RECOMENDAÇÕES PARA PRESERVAÇÃO E COMBATE À CORROSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECOMENDAÇÕES PARA PRESERVAÇÃO E COMBATE À CORROSÃO"

Transcrição

1 Relatório Técnico Ref: SGE VERACEL CELULOSE S.A. Eunápolis, Bahia RECOMENDAÇÕES PARA PRESERVAÇÃO E COMBATE À CORROSÃO Distribuição: Veracel: Áureo Borges, Ari Medeiros. Sereng: RG, FG, ACB. Presserv do Brasil / Cortec: Rubens C de Paiva Neto

2 Página 2 (28) INTRODUÇÃO Objetivo do Estudo Desenvolvimento dos Estudos PRESERVAÇÃO DE SALAS DE CONTROLE E PAINÉIS ELÉTRICOS /ELETRÔNICOS / AUTOMAÇÃO Situação Geral Observada Proteção Interna de Painéis e Gabinetes Proteção Externa de Painéis e Gabinetes Como utilizar o VpCI Corrverter sobre corrosão existente TANQUE DE ÁCIDO SULFÂMICO Situação atual: Proteção do Concreto Proteção da Superfície Metálica PRESERVAÇÃO DAS ESTRUTURAS DA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO Siuação atual das estruturas metálicas da Caldeira de Recuperação: Sistema atual de tratamento Solução recomendada: PRESERVAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS E AÇO ESTRUTURAL EM GERAL Limpeza geral inicial Proteção ÁGUA INDUSTRIAL Situação atual Como é amplamente conhecido, existe um problema crítico na Veracel referente à corrosividade da água industrial O assunto vem sendo objeto de intensos trabalhos realizados entre Veracel e Sereng que também inclui trabalhos com fornecedores de produtos de tratamento, como Nalco e Ashland. Até o presente, apesar dos avanços não existem conclusões definitivas sobre as causas e a maneira exata de tratá-las Tubulações Na visita da Cortec, foi observado que no que diz respeito a tubulações, as mais flagrantes marcas da corrosão estão nas curvas e soldas. Ocorrências de pitting com taxas de corrosão significativas foram observadas Torres de resfruamento... 18

3 Página 3 (28) Foram notados depósitos significativos causados por bactéria nas torres de resfriamento (coliformes, redutoras de sulfato). A contagem bacteriana na área das incrustações foi de CFU/mL, conforme relato da engenheira Allana. No entanto, na água, a contagem foi de menos de 10 CFU/ml A água é tratada com Dióxido de cloro a fim de manter baixa a contaminação bacteriana O problema é extremamente complexo e requer entre outros, a identificação dos seguintes questionamentos: Qual a razão do grande acúmulo de bactérias na região das grades da torre e pouca presença na água? O que ocorre nessas áreas que permite que as bactérias prosperem Por que razão o Dióxido não está sendo capaz de evitar essa acumulação? Qual seria o impacto de qualquer inibidor nas taxas de corrosão? Comentários Os produtos que a Cortec pode oferecer, existem dois inibidores de corrosão que poderão dar impactos positives. São o VpCI 647 ou o S-69. Ambos poderão ser utilizados em concentrações em torno de 10 PPM baseado na qualidade da água. Para maiores esclarecimentos, seria adequado que haja um entendimento técnico entre a Veracel e o pessoal de laboratório da Cortec Em caso de interesse da Veracel em prosseguir com mais profundidade nessa linha, o assunto poderá ser conduzido através da Sereng ALMOXARIFADO DE PEÇAS SOBRESSALENTES: Situação Geral A observação feita no almoxarifado de sobressalentes mostrou uma combinação de equipamentos protegidos e outros sem proteção anticorrosiva. Praticamente todos os eixos (motores, redutores, rolos, etc.) estavam no mínimo enrolados com papel inibidor de corrosão. Possivelmente também estariam protegidos com óleo por baixo do papel. Outras superfícies metálicas de equipamentos em geral estavam protegidas com produtos possivelmente da linha do Tectyl ou Cosmoline Seria recomendável a adoção de um programa de prevenção de corrosão (Full CPP Corrosion Protection Program) a fim de garantir que todos os equipamentos estejam adequadamente protegidos Nos capítulos que seguem apresentamos recomendações para proteção anticorrosivo para equipamentos e peças a serem guardadas em almoxarifado PRESERVAÇÃO DE MOTORES SOBRESSALENTES GUARDADOS EM ALMOXARIFADO Proteção PRESERVAÇÃO DE TUBULAÇÕES GUARDADAS EM ALMOXARIFADO Limpeza externa Preservação da parte interna das tubulações Preservação externa da tubulação

4 Página 4 (28) 10 PRESERVAÇÃO DE VÁLVULAS GUARDADAS EM ALMOXARIFADO Limpeza externa Preservação da parte interna das válvulas Preservação da parte externa das válvulas PRESERVAÇÃO DE REDUTORES GUARDADOS EM ALMOXARIFADO Preservação PRESERVAÇÃO DE ROLOS DA MÁQUINA DE SECAGEM Comentário / Parecer Técnico ANEXO 1 - ESPECIFICAÇÕES E DATA SHEETS DE PRODUTOS... 28

5 Página 5 (28) INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo do Estudo O grupo Sereng celebrou um acordo de cooperação técnica para desenvolvimentos de engenharia e transferência de tecnologia com a empresa Cortec, de Minneapolis, USA para formar um núcleo de engenharia de corrosão em complemento às suas atividades já conhecidas de engenharia e consultoria. Atualmente a corrosão é uma das maiores causas mundiais de aumentos de custos em praticamente todas as atividades industriais, especialmente as de plantas envolvendo produtos químicos, estruturas metálicas sujeitas à intempérie, atividades de exploração de petróleo e gás em ambientes marítimos, indústrias de siderurgia, mineração, celulose e papel, construção civil industrial, de infraestrutura e residencial e várias outras atividades. Uma avaliação feita nos Estados Unidos, pela Associação Internacional de Corrosão (NACE) estimou que os custos diretos de corrosão naquele país chegam a US$ 270 bilhões por ano. Os custos indiretos e administrativos correspondentes, que são menos visíveis, podem chegar a uma soma similar. Portanto o total desses valores alcança a cifra anual de US$ 540 bilhões. Fazendo uma transposição a grosso modo para valores no Brasil, considerando o nosso PNB e a menor incidência da indústria na sua composição, não estaríamos longe de estimar que os custos diretos de corrosão aqui possam significar US$ 10 a 15 bilhões ou R$ 16 a 24 bilhões por ano. A corrosão também é listada como das mais significativas causas de acidentes nas indústrias e em áreas de infraestrutura viária como, por exemplo, viadutos, pontes e demais obras de arte rodoviárias e ferroviárias. Na maior parte das vezes os custos da corrosão estão ocultos, não são percebidos ou calculados e só são identificados quando os estados de máquinas, equipamentos, e estruturas chegam a pontos críticos que são resolvidos através da sua completa substituição ou de tratamentos corretivos que exigem alto valor de investimento. Existem parâmetros internacionais que indicam que em determinadas indústrias os custos e perdas causadas pela corrosão podem chegar a quase 30 % do valor do produto produzido. Com a finalidade de apresentar ações e providências que possam contribuir com a redução dos custos de corrosão, com a prevenção e correção de situações encontradas, elaboramos o presente relatório. A sua principal finalidade é a de sugerir medidas a serem possivelmente adotadas para os principais itens apontados como críticos no aspecto de corrosão. Apesar das inúmeras áreas, materiais e instalações que merecem trabalhos de proteção e combate à corrosão, o relatório procurou focar os principais itens apontados como prioritários pela Veracel. Aproveitamos também para descrever áreas e equipamentos que não foram diretamente mencionados na visita, mas que certamente fazem parte dos itens que preocupam quanto a corrosão. Por isso tomamos a liberdade de acrescentar descrições de procedimentos para peças de almoxarifado e outros. Caso sejam necessários novos levantamentos e áreas adicionais, estaremos à disposição.

6 Página 6 (28) 1.2 Desenvolvimento dos Estudos Os estudos que geraram o presente relatório foram resultantes de visita realizada à fábrica da Veracel em Eunápolis, por representantes da Sereng, Presserv e Cortec, no mês de julho de 2011, com a participação do Especialista Clifford Cracauer da empresa Cortec USA, acompanhado pelo Engenheiro Rubens Paiva Neto, da Presserv / Cortec do Brasil. Nessa ocasião foram feitas apresentações e entrevistas com os principais responsáveis pelas áreas de manutenção civil, elétrica, automação, mecânica e outras e visitas às áreas fabris específicas onde os principais problemas foram descritos. Nas páginas a seguir são descritas as principais áreas onde são sugeridas atuações de prevenção e proteção e descritos métodos de aplicação e os produtos mais adequados para prevenir ou remediar cada uma das situações. Também anexo ao presente trabalho estão especificações técnicas dos principais produtos sugeridos. De um modo geral, determinadas providencias possivelmente de custos relativamente acessível poderão resultar em grandes economias presentes e futuras se comparadas aos elevados custos de reposição, grandes reformas e outras providências que normalmente se tornam obrigatórias uma vez que determinados equipamentos ou instalações tenham atingido estados irrecuperáveis causados pela corrosão. 2 PRESERVAÇÃO DE SALAS DE CONTROLE E PAINÉIS ELÉTRICOS /ELETRÔNICOS / AUTOMAÇÃO. 2.1 Situação Geral Observada. As caixas eletrônicas e de controle observadas estão em condições relativamente boas em toda a fábrica. Para que esta situação seja mantida e não venha a se deteriorar, recomendamos a adoção de um sistema de proteção baseado em aplicação de spray e a instalação de fontes de emissão de vapor a serem colocadas no interior dos gabinetes. Favor referir-se aos procedimentos e instruções específicos para proteção de sistemas elétricos. Adicionalmente, também é feita a proteção às caixas em si, aos parafusos, porcas, travessas e outros elementos estruturais que compõem os gabinetes através da aplicação de proteção removível ou permanente.

7 Página 7 (28) Figura 2-1 (acima): Exemplo de caixa de controle com elementos eletrônicos. A parte externa aparenta estar em boas condições, apesar de descoloração e sinal e gasto na pintura externa. Algumas caixas já apresentam sinais iniciais de ataque corrosivo.

8 Página 8 (28) 2.2 Proteção Interna de Painéis e Gabinetes Abrir portas de acesso aos painéis e borrifar (spray) o interior com Electricorr Colocar os insertos VpCI 101 (0,03 m3) VpCI 105 (0,15 m3) or VpCI 111 (0,3 m3), com base no volume interno do painel ou sala de controle Colocar o inserto absorvedor de gases corrosivos Corrosorber, sendo cada unidade adequada para painéis ate 0,3 m3 com base no volume interno do painel ou sala de controle Fechar e selar o acesso às portas ou painéis. 2.3 Proteção Externa de Painéis e Gabinetes Qualquer corrosão existente deverá que ser neutralizada Para remover corrosão Remover a corrosão com VpCI 422 ou VpCI 423 gel Neutralizar a superfície com VpCI 416 a 10% de concentração Aplicar VpCI 396 sobre a superfície limpa baseado no guia de aplicação do VpCI Como utilizar o VpCI Corrverter sobre corrosão existente Remover manualmente ou jatear a cobertura existente próxima às áreas oxidadas até expor o metal limpo. Toda a superfície oxidada tem que ter a camada removida a fim de que o VpCI Corrverter converta toda a corrosão Aplicar VpCI Corrverter seguindo o guia de aplicação Uma vez seco o VpCI Corrverter, aplicar VpCI 396 sobre o mesmo.

9 Página 9 (28) Figura 2-2. A figura acima é a de uma típica caixa com elementos eletrônicos. Nesse caso, a corrosão externa pode ser removida com o removedor de ferrugem VpCI 422. Alternativamente, o VpCI Corrverter pode ser usado juntamente com o VpCI 396 para cobrir sobre a corrosão. (Observação: A foto não é da Veracel). 3 TANQUE DE ÁCIDO SULFÂMICO. 3.1 Situação atual: O tanque de ácido sulfâmico foi apresentado pela Veracel como item de preocupação com dois problemas principais. O primeiro é a base de concreto e o segundo, a superfície metálica do tanque que está em contato com o ácido. A base de concreto que suporta e circunda o tanque se encontra em processo de deterioração em razão de derramamento e gotejamento do líquido sobre a mesma. Adicionalmente, encontram-se pequenos vazamentos no tanque, formados ao longo das regiões das soldas, possivelmente pelo ataque do ácido no metal. Atualmente está sendo usado um inibidor de ácido (possivelmente da Ashland), mas que provavelmete não estaria desempenhando o suficiente para prevenir o ataque. 3.2 Proteção do Concreto A solução para a proteção do concreto seria um recobrimento que ofereça a resistência e proteção adequada ao ataque químico. O sistema de recobrimento indicado seria o MCI Para melhor resultado, deverão ser utilizados um primer e uma camada superior, permitindo uma ótima proteção por períodos

10 Página 10 (28) estendidos de tempo, já tendo esse sistema sido utilizado com sucesso em outras instalações. Esse sistema é baseado em epóxi, portante haverá uma tendência de ocorrer um amarelamento do revestimento ao longo do tempo, se exposto a raios ultra violeta. Isso não afetará no desempenho da proteção que poderá durar até 10 (dez) anos (média reportada de casos anteriores, que depende das condições do local), antes de necessitar a repetição do processo. 3.3 Proteção da Superfície Metálica Para a proteção do tanque, recomendamos adicionar nosso inibidor que é apropriado para situações com presença de ácido sulfâmico. Trata-se do S-11P que dará a melhor proteção às superfícies metálicas que estão em contato. A nossa experiência mostra que os outros inibidores disponíveis no mercado tem maior eficiência para outros ácidos, como o HCl, não funcionando adequadamente no caso do Sulfâmico. A fim de que possa ser feita uma comparação adequada, seria importante conhecermos a marca e/ou o produto atualmente em uso.

11 Página 11 (28) 4 PRESERVAÇÃO DAS ESTRUTURAS DA CALDEIRA DE RECUPERAÇÃO. 4.1 Siuação atual das estruturas metálicas da Caldeira de Recuperação: Essa área foi identificada como um dos grandes desafios da fábrica. Existe um processo atual de pintar um a dois andares da caldeira a cada ano. O problema de corrosão começou a ser identificado já após 1 a 2 anos de operaçãoé. Nessas situações, previsões podem indicar falha total de pintura em cerca de 7 anos, 4.2 Sistema atual de tratamento O sistema atual de pintura é o seguinte: Preparação da Superfície: A tinta existente é removida por meio de pistola de agulhas ou lixamento a disco até uma situação de metal limpo. Não houve oportunidade de se observar o grau de limpeza no qual o metal é atingido, mas fomos informados que o metal é limpo até uma condição de limpeza, livre de ferrugem Primer: É utilizado o Interzone 954 da International, aplicado por meio de rolo e espessura, conforme indicada, de 250+ mícron Camada final (Topcoat): É utilizada a tinta International Interthane 990. Essa tinta é aplicada depois que o primer estiver seco ao toque. É também aplicada com rolo a uma espessura de 250+ mícron. Esse esquema de pintura não está atendendo no nível desejado de proteção e resistência anticorrosiva. Baseado em observação visual, podemos concluir sobre alguns possíveis fatores com o presente esquema de aplicação: - Preparação insuficiente ou inadequada da superfície - Tinta aplicada é muito espessa (alta viscosidade). - Camada final aplicada imediatamente após o primer. - Ataque químico. As evidencias dessas falhas podem ser observadas nas figures abaixo:

12 Página 12 (28) Figura 4-1(acima), Figura 4-2 (abaixo): As fotos mostram áreas com delaminação total das superfícies pintadas no aço estrutural. Esse tipo de delaminação geralmente indica deficiência na preparação da superfície. Poderia ser contaminação por sujeira, pó, ou sais solúveis sobre a superfície ou ainda de corrosão deixada na superfície antes da aplicação da pintura.

13 Página 13 (28)

14 Página 14 (28) Figura 4-3 (acima) Essa foto evidencia que primer não estava suficientemente seco quando da aplicação da camada final. A área marcada mostra sinais de que ainda havia solvente do primer evaporando quando a camada superior foi aplicada e curada. Ao longo do tempo, ocorre a formação de bolhas e consequente delaminação da pintura e finalmente as falhas com observadas acima. Figura 4-4 (acima): esse é outro exemplo de delaminação. A foto é tirada de cima, mirando o solo.

15 Página 15 (28) Figura 4-5 (acima): A figura mostra o braço hidráulico (soprador) que injeta vapor. Ao se retrair, material contaminante se deposita sobre as superfícies externas do mesmo. Esse material contém níveis elevados de sulfatos que são altamente corrosivos. Figura 4-6 (acima): Essa foto mostra as vigas I que estão diretamente sujeitas à contaminação por sulfatos. É fácil verificar o grau de corrosão apresentado. 4.3 Solução recomendada: A melhor solução para esse problema é uma combinação de um ótimo tratamento superficial e uma aplicação adequada de produtos. Para essa aplicação recomendamos o seguinte esquema: Tratamento da superfície e pintura:

16 Página 16 (28) Se possível, limpar a superfície até um acabamento de metal branco. Isso permitirá a melhor superfície para posterior pintura e garante a proteção por um período mais longo possível. Alternativamente, pode se utilizar o VpCI Corrverter com a função de primer conversor de ferrugem. Isso proverá uma boa proteção, mas pode ser que não se atinja todo o período de proteção desejado, como ocorreria com a limpeza a metal branco Aplicar VpCI 395 Trata-se de um primer a base de água com baixo VOC, e funciona bastante bem mesmo em condições bem adversas e rigorosas. Para condições extremas, é sugerido obter uma espessura de 200 micra DFT. Isso provavelmente requererá duas camadas e pode ser executado segundo o manual de aplicação Cortec para o VpCI Aplicar VpCI 384 Trata-se de uma camada de acabamento de dois componentes, (uretano alifático) que promoverá uma camada final funcionando como barreira de proteção.. A espessura recomendada é de 150 a 200 micra. Dependendo do método de aplicação pode se fazer necessária a aplicação de duas camadas. A aplicação deverá seguir o manual de aplicação Cortec para o VpCI Limpeza constante e Manutenção Preventiva: Recomenda-se que seja estabelecido um programa de Manutenção Preventiva fim de minimizar a necessidade de tratamentos e repetições de pintura. Esse procedimento incluiria, mas não se limitaria a limpeza constante e rotineira nas áreas altamente suscetíveis a contaminação por químicos e sais. Um esquema rotineiro deveria ser instituído para inspeções visuais identificando problemas que possam estar em fases iniciais ao longo do tempo. Essa prática permitiria estender por longo tempo a necessidade de novas limpezas radicais (jatos, lixamentos, remoção de pintura, etc.) e novos recobrimentos. A Cortec / Sereng poderão desenvolver especificações completas para um plano de manutenção preventiva, após a adoção dos produtos Cortec para proteção e pintura.

17 Página 17 (28) 5 PRESERVAÇÃO DE ESTRUTURAS METÁLICAS E AÇO ESTRUTURAL EM GERAL. 5.1 Limpeza geral inicial Limpar o aço estrutural até atingir acabamento de metal branco. 5.2 Proteção Aplicar VpCI 395 a uma espessura de filme úmido de microns até atingir espessura de filme seco de microns Deixar o revestimento secar ao toque e aplicar uma segunda camada de VpCI 395, conforme necessário, a fim de atingir a espessura desejada de 125 a 150 mícron de filme seco Uma vez que o VpCI 395 esteja seco, aplicar VpCI 384 até uma espessura de filme seco de 75 a 100 mícron, ou a quantidade suficiente para permitir uma boa consistência de coloração.

18 Página 18 (28) 6 ÁGUA INDUSTRIAL. 6.1 Situação atual Como é amplamente conhecido, existe um problema crítico na Veracel referente à corrosividade da água industrial. O assunto vem sendo objeto de intensos trabalhos realizados entre Veracel e Sereng que também inclui trabalhos com fornecedores de produtos de tratamento, como Nalco e Ashland. Até o presente, apesar dos avanços não existem conclusões definitivas sobre as causas e a maneira exata de tratá-las. 6.2 Tubulações Na visita da Cortec, foi observado que no que diz respeito a tubulações, as mais flagrantes marcas da corrosão estão nas curvas e soldas. Ocorrências de pitting com taxas de corrosão significativas foram observadas. 6.3 Torres de resfruamento Foram notados depósitos significativos causados por bactéria nas torres de resfriamento (coliformes, redutoras de sulfato). A contagem bacteriana na área das incrustações foi de CFU/mL, conforme relato da engenheira Allana. No entanto, na água, a contagem foi de menos de 10 CFU/ml. A água é tratada com Dióxido de cloro a fim de manter baixa a contaminação bacteriana. O problema é extremamente complexo e requer entre outros, a identificação dos seguintes questionamentos: - Qual a razão do grande acúmulo de bactérias na região das grades da torre e pouca presença na água? - O que ocorre nessas áreas que permite que as bactérias prosperem - Por que razão o Dióxido não está sendo capaz de evitar essa acumulação? - Qual seria o impacto de qualquer inibidor nas taxas de corrosão? 6.4 Comentários Os produtos que a Cortec pode oferecer, existem dois inibidores de corrosão que poderão dar impactos positives. São o VpCI 647 ou o S-69. Ambos poderão ser utilizados em concentrações em torno de 10 PPM baseado na qualidade da água.

19 Página 19 (28) Para maiores esclarecimentos, seria adequado que haja um entendimento técnico entre a Veracel e o pessoal de laboratório da Cortec. Em caso de interesse da Veracel em prosseguir com mais profundidade nessa linha, o assunto poderá ser conduzido através da Sereng. 7 ALMOXARIFADO DE PEÇAS SOBRESSALENTES: 7.1 Situação Geral A observação feita no almoxarifado de sobressalentes mostrou uma combinação de equipamentos protegidos e outros sem proteção anticorrosiva. Praticamente todos os eixos (motores, redutores, rolos, etc.) estavam no mínimo enrolados com papel inibidor de corrosão. Possivelmente também estariam protegidos com óleo por baixo do papel. Outras superfícies metálicas de equipamentos em geral estavam protegidas com produtos possivelmente da linha do Tectyl ou Cosmoline. Seria recomendável a adoção de um programa de prevenção de corrosão (Full CPP Corrosion Protection Program) a fim de garantir que todos os equipamentos estejam adequadamente protegidos. Nos capítulos que seguem apresentamos recomendações para proteção anticorrosivo para equipamentos e peças a serem guardadas em almoxarifado.

20 Página 20 (28) Figura 8-1 (acima): Visão geral da área de peças sobressalentes, aparentando ser a área de recebimento, onde muitos dos itens não estão protegidos. Seria uma área adequada para definir os itens a serem protegidos e de que maneira. Figura 8-2 (acima): Esta imagem mostra um eixo recoberto com óleo e embrulhado com papel inibidor de corrosão. O papel está danificado e existe corrosão na área exposta. Possivelmente haja mais áreas de corrosão não visíveis, no eixo.

21 Página 21 (28) Figura 8-3 (acima): Aqui um exemplo de uma caixa de mancal desprotegida. Há visíveis sinais de corrosão em todas as superfícies metálicas expostas.

22 Página 22 (28) 8 PRESERVAÇÃO DE MOTORES SOBRESSALENTES GUARDADOS EM ALMOXARIFADO. 8.1 Proteção Aplique (nebulizar) Electricorr 238 aos enrolamentos do motor Para estocagem interna (dentro de prédio) envolver os motores com filme azulado VpCI Para conjuntos de motores em embalagens, como por exemplo motores menores, a proteção a simultânea, é aceitável Para motores colocados individualmente sobre pallets, o conjunto pode ser individualmente ensacado ou embrulhado Inserir a espuma série VpCI 130, com base no volume a ser empacotado a fim de promover maior proteção anticorrosiva Caso os motores sejam armazenados em área externa e exposta à intempérie, embrulhe-os utilizando o filme plástico retrátil Milcorr VpCI Shrink Film, Dependendo da disponibilidade de pallets, recomenda-se que os motores sejam paletizados, Fazer certo que o filme sele todo o produto, fazendo um overlap (sobra de material) de 50 a 60 cm no embrulho e aquecendo o filme para que haja a selagem perfeita Reforce as emendas utilizando a fita retrátil 3M Encolha o Milcorr utilizando um bico aquecedor a gás (Maçarico).

23 Página 23 (28) 9 PRESERVAÇÃO DE TUBULAÇÕES GUARDADAS EM ALMOXARIFADO. 9.1 Limpeza externa Remova todos os plásticos, lonas, e flanges temporários das tubulações Para limpeza geral, misturar VpCI 416 em água na proporção de 10 a 20% Aplicar a solução com um aplicador de baixa pressão (por exemplo, tipo de jardim ou agrícola) Deixar a solução limpante ficar sobre a superfície por 10 minutos. Inspecione visualmente para verificar se sujeiras, terra, ou outros tipos de contaminantes estão sendo dissolvidos, Usando um lavador de pressão, enxague todas as superfícies que foram limpas com VpCI 416. O VpCI 416 pode ser adicionado à água de lavagem pressurizada para assegurar mais poder de limpeza Para remoção de ferrugem aplicar VpCI 423 em todas as áreas oxidadas utilizando pincel, deixando o produto nos locais por cerca de 10 minutos. Dependendo a severidade da corrosão, poderá ser necessário deixar o produto por mais tempo. Nota: Pode ser desejável cobrir as áreas em que foram aplicados os produtos VpCI 423 com plástico, a fim de se ter certeza que o produto se manterá úmido Repetir as etapas a nas áreas que foram limpas com o VpCI Deixar a superfície da tubulação secar ao ar. 9.2 Preservação da parte interna das tubulações Calcular o volume interno da tubulação Aplique na parte interna, o VpCI 337 a uma proporção de 0,3 L para cada m3 de volume a ser protegido.

24 Página 24 (28) 9.3 Preservação externa da tubulação Aplique com spray o VpCI 368 or VpCI 389 a todos as partes metálicas expostas (superfícies de flanges, orifícios de parafusos, etc.) Embrulhe a tubulação utilizando o filme plástico retrátil Milcorr VpCI Shrink Film A tubulação pode ser agregada em feixes ou em pallets, dependendo da disponibilidade de materiais para tal Faça certo de que no embrulho com Milcorr VpCI Shrink Film, haja um overlap (sobra de material) de 50 a 60 cm e aquecer o filme para que haja a adesão Reforçar as emendas utilizando a fita retrátil 3M 4811, com calor Encolha o plástico com um bico aquecedor a gás (maçarico).

25 Página 25 (28) 10 PRESERVAÇÃO DE VÁLVULAS GUARDADAS EM ALMOXARIFADO Limpeza externa Remova todos os plásticos, lonas, e flanges temporários das válvulas Para limpeza geral, misturar VpCI 416 em água na proporção de 10 a 20% Aplicar a solução com um aplicador de baixa pressão (por exemplo, tipo de jardim ou agrícola) Deixar a solução limpante ficar sobre a superfície por 10 minutos. Inspecione visualmente para verificar se sujeiras, terra, ou outros tipos de contaminantes estão sendo dissolvidos, Usando um lavador de pressão, enxague todas as superfícies que foram limpas com VpCI 416. O VpCI 416 pode ser adicionado à água de lavagem pressurizada para assegurar mais poder de limpeza Para remoção de ferrugem aplicar VpCI 423 em todas as áreas oxidadas utilizando pincel, deixando o produto nos locais por cerca de 10 minutos. Dependendo a severidade da corrosão, poderá ser necessário deixar o produto por mais tempo. Nota: Pode ser desejável cobrir as áreas em que foram aplicados os produtos VpCI 423 com plástico, a fim de se ter certeza que o produto se manterá úmido.

26 Página 26 (28) Repetir as etapas a nas áreas que foram limpas com o VpCI Deixar a superfície da válvula secar ao ar Preservação da parte interna das válvulas Aplique na parte interna o VpCI 337 a uma dosagem na proporção de 0,3 L para cada m3 de volume a ser protegido, utilizando um nebulizador de ar Preservação da parte externa das válvulas Aplique com spray o VpCI 368 a todas as partes metálicas expostas (superfícies de flanges, orifícios de parafusos, etc Embrulhe a válvula utilizando o filme plástico retrátil Milcorr VpCI Shrink Film Faça certo de que no embrulho com Milcorr VpCI Shrink Film, haja um overlap (sobra de material) de 50 a 60 cm e aquecer o filme para que haja a adesão Reforçar as emendas utilizando a fita retrátil 3M 4811, com calor Encolha o plástico com um bico aquecedor a gás (Maçarico). Figura Exemplo de válvula armazenada no almoxarifado, exibindo sinais de corrosão (Observação: A foto não é da Veracel)

27 Página 27 (28) 11 PRESERVAÇÃO DE REDUTORES GUARDADOS EM ALMOXARIFADO Preservação Abrir o tampão do dreno do redutor, removendo o o fluido existente Misturar VpCI 322 ao oleo recomendado pelo fabricante, numa concentração de 5-10% A concentração de 5% VpCI 322 é a recomendada para uma proteção de meses A concentração de 10% VpCI 322 é a recomendada para uma proteção acima de 24 meses Preencha o redutor até o nível recomendado da mistura do VpCI 322 com o óleo lubrificante Gire o redutor para facilitar uma distribuição adequada da mistura, mantendo os requisitos da lubrificação e assim fazendo certo que todo o volume será recoberto com uma camada do óleo contendo o VpCI..

28 Página 28 (28) 12 PRESERVAÇÃO DE ROLOS DA MÁQUINA DE SECAGEM 12.1 Comentário / Parecer Técnico Por se tratar de área bastante crítica em uma fábrica de celulose e assunto específico com rolos de diversos tipos e revestimentos, tomamos a liberdade de sugerir a possibilidade de uma avaliação mais criteriosa do local e das especificações e características dos diversos tipos de rolos, a fim de recomendarmos sobre ações correspondentes. 13 ANEXO 1 - ESPECIFICAÇÕES E DATA SHEETS DE PRODUTOS As especificações e data sheets dos produtos recomendados estão apresentados no arquivos PDF em separado.

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

Cortec VpCI 395. Para a limpeza das ferramentas utilizadas, basta lavar as ferramentas com água e sabão neutro.

Cortec VpCI 395. Para a limpeza das ferramentas utilizadas, basta lavar as ferramentas com água e sabão neutro. Cortec VpCI 395 Descrição do Produto VpCI 395 é um revestimento epóxi de alta performance, ele fornece proteção superior contra corrosão em ambientes com níveis agressivos de contaminantes como o marítimo

Leia mais

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VISÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO 2014 PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS EMPRESA Presente no mercado desde 1999, a PETROENGE é uma empresa de engenharia focada na maximização

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO MANUAL

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO MANUAL Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 6 PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO MANUAL Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 6 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES... 03 3. APLICAÇÃO DO REVEST. POLIKOTE-100...

Leia mais

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT, foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES Os produtos SODRAMAR em Aço Inox são fabricados utilizando matéria prima com alto padrão de qualidade, e como tal merecem cuidados. Preocupados em manter a beleza

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA LIMPEZA

INSTRUÇÕES PARA LIMPEZA Geral Os forros minerais Knauf AMF têm diversas opções de acabamento. Cada acabamento requer um método de limpeza. Normalmente, a aplicação padrão de painéis para forro não exige limpeza, porém algumas

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD

Revestimentos de Alto Desempenho - RAD Revestimentos de Alto Desempenho - RAD O mercado de revestimentos para pisos de concreto se desenvolveu mais expressivamente no Brasil na década de 1980. Foi nesse momento que os revestimentos autonivelantes

Leia mais

Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos

Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos A U A UL LA Técnicas de desmontagem de elementos mecânicos Em uma linha de produção, uma das máquinas parou de funcionar. O mecânico de manutenção decidiu desmontá-la para verificar a causa da parada.

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 144

Norma Técnica SABESP NTS 144 Norma Técnica SABESP NTS 144 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 144 : 2001 Norma

Leia mais

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES

Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Projeto de Pesquisa Petrobras 1996-2000 Hidrojateamento Qualidade,

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

- Cilindro Pneumático ISO

- Cilindro Pneumático ISO de Instalação, Operação e Manutenção Janeiro 2000 - ISO Série P1E (Tubo Perfilado) 32 a 100 mm Índice Introdução... 1 Características Técnicas... 1 Características Construtivas... 1 Instalação... 2 Manutenção...

Leia mais

Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass.

Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass. . Nano Coat. Alta Performance em Superfícies. Liquid Glass.. Fotos da Linha de Produção Envase e Rotulagem Fotos da Linha de Produção Envase e Rotulagem Fotos da Linha de Produção Um dos conjuntos de misturadores

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

Fundamentos de Stripe Coating (demão de reforço) em Pintura Anticorrosiva

Fundamentos de Stripe Coating (demão de reforço) em Pintura Anticorrosiva Fundamentos de Stripe Coating (demão de reforço) em Pintura Anticorrosiva Autor: Fernando FRAGATA Dez/2014 Colaboradores Celso Gnecco Hilton Wanderley Roberto Mariano Segehal Matsumoto William Saura Agradecimentos(fotos)

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN)

ROGERTEC MFC FIBRA DE CARBONO. Reforço Estrutural com AN) (MADE IN JAPAN) Reforço Estrutural com FIBRA DE CARBONO MFC (MADE IN JAPAN) AN) Fax: (21) 3254-3259 A ROGERTEC é uma empresa nacional voltada para o fornecimento de produtos, equipamentos e tecnologia no setor das recuperações.

Leia mais

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose.

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Problemas com o fluido podem causar elevados custos. Envelhecimento do óleo Água em óleo Nos lhe ajudaremos em achar a solução.

Leia mais

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA

SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA CATÁLOGO TÉCNICO SOLUÇÃO FORTLEV PARA ENGENHARIA TANQUES ESPECIAIS MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA ARMAZENAR PRODUTOS ESPECIAIS. A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

Cozinhas Profissionais. e Execução de. Projetos. Manutenção e Limpeza

Cozinhas Profissionais. e Execução de. Projetos. Manutenção e Limpeza Manutenção e Limpeza Cozinhas Profissionais e Execução de Projetos Manutenção e Limpeza do Aço inox Bonito e resistente, o aço inox é um material de fácil conservação. Através da limpeza adequada e rotineira

Leia mais

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno

Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno Recomendações Importantes sobre as tintas Saturno A Saturno é uma empresa com mais de 60 anos de experiência na fabricação de tintas e vernizes para diversos segmentos da comunicação visual e decoração

Leia mais

Boletim Técnico NAVALZONE 954

Boletim Técnico NAVALZONE 954 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer acabamento epoxi modificado bicomponente de alto teor de sólido e alta espessura, com pigmentação anticorrosiva para superfície de aço. Produto desenvolvido para a aplicação

Leia mais

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL!

COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! COMO REALIZAR UMA EXCELENTE PINTURA PREDIAL! Na execução de uma PINTURA, devemos levar em consideração os vários fatores que envolvem as etapas deste processo e suas particularidades. Por exemplo, temos

Leia mais

6 Manutenção de Tratores Agrícolas

6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6 Manutenção de Tratores Agrícolas 6.1 Introdução Desenvolvimento tecnológico do país Modernização da agricultura Abertura de novas fronteiras agrícolas Aumento no uso de MIA Aumento da produtividade Maiores

Leia mais

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40

Resistência à compressão Dureza Barcol 30 40 PROTECTO GLASS 90 é uma série de revestimentos monolíticos termofixos, que têm sido utilizados intensamente nos Estados Unidos e Brasil como uma excelente alternativa técnica para recuperação de equipamentos

Leia mais

Análise de Óleo. Artigo Técnico

Análise de Óleo. Artigo Técnico Análise de Óleo O uso da análise de óleo como técnica de manutenção começou a ser aplicada na década 50. A crise do petróleo intensificou o uso da análise de óleo, que passou a cumprir uma nova função

Leia mais

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada

Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada GalvInfo Center - Um programa do International Zinc Association 6. Uso de Chapa de Aço com Revestimento Metálico GalvInfoNote Transporte e Armazenamento Bem Sucedido de Chapa de Aço Galvanizada 6.1 Introdução

Leia mais

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011

BOLETIM DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS Revisão 006 Julho/2011 1 - PRODUTO: Acrílico Standard mais rendimento Natrielli. 2 - DESCRIÇÃO: É uma tinta acrílica de alto rendimento apresenta um excelente acabamento em superfícies externas e internas de alvenaria, reboco,

Leia mais

HTLP 80. Instruções de Instalação. Instruções de Instalação

HTLP 80. Instruções de Instalação. Instruções de Instalação HTLP 80 Instruções de Instalação HTLP 80-04/00-PET Rev.02 A instalação deverá ser feita segundo as normas de segurança em vigor e as precauções e cuidados indicados nestas instruções de instalação, que

Leia mais

K 2.200 K 2.200, 1.671-804.0, 2015-06-02

K 2.200 K 2.200, 1.671-804.0, 2015-06-02 Compacta, leve, prática: a K 2.200 é perfeita para limpezas de varandas, garagens e áreas pequenas. O poderoso esfregão PS 20 possui proteção contra respingos integrada e foi especialmente adaptado para

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica (CET) da Sika

Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica (CET) da Sika Ficha do Produto Edição 02/08/2011 Nº de identificação: 02 09 02 20 900 0 000004 Membrana liquida impermeabilizante, econômica e ecologicamente amigável para coberturas baseada na Tecnologia Co-Elástica

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira

MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira MANUAL DE INSTALAÇÃO do piso maciço estruturado de madeira Produto O piso maciço estruturado de madeira SCANDIAN WOOD FLOORS é produzido com a mais moderna tecnologia, fabricado para atender os mais altos

Leia mais

Lava-Jato de Alta Pressão

Lava-Jato de Alta Pressão Lava-Jato de Alta Pressão Manual de operação LT 18/20M LT 8.7/19M LT 8.7/18M LT 8.7/16M Aviso: Este manual deve ser lido antes de manusear o equipamento. Este manual é considerado uma parte importante

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 04 Isolamento térmico AQUECIMENTO DE TUBULAÇÕES Motivos Manter em condições de escoamento líquidos de alta viscosidade ou materiais que sejam sólidos

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água.

RELATÓRIO TÉCNICO. ph (Solução 0,2%) Aproximadamente 2,00. Ponto de Ebulição 110ºC Densidade 1,150 ( 20ºC ) Completamente solúvel em água. RELATÓRIO TÉCNICO I - DADOS GERAIS: Nome do Produto: ÁCIDO MURIÁTICO Composição: Água e Ácido Clorídrico Estado Físico: Líquido Cuidados para conservação: Conservar o produto na embalagem original. Proteger

Leia mais

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis.

ARREPIAMENTO. II CORREÇÃO Remover as áreas afetadas e repintar. acabamento extremamente sensíveis. ARREPIAMENTO O solvente do produto recém aplicado ataca o acabamento anterior causando, enrugamento, arrepiamento ou franzimento do filme de tinta, devido a: Repintura de esmalte ou poliuretano não totalmente

Leia mais

LACKTHANE N 2677. B O L E T I M T É C N I C O T i n t a L í q u i d a DESCRIÇÃO DO PRODUTO:

LACKTHANE N 2677. B O L E T I M T É C N I C O T i n t a L í q u i d a DESCRIÇÃO DO PRODUTO: LACKTHANE N 2677 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta de acabamento poliuretano acrílico alifático brilhante bicomponente, de altos sólidos por volume. Produto desenvolvido para compor um sistema de proteção anticorrosiva,

Leia mais

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA

PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE IMPRENSA PRESSEINFORMATION COMUNICADO DE EcoCWave da Dürr Ecoclean: Qualidade superior, eficiência de custos e confiabilidade de processo na lavagem à base de água Filderstadt/Germany, junho 2014 com sua EcoCWave,

Leia mais

RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA

RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA RESOLVENDO PROBLEMAS DE TRATAMENTO QUÍMICO DA SUA PISCINA Os problemas que ocorrem na piscina podem geralmente ser resolvidos com um tratamento padrão descrito para cada caso, sendo adaptado para cada

Leia mais

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo

Produtos Devcon. Guia do Usuário. Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 1 Produtos Devcon Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo 2 Guia do Usuário Kit Devcon para reparo de vazamentos em transformadores a óieo Prefácio 3 Preparação da

Leia mais

FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ

FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ FÓRUM TRABALHISTA DE SÃO JOSÉ MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ESTRUTURA METÁLICA Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE ESTRUTURA METÁLICA OBRA: Fórum Trabalhista

Leia mais

ADEPOXI 2630 PRIMER TINTA EPOXI FOSFATO DE ZINCO ALTA ESPESSURA N - 2630

ADEPOXI 2630 PRIMER TINTA EPOXI FOSFATO DE ZINCO ALTA ESPESSURA N - 2630 ADEPOXI 2630 PRIMER TINTA EPOXI FOSFATO DE ZINCO ALTA ESPESSURA N - 2630 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Revestimento epóxi poliamida de alta espessura e baixo teor de voláteis orgânicos, bi-componente, pigmentado

Leia mais

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas

Sumário. BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção para contêiner. BERMS OXIGEN Bacia de contenção para ações rápidas Sumário BCP OXIGEN Bacia de contenção de papelão 03 ECOTÊINER DE INTERIOR OXIGEN Dispositivo de prevenção de vazamentos para transporte em contêineres marítimos BAG TÊINER OXIGEN Dispositivo de prevenção

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica:

EQUIPAMENTOS. Transferência mecânica: EQUIPAMENTOS Transferência mecânica: Objetivos do equipamento: a) Garantir o acesso seguro à piscina para qualquer pessoa, b) Previnir possíveis riscos de acidente nas transferências ou manipulações, c)

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo.

RECOMENDAÇÕES DE USO: Utilizado para pintura de pisos industriais, oficinas, áreas que solicitem sanitização do ambiente. Uso interno e externo. WEGPOXI ANA 301 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Tinta epoxi poliamina bicomponente, de alto teor de sólidos, com pigmentação especial, de secagem rápida. Revestimento aplicável em uma única demão em alta espessura

Leia mais

MANUAL DE MANUTENÇÃO

MANUAL DE MANUTENÇÃO MANUAL DE MANUTENÇÃO Um novo conceito em proteção anti-corrosiva PLANQUÍMICA INDUSTRIAL LTDA 1 R. Dos Rubis, 1503. Rocha Miranda - Cep.: 21510-014 Rio de Janeiro Brasil Pabx. 55 21 2471-1600 Introdução:

Leia mais

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto

Construção. Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto. Descrição do produto Ficha do Produto Edição 22/05/13 Sikadur 43 Adesivo epóxi de baixa viscosidade para reparos e injeção em trincas e fissuras estruturais no concreto Construção Descrição do produto é um adesivo estrutural

Leia mais

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA

INFORMATIVO TÉCNICO BRASAGEM DOS PASSADORES DE COMPRESSORES 1 - INTRODUÇÃO 2 - BRASAGEM OXIACETILÊNICA 1 - INTRODUÇÃO A brasagem de tubos é uma etapa que faz parte do procedimento de instalação de compressores em novos produtos ou do procedimento de troca de compressores quando da manutenção de um sistema

Leia mais

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA

MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA MANUAL DO PROPRIETÁRIO E CERTIFICADO DE GARANTIA sca.com.br Parabéns! Agora, a mudança faz parte da sua vida. Neste manual, você encontrará as principais informações para garantir que seu mobiliário S.C.A.

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 14 Líquido Penetrante. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 14 Líquido Penetrante. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 14 Líquido Penetrante Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Líquido Penetrante. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Metodologia de Ensaio. Definição do Ensaio Depois

Leia mais

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação

POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS. Estilo com Tecnologia. Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação POLICARBONATO CHAPAS COMPACTAS Estilo com Tecnologia Alveolar - Compacto - Telhas - Acessórios de Instalação CHAPAS COMPACTAS Chapa em policarbonato compacto, com tratamento em um dos lados contra o ataque

Leia mais

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução

SP 03/95 NT 188/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Engº Marcio Antonio Anselmo. 1. Introdução SP 03/95 NT 188/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Engº Marcio Antonio Anselmo 1. Introdução A sinalização horizontal contribui com a segurança dos usuários da via, influi na velocidade

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

Fitas Espuma Acrílicas AFT

Fitas Espuma Acrílicas AFT Fitas Espuma Acrílicas AFT Infinitas possibilidades... Estética e segurança em seu projeto Benefícios As Fitas de Espuma Acrílica (AFT) da SCAPA foram desenvolvidas para serem utilizadas em aplicações

Leia mais

WEGPOXI HIDRO ERP 303

WEGPOXI HIDRO ERP 303 WEGPOXI HIDRO ERP 303 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Primer epóxi poliamina bi -componente hidrossolúvel, com pigmentação anticorrosiva e secagem extra rápida. RECOMENDAÇÕES DE USO: Recomendado para a pintura de

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup

E 200. linha floor care. limpeza e manutenção de pisos. Limpador Alcalino de Uso Geral. cleanup cleanup linha floor care limpeza e manutenção de pisos E 200 Limpador Alcalino de Uso Geral Desenvolvido para limpeza leve e pesada em todos os tipos de superfícies laváveis (bancadas, paredes, máquinas

Leia mais

UC SYSTEM (PATENTEADO)

UC SYSTEM (PATENTEADO) UC SYSTEM (PATENTEADO) Solução única para a rápida e eficaz limpeza interna, a seco e em segundos de tubulações industriais. Desenvolvido para utilização em tubulações de indústrias farmacêuticas, químicas,

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA

TINTAS EM PÓ 12/09/2012 HISTÓRICO RESUMIDO. No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA TINTAS EM PÓ V.A.B HISTÓRICO RESUMIDO No final da década de 1950, surgiu a hoje chamada tinta em pó. TERMOCONVERSIVEIS USA Entre 1960 e 1964, Houve desenvolvimento e introdução dos métodos de EXTRUSÂO,

Leia mais

Sistemas de Lubrificação AutoJet

Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de Lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação AutoJet Sistemas de lubrificação oferece-lhe um método eficiente na aplicação de lubrificantes e líquidos anti-corrosivos. Em adição, moldes, estampagem,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300

MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 MANUAL DE OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 1. INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA Precauções MANUAL OPERAÇÃO PARA PROCESSADOR DE ALIMENTOS U MF1 300 - O processador de alimentos deve ser manipulado

Leia mais

Guia de uso e manutenção preventiva de pisos

Guia de uso e manutenção preventiva de pisos Guia de uso e manutenção preventiva de pisos Parabéns! Sua empresa acaba de receber um revestimento NS Brazil. Para que a sua experiência com o novo revestimento seja otimizada, desenvolvemos este manual

Leia mais

FR413-00 (REV. 00) TECHZINC 0130 SHOP PRIMER

FR413-00 (REV. 00) TECHZINC 0130 SHOP PRIMER TECHZINC 0130 SHOP PRIMER Techzinc 0130 Shop Primer é um etil silicato de zinco, de dois componentes: base e pó de zinco que devem ser misturados na hora do uso. Oferece proteção catódica ao aço carbono,

Leia mais

- Válvulas com Flange -

- Válvulas com Flange - Procedimentos de Montagem e Manutenção - Válvulas com Flange - Para Sistemas de Vapor, Óleo Térmico e Outros Processos Industriais. Em uma instalação industrial de aquecimento, devem ser previstas facilidades

Leia mais

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores.

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores. 3M Proteção Passiva Contra Fogo Aplicações para Oil & Gas Permitir a Continuidade Operacional e Ajudar a Proteger Vidas Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção

Leia mais

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza

made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza made for life Inox na Arquitetura Manutenção e Limpeza Fabricante de aços inoxidáveis, a Aperam South America apresenta este catálogo para que os profissionais das áreas de Arquitetura e Construção Civil

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ VI

PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ VI *Imagens meramente ilustrativas PAINEL DE SECAGEM RÁPIDA TITÃ VI Manual de Instruções 1. FUNÇÃO DO PAINEL DE SECAGEM Acelerar a secagem de componentes da pintura em veículos. Massa, fundo, tinta, poliéster,

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Estruturas Metálicas Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Estruturas Metálicas www.we.net Soluções para Estruturas Metálicas Cada semento de mercado tem suas características específicas.

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA SISTEMA PARA PRESERVAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Painel Energia Eólica + Construção Civil Vinicius Serves Dow.com AGENDA Deteriorização de Estruturas Proteção da Estrutura Proteção de Estruturas de Concreto

Leia mais

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA

CONHEÇA O SISTEMA HIDRÁULICO DE UMA PISCINA TRATAMENTO FÍSICO Consiste na remoção de todas impurezas físicas visíveis na água ou depositadas nas superfícies internas das piscinas, como por exemplo, as folhas, os insetos, poeiras, argila, minerais

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção

Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção Purgador Termostático Bimetálico Manual de Instalação e Manutenção ÍNDICE Termo de Garantia 1.Descrição 2.Instalação 3.Manutenção 4.Peças de reposição 5.Informações Técnicas 1 TERMO DE GARANTIA A Spirax

Leia mais

Guia para o Controle de Vazão Modulado por Largura de Pulso. Spray Spray Spray Spray Nozzles Control Analysis Fabrication

Guia para o Controle de Vazão Modulado por Largura de Pulso. Spray Spray Spray Spray Nozzles Control Analysis Fabrication Guia para o Controle de Vazão Modulado por Largura de Pulso Spray Spray Spray Spray Nozzles Control Analysis Fabrication Modulação por largura de pulso A modulação por largura de pulso, ou PWM (do inglês

Leia mais

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado

Sistema Duplex. Vantagens e Aplicações. Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado Sistema Duplex Vantagens e Aplicações Luiza Abdala (luiza.abdala@vmetais.com.br) Engenheira Química - Desenvolvimento de Mercado METALURGIA Corrosão Tendência que os materiais têm de retornar ao seu estado

Leia mais

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica

Trocadores de calor a placas. A otimização da troca térmica Trocadores de calor a placas A otimização da troca térmica Um amplo conhecimento para otimizar seus processos As atividades da Alfa Laval têm um único objetivo: oferecer a você cliente tecnologias que

Leia mais

Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized

Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized Cortec VpCI - 377 / VpCI - 377 Winterized Descrição do Produto VpCI - 377 é um concentrado à base de água, criado para ser um substituto completo de preventivos à base de óleo para proteção de componentes

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES

MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES MANUAL DE INSTALAÇÃO CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES CHAPAS DE POLICARBONATO ALVEOLARES As chapas de policarbonato alveolares, possuem em um dos lados, tratamento contra o ataque dos raios ultravioletas,

Leia mais

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó

Aplicações Xadrez Pigmento em Pó Dê asas à sua imaginação nas diversas aplicações do Pó Xadrez. Aplicações Xadrez Pigmento em Pó O PÓ XADREZ é um pigmento concentrado que proporciona efeitos decorativos em diversas aplicações. Mais econômico,

Leia mais