Ficha Limpa Lei já vale para eleições de 2012 José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ficha Limpa Lei já vale para eleições de 2012 José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação"

Transcrição

1 MATERIAL COMPLEMENTAR - ATUALIDADES NOS VESTIBULARES COLÉGIO IMPULSO SIMPLESMENTE O MELHOR. 3 o ANO INTEGRADO / EM 1 o BIMESTRE DATA: 04/04/2012 ALUNO: TURMA: N o : EIXO TEMÁTICO 01 Ficha Limpa Lei já vale para eleições de 2012 José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, no último dia 16 de fevereiro, que a Lei da Ficha Limpa é constitucional e que valerá para as eleições municipais deste ano. O resultado do julgamento pôs fim a quase dois anos de batalhas jurídicas para que a lei pudesse vigorar no país. Direto ao ponto: Ficha-resumo A Ficha Limpa tornou mais rigorosos os critérios que impedem políticos condenados pela Justiça de se candidatarem. Por sete votos a quatro, o Supremo aprovou a aplicação integral da nova legislação, que terá, inclusive, alcance para condenações anteriores a 4 de julho de 2010, data em que foi sancionada pelo expresidente Luís Inácio Lula da Silva. Diferente da maioria das leis que são elaboradas pelos próprios congressistas a Ficha Limpa surgiu por iniciativa popular. O projeto contou com a assinatura de mais de 1,6 milhão de brasileiros, e foi a pressão do povo que fez com que fosse votado e aprovado na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. Na ocasião, a proposta de mudança na legislação eleitoral foi comemorada como uma vitória da democracia. A Ficha Limpa era vista como um mecanismo de combate à corrupção política no Brasil. Na prática, porém, nem tudo estava resolvido. Alguns pontos da nova lei se chocavam com a Constituição Federal, como o princípio de anuidade e o princípio da inocência presumida. Em casos assim, cabe ao STF julgar a legitimidade. Mas enquanto o STF não se pronunciava, permaneciam incertezas. Em 2010 foram eleitos presidente, governadores, deputados e senadores. Ao todo, 149 candidatos foram impedidos de tomar posse devido a condenações judiciais, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em 23 de março do ano passado, o STF se pronunciou quanto ao princípio da anuidade. De acordo com a Constituição, qualquer mudança na legislação eleitoral só é válida se for promulgada um ano antes das eleições. Como a Ficha Limpa havia sido sancionada naquele mesmo ano, os ministros do Supremo decidiram que a lei só valeria para Como resultado, os candidatos barrados tiveram o direito de assumir as vagas. Isso alterou as bancadas no Congresso Nacional e em Assembleias Legislativas dos Estados. No Senado, por exemplo, Jader Barbalho (PMDB-PA), que havia renunciado em 2001 para evitar a cassação, pode tomar posse no lugar de Marinor Brito (Psol-PA). Faltava ainda a palavra final do Supremo a respeito de recursos que questionavam outros aspectos da constitucionalidade da lei. SETE LAGOAS - 4/4/ CLS

2 Moral Os ministros do STF primeiro discutiram se a Ficha Limpa não contrariava o princípio da inocência, previsto do artigo 5o da Constituição e aplicado ao direito penal. Este artigo afirma que ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Trânsito em julgado é uma expressão judicial que se aplica a uma sentença definitiva, da qual não se pode mais recorrer. Em geral, ocorre quando já se esgotaram todos os recursos de apelação. Um processo cível ou criminal começa a ser julgado no Fórum da cidade, onde acontece a decisão de primeira instância, que é a sentença proferida por um juiz. Se houver recurso, o pedido é analisado por juízes do Tribunal de Justiça dos Estados. Há ainda a possibilidade de apelar a uma terceira instância, que pode ser tanto o Superior Tribunal de Justiça (STJ) quanto, em se tratando de artigos da Constituição, o STF. Antes de a Ficha Limpa entrar em vigor, de acordo com a Lei Complementar no 64, de 1990, somente quando esgotados todos esses recursos o político que responde a processo poderia ser impedido de se candidatar. A lentidão do andamento de processos, que levam até uma década para serem concluídos, acabava beneficiando políticos corruptos. Já a Ficha Limpa impede a candidatura por oito anos de políticos condenados por um órgão colegiado (com mais de um juiz, como o Tribunal de Justiça), que tiverem mandato cassado ou que tiverem renunciado para evitar a cassação (como no caso do senador Jader Barbalho). Os ministros do Supremo entenderam que a inocência presumida se restringe ao direito penal, ou seja, ela não se aplica às leis eleitorais. Em geral, os ministros do STF basearam a decisão no princípio constitucional da moralidade administrativa. Eles consideraram que o histórico ético de um candidato é fundamental para evitar casos de corrupção na política brasileira. O consenso sobre isso é que, independente da lei, a melhor forma de excluir maus políticos, num regime democrático, ainda é a consciência do cidadão. Direto ao ponto A Lei da Ficha Limpa é constitucional e valerá para as eleições municipais deste ano. A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), proferida no último dia 16 de fevereiro, veio quase dois anos após a lei entrar em vigor no país. Por sete votos a quatro, o Supremo aprovou a aplicação integral da nova legislação, que terá, inclusive, alcance para condenações anteriores a 4 de julho de 2010, data em que foi sancionada pelo ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. A Ficha Limpa impede a candidatura por oito anos de políticos condenados por um órgão colegiado (com mais de um juiz, como o Tribunal de Justiça), que tiverem mandato cassado ou que tiverem renunciado para evitar a cassação. Ela surgiu por iniciativa popular, e contou com a assinatura de mais de 1,6 milhões de brasileiros. O texto da lei, no entanto, continha pontos que se chocavam com a Constituição Federal, como o princípio de anuidade (qualquer mudança na legislação eleitoral só é válida para leis aprovadas um ano antes das eleições) e o princípio da inocência presumida (ninguém pode ser considerado culpado até que sejam esgotados os recursos de apelação). Por isso o Supremo teve que julgar a questão. Em 23 de março do ano passado, os ministros do STF decidiram que a lei só valeria para Faltava ainda o pronunciamento sobre o conteúdo da lei, que agora foi decidido de forma favorável. (Disponível em: ************************************************************************************* Pág. 2

3 EIXO TEMÁTICO 07 Estado palestino Autoridade Nacional propõe reconhecimento na ONU José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação Sem sucesso em acordos de paz com Israel, a Autoridade Nacional Palestina decidiu mudar de estratégia e propor na 66ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas) o reconhecimento do Estado Palestino nas fronteiras pré-1967, situando a capital na parte oriental de Jerusalém. A proposta é recusada por Israel e Estados Unidos. Direto ao ponto: Ficha-resumo Mesmo que seja aprovada, uma resolução em favor da Palestina não garantirá o fim dos conflitos com os israelenses. As negociações de paz estão paralisadas há um ano devido à resistência de Israel em desocupar territórios árabes. Mas ser aceito como o 194º. Estado da ONU teria um efeito político importante para os palestinos. Eles teriam acesso, por exemplo, a tribunais internacionais, onde poderiam abrir processos contra o governo israelense por conta das áreas invadidas. Há décadas árabes e judeus disputam as mesmas terras no Oriente Médio. No século 19, colonos judeus foram incentivados a migrarem da Europa para a Palestina. O objetivo era constituir o Estado de Israel. Os árabes, contudo, já habitavam a região há séculos. Durante a perseguição nazista, na Segunda Guerra Mundial ( ), o fluxo migratório de judeus se intensificou. Em 1947, a ONU propôs a divisão da Palestina, formando dois Estados independentes. Jerusalém, cidade considerada sagrada por cristãos, judeus e muçulmanos, foi colocada sob controle internacional, para evitar conflitos. Os árabes não aceitaram o acordo e, no ano seguinte, Israel se tornou um Estado independente. A tensão entre Israel e países árabes culminou na Guerra dos Seis Dias, em Ao fim dos combates, os israelenses assumiram o controle da Cisjordânia e de Jerusalém Oriental, então pertencentes à Jordânia; da Faixa de Gaza e da Península do Sinai, domínios do Egito; e das Colinas de Golã, território da Síria. Os árabes que viviam nessas terras foram expulsos ou se retiraram para campos de refugiados. Os judeus, estimulados pelo governo, começaram a criar assentamentos em Gaza e na Cisjordânia. Nos anos seguintes, ocorreram guerras, massacres e atentados terroristas. A Península do Sinai foi finalmente devolvida ao Egito em 1982, e a Faixa de Gaza, entregue aos árabes em Em 23 de setembro, o presidente da autoridade palestina, Mahmoud Abbas, entregou ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, uma carta com o pedido de inclusão da Palestina como membro pleno da organização, nas fronteiras definidas antes das ocupações. Países como o Brasil já reconheceram o Estado Palestino. A reivindicação tem respaldo na Resolução 242 da ONU, de 1967, que determina a desocupação das áreas palestinas. O documento, contudo, nunca foi seguido por Israel. Pág. 3

4 Votação Israel não aceita a proposta, pois ela significaria a dissolução dos assentamentos da Cisjordânia, onde vivem cerca de 300 mil judeus (e 2,5 milhões de palestinos), além de abrir mão de Jerusalém Oriental, dividindo novamente a capital. Haveria riscos, de acordo com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de expor o país à ação de radicais islâmicos. Em maio, quando o presidente americano, Barack Obama, pediu para que as negociações de paz se pautassem pelas fronteiras traçadas em 1967, Netanyahu considerou o pedido "irreal" e "indefensável". Agora, o governo americano, principal aliado de Israel, deve ser o maior obstáculo para a admissão do Estado Palestino na ONU. Isso porque a proposta deve ser antes aprovada por nove dos 15 países membros do Conselho de Segurança, sem sofrer nenhum veto. Cinco membros permanentes têm poder de veto: Estados Unidos, França, Reino Unido, Rússia e China. Washington sinalizou que, se preciso, vetará a medida para pressionar os palestinos a retomarem as negociações com Israel. Por outro lado, se a candidatura palestina receber aprovação do Conselho, deverá ser votada na Assembleia Geral, onde precisará do voto de dois terços dos 193 países membros.uma decisão da ONU como esta poderá isolar ainda mais Israel no cenário internacional. Hoje, revoltas em curso em países como Síria e Egito, junto com o apoio de países ocidentais à causa palestina, fortalecem os árabes na geopolítica do Oriente Médio. Direto ao ponto A Autoridade Nacional Palestina pediu no dia 23 de setembro, na 66ª Assembleia Geral da ONU (Organização das Nações Unidas), o reconhecimento do Estado palestino nas fronteiras pré-1967, situando a capital na parte oriental de Jerusalém. A proposta é recusada por Israel e Estados Unidos. Na prática, a inclusão da Palestina como membro da ONU dará mais poder político aos árabes nas negociações com Israel, paralisadas há um ano. Se aprovada, a resolução isolará ainda mais os israelenses no cenário internacional. Há décadas palestinos e israelenses disputam as mesmas terras no Oriente Médio. Em 1947, a ONU propôs a divisão da Palestina entre árabes e judeus, formando dois Estados. Israel se tornou independente e, após a Guerra dos Seis Dias, em 1967, anexou territórios árabes, expulsando a população local. Desde então, os palestinos reivindicam a devolução dessas áreas, incluindo Jerusalém Oriental. Os israelenses não aceitam a desocupação. (Disponível em: ************************************************************************************* Pág. 4

5 EIXO TEMÁTICO: 09 Primavera árabe Egípcios vão às urnas, mas repressão continua na Síria José Renato Salatiel* Especial para a Página 3 Pedagogia & Comunicação Quase um ano após o início dos protestos no Oriente Médio, o Egito realiza as primeiras eleições livres de sua história. Porém, enquanto os egípcios dão o primeiro passo rumo à democracia, as revoltas continuam em países como a Síria, onde a repressão fez milhares de vítimas, segundo a ONU (Organização das Nações Unidas). Direto ao ponto: Ficha-resumo Até agora, a primavera árabe derrubou três ditadores, na Tunísia, no Egito e na Líbia. Em outros países, como Jordânia, Bahrein, Iêmen e Síria, manifestações populares levaram ao anúncio de reformas ou violentas reações do Estado. Nações árabes, tradicionalmente, são governadas por monarquias absolutistas, ditaduras militares ou teocracias, que controlam algumas das maiores reservas de petróleo do planeta. Os protestos pródemocracia se espalharam pelo Norte da África e Oriente Médio, em razão da alta do preço dos alimentos, do desemprego e da insatisfação de uma geração jovem com a falta de liberdade. A primeira queda de um ditador aconteceu na Tunísia, em 14 de janeiro. O presidente Zine El Abidine Ben Ali renunciou depois de 23 anos no cargo. Em 23 de outubro foi eleita a Assembleia Nacional Constituinte, na primeira eleição livre ocorrida no país. Na Líbia, Muammar Gaddafi foi expulso do Palácio por forças rebeldes em agosto, ao final de seis meses de guerra civil. Dois meses mais tarde, foi capturado e morto pelos revoltosos. Entre os líderes árabes, era o que estava há mais tempo no poder 41 anos. O Conselho Nacional de Transição (CNT), que assumiu o controle da Líbia, prometeu realizar eleições no prazo de oito meses. Egito No Egito, mais influente e populoso país árabe (82 milhões de habitantes), o presidente Hosni Mubarak renunciou em 11 de fevereiro, encerrando três décadas de ditadura. Mesmo assim, os protestos recomeçaram em 19 de novembro, desta vez contra a junta militar que constituiu o governo provisório. Os manifestantes exigem a transição para um governo civil. Na tentativa de conter os levantes, que já mataram 42 pessoas nas últimas semanas, as eleições parlamentares foram antecipadas. A votação começou em 28 de novembro e o processo terminará em 11 de janeiro. Serão eleitos 498 deputados para a Assembleia do Povo ou Câmara Baixa do Parlamento. Um terço dos cargos será preenchido pelos candidatos mais votados, e o restante, eleito pelo sistema proporcional (por exemplo, se um partido tiver 10% dos votos, terá direito a ocupar 10% das cadeiras). Pág. 5

6 A despeito da precariedade política os partidos de oposição eram proibidos durante a ditadura a população compareceu às urnas para escolher entre 10 mil candidatos e 40 partidos diferentes. Dados preliminares apontam vitória da Irmandade Muçulmana, do recém-fundado Partido Liberdade e Justiça (PLJ). Se isso se confirmar, grupos fundamentalistas islâmicos, que venceram também as eleições na Tunísia e no Marrocos, serão a principal força no cenário político pós-ditatorial no Oriente. O sucesso eleitoral desses partidos religiosos preocupa sobretudo Israel, devido ao seu conflito histórico com o mundo islâmico. Massacre Em outros países, revoltas e reformas estão em curso. O caso mais dramático ocorre na Síria, onde a repressão do governo de Bashar al-assad (há 11 anos na Presidência) estaria promovendo o maior massacre contra opositores do regime desde o começo da primavera árabe. Segundo um relatório da ONU, divulgado no dia 28 de novembro, 3,5 mil pessoas foram assassinadas, incluindo 256 crianças, e mais de 20 mil foram presas. A violência afetaria 3 milhões de pessoas na Síria, que possui 22,5 milhões de habitantes. O governo estaria impedindo a população de fugir do país, colocando minas terrestres e soldados armados nas fronteiras. O relatório conclui que a Síria cometeu crimes contra a humanidade durante a repressão aos manifestantes, desde março deste ano. No começo do mês, o governo sírio firmou um acordo com a Liga Árabe para o término da repressão, a libertação de presos políticos e a promoção de reformas políticas. As medidas, contudo, não entraram em vigor, e aumentaram a pressão internacional e as sanções contra o governo de al-assad. No Iêmen, uma das nações mais pobres do mundo árabe, o ditador Ali Abdullah Saleh assinou um acordo, em 23 de novembro, que prevê sua renúncia e eleições livres. Saleh, que escapou ferido de um atentado em junho, governa há 33 anos. A pressão popular também resultou em reformas na Jordânia, anunciadas pelo rei Abdullah 2º. Já no Bahrein, o rei sunita Hamad al Khalifa resiste com violência aos opositores da monarquia. Direto ao ponto Há quase um ano, protestos se espalharam por países do Norte da África e do Oriente Médio, governados por monarquias e ditaduras. Os manifestantes pedem reformas políticas e a renúncia de tiranos que detêm o poder há décadas. Desde então, três ditadores deixaram o cargo, na Tunísia, no Egito e na Líbia. Em outros países, os protestos continuam, levando os governos a promoverem reformas ou reprimirem a população com violência, como acontece na Síria. No Egito, uma junta militar sucedeu o presidente Hosni Mubarak após sua renúncia, em 11 de fevereiro. Para conter novos protestos, os militares convocaram eleições parlamentares para 28 de novembro. Pesquisas indicam a vitória da Irmandade Muçulmana, do recém-fundado Partido Liberdade e Justiça (PLJ), confirmando uma tendência nos países árabes pósditaduras. Na Síria, por outro lado, o governo de Bashar al-assad comanda a repressão mais violenta na região. Segundo um relatório da ONU, 3,5 mil pessoas foram assassinadas pelo regime, incluindo 256 crianças, e mais de 20 mil foram presas. (Disponível em: ************************************************************************************* Pág. 6

O mundo árabe-muçulmano após a Primavera. Prof. Alan Carlos Ghedini

O mundo árabe-muçulmano após a Primavera. Prof. Alan Carlos Ghedini O mundo árabe-muçulmano após a Primavera Prof. Alan Carlos Ghedini Entre as causas da Primavera Árabe podemos citar: Altos índices de desemprego na região Crise econômica Pouca ou nenhuma representação

Leia mais

A formação do Estado de Israel

A formação do Estado de Israel A formação do Estado de Israel 1946: 500 mil judeus na Palestina querem a independência de Israel do domínio britânico Aumento da tensão entre israelenses e ingleses: centenas de ataques de judeus a britânicos

Leia mais

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE

A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Aumentar a fonte Diminuir a fonte MUNDO ÁRABE A PAZ ENTRE PALESTINOS E ISRAELENSES CONTINUA DISTANTE Apesar da vitória diplomática palestina na ONU, a existência de um Estado fica difícil com os novos

Leia mais

Os vetos de China e Rússia no caso da Síria: Interesses humanitários ou políticos?

Os vetos de China e Rússia no caso da Síria: Interesses humanitários ou políticos? Os vetos de China e Rússia no caso da Síria: Interesses humanitários ou políticos? Análise Ásia Luciana Leal Resende Paiva Márcia de Paiva Fernandes 31 de Março de 2012 Os vetos de China e Rússia no caso

Leia mais

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor:

Geografia. Questão 1. Questão 2. Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Avaliação: Aluno: Data: Ano: Turma: Professor: Geografia Questão 1 Em 1967, por ocasião da Guerra dos Seis Dias, Israel ocupou de seus vizinhos árabes uma série de territórios, entre eles a Península do

Leia mais

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO

ATIVIDADES ONLINE 9º ANO ATIVIDADES ONLINE 9º ANO 1) (UFV) Das alternativas, aquela que corresponde à causa do acordo entre Israel e a Organização para Libertação da Palestina (OLP) é: a) o fortalecimento do grupo liderado por

Leia mais

Conflitos no Oriente Médio. Prof a Maria Fernanda Scelza

Conflitos no Oriente Médio. Prof a Maria Fernanda Scelza Conflitos no Oriente Médio Prof a Maria Fernanda Scelza Revolução Iraniana 1953: o Xá (rei) Mohamed Reza Pahlevi passou a governar autoritariamente o Irã; Seu objetivo era ocidentalizar o país, tornando-o

Leia mais

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX

Descolonização e Lutas de Independência no Século XX Descolonização e Lutas de Independência no Século XX A Independência da Índia (1947) - Antecedentes: Partido do Congresso (hindu) Liga Muçulmana Longa luta contra a Metrópole inglesa - Desobediência pacífica

Leia mais

Israel e o mundo Árabe

Israel e o mundo Árabe Israel e o mundo Árabe Leonardo Herms Maia¹ Regina Cohen Barros² Para uma compreensão espacial e econômica deste assunto, irei abordar temas principais que nos mostram como Israel se tornou uma grande

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país

A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país Análise Oriente Médio e Magreb Pedro Casas 14 de Março de 2011 A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do

Leia mais

Exercícios sobre Israel e Palestina

Exercícios sobre Israel e Palestina Exercícios sobre Israel e Palestina Material de apoio do Extensivo 1. Observe o mapa a seguir, que representa uma área do Oriente Médio, onde ocorrem grandes tensões geopolíticas. MAGNOLI, Demétrio; ARAÚJO,

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Primavera Árabe. 01. Uma onda de mudanças no Oriente Médio

Primavera Árabe. 01. Uma onda de mudanças no Oriente Médio Primavera Árabe 01. Uma onda de mudanças no Oriente Médio O acontecimento de maior impacto em 2011 no cenário político mundial foi a revolta popular contra regimes autoritários no mundo árabe, área formada

Leia mais

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio

A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio A resolução 1559 e o assassinato do ex- Primeiro Ministro Rafic Al Hariri e seus impactos para o equilíbrio regional de poder no Oriente Médio Análise Segurança Prof. Danny Zahreddine 25 de fevereiro de

Leia mais

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA

ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA ISRAEL E A QUESTÃO PALESTINA Origem do Judaísmo Os relatos bíblicos são a principal fonte de informações para entender as origens dos judeus. Segundo a Bíblia, Abraão recebeu de Deus a missão de levar

Leia mais

Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino.

Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino. Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.2 Conteúdo: Israel: uma política desenvolvida na região. A difícil criação de um Estado Palestino. 2 Habilidades: Analisar os motivos que levaram ao conflito entre

Leia mais

ISRAEL X ÁRABES / GUERRA DOS 6 DIAS ISRAEL X ÁRABES / GUERRA DO YOM KIPPUR

ISRAEL X ÁRABES / GUERRA DOS 6 DIAS ISRAEL X ÁRABES / GUERRA DO YOM KIPPUR PROPOSTA ORIGINAL DA ONU JERUSALÉM 57 58 ISRAEL X ÁRABES / GUERRA DOS 6 DIAS ISRAEL X ÁRABES / GUERRA DO YOM KIPPUR Golda Meir, foi uma fundadora do Estado de Israel. Emigrou para a Palestina no ano de

Leia mais

A Guerra dos Seis Dias

A Guerra dos Seis Dias A Guerra dos Seis Dias Desde o fim da Segunda Guerra Mundial e da criação do Estado de Israel em 1948 que o Oriente Médio vive em uma constante tensão bélica por conta das inúmeras discordâncias entre

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

Primavera Árabe. 01. Uma onda de mudanças no Oriente Médio

Primavera Árabe. 01. Uma onda de mudanças no Oriente Médio Primavera Árabe 01. Uma onda de mudanças no Oriente Médio O acontecimento de maior impacto em 2011 no cenário político mundial foi a revolta popular contra regimes autoritários no mundo árabe, área formada

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

Uma Primavera dos Povos Árabes?

Uma Primavera dos Povos Árabes? Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine 18 de Junho de 2011 Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine

Leia mais

O risco de mudança de estação na África e Oriente Médio

O risco de mudança de estação na África e Oriente Médio O risco de mudança de estação na África e Oriente Médio Roberto Carvalho de Medeiros (*) O mundo inteiro tem assistido um conjunto de fatos no antigo Magreb 1 e no Oriente Médio que, a meu ver, por si

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff

A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff A perspectiva de reforma política no Governo Dilma Rousseff Homero de Oliveira Costa Revista Jurídica Consulex, Ano XV n. 335, 01/Janeiro/2011 Brasília DF A reforma política, entendida como o conjunto

Leia mais

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010)

GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE DESVENDANDO A NOTÍCIA. Pastor recua e garante que nunca irá queimar o Alcorão (Folha UOL/ 10/09/2010) GABARITO ATIVIDADE DE CLASSE Questão 1 DESVENDANDO A NOTÍCIA Certos acontecimentos que ganham destaque na mídia internacional costumam, como se diz na linguagem corrente, esconder problemas ou polêmicas

Leia mais

2º ano Alessandro Gorgulho GEOGRAFIA

2º ano Alessandro Gorgulho GEOGRAFIA 2º ano Alessandro Gorgulho GEOGRAFIA 1) (FEEVALE) Na Ásia, ocorre um conflito histórico, resultante da independência da Índia (antiga colônia britânica) em 1947, entre muçulmanos e hindus. A região pertence

Leia mais

CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA

CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA CONFLITO ENTRE ISRAEL E PALESTINA CLAUDIO F GALDINO GEOGRAFIA Oferecimento Fábrica de Camisas Grande Negão AQUELA QUE TRAZ EMOÇÃO. PARA VOCÊ E SEU IRMÃO!!! Canaã Terra Prometida Abraão recebeu de Deus

Leia mais

Política, Democracia e Cidadania

Política, Democracia e Cidadania Política, Democracia e Cidadania Por um jovem brasileiro atuante Por Floriano Pesaro Vereador, líder da bancada do PSDB na Câmara Municipal de São Paulo. Natural de São Paulo, Floriano é sociólogo formado

Leia mais

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS

TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS TRÁFICO HUMANO E AS MIGRAÇÕES INTERNACIONAIS MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERNACIONAIS 1. RAZÕES DAS MIGRAÇÕES FATORES ATRATIVOS X FATORES REPULSIVOS - CONDIÇÕES DE VIDA - OFERTAS DE EMPREGO - SEGURANÇA -

Leia mais

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio

A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira com o Oriente Médio Análise Desenvolvimento Jéssica Silva Fernandes 15 de dezembro de 2009 A visita de Shimon Peres ao Brasil e a relação brasileira

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org TERRA EM TRANSE POVO EM DESESPERO Relatos e reflexões a partir de uma viagem a Jerusalém e territórios

Leia mais

Conflito entre Israel e Palestina CONFLITO ATUAL

Conflito entre Israel e Palestina CONFLITO ATUAL Conflito entre Israel e Palestina CONFLITO ATUAL Os conflitos entre Israel e a Faixa de Gaza se intensificaram em junho e julho de 2014. Os dois territórios apresentam instabilidade política há anos, ou

Leia mais

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista.

1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro O Estado Judeu, criou o movimento sionista. 1896 Surgimento do movimento sionista Em 1896, o jornalista judeu Theodor Herzl, autor do livro "O Estado Judeu", criou o movimento sionista. O objetivo era estabelecer um lar nacional para os judeus na

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Notas do jornalista José Arbex sobre o trabalho da delegação de entidades ligadas o Conselho Internacional

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

Caderno de Redação. 3º ano Ensino Médio. Aluno(a):... 28/09/2011

Caderno de Redação. 3º ano Ensino Médio. Aluno(a):... 28/09/2011 Caderno de Redação 3º ano Ensino Médio Aluno(a):... 28/09/2011 Este Caderno de Redação segue as novas diretrizes estabelecidas pela portaria nº 109, emitida em 27/05/2009, no Diário Oficial da União, para

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org O Movimento Social Palestino rumo ao FME O Fórum Mundial da Educação na Palestina será realizado

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

Ficha Limpa e Alguns Conceitos

Ficha Limpa e Alguns Conceitos Ficha Limpa e Alguns Conceitos A Lei Ficha Limpa foi aprovada graças à mobilização de milhões de brasileiros e se tornou um marco fundamental para a democracia e a luta contra a corrupção e a impunidade

Leia mais

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will

Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will Aulas 1 e 2 de Direito Eleitoral Professor: Will 1) Mudanças que se sujeitam ao princípio da anualidade: a) mudança na lei partidária (filiação, convenção, coligações, número de candidatos etc). b) mudança

Leia mais

PRIMAVERA QUE VIROU OUTONO

PRIMAVERA QUE VIROU OUTONO PRIMAVERA QUE VIROU OUTONO Os movimentos populares derrubaram governos, mas construir Estados democráticos exige um caminho longo e cheio de conflitos No início de 2011, revoluções jovens, modernas e seculares

Leia mais

Barak Articula Articulação com o estopim Sharon

Barak Articula Articulação com o estopim Sharon Barak Articula Articulação com o estopim Sharon JERUSALÉM- Ehud Barak está prestes a fazer um acordo para formar um governo de unidade nacional com o líder do direitista palestino Likud, Ariel Sharon,

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno.

Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Situa-se na Península Itálica, próxima ao mar Mediterrâneo, Adriático e Tirreno. Foi fundada no século VIII a.c., com a unificação de aldeias latinas e sabinos. Sua história política é dividida em 3 períodos:

Leia mais

Descolonização Afroasiática

Descolonização Afroasiática Aula 50 Descolonização Afroasiática 1 Fatores Setor 1602 2 Casos Nacionais 3 China ealvespr@gmail.com Objetivo da aula Analisar o quadro geral da descolonização afroasiática após a Segunda Guerra Mundial.

Leia mais

Reunião de Seção CONFERÊNCIA RELIGIOSA MUNDIAL

Reunião de Seção CONFERÊNCIA RELIGIOSA MUNDIAL Reunião 08 Reunião de Seção CONFERÊNCIA RELIGIOSA MUNDIAL Área de Desenvolvimento enfatizada: ESPIRITUAL Ramo: Sênior Mês recomendado para desenvolver esta reunião: Indiferente. Recomendada para abertura

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO *

CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * CONVENÇÃO PARA A PREVENÇÃO E REPRESSÃO DO CRIME DE GENOCÍDIO * Aprovada e proposta para assinatura e ratificação ou adesão pela resolução 260 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas, de 9 de Dezembro

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br

Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo de São Paulo. mauxixo.piragino@uol.com.br Democracia Participativa e Direta: conselhos temáticos e territoriais (Conselhos Participativos nas Subprefeituras); Iniciativa Popular, Plebiscitos e Referendo" Maurício Piragino /Xixo Escola de Governo

Leia mais

ISRAEL E PALESTINA COMO COMEÇOU O CONFLITO?

ISRAEL E PALESTINA COMO COMEÇOU O CONFLITO? ISRAEL E PALESTINA COMO COMEÇOU O CONFLITO? O movimento sionista, que procurava criar um Estado para os judeus, ganhou força no início do século 20, incentivado pelo antissemitismo sofrido por judeus na

Leia mais

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância

Poder Judiciário. Tabela 1 Poder Judiciário Primeira Instância Segunda Instância O é a instituição encarregada de administrar justiça por meio dos tribunais. Sua função é assegurar o amparo, proteção ou tutela dos direitos dispostos nas leis. A Suprema Corte de Justiça é a máxima autoridade

Leia mais

Israel usa prisões políticas para reprimir palestinos

Israel usa prisões políticas para reprimir palestinos Em março de 2002, a situação na Cisjordânia havia se complicado. Em resposta a Segunda Intifada, as forças armadas israelenses aumentaram ainda mais a repressão dentro dos territórios palestinos, colocando

Leia mais

O conflito Israel-Palestina sob a ótica do Direito Internacional Humanitário

O conflito Israel-Palestina sob a ótica do Direito Internacional Humanitário O conflito Israel-Palestina sob a ótica do Direito Internacional Humanitário O conflito Israel-Palestina sob a ótica do Direito Internacional Humanitário ISAPE Debate Número 6 Novembro de 2014 o DIH é

Leia mais

Dilma sanciona novo Código de Processo Civil

Dilma sanciona novo Código de Processo Civil ilma sanciona novo Código de Processo Civil - 16/03/2015 - Poder -... de 6 17/03/2015 10:03 Dilma sanciona novo Código de Processo Civil Pedro Ladeira/Folhapress A presidente Dilma Rousseff com o ex-presidente

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL O ELEITOR E A REFORMA POLÍTICA JUNHO DE 2007 Dados Técnicos Pesquisa Pesquisa de opinião pública nacional Universo Eleitores e potenciais eleitores brasileiros que

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 9.º Turma: ABCDEF Data: / / 1 11 009 Física Prof. s Fernandes e

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior

Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Curso de Regimento Interno da Câmara dos Deputados Prof. Gabriel Dezen Junior Teste 1 1. ( ) É competência da Mesa da Câmara dos Deputados a decisão de reunião dessa Casa fora do Palácio do Congresso Nacional,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 2008

PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 2008 ( Do Poder Executivo) Autoriza o Poder Executivo a doar área para a instalação da Embaixada da Delegação Especial Palestina

Leia mais

Exercícios de Oriente Médio

Exercícios de Oriente Médio Exercícios de Oriente Médio 1. (Cesgranrio) Quanto aos conflitos entre árabes e israelenses, podemos dizer que: I - se aceleram com a partilha da Palestina realizada pela ONU em 1947, que deu origem ao

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ. Governo Dilma é o 1º a ter contas reprovadas. SEMANA DE 06 a 12 DE OUTUBRO

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ. Governo Dilma é o 1º a ter contas reprovadas. SEMANA DE 06 a 12 DE OUTUBRO Governo Dilma é o 1º. a ter contas reprovadas no TCU desde Getúlio Obama pede desculpas por ataque a hospital Alckmin impõe sigilo e só vai expor falhas no metrô de SP após 25 anos ATUALIDADES PROFESSOR

Leia mais

Informativo Mensal nº 10. Agosto/ 2014

Informativo Mensal nº 10. Agosto/ 2014 Informativo Mensal nº 10 Agosto/ 2014 ÁSIA/ LESTE EUROPEU MAIS SANÇÕES E AJUDA HUMANITÁRIA DEIXAM RÚSSIA EM DESTAQUE NO MÊS No mês de agosto mais sanções continuaram sendo aplicadas na Rússia pelos EUA

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

ADENDO AO RELATÓRIO. RELATOR: Senador EDUARDO BRAGA I RELATÓRIO

ADENDO AO RELATÓRIO. RELATOR: Senador EDUARDO BRAGA I RELATÓRIO ADENDO AO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 18, de 2013, primeiro signatário o Senador Jarbas Vasconcelos, que altera o art. 55 da

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

PROF PIMENTEL PRÉ-PROVA CENTRAL DE CURSOS. www.profpimentel.com.br PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO

PROF PIMENTEL PRÉ-PROVA CENTRAL DE CURSOS. www.profpimentel.com.br PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO PRÉ-PROVA SUMÁRIO 8h30 - Português - Heliane Miscali...Pág. 03 8h50 - Matemática - Rogério Pizza...Pág. 09 9h10 - Informática - Francis David...Pág. 19 9h30 - Atualidades

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

Lutas, Vitórias, Avanços e Novos Desafios

Lutas, Vitórias, Avanços e Novos Desafios Lutas, Vitórias, Avanços e Novos Desafios 10 Anos de ProUni A Educafro parabeniza o Congresso Nacional (Deputados e Senadores) e todos os protagonistas desta conquista, por transformar o Programa Universidade

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES

FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES FIXAÇÃO DO NÚMERO DE VEREADORES PELOS MUNICÍPIOS MÁRCIO SILVA FERNANDES Consultor Legislativo da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Administrativo, Processo Legislativo e Poder Judiciário

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE

CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE CARTILHA DO VOTO CONSCIENTE ART. 1, 1 da Constituição Federal de 88: Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição. Voto consciente:

Leia mais

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento

Unidade III. Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. Cidadania e Movimento CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade III Cidadania e Movimento Aula 16.1 Conteúdo Aspectos políticos. A criação dos Estados nas regiões; os conflitos árabe-israelenses. 2

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. Denise Zandonadi dzandonadi@redegazeta.com.br O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou com o governador Paulo Hartung no 27º Encontro Econômico Brasil-Alemanha. O presidente Luiz Inácio Lula da

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA http://www.youtube.com/watch?v=lmkdijrznjo Considerações sobre a independência -Revolução racional científica do

Leia mais

Colégio Jardim São Paulo 2012 9 os Anos. ORIENTE MÉDIO 2. prof. Marcelo Duílio profa. Mônica Moraes

Colégio Jardim São Paulo 2012 9 os Anos. ORIENTE MÉDIO 2. prof. Marcelo Duílio profa. Mônica Moraes Colégio Jardim São Paulo 2012 9 os Anos. ORIENTE MÉDIO 2 prof. Marcelo Duílio profa. Mônica Moraes 1 ORIENTE MÉDIO Quadro político e socioeconômico Essa região divide se politicamente em uma porção continental:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO

CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO CARACTERÍSTICAS DA CÂMARA DOS REPRESENTANTES DO JAPÃO LÚCIO REINER Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História, Relações Internacionais FEVEREIRO/2000 2 2000 Câmara

Leia mais

Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet

Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Chile: Cronologia processo contra Augusto Pinochet Julho de 1996 São apresentadas as primeiras queixas criminais contra Augusto Pinochet, com acusações de genocídio e terrorismo no Supremo Tribunal de

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES

PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES PERÍODO MILITAR (1964/1985) PROF. SORMANY ALVES INTRODUÇÃO Período governado por GENERAIS do exército brasileiro. Adoção do modelo desenvolvimento dependente, principalmente dos EUA, que subordinava a

Leia mais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais

Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Calendário Eleitoral 2012 - Eleições Municipais Em ano de eleições municipais é importante estar atento ao calendário eleitoral 2012 para as eleições municipais. O Tribunal Superior Eleitoral/TSE divulgou

Leia mais