Plano.Municipal de. Emergência de.proteção.civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano.Municipal de. Emergência de.proteção.civil"

Transcrição

1 Plano.Municipal de. Emergência de.proteção.civil alenquer 2014

2 INDÍCE Plano Municipal de Emergência PARTE I Enquadramento Geral do Plano Pág. 1. Introdução 1 2. Âmbito de aplicação 2 3. Objetivos gerais 3 4. Enquadramento geral 4.1. Lei de Bases de Proteção Civil Sistema Integrado de Operações de Socorro SIOPS Enquadramento Institucional e Operacional da Proteção Civil no âmbito municipal Diretiva anexa à Resolução da Comissão Nacional de Proteção Civil n.º 25/2008, de 18 de julho 6 5. Antecedentes do processo de planeamento 6 6. Articulação com instrumentos de planeamento e ordenamento do território 8 7. Ativação do Plano Competência para ativação do plano Critérios para ativação do plano 9 8. Programa de exercícios Documentos em anexo PARTE II Organização da Resposta 1. Conceito de atuação Comissões de Proteção Civil Execução do Plano Fase de Prevenção Fase de Emergência Fase de Reabilitação Articulação e atuação de Agentes, Organismos e Entidades Missão dos Agentes de Proteção Civil Fase de Emergência Fase de Reabilitação Missão dos Organismos e Entidades de Apoio Fase de Emergência Fase de Reabilitação 30 PARTE III Áreas de Intervenção 1. Administração de meios e recursos Logística Apoio logístico às forças de intervenção Apoio logístico às populações Comunicações Meios de comunicação via rádio do Município de Alenquer Meios de comunicação VCOC 45 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer

3 INDÍCE Plano Municipal de Emergência 4. Gestão de Informação Gestão da informação entre as entidades atuantes nas operações Pontos de situação e perspetivas de evolução futura Dados ambientais e sociais Outras informações Gestão da informação às entidades intervenientes do plano, nomeadamente entidades de apoio Informação pública Informação periódica aos órgãos de comunicação social Avisos e informação pública por via sonora Sinais de aviso na fase de emergência Procedimentos de evacuação Manutenção da ordem pública Serviços médicos e transporte de vítimas Socorro e salvamento Serviços mortuários Protocolos 59 PARTE IV Informação complementar Secção I 1. Organização geral da Proteção Civil em Portugal Estrutura da Proteção Civil Estrutura das Operações Mecanismos da estrutura de Proteção Civil Composição, convocação e competências da Comissão de Proteção Civil Critérios e âmbito para a declaração das situações de alerta, Contingência ou calamidade Sistema de monitorização, alerta e aviso 71 Secção II 1. Caraterização geral Inserção regional do Concelho de Alenquer Enquadramento Geográfico e Divisão Administrativa do Município Caraterização física Hipsometria Declives Exposições Hidrografia Caraterização climática Rede climatológica Temperatura Precipitação e Humidade relativa Classificação Climática Ventos Dominantes 93 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer

4 INDÍCE Plano Municipal de Emergência 2.6. Caraterização Sismológica Caraterização do uso do solo Ocupação do solo Povoamentos florestais Zonas especiais Áreas protegidas, Rede Natura 2000 e Regime florestal Instrumentos de gestão florestal Caraterização socioeconómica População ativa por setor de atividade Dinâmica Demográfica Caraterização demográfica Regional Evolução demográfica Concelhia e densidade populacional Estrutura etária e envelhecimento da população Grau de instrução da população Caraterização das infraestruturas Rede rodoviária e ferroviária Rede de combustíveis Rede elétrica Rede abastecimento de água Agentes de Proteção Civil Caraterização dos riscos Análise do risco Análise da vulnerabilidade Estratégias de mitigação de riscos Cenários Cenários de Risco Sísmico Cenários de Incêndio Florestal Cenários de Cheias Cenário de Acidente Industrial Índice Cartografia 225 Anexo I Quadros 226 Secção III 1. Inventário de Meios e Recursos Quadros Lista de contactos 255 Quadro Geral de Contatos CMPC 256 Quadro Geral de Contatos CMPC para efeitos Correspondência 257 Quadro Geral de Contatos Modelos de relatórios e requisições 259 Modelo relatório 260 Relatório imediato de situação 261 Modelo requisição Modelos de comunicados Lista de controlo de atualizações do Plano Lista de registo de exercícios do Plano 265 Lista registo de exercícios do Plano Municipal de Proteção Civil Lista de distribuição do Plano Legislação Bibliografia Glossário 271 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer

5 vila verde dos francos UF abrigada cabanas de torres ventosa ota UF aldeia galega aldeia gavinha olhalvo meca UF Santo Estêvão triana UF ribafria pereiro carnota UF carregado cadafais I. Enquadramento Geral.do.Plano de. Emergência

