A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DESENVOLVIDA PELA FUNDAÇÃO ESTADUAL DO BEM ESTAR DO MENOR DO CEARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DESENVOLVIDA PELA FUNDAÇÃO ESTADUAL DO BEM ESTAR DO MENOR DO CEARÁ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, DE HISTÓRIA E DE MÉTODOS E TÉCNICAS DE SERVIÇO SOCIAL. MESTRADO ACADÊMICO EM POLÍTICAS PÚBLICAS E SOCIEDADE. A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DESENVOLVIDA PELA FUNDAÇÃO ESTADUAL DO BEM ESTAR DO MENOR DO CEARÁ. Passaporte para a cidadania ou dispositivo disciplinar? Rejane Batista Vasconcelos Mestranda Inês Sílvia Vitorino Sampaio Orientadora Professora Doutora Fortaleza Ceará Dezembro/2003

2 Rejane Batista Vasconcelos A POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE DESENVOLVIDA PELA FUNDAÇÃO ESTADUAL DO BEM ESTAR DO MENOR DO CEARÁ: PASSAPORTE PARA A CIDADANIA OU DISPOSITIVO DISCIPLINAR? Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado Acadêmico da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Políticas Públicas e Sociedade. Área de Concentração: Ciências Sociais. Orientadora: Profa. Dra. Inês Sílvia Vitorino Sampaio Universidade de Fortaleza Fortaleza Universidade Estadual do Ceará

3 Vasconcelos, Rejane Batista A política de assistência à criança e ao adolescente desenvolvida pela Fundação Estadual do Bem Estar do Menor do Ceará: passaporte para a cidadania ou dispositivo disciplinar?/ Rejane Batista Vasconcelos f., enc. Orientadora: Inês Sílvia Vitorino Sampaio. Dissertação (mestrado) Universidade Estadual do Ceará Bibliografia: f

4 Universidade Estadual do Ceará Departamento de Ciências Sociais, História, Métodos e Técnicas de Serviço Social Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas e Sociedade Dissertação intitulada: A política de assistência à criança e ao adolescente desenvolvida pela Fundação Estadual do Bem Estar do Menor do Ceará: passaporte para a cidadania ou dispositivo disciplinar?, de autoria da mestranda Rejane Batista Vasconcelos, aprovada pela banca examinadora constituída pelos professores: Profa. Dra. Inês Sílvia Vitorino Sampaio UNIFOR Orientadora Profa. Dra. Ângela de Alencar Araripe Pinheiro UFC Prof. Dr. Francisco Horácio da Silva Frota UECE Fortaleza, 15 de dezembro de

5 Os que por último chegaram e em minha vida tornaram se, em tudo, os primeiros: Adriano e Germano. A vocês, para quem, jamais, ninguém lançou olhares distintos dos que se lançam para as crianças, e os quais ninguém jamais ousou chamar menores, o meu desejo de que todas as horas em que lhes disse não sem culpa, nem temor de que depois ou que mais tarde ou amanhã fossem tempo longe demais : AGO RA NÃO POSSO, venham a ser traduzidas em possibilidades novas para os menores, ainda não transformados em crianças, sobre os quais ainda haverão de se produzir muitos estudos, para se buscar entender o que leva as pessoas a fabricar e alimentar desigualdades de tal m onta que quase convencem que os iguais de direito deverão ser e crer-se, de fato, desiguais. E, tam bém, Aos que vieram antes de mim: Minha avó Severina, exem plo de força e vontade de marcar seu registro nos quase noventa e dois anos de convivência. N a certeza de que está dando um outro significado ao lugar para onde foi... Meus pais, A ssis hoje, presentificado na saudade e Tica, cuja comunicação é, hoje, feita não de palavras já não as consegue dizer -, m as de emoção e de alegria da presença, m esm o silenciosa, com ausências e distanciada, m as, igualm ente forte. É, a vocês, que dedico tudo o que representou de esforço, de incerteza, mas também de prazer que se configura na sensação de mais um passo... E, m ais, desejando, A driano, que a pergunta que me fez se o que eu estudei vai ter aplicação em algum lugar? Respondo, agora, de outra forma: espero que sim! 4

6 É momento de reconhecer e agradecer a Quem são meus Irmãos e amigos Quem junto de mim está Quem, comigo, esteve Amigos e companheiros do Mestrado; Horácio pela espera, paciência e confiança de que, um dia, essa difícil tarefa haveria de ser cumprida; Helena Frota, a quem nunca falei da gratidão, pela forma elogiosa e de amparo que me assegurou a serenidade necessária nas primeiras etapas seletivas deste curso; Os professores todos; Lílian a primeira secretária sempre solidária e pronta a quebrar o famoso galho; Fátima a quem coube, posteriormente, a tarefa de manter-nos nós alunos, informados e lembrados de nossos prazos (rigorosamente cumpridos!). Todos, igualmente, espero que me sintam grata, pois é como sou a vocês. A você, Inês, que, muito mais que uma orientadora, com rigor, apoio e incentivo, fez-me pensar e buscar forças e possibilidades que, muitas vezes, pareceram-me inexistentes, e que, também, como um exemplo de possibilidade de convivência salutar com pensares distintos até opostos, representou a melhor escolha para parceira, nesta tarefa, meu reconhecimento e gratidão por tudo de bom que este trabalho possa representar. Ângela Pinheiro e Gisafran, assistentes e auxiliares do primeiro parto a qualificação do projeto, saibam do orgulho e da gratidão de tê-los como partícipes importantes desta chegada... Especialmente à Socorro a Maria do Socorro! (Martins) que, a despeito de todas as dores e dificuldades por que vem passando, esteve como amiga solícita, colaboradora incansável e inarredável confiando que você, brevemente, também conclua essa tarefa, um obrigada especial. Também obrigada àqueles que não mencionei, por razões de ordem diversa, inclusive por lapso de memória, nesse momento, mas que isso não significa que deixo de reconhecer o grau de sua importância tida no trajeto e construção deste empreendimento. 5

7 Grata, espero que me tenham, também, Aqueles colegas e amigos feitos no espaço institucional que, de algum modo, atuaram como colaboradores neste empreendimento. Nessa condição, menciono Ana Martins e Lucita, como forma de agradecer aos demais. As assessoras jurídicas da Secretaria de Ação Social Auxiliadora e Conceição que, em tempo, e com sensibilidade, buscaram e encontraram, na lei, a forma de reconhecer a justeza na concessão do afastamento necessário à conclusão desta pesquisa. Isaías e Sônia, integrantes dessa mesma assessoria, que, com imensuráveis apoio, presteza e atenção tranqüilizaram-me nos momentos de espera. Mônica Meneses que foi, nos difíceis momentos finais, dando palavras de incentivo e mostrando que o fim estava perto... A FUNCAP, pela curta, mas importante, ajuda financeira concedida durante sete meses. Margarida Alacoque que me confiou o manuseio de valiosos documentos que tão bem os tem guardado. Veriana uma amizade iniciada no espaço institucional, pelo incentivo, pela colaboração e força dados nesse caminhar. E, mesmo, por todas as vezes que me cobrou a colocação de um ponto final neste quase infindo trabalho. Elineide, pela colaboração, neste finalzinho. 6

8 Resta-me dizer do preito de gratidão para com os sujeitos constitutivos fundamento e fim do que este estudo possa ter significado em termos de investimento material, da razão do esforço, do alim entar da utopia, esta, aqui, entendida, com o sonho em andamento: as crianças e os adolescentes com os quais realizei a experiência impagável de dividir horas, dias, m eses, anos de minha vida. Sujeitos que ensinam, a quem se propõe a aprender, tudo da vida: o que se pode experimentar de melhor e de pior do ser humano. Pacientes, são capazes de esperar o que nunca chega ou o que chega demasiadamente tarde. Mas, tendo pressa para garantir a vida, podem tornar-se impiedosos com as vidas que os atropelam no caminho. Nessa estrada, não nos cabe conhecer ou ver o que virá. O fim dela, ninguém sabe, bem ao certo, onde vai dar. Vamos todos numa linda passarela. de uma aquarela que um dia, enfim, descolorirá... (Toquinho e Vinícius de M oraes). Como o foi para os que se foram cedo: Ana(s) Lúcia(s), Vanderlânia, Reginaldo, e outros... 7

9 Sonhei que estava sonhando Um sonho sonhado Um sonho de um sonho magnetizado As mentes abertas Sem bicos calados Juventude alerta Os seres alados Sonho meu Eu sonhava que sonhava Por isso eu sonhei... (Sonho de um sonho de Rodolfo de Souza e Tião Graúna). 8

10 SUMÁRIO RESUMO ABSTRACT INTRODUÇÃO I CAPÍTULO O ESTUDO EM SEUS TEMPOS E ESPAÇOS E EM SUAS FORMAS DE IDEALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO I. 1 Dramas que construíram a trama I. 1.1 Recontando histórias e (re)encontrando razões I. 2 As paixões ao sabor da razão: o esforço do esculpir o objeto de estudo I O objeto em sua dimensão e forma I. 3 Percalços e passos da pesquisa I. 3.1 As lentes, o foco e o olhar sobre o material I. 4 Definição do corpus II CAPÍTULO NO MUNDO DOS GRANDES UM MUNDO PARA OS PEQUENOS: O CONSTRUTO HISTÓRICO-SOCIAL DA INFÂNCIA E JUVENTUDE II. 1 Histórias que não embalam sonhos, mas que os livros contam II. 2 A infância entre cantiga (d)e roda II. 3 Aos pequenos, a herança de um mundo feito pelos grandes II. 4 O século que daria à luz a criança II. 5 A infância significando-se sob rédeas nas redes de poder: a constituição da criança da modernidade II A criança e as regras da modernidade II. 6 Nem criança nem adulto: um outro ser e um outro mundo III CAPÍTULO A INFÂNCIA EM SUA VERSÃO POBRE: UM CAPÍTULO DE SUAS MUITAS HISTÓRIAS III. 1 A caridade: a redenção da infância desvalida

11 III A Roda não é brincadeira e a ciranda é da morte III. 2 A ciência: medida e promessa para uma infância de valia III. 3 O mundo por cenário e a pobreza como espetáculo III. 4 Os espólios da pobreza sob a administração do Estado A política social para a infância como uma reposta a que questões? IV CAPÍTULO ENSAIANDO UM BALANÇO: OS LEGADOS JURÍDICOS DO SÉCULO XX PARA A INFÂNCIA IV. 1 A inauguração de uma outra era para a menoridade no Brasil V CAPÍTULO POLÍTICA SOCIAL: SÓ UM MODO DE GOVERNO DAS DESORDENS? UMA FRACASSADA MEDIDA DE ALCANCE DA CIDADANIA? OU UMA ARENA DE DISPUTA POLÍTICA, ECONÔMICA E SOCIAL CONSEQÜENTEMENTE UM JOGO DE FORÇAS? V. 1 Pensando o Estado e a sociedade brasileiros para pensar sua política social V. 2 Matrizes nacionais da política social V. 3 Matizes de uma política social brasileira: o caso da infância e da adolescência VI CAPÍTULO FALAS E (E)FEITOS DE UMA POLÍTICA: CONHECENDO O DISCURSO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO CEARÁ VI. 1 Uma política em seu cenário de inspiração e de vida VI. 2 A Fundação Nacional do Bem-Estar do Menor FUNABEM e a Política Nacional do Bem-Estar do Menor PNBEM: um agente e um discurso com seus vários efeitos VI A FUNABEM e a PNBEM no curso da história: outras e mesmas falas dos mesmos e de outros personagens VII CAPÍTULO CONCLUSÕES POSSÍVEIS AO RELER OS DISCURSOS E OUVIR OUTROS ECOS: O QUÊ E DE QUEM FALAM ESSAS FALAS QUE FALAM DE PROTEÇÃO, SANÇÃO, RUA, TRABALHO E ESCOLA VII. 1 A proteção à criança e ao adolescente em sua contra-face VII. 2 A sanção prescrita na política de assistência à criança e ao adolescente VII. 2.1 O ingresso e o batismo institucionais

12 VII. 3 A escola e o trabalho enquanto indicação e proibição: limites e alcances desses possíveis instrumentos de controle VII A escola e o trabalho: consórcios e divórcios VII. 4 A rua: os discursos dos perigos, riscos e interditos VII. 5 Síntese ideativa: retomando as hipóteses e conversando com elas VII. 6 Considerações finais CONSULTA BIBLIOGRÁFICA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DOCUMENTOS-BASE DAS ANÁLISES

13 RESUMO A pesquisa que resultou neste trabalho dissertativo teve por objetivo proceder a uma análise dos efeitos de poder que o discurso emanado da política social de assistência à infância e à adolescência, praticada pela Fundação Estadual do Bem Estar do Menor do Ceará, produziu nos sujeitos, por ela, alcançados. Com este propósito, a investigação buscava avaliar se essa política social poderia ser dita um recurso de controle, um dispositivo disciplinar. A parceria teórica para essa diligência foi buscada em Michel Foucault; uma investigação que seguiu os passos do modelo analítico que se funda no que esse filósofo e historiador francês nomina análise das formações discursivas. No começar da caminhada investigativa, algumas idéias findaram por produzir indagações que corporificaram colocações hipotéticas, sem que, no entanto, essas reservassem caráter de predição. Tiveram, elas, bem mais o caráter de trama, de tecido a sofrer, a um só tempo, o processo de tecedura e desfiadura. A idéia central era a de que, por inscrever como seus exclusivos destinatários a criança e o adolescente pobres, essa política assistencial configurar-se-ia num recurso de normalização, de controle das desordens sempre presentes em cenários sociais minados por desigualdades e injustiças. Daí decorreram mais duas idéias a serem investigadas: a de que a sociedade seria parceira ideal nesse processo de controle, de disciplinamento, pois, como deixa claro, Foucault, o poder não é bem e posse do Estado; ao contrário, ele está circunscrito a todo lugar, portanto, é posse desigual, é verdade de todos os sujeitos. Nesse sentido, a política social como recurso de enquadre, de disciplinamento, alcançaria seu propósito mediante o consórcio das vontades e necessidades de ordem, de controle presentes no Estado e na sociedade. Por fim, e decorrente da idéia central e dessa secundária, foi inferido que essa política teve a feição e a medida que a sociedade prescreveu. Evidente, que nem sociedade nem Estado são blocos compactos, unívocos, uníssonos, mas o que resulta do embate de suas frações, de suas facções, de seus cortes espelha, em grau menor ou maior, o que busca a sociedade com consciência ou sob equívocos, em termos de ordem. Pôr em suspenso essas idéias, a fim colocá-las em xeque, exigiu percorrer algumas trajetórias históricas: uma viagem de retorno à fundação do Estado e da sociedade brasileiros; uma reconstituição do tempo e cenário em que o mundo infantil e seu habitante surgiram como produção moderna; um recontar das histórias dos modelos, das instituições, das ações e das legislações formatadas para fazer frente às mazelas sociais que, sem dar chance de escolha, recaíam e recaem sobre a vida e o destino de crianças e adolescentes herdeiros da miséria que a riqueza promove. Todo esse trajeto de volta foi feito para pisar com segurança no terreno em que aquelas idéias seriam deitadas: a fonte documental projetos, programas, planos, relatórios produzidos tanto pela FEBEMCE, e material impresso semelhante ou distinto desses produzidos por órgãos do Poder Público estadual afetos a essa política específica na qual se foi buscar ouvir as falas que pareciam inaudíveis e os discursos que, à primeira vista, até poderiam parecer inofensivos, desprovidos de intenções e vontades irreveladas; enfim, discursos para os quais se olha como se fossem letra morta, como palavras destituídas de quaisquer poderes. O procedimento investigativo, em seus achados finais, permitiu verificar que, neles, encontravam-se ecos e ressonâncias daquele pensar inicial, construído ao longo do tempo de convivência com essa realidade de meninos e meninas desapossados de seus mais elementares direitos: a política social de atendimento à infância e à adolescência perpetrada pela FEBEMCE, no curso de sua existência pôde ser constatado, foi um instrumento de controle, um dispositivo disciplinar que não necessariamente impôs a violência física materializada, mas que não deixou de realizá-la sob uma eterna ameaça, como uma sombra que desenha, com o auxílio do medo, enormes fantasmas; como uma nuvem pairando nas zonas sombrias da Terra da Luz. 12

14 ABSTRACT 13

15 INTRODUÇÃO Numa folha qualquer Eu desenho um sol amarelo E com cinco ou seis retas É fácil fazer um castelo Corro o lápis em torno da mão E me dou uma luva E se faço chover Com dois riscos tem um guarda-chuva Se um pinguinho de tinta Cai no pedacinho azul do papel Num instante imagino uma linda gaivota A voar no céu [...]. (Trecho da canção Aquarela de Toquinho e Vinícius de Moraes) O esforço desse empreendimento investigativo reserva, em última instância, a intenção de oferecer uma leitura da política social de assistência à criança e ao adolescente que se praticou, no período de 1968 a 2000, no Estado do Ceará, pelo poder público estadual, através da Fundação Estadual do Bem Estar do Menor do Ceará FEBEMCE, tendo como alvo a população infanto-juvenil pobre. Foi, confesso, uma das mais duras e longas tarefas que, a mim, impus! Havia horas em que nenhuma idéia me vinha à mente; havia outras em que nenhuma palavra traduzia o que borbulhava, em mim, como sentimento ou pensamento; e outras em que, por mais que cavasse o terreno da razão ou da emoção, o que me aparecia era o nada e, com ele, o medo. Medo que se originava na autocrítica, bem assim, na crítica de que o que eu estava a fazer era um equívoco, um erro, uma insignificância. Pois, a ousadia de escolher uma parceria teórica do vulto de Foucault só envolve riscos, sobretudo, quando as descobertas feitas através dele, não atingiram, ainda, uma completa madurez. Os medos, pois, rondaram-me e rondam-me, neste fazer. Mas, uma certeza, guardo, desde longe: a vida é um contínuo estado de risco. Foi, assim pensando, que somei coragens para chegar a este término ou a um re-começar. Afirmo, logo em princípio deste trabalho, que fazer ciência é confrontar-se com os limites, com as impossibilidades. A quem envereda por este caminho cabe inventariar e, não raro, inventar as possibilidades. Como dizem os poetas em Aquarela basta imaginar e perseguir a imaginação que um mundo haverá de surgir em nossa frente... Foi muito do que tive de fazer para encontrar-me, aqui e agora, 14

16 com um sentimento de que busquei e encontrei entendimento de questões ainda que, neste percurso, se tenham levantado outras que me inquietaram ao longo de minhas atividades profissionais. Espero, com isso, estar, de algum modo, colaborando para que, pelo menos, sejam discutidas as formas de olhar, perceber e agir em relação às crianças e adolescentes que habitam este Estado. O desejo e a necessidade de empreender este estudo, eu os apresento no capítulo inaugural desta dissertação, quando inicio falando de meu ingresso no mundo dos menores, como assistente social, pelas portas do Centro Educacional Marieta Cals CEMC, unidade de Recepção e Triagem Masculina, da Fundação Estadual do Bem Estar do Menor do Ceará, ambos extintos, embora o que tenham representado possa permanecer, quer como véus das memórias, que, a qualquer instante, os ventos do tempo põem-nos a balançar, reavivando-os, quer como estruturas materiais no caso, do CEMC, que o prédio abriga, há algum tempo, o Centro Educacional Dom Bosco ou imateriais, refletidas nas práticas e efeitos que têm sido produzidos pelo que se colocou em seus lugares. O ESTUDO EM SEUS TEMPOS E ESPAÇOS E EM SUAS FORMAS DE IDEALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO intitulou o I Capítulo deste trabalho. Nele, estão enfocados o processo de constituição do objeto de estudo, sua dimensão, seu universo, sua localização, sua significância, o modo de sua abordagem, além dos limites que cercaram esse estudar. A infância tema de centralidade nesta pesquisa, a despeito de quaisquer esforços e investidas na direção de dar-lhe uma conformação, uma anatomia, ela é uma significação singular. É um evento transitório e inarredável: não há quem sendo jovem ou adulto não a tenha experimentado, embora se a diga ausente (?) na vida de crianças e adolescentes que sobrevivem nas condições de agruras e desesperanças. Dela, os poetas falam. Uns, como Casimiro de Abreu (1965), saudosamente, assim proclamam-na: Como era belo esse tempo, De tão doces ilusões, De tardes belas, amenas, De noites sempre serenas, De estrelas vivas e puras; Quadra de riso e de flores, Em que eu sonhava venturas, Em que eu cuidava de amores! (Trechos de Os meus sonhos, p. 189). 15

17 pesares e mágoas: Alguns, a exemplo de Cora Coralina (2001a), reacendem suas dores, Ao nascer frustrei as esperanças de minha mãe. Ela tinha já duas filhas, do primeiro e do segundo casamento com meu pai. [...]. Venci vagarosamente o desamor, a decepção de minha mãe. [...]. No Passado Tanta coisa me faltou. Tanta coisa desejei sem alcançar. [...]. Infância... Daí meu repúdio invencível à palavra saudade, infância... (Trechos de Menina mal-amada, p. 114, 119, 121). verdades: Outros, como Ruth Rocha (In ABRAMOVICH, 1983), dizem de suas Ai que saudades que eu tenho Da aurora da minha vida, Não gostava da comida Mas tinha que comer mais... Espinafre, beterraba, E era fígado e era fava, E tudo que eu não gostava Em porções industriais. (Trechos de Ai que saudades..., p. 105). O fato é que a infância, com suas significações, insere-se no percurso da vida social humana como uma elaboração de um dado tempo e em um espaço situado, portanto, uma concepção com tudo que lhe implica, histórica e socialmente produzida. NO MUNDO DOS GRANDES UM MUNDO PARA OS PEQUENOS: CONSTRUTO HISTÓRICO-SOCIAL DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE é o capítulo em que será feita a abordagem acerca de como foi introduzida a idéia de infância e de juventude na sociedade moderna. Nele, são trabalhados alguns marcos históricos e sociais que fundam esse evento, bem como a repercussão que traduz, nas vidas das crianças e dos jovens, a criação de um mundo infantil e de um mundo juvenil. 16

18 Como afirmei, infância é um conceito, e como todo conceito é resultado de múltiplos poderes: saber, pensar, agir, falar. Nele ficam incorporados, não necessariamente em proporções igualitárias, valores sociais, econômicos, políticos, morais, dentre outros étnicos, raciais, religiosos etc. Daí, ser impróprio falar-se da infância como se fôra um evento único e igualmente vivenciado por todas as crianças. Se é fato que o sujeito jovem e o sujeito adulto tenham, obrigatoriamente, ultrapassado a fase da infância, não é igualmente verdade, que esse período de vida tenha tido, para eles, a mesma significação. A infância inscreve-se, tanto para cada criança em particular quanto para os sujeitos de seu ambiente familiar e social, de modos distintos e, o mais grave, de modo desigual! Não, é, pois, a infância passível e possível de uma única representação totalizante de vivência, nem mesmo de uma só ideação sobre ela. Quando se ouve a música, de Martinho da Vila, Tom maior: Está em você O que o amor gerou Ele vai nascer e há de ser sem dor Ah! Eu hei de ver Você ninar, ele dormir Hei de vê-lo andar, falar, sorrir... e a música Relampiano de Lenine e Paulinho Moska, não se guarda quaisquer dúvidas quanto à impossibilidade de falar-se de uma só infância: Tá relampiano, cadê neném? Tá vendendo dropes No sinal pra alguém Todo dia é dia, toda hora é hora Neném não demora pra se levantar Mãe passando roupa, pai já foi embora. O caçula chora Mas há de se acostumar Com a vida lá de fora do barraco Hai que endurecer um coração tão fraco Para vencer o medo do trovão Sua vida aponta a contra-mão. [...]. É mais uma boca dentro do barraco Mais um quilo de farinha do mesmo saco Para alimentar um novo João Ninguém A cidade cresce junto com neném. 17

19 Ou quando se escuta O pivete de Francis Hime e Chico Buarque: No sinal fechado Ele transa chiclete E se chama pivete E pinta na janela Capricha na flanela Descola uma bereta Batalha na sarjeta E tem as pernas tortas. As infâncias, aqui tratadas, verá o leitor, estarão situadas no universo das cantadas em Relampiano e O pivete. Isto é, infâncias que foram ainda, têm sido, em menor escala alvo preferencial dos meios de comunicação de massa, quando de notícias envolvendo práticas de atos delitivos, a elas, atribuídos; que, igualmente, são fonte de inspiração de políticos, quando da busca, sem freios, de votos, para garantia de ingresso ou de renovação de permanência numa cadeira do legislativo ou do executivo em quaisquer das três esferas; que, também, lotam as instituições e tornam-se vítimas de práticas que colidem com os preceitos constitucionais; crianças e adolescentes que ficam, muitas vezes, à mercê da vontade e da discricionariedade de dirigentes e técnicos de espaços constituídos pelo Poder Público, para se portarem como abrigos ou centros educacionais, mas que passam ao largo de tais funções. Enfim, infâncias que conhecem, cedo, os braços que as abraçam, e que sabem o quanto pesa, sobre seus corpos e mentes, a mão forte do Estado sancionador, ao mesmo tempo, em que não têm a precisão do quanto essa mesma mão é escorregadia, quando se trata da proteção. É no III Capítulo que essa face da infância vai ser mostrada. A INFÂNCIA EM SUA VERSÃO POBRE: UM CAPÍTULO DE SUAS MUITAS HISTÓRIAS enfoca os distintos viéses em que se apresentaram e apresentam-se as práticas de assistência às crianças e aos adolescentes pobres, no Brasil. Reconstitui, ainda que sumariamente, o cenário político, social e econômico em que cada uma das expressões de atendimento e enfrentamento da chamada questão do menor teve e tem lugar, ao longo dos séculos. A caridade, a filantropia e a política social, como modos de operar a face da questão social relativa à menoridade pobre, foram abordadas em suas trajetórias históricas. A lógica a que cada uma atendia e comportava foi, neste 18

20 capítulo, tratada, bem como o aparelhamento material e ideológico construído para pôr em prática seus ideários. A configuração da questão da infância pobre, no Brasil, foi possível graças à farta produção historiográfica social relativa à criança, que se adensou na última década do século XX. A vida da infância pobre brasileira foi lida e trazida à análise pelas mãos e obras, sobretudo, de historiadores que se incumbiram de, preponderantemente na década de 1990, recompor seus dramas, bem como o modo de enfrentar as expressões de sua existência, que o Poder Público, a sociedade e a Igreja adotaram. Autores como Del Piore (1996; 1999), Fraga Filho (1996), Freitas (1997), Marcílio (1997; 1998), Rago (1997) deram eixo ao estudo que realizei. Não historiadores, mas igualmente estudiosos da infância brasileira, dentre outros, cito Guirado (1986), Kuhlmann Jr. (1998), Méndez (1998), Pereira Júnior (Org.) (1992), Volpi (1997), Pilotti & Rizzini (1995), que compuseram, igualmente, neste aspecto, o fundo teórico desta pesquisa. Dentre os autores que forneceram subsídios para análise dos instrumentos jurídicos relativos à criança e ao adolescente, menciono: Cavallieri (1995), Chaves (1997), Corrêa (1928), Carvalho (1980), Cury et al. (1992), Leal (1998), Machado (1987), Méndez (1998). Além dos autores referidos, os próprios ordenamentos jurídicos: Código de Menores de 1927, Novo Código de Menores - Lei 6697/79, de 10 de outubro de 1979, Estatuto da Criança e do Adolescente Lei Federal nº 8069, de 13 de julho de 1990, Código Penal Brasileiro, de 1940 e a Lei das Contravenções Penais, de 1941, foram objeto e fonte de consulta e análise, na construção desta e das demais fases deste estudo. ENSAIANDO UM BALANÇO: OS LEGADOS DO SÉCULO XX PARA A INFÂNCIA é como se intitula o IV Capítulo deste estudo. Aqui, busquei dar uma panorâmica do que foram os esforços empreendidos pela sociedade, por organismos internacionais e nacionais, por órgãos da esfera pública, por representações políticas, entidades de classe, organizações não-governamentais, entidades de defesa dos direitos humanos, dentre outros, no século recém findado, objetivando assegurar à infância e à adolescência, em todo o mundo, condições dignas de existir. São elencados alguns dos vários instrumentos internacionais que representam a intenção dos povos de assegurar um destino diferente do que vem tendo a maior parte das crianças do mundo. 19

21 No concernente, ao que se buscou, na mesma direção, em território nacional, para o conjunto das crianças, podem-se citar, como os mais significativos e recentes: a Constituição Federal, de 5 de outubro de 1988, na qual fica afirmada, pelo Artigo 227, a condição de cidadania para todas as crianças e adolescentes nascidos ou residentes no Estado brasileiro, e a Lei Federal 8069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente E. C. A., na qual se vê buscado o esforço de assegurar materialidade à condição cidadã para aqueles que, até então, haviam sido objetos do Direito. Esses ordenamentos jurídicos são, no curso deste estudo, apresentados, naquilo que configura seu cerne. As indagações que intitulam o V Capítulo são, na verdade, tudo do que ele é constituído; elas fundam o terreno em que este estudo prolifera. Seria, POLÍTICA SOCIAL: SÓ UM MODO DE GOVERNO DAS DESORDENS? UMA FRACASSADA MEDIDA DE ALCANCE DA CIDADANIA? OU UMA ARENA DE DISPUTAS POLÍTICAS, ECONÔMICAS E SOCIAIS CONSEQÜENTEMENTE UM JOGO DE FORÇAS? Políticas sociais representam, como pode ver o leitor, a fonte em que se deitaram minhas curiosidades e o meu desejo de entendimento. O estudo desta temática cobra, além de outros saberes, uma compreensão exata do processo de fundação do Estado brasileiro e, da esteira em que se desenrolam e se efetivam os conceitos de democracia, de cidadania, de participação, de compromisso com o coletivo. Não há como se dar conta do modo de existir e de funcionar do Poder Público e de suas ações e programações sem retornar aos alicerces de fundação do Estado; sem compreender, com nitidez, como se tecem as relações que configuram o Estado brasileiro e, mais ainda, a sociedade brasileira como exemplos modelares de estruturas autoritárias. Tornou-se imperioso um pensar acerca da participação da sociedade como fator de determinação conformativa do modo de operar do Estado. A sociedade, entendo, tem ou poderia ter o papel de eqüalizar as ações estatais, o uso e abuso de seu poder. Doutro modo, tem identicamente, a sociedade, poder de se instaurar, como o faz, de modo autoritário, fortalecendo, no Estado, esse potencial. Chauí (2000), dá conta desse viés, quase nunca assinalado, e que se tenta deixar silenciado, ao mesmo tempo, sempre evocado na figura do Estado: o viés do autoritarismo. 20

22 Já o entendimento de como o público e o privado se imbricam na sociedade e no Estado brasileiros se pode ir encontrar na obra antropológica de Freyre (1980) e DaMatta (2000). O primeiro, ao expor como se constitui o corpo de um povo o brasileiro, esmiúça, de modo claro, a estrutura das relações que fundaram este Estado e esta sociedade. Já DaMatta põe em funcionamento esse corpo, essa estrutura; ele conta do molejo e manejo políticos, do cotidiano; fala, com expressividade e forma, das tramas marginais, do jogo de influência, das trocas de favor, do afilhadismo que transitam no terreno do público como se fossem os oitões do privado. Essa forma imperante da coisa pública ser tratada requer uma acurada análise por quem pretenda debruçar-se ao entendimento de quaisquer das expressões de política social. E esses autores leram, com propriedade, esse modo de ser privado e público no Brasil. Foram salões literários, por mim, visitados, mas que, alerto ao leitor, não estarei, por total impossibilidade de dedicar tempo a esse passeio literário científico, reafirmando todas as descobertas. Fazendo-lhes referência e às suas obras, pretendo deixar assinalada a significância desses autores nessa viagem de volta. Ademais, quero produzir o registro de que este estudo assenta-se em estacas dessas produções teóricas elucidativas do modo como se foram constituindo as relações de poder nos solos da sociedade e do Estado brasileiros. A este capítulo ficou dada a incumbência de constituir a trama e o padrão teóricos em que o tecido a ser investigado submeter-se-ia, a um só tempo, ao processo de desfiadura e tecedura. Assim foi que, também, me impus a tarefa de configurar teoricamente o que é a centralidade deste estudo: a política social. Desse modo, tomei as produções nacionais ou estrangeiras de alguns cientistas políticos, sociólogos e assistentes sociais, como fonte. Cuidei em recuperar um pouco, já neste capítulo, da Política Nacional do Bem-Estar do Menor que foi o espelho da política de assistência à criança e ao adolescente que o poder público estadual pôs em execução, no período de 1968 até a entrada em vigência do E. C. A., em outubro de 1990 momento em que a política social voltada ao atendimento dessa parcela da população passa a ser regida por esse diploma legal, embora, poucas tenham, em princípio, sido as alterações, nela, praticadas. 21

23 Foi este o caminho teórico que o estudo percorreu, para dar a conhecer como, no Estado do Ceará, o Poder Público tornou efetivas as ações voltadas ao atendimento da infância e da adolescência da Terra da Luz, que sobrevivem em sua zona mais sombria. Com esses cinco capítulos, ficam inventariados as bases e o arcabouço que ofertam a configuração do objeto e objetivo deste esforço de investigação científica, que se podem objeto e objetivo inscrever na intenção de dar a conhecer os efeitos de poder, emanados do discurso da política social para a criança e o adolescente, no Estado do Ceará. FALAS E (E)FEITOS DE UMA POLÍTICA: CONHECENDO O DISCURSO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE NO CEARÁ é o capítulo em que se vêem lidos os discursos institucionais que permitiram desvelar as tramas de poder que eles discursos guardam e produzem sobre os sujeitos que são flagrados pelo alcance da política em que essas falas se implantam. Nele, vão se consolidando os esforços da tarefa investigativa que se centra na intenção de proceder a uma leitura analítica da política social que a FEBEMCE pôs em execução, no período de 1968 a 2000, neste Estado, como método oficial de enfrentamento da face da questão social relativa à criança e ao adolescente, cujas condições de existência impunham socorrer-se da assistência estatal. Essa tarefa seguiu o modelo, estruturado por Foucault, que evoca a análise das formações discursivas. E, nesse sentido, o VI Capítulo inicia-se com a apresentação conceitual de elementos e expressões a que estarei recorrendo no desenrolar de todo o processo analítico. Um recurso para facilitação do trabalho analítico foi o estabelecimento de uma classificação da fonte documental terreno em que a pesquisa foi efetivada, de modo a que a totalidade dos documentos disponíveis que se enquadrassem em um dos quatro eixos temáticos, propostos para a referida classificação proteção à criança e ao adolescente, sanção à criança e ao adolescente, a rua em seus propalados perigos, riscos e interditos e a escola e o trabalho enquanto indicação e proibição, fossem postos sob as lentes teóricas de Foucault. A leitura final das análises das quatro formações discursivas: sanção, proteção, rua e escola-trabalho ficará apresentada no VII CAPÍTULO CONCLUSÕES POSSÍVEIS AO RELER DISCURSOS E OUVIR OUTROS ECOS: O 22

24 QUÊ E DE QUEM FALAM ESSAS FALAS QUE FALAM DE PROTEÇÃO, SANÇÃO, RUA, TRABALHO E ESCOLA. Com isto, pus, em xeque, várias das hipóteses construídas ao longo desses vinte e dois anos em que me vi e vejo lidando com dramas de uma fração da infância e adolescência deste Estado. Na condição de assistente social da FEBEMCE, pude estar, cotidianamente, sendo testemunha de inúmeras histórias de sofrimentos e dores de vidas infelizmente, também de mortes de uma infância e adolescência que se viam abarcadas, primeiramente, pelas ações estatais, norteadas pela Política Nacional do Bem-Estar do Menor, sob a chancela da Fundação Nacional do Bem- Estar do Menor, e, posteriormente, sob uma outra ordem jurídica, imposta por instrumentos legais de um tempo que estaria inscrito na história como o de instauração de um Estado de direito, de uma ordem democrática. A Constituição Federal de 1988 e o E.C.A. foram os diplomas legais que colocaram as regras de restauração da democracia para todos e para o conjunto das crianças e adolescentes, neste país. Todo aquele tempo fez-me desconfiar de algumas verdades, impôs-me levantar suspeitas e experimentar o temido. Foi um tempo que me obrigou a arriscar outras idéias. Idéias que foram sendo sedimentadas e transformadas em afirmativas, em certezas que se balançavam, quando se indagava por provas. Este estudo nasceu dessa vontade e necessidade de saber se o que construía como resposta provisória ao que me surgia como interrogação, como algo que carecia de explicação e justificativa, era suficiente, era adequado, era preciso, era consistente. Assim, com esse espírito, convido o leitor a manter, em relação ao que apresento como produto final do estudo, sua própria discussão. Antecipo-lhe, pelo menos, uma das significativas evidências a que esse investimento acadêmico chegou, após um longo trabalho de busca, de retorno, de fazer e desfazer pensares, que foi amparado nas produções teóricas de Foucault: de fato, a política social desenvolvida pela FEBEMCE apresenta elementos suficientes que a enquadram como um dispositivo disciplinar. Ela, na verdade, configurou um mecanismo de controle, de disciplinamento da criança e do adolescente pobres, neste Estado. Com essa afirmativa, reitero o convite, ao leitor, para comigo dialogar. 23

25 I CAPÍTULO O ESTUDO EM SEUS TEMPOS E ESPAÇOS E EM SUAS FORMAS DE IDEALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO. E a vida Ela é má, a vida, Ou é sofrimento? Ela é alegria ou lamento? O que é, o que é, meu irmão? (Gonzaguinha) Viver pode ser uma sentença; algo decretado como uma inevitável pena. Mas uma sentença, inversamente, pode tornar-se uma ou mesmo a razão da ou para a vida; aquilo a que se vai buscar; o que se está a perseguir. Aí ela se desconfigura, se despe, se despoja da condição de sentença, de peso, e se reveste em sabor de desejo, de paixão, de vontade; fica, dela, desalojado o fardo. Ter-se, após mais de duas décadas, a inarredável certeza de que se fez, para si própria, a escolha certa e, mais, de que não haveria outra em que se encerrassem juntos tantos sonhos, desejos, prazeres, realizações e também frustrações, desencantos e dores, é o mais almejável sabor em que se pode nos apresentar a vida. É como saber apreciar a diferença do sabor do sal da lágrima de dor do da lágrima saída como expressão de alegria e de prazer. Tudo é sal! Mas se reconhecem nele os sabores distintos que fazem, da vida, Vida, e não um longo e pobre aprendizado de distribuição do peso da existência pelos dias, que acaba por impor, a si mesmo, tão somente, o cumprimento do viver enquanto sentença. A ciência os cientistas! que tem buscado negar a emoção, o sujeito em suas paixões, é a ciência que se impõe enquanto sentença de sê-lo; que se posta enquanto fim em si mesma. Ela perde a solda que a faz humana e que permite destinar-se ao homem. Esquecem os que assim encaram-na que a ciência só chega a sê-lo, porque é antes paixão, sonho, ideal, vontade. Do cientista, não arreda o homem. No homem, antes do cientista instala-se o humano: não é uma mera condição; é um imperativo categórico. Daí, não temer expor, antes de qualquer apresentação do que venha a se constituir esse estudo, as razões primeiras amalgamadoras desse desejo de buscar compreensões, de reler fatos, de recompor histórias, de entender razões, enfim, de buscar sistematizar o que se construiu em termos de aparatos técnicos, físicos e ideológicos, para o enfrentamento da questão 24

26 da menoridade cearense, por uma via que comporta, sem quaisquer transtornos e pudores, a razão e a emoção. O consórcio entre o científico, o teórico e o poético e o melódico é o sal da lágrima: diferençavelmente uno. Seu divórcio, ao contrário, indistingue o odiável do desejável, o impugnável do idealizável; e não comporta o choro que abraça emoções de vida e de morte, de dor e de prazer, do amor que gesta e do que castra. A ciência é da vida, dela vem e para ela vai. Ela, pois, comporta tudo de que se faz o homem. Assim entendendo, apresento, agora, como foi se construindo, ao longo dos anos, a ponte que me transporta, hoje, ao tempo do passado, para rebuscar, tanto nos registros e rastros históricos quanto nas memórias vivas ou vivificadas, as histórias das crianças e adolescentes que tiveram de valer-se das ações estatais e/ou da caridade pública para ter assegurado o direito de continuar existindo ou de, pelo menos, dar um adiamento à morte. Descobrir o que circulava livre entre celas e o que de prisão havia no caminho da liberdade foi o que de mais significativo pareceu-me ter ocorrido nos primeiros anos que decorreram de meu ingresso na Fundação Estadual do Bem Estar do Menor do Ceará FEBEMCE, em maio de 1981, na condição de assistente social concursada. Todo o percurso desses vinte e dois anos esteve recheado de inesperados, de surpreendentes e de inimagináveis. O tempo mostrou-me, também, o quanto de expectável havia no que julgava inesperado e inimaginável. O temor de me deparar com cenas de tortura não decorreu muito para ser dissipado; logo, logo, ele foi vencido pela não pouco infame e cruel experimentação do que temia. O cuidado que tivera de não me exonerar de um emprego público, no qual ingressara, também, por concurso, antes de me assegurar de que não se constituía em cenário de terror o local em que iria inaugurar-me enquanto assistente social, revelou-se vão. Decorridos nove (!) meses surgia diante de mim o primeiro de um sem número de espetáculos: exposição à humilhação, xingamentos, ameaça de morte e de expulsão perpetrados pela direção da unidade em que fôra lotada, contra adolescentes homossexuais que lá estavam recolhidos, por determinação do Juiz de Menores. À indignação promovida pela cena somou-se outra: a ausência de providências da direção da instituição. Pareceu-me, àquele instante, que o evento dantesco estava inscrito na instituição como rotineiro. Outros tantos em menor ou maior proporção reeditaram-se. 25

27 Várias foram, as unidades por que passei, por períodos que variavam de poucos dias em uma das quais, apenas cinco a seis anos, e, em quase a totalidade delas, espetáculos semelhantes puderam ser assistidos. Aqui, retorno ao início de minha fala: transformar o que parecia, à primeira vista, sentença, em modo de encarar, de estar na e viver a vida, foi o que passei a perseguir. A recusa à naturalização do desrespeito à vida daqueles meninos e meninas que eram lançados ao estigma institucional, essa sim, sentenciei-a a mim. A intransigente defesa dos direitos a que todas as crianças e adolescentes fazem jus, esteve, em mim, presente como ideário, antes mesmo dos ordenamentos jurídicos assim o reconhecerem, a partir de 1988, com a Constituição Federal e cuja expressão de sua materialização foi dada na Lei Federal N 8069, de 13 de julho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente, que vige desde 14 de outubro daquele ano. Os anos seqüentes a meu ingresso na FEBEMCE marcaram-se pela necessidade sempre crescente de colocar em suspenso e, não raro, sob suspeição o que se impunha como necessário à execução das ações institucionais frente à população alvo de seu atendimento: menores carentes, menores de conduta anti-social, meninos e meninas de rua, infratores ; e, mesmo, os que, hoje e já desde 1990 inscrevem-se como crianças e adolescentes em situação de risco ou adolescentes autores de atos infracionais. Era, sobretudo, imperiosa a necessidade de buscar entendimento acerca do modo como se processavam as relações de poder estabelecidas a partir dos discursos e das ações que integravam o conjunto de medidas que o Poder Público lançava sobre os que a ele tinham de recorrer, e para quem o que se lhes ofertava era dito como configurador de políticas sociais ou políticas de assistência. I. 1 Dramas que construíram a trama Era, como já disse, o ano de 1981, quando ingressei na FEBEMCE para trabalhar em uma unidade destinada à triagem e à permanência de crianças e adolescentes do sexo masculino que para lá eram encaminhados pelo, então, Juiz de Menores, cujas funções e atribuições estavam definidas na Lei 6697/79 Novo Código de Menores, que concedia a essa autoridade o poder de, sobre tudo o que 26

28 se relacionasse a menores em situação irregular, ditar, com exclusividade e arbítrio, como indicava, um dos artigos dessa lei: Art. 8º. A autoridade judiciária, além das medidas especiais previstas nesta Lei, poderá, através de portaria ou provimento, determinar outras de ordem geral, que, ao seu prudente arbítrio, se demonstrarem necessárias à assistência, proteção e vigilância ao menor, respondendo por abuso ou desvio de poder. (1979, p.10). Confesso que não havia, de minha parte, qualquer ingenuidade no que tange ao caráter violento ou, amenamente dizendo, à natureza coercitiva e repressora da instituição, uma vez que os meios de comunicação de massa registravam, ora com indignação, ora com complacência e concordantes, atrocidades havidas em unidades destinadas à reclusão e ao encarceramento da infância pobre. Bem assim, era denunciadora desse caráter, a expressão oriunda da boca dos que ameaçavam meninas e meninos quer na condição de filhos, sobrinhos, alunos, vizinhos, quer na condição de moleques que circulavam nas ruas e praças, de que poderiam ir parar na FEBEMCE: Se ajeite não, que eu lhe mando pra lá. Aí você vai ver o que é bom!. A forma de controle provindo da ameaça ou do exemplo resultante de sua concretização é largamente exercitada - como se vê demonstrada na história da humanidade contra os que ousam desconfirmar regras, discutir papéis, desconfigurar espaços, descontinuar scripts. Eu mesma, em minha meninice, não escapei às ameaças maternas, feitas em razão de travessuras que protagonizava, de ser encaminhada para o Santo Antônio do Buraco, antiga colônia agrícola, fundada em 1936, em Maracanaú, então distrito de Maranguape, numa localidade denominada Santo Antônio do Pitaguari. Como teriam sido, outrora, o Arsenal de Guerra 1, a Companhia de Aprendizes de Marinheiros 2, o Instituto Disciplinar 3 e as colônias agrícolas 4, a 1 O Arsenal de Guerra foi, a partir do século XIX, um recurso disponibilizado para a colocação de menores com mais de sete anos de idade. O estudo de Fraga Filho (1996), acerca do modelo de repressão aos pobres da Bahia, no século XIX, que trata também dos menores, aborda o tratamento, muitas vezes cruel, dispensado às crianças e adolescentes, tanto no Arsenal de Guerra, quanto nas Companhias de Aprendizes de Marinheiros. Em Marcílio (1998), pode ser encontrada referência acerca das condições a que ficavam submetidas as crianças e os adolescentes que para lá eram encaminhados. 27

29 FEBEMCE foi, em dado momento, na boca do adulto, o grande achado: aquele bicho papão do passado transportado ao presente. O fantasma enterrado do Santo Antônio do Buraco codinome da Escola para Menores Abandonados e Delinqüentes do Santo Antônio do Pitaguari na década de 1970, reencarna-se na FEBEMCE. Essa colônia que teria passado, em 1938, a chamar-se Instituto Carneiro de Mendonça, como preito de gratidão e apreço a seu fundador, inscreveu-se como claustro do medo, do terror, por décadas, nas mentes e corpos da infância cearense: para uns a eterna ameaça particularmente, o meu caso ; para outros a experiência real mais amarga ou menos doce de que não puderam abster-se. O medo tecido e acumulado pelos diálogos silenciosos e silenciados mantidos entre os fantasmas e heróis nem sempre vencedores que rondam, com licenciosidade, nossas infâncias, inevitavelmente, em algum instante de nossas vidas, surge, misteriosa e inexplicavelmente, sob a expressão de força, de destemor. Entende-se, então, o porquê de não ser de coragem do que se faz o herói, mas de medo. O medo de não se evitar o evitável faz do ato um heroísmo. Assim é que, materializam-se, em coragem de enfrentamento, um incontrolável desejo e uma necessidade de não mais se enterrarem os medos, para que não se dessepultem os fantasmas neles contidos. I.1.1 Recontando histórias e (re)encontrando razões Ingressar na FEBEMCE, nos anos oitenta do século passado, tenha, talvez, sido uma longa e contínua visita ao espaço real de um medo: não do que fôra 2 As Companhias de Aprendizes de Marinheiros foram criadas em Elas recebiam meninos com idade entre 10 e 17 anos. Esta instituição constituiu-se em recurso para os meninos que haviam sido abandonados na Roda de Expostos. Nas obras mencionadas, anteriormente, no rodapé, podem ser encontradas maiores informações acerca das condições de vida dessas crianças nesses locais. 3 O Instituto Disciplinar foi fundado, em São Paulo, em 1902, e se destinava, em última instância, a receber menores pobres que necessitavam ser educados e preparados para o trabalho, sobretudo, o agrícola. (CORRÊA, 1928, p. 17). 4 As colônias agrícolas assim como os Patronatos Agrícolas, criados, em 1918, pelo Ministério da Agricultura, destinados a acolher menores desvalidos (MARCÍLIO, 1998, p. 219) recebiam órfãos, desvalidos e menores que cometiam delitos, assim como aqueles que eram dados como vadios, vagabundos e os que jogavam capoeira prática considerada condenável, sobretudo, nos séculos XVIII e XIX. Sobre a temática sugiro a obra de Fraga Filho (1996), constante da bibliografia desta dissertação. 28

30 capaz de minar as forças das danações (travessuras, diabruras infantis), mas do da proximidade com a danação 5 e do que dela pode resultar. A parte interna do prédio onde funcionava a unidade de atendimento destinada à re-educação de crianças e adolescentes do sexo masculino, para a qual fui encaminhada, apresentava uma estrutura circular, à imitação de um panóptico 6. Os dormitórios dos internos, assim dispostos e expostos, asseguravam uma visibilidade invasiva e um maior controle por parte dos encarregados da vigilância dos que se encontravam privados de liberdade. As crianças e os adolescentes que para lá fossem encaminhados passavam pela triagem, para qual a lei assegurava o prazo de noventa dias, findos os quais se deveria ter um parecer técnico em que se indicava pela permanência do menor na internação para ser submetido à reeducação, à re-socialização e posterior reintegração na família e comunidade, ou em que se autorizava seu imediato retorno à família. O destino do interno ficava nas mãos da equipe técnica da unidade, que poderia anuir ou não ao seu desejo de voltar ao lar, assim como o de sua família. Ao parecer da equipe técnica punha-se o despacho do Juiz de Menores, que, recordo, quase nunca contrariava e expressão do desejo técnico. Um misto de onipotência e onisciência configurava e configura as ações e pensamentos voltados a esse segmento populacional. Dele, tudo se sabe; o que lhe é bom todos ditam; o que deseja descobre-se sem perguntar-lhe; de sua vida todos são donos; seus destinos, por outrem, são traçados. Sela-se essa sentença de tal sorte que é possível ver-se, muitas vezes, os sentenciados, ausentes de contestação; a ela, moldados e gratos a um pai e/ou mãe dos pobres. 5 Danação, termo, agora, empregado, tem, em Houaiss (2001), a seguinte conceituação: ETIM. lat. damnatio,onis condenação judiciária, ação de condenar, de rejeitar, de desaprovar. (p. 906). 6 Panóptico, termo que pode ser traduzido como o que permite a visão de todas as partes ou elementos (op. cit., p. 2118). Oriundo das idéias utilitárias de Jeremy Bentham, o panopticon é um edifício circular no qual as celas são organizadas ao redor de uma torre central de observação. (HUGHES-WARRINGTON, 2002, p.121). Neste estudo, o termo será sempre empregado com a conceituação que Foucault (2002) a ele ofertou, na qual ele é tomado, não como uma estrutura arquitetônica, mas para adjetivar um sistema o sistema panóptico que é um princípio geral de uma nova anatomia política cujo objetivo e fim não são a relação de soberania, mas as relações de disciplina (p. 172). 29

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL

SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL SOCIOLOGIA - 3 o ANO MÓDULO 06 DESIGUALDADE SOCIAL y (-) Vulnerabilidade Desvinculação x (+) (-) 0 Inserção Vulnerabilidade (+) Como pode cair no enem A violência de cada dia A violência normalmente é

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Associação Lar do Neném

Associação Lar do Neném Criança Esperança 80 Associação Lar do Neném Recife-PE Marília Lordsleem de Mendonça Abraço solidário Todas as crianças são de todos : esse é o lema do Lar do Neném, uma instituição criada há 26 anos em

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

sinal de tristeza. Sinal de morte!

sinal de tristeza. Sinal de morte! CULTO FAMÍLIA: Reflexão sobre a morte e o luto Acreditamos que todos nós já sofremos a perda de alguém, seja familiar, amigo, vizinho ou apenas conhecido. Nos sentimos impotentes, indefesos, medrosos diante

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE

JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE A Novena de Natal deste ano está unida à Campanha da Fraternidade de 2013. O tema Fraternidade e Juventude e o lema Eis-me aqui, envia-me, nos leva para o caminho da JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE Faça a

Leia mais

MARCELO DA SILVA OLIVEIRA

MARCELO DA SILVA OLIVEIRA GOVERNO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO/MESTRADO EM DESENVOLVIMENTO REGIONAL MARCELO DA SILVA OLIVEIRA VULNERABILIDADE SOCIAL À

Leia mais

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s...

U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... U m h o m e m q u e v i v e u c o m o e x e m p l o r e a l d e t u d o a q u i l o q u e t r a n s m i t i u e m s u a s m e n s a g e n s... Aqui não estão as mensagens mediúnicas, mas algumas palavras

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social DISCURSO DO MINISTRO DA EDUCAÇÃO, HENRIQUE PAIM Brasília, 3 de fevereiro de 2014 Hoje é um dia muito especial para mim. É um dia marcante em uma trajetória dedicada à gestão pública ao longo de vários

Leia mais

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É

DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É BRENNAN MANNING & JOHN BLASE DEUS O AMA DO JEITO QUE VOCÊ É NÃO DO JEITO QUE DEVERIA SER, POIS VOCÊ NUNCA SERÁ DO JEITO QUE DEVERIA SER Tradução de A. G. MENDES Parte 1 R i c h a r d 1 Nem sempre recebemos

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos.

É verdade que só começo um livro quando descubro uma pluma branca. Isso é um ritual que me impus apesar se só escrever uma vez cada dois anos. 1) Como está sendo a expectativa do escritor no lançamento do livro Ser como um rio que flui? Ele foi lançado em 2006 mas ainda não tinha sido publicado na língua portuguesa, a espera do livro pelos fãs

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma.

PERTO DE TI AUTOR: SILAS SOUZA MAGALHÃES. Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. PERTO DE TI Tu és meu salvador. Minha rocha eterna. Tu és minha justiça, ó Deus. Tu és Jesus, amado da Minh alma. Jesus! Perto de ti, sou mais e mais. Obedeço a tua voz. Pois eu sei que tu és Senhor, o

Leia mais

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO

COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO COLÉGIO NACIONAL DEPARTAMENTO PEDAGÓGICO Harmonia no lar Duas regras infalíveis na santa escola do bem Quem não estuda não sabe, quem não trabalha não tem A alegria de uma casa tem esse preço em comum

Leia mais

02/12/2004. Discurso do Presidente da República

02/12/2004. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de entrega do Prêmio Finep e sanção da Lei de Inovação de Incentivo à Pesquisa Tecnológica Palácio do Planalto, 02 de dezembro de 2004 Meus companheiros ministros,

Leia mais

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO

RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO RELATO DE ESTÁGIO PEDAGÓGICO VOLUNTÁRIO NA DISCIPLINA DE FUNDAMENTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO Elaine Cristina Penteado Koliski (PIBIC/CNPq-UNICENTRO), Klevi Mary Reali (Orientadora), e-mail: klevi@unicentro.br

Leia mais

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7

ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 ÉTICA GERAL E PROFISSIONAL MÓDULO 7 Índice 1. Ética empresarial...3 2 1. ÉTICA EMPRESARIAL É neste contexto, e com o objetivo de o mundo empresarial recuperar a confiança, que vai surgindo a ética Empresarial.

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO

A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO 1 A PERSPECTIVA DO ADOLESCENTE QUANTO À PRIVAÇÃO DE LIBERDADE EM CASO DE INTERNAÇÃO Amanda Bueno da Silva 1 Kênia Maria Noma de Melo 2 Elizabete David Novaes 3 RESUMO O presente trabalho objetiva investigar

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO

Revista Sul-americana de Filosofia e Educação RESAFE A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO 83 Relato de experiência A FILOSOFIA E A NOVIDADE DO PENSAMENTO Vânia Mesquita 1 Resumo: O presente relato busca introduzir a discussão sobre o filosofar em sala de aula como uma importante possibilidade

Leia mais

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo:

Relaxamento: Valor: Técnica: Fundo: Honestidade Honestidade Esta é a qualidade de honesto. Ser digno de confiança, justo, decente, consciencioso, sério. Ser honesto significa ser honrado, ter um comportamento moralmente irrepreensível. Quando

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade.

A Palavra de Deus. - É na Palavra de Deus que o homem encontra o conhecimento a respeito da Vida, de onde viemos e onde vamos viver a eternidade. A Palavra de Deus 2 Timóteo 3:16-17 Pois toda a Escritura Sagrada é inspirada por Deus e é útil para ensinar a verdade, condenar o erro, corrigir as faltas e ensinar a maneira certa de viver. 17 E isso

Leia mais

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #26 Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. Saí da prisão volto coleção Conversas #26 - setembro 2015 - e estou ou não desempregado, para o crime? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS, da

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

A A A A A A A A A A A A A A A

A A A A A A A A A A A A A A A SOCIOLOGI 1 Nas democracias modernas, a cidadania se concretiza pelo acesso aos direitos constitucionais. Na sociedade brasileira, o texto da Constituição Federal de 1988 estende os direitos ao conjunto

Leia mais

Projetos. Outubro 2012

Projetos. Outubro 2012 Projetos Outubro 2012 Assunto de gente grande para gente pequena. No mês de outubro os brasileiros foram às urnas para eleger prefeitos e vereadores e a Turma da Lagoa não poderia ficar fora deste grande

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7

Prefácio CÂNCER DE MAMA 7 Prefácio Quantas vezes você já não ouviu alguém contar uma experiência difícil que viveu em seu ministério? Quantos já não passaram por situações em que não souberam o que dizer ou fazer? Pastores, líderes

Leia mais

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça.

coleção Conversas #6 Respostas que podem estar passando para algumas perguntas pela sua cabeça. coleção Conversas #6 Eu Posso com a s fazer próprias justiça mãos? Respostas para algumas perguntas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

Esta edição segue as normas do Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. [2] Luciano Portela, 2015 Todos os direitos reservados. Não há nenhum empecilho caso queira compartilhar ou reproduzir frases do livro sem permissão, através de qualquer veículo impresso ou eletrônico,

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do

Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Pacto Nacional pelo Fortalecimento do Ensino Médio e Reinventando o Ensino Médio Profª. Welessandra A. Benfica- Doutoranda FAE-UFMG Universidade do Estado de Minas Gerais Mas o que é mesmo que esse caderno

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso

Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso Tudo o que você precisa saber para ter filhos éticos, inteligentes, felizes e de sucesso SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 15 2. COMUNICAÇÃO E DIÁLOGO ENTRE PAIS E FILHOS 23 2.1 O problema da comunicação entre pais

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea.

Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. XX Congresso Brasileiro de Arquitetos Fortaleza, 22 04 14 Reflexão sobre o espírito do público na arquitetura contemporânea. Arquiteto Sérgio Magalhães Muito boa noite. Minha saudação cordial a todos.

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Discurso na cerimónia de regulamentação

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão:

O líder convida um membro para ler em voz alta o objetivo da sessão: SESSÃO 3 'Eis a tua mãe' Ambiente Em uma mesa pequena, coloque uma Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria e uma vela

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 88 Discurso na cerimónia de inauguração

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO

A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO A ILUSTRAÇÃO NO LIVRO DE LITERATURA INFANTO-JUVENIL: UM PROJETO EM ANDAMENTO Maria da Graça Cassano 1 1 Dos fatores determinantes para a pesquisa O trabalho com a literatura infanto-juvenil desenvolvido

Leia mais

coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #19 - fevereiro 2015 - Eu posso dizer para "NÃO" filho? meu Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu

Leia mais

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância

Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Imaginação e protagonismo na Educação Infantil: construindo uma escola mais íntima da infância Me. Tony Aparecido Moreira tony.educ@gmail.com Denise Watanabe de.wtnb@gmail.com Dr. José Milton de Lima miltonlima@fct.unesp.br

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR

ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR 1 ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: EM DEFESA DE UMA AÇÃO INTERDISCIPLINAR Maurina Passos Goulart Oliveira da Silva 1 mauripassos@uol.com.br Na formação profissional, muitas pessoas me inspiraram: pensadores,

Leia mais

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - t t o y ç r n s s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. Vocês acham possam a coleção Conversas #20 - MARÇO 2015 - cer d o t t o a r que ga cr ia n y ç a s s? Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 77 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina

Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Associação Tenda Espírita Pai Joaquim D Angola e Vovó Cambina Psicografias Setembro de 2014 Sumário Luciana Pereira da Costa... 2 Luiz Paiva Neto... 2 Comunicado... 3 Debi Godoi Galvão... 3 Sou a criança...

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO. NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NOME: Serviço Voluntário Europeu (SVE) EMAIL: info@euromedp.org WEBSITES: Serviço de Voluntariado Europeu: http://www.sve.pt http://www.facebook.com/l.php?u=http%3a%2f%2fwww.sve.pt%2f&h=z

Leia mais

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4

Atribuam ao Senhor glória e força (...) A voz do Senhor é poderosa; a voz do Senhor é majestosa. Salmos 29.1 e 4 Precisa-se de Pais Espirituais Objetivo do Senhor: - Glorificar o nome de Deus, revelar Seu poder e beleza e atribuir a Ele toda glória. - Provocar o desejo de marcar significativamente a sua descendência/

Leia mais

O médico Rogério Antunes Pereira Filho, professor associado da disciplina de Gastroenterologia do Departamento de Clínica Medica da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Unicamp, foi homenageado no dia

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS

PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - PORTUGUÊS - 8º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== BRINCADEIRA Começou

Leia mais

Discurso proferido na solenidade de posse dos Juízes aprovados no XLV Concurso de Ingresso na Magistratura de Carreira do Estado do Rio de Janeiro

Discurso proferido na solenidade de posse dos Juízes aprovados no XLV Concurso de Ingresso na Magistratura de Carreira do Estado do Rio de Janeiro SOBRE SONHOS E HERÓIS Bruno Vinícius Da Rós Bodart Discurso proferido na solenidade de posse dos Juízes aprovados no XLV Concurso de Ingresso na Magistratura de Carreira do Estado do Rio de Janeiro Excelentíssima

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

Lição 1 Como Amar os Inimigos

Lição 1 Como Amar os Inimigos Lição 1 Como Amar os Inimigos A. Como seus pais resolviam as brigas entres você e seus irmãos? B. Em sua opinião qual a diferença entre amar o inimigo e ser amigo do inimigo? PROPÓSITO: Aprender como e

Leia mais

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança

Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Motivar a sua equipe: O grande desafio da Liderança Existem diversos textos sobre Gestão sendo publicados diariamente, e dentre eles, muitos tratam do tema liderança, que certamente é um dos assuntos mais

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Apoio. Patrocínio Institucional

Apoio. Patrocínio Institucional Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 83 Papo Reto com José Junior 12 de junho de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura

Leia mais

A.C. Ilustrações jordana germano

A.C. Ilustrações jordana germano A.C. Ilustrações jordana germano 2013, O autor 2013, Instituto Elo Projeto gráfico, capa, ilustração e diagramação: Jordana Germano C736 Quero-porque-quero!! Autor: Alexandre Compart. Belo Horizonte: Instituto

Leia mais

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA?

QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? QUAL É A SUA MAIOR DÚVIDA? Sonhos, Execução e Responsabilidade. ROBERTO FERMINO (ROCO) Q uer saber... Esta semana você é minha prioridade! Fiquei tão movido pelas dúvidas e mensagens de apoio que o mínimo

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS

PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A PATERNIDADE GERALMENTE FEITAS POR PAIS P. O QUE É A PATERNIDADE? R. Paternidade significa ser um pai. A determinação da paternidade significa que uma pessoa foi determinada

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL

DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESCOLA DOMINICAL SUGESTÃO DE CELEBRAÇÃO DE NATAL 2013 ADORAÇÃO Prelúdio HE 21 Dirigente: Naqueles dias, dispondo-se Maria, foi apressadamente à região montanhosa, a uma cidade de Judá, entrou na casa de Zacarias e saudou

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos.

Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12. Ele ficava olhando o mar, horas se o deixasse. Ele só tinha cinco anos. Contos Místicos 1 Contos luca mac doiss Conto n.o 5: A minha mãe é a Iemanjá 24.07.12 Prefácio A história: esta história foi contada por um velho pescador de Mongaguá conhecido como vô Erson. A origem:

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais