PROJETO DE INTERVENÇÃO: PROPOSTA DE UM ROTEIRO TURÍSTICO CULTURAL PARA O MUNICÍPIO DE TIBAU DO SUL/RN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE INTERVENÇÃO: PROPOSTA DE UM ROTEIRO TURÍSTICO CULTURAL PARA O MUNICÍPIO DE TIBAU DO SUL/RN"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS REGINA FERREIRA DE ARAUJO PROJETO DE INTERVENÇÃO: PROPOSTA DE UM ROTEIRO TURÍSTICO CULTURAL PARA O MUNICÍPIO DE TIBAU DO SUL/RN NATAL/RN 2013

2 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS CURSO DE GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS REGINA FERREIRA DE ARAUJO PROJETO DE INTERVENÇÃO: PROPOSTA DE UM ROTEIRO TURÍSTICO CULTURAL PARA O MUNICÍPIO DE TIBAU DO SUL/RN Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), apresentado ao Curso de Gestão de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel em Gestão de Políticas Públicas. Orientador: Alan Daniel Freire de Lacerda, Dr. NATAL/RN 2013

3 2 REGINA FERREIRA DE ARAÚJO PROJETO DE INTERVENÇÃO: PROPOSTA DE UM ROTEIRO TURÍSTICO CULTURAL PARA O MUNICÍPIO DE TIBAU DO SUL/RN Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), apresentado ao Curso de Gestão de Políticas Públicas da Universidade Federal do Rio Grande do Norte como requisito parcial para a obtenção do título de bacharel em Gestão de Políticas Públicas. Data de defesa: de dezembro de Resultado: BANCA EXAMINADORA Alan Daniel Freire de Lacerda, Prof. Dr. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Glenda Dantas Ferreira, Profª. MSc. Universidade Federal do Rio Grande do Norte

4 Dedico este trabalho aos meus amados filhos Maria Regina e Antonio Neto que tanto se privaram da minha presença para que o mesmo fosse concluído. 3

5 4 AGRADECIMENTOS Agradeço... A Deus, por me iluminar e permitir que eu concluísse mais esta graduação, trazendo benesses concretas para a minha vida profissional e acadêmica. Aos meus familiares, que tanto me incentivaram e me ajudaram a dar mais este passo em minha vida, destacando-se as personalidades de Antonio José de Araujo e Francisca Maria Ferreira de Araujo, meus pais. Aos meus amigos, que compreenderam a minha ausência durante o período de elaboração deste trabalho e torceram pelo meu sucesso, especificamente aos meus amigos Cláudio Filho, Milla Chianca, Luis Santana, Cristina Lapas e Clenilson Costa, que moram e/ou trabalham (ou já o fizeram) em Tibau do Sul e me ajudaram com informações, documentos e fotos para a elaboração deste trabalho. Ao professor Alan Lacerda, que assumiu o compromisso de orientar este trabalho e depositou em mim a confiança de concluí-lo com êxito. A todo o corpo docente do Curso de Gestão de Políticas Públicas, que, desde a sua concepção, atuou com seriedade e compromisso, proporcionando a seus alunos uma excelente formação. Agradeço especialmente às professoras Lindjane Almeida e Glenda Dantas que tanto se empenharam em seu trabalho, quando responsáveis pela disciplina Ateliê de Gestão de Políticas Públicas III, momento em que pude aprender a fazer um projeto de execução, objeto deste trabalho. Por fim, não posso deixar de citar os professores Robério Paulino e Sandra Gomes, que contribuíram de maneira majestosa para a minha formação de Gestora de Políticas Públicas.

6 "Os ingredientes da paz são o pão e o amor. (Josué de Castro) 5

7 6 RESUMO Implementar políticas e planos no setor turístico envolve disposição para o estabelecimento de parcerias entre governos e iniciativa privada, envolvendo também, em muitas situações, organizações do terceiro setor. Além disso, deve haver um espaço para a atuação de estudiosos, pesquisadores e profissionais de áreas diversas de conhecimento e formação, capazes de dar novos rumos não só ao turismo, mas à economia como um todo, visto que o turismo apresenta um caráter multidisciplinar e tem um efeito multiplicador, atingindo 52 setores da economia. Vale destacar a extrema importância que a comunidade nativa ou autóctone possui nesse processo de planejamento, desde a sua elaboração até a execução e o controle, devendo participar ativamente de todas as ações. O presente projeto de intervenção tem por objetivo criar uma nova alternativa de segmentação turística de oferta para Tibau do Sul/RN, com vistas a propor um Roteiro Turístico Cultural para o município, onde serão identificados os monumentos histórico-culturais do destino que precisam ser recuperados; serão resgatadas as manifestações culturais da localidade; capacitar-se-ão pequenos empreendedores e mão-de-obra local para atender à demanda do segmento de turismo cultural; e serão estruturados e organizados os equipamentos gastronômicos conforme as condições de higiene necessárias, incentivando a culinária local. Para a consolidação deste projeto serão realizadas diversas reuniões com equipes multidisciplinares e a forte participação da comunidade. Palavras-chave: projeto de intervenção; roteiro turístico; cultura.

8 7 ABSTRACT Implement policies and plans in the tourism sector requires disposition to establish partnerships between governments and the private sector, as well as third sector organizations, in many situations. In addition, there must be a space for the action of scholars, researchers and professionals from various areas of knowledge and training, who are able to give new directions not only to tourism, but to the economy as a whole, since tourism has a multidisciplinary character and a multiplier effect, reaching 52 sectors of the economy. It is worth highlighting the extreme importance that the native community or indigenous have in this planning process. They should be actively involved in all actions, since the development until the implementation and control phases. This intervention project aims at creating a new offer segmentation alternative in Tibau do Sul/RN`s tourism, suggesting a cultural tourism itinerary to the community, identifying the historical-cultural monuments that need to be recovered; it will redeems the cultural manifestations of the locality; small entrepreneurs and local workforce will be empowered to meet the demand in the cultural tourism segment; the gastronomic equipment will be structured and organized in accordance with the required hygiene standards, encouraging the local cuisine. For the project s consolidation several meetings will happen with multidisciplinary teams and strong community participation. Keywords: intervention project; tourist itinerary; culture.

9 8 LISTA DE FIGURAS Figura 01 Mapa de Tibau do Sul 15 Figura 02 Lagoa de Guaraíras (vista aérea) 19 Figura 03 Roteiro 38 Figura 04 Altar da Igreja Nossa Senhora da Conceição 43 Figura 05 - Dança do Pastoril por um grupo de senhoras da melhor idade 43 Figura 06 Porta de entrada da casa com elementos místicos da Ordem Rosa Cruz em Piau 44 Figura 07 Engenho de Miguel Mulick em Piau 44 Figura 08 Igreja Nossa Senhora das Dores em Piau 45 Figura 09 Loja de artesanato Art.com Souvenirs em Piau Figura 10 Apresentação de um grupo nativo de Coco de Roda Figura 11 Tapioca Figura 12 Camarões Figura 13 Artesanato de Severino Brasil Figura 14 Apresentação do grupo de Coco Zambê do Mestre Geraldo de Cabeceiras Figura 15 Apresentação de grupo de Capoeira Figura 16 Pôr-do-Sol na Lagoa Guaraíras

10 9 LISTA DE QUADROS Quadro 01 Impactos Positivos e Negativos do Turismo 13 Quadro 02 Evolução das Políticas Públicas de Turismo no Brasil, no RN e em Tibau do Sul 22 Quadro 03 Cronograma de Atividades 29 Quadro 04 - Articulação dos Atores 32 Quadro 05 Orçamento e Cronograma 33 Quadro 06 Programação do Roteiro 39 Quadro 07 Inventário Cultural do Município de Tibau do Sul 40

11 10 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 11 2 CARACTERIZAÇÃO RECORTE TERRITORIAL E TEMÁTICO CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO Histórico Físico-territorial Socioeconômico Social 19 3 MARCOS REGULATÓRIOS 21 4 JUSTIFICATIVA 24 5 OBJETIVOS E CONTEXTO DO PROJETO 26 6 PÚBLICO-ALVO 27 7 METODOLOGIA 28 8 ATIVIDADES 29 9 METAS CONTROLE E EXECUÇÃO ARTICULAÇÃO DOS ATORES ORÇAMENTO E CRONOGRAMA 33 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 35 ANEXOS 38

12 11 1 INTRODUÇÃO A palavra turismo originou-se da expressão inglesa tourism, que por sua vez deriva do vocábulo francês tour, quando ainda no século XIX ingleses pertencentes à aristocracia diziam faire un tour (dar uma volta), referindo-se ao ato de viajar pelo próprio continente europeu. A prática do turismo, no entanto, foi intensificada somente no século XX em decorrência da modernização tecnológica, responsável por uma revolução nos meios de transporte e por novos recursos de engenharia e arquitetura, cujos reflexos afetaram a construção civil e, portanto, o setor hoteleiro (BOEHM; PEREIRA, 2006). De acordo com Barretto et.al. (2003), o turismo pode ser analisado de diferentes formas. Fazer turismo pode ser o que os turistas fazem viajar por prazer. Mas também pode ser visto como a atividade resultante de uma interação dos turistas com prestadores de serviços. Esse segundo aspecto é conhecido como a indústria turística e é da alçada do chamado trade turístico. O turismo também é dividido por segmentos, tanto de oferta, quanto de demanda. De acordo com Beni (2006, p. 169), sobre a noção de oferta em turismo, (...) pode-se definir a oferta básica como o conjunto de equipamentos, bens e serviços de alojamento, de alimentação, de recreação e lazer, de caráter artístico, cultural, social ou de outros tipos, capaz de atrair e assentar numa determinada região, durante um período determinado de tempo um público visitante. Já sobre a noção de demanda em turismo, Beni (2006) fala de todos os serviços que o turista necessita tanto para chegar até o seu destino quanto para sua estadia e também para a sua volta ao local de origem, sendo, portanto os transportes e os equipamentos receptivos de fundamental importância nesse processo. Para fins deste trabalho, será focalizado o segmento de oferta que, de acordo com o Ministério do Turismo (2010), pode ser de vários tipos, porém os prioritários para o desenvolvimento do turismo no Brasil são: turismo cultural; turismo de pesca; turismo rural; ecoturismo; turismo de aventura; turismo náutico; turismo de sol e praia; turismo de estudos e intercâmbio; turismo de negócios e eventos; turismo de esportes; e turismo de saúde.

13 12 Este projeto trabalha com o segmento do turismo cultural, o qual, segundo Swarbrooke (2000), possui diversos recursos, tais como: artes (teatros e galerias de arte); tipos de arquitetura; linguagem (idioma nativo predominante, línguas minoritárias e regionais, escolas de línguas); locais religiosos (santuários, igrejas, catedrais); indústria e comércio (visitas a locais de trabalho, atrações rurais, lojas famosas, mercados, complexos de lojas e atividades de lazer); festivais e eventos especiais (folclore, artes performáticas, esportes, interesse especial); atrações históricas (museus e centros históricos, castelos, casas majestosas e monumentos antigos, jardins históricos, vilarejos históricos e vistas de cidades); locais associados a acontecimentos históricos e pessoas famosas; cultura popular moderna (locações para filmes e locações feitas para a TV); passeios e itinerários temáticos; comidas e bebidas tradicionais; férias com algum interesse especial; atividades de esporte e lazer (participantes, espectadores, jogos e esportes tradicionais); e ofícios tradicionais. O turismo no município de Tibau do Sul/RN começou na década de 1970, quando a sua atualmente famosa praia de Pipa foi descoberta por surfistas e amantes da natureza que promoveram o lugar. Até então, as praias do município só eram exploradas pelos poucos habitantes que existiam no local e por veranistas do município de Goianinha que viajavam para lá apenas no mês de janeiro. De acordo com Simonetti (2012), o primeiro veraneio ocorreu em 1926, onde o acesso para se chegar lá era aberto poucos dias antes e o transporte era feito por carros de boi. Até o início da década de 1980 só havia as casas dos moradores nativos e algumas casas de veraneio. O turismo se caracterizava como alternativo porque as pessoas se hospedavam em acampamentos ou nas varandas das casas de alguns moradores locais, o que gerava uma melhoria da renda familiar para os nativos e fazia com que os visitantes pudessem participar do modo de vida local (ARAUJO, 2002). Foi a partir das décadas de 1980/1990 que o turismo de fato começou a se desenvolver no município de Tibau do Sul, mais especificamente na Praia da Pipa, onde os turistas de diversas regiões do Brasil e principalmente estrangeiros constituíram segunda moradia e posteriormente começaram a investir em empreendimentos de hospedagem e alimentação. Hoje, 40 (quarenta) anos depois, o turismo em Tibau do Sul já é bastante consolidado e se concentra nos seguintes segmentos: turismo de sol e praia; turismo

14 13 gastronômico; turismo ecológico; turismo esportivo; e turismo de aventura. Há um esforço por parte de alguns empresários em implantar o turismo de negócios e eventos, mas ainda se apresentam como ações isoladas. Como não se explora no local o turismo histórico-cultural, a Prefeitura Municipal de Tibau do Sul, através da Secretaria Municipal de Turismo e da Coordenadoria de Cultura, realizou no último trimestre do ano de 2011, um inventário com essa perspectiva a fim de identificar monumentos históricos e manifestações culturais para que a história e a cultura locais não se percam ao longo do tempo, pois se sabe que isso é possível devido aos impactos que o turismo gera quando está instalado em uma localidade, como se pode verificar no quadro 01. A consolidação do turismo de Tibau do Sul se comprova pelo fato de que este é um município que está entre os 65 Destinos Indutores do Turismo 1 no Brasil (MTur, 2008). O Rio Grande do Norte possui apenas mais 1 (um) destino indutor que é a capital Natal, identificando-se, portanto, a importância que o destino Tibau do Sul tem para o turismo desse Estado. Quadro 01 Impactos Positivos e Negativos do Turismo IMPACTOS POSITIVOS NEGATIVOS ECONÔMICOS Aumento da renda Aumento sazonal de Criação de trabalho preços Provisão de divisas Especulação imobiliária Desenvolvimento intersetorial SOCIAIS Fortalecimento dos laços comunitários Aumento do interesse dos moradores locais em eventos regionais CULTURAIS Preservação dos valores culturais Surgimento de novas idéias, a partir da abertura para outras culturas AMBIENTAIS Conservação ambiental através da criação de APA s (Áreas de Preservação Ambiental) Fonte: dados extraídos de Barretto (2005), Gonçalves e Serafim (2006) e Beni (2006). Aceleração de tendências sociais indesejáveis, como a urbanização excessiva, por exemplo Turismo sexual Descaracterização local Poluição ambiental Poluição visual Devastação Contaminação Extinção animal 1 Os destinos indutores do desenvolvimento turístico regional são aqueles que possuem infraestrutura básica e turística e atrativos qualificados, que se caracterizam como núcleo receptor e/ou distribuidor de fluxos turísticos.

15 14 Com relação aos impactos ocasionados pela atividade turística, Swarbrooke (2000), destaca que o turismo cultural sofre pressão sobre a diversidade cultural, decorrentes de um aumento da homogeneização da cultura em todo o mundo, que por sua vez é o resultado dos efeitos de culturas populares globais como a televisão, a música e o cinema. Essa redução na diversidade cultural pode reduzir também a motivação de viajar para vivenciar outras culturas. Assim, a fim de apresentar uma proposta de um Roteiro Turístico Cultural para o município de Tibau do Sul/RN, além desta introdução, este projeto de intervenção divide-se em mais 12 (doze) partes, constituindo-se de: caracterização, a qual apresenta o recorte territorial e temático do objeto de estudo, bem como a caracterização da área de intervenção abordada nos eixos físico-territorial, socioeconômico, social e institucional; identificação da intervenção; justificativa; objetivos e contexto do projeto; público-alvo; metodologia; atividades; metas; indicadores; processo decisório e articulação dos atores; orçamento e cronograma; documentos de referência; e anexos.

16 15 2 CARACTERIZAÇÃO 2.1 RECORTE TERRITORIAL E TEMÁTICO O presente projeto de intervenção se propõe a criar um roteiro turístico cultural para o município de Tibau do Sul/RN, o qual apresenta 9 (nove) distritos, além de sua sede. Farão parte do roteiro 7 (sete) desses distritos e a sede do município. Os 7 (sete) distritos que irão compor o roteiro se localizam na RN 003 fazendo limite a oeste com o município de Goianinha e a leste com o Oceano Atlântico, ou seja, a estrada termina no próprio município de Tibau do Sul. Além da sede do município que é denominada Tibau, os distritos contemplados pelo projeto são respectivamente os seguintes: Pernambuquinho, Sítio de Cabeceiras, Munim, Manimbu, Bela Vista, Piau e Umari. (A proposta do roteiro será no sentido inverso de Umari até Tibau). Segue visualização na figura Figura 01 Mapa de Tibau do Sul Umari 2 Piau 3 Bela Vista 4 Manimbu 5 Munim 6 Cabeceiras 7 Pernambuquinho 8 - Tibau Sibaúma Fonte: adaptado de Google Maps. 2 Os distritos pertencentes ao município de Tibau do Sul que não foram contemplados neste projeto são Pipa e Sibaúma devido à sua localização fora da rota geográfica.

17 16 A proposta deste trabalho resume-se em um projeto de intervenção Roteiro Turístico Cultural que consiste em uma proposta de realização de um circuito a ser feito pelos turistas ou visitantes 3 que estiverem em Tibau do Sul por alguns atrativos históricoculturais que o município dispõe e que, no entanto, não são conhecidos nem tampouco explorados pela atividade turística de forma organizada. 2.2 CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE INTERVENÇÃO Histórico De acordo com o Histórico de Tibau do Sul disposto no site do IBGE, e com Cavalcanti Neto (2001), o nome do município é originário do tupi tipaum que significa entre duas águas, nomenclatura decorrente do fato de que a população primitiva de Tibau do Sul se situava entre a Lagoa de Guaraíras e o Oceano Atlântico onde foi traçada a linha vermelha na figura 02 a seguir. Figura 02 Lagoa de Guaraíras (vista aérea)

18 17 Fonte: adaptado de Google images, crédito de Evaldo Parreira De acordo com Simonetti (2012), foi no inverno do ano de 1924 que ocorreu o rompimento da barra que separava a Lagoa de Guaraíras do Oceano Atlântico. Como a cidade se desenvolvera próxima ao mar, foi praticamente toda destruída. A partir dessa data as águas da Lagoa de Guaraíras ficaram definitivamente emendadas com o mar. Situada na área da Aldeia de São João Batista de Guaraíras a povoação de Tibau desenvolveu-se a partir da atividade agrícola. Em 1873, conquistou sua primeira escola primária, exclusivamente para alunos masculinos. Trinta e oito anos após ganhar sua primeira escola (1911), a povoação chegou à condição de Distrito, e, em 1953, Tibau foi elevado à categoria de Vila. Através da Lei nº 2.803, Tibau desmembrou-se de Goianinha no dia 3 de abril de Ao nome original do novo município foi acrescentado a palavra Sul para diferenciar de um outro Tibau, localizado no litoral norte do Estado. O município de Tibau do Sul foi definitivamente instalado em 13 de abril de Turistas: permanecem no destino no mínimo 24h e lá pernoitam. Visitantes: permanecem menos de 24h no destino e não pernoitam. (OMT, 2003)

19 Físico-territorial e Dados Demográficos Distante da capital do Rio Grande do Norte (Natal), 80 km (oitenta quilômetros), o acesso para Tibau do Sul se dá pela BR 101 e pela RN 003. A BR 101 está duplicada e em excelentes condições no trecho que segue de Natal a Tibau do Sul. Entretanto, a RN 003 é uma via de mão dupla, bastante estreita e cheia de curvas e ladeiras, o que ocasiona muitos acidentes, principalmente com pedestres, pois boa parte da população dos distritos tanto de Goianinha quanto de Tibau do Sul mora à margem da estrada. De acordo com o CENSO 2010 (IBGE), a população do município de Tibau do Sul consiste em um total de hab. (onze mil, trezentos e oitenta e cinco habitantes), dos quais (seis mil, oitocentas e sessenta e uma) pessoas constituem a população residente urbana e (quatro mil, quinhentas e vinte e quatro), a população residente rural. Dessa população total, (cinco mil, setecentos e cinqüenta e oito) habitantes são do sexo masculino e (cinco mil, seiscentos e vinte e sete) do feminino. A população estimada para 2013, segundo o IBGE Cidades é de (doze mil, setecentos e oito) habitantes. Com uma área de 101,822 km 2, Tibau do Sul apresenta uma densidade demográfica de 111,81 (hab/km 2 ). O gentílico (denominação para quem nasce na localidade) de Tibau do Sul é tibauense.

20 Socioeconômico Com relação aos dados econômicos do município de Tibau do Sul, destacam-se os valores referentes ao PIB (Produto Interno Bruto), o qual mais do que duplicou no decorrer de cinco anos, passando de mil reais em 2003 para mil reais em 2008, onde o setor de serviços corresponde a mais de 60% desses valores (IBGE, 2010). De acordo com o IBGE Cidades, o PIB per capita de Tibau do Sul é de R$7.085,50 (sete mil e oitenta e cinco reais e cinqüenta centavos). Porém, o Índice de Gini 4 do município é de 0,600 (PORTAL ODM, 2010), o que comprova a alta concentração de renda no local Social Com relação à educação no município de Tibau do Sul, destacam-se alguns dados apresentados pelo Ministério da Educação (MEC), tais como: a quantidade de 9 (nove) escolas municipais em atividade de acordo com o Censo Escolar 2012; o número de 8 (oito) salas de recursos multifuncionais; o quantitativo de 4 (quatro) ônibus adquiridos pelo Programa Caminho da Escola entre os anos de 2008 a 2013 no valor correspondente a R$ ,00 (setecentos e vinte um mil oitocentos e oitenta reais); o número de 176 (cento e setenta e seis) funções docentes, (três mil setecentos e sessenta e nove) matrículas na Educação Básica e 14 (catorze) estabelecimentos de Educação Básica; o quantitativo de 2 (duas) escolas que aderiram ao Programa Mais Educação e receberam no período correspondente aos anos de 2008 a 2012 o valor de R$43.497,70 (quarenta e três mil quatrocentos e noventa e sete reais e setenta centavos); e o valor total de R$ ,96 (duzentos e catorze mil seiscentos e cinco reais e noventa e seis centavos) em recursos repassados pelo PDDE (Programa Dinheiro Direto na Escola) em Índice de Gini: criado pelo matemático italiano Conrado Gini, é um instrumento para medir o grau de concentração de renda em determinado grupo. Ele aponta a diferença entre os rendimentos dos mais pobres e dos mais ricos. Numericamente, varia de zero a um (alguns apresentam de zero a cem). O valor zero representa a situação de igualdade, ou seja, todos têm a mesma renda. O valor um (ou cem) está no extremo oposto, isto é, uma só pessoa detém toda a riqueza.

21 20 Quanto à saúde, o município de Tibau do Sul dispõe de 9 (nove) estabelecimentos, de acordo com o Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde da Secretaria de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde (2013). São eles: Secretaria Municipal de Saúde, Posto de Saúde de Piau, Unidade Mista de Saúde, PSF Bela Vista, Posto de Saúde de Pipa, PSF Cabeceiras, Vigilância Sanitária, UBS Sibaúma e UBS Centro 5. Referente à Assistência Social presente no município, de acordo com o MOPS (Mapa de Oportunidades e Serviços Públicos) do MDS (Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome), Tibau do Sul dispõe de 1 (uma) Unidade Pública da Rede de Proteção Social Básica - o CRAS (Centro de Referência da Assistência Social), o qual se constitui em uma unidade pública estatal responsável pela organização e oferta de serviços de proteção social básica do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Realiza trabalho social, de caráter continuado com famílias, no sentido de fortalecer a função protetiva das famílias, prevenir a ruptura dos seus vínculos, promover acesso e usufruto de direitos e contribuir na melhoria de sua qualidade de vida. Em relação às condições de vida da população de Tibau do Sul, o IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) é de 0,645 (IDHM, 2010). De acordo com o Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil (IPEA), o IDHM mede o nível de desenvolvimento humano a partir de indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula); longevidade (esperança de vida ao nascer); e renda (PIB per capita). O índice varia entre 0 (nenhum desenvolvimento humano) e 1 (desenvolvimento humano total). Municípios com IDH até 0,499 têm desenvolvimento humano considerado baixo; os municípios com índices entre 0,500 e 0,799 são considerados de médio desenvolvimento humano; municípios com IDH maior que 0,800 têm desenvolvimento humano considerado alto. Portanto, Tibau do Sul apresenta médio desenvolvimento humano. 5 Sabe-se que foi construído um Posto de Saúde em Umari no ano de 2012, porém até o presente momento não foi aberto ao público.

22 21 3 MARCOS REGULATÓRIOS O turismo, conforme já fora citado neste trabalho, é uma atividade econômicosocial de caráter recente, pois só foi consolidado no século XX, especialmente a partir da década de 1940, período pós II Guerra Mundial, a qual, mesmo diante de tantas atrocidades, trouxe um fator impulsionador para o turismo, que foi o desenvolvimento dos meios de transporte, especialmente o aéreo, que diminuiu consideravelmente o tempo de viagem entre a origem e o destino dos viajantes. Assim, para regulamentar essa nova atividade o turismo foram criados ao longo do tempo diversos marcos regulatórios conforme a necessidade do mercado e da sociedade como um todo. Segue o quadro 02 que mostra a Evolução das Políticas Públicas de Turismo no Brasil, no estado do Rio Grande do Norte e no município de Tibau do Sul.

23 22 Quadro 02 Evolução das Políticas Públicas de Turismo no Brasil, no RN e em Tibau do Sul DATA MARCO AÇÃO ESTABELECIDA REGULATÓRIO 30/11/1937 Lei n 25 Definiu a proteção aos monumentos de interesse histórico e artístico nacionais 23/07/1940 Decreto n Regulou as atividades das agências de viagens e turismo 21/11/1958 Decreto n Instituiu a Comissão Brasileira de Turismo - COMBRATUR 20/05/1965 Decreto n Determinou a obrigatoriedade do registro na Divisão de Turismo e Certames do Ministério da Indústria e do Comércio para o funcionamento das agências de turismo 23/05/1965 Decreto n Dispunha sobre empresas de turismo 06/09/1966 Decreto n Dava nova redação ao decreto anterior sobre serviços das agências de viagens 18/11/1966 Decreto-lei n 55 Criou o Conselho Nacional de Turismo CNTur e a Empresa Brasileira de Turismo EMBRATUR 1967 Decreto Regulamentou o Sistema Nacional de Turismo 1971 Decreto-lei Cria o Fundo Geral do Turismo (Fungetur) 1973 Decreto Dispõe sobre zonas prioritárias para o desenvolvimento do turismo 1974 Resolução CNTur nº 641 Define a prestação de serviços turísticos das agências transportadoras 1974 Decreto-lei Criou o Fundo de Investimento do Nordeste (Finor), o da Amazônia (Finam) e o setorial (Fiset) 1975 Decreto-lei Autoriza o funcionamento de lojas francas (free shops) para a venda de mercadoria nacional e estrangeira na zona primária de portos ou aeroportos 1976 Portaria 3 do Departamento de Aviação Civil (DAC) Autoriza a realização de Vôos de Turismo Doméstico (VTD) com desconto e a Embratur fixa os processos de tramitação de pedido desses vôos 1976 Decreto Estabelece o novo estatuto da EMBRATUR 1976 Decreto-lei Institui estímulos fiscais ao turismo estrangeiro no país 1977 Deliberação normativa nº 18 da EMBRATUR Regulamenta as excursões no programa Turismo Doméstico Rodoviário (TDR) 1986 Decreto-lei Instituiu que a atividade turística poderia ser, a partir de então, exercida sem fiscalização de órgão público 1989 Decreto estadual nº Cria o Conselho Estadual de Turismo do Rio Grande do Norte CONETUR 28/03/1991 Lei Reestruturou a EMBRATUR 14/02/1992 Decreto 448 Foi criado o Plano Nacional do Turismo Plantur Foi criada a Política Nacional de Turismo 1996/ /03/1999 Decreto estadual nº Criação da Área de Proteção Ambiental APA Bonfim/Guaraíras Lei municipal nº 269 Cria o Conselho Municipal de Turismo e Meio Ambiente COMTUR e o Fundo Municipal de Turismo e Meio Ambiente FUMTUR 01/01/2003 Medida Provisória nº Cria o Ministério do Turismo 103, posteriormente convertida na Lei nº de 28/05/ /09/2006 Decreto estadual nº Transforma parcela da Unidade de Conservação da Área de Proteção Ambiental APA Bonfim/Guaraíras, criada pelo Decreto Estadual nº , de 22 de março de 1999, no Parque Estadual Mata da Pipa - PEMP, no município de Tibau do Sul e dá outras providências. 12/06/2008 Decreto estadual nº Institui a Câmara de Turismo de Tibau do Sul e Pipa Decreto estadual nº Aprova a nova redação do Regimento Interno do Conselho Estadual de Turismo do Rio Grande do Norte CONETUR 02/07/2012 Decreto municipal nº 047 Institui o Grupo Gestor dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional de Tibau do Sul Fonte: dados extraídos de Barretto (1991), Cavalcanti (1993), GABINETE CIVIL DO RN (2006), PREFEITURA MUNICIPAL DE TIBAU DO SUL (2002) e MTur (2013). Legenda: legislação federal em azul, legislação estadual em verde e legislação municipal em vermelho.

24 23 Dentre os marcos regulatórios apresentados no quadro 02, destaca-se, primeiramente, em âmbito nacional, a instituição da Comissão Brasileira de Turismo (COMBRATUR) em 1958, caracterizando-se como o primeiro grupo organizado de gestão de política pública de turismo no país. Também merece destaque em nível federal a criação do Conselho Nacional de Turismo (CNTur) e da Empresa Brasileira de Turismo (EMBRATUR) em Aquele se apresenta como a primeira instituição de caráter participativo da política de turismo no Brasil, enquanto esta passou a ser o órgão gestor dessa política até o ano de 2003, quando foi criado o Ministério do Turismo, e a EMBRATUR passou a ser então responsável apenas pela divulgação do Brasil no exterior. Em âmbito estadual, merece destaque a criação do Conselho Estadual de Turismo do Rio Grande do Norte (CONETUR), em 1989, o qual tem funcionado ativamente até os dias de hoje e no qual o município de Tibau do Sul tem cadeira cativa por ser um dos 65 Destinos Indutores do Turismo no Brasil. Houve também alguns marcos regulatórios estaduais que influenciaram diretamente o município de Tibau do Sul, inclusive por pressão de seus próprios moradores (em sua maior parte atores do turismo local). Entre eles, destacam-se os seguintes: a criação da APA (Área de Proteção Ambiental) Bonfim-Guaraíras em 1999; a criação do Parque Estadual Mata da Pipa (PEMP) em 2006; e a instituição da Câmara Municipal de Turismo de Tibau do Sul e Pipa em 2008, a qual teve grande importância para o destino, mas que atualmente está desativada devido à descontinuidade política do governo do Estado. Já em nível local (municipal), merece destaque a criação do Conselho Municipal de Turismo e Meio Ambiente (COMTUR) e do Fundo Municipal de Turismo e Meio Ambiente (FUMTUR) em 2002, pois a partir desse marco regulatório, o trade turístico local passou a participar da política pública de turismo municipal. Por fim, com o objetivo de uma maior estruturação da atividade turística do município de Tibau do Sul, baseada no planejamento participativo local seguindo o direcionamento da política de turismo nacional, foi instituído o Grupo Gestor dos 65 Destinos Indutores do Desenvolvimento Turístico Regional de Tibau do Sul no ano de 2012.

25 24 4 JUSTIFICATIVA A proposta de um Roteiro Turístico Cultural para o município de Tibau do Sul justifica-se pela diversidade de recursos turístico-culturais que o destino possui e que até então não são devidamente explorados nem pelo trade turístico nem tampouco pela comunidade local. Isso ocasiona diversas perdas por parte da população, haja vista que a mesma está deixando de adquirir uma maior rentabilidade econômica advinda da atividade turística, bem como corre o risco de perder ao longo do tempo a sua identidade cultural pelos motivos que já foram descritos na introdução deste trabalho. Além dos motivos já mencionados, há um fator agravante que justifica a proposta desse Roteiro, que é a construção de um novo acesso para Tibau do Sul, saindo diretamente da BR 101 em direção à Praia da Pipa a Estrada Parque 6. Esse novo acesso será, sem dúvida, de grande valia tanto para os moradores do Distrito de Pipa quanto para os turistas, que terão um acesso muito mais rápido e seguro do que o que se tem hoje pela RN 003, conforme já foi descrito (rodovia de mão dupla, cheia de curvas, ladeiras e residências margeando a estrada). Entretanto, os moradores que vivem às margens da RN 003, tanto os dos distritos de Goianinha, quanto os dos distritos de Tibau do Sul (contemplados neste projeto), sofrerão graves conseqüências advindas da construção da Estrada Parque, pois a maioria das pessoas que utiliza hoje a RN 003 para chegar à Pipa, muito provavelmente vai utilizar a nova estrada e, em conseqüência, vão deixar de consumir os produtos e serviços que são oferecidos por pequenos empreendedores locais. Portanto, a consequência da construção da estrada que vai de Cabeceiras para Pipa e que afetou o turismo do distrito de Pernambuquinho e da sede Tibau há alguns anos atrás (não existem estudos que comprovem tal fenômeno; a afirmação é baseada em relatos de moradores locais), vai se multiplicar consideravelmente, com a construção dessa nova estrada, afetando os outros seis distritos de Tibau do Sul que se localizam na RN 003, bem como alguns de Goianinha, que também tem sua população dependente do turista passante. 6 Paralisada desde 2009, a Estrada Parque, é uma via expressa de mão dupla e iluminada com cerca de 22 km (vinte e dois quilômetros) de extensão, orçada em R$ ,00 (quarenta e cinco milhões de reais), e promete um trajeto bem mais rápido e seguro entre Goianinha e Pipa (ASSEMBLEIA LEGISLTIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, 2013).

26 25 Dessa forma, este projeto possui o papel estratégico de se antecipar a um problema que em breve irá surgir, ocasionando assim, um menor impacto à população local de Tibau do Sul. Além disso, o projeto também possui um caráter promissor que não só irá evitar a perda do sustento de algumas famílias, mas objetiva aprimorar os negócios turísticos dessas famílias, para que possam explorar a atividade turística de uma maneira mais organizada, gerando uma maior rentabilidade, adotando eminentemente um caráter sustentável, alterando assim a realidade local.

27 26 5 OBJETIVOS E CONTEXTO DO PROJETO Este projeto tem por objetivo geral criar uma alternativa de segmentação turística de oferta para o município de Tibau do Sul/RN. A fim de alcançar de maneira eficaz esse objetivo geral, admitem-se os seguintes objetivos específicos: Proporcionar uma oportunidade de aumento da renda para os moradores locais; Criar novas oportunidades de emprego para os moradores locais; Fortalecer a cultura local; Desenvolver uma especialização em um novo segmento de oferta turismo cultural; Gerar uma maior rentabilidade para os empresários/investidores do local. Os resultados esperados se concentram em uma melhoria da qualidade de vida da população local de Tibau do Sul, advinda do aumento da renda que será gerado pela exploração organizada da atividade turística, bem como um aumento na oferta turística do destino, proporcionando aos turistas mais uma opção para o seu calendário de visitas, o que possivelmente irá ocasionar um efeito multiplicador em todos os setores 7 que estão direta ou indiretamente ligados à atividade turística, pois um roteiro que abrange um dia inteiro de visitações, implicará em mais um dia de estadia dos turistas em Tibau do Sul, favorecendo não apenas os hoteleiros, como também toda a cadeia turística local. 7 O Ministério do Turismo afirma que, no Brasil, os negócios do turismo têm influência em outros 52 segmentos da economia (MTur, 2006).

28 27 6 PÚBLICO-ALVO O público-alvo deste projeto consiste na população local que será beneficiada direta ou indiretamente com a criação do Roteiro Turístico Cultural para o município de Tibau do Sul. Portanto, dos hab. (onze mil, trezentos e oitenta e cinco habitantes), que constituem a população total do município, serão considerados apenas os (seis mil, oitocentos e sessenta e um) que são caracterizados pelo IBGE (2010) como população residente urbana. Desses, serão contemplados apenas os domiciliados nos distritos de: Umari, Piau, Bela Vista, Manimbu, Munim, Pernambuquinho e na sede do município Tibau.

29 28 7 METODOLOGIA Para a implantação deste projeto deverá ser utilizada uma metodologia de planejamento participativo, envolvendo prioritariamente: a comunidade público-alvo do projeto; a Secretaria de Turismo do Município de Tibau do Sul; a Coordenadoria de Cultura do município, que é subordinada à Secretaria Municipal de Educação do Município de Tibau do Sul; a Câmara dos Vereadores de Tibau do Sul; a ASHTEP (Associação dos Hoteleiros de Tibau do Sul e Pipa); a Associação dos Taxistas de Tibau do Sul; a Paróquia de Santo Antônio; e demais agentes interessados, como por exemplo, agências de turismo receptivo. O roteiro proposto deve ser discutido em reuniões sistemáticas e periódicas, a fim de adequá-lo ao máximo à realidade local para que o projeto tenha êxito em sua execução. Sugere-se que essas reuniões sejam acompanhadas por representantes do SEBRAE, SENAC, Secretaria de Turismo do Estado do Rio Grande do Norte, Fundação José Augusto e Instituto Histórico Geográfico do Rio Grande do Norte, para que o projeto tenha um respaldo técnico e institucional do Governo do RN. Para atingir os objetivos propostos, ou seja, alcançar a eficácia no projeto, utilizarse-á da estratégia de realização de parcerias público-privadas, bem como serão feitas diversas reuniões de planejamento participativo, envolvendo a comunidade local, agentes públicos, agentes privados e representantes do Terceiro Setor. O projeto pretende gerar um efeito multiplicador em boa parte do município, pois pequenos empreendedores como artesãos, por exemplo, terão uma maior demanda de distribuição dos seus produtos. Taxistas, agências de receptivo, mercadinhos, restaurantes, bares, lanchonetes, pizzarias, salões de beleza, farmácias, postos de combustível, dentre outros, também terão um considerável aumento no seu faturamento e uma maior participação no mercado.

30 29 8 ATIVIDADES Quadro 03 Cronograma de Atividades ATIVIDADE ÉPOCA DE REALIZAÇÃO RESPONSÁVEIS 1. Discussão do Roteiro Turístico Cultural para apresentação e aprovação Março de 2014 Comunidade público-alvo do projeto; Secretaria de Turismo do Município de Tibau do Sul; Coordenadoria de Cultura do município; Câmara dos Vereadores de Tibau do Sul; ASHTEP; Associação dos Taxistas de Tibau do Sul; Paróquia de Santo Antônio; e demais agentes interessados. 2. Levantamento e análise dos monumentos histórico-culturais que precisam ser recuperados Abril de 2014 Coordenadoria de Cultura do município e Instituto Histórico Geográfico do Rio Grande do Norte. 3. Estruturação das manifestações culturais a serem resgatadas Maio de 2014 Coordenadoria de Cultura do município e Fundação José Augusto 4. Capacitação de pequenos empreendedores e mão-de-obra local para atender à demanda do segmento de turismo cultural Abril de 2014 Secretaria de Turismo de Tibau do Sul e SEBRAE/RN 5. Organização e estruturação dos equipamentos gastronômicos conforme as condições de higiene necessárias, incentivando a culinária local. Maio de 2014 Secretaria de Turismo de Tibau do Sul e SENAC/RN

31 30 9 METAS metas: Diante dos objetivos e atividades propostos, este projeto apresenta as seguintes Apresentar um Roteiro Turístico Cultural para o município de Tibau do Sul em fevereiro de 2014, atingindo como público-ouvinte os principais agentes interessados e envolvidos no processo, já descritos no item metodologia ; Realizar um levantamento completo (100%) de quais monumentos histórico-culturais do destino precisam ser recuperados até abril de 2014; Resgatar no mínimo 80% das manifestações culturais da localidade até maio de 2014; Capacitar pequenos empreendedores e mão-de-obra local (no mínimo 100 pessoas 10% do público-alvo) até abril de 2014; Orientar sobre a reestruturação de pelo menos 80% dos equipamentos gastronômicos até maio de 2014.

32 31 10 CONTROLE E EXECUÇÃO A fim de acompanhar e controlar a execução das metas propostas por este projeto serão utilizados os seguintes indicadores: Fotografias, filmagem e lista de presença com assinatura dos participantes da Apresentação do Roteiro Turístico Cultural para o município de Tibau do Sul; Registros fotográficos e relatório diário de campo do levantamento dos monumentos histórico-culturais do destino; Promover eventos periódicos com apresentações dos grupos culturais da localidade, registrando tudo em fotografia e filmagem; Realizar os cursos de capacitação com emissão de certificados, lista de frequência e fotografias; Implantar o Programa de Boas Práticas de Fabricação e Manutenção nos equipamentos gastronômicos, com acompanhamento regular do seu funcionamento.

33 32 11 ARTICULAÇÃO DOS ATORES Quadro 04 Articulação dos Atores Partes Interessadas Riscos Envolvidos Possíveis Ganhos Comunidade residente nos distritos contemplados pelo projeto Artesãos Guias de turismo Hoteleiros Mercantilização da cultura, deixando de ser algo natural, para ser algo puramente comercial Manufaturização de seus produtos Perder o foco do mercado que já têm garantido e por ventura o Roteiro Cultural não dar certo Diminuição das vendas de refeições no próprio hotel, pois com o roteiro os turistas vão conhecer vários restaurantes regionais com um preço mais acessível Aumento da renda, oportunidade de emprego, desenvolvimento de uma profissão, fortalecimento da cultura Aumento da renda Especialização em um novo segmento turismo cultural No mínimo mais um dia de estadia garantido em seus estabelecimentos Empresários do ramo alimentício Investirem muito na adequação de seus estabelecimentos e o Projeto não dar retorno Terão uma maior clientela Lojistas O turismo pode acentuar a disseminação das drogas e, em consequência, o aumento da violência, ocasionando mais assaltos às lojas Aumento nas vendas Taxistas Calotes, assaltos Maior fluxo de turistas Turistas Frustração na visita, caso nem tudo fique conforme planejado Mais uma opção de atrativo para visitação

34 33 12 ORÇAMENTO E CRONOGRAMA Quadro 05 Orçamento e Cronograma ATIVIDADE ÉPOCA DE REALIZAÇÃO VALOR INVESTIDO FONTE DO RECURSO 1. Discussão do Março de 2014 R$600,00 (R$25,00 de combustível para Prefeitura Municipal Roteiro Turístico (4 reuniões) transportar a comunidade local para a reunião de Tibau do Sul e Cultural nos ônibus da Prefeitura + R$125,00 de lanche Câmara Municipal de para cada reunião = R$150,00 x 4 = R$600,00 Tibau do Sul R$100,00 Prefeitura e R$500,00 Câmara) 2. Levantamento e Abril de 2014 R$200,00 (R$50,00 de combustível por Prefeitura Municipal análise dos monumentos (4 viagens) viagem = R$50,00 x 4 = R$200,00) de Tibau do Sul histórico-culturais que precisam ser recuperados 3. Estruturação das Maio de 2014 R$200,00 (R$50,00 de combustível por Prefeitura Municipal manifestações culturais a serem (4 viagens) viagem = R$50,00 x 4 = R$200,00) de Tibau do Sul resgatadas 4. Capacitação de Abril de 2014 R$5.000,00 (R$50,00 cada viagem x 5 viagens Governo do Estado pequenos empreendedores e mão-de-obra local para atender à (5 viagens por semana durante um mês) por semana= R$250,00 por semana x 4 semanas do mês = R$1.000,00 por mês de combustível Prefeitura + R$125,00 de lanche por dia durante 20 dias = R$2.500,00 do RN e Prefeitura Municipal de Tibau do Sul demanda do Prefeitura + R$1.500,00 de material didático segmento de Governo do Estado) turismo cultural 5. Orientação sobre a organização e Maio de 2014 R$2.500,00 (R$1.000,00 de combustível Prefeitura e R$1.500,00 de material - BnB) Banco do Nordeste e Prefeitura Municipal

35 34 estruturação dos de Tibau do Sul equipamentos gastronômicos conforme as condições de higiene necessárias, incentivando a culinária local. 6. Discussão Final Junho de 2014 R$600,00 (R$25,00 de combustível para Prefeitura Municipal do Roteiro Turístico Cultural (4 reuniões) transportar a comunidade local para a reunião nos ônibus da Prefeitura + R$125,00 de lanche de Tibau do Sul e Câmara Municipal de para cada reunião = R$150,00 x 4 = R$600,00 Tibau do Sul R$100,00 Prefeitura e R$500,00 Câmara)

36 35 DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA ANGELI, Margarita N. Barretto. Planejamento e Organização em Turismo. Campinas/SP: Papirus, 1991., Margarita N. Barretto. Planejamento Responsável do Turismo. Campinas, SP: Papirus, 2005., Margarita N. Barretto; BURGOS, Raúl; FRENKEL, David. Turismo, Políticas Públicas e Relações Internacionais. Campinas, SP: Papirus, ARAUJO, Maria Cristina Cavalcanti. Uma viagem insólita: de um território pesqueiro a um paraíso turístico Pipa/RN. Natal/RN: dissertação de mestrado, UFRN ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Requerimento de retomada das obras de construção da Estrada Parque que liga a BR 101 à Praia de Pipa, no município de Tibau do Sul. Sala das Sessões do Palácio José Augusto, em Natal, 24 de outubro de Disponível em: < Acesso em: 22 nov BENI, Mário Carlos. Análise Estrutural do Turismo. São Paulo: Senac São Paulo, BOEHM, Sarita Maria; PEREIRA, Raquel Maria Fontes do Amaral. Ferrovia das Bromélias: revitalização de um trecho da Estrada de Ferro Santa Catarina resgate cultural e turismo in: RUSCHMANN, Doris van de Meene; SOLHA, Karina Toledo (organizadoras). Planejamento Turístico. Barueri, SP: Manole, BRASIL. Ministério da Educação. Ações do MEC no seu município. Disponível em: <http://painel.mec.gov.br/painel/detalhamentoindicador/detalhes/municipio/muncod/ /captchadis/1>. Acesso em 17 nov Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DATASUS. Disponível em:

37 36 <http://cnes.datasus.gov.br/lista_tot_es_municipio.asp?estado=24&nomeestado=rio GRANDE DO NORTE>. Acesso em: 16 nov Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Mapa de Oportunidades e Serviços Públicos. Disponível em: <http://aplicacoes.mds.gov.br/sagi/ferramentassagi/mops/>. Acesso em: 17 nov Ministério do Turismo. Estudos da Competitividade do Turismo Brasileiro. Brasília: Ministério do Turismo, Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/export/sites/default/turismo/o_ministerio/publicacoes/downloads _publicacoes/servixos_de_turismo_no_brasil_agxncias_e_operadoras.p df>. Acesso em: 22 nov Segmentação do Turismo e o Mercado. Brasília: Ministério do Turismo, Disponível em: <http://www.turismo.gov.br/turismo/o_ministerio/publicacoes/cadernos_publicacoes/14manu ais.html>. Acesso em: 21 nov Relatório Brasil Estudo de competitividade dos 65 destinos indutores do desenvolvimento turístico regional. Brasília: Ministério do Turismo, Disponível em: <http://www.dadosefatos.turismo.gov.br/dadosefatos/outros_estudos/destinos_indutores/>. Acesso em: 21 nov CAVALCANTI, Keila Brandão. Estado e Política de Turismo: o caso da Via Costeira de Natal. Natal/RN: dissertação de mestrado, UFRN CAVALCANTI NETO, Miguel Dantas. Praias Potiguares. Natal: Editora Foco, RIO GRANDE DO NORTE. Gabinete Civil. Decreto nº , de 12 de setembro de Disponível em: <http://www.gabinetecivil.rn.gov.br/acess/pdf/dec pdf>. Acesso em: 21 nov GONÇALVES, Joyce de Souza, SERAFIM, Lia Sales. A Política Pública de Turismo no Rio Grande do Norte: um estudo dos impactos econômicos e socioculturais na Grande Natal. Disponível em: <www.anpad.org.br>. Acesso em: 04 jun

38 37 IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). CENSO Disponível em: <http://censo2010.ibge.gov.br>. Acesso em: 16 nov Histórico Tibau do Sul/RN. Disponível em: <http://cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=241420&search=rio-grandedo-norte tibau-do-sul infograficos:-historico>. Acesso em: 18 nov Sinopse por setores. Disponível em: <www.censo2010.ibge.gov.br/sinopseporsetores/>. Acesso em: 26 nov IPEA (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). Novo Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. Disponível em: <http://www.dhnet.org.br/direitos/indicadores/idhm/idh_m_entenda_calculo2.pdf>. Acesso em: 18 nov OMT (Organização Mundial do Turismo). Turismo Internacional: uma perspectiva global. Bookman, PORTAL ODM. Acompanhamento Municipal dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Disponível em: <http://portalodm.com.br>. Acesso em: 18 nov PREFEITURA MUNICIPAL DE TIBAU DO SUL. Lei Nº 269, de 25 de Outubro de Tibau do Sul, SIMONETTI, Ormuz Barbalho. A praia da Pipa do tempo dos meus avós. Natal: Nave da Palavra, SWARBROOKE, John. Turismo Sustentável: turismo cultural, ecoturismo e ética. Vol. 5, tradução Saulo Krieger. São Paulo: Aleph, 2000.

39 38 ANEXOS 1. O Roteiro O Roteiro Turístico Cultural para o Município de Tibau do Sul apresenta a seguinte sequência, conforme se pode verificar na figura 04 e no quadro 06 a seguir. Figura 03 - Roteiro B C D A Fonte: adaptado de Google Maps. 1 Igreja Nossa Senhora da Conceição em Umari de Baixo 2 Associação dos Idosos Unidos para Vencer em Umari de Cima (apresentam danças folclóricas da região) 3 Casa com elementos místicos da Ordem Rosa Cruz em Piau 4 - Engenho de Miguel Mulick em Piau 5 Igreja Nossa Senhora das Dores (tombada) em Piau 6 - Loja de artesanato Art.com Souvenirs com produtos de 18 estados do Brasil em Piau 7 Apresentação do Grupo de Coco de Roda em Bela Vista 8 - Compra de comidas típicas em Manimbu (beiju, pé de moleque, sequilho, raiva e tapioca) 9 - Viveiros de camarão em Munim A Ateliê de Severino Brasil em Cabeceira de Cima B Pausa para o almoço com apresentação de Coco Zambê em Cabeceira de Baixo C Apresentação de show folclórico na Praça do Golfinho em Pernambuquinho D Pôr do sol na Lagoa Bonfim Guaraíras em Tibau

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL

METODOLOGIA SEBRAE BAHIA PARA PÓLOS DE EMPREENDEDORISMO CULTURAL Trabalho apresentado no III ENECULT Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. METODOLOGIA

Leia mais

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ

APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ APL DE TURISMO NO LITORAL DO PIAUÍ (A) Teresina; (B) Cajueiro da Praia; (C) Luis Correia; (D) Parnaíba; (E) Ilha Grande Rota das Emoções: Jericoacoara (CE) - Delta (PI) - Lençóis Maranhenses (MA) Figura

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autores: ANNARA MARIANE PERBOIRE DA SILVA, MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA RELAÇÕES ENTRE A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O SETOR DE HOSPITALIDADE: um estudo de caso aplicável ao curso Técnico de Hospedagem Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco Autores: ANNARA

Leia mais

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA

Autora: MARIA HELENA CAVALCANTI DA SILVA PERSPECTIVAS PARA OS CURSOS TÉCNICOS DO EIXO HOSPITALIDADE E LAZER: um estudo de caso aplicável ao Curso Técnico de Nível Médio em Eventos da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco.

Leia mais

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DSCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO Turno: MATUTINO Currículo nº 9 Currículo nº 10 Reconhecido pelo Decreto Estadual n. o 5.497, de 21.03.02, D.O.E. de 22.03.02. Para completar o currículo pleno do curso superior

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios

COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL. Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO FIFA 2014 BRASIL Oportunidades e Desafios COPA DO MUNDO - OPORTUNIDADES Um evento esportivo do porte de uma Copa do Mundo é como uma grande vitrine do país no exterior e corresponde a um

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS História da Cultura CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM TURISMO GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Repassar ao alunado a compreensão do fenômeno da cultura e sua relevância para

Leia mais

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott

PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP. Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott PROJETO PARA FORMAÇÃO DE MONITORES AMBIENTAIS NO DISTRITO DE SÃO FRANCISCO XAVIER - SP Glauce Yukari Michida, Greice Keli Nunes, Cleide Pivott UNIVAP Universidade do Vale do Paraíba / Faculdade de Comunicação

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE

O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE 1 O SETOR PÚBLICO E AS AÇÕES DE ORGANIZAÇÃO DO TURISMO NO MUNICÍPIO DA ILHA DE ITAMARACÁ-PE GUILHERME ALVES DE SANTANA, MICHELLY ELAINE DE OLIVEIRA CONCEIÇÃO & EVERTON MEDEIROS BEZERRA Introdução Devido

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015

PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO MATO GRANDE 17/06/2015 1 PROGRAMAÇÃO DO EVENTO 08H ÀS 09H 09H ÀS 09:H30 09H30 ÀS 10H 10H ÀS 10:15 10H15 ÀS 12H 12H ÀS 13H 13H ÀS 13H30 CREDENCIAMENTO ABERTURA DO EVENTO CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA

Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Vencedores do 4º Prêmio Sebrae Prefeito Empreendedor Vencedores Estaduais na categoria Promoção do turismo de excelência CATEGORIA: TURISMO DE EXCELÊNCIA Município de Nova Friburgo RJ Vencedores do 4º

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4

Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Inclusão Social - mudanças K A T I A C A V A L C A N T E 2 0 1 4 Sumário Assistência Social Saúde Educação Infraestrutura - Comunicação e Energia Moradia Bolsa Família Bolsa Verde Direitos Culturais A

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS

PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS PLANO DE DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO 2014/2020 FARROUPILHA - RS 22 de Outubro de 2014 AGENDA Relembrar o conceito de Plano Municipal de Turismo Etapas percorridas no desenvolvimento do PMT de Farroupilha

Leia mais

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE

PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE 2013 PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA PSE RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS PELO PSE NO ANO DE 2013. Janeiro/2014 PREFEITURA MUNICIPAL DO SURUBIM SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMA SAÚDE NA ESCOLA

Leia mais

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS

MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS MINISTÉRIO DO TURISMO SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE TURISMO DEPARTAMENTO DE PRODUTOS E DESTINOS Categorização dos Municípios das Regiões Turísticas do Mapa do Turismo Brasileiro PERGUNTAS E RESPOSTAS

Leia mais

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001

Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo. Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 Ministério do Esporte e Turismo EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo Deliberação Normativa nº 419, de 15 de março de 2001 A Diretoria da EMBRATUR Instituto Brasileiro de Turismo, no uso de suas atribuições

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE - COEMA RESOLUÇÃO COEMA N 116, DE 03 DE JULHO DE 2014. Dispõe sobre as atividades de impacto ambiental

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO 1. PRÁTICA DE GESTÃO EFICAZ - Projeto Via Turismo 1.1 Histórico da Prática Eficaz Descrever como surgiu o programa/prática e indicar a data de início das ações. O Projeto Via Turismo

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR

Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Projeto PODEMOS MAIS E MELHOR Mostra Local de: Londrina Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: "PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO

Leia mais

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista

Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista 1 Melhor Prática vencedora: Serviços e Equipamentos Turísticos (Capital) Capacitação para profissionais do setor: Manual para Atendimento ao turista DESTINO: Vitória/ES INSTITUIÇÃO PROMOTORA: Secretaria

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 11.620 DE 14 DE MAIO DE 2001. (publicada no DOE nº 91, de 15 de maio de 2001) Institui o Programa de Garantia

Leia mais

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS

Gestão do Turismo. Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Gestão do Turismo Bento Gonçalves Serra Gaúcha RS Secretaria Municipal de Turismo Grupo Gestor Destino Indutor Estudo de Competitividade Breve Histórico - Primeira Pesquisa MTUR/FGV 12/01 a 18/01/2008

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 072-MA

FICHA PROJETO - nº 072-MA FICHA PROJETO - nº 072-MA Mata Atlântica Grande Projeto TÍTULO: Vereda do Desenvolvimento Sustentável da Comunidade de Canoas: um Projeto Demonstrativo da Conservação da Mata Atlântica. 2) MUNICÍPIOS DE

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS 1 de 6 - mobilidade humana e OBJECTIVO: Identifica sistemas de administração territorial e respectivos funcionamentos integrados. O Turismo Guião de Exploração Indicadores sobre o turismo em Portugal 27

Leia mais

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG)

TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) TURISMO NO SUL DE MINAS: UMA ANÁLISE SOBRE O MUNICÍPIO DE FAMA (MG) SÉRGIO HENRIQUE DE CAMPOS ESPORTE 1 e ANA RUTE DO VALE 2 sergio_h13@hotmail.com, ana.vale@unifal-md.edu.br 1 Bolsista de iniciação científica

Leia mais

PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari. Cargo Presidente

PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari. Cargo Presidente PLANO DE TRABALHO Qualificação de Recursos Humanos para o Turismo da Região do Vale do Taquari 1 DADOS CADASTRAIS Órgão/Entidade Proponente Associação dos Municípios de Turismo da Região dos Vales - AMTURVALES

Leia mais

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA - CCT CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS - CESA MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO DE NEGÓCIOS TURÍSTICOS MPGNT ROSEMARY OLIVEIRA DE LIMA

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO

ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO MTUR/DEAOT/CGQT Campinas, 20 de março de 2010 ENCONTRO NACIONAL DE CAMPISMO POLÍTICAS DE INCENTIVO AO TURISMO NORMATIZAÇÃO DE CAMPINGS COPA DO MUNDO E OLIMPÍADAS REGISTRO

Leia mais

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road

Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO Uma perspectiva do turismo em Ponta Grossa: Estudo de Caso do Encontro de Motos Easy Road Apresentador 1 Ana Paula Cunha Apresentador

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO CURSO: TURISMO ( bacharelado) Missão Formar profissionais humanistas, críticos, reflexivos, capacitados para planejar, empreender e gerir empresas turísticas, adaptando-se ao

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.turisangra.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos, criada em 8

Leia mais

PARECER. Justificativa

PARECER. Justificativa Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás IFG - Campus Anápolis Departamento das Áreas Acadêmicas Parecer: Do:

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento

Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento www.visitesaopedrodaaldeia.com.br Portal de Turismo Divulgando seu empreendimento Tel/ax: (21) 2522-2421 ideias@ideias.org.br Quem Somos O Instituto IDEIAS é uma associação civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO Resolução/CD/FNDE nº 19, de 21 de maio de 2013. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros, nos moldes

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas Gabinete do Governador

Governo do Estado do Amazonas Gabinete do Governador Governo do Estado do Amazonas Gabinete do Governador DECRETO Nº 33.443, DE 25 DE ABRIL DE 2013. ABRE crédito adicional suplementar que especifica, no Orçamento Fiscal vigente da Administração Direta. O

Leia mais

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal

Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal Ações para o turismo de base comunitária na contenção da degradação do Pantanal TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA EM COMUNICAÇÃO - IMAGENS Abril de 2011 DETALHAMENTO DO TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

Introdução. Núcleo de Pesquisas

Introdução. Núcleo de Pesquisas Introdução O verão é um período onde Santa Catarina demonstra todo a sua vocação para a atividade turística. Endereço de belas praias, o estado se consolidou como um dos principais destinos de turistas,

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Secretaria de Educação Básica Ministério da Educação Foto: João Bittar Garantir o direito de aprender, para todos e para cada um. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte

Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Concessão Rodoviária Estadual Trecho Litoral Norte Descrição Concessão à iniciativa privada dos principais eixos rodoviários de acesso ao litoral norte de Alagoas, visando a melhoria operacional, manutenção,

Leia mais

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas

Dossiê Ensino Fundamental no Brasil. Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Estudo para a construção do Plano Municipal de Educação de Palmas Segundo substitutivo do PNE, apresentado pelo Deputado Angelo Vanhoni, Abril de 2012 Profa. Dra. Rosilene Lagares PPGE/PET PedPalmas Palmas,

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente:

Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente: Of. nº 387/GP. Paço dos Açorianos, 13 de abril de 2011. Senhora Presidente: Submeto à apreciação de Vossa Excelência e seus dignos Pares o presente Projeto de Lei que Cria a Secretaria Especial dos Direitos

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

Projeto Cardume CMDCA

Projeto Cardume CMDCA Projeto Cardume CMDCA Objetivo: Estabelecer rede de proteção integral a criança e ao adolescente,, bem como suas famílias, reunindo ações governamentais e atividades das organizações da sociedade civil,

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE

INDICADORES DEMOGRÁFICOS E NORDESTE INDICADORES DEMOGRÁFICOS E SOCIAIS E ECONÔMICOS DO NORDESTE Verônica Maria Miranda Brasileiro Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA

MINIFÓRUM CULTURA 10. Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA MINIFÓRUM CULTURA 10 Fórum Permanente para Elaboração do Plano Municipal de Cultura 2012 a 2022 RELATÓRIA DA AUDIÊNCIA PÚBLICA Orientação aprovada: Que a elaboração do Plano Municipal de Cultura considere

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país.

gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. OBJETIVO GERAL Estabelecer cooperação técnica para desenvolver e implementar ações que visem a fortalecer o ciclo da gestão das Instâncias de Governança nas regiões turísticas prioritárias do país. IMPORTANTE:

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE.

A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. A IMPORTÂNCIA DO RCVB (RECIFE CONVENTION &VISITORS BUREAU) PARA A CONSOLIDAÇÃO DO TURISMO DE EVENTOS EM RECIFE. Autor: ANTÔNIO CARLOS DE SOUZA E SÁ FILHO Introdução O Turismo de Eventos está em plena ascensão

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias Relato de experiência de um agente social sobre suas atividades com as comunidades do município de Santa Maria- RS, através do

Leia mais

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO

RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO RELATÓRIO EIXO TEMÁTICO: INCLUSÃO SOCIAL POLÍTICAS PÚBLICAS GRUPO DE TRABALHO: ECONOMIA DA CULTURA E DO TURISMO 1. NOME COMPLETO DO RELATOR 2. E-MAIL Rafael Ângelo Fortunato fortunatoturismo@bol.com.br

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.38 - Programa de Apoio a Revitalização e incremento da Atividade de Turismo Relatório Semestral de Atividades Realizadas EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS TRIMESTRE: ABRIL - JUNHO DE 2008

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS TRIMESTRE: ABRIL - JUNHO DE 2008 INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA E ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS DE SANTA MARIA IPASSP SM DIRETORIA EXECUTIVA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DAS APLICAÇÕES DOS RECURSOS PREVIDENCIÁRIOS

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL

Participação da União em Projetos de Infra-estrutura Turística no Âmbito do PRODETUR SUL Programa 0410 Turismo: a Indústria do Novo Milênio Objetivo Aumentar o fluxo, a taxa de permanência e o gasto de turistas no País. Público Alvo Turistas brasileiros e estrangeiros Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006.

LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. LEI Nº 8.798 de 22 de fevereiro de 2006. Institui a Política Estadual de fomento à Economia Popular Solidária no Estado do Rio Grande do Norte e estabelece outras disposições. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL -Principais serviços que a Assistência Social possui para atendimento de idosos: - Proteção Social Básica (atendimento preventivo) - Centro de Convivência do Idoso - atualmente

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema

Programa de Bolsa de Iniciação à Gestão - BIG 2014 Repúblicas Unifesp Diadema. Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema Levantamento Moradias Estudantis UNIFESP - Campus Diadema REALIZAÇÃO: APOIO: REALIZAÇÃO Adriana Rosa da Silva Rodrigues - Enfermeira do Núcleo de Apoio ao Estudante - NAE. Érika Correia Silva - Psicóloga

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENTANIA Estado do Paraná LEI Nº 591, DE 02 DE OUTUBRO DE 2012 AUTORIZA A DESAFETAÇÃO E A ALIENAÇÃO DE IMÓVEIS PARA FINS DE IMPLANTAÇÃO DE PARQUE INDUSTRIAL A EMPRESAS DEVIDAMENTE CONSTITUÍDAS NO MUNICÍPIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS

A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO MUNICIPAL, SANCIONO A SEGUINTE LEI: TÍTULO II DISPOSIÇÕES GERAIS LEI N o 1.633 DE 14 DE JANEIRO DE 2013. DEFINE A NOVA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA DO MUNICÍPIO DE CAIAPÔNIA E DETERMINA OUTRAS PROVIDÊNCIAS A CÂMARA MUNICIPAL DE CAIAPÔNIA, ESTADO DE GOIÁS, APROVA E EU, PREFEITO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL

DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SE É DESENVOLVIMENTO É PRIORIDADE DO SEBRAE LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA REGULAMENTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO LEI GERAL DA MICRO E PEQUENA EMPRESA LG REGULAMENTADA LG REGULAMENTADA

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL METAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Meta 01. Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de 04 a 5 anos de idade e ampliar, a oferta de educação infantil em creches de forma a atender a 50% da população

Leia mais

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística.

META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OS IMPACTOS SOCIOCULTURAIS VERSUS PRÁTICA TURÍSTICA META Explicar a importância da análise dos impactos socioculturais advindos do desenvolvimento da prática turística. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula,

Leia mais