6 PARTE I Enquadramento geral do Plano de Emergência 1. Introdução Tipo de plano: Este Plano de Emergência é de âmbito Municipal e abrange todo o concelho de Alenquer com as suas 11 Freguesias, designadas por: União das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão); União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres; União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha; União das freguesias de Carregado e Cadafais; União das freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana; Freguesia de Meca; Freguesia Olhalvo; Freguesia de Ota; Freguesia de Carnota; Freguesia de Ventosa; Freguesia de Vila Verde dos Francos. Diretor do plano e seu substituto: Tem como Diretor o Senhor Presidente da Câmara Municipal e como substituto o Senhor Vice-Presidente. Razões para a revisão: Dado que o Plano existente em vigor foi aprovado no ano de 2009, e por necessitar de ajustes em conformidade com a atual realidade do concelho, verificou-se ser oportuno a presente Revisão para melhor servir a população deste município, bem como, prestar ajuda a outros municípios quando necessário, em conformidade com a Lei de Bases da Proteção Civil conjugada com a Diretiva constante da Resolução n.º 25/2008. O Serviço Municipal de Proteção Civil de Alenquer tem como objetivos fundamentais: Prevenir os riscos coletivos e a ocorrência de acidente grave ou catástrofe dele resultante; Socorrer e assistir no território municipal, as pessoas e outros seres vivos em perigo, e proteger bens e valores ambientais e de elevado interesse público; Apoiar a reposição da normalidade da vida das pessoas afetadas por acidente grave ou catástrofe. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 1

7 O Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Alenquer (PME) tem ainda por objetivo, ser uma ferramenta que permita à Câmara Municipal aumentar os níveis de proteção dos cidadãos e do património, garantir a resposta oportuna no âmbito da proteção e socorro, ou seja, deve definir de que maneira as pessoas, os bens e o ambiente devem ser protegidos no caso de catástrofe ou acidente grave. No que respeita à identificação dos riscos, este Plano obteve o contributo do Plano Operacional Municipal (POM) e do Plano Municipal de Defesa da Floresta Contra Incêndios (PMDFCI), nomeadamente em toda a sua cartografia de risco de incêndio e rede viária de apoio ao combate. Outros riscos são identificados e trabalhados neste Plano, de modo que em termos operacionais se possa agir com celeridade e eficácia perante qualquer acidente. Cabe ao Serviço Municipal de Proteção Civil (SMPC) articular com os outros serviços da Câmara Municipal, bem como, com os outros agentes de proteção civil e ainda outras entidades e organizações de apoio, todos os mecanismos e opções que este plano estabelece, no que diz respeito à missão, atuação e às atribuições de cada interveniente, nas fases de prevenção e preparação bem como nas fases de emergência e reabilitação. Assim sendo, face ao acionamento deste Plano, devem todos os intervenientes assumir as suas funções e agir tal como está definido e estabelecido em termos operacionais neste plano de emergência. Este Plano Municipal vai ser testado e atualizado sempre que se verifique necessário, dado que se pretende que esteja sempre de acordo com a realidade do concelho e com os meios disponíveis para o efeito. 2. Âmbito de aplicação Este Plano de Emergência é de âmbito municipal. O SMPC elaborou o presente Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de acordo com a Resolução n.º 25/2008, emanada pela Comissão Nacional de Proteção Civil, que publicou a diretiva relativa aos critérios e normas técnicas para a elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Proteção Civil. Tendo em vista o planeamento de soluções de emergência, visando, a busca, o salvamento, a prestação de socorro e de assistência, bem como a evacuação, o alojamento e o abastecimento das populações do Concelho de Alenquer, os Planos de Emergência de Proteção Civil são documentos formais nos quais as autoridades de proteção civil definem as orientações relativamente ao modo de atuação dos vários organismos, serviços e estruturas a empenhar em operações de proteção civil. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 2

8 Este plano pretende ser um instrumento para colmatar, prevenir e resolver situações decorrentes dos riscos analisados para o concelho de Alenquer, nomeadamente: Risco sísmico; Risco de cheias e inundações; Risco de acidente industrial; Riscos acidentes rodoviários; Risco de colapso de estruturas; Risco de deslizamentos; Risco de Incêndios urbanos; Risco de transporte mercadorias perigosas; Risco de seca; Este plano foi elaborado pelo SMPC, serviço municipal de protecção civil de Alenquer e coadjuvado pelo GTF, e será submetido à aprovação da CNPC. 3. Objetivos gerais O Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do concelho de Alenquer, é uma ferramenta de trabalho organizacional e operacional quer para a Câmara Municipal quer para a CMPC e outros organismos de possível intervenção em caso de acidente grave ou catástrofe, tendo em vista minimizar os prejuízos e as perdas de vidas. O objetivo primordial do PME deste concelho consiste no seguinte: Providenciar, através de uma resposta concertada, as condições e os meios indispensáveis à minimização dos efeitos adversos de um acidente grave ou catástrofe; Coordenar as orientações relativamente ao modo de atuação dos vários organismos, serviços e estruturas a empenhar em operações de Proteção Civil; Definir a unidade de direção, coordenação e comando das ações a desenvolver; Dirigir e sistematizar as ações de apoio, promovendo uma maior eficácia e celeridade de intervenção das entidades intervenientes; Inventariar os meios e recursos disponíveis para ocorrer a um acidente grave ou catástrofe; Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 3

9 Minimizar a perda de vidas e bens, atenuar ou limitar os efeitos de acidentes graves ou catástrofes e restabelecer o mais rapidamente possível as condições mínimas de normalidade; Assegurar a criação de condições favoráveis ao empenhamento rápido, eficiente e coordenado de todos os meios e recursos disponíveis num determinado território, sempre que a gravidade e dimensão das ocorrências assim o justifique; Habilitar as entidades envolvidas no Plano a desenvolver o grau de preparação e prontidão necessária à gestão de acidentes graves ou catástrofes; Promover a informação das populações através de ações de sensibilização, objetivando a sua preparação e interiorização de uma cultura de autoproteção e o envolvimento na estrutura de resposta à emergência. 4. Enquadramento legal Os Planos de Emergência devem ser elaborados de acordo com a Resolução da Comissão Nacional de Protecção Civil n.º 25/2008 de 18 de julho, que estabelece as diretivas relacionadas com a definição dos critérios e normas técnicas sobre a elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Proteção Civil. O enquadramento legal deste plano foi definido pela Autoridade Nacional de Proteção Civil, tendo por base a compilação legislativa da Proteção Civil 1ª edição 2008, destacando-se as mais relevantes: 4.1. Lei de Bases de Proteção Civil Lei n.º 27/2006, de 3 de julho Em conformidade com o art.º 4 1 São objetivos fundamentais da Proteção Civil: a) Prevenir os riscos coletivos e a ocorrência de acidente grave ou de catástrofe deles resultantes; b) Atenuar os riscos coletivos e limitar os seus efeitos no caso das ocorrências descritas na alínea anterior; c) Socorrer e assistir as pessoas e outros seres vivos em perigo proteger bens e valores culturais, ambientais e de elevado interesse público; d) Apoiar a reposição da normalidade da vida das pessoas em áreas afetadas por acidente grave. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 4

