t/dia Transbordo Brazlândia 390 t/dia Aterramento no Lixão Transbordo Sobradinho 450 t/dia Usina P Sul Aterro Sanitário 50 t/dia 830 t/dia Usina L4 Sul 380 t/dia 550 t/dia vão direto pro Lixão Transbordo Gama t/dia vão em 2º pro Lixão 940 t/dia vão direto pro Aterro

62 Encaminhamentos acordados na última reunião com a comunidade das quadras 800/1000 Samambaia: 1. Instalação da rede de esgoto: Previsão da licitação da obra: Instituição responsável : CAESB Contato: Servidor responsável 2. Inauguração do terminal rodoviário: Previsão de entrega da obra: Instituição responsável : Secretaria de Mobilidade Contato: Servidor responsável

63 3. Paradas de ônibus: Previsão de entrega da obra: Instituição responsável : Secretaria de Mobilidade Contato: Servidor responsável 4. O posto de saúde Previsão de início da obra: Instituição responsável: Secretaria de Saúde Contato: Servidor responsável

64 LÓGICA INVERSA PARA SOLUÇÃO DOS RESÍDUOS 1. Encerrar a operação em Lixão 2. Minimizar o volume de rejeitos para disposição final, maximizando a triagem, a reutilização e a reciclagem A parcela orgânica ( 45%) pode ser digerida e transformada em adubo (composto/biomassa), com perda de metade de seu peso Os gases gerados podem ser captados e queimados com geração de energia e créditos de carbono 35% da fração seca é potencialmente reciclável, e podem ser triados e comercializados pelos catadores 20% são rejeitos que podem ser enterrados em aterro sanitário ou ser utilizados para a geração de energia

65 APROVEITAMENTO DA FRAÇÃO ORGÂNICA E DOS GASES - DF 46,11% de material orgânica => ton/mês Digestão e evaporação gera => ton/mês de composto 300 m3 de metano/tonelada de resíduo orgânico (FILHO, 2005) => m3 de biogás por mês 5,0 kwh de eletricidade por m3 de biogás (QUADROS et al, 2008) => 20 MWh/mês, a R$100,00/MW => R$ ,00/mês

66 UTL Asa SUL Programa Brasília Sustentável II REFORMA DAS USINAS TMB COM RECURSOS DO BID U$ 50 MILHÕES UCTL PSUL

67

68 LÓGICA INVERSA PARA SOLUÇÃO DOS RESÍDUOS 1. Encerrar a operação em Lixão 2. Minimizar o volume de rejeitos para disposição final, maximizando a triagem, a reutilização e a reciclagem A parcela orgânica ( 45%) pode ser digerida e transformada em adubo (composto/biomassa), com perda de metade de seu peso Os gases gerados podem ser captados e queimados com geração de energia e créditos de carbono 35% da fração seca é potencialmente reciclável, e podem ser triados e comercializados pelos catadores 20% são rejeitos que podem ser enterrados em aterro sanitário ou ser utilizados para a geração de energia

69 CADEIA PRODUTIVA DA RECICLAGEM Sensibilização da sociedade para separação do lixo Coleta seletiva + Central de triagem Sensibilização da sociedade para consumo de reciclados Rede de comercialização Comercialização de produtos reciclados Indústrias Recicladoras

70 CENTROS DE TRIAGEM CONSTRUÇÃO/ REFORMA COM AMPLIAÇÃO Local Postos de produção Capacidade mínima de (1 turno) Processamento (t/dia) S.I.A S.C.I.A Ceilândia Asa Sul Rodoferroviária TOTAL Cooperativas contratadas em 2016 para realizar a Coleta Seletiva em 5 RA + Cooperativas a serem contratadas em 2017 para um total de 13 RA 9 Cooperativas habilitadas em maio 2017 para pagamento do Serviço de Triagem + Cooperativas a serem habilitadas em 2017 para um total de catadores

71 PREVISÃO DE 07 NOVOS CTR 2017/2018

72 Projetos

73

74

75

76

77

78 OS PLANOS PARA A GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

79 Para garantir o manejo correto de RCC o GDF propõe a implantação de: ATTR - 06 ÁREA DE TRANSBORDO, TRIAGEM E RECICLAGEM DE RCC - Local destinado a receber, beneficiar e comercializar PEV - 53 PONTO DE ENTREGA VOLUNTÁRIA - Local destinado a receber RCC (até 1m³), volumosos e galhadas ATT - 01 ÁREA DE TRANSBORDO E TRIAGEM - Local destinado a receber, triar e executar a recomposição topográfica com RCC

80 Proposta de Locação para as ATTR

81 PONTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA PAPA ENTULHOS Papa Entulho Núcleo de Limpeza Ceilândia

82 PREVISÃO DE 60 PEV 2016/2018

83 INOVAÇÕES Monitoramento e Controle dos serviços

84 INSTALAÇÕES DE CONTÊINERES SEMIENTERRADOS: PAPA LIXO Contêiner semienterrado com capacidade de 5m³ Boca de entrada pequena para depósito de resíduo domiciliar. Para instalação faz-se um buraco com capacidade de enterrá-lo e para retirada é necessário ser içado por caminhão dotado de munck (guindaste articulado).

85 Correto acondicionamento de resíduos sólidos urbanos; Universalização da coleta; Acabar com pequenos Lixões. Vantagens Diminui vetores de doenças; Diminui o mau cheiro e a sujeira nas cidades; Garante melhores condições sanitárias; Otimiza tempo de coleta.

86 DÚVIDAS? EU TENHO VÁRIAS!!! COLABOREM E AJUDEM A MELHORAR NOSSO RELATÓRIO! OBRIGADO! PAULO CELSO DOS REIS GOMES DIRETOR TÉCNICO DIRETORIA TÉCNICA DITEC/SLU

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Paulo Celso dos Reis Gomes Diretor Técnico - SLU Dados históricos 1961 Primeira

Leia mais

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU MUDANÇAS Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades 2017 Kátia Campos Presidente do SLU Dados históricos 1961 Primeira usina de tratamento de lixo e compostagem

Leia mais

Fechamento do Lixão de Brasília Janeiro de 2018

Fechamento do Lixão de Brasília Janeiro de 2018 Fechamento do Lixão de Brasília Janeiro de 2018 Compromissos do Novo Governo Fechar o Lixão Inaugurar o Aterro Sanitário Incluir os catadores como agentes ambientais Reestruturação do SLU 3 Rota Tecnológica

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos. Desafios e Oportunidades. Junho de 2016

Gerenciamento dos Resíduos. Desafios e Oportunidades. Junho de 2016 Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil Desafios e Oportunidades Junho de 2016 SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RCC PELO SLU NO DF Em 2015 o SLU recolheu 706.855 toneladas de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana. Desafios da gestão dos resíduos sólidos. 30 de setembro 2015

Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana. Desafios da gestão dos resíduos sólidos. 30 de setembro 2015 Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana Desafios da gestão dos resíduos sólidos 30 de setembro 2015 154 MORTOS PASSAGEIROS E TRIPULAÇÃO GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RSU Evolução da prestação

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE. Paulo Celso dos Reis Gomes

GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE. Paulo Celso dos Reis Gomes GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE Paulo Celso dos Reis Gomes Desafios do Governo Rollemberg em relação aos resíduos sólidos urbanos (2015/18) 1 Encerrar as atividades irregulares

Leia mais

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RESÍDUOS NO DF DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública LIXÃO DA ESTRUTURAL ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA ÁREA Eng o Marco Aurélio B. Gonçalves Eng o Gilson Leite Mansur Gestão de Resíduos

Leia mais

Realização: Instituto Venture e Ecos da Sardenha

Realização: Instituto Venture e Ecos da Sardenha o Fórum Internacional de Resíduos Sólidos Realização: Instituto Venture e Ecos da Sardenha Curitiba PR 12 a 14 de junho de 2017 8o Fórum Internacional de Resíduos Sólidos III Intercâmbio de práticas e

Leia mais

PAPA-ENTULHO: UMA PROPOSTA PARA ERRADICAÇÃO DE PONTOS DE DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO DISTRITO FEDERAL

PAPA-ENTULHO: UMA PROPOSTA PARA ERRADICAÇÃO DE PONTOS DE DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO DISTRITO FEDERAL PAPA-ENTULHO: UMA PROPOSTA PARA ERRADICAÇÃO DE PONTOS DE DESCARTE IRREGULAR DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO DISTRITO FEDERAL Autores: Caio Nunes de Albuquerque Dias Camila Lopes dos Santos Taís Corrêa

Leia mais

Desafios da gestão dos resíduos sólidos no DF na implantação da Lei 4.704/2011

Desafios da gestão dos resíduos sólidos no DF na implantação da Lei 4.704/2011 Desafios da gestão dos resíduos sólidos no DF na implantação da Lei 4.704/2011 Realização: ABES DF CREA DF Apoio: SLU e CAIXA 28 de setembro 2015 SLU em números 98% da população atendida com coleta domiciliar

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Oficina de trabalho MANEJO DOS RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO DF Painel 2 Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Maria Salete Marreti Brasília A M L U R B A u t o r i d a

Leia mais

Cuidados com a NOSSA casa comum no manejo dos resíduos. Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 Encontro de Formação 30 de janeiro de 2016

Cuidados com a NOSSA casa comum no manejo dos resíduos. Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 Encontro de Formação 30 de janeiro de 2016 Cuidados com a NOSSA casa comum no manejo dos resíduos Campanha da Fraternidade Ecumênica 2016 Encontro de Formação 30 de janeiro de 2016 NOSSA casa comum Responsabilidade de todos? Porque cuidar de NOSSA

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP

RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP 1 MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS REDUÇÃO NA FONTE GERADORA RECUPERAÇÃO TRATAMENTO Estratégias como a Minimização de Resíduos é enfatizada,

Leia mais

Ciclus A Empresa. Ciclus. Haztec (gestão de resíduos) Júlio Simões (Logística) A Ciclus já nasce herdando grande know how em sua área de atuação.

Ciclus A Empresa. Ciclus. Haztec (gestão de resíduos) Júlio Simões (Logística) A Ciclus já nasce herdando grande know how em sua área de atuação. CICLUS Ciclus A Empresa Haztec (gestão de resíduos) Júlio Simões (Logística) Ciclus A Ciclus já nasce herdando grande know how em sua área de atuação. SERB CONTRATO 318/2003 - COMLURB Escopo Concessão

Leia mais

V-026 ANÁLISE PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO DISTRITO FEDERAL

V-026 ANÁLISE PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO DISTRITO FEDERAL V-026 ANÁLISE PRELIMINAR DA IMPLANTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO DISTRITO FEDERAL Gabriel França Neves (1) Acadêmico do curso de Engenheira Civil da Universidade Católica de Brasília (UCB). Tatyane Souza

Leia mais

Plano Nacional de Resíduos Sólidos

Plano Nacional de Resíduos Sólidos Plano Nacional de Resíduos Sólidos Proposta do Plano, aprovada pelo Comitê Interministerial da Política Nacional de Resíduos Sólidos após a incorporação das contribuições apresentadas nas Audiências Regionais

Leia mais

Avaliação das Demandas e Potenciais Associados à Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Emergentes: O Caso do Município de Rio das Ostras, RJ

Avaliação das Demandas e Potenciais Associados à Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Emergentes: O Caso do Município de Rio das Ostras, RJ Avaliação das Demandas e Potenciais Associados à Gestão de Resíduos Sólidos em Cidades Emergentes: O Caso do Município de Rio das Ostras, RJ VALLEJO, F. M. A. a,*, MONTEIRO, L. P. C. b a. Universidade

Leia mais

Tema: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Alternativas, Tendências e Soluções em Prol do Setor Produtivo

Tema: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Alternativas, Tendências e Soluções em Prol do Setor Produtivo Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação Tema: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Alternativas, Tendências e Soluções em Prol do Setor Produtivo Sistemas Integrados de Gerenciamento

Leia mais

COMO VIABILIZAR A UNIVERSALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL. 16 de junho de 2015

COMO VIABILIZAR A UNIVERSALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL. 16 de junho de 2015 COMO VIABILIZAR A UNIVERSALIZAÇÃO DO TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL 16 de junho de 2015 O lixo que sai caro... Matéria divulgada na revista EXAME (jun.15) Três pontos... 1 2 3 É necessário uniformizar

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Comissão Organizadora Regional

Comissão Organizadora Regional Comissão Organizadora Regional Anselmo Lima Novo Gama Elandes Abreu Mimoso de Goiás Diego Bergamaschi - GDF Luciano Andrade - Valparaíso Luiz Roberto Domingues - GDF Manoel Caçador - GDF Norma Chemin -

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos)

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos) 3.1 Instituir programa de coleta seletiva no município. 3.2 Realizar campanhas de sensibilização e educação socioambiental da população acerca da temática dos resíduos sólidos, quanto a importância da

Leia mais

Qualidade e Conservação Ambiental TH041

Qualidade e Conservação Ambiental TH041 Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil & Engenharia Ambiental Qualidade e Conservação Ambiental TH041 Parte II - Aula 11: Resíduos Sólidos Profª Heloise G. Knapik 1 Indicadores Melhorias Identificação

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Curitiba Tem 317 anos Possui cerca de 1.851.215 hab. Área - 432,17 km2 VISTA AÉREA DE CURITIBA ORGANIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE

Leia mais

A GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

A GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A GESTÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO A busca da sustentabilidade ambiental e econômica com responsabilidade social José Henrique Penido Monteiro COMLURB Cia. Municipal de Limpeza

Leia mais

Estratégias para a Gestão dos Resíduos Orgânicos no Brasil

Estratégias para a Gestão dos Resíduos Orgânicos no Brasil Estratégias para a Gestão dos Resíduos Orgânicos no Brasil Mariana Alvarenga do Nascimento Analista Ambiental Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Ministério do Meio Ambiente São Paulo, 12

Leia mais

Unidade de Recuperação Energética integrada ao Sistema Municipal de Limpeza Urbana. Estudo de Caso Município de São Bernardo do Campo

Unidade de Recuperação Energética integrada ao Sistema Municipal de Limpeza Urbana. Estudo de Caso Município de São Bernardo do Campo Unidade de Recuperação Energética integrada ao Sistema Municipal de Limpeza Urbana Estudo de Caso Município de São Bernardo do Campo 05 de novembro de 2013 Histórico 2011: Publicação do Plano Municipal

Leia mais

Escritório de Sustentabilidade Ambiental COMLURB José Henrique Penido Monteiro

Escritório de Sustentabilidade Ambiental COMLURB José Henrique Penido Monteiro Gestão de Resíduos em Grandes Cidades Propostas para uma Agenda Sustentável OBJETIVOS DA XXXXXX Escritório de Sustentabilidade Ambiental COMLURB José Henrique Penido Monteiro jpenido@web-resol.org Gestão

Leia mais

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU

Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU Introdução A ABRELPE Treinamento para Operação de Aterros Sanitários Situação e Arcabouço Conceitual da Disposição de RSU ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e desde 1996

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

PNRS /10. 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas

PNRS /10. 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS PÚBLICOS MP 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS 12305/10 Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas

Leia mais

RELATÓRIO DE GRAVIMETRIA CONDOMÍNIO VERDE

RELATÓRIO DE GRAVIMETRIA CONDOMÍNIO VERDE RELATÓRIO DE GRAVIMETRIA CONDOMÍNIO VERDE Março de 2019 Autora : Cristiane Pereira de Brito William Sousa Santos Nubia Rodrigues da Silva INTRODUÇÃO Este relatório contém todos os dados do contrato de

Leia mais

Enga. Jacqueline Rutkowski, D.Sc. Instituto SUSTENTAR de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade

Enga. Jacqueline Rutkowski, D.Sc. Instituto SUSTENTAR de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade Reciclagem de Resíduos: oportunidades de negócios Enga. Jacqueline Rutkowski, D.Sc. Instituto SUSTENTAR de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade Observatório da Reciclagem Inclusiva e Solidária - ORIS

Leia mais

Parcerias Público Privadas com a inclusão Socioprodutiva de catadores e a Função Fiscalizatória do Ministério Público

Parcerias Público Privadas com a inclusão Socioprodutiva de catadores e a Função Fiscalizatória do Ministério Público 3º Seminário de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Instituto de Zootecnia - 24.08.2017 Parcerias Público Privadas com a inclusão Socioprodutiva de catadores e a Função Fiscalizatória do Ministério Público

Leia mais

RCC. Gestão de Resíduo da Construção Civil 2014

RCC. Gestão de Resíduo da Construção Civil 2014 RCC Gestão de Resíduo da Construção Civil 2014 Caracterização do Município Localizada a 60 km da cidade de São Paulo, Jundiaí tem 431.969 km² e 396.920 habitantes (IBGE 2013), tendo sido classificada em

Leia mais

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Gestão de Resíduos de Construção Civil Plano de Gerenciamento de RCD Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Construção Civil do ponto de vista ambiental LELA CARVALHO Reflexão: De onde vêm os recursos naturais

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS

DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS DESAFIOS ATUAIS DA GESTÃO DE RESÍDUOS URBANOS Diógenes Del Bel Diretor Presidente Funasa Simpósio de Tecnologias em Engenharia de Saúde Pública 10 / set / 2012 Desafios atuais da gestão de resíduos urbanos

Leia mais

SISTEMA DE LIMPEZA E SERVIÇOS URBANOS E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

SISTEMA DE LIMPEZA E SERVIÇOS URBANOS E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS e Limpeza Pública SISTEMA DE LIMPEZA E SERVIÇOS URBANOS E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Paulo Mangueira Diretor Técnico e de Engenharia COMLURB A Evolução da Limpeza Pública 14 de setembro de 2017 Rio de

Leia mais

Cenário dos RSU no Município de São Paulo. Fernando Morini TCM/SP

Cenário dos RSU no Município de São Paulo. Fernando Morini TCM/SP Cenário dos RSU no Município de São Paulo Fernando Morini TCM/SP Município de São Paulo 12.176.866 hab. (2018) 32 Sub Prefeituras IDH 0,805 (2010) Receitas realizadas 54 Milhões (2017) 1,33 kg/hab x dia

Leia mais

Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente. Audiência Pública Coleta Seletiva

Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente. Audiência Pública Coleta Seletiva Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente Audiência Pública Coleta Data 17/05/2016 Por que praticar os 3R s? - Conservar Recursos

Leia mais

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS.

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. 10 Fórum Internacional de Resíduos Sólidos Promoção: Instituto Venturi Para Estudos Ambientais, Escola Politécnica da UNISINOS Universidade

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA

PARCERIA PÚBLICO PRIVADA PARCERIA PÚBLICO PRIVADA APARECIDA DE GOIÂNIA - GO Resíduos Sólidos Espaço Garavelo Iluminação pública PARQUE AMÉRICA PARQUE DA CRIANÇA PARQUE DA FAMÍLIA CRONOGRAMA DOS MARCOS LEGAIS Fev/95 Lei Federal

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE PGIRSU

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE PGIRSU Prefeitura Municipal Consórcio: de Uruguaiana PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE URUGUAIANA PGIRSU A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 Marco histórico

Leia mais

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna Resíduos Sólidos Resíduo: todo e qualquer produto ou material, provenientes de um processo, que ainda pode ter serventia, podendo ser reaproveitado para ser reutilizado ou reciclado. Percentual dos materiais

Leia mais

CLINICA DE ENGENHARIA Valeconsult Empresarial Ltda USINA PARA O PROCESSAMENTO DE RSU APRESENTAÇÃO

CLINICA DE ENGENHARIA Valeconsult Empresarial Ltda USINA PARA O PROCESSAMENTO DE RSU APRESENTAÇÃO USINA PARA O PROCESSAMENTO DE RSU APRESENTAÇÃO A, a CLÍNICA DE ENGENHARÍA, é uma Empresa de engenharia e consultoria que desenvolve e executa projetos voltados ao saneamento básico e ao meio ambiente.

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Abril/ 2014 Histórico Plano Municipal 1 RESÍSUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 2 MACRO E MICRO DRENAGEM 3

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO EM ATERROS SANITÁRIOS Eficiência Energética e Energias Renováveis em Cidades Brasileiras APROVEITAMENTO DO BIOGÁS GERADO EM ATERROS SANITÁRIOS MSc. Vanessa Pecora Porto Alegre, 24 de setembro de 2009 Resíduos Urbanos e Agrícolas

Leia mais

Planejamento, Implantação e Operação de Aterros Sanitários

Planejamento, Implantação e Operação de Aterros Sanitários Planejamento, Implantação e Operação de Aterros Sanitários Eng. DSc. Cícero Antonio Antunes Catapreta ABES-MG Belo Horizonte - 2013 INTRODUÇÃO Problema a ser enfrentado: 100 90 1991 80 70 2000 % 60 50

Leia mais

Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Congestas 2013

Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Congestas 2013 Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Congestas 2013 {D74B0A37-C343-447D-AE64-A7C03181A425} Lixo e comportamento: interdisciplinaridade da Política Nacional de Resíduos Sólido José

Leia mais

Panorama da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Principais avanços e gargalos

Panorama da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Principais avanços e gargalos Panorama da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Principais avanços e gargalos Porto Alegre - 2018 A Visão dos municípios Panorama atual Novos paradigmas Dificuldades e gargalos PANORAMA ATUAL Marco

Leia mais

Gestão e reciclagem de resíduos de construção civil e demolição ABRECON / Hewerton Bartoli. Belo Horizonte 26 de maio de 2017

Gestão e reciclagem de resíduos de construção civil e demolição ABRECON / Hewerton Bartoli. Belo Horizonte 26 de maio de 2017 Gestão e reciclagem de resíduos de construção civil e demolição ABRECON / Hewerton Bartoli Belo Horizonte 26 de maio de 2017 MG PANORAMA DA APRESENTAÇÃO O que é RCC Legislação e normas Evolução Cenário

Leia mais

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA

Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal - ADASA Regulação dos serviços públicos de saneamento básico e aproveitamento energético do gás metano de aterros sanitários Eng. Marcos Helano Fernandes Montenegro Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento

Leia mais

O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM

O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM CENÁRIO/TENDÊNCIAS Erradicação de Lixões Implantação de Aterros Sanitários / Centrais de Tratamento de Resíduos

Leia mais

34ª assembléia Nacional da ASSEMAE 16 a 21 de maio de 2004 Caxias do Sul RS Brasil

34ª assembléia Nacional da ASSEMAE 16 a 21 de maio de 2004 Caxias do Sul RS Brasil 34ª assembléia Nacional da ASSEMAE 16 a 21 de maio de 2004 Caxias do Sul RS Brasil TÍTULO: AVALIAÇÃO DE UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM: FORMA DE TRABALHO E RENDIMENTO PRODUTIVO Mariza Fernanda Power

Leia mais

WASTE EXPO BRASIL. Mara Luísa Alvim Motta. Gerente Executiva GN Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental

WASTE EXPO BRASIL. Mara Luísa Alvim Motta. Gerente Executiva GN Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental WASTE EXPO BRASIL Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva GN Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental SÃO PAULO, NOVEMBRO DE 2016 AGENDA Panorama Resíduos Sólidos Brasil Atuação CAIXA Fontes

Leia mais

Governança na Gestão de Resíduos Sólidos Painel I. Waste Expo Brasil São Paulo-SP- 2016

Governança na Gestão de Resíduos Sólidos Painel I. Waste Expo Brasil São Paulo-SP- 2016 Governança na Gestão de Resíduos Sólidos Painel I Waste Expo Brasil São Paulo-SP- 2016 A Visão dos municípios Panorama atual Novos paradigmas Dificuldades e gargalos Marco legal Lei 12.305, de agosto de

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SABETAI CALDERONI Presidente do Instituto Brasil Ambiente Consultor da Organização das Nações

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK QUADRO INTITUCIONAL A Lei Federal de Saneamento Básico aborda o conjunto de serviços de abastecimento público

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS

SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SISTEMA DE GESTÃO DE RESÍDUOS Saint- Gobain Canalização Itaúna Palestrantes: Adriana Oliveira Adriano Corrêa PGR - Plano de Gerenciamento de Resíduos Parte integrante essencial do sistema de gestão de

Leia mais

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental Um modelo inovador de gestão integrada O Semasa Autarquia Municipal criada em 1.969 a partir da estrutura do antigo DAE Departamento de Água e Esgoto de Santo André ÁGUA E ESGOTO DRENAGEM GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Gestão de Resíduos: Interface dos Municípios com a Logística Reversa. São Paulo - Maio/2019 Ecomondo Forum 2019 Fórum de Soluções Sustentáveis

Gestão de Resíduos: Interface dos Municípios com a Logística Reversa. São Paulo - Maio/2019 Ecomondo Forum 2019 Fórum de Soluções Sustentáveis Gestão de Resíduos: Interface dos Municípios com a Logística Reversa São Paulo - Maio/2019 Ecomondo Forum 2019 Fórum de Soluções Sustentáveis A Visão dos municípios Panorama atual Novos paradigmas Dificuldades

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Prospectiva, Planejamento Estratégico e Prognóstico do PMSB e PMGIRS

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Prospectiva, Planejamento Estratégico e Prognóstico do PMSB e PMGIRS AUDIÊNCIA PÚBLICA Prospectiva, Planejamento Estratégico e Prognóstico do PMSB e PMGIRS Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB) e Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) de

Leia mais

Plano de Aquisições SIGLAS E ABREVIATURAS

Plano de Aquisições SIGLAS E ABREVIATURAS Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Public Disclosure Authorized Plano de Aquisições SIGLAS E ABREVIATURAS APA Área de Preservação Ambiental CAAB Companhia

Leia mais

ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL

ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL ESTUDOS PRELIMINARES 1- CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS GERADOS EM BITURUNA PR 2- BALANÇO DE MASSA E REINTEGRAÇÃO AMBIENTAL Composição Gravimétrica dos Resíduos Sólidos Urbanos de Bituruna

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

AVALIAÇÃO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 NO BRASIL: O CASO DO TEMA AMPLIAÇÃO DO ALCANCE DOS SERVIÇOS QUE SE OCUPAM DE RESÍDUOS

AVALIAÇÃO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 NO BRASIL: O CASO DO TEMA AMPLIAÇÃO DO ALCANCE DOS SERVIÇOS QUE SE OCUPAM DE RESÍDUOS AVALIAÇÃO SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DA AGENDA 21 NO BRASIL: O CASO DO TEMA AMPLIAÇÃO DO ALCANCE DOS SERVIÇOS QUE SE OCUPAM DE RESÍDUOS Anaxsandra Lima Duarte INTRODUÇÃO Estimativas da Agenda 21 Global: até

Leia mais

Consumo sustentável e a implantação da logística reversa de embalagens em geral. XI SEMINÁRIO ABES Brasília, agosto de 2014 Patrícia Iglecias

Consumo sustentável e a implantação da logística reversa de embalagens em geral. XI SEMINÁRIO ABES Brasília, agosto de 2014 Patrícia Iglecias Consumo sustentável e a implantação da logística reversa de embalagens em geral XI SEMINÁRIO ABES Brasília, agosto de 2014 Patrícia Iglecias Direito ao Meio Ambiente e Proteção do Consumidor Parâmetro

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

Divisão Técnica de Gestão Socioambiental

Divisão Técnica de Gestão Socioambiental Divisão Técnica de Gestão Socioambiental Processo Objeto Modalidade 2014 2015 2016 2017 13.1.455.49.5 Remoção por corte de árvores Registro de Preços: 64/2012 15.050,00 Remediação de área contaminada envolvendo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRACICABA SECRETARIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE - SEDEMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRACICABA SECRETARIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE - SEDEMA PROCESSO ADMINISTRATIVO SEDEMA Nº 25.527/2011 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 17/2015 - DFB ASSUNTO: ADITIVO AO CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PIRACICABA AMBIENTAL S/A INTERESSADO: PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos.

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. 12/08/2015 1 12/08/2015 2 Profissionais envolvidos no projeto Biologia ;Geografia

Leia mais

RELATORIO DE COLETA SELETIVA

RELATORIO DE COLETA SELETIVA RELATORIO DE COLETA SELETIVA ABRIL E MAIO DE 2017 - FLUMINENSE FOOTBALL CLUB A Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS, instituída pela Lei nº 12.305/10, prevê técnicas e metodologias específicas

Leia mais

Panorama e Política Nacional de

Panorama e Política Nacional de Panorama e Política Nacional de Resíduos SólidosS Seminário de Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos Regional Sudeste ABES, São Paulo Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Dados

Leia mais

Avanços e desafios da gestão de resíduos sólidos em Porto Alegre. André Carús Diretor-Geral Departamento Municipal de Limpeza Urbana

Avanços e desafios da gestão de resíduos sólidos em Porto Alegre. André Carús Diretor-Geral Departamento Municipal de Limpeza Urbana Avanços e desafios da gestão de resíduos sólidos em Porto Alegre André Carús Diretor-Geral Departamento Municipal de Limpeza Urbana Serviços Executados pelo DMLU (contratos e execução própria) Coleta regular

Leia mais

?????????????????????????????????????????

????????????????????????????????????????? ??????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????????

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA PROG. DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PLANEJAMENTO E GOVERNANÇA PÚBLICA POLÍTICA DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE CURITIBA RELATÓRIO

Leia mais

Itapira. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Itapira. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Itapira Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Lei nº 12.305/2010 Aspectos Gerais Itapira CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Itapira 518,385 km² (20%) Relação Itapira x CISBRA 24% dos habitantes do CISBRA

Leia mais

Íntegra da Apresentação de 11/05/2016

Íntegra da Apresentação de 11/05/2016 Íntegra da Apresentação de 11/05/2016 Fontes de Financiamento RECEITAS CORRENTES 117.661.300,00 Receita Tributária 17.867.000,00 Receita Patrimonial 778.900,00 Receita de Serviços 74.538.600,00 Outras

Leia mais

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência

Leia mais

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S

P L O Í L TI T CA C A NA N C A I C ON O A N L A L D E D E R E R S E Í S DU D O U S O S SÓ S L Ó I L DO D S O S MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Resíduos Sólidos. Panorama Estadual e Gestão

Resíduos Sólidos. Panorama Estadual e Gestão Resíduos Sólidos Panorama Estadual e Gestão do Sistema Eng.º Ambiental Luiz Guilherme Grein Vieira Associação Paranaense dos Engenheiros Ambientais APEAM 25/11/2016 EPEC Foz do Iguaçu Panorama Estadual

Leia mais

A GESTÃO De RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. sob a ótica da COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ

A GESTÃO De RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS. sob a ótica da COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ A GESTÃO De RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS sob a ótica da COMPANHIA DE SANEAMENTO DO PARANÁ Prof Dr Charles Carneiro Companhia de Saneamento do Paraná - SANEPAR Instituto Superior de Economia e Administração

Leia mais

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes

Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes PROPOSTAS INICIAIS PARA DIRETRIZES DE LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE MANEJO Resíduos da Construção Civil, Volumosos e Inertes INEXISTÊNCIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS PRIORIDADE COLETA CORRETIVA Geradores Empresas

Leia mais

1. Amostragem Apartamentos e Casas Salas Comerciais e Lojas

1. Amostragem Apartamentos e Casas Salas Comerciais e Lojas 2 1. Amostragem O Sindicato da Habitação do Distrito Federal (SECOVI/DF) divulga o Boletim de Conjuntura Imobiliária do mês de abril de 2019, com dados referentes a março. A amostragem analisada foi de

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO ESTADO DA PARAÍBA

DIAGNÓSTICO DA DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO ESTADO DA PARAÍBA DIAGNÓSTICO DA DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES NO ESTADO DA PARAÍBA Gean Carlos Pereira de Lucena 1 ; Pedro Tiago Pereira de Sousa 1 ; Pablo Rodrigo da Costa Florêncio 1, João Filipe

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública PANORAMA AMBIENTAL NO ESTADO DE GOIÁS Eng. Ambiental Adjane Damasceno de Oliveira 63% dos municípios goianos possuem até de 10.000 habitantes.

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS PNRS RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO AÇÃO ADOTADA: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos

Gestão de Resíduos Sólidos Gestão de Resíduos Sólidos Secretaria Municipal do Meio Ambiente Superintendência de Controle Ambiental Superintendência de Obras e Serviços Superintendência de Controle Ambiental Departamento de Pesquisa

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais