ECO.AP Apresentação das linhas gerais do Projecto-Piloto. Janeiro de 2012

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECO.AP Apresentação das linhas gerais do Projecto-Piloto. Janeiro de 2012"

Transcrição

1 ECO.AP Apresentação das linhas gerais do Projecto-Piloto Janeiro de 2012

2 Agenda Introdução Sistema de Qualificação de ESE s Estrutura do concurso Bases do modelo de contrato Programa Piloto Calendário do Projecto 2

3 O Programa Eco.AP O Programa de Eficiência Energética na Administração Pública, Eco.AP de aumentar em 30% a eficiência energética nos serviços públicos, equipamentos e organismos da Administração pública, no horizonte de

4 Processo de Concurso O Processo de Concurso tipo segue a estrutura definida no DL 29/2011 Início Auditoria Simples Auditoria Detalhada Negociação Adjudicação Primeira Fase Segunda Fase 4

5 Processo de Concurso Início Todas as ESE s qualificadas para o Nível do sistema em concurso podem apresentar proposta. Os agrupamentos são desejáveis, desde que uma das empresas seja qualificada. Os edifícios ou equipamentos podem ser agrupados em lotes, ou conjuntos, de forma a criar escala e interesse ao investimento. 3 5

6 Processo de Concurso Auditoria Simples A Instituição fornece os documentos base às ESE: plantas, projectos, facturas, planos de manutenção etc. As ESE efectuam a auditoria simples ao sistema e propõem medidas (quantificadas e descritas de uma forma sucinta e facilmente validadas). Cada ESE oferece uma proposta sobre a poupança de energia previsível e respectiva realização da medida e várias outras condições de oferta (prazos, medidas, percentagens de partilha e de poupança). A análise das propostas é baseada na sua mais valia Económica e Financeira, seguindo critérios objectivos, avaliação da melhor contrapartida económica do projecto. As duas melhores propostas passam à Segunda Fase do concurso. Na Segunda Fase, as ESE s não podem oferecer menos poupança, do que indicaram na Primeira Fase, podendo no entanto alterar as suas propostas. 6

7 Processo de Concurso Auditoria Detalhada As ESE s seleccionadas podem efectuar a auditoria detalhada, com prazo típico de 2 meses, com possibilidade de análise total dos sistemas, onde se validam todas as bases de consumo e de serviço indicadas pela Instituição. A ESE deve entregar ou validar os métodos de M&V de cada medida proposta. A entrega das propostas finais deve incluir: prazo de contrato ; % de partilhas e % de economia garantida A auditoria é financiada integralmente pelos concorrentes. 7

8 Processo de Concurso Negociação Negociação individual das propostas, havendo a aprovação das premissas base da proposta pela Instituição (exemplos de elementos sujeitos a negociação: possibilidade de implementação das medidas, plano de M&V, regras futuras de acção). Está prevista a realização de entrevistas de apresentação das soluções e análise dos CV s dos integrantes das equipas. As ESE s entregam a proposta final irrevogável e incondicional. 8

9 Processo de Concurso Adjudicação A melhor proposta será a vencedora, sendo então celebrado com a ESE o contrato de performance energética A análise é baseada na valia económica e financeira e na valia técnica da proposta, seguindo critérios objectivos. Depois da adjudicação, a ESE tem um prazo para entregar todos os elementos do projecto de execução, que tem obrigatoriamente que ser aprovado pela Instituição, no prazo máximo de 3 meses. Atrasos exteriores à ESE não contam. A equipa que perder, terá direito a um prémio de participação para cobrir parte dos custos de auditoria. O prazo de contrato só começa a contar depois da recepção provisória das medidas. 9

10 Bases do Modelo Resumo Prazo e Poupança Remuneração da ESE Obrigações da ESE Contratos Adicionais Garantias e Manutenção Requisitos de Serviço 10

11 Bases do Modelo Resumo Continuação Definição da Baseline Alteração da Baseline Medição e Verificação Acompanhamento do Projecto Base Financeira Tipo Certificação Energética 11

12 Bases do Modelo Prazo de Contrato O prazo de contrato pode variar entre os 5 e 15 anos. A ESE propõe o prazo de contrato na Segunda Fase de Concurso e este inicia-se após a recepção provisória de projecto. No caso de entregas parcelares de várias medidas, o prazo começa a contar quando são entregues as medidas responsáveis por pelo menos 75% da poupança prevista. O período entre adjudicação e entrega dos projectos de execução, é de 3 meses (máximo). Prazos também para a Instituição aprovar o projecto. Período entre adjudicação e recepção provisória das medidas é de 12 meses (máximo) (excepto causas não imputáveis às ESE s). 12

13 Bases do Modelo - Economias A poupança é feita com base em economias energéticas, de todos os vectores energéticos existentes, em relação a um Período Base O Período Base é definido no concurso, podendo ser: o último ano de consumo, ou um periodo representativo da utilização normal do edifício em função das suas características, devendo os valores de consumo ser baseados nas facturas energéticas. O valor de euros pago durante este Período Base, dividido pelos kwh consumidos nesse período dará origem ao Preço de contrato expresso em /kwh A poupança alvo é de 30%, sendo obrigatório uma redução mínima de 15%. Caso existem zonas ou sistemas que fiquem fora do contrato (i.e. um grande datacenter alugado a outra entidade dentro de um edifício ESE), o consumo será densificado pela zona incluída no projecto. 13

14 Bases do Modelo - Economias A proposta de poupanças será feita pelas ESE s durante o concurso, sendo que estão definidos os valores mínimos. Estão previstos 3 níveis de poupança. % Factura Energética Poupanças contratualizadas 1 Garantido para a Instituição 2 Partilhado entre a ESE e a Instituição (garantido) Poupanças não contratualizadas 3 Partilhado entre a ESE e a Instituição 14

15 Bases do Modelo - Economias % Factura energética Total 5% Garantido para a Instituição 2 Partilhado entre a ESE e a Instituição (garantido) Valor mínimo de 5% da factura anual, reverte 3 para a Instituição, mesmo que a poupança não seja obtida. A ESE poderá propor no contrato uma maior remuneração para a Instituição. Partilhado entre a ESE e a Instituição 15

16 Bases do Modelo - Economias % Poupança Total Possível 5% Garantido para a Instituição 10% Partilhado entre a ESE e a Instituição (garantido) Valor mínimo de 10% da factura anual, é 3 partilhado Partilhado entre entre a ESE a e a Instituição Instituição A ESE pode propor uma parcela superior a estes 10% no contrato. Para esta parcela a ESE indica também qual o grau de partilha que propõe, que pode ir desde os 10% aos 90% para a Instituição A ESE garante à instituição esta % de partilha, mesmo que não exista qualquer poupança. 16

17 Bases do Modelo - Economias % Poupança total Possível 5% Garantido para a Instituição 10% Partilhado entre a ESE e a Instituição (garantido)...% Partilhado entre a ESE e a Instituição As economias adicionais de energia, não contratualizadas, são partilhadas entre as partes (75% para a ESE/25 % para a Instituição) Não existe lugar a quaisquer garantias da poupança 17

18 Bases do Modelo - Remuneração da ESE A remuneração da ESE pode ter duas vertentes: i. Economia de energia obtida pelo contrato de gestão de eficiência energética. ii. Receitas da PRE que sejam propostas para o edifício. A remuneração será fixa para cada ano, sendo revista anualmente. Este revisão é feita através de actualizações sobre a inflação do preço do kwh de contrato. A remuneração da ESE está protegida de oscilações do preço de energia ou alteração de tarifas

19 Bases do Modelo - Obrigações da ESE Os pagamentos devem ser garantidos à Instituição. O balanço é feito anualmente, com a medição e verificação das poupanças efectuadas no ano anterior. A manutenção das instalações mecânicas e eléctricas dos sistemas incluídos no projecto, durante o prazo de garantia, após recepção provisória. A manutenção das condições de serviço acordadas. A gestão, como coordenador de projecto, das alterações, remodelações de instalações mecânicas que ocorram durante o prazo de contrato (obrigação de concurso público, mas a ESE recebe um fee 10 a 15% do valor de obra para gestão e coordenação). 19

20 Bases do Modelo - Contratos Adicionais Existe a possibilidade de estabelecer dois contratos adicionais entre a ESE e a Instituição: i. Manutenção das restantes instalações mecânicas e eléctricas dos sistemas em projecto, pelo que a Instituição poderá incluir a concurso um PMP e um contrato tipo de manutenção para valorização pela ESE. Neste caso, o valor de contrato de manutenção proposto pela ESE não pode ser superior ao contrato existente. ii. Produção de energia através de microgeração, cogeração etc, no âmbito da legislação em vigor, se aplicável. Neste caso, a instituição fica com 10% das receitas desta produção, sendo que a presente medida não será considerada para efeitos de contabilização das economias de energia. Este contrato pode ter prazos diferenciados dos do contrato de eficiência. 20

21 Bases do Modelo - Manutenção e Garantias A ESE garante: A Manutenção dos equipamentos afectos ao contrato decorre durante o período de garantia pela ESE e depois será incorporado nos planos de manutenção correntes do edifícios (ou sistema), para incluir no plano de manutenção geral. A ESE fornece os TRF s, TIM s, TQAI, etc. A ESE tem que entregar à Instituição um PMP de todos os equipamentos, redes e sistemas afectos ao contrato. Os requisitos de manutenção associados aos requisitos de serviço (tempos máximos de paragem etc,) de acordo as características do sistema e de acordo com o negociado antes da assinatura do contrato. 21

22 Bases do Modelo Resumo Continuação Acompanhamento do Projecto Definição da Baseline Alteração da Baseline Medição e Verificação Base Financeira Tipo Certificação Energética 22

23 Bases do Modelo Acompanhamento Existe uma Comissão de Acompanhamento (CA) para todo o projecto que actuará como árbitro, mediador, ponte de contacto rápido e de conselheiro técnico das partes. A CA será constituída por um elemento da Instituição (se existir o Gestor Local de Energia), um elemento da ESE e um elemento Independente (como garante de supervisão técnica do processo). As medições, propostas de alteração de baseline, alteração de contratos etc, serão propostas e decididas anualmente pela CA. 23

24 Bases do Modelo Definição da Baseline A Baseline é definida como a estrutura de serviço e equipamentos que dá origem ao consumo energético do sistema. Os componentes da Baseline de interesse para o contrato, vão ser os que são afectados, que afectam, ou são compostos pelas medidas de eficiência propostas. Esta definição dá origem depois à Lista de bens afectos ao contrato e é acrescentada também pelos Requisitos de Serviço definidos pela Instituição e pela ESE, que retratam o funcionamento esperado dos sistemas. 24

25 Bases do Modelo Alteração da Baseline As seguintes alterações no modelo podem dar origem a uma alteração da baseline: i. Tipo de uso das instalações pela Instituição; ii. Horas de operação no edifício, ou em algum departamento, ou em equipamentos consumidores de energia; iii. Mudanças permanentes nos parâmetros de serviço, em relação ao descrito no caderno de encargos; iv. Ocupação; v. Estrutura física da envolvente do edifício; vi. Tipo e quantidades de equipamento consumidor de energia; vii. Modificação, através de construção, ampliação, ou demolição de zonas do edifício; viii. Falta de manutenção ou correctiva por parte da Instituição nos equipamentos e sistemas consumidores de energia; ix. Modificações ou alterações no sistema de GTC, nomeadamente nos horários e períodos de funcionament 25

26 Bases do Modelo Alteração da Baseline A Baseline é analisada anualmente, na altura do período de Medição &Verificação e nessa altura (e só nessa altura) são verificadas eventuais alterações. As alterações são propostas pelas partes e analisadas pela Comissão de Acompanhamento. Se necessário serão acertados retroativos de consumos energéticos para algumas medidas. Só existem alterações se forem alteradas as premissas base previstas no Plano de M&V de cada medida. A alteração será efectuada de acordo com o método indicado para cada uma delas no Plano de M&V, de acordo com o Protocolo IPMVP. 26

27 Bases do Modelo Medição & Verificação Cada medida de eficiência energética terá a sua métrica proposta para Medição & Verificação, de acordo com o protocolo IPMVP. Não se aceitam alterações e verificações, fora do previsto e fora do escrito nos mapas de concurso para cada medida individualmente. Estes protocolos de M&V serão propostos pela ESE durante a Segunda Fase do concurso, e serão aprovadas (ou comentadas) pela Instituição, durante a fase de Negociação. Depois da adjudicação, é um protocolo do projecto, aceite e mantido por todas as partes. 27

28 Bases do Modelo Certificação Energética A Certificação Energética (RSECE+QAI) será obrigatória. A Instituição faz Auditória de QAI durante o concurso. A ESE faz auditoria de Energia durante a auditoria detalhada. A Instituição propõe e projeta os eventuais PACQAI s. A ESE inclui os eventuais PRE s no seu projecto, sem custos adicionais para a Instituição. Na certificação a ESE utiliza valores e análise QAI feitas pela Instituição. Valor da certificação inicial será colocado também na oferta de forma a ser valorizado fora do contrato de eficiência energética. 28

29 Bases do Modelo Financiamento O financiamento do Projecto é da responsabilidade da ESE. O Programa ECO.Ap estuda e incorpora formas de disponibilizar um possível menu de financiamento de forma a introduzir as ESE s a este lado do mercado. Estão a ser avaliados diferentes sistemas de incentivos para operacionalizar este programa, embora os projectos devam ser válidos sem incentivo. 29

30 Universo Alvo do Programa Pontos de fornecimento de energia na Administração Pública (inclui Administração Central+ Institutos + Administração Local). Consumo anual estimado de 5 TWh/ano, factura energética estimada de 500 M /ano. Diferentes Tipos de Utilização: Hospitais, quartéis, serviços, escolas etc. Inclui edifícios, iluminação pública e outros sistemas conexos. Pode ainda abranger contratos de manutenção e produção de energia em regime especial. 30

31 Implementação do Eco.AP até 2015 Nesta primeira fase do programa ( ) serão abrangidos cerca de: 300 edifícios 700 GWh de energia consumida anualmente 75 M de factura energética anual Este universo corresponde à seguinte remuneração potencial para as ESE: 14 M de poupanças anuais + contratos de manutenção + produção em regime especial 31

32 Calendarização Prevista do Programa Ano # GWh M total

33 Estrutura da Implementação Concurso com formato próprio, assumindo um carácter concessório, não ligado directamente à contratação Pública geral. Criação de um sistema de Pré-Qualificação para garantir a qualidade e credibilidade do sistema. Lançamento de um programa Piloto para teste de operação. Concursos transparentes e inovadores na avaliação e estrutura 33

34 Projecto Piloto em edifícios, 6 Lotes: Um lote com 10 Edifícios, tamanho pequeno (até 1.5 GWh). 5 lotes com cerca de 8 GWh de tamanho médio. Teste dos elementos de concurso. Teste do sistema de financiamento e de controlo. Lançamento previsto no primeiro semestre. 34

35 Escolha de Edifícios Escolha de edifícios e sistemas é baseada em: Adequação ao formato do programa. Potencial de poupança. Existência e qualidade dos dados de base. Interesse manifestado pelo Gestor do edifício em entrar no programa Volume de consumo adequado ao lote escolhido. Dispersão geográfica em relação ao lote escolhido. 35

36 Principais preocupações Concurso pensado para o Mercado e para os seus participantes. Preocupação com o Financiamento e sustentabilidade financeira do programa. Integração de várias competências e dinamização de vários vectores da actividade económica. Passos curtos, reais, apoiados nos parceiros, sem ambição desfocada da realidade que atravessamos. 36

37 Futuro Aperfeiçoar modelo técnico (caderno de encargos-tipo e programa de procedimento-tipo) e modelo de Financiamento. Lançar os primeiros lotes a concurso no 1S2012 Criar uma dinâmica de cruzeiro e de densificação do programa. Implementar um hábito concursal. Aproveitar o sucesso futuro para cativar novos Financiadores e parceiros para o crescimento do modelo. 37

38 Contactos Propostas sobre o processo devem ser encaminhadas para: DGEG : Eng João Bernardo ou ADENE : Eng Paulo Santos Queremos ouvir as propostas do mercado 38

39 Questões em Estudo Posse dos Equipamentos. Da ESE até final do contrato? Da Instituição no momento zero? Garantia e manutenção dos equipamentos afectos ao contrato. Modelo aguenta a ESE a assumir a garantia e manutenção dos equipamentos até final do contrato? Manutenção dos restantes equipamentos. Existe interesse em juntar estes procedimentos? Ou são mercados e plyers separados? Re-equilibrios de contrato. Como precaver tensões contratuais? 39

40 Questões em Estudo Financiamento O que se espera do Estado? Qual a importância desta acçao? ESE s conseguem sozinhas? Certificação Energética 100% da responsabilidade das ESE s? A correr dentro do contrato normal? Importância deste programa para outros clientes privados Pode ser um bom arranque para as ESE s ou são mercados muito diferentes? 40

41 Anexos Sistema de qualificação 41

42 Introdução Objectivos e Estrutura Base Objectivos Estrutura base Criar um verdadeiro Mercado, de ESE s, de EPC, de Profissionais, de Financiamento. Apostar na qualidade e na Experiência, garantindo que empresas e profissionais bem preparados estejam habilitados para o processo. Proteger o risco do Estado, criando ao mesmo tempo uma boa oportunidade de negócio para a ESE. Garantir um processo de concurso aberto, dinâmico e transparente. Criar boas bases para mercado de financiamento dos projectos. A base do processo será a prevista no DL 29/2011: Qualificação de Empresas de Serviços Energéticos para a participação em projectos de performance energética nos edifícios (ou sistemas) detidos directa ou indirectamente pelo Estado. Criação de um processo tipo de concurso, com um Programa de Procedimentos e um Caderno de Encargos Tipo. Lançamento de um programa Piloto, para testes do sistema e estudo eventual de melhorias ao programa 42

43 Sistema de Qualificação (1/5) Bases do Sistema de Qualificação Enquadramento: O enquadramento à criação de um sistema de qualificação de empresas de serviços energéticos encontra-se estabelecido no Capítulo II do DL 29/2011 de 28 de Fevereiro; Objectivos: Assegurar que a celebração de contratos de gestão de eficiência energética ocorre de forma clara e transparente; Garantir a qualidade dos prestadores de serviços (ESE) que serão convidados a celebrar contratos de gestão de eficiência energética com o Estado; Desenvolvimento de um mercado de empresas de serviços energéticas, altamente especializadas e com valências reconhecidas pelos diferentes actores do mercado; Estímulo ao desenvolvimento de contratos de gestão de eficiência energética no sector privado, tendo como referencial o sector Estado; Sistema de Qualificação como base para o mercado das ESE 43

44 Sistema de Qualificação (2/5) Bases do Sistema de Qualificação Segmentação: 2 Níveis de Qualificação Nível 1, para consumos 3 GWhe Nível 2, para consumos > 3 GWhe, maior exigência nos requisitos técnicos e financeiros Parceria: Possibilidade de qualificação em agrupamentos, potenciado as parcerias entre empresas especializadas em diferentes áreas de actuação. O parceiro financeiro pode ser distinto do parceiro técnico. Experiência: Requisitos técnicos obrigatórios baseados na experiência evidenciada pela ESE, assim como pela existência de um corpo técnico qualificado e com experiência real e demonstrada na área de eficiência energética; Existência de requisitos diferenciados para os dois níveis 44

45 Sistema de Qualificação (3/5) Bases do Sistema de Qualificação Qualificações: Existe uma forte interacção com o Sistema de Certificação Energética; Rolling System: O sistema de qualificação é aberto, permitindo que a qualquer momento uma ESE possa requerer a sua qualificação para qualquer dos níveis; Flexibilidade: As empresas (agrupamentos) qualificados para o Nível 2 podem candidatar-se a projectos de Nível 1; Acessibilidade: O sistema apresenta uma validade limitada a 2 anos, podendo ser renovado automaticamente ou alterado em função da evolução do mercado e necessidades futuras, conferindo-lhe desta forma uma elevada flexibilidade; Flexibilidade do Sistema de Qualificação 45

46 Sistema de Qualificação (4/5) Bases do Sistema de Qualificação Responsabilidade: Possibilidade de exclusão das ESE do sistema de qualificação devido à existência de irregularidades durante o processo de qualificação; Credibilidade: Possibilidade de exclusão das ESE do sistema de qualificação devido à existência de incumprimentos contratuais em contratos de gestão de eficiência energética em curso; Exigência: Apenas as ESE qualificadas poderão celebrar contratos de gestão de eficiência energética no âmbito do ECO.AP; Transparência: Todas as ESE qualificadas serão convidadas a apresentar proposta aos procedimentos concursais enquadráveis no nível respectivo. ; Sistema de Qualificação como Garantia de Qualidade 46

47 Sistema de Qualificação (5/5) Racional Nível Cap. Técnica Cap. Financeira Peritos Qualificados 1 Auditor energético (mínimo 2 pessoas) 3 Peritos Qualificados: 1 RCCTE 1 RSECE-E 1 RSECE-QAI 1 Auditor Energético 1 técnico CMVP 2 Engenheiros (1 SGCIE) (mínimo 5 pessoas) VN AF 15% VN AF 20% 47

ECO.AP Sistema de Qualificação das Empresas de Serviços de Energia. Janeiro de 2012

ECO.AP Sistema de Qualificação das Empresas de Serviços de Energia. Janeiro de 2012 ECO.AP Sistema de Qualificação das Empresas de Serviços de Energia Janeiro de 2012 Sistema de Qualificação (1/6) Enquadramento: Objectivos: O enquadramento à criação de um sistema de qualificação de empresas

Leia mais

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal

Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Colóquio: As Empresas de Serviços Energéticos em Portugal Lisboa, 30 de Dezembro Miguel Matias Presidente da APESE Vice-Presidente Self Energy A Eficiência Energética na Cidade oportunidade na Reabilitação

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece:

2. O Artigo 7.º do DL 78/20006, Exercício da função de perito qualificado, estabelece: Assunto: SCE Certificação de Competências 1. O Decreto Lei n.º 78/2006, de 4 de Abril, transpõe parcialmente para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 2002/91/CE, do parlamento Europeu e do Conselho,

Leia mais

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado

O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado O Sistema de Certificação Energética como plataforma integrada de gestão do património edificado ENERGY FOR SMART CITIES Cascais Painel Built Environment Lisboa, 28 a 30 de Novembro de 2012 Joana Fernandes

Leia mais

Módulo de Formação III.

Módulo de Formação III. Módulo de Formação III. Processo do CDE do Contracto à poupança garantida Projecto Transparense VISÃO GLOBAL SOBRE OS MÓDULOS DE FORMAÇÃO I. CDE Basics II. Processo do CDE da Identificação do Projecto

Leia mais

Oportunidades de eficiência energética na indústria. 31 de Maio de 2011, Porto. Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt

Oportunidades de eficiência energética na indústria. 31 de Maio de 2011, Porto. Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt Oportunidades de eficiência energética na indústria 31 de Maio de 2011, Porto Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt A eficiência energética é um recurso Como avaliar esse recurso? A eficiência

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:378383-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Contrato-quadro para desenvolvimento de Intranet com base em SharePoint, sistema

Leia mais

Programa ECO.AP. Launch Seminar RE-GREEN - REgional Policies Towards GREEN Buildings Lisboa, 28 Fevereiro 2012

Programa ECO.AP. Launch Seminar RE-GREEN - REgional Policies Towards GREEN Buildings Lisboa, 28 Fevereiro 2012 Programa ECO.AP Launch Seminar RE-GREEN - REgional Policies Towards GREEN Buildings Lisboa, 28 Fevereiro 2012 Agenda RE-GREEN Launch Seminar Programa ECO.AP Barómetro AP Portal ECO.AP Formação de GLEC

Leia mais

Case study. O Consumo de Energia em Edifício de Escritórios

Case study. O Consumo de Energia em Edifício de Escritórios Case study O Consumo de Energia em Edifício de Escritórios Copyright, Cgreen Setembro 2013 1 Índice Sumário Executivo... 2 Métodos e Evidências... 3 Processo de Análise... 3 Alteração Comportamental...

Leia mais

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22

Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 Caso prático: Um contrato de desempenho energético num hotel de cinco estrelas. pág. 22 H IPALAI.'I.)"S'.' HOlfc.O'.^INIHIA Corínthía Hotel Lisbon "Energy Performance Contracting" num hotel de cinco estrelas

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP

Candidatura 2010 ENERGIA. Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP Candidatura 2010 ENERGIA Utilização racional de energia e eficiência energético - ambiental em equipamentos colectivos IPSS e ADUP ÍNDICE: 1. ENQUADRAMENTO 2. EIXO 2 APOIO AS ENERGIAS RENOVÁVEIS 3. OBJECTIVOS

Leia mais

I-Ispra: Fornecimento de um grupo electrogéneo trifásico 2012/S 187-306516. Anúncio de concurso. Fornecimentos

I-Ispra: Fornecimento de um grupo electrogéneo trifásico 2012/S 187-306516. Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:306516-2012:text:pt:html I-Ispra: Fornecimento de um grupo electrogéneo trifásico 2012/S 187-306516 Anúncio de concurso

Leia mais

Atributos da Proposta e Preço Contratual

Atributos da Proposta e Preço Contratual Atributos da Proposta e Preço Contratual António José da Silva Coutinho, portador do cartão de cidadão nº. 08419828, com domicílio profissional na Rua Castilho, 165, 4º, 1070-050 Lisboa, na qualidade de

Leia mais

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CONTRATOS DE DESEMPENHO ENERGÉTICO: UM MODELO DE NEGÓCIO PARA IMPLEMENTAR MEDIDAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA INVESTIMENTO E FINANCIAMENTO, A RELAÇÃO COM A BANCA Coimbra, 18 de Junho de 2014 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO?

QUEM FAZ A AVALIAÇÃO ENERGÉTICA E EMITE O CERTIFICADO? O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do Sistema Nacional de Certificação Energética e Qualidade do Ar Interior

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 09.03.2001 COM(2001) 128 final 2001/0067 (ACC) VOLUME IV Proposta de DECISÃO DO CONSELHO Relativa à posição da Comunidade no Conselho de Associação sobre a

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução para inglês 2015/S 152-279505. Anúncio de concurso. Serviços

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução para inglês 2015/S 152-279505. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:279505-2015:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de tradução para inglês 2015/S 152-279505 Anúncio de concurso

Leia mais

CONTRATOS DE GESTÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Bernardo de Andrade da Rocha Loures Direito da Energia Mestrando em Direito Universidade de Coimbra

CONTRATOS DE GESTÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Bernardo de Andrade da Rocha Loures Direito da Energia Mestrando em Direito Universidade de Coimbra CONTRATOS DE GESTÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Bernardo de Andrade da Rocha Loures Direito da Energia Mestrando em Direito Universidade de Coimbra Conceito ORGANISMO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DIRETA, INDIRETA

Leia mais

I-Ispra: Fornecimento e manutenção de um sistema automatizado de imagiologia celular 2013/S 093-157518. Anúncio de concurso.

I-Ispra: Fornecimento e manutenção de um sistema automatizado de imagiologia celular 2013/S 093-157518. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:157518-2013:text:pt:html I-Ispra: Fornecimento e manutenção de um sistema automatizado de imagiologia celular 2013/S

Leia mais

P-Évora: Equipamento de controlo e telemetria 2008/S 132-176072 ANÚNCIO DE CONCURSO. Fornecimentos

P-Évora: Equipamento de controlo e telemetria 2008/S 132-176072 ANÚNCIO DE CONCURSO. Fornecimentos 1/5 P-Évora: Equipamento de controlo e telemetria 2008/S 132-176072 ANÚNCIO DE CONCURSO Fornecimentos SECÇÃO I: ENTIDADE ADJUDICANTE I.1) DESIGNAÇÃO, ENDEREÇOS E PONTOS DE CONTACTO: Águas do Centro Alentejo,

Leia mais

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI)

SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Nº 03 / SAFPRI / 2009 SISTEMA DE APOIO AO FINANCIAMENTO E PARTILHA DE RISCO DA INOVAÇÃO (SAFPRI) CONSTITUIÇÃO OU REFORÇO DE FUNDOS DE CAPITAL DE RISCO (FCR) PROJECTOS FASE

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768. Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:316768-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Digitalização de documentos analógicos em suporte magnético 2014/S 180-316768

Leia mais

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso.

E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:254863-2012:text:pt:html E-Alicante: Serviços de peritos financeiros relacionados com a gestão da tesouraria 2012/S 153-254863

Leia mais

D-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de gestão de seguros para o BCE 2013/S 056-090855. Anúncio de concurso.

D-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de gestão de seguros para o BCE 2013/S 056-090855. Anúncio de concurso. 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:90855-2013:text:pt:html D-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de gestão de seguros para o BCE 2013/S 056-090855

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:268964-2014:text:pt:html Itália-Ispra: Aluguer de curta e longa duração de viaturas e transporte de viaturas com o objetivo

Leia mais

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO

FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO FORMULÁRIO DE PROPOSTA DE PROJECTO ESPAÇO RESERVADO AO TI: PROPOSTA Nº DATA DA ENTRADA: / / RECEBIDO POR: I. IDENTIFICAÇÃO DO PROMOTOR NOME: Nº DE SÓCIO: MORADA: CÓDIGO POSTAL - LOCALIDADE: CONCELHO: TELEFONE:

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:126814-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Serviços de gestão de projetos e planeamento para projetos de construção

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Âmbito de aplicação do regulamento O presente regulamento estabelece as condições de acesso e as regras gerais de atribuição de co-financiamento comunitário do Fundo

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território.

EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL. edifícios e território. Auditorias energéticas em edifícios públicos Isabel Santos ECOCHOICE Abril 2010 EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL EMPRESA DE CONSULTADORIA EM CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL Somos uma empresa de

Leia mais

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional

Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Desempenho energético dos edifícios o impacto dos regulamentos na construção e as oportunidades de melhoria do parque habitacional Paulo Santos ADENE Agência para a Energia Nuno Baptista ADENE Agência

Leia mais

Programa EDP SOLIDÁRIA

Programa EDP SOLIDÁRIA Programa EDP SOLIDÁRIA REGULAMENTO I. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1. A Fundação EDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso

B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio electrónico 2012/S 99-163950. Anúncio de concurso 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:163950-2012:text:pt:html B-Bruxelas: Estudo sobre a situação do mercado de encomendas da UE, com especial ênfase no comércio

Leia mais

França-Estrasburgo: Reparação da flocagem azul e amarela dos vigamentos do edifício Louise Weiss em Estrasburgo 2015/S 157-287593. Anúncio de concurso

França-Estrasburgo: Reparação da flocagem azul e amarela dos vigamentos do edifício Louise Weiss em Estrasburgo 2015/S 157-287593. Anúncio de concurso 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:287593-2015:text:pt:html França-Estrasburgo: Reparação da flocagem azul e amarela dos vigamentos do edifício Louise Weiss

Leia mais

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas

PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica. Auditoria Energética para Escolas PPEC 2013-2014 Plano de Promoção da Eficiência Energética no Consumo de Energia Eléctrica Auditoria Energética para Escolas Objectivo da Medida As Auditorias Energéticas para Escolas faz parte de um conjunto

Leia mais

7. Jornadas de Climatização

7. Jornadas de Climatização 7. Jornad de Climatização As qualificações exigid para os Técnicos de Manutenção e Responsáveis pelo Funcionamento Fernando Brito 8 de Novembro de 2007 Introdução O que diz o Regulamento: Artº 19 Condução

Leia mais

I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados e redes de fibra ótica 2013/S 121-206362

I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados e redes de fibra ótica 2013/S 121-206362 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:206362-2013:text:pt:html I-Ispra: Fornecimento e instalação de cablagem estruturada, instalação de sistemas de voz-dados

Leia mais

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro:

Diagnóstico Energético. Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica. Promotor: Entidade Financiadora: Parceiro: Diagnóstico Energético Projecto Influência Comportamental no Consumo de Energia Eléctrica Entidade Financiadora: Promotor: Parceiro: Medida financiada no âmbito do Plano de Promoção da Eficiência no Consumo

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA. arlindo.louro@iep.pt SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA arlindo.louro@iep.pt Instalações instituto electrotécnico português Matosinhos Rua de S. Gens, 3717 4460-409 Senhora da Hora Tel.: 229570000/15 Fax: 229530594 e-mail:com@iep.pt

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação

Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Guia Prático do Certificado Energético da Habitação Fonte: ADENE O QUE É UM CERTIFICADO ENERGÉTICO? Um Certificado Energético (CE) de um edifício ou fracção autónoma é o documento emitido no âmbito do

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:190978-2014:text:pt:html Áustria-Viena: Serviços de limpeza a favor das instalações da Casa da União Europeia em Viena

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

Alemanha-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de filmagem/vídeos/animação e de difusão na Web 2013/S 241-418284. Anúncio de concurso

Alemanha-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de filmagem/vídeos/animação e de difusão na Web 2013/S 241-418284. Anúncio de concurso 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:418284-2013:text:pt:html Alemanha-Francoforte no Meno: BCE - Prestação de serviços de filmagem/vídeos/animação e de difusão

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:333384-2013:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de um sistema de vídeo para gestão de riscos destinado ao centro

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

Escolas de Pentatlo Moderno

Escolas de Pentatlo Moderno Escolas de Pentatlo Moderno ÍNDICE O que é o franchising PENTAKID? 3 Serviços PENTAKID 5 Marketing 6 Recursos Humanos 7 Financiamento 8 Processo de aquisição 9 Ficha técnica 10 Carta de resposta 11 2 O

Leia mais

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento Europeu em Estrasburgo 2014/S 114-199811

Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento Europeu em Estrasburgo 2014/S 114-199811 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:199811-2014:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Serviços de medicina geral a prestar a favor do gabinete médico do Parlamento

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Green Value Energy Building Solutions Janeiro de 2014 Índice Apresentação Áreas de Negócio Consultoria em Eficiência Energética e Ambiental Clientes Contactos Auditorias energéticas

Leia mais

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção

O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção O seu parceiro na Gestão de Projetos e Manutenção Índice 1. Introdução. 3 2. PROM&E GROUP.... 4 3. Building Management Organograma. 6 3.1 Project Management 7 3.2 Gestão Manutenção.. 16 3.3 Otimização

Leia mais

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00

8.1 - Datas associadas à execução física 8.2 - Datas associadas à execução financeira INVESTIMENTO TOTAL 0,00 5 - LOCALIZAÇÃO DO PROJECTO Ilha Concelho i) % Concelho % Concelho % i) Sempre que o Projecto abranja mais do que um Concelho, indicar qual o respectivo benefício (%). 6 - CARACTERIZAÇÃO DO PROJECTO (Descrição

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:40295-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:40295-2014:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:40295-2014:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento e instalação de um equipamento de ar condicionado para a ala

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:400207-2014:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:400207-2014:text:pt:html 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:400207-2014:text:pt:html Luxemburgo-Luxemburgo: Contrato no domínio do aquecimento, ventilação e ar condicionado Realização

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA

CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA O Programa para a Eficiência Energética tem como objectivo principal melhorar a eficiência energética dos edifícios portugueses. Com efeito, Portugal, sendo um país com excelentes

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:213931-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Serviços de apoio à promoção de talento Web na Europa através do incentivo à utilização

Leia mais

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo.

2.2. Podem, ainda, candidatar-se entidades agrupadas num projecto comum, devendo ser indicado o líder do mesmo. 1. Do Programa EDP SOLIDÁRIA 1.1. A Fundação EDP, adiante designada por FEDP, no âmbito das suas actividades nas áreas da solidariedade e da inovação social, promove uma iniciativa anual o Programa EDP

Leia mais

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT

INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT INTERVENÇÃO DE S.EXA. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO, DR.BERNARDO TRINDADE, NA SESSÃO DE ABERTURA DO XXXIII CONGRESSO DA APAVT TURISMO: TENDÊNCIAS E SOLUÇÕES Exmos. Senhores Conferencistas, Antes de

Leia mais

Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de geradores de alta frequência e separadores para soldadura de placas de plástico 2014/S 224-395007

Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de geradores de alta frequência e separadores para soldadura de placas de plástico 2014/S 224-395007 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:395007-2014:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Fornecimento de geradores de alta frequência e separadores para soldadura

Leia mais

O Sistema de Compras Electrónicas

O Sistema de Compras Electrónicas Seminário Novas Perspectivas na Contratação Pública Tribunal de Contas, INA, CCSCI 20-21 Nov 2006 O Sistema de Compras Electrónicas Luis Magalhães Programa Nacional de Compras Electrónicas (PNCE) Aprovado

Leia mais

L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052. Anúncio de concurso.

L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052. Anúncio de concurso. 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:20052-2013:text:pt:html L-Luxemburgo: PE-ITEC-DIT-ITIM-2012/03-CLAVIS Software de gestão de documentos 2013/S 015-020052

Leia mais

Investimento Adjudicado 2007-2009

Investimento Adjudicado 2007-2009 Programa de Modernização das Escolas do Ensino Secundário Investimento Adjudicado 2007-2009 Comissão Parlamentar de Educação e Ciência, Memorando de apoio à audição parlamentar de 24 Março de 2010 NOTA

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

Países Baixos-Haia: Limpeza e serviços conexos 2014/S 099-172131. Anúncio de concurso. Serviços

Países Baixos-Haia: Limpeza e serviços conexos 2014/S 099-172131. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:172131-2014:text:pt:html Países Baixos-Haia: Limpeza e serviços conexos 2014/S 099-172131 Anúncio de concurso Serviços

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:215101-2013:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Apoio no âmbito do trabalho preparatório de medidas de conceção ecológica

Leia mais

Proposta de protocolo Benefícios aos associados

Proposta de protocolo Benefícios aos associados Proposta de protocolo Benefícios aos associados A LUZBOA A LUZBOA Comercialização de Energia Lda é uma empresa de comercialização de electricidade no mercado liberalizado sedeada em Viseu, que opera para

Leia mais

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc:

Ana Oliveira. Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: De: erse@erse.pt Cc: Ana Oliveira De: Anibal T. de Almeida [aalmeida@isr.uc.pt] Enviado: sexta-feira, 9 de Março de 2001 18:06 Para: erse@erse.pt Cc: anacris@isr.uc.pt Assunto: Comentarios Anexos: ERSE-Revisão dos Regulamentos.doc;

Leia mais

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886

http://www.iapmei.pt/iapmei-leg-03p.php?lei=7886 IAPMEI - Legislação - Legislação Nacional - Incentivos-Portaria 1102/2010 de 25 de... Page 1 of 24 Portaria nº 1102/2010 de 25 de Outubro de 2010 DR 207 - SÉRIE I Emitido Por Ministério da Economia, da

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE

MUNICÍPIO DE MONCHIQUE CONCURSO LIMITADO POR PRÉVIA QUALIFICAÇÃO ao abrigo dos artigos 162.º a 192.º do Código dos Contratos Públicos (CCP) aprovado pelo n.º 1, do art.º 1.º do D.L. n.º 18/2008, de 29/01 AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO

PRODUTOS INOVADORES: O DESAFIO DO MERCADO RECURSOS TÉCNICOS PARA O EMPREENDEDORISMO DE BASE TECNOLÓGICO ÍNDICE INTRODUÇÃO Sobre o guia Utilizadores Beneficiários CONCEITOS CHAVE NOTAS METODOLÓGICAS E PRÉ-REQUISITOS PROCESSO METODOLÓGICO Parte I Referencial para o lançamento de produtos inovadores no mercado

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios. Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios Janeiro/Fevereiro 2008 Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:347015-2013:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:347015-2013:text:pt:html 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:347015-2013:text:pt:html Itália-Ispra: Prestação de serviços de desenvolvimento de hardware e software e fornecimentos

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

Esclarecimentos a dúvidas relativas à interpretação do Programa de Qualificação, colocadas por entidades interessadas na Qualificação.

Esclarecimentos a dúvidas relativas à interpretação do Programa de Qualificação, colocadas por entidades interessadas na Qualificação. Esclarecimentos a dúvidas relativas à interpretação do Programa de Qualificação, colocadas por entidades interessadas na Qualificação. 1 - Na sequência da análise do programa de procedimento relativo ao

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Bélgica-Bruxelas: Estudo sobre a legislação aplicável aos contratos de seguro 2014/S 149-267125. Anúncio de concurso. Serviços

Bélgica-Bruxelas: Estudo sobre a legislação aplicável aos contratos de seguro 2014/S 149-267125. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:267125-2014:text:pt:html Bélgica-Bruxelas: Estudo sobre a legislação aplicável aos contratos de seguro 2014/S 149-267125

Leia mais

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada.

Essa energia pode então ser injectada e vendida na sua totalidade à rede a uma tarifa bonificada. O que é a geração fotovoltaica? A microgeração fotovoltaica é a produção, pelo próprio consumidor, de energia elétrica através da captação da radiação solar por um conjunto de painéis solares fotovoltaicos.

Leia mais

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética

Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Concurso de Design Mascote Eficiência Energética Regulamento 1. Introdução O presente concurso destina-se à criação da Mascote da Eficiência Energética, que estará associada à COGEN Portugal, e que será

Leia mais

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral

Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética - Geral Sistema Nacional de Certificação Energética e da Qualidade do Ar Interior nos Edifícios (SCE) Sistema de Certificação Energética e de QAI Contexto nacional energético e ambiental Transposição da Directiva

Leia mais

Anúncio de concurso. Fornecimentos

Anúncio de concurso. Fornecimentos 1/8 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:268336-2015:text:pt:html Itália-Ispra: Fornecimento, instalação e manutenção de 2 sistemas de armazenamento por baterias

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE. (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE (Unidade-Disciplina-Trabalho) MINISTÉRIO DO PLANO E FINANÇAS PROJECTO DE APOIO À GESTÃO ECONÓMICA E FINANCEIRA (PAGEF) TERMOS DE REFERÊNCIA RESPONSÁVEL ADMINISTRATIVO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO. Diário da República, 1.ª série N.º 41 28 de Fevereiro de 2011 1209

MINISTÉRIO DA ECONOMIA, DA INOVAÇÃO E DO DESENVOLVIMENTO. Diário da República, 1.ª série N.º 41 28 de Fevereiro de 2011 1209 Diário da República, 1.ª série N.º 41 28 de Fevereiro de 2011 1209 h) Conservatória do Registo Comercial de Lousã; i) Conservatória do Registo Comercial de Vila Nova de Poiares; j) Conservatória do Registo

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética;

Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Certificação energética e auditoria energética em edifícios a serem reabilitados; Situação actual da Certificação Energética; Monitorização energética dos edifícios Isabel Santos ECOCHOICE Estoril, Abril

Leia mais

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html

O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:22100-2015:text:pt:html Alemanha-Karlsruhe: Execução de tarefas de proteção contra as radiações em projetos de desmantelamento

Leia mais

B-Bruxelas: Estudo comparativo relativo a contratos de computação em nuvem 2013/S 084-140907. Anúncio de concurso. Serviços

B-Bruxelas: Estudo comparativo relativo a contratos de computação em nuvem 2013/S 084-140907. Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:140907-2013:text:pt:html B-Bruxelas: Estudo comparativo relativo a contratos de computação em nuvem 2013/S 084-140907

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 2 DEFINIÇÕES

1 INTRODUÇÃO 2 DEFINIÇÕES 1 INTRODUÇÃO 1.1 Os presentes Termos Gerais e Condições para Customer Care Packages (Pacotes de Serviços a Clientes) da Leica Geosystems ( Termos e Condições CCP ) aplicam-se exclusivamente aos Customer

Leia mais

Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891. Anúncio de concurso. Serviços

Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891. Anúncio de concurso. Serviços 1/6 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:314891-2013:text:pt:html Polónia-Varsóvia: Sistema de gestão de recursos digitais/de meios de comunicação 2013/S 183-314891

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/5 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:316749-2014:text:pt:html Suécia-Estocolmo: Serviços de gestão de documentos e serviços de bioinformática, bioestatística,

Leia mais