10 Em conformidade com o art.º Compete ao Presidente da Câmara Municipal, no exercício de funções de responsável municipal da política de proteção civil, desencadear, na iminência ou ocorrência de acidente grave ou catástrofe, as ações de proteção civil de prevenção, socorro, assistência e reabilitação adequadas em cada caso. 2- O presidente da Câmara Municipal é apoiado pelo serviço municipal civil e pelos restantes agentes de proteção civil de âmbito municipal Sistema Integrado de Operações de Socorro - SIOPS Decreto-Lei n.º 134/2006, de 25 de julho Determina o art.º 1 que: 1 - O Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro é o conjunto de estruturas, normas e procedimentos que asseguram que todos os agentes de proteção civil atuem, no plano operacional, articuladamente sob um comando único, sem prejuízo da respetiva dependência hierárquica e funcional. 2 - O SIOPS visa responder a situações de iminência ou de ocorrência de acidente grave ou catástrofe. 3 - O princípio do comando único assenta nas duas dimensões do sistema, o da coordenação institucional e a do comando operacional Enquadramento institucional e operacional da proteção civil no âmbito municipal Lei n.º 65/2007, de 12 de novembro Em consonância com o art.º 1 A presente lei define o enquadramento institucional e operacional da proteção civil no âmbito municipal, estabelece a organização dos serviços municipais de proteção civil e determina as competências do comandante operacional municipal em desenvolvimento da lei n.º 27/2006 de 03 de julho. Estatui ainda o art.º 3 que: 1 Em cada município existe uma Comissão Municipal de Proteção Civil assegura que todas as entidades e instituições de âmbito municipal imprescindíveis às operações de proteção e socorro, emergência e assistência previsíveis ou decorrentes de acidente grave ou catástrofe se articulem entre si, garantindo os meios considerados adequados à gestão da ocorrência em cada caso concreto. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 5

11 Nesta conformidade estabelece o n.º 3 a) São competências das Comissões Municipais de Proteção Civil acionar a elaboração do Plano Municipal de Emergência, remetê-lo para aprovação pela Comissão Nacional de Proteção Civil e acompanhar a sua execução; c) Determinar o acionamento dos planos, quando tal se justifique; d) Garantir que as entidades e instituições que integram a CMPC acionem, ao nível municipal, no âmbito da sua estrutura orgânica e das suas atribuições, os meios necessários ao desenvolvimento das ações de proteção civil. e) Difundir comunicados e avisos às populações e às entidades e instituições, incluindo os órgãos de comunicação social Diretiva anexa à Resolução da Comissão Nacional de Proteção Civil n.º 25/2008, de 18 de julho Em conformidade com o previsto na alínea h) do n.º2 do artigo 36º. e no n.º1 do artigo 50º, ambos da Lei de Bases de Protecção Civil, compete à Comissão Nacional de Protecção Civil emanar as diretivas relativas à definição dos critérios e normas técnicas sobre a elaboração de Planos de Emergência. Deste modo a Diretiva relativa aos critérios e normas técnicas para a elaboração e operacionalização de planos de Emergência de Proteção Civil, define como se devem elaborar os Planos Municipais de Emergência. 5. Antecedentes do processo de planeamento O Plano Municipal de Emergência da Câmara Municipal de Alenquer, foi Revisto e Atualizado no ano de 2009, tendo aprovação da CNPC, em 14 de outubro de (cópia em anexo do ofício da ANPC comprovativo da Aprovação do Plano) O Plano de 2009 foi ativado na vertente da execução de exercício LIVEX em maio de 2014, por iniciativa do SMPC de Alenquer que permitiu testar as comunicações e triangulações dos vários Agentes de Proteção Civil do Município. Para a elaboração deste Plano, efetivou-se um conjunto de procedimentos e recolha de informação de variadíssimas vertentes. Numa primeira fase avaliou-se os riscos possíveis inerentes a acidentes graves ou catástrofes, dado o enquadramento geomorfológico, bem como o seu desenvolvimento em termos tecnológicos e demográficos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 6

12 Concluída essa avaliação, elaborou-se um inquérito destinado às juntas de freguesia do concelho de Alenquer, com múltiplas questões relacionadas com os diferentes tipos de riscos a determinar, nomeadamente riscos naturais, tecnológicos, ambientais assim como inventariar os vários meios, que em caso de acidente grave ou catástrofe poderão ter que ser acionados. Também neste inquérito procurámos avaliar os prováveis equipamentos para alojamento e realojamento, como instalações das juntas de freguesia, coletividades, sociedades, lares, IPSS, quarteis de bombeiros e recintos desportivos. Para além destes equipamentos inquirimos sobre áreas de abastecimento de água, nomeadamente, reservatórios, cisternas, charcos, e-tares, lagoas e piscinas. No que respeita aos géneros alimentares e medicamentos, solicitou este inquérito que fossem indicados locais, tais como: supermercados, minimercados, churrasqueiras, restaurantes, pronto-a-comer, cooperativas, talhos, peixarias, panificadoras, farmácias e para-farmácias. Foi igualmente efetuado um levantamento dos meios de socorro e suas acessibilidades, bem como os contatos a efetuar em caso de necessidade destes, relativamente a centros de saúde, clinicas privadas, médicos, psicólogos, enfermeiros, veterinários, corpos de bombeiros e cruz vermelha do Carregado. Analisados que foram os dados recolhidos das 11 juntas de freguesia, que atualmente compõem o município, elaboraram-se quadros sintetizados que reuniram toda a informação. Posteriormente identificadas as entidades definidas no art.º 39 da Lei n.º 27/2006 de 03 de julho, pertencentes à CMPC foram ainda convidadas outras instituições que se acharam pertinentes para efetivarem um apoio direto em caso de necessidade. O SMPC conta ainda com a colaboração do Gabinete Técnico Florestal (GTF), nos referidos planos que foram elaborados tendo por base o levantamento de meios e de estruturas que suportam a sua operacionalidade, bem como com o contributo prestado pelo Plano Diretor Municipal (PDM), relativamente à caracterização de toda a tipologia de solos de toda a área territorial do município, assim como toda a informação atualizada relativa aos censos realizados neste concelho no ano de Ainda como contributos bastante válidos, contou este Plano com a informação facultada pelos Planos PMDFCI e POM, nomeadamente nas seguintes cartas: Cartografia de base; Rede viária; Rede viária florestal; Rede hidrográfica, com as lagoas de acesso terrestre ou misto; Cartas do histórico de incêndios entre 2003 e 2013; Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 7

13 Carta de declives; Carta de apoio ao combate; Carta de prioridades de defesa; Carta de vigilância e bacias de visão; Carta de vigilância móvel; Carta de setores de defesa; Carta dos pontos de água; Carta de perigosidade; Carta de 1ª intervenção; Carta de prioridades de defesa. No entanto, algumas destas cartas não se enquadram nos conteúdos exigidos para este PME, tendo-se optado por elaborar outras cartas necessárias, nomeadamente as referentes aos riscos. De notar que o PME, esteve em discussão pública durante 30 dias, (de de..de a. de. de 2014), nos termos da Lei, fazendo o respetivo relatório parte integrante do presente Plano, tendo tido posteriormente parecer favorável da CMPC e da ANPC, do qual se anexa o referido parecer. Aprovado que seja o referido Plano, em bom rigor, serão distribuídos em formato digital, a todos os agentes, organismos e entidades nele mencionados, assim como a entidades integrantes da CMPC a nível territorial, e ainda às autoridades de proteção civil das unidades administrativas adjacentes de nível similar. E logicamente à autoridade de proteção civil de nível territorial imediatamente superior e à ANPC. 6. Articulação com instrumentos de planeamento e ordenamento do território Na elaboração do presente Plano foi considerado bastante relevante a articulação dos referidos instrumentos (PMDFCI e POM (informação de natureza operacional)) e a revisão do PDM (informação técnica relativa à caraterização de riscos de deslizamento, e risco de cheia), tendo em conta a concentração populacional suscetível de serem afetadas pelos referidos riscos. 7. Ativação do Plano Os PME s são documentos formais de orientação relativamente ao modo de atuação dos vários organismos, serviços e estruturas, a empenhar em operações de proteção civil nos seus diversos níveis, sendo ativados mediante decisão da CMPC, desde que se verifique os prossupostos contextualizados de acidente grave ou catástrofe que ponham em risco pessoas, bens ou o ambiente. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 8

14 7.1. Competência para a ativação do Plano Nos termos do n.º 2 do artigo 40º, conjugado com o n.º 2 do artigo 38º, da Lei de Bases de Protecção Civil, e tal como disposto no n.º 3 do artigo 3º da Lei n.º 65/2007, a competência para ativação do PME é da respetiva da CMPC. No entanto, dado que em situação de acidente grave ou catástrofe poderá ser difícil reunir em tempo útil o plenário da referida Comissão, nesta conformidade o presente Plano contempla a possibilidade desta comissão ser mais reduzida, podendo ser apenas constituída pelo COM, GNR e Comandantes dos Bombeiros, de forma a poder celerizar a ativação do Plano, tornando-o assim, mais eficaz e eficiente na vertente da minimização dos danos sofridos. Neste contexto estas comissões reúnem com o Senhor Presidente da Câmara e determinarão os procedimentos a seguir. Para ativar o PME, basta que, o senhor Presidente da Câmara reúna com o COM, GNR e os Comandantes dos Bombeiros, em representação da CMPC. Serão chamados a intervir os membros da CMPC que se verifiquem necessários, de acordo com o tipo de acidente ou risco em análise. O COM tendo conhecimento da situação de acidente e face ao tipo de risco, deve avaliar se a gravidade do mesmo é suscetível de atingir as pessoas e outros seres vivos, os bens ou o ambiente e de imediato informar o Senhor Presidente da Câmara e aconselhá-lo a reunir a CMPC. No entanto, imediatamente a seguir ao acionamento do mesmo, devem ser contatados os restantes delegados da CMPC que se considerem necessários de acordo com a tipologia do acidente em análise. (Através dos contatos definidos no Quadro de contatos em IV-III.2). A publicitação da ativação da CMPC,será de imediato comunicada à rádio local (Rádio Voz de Alenquer), que colaborará na efetivação da convocatória de todos os membros e informará a população do motivo do acionamento do mesmo, da mesma forma, a referida rádio vai comunicando o ponto de situação do acidente grave ou catástrofe, bem como da desativação do mesmo quando pertinente Critérios para a ativação do plano Alguns critérios: Sismo com magnitude igual ou superior a 6,1 na escala de Richter ou de grau VIII na escala de Mercalli, dependendo da percentagem da área territorial afetada pelo acidente grave ou catástrofe; Efeitos na população (número de mortos igual ou superior a 10, número de feridos superior a 20, bem como a existência de desalojados, desaparecidos ou isolados, etc.); Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 9

15 Danos em bens e património (número de habitações danificadas superior a 4, edifícios indispensáveis às operações de proteção civil afetados, afetação de monumentos nacionais, etc.); Cheia ou inundação que provoque danos em habitações e que obrigue à evacuação da população; Danos nos serviços de infra-estruturas (suspensão do fornecimento de água superior a 1 dia, energia ou telecomunicações durante um período de tempo superior a 1 dia, etc.); Incêndio florestal que coloque em perigo populações e habitações; Acidente rodoviário com transporte de matérias perigosas que coloque em risco o trânsito e o ambiente, que obrigue ao corte de vias e a medidas preventivas de proteção do ambiente (descargas de matérias perigosas em aquíferos ou no solo, destruição de zonas florestais, libertação de matérias perigosas para a atmosfera, etc.); Incêndio industrial que coloque em risco o ambiente, bem como a evacuação de pessoas, dependendo da localização da indústria, e da sua proximidade a aglomerados urbanos. Esta tipificação de critérios não impede que a PME possa ser ativada em outras circunstâncias, de acordo com a ocorrência ou iminência de acidente grave ou catástrofe. 8. Programa de exercícios Com a finalidade de testar a eficácia / eficiência da execução do presente Plano, perspetiva-se efetuar os seguintes exercícios que se enquadram na seguinte calendarização: Maio de simulacro de acidente rodoviário (objeto de sensibilizar a população e treino operacional dos vários Agentes de Proteção Civil) Novembro de simulacro de sismo (local a definir) Março de simulacro de incêndio urbano / industrial em instalações da Câmara Municipal de Alenquer (teste do Plano de Emergência interno) Junho de simulacro de cheias na aldeia da Merceana (evacuação e alojamento de populações, assim como corte de estradas e percursos alternativos). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 10

16 II.Organização da. Resposta

17 PARTE II Organização da Resposta 1. Conceito de atuação Em caso de acidente grave ou catástrofe a comunicação de perigo ou alerta é efetuada através do n.º 112 ou 117. Nesse caso, são os Bombeiros os primeiros a intervir e consoante a gravidade do acidente o COM, informa o Presidente da Câmara que convoca a CMPC na sua forma mais reduzida (Bombeiros, GNR) e decidem se ativam o PME. Em caso do alerta ser dado pela organização quer a nível distrital ou nacional é ativada a seguinte estrutura: a) Esquema de organização e de atuação CNOS CCON CDOS CMPC Ativa o Plano de Emergência Presidente, COM, Bombeiros, GNR COM (SMPC) CCOD Agentes de Proteção Civil Outras entidades de apoio A.H.B.V. Alenquer A.H.B.V. Merceana CFMTFA GNR CNOS - Comando Nacional Operacional de Socorro CDOS - Comando Distrital Operacional de Socorro CCOD - Centro de Coordenação Operacional Distrital CMPC - Comissão Municipal de Proteção Civil COM - Comandante Operacional Municipal SMPC - Serviço Municipal de Protecção Civil AHBV - Associações Humanitárias de Bombeiros Voluntários GNR - Guarda Nacional Republicana CFMTFA - Centro de Formação Militar e Treino da Força Aérea Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 11

18 b) Organização no teatro de operações TO Comandante das Operações de Socorro Adjunto Relações Públicas Adjunto Segurança Adjunto para a Ligação Comandante de Planeamento (célula Planeamento) Comandante de Combate (célula combate) Comandante da Logística (célula logística) Meios e Recursos Zonas de Apoio Setores (até 5) Transportes Manutenção de Equipamentos Ponto da situação Instalações Combustíveis Documentação Abastecimentos Comunicações Rádio Desmobilização Alimentação ZCR Técnicos Especialistas Adjuntos do Comandante: Graduados, preferencialmente de comando, responsáveis por atividades que embora sendo importantes, não fazem parte da linha hierárquica da organização. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 12

19 b.1.) Funções dos intervenientes no teatro de operações - TO Comandante Operações de Socorro o É o responsável pela operação. o Deve nomear os graduados de topo até à base. (Só existe um COS em cada T.O) Adjunto de Relações Públicas o Desenvolve um sistema preciso e completo de recolha de informações sobre as causas da ocorrência, proporções, situação corrente, meios empenhados e todas as demais temáticas relacionadas. o Contata a comunicação social e as entidades oficiais que solicitem informações em direto do TO. Adjunto para a Segurança o Avalia os perigos e as situações de risco, tomando as medidas necessárias à segurança individual dos bombeiros no TO. o Detém autoridade para em caso de emergência, ordenar a paragem dos trabalhos, de modo a prevenir atos inseguros. o Avalia as necessidades em apoio sanitário e recuperação física do pessoal, em conjunto com os técnicos especialistas de saúde. Adjunto para a ligação o Desenvolve os contatos com os representantes de outras entidades, incluindo, os técnicos destacados para apoio ao TO. Comandante de Planeamento - Célula de Planeamento o Responsável: Recolha, avaliação, processamento e difusão das informações; Transmissão imediata das informações mais criticas; Com base nas informações tratadas deve prever o possível sentido do desenvolvimento do acidente e identificar as necessidades envolvidas, bem como os meios e recursos necessários; A gestão das informações é uma tarefa que se processa a tempo inteiro. o Funções: Avaliar a estratégia em curso e planear as operações; Manter as informações sobre a situação dos meios e pessoal; Reavaliar e propor as alterações ao Plano de Estratégico de Ação; Prever a necessidade de mais meios; Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 13

20 Avaliar a organização do TO e a manutenção da capacidade de controlo; Avaliar as prioridades táticas, fatores críticos específicos e a segurança individual; Prever a necessidade de técnicos especializados; Planear a desmobilização dos meios; Manter todos os registos e documentos da operação. Comandante de Combate - Célula de Combate o Responsável: Pela gestão direta das atividades e prioridades táticas; Pela segurança e bem-estar do pessoal diretamente ligado ao objetivo principal: A supressão da ocorrência o Funções: Gerir as atividades táticas; Implementar o Plano Estratégico de Ação (PEA): Colocar os meios no nível tático, com base nos objetivos e prioridades definidas; Distribuir os objetivos táticos. Controlar as zonas de Apoio (ZA) Providenciar em relação à segurança individual; Determinar necessidades e requerer meios adicionais. Comandante de Logística - Célula para a Logística o Responsável: Criação do quadro de meios ((na secção III da parte IV)-Quadro de meios no TO). Apoia a organização no TO, nomeadamente no que respeita a: Transportes Instalações Abastecimentos Alimentação Manutenção de equipamentos Combustíveis Comunicações via rádio Apoio Sanitário Zona de Concentração e Reserva (ZCR) Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 14

21 o Funções: Providenciar e gerir todas as necessidades em: Abastecimentos e equipamentos; Alimentação e abastecimentos similares; Combustíveis e apoio Mecânico; Apoio sanitário ao pessoal, incluindo, o necessário à sua recuperação física; Obtenção de equipamento especializado e especialistas para o Posto de Comando Operacional de Bombeiros (PCOB). C) Estratégia Criar um Posto de Comando de Operações, definir a hierarquia para o T.O e elaborar um Plano de Ação. Conduta de uma Operação Análise Reconhecimento dos Cenários Estratégia Resultados Síntese Objetivos Ponto de Situação Plano de Ação Tática Ações Manobra - criação de grupos de manobra Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 15

22 Para se poder traçar um Plano de ação, é necessário fazer-se uma análise do acidente estabelecendo uma estratégia em face do ponto de situação detetado. Quer a nível de estratégia, quer a nível tático e de manobra, serão assegurados pelas respetivas células e comandantes logo que nomeados pelo COM. A estratégia a adotar deve ser delineada perante os diferentes TO e segundo os meios disponíveis em cada momento. Se os meios existentes não forem suficientes, deve ser comunicado ao CODIS e solicitar meios necessários. Logo que estes meios cheguem ao Posto de Comando (PC) devem ser criados os setores com os respetivos comandantes, assim como grupos de manobra com os respetivos chefes. Ainda nesta fase de estratégia deve o COM definir o Plano de Ação. Para simplificar a ação e garantir o reconhecimento dos intervenientes num TO, é importante definir onde fica situado o PC, zona de sinistro, apoio, concentração e reserva, receção de reforços que são chamadas zonas de Intervenção. Zonas de Intervenção ou de Emergência são: Áreas circulares de amplitude variável; Adaptadas às circunstâncias e à configuração do terreno; Englobam zonas diferenciadas: Zonas do Sinistro; Zonas de Apoio; Zonas de Concentração e Reserva; Zonas de Receção de Reforços. Zonas de Sinistro o Considerada como zona 0, é a superfície na qual se desenvolve o acidente; o É a superfície onde se encontram exclusivamente os meios necessários à intervenção direta; o Sob responsabilidade exclusiva do COS. Zonas de Apoio o Considerada como zona 1, é uma zona adjacente à zona do sinistro, de acesso condicionado; o Local onde se concentram os meios de apoio e logístico estritamente necessários ao suporte dos meios de intervenção; o Localização temporária de meios de intervenção para resposta imediata. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 16

23 Zonas de Concentração e Reserva (ZCR) o Considerada como zona 2, é o local onde se localizam meios e recursos disponíveis, sem missão imediata; o Local onde se mantém um sistema de apoio logístico e assistência pré-hospitalar; o Concentrações e trocas de recursos solicitados pelo PO. Zonas de Receção e Reforços (ZRR) o Local de controlo e apoio logístico, sob responsabilidade do CODIS da área onde se desenvolve o sinistro; o Local para onde se dirigem os reforços, antes de entrarem no TO; o Local onde se efetuam as rendições. Uma vez definidas estas zonas, deve o COM assegurar-se de que todas tenham um elemento de ligação para comunicar com o PC, informando o ponto de situação sempre que solicitado. Esse ponto de situação deve ser feito momento a momento indicando: nº de feridos ligeiros e graves nº de mortos Veículos que chegaram à ZCR Quais os reforços a chegarem à ZRR Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 17

24 1.1 Comissões de Proteção Civil Numa operação de emergência de proteção civil existem vários agentes que têm missões tarefas e responsabilidades específicas. Em caso de acidente grave ou catástrofe ao nível do município, cabe à CMPC mobilizar os agentes que a constitui, no sentido de cada um exercer a sua missão em articulação. Os membros da CMPC em caso de acidente grave ou catástrofe serão ativados, para o PO, de acordo com a tipologia do acidente. A CMPC reunir-se-á nas instalações do SME, localizadas na Câmara Municipal de Alenquer, no Complexo do Barnabé, onde se encontram reunidas condições de espaço e de comunicações necessárias ao desempenho das suas funções. Em caso alternativo, e na eventualidade de um sismo, segundo os cenários previstos, a zona sul do concelho incluindo a vila de Alenquer será afetada, deste modo a CMPC terá de se reunir no quartel dos Bombeiros de Abrigada. A CMPC de Alenquer tem as seguintes competências: a) Acionar a elaboração, acompanhar a execução e remeter para aprovação pela Comissão Nacional os Planos Municipais de Emergência; b) Acompanhar as políticas diretamente ligadas ao sistema de proteção civil que sejam desenvolvidas por agentes públicos; c) Promover a realização de exercícios, simulacros ou treinos operacionais que contribuam para a eficácia de todos os serviços intervenientes em ações de proteção civil; d) Determinar o acionamento dos Planos, quando tal se justifique. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 18

25 Estrutura da Comissão Municipal de Protecção Civil de Alenquer Presidente da Câmara Pedro Miguel Ferreira Folgado (Dr.) COM Comandante Operacional Municipal Rodolfo Batista Bombeiros Voluntários de Alenquer João Luís Murteira Bombeiros Voluntários da Merceana Nuno Filipe Almeida Santos Comandante do Destacamento Territorial da GNR de Alenquer Bruno Miguel Passos Baraças (Capitão) Autoridade de Saúde do Município Túlia de Jesus Marques Quinto (Dr.ª) Representante do Dirigente Máximo da Unidade de Saúde Local Maria Eduarda Tralha (Dr.ª) Presidente da Sociedade Gestora do Estabelecimento Hospital Vila Franca de Xira Vasco Luís José de Mello (Eng.º) Serviços de Segurança Social e Solidariedade Teresa Cristina Oliveira Teixeira (Dr.ª) Cruz Vermelha Portuguesa (Delegação Carregado) João Carlos Silva Marques Santa Casa da Misericórdia de Alenquer Ana Margarida Jorge Ferreira Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Carla Maria Nunes Pereira Centro Social Paroquial do Carregado Vitor Manuel Ramalho Pedro Associação de Apoio Idosos e Jovens Freguesia de Meca José António Pereira dos Santos Ferreira União das Freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana) Paulo Alexandre Matias Assunção Centro Social e Paroquial Nossa Senhora Virtudes de Ventosa Diácono Alfredo Manuel Lourenço Bento Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea Rogério Paulo Rodrigues Martins (Capitão) Cooperativa Antena Rádio Local Voz de Alenquer António Manuel Pereira Franco Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 19

26 2. Execução do Plano A organização geral das operações da proteção civil em caso de alerta de acidente grave ou de catástrofe decorre do tipo de acidente, do local em que ocorre e de quem dá o alerta Fase de Prevenção Promover a sensibilização e informação das populações, de modo a que tenham conhecimento das medidas adotadas para prevenir ou minimizar os efeitos de acidente grave ou de catástrofe, bem como, em caso de se verificar uma ocorrência, a necessidade de acatar as ordens, instruções e conselhos das autoridades; Proceder à inventariação dos meios e recursos disponíveis para fazer face às emergências, criando procedimentos para a sua rápida mobilização; Promover as medidas preventivas destinadas à evacuação das populações que venham a necessitar, bem como às eventuais carências no que respeita a alojamento, alimentação e agasalho; Realização de exercícios e simulacros, no âmbito da articulação e preparação dos agentes, entidades e organizações de apoio que intervêm no Plano Municipal de Emergência. 2.2 Fase de Emergência Nesta fase temos como objetivos principais: Identificar a intensidade do acidente, bem como a zona afetada Saber o número inicial de feridos e mortos para determinar a ativação do PME, se necessário Socorrer os feridos Orientar os desalojados Orientar o trânsito, criando faixas para as viaturas de socorro Recolher os mortos Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 20

27 Para qualquer situação poderemos descrever alguns pontos a desencadear em termos operacionais imediatamente logo após a ocorrência. 1. Identificar o tipo de risco do acidente; 2. Identificar a zona do sinistro; 3. Saber a intensidade da ocorrência; 4. Perspetivar o número de danos, quer ao nível da população quer em termos materiais; 5. Avaliar o meio que se possui ao nível do concelho; 6. Verificar se é necessário solicitar a colaboração de meios exteriores ao CODIS; 7. Criar um Posto de Comando de Operações, 8. Fazer o ponto de situação para saber se é necessário mais meios e informar o CODIS; 9. Informar o Presidente e a CMPC (COM, Bombeiros e GNR) a. Ativar o PME 10. Solicitar VCOC para o local de sinistro 11. Definir a hierarquia para o TO 12. Nomear os três comandos principais e facultativamente dois adjuntos a. Comandante Planeamento b. Comandante Combate c. Comandante Logística 13. Elaborar rapidamente um Plano de Ação em conjunto com esses comandos. 14. Definir setores segundo os TO s 15. Definir grupos de manobra 16. Definir zonas de intervenção 17. Fazer o ponto de situação, sempre que se considere necessário para saber se são necessários mais meios e informar CODIS. Plano de Ação em termos operacionais Em caso de acidente grave ou de catástrofe a seguinte estrutura dos meios operacionais deve ser imediatamente ativada: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 21

28 COM (Rodolfo Batista) Convocar GNR para Posto Comando Comandante Combate Deve criar os setores de acordo com as ocorrências Adjunto para a ligação Definir ZCR e colocar lá VCOC Setores Grupos de manobra Receber dados da ZCR e do PCDIS, registá-los e informar COM Setores Grupos de manobra Setores Grupos de manobra A cada entidade cabe uma determinada função já previamente estabelecida em exercícios de simulacro existentes. Face a um determinado acidente cabe ao COM definir as seguintes zonas e delinear uma estratégia de emergência 2. Definir Zona de Posto de Comando (ver carta de Postos de Comando na secção II parte IV) 3. Definir Zona de Sinistro, ZS 4. Definir Zonas de Apoio, ZA 5. Definir Zonas de Concentração e Reserva, ZCR 6. Definir Zonas de Recepção de Reforços, ZRR 7. Definir Zonas de Intervenção, ZI 8. Definir Zona de Concentração e Apoio à População, ZCAP Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 22

29 2.3 Na fase de Reabilitação Adotar as medidas de reabilitação necessárias à urgente normalização da vida das populações atingidas, procedendo ao rápido restabelecimento dos serviços públicos essenciais, nomeadamente o abastecimento de água, energia eléctrica e comunicações; Promover a reunião das famílias atingidas e o regresso das populações, bens e animais deslocados à normalidade; Promover a desobstrução e remoção dos destroços e obstáculos, de modo a restabelecer-se a circulação e evitar o perigo de desmoronamento; Proceder à avaliação e quantificação dos danos pessoais e materiais e elaborar os respectivos relatórios, de acordo com a legislação aplicável. 3 Articulação e Atuação de Agentes, Organismos e Entidades A articulação dos Agentes de Proteção Civil é importantíssima, na medida em que, uma boa comunicação entre os intervenientes numa fase de emergência, acelera todas as ações. Em termos operacionais a CMPC reduzida (COM, Representante dos Bombeiros e Representante da GNR) será a responsável pela articulação dos Agentes de Proteção Civil, no Posto Comando. No entanto, em função do tipo de ocorrência poderão ser ativadas outras entidades necessárias. Presidente da Câmara Missão, tarefas e responsabilidades Presidir à CMPC O SMPC depende exclusivamente deste. É de sua responsabilidade declarar a situação de alerta de âmbito municipal e convocar a CMPC. o O ato de declaração de alerta menciona expressamente: A natureza do acontecimento que originou a situação declarada; O âmbito temporal e territorial; A estrutura de coordenação e controlo de meios e recursos a disponibilizar. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 23

30 COM - Comandante Operacional Municipal Missão, tarefas e responsabilidades Acompanhar permanentemente as operações de protecção e socorro que ocorram na área do concelho; Promover a elaboração dos Planos prévios de intervenção com vista à articulação de meios face a cenários previsíveis; Calendarizar reuniões periódicas de trabalho, sobre matérias de âmbito exclusivamente operacional, com os comandantes dos corpos de bombeiros; Dar parecer sobre o material mais adequado à intervenção operacional; Comparecer no local do sinistro sempre que as circunstâncias o aconselhem; Assumir a coordenação das operações de socorro de âmbito municipal, nas situações previstas no PME, bem como quando a dimensão do sinistro requeira o emprego de meios de mais de um corpo de bombeiros. 3.1 Missão dos agentes de proteção civil Fase de Emergência 1. Bombeiros Voluntários Missão, tarefas e responsabilidades o o o Prevenção e combate de incêndios; O socorro às populações em caso de incêndios, inundações, desabamentos e em todos os acidentes, assim como uma pronta ajuda de transporte de acidentados e doentes, incluindo a urgência pré-hospitalar, no âmbito do sistema integrado de emergência médica; Informar o COM dos sinistros e ocorrências, de acordo com o artº14 da Lei n.º 65/2007 de 12 de Novembro. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 24

31 2. GNR Guarda Nacional Republicana Missão, tarefas e responsabilidades (Lei n.º 63/2007, de 6 de novembro) o Proteger, socorrer e auxiliar os cidadãos, defender e preservar os bens que se encontrem em situações de perigo, por causas provenientes da ação humana ou da natureza; o Isolamento de áreas; o Controle de tráfego rodoviário e restrições de circulação; o Deteção, investigação e prevenção das atividades criminosas; o Operações de segurança no teatro de operações e aberturas de corredores de emergência/evacuação. 3. CFMTFA - Centro de Formação Militar e Técnico da Força Aérea Missão, tarefas e responsabilidades (Decreto Regulamentar n.º 18/93 e Decreto-Lei n.º 51/93 de 26 de fevereiro de 1993) o Em caso de acidente grave, catástrofe ou calamidade a colaboração das forças armadas deve ser solicitada pelo Presidente da Câmara Municipal, diretamente ao Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, em conformidade com o delineado com o disposto na Lei de Bases da Protecção Civil onde se define que, a solicitação direta de colaboração ao comandante das unidades militares implantadas na área só poderá ser realizada em caso de manifesta urgência. Formas de colaboração o o o o o o Estão disponíveis para colaborar em termos de alojamento, quer nas camaratas, quer pela montagem de tendas. Através de apoio em pessoal não especializado, designadamente para o rescaldo de incêndios e a organização e montagem de acampamentos de emergência; Através de apoio em pessoal especializado para reforço do pessoal civil, nomeadamente no campo da saúde; Participando em ações de busca e de salvamento de pessoas e bