Aldo Ivan Céspedes Arce 1 Adriano Rogério Bruno Tech 2 Sérgio Paulo Amaral Souto 3 Ernane José Xavier Costa 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aldo Ivan Céspedes Arce 1 Adriano Rogério Bruno Tech 2 Sérgio Paulo Amaral Souto 3 Ernane José Xavier Costa 4"

Transcrição

1 SIMULADOR DE DESLOCAMENTO DE REBANHO BOVINO PARA AVALIAÇÃO DE MONITORAMENTO BASEADO EM REDES DE SENSORES SEM FIO Aldo Ivan Céspedes Arce 1 Adriano Rogério Bruno Tech 2 Sérgio Paulo Amaral Souto 3 Ernane José Xavier Costa 4 RESUMO Este artigo sugere um método de otimização da distribuição espacial da infraestrutura de redes de sensores sem fio aplicadas à monitoração de bovinos através de um simulador de deslocamento do rebanho, que permite a redução do número de estações rádio base fixas necessárias para estabelecer comunicação com nós sensores sem fio carregados pelos animais. A funcionalidade do simulador foi testada em um projeto de infra-estrutura de monitoramento para uma área de pastagem da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo. Os resultados obtidos comprovaram a eficiência do simulador como uma ferramenta de auxílio no projeto de infra-estruturas de monitoramento de rebanhos bovinos possibilitando menor custo de implantação. Palavras chaves: bovino, sensores sem fio, deslocamento de rebanho, telemetria, simulador SIMULATING BOVINE HERD DISPLACEMENT FOR EVALUATION OF WIRELESS SENSOR NETWORK MONITORING ABSTRACT This article suggests a method to optimize the spatial distribution of the wireless network infrastructure applied to bovine herd monitoring through simulating their displacement decreasing the number of radio base stations. The functionality of this simulator was tested in a monitoring infrastructure project for a grazing area located at the Faculty of Zootechny and Food Engineering (FZEA), University of São Paulo. The tool proved efficient in assisting to achieve the minimum-cost infrastructure. Keywords: bovine, wireless sensors, herd displacement, telemetry, simulator 1 Mestrando em Zootecnia. 2 Doutorando em Zootecnia. 3 Doutor, Professor do Departamento de Ciências Básicas. 4 Doutor, Professor do Departamento de Ciências Básicas. 1,2,3,4 Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo.

2 2 1 INTRODUÇÃO O monitoramento de animais na pecuária do tipo extensiva é atualmente um desafio para a engenharia e uma necessidade para os estudos científicos na zootecnia de precisão. Em grandes áreas de criação extensiva com rebanhos de numerosos indivíduos, torna-se difícil o monitoramento manual de cada animal em experimentos etológicos ainda mais se esse monitoramento envolve coletas de dados fisiológicos que devem ser feitas preferencialmente sem interferir no comportamento natural dos animais em estudo. As redes de sensores sem fio possibilitam a automação dos processos de monitoração das atividades do rebanho (SILVA et al., 2005) e têm se mostrado eficientes nas tarefas de monitoramento animal (KET- TLEWELL et al., 1997). As redes sem fio, no entanto, podem representar um investimento muito elevado dado o atual custo desse tipo de tecnologia. Torna-se necessário então o desenvolvimento de uma ferramenta que auxilie na otimização da estrutura física da rede a fim de torná-la mais eficiente com o menor custo envolvido. O emprego de modelos computacionais na simulação de atividades animais é encontrado na literatura e reproduz de forma realística o comportamento animal. Arce et al. A ferramenta ora descrita utiliza um modelo de deslocamento de rebanhos bovinos e implementa o protocolo Rede de Sensores de Base Flutuante (Floating Base Sensor Network - FBSN) proposto por Silva (2005) em um simulador que permite dimensionar a quantidade de estações rádio base fixas (ERBF) homogeneamente distribuídas na área experimental necessárias para monitorar de forma contínua um rebanho de uma quantidade variável (N) de indivíduos. 2 DADOS E MÉTODOS 2.1 O COMPORTAMENTO SOCIAL DOS BOVINOS Os bovinos, como todos os herbívoros, são presas na cadeia alimentar e, por tanto, têm no seu comportamento uma forte motivação decorrente do medo. Socialmente o rebanho bovino se comporta como um grupo individualizado e hierarquizado. O vínculo que une seus membros é o conhecimento individual e existe uma ordenação hierárquica, que pode ser do tipo linear, tendente à linearidade ou complexa (Figura 1). Dentro do rebanho se destacam dois tipos de liderança: a liderança social, diretamente ligada à estrutura hierárquica do grupo, e a liderança espacial, associada ao animal que tem a iniciativa de efetuar algum movimento em resposta a um estímulo ou em função deste possuir maior conhecimento sobre a área de criação e seus recursos (SATO, 1982; TYLER, 1972; GREENWO- OD et al., 1997). A este último o rebanho segue naturalmente. Durante o deslocamento atuam duas forças opostas que afetam individualmente aos membros do rebanho e de cujo equilíbrio resulta a distância entre os indivíduos do grupo (COSTA, 2000). A força coesiva tende a ajuntar os animais e está relacionada aos diferentes níveis de associação (casais,

3 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 3 gêmeos, grupos filiais, etc), e determina a distância social (DS), que podemos definir como a maior distância à que um indivíduo em condições normais se separa do grupo. A força repulsiva tende a separar os animais, evitando que estes fiquem muito próximos, e determina a distância individual (DI), que é a distância mínima entre co-específicos (de 2 a 3m quando descansam e de 8 a 10m quando pastam) (Figura 2). Figura 1. Tipos de hierarquia do rebanho bovino. Figura 2. Forças que interagem no rebanho bovino.

4 4 A distância individual (DI) define o espaço individual que representa o espaço físico que o animal precisa para realizar movimentos básicos. Com estas informações podemos Arce et al. modelar o comportamento espacial de cada individuo no rebanho, considerando suas distâncias euclidianas calculadas no plano, conforme Equação 1. onde: = ( ) + ( ) ) ; (1) di z d di ; d ds z é líder n z n n z dn z = Distância euclidiana do animal n ao animal z; di n, di z = Distâncias individuais; ds = Distância social do animal n; n,, = Coordenadas cartesianas do animal n; = Coordenadas cartesianas do animal z. n 2.2 ESTRUTURAS DE REDES DE SENSORES SEM FIO Uma rede de sensores sem fio (Wireless Sensor Network - WSN) é uma rede de pequenos nós computacionais com sensores e dispositivos de comunicação telemétricos devidamente acoplados (MIN et al., 2002). Um exemplo de nó sensor em uma WSN é composto de um microcontrolador, um sistema de transmissão e recepção u- sando radiofreqüência, uma fonte de alimentação e um ou mais sensores acoplados (ASADA et al., 2000). Neste trabalho foi simulada uma rede sem fio composta de ERBF distribuídas na área monitorizada e nós sensores carregados pelos animais que são chamados de nós móveis. A ERBF pode estabelecer comunicação direta somente com aqueles nós móveis que estiverem dentro da área de cobertura, dentro da qual é possível estabelecer uma comunicação bilateral entre a ERBF e o nó móvel; sua dimensão depende, portanto, do raio de cobertura de ambos dispositivos, sendo que, o alcance dos nós móveis é normalmente reduzido em conseqüência da pouca energia disponível no dispositivo, aumentando, com isto, o custo da infraestrutura. O protocolo FBSN proposto por Silva (2005) é um protocolo de comunicação para redes sem fio, cuja principal característica é proporcionar aos nós móveis a capacidade de tornar-se uma estação rádio base temporária (ERBT). Nesse protocolo, o algoritmo de controle dinamicamente gerencia como os nós irão se comunicar na rede, ele-

5 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 5 gendo aleatoriamente nós móveis que possam ser configurados como ERBT e façam uma ponte do nó objetivo (nó N) a uma das ERBF. O protocolo FBSN é muito útil no monitoramento de rebanhos onde os animais interagem e se deslocam a distâncias curtas entre eles, pois possibilita a redução do número de ERBF necessárias. A Figura 3 mostra o diagrama esquemático de uma rede FBSN, cujo algoritmo está representado na Figura 4. Figura 3. Diagrama esquemático de uma rede FBSN. 2.3 METODOLOGIA A análise orientada a objetos oferece uma estrutura conceptual muito aplicável à modelagem de sistemas biológicos (CON- QUILLARD et al., 1997). Ela propõe, para vários domínios de conhecimento, um ponto de vista unificado do sistema e ajuda a resolver problemas de comunicação. A linguagem UML (Unified Modelling Language) (BOOCH et al., 1999) foi escolhida por causa da sua universalidade. Um modelo de simulação normalmente é baseado em um modelo individual (DE ANGELIS et al., 1992; HUSTON et al., 1988). Assim, as características de cada animal são preponderantes para a construção de um modelo matemático para o rebanho. Um modelo específico normalmente simula um aspecto específico de um sistema complexo. Um multimodelo de um sistema complexo pode ser entendido como uma composição de modelos especialistas com diversas abstrações. A analogia entre multimodelagem e programação orientada a objetos foi demonstrada por Cubert (1997). Além disso, multimodelos podem ser especificados pelo formalismo DEVS (Discrete Event System Specifications) que apresenta o embasamento matemático necessário para manipular a base conhecimento de problemas como o abordado neste artigo.

6 6 Arce et al. O software foi desenvolvido na linguagem C++ utilizando a ferramenta Borland C++ Builder Professional Versão 6.0. Figura 4. Algoritmo de controle da FBSN.

7 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 7 3 DESENVOLVIMENTO DO SIMULADOR 3.1 MODELO DE DESLOCAMEN- TO RANDOM WALK Esse modelo de movimento descreve o deslocamento do bovino líder utilizando um processo estocástico simples de seleção de nós aleatórios dentro de uma rede simétrica. Pode-se compreender rede simétrica como sendo uma base de referência por onde o líder se movimentará 5. O algoritmo random walk segue basicamente as seguintes regras (Equações 2 e 3): Existe um ponto de partida; A distância de um ponto no caminho a um próximo é constante; A direção de um ponto no caminho ao próximo é escolhida de forma randômica e nenhuma direção é mais provável do que outra. = + θ ; (2) = + θ ; (3) onde: = Coordenadas do próximo ponto. θ = Ângulo gerado de forma randômica (0-360º). d = Tamanho do passo definido na configuração dos parâmetros. 5 Um exemplo desse tipo de rede simétrica (em outra escala) poderia ser um papel milimetrado onde cada cruzamento das linhas identificaria um nó a ser ocupado por uma partícula em um instante t + 1. Durante seu deslocamento, o líder ocasionalmente se aproxima de alguns dos membros do rebanho conferindo-lhes um estímulo de fuga. Da mesma forma ao se afastar além da distância social do rebanho, o líder estimula o restante do rebanho a segui-lo. 3.2 MODELO DE DESLOCAMEN- TO PSEUDOBROWNIANO O movimento pseudobrowniano é uma implementação do modelo browniano proposto por Albert Einstein (1905) onde em lugar do choque das moléculas sobre um corpúsculo macroscópico, o estímulo vem do ambiente externo a um animal em forma de outros animais ou características da área de criação tais como: detalhes do relevo, obstáculos, áreas já pastadas, etc. O simulador permite desenhar na área de criação obstáculos naturais ou artificiais em tempo de execução que são reconhecidos automaticamente pelo rebanho. O líder recebe um estímulo inicial movimentando-se em uma direção aleatória. Sua trajetória é alterada pelos obstáculos desenhados no simulador e a interferência do restante do rebanho na sua distância individual (DI). 3.3 MODELO DE DOMÍNIO Na análise orientada a objetos, uma das primeiras tarefas é a construção de um modelo de domínio que represente a visão que o especialista tem do sistema em estudo (HILL, 1996). A Figura 5 mostra o modelo de domínio idealizado, formado por dois pacotes.

8 8 Arce et al. Figura 5. Diagrama UML do domínio. O pacote rebanho descreve o conjunto de animais monitorados pelo sistema. Este pacote é composto por sua vez por dois sub pacotes: 1. O pacote Boi descreve os membros do rebanho cujas distâncias espaciais são regidas por modelos baseados nos parâmetros de distância individual e social. Cada um desses membros representa ao mesmo tempo um nó móvel WSN. 2. O pacote líder descreve os animais do rebanho que tem iniciativa própria de efetuar um deslocamento. O pacote WSN representa a infraestrutura de nós fixos ou ERBF necessários para efetuar o monitoramento do rebanho e os nós móveis associados aos animais do rebanho. O desenho do simulador de deslocamento bovino está principalmente focado nas interações espaciais dos animais entre si e dos lideres executando um deslocamento. O líder é a entidade decisória do sistema, ele determina o deslocamento do restante do rebanho baseado nos modelos random walk e o pseudobrowniano, enquanto sua interação espacial com o resto do rebanho é mantida. 3.4 ARQUITETURA DO SOFTWARE Como mostrado na Figura 6, o simulador foi estruturado em 6 pacotes: Pacote Rebanho derivado da análise de domínio e acrescido de um pacote de eventos gerados durante a simulação: OnBoiMove GeraAnimais Reorganiza Onrequested Pacote modelos contém os modelos matemáticos de movimento (random walk e pseudobrowniano) e os modelos de interação espacial dos animais. Pacote interface fornece a interface gráfica para a configuração dos parâmetros do sistema: número de animais do rebanho, distância social máxima, distância individual mínima, tamanho do passo (random walk), desenho de obstá-

9 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 9 culos na área de deslocamento e raio de cobertura de um nó fixo. sim como, a apresentação gráfica da e- volução dos processos de simulação. Pacote de técnicas contém as classes que gerenciam o kernel do simulador. Pacote de saída contém os recursos para saída de informações do simulador, as- Pacote WSN derivado da análise de domínio contém o algoritmo de controle da FBSN. Figura 6. Arquitetura do simulador Os parâmetros iniciais requeridos pelo simulador são: Número de animais do rebanho. Distância social máxima. Distância individual mínima. Tamanho do passo (somente para Random Walk). Raio de cobertura dos nós fixos. Raio de cobertura dos nós móveis. Tipo de movimento (Random Walk ou Pseudobrowniano) Obstáculos na área de deslocamento (é possível desenhar na tela de simulação obstáculos que representem obstáculos reais que interferem no deslocamento do rebanho) Dessa forma, a exploração dos recursos da orientação a objetos permitiu criar animais virtuais com comportamento independente mas, restrito ao âmbito do rebanho. Assim, um objeto O 1 pertencente a uma classe boi e à superclasse rebanho reage à penetração do seu espaço individual 6 por um dos seus congêneres através do método onboimove do objeto rebanho, movimentando-se em uma direção oposta +- 0~45º ( θ fuga ) segundo a posição da origem do estímulo. 45(1 + 2η ) θ fuga = θ ; (4) 2 6 Espaço individual é a área do circulo de raio DI (Distância individual) com centro nas coordenadas (X,Y) definidas na propriedade posição do objeto boi.

10 10 Arce et al. η = 0 < número randomico <1; ( ) asin y 2 2 θ = ; d = x + y ; d = ; y = y n yz onde: θ = Ângulo entre o animal e a origem do estímulo; d = Distância ao animal causador do estímulo de fuga; = Coordenadas do objeto O 1; = Coordenadas do objeto causador do estímulo de fuga. Por sua vez o objeto O 1 ao se movimentar dispara um evento que é tratado pelo método onboimove do objeto rebanho e pode servir de estímulo para outros objetos cujo espaço individual seja invadido. Por outro lado, quando a distância de um objeto O L identificado como líder espacial com relação ao grupo supera a distância social, o restante do rebanho tende a acompanhá-lo adotando uma direção θ ) que melhor o aproxime do líder. ( ( ) asin y θ aprox. = θ + 90 ; θ = (5) d d x = x n x ; 2 2 = x + y ; Lider onde: θ = Ângulo entre o animal e a origem do estímulo; d = Distância ao animal causador do estímulo de coesão; = Coordenadas do objeto estimulado; = Coordenadas do objeto causador do estímulo. A Figura 7 mostra a estrutura das classes rebanho e boi implementadas no simulador. Dessa forma, o rebanho virtual mantém-se coeso respeitando os limites das distâncias individuais dos animais e se desloca acompanhando o movimento de um dos líderes espaciais. 3.5 SIMULADOR DA REDE DE SENSORES FBSN Partindo dos gráficos de propagação das antenas das estações rádio base fixas (raio de cobertura) e dos nós móveis carregados pelos animais, o simulador gera no espaço de criação uma distribuição de nós fixos para um rebanho unitário, isto é, um único animal em qualquer posição da área de criação estaria sempre dentro da área de cobertura da infra-estrutura de nós fixos. y = y n y Lider

11 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 11 Figura 7. Classes rebanho e boi do simulador. Com o rebanho virtual em movimento utilizando o simulador de deslocamento configurado com qualquer um dos modelos implementados, é possível reduzir progressivamente a quantidade de estações fixas (ERBF) e acompanhar seu efeito no desempenho geral da rede. A situação ótima é aquela em que todos os animais podem ser alcançados se necessário através da rede de ERBT, mas um mínimo de indivíduos deve estar dentro da área de cobertura das ERBF 7 (Figura 8). 4 RESULTADOS A Figura 9 mostra uma área escolhida para testar o simulador. Trata-se de uma área de pastagem localizada na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (21º59 S, 7 O simulador não considera interferências de sinais externos nem protocolos de comunicação paralelos. 47º27 W). No simulador foram configurados os parâmetros mostrados na Tabela 1. Os obstáculos artificiais (cercas) e naturais (restos de floresta) presentes na área real, foram representados na interface do programa. Em seguida, o software gerou uma distribuição de ERBF s para monitorar um rebanho unitário 8 (Figura 10) e criou o rebanho virtual a partir dos parâmetros configurados. Finalmente, o programa simulou o deslocamento do rebanho dentro da área de teste (Figura 11) e assim foi possível diminuir o número de ERBF até chegar à distribuição mostrada na Figura 12. Estes resultados mostram a eficiência do simulador na simulação do deslocamento do rebanho. Em estudos futuros, serão comparados os resultados do simulador 8 Esta etapa distribui as ERBF necessárias para alcançar qualquer animal sem considerar a possibilidade de ponte através das ERBT.

12 12 Arce et al. com o deslocamento de um rebanho real e será feita uma análise para determinar qual dos dois modelos de deslocamento implementados representa melhor este deslocamento. Figura 8. Situação ótima de distribuição de nós fixos. Tabela 1 Parâmetros utilizados no simulador. Parâmetro Valor Número de animais do rebanho 100 Distância social máxima 10m Distância individual mínima 7m Modelo de deslocamento Mov. Browniano Raio de cobertura ERBF 150m Cobertura dos nós sensores 50m

13 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 13 Figura 9. Área escolhida para teste do simulador. Figura 10. Tela do simulador com a infra-estrutura para monitorar um animal isolado.

14 14 Arce et al. Figura 11. Tela do simulador mostrando o rebanho virtual em movimento (Modelo Browniano). Figura 12. Infra-estrutura otimizada.

15 Simulador de deslocamento de rebanho bovino para avaliação de monitoramento baseado em redes de sensores sem fio 15 5 CONCLUSÃO O simulador desenvolvido permitiu reproduzir de forma realística as características do deslocamento de um rebanho bovino. Foram gerados rebanhos de 20 a 200 indivíduos e foi possível observar as interações espaciais entre os animais virtuais. Com o rebanho virtual em movimento a ferramenta apresentada nos permitiu dimensionar de forma ótima a infra-estrutura de uma rede FBSN experimental. É de singular ajuda o emprego de ferramentas como o simulador ora descrito na viabilização de técnicas de monitoramento, principalmente de rebanhos numerosos em grandes áreas de criação extensiva. Outras aplicações para essa ferramenta podem ser vislumbradas, como por exemplo, a simulação do consumo de pastos e os efeitos que a edificação de obstáculos possam causar no comportamento social animal. REFERÊNCIAS ASADA, G.; BHATTI, I.; LIN, T.H.; NAT- KUNANTHANAN, S.; NEWBERG, F.; ROFOUGARAN, R.; SIPOS, A.; VALOFF, S.; POTTIE, G.J.; KAISER, W.J. Wireless Integrated Network Sensors (WINS). Proc. of SPIE, v.3673, p , BOOCH, G.; RUMBAUGH, J.; JACOB- SON, J. The Unified Modeling Language User Guide. Addison-Wesley CONQUILLARD, P.; HILL, D.R.C. Modelisation et Simulation des Ecosystemes. Masson. Paris COSTA, M. J. R. P. Ambiência na produção de bovinos de corte a pasto. Anais de Etologia, v.18, p.26-42, CUBERT, R.M.; GOKTEKIN, T.; FISH- WICK, P. A. MOOSE: Architecture for an Object-Oriented Multimodeling Simulation System. Enabling Technology for Simulation Science. SPIE. AeroSense, Conference. Orlando. FL DE ANGELIS, D. L. J. G. Individual- Based Models and Approaches in Ecology: Populations Communities and Ecosystems. Chapman and Hall. New York EINSTEIN, A. Investigations on the theory of the Brownian Movement. Edited with notes by R. Furth. Translated by A. D. Cowper. Dover Publications, INC GREENWOOD, P. T.; RITTENHOUSE, L. R. Feeding area selection: the leaderfollower phenomena. Proc. West. Sect. Am. Soc. Anim. Sci. v.48, p , HILL, D.R.C. Object-Oriented Analysis and Simulation. Addison-Wesley HUSTON, M.; DE ANGELIS, D.; POST, W. New computer models unify ecological theory. Computer simulations shows that many ecological patterns can be explained by interactions among individual organisms. BioScience v.38 (10), p , KETTLEWELL, P. J.; MITCHELL, M. A.; MEEKS. I. R. An implantable radiotelemetry system for remote monitoring of heart rate and deep body temperature in poultry. Computers and Electronics in Agriculture. V.17, p ,1997.

16 16 Arce et al. MIN, R. B.; CHO, M. S.; ICKES, N.; SHIH, E.; SINHA, A.; WANG, A.; CHANDRAKASAN, A. Energy-centric enabling technologies for wireless sensor networks. IEEE Wireless Communications. v.9(4), p , SATO, S. Leadership during actual grazing in a small herd of cattle. Appl. Anim. Ethol. v.8, p.53-65, SILVA A.C.S.; ARCE A. C.; SOUTO S.; COSTA E.J.X. A wireless floating base sensor network for physiological response to livestock. Computers and Electronics in Agriculture. v.49(2), p , TYLER, S. J. The behaviour and social organization of the New Forest ponies. Anim. Behav. Monogr. v.5, p , 1972.

UM MODELO DE GESTÃO BASEADO EM E-SCIENCE E DATA WAREHOUSE PARA APLICAÇÃO NO AGRONEGÓCIO

UM MODELO DE GESTÃO BASEADO EM E-SCIENCE E DATA WAREHOUSE PARA APLICAÇÃO NO AGRONEGÓCIO UM MODELO DE GESTÃO BASEADO EM E-SCIENCE E DATA WAREHOUSE PARA APLICAÇÃO NO AGRONEGÓCIO A MODEL OF MANAGEMENT BASED ON E-SCIENCE AND DATA WAREHOUSE FOR APPLICATION IN AGRIBUSSINESS Tech, A.R.B. 1,2, Arce,

Leia mais

Ensinando os fundamentos de redes de sensores sem fio usando um sistema simples

Ensinando os fundamentos de redes de sensores sem fio usando um sistema simples Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 35, n. 1, 1507 (2013) www.sbfisica.org.br Ensinando os fundamentos de redes de sensores sem fio usando um sistema simples (Teaching wireless sensor networks fundamentals

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix.

build UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas 3 Prof.Marcelo Nogueira A produção de Software é uma atividade build and fix. UNIP Sistemas de Informação Análise Essencial de Sistemas Prof.Marcelo Nogueira Análise Essencial de Sistemas 1 Introdução A produção de Software é uma atividade build and fix. Análise Essencial de Sistemas

Leia mais

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet)

Felipe Denis M. de Oliveira. Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) UML Felipe Denis M. de Oliveira Fonte: Alice e Carlos Rodrigo (Internet) 1 Programação O que é UML? Por quê UML? Benefícios Diagramas Use Case Class State Interaction Sequence Collaboration Activity Physical

Leia mais

Usando o Arena em Simulação

Usando o Arena em Simulação Usando o Arena em Simulação o ARENA foi lançado pela empresa americana Systems Modeling em 1993 e é o sucessor de dois outros produtos de sucesso da mesma empresa: SIMAN (primeiro software de simulação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - PRÓ-REITORIA PARA ASSUNTOS ACADÊMICOS CURRÍCULO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO PERFIL PERFIL 3001 - Válido para os alunos ingressos a partir de 2002.1 Disciplinas Obrigatórias Ciclo Geral Prát IF668 Introdução à Computação 1 2 2 45 MA530 Cálculo para Computação 5 0 5 75 MA531 Álgebra Vetorial

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS

DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS DESENVOLVIMENTO DE PROGRAMA MULTIMIDIA PARA O ENSINO DEDINÂMICA DE MÚLTIPLOS CORPOS Ilmar Ferreira Santos Rodrigo Fernandes de Carvalho UNICAMP - Faculdade de Engenharia Mecânica Departamento de Projeto

Leia mais

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira

Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre César M de Oliveira Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Introdução Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação: Alexandre

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1

DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 DEFINIÇÃO DE UMA REDE DE SENSORES SEM FIO PARA A ARQUITETURA AGROMOBILE 1 Marcos Sulzbach Morgenstern 2, Roger Victor Alves 3, Vinicius Maran 4. 1 Projeto de Pesquisa Agromobile - Uma Arquitetura de Auxílio

Leia mais

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto.

3.1 Definições Uma classe é a descrição de um tipo de objeto. Unified Modeling Language (UML) Universidade Federal do Maranhão UFMA Pós Graduação de Engenharia de Eletricidade Grupo de Computação Assunto: Diagrama de Classes Autoria:Aristófanes Corrêa Silva Adaptação:

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC

ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA 01: ANÁLISE DA MEDIÇÃO INTELIGENTE DE ENERGIA VIA PLC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS, AMBIENTAIS E DE TECNOLOGIAS CEATEC PUC-CAMPINAS ASPECTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM REDES INTELIGENTES SMART GRIDS PROJETO DE PESQUISA

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014

IntroduçãoaoGuia SWEBOK. Ernani Lopes Isensee 2014 IntroduçãoaoGuia SWEBOK Ernani Lopes Isensee 2014 Conhecendo o SWEBOK Guide to the Software Engineering Body of Knowledge IEEE Institute of Electrical and Electronic Engineers Conhecendo o SWEBOK O guia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CAMPUS DE SOBRAL INTEGRALIZAÇÃO CURRICULAR (Currículo 2006.2) Agosto de 2010 Hodiernamente não mais se concebe que a formação do futuro profissional

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto*

IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO. João Alvarez Peixoto* IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE SELEÇÃO DE PEÇA USANDO CONCEITOS DE PROGRAMAÇÃO DE SISTEMA DE AUTOMAÇÃO João Alvarez Peixoto* * Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica - UFRGS Porto

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK)

ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) ESTUDO DE VIABILIDADE, PROJETO E IMPLANTAÇÃO DE UMA REDE VPN (VIRTUAL PRIVATE NETWORK) 1. VPN Segundo TANENBAUM (2003), VPNs (Virtual Private Networks) são redes sobrepostas às redes públicas, mas com

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTELIGENTES ORIENTADOR:

Leia mais

Governança da Capacidade de TI

Governança da Capacidade de TI Coordenadoria de Tecnologia da Informação Documentos Formais Governança da Sumário 1 Introdução... 03 2 Políticas do Documento de Governança da... 04 3 Governança da... 05 4 Principais Serviços para Governança

Leia mais

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema

Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Notas de Aula 04: Casos de uso de um sistema Objetivos da aula: Aprender os elementos básicos da modelagem por casos de uso Utilizar as associações entre casos de uso, atores e demais artefatos Compreender

Leia mais

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt

INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt INF-111 Redes Sem Fio Aula 01 Introdução Prof. João Henrique Kleinschmidt Santo André, setembro de 2014 Roteiro PARTE I Apresentação da Disciplina PARTE II Introdução à Redes Sem Fio Apresentação do Professor

Leia mais

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema

Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Projeto Liowsn Manual de utilização do sistema Autor: Marllus Lustosa - marlluslustosa@gmail.com 0 Índice 1. Introdução... 1 2. Tela de boot... 2 3. Tela de login... 2 4. Ambiente de trabalho... 5 5. Utilizando

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA Estudo e aperfeiçoamento da técnica de Steering Behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML

Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML Modelagemde Software Orientadaa Objetos com UML André Maués Brabo Pereira Departamento de Engenharia Civil Universidade Federal Fluminense Colaborando para a disciplina CIV 2802 Sistemas Gráficos para

Leia mais

Aula 08. Modelos e Simulação

Aula 08. Modelos e Simulação Modelos e Simulação 8.1 Aula 08 Modelos e Simulação Walter Antônio Bazzo e Luiz Teixeira do Vale Pereira, Introdução a Engenharia Conceitos, Ferramentas e Comportamentos, Capítulo 7: Modelos e Simulação

Leia mais

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO

EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO EXPERIMENTO N o 6 LENTES CONVERGENTES INTRODUÇÃO Ao incidir em uma lente convergente, um feixe paralelo de luz, depois de passar pela lente, é concentrado em um ponto denominado foco (representado por

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks

SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks SDN-WISE: Design, prototyping and experimentation of a stateful SDN solution for WIreless SEnsor networks Universidade Federal Fluminense - UFF Instituto de Computação - IC Disciplina: Engenharia de Redes

Leia mais

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação

Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Universidade Gama Filho Campus Piedade Departamento de Engenharia de Controle e Automação Laboratório da Disciplina CTA-147 Controle I Análise da Resposta Transitória (Este laboratório foi uma adaptação

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação

Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Introdução à Engenharia Elétrica I 2007.1 Grupo 1 Professor Fernando Passold Atividade 2: Desenvolvimento de um pequeno processo de fabricação Desafio: Numa fábrica, existe uma máquina chamada máquina

Leia mais

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados:

Entre os elementos desejados no perfil dos egressos podem ser citados: COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Apesar do foco do curso de Engenharia de Computação da UCDB está na área de software, o profissional formado pelo curso de Engenharia da Computação deve adquirir as seguintes

Leia mais

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER

Unisant Anna Gestão Empresarial com ERP 2014 Modelagem de Sistemas - UML e MER Objetivo dessa aula é descrever as características e a simbologia dos diagramas UML e MER na modelagem de sistemas de informação de uma forma a permitir a comunicação entre técnicos e gestores. Modelagem

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação

Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação 96 Simulador de Robô para Auxílio ao Ensino de Programação Marco T. Chella, Claudio M. Oliveira, José Caique O. da Silva Departamento de Computação Universidade Federal de Sergipe (UFS) São Cristóvão,

Leia mais

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes

Engenharia de Software: Introdução. Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Engenharia de Software: Introdução Mestrado em Ciência da Computação 2008 Profa. Itana Gimenes Programa 1. O processo de engenharia de software 2. UML 3. O Processo Unificado 1. Captura de requisitos 2.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO

SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO SOLUÇÃO DE TELEMETRIA PARA SANEAMENTO Marcelo Pessoa Engenheiro de soluções para saneamento Introdução As indústrias buscam eficiência, aumento da qualidade e a redução de custos. Para alcançar isto investem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

BC-0005 Bases Computacionais da Ciência. Modelagem e simulação

BC-0005 Bases Computacionais da Ciência. Modelagem e simulação BC-0005 Bases Computacionais da Ciência Aula 8 Modelagem e simulação Santo André, julho de 2010 Roteiro da Aula Modelagem O que é um modelo? Tipos de modelos Simulação O que é? Como pode ser feita? Exercício:

Leia mais

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009

Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 Micro Mídia Informática Fevereiro/2009 1 UML Introdução Fases de Desenvolvimento Notação Visões Análise de Requisitos Casos de Uso StarUML Criando Casos de Uso Orientação a Objetos Diagrama de Classes

Leia mais

MAPEAMENTO DAS LINHAS EQUIPOTENCIAIS E DE CAMPO E CÁLCULO DA CAPACITÂNCIA UTILIZANDO A TRANSFORMAÇÃO DE SCHWARZ- CHRISTOFFEL

MAPEAMENTO DAS LINHAS EQUIPOTENCIAIS E DE CAMPO E CÁLCULO DA CAPACITÂNCIA UTILIZANDO A TRANSFORMAÇÃO DE SCHWARZ- CHRISTOFFEL MAPEAMENTO DAS LINHAS EQUIPOTENCIAIS E DE CAMPO E CÁLCULO DA CAPACITÂNCIA UTILIZANDO A TRANSFORMAÇÃO DE SCHWARZ- CHRISTOFFEL CALIXTO, Wesley Pacheco 1 ; ALVARENGA, Bernardo 1 wpcalixto@gmail.com bernardo@eee.ufg.br

Leia mais

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1

MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 MRedPN tt : Metodologia para Redesenho de Processos de Negócios com Transferência Tecnológica - Versão 1.1 Prof. Dr. Jorge Henrique Cabral Fernandes (jhcf@cic.unb.br) Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

projetos de automação

projetos de automação Utilização de técnicas de simulação para desenvolvimento, testes e validação de projetos de automação doi: 10.4322/tmm.00401004 Eduardo Ferreira de Freitas 1 Marcos de Oliveira Fonseca 2 Rodrigo Madeira

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage

Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando a ferramenta Player/Stage Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Simulação de coleta de dados em redes de sensores sem o por robôs móveis utilizando

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. SISTEMA DE MONITORAMENTO METEOROLÓGICO PARA A OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA ELÉTRICO DA BANDEIRANTE ENERGIA S.A. Carlos Augusto Morales Rodriguez 1, Jojhy Sakuragi 2, Domingos

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS

COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS COERÊNCIA DO CURRÍCULO DO CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO EM FACE DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS O documento que serviu de base para a análise a seguir é o denominado "Diretrizes Curriculares

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Sistemas Supervisórios

Sistemas Supervisórios Sistemas Supervisórios Prof a. Michelle Mendes Santos michelle@cpdee.ufmg.br Sistemas Supervisórios Objetivos: Apresentação e posicionamento da utilização de sistemas supervisórios em plantas industriais;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MODELAGEM DE UMA PLATAFORMA VIRTUAL PARA SISTEMAS EMBUTIDOS BASEADA EM POWERPC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA MODELAGEM DE UMA PLATAFORMA VIRTUAL PARA SISTEMAS EMBUTIDOS BASEADA EM POWERPC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DANIEL CARLOS CASAROTTO JOSE OTÁVIO CARLOMAGNO FILHO MODELAGEM DE UMA PLATAFORMA VIRTUAL PARA SISTEMAS EMBUTIDOS BASEADA EM POWERPC Florianópolis, 2004 DANIEL CARLOS

Leia mais

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D

6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D 6. Geometria, Primitivas e Transformações 3D Até agora estudamos e implementamos um conjunto de ferramentas básicas que nos permitem modelar, ou representar objetos bi-dimensionais em um sistema também

Leia mais

1 Descrição do Trabalho

1 Descrição do Trabalho Departamento de Informática - UFES 1 o Trabalho Computacional de Algoritmos Numéricos - 13/2 Métodos de Runge-Kutta e Diferenças Finitas Prof. Andréa Maria Pedrosa Valli Data de entrega: Dia 23 de janeiro

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus

Prof. Responsável Wagner Santos C. de Jesus Universidade do Vale do Paraíba Colégio Técnico Antônio Teixeira Fernandes Disciplina Desenho Técnico Aplicado a Segurança do Trabalho Material III-Bimestre Introdução e Conceito de CAD e Ferramentas,Primitivas

Leia mais

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR

GUIA DE FUNCIONAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR Curso Engenharia Informática Ano letivo 2012/2013 Unidade Curricular Engenharia de Software II ECTS 6 Regime Obrigatório Ano 3º Semestre 1º sem Horas de trabalho globais Docente Maria Clara Silveira Total

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015

Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Sistemas de Supervisão e IHM s Automação Semestre 01/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Sistemas Supervisórios são sistemas digitais de monitoração e operação da planta que gerenciam as

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA A AUTOMAÇÃO DAS ATIVIDADES ZOOTÉCNICAS

INSTRUMENTOS PARA A AUTOMAÇÃO DAS ATIVIDADES ZOOTÉCNICAS INSTRUMENTOS PARA A AUTOMAÇÃO DAS ATIVIDADES ZOOTÉCNICAS Aldo Ivan Céspedes Arce; Ana Carolina de Souza Silva; Adriano Rogério Bruno Tech e Ernane José Xavier Costa * Faculdade de Zootecnia e Engenharia

Leia mais

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA

Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA Detecção e investigação de ameaças avançadas. INFRAESTRUTURA DESTAQUES A infraestrutura do RSA Security Analytics Arquitetura modular para coleta distribuída Baseada em metadados para indexação, armazenamento

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Concurso Público para o provimento de vagas em Cargos de Nível Superior da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico CÓDIGO DA VAGA: TP06

Concurso Público para o provimento de vagas em Cargos de Nível Superior da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico CÓDIGO DA VAGA: TP06 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. Nos estágios iniciais da atividade profissional, um técnico ou tecnólogo executará atividades nos níveis operacionais e de gerência. É correto afirmar que, como administrador,

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE ESTRUTURAS Lui Fernando Martha Processo do Projeto Estrutural Concepção (arquitetônica) da obra atendimento às necessidades funcionais e econômicas Anteprojeto estrutural plantas

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE

CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE CONSTRUÇÃO DE VEÍCULO MECATRÔNICO COMANDADO REMOTAMENTE Roland Yuri Schreiber 1 ; Tiago Andrade Camacho 2 ; Tiago Boechel 3 ; Vinicio Alexandre Bogo Nagel 4 INTRODUÇÃO Nos últimos anos, a área de Sistemas

Leia mais