Coleções Biológicas e Coleções de DNA e sua Aplicação ao Estudo da Biodiversidade. Paulo Andreas Buckup 1.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Coleções Biológicas e Coleções de DNA e sua Aplicação ao Estudo da Biodiversidade. Paulo Andreas Buckup 1. E-mail: buckup@acd.ufrj.br."

Transcrição

1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Coleções Biológicas e Coleções de DNA e sua Aplicação ao Estudo da Biodiversidade Paulo Andreas Buckup 1 1 Dept. de Vertebrados, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Introdução Um pressuposto básico para os programas de conservação da biodiversidade é o conhecimento daquilo que se deseja conservar. O conceito de biodiversidade envolve vários aspectos da diversidade natural, que abrangem desde a variabilidade genética de micro-organismos invisíveis a observação direta até serviços ambientais de grande valor econômico e social, tais como a disponibilidade de mananciais de água para consumo humano e geração de energia. Em todos estes aspectos, no entanto, existe um importante foco na identificação das espécies biológicas como unidades básicas da manutenção da diversidade e serviços associados. Infelizmente, no entanto, a maioria das espécies ainda não é descrita ou não pode ser facilmente identificada devido à falta de conhecimento sobre seus limites morfológicos e geográficos. Neste contexto, a preservação de exemplares e amostras de DNA em grandes coleções biológicas é fundamental para a identificação das espécies e, consequentemente, para o conjunto de esforços destinados a conservação da biodiversidade. Mesmo quando incluídas no interior de áreas protegidas, a valorização das espécies protegidas é dependente da sua representação nas coleções científicas que permitem e validam sua identificação. A disseminação de técnicas moleculares tem modificado a forma como a biodiversidade é acessada (Fouquet et al. 2007; Vieites et al. 2009), assim como a discussão acerca do limite entre as espécies (James 1999; Köhler et al. 2005). A delimitação de espécies é fundamental em estudos de sistemática, evolução, biogeografia, ecologia e conservação (Wilson 2004). Dados moleculares têm se mostrado promissores no refinamento da prática taxonômica de grupos complexos e têm contribuído para estudos que integram diferentes conjuntos de dados e métodos para lidar com a delimitação de espécies (e.g. Page et al. 2005). O uso de marcadores moleculares é recomendado especialmente em estudos de relações de parentesco de grupos que divergiram recentemente, visto que, frequentemente, para estes grupos, pode haver escassez de caracteres morfológicos informativos a serem analisados (Meyer 1997; Avise 2004).

2 34 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. No contexto das técnicas moleculares úteis para a identificação de espécies, destaca-se o uso de sequências DNA. Estas sequências podem ser usadas para eficientemente identificar espécies de forma análoga ao uso de códigos de barra na identificação de mercadorias em lojas e depósitos de material. O chamado DNA barcode é um fragmento do gene mitocondrial Citocromo c Oxidase I (COI), denominado região de Folmer, com aproximadamente 650 pares de bases (pb) (Ivanova et al., 2007), que tem grande variabilidade entre espécies de vertebrados, mas é relativamente conservado dentro de cada espécie (Hebert et al., 2003). Por causa desta característica este fragmento foi escolhido como marcador genético no sistema mundial de bioidentificação de animais conhecido como International Barcode of Life (IBOL; Este marcador genético está sendo amplamente usado por pesquisadores dos mais variados grupos de animais, existindo protocolos e iniciadores (primers) bem estabelecidos e grande quantidade de resultados já disponíveis através do Sistema de Dados do Código de Barras da Vida (Becker et al., 2011; BOLDSYSTEMS, No Brasil esta iniciativa é representada pela Rede Brasileira de Identificação Molecular da Biodiversidade (http://brbol.org/pt-br). A grande ampliação do uso de metodologias moleculares no estudo da biodiversidade criou novos desafios e demandas para as coleções biológicas. Estas novas demandas envolvem tanto a agregação de novas metodologias de custódia de material biológico associadas à manutenção do material testemunho (vouchers) utilizado na validação de dados moleculares, como a organização de novos tipos de coleções, como é o caso das coleções de tecidos e coleções de extratos de DNA destinadas a prover o material necessário para os procedimentos de geração de sequências propriamente ditos. Algumas das soluções possíveis para estes novos desafios são apresentadas e discutidas a seguir. Novas técnicas de fixação e preservação de exemplares. Tradicionalmente os métodos de fixação de tecidos e preparação de exemplares destinados a incorporação em coleções científicas valoriza a preservação, a longo prazo, das características de interesse para estudos morfológicos. Infelizmente, no entanto, a maioria destes métodos é destrutiva ou inadequada para a conservação das moléculas de DNA. Assim, por exemplo, a maioria dos exemplares de vertebrados são fixados em solução de formalina 10% ou taxidermizados através de uso de métodos e substâncias extremamente nocivos para a preservação de DNA. Este problema pode ser contornado através de duas alternativas distintas para fixação de tecidos no momento da coleta: (1) a coleta de alíquotas de tecidos a serem

3 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA congeladas e/ou fixadas no campo separadamente dos exemplares a serem incorporados como material testemunho nas coleções científicas, e (2) a fixação e conservação de exemplares inteiros em líquidos conservadores (e.g., etanol anidro) apropriados para a preservação das moléculas de DNA, para posterior remoção de alíquotas de tecido. No primeiro caso, é necessário estabelecer protocolos e sistemas de rotulagem que permitam assegurar o vínculo entre as amostras de tecidos e o material que será incorporado à coleção de material testemunho. No segundo caso é preciso lidar com a preservação de exemplares e líquidos e recipientes não convencionais. Nos dois casos, no entanto, é necessário manter a correlação entre os exemplares preservados de forma tradicional e os materiais preservados para estudos moleculares. Frequentemente, os dois tipos de materiais são coletados num único evento de coleta e precisam coexistir fisicamente na mesma coleção científica. O uso de mais de um método de preservação é necessário para permitir a realização de estudos de morfologia baseados em exemplares fixados de forma tradicional e sua associação com os exemplares destinados a estudos moleculares. Estes últimos podem ter suas características morfológicas e de coloração severamente prejudicas, por exemplo, pela desidratação e solubilização de compostos causada pelo uso de etanol anidro. Necessidade de rotulagem individual. Um dos pressupostos básicos para a geração e uso de códigos de barra moleculares é a necessidade de existir uma relação unívoca entre a sequência de DNA marcador e a identidade da espécie que ela representa. A integridade desta relação somente pode ser garantida e verificada se o exemplar usado para gerar a sequência identificadora for individualmente rotulado. Um dos principais motivos para o uso de marcadores moleculares é justamente a dificuldade de se produzir identificações inequívocas com base em estudos morfológicos. Mesmo entre os grupos de vertebrados existe um grande número de espécies crípticas e que simplesmente são podem ser adequadamente identificadas por falta de conhecimento morfológico. Em algumas áreas da Amazônia, por exemplo, o número de espécies de peixes que não podem ser identificadas pode chegar a 30 ou 35 % dos morfótipos presentes numa única localidade. O número de espécies não identificáveis ou sujeitas a erros de identificação pode ser muito maior entre os grupos de invertebrados e pode chegar abranger a imensa maioria em alguns casos. Neste contexto é comum a ocorrência de lotes mistos, isto é, grupos de exemplares que, inadvertidamente, incluem mais de uma espécie.

4 36 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. Nestes casos é absolutamente imperativo que as sequências de DNA possam ser associadas ao exemplar exato que foi utilizado para a obtenção do tecido que lhe deu origem. A associação entre sequências identificadoras de DNA e exemplares testemunho é facilmente estabelecida em coleções que tradicionalmente envolvem a catalogação de indivíduos, como é o caso das coleções de mamíferos. Em coleções que tradicionalmente envolvem a catalogação de exemplares em lotes de representantes de uma única espécie, como é o caso das coleções ictiológicas, no entanto, é necessário estabelecer mecanismos que permitam associar as amostras de tecidos aos indivíduos. Isto é necessário porque é muito comum perceber-se, seja através dos resultados moleculares, seja através do reexame morfológico, que os lotes de indivíduos incluem mais de uma espécie. Para evitar os problemas associados à existência de lotes mistos, recomenda-se a adoção de sistemas de catalogação de tecidos baseados na numeração de indivíduos. Estes sistemas são facilmente implantados em coleções de tecidos (e extratos de DNA) que geralmente são mantidas em criotubos individualmente ordenados, porém representam um desafio significativo para o controle dos exemplares testemunho mantidos fisicamente em lotes. No caso do material testemunho, cria-se uma intersecção e certo grau de duplicidade nos sistemas de catalogação. Felizmente estas dificuldades podem ser contornadas através da adoção de sistemas de sinalização, da adoção de planilhas de triagem e custódia, e protocolos bem estruturados de processamento de material. Rotulagem de material testemunho. A rotulagem de indivíduos é tradicionalmente encarada como uma dificuldade para coleções científicas organizadas em lotes. A catalogação de indivíduos no mesmo sistema adotado para lotes de múltiplos indivíduos é possível porém geralmente inviável diante dos custos de manutenção de potes, rótulos e espaço físico separados para cada indivíduo. A solução mais adequada nestes casos é afixar números correspondentes às amostras da coleção tecidos nos indivíduos propriamente ditos. Esta técnica é amplamente difundida em laboratórios de citogenética, onde rótulos de tecido, de plástico ou papel vegetal resistente são afixados aos exemplares dissecados por meio de linha de boa qualidade. Este tipo de rótulo pode ser usado em exemplares de maior porte, porém é difícil de prender a exemplares de pequeno porte e pode causar danos físicos ao exemplar. Para exemplares pequenos é possível isolar os indivíduos e seus rótulos em criotubos ou tubos de centrifugação. Também é possível imprimir rótulos de pequeno tamanho e inseri-los em cavidades dos indivíduos (e.g., fenda opercular em peixes, cavidade oral em outros vertebrados). Esta última opção é vantajosa

5 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA no caso de material preservado em etanol absoluto, pois, neste caso, os exemplares ficam mais rígidos, o que ajuda a impedir que a etiqueta se desloque acidentalmente. Sinalização de material. Convivência de material fixado com diferentes objetivos numa mesma coleção científica exige cuidados especiais para evitar danos aos tecidos causados pelo contato com substâncias que degradam o DNA. Material destinado a estudos de DNA precisa ser mantido em freezers e, sobretudo, livre de contato com contaminantes que possam destruir o material genético. Esta necessidade é conflitante com a necessidade de manipulação dos exemplares para fins de identificação, catalogação, etiquetagem, etc. Frequentemente o material é manipulado por especialistas visitantes e estudantes que podem não ter familiaridade com os métodos de preservação de DNA. Nestas condições é conveniente usar sistemas de sinalização que permitam facilmente distinguir o material fixado para estudos morfológicos do material fixado para estudos de biodiversdiade molecular. Uma experiência bem sucedida foi adotada na Coleção Ictiológica do Museu Nacional através do uso de fitas coloridas amarradas no gargalo dos potes da coleção, de forma similar a sinalização amplamente utilizada em museus para indicar exemplares de tipos primários e secundários que necessitam de cuidados especiais. No caso da Coleção Ictiológica do Museu Nacional utilizam-se fitas amarelas para indicar lotes de exemplares destinados à remoção de tecidos e fitas verdes para indicar material fixado em etanol anidro que do qual já foi removida uma amostra de tecido. Estes exemplares são mantidos desta forma para distingui-los do material fixado em formalina e mantidos em etanol 70% e podem, eventualmente, ser usados para obter tecido adicional em caso de perda das amostras já extraídas. Uma vez que a identificação de espécies geralmente somente pode ser confirmada em laboratório, é comum dispor-se de mais exemplares fixados em etanol anidro do que a quantidade necessária para inclusão imediata na coleção de tecidos. Nestes casos, os potes são sinalizados com fitas roxas e representam amostras potencialmente incorporáveis na coleção de tecidos. A durabilidade do DNA em exemplares mantidos em temperatura ambiente é limitada, porém sua preservação em etanol representa um potencial de uso de pelo menos um ano, ou mesmo muitos anos no caso de uso de técnicas aprimoradas de recuperação de DNA antigo. No caso da Coleção Ictiológica do Museu Nacional os lotes destinados a estudos moleculares e morfológicos são provisoriamente mantidos lado-a-lado com elásticos de borracha, podendo eventualmente ser reunidos num mesmo pote de vidro como forma de economizar espaço físico.

6 38 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. Protocolos de triagem e custódia de material. A necessidade de associar amostras de tecidos com o material testemunho exige cuidados especiais, que normalmente não são necessários em coleções dedicadas exclusivamente a estudos de diversidade morfológica. Baseado em nossa experiência na curadoria de grandes coleções científicas, que envolvem múltiplos projetos e interesses, recomendamos a adoção dos seguintes protocolos mínimos. 1. Adoção de um sistema de numeração de eventos de coleta ( números de campo ou field numbers ) que permita identificar de forma inequívoca qualquer evento de coleta de material biológico. Um exemplo de sistema de numeração de campo bem sucedido é método de Codificação de Números de Campo constante na Norma Técnica para Informatização de Coleções Ictiológicas adotada pela Comissão de Informática da Sociedade Brasileira de Ictiologia (http://www.museunacional.ufrj.br/vertebrados/vertebra/norma.1.1.htm). Um sistema deste tipo evita a ocorrência de duplicidade de números usados por diferentes pesquisadores ou por erro de controle em numerações sequenciadas. 2. O uso de fichas de campo padronizadas que devem necessariamente ser preenchidas no momento da coleta. Além dos dados de procedência usuais (localidade, data, nomes dos coletores, georeferenciamento obtido por GPS, etc.) esta ficha deve conter as anotações relativas à identificação das amostras de tecidos dissecados no momento da coleta. Estas fichas devem ser arquivadas nas instituições responsáveis pela curadoria das amostras e, em nenhuma hiótde devem ser tratadas como registros pessoais, sob pena de se perder o vínculo entre as amostras e os dados de campo, e, consequentemente, a validade das sequências identificadoras eventualmente obtidas nos estudos moleculares. 3. O uso de fichas de triagem de material coletado que permitam associar as amostras com códigos identificadores independentes da identificação taxonômica, que frequentemente é subjetiva e sujeita a alterações. Estes códigos identificadores podem ser facilmente gerados através da combinação do código do evento de coleta com um número sequencial correspondente ao morfótipo reconhecido no momento da triagem do material recebido do campo. A principal vantagem deste sistema é a rotulagem de amostras de forma independente da identificação das espécies. Este número permite assegurar a coneção lógica entre amostras de tecidos e material testemunho mesmo nos

7 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA casos em que o material ainda não foi identificado ou nos casos em que a identificação taxonômica é alterada posteriormente por um especialista. Este sistema de numeração de lotes também permite associar as amostras fixadas para estudos morfológicos com as amostras fixadas para estudos moleculares. Um modelo de planilha de triagem é apresentado na Figura 1. Este tipo de planilha também é muito conveniente na medida que facilita e torna mais eficiente a catalogação do material na coleção científica, mantendo organizados os vínculos entre amostras e destas com os dados de campo. Figura 1. Modelo de planilha de triagem de material ictiológico em uso no Museu Nacional. A planilha vincula os diferentes tipos de amostras aos dados de localidade associados a um Número de Campo. Cada lote de exemplares de mesma espécie é identificado pela combinação do número de campo com um número sequencial (SEQ). As quantidades de exemplares destinados a estudos morfológicos e molecualres são registrados nas colunas Formol e Etoh. A existência de alíquotas de tecido obtidas em campo a partir de exemplares destinados a estudos morfológicos é registrada na coluna Tec.. No momento da catalogação do material testemunho, os números de registro na Coleção Ictiológica são anotados na coluna MNRJ. A existência de informações sobre a existência de exemplares inteiros ou de tecidos nas colunas Etoh e Tec. remetem à Planilha de Pré-processamento de Material Genético (Fig. 2). No caso de coleções biológicas em que o material é organizado em lotes de indivíduos, é necessário utilizar uma planilha adicional em que são registrados os dados pertinentes às amostras de tecidos. Este tipo de planilha permite registrar os dados relativos às amostras de tecidos destinadas a estudos moleculares (tipo de tecido preservado, identificação taxonômica, tipo de líquido preservativo, etc.), e deve permitir, sobretudo, o estabelecimento dos vínculos entre os dados da ficha de campo, os dados de catálogo do material testemunho, e a relação entre os códigos de identificação das amostras no campo e no laboratório e os números de registro na coleção de tecidos. Esta planilha também é

8 40 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. usada diretamente na catalogação do material na base de dados institucional da coleção de tecidos. A Figura 2 apresenta um exemplo de planilha de preparação de dados de amostras de tecidos em uso no Museu Nacional. Figura 2. Modelo de Planilha de Pré-processamento de Material Genético em uso na Coleção Ictiológica do Museu Nacional. A combinação do Número de Campo com -> combinação do número de campo (anotado no campo superior) com o número do lote (coluna 1) permite vincular as amostras de tecido ao lote que contém o exemplar testemunho. As colunas 7 e 8 são usadas para registras os números de catálogo, respectivamente, da Coleção de Tecidos de Peixes e da Coleção Ictiológica. Informatização de dados. No final do Século 20 o uso de bases de dados eletrônicos para o armazenamento das informações sobre o material registrado em coleções biológicas tornou-se amplamente difundido, existindo atualmente muitos sistemas de gerenciamento de dados de coleções. A integração de coleções tradicionais com coleções de tecidos e a geração de sequências identificadoras, no entanto, representa desafios adicionais que nem sempre são adequadamente atendidos através dos sistemas tradicionais de curadoria de coleções. A triagem, organização processamento do material destinado a estudos moleculares pode se desenvolver em ritmos e formas diferentes daqueles adotados para o processamento tradicional. Além disto, o registro e catalogação de diferentes tipos de materiais pode envolver coleções e software distintos, especialmente nos casos em o registro do material para estudo morfológico é realizado em lotes, o que é incompatível com tratamento das amostras para estudo molecular que são tratadas de forma individualizada. Por fim, a disponibilização dos resultados nas bases de dados internacionais como GeneBank e o BoldSystems, exige o registro e controle de

9 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA informações inerentes ao processamento laboratorial das amostras, tais como as informações sobre os primers utilizados e segmentos de gene amplificados. Estas informações são produzidas nos laboratórios moleculares independentemente da curadoria das coleções tradicionais. Atualmente, a disseminação de múltiplos marcadores genéticos em estudos de biodiversidade torna cada vez mais frequente a manutenção de coleções de extratos de DNA genômicos que são repetidamente utilizados. Em alguns caso é necessário identificar separadamente o produto de diferentes procedimentos de extração de DNA genômico. Assim pode ser conveniente o estabelecimento de uma coleção de extratos com um sistema de numeração próprio do laboratório, independente dos sistemas de curadoria das coleções de origem dos tecidos. A integração de todas estas etapas pode ser demasiadamente complexa para ser feita através de uma base de dados centralizada, e envolve questões de segurança de dados que requerem acesso diferenciado entre diferentes usuários das coleções. A possibilidade de estabelecimento de redes colaborativas através de redes locais de computadores ou mesmo da Internet (através de métodos de computação em nuvem) permite particionar o acesso às bases de dados entre as diferentes etapas da cadeia de custódia de amostras (Figura 3). Assim as bases de dados de catalogação de material testemunho e de amostras de tecidos podem ser mantidas por técnicos e administradores de coleção. As planilhas de controle de processamento de tecidos podem ser mantidas de forma independente na nuvem computacional pelos técnicos responsáveis pela dissecção de tecidos e organização física das amostras, sem necessidade acesso às bases de dados mais críticas. Da mesma forma, os dados relativos aos extratos de DNA podem ser mantidos de forma independente pelos técnicos do laboratório molecular, os dados sobre as reações de amplificação de PCR e sequenciamento dos produtos destas reações podem ser administrados pelo pessoal envolvido na produção das sequências identificadoras propriamente ditas. Por sua vez, a integração de diferentes conjuntos de dados pode ser feita através de sistemas de base de dados relacionais, os quais permitem vincular diferentes tabelas (no sentido computacional do termo) de forma proporcionar uma visão integrada das informações de todos os processos que interligam a coleta do material biológico à efetiva produção, publicação e uso das sequências identificadoras DNA.

10 42 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. Figura 3. Diagrama esquemático ilustrando a integração de diferentes coleções científicas, processos e bases de dados envolvendo a geração de sequências identificadoras de DNA (DNA barcodes) de vertebrados no Museu Nacional. A integração dos dados dos diferentes tipos de amostras e processos naturalmente somente é possível quando são adotados sistemas de registro de informação e protocolos de custódia que assegurem o uso de números de registros padronizados em todas as etapas da geração das sequências identificadoras. Conclusão A utilização de sequências identificadoras de DNA tem se mostrado uma eficiente ferramenta em estudos sobre biodiversidade. Destacam-se como exemplos bem sucedidos os estudos de ictiofaunas de bacias inteiras (Pereira et al., 2011; Carvalho et al., 2011). A eficiência do uso de DNA barcode na identificação de espécies de peixes pode chegar a 99,2%, mesmo em áreas megadiversas com a Região Neotropical (Pereira et al., 2013). A validade do uso das sequências identificadoras, no entanto, é fundamentalmente dependente da sua correta associação com os exemplares testemunhos utilizados para sua geração. O depósito do material testemunho em coleções científicas e a adoção de novos métodos de curadoria visando assegurar a perenidade e disponibilidade da associação entre as amostras, as bases de dados de coleções científicas e as sequências moleculares impõem-se com novas demandas a serem enfrentadas pelos curadores de coleções

11 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA biológicas. Os aspectos de organização física e informacional discutidos acima devem ser considerados no atendimento destas novas demandas. Agradecimentos As atividades de pesquisa do autor são apoiadas pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq (proc /2013-6, /2010-5, /2010-0, /2012-2) e Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro - FAPERJ (Proc /2012). O autor agradece a hospitalidade da Associação de Amigos do Museu de Biologia Mello Leitão SAMBIO, e de Luisa M. Sarmento Soares e Ronaldo F. Martins-Pinheiro em Santa Teresa. Marcelo Weksler, Daniel F. Almeida e William Bryann Jennings contribuíram significativamente para a organização do Laboratório de Pesquisa em Biodiversidade Molecular do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, cujo funcionamento serviu de base para as ideias aqui apresentadas. Literatura citada Avise, J. C Molecular Markers, Natural History, and Evolution. 2. ed. Sinauer Associates, Massachusetts. 684p. Becker, S.; Hanner, R.; Steinke, D Five years of FISH-BOL: Brief status report. Mitochondrial DNA 22(S1): 3-9. Carvalho, D.C.; Oliveira, D.A.; Pompeu, P.S.; Leal, C.G.; Oliveira, C.; Hanner, R Deep barcode divergence in Brazilian freshwater fishes: the case of the São Francisco River basin. Mitochondrial DNA 22(S1): Fouquet, A. ; Gilles, A.; Vences, M. ; Marty, C. ; Blanc, M. ; Gemmell, N.J Underestimation of Species Richness in Neotropical Frogs Revealed by mtdna Analyses PLoS One 2:e1109. Hebert, P.D.N.; Cywinska, A.; Ball, S.L.; DeWaard, J.R Biological identifications through DNA barcodes. Proceedings of the Royal Society of London Series B- Biological Sciences 270: Ivanova, N. V.; Zemlak, T.S.; Hanner, R.H.; Hebert, P.D.N Universal primer cocktails for fish DNA barcoding. Mol. Ecol. Notes 7:

12 44 BUCKUP: COLEÇÕES BIOLÓGICAS E COLEÇÕES DE DNA. James, H Why are there so many new amphibian species when amphibians are declining? Trends in Ecology and Evolution 14: 7 8. Köhler, J., D.R. Vieites, R.M. Bonett, F.H. García & F. Glaw New amphibians and global conservation: A boost in species discoveries in a highly endangered vertebrate group. BioScience 55: Meyer, D Análise filogenética de seqüências de ADN. p In: D. S. Amorim. Elementos básicos de sistemática filogenética. 2. Ed. Holos Editora e Sociedade Brasileira de Entomologia, Ribeirão Preto. Page, T. J.; Choy, S.C.; Hughes, J.M The taxonomic feedback loop: symbiosis of morphology and molecules. Biological Letters. 2005: Pereira, L.H.G.; Maia, G.A.M.G. ; Hanner, R.; Foresti, F.; Oliveira, C DNA barcodes discriminate freshwater fishes from the Paraíba do Sul River Basin, São Paulo, Brazil. Mitochondrial DNA 22(S1): Pereira, L.H.; Hanner, R.; Foresti, F.; Oliveira, C Can DNA barcoding accurately discriminate megadiverse Neotropical freshwater fish fauna? BMC Genet. 14:20. Vieites, D.R.; Wollenberg, K.C.; Andreone, F.; Kohler, J.; Glaw, F.; Vences, M Vast underestimation of Madagascar's biodiversity evidenced by an integrative amphibian inventory. Proc. Nat. Acad. Science 106: Wilson, E.O Taxonomy as a fundamental discipline. Philos. Trans. Royal Soc. 359: 739.

O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas

O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação O Código de Barras da Vida baseado no DNA Barcoding of Life : Considerações e Perspectivas Ana Maria Lima de Azeredo 2 O Código de

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais

Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Extensão do Sistema de Metadados para Recursos Naturais Andreia Fernandes da Silva (IBGE/DI/COBAD) Celso José Monteiro Filho (IBGE/DGC/CREN) Hesley da Silva Py (IBGE/DI/COBAD) Resumo Tendo em vista a grande

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA.

EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. EDITAL N 01/2008/INPA CONCURSO PÚBLICO ANEXO I VAGAS CONFORME AS CARREIRAS E PERFIS CORRESPONDENTES E LISTA DE TEMAS PARA PROVA ESCRITA. 1. CARREIRA DE PESQUISA EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA CARGO DE PESQUISADOR

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

Confidencialidade em Estudos Multicêntricos. Daniela Riva Knauth (UFRGS) Andréa Fachel Leal (ULBRA-RS)

Confidencialidade em Estudos Multicêntricos. Daniela Riva Knauth (UFRGS) Andréa Fachel Leal (ULBRA-RS) Confidencialidade em Estudos Multicêntricos Daniela Riva Knauth (UFRGS) Andréa Fachel Leal (ULBRA-RS) Novos tempos ONTEM: Estudos observacionais não se preocupavam com questões éticas, pois não implicavam

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

O CÓDIGO DE ILUSTRADO. Objetivos, Justificativa, Resultados

O CÓDIGO DE ILUSTRADO. Objetivos, Justificativa, Resultados B O CÓDIGO DE ARRAS DA V ILUSTRADO IDA, A obtenção de códigos de barras é uma metodologia padronizada para identificar animais e plantas a partir de uma seqüência mínima de DNA. 1. Por que obter o código

Leia mais

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS

CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS CARDS CARTÕES DE COLETA DE AMOSTRAS Os cartões para extração Biopur proporcionam uma coleta simples, confiável e eficiente, garantindo a preservação de ácidos nucleicos a longo prazo. São ideais para o

Leia mais

PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS

PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS PROIMRAD X.01: NOVO CÓDIGO PARA GERENCIAMENTO DE REJEITOS RADIOATIVOS Alexandre França Velo 1*, Joel Mesa Hormaza 1, Gilberto Ribeiro Furlan 2, Walter Siqueira Paes 2 1* Departamento de Física e Biofísica

Leia mais

Padre Jesus Santiago Moure

Padre Jesus Santiago Moure REDE PARANAENSE DE COLEÇÕES BIOLÓGICAS Luciane Marinoni e Vania Aparecida Vicente Universidade Federal do Paraná/Curitiba SETEMBRO/2013 INÍCIO EM 2006 COM 9 COLEÇÕES ATUALMENTE 33 COLEÇÕES ESTÃO NA REDE

Leia mais

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 21 de MAIO de 2014 - EXTRA Nº 05 INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA nº 078, DE 20 DE MAIO DE 2014. Institui a sala de pesquisa em dados

Leia mais

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO

Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Título do projeto: Educação Ambiental e Difusão Científica da Biodiversidade da Mata Atlântica no Museu de Biologia Prof. Mello Leitão BIOAÇÃO Proponente: Sociedade de Amigos do Museu de Biologia Mello

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos

Anexo D Divisão de Análises Clínicas HU/UFSC. Versão 01. Atribuições dos Cargos DOC MQB -02 MQB.pdf 1/5 Cargo: Assistente de Laboratório 1. Planejar o trabalho de apoio do laboratório: Interpretar ordens de serviços programadas, programar o suprimento de materiais, as etapas de trabalho,

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP

Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP Rede CRB-Br Petrópolis, 17/09/13 Central de Recursos Microbianos da UNESP CRM-UNESP Profa. Dra. Lara Durães Sette Gerente Executiva CRM-UNESP Histórico A CRM- UNESP está alocado no Instituto de Biociências

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Curso Forense Computacional

Curso Forense Computacional Curso Forense Computacional Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português,

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1. OBJETIVO O Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações, de identificação

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual

Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Seminário de Informação em Biodiversidade no âmbito do MMA e instituições vinculadas Sistema de Informações do Centro Nacional de Conservação da Flora: Uma visão conceitual Eduardo Dalcin Instituto de

Leia mais

Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008.

Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. Rio de Janeiro, 23 de junho de 2008. A presente nota objetiva auxiliar na discussão acerca da definição da expressão derivados dos recursos genéticos no âmbito da internalização do terceiro objetivo da

Leia mais

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de

Atividades da Engenharia de Software GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE. Atividades da Engenharia de Software. Processo de Desenvolvimento de SCE186-ENGENHARIA DE SOFTWARE Módulo 1 Atividades da Engenharia de GERENCIAMENTO DA CONFIGURAÇÃO DE SOFTWARE Profª Rosely Sanches rsanches@icmc.usp.br 2003 DEFINIÇÃO CONSTRUÇÃO SOFTWARE PRODUTO MANUTENÇÃO

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG

POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG POLÍTICA DE DADOS DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS BIOLÓGICOS DO MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG Esta política diz respeito aos dados e metadados das coleções biológicas do Museu Paraense Emílio Goeldi,

Leia mais

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos.

STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. STATGEN Plataforma web para análise de dados genéticos. Diogo Gonçalves Neder 1 1 Introdução O melhoramento de plantas visa principalmente identificar combinações genotípicas com performance superior quando

Leia mais

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DE MINAS GERAIS SUPRINTENDÊNCIA DE EPIDEMIOLOGIA GERÊNCIA DE VIGILÃNCIA AMBIENTAL COORDENADORIA DE CONTROLE DE ZOONOSES Informe Técnico - Vigilância de Primatas não humanos

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA

PUCRS CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Genética I AULA PRÁTICA APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE PCR E ELETROFORESE DE DNA Analise a seguinte situação hipotética (1): Uma equipe de pesquisadores está realizando um inventário da biodiversidade de uma área tropical ainda inexplorada, porém já sofrendo grande impacto de fragmentação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ

IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 IMPLANTAÇÃO DO PROJETO DE IDENTIFICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE PRODUTOS QUÍMICOS NOS LABORATÓRIOS DA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA SÉRIO AROUCA/FIOCRUZ. Caroline Borges

Leia mais

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados.

Quadrado duplo = Entidade Externa/Origem ou destino de Dados. DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS O Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) é uma das principais ferramentas utilizadas no projeto de sistemas de informação. O DFD é um diagrama gráfico, baseado apenas em quatro símbolos,

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013

Prof. Carlos E. Matos. Maio - 2013 Elaboração de Ficha com Dados de Segurança de Resíduos químicos (FDSR) e rotulagem (ABNT-NBR 16725) Resíduos perigosos: classificação (ABNT- NBR 10004 e transporte) Prof. Carlos E. Matos Maio - 2013 FISPQ

Leia mais

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede;

Consolidar os bancos de tumores existentes e apoiar o desenvolvimento de outros bancos de tumores em rede; Rede Nacional de Bancos de Tumores O Programa Nacional das Doenças Oncológicas da Direção Geral da Saúde tem como uma das suas prioridades a criação duma Rede Nacional de Bancos de Tumores (RNBT). Um banco

Leia mais

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Leonardo de Carvalho Valentim da Silva Bolsista de Programa de Capacitação Interna, Geógrafo, M.Sc. Zuleica Carmen Castilhos Orientadora,

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm.

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados. / NT Editora. -- Brasília: 2013. 94p. : il. ; 21,0 X 29,7 cm. Autor Ismael Sousa Araujo Pós-graduado em Gerência de Projetos PMBOK UNICESP. Graduado em Tecnologia em Segurança da Informação UNICESP. Professor de concurso da área de informática e consultor em EAD.

Leia mais

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir?

Objetivos. Engenharia de Software. O Estudo de Viabilidade. Fase do Estudo de Viabilidade. Idéias chave. O que Estudar? O que concluir? Engenharia de Software O Estudo de Viabilidade Objetivos O que é um estudo de viabilidade? O que estudar e concluir? Benefícios e custos Análise de Custo/Benefício Alternativas de comparação 1 2 Idéias

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE ADMINISTRAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Prof Célio Conrado E-mail: celio.conrado@gmail.com Site: www.celioconrado.com Conceito Por que usar? Como funciona

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Sistemas de Informação 2012-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Sistemas de Informação 2012-2 SISTEMA GERENCIADOR DE REVENDAS DE COSMÉTICOS Alunos: BARROS,

Leia mais

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação*

Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* MATERIAIS DIDÁTICOS Relacionando os conceitos: Genética da Conservação* Mauricio Papa Arruda Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Instituto de Biologia, Departamento de Biologia Estrutural e Funcional.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência

Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência TEMA IEN 3 1 DESCRIÇÃO. TEMA PROPOSTO: Desenvolvimento de Tecnologia para Sistemas Complexos ÁREA DE PESQUISA: Fatores humanos/inteligência artificial/confiabilidade humana/engenharia de Resiliência PROCESSO

Leia mais

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL

A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL 552 A AUTENTICIDADE NA PRESERVAÇÃO DA INFORMAÇÃO DIGITAL José Carlos Abbud Grácio (UNESP Marília) Bárbara Fadel (UNESP Marília / Uni-FACEF Franca) 1. Introdução O papel surgiu como um dos principais suportes

Leia mais

The Application of The Principles of GLP to Computerised

The Application of The Principles of GLP to Computerised APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS BPL AOS SISTEMAS INFORMATIZADOS NORMA N o NIT-DICLA-038 APROVADA EM SET/2011 N o 01/13 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Histórico da revisão 5 Siglas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE DADOS DE MONITORAÇÃO IN VIVO DE RADIONUCLÍDEOS NO CORPO HUMANO International Joint Conference RADIO 2014 Gramado, RS, Brazil, Augustl 26-29, 2014 SOCIEDADE BRASILEIRA DE PROTEÇÃO RADIOLÓGICA - SBPR DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA COMPUTACIONAL PARA GERENCIAMENTO DE

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

Este documento tem o objetivo de esclarecer alguns procedimentos e definir parâmetros para facilitar o processo.

Este documento tem o objetivo de esclarecer alguns procedimentos e definir parâmetros para facilitar o processo. Prezado Curador, Em dezembro de 2010 o INCT-HVFF (INCT-Herbário Virtual da Flora e dos Fungos) teve um projeto aprovado junto ao CNPq, no âmbito do programa Reflora, cujo objetivo é aumentar a base informacional

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA

ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA ACESSO VESTIBULAR QUESTÕES DE PROCESSAMENTO DE RNA OU SPLICING 01. (MAMA 2007.1) PÁGINAS OCULTAS NO LIVRO DA VIDA Os biólogos supunham que apenas as proteínas regulassem os genes dos seres humanos e dos

Leia mais

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br

central de atendimento -> 55(11) 3807-0188 ou atendimento@grupotreinar.com.br Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado de Segurança da Informação no Brasil e exterior. Os cursos são ministrados em português, espanhol ou inglês, atendendo

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: TRANSPORTE BLH-IFF/NT- 19.04 - Transporte do Leite Humano Ordenhado BLH-IFF/NT- 20.04 - Controle de Temperatura das Caixas Isotérmicas FEV 2004 BLH-IFF/NT-

Leia mais

Coleções FIOCRUZ. Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou. Sistema de Gestão Unificado

Coleções FIOCRUZ. Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou. Sistema de Gestão Unificado Coleções FIOCRUZ Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou Sistema de Gestão Unificado Cristiane Lafetá Pesquisas financiadas com recursos públicos são bens públicos e que informações

Leia mais

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de

Recomendada. A coleção apresenta eficiência e adequação. Ciências adequados a cada faixa etária, além de Recomendada Por quê? A coleção apresenta eficiência e adequação metodológica, com os principais temas relacionados a Ciências adequados a cada faixa etária, além de conceitos em geral corretos. Constitui

Leia mais

Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv.

Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv. 88 Currículos dos Cursos do CCB UFV CIÊNCIAS BIOLÓGICAS COORDENADOR DO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Marco Aurélio Pedron e Silva pedron@mail.ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2002 89 Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

INTRODUÇÃO. Objetivo:

INTRODUÇÃO. Objetivo: INTRODUÇÃO Objetivo: Este manual tem como finalidade orientar e informar o usuário quanto a uma correta aplicação, operação e manutenção do instrumento. As diferenças entre os modelos do FORNERO KAL e

Leia mais

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014

Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos. Brasília, 29 de maio de 2014 Proposta de Consulta Pública referente à RDC que dispõe sobre rotulagem de alergênicos em alimentos Brasília, 29 de maio de 2014 Âmbito de aplicação Art. 1º Fica aprovado o Regulamento Técnico que estabelece

Leia mais

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5

EMPRESA DE SANEAMENTO DE MATO GROSSO DO SUL S.A. SUMÁRIO. Acessar o sistema MICROSIGA... 3. Elaborar Solicitação de Compra... 5 Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul S.A. SANESUL MANUAL OPERACIONAL COMPRAS Gerência de Suprimentos SUP/GESU SUMÁRIO Acessar o sistema MICROSIGA... 3 Elaborar Solicitação de Compra... 5 Gerar Relatório

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1 SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4 Como acessar?...

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 2ª Edição - Maio 2015 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DEFINIÇÃO DO ESCOPO...

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Claudemir Oliveira da Silva

Claudemir Oliveira da Silva RELATÓRIO DO BANCO DE DADOS ACCESS Claudemir Oliveira da Silva 1 Relatório de Consultoria Censo Comunitário das Comunidades Ribeirinhas de São Francisco - Minas. por Claudemir Oliveira da Silva INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA

ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA ANEXO 2 PIBIC/PIBITI/CNPq/IFSP RESUMO, OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA Título do Projeto: REGISTRO FOTOGRÁFICO E DESCRITIVO DA FLORA ARBÓREA URBANA DA REGIÃO CENTRAL DO MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE SÃO

Leia mais

White Paper sobre Antiestática

White Paper sobre Antiestática Cargas Eletrostáticas Durante a Pesagem: Medidas para a Prevenção de Erros Geração de carga eletrostática As amostras carregadas eletrostaticamente podem causar dificuldades de manuseio e erros de medição

Leia mais

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos

Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: primeiros passos Congresso Humanidades Digitais em Portugal: construir pontes e quebrar barreiras na era digital FCSH (UNL) - Lisboa - 8 e 9 out 2015 Preservação de periódicos eletrônicos no Brasil: Dr. Miguel Angel Arellano/Dra.

Leia mais

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS

TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS TWITKNOWLEDGE - OBTENDO CONHECIMENTO A PARTIR DOS TWITTES PESSOAIS Miguel Airton Frantz 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO A proposta básica desse projeto consiste em criar uma base de conhecimento a partir

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER

RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER RECUPERANDO INFORMAÇÃO SOBRE TEXTOS PUBLICADOS NO TWITTER Autores: Miguel Airton FRANTZ 1 ;; Angelo Augusto FROZZA 2, Reginaldo Rubens da SILVA 2. Identificação autores: 1 Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

11 Conclusão. 11.1 Descobertas

11 Conclusão. 11.1 Descobertas 97 11 Conclusão 11.1 Descobertas Nesse trabalho apresentamos o McCloud Service Framework, um arcabouço para implementação de serviços baseados na Simulação de Monte Carlo na nuvem, disponibilizamos duas

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS

SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS SEQÜENCIAMENTO ENCIAMENTO DE DNA: MÉTODOS E PRINCÍPIOS PIOS Cristiane Kioko Shimabukuro Dias Pós-doutorado - FAPESP E-mail: crisdias@ibb.unesp.br Laboratório de Biologia e Genética de Peixes - Departamento

Leia mais

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Manual do Sistema de Patrimônio P á g i n a 2. Manual do Sistema de Patrimônio. Núcleo de Informática. Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Divisão de Patrimônio DIPM/GRM/PRAD Manual do Sistema de Patrimônio Versão On-Line Núcleo de Informática Universidade Federal de Mato Grosso do Sul P á g i n a 2 Manual do Sistema de Patrimônio Núcleo

Leia mais

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA,

SUBPROJETO: CRIAÇÃO DO MODELO DE DADOS PARA A BOTÂNICA, MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA e INOVAÇÃO MCT MUSEU PARAENSE EMÍLIO GOELDI MPEG PROJETO: INFORMATIZAÇÃO DAS COLEÇÕES ZOOLÓGICAS: MODELAGEM E PADRONIZAÇÃO [DR. MARCOS PAULO ALVES DE SOUSA] SUBPROJETO:

Leia mais

PROJECTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE BANCOS DE TUMORES EM PORTUGAL

PROJECTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE BANCOS DE TUMORES EM PORTUGAL PROJECTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE UMA REDE NACIONAL DE BANCOS DE TUMORES EM PORTUGAL Preâmbulo Um Banco de Tumores (BT) é um tipo particular de biobanco que consiste na colecção organizada de amostras de

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais