Coleções Biológicas e Coleções de DNA e sua Aplicação ao Estudo da Biodiversidade. Paulo Andreas Buckup 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coleções Biológicas e Coleções de DNA e sua Aplicação ao Estudo da Biodiversidade. Paulo Andreas Buckup 1. E-mail: buckup@acd.ufrj.br."

Transcrição

1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Coleções Biológicas e Coleções de DNA e sua Aplicação ao Estudo da Biodiversidade Paulo Andreas Buckup 1 1 Dept. de Vertebrados, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Introdução Um pressuposto básico para os programas de conservação da biodiversidade é o conhecimento daquilo que se deseja conservar. O conceito de biodiversidade envolve vários aspectos da diversidade natural, que abrangem desde a variabilidade genética de micro-organismos invisíveis a observação direta até serviços ambientais de grande valor econômico e social, tais como a disponibilidade de mananciais de água para consumo humano e geração de energia. Em todos estes aspectos, no entanto, existe um importante foco na identificação das espécies biológicas como unidades básicas da manutenção da diversidade e serviços associados. Infelizmente, no entanto, a maioria das espécies ainda não é descrita ou não pode ser facilmente identificada devido à falta de conhecimento sobre seus limites morfológicos e geográficos. Neste contexto, a preservação de exemplares e amostras de DNA em grandes coleções biológicas é fundamental para a identificação das espécies e, consequentemente, para o conjunto de esforços destinados a conservação da biodiversidade. Mesmo quando incluídas no interior de áreas protegidas, a valorização das espécies protegidas é dependente da sua representação nas coleções científicas que permitem e validam sua identificação. A disseminação de técnicas moleculares tem modificado a forma como a biodiversidade é acessada (Fouquet et al. 2007; Vieites et al. 2009), assim como a discussão acerca do limite entre as espécies (James 1999; Köhler et al. 2005). A delimitação de espécies é fundamental em estudos de sistemática, evolução, biogeografia, ecologia e conservação (Wilson 2004). Dados moleculares têm se mostrado promissores no refinamento da prática taxonômica de grupos complexos e têm contribuído para estudos que integram diferentes conjuntos de dados e métodos para lidar com a delimitação de espécies (e.g. Page et al. 2005). O uso de marcadores moleculares é recomendado especialmente em estudos de relações de parentesco de grupos que divergiram recentemente, visto que, frequentemente, para estes grupos, pode haver escassez de caracteres morfológicos informativos a serem analisados (Meyer 1997; Avise 2004).

2 34 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. No contexto das técnicas moleculares úteis para a identificação de espécies, destaca-se o uso de sequências DNA. Estas sequências podem ser usadas para eficientemente identificar espécies de forma análoga ao uso de códigos de barra na identificação de mercadorias em lojas e depósitos de material. O chamado DNA barcode é um fragmento do gene mitocondrial Citocromo c Oxidase I (COI), denominado região de Folmer, com aproximadamente 650 pares de bases (pb) (Ivanova et al., 2007), que tem grande variabilidade entre espécies de vertebrados, mas é relativamente conservado dentro de cada espécie (Hebert et al., 2003). Por causa desta característica este fragmento foi escolhido como marcador genético no sistema mundial de bioidentificação de animais conhecido como International Barcode of Life (IBOL; Este marcador genético está sendo amplamente usado por pesquisadores dos mais variados grupos de animais, existindo protocolos e iniciadores (primers) bem estabelecidos e grande quantidade de resultados já disponíveis através do Sistema de Dados do Código de Barras da Vida (Becker et al., 2011; BOLDSYSTEMS, No Brasil esta iniciativa é representada pela Rede Brasileira de Identificação Molecular da Biodiversidade (http://brbol.org/pt-br). A grande ampliação do uso de metodologias moleculares no estudo da biodiversidade criou novos desafios e demandas para as coleções biológicas. Estas novas demandas envolvem tanto a agregação de novas metodologias de custódia de material biológico associadas à manutenção do material testemunho (vouchers) utilizado na validação de dados moleculares, como a organização de novos tipos de coleções, como é o caso das coleções de tecidos e coleções de extratos de DNA destinadas a prover o material necessário para os procedimentos de geração de sequências propriamente ditos. Algumas das soluções possíveis para estes novos desafios são apresentadas e discutidas a seguir. Novas técnicas de fixação e preservação de exemplares. Tradicionalmente os métodos de fixação de tecidos e preparação de exemplares destinados a incorporação em coleções científicas valoriza a preservação, a longo prazo, das características de interesse para estudos morfológicos. Infelizmente, no entanto, a maioria destes métodos é destrutiva ou inadequada para a conservação das moléculas de DNA. Assim, por exemplo, a maioria dos exemplares de vertebrados são fixados em solução de formalina 10% ou taxidermizados através de uso de métodos e substâncias extremamente nocivos para a preservação de DNA. Este problema pode ser contornado através de duas alternativas distintas para fixação de tecidos no momento da coleta: (1) a coleta de alíquotas de tecidos a serem

3 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA congeladas e/ou fixadas no campo separadamente dos exemplares a serem incorporados como material testemunho nas coleções científicas, e (2) a fixação e conservação de exemplares inteiros em líquidos conservadores (e.g., etanol anidro) apropriados para a preservação das moléculas de DNA, para posterior remoção de alíquotas de tecido. No primeiro caso, é necessário estabelecer protocolos e sistemas de rotulagem que permitam assegurar o vínculo entre as amostras de tecidos e o material que será incorporado à coleção de material testemunho. No segundo caso é preciso lidar com a preservação de exemplares e líquidos e recipientes não convencionais. Nos dois casos, no entanto, é necessário manter a correlação entre os exemplares preservados de forma tradicional e os materiais preservados para estudos moleculares. Frequentemente, os dois tipos de materiais são coletados num único evento de coleta e precisam coexistir fisicamente na mesma coleção científica. O uso de mais de um método de preservação é necessário para permitir a realização de estudos de morfologia baseados em exemplares fixados de forma tradicional e sua associação com os exemplares destinados a estudos moleculares. Estes últimos podem ter suas características morfológicas e de coloração severamente prejudicas, por exemplo, pela desidratação e solubilização de compostos causada pelo uso de etanol anidro. Necessidade de rotulagem individual. Um dos pressupostos básicos para a geração e uso de códigos de barra moleculares é a necessidade de existir uma relação unívoca entre a sequência de DNA marcador e a identidade da espécie que ela representa. A integridade desta relação somente pode ser garantida e verificada se o exemplar usado para gerar a sequência identificadora for individualmente rotulado. Um dos principais motivos para o uso de marcadores moleculares é justamente a dificuldade de se produzir identificações inequívocas com base em estudos morfológicos. Mesmo entre os grupos de vertebrados existe um grande número de espécies crípticas e que simplesmente são podem ser adequadamente identificadas por falta de conhecimento morfológico. Em algumas áreas da Amazônia, por exemplo, o número de espécies de peixes que não podem ser identificadas pode chegar a 30 ou 35 % dos morfótipos presentes numa única localidade. O número de espécies não identificáveis ou sujeitas a erros de identificação pode ser muito maior entre os grupos de invertebrados e pode chegar abranger a imensa maioria em alguns casos. Neste contexto é comum a ocorrência de lotes mistos, isto é, grupos de exemplares que, inadvertidamente, incluem mais de uma espécie.

4 36 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. Nestes casos é absolutamente imperativo que as sequências de DNA possam ser associadas ao exemplar exato que foi utilizado para a obtenção do tecido que lhe deu origem. A associação entre sequências identificadoras de DNA e exemplares testemunho é facilmente estabelecida em coleções que tradicionalmente envolvem a catalogação de indivíduos, como é o caso das coleções de mamíferos. Em coleções que tradicionalmente envolvem a catalogação de exemplares em lotes de representantes de uma única espécie, como é o caso das coleções ictiológicas, no entanto, é necessário estabelecer mecanismos que permitam associar as amostras de tecidos aos indivíduos. Isto é necessário porque é muito comum perceber-se, seja através dos resultados moleculares, seja através do reexame morfológico, que os lotes de indivíduos incluem mais de uma espécie. Para evitar os problemas associados à existência de lotes mistos, recomenda-se a adoção de sistemas de catalogação de tecidos baseados na numeração de indivíduos. Estes sistemas são facilmente implantados em coleções de tecidos (e extratos de DNA) que geralmente são mantidas em criotubos individualmente ordenados, porém representam um desafio significativo para o controle dos exemplares testemunho mantidos fisicamente em lotes. No caso do material testemunho, cria-se uma intersecção e certo grau de duplicidade nos sistemas de catalogação. Felizmente estas dificuldades podem ser contornadas através da adoção de sistemas de sinalização, da adoção de planilhas de triagem e custódia, e protocolos bem estruturados de processamento de material. Rotulagem de material testemunho. A rotulagem de indivíduos é tradicionalmente encarada como uma dificuldade para coleções científicas organizadas em lotes. A catalogação de indivíduos no mesmo sistema adotado para lotes de múltiplos indivíduos é possível porém geralmente inviável diante dos custos de manutenção de potes, rótulos e espaço físico separados para cada indivíduo. A solução mais adequada nestes casos é afixar números correspondentes às amostras da coleção tecidos nos indivíduos propriamente ditos. Esta técnica é amplamente difundida em laboratórios de citogenética, onde rótulos de tecido, de plástico ou papel vegetal resistente são afixados aos exemplares dissecados por meio de linha de boa qualidade. Este tipo de rótulo pode ser usado em exemplares de maior porte, porém é difícil de prender a exemplares de pequeno porte e pode causar danos físicos ao exemplar. Para exemplares pequenos é possível isolar os indivíduos e seus rótulos em criotubos ou tubos de centrifugação. Também é possível imprimir rótulos de pequeno tamanho e inseri-los em cavidades dos indivíduos (e.g., fenda opercular em peixes, cavidade oral em outros vertebrados). Esta última opção é vantajosa

5 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA no caso de material preservado em etanol absoluto, pois, neste caso, os exemplares ficam mais rígidos, o que ajuda a impedir que a etiqueta se desloque acidentalmente. Sinalização de material. Convivência de material fixado com diferentes objetivos numa mesma coleção científica exige cuidados especiais para evitar danos aos tecidos causados pelo contato com substâncias que degradam o DNA. Material destinado a estudos de DNA precisa ser mantido em freezers e, sobretudo, livre de contato com contaminantes que possam destruir o material genético. Esta necessidade é conflitante com a necessidade de manipulação dos exemplares para fins de identificação, catalogação, etiquetagem, etc. Frequentemente o material é manipulado por especialistas visitantes e estudantes que podem não ter familiaridade com os métodos de preservação de DNA. Nestas condições é conveniente usar sistemas de sinalização que permitam facilmente distinguir o material fixado para estudos morfológicos do material fixado para estudos de biodiversdiade molecular. Uma experiência bem sucedida foi adotada na Coleção Ictiológica do Museu Nacional através do uso de fitas coloridas amarradas no gargalo dos potes da coleção, de forma similar a sinalização amplamente utilizada em museus para indicar exemplares de tipos primários e secundários que necessitam de cuidados especiais. No caso da Coleção Ictiológica do Museu Nacional utilizam-se fitas amarelas para indicar lotes de exemplares destinados à remoção de tecidos e fitas verdes para indicar material fixado em etanol anidro que do qual já foi removida uma amostra de tecido. Estes exemplares são mantidos desta forma para distingui-los do material fixado em formalina e mantidos em etanol 70% e podem, eventualmente, ser usados para obter tecido adicional em caso de perda das amostras já extraídas. Uma vez que a identificação de espécies geralmente somente pode ser confirmada em laboratório, é comum dispor-se de mais exemplares fixados em etanol anidro do que a quantidade necessária para inclusão imediata na coleção de tecidos. Nestes casos, os potes são sinalizados com fitas roxas e representam amostras potencialmente incorporáveis na coleção de tecidos. A durabilidade do DNA em exemplares mantidos em temperatura ambiente é limitada, porém sua preservação em etanol representa um potencial de uso de pelo menos um ano, ou mesmo muitos anos no caso de uso de técnicas aprimoradas de recuperação de DNA antigo. No caso da Coleção Ictiológica do Museu Nacional os lotes destinados a estudos moleculares e morfológicos são provisoriamente mantidos lado-a-lado com elásticos de borracha, podendo eventualmente ser reunidos num mesmo pote de vidro como forma de economizar espaço físico.

6 38 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. Protocolos de triagem e custódia de material. A necessidade de associar amostras de tecidos com o material testemunho exige cuidados especiais, que normalmente não são necessários em coleções dedicadas exclusivamente a estudos de diversidade morfológica. Baseado em nossa experiência na curadoria de grandes coleções científicas, que envolvem múltiplos projetos e interesses, recomendamos a adoção dos seguintes protocolos mínimos. 1. Adoção de um sistema de numeração de eventos de coleta ( números de campo ou field numbers ) que permita identificar de forma inequívoca qualquer evento de coleta de material biológico. Um exemplo de sistema de numeração de campo bem sucedido é método de Codificação de Números de Campo constante na Norma Técnica para Informatização de Coleções Ictiológicas adotada pela Comissão de Informática da Sociedade Brasileira de Ictiologia (http://www.museunacional.ufrj.br/vertebrados/vertebra/norma.1.1.htm). Um sistema deste tipo evita a ocorrência de duplicidade de números usados por diferentes pesquisadores ou por erro de controle em numerações sequenciadas. 2. O uso de fichas de campo padronizadas que devem necessariamente ser preenchidas no momento da coleta. Além dos dados de procedência usuais (localidade, data, nomes dos coletores, georeferenciamento obtido por GPS, etc.) esta ficha deve conter as anotações relativas à identificação das amostras de tecidos dissecados no momento da coleta. Estas fichas devem ser arquivadas nas instituições responsáveis pela curadoria das amostras e, em nenhuma hiótde devem ser tratadas como registros pessoais, sob pena de se perder o vínculo entre as amostras e os dados de campo, e, consequentemente, a validade das sequências identificadoras eventualmente obtidas nos estudos moleculares. 3. O uso de fichas de triagem de material coletado que permitam associar as amostras com códigos identificadores independentes da identificação taxonômica, que frequentemente é subjetiva e sujeita a alterações. Estes códigos identificadores podem ser facilmente gerados através da combinação do código do evento de coleta com um número sequencial correspondente ao morfótipo reconhecido no momento da triagem do material recebido do campo. A principal vantagem deste sistema é a rotulagem de amostras de forma independente da identificação das espécies. Este número permite assegurar a coneção lógica entre amostras de tecidos e material testemunho mesmo nos

7 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA casos em que o material ainda não foi identificado ou nos casos em que a identificação taxonômica é alterada posteriormente por um especialista. Este sistema de numeração de lotes também permite associar as amostras fixadas para estudos morfológicos com as amostras fixadas para estudos moleculares. Um modelo de planilha de triagem é apresentado na Figura 1. Este tipo de planilha também é muito conveniente na medida que facilita e torna mais eficiente a catalogação do material na coleção científica, mantendo organizados os vínculos entre amostras e destas com os dados de campo. Figura 1. Modelo de planilha de triagem de material ictiológico em uso no Museu Nacional. A planilha vincula os diferentes tipos de amostras aos dados de localidade associados a um Número de Campo. Cada lote de exemplares de mesma espécie é identificado pela combinação do número de campo com um número sequencial (SEQ). As quantidades de exemplares destinados a estudos morfológicos e molecualres são registrados nas colunas Formol e Etoh. A existência de alíquotas de tecido obtidas em campo a partir de exemplares destinados a estudos morfológicos é registrada na coluna Tec.. No momento da catalogação do material testemunho, os números de registro na Coleção Ictiológica são anotados na coluna MNRJ. A existência de informações sobre a existência de exemplares inteiros ou de tecidos nas colunas Etoh e Tec. remetem à Planilha de Pré-processamento de Material Genético (Fig. 2). No caso de coleções biológicas em que o material é organizado em lotes de indivíduos, é necessário utilizar uma planilha adicional em que são registrados os dados pertinentes às amostras de tecidos. Este tipo de planilha permite registrar os dados relativos às amostras de tecidos destinadas a estudos moleculares (tipo de tecido preservado, identificação taxonômica, tipo de líquido preservativo, etc.), e deve permitir, sobretudo, o estabelecimento dos vínculos entre os dados da ficha de campo, os dados de catálogo do material testemunho, e a relação entre os códigos de identificação das amostras no campo e no laboratório e os números de registro na coleção de tecidos. Esta planilha também é

8 40 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. usada diretamente na catalogação do material na base de dados institucional da coleção de tecidos. A Figura 2 apresenta um exemplo de planilha de preparação de dados de amostras de tecidos em uso no Museu Nacional. Figura 2. Modelo de Planilha de Pré-processamento de Material Genético em uso na Coleção Ictiológica do Museu Nacional. A combinação do Número de Campo com -> combinação do número de campo (anotado no campo superior) com o número do lote (coluna 1) permite vincular as amostras de tecido ao lote que contém o exemplar testemunho. As colunas 7 e 8 são usadas para registras os números de catálogo, respectivamente, da Coleção de Tecidos de Peixes e da Coleção Ictiológica. Informatização de dados. No final do Século 20 o uso de bases de dados eletrônicos para o armazenamento das informações sobre o material registrado em coleções biológicas tornou-se amplamente difundido, existindo atualmente muitos sistemas de gerenciamento de dados de coleções. A integração de coleções tradicionais com coleções de tecidos e a geração de sequências identificadoras, no entanto, representa desafios adicionais que nem sempre são adequadamente atendidos através dos sistemas tradicionais de curadoria de coleções. A triagem, organização processamento do material destinado a estudos moleculares pode se desenvolver em ritmos e formas diferentes daqueles adotados para o processamento tradicional. Além disto, o registro e catalogação de diferentes tipos de materiais pode envolver coleções e software distintos, especialmente nos casos em o registro do material para estudo morfológico é realizado em lotes, o que é incompatível com tratamento das amostras para estudo molecular que são tratadas de forma individualizada. Por fim, a disponibilização dos resultados nas bases de dados internacionais como GeneBank e o BoldSystems, exige o registro e controle de

9 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA informações inerentes ao processamento laboratorial das amostras, tais como as informações sobre os primers utilizados e segmentos de gene amplificados. Estas informações são produzidas nos laboratórios moleculares independentemente da curadoria das coleções tradicionais. Atualmente, a disseminação de múltiplos marcadores genéticos em estudos de biodiversidade torna cada vez mais frequente a manutenção de coleções de extratos de DNA genômicos que são repetidamente utilizados. Em alguns caso é necessário identificar separadamente o produto de diferentes procedimentos de extração de DNA genômico. Assim pode ser conveniente o estabelecimento de uma coleção de extratos com um sistema de numeração próprio do laboratório, independente dos sistemas de curadoria das coleções de origem dos tecidos. A integração de todas estas etapas pode ser demasiadamente complexa para ser feita através de uma base de dados centralizada, e envolve questões de segurança de dados que requerem acesso diferenciado entre diferentes usuários das coleções. A possibilidade de estabelecimento de redes colaborativas através de redes locais de computadores ou mesmo da Internet (através de métodos de computação em nuvem) permite particionar o acesso às bases de dados entre as diferentes etapas da cadeia de custódia de amostras (Figura 3). Assim as bases de dados de catalogação de material testemunho e de amostras de tecidos podem ser mantidas por técnicos e administradores de coleção. As planilhas de controle de processamento de tecidos podem ser mantidas de forma independente na nuvem computacional pelos técnicos responsáveis pela dissecção de tecidos e organização física das amostras, sem necessidade acesso às bases de dados mais críticas. Da mesma forma, os dados relativos aos extratos de DNA podem ser mantidos de forma independente pelos técnicos do laboratório molecular, os dados sobre as reações de amplificação de PCR e sequenciamento dos produtos destas reações podem ser administrados pelo pessoal envolvido na produção das sequências identificadoras propriamente ditas. Por sua vez, a integração de diferentes conjuntos de dados pode ser feita através de sistemas de base de dados relacionais, os quais permitem vincular diferentes tabelas (no sentido computacional do termo) de forma proporcionar uma visão integrada das informações de todos os processos que interligam a coleta do material biológico à efetiva produção, publicação e uso das sequências identificadoras DNA.

10 42 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. Figura 3. Diagrama esquemático ilustrando a integração de diferentes coleções científicas, processos e bases de dados envolvendo a geração de sequências identificadoras de DNA (DNA barcodes) de vertebrados no Museu Nacional. A integração dos dados dos diferentes tipos de amostras e processos naturalmente somente é possível quando são adotados sistemas de registro de informação e protocolos de custódia que assegurem o uso de números de registros padronizados em todas as etapas da geração das sequências identificadoras. Conclusão A utilização de sequências identificadoras de DNA tem se mostrado uma eficiente ferramenta em estudos sobre biodiversidade. Destacam-se como exemplos bem sucedidos os estudos de ictiofaunas de bacias inteiras (Pereira et al., 2011; Carvalho et al., 2011). A eficiência do uso de DNA barcode na identificação de espécies de peixes pode chegar a 99,2%, mesmo em áreas megadiversas com a Região Neotropical (Pereira et al., 2013). A validade do uso das sequências identificadoras, no entanto, é fundamentalmente dependente da sua correta associação com os exemplares testemunhos utilizados para sua geração. O depósito do material testemunho em coleções científicas e a adoção de novos métodos de curadoria visando assegurar a perenidade e disponibilidade da associação entre as amostras, as bases de dados de coleções científicas e as sequências moleculares impõem-se com novas demandas a serem enfrentadas pelos curadores de coleções

11 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA biológicas. Os aspectos de organização física e informacional discutidos acima devem ser considerados no atendimento destas novas demandas. Agradecimentos As atividades de pesquisa do autor são apoiadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq (proc /2013-6, /2010-5, /2010-0, /2012-2) e Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ (Proc /2012). O autor agradece a hospitalidade da Associação de Amigos do Museu de Biologia Mello Leitão SAMBIO, e de Luisa M. Sarmento Soares e Ronaldo F. Martins-Pinheiro em Santa Teresa. Marcelo Weksler, Daniel F. Almeida e William Bryann Jennings contribuíram significativamente para a organização do Laboratório de Pesquisa em Biodiversidade Molecular do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, cujo funcionamento serviu de base para as ideias aqui apresentadas. Literatura citada Avise, J. C Molecular Markers, Natural History, and Evolution. 2. ed. Sinauer Associates, Massachusetts. 684p. Becker, S.; Hanner, R.; Steinke, D Five years of FISH-BOL: Brief status report. Mitochondrial DNA 22(S1): 3-9. Carvalho, D.C.; Oliveira, D.A.; Pompeu, P.S.; Leal, C.G.; Oliveira, C.; Hanner, R Deep barcode divergence in Brazilian freshwater fishes: the case of the São Francisco River basin. Mitochondrial DNA 22(S1): Fouquet, A. ; Gilles, A.; Vences, M. ; Marty, C. ; Blanc, M. ; Gemmell, N.J Underestimation of Species Richness in Neotropical Frogs Revealed by mtdna Analyses PLoS One 2:e1109. Hebert, P.D.N.; Cywinska, A.; Ball, S.L.; DeWaard, J.R Biological identifications through DNA barcodes. Proceedings of the Royal Society of London Series B- Biological Sciences 270: Ivanova, N. V.; Zemlak, T.S.; Hanner, R.H.; Hebert, P.D.N Universal primer cocktails for fish DNA barcoding. Mol. Ecol. Notes 7:

12 44 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. James, H Why are there so many new amphibian species when amphibians are declining? Trends in Ecology and Evolution 14: 7 8. Köhler, J., D.R. Vieites, R.M. Bonett, F.H. García & F. Glaw New amphibians and global conservation: A boost in species discoveries in a highly endangered vertebrate group. BioScience 55: Meyer, D Análise filogenética de seqüências de ADN. p In: D. S. Amorim. Elementos básicos de sistemática filogenética. 2. Ed. Holos Editora e Sociedade Brasileira de Entomologia, Ribeirão Preto. Page, T. J.; Choy, S.C.; Hughes, J.M The taxonomic feedback loop: symbiosis of morphology and molecules. Biological Letters. 2005: Pereira, L.H.G.; Maia, G.A.M.G. ; Hanner, R.; Foresti, F.; Oliveira, C DNA barcodes discriminate freshwater fishes from the Paraíba do Sul River Basin, São Paulo, Brazil. Mitochondrial DNA 22(S1): Pereira, L.H.; Hanner, R.; Foresti, F.; Oliveira, C Can DNA barcoding accurately discriminate megadiverse Neotropical freshwater fish fauna? BMC Genet. 14:20. Vieites, D.R.; Wollenberg, K.C.; Andreone, F.; Kohler, J.; Glaw, F.; Vences, M Vast underestimation of Madagascar's biodiversity evidenced by an integrative amphibian inventory. Proc. Nat. Acad. Science 106: Wilson, E.O Taxonomy as a fundamental discipline. Philos. Trans. Royal Soc. 359: 739.

O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas

O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas Ana Maria Lima de Azeredo 2 O Código de

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

O CÓDIGO DE ILUSTRADO. Objetivos, Justificativa, Resultados

O CÓDIGO DE ILUSTRADO. Objetivos, Justificativa, Resultados B O CÓDIGO DE ARRAS DA V ILUSTRADO IDA, A obtenção de códigos de barras é uma metodologia padronizada para identificar animais e plantas a partir de uma seqüência mínima de DNA. 1. Por que obter o código

Leia mais

Padre Jesus Santiago Moure

Padre Jesus Santiago Moure REDE PARANAENSE DE COLEÇÕES BIOLÓGICAS Luciane Marinoni e Vania Aparecida Vicente Universidade Federal do Paraná/Curitiba SETEMBRO/2013 INÍCIO EM 2006 COM 9 COLEÇÕES ATUALMENTE 33 COLEÇÕES ESTÃO NA REDE

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 339 Variação Morfológica em Populações de Nematocharax cf. Venustus (Characiformes, Characidae) em Bacias Costeiras da Bahia: Dados Preliminares

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SUPRINTENDÊNCIA DE EPIDEMIOLOGIA GERÊNCIA DE VIGILÃNCIA AMBIENTAL COORDENADORIA DE CONTROLE DE ZOONOSES Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP

Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP Rede CRB-Br Petrópolis, 17/09/13 Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP Profa. Dra. Lara Durães Sette Gerente Executiva CRM-UNESP Histórico A CRM- UNESP está alocado no Instituto de Biociências

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

Bancos de DNA de Plantas

Bancos de DNA de Plantas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Projeto: Diretrizes e Estratégias para a Modernização de Coleções Biológicas Brasileiras e a Consolidação de Sistemas Integrados de

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA

IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA IDENTIFICAÇÃO TAXONOMICA DE CUPINS COHABITANTES DE MONTÍCULOS DE SOLO NA REGIÃO DE CAMPINAS COM BASE EM SEQUENCIAS DE DNA João H. P. Giudice Faculdade de Ciências Biológicas Centro de Ci6encias da Vida

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

Confidencialidade em Estudos Multicêntricos. Daniela Riva Knauth (UFRGS) Andréa Fachel Leal (ULBRA-RS)

Confidencialidade em Estudos Multicêntricos. Daniela Riva Knauth (UFRGS) Andréa Fachel Leal (ULBRA-RS) Confidencialidade em Estudos Multicêntricos Daniela Riva Knauth (UFRGS) Andréa Fachel Leal (ULBRA-RS) Novos tempos ONTEM: Estudos observacionais não se preocupavam com questões éticas, pois não implicavam

Leia mais

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede;

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede; Rede Nacional de Bancos de Tumores O Programa Nacional das Doenças Oncológicas da Direção Geral da Saúde tem como uma das suas prioridades a criação duma Rede Nacional de Bancos de Tumores (RNBT). Um banco

Leia mais

Análise Genética da Cannabis sativa

Análise Genética da Cannabis sativa Análise Genética da Cannabis sativa Rodrigo Soares de Moura-Neto Professor Associado Instituto de Biologia/UFRJ 02/09/2014 rodrigomouraneto@ufrj.br Perspectiva Histórica da Tipagem por DNA SNPs 2014 STR

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

Planejamento Estratégico na Gestão de Coleções Biológicas: Coleção de Febre Amarela, um Estudo de Caso

Planejamento Estratégico na Gestão de Coleções Biológicas: Coleção de Febre Amarela, um Estudo de Caso Planejamento Estratégico na Gestão de Coleções Biológicas: Coleção de Febre Amarela, um Estudo de Caso Barbara Dias Coleção de Febre Amarela - Laboratório de Patologia Instituto Oswaldo Cruz, FIOCRUZ Rio

Leia mais

Contêineres rígidos para esterilização

Contêineres rígidos para esterilização Por Silvia Baffi 1. Introdução Contêineres rígidos para esterilização Contêineres são recipientes rígidos e reutilizáveis para a esterilização. São compostos por diferentes dispositivos que podem ser denominados

Leia mais

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA,

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: INFORMATIZAÇÃO DAS COLEÇÕES ZOOLÓGICAS: MODELAGEM E PADRONIZAÇÃO [DR. MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA] SUBPROJETO:

Leia mais

PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS

PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS Alexandre França Velo 1*, Joel Mesa Hormaza 1, Gilberto Ribeiro Furlan 2, Walter Siqueira Paes 2 1* Departamento de Física e Biofísica

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISES GENÉTICAS

TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISES GENÉTICAS TÉCNICAS DE AMOSTRAGEM PARA ANÁLISES GENÉTICAS Introdução A meta das próximas páginas é delinear os procedimentos de amostragem para a coleta de material adequado para o uso em análises genéticas. Para

Leia mais

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas

Analise Estruturada. Diagrama de Fluxo de Dados. Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas Analise Estruturada Diagrama de Fluxo de Dados Tecnologia em Processamento de Dados Analise de Sistemas 2 Índice: 1. Introdução, pagina 4 2. Uma Ferramenta Eficaz, pagina 5 3. Analise Estruturada, Benefícios

Leia mais

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Seminário de Informação em Biodiversidade no âmbito do MMA e instituições vinculadas Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Eduardo Dalcin Instituto de

Leia mais

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas.

Palavras-Chaves: estoque, modelagem, requisitos, UML, vendas. UTILIZAÇÃO DA UML NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMA DE CONTROLE DE VENDAS E ESTOQUE GILBERTO FRANCISCO PACHECO DOS SANTOS Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas JACKSON LUIZ ARROSTI Discente

Leia mais

Sequenciamento de genomas

Sequenciamento de genomas Sequenciamento de genomas 1 o genoma completo vírus OX174 5.000 nt (Sanger et al. 1977) em 1977 1000 pb sequenciados por ano neste ritmo genoma E. coli K-12 4.6-Mbp levaria mais de 1000 anos para ser completo

Leia mais

Análise estruturada de sistemas

Análise estruturada de sistemas Análise estruturada de sistemas Prof. Marcel O que é Engenharia de software Engenharia de software é uma área do conhecimento da computação voltada para a especificação, desenvolvimento e manutenção de

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos.

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. Diogo Gonçalves Neder 1 1 Introdução O melhoramento de plantas visa principalmente identificar combinações genotípicas com performance superior quando

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação

AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO. Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação AQUISIÇÃO / INVENTÁRIO / NÃO 1 Integração dos módulos de aquisição (sugestões/indicações de compra) com o módulo de tratamento da informação Registro de sugestões de compra de materiais bibliográficos

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof Célio Conrado E-mail: celio.conrado@gmail.com Site: www.celioconrado.com Conceito Por que usar? Como funciona

Leia mais

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia.

Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Construção de um banco de dados da Ecorregião Xingu-Tapajós: organismos aquáticos, ênfase em ictiologia. Rodrigo Braga da Rocha Villa Verde Bolsista de Iniciação Científica História, Universidade Federal

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE BIOLOGIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE BIOLOGIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE BIOLOGIA Nome: Nº 2 a : Série Data: / / 2015 Professores: Gisele, Marcelo e Thierry Nota: (valor:2,0) A. Apresentação: Caro aluno, A estrutura da recuperação final do Colégio

Leia mais

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS

Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Sistema de Gerenciamento do Protocolo Geral da FAPERGS Alcides Vaz da Silva 1 Luiz Gustavo Galves Mählmann 2 Newton Muller 3 RESUMO Este artigo apresenta o projeto de desenvolvimento de um Sistema de Informação

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

Luisa Maria Sarmento Soares Museu de Biologia Prof. Mello Leitão- Zoologia Av. José Ruschi, 4- Santa Teresa- ES luisa@nossosriachos.

Luisa Maria Sarmento Soares Museu de Biologia Prof. Mello Leitão- Zoologia Av. José Ruschi, 4- Santa Teresa- ES luisa@nossosriachos. Unidades de Conservação como Pólos de soluções sustentáveis para a população do entorno. Luisa Maria Sarmento Soares Museu de Biologia Prof. Mello Leitão- Zoologia Av. José Ruschi, 4- Santa Teresa- ES

Leia mais

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa 1. Relatório de Análise de Causa Quando utilizar? O template deve ser utilizado

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

MANUAL RESUMIDO DE USO DO PERFILÔMETRO

MANUAL RESUMIDO DE USO DO PERFILÔMETRO 1 LAS - sala 10, Prédio CTE MANUAL RESUMIDO DE USO DO PERFILÔMETRO ÍNDICE INTRODUÇÃO ( em Português )... 2 REGULAMENTO DE USO (em Português )... 3 CHECKLIST (em Português)... 4 EXTRATOS DO MANUAL COMPLETO

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária

Legislação em Vigilância Sanitária Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 59, DE 27 DE JUNHO DE 2000 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 16, DE 28 DE MARÇO DE 2013

Leia mais

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios.

*Os usuários devem possuir um CMA ou um Resource Manager registrado de modo a ativar as capacidades de geração de relatórios. DESCRITIVO DE SERVIÇOS Serviço Advantage O Serviço Advantage é uma oferta de suporte que proporciona assistência técnica telefônica prioritária 24x7 para clientes de porte médio e corporativos que tenham

Leia mais

HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROFA. DRA. SILVIA RODRIGUES MACHADO COORDENADORA CIENTÍFICA - HERBÁRIO BOTU

HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROFA. DRA. SILVIA RODRIGUES MACHADO COORDENADORA CIENTÍFICA - HERBÁRIO BOTU HERBÁRIO BOTU IRINA DELANOVA GEMTCHUJNICOV MANUAL DE PROCEDIMENTOS PROFA. DRA. SILVIA RODRIGUES MACHADO COORDENADORA CIENTÍFICA - HERBÁRIO BOTU DRA. SUZANA BISSACOT BARBOSA BOLSISTA CAPES/PNPD março 2010

Leia mais

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL

SOP.BIO.001 PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE TOTAL PROCESSAMENTO DE SANGUE PROCESSAMENTO DE SANGUE Responsável(is): -Joana Batuca ELABORADO: -Joana Batuca APROVADO: Sérgio Dias 16-05-2014 Pag. 1/5 PROCESSAMENTO DE SANGUE ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. INFORMAÇÃO

Leia mais

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs

ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs ANÁLISE GENÔMICA, MAPEAMENTO E ANÁLISE DE QTLs João Meidanis Scylla Bioinformática e UNICAMP III Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Gramado, RS Maio 2005 MINI-CURSO - AGENDA 1. Primeiro Dia

Leia mais

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação*

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* MATERIAIS DIDÁTICOS Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* Mauricio Papa Arruda Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Biologia, Departamento de Biologia Estrutural e Funcional.

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Núcleo Acre: conhecendo a biota regional e preenchendo. lacunas na informação sobre biodiversidade

Núcleo Acre: conhecendo a biota regional e preenchendo. lacunas na informação sobre biodiversidade Núcleo Acre: conhecendo a biota regional e preenchendo SIMPÓSIO DE INTEGRAÇÃO PPBIO-CENBAM - OUT/2010 lacunas na informação sobre biodiversidade Marcos Silveira - coordenador Flávio Obermuller - bolsista

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani Paulo Henrique Godoy Teles 1 ; Adriana

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - BACHARELADO

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - BACHARELADO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - BACHARELADO Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo

Leia mais

Material biológico compreende todo material vivo ou morto de importância técnico-científica que faz parte do acervo das coleções.

Material biológico compreende todo material vivo ou morto de importância técnico-científica que faz parte do acervo das coleções. D O C U M E N T O I N S T I T U C I O N A L P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O D E P O L Í T I C A D E C O L E Ç Õ E S B I O L Ó G I C A S N A F U N D A Ç Ã O O S W A L D O C R U Z ( F I O C R U Z

Leia mais

Manual do Usuário. Módulo Agentes Patrimoniais. Versão 1.0.0

Manual do Usuário. Módulo Agentes Patrimoniais. Versão 1.0.0 Manual do Usuário SISINVENT Sistema de Inventário Periódico na Web Módulo Agentes Patrimoniais Versão 1.0.0 APRESENTAÇÃO Seguindo a tendência de evolução da Moderna Administração Pública, o Poder Judiciário

Leia mais

PROJECTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE BANCOS DE TUMORES EM PORTUGAL

PROJECTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE BANCOS DE TUMORES EM PORTUGAL PROJECTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE BANCOS DE TUMORES EM PORTUGAL Preâmbulo Um Banco de Tumores (BT) é um tipo particular de biobanco que consiste na colecção organizada de amostras de

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

Descubra o novo sistema de 5 ml!

Descubra o novo sistema de 5 ml! www.eppendorf.com/advantage Descubra o novo sistema de 5 ml! Novidades! Acessórios do sistema de 5 ml estão disponíveis para os seguintes equipamentos da Eppendorf: Centrífuga 5427 R; 5430/R; 5702/R/RH;

Leia mais

SERVICE 2 3.0 08/2015-PT. MicroStop. Recipientes de esterilização e acessórios

SERVICE 2 3.0 08/2015-PT. MicroStop. Recipientes de esterilização e acessórios SERVICE 2 3.0 08/2015-PT MicroStop Recipientes de esterilização e acessórios Recipientes de esterilização MicroStop A ponte entre a cirurgia, o descarte, a esterilização e a armazenagem para uma rotina

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

Implantação do teste NAT no HEMOCE. Dra. Richeyla Custódio

Implantação do teste NAT no HEMOCE. Dra. Richeyla Custódio Implantação do teste NAT no HEMOCE Dra. Richeyla Custódio DEFINIÇÃO DO TESTE NAT Teste para detecção de ácido nucléico do vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) e do vírus da Hepatite C (HCV) em amostras

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97

Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Instrução Normativa CTNBio nº 6, de 28.02.97 Dispõe sobre as normas de classificação dos experimentos com vegetais geneticamente modificados quanto aos níveis de risco e de contenção. A COMISSÃO TÉCNICA

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE:

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO ÍNDICE: CADASTRO NACIONAL DE ADOÇÃO:...1 1. DO CADASTRO DE PRETENDENTES:... 2 1.1. RECIBO DE INCLUSÃO:... 4 2. REGISTRO ADICIONAL DE PRETENDENTES:...

Leia mais

Construção de Bibliotecas de cdna

Construção de Bibliotecas de cdna Construção de Bibliotecas de cdna Claudia Teixeira Guimarães Antônio A.C. Purcino Eliane A. Gomes Jurandir V. Magalhães Newton P. Carneiro Elto E.G. Gama Robert E. Schaffert Sidney N. Parentoni Vera M.C.

Leia mais

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo)

Análise da Prova - Perito Criminal Federal (Biomédico/Biólogo) Questão Tema(s) predominante(s) Itens do Edital 51 Diferenças entre as metodologias de RFLP e PCR 5.4.2 Regiões repetitivas e polimorfismos. 6.2 Técnica de PCR. 6.3 Técnicas de identificação usando o DNA.

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS. 11 2699-0008 www.rms.com.br GESTÃO DE ETIQUETAS RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

Grupo de Trabalho 4 Aplicações: sustentabilidade, prospecção

Grupo de Trabalho 4 Aplicações: sustentabilidade, prospecção Grupo de Trabalho 4 Aplicações: sustentabilidade, prospecção Coordenadores: Alberto J. Cavalheiro, NuBBE -IQ/UNESP Araraquara Giselda Durigan, IF - Assis Provocador: Glaucius Oliva, USP São Carlos Alexandre

Leia mais

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna).

Ancestralidade Materna polimorfismos matrilínea DNA Mitocondrial (mtdna). Ancestralidade Materna A atual população dos países latino-americanos foi gerada por um complexo processo de mistura genética entre ameríndios, europeus e africanos. As porcentagens relativas destas três

Leia mais

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Leonardo de Carvalho Valentim da Silva Bolsista de Programa de Capacitação Interna, Geógrafo, M.Sc. Zuleica Carmen Castilhos Orientadora,

Leia mais

Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional.

Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional. Unidade 3: Modelagem de requisitos e de soluções (Parte a) 1 Casos de uso 1.1 Conceitos básicos e parâmetros de descrição Os casos de uso dão conta da maioria dos requisitos de um sistema computacional.

Leia mais

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA

CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE NA MATA ATLÂNTICA PROGRAMAÇÃO I CURSO DE MANEJO E CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA COM ÊNFASE PERÍODO: 08 a 13 de Junho de 2015 LOCAL: ITEP 1º DIA SEGUNDA-FEIRA DATA: 08/06/15 HORÁRIO CRONOGRAMA PALESTRANTE 08:00-09:00h Abertura

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI

ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI ANÁLISE CITOGENÉTICA DE PYGOCENTRUS NATTERI EM ÁREA DE TRANSIÇÃO CERRADO-FLORESTA AMAZÔNICA (MICRO BACIA DO ARAGUAIA-BANANAL). Wagner Martins Santana Sampaio 1, Patrícia Giongo 1, Anderson Fernandes 1,

Leia mais