Edição III - Ano I - Dezembro de 201 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Edição III - Ano I - Dezembro de 201 1"

Transcrição

1 Edição III - Ano I - Dezembro de Novos olhares

2 EDITORIAL Santana do Paraíso termina com um novo olhar para a infância e a adolescência. Acreditamos que isso se deve a uma forte contribuição das ações desenvolvidas pelo Comitê de Desenvolvimento Comunitário, o CDC, que neste ano se consolidou como um espaço estratégico no município para parcerias entre atores da iniciativa privada, da sociedade civil e do poder público. Articular essas parcerias nem sempre é fácil. Trabalhar em conjunto traz muitos desafios, mas já é possível ver bons resultados com as nossas ações. Nas duas primeiras edições do boletim Paraíso em Foco, por exemplo, mostramos a força do projeto Saúde da Gestante, referência do Infância Ideal para outros municípios com CDC e parceiros do Instituto Camargo Corrêa. Os projetos do programa Escola Ideal, que tiveram início neste ano, têm se solidificado. Nesta edição, ao lado, trazemos um texto do Jornal Escolar Primeiras Letras, desenvolvido em parceria com a ONG Comunicação e Cultura e que transforma a maneira como os alunos da rede municipal veem a produção de textos. A seção Primeiras Letras passará a integrar todas as edições do informativo. Nosso último boletim do ano traz também discussões sobre violência doméstica (p. 6), fala da conferência regional da infância (p. 4) e mostra o que estamos planejando para articular o Sistema de Garantia dos Direitos em (p. 3). Boa leitura e boas festas! PRIMEIRAS LETRAS A família e a escola: parceria que pode dar certo* Pais somam com o acompanhamento educacional Por Ramon Domingues, turma 502 da Escola M. Idalino Amâncio dos Santos É importante a parceria entre a família e a escola, tanto em relação ao comportamento quanto à aprendizagem. Os pais devem estar presentes na escola para poderem ver a qualidade do ensino que é fornecido ao seu filho e se ele está ou não entendendo a matéria. Também é importante que os pais compareçam às reuniões e que possam saber como está o desenvolvimento e o comportamento de seus filhos, ou seja, para saber notas, entre outras coisas. Uma pesquisa realizada na E. M. Idalino A. dos Santos, feito pelo aluno Ramon D. dos Santos, comprova que, de 91 alunos, apenas 41 fazem os deveres de casa ajudados pelos pais e todos estes 41 alunos têm um bom comportamento. Portanto, percebe-se que é de extrema importância a parceria da família com a escola, porque assim os filhos podem melhorar seu comportamento e suas notas. *Texto originalmente publicado na primeira edição do Jornal Estudantil - dezembro de O Jornal faz parte do projeto Jornal Escolar Primeiras Letras do Escola Ideal em Santana do Paraíso EXPEDIENTE Este boletim faz parte do projeto CDC Comunica, realizado pelo Instituto Camargo Corrêa em parceria com a Oficina de Imagens Instituto Camargo Corrêa. Diretor executivo: Francisco de Assis Azevedo. Coordenadora de Comunicação: Clarissa Kowalski. Contato: Comitê de Desenvolvimento Comunitário de Santana do Paraíso: Centro de Artes e Inclusão Social, Coletivo Jovem Boteco do Portuga, Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), Conselho Tutelar, creches, Instituto Lumar, InterCement, Pastoral da Criança, Polícia Civil, Prefeitura Municipal de Santana do Paraíso. Contato: Oficina de Imagens. Secretário Executivo: Adriano Guerra. Edição: Eliziane Lara, Filipe Motta e Júlia Marques. Apoio: Carlos Jáuregui Produção: Jordânia Furbino. Site: Projeto gráfico: Renato Kimo Diagramação: Filipe Motta e Júlia Marques Fotos da capa: aluno da Cemei Pequeno Lar, no bairro Industrial/Arquivo CDC Impressão: Formato Tiragem: exemplares 2

3 TEIA Projeto prevê o fortalecimento do Sistema de Garantia dos Direitos em Santana do Paraíso Formação de conselheiros, fortalecimento de parceiros e protagonismo juvenil são eixos de atuação Leonardo Oliveira Rodrigues, do CDC Santana do Paraíso, e Raúl Araújo, consultor da ABMP Foto: SXC O município de Santana do Paraíso prepara para um novo modelo de fortalecimento do Sistema de Garantia dos Direitos da Criança e do Adolescente (SGD) por meio de um projeto realizado pelo CDC, numa parceria com o Instituto Camargo Corrêa e a ABMP (Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude). O projeto vai operar em quatro eixos. No primeiro deles, vai oferecer formação para os conselhos da Comarca (Ipaba, Ipatinga e Santana do Paraíso) com o objetivo de aprimorar a atuação dos respectivos conselheiros, bem como de intensificar a colaboração entre os conselhos tutelar e de políticas públicas. Acredito que todas as ações que são tratadas como uma coletividade são bem-vindas. A capacitação para outros trará bons frutos para o Vale do Aço, diz Nair Dias, conselheira tutelar de Ipatinga. No segundo eixo, estaremos trabalhando juntamente com a Polícia Militar no sentido de aprimorar o combate à violência doméstica e à violência contra crianças e adolescentes. Projeto é proposto em articulação com a ABMP Já no terceiro eixo, o projeto vai discutir com a população temas atuais e relevantes acerca da infância e da juventude. Para tanto, promoverá um Cine Clube itinerante com mostras de filmes seguidos de debates sobre temas relativos à infância e à juventude que será organizado pela Pastoral da Criança e pelo Coletivo Jovem Boteco do Portuga. No quarto e último eixo, o projeto vai auxiliar na construção de um programa que desperte o protagonismo juvenil, para garantia do direito da criança e do adolescente com o suporte da sociedade civil. Dessa fase participam os seguintes parceiros: creche Pequeno Lar, Instituto Lumar, Cejoc, Pastoral da Criança e Coletivo Jovem Boteco do Portuga, que já desenvolvem ações no município e que, com o projeto, terão suas ações fortalecidas. A proposta é oferecer formação a 40 jovens de Santana do Paraíso para que sejam sujeitos atuantes na garantia de seus direitos. Estamos em um momento em que os direitos estão sendo erguidos pelos próprios jovens, afirma Antônio Neto, do Coletivo. 3

4 PARTICIPAÇÃO Plano dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente foi debatido na Conferência Regional em Santana do Paraíso 1 50 pessoas estiveram presentes nesse importante momento de participação democrática Por Cláudia Lage, secretária municipal de Assistência Social Mobilização, implementação e monitoramento da Política Nacional e do Plano Decenal dos Direitos Humanos da Criança e do Adolescente foi o tema amplamente discutido na 2ª Conferência Regional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Ela foi realizada no dia 25 de outubro, no salão da Secretaria Municipal de Assistência Social de Santana do Paraíso. O evento contou com a presença de 1 50 pessoas da região, representando, além de Santana do Paraíso, os municípios de Mesquita, Joanésia, Dores de Guanhães e Braúnas. A conferência faz parte de uma extensa programação desenvolvida no Brasil em comemoração aos 21 anos do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Ela é um espaço importante de participação da sociedade, no qual é possível discutir democraticamente a atuação e a forma como os vários segmentos do Sistema de Garantia dos Direitos da infância e da adolescência têm se articulado. A palestrante Lia Queiroz, da Casa da Juventude do Vale do Jequitinhonha e conselheira estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente, coordenou os trabalhos. Foram seguidas as diretrizes estabelecidas pelo Conanda (Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente), com foco no Plano Nacional Decenal da Infância. Participação Houve a indicação e aprovação dos delegados que representarão os municípios participantes na 8ª Conferência Estadual, ainda sem data definida, e na 9ª Conferência Nacional, que será realizada entre os dias 1 1 e 1 4 de julho de As conferências regionais, estaduais e nacional que acontecem agora são as primeiras a contarem com a presença de adolescentes no processo de organização. Vale lembrar que eles já têm direito ao voto como delegados desde Eixos norteadores As conferências contam com cinco eixos norteadores: 1 ) Promoção dos direitos das crianças e adolescentes; 2) Proteção e defesa dos direitos; 3) Protagonismo e participação de crianças e adolescentes; 4) Controle social da efetivação dos direitos; e 5) Gestão da Política Nacional dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes. Foto: Arquivo Secretaria Mun. de Assistência Social Além de Santana do Paraíso, a conferência contou com representantes de Mesquita, Joanésia, Braúnas e Dores de Guanhães 4

5 EM DIA COM O CDC CDC termina com o fortalecimento do grupo e atuação em várias frentes dos programas Escola Ideal e Infância Ideal Proposta é ampliar a atuação em 201 2, fortalecendo e articulando a rede de atendimento do município Por Daffine Lorena Casse de Carvalho, da InterCement Membros do CDC durante oficina para discutir a comunicação entre o grupo e a comunidade Desde a criação do Comitê de Desenvolvimento Comunitário (CDC), vários projetos estão sendo implantados em parceria com o Instituto Camargo Corrêa, ajudando no desenvolvimento de crianças e adolescentes do município de Santana do Paraíso. No ano de continuamos com os projetos iniciados em e implementamos outros. Foto: Filipe Motta/Oficina de Imagens Valorizando a Infância continua com o objetivo de contribuir para a melhoria da Educação Infantil no município, por meio de formação e capacitação dos profissionais. Em foram realizados seminários para os docentes das entidades, novas capacitações, sendo que a última ocorreu em parceria com o Colégio São Francisco Xavier. Com desenvolvimento de forma contínua, o programa Infância Ideal vem inovando e melhorando a qualidade de vida de gestantes e crianças de 0 a 6 anos. O programa engloba três projetos: Proteção Integral e Atuação em Rede na Garantia de Direitos de Crianças e Adolescentes; Valorizando a Infância; e Escola das Gestantes. O projeto Proteção Integral e Atuação em Rede na Garantia de Direitos de Crianças consiste na capacitação e fortalecimento de todos os atores do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do adolescente. Conselho Tutelar, Cras, Creas, secretarias da prefeitura, Promotoria e PM. Visa preparar esses atores para uma atuação mais qualificada. Já a Escola das Gestantes está tendo continuidade com a segunda fase. Além de todos os objetivos já alcançados no primeiro projeto, pretende-se adequar os materiais e adquirir um novo espaço físico, realizando oficinas com as gestantes até o final do ano, com objetivo de aumentar o público de gestantes e diminuir a mortalidade infantil. Sendo implantando neste ano na cidade de Santana do Paraíso, o programa Escola Ideal vem trazendo os projetos Juntos pela Escola Ideal, Jornal Escolar, Ler: Prazer e Saber e Sistema de Gestão Integrado. E, com o intuito de melhorar a segurança das escolas, a prefeitura têm ações visando à proteção dos estudantes. 5

6 VIOLÊNCIA Violência contra a mulher é crime previsto pela Lei Maria da Penha e deve ser tornada pública pelas vítimas Agressões ocorrem em ciclos e deixam marcas profundas; é preciso acionar a polícia Por Lindhon Jonhson de Toledo, 2º Tenente da PM, professor de Direitos Humanos e Multiplicador de Prevenção à Violência Doméstica Foto: SXC Apesar de ocorrer em ambiente privado, violência doméstica deve ser levada a público A Lei Maria da Penha entende por violência doméstica a praticada por membros da família (indivíduos que são ou que se considerem aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa) e a que se dá em qualquer relação íntima de afeto na qual o agressor conviva ou tenha convivido, independente de morar na casa da vítima. Os incidentes de violência doméstica diferem dos demais em razão do relacionamento existente entre vítima e agressor. Também, devido ao fato de que os casos acontecem quase exclusivamente em locais privados. Embora ocorra em âmbito particular, a violência doméstica não é um assunto privado. A violência doméstica é um crime sério e que pode trazer sequelas para toda a família. Ao se lidar com a violência contra a mulher não se está tratando de casos isolados e episódicos. Na maioria das vezes trata-se de casos de vitimização contínua e repetitiva que se alterna em fases. De um modo geral, o ciclo da violência possui três fases. Na primeira, de construção da tensão, o agressor se torna, gradativamente, mais irritado. Muitas vezes, a vítima percebe a tensão e tenta acalmá-lo mostrando-se dócil e prestativa, capaz de antecipar seu comportamento com base em vivências de violências passadas. Nessa fase ocorrem incidentes menores como agressões verbais e destruição de objetos. A tensão cresce até o ponto em que a agressão é inevitável. A segunda fase, explosão da violência, é a parte mais curta e violenta do ciclo. É marcada por agressões agudas, quando a tensão atinge o seu ponto mais alto e acontecem os ataques mais graves. Descontrole e destruição distinguem as fases. A terceira fase, lua-de-mel, é um período de calma. O agressor demonstra medo de perder sua companheira, está sempre se desculpando e com remorso. Ele pode se tornar extremamente prestativo e comprometido no seu comportamento. Pode prometer qualquer coisa e demonstrar sua culpa e sua paixão. Compromete-se em não mais agredir. De uma maneira geral a Polícia Militar tem atuado no momento em que ocorre a agressão, registrando o boletim de ocorrência e apresentando os envolvidos na Delegacia. É preciso denunciar e evitar que o ciclo de violência se repita. 6

7 ESCOLA IDEAL Sistema de Gestão Integrado e Jornal Escolar Primeiras Letras marcam início do programa Escola Ideal no municipio Projeto de incentivo à leitura também será implementado no fim deste ano Por Ailton Raimundo de Almeida, secretário municipal de Educação Depois do sucesso da implantação do programa Infância Ideal, em parceria com o Instituto Camargo Corrêa (ICC), Santana do Paraíso recebe agora o Escola Ideal. Desde o ano passado, a Secretaria de Educação e o CDC vêm se reunindo com o ICC, para viabilizar a implantação das várias ações que compõem o programa. Foi realizado um diagnóstico em todas as seis escolas municipais, para se verificar os avanços e as necessidades de intervenções a serem feitas, buscando a solução de problemas pontuais. O projeto Sistema de Gestão Integrado (SGI), desenvolvido em parceria com a Fundação Pitágoras, é o que está mais adiantado. Já foram realizadas três jornadas de capacitação de 1 6 horas cada a última em novembro. Os gestores da Secretaria de Educação e das escolas estão formatando um planejamento estratégico para que a rede de ensino possa atingir metas relacionadas à leitura, escrita e expressão oral. E para que o aluno possa se manisfestar, defender suas ideias e resolver problemas do cotidiano usando satisfatoriamente os recursos tecnológicos. Pelo projeto Jornal Escolar Primeiras Letras, foi realizada uma oficina com os diretores, pedagogos, professores e equipe da Secretaria de Educação para capacitar as pessoas envolvidas e para que as escolas iniciassem a produção das matérias e escolhesem o nome dos jornais. O objetivo é ter uma primeira tiragem agora em dezembro [leia na p. 2]. O projeto Ler: Prazer e Saber, que proporcionará aos alunos o acesso a livros de literatura através de móveis-biblioteca que serão fornecidos a escolas municipais, está em implantação. Uma oficina foi realizada nos dias 1 0 e 1 1 de novembro, quando os professores tomaram conhecimento de como, aproveitando o material fornecido, funciona o trabalho em sala de aula. O projeto Juntos pela Escola Ideal está em fase de análise e orçamento para se ver quais ações e pequenas obras serão feitas nas escolas, numa parceria entre o ICC e a prefeitura. Uma equipe da InterCement e da Secretaria de Educação visitou as escolas para levantar as necessidades que precisam ser sanadas. Foto: Secretaria Municipal de Educação A capacitação dos profissionais da rede municipal é um dos focos do Escola Ideal 7

8 ANOTE AÍ Adolescência em risco O percentual de adolescentes brasileiros de 1 2 a 1 7 anos que vivem em famílias de extrema pobreza cresceu entre 2004 e Isso é o que revela o segundo relatório Situação da Adolescência Brasileira , divulgado no final de novembro pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef). Segundo o relatório, o percentual passou de 1 6,3% para 1 7,6%. UM CLIQUE Foto: Cemei Pequeno Lar No semiárido, a situação é ainda mais complicada. Atualmente, 1 3 milhões de crianças e adolescentes vivem no semiárido brasileiro e nada menos do que 67,4% deles são afetados pela pobreza. O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome prevê, até 201 4, retirar 1 6,2 milhões de brasileiros da extrema pobreza, por meio do Plano Brasil sem Miséria. O relatório ainda apresenta outros dados sobre gravidez na adolescência, exploração e abuso sexual e uso de drogas. Acesse: is.gd/adolescenciabrasileira Balé da Cemei Pequeno Lar, do bairro Industrial, que em dezembro apresenta o espetáculo No Ritmo FIQUE LIGADO >>Cursos técnicos Cerca de 1 50 alunos concluíram em setembro os cursos de pedreiro, eletricista, operador de telemarketing e pintor no município. Eles foram oferecidos em parceria com a Associação Prepartatória de Cidadãos do Amanhã (Aprecia), prefeitura e o governo do Estado. Durante o curso, os alunos realizaram serviços voluntários em entidades e mutirões. >>De olho no orçamento Um estudo da ONG Contas Abertas revela que em seis anos houve um aumento de 1 93% no investimento do Governo Federal em políticas para crianças e adolescentes. Mas o país ainda não alcançou a recomendação da Cúpula Mundial para o Desenvolvimento Social, de investir 20% do orçamento nacional na população de 0 a 1 8 anos. Realização: Parceria: Coletivo Jovem Boteco do Portuga 8 Este boletim é parte do projeto CDC Comunica, realizado pelo Instituto Camargo Corrêa (ICC) em parceria com a Oficina de Imagens. O CDC de Santana do Paraíso faz parte da estratégia de implantação dos programas sociais do ICC. Informações:

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

Paraíso. Nos passos. da educação. em foco. Edição VI Ano II Dezembro de 2012

Paraíso. Nos passos. da educação. em foco. Edição VI Ano II Dezembro de 2012 Paraíso em foco Edição VI Ano II Dezembro de 2012 Nos passos da educação 1 editorial primeiras letras O boletim Paraíso em Foco encerra o ano falando de muitos projetos importantes desenvolvidos pelo Comitê

Leia mais

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso

Envolver. Edição V Ano II Outubro de 2012. Um caso. de sucesso Envolver Edição V Ano II Outubro de 2012 Um caso de sucesso 1 editorial primeiras letras O ano de 2012 vai chegando ao fim com boas notícias para Pedro Leopoldo. As várias ações de investimento social

Leia mais

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral.

Articular o Conselho Escolar, os Grêmios Estudantis, os trabalhadores de educação, as Associações de Pais e Mestres e a comunidade em geral. EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente nos âmbitos federal, estadual,

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES

ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES ANEXO II CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO E/ OU IMPLANTAÇÃO DE ÓRGÃOS COLEGIADOS E APOIO A FÓRUNS E REDES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio aos Fóruns, Comitês, Associações

Leia mais

Edição 1 - Ano 1 - Setembro de 201 1

Edição 1 - Ano 1 - Setembro de 201 1 Edição 1 - Ano 1 - Setembro de 201 1 Uma nova infância Poder público, sociedade civil e InterCement juntos na defesa dos direitos das crianças em Ijaci EDITORIAL A informação chega até você! COLUNA DA

Leia mais

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010

RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 RESOLUÇÃO CONJUNTA CNAS/CONANDA Nº 001 DE 09 DE JUNHO DE 2010 Estabelece parâmetros para orientar a constituição, no âmbito dos Estados, Municípios e Distrito Federal, de Comissões Intersetoriais de Convivência

Leia mais

Mobilização e Participação Social no

Mobilização e Participação Social no SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Mobilização e Participação Social no Plano Brasil Sem Miséria 2012 SUMÁRIO Introdução... 3 Participação

Leia mais

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 2 PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS: PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da Política e do Plano Decenal de Direitos Humanos de Criança e Adolescente

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos

O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos O Grupo Camargo Corrêa & Direitos Humanos O Grupo Camargo Corrêa almeja ser um indutor de novos modelos de geração de valor compartilhado com foco em inovação tecnológica, mudanças climáticas e inclusão

Leia mais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais

Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Carta Aberta aos candidatos e candidatas às prefeituras e Câmaras Municipais Estatuto da Criança e do Adolescente: 18 anos, 18 Compromissos A criança e o adolescente no centro da gestão municipal O Estatuto

Leia mais

Envolver. Ao som da infância. Diversão, Cultura e Arte. Edição VIII Ano III Dezembro de 2013

Envolver. Ao som da infância. Diversão, Cultura e Arte. Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 Envolver Edição VIII Ano III Dezembro de 2013 Ao som da infância Diversão, Cultura e Arte 1 editorial primeiras letras O último Envolver do ano chega cheio de novidades e ações, principalmente voltadas

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes

Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes 1 Comissão Municipal Interinstitucional de Enfrentamento à Violência contra Crianças e Adolescentes PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO ÀS VIOLÊNCIAS CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Ponta Grossa Paraná 2013

Leia mais

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012

Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer. SALVADOR/BA ABRIL de 2012 Política Nacional sobre Drogas e o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas Crack, é possível vencer SALVADOR/BA ABRIL de 2012 MARCOS HISTÓRICOS 1998: Adesão do Brasil aos princípios diretivos

Leia mais

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA

VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA VIII CONFERENCIA MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE UBERABA 27 DE MARÇO DE 2015 CENTRO ADMINISTRATIVO DA PREFEITURA MUNICIPAL DE UBERABA TEMA: POLÍTICA E O PLANO DECENAL DE DIREITOS

Leia mais

interação coletivo Trabalho Edição VI Ano II Dezembro de 2012

interação coletivo Trabalho Edição VI Ano II Dezembro de 2012 interação Edição VI Ano II Dezembro de 2012 Trabalho coletivo 1 editorial Por Renata de Aquino, da Secretaria de Assistência Social Neste último Boletim Interação do ano de 2012, sentimos que mais uma

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 Plano de Ação Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Juruti 2012-2014 APRESENTAÇÃO Nosso O Conselho dos Direitos da Criança e do Adolescente do município de Juruti apresenta, no

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

MONITORAMENTO RELATÓRIO DE OFICINA MUNICÍPIO DE SANTANA DO PARAISO ESTADO DE MINAS GERAIS

MONITORAMENTO RELATÓRIO DE OFICINA MUNICÍPIO DE SANTANA DO PARAISO ESTADO DE MINAS GERAIS MONITORAMENTO RELATÓRIO DE OFICINA MUNICÍPIO DE SANTANA DO PARAISO ESTADO DE MINAS GERAIS Período: 11/09 a 12/09/12 Local: Auditório da Intercement (Fábrica de Cimento Cauê - Santana do Paraíso- Minas

Leia mais

Mobiliza CDC. Edição II Ano II Junho de 2015. Magia. da infância

Mobiliza CDC. Edição II Ano II Junho de 2015. Magia. da infância Mobiliza CDC Edição II Ano II Junho de 2015 Magia da infância 1 editorial No ano passado, Bodoquena instituiu a Semana do Bebê como lei no município (p. 3), então, este ano, mais uma semana repleta de

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação da Rede de Proteção Social de Araucária Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância

em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância em ação Edição VI Ano III Março de 2013 Nas cores da infância 1 editorial Por Beto Vieira, do Sarte Fique Ligado Assistência técnica aos agricultores Por Jesaias de França, Diretor Executivo Coobtec mata

Leia mais

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas.

O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Página1 Curso de extensão universitária: O sistema de garantia dos direitos humanos das crianças e dos adolescentes: responsabilidades compartilhadas. Apresentação: Em 2015, comemorando 25 anos do ECA,

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local

Histórico Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) agosto de 2010 no Recife Transformando a sociedade a partir da igreja local Histórico Esta campanha tem sua origem no contexto do V Encontro Nacional da Rede Evangélica Nacional de Ação Social (RENAS) em agosto de 2010 no Recife PE. Nessa ocasião, o enfoque do evento foi: Transformando

Leia mais

Paraíso. Em cena. Toques da infância. em foco. Edição X Ano III Maio de 2014

Paraíso. Em cena. Toques da infância. em foco. Edição X Ano III Maio de 2014 Paraíso em foco Edição X Ano III Maio de 2014 Em cena Toques da infância 1 editorial O primeiro Paraíso em Foco do ano traz muitas informações importantes! Você já deve ter ouvido falar da campanha de

Leia mais

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis

Políticas Setoriais Secretarias Municipais: Saúde, Assistência Social, Educação, Direitos Humanos(quando houver). Participações Desejáveis PARÂMETROS PARA A CONSTITUIÇÃO DAS COMISSÕES INTERSETORIAIS DE ACOMPANHAMENTO DO PLANO NACIONAL DE PROMOÇÃO, PROTEÇÃO E DEFESA DO DIREITO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

Leia mais

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS:

A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES AS AÇÕES SÃO DESENVOLVIDAS POR QUATRO ÁREAS ESTRATÉGICAS: O QUE É QUE FAZ A SECRETARIA MUNICIPAL DE POLÍTICAS PARA MULHERES A Prefeitura de São Paulo, em maio de 2013, seguindo a política implementada nacionalmente e atendendo uma reivindicação histórica do movimento

Leia mais

Edição XI Ano IV Novembro de 2015. Pela. infância

Edição XI Ano IV Novembro de 2015. Pela. infância Edição XI Ano IV Novembro de 2015 Pela infância 1 editorial Por Misael Elias, integrante do CDC O ano de 2015 vai chegando ao fim e demonstra o quanto foi produtivo para o CDC de Pedro Leopoldo. O investimento

Leia mais

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015

PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios. Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 PLANO DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO: processo, participação e desafios Seminário dos/as Trabalhadores/as da Educação Sindsep 24/09/2015 Ação Educativa Organização não governamental fundada por um

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO

Carvalho Goretti Moreira Leal de, Themis; Ribas Almeida, Milene. Brasil RESUMO ID:862 PROJETO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA AMPLIANDO AS AÇÕES DE PREVENÇÃO EM DST/AIDS E HEPATITES VIRAIS JUNTO À POPULAÇÃO ESCOLAR: UM ESPAÇO PARA FORMAÇÃO PROFISSIONAL E PROMOÇÃO DA SAÚDE Carvalho Goretti

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS 2011 T CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DAS CONFERÊNCIAS MUNICIPAIS DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE NO ESTADO DE MINAS GERAIS

Leia mais

Carta Unir para Cuidar Apresentação

Carta Unir para Cuidar Apresentação Carta Unir para Cuidar Apresentação Durante o 17º Encontro Nacional de Apoio à Adoção (ENAPA), na capital federal, de 07 a 09 de junho de 2012, as entidades participantes assumem, com esta carta de compromisso,

Leia mais

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos

Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração incentivando envolvimento da sociedade civil em fóruns e conselhos / / Fique ligado Notícias / Especiais Promenino Fundação Telefônica 10/12/2012 Os desafios da fiscalização do trabalho infantil Governo planeja ações com base em dados e tenta aprimorar combate à exploração

Leia mais

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social

O PETI e o Trabalho em Rede. Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social O PETI e o Trabalho em Rede Maria de Fátima Nassif Equipe Proteção Social Especial Coordenadoria de Ação Social Secretaria de Desenvolvimento Social Articulação da rede de serviços socioassistenciais Proteção

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE PLANO MUNICIPAL DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA A CRIANÇA E O ADOLESCENTE APRESENTAÇÃO: A violência sexual contra a criança e o adolescente tem sido um problema de difícil enfrentamento por

Leia mais

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES SUGESTÕES DE COMO ABORDAR NAS EMPRESAS O TEMA DO ENFRENTAMENTO DA EXPLORAÇÃO SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES PRESIDENTA DA REPÚBLICA Dilma Vana Rousseff MINISTRA DE ESTADO CHEFE DA SECRETARIA DE

Leia mais

interação brincar Tempo de Edição VII Ano III Maio de 2013

interação brincar Tempo de Edição VII Ano III Maio de 2013 interação Edição VII Ano III Maio de 2013 Tempo de brincar 1 editorial Por Eliana Fiorentino Ordonhes, cedecista de Jacareí O Estatuto da Criança e do Adolescente enfatiza a importância da educação, um

Leia mais

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios.

Comunidades preparadas e comprometidas com a superação de seus desafios. Apresentação O Instituto Camargo Corrêa, criado em dezembro de 2000 para orientar o investimento social privado das empresas do Grupo Camargo Corrêa, é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA PLANO ESTADUAL DE CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA Comitê Intersetorial Direito à Convivência Familiar e Comunitária Porto Alegre, 9 de outubro de 2012 DIRETRIZES Fundamentação Plano Nacional Efetivação

Leia mais

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03

Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 "O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE JUNTO À COMUNIDADE" Promotoria de Justiça da Infância e Juventude de Amélia Rodrigues Promotora de Justiça: Roberta Rezende Barbosa Data de assunção: 12/02/03 A)

Leia mais

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO

PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO ÓRGÃO RESPONSÁVEL: Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulher NOME: PROGRAMA Nº- 105 CASA DA MULHER/CENTRO ESPECIALIZADO DE ATENDIMENTO A MULHER CASA ABRIGO Código Descrição FUNÇÃO: 14 Direitos

Leia mais

Um país melhor é possível

Um país melhor é possível Um país melhor é possível Um país melhor é urgente... 53 milhões de pobres vivem com renda familiar mensal de um salário mínimo; Desses, 20 milhões são indigentes ou vivem com renda de até ½ salário; Os

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos

Mostra de Projetos 2011. Construindo a Sociedade que Queremos Mostra de Projetos 2011 Construindo a Sociedade que Queremos Mostra Local de: Piraquara Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Associação

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

1.4 Objeto e Metodologia

1.4 Objeto e Metodologia 1.4 Objeto e Metodologia O objeto a pesquisa cujos dados serão apresentados foi definido juntamente com a SAS- Secretaria de Assistência Social de Presidente Prudente em especial com a equipe do CREAS

Leia mais

Você precisa. saber. Edição IV Ano II Dezembro de 2012. No balanço. Outras cores. da educação. na cidade

Você precisa. saber. Edição IV Ano II Dezembro de 2012. No balanço. Outras cores. da educação. na cidade Você precisa saber Edição IV Ano II Dezembro de 2012 No balanço Outras cores da educação na cidade 1 editorial primeiras letras O CDC Ijaci finaliza o ano falando de um assunto muito importante no boletim

Leia mais

interação Edição XI Ano III Novembro de 2014 A leveza da infância

interação Edição XI Ano III Novembro de 2014 A leveza da infância interação Edição XI Ano III Novembro de 2014 A leveza da infância 1 editorial Por Cidinha Lima, coordenadora do projeto Conquistar Espaços Vamos falar nesta edição do boletim Interação sobre geração de

Leia mais

Belo Horizonte Responsabilidades do Setor Turístico na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Belo Horizonte Responsabilidades do Setor Turístico na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Belo Horizonte Responsabilidades do Setor Turístico na Prevenção à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes Responsabilidade Multiplicadores* CMDCA, CEDCA, Minist. do Trabalho, Gestor de Política (SETUR

Leia mais

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE

FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE FORTALECENDO E ARTICULANDO A REDE DE ATENÇÃO A CRIANÇA E O ADOLESCENTE Fazer laços é ligar, entrelaçar o que está separado. Literal e metaforicamente falando. A inclusão do trabalho sobre o tema da sexualidade

Leia mais

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância

Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Carta de recomendações para o enfrentamento às violências na primeira infância Rio de Janeiro, 2 de abril de 2015 A todas as pessoas que atuam na promoção e defesa dos direitos das crianças A Rede Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS

RELATÓRIO DESCRITIVO E AVALIATIVO DAS ATIVIDADES REALIZADAS 1. PERÍODO: de _02_/_03_/2009_ a _15_/_08_/2009 2. RESUMO DAS AÇÕES DESENVOLVIDAS PELA INSTITUIÇÃO, DURANTE O PERÍODO, NO AMBITO DO PROJETO CRIANÇA ESPERANÇA: Por meio das ações do Projeto foi possível

Leia mais

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo

Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo Regimento Interno do processo de construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo CAPÍTULO I Artigo 1o. A construção do Plano de Educação da Cidade de São Paulo realizar-se-á entre fevereiro e junho

Leia mais

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO

Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos. Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Indicadores Quantitativos Programa de Fortalecimento Institucional, Participação e Controle Social Barro Alto - GO Relatório Consolidado Programa de Fortalecimento e Barro Alto -

Leia mais

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes

Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes Plano Decenal dos Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diretriz 01 - Promoção da cultura do respeito e da garantia dos direitos humanos de

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência

PALAVRAS-CHAVE Rede de Proteção. Criança e adolescente. Direitos Humanos. Violência 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014

INVESTIMENTO SOCIAL. Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Agosto de 2014 INVESTIMENTO SOCIAL Nós promovemos o desenvolvimento sustentável de diversas maneiras Uma delas é por meio do Investimento Social INVESTIMENTO INVESTIENTO SOCIAL - Estratégia

Leia mais

Plataforma dos Centros Urbanos

Plataforma dos Centros Urbanos Plataforma dos Centros Urbanos O que é a Plataforma dos Centros Urbanos? É uma iniciativa nacional de articulação, fortalecimento e desenvolvimento de políticas públicas, programas e ações voltados para

Leia mais

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013

CDC. De olho. no Futuro. em foco. Edição VII Ano III Agosto de 2013 CDC em foco Edição VII Ano III Agosto de 2013 De olho no Futuro 1 editorial A segunda edição do boletim CDC em Foco deste ano traz novidades e relembra ações que contribuíram para a melhoria da qualidade

Leia mais

Roda de Conversa 30/06/2015

Roda de Conversa 30/06/2015 Aconteceu em Uberaba, na Associação de Bairro São Benedito, no dia 30/06/2015 a décima nona edição da Roda de Conversa. O Evento teve a participação de aproximadamente 50 profissionais de diversos órgãos

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Edição IV - Ano II - Abril de 201 2

Edição IV - Ano II - Abril de 201 2 Edição IV - Ano II - Abril de 201 2 Olhar para o futuro Trabalho coletivo Parceria estimula a formação de rede de atendimento a crianças e adolescentes pág. 3 Escola Ideal Programa traça diagnóstico e

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA

ASSOCIAÇÃO DE MORADORES DO BAIRRO PEDREGAL PROJETO OFICINA ESCOLA Relatório das Ações Desenvolvidas pelo Projeto Oficina Escola 1. Apresentação Companheiros (as) da Associação Tremembé estamos concluindo mais um ano missão e com isso somos convidados (as) a socializar

Leia mais

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas

ANEXO I ROTEIRO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS FIA 2011. Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas Cada projeto deve conter no máximo 20 páginas 1. APRESENTAÇÃO Faça um resumo claro e objetivo do projeto, considerando a situação da criança e do adolescente, os dados de seu município, os resultados da

Leia mais

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA

TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA TEATRO SOCIAL: VALORES PARA A VIDA Utilizando o Teatro como Ferramenta de Ensino e Transformação Social CONEXÃO SOCIAL REDE NACIONAL DE ENSINO SOCIOEMOCIONAL IASEA 2015 1. APRESENTAÇÃO TEATRO SOCIAL é

Leia mais

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la?

Como proceder à notificação e para onde encaminhá-la? Se a família não quiser ou não puder assumir a notificação, o educador deverá informar a família que, por força da lei, terá que notificar o fato aos órgãos competentes. Como proceder à notificação e para

Leia mais

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO

PROJETO REDE ITINERANTE CONTRA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA DIVULGAÇÃO E MEMORIAL FOTOGRÁFICO DO PROJETO Veículo: Site Institucional do Ministério Público do Pará http://www.mppa.mp.br/index.php?action=menu.interna&id=4963&class=n Principal SANTARÉM: Rede itinerante de serviços de combate à violência doméstica

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes

Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes Por uma educação de qualidade para crianças e adolescentes O que é o Instituto C&A? Organização sem fins lucrativos que investe em educação Foi criada pelos acionistas da C&A em 1991 Missão Promover a

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI. Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome PETI Programa de Erradicação do Trabalho Infantil Brasil livre do trabalho infantil, todos juntos nesse desafio! O Governo Federal e a sociedade brasileira

Leia mais

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal

Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal Carta de Princípios dos Adolescentes e Jovens da Amazônia Legal A infância, adolescência e juventude são fases fundamentais no desenvolvimento humano e na formação futura dos cidadãos. No plano social,

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação de Consultoria RH/2012/061

UNICEF BRASIL Edital de Licitação de Consultoria RH/2012/061 UNICEF BRASIL Edital de Licitação de Consultoria RH/2012/061 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida

Leia mais

É TEMPO DE CONSTRUIR A 9 a CONFERÊNCIA

É TEMPO DE CONSTRUIR A 9 a CONFERÊNCIA 09 BOLETIM INFORMATIVO DO PROGRAMA NOVAS ALIANÇAS n SETEMBRO DE 2011 vas ALIANÇAS Conferências dos Direitos da Criança e do Adolescente vão reunir representantes do SGD e da população em geral. Objetivo

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

CDC. Cuidados. na infância. em foco. Edição XI Ano IV Maio de 2015

CDC. Cuidados. na infância. em foco. Edição XI Ano IV Maio de 2015 CDC em foco Edição XI Ano IV Maio de 2015 Cuidados na infância 1 editorial Mais uma Semana do Bebê está chegando em Apiaí e Itaoca. E é claro que não podíamos deixar esse encontro passar batido! Na 11º

Leia mais

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança

Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Marco Legal da Primeira Infância é um passo importante para o avanço nas políticas públicas de proteção à criança Recurso apresentado contra Projeto aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados

Leia mais

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL

EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL EIXO DE TRABALHO 01 DIREITO A CIDADANIA, PARTICIPAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA E A REPRESENTAÇÃO JUVENIL Proposta I Fomentar a criação de grêmios estudantis, fóruns de juventude, diretórios centrais de estudantes,

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS

ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS DE ALAGOAS ENSINO BÁSICO Nomes das instituições representadas: SEE/AL, SEMED-Maceió, SEMED-Barra de Santo Antônio- Campestre e Novo Lino, Associação Clube

Leia mais

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL

GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL GUIA DO PRÊMIO ODM BRASIL 4ª Edição QUANDO O BRASIL SE JUNTA, TODO MUNDO GANHA. Secretaria-Geral da Presidência da República Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Movimento Nacional

Leia mais

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil

Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades. Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Incidência em políticas públicas: ampliando as possibilidades Rafael Gioielli Instituto Votorantim / Brasil Políticas públicas e Investimento Social Privado MODELO MAIS COMUM MODELO ALTERNATIVO ISP INFLUENCIAR

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS

I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS CARTA DE CURITIBA Os participantes do I CONGRESSO BRASILEIRO DE EXECUÇÃO DE PENAS E MEDIDAS ALTERNATIVAS, realizado em Curitiba PR, de

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade?

Grupo A (Temas discutidos) - Como atrair a Comunidade para as propostas do Conselho da Comunidade? CONCLUSÕES DO I ENCONTRO DE CONSELHOS DA COMUNIDADE DA REGIÃO SUL DO BRASIL E DO III SEMINÁRIO DO PROJETO TRABALHO PARA A VIDA DA CORREGEDORIA-GERAL DA JUSTIÇA DO RS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE, EM 18 DE

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Orientações Técnicas para a formação da Agenda Intersetorial

Orientações Técnicas para a formação da Agenda Intersetorial Orientações Técnicas para a formação da Agenda Intersetorial Brasília, 7 de Agosto de 2014 Encontro Intersetorial das Ações Estratégicas do PETI ETAPAS PARA FORMAÇÃO DA AGENDA INTERSETORIAL DO PETI Reuniões/

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN

PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN PLANO MUNICIPAL DE ATENDIMENTO SÓCIOEDUCATIVO DO MUNICÍPIO DE ESPÍRITO SANTO/RN ESPÍRITO SANTO/RN, OUTUBRO DE 2014. FRANCISCO ARAÚJO DE SOUZA PREFEITO MUNICIPAL DE ESPÍRITO SANTO/RN ELIZANGELA FREIRE DE

Leia mais

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 2

CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 2 CANDIDATOS DA MICRORREGIÃO 2 Nome de urna: Elda Clavé Número: 2413 - Exerceu o cargo de Conselheira Tutelar Substituta; - Membro da Rede de Leitura para Crianças em Bibliotecas Comunitárias; - Serviço

Leia mais