RelatóriodeActividades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RelatóriodeActividades"

Transcrição

1 RelatóriodeActividades 2007 Direcção Regional da Administração Pública e Local Telef Fax

2 Í N D I C E Capítulo I Nota Introdutória Conjuntura Orientações gerais e específicas prosseguidas pelo organismo Orientações gerais Orientações específicas 06 Capítulo II Actividades Desenvolvidas e Recursos Utilizados Consecução dos objectivos e estratégia seguida Actividades programadas Projecto Formulários/Serviços on-line Implementar o diagnóstico organizacional da DRAPL, através da 09 CAF Estrutura Comum de Avaliação Desenvolver novas funcionalidades do programa de controlo e 11 gestão documental registo do fluxo da documentação Renovação de conteúdos sobre a DRAPL para página do Governo 12 Regional na Internet Aproveitamento dos balanços sociais dos organismos públicos da 12 Região para realização do 2.º apuramento que possibilite conhecer Quantos somos e como somos na nossa Administração Pública Iniciativas legislativas 13 1

3 Formação profissional Elaboração de publicações Aquisição de equipamento Actividades não enquadradas em programa previstas no Plano de 17 Actividades de Emissão de pareceres jurídicos Elaboração de projectos de diplomas legais e circulares Concessão de passaportes Realização de inspecções, inquéritos e sindicâncias Reuniões, manifestações e desfiles Organização de processos de registo de associações Actividades realizadas em 2007 não previstas no respectivo Plano Análise de orçamentos e planos de actividade Reuniões de Coordenação Jurídica Cartões de Identificação de Pessoal Pessoal da DRAPL Recursos Humanos e Financeiros Utilizados Recursos Humanos Recursos Financeiros 22 Capítulo III Considerações Finais Articulação das actividades desenvolvidas com o Programa do Governo 23 Regional 2. Nível de realização das actividades previstas Perspectivas de futuro 25 2

4 Capítulo I Nota Introdutória 1. Conjuntura O órgão executivo do ao qual compete prosseguir as atribuições relativas ao sector da Administração Pública é a Direcção Regional da Administração Pública e Local (DRAPL), organicamente integrada na Vice- Presidência. No âmbito do seu sector de actividade a DRAPL tomou, entre os referenciais de base orientadores da estratégia da sua acção, o Plano de Desenvolvimento Económico e Social para (PDES), aprovado por Resolução da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira n.º 10/2006/M, de 30 de Maio. O PDES constitui um documento definidor de prioridades estratégicas a desenvolver até 2013, e prioridades temáticas, de apoio às primeiras, contando-se, entre estas últimas, a Governação Regional e Sub-Regional com os necessários aperfeiçoamentos e modernização do sistema administrativo da Região 1, área que respeita a todos os serviços da Administração Pública da Região e muito particularmente à DRAPL, dadas as suas atribuições no sector da Administração Pública. O PDES consubstancia, portanto, uma mais-valia no sentido da influência sobre estratégias e acções a desenvolver por esta Direcção Regional. 1 Plano de Desenvolvimento Económico e Social da Região Autónoma da Madeira , IV.4 Governação Regional e Sub-Regional, pág

5 O ano de 2007 foi também ano de cessação, antecipada, do mandato dos órgãos de governo da Região, Assembleia Legislativa e, e início de um novo mandato e consequente apresentação do respectivo Programa de Governo para o período de , documento que, em síntese, elenca, como objectivos e projectos a concretizar para o sector da Administração Pública, o incentivo à gestão da qualidade e à certificação dos serviços públicos, a criação de mecanismos de aproximação da administração pública regional aos seus parceiros, aos cidadãos e às empresas, o desenvolvimento de competências e o reforço da legislação regional em matéria de Administração Pública. O referencial interno da DRAPL, a nossa Visão, orienta-nos no sentido da melhoria crescente da administração pública da Região. Definimos a nossa Missão no sentido de conceber e promover medidas relativas à qualidade dos recursos humanos e dos serviços da administração pública regional. A nossa visão e missão conjugam-se, pois, com a estratégia assumida pelos órgãos de governo da Região, no período de (Programa do Governo Regional) e (PDES). Assim sendo, não obstante a continuidade das tarefas que a DRAPL sempre tem desenvolvido, 2007 consubstancia um ano de preparação de novas estratégias internas com vista a colocar a DRAPL, claramente, no pelotão da frente no que toca a serviços que se regem por padrões de qualidade claros, definidos e reconhecíveis pelos nossos parceiros. A linha de rumo é clara: 1.º Melhorar internamente, tendo por escopo: alcançar resultados com valor para os nossos clientes e partes interessadas e consegui-lo através da envolvência e satisfação dos nossos recursos humanos. 4

6 2.º Potenciar a adesão de outros organismos a processos de idêntica natureza, por reflexo do próprio exemplo bem como do desenvolvimento de futuras iniciativas e projectos com impacto exterior. Esta envolvência norteou actividades que desenvolvemos no ano transacto. São o germinar de próximos passos a dar. O que não queremos deixar de lado é o rigor e competência técnica com que sempre procurámos desenvolver o nosso labor, e que fazem parte do enunciado da visão que definimos, significando que, atinja-se o que se atingir, tais valores sempre nos acompanharão. A finalizar, nesta parte, não podemos deixar de lado que continuamos a mover-nos numa conjuntura de mudança legislativa no âmbito da (sempre anunciada, a nível nacional) reforma da Administração Pública. Assim, no ano de 2007, foram objecto de análise por parte desta Direcção Regional, no âmbito do direito constitucional de audição da Região, várias propostas de lei. A aprovação de novos regimes foi determinante para emanar orientações e preparar iniciativas legislativas. 2. Orientações gerais e específicas prosseguidas pelo organismo 2.1. Orientações gerais A DRAPL teve, em 2007, a seguinte orientação geral para a prossecução da sua actividade: Assegurar a boa aplicação de novos regimes jurídicos na administração pública regional; Dinamizar a prossecução de iniciativas de modernização transversais a toda a administração pública da Região; 5

7 Dinamizar medidas de modernização na DRAPL; Realizar formação profissional com vista a reforçar as competências dos recursos humanos existentes na administração pública regional; Prestar os serviços que venham a ser solicitados pelos seus clientes, no âmbito das suas competências. O primeiro dos referidos itens prende-se, em parte, com situações de conjuntura nacional que abrangem as Regiões Autónomas e, para as quais, urge preparar a Região Autónoma da Madeira Orientações específicas A DRAPL procurou em 2007 desempenhar as suas funções no sentido de: Concretizar a III e última fase do projecto Formulários/Serviços on-line ; Implementar o diagnóstico organizacional da própria DRAPL, através da auto-avaliação, tomando por base o modelo CAF Estrutura Comum de Avaliação; Desenvolver novas funcionalidades do programa informático de controlo e gestão documental (CGD), implementando o registo do fluxo da documentação que circula na DRAPL; Actualizar a informação da DRAPL na página do na Internet; Aproveitar os balanços sociais dos organismos públicos da Região para realização do 2.º apuramento que possibilite conhecer Quantos somos e como somos na nossa Administração Pública; 6

8 Promover iniciativas legislativas relativas à desburocratização de procedimentos e acompanhamento da legislação nacional relativa ao sector da Administração Pública; Desenvolver competências dos recursos humanos da Administração Pública da Região, através da realização de formação profissional. No âmbito dos serviços normalmente fornecidos, a DRAPL orientou-se, também em 2007, no sentido de assegurar: Emissão de pareceres jurídicos para os diversos departamentos do Governo Regional e autarquias locais, bem como de apreciação de propostas de diplomas legais, no âmbito do direito constitucional de audição da Região; Emissão de projectos de diplomas e circulares para a administração regional autónoma e administração local; Concessão de passaportes; Organização dos processos relativos à realização de manifestações e desfiles na via pública quando ocorram no concelho do Funchal e também dos processos relativos ao registo de associações; Emissão de licenças no âmbito do Regulamento Policial da Região. 7

9 Capítulo II Actividades Desenvolvidas e Recursos Utilizados 1. Consecução dos objectivos e estratégia seguida 1.1. Actividades programadas Projecto Formulários/Serviços on-line Cumpre relembrar que a conclusão do projecto Formulários/Serviços on-line transitou para o ano de 2007, por razões ligadas à mudança de legislação de suporte a determinados procedimentos. O projecto conheceu pois, a sua conclusão, em 2007, passando a estar disponíveis on-line, a partir do Portal do, os seguintes procedimentos: Energia): a) Licenciamento Industrial (Direcção Regional de Comércio, Indústria e aa) Averbamento do Licenciamento; ab) Pedido de Informação de Licenciamento; ac) Pedido de Vistoria; ad) Solicitação de Cadastro; b) Iniciativas Locais de Emprego (Instituto Regional de Emprego); c) Estágios Profissionais sem fins lucrativos (Instituto Regional de Emprego); d) Estágios Profissionais com fins lucrativos (Instituto Regional de Emprego); e) Programa Ocupacional Desempregados (Instituto Regional de Emprego); f) Programa Ocupacional de Trabalhadores Subsidiados (Instituto Regional de Emprego); 8

10 g) Formação Emprego (Instituto Regional de Emprego). Acresce que, relativamente à Direcção Regional de Transportes Terrestres, passaram a estar disponíveis, no Portal do, formulários de requerimentos relativos a diversos procedimentos Implementar o diagnóstico organizacional da DRAPL, através da CAF Estrutura Comum de Avaliação O ano de 2007 foi o ano de arranque da avaliação organizacional desta Direcção Regional. Apresentada e aceite a proposta relativa à aplicação da ferramenta CAF, com vista à realização do diagnóstico do serviço, segundo os vários critérios que compõem o modelo CAF, constituiu-se a equipa de auto-avaliação, composta por colaboradores da DRAPL de diversas categorias e áreas funcionais. Concretizaramse as várias partes do projecto de acordo com o cronograma superiormente aprovado. O projecto respeitou as fases constantes do quadro seguinte: 9

11 Etapas da Auto-Avaliação I. Planeamento da AA Apresentação do cronograma; Aprovisionamento de documentação relacionada; Criação de um manual de apoio. Março Março Março II. Apresentação da CAF à organização Apresentação da CAF aos gestores intermédios e aos colaboradores; Formação; Aplicação de questionários aos colaboradores. Março Abril Março e Abril III. Preenchimento da grelha de AA Reunião da equipa de AA para identificação de iniciativas e indicadores para os critérios da CAF; Reunião da equipa de AA para preenchimento da grelha de autoavaliação; Recolha de evidências; Reunião da equipa de AA para atribuição de pontuação; Abril, Maio e Junho Abril, Maio e Junho Abril, Maio e Junho Abril, Maio e Junho IV. Análise de Resultados Análise dos resultados; Elaboração do plano de melhorias; Elaboração do relatório final. Julho Julho Julho e Agosto IV. Apresentação dos resultados da AA Apresentação dos resultados ao gestor de topo; Apresentação dos resultados aos gestores intermédios e colaboradores. Agosto Setembro e Outubro 10

12 Trabalhou-se em equipa e para além das funções quotidianas, realizaram-se consensos, obtiveram-se conclusões e propuseram-se as melhorias entendidas como necessárias. Em consequência de tudo isto, resulta um processo de mudança que culmina na assunção de novos projectos e formas de trabalhar retratados no respectivo Plano de Actividades da DRAPL para Desenvolver novas funcionalidades do programa de controlo e gestão documental (CGD) registo do fluxo da documentação Em Julho de 2007 deu-se início ao registo do percurso interno dos documentos, permitindo conhecer-se, a qualquer momento, com quem está determinado assunto, bem como a fase em que o mesmo se encontra. Com o propósito de consolidar este procedimento e de o tornar transparente a qualquer colaborador da DRAPL, foram elaborados os respectivos fluxogramas e o documento contendo as Regras para a distribuição de documentos através do CGD. Conexo com o registo electrónico do fluxo dos documentos está a matéria relativa ao arquivo electrónico de documentos de trabalho da DRAPL, cujas regras, foram, também, documentadas. Os procedimentos relativos ao arquivo electrónico de documentos de trabalho da DRAPL, associados ao Plano de Classificação de Documentos aprovado no ano transacto, permitirá o acesso informático, internamente, a pareceres jurídicos, agrupados por anos e por temas, neste caso, segundo os códigos de classificação de arquivo. 11

13 Renovação de conteúdos sobre a DRAPL para página do Governo Regional na Internet A este propósito, a informação da DRAPL na página Internet do Governo Regional foi actualizada em 2007, tendo sido renovados os conteúdos relativos a planos de formação profissional para o e autarquias locais, pareceres emitidos, circulares e publicações, aditando-se novas áreas designadamente, no que toca a informação sobre a CAF Aproveitamento dos balanços sociais dos organismos públicos da Região para realização do 2.º apuramento que possibilite conhecer Quantos somos e como somos na nossa Administração Pública No âmbito do projecto em título, relembra-se, foi concebida uma base informática para permitir a recolha e tratamento dos elementos a apurar. Seleccionaram-se os seguintes itens a recolher de entre os constantes nos balanços sociais: - Número de trabalhadores por cada Secretaria Regional e organismos dependentes; - Número de trabalhadores da administração regional autónoma e da administração local distribuídos por grupos de pessoal, sexo e tipo de vínculo nomeação, contrato a termo certo ou outro; - Distribuição dos recursos humanos da administração regional autónoma e da administração local por antiguidade, por níveis etários e por habilitações literárias. 12

14 Em 2007 realizou-se a actualização deste trabalho, com o 2.º apuramento dos recursos humanos da Administração Pública da Região Iniciativas legislativas No ano de 2007 foram tomadas, na DRAPL, as seguintes iniciativas legislativas, no âmbito da desburocratização e acompanhamento da legislação nacional relativa à Administração Pública: - Proposta de decreto legislativo regional que adapta à administração regional e local da Região Autónoma da Madeira o regime de mobilidade geral entre serviços dos funcionários e agentes da Administração Pública, previsto na Lei n.º 53/2006, de 7 de Dezembro). Visa, basicamente, aplicar na Administração Pública da Região o regime de mobilidade previsto na Lei n.º 53/2006, de 7 de Dezembro, prevendo, também, a mobilidade recíproca entre a administração regional autónoma e a administração local sedeada na Região. Já foi aprovado na Assembleia Legislativa. - Proposta de decreto legislativo regional que adapta à administração local sedeada na Região o estatuto do pessoal dirigente. Com esta proposta visa-se aplicar à administração local da Região um regime paralelo ao vigente na administração regional autónoma, a nível de estatuto de pessoal dirigente, com destaque para a simplificação do procedimento de recrutamento dos dirigentes intermédios. Encontra-se pendente de aprovação. 13

15 - Proposta de decreto legislativo regional que estabelece os princípios e normas a que deve obedecer a organização da administração directa e indirecta da Região Autónoma da Madeira. Esta proposta legislativa transitou do ano anterior, dado vários departamentos do terem sugerido que a mesma aguardasse as conclusões do Programa de Reorganização e de Modernização da Administração da Região Autónoma da Madeira (PREMAR). Nesta sequência, a mesma proposta veio a concluir-se definitivamente no ano transacto e deu origem ao Decreto Legislativo Regional n.º 17/2007/M, de 12 de Novembro Formação profissional O Programa de Formação Profissional aprovado para o ano de 2007 abarcou, uma vez mais, diversos grupos de pessoal da Administração Pública da Região, versando sobre temáticas quer de índole puramente técnica, quer na vertente do domínio de formas de desenvolvimento do potencial humano, como na da gestão de pessoas e de organizações. Foi concluída a formação destinada exclusivamente a pessoal dirigente dirigentes de nível superior e de nível intermédio, a qual decorreu, em grande parte, no ano de 2006, tendo transitado para o ano corrente, no total, 63 horas. A este propósito, concretiza-se que se concluiu o Curso Avançado de Gestão Pública (CAGEP), cuja carga horária presencial é correspondente a 50 horas (mais 25 horas de e-learning), destinado a dirigentes de nível superior e o Programa de Formação em Gestão Pública (FORGEP), com 120 horas de carga horária presencial (mais 60 horas de e-learning), destinado a dirigentes de nível intermédio. A este propósito, foram concluídos em 2007 quatro cursos: um do CAGEP e três do FORGEP. 14

16 Realizaram-se 62 acções de formação, que abrangeram 1415 formandos e 1447 horas de formação. Conforme constava do Plano de Actividades, incluíram-se acções de formação na área da gestão de recursos humanos, atendimento ao público e informática. Para além das referidas áreas que constaram de compromisso assumido pela DRAPL, face ao Plano de Actividades para 2007, constituiu também preocupação, não descurar outras áreas de conhecimento, necessário quer para fazer face à aplicação de novos regimes jurídicos entretanto publicados, quer para atender a motivos de desenvolvimento de novos modelos de estrutura e organização administrativa. Neste âmbito, destaca-se a formação sobre Desenvolvimento de Competências em Gestão Estratégica, Balanced Scorecard Estratégia em Acção, A Arte de Motivar, entre outros. Relativamente à Loja do Cidadão, houve que continuar a apostar na formação profissional para o pessoal que aí foi exercer funções, com destaque para a formação relativa ao Passaporte Electrónico. A realização da formação profissional desenvolveu-se em colaboração com o Instituto Nacional de Administração (INA), a Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira (DTIM) e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF). Dos 1415 formandos envolvidos, 1163 pertencem a serviços da Administração Regional Autónoma, 40 são da Universidade da Madeira, 4 são do Gabinete de Gestão da Loja do Cidadão, 19 respeitam a pessoal da Secção Regional da Madeira do Tribunal de Contas e 176 pertencem a entidades da administração local sedeada na Região (sendo 174 de Câmaras Municipais e 2 de Juntas de Freguesia), havendo ainda que contar 13 elementos, que receberam formação sobre passaporte electrónico, alguns dos quais colaboradores da DRAPL. 15

17 Elaboração de publicações Em 2007, foram elaboradas pela DRAPL publicações sobre os seguintes temas: Pareceres Jurídicos emitidos no ano de 2006, no âmbito da Administração Regional Autónoma; Pareceres Jurídicos emitidos no ano de 2006, no âmbito da Administração Local; Remunerações e outros abonos dos eleitos para os municípios e freguesias, índices remuneratórios das carreiras e categorias do regime geral e das carreiras e categorias específicas da Administração Local e tabela de cálculo de remuneração por trabalho extraordinário, relativos a 2007; Resultados das eleições de 6 de Maio de 2007, para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira; Formação Profissional para a Administração Regional Autónoma e Local Balanço do ano de 2006; Passaportes emitidos entre 1988 e ª Edição; Plano de actividades da DRAPL/2007; Relatório de actividades da DRAPL/2006; Balanço Social de 2006; Quantos Somos Como Somos? Recursos Humanos na Administração Regional Autónoma e na Administração Local, 2.ª edição. 16

18 Aquisição de equipamento A nível de material informático, no ano de 2007, a DRAPL procedeu à aquisição de uma impressora e de um monitor. No mesmo ano adquiriu-se uma fotocopiadora multifuncional Actividades não enquadradas em programa previstas no Plano de Actividades de 2007 Grande parte das competências da DRAPL respeita ao exercício de actividades insusceptíveis de programar, dado que correspondem a serviços a prestar por solicitação de utentes, sejam estes pessoas singulares ou outros serviços públicos, ou porque resultam do exercício de competências de conjuntura como seja a proposta de medidas de natureza legislativa, regulamentar ou a divulgação de entendimentos. Passa-se pois, a destacar o que neste âmbito foi realizado pela DRAPL em Emissão de pareceres jurídicos Em 2007 foram emitidos 254 pareceres jurídicos dos quais 211 foram para a administração regional autónoma e 43 para a administração local sobre situações de pessoal, organização e estruturação de serviços, administração local e projectos de diplomas legais. Neste ano destacou-se a solicitação de pareceres sobre as competências de gestão do, situação decorrente da demissão daquele órgão no ano de

19 Continuou a verificar-se muito do labor de consultadoria jurídica da DRAPL relativa a dúvidas sobre situações de pessoal, nos seus diversos aspectos, sempre marcando presença a apreciação de projectos ou propostas de diplomas legais quer regionais, quer de nível nacional, neste último caso, no âmbito do exercício do direito constitucional de audição da Região em matérias que a esta respeitam. De realçar que a compilação dos pareceres da DRAPL considerados mais relevantes, emitidos em 2007, constará de publicações, respectivamente para a administração local e regional autónoma, sendo visitável na página electrónica desta Direcção Regional Elaboração de projectos de diplomas legais e circulares Além das iniciativas legislativas abordadas no ponto do presente relatório, foram elaborados, no que se refere ao item destacado, os seguintes trabalhos: Proposta de Decreto Legislativo Regional, abrangendo o pessoal de inspecção da DRAPL, cuja iniciativa se prende com a declaração de inconstitucionalidade do D.L.R. nº 2/2002/M, de 1 de Março; 2 projectos de Resolução; 2 projectos de Portaria; 3 projectos de Despacho; 6 Circulares Concessão de passaportes No ano de 2007 foram entregues, pela Direcção Regional da Administração Pública e Local, 9004 passaportes (sendo 9002 comuns e 2 especiais), ou seja, mais 7,28% que no ano anterior. 18

20 À semelhança de anos transactos, o número de passaportes emitidos varia substancialmente ao longo do ano; assim, foram os meses de Junho, Julho, Agosto e Setembro os que registaram maior número de pedidos com um pico de 1301 passaportes em Agosto enquanto Novembro e Dezembro registaram os números mais baixos, apenas 491 e 584 respectivamente Realização de inspecções, inquéritos e sindicâncias No período a que respeita o presente relatório concluiu-se a acção inspectiva relativa à Câmara Municipal do Funchal Reuniões, manifestações e desfiles Procedeu-se à organização de 16 processos relativos à realização de reuniões, manifestações e desfiles na via pública a ocorrer no concelho do Funchal Organização de processos de registo de associações Foram efectuados 23 registos correspondentes a associações, sendo 20 de constituição e 3 de alterações dos estatutos Actividades realizadas em 2007 não previstas no respectivo Plano Análise de orçamentos e planos de actividade Foi realizada a análise dos orçamentos e planos de actividade enviados pelas autarquias locais, bem como das respectivas contas de gerência e relatórios de actividade, nos termos legais. 19

21 Reuniões de Coordenação Jurídica A DRAPL participou, de forma activa, nas reuniões de coordenação jurídica promovidas pela Direcção-Geral das Autarquias Locais, nas quais o Governo Regional tem direito de participação, através desta Direcção Regional Cartões de identificação de pessoal Foram emitidos 92 cartões de identificação, sendo 91 relativos a funcionários do (Portaria n. 3/93, de 15/1) e 1 cartão de identificação de autarcas (Portaria n.º 4/93, de 15/1) Pessoal da DRAPL No ano de 2007 procedeu-se ao acesso de um funcionário à categoria de assessor principal e de dois outros à categoria de técnico superior principal, todos da carreira técnica superior. Da carreira de inspecção superior foram promovidos dois elementos à categoria de inspector superior. Nas chefias administrativas ocorreram duas promoções à categoria de coordenador especialista. Ainda no grupo de pessoal administrativo ocorreu uma promoção à categoria de assistente administrativo especialista. A 5 de Março de 2007, operou-se a reconversão profissional de um auxiliar administrativo na carreira e categoria de assistente administrativo. Em 1 de Dezembro de 2007 foi admitido na DRAPL um Licenciado, para exercer funções correspondentes a técnico superior, em regime de contrato a termo 20

22 resolutivo certo, pelo prazo de um ano, renovável nos termos legais. De referir que este elemento já vinha exercendo funções na DRAPL, primeiramente, em regime de estágio profissional, e depois ao abrigo do Programa Ocupacional de Desempregados, através do Instituto Regional de Emprego. No ano de 2007 aposentou-se uma funcionária com a categoria de Chefe de Departamento. 2. Recursos Humanos e Financeiros Utilizados 2.1. Recursos Humanos Todas as actividades realizadas no ano de 2007 foram levadas a efeito com o pessoal afecto ao quadro da DRAPL, com excepção das seguintes: - Projecto Formulários/Serviços on-line Além da Direcção Regional de Informática e da Direcção Regional do Património que são parceiros da DRAPL neste projecto, foi necessária a aquisição de serviços de apoio técnico e consultoria. - Implementação do diagnóstico organizacional da DRAPL, através da CAF Estrutura Comum de Avaliação O projecto contou com os colaboradores da DRAPL e o apoio de um elemento colocado, nesta Direcção Regional, em regime de estágio profissional, por intermédio do Instituto Regional de Emprego (IRE). Este apoio do IRE ocorreu até ao fim de Novembro de 2007, tendo-se iniciado, a partir dessa data, a contratação a termo resolutivo certo, do mesmo colaborador. 21

23 - Formação profissional As acções de formação profissional foram organizadas, logisticamente, pela DRAPL, através do seu pessoal, sendo os respectivos cursos fornecidos pelo Instituto Nacional de Administração (INA), a Associação Regional para o Desenvolvimento das Tecnologias de Informação na Madeira (DTIM) e o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) Recursos Financeiros Os projectos que envolveram encargos financeiros deram origem aos seguintes pagamentos, no ano de 2007 : - Projecto Formulários/Serviços on-line: ,35 ; - Formação profissional na Administração Pública e Local ,64 ; - Formação profissional específica e supletiva para Dirigentes ,50 ; - Renovação de equipamento informático 5.008,44. Para o ano de 2008 transitou o montante de ,76, relativos à aquisição de uma impressora multifuncional. Ambos os projectos no domínio da formação profissional são comparticipados pelo Fundo Social Europeu. 22

24 Capítulo III Considerações Finais Regional 1. Articulação das actividades desenvolvidas com o Programa do Governo A actividade desenvolvida pela DRAPL no ano de 2007 conjugou a realização de actividades de remodelação interna, com as actividades comuns a cada ano resultantes da solicitação dos clientes dos seus serviços organismos públicos e entidades singulares e colectivas externas à administração pública associadas à conclusão da implementação do projecto transversal à administração regional autónoma, designado por Formulários/Serviços on-line, relativo à disponibilização de serviços por via electrónica, acessíveis através do Portal do. Pretende-se que o Portal do sirva de plataforma de acesso à prestação de novos serviços electrónicos a clientes externos mas, também, apto para procedimentos a utilizar pelos clientes internos da administração regional autónoma. O projecto Formulários/Serviços on-line é uma das medidas constantes do Programa do, que se insere no âmbito do programa Madeira Digital. No que toca à formação profissional do pessoal em serviço nos organismos públicos da Região, os cursos ministrados, designadamente, na área da gestão de recursos humanos, do atendimento de público, da informática, e do desenvolvimento pessoal e organizacional, inserem-se na linha de orientação do, no que concerne à valorização e formação do potencial humano, conforme assumido no respectivo programa. 23

25 Em suma, a DRAPL está empenhada em levar por diante projectos e realizar actividades que contribuam de forma directa para a melhoria da prestação de serviços ao cliente, através da adopção de medidas de modernização administrativa e do despoletar de processos que conduzam a uma melhor, mais rápida e mais eficaz administração pública regional, sem descurar que tudo isto se faz com pessoas pelo que a formação destas é essencial para o atingir dos patamares desejados. Neste aspecto a DRAPL procura a constante valorização do capital humano existente nos serviços da Região. 2. Nível de realização das actividades previstas O nível de realização das actividades previstas para o ano de 2007 é de praticamente 100%. Concluiu-se o projecto Formulários/Serviços on-line. No que toca à modernização administrativa, introduziu-se o registo informático dos fluxos documentais internos; o arquivo electrónico articulou-se com o Plano de Classificação de Documentos, aprovado no ano de 2006, permitindo, para já, a consulta documental, por parte de cada utilizador da rede informática da DRAPL, pensamos que passará a ficar de longe mais facilitada a busca documental, principalmente, no sector da consultadoria jurídica. Projecto de fundo, a nível da modernização na DRAPL, foi o uso da ferramenta CAF, para realizar o diagnóstico organizacional, com vista à introdução de medidas de melhoria do serviço. 24

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007

8226 Diário da República, 1.ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 8226 Diário da República, ª série N.º 215 8 de Novembro de 2007 da Madeira os Drs. Rui Nuno Barros Cortez e Gonçalo Bruno Pinto Henriques. Aprovada em sessão plenária da Assembleia Legislativa da Região

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 2 Vice-Presidência do Governo Regional Direcção Regional da Administração Pública e Local Região Autónoma da Madeira Edifício do Governo Regional, Av. Zarco, 3.º andar 9004-527

Leia mais

Newsletter Número. Plano de Actividades 2009. Direcção Regional da Administração Pública e Local. Nesta edição: com maior celeridade e eficiência.

Newsletter Número. Plano de Actividades 2009. Direcção Regional da Administração Pública e Local. Nesta edição: com maior celeridade e eficiência. Newsletter Número Direcção Regional da Administração Pública e Local Trimestral 3 Abril de 2009 Nesta edição: Plano de Actividades 1 Questões colocadas à Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público,

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Lei nº 10/96 De 18 de Outubro A actividade petrolífera vem assumindo nos últimos tempos importância fundamental no contexto da economia nacional, constituindo por isso,

Leia mais

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia

Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Estatuto Orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia Conselho de Ministros Decreto Lei n.º 15/99 De 8 de Outubro Considerando que a política científica tecnológica do Governo propende para uma intervenção

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DA FORMAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL E LOCAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

PLANO ESTRATÉGICO DA FORMAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL E LOCAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PLANO ESTRATÉGICO DA FORMAÇÃO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL E LOCAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 1 Introdução A modernização da Administração Pública, adaptando a a um novo paradigma em que é

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro

Ministério da Saúde. Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro Ministério da Saúde Decreto Lei 2/00 De 14 de Janeiro As mudanças que ocorrem no âmbito das transformações em curso no País principalmente a reforma geral da administração pública e a adopção da Lei de

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DECRETO-LEI Nº.12/2008 30 de Abril ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA O Decreto-Lei nº 7/2007, de 5 de Setembro, relativo à estrutura

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO

GABINETE DA MINISTRA DESPACHO DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010

Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Curso Avançado em Gestão da Formação 2010 Capital Humano e Desenvolvimento Sustentável Potencial Humano Populações com saúde, educação e bem estar Desenvolvimento Capital Humano Capital Social Democracia

Leia mais

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011

PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS. 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 48414 Diário da República, 2.ª série N.º 236 12 de Dezembro de 2011 PARTE J3 MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público Acordo colectivo de trabalho n.º 12/2011 Acordo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO

PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO PLANO DE GESTÃO DE RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRACÇÕES CONEXAS RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO Novembro/2014 Índice INTRODUÇÃO... 3 Balanço da execução do plano... 4 Conclusão... 5 Recomendações... 8 REVISÃO DO

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/02397 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Do Minho A.1.a. Identificação

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Decreto n.º4/01 De 19 de Janeiro Considerando que a investigação científica constitui um pressuposto importante para o aumento da produtividade do trabalho e consequentemente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio

Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio Decreto-Lei n.º 164/2007 de 3 de Maio No quadro das orientações definidas pelo Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e dos objectivos do Programa do Governo no tocante à

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Resolução nº /2015 REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE COMISSÃO INTERMINISTERIAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Resolução nº /2015 Havendo necessidade de aprovar o estatuto orgânico do Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Governo Regional Vice Presidência PLANO DE ACTIVIDADES DA DIRECÇÃO REGIONAL DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E LOCAL ANO DE 2004 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Governo Regional Vice Presidência

Leia mais

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro

Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto conjunto de medidas de simplificação da vida dos cidadãos e das empresas. Destas, destacam-se a

Leia mais

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP

Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP PROGRAMA DE ESTÁGIOS PROFISSIONAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 3ª EDIÇÃO Procedimentos de Aquisição de Bens e Serviços na AP Cristino Sanches Praia 12 a 26 de Abril 2011-1- OBJECTIVOS 1 Conhecer o quadro legislativo

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Decreto Lei n.º 18/99 de 12 de Novembro Considerando que o estatuto orgânico do Ministério da Indústria aprovado pelo Decreto Lei n.º 8/95, de 29 de Setembro, além de não se adequar,

Leia mais

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA

ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO ENSINO SUPERIOR E DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPITULO I MISSÃO E ATRIBUIÇÕES Artigo 1º (Missão) O Ministério do Ensino Superior e da Ciência e Tecnologia, abreviadamente

Leia mais

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DO CENTRO DE CONGRESSOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL a NOTA INTRODUTÓRIA Criado a 19 de Setembro de 2006 e tendo iniciado as suas funções a

Leia mais

Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado

Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado Plano de Redução e Melhoria da Administração Central do Estado PREMAC Relatório de Execução 15.09.2011 Hélder Rosalino Propósitos gerais: O Governo assumiu, no seu Programa, a urgência de reduzir os custos

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA

REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA REGULAMENTO INTERNO DO CENTRO DE FORMAÇÃO DA APEI - ASSOCIAÇÃO DE PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO DE INFÂNCIA CAPITULO I DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, PRÍNCIPIOS GERAIS, DURAÇÃO E FINS DO CENTRO DE FORMAÇÃO ARTIGO

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO. CAPÍTULO I Das disposições gerais UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE CENTRO DE BIOTECNOLOGIA REGULAMENTO DE ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO CAPÍTULO I Das disposições gerais ARTIGO 1 (Denominação, natureza jurídica e finalidade) O Centro de Biotecnologia,

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Simplificação nas PMEs

Simplificação nas PMEs Simplificação nas PMEs Aproveitamento das Novas Tecnologias DGITA Portal Declarações Electrónicas Dezembro 2007 Simplificação nas PMEs - Aproveitamento das Novas Tecnologias 1 Agenda O que é a DGITA? Estratégia

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE. Decreto-Lei 34/2012 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE Decreto-Lei 34/2012 Orgânica dos Serviços de Apoio dos Tribunais Os Serviços de Apoio dos Tribunais destinam-se a assegurar os serviços administrativos do Tribunal

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL PROJECTO DE ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL NOTA JUSTIFICATIVA O nível de organização

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL

PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PROGRAMA OPERACIONAL DE POTENCIAL HUMANO EIXO PRIORITÁRIO 3 GESTÃO E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL TIPOLOGIA DE INTERVENÇÃO 3.1.1 PROGRAMA DE FORMAÇÃO-ACÇÃO PARA PME REGULAMENTO DE CANDIDATURA PARA ENTIDADES

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro

Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO. Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Criação do GAZEDA E APROVAÇÃO DO ESTATUTO ORGÂNICO Decreto nº 75/2007 de 24 de Dezembro Decreto n.º 75/2007 de 24 de Dezembro Com vista a garantir uma gestão efectiva e efi caz das Zonas Económicas Especiais,

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.

PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR. Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar. Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel. PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR Desde 2004 a Informar os Consumidores de Jogos de Fortuna ou Azar Responsabilidade Social: www.jogoresponsavel.pt Transparência e Segurança: www.jogoremoto.pt A REGULAÇÃO EM PORTUGAL

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA

REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA REPÚBLICA DE ANGOLA Ministério da Administração Pública, Emprego e Segurança Social PROGRAMA DE REFORMA ADMINISTRATIVA PREA INTRODUÇÃO No quadro das tarefas de implementação do Programa de Reforma Administrativa

Leia mais

Avaliação do Desempenho 2009

Avaliação do Desempenho 2009 Relatório Anual Instituto do Desporto de Portugal I.P. Avaliação do 2009 Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do na Administração Pública (SIADAP) Novembro 2010 I Introdução No âmbito da aplicação do

Leia mais

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ;

第 三 章 執 行 預 算 第 135/2005 號 行 政 長 官 批 示. 7) Executar o plano de formação de pessoal; ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; N.º 19 9-5-2005 BOLETIM OFICIAL DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I SÉRIE 545 ( 七 ) 執 行 人 員 培 訓 計 劃 ; ( 八 ) 核 實 收 支 文 件, 並 為 船 舶 建 造 廠 的 正 常 運 作 提 供 輔 助 7) Executar o plano de formação de pessoal;

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis

Regulamento Interno da Direcção National de Energias Novas e Renováveis 31 DE DEZEMBRO DE 2009 394 (157) A r t ig o 18 Reuniões do Colectivo de Direcção O Colectivo de Direcção reúne-se ordinariamente uma vez por semana e extraordinariamente quando convocado pelo Ar t ig o

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO

Código IMP.EM.EE.37_00. Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO Ano Lectivo: 2014/2015 I. PREÂMBULO A Escola Superior de Saúde Egas Moniz (ESSEM), tutelada pela Egas Moniz Cooperativa de Ensino Superior, C.R.L., foi criada pelo decreto-lei 381/99 de 22 de Setembro,

Leia mais

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos

Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos 27 LEADERSHIP AGENDA a inovação na gestão do relacionamento compensa Câmara Municipal de Cascais é uma boa prática no relacionamento com os cidadãos A participação activa dos cidadãos é vital para a promoção

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO E ORÇAMENTO 2011 DA CIM ALTO MINHO RELATÓRIO DE PROGRESSO 31 MARÇO 2011 Versão Preliminar Este relatório tem por objectivo da conta do que de mais relevante foi realizado no cumprimento

Leia mais

Ministério das Pescas

Ministério das Pescas Ministério das Pescas Decreto Executivo n.º 30/06 de 0 de Março Havendo necessidade de se regulamentar a estrutura e o funcionamento da Direcção Nacional de InfraEstruturas e Pesquisa de Mercados a que

Leia mais

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS ESTATUTOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Denominação A Escola Profissional adopta a designação de ESCOLA PROFISSIONAL DE FELGUEIRAS e a abreviatura EPF. ARTIGO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 2710 Diário da República, 1.ª série N.º 87 6 de Maio de 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA Assembleia Legislativa Decreto Legislativo Regional n.º 12/2009/M Adapta à Região Autónoma da Madeira o Decreto -Lei

Leia mais

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010

ARTIGO: SOLUÇÕES PARA O SECTOR AUTARQUIAS in IGOV Maio 2010 CÂMARA MUNICIPAL DE SANTARÉM - R EVOLUÇÃO ADMINISTRATIVA A Autarquia de Santarém, em parceria com a PT Prime, desenvolveu um sistema de soluções integradas e inter-operantes que lhe possibilitaram operacionalizar

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

A implementação do balcão único electrónico

A implementação do balcão único electrónico A implementação do balcão único electrónico Departamento de Portais, Serviços Integrados e Multicanal Ponte de Lima, 6 de Dezembro de 2011 A nossa agenda 1. A Directiva de Serviços 2. A iniciativa legislativa

Leia mais

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação

Estatuto Orgânico da Administração Nacional das Áreas de Conservação 13 DE JUNHO DE 2014 1281 b) Programar a actividade da unidade orgânica; c) Analisar e emitir pareceres sobre projectos, plano e orçamento das actividades e relatórios a submeter a nível superior; d) Proceder

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2008 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2008 Abril 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

Decreto Legislativo Regional n.º 12/2008/A. Estatuto do gestor público regional

Decreto Legislativo Regional n.º 12/2008/A. Estatuto do gestor público regional Decreto Legislativo Regional n.º 12/2008/A Estatuto do gestor público regional O presente diploma estabelece o estatuto do gestor público regional, da Região Autónoma dos Açores, pelo que procede à revogação

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 50/98 de 11 de Março

Decreto-Lei n.º 50/98 de 11 de Março Decreto-Lei n.º 50/98 de 11 de Março O desempenho da economia e o desenvolvimento social dependem da interligação e da complementaridade entre os sectores público, privado e social. Esta interdependência

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011

MINISTÉRIO DA SAÚDE. 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 2792 Diário da República, 1.ª série N.º 96 18 de Maio de 2011 MINISTÉRIO DA SAÚDE Portaria n.º 198/2011 de 18 de Maio O objectivo essencial definido no programa do XVIII Governo Constitucional em matéria

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2009

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA-GERAL. Relatório de Actividades 2009 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2009 Abril 2010 DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Relatório de Actividades 2009 Abril 2010 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Praça do Comércio 1149-019 Lisboa Homepage: http://www.sg.mj.pt

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial.

NOTA EXPLICATIVA. Assim, face a este enquadramento normativo, propõe-se que o presente diploma seja apresentado sob a forma de Decreto Presidencial. NOTA EXPLICATIVA 1. Introdução A recente alteração da legislação sobre a organização e funcionamento dos Institutos Públicos, pelo Decreto Legislativo Presidencial n.º 2/13, de 25 de Junho, que revoga

Leia mais

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal

Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1 Câmara Municipal de Almeida Plano de Prevenção de Riscos de Gestão Enquadramento legal 1. A Câmara Municipal de Almeida tem, nos termos da lei e dos estatutos, autonomia administrativa, financeira e

Leia mais

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede

ESTATUTOS. Artigo 1.º Denominação e sede ESTATUTOS Artigo 1.º Denominação e sede 1. A associação adopta a denominação CAAD Centro de Arbitragem Administrativa. 2. A associação tem a sua sede na Avenida Duque de Loulé, n.º 72 A, freguesia de Santo

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio ESTATUTO ORGÂNICO DO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Definição) O Ministério do Comercio é o órgão do Governo responsável pela elaboração, execução,

Leia mais

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE

1.2- Breves Considerações sobre a Implementação do SISTAFE I INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Legal A Constituição da República de Moçambique estabelece, na alínea l) do n.º 2 do artigo 179, que é da exclusiva competência da Assembleia da República deliberar sobre

Leia mais

Assembleia Nacional. Lei n.º 15/VIII/08 ESTATUTO DO GABINETE DE REGISTO E INFORMAÇÃO PÚBLICA (GRIP) PREÂMBULO

Assembleia Nacional. Lei n.º 15/VIII/08 ESTATUTO DO GABINETE DE REGISTO E INFORMAÇÃO PÚBLICA (GRIP) PREÂMBULO República Democrática de São Tomé e Príncipe Assembleia Nacional Lei n.º 15/VIII/08 ESTATUTO DO GABINETE DE REGISTO E INFORMAÇÃO PÚBLICA (GRIP) PREÂMBULO O eixo principal da Lei-Quadro das Receitas Petrolíferas

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 FICHA TÉCNICA TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Relatório de Sustentabilidade 2008 EDITOR INAC Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios 4 e Santa Cruz Aeroporto de Lisboa

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI)

PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) PLANO ESTRATÉGICO DE INTERVENÇÃO (PEI) Setembro de 2009/ Dezembro de 2010 Índice Introdução.. 3 Etapas de intervenção... 4 Âmbito de intervenção.. 5 Objectivos estratégicos..... 5 Metas.. 5 Equipa....

Leia mais

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa

Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Estatutos da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (com revisões de São Tomé/2001, Brasília/2002, Luanda/2005, Bissau/2006 e Lisboa/2007) Artigo 1º (Denominação) A Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

Tipologia de Intervenção 6.4

Tipologia de Intervenção 6.4 Documento Enquadrador Tipologia de Intervenção 6.4 Qualidade dos Serviços e Organizações Acções de consultoria inseridas no processo que visa conferir uma certificação de qualidade às organizações que

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República

RESOLUÇÃO N.º /2015. Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República RESOLUÇÃO N.º /2015 Aprova o sistema de avaliação de desempenho na Assembleia da República A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166. da Constituição, de acordo com as alíneas

Leia mais