Portaria Inmetro nº 159, de 09 de maio de 2007.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Portaria Inmetro nº 159, de 09 de maio de 2007."

Transcrição

1 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro nº 159, de 09 de maio de O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO, no uso de suas atribuições, conferidas pelo parágrafo 3º do artigo 4º da Lei n.º 5.966, de 11 de dezembro de 1973, pelo inciso I do artigo 3º da Lei n.º 9.933, de 20 de dezembro de 1999, pelo inciso V do artigo 18 da Estrutura Regimental da Autarquia, aprovada pelo Decreto n.º 5.842, de 13 de julho de 2006, e pela alínea a do subitem 4.1 da Regulamentação Metrológica aprovada pela Resolução n.º 11, de 12 de outubro de 1988, do Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Conmetro, Considerando as disposições contidas na Portaria Inmetro n.º 114, de 29 de junho de 1998, editada em conformidade com a Resolução Mercosul/GMC n.º 51/97 que estabelece os critérios gerais de metrologia legal para instrumento de medição; Considerando a necessidade de implementar o controle metrológico de sistemas encapsulados de medição a transformador a seco utilizados na distribuição de energia elétrica ativa em média tensão, para instalação ao tempo; Considerando que o assunto foi amplamente discutido com os fabricantes nacionais, as entidades de classe, os organismos governamentais e demais segmentos interessados, resolve baixar as seguintes disposições: Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico Metrológico, anexo à presente Portaria, estabelecendo os requisitos técnicos e metrológicos mínimos que deverão ser observados na fabricação, instalação e utilização de sistemas encapsulados de medição a transformador a seco que são projetados para a medição de energia elétrica ativa em média tensão. 1 Os sistemas encapsulados de medição a transformador a seco produzidos a partir de 180 (cento e oitenta) dias após a publicação desta Portaria, nacionais ou importados, assim como os reparados, de modelos aprovados, serão submetidos, respectivamente, à verificação inicial e à verificação após reparos, de acordo com o Regulamento Técnico Metrológico, ora aprovado. 2 A verificação inicial deverá ser efetuada antes da instalação e a verificação após reparos deverá ser efetuada antes da utilização dos sistemas encapsulados de medição a transformador a seco nos estabelecimentos indicados pelo fabricante, importador, concessionária, ou em local acordado com o Inmetro, em território nacional. 3º Os sistemas encapsulados de medição a transformador a seco, em uso, que atendam aos requisitos de configuração, poderão continuar a ser utilizados, desde que não excedam aos erros máximos admissíveis para as verificações estabelecidas pelo Regulamento Técnico Metrológico, ora aprovado. 4º Depois de realizadas as verificações por solicitação do usuário ou após reparos, caso o sistema encapsulado de medição a transformador a seco, em uso, não atenda aos requisitos de configuração, não tenha obtido aprovação de modelo ou apresente erros superiores aos máximos admissíveis no Regulamento Técnico Metrológico, ora aprovado, deverá ser substituído, e não mais instalado. 5º Os fabricantes ou importadores, que tenham comercializado sistemas encapsulados de medição a transformador a seco, sem aprovação de modelo, até 180 (cento e oitenta) dias após a data de publicação deste Regulamento Técnico Metrológico, deverão informar ao Inmetro a relação de sistemas comercializados, considerando o modelo, características operacionais diferentes e quantidade por concessionária ou permissionária. 6º As concessionárias e permissionárias, que tenham instalado sistemas encapsulados de medição a transformador a seco até a data de aprovação deste Regulamento Técnico Metrológico, deverão

2 2 informar ao Inmetro a relação de sistemas instalados, considerando o nome do fabricante, o modelo e a quantidade por município. Art. 2º A infringência a quaisquer dispositivos do Regulamento Técnico Metrológico, ora aprovado, sujeitará os infratores às penalidades previstas no artigo 8º, da Lei 9.933, de 20 de dezembro de União. Art. 3º Esta Portaria entrará em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial da JOÃO ALZIRO HERZ DA JORNADA Presidente do Inmetro

3 REGULAMENTO TÉCNICO METROLÓGICO A QUE SE REFERE A PORTARIA INMETRO Nº 159 DE 09 DE maio DE OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 1.1 O presente Regulamento estabelece os requisitos técnicos e metrológicos mínimos a que devem estar sujeitos os Sistemas Encapsulados de Medição a Transformador a Seco utilizados na distribuição de energia elétrica em média tensão, para instalação ao tempo. 1.2 Este Regulamento se aplica aos Sistemas Encapsulados de Medição a Transformador a Seco configurados para dois ou três elementos. 1.3 Para efeito deste Regulamento, a expressão "Sistema Encapsulado de Medição a Transformador a Seco" será designada pela sigla SEMTS. 2. UNIDADES DE MEDIDA Para fins deste Regulamento, as unidades de medida são o volt (V); o ampère (A); o quilowatt-hora (kwh), o quilowatt (kw), o quilovolt-ampère (kva), o quilovolt-ampère-reativo-hora (kvarh) e o quilovolt-ampère-reativo (kvar). 3. DEFINIÇÃO 3.1 Sistema de medição: sistema que inclui transformadores de potencial indutivos e de corrente encapsulados em resina, dispositivo de medição, dispositivo adicional, dispositivo indicador e dispositivo auxiliar Sistema encapsulado de medição a transformador a seco: sistema de medição de energia elétrica acoplado à média tensão, através de transformadores de medição e fornecendo a indicação de forma remota. 3.2 Dispositivo de telemetria: dispositivo adicional responsável por transmitir dados do SEMTS a uma central de gerenciamento de dados ou a um dispositivo auxiliar. 3.3 Dispositivo de indicação remota: dispositivo indicador destinado a disponibilizar informações do SEMTS ao usuário. 3.4 Caixa de medição: compartimento destinado à acomodação do dispositivo de medição, chave de interligação, dispositivos adicionais e dispositivos auxiliares. 3.5 Chave de interligação: dispositivo adicional que permite o acesso aos terminais do secundário dos transformadores de corrente e de potencial indutivo possibilitando a interligação com os terminais do dispositivo de medição. 3.6 Transformador para instrumentos (TI): transformador que alimenta dispositivos de medição, de controle ou de proteção. 3.7 Carga: impedância do circuito secundário de um transformador para instrumentos, representada por um símbolo normalizado Carga nominal: carga na qual se baseiam os requisitos de exatidão de um transformador para instrumentos. 3.8 Circuito secundário: circuito externo alimentado pelo enrolamento secundário de um transformador para instrumentos. 3.9 Classe de exatidão: valor máximo do erro, expresso em porcentagem, que pode ser introduzido pelo transformador para instrumentos na indicação ou no registro de um instrumento de medição, em condições especificadas Transformadores de corrente (TC): transformadores para instrumentos cujo enrolamento primário é ligado em série em um circuito elétrico, e reproduz, no seu circuito secundário, uma corrente proporcional à do seu circuito primário, com sua posição fasorial substancialmente mantida Corrente de excitação (I o ): valor eficaz de corrente que percorre o enrolamento secundário de um transformador de corrente, quando se aplica, aos seus terminais, uma tensão senoidal de freqüência nominal, estando o enrolamento primário e os outros enrolamentos em aberto Corrente primária: corrente que percorre o enrolamento primário de um transformador de corrente Corrente primária nominal (I p ): valor da corrente primária que consta da designação de transformador de corrente, e que determina as suas condições de funcionamento. 3

4 Corrente secundária nominal (I s ): valor da corrente secundária que consta da designação de um transformador de corrente e que determina as suas condições de funcionamento Corrente suportável de curta duração nominal: valor da corrente primária assimétrica máxima que um transformador de corrente é capaz de suportar durante 1 s, térmica e mecanicamente, sem danos elétricos ou mecânicos causados pelas forças eletromagnéticas e sem exceder, em qualquer enrolamento, uma temperatura máxima especificada, com o(s) enrolamento(s) secundário (s) curto-circuitado(s) O valor eficaz do componente simétrico da corrente suportável de curta duração nominal (I t ) é o parâmetro utilizado para avaliação do comportamento térmico do TC O valor de crista do primeiro meio-ciclo da corrente suportável de curta duração nominal (I d ) é o parâmetro utilizado para avaliação do comportamento mecânico do TC Enrolamento primário: enrolamento pelo qual flui a corrente a ser transformada Enrolamento secundário: enrolamento que alimenta circuitos de corrente de instrumentos de medição, dispositivos de proteção ou dispositivos de controle Fator térmico nominal (F t ): fator que multiplica a corrente primária nominal de um transformador de corrente, para obter a corrente primária máxima que ele é capaz de conduzir em regime contínuo, sob freqüência nominal e com maior carga especificada, sem exceder os limites de elevação de temperatura especificados Relação nominal (Rn c ): razão da corrente primária nominal para a corrente secundária nominal Transformador de potencial (TP): transformador cujo enrolamento primário é ligado em derivação em um circuito elétrico, e reproduz, no seu circuito secundário, uma tensão proporcional a do seu circuito primário, com sua posição fasorial substancialmente mantida Transformador de potencial indutivo (TPI): transformador de potencial constituído apenas de uma ou mais unidades eletromagnéticas, cuja relação de transformação é definida primordialmente pela relação de espiras de seus enrolamentos Enrolamento primário: enrolamento no qual se aplica a tensão a ser transformada Enrolamento secundário: enrolamento que alimenta circuitos de potencial dos instrumentos de medição, dispositivos de proteção ou dispositivos de controle Fator de sobretensão (F st ): fator que se multiplica à tensão primária nominal de um transformador de potencial, para se obter a tensão primária na qual ele deve satisfazer, por tempo determinado, os requisitos térmicos especificados Relação Nominal (Rn tp ): razão da tensão primária nominal para a tensão secundária nominal Tensão primária: tensão aplicada a um enrolamento primário de um transformador de potencial Tensão primária nominal (U p ): valor da tensão primária que consta da designação de um transformador de potencial, e que determina as suas condições de funcionamento Tensão secundária: tensão que aparece nos terminais do enrolamento secundário de um transformador de potencial, quando aplicada uma tensão no enrolamento primário Tensão secundária nominal (U sec ): valor da tensão secundária que consta da designação de um transformador de potencial, e que determina as suas condições de funcionamento Dispositivo de medição de energia: dispositivo de medição estático polifásico, para medição indireta, no qual a corrente e a tensão agem sobre elementos de estado sólido (componentes eletrônicos) para produzir uma informação de saída proporcional à quantidade de energia elétrica medida Elementos funcionais do dispositivo de medição Circuitos de corrente: circuitos do dispositivo de medição por onde circula a corrente a ser medida Memória: dispositivo que armazena informações Dispositivo mostrador: dispositivo que apresenta indicação relativa à medição de energia elétrica. Pode apresentar, de forma não ambígua, informações sobre às condições de operação do dispositivo de medição Grandezas medidas e erros do SEMTS Índice de classe: algarismo romano que define os limites admissíveis de erro percentual para todos os valores de corrente entre 0,1 I n e I máx, para o fator de potência ativo ou reativo, unitário, quando o SEMTS é ensaiado sob condições de referência Corrente nominal (I n ): intensidade de corrente para o qual o SEMTS é projetado e que serve de referência para a realização dos ensaios constantes deste Regulamento. 4

5 Corrente Máxima (I máx ): maior intensidade de corrente que pode ser conduzida em regime permanente sem que o erro máximo admissível seja ultrapassado Corrente de partida: menor valor declarado de intensidade de corrente para qual o SEMTS é projetado para registrar energia elétrica ativa, com fator de potência unitário e em condição de equilíbrio de carga Erro absoluto: diferença entre as quantidades de energia elétrica medidas pelo SEMTS e a medida por um sistema padrão ou a determinada pelo método Potência x Tempo. Se a diferença é negativa, o SEMTS está atrasado, se é positiva, o SEMTS está adiantado Erro relativo: relação entre o erro absoluto e a quantidade de energia elétrica medida pelo sistema padrão ou determinada pelo método Potência x Tempo Erro máximo admissível: maior erro percentual do SEMTS admitido neste Regulamento Freqüência nominal: freqüência para a qual o SEMTS é projetado e que serve de referência para a realização dos ensaios constante deste Regulamento Tensão nominal: tensão para qual o SEMTS é projetado e que serve de referência para a realização dos ensaios constantes deste Regulamento Termos relacionados com o registro de grandezas do dispositivo de medição Base de tempo: fonte de referência para data e horário Base de tempo secundária: sistema de tempo estabelecido por uma fonte alternativa, quando a fonte de alimentação da rede em corrente alternada não está disponível e não é utilizada Posto tarifário: cada um dos períodos de tempo pré-programados nos quais são registrados e acumulados, separadamente, os dados da energia consumida e/ou demanda de energia da instalação consumidora Registrador: dispositivo localizado no interior do dispositivo de medição, que compreende a(s) memória(s) utilizadas para armazenar informações e registros Ajuste: operação destinada a fazer com que um instrumento de medição tenha desempenho compatível com o seu uso Condições de referência: condições de uso prescritas para ensaio de desempenho do SEMTS ou para intercomparação de resultados de medições incluem os valores de referência ou as faixas de referência para as grandezas de influência que afetam o SEMTS. 4. PRESCRIÇÕES METROLÓGICAS 4.1 Erros máximos admissíveis Os erros máximos admissíveis na aprovação de modelo e nas verificações inicial, após reparos e por solicitação do usuário, positivos ou negativos, estão especificados na Tabela 1. Tabela 1 Erros máximos admissíveis para as diferentes classes de SEMTS Fator de Erros máximos admissíveis (%) % V n % I n potência III II I 10 1 ± 0,4 ± 0,6 ± 1,0 >10... <100 1 ± 0,4 ± 0,6 ± 1, Ft x ± 0,2 ± 0,3 ± 0, ± 0,2 ± 0,3 ± 0, ,5 indutivo ± 0,3 ± 0,5 ± 0, ,8 capacitivo ± 0,3 ± 0,5 ± 0,6 - Os valores acima são referentes ao SEMTS para a medição de energia ativa. No caso de medição de energia reativa, os limites acima devem ser multiplicados por 2. - Ft: Fator térmico nominal dos transformadores de corrente do SEMTS. 4.2 Nos sistemas de medição, a tensão nominal será definida pela tensão primária nominal do transformador de potencial indutivo conforme a Tabela 2.

6 6 Grupo 1 para ligação entre fases Tabela 2 - Tensões primárias nominais e relações nominais Grupo 2 e 3 para ligação entre fase e neutro Tensão primária nominal (V) Relação nominal Tensão primária nominal (V) Relação nominal Tensão secundária nominal (V) Aprox. 115/ 3 Aprox : / 3 70:1 40: : / 3 100:1 60: : / 3 120:1 70: : / 3 200:1 120: : / 3 300:1 175:1 4.3 A tensão máxima de operação será definida pela tensão primária nominal multiplicada pelo fator de sobretensão em regime contínuo dos transformadores de potencial que constituem o SEMTS, de acordo com a Tabela 3. Tabela 3 Fatores de sobretensão Fator de sobretensão Grupo de ligação Contínuo 30 s 1 1,15 1,15 2 1,15 1,5 3 1,9 1,9 4.4 As tensões máximas padronizadas do SEMTS são: 15 kv, 24,2 kv e 36,2 kv. Os níveis de isolamento padronizados são apresentados na Tabela 4. Tensão máxima do SEMTS (Valor eficaz) Tabela 4 Níveis de isolamento para SEMTS Tensão suportável nominal de impulso atmosférico (Valor de crista) Tensão suportável nominal à freqüência industrial durante 1 minuto (Valor eficaz) (kv) (kv) (kv) , , A freqüência nominal dos SEMTS deve ser 60 Hz. 4.6 Nos SEMTS a corrente nominal será definida pela corrente primária nominal do transformador de corrente conforme faixa de relações nominais simples e duplas de 0,5:1 até 120: A corrente máxima dos transformadores de corrente do SEMTS será definida a partir do fator térmico (F t ) especificado para os seguintes valores: 1,0; 1,2; 1,3; 1,5 e 2, Os transformadores de corrente devem estar enquadrados na classe de exatidão 0,2 ou na classe de exatidão 0, Um transformador de corrente para serviço de medição está dentro de sua classe de exatidão quando os pontos determinados pelos fatores de correção de relação (FCR) e pelos ângulos de fase (β) estiverem dentro do paralelogramo de exatidão, especificados nas Figuras 1 e 2, correspondente a sua classe de exatidão O paralelogramo interno refere-se a 100 % da corrente nominal e o paralelogramo externo, refere-se a 10 % da corrente nominal. No caso de transformador de corrente com fator térmico nominal

7 7 superior a 1,0; o paralelogramo interno refere-se, também, para a corrente nominal multiplicada pelo fator térmico nominal Os transformadores de corrente do SEMTS deverão ter classe de exatidão especificada conforme subitem 4.7, para cada relação nominal e, para uma ou mais cargas padronizadas Serão consideradas as cargas padronizadas conforme a Tabela 5. Designação Potência aparente (VA) Tabela 5 - Cargas Nominais Fator de Resistência potência (Ω) Reatância indutiva (Ω) Impedância (Ω) C 2.5 2,5 0,90 0,09 0,044 0,1 C 5.0 5,0 0,90 0,18 0,087 0, A classe de exatidão deverá ser assegurada para a faixa de operação compreendida entre 10 % da corrente nominal e a corrente máxima definida pelo fator térmico para todas as cargas especificadas. LIMITES DA CLASSE DE EXATIDÃO 0,2 EM TC PARA SERVIÇO DE MEDIÇÃO FATOR DE CORREÇÃO DA RELAÇÃO (FCR) 1,0050 1,0040 1,0030 1,0020 1,0010 1,0000 0,9990 0,9980 0,9970 0,9960 0, % In 100% In.FT ATRASADO 10% In ÂNGULO DE FASE (MINUTOS) ADIANTADO Figura 1 Paralelogramos de exatidão para a classe 0,2 LIMITES DA CLASSE DE EXATIDÃO 0,3 EM TC PARA SERVIÇO DE MEDIÇÃO FATOR DE CORREÇÃO DA RELAÇÃO (FCR) 100% In 10% In 100% In.FT 1,0070 1,0060 1,0050 1,0040 1,0030 1,0020 1,0010 1,0000 0,9990 0,9980 0,9970 0,9960 0,9950 0,9940 0, ATRASADO ÂNGULO DE FASE (MINUTOS) ADIANTADO Figura 2 Paralelogramos de exatidão para a classe 0,3

8 8 4.8 Os transformadores de potencial indutivo devem estar enquadrados na classe de exatidão 0,2 ou na classe de exatidão 0, Considera-se que um transformador de potencial indutivo para serviço de medição está dentro de sua classe de exatidão quando os pontos determinados pelos fatores de correção de relação (FCR) e pelos ângulos de fase (β) estiverem dentro dos paralelogramos de exatidão, especificados nas Figuras 3 e 4, correspondente a sua classe de exatidão Os transformadores de potencial indutivo deverão ter a classe de exatidão especificada conforme subitem 4.8 para cada relação nominal, em vazio e para uma ou mais cargas padronizadas Serão consideradas as cargas padronizadas conforme as Tabelas 6 e 7. Designação Tabela 6 Cargas nominais para tensão secundária de 120 V Potência Fator de Resistência Reatância aparente potência (Ω) indutiva (VA) (Ω) Impedância (Ω) P 12,5 12,5 0,10 115,2 1146, P ,70 403,2 411,3 576 Tabela 7 Cargas nominais para tensão secundária de 120/ 3 V Designação Potência aparente Fator de potência Resistência (Ω) Reatância indutiva Impedância (Ω) (VA) (Ω) P 12,5 12,5 0,10 38,4 382,0 384 P ,70 134,4 137, A classe de exatidão deverá ser assegurada para a faixa de operação compreendida entre 90% e 110% da tensão nominal para todas as cargas especificadas. LIMITES DA CLASSE DE EXATIDÃO 0,2 EM TP PARA SERVIÇO DE MEDIÇÃO 1,0025 FARTOR DE CORREÇÃO DA RELAÇÃO (FCRp 1,0020 1,0015 1,0010 1,0005 1,0000 0,9995 0,9990 0,9985 0,9980 0, ÂNGULO DE FASE (MINUTOS) ATRASADO ADIANTADO Figura 3 Paralelogramo de exatidão para classe 0,2

9 LIMITES DA CLASSE DE EXATIDÃO 0,3 EM TP PARA SERVIÇO DE MEDIÇÃO 1,0040 FARTOR DE CORREÇÃO DA RELAÇÃO (FCRp) 1,0030 1,0020 1,0010 1,0000 0,9990 0,9980 0,9970 0, ÂNGULO DE FASE (MINUTOS) ATRASADO ADIANTADO Figura 4 Paralelogramo de exatidão para a classe 0,3 4.9 O dispositivo de medição deve medir a energia elétrica através da integração da potência de energia elétrica em relação ao tempo O dispositivo de medição deve ser polifásico para medição indireta, com corrente nominal de 2,5 A e corrente máxima de 10 A ou 20 A, freqüência nominal de 60 Hz e tensão nominal de 120V V O dispositivo de medição deverá ter o seu consumo de energia especificado da seguinte forma: a) O consumo total do circuito de potencial do dispositivo de medição polifásico sob tensão nominal, freqüência nominal, na temperatura de referência 25ºC deverá ser no máximo de 2 W e 10 VA. No caso de dispositivos de medição em que a fonte de alimentação estiver ligada em uma única fase, o consumo máximo total deverá ser de 6 W e 15 VA para a tensão nominal. b) O consumo total de cada um dos circuitos de corrente de um dispositivo de medição conectado através de um TC, submetido a corrente nominal, freqüência nominal e na temperatura de referência 25 C, não deverá ser superior a 0,5 VA. 5. PRESCRIÇÕES TÉCNICAS 5.1 O corpo do SEMTS deve ser fabricado em materiais poliméricos e os demais componentes externos devem ser fabricados em materiais com resistência a raios ultravioleta e intempéries. Além disso, a construção e montagem eletromecânica do sistema devem garantir que não haja estilhaçamento em caso de explosão A caixa de medição, quando existente, deve ser indeformável e ser adaptada à base do SEMTS de modo a impedir a entrada de insetos, poeira, bem como a fraude, por introdução de corpos estranhos, sem deixar vestígios. O sistema de vedação deve ser de material não-higroscópico e deve ser resistente à deterioração nas condições normais de serviço Os terminais do SEMTS devem ser adequadamente identificados, para facilitar sua ligação correta, usando as marcas de polaridade e, além destas, uma letra e algarismos em cada um dos terminais Os terminais externos primários dos SEMTS devem ser numerados como se segue: a) O número 0 para o terminal de neutro de entrada, b) Os números 1, 2 e 3, para os demais terminais de entrada; c) Os números 4, 5 e 6, para os terminais de saída Os terminais secundários e os terminais internos dos SEMTS devem ser Marcação dos terminais dos transformadores de potencial (TP) 9

10 A letra distingue o enrolamento a que pertence o terminal: a) H terminal do enrolamento primário; b) X terminal do enrolamento secundário Os algarismos, dispostos conforme a série natural dos números inteiros, são usados como especificado a seguir: a) Quando antes da letra, o algarismo indica o número do enrolamento primário ou secundário, ou as diferentes fases nos conjuntos da medição; b) Quando depois da letra, o mais baixo e o mais alto dos algarismos da série indicam o enrolamento completo, e os intermediários indicam as derivações em sua ordem relativa Quando um TPI permitir religações, deve constar na placa de identificação do SEMTS, as identificações necessárias para execução correta das religações Marcação dos terminais dos transformadores de corrente (TC) A letra distingue o enrolamento a que pertence o terminal: a) P terminal do enrolamento primário; b) S terminal do enrolamento secundário Os algarismos, dispostos conforme a série natural dos números inteiros, devem ser usados como especificado a seguir: a) Quando antes da letra, o algarismo indica o número do enrolamento primário ou secundário, ou as diferentes fases nos conjuntos da medição; b) Quando depois da letra, o mais baixo e o mais alto dos algarismos da série indica o enrolamento completo, e os intermediários indicam as derivações em sua ordem relativa Quando um TC permitir religações, devem constar na placa de identificação do SEMTS, as identificações necessárias para execução correta das religações O SEMTS deve possuir pára-raios do tipo polimérico destinados à proteção contra surtos de tensões provenientes de indução eletromagnética, manobras no sistema e descargas atmosféricas. 5.2 Os transformadores de corrente do SEMTS devem ser fabricados em materiais dielétricos poliméricos. 5.3 Os transformadores de potencial indutivo do SEMTS devem ser fabricados em materiais dielétricos poliméricos. 5.4 O dispositivo de saída para ajuste deve permitir acesso à saída de pulso do dispositivo de medição do SEMTS de modo a possibilitar o ajuste do sistema como um todo. 5.5 Os dispositivos de telemetria devem estar em conformidade com as Resoluções da ANATEL aplicáveis A carga imposta pelo dispositivo de telemetria, quando este for alimentado através do secundário de um dos transformadores de potencial integrantes do SEMTS, não deve influenciar em sua classe de exatidão A tecnologia utilizada para transmissão remota dos dados deve atender ao previsto na legislação específica que estabeleça os requisitos para validade jurídica de transações eletrônicas. 5.6 O dispositivo indicador remoto deve ser para uso obrigatório O dispositivo mostrador deve ser do tipo digital e todas as informações apresentadas serem legíveis frontalmente Os dígitos das grandezas e códigos identificadores apresentados no dispositivo mostrador não devem ter altura inferior a 5,0 mm e a largura inferior a 3,0 mm, considerando-se o dígito de sete segmentos completos O dispositivo mostrador deve ter, no mínimo, cinco dígitos, para apresentar adequadamente as grandezas medidas O ponto decimal da grandeza demanda de energia elétrica apresentada no dispositivo mostrador, deve ser programável para até três casas decimais pelo menos Se no dispositivo mostrador forem apresentadas seqüências de grandezas ou pulsos com informações diferentes, um código identificador de no mínimo dois dígitos deverá ser criado para identificar individualmente cada uma delas; este código deve ser apresentado à esquerda do dispositivo mostrador quando visto de frente A quantidade de caracteres deste código deverá ser adicionada ao número de dígitos exigidos do dispositivo mostrador especificado em

11 Estes códigos identificadores poderão ser programáveis de acordo com as necessidades de cada aplicação ou fixos Quando o dispositivo mostrador for do tipo cíclico, o tempo de apresentação de cada uma das informações deve ser, no mínimo, de 6 s. 5.7 A exatidão da base de tempo do relógio dos registradores de múltipla tarifação deve ser de no mínimo ± 0,003% (30 ppm) em toda a faixa de temperatura de operação Para os casos que o dispositivo de medição possua como base primária a freqüência da rede, a base de tempo secundária poderá ser de no máximo ± 0,02% (200 ppm) O início e o fim dos intervalos de chaveamento do posto tarifário ativado nos períodos de tarifação horosazonal devem permitir a programação com um intervalo de pelo menos 60min entre eles O intervalo de demanda deve ser programável, sendo que os valores típicos são 5min, 15min, 30min e 60min O intervalo de demanda deve estar sincronizado para iniciar junto com a ativação do posto tarifário Os registradores para múltipla tarifação devem ser capazes de manter o horário do relógio interno, o programa e as informações registradas durante uma eventual falta de energia de, no mínimo, 120h a 25ºC ± 5 C e devem possuir rotina de retorno automático ao modo de operação normal quando do restabelecimento da energia elétrica. 5.8 Deve ser disponibilizada uma senha com código de segurança para prevenir o acesso não autorizado aos registradores programáveis, evitando mudanças não autorizadas no programa e no arquivo de informações registradas. 5.9 A disposição dos terminais externos dos SEMTS deve ser do tipo LINHA-CARGA As ligações internas dos SEMTS devem estar de acordo com as Figuras 5 e 6, apresentadas a seguir: Figura 5 Diagrama de ligações para SEMTS de três elementos Figura 6 Diagrama de ligações para SEMTS de dois elementos 6. SELAGEM 6.1 Disposições Gerais Todo SEMTS deve ter dispositivos para selagem da caixa de medição e de quaisquer pontos de acesso externos.

12 6.1.2 As selagens mecânicas devem ser invioláveis e apropriadas para o uso pretendido. As selagens eletrônicas são permitidas Os pontos de selagem devem permitir a verificação visual a partir da base do poste Os dispositivos de selagem, mecânicos ou eletrônicos, devem impedir a modificação dos parâmetros que participam na determinação dos resultados da medição (parâmetros de correção e conversão em particular). 6.2 Dispositivo de selagem eletrônico Quando o acesso aos parâmetros que participam na determinação dos resultados da medição não for protegido por dispositivos de selagem mecânicos, a proteção deve satisfazer às seguintes exigências: a) o acesso deve somente ser permitido para pessoas autorizadas, por meio de um código de acesso (senha) ou de um dispositivo especial (hard key ou equivalente); o acesso por meio de uma única senha não deve ser possível, deve haver níveis hierárquicos de permissão. Na documentação devem ser identificados estes níveis; b) deve ser possível rastrear, pelo menos, as dezesseis últimas intervenções; os registros devem incluir a data, tempo e um elemento característico possibilitando identificar a pessoa autorizada que fez a intervenção e os valores dos parâmetros alterados. Se o apagamento de uma intervenção anterior ocorrer para permitir um novo armazenamento, deve principiar pelas informações mais antigas. A rastreabilidade destas intervenções deve ser garantida por, pelo menos, dois anos, se o seu armazenamento não for apagado para armazenar uma intervenção posterior Para sistemas de medição com partes que possam ser desconectadas uma da outra pelo usuário e que sejam intercambiáveis ou não, as seguintes exigências devem ser cumpridas: a) não deve ser possível acessar parâmetros que participam da determinação dos resultados das medições através de pontos desconectados; b) deve ser impedida a interposição de qualquer dispositivo que possa influenciar a exatidão das medições; c) esses sistemas devem ser equipados com dispositivos que não permitam seu funcionamento se as diversas partes não estiverem conectadas conforme a configuração proposta pelo fabricante. 7. INSCRIÇÕES OBRIGATÓRIAS 7.1 O SEMTS deve ser provido de placa de identificação em alumínio anodizado ou de material não oxidável, adequadamente fixada em local visível do equipamento, quando instalado, não sendo permitida a simples colagem. 7.2 Devem constar na placa de identificação as informações abaixo, indicadas em português, gravadas de forma legível, indelével e monocromática: a) fabricante b) ano de fabricação c) número de série d) tipo ou modelo f) freqüência nominal g) número de elementos h) tensão máxima i) transformadores de potencial i1) tensão primária nominal i2) tensão secundária nominal i3) relação nominal de transformação i4) grupo de ligação i5) fator de sobretensão contínuo/30 s j) transformadores de corrente j1) corrente primária nominal j2) corrente secundária nominal j3) relação nominal de transformação j4) fator térmico nominal l) classe de exatidão do SEMTS m) Portaria de aprovação de modelo do SEMTS (Inmetro/Dimel Nº.../...); n) espaço destinado à identificação do usuário, com dimensões mínimas de 10 mm x 50 mm 12

13 o) diagrama das ligações internas do SEMTS. 8. CONTROLE METROLÓGICO 8.1 Apreciação técnica de modelo Apreciação técnica de modelo de um SEMTS Os sistemas encapsulados de medição a transformador a seco, sujeitos ao controle metrológico legal, devem ser submetidos à apreciação técnica de modelo O Inmetro reconhecerá, por meio de portaria de aprovação de modelo, que o sistema de medição satisfaz às exigências regulamentares que lhe sejam aplicáveis A intercambiabilidade, entre modelos diferentes, de um dispositivo de medição somente será permitida quando este se constituir em medidor eletrônico de modelo aprovado desde que com as mesmas características de carga Os modelos de medidores eletrônicos utilizados como dispositivo de medição no SEMTS devem ser indicados pelo fabricante Os ensaios a serem realizados com vista à aprovação de modelo de um SEMTS devem levar em conta a aprovação de modelo em separado dos componentes do sistema, quando for o caso Quando nenhum componente tiver aprovação de modelo em separado, todos os ensaios previstos no presente Regulamento devem ser realizados no SEMTS completo Consideram-se de um mesmo modelo os SEMTS com a mesma designação, mesmo projeto básico e que apresentem as seguintes características comuns: a) disposição, forma e montagem do conjunto do SEMTS e dos transformadores de corrente e de potencial; b) classe de isolação do SEMTS, definida pela tensão máxima do equipamento em kv; c) número de elementos configurados para o SEMTS; d) relações nominais de transformação para os transformadores de corrente e de potencial, limitadas a até duas relações por tipo de transformador; e) relação entre a corrente máxima e a corrente nominal expressa através do fator térmico dos transformadores de corrente; f) relação entre a tensão máxima e a tensão nominal expressa através do fator de sobretensão contínuo dos transformadores de potencial; g) especificações técnicas do dispositivo de medição utilizado: - tensão nominal e máxima - freqüência nominal - corrente nominal e máxima - número de fases - número de elementos de medição - número de fios - constante do dispositivo de medição - índice de classe do dispositivo de medição - perdas internas do dispositivo de medição h) classe de exatidão do SEMTS; i) faixa de carga imposta aos TP e TC que garante a classe de exatidão do SEMTS Os SEMTS feitos por fabricantes distintos, devem ter designação de modelo diferente Os elementos constituintes de um SEMTS, tais como: dispositivo de medição, dispositivos auxiliares que fornecem ou armazenam os resultados da medição e os sub-sistemas que incluam esses elementos, podem ser submetidos a aprovação de modelo em separado Os elementos componentes de um SEMTS devem estar em conformidade com as exigências regulamentares Um SEMTS deve ser capaz de cumprir as exigências do presente Regulamento sem ajustes do sistema ou de seus dispositivos durante o curso dos ensaios. Se um ajuste for necessário, devem ser reiniciados os ensaios A solicitação para apreciação técnica de modelo de um sistema de medição, ou de um elemento constituinte de um sistema de medição, deve incluir os seguintes documentos: a) descrição das características técnicas, princípios de funcionamento e diagrama de blocos para entendimento de funcionamento das partes e de todo o conjunto; 13

14 b) desenho e/ou fotografia do SEMTS e suas partes componentes com clara identificação de cada um e uma clara descrição funcional das partes componentes; c) lista dos componentes com a descrição dos seus materiais constitutivos quando eles tiverem importância metrológica; d) para os SEMTS, a relação das portarias de aprovação de modelo dos elementos componentes, se for o caso; e) desenho do plano de localização das selagens e marcas de verificação; f) desenho da placa com as inscrições obrigatórias, conforme item 7; O requerente deve colocar à disposição do Inmetro uma amostra constituída de dois exemplares de SEMTS do mesmo modelo, dos quais um deve ser submetido a todos os ensaios definidos no subitem e o segundo deve ser os ensaios definidos no subitem Os documentos apresentados devem ser examinados para verificar a conformidade com as exigências deste Regulamento O modelo é considerado aprovado quando o conjunto de toda a amostra dos SEMTS atender às prescrições deste Regulamento Após a conclusão dos exames e ensaios, o exemplar do modelo de SEMTS aprovado ficará sob a guarda do Inmetro ou de órgão metrológico delegado, junto com uma cópia dos registros do processo de aprovação de modelo A portaria de aprovação de modelo deve conter pelo menos as seguintes informações: a) nome e endereço do requerente da portaria de aprovação; b) nome e endereço do fabricante, se for diferente do requerente; c) modelo(tipo); d) principais características metrológicas e técnicas; e) marca da aprovação de modelo; f) informações sobre a localização das marcas de aprovação de modelo, da verificação inicial, da verificação após reparos e da selagem, através de desenho; g) lista dos anexos à portaria de aprovação de modelo A versão aprovada da parte metrológica do software avaliado deve ser indicada na portaria de aprovação de modelo Aprovação de modelo de um dispositivo auxiliar Quando um dispositivo auxiliar, que fornece indicações principais, for submetido à apreciação técnica separadamente, suas indicações devem ser comparadas com aquelas fornecidas por um dispositivo indicador que já tenha sido aprovado e que tenha uma resolução igual ou melhor do que o dispositivo em apreciação. Os resultados devem ser os mesmos, considerando as resoluções Os dispositivos auxiliares podem ser submetidos à apreciação técnica em separado, se tais dispositivos forem utilizados para transmissão das indicações principais Quando todos os dados recebidos estiverem sob forma digital, o dispositivo deve ser ensaiado comparando-o com outro dispositivo cujos erros máximos admissíveis estejam de acordo com este Regulamento O dispositivo pode ser ensaiado em separado, se suas entradas e saídas estiverem acessíveis. Neste caso, o dispositivo não deve introduzir erros, podendo ser constatados somente erros devido ao método de ensaio As condições necessárias para compatibilidade do dispositivo auxiliar com outros dispositivos do SEMTS devem atender aos requisitos deste Regulamento Aprovação de modelo por similaridade A aprovação por similaridade poderá ocorrer quando existir a necessidade de aprovação de um novo sistema derivado de um modelo já aprovado pelo Inmetro e cuja alteração no novo sistema, não justifique a necessidade de realizar todos os ensaios deste Regulamento Além de solicitar a aprovação de modelo por similaridade, o fabricante deverá atualizar todos os documentos e procedimentos que contenham qualquer desvio em relação ao modelo original, fornecer a relação dos ensaios que são diretamente influenciados pela alteração, além de propor novos ensaios não previstos neste Regulamento, caso a alteração aplicada ao sistema assim o exigir. Em qualquer dos casos, o fabricante deve apresentar justificativas técnicas A relação de ensaios indicada pelo solicitante será avaliada na ocasião da análise da documentação e caso haja alguma divergência, o Inmetro informará ao solicitante. 14

15 8.1.4 Modificação de um modelo aprovado O requerente da aprovação de modelo deve informar ao Inmetro qualquer modificação em um modelo já aprovado Para apreciação do Inmetro, o fabricante se obriga a apresentar documentação e, quando solicitado, amostra de qualquer alteração que seja realizada no sistema que não se caracterize em alteração de modelo conforme definido no item 5 deste Regulamento Toda e qualquer alteração que o fabricante realize em um modelo aprovado ou com solicitação de aprovação de modelo em processo deverá ser encaminhada ao Inmetro para análise com os esclarecimentos dos motivos que levaram o fabricante a interpretar ser desnecessária a aprovação de modelo das alterações propostas As modificações devem ser objeto de apreciação técnica de modelo complementar quando possam influenciar os resultados da medição ou a utilização do SEMTS. Cabe ao fabricante apresentar justificativas técnicas para o caso de similaridade a um modelo já aprovado O Inmetro definirá, segundo a natureza da modificação, que ensaios serão realizados no modelo modificado Quando o Inmetro decidir que modificações realizadas em SEMTS de modelo aprovado, não alterem suas características, poderá este órgão autorizar que o SEMTS modificado seja apresentado para verificação inicial Uma portaria de aprovação de modelo, nova ou complementar, deve ser emitida se o modelo modificado não mais atender às exigências da aprovação de modelo inicial Exemplares de modelo para apreciação técnica A apreciação técnica de modelo deve ser executada, pelo Inmetro, em amostra constituída por dois exemplares de SEMTS de mesmo modelo, que serão submetidos a exames e ensaios nas condições estabelecidos neste Regulamento Análise crítica das solicitações As solicitações de apreciação técnica de modelo serão confirmadas através de análise da solicitação, da documentação apresentada e de exame de funcionamento do SEMTS O processo será instaurado e uma comunicação encaminhada ao solicitante, confirmando o aceite da solicitação se a documentação apresentar as informações necessárias e o exame do SEMTS atender ao prescrito neste Regulamento Se os resultados dos exames do SEMTS não atenderem ao prescrito neste Regulamento, o solicitante será informado e, caso seja de interesse, poderá substituir os exemplares O processo poderá ser instaurado com pendência se a documentação apresentar informações suficientes para a execução do exame do item a ser ensaiado, e se o exame apresentar resultados que atendam ao prescrito neste Regulamento Os SEMTS somente poderão ser encaminhados para ensaio após a finalização das pendências de documentação existentes O processo deve ser encerrado se o envio da documentação necessária para a eliminação das pendências não for efetivado em 30 dias, ou a substituição dos exemplares não ocorrer em um período de até 90 dias após a comunicação ao solicitante Se o SEMTS no exame funcional não obtiver êxito durante a avaliação, o fabricante deverá substituir a amostra por outra Todos os exemplares de ensaio substituídos deverão ser examinados e, se obtiverem resultados satisfatórios, o processo de apreciação técnica de modelo terá continuidade e os exemplares de ensaio selecionados encaminhados para análise da documentação, ensaios metrológicos e ensaios de desempenho Ensaios de apreciação técnica de modelo As solicitações de apreciação técnica de modelo deverão ser encaminhadas para o Inmetro Os exemplares serão identificados e encaminhados para os laboratórios de acordo com procedimento específico. Ao término da realização dos ensaios e emissão dos relatórios, os exemplares serão devolvidos para armazenamento em locais adequados, para comprovações futuras Os exemplares do SEMTS devem ser submetidos aos seguintes ensaios: No exemplar 1 O SEMTS deverá ser submetido aos seguintes ensaios, conforme seqüência a seguir: a) tensão induzida nos transformadores (TPI e TC); 15

16 b) tensão suportável à freqüência industrial a seco nos transformadores (TPI e TC); c) descargas parciais; d) resistência dos enrolamentos dos transformadores (TPI e TC); e) corrente de excitação e perdas em vazio no TPI; f) impedância de curto-circuito no TPI; g) tensão suportável de impulso atmosférico nos transformadores (TPI e TC); h) curto-circuito de TPI; i) corrente suportável nominal de curta duração no TC; j) valor de crista nominal de corrente suportável (corrente dinâmica nominal) no TC; k) tensão suportável à freqüência industrial sob chuva no SEMTS; l) elevação de temperatura nos transformadores (TPI e TC); m) tensão de circuito aberto no TC No exemplar 2 O SEMTS deverá ser submetido aos seguintes ensaios, conforme seqüência a seguir: a) polaridade nos transformadores (TPI e TC); b) exatidão nos transformadores (TPI e TC); c) exatidão do SEMTS; d) início de funcionamento do SEMTS; e) corrente de partida do SEMTS; f) marcha em vazio do SEMTS; g) determinação de coeficiente de temperatura do SEMTS; h) ensaio do registrador; i) ensaio do dispositivo de telemetria 8.2 Verificação inicial Os SEMTS a que se referem este Regulamento só poderão ser empregados na medição de energia elétrica, quando aprovados em verificação inicial Os SEMTS aprovados devem ser selados e receber a marca de verificação do Inmetro Os ensaios da verificação inicial devem ser realizados em todos os SEMTS, na seguinte seqüência: a) Inspeção visual da correspondência ao modelo aprovado; b) Inspeção geral do SEMTS: - estado geral de terminais, conexões, buchas de isolação, fixação dos cabos e pára-raios; - vedação, presença de lacre; - placa de identificação; c) Ensaios dielétricos conforme descrito abaixo: - Tensão induzida; - Tensão suportável à freqüência industrial a seco; - Descargas parciais. d) Ensaios de exatidão conforme descrito abaixo: - Exatidão dos transformadores de corrente; - Exatidão dos transformadores de potencial; - Exatidão do SEMTS. e) Determinação da constante do SEMTS; f) Exame da correspondência fasorial do SEMTS; g) Ensaio do dispositivo de telemetria; h) Ensaio do indicador remoto (display) A verificação inicial deverá ser realizada nas instalações do fabricante ou em local autorizado pelo Inmetro A verificação inicial deverá ser feita em um SEMTS cujo modelo tenha sido aprovado. 8.3 Verificação por solicitação do usuário A verificação por solicitação do usuário deve, sempre que possível, ser realizada nas instalações do consumidor Quando o órgão metrológico competente identificar e registrar a impossibilidade técnica de sua realização deverá comunicar à concessionária a necessidade de remoção do SEMTS. Esta remoção deverá seguir o disposto na Resolução 456 da ANEEL. 16

17 8.3.2 A verificação por solicitação do usuário, quando realizada na instalação do consumidor, compreende: a) exame de conformidade ao modelo aprovado; b) inspeção geral do SEMTS e suas respectivas ligações; c) inspeção da selagem da tampa do SEMTS, conforme plano de selagem estabelecido quando da aprovação do modelo; d) averiguação da tensão secundária de cada transformador de potencial; e) ensaio de marcha em vazio; f) ensaio de exatidão do SEMTS ; g) aposição da marca identificadora do Inmetro A verificação por solicitação do usuário, quando realizada em laboratório, compreende: a) exame da conformidade ao modelo aprovado; b) inspeção geral do SEMTS; c) inspeção da selagem da tampa do SEMTS; d) ensaio de marcha em vazio; e) influência da variação da corrente entre 10% da corrente nominal até I máx, em no mínimo, 3 (três) condições distintas de corrente, e com a mesma intensidade de corrente em todos os elementos; f) aposição da marca identificadora do Inmetro O erro máximo admissível na verificação por solicitação do usuário, quando realizada em laboratório, deve estar compreendido entre os limites definidos para a classe de exatidão dos SEMTS para cargas que variam de 10% da corrente nominal (I n ) até corrente máxima (I max ), conforme Tabela A concessionária fornecedora de energia elétrica e os usuários envolvidos devem ser notificados quanto às anomalias encontradas. A concessionária deve providenciar a correção no SEMTS ou sua substituição, conforme o caso. 8.4 Verificação após reparos Apenas poderão ser reparados os SEMTS cujo modelo tenha sido aprovado pelo Inmetro Todo SEMTS reparado em fábrica deverá ser submetido aos ensaios da verificação inicial Os SEMTS somente poderão ser reparados em campo quando envolver as seguintes condições: a) substituição do dispositivo de medição por outro sob controle metrológico legal e previamente calibrado; b) reparo ou substituição do dispositivo de telemetria em conformidade com a aprovação de modelo do SEMTS; c) reparo ou substituição do dispositivo auxiliar de indicação remota em conformidade com a aprovação de modelo do SEMTS; d) substituição do dispositivo de proteção (pára-raio) Os reparos não poderão alterar as características originais do SEMTS O erro máximo admissível do SEMTS na verificação após reparos deve estar compreendido entre os limites definidos para a classe de exatidão do SEMTS, conforme Tabela Exame de conformidade ao modelo aprovado O exame de conformidade ao modelo aprovado deve ser executado pelo Inmetro, em amostra constituída por dois exemplares de SEMTS do mesmo modelo, escolhidos pelo Inmetro, os quais serão submetidos a exames e ensaios nas condições estabelecidas neste Regulamento Os exemplares de SEMTS da amostra devem satisfazer a este Regulamento e manter as características e o desempenho verificados quando da aprovação do respectivo modelo O exame de conformidade ao modelo aprovado poderá ser realizado pelo Inmetro a qualquer momento, em todos os modelos de SEMTS já aprovados. A periodicidade da avaliação de conformidade é de no máximo cinco (5) anos. 9. CONDIÇÕES DE UTILIZAÇÃO 9.1 Todos os pontos previstos no plano de selagem devem permanecer lacrados. 9.2 Qualquer dispositivo projetado para ser instalado junto ao SEMTS deve ser aprovado pelo Inmetro, com vista à verificação de interferência no funcionamento do SEMTS. 9.3 O SEMTS deve manter todas as características de construção do modelo aprovado, alterações autorizadas e estar com todas as partes, peças e dispositivos em perfeitas condições de conservação e funcionamento. 17

18 O SEMTS deve efetuar medições dentro dos limites estabelecidos neste Regulamento. 9.5 Todas as inscrições obrigatórias, unidades, símbolos e indicações devem se apresentar de forma clara e facilmente legíveis. 10. DISPOSIÇÕES GERAIS 10.1 Os sistemas de medição atualmente em uso, que não tenham o seu modelo aprovado, poderão continuar a ser utilizados, desde que atendam aos requisitos estabelecidos neste Regulamento Os dispositivos adicionais dos sistemas de medição devem ser certificados segundo normas pertinentes Os sistemas de medição recondicionados devem ser submetidos a nova verificação metrológica por parte do Órgão Metrológico competente e estar de acordo com as prescrições previstas neste Regulamento O Inmetro ou o órgão metrológico delegado poderá selecionar 2 (dois) SEMTS, de qualquer lote, de um sistema importado, para a realização do exame de conformidade ao modelo aprovado Para efeitos deste Regulamento o importador assemelha-se ao fabricante.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 221, de 09 de dezembro de 2003.

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0167, de 30 de setembro de 2014.

Portaria Inmetro/Dimel nº 0167, de 30 de setembro de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0167, de 30 de setembro

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente

Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.6 Transformadores para Instrumentos. TP Transformador de Potencial. TC Transformador de Corrente Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 084, de 06 de junho de 2006.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 370, de 19 de dezembro de 2007.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 135, de 18 de agosto de 2005.

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0208, de 05

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 114, de 29 de junho de 1998. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Vocabulário Internacional de Termos de Metrologia Legal Portaria Inmetro nº 163 de 06 de Setembro de 2005

Vocabulário Internacional de Termos de Metrologia Legal Portaria Inmetro nº 163 de 06 de Setembro de 2005 Vocabulário Internacional de Termos de Metrologia Legal Portaria Inmetro nº 163 de 06 de Setembro de 2005 VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE TERMOS DE METROLOGIA LEGAL 1 INMETRO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 167, de 05 de dezembro de 2000. O

Leia mais

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014.

Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro nº 528, de 03 de dezembro de 2014. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE:

Número: TERMO DE REFERÊNCIA PRL 001/2012. Data: PRL Gerência do Programa Luz para Todos 26/01/2012 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: 1.0 - OBJETO/FINALIDADE: Aquisição de 7.812 Unidades de Medição Eletrônica de Energia Elétrica, 1 elemento, 1 fase, 3 fios, 240V e 15(100)A para implantação em padrões de entrada de unidades consumidoras

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 185, de 24 de outubro de 2003.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 007, de 11 de janeiro de 2007.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO /DIMEL N o 342, de 06 de novembro de

Leia mais

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA

Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro nº 480, de 30 de setembro de 2015. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n o 0178, de

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0250, de 14 de dezembro de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel nº 0250, de 14 de dezembro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0250, de 14 de dezembro

Leia mais

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996.

Art. 5º Esta Portaria revoga a Portaria Inmetro n.º 24/1996. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria Inmetro n.º 153, de 12 de agosto de 2005 O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012. Portaria Inmetro/Dimel n.º 0089, de 31 de maio de 2012. O Diretor de Metrologia Legal do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia Inmetro, no exercício da delegação de competência outorgada

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0048, de 09 de março de

Leia mais

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO

Ministério da Indústria e do Comércio. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Ministério da Indústria e do Comércio Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 023 de 25 de fevereiro de 1985 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia,

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO. Título. Medidor Eletrônico de Energia Elétrica Quatro Quadrantes de Múltiplas Funções Medição Indireta 1 Usuários: Divisão de Medição e Proteção da Receita, Gerências e Centros Regionais. SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/nº 480, de 16 de dezembro de 2009.

Portaria Inmetro/Dimel/nº 480, de 16 de dezembro de 2009. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/nº 480, de 16 de

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014. Pregão Presencial nº 009/2014

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014. Pregão Presencial nº 009/2014 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Nº 001/2014 Pregão Presencial nº 009/2014 Aos 17 dias do mês de abril de 2014, na sala de licitações da CENTRAIS ELÉTRICAS DE CARAZINHO S/A. ELETROCAR, com sede na Av. Pátria,

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5

Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Rev. 16/06/2015 Página 1 de 5 Este anexo aplica-se às certificações cujas quais não apresentam critérios específicos para definição de laboratórios no Programa de Avaliação da Conformidade. Nestes casos,

Leia mais

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR

6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR 6. EXECUÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO EM MÉDIA TENSÃO 6.1 DIMENSIONAMENTO DO TRANSFORMADOR Basicamente o transformador da subestação é dimensionado pela demanda da empresa no qual será instalado, porém este

Leia mais

Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25 de junho de 2009

Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25 de junho de 2009 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria Inmetro /Dimel n.º 224, de 25

Leia mais

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria nº 220,de 19 de maio de 2011. CONSULTA PÚBLICA OBJETO:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 035, de 29 de março de 2005.

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Art. 1º Dar nova redação aos art. 4º e 5º da Portaria Inmetro n.º 105/2012, que passarão a vigorar com a seguinte redação:

Art. 1º Dar nova redação aos art. 4º e 5º da Portaria Inmetro n.º 105/2012, que passarão a vigorar com a seguinte redação: Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 184, de 31 de março de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 221, de 09 de dezembro de 2005.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA MEDIDOR DE ENERGIA ELRICA ELRÔNICO SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. CONCEITOS 02 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 02 5. INSTRUÇÕES GERAIS 03 5.1. Condições de Serviço 03 5.2. Características

Leia mais

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração?

1. A Vigilância Sanitária pode acatar a verificação metrológica realizada pelo IPEM como calibração? Página 1 de 8 Esclarecimentos prestados pelo IPEM-PR aos questionamentos realizados pela Vigilância Sanitária, através do oficio n 420/2014 DVVSP/CEVS/SVS de 04 de junho de 2014. 1. A Vigilância Sanitária

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0198, de 01 de julho de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0198, de 01 de julho de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel/n.º 0198, de 01

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0218, de 21 de novembro de 2014. Considerando o constante do processo Inmetro nº 52600.018970/2014, resolve:

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0218, de 21 de novembro de 2014. Considerando o constante do processo Inmetro nº 52600.018970/2014, resolve: Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0218, de 21 de novembro

Leia mais

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014.

Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 342, de 22 de julho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013.

Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 5, de 8 de janeiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 049, de 06 de abril de 2004.

Leia mais

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas:

Podem-se destacar alguns equipamentos responsáveis pelo baixo fator de potência nas instalações elétricas: 4. FATOR DE POTÊNCIA Um baixo fator de Potência pode vir a provocar sobrecarga em cabos e transformadores, aumento das perdas do sistema, aumento das quedas de tensão, e o aumento do desgaste em dispositivos

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 03 2. ÂMBITO 03 3. CONCEITOS 03 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS 03 5. INSTRUÇÕES GERAIS 04 5.1. Condições de Serviços 04 5.2. Identificação dos transformadores 04 5.3.

Leia mais

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010

PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 PORTARIA N 1279, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 19 da Lei nº. 9.503, de 23 de setembro de 1997, que instituiu

Leia mais

Portaria n.º 239, de 09 de maio de 2012.

Portaria n.º 239, de 09 de maio de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 239, de 09 de maio de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 223, de 18 de dezembro de 1996. O Diretor

Leia mais

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013.

Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 558, de 19 de novembro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro de 2011.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0305, de 13 de outubro

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0008, de 05 de janeiro de 2012.

Portaria Inmetro/Dimel nº 0008, de 05 de janeiro de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0008, de 05 de janeiro

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 051, de 13 de abril de 2005.

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel nº 0033, de 06 de março de 2015. (5º aditivo à Portaria Inmetro/Dimel nº 229/2011)

Portaria Inmetro/Dimel nº 0033, de 06 de março de 2015. (5º aditivo à Portaria Inmetro/Dimel nº 229/2011) Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria Inmetro/Dimel nº 0033, de 06 de março de

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 536, de 21 de outubro de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5

Relé de Proteção do Motor RPM ANSI 37/49/50/77/86/94 CATÁLOGO. ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 CATÁLOGO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Relé de Proteção de Motores RPM foi desenvolvido para supervisionar até 2 (dois) grupos ventiladores/motores simultaneamente, é utilizado

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 094, de 24 de setembro de 1999.

Leia mais

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução

FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA. Introdução FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Introdução A questão do fornecimento de energia elétrica é de suma importância para um funcionamento adequado de equipamentos eletro-eletrônicos. Assim sendo, cabe ao poder

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO - MICT INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/N 022, de 14 de fevereiro d e 1995. O Diretor

Leia mais

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0056, de 01 de abril de 2015.

Portaria Inmetro/Dimel n.º 0056, de 01 de abril de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA INMETRO Portaria Inmetro/Dimel n.º 0056, de 01 de abril de

Leia mais

INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS

INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS Introdução Obrigado por ter escolhido nosso INDICADOR MULTI-PONTOS TM-2100CS. Para garantir o uso correto e eficiente do TM-2100CS, leia este manual completo e atentamente

Leia mais

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015.

Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 65, de 28 de janeiro de 2015. O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 168, de 21 de outubro de 2005.

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002

ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 MEDIDOR ELETRÔNICO ELO2106 MANUAL DO USUÁRIO Agosto de 2008 ELO Sistemas Eletrônicos S.A. 100406011-002 Índice ÍNDICE... I INTRODUÇÃO... 1-1 CONTEÚDO DESTE MANUAL... 1-1 ONDE OBTER MAIS INFORMAÇÕES...

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 220, de 17 de novembro de 2004.

Leia mais

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração.

1) MANUAL DO INTEGRADOR Este documento, destinado aos instaladores do sistema, com informações de configuração. O software de tarifação é uma solução destinada a rateio de custos de insumos em sistemas prediais, tais como shopping centers. O manual do sistema é dividido em dois volumes: 1) MANUAL DO INTEGRADOR Este

Leia mais

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é

AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é 70 NORMAS ABNT APLICÁVEIS AOS MEDIDORES ELETRÔNICOS DE ENERGIA ELÉTRICA DISCUTIDAS EM CONSULTA NACIONAL Por Jeferson Marcondes e Marcos Aurélio Ribeiro AAssociação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Leia mais

Portaria n.º 073 de 29 de março de 2006.

Portaria n.º 073 de 29 de março de 2006. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 073 de 29 de março de 2006.

Leia mais

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador.

Figura 8.1 Representação esquemática de um transformador. CAPÍTULO 8 TRANSFORMADORES ELÉTRICOS 8.1 CONCEITO O transformador, representado esquematicamente na Figura 8.1, é um aparelho estático que transporta energia elétrica, por indução eletromagnética, do primário

Leia mais

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.2. Instalação do sistema de medição para faturamento Submódulo 2.2 Instalação do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. Motivo da revisão Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 0 Este documento foi motivado pela criação

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

ETEM 21. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDIDORES ELETROMECÂNICOS DIRETOS Revisão, 27 de maio de 2009

ETEM 21. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDIDORES ELETROMECÂNICOS DIRETOS Revisão, 27 de maio de 2009 ETEM 21 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DE MEDIDORES ELETROMECÂNICOS DIRETOS Revisão, 27 de maio de 2009 SUMÁRIO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 1.1 OBJETIVO...4 1.2 REQUISITOS GERAIS...4 1.2.1 Condições Gerais...4 1.2.2

Leia mais

Calibração de Equipamentos

Calibração de Equipamentos Vídeo Conferência Calibração de Equipamentos Instituto de Pesos e Medidas do Estado do Paraná Junho/2014 Diferença entre calibração e a verificação metrológica Calibração Estabelece o erro de medição e

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040

Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 Multimedidor de Grandezas Elétricas MD4040 MD4040 MD4040/TC Análise de metas e rateio de custos de energia; Leituras instantâneas em amplo display digital; Indicação de tensão de fase e tensão de linha;

Leia mais

Portaria n.º 313, de 26 de junho de 2015.

Portaria n.º 313, de 26 de junho de 2015. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 313, de 26 de junho de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho

Submódulo 12.5. Certificação de padrões de trabalho Submódulo 12.5 Certificação de padrões de trabalho Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador nacional do Sistema Elétrico Atendimento à Resolução Normativa ANEEL

Leia mais

Ministério da Indústria e Comércio

Ministério da Indústria e Comércio Ministério da Indústria e Comércio Instituto Nacional de Pesos e Medidas - INPM Portaria nº. 23, de 25 de junho de 1969 O Diretor-geral do Instituto Nacional de Pesos e Medidas, usando das atribuições

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 104, de 30 de setembro de 1999.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL- INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 116, de 27 de outubro de 1999.

Leia mais

Portaria nº 488, de 4 de novembro de 2014. CONSULTA PÚBLICA

Portaria nº 488, de 4 de novembro de 2014. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria nº 488, de 4 de novembro de 2014. CONSULTA

Leia mais

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 Importantes informações de segurança estão contidas na seção de manutenção. Familiarize se com estas informações antes de instalar ou outros procedimentos.

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais