Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades"

Transcrição

1 Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência ANO : 2013 Órgão municipal responsável pelo manejo de Resíduos Sólidos DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TURISMO E MEIO AMBIENTE Mandatário do órgão responsável FILIPE CONDÉ ALVES Chefe do Dep. Munic. de Turismo e Meio Ambiente E.mail Telefone (35) Informações Financeiras A Prefeitura cobra pelos serviços de manejo de RSU NÃO 2.2 a Prefeitura cobra pelos serviços eventuais de Manejo de RSU NÃO 2.3 Coleta de resíduos domiciliares e públicos (terceirizada) R$ , Coleta de resíduos dos serviços de saúde (terceirizada) R$ , Varrição de logradouros públicos (própria) R$ , Demais serviços R$25.726, Receita orçada com cobrança de taxas e tarifas gestão RSU R$-x-x-x-x- 2.8 Receita arrecadada com taxas e tarifas gestão de RSU R$-x-x-x-x- 2.9 Valor total das despesas correntes da Prefeitura R$ , Investimentos da União no setor de manejo RSU R$ -x-x-x-x-

2 3 Trabalhadores Remunerados 3.1 Coleta (motorista e coletadores terceirizados) Varrição (quadro da prefeitura) Capina e roçada (quadro da prefeitura) Unidade de manejo, tratamento ou disposição final Gerência ou administração (planejamento ou fiscalização) Trabalhadores Temporários Total de Trabalhadores 21 4 Coleta domiciliar e pública População total do município População urbana do Município População urbana atendida pela coleta RSD População rural atendida pela coleta RSD Percentual da população atendida com frequência diária 23,18% 4.6 Percentual da população com frequência 2 vezes por semana 65,19% 4.7 Percentual da população com frequência quinzenal 11,63% 4.8 Caminhão compactador (terceirizado) Trator agrícola com reboque (próprio) Quantidade coletada (domiciliar e comercial) Ton/ano 4.11 Quantidade coletada (limpeza de logradouros) 90 Ton/ano 4.12 Utiliza balança para pesagem rotineira RSD coletados NÃO 4.13 Envia RSD coletados para outro município NÃO 4.14 Serviço de coleta noturna e coleta conteinerizada NÃO

3 5 Serviços de coleta seletiva 5.1 Existe serviço de coleta seletiva executado pela prefeitura NÃO 5.2 Existe serviço de coleta seletiva executado por terceiros NÃO 5.3 Materiais recuperados no município Iniciativa Privada (Ton/Ano 2013) Quantidade de papel e papelão recicláveis recuperados 44,02 Ton/ano Quantidade de plásticos recicláveis recuperados 27,26 Ton/ano Quantidade de Metais recicláveis recuperados 10,33 Ton/ano Quantidade de Vidros recicláveis recuperados 10,50 Ton/ano Quantidade de outros materiais recicláveis recuperados 6,00 Ton/ano Quantidade total de materiais recicláveis recuperados 101,71 Ton/ano 6 Execução do serviço de coleta de Resíduos Sólidos dos Serviços de Saúde 6.1 Existe coleta diferenciada de RSS (terceirizada) SIM 6.2 Em veículo exclusivo SIM 6.3 A coleta diferenciada e cobrada separadamente NÂO 6.4 Valor contratual pago pela coleta diferenciada RSS R$ 4,15/Kg 6.5 No preço acima está incluso tratamento RSS coletado SIM 6.6 A prefeitura exerce algum controle sobre serviços executados SIM 6.7 Qual? Apresentação do recibo de destinação 6.8 Quantidade de RSS coletado Kg/ano 6.9 O município envia RSS para outro município SIM 6.10 Qual? LAVRAS MG

4 7 Resíduos da Contrução Civil e Demolição 7.1 A prefeitura executa usualmente coleta RCD SIM 7.2 O serviço executado é cobrado do usuário NÃO 7.3 Há empresas especializadas que prestam serviços (caçambeiros) SIM 7.4 Há agentes autônomos que prestam serviços de coleta RCD SIM Quantidade de entulho coletado pela prefeitua municipal 768 Ton/ano 7.6 Quantidade de entulho coletado por empresas/autônomos Ton/ano 8 Varrição logradouros públicos 8.1 Varrição pela prefeitura municipal (Km varridos) 15 Km 8.2 Varrição por empresas contratadas (Km varridos) -x-x-x- 8.3 Há algum tipo de varrição mecanizada no município NÃO 9 Capina e roçada 9.1 Existe no município o serviço de capina e roçada SIM 9.2 Capina manual SIM 9.3 Capina mecanizada SIM 9.4 Capina química NÃO 10 Outros serviços prestados 10.1 Lavação de vias e praças SIM 10.2 Poda de árvores SIM 10.3 Limpeza de feiras ou mercados SIM 10.4 Limpeza de bocas-de-lobo SIM 10.5 Pinturas de meios-fios SIM 10.6 Limpeza de lotes vagos NÃO

5 10.7 Remoção de animais mortos em vias públicas SIM 10.8 Coleta diferenciada de pneus velhos SIM 10.9 Coleta diferenciada de lâmpadas fluorescentes NÃO Coleta diferenciada de pilhas e baterias NÃO Coleta diferenciada de resíduos eletrônicos NÃO Coleta de resíduos volumosos inservíveis (móveis / coilchões) SIM 11 Situação dos catadores 11.1 Existem catadores de materiais recicláveis na cidade SIM 11.2 Os catadores estão organizados em cooperativas ou associações NÃO 11.3 Existe algum trabalho social da Prefeitura direcionado aos catadores NÃO 12 Aterro controlado municipal 12.1 Tipo de unidade ATERRO CONTROLADO 12.2 Proprietário Prefeitura Municipal de Baependi MG 12.3 Localização Bairro da Usina Zona Rural Baependi 12.4 A unidade esteve em operação 2013 SIM 12.5 Ano de início da operação Operador da unidade Prefeitura Municipal de Baependi MG 12.7 A unidade recebe RSS NÃO 12.8 Tipo de licença ambiental emitida pelo órgão de Controle ambiental Em Andamento 12.9 Recebeu resíduos de outros municípios? NÃO

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS.

A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. A importância dos Consórcios Públicos Intermunicipais para a GIRS. 10 Fórum Internacional de Resíduos Sólidos Promoção: Instituto Venturi Para Estudos Ambientais, Escola Politécnica da UNISINOS Universidade

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

Cenário dos RSU no Município de São Paulo. Fernando Morini TCM/SP

Cenário dos RSU no Município de São Paulo. Fernando Morini TCM/SP Cenário dos RSU no Município de São Paulo Fernando Morini TCM/SP Município de São Paulo 12.176.866 hab. (2018) 32 Sub Prefeituras IDH 0,805 (2010) Receitas realizadas 54 Milhões (2017) 1,33 kg/hab x dia

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE)

IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO. NÚMERO DE CADASTRO DA ENTIDADE NO MUNICÍPIO (Preenchido de acordo com o Relatório de Números Cadastrais / IBGE) Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 0 MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS MRS BLOCO 0 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO NÚMERO

Leia mais

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU

MUDANÇAS. Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades Kátia Campos Presidente do SLU MUDANÇAS Transformando a realidade dos resíduos sólidos no Distrito Federal Relatório Atividades 2017 Kátia Campos Presidente do SLU Dados históricos 1961 Primeira usina de tratamento de lixo e compostagem

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte PROGRAMA 046 - EXECUÇÃO DA LIMPEZA PÚBLICA AMPLIAR O SERVIÇO DE TRATAMENTO DO LIXO. OBRAS 1 REALIZAR COLETA ESPECIAL EM UNIDADES DE SAÚDE DA REGIONAL BARREIRO. 44 REALIZAR COLETA ESPECIAL EM UNIDADES DE

Leia mais

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE MONTEIRO-PB

ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE MONTEIRO-PB ANÁLISE DA APLICAÇÃO DO PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE MONTEIRO-PB Alan Max Francisco Neves; Álida Bianca Brito Guedes; Thatiane Amanda da Silva; Larissa Carvalho de Andrade;

Leia mais

Profissional: Eng. Civil e Segurança do Trabalho Carlos Alberto Denti (51)

Profissional: Eng. Civil e Segurança do Trabalho Carlos Alberto Denti (51) Atestados de capacidade e responsabilidade técnico profissional com CAT de Engenheiro limpeza urbana, Atestados de capacidade e responsabilidade técnico profissional com CAT de Engenheiro coleta resíduos

Leia mais

ATESTADO DE RESPONSABILIDADE E CAPACIDADE TECNICA MANUTENCAO PREDIAL

ATESTADO DE RESPONSABILIDADE E CAPACIDADE TECNICA MANUTENCAO PREDIAL Curriculo, possuo Acervo técnico de engenheiro de manutenção predial com atestados responsabilidade técnico profissional e de capacidade e CAT manutenção predial para licitações. Curriculo, possuo Acervo

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA NACIONAL DE GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 02 IDENTIFICAÇÃO DA PREFEITURA

SANEAMENTO BÁSICO PESQUISA NACIONAL DE GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 02 IDENTIFICAÇÃO DA PREFEITURA Diretoria de Pesquisas - DPE Coordenação de População e Indicadores Sociais - COPIS PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO - 008 GESTÃO MUNICIPAL DO SANEAMENTO BÁSICO GMSB BLOCO 0 IDENTIFICAÇÃO DO QUESTIONÁRIO

Leia mais

PEGADA ECOLÓGICA A PEGADA DE ALGUNS PAISES. Estados Unidos: 9,7 hectares / pessoa. Brasil: 2,2 hectares / pessoa. Etiópia: 0,47 hectares / pessoa

PEGADA ECOLÓGICA A PEGADA DE ALGUNS PAISES. Estados Unidos: 9,7 hectares / pessoa. Brasil: 2,2 hectares / pessoa. Etiópia: 0,47 hectares / pessoa PEGADA ECOLÓGICA Pegada Ecológica (também denominada de pegada carbônica ) é definida, portanto, como área de território ecologicamente produtivo (cultivos, pastos, florestas ou ecossistemas aquáticos)

Leia mais

Contratação de Serviços Públicos

Contratação de Serviços Públicos Contratação de Serviços Públicos MODELOS DE CONTRATAÇÃO I. MODELO CONVENCIONAL DE CONTRATO DE EMPREITADA (LEI 8.666/93) II. MODELO DE CONCESSÃO PÚBLICA (Tradiconal) (LEI 8.987/95) III. MODELO DE PPP (Concessão

Leia mais

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo

Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Oficina de trabalho MANEJO DOS RESIDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO DF Painel 2 Avanços e desafios no Manejo de RCC Município de São Paulo Maria Salete Marreti Brasília A M L U R B A u t o r i d a

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE. Paulo Celso dos Reis Gomes

GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE. Paulo Celso dos Reis Gomes GESTÃO PÚBLICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: INOVAÇÃO COM SUSTENTABILIDADE Paulo Celso dos Reis Gomes Desafios do Governo Rollemberg em relação aos resíduos sólidos urbanos (2015/18) 1 Encerrar as atividades irregulares

Leia mais

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental

Gestão Integrada de Saneamento Ambiental Um modelo inovador de gestão integrada O Semasa Autarquia Municipal criada em 1.969 a partir da estrutura do antigo DAE Departamento de Água e Esgoto de Santo André ÁGUA E ESGOTO DRENAGEM GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Itapira. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Itapira. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Itapira Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos Lei nº 12.305/2010 Aspectos Gerais Itapira CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km² Itapira 518,385 km² (20%) Relação Itapira x CISBRA 24% dos habitantes do CISBRA

Leia mais

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO DE SANEAMENTO BÁSICO SETORIAL PARA LIMPEZA URBANA E O MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Abril/ 2014 Histórico Plano Municipal 1 RESÍSUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO 2 MACRO E MICRO DRENAGEM 3

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

CURRÍCULO DE ENGENHEIRO. Serviços com CAT e atestados de responsabilidade registrados no CREA, que atendem à Lei de Licitações: (1) ACERVO TÉCNICO COM

CURRÍCULO DE ENGENHEIRO. Serviços com CAT e atestados de responsabilidade registrados no CREA, que atendem à Lei de Licitações: (1) ACERVO TÉCNICO COM CURRÍCULO DE ENGENHEIRO. Serviços com CAT e atestados de responsabilidade registrados no CREA, que atendem à Lei de Licitações: (1) ACERVO TÉCNICO COM CAT NA ÁREA DE MANUTENÇÃO PREDIAL: a)- Manutenção

Leia mais

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES

Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas CONSIMARES Seminário Soluções Ambientais para Resíduos Sólidos Industriais DESAFIOS PARA SUSTENTABILIDADE RESÍDUOS

Leia mais

TECNOLOGIA + RESÍDUOS

TECNOLOGIA + RESÍDUOS TECNOLOGIA + RESÍDUOS O Grupo Seleta forma uma das mais fortes empresas no Brasil no ciclo completo do tratamento de resíduos, da coleta à disposição final. Para isso, conta com a Soma Ambiental e a Kurica

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS E SERVIÇOS PÚBLICOS DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA EQUIPE DIRETORA DE DEPARTAMENTO: Solange Aparecida de Jesus Amorim Auxiliares: Marlene Aparecida dos Santos Iranilda da

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Curitiba Tem 317 anos Possui cerca de 1.851.215 hab. Área - 432,17 km2 VISTA AÉREA DE CURITIBA ORGANIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE

Leia mais

page 1 of 98

page 1 of 98 page 1 of 98 page 2 of 98 page 3 of 98 page 4 of 98 page 5 of 98 page 6 of 98 page 7 of 98 page 8 of 98 page 9 of 98 page 10 of 98 page 11 of 98 page 12 of 98 page 13 of 98 page 14 of 98 page 15 of 98

Leia mais

Planejamento e Gestão de RSU COLETA, TRANSPORTE e TRANSBORDO

Planejamento e Gestão de RSU COLETA, TRANSPORTE e TRANSBORDO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária Planejamento e Gestão de RSU COLETA, TRANSPORTE e TRANSBORDO 22/6/2016 1 COLETA de LIXO Conceituação:

Leia mais

1. No dia 13 de setembro de 2017 foi publicado o Decreto nº ( Decreto ), da lavra do chefe do Poder Executivo do Município de Goiânia.

1. No dia 13 de setembro de 2017 foi publicado o Decreto nº ( Decreto ), da lavra do chefe do Poder Executivo do Município de Goiânia. 1. No dia 13 de setembro de 2017 foi publicado o Decreto nº 2.639 ( Decreto ), da lavra do chefe do Poder Executivo do Município de Goiânia. 2. O Decreto modifica o Decreto nº 728, de 14 de março de 2016,

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA

Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Planejamento e Gestão de RSU LIMPEZA URBANA PGRSU 2016/1 3ª e 5ª 10:00 às 12:00h 22/6/2016 1 Limpeza Urbana: CF Art 30 Lei 11445/2007

Leia mais

A PNSB e o Saneamento Rural

A PNSB e o Saneamento Rural A PNSB e o Saneamento Rural Antônio Tadeu Ribeiro de Oliveira Gerente de Estudos e Pesquisas Sociais VI Seminário Nacional de Saneamento Rural João Pessoa, 07.11.2012 A PNSB Pesquisa Nacional de Saneamento

Leia mais

AGRADECIMENTOS. Por fim a todos que contribuíram de alguma forma para conclusão desta monografia. Muito obrigado a todos.

AGRADECIMENTOS. Por fim a todos que contribuíram de alguma forma para conclusão desta monografia. Muito obrigado a todos. AGRADECIMENTOS Primeiramente agradeço, a Deus e a minha família, pois foi com a força deles que decide iniciar e finalizar este curso com sabedoria e dedicação para que este e os outros desafios que sugiram

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP

RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS Profa. Dra. Wanda M. Risso Günther FSP/USP 1 MINIMIZAÇÃO DE RESÍDUOS REDUÇÃO NA FONTE GERADORA RECUPERAÇÃO TRATAMENTO Estratégias como a Minimização de Resíduos é enfatizada,

Leia mais

ANÁLISE DE INDICADORES PROPOSTOS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL

ANÁLISE DE INDICADORES PROPOSTOS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL ANÁLISE DE INDICADORES PROPOSTOS PARA A GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO BRASIL Tatiane Bonametti Veiga Engenheira Civil. Doutoranda em Ciências pela Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP/USP)

Leia mais

Logística Reversa. A Política Nacional de Resíduos Sólidos Lei nº /2010:

Logística Reversa. A Política Nacional de Resíduos Sólidos Lei nº /2010: Logística Reversa A Política Nacional de Resíduos Sólidos Lei nº 12.305/2010: Instrumento de desenvolvimento econômico e social; Conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta

Leia mais

AVALIAÇÃO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CONTEXTO DE SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS

AVALIAÇÃO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CONTEXTO DE SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS AVALIAÇÃO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO CONTEXTO DE SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS Maeli Machado do Nascimento Carelli (*), Wesley Alexandre Vaneli Nogueira, Cleiton Oliveira dos Santos * Universidade

Leia mais

Brazilian Journal of Animal and Environmental Research

Brazilian Journal of Animal and Environmental Research 244 Diagnóstico do gerenciamento de resíduos sólidos urbanos no município de Castanhal - Pará, Amazônia Diagnosis of urban solid waste management in the municipality of Castanhal - Pará, Amazônia Recebimento

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS ENGENHEIRO SANITARISTA CARLOS EDSON WALTRICK QUADRO INTITUCIONAL A Lei Federal de Saneamento Básico aborda o conjunto de serviços de abastecimento público

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro

Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Logística Reversa no Brasil: Cenário Atual e Futuro Proporções descomunais: Panorama histórico RMSP São Paulo 2000 18 milhões hab. 10,5 milhões hab. 2010 20 milhões hab. 11,5 milhões hab. 2017 22 milhões

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS HSA 0109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Sistema de Limpeza Urbana Engo. Francisco Luiz Rodrigues Profa. Dra. Wanda Risso Günther FSP/USP Fatores que influenciam a geração de resíduos nos centros urbanos

Leia mais

PPP Summit É O ANO DAS PPPS MUNICIPAIS?

PPP Summit É O ANO DAS PPPS MUNICIPAIS? PPP Summit 2015 2015 É O ANO DAS PPPS MUNICIPAIS? INFORMAÇÕES GERAIS Betim está localizada a 30 km da capital mineira. É um dos principais pólos de concentração industrial do estado de Minas Gerais. A

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS - SANTA CRUZ/RN

PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS - SANTA CRUZ/RN PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CRUZ/RN PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS - SANTA CRUZ/RN ANEXO I - DIAGNÓSTICO - SANTA CRUZ, RN - DEZEMBRO DE 2013 PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO

Leia mais

MUNICÍPIO DE POTIM -SP

MUNICÍPIO DE POTIM -SP CARTILHA Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos MUNICÍPIO DE POTIM -SP 1 2 1. Introdução Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS) é um instrumento previstos na

Leia mais

REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP Janeiro a Dezembro de 2014

REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP Janeiro a Dezembro de 2014 PROGRAMA USP RECICLA/FSP - 2014 REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP Janeiro a Dezembro de 2014 Divulgação do Programa USP Recicla Desde 2010, no início do ano letivo, ocorre a apresentação do programa,

Leia mais

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME ÍNDICE

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME ÍNDICE 1 ÍNDICE 1. DIAGNÓSTICO DOS RSU DO MUNICÍPIO DE MACEDONIA 3 1.1 Fonte de informações 3 1.2 Origem dos resíduos sólidos 3 1.3 Quantidade de resíduos sólidos 4 1.4 Características dos resíduos sólidos 5

Leia mais

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos

II - Caracterização dos Resíduos Sólidos 8/5/2016 1 8/5/2016 2 II - Caracterização dos Resíduos Sólidos Resíduos: Mudanças e Riscos Composição variável dos resíduos; Riscos associados: Ambiental / Saúde pública; Como avaliar a dimensão dos riscos?

Leia mais

Prefeitura Municipal Estância Turística de Paranapanema

Prefeitura Municipal Estância Turística de Paranapanema GABINETE DO PREFEITO DECRETO Nº 1.641 DE 07 DE JUNHO DE 2017 ANTONIO H1ROMITI NAKAGAWA, Prefeito Municipal da Estância Turística de Paranapanema, Estado de São Paulo, e no uso das suas atribuições legais;

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública OS DESAFIOS DA LIMPEZA PÚBLICA EM GOIÂNIA PANORAMA DA LIMPEZA PÚBLICA EM GOIÂNIA 1. SERVIÇOS DE LIMPEZA PÚBLICA 5. FISCALIZAÇÃO LIMPEZA PÚBLICA

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Limpeza Urbana e Manejo de

Leia mais

Panorama da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Principais avanços e gargalos

Panorama da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Principais avanços e gargalos Panorama da Política Nacional de Resíduos Sólidos: Principais avanços e gargalos Porto Alegre - 2018 A Visão dos municípios Panorama atual Novos paradigmas Dificuldades e gargalos PANORAMA ATUAL Marco

Leia mais

Avanços e desafios da gestão de resíduos sólidos em Porto Alegre. André Carús Diretor-Geral Departamento Municipal de Limpeza Urbana

Avanços e desafios da gestão de resíduos sólidos em Porto Alegre. André Carús Diretor-Geral Departamento Municipal de Limpeza Urbana Avanços e desafios da gestão de resíduos sólidos em Porto Alegre André Carús Diretor-Geral Departamento Municipal de Limpeza Urbana Serviços Executados pelo DMLU (contratos e execução própria) Coleta regular

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade dos Serviços Públicos de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos

Gestão e Sustentabilidade dos Serviços Públicos de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos Gestão e Sustentabilidade dos Serviços Públicos de Limpeza Urbana e Manejo de Resíduos Sólidos Gustavo Fontana Supervisor Administrativo Financeiro do Departamento Municipal de Limpeza Urbana ALGUMAS INFORMAÇÕES

Leia mais

REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP 2010

REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP 2010 REALIZAÇÕES DO PROGRAMA USP RECICLA/FSP 2010 Reuniões mensais dos membros da Comissão USP Recicla/FSP: Dezembro 2010 Abril 2010 Atualização dos membros da Comissão (Portaria DIR/06/2010): Membros ingressantes:

Leia mais

ANEXOS II PROGNÓSTICO

ANEXOS II PROGNÓSTICO ANEXOS II PROGNÓSTICO PLANO REGIONAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS Página 1 ANEXO 1 Publicação do Edital de Convocação da Audiência Pública do Diagnóstico do Plano Regional de Gestão Integrada

Leia mais

DECRETO Nº 2271, DE 31 DE MARÇO DE 2005.

DECRETO Nº 2271, DE 31 DE MARÇO DE 2005. DECRETO Nº 2271, DE 31 DE MARÇO DE 2005. Dá nova redação ao artigo 1º do Decreto 1552, de 22 de março de 1993, alterado pelos Decretos 1572 de 22 de julho de 1993 e 2002 de 3 de maio de 2001. ITAMAR BORGES,

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE PGIRSU

PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE PGIRSU Prefeitura Municipal Consórcio: de Uruguaiana PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DE URUGUAIANA PGIRSU A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 Marco histórico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRACICABA SECRETARIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE - SEDEMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PIRACICABA SECRETARIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE - SEDEMA PROCESSO ADMINISTRATIVO SEDEMA Nº 25.527/2011 PARECER CONSOLIDADO ARES-PCJ Nº 17/2015 - DFB ASSUNTO: ADITIVO AO CONTRATO DE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA - PIRACICABA AMBIENTAL S/A INTERESSADO: PREFEITURA MUNICIPAL

Leia mais

Logística reversa de embalagens em geral. Annelise Monteiro Steigleder

Logística reversa de embalagens em geral. Annelise Monteiro Steigleder Logística reversa de embalagens em geral Annelise Monteiro Steigleder Hierarquia das ações no manejo de resíduos sólidos Regulação Não geração Redução Reuso Reciclagem Tratamento Destinação final dos rejeitos

Leia mais

O que os cidadãos de Rio Branco pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade.

O que os cidadãos de Rio Branco pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Consumo Sustentável Programa Água Brasil e Instituto Ibope apresentam: O que os cidadãos de pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Introdução O Programa Água

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARILIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MARILIA TC 6876/989/16 Dimas Eduardo Ramalho Conselheiro PREFEITURA MUNICIPAL DE MARILIA Gestor Responsável Daniel Alonso Prefeito Municipal Prefeito Municipal 068.109.08803 recepcaogabinete@marilia.sp.gov.br

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ. Sueli Mieko Miamoto 1. Romel Dias Vanderlei 2

DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ. Sueli Mieko Miamoto 1. Romel Dias Vanderlei 2 7 e 8 Novembro 2012 DIAGNÓSTICO DO SISTEMA DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE PARANAVAÍ Sueli Mieko Miamoto 1 Romel Dias Vanderlei 2 RESUMO A Lei Federal nº 12.305 de 02 de agosto

Leia mais

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública

Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública LIXÃO DA ESTRUTURAL ALTERNATIVAS PARA RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA ÁREA Eng o Marco Aurélio B. Gonçalves Eng o Gilson Leite Mansur Gestão de Resíduos

Leia mais

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos)

Fontes de Recursos Ação. Curto Médio Longo (1 a 4 anos) (4 a 8 anos) (8 a 20 anos) 3.1 Instituir programa de coleta seletiva no município. 3.2 Realizar campanhas de sensibilização e educação socioambiental da população acerca da temática dos resíduos sólidos, quanto a importância da

Leia mais

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco

ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco ACONDICIONAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com RESPONSABILIDADES FASE INTERNA FASE EXTERNA Geração Coleta interna Acondicionamento Armazenamento

Leia mais

Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana. Desafios da gestão dos resíduos sólidos. 30 de setembro 2015

Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana. Desafios da gestão dos resíduos sólidos. 30 de setembro 2015 Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana Desafios da gestão dos resíduos sólidos 30 de setembro 2015 154 MORTOS PASSAGEIROS E TRIPULAÇÃO GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RSU Evolução da prestação

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES PCJ Nº 163/2015

PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES PCJ Nº 163/2015 Americana, 01 de dezembro de 2015. PROCESSO ADMINISTRATIVO ARES PCJ Nº 163/2015 PARECER CONSOLIDADO ARES PCJ Nº 48/2015 CRO ASSUNTO: INTERESSADO: DIAGNÓSTICO DOS SERVIÇOS DE MANEJO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

Leia mais

Cobrança pela coleta, destinação e tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU)

Cobrança pela coleta, destinação e tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Cobrança pela coleta, destinação e tratamento dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) Jacqueline Loures Engenheira Civil Analista de Controle Externo do TCEMG jloures@tce.mg.gov.br Auditoria Operacional na

Leia mais

Governança na Gestão de Resíduos Sólidos Painel I. Waste Expo Brasil São Paulo-SP- 2016

Governança na Gestão de Resíduos Sólidos Painel I. Waste Expo Brasil São Paulo-SP- 2016 Governança na Gestão de Resíduos Sólidos Painel I Waste Expo Brasil São Paulo-SP- 2016 A Visão dos municípios Panorama atual Novos paradigmas Dificuldades e gargalos Marco legal Lei 12.305, de agosto de

Leia mais

PNRS /10. 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas

PNRS /10. 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos. Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS PÚBLICOS MP 8 Anos da Lei Federal que Define a Política Nacional de Resíduos Sólidos PNRS 12305/10 Logística Reversa, Dificuldades e Perspectivas

Leia mais

Itens mínimos de um Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos PGIRS

Itens mínimos de um Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos PGIRS Itens mínimos de um Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos PGIRS 1. Dados gerais 1.1 do empreendedor Razão social Nome fantasia CNPJ Alvará Tipo de atividade Número de licença ambiental (se

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE. Servidores municipais: Resp. SASB:

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE. Servidores municipais: Resp. SASB: PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE Servidores municipais: Resp. SASB: Tabela Erro! Nenhum texto com o estilo especificado foi encontrado no documento..1 - Checklist para levantamento de informações

Leia mais

Fechamento do Lixão de Brasília Janeiro de 2018

Fechamento do Lixão de Brasília Janeiro de 2018 Fechamento do Lixão de Brasília Janeiro de 2018 Compromissos do Novo Governo Fechar o Lixão Inaugurar o Aterro Sanitário Incluir os catadores como agentes ambientais Reestruturação do SLU 3 Rota Tecnológica

Leia mais

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº / 2012

MUNICÍPIO DE JUAZEIRO ESTADO DA BAHIA LEI Nº / 2012 LEI Nº 2.294 / 2012 Acrescenta o Capítulo VII-A acompanhado de dispositivos pertinentes, ao Título II da Lei Municipal Nº 921/82 Código de Posturas do Município de Juazeiro Bahia, e dá outras providências.

Leia mais

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RESÍDUOS NO DF DISTRITO FEDERAL

Leia mais

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME INDICE- VOLUME II

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME INDICE- VOLUME II 1 INDICE- VOLUME II 1 DIAGNÓSTICO DOS RSU DE ASPÁSIA 3 1.1 Fonte de informações 3 1.2 Origem dos resíduos sólidos 3 1.3 Quantidade de resíduos sólidos 4 1.4 Características dos resíduos sólidos 7 1.4.1

Leia mais

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Instituto de Engenharia SP Divisão Técnica de Engenharia Sanitária do Instituto de Engenharia DTES/I.E 06 de abril de 2011 Francisco Luiz Rodrigues

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS. Disciplina - LCF0300 Gestão ambiental urbana

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS. Disciplina - LCF0300 Gestão ambiental urbana GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Disciplina - LCF0300 Gestão ambiental urbana DEFINIÇÕES Resíduo é qualquer material considerado inútil, supérfluo, e/ou sem valor, gerado pela atividade humana, e que precisa

Leia mais

Prefeitura Municipal de Lençóis publica:

Prefeitura Municipal de Lençóis publica: Prefeitura Municipal de Lençóis 1 Quarta-feira Ano Nº 2299 Prefeitura Municipal de Lençóis publica: Aviso do Pregão Presencial para Registro de Preços Nº 005/2018. (Universal Service Ltda EPP). Adjudicação

Leia mais

Painel IV: Os Acordos Setoriais e PMGIRS Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

Painel IV: Os Acordos Setoriais e PMGIRS Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Painel IV: Os Acordos Setoriais e PMGIRS Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Daniel Martini, Promotor de Justiça. Coordenador dos Centros de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente

Leia mais

Gestão de Resíduos: Interface dos Municípios com a Logística Reversa. São Paulo - Maio/2019 Ecomondo Forum 2019 Fórum de Soluções Sustentáveis

Gestão de Resíduos: Interface dos Municípios com a Logística Reversa. São Paulo - Maio/2019 Ecomondo Forum 2019 Fórum de Soluções Sustentáveis Gestão de Resíduos: Interface dos Municípios com a Logística Reversa São Paulo - Maio/2019 Ecomondo Forum 2019 Fórum de Soluções Sustentáveis A Visão dos municípios Panorama atual Novos paradigmas Dificuldades

Leia mais

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME INDICE- VOLUME II

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME INDICE- VOLUME II 1 INDICE- VOLUME II 1 DIAGNÓSTICO DOS RSU DE SANTA CLARA D OESTE 3 1.1 Fonte de informações 3 1.2 Origem dos resíduos sólidos 3 1.3 Quantidade de resíduos sólidos 4 1.4 Características dos resíduos sólidos

Leia mais

Módulo Gerenciamento dos Resíduos Sólidos 4.2. Coleta 4.3. Transporte 4.4. Tratamento Exercícios

Módulo Gerenciamento dos Resíduos Sólidos 4.2. Coleta 4.3. Transporte 4.4. Tratamento Exercícios Módulo 4 4.1. Gerenciamento dos Resíduos Sólidos 4.2. Coleta 4.3. Transporte 4.4. Tratamento Exercícios 4.1 Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos é um conjunto

Leia mais

O que os cidadãos de Pirenópolis pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade.

O que os cidadãos de Pirenópolis pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Consumo Sustentável Programa Água Brasil e Instituto Ibope apresentam: O que os cidadãos de pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Introdução O Programa Água

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos. Desafios e Oportunidades. Junho de 2016

Gerenciamento dos Resíduos. Desafios e Oportunidades. Junho de 2016 Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil Desafios e Oportunidades Junho de 2016 SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RCC PELO SLU NO DF Em 2015 o SLU recolheu 706.855 toneladas de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo:

COLETA de LIXO. Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo: COLETA de LIXO Conceituação: Recolher e transportar resíduos acondicionados e encaminhá-lo: 1. A uma estação de transbordo ou 2. À usina de triagem ou 3. Sítio de destinação final. 1 Coleta Deve ser efetuada

Leia mais

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Celise

Leia mais

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME INDICE- VOLUME II

MN CONSULTORIA E PROJETOS LTDA ME INDICE- VOLUME II 1 INDICE- VOLUME II 1 DIAGNÓSTICO DOS RSU DE SANTA SALETE 3 1.1 Fonte de informações 3 1.2 Origem dos resíduos sólidos 3 1.3 Quantidade de resíduos sólidos 4 1.4 Características dos resíduos sólidos 7

Leia mais

O que os cidadãos de Natal pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade.

O que os cidadãos de Natal pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Consumo Sustentável Programa Água Brasil e Instituto Ibope apresentam: O que os cidadãos de pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Introdução O Programa Água

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ANGICOS/RN

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ANGICOS/RN CONEXÃO FAMETRO: ÉTICA, CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE XII SEMANA ACADÊMICA ISSN: 2357-8645 GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS DO MUNICÍPIO DE ANGICOS/RN Valquiria Melo Souza Correia UFERSA - Universidade

Leia mais

Nº COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 174896 Tecnologias de separação de resíduos Sandra Lúcia de Moraes Eduardo Maziero Saccoccio Palestra WORKSHOP DE SISTEMAS INTEGRADOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS:

Leia mais

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS 16 ANOS DE EXPERIÊNCIA O CASO DE PORTO ALEGRE. Campani, D. B. & Reichert, G. A.

GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS 16 ANOS DE EXPERIÊNCIA O CASO DE PORTO ALEGRE. Campani, D. B. & Reichert, G. A. GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS 16 ANOS DE EXPERIÊNCIA O CASO DE PORTO ALEGRE Campani, D. B. & Reichert, G. A. R. Leblon525, CASA 1 Ipanema 91760-510, Porto Alegre RS Brasil campani@ufrgs.br RESUMO

Leia mais

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração

Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Grupo de Sustentação: Resíduos da Construção Civil e Mineração Coordenadora: Marina Petzen Vieira dos Santos Componentes: Vilmar Pereira, Rosiléa França, Flávia Badalotti, Luciana da Costa, Paulo Pasin

Leia mais

Como implementar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) em sua empresa

Como implementar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) em sua empresa Como implementar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) em sua empresa Como implementar o Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (PGRS) em sua empresa Definição O Plano de Gerenciamento

Leia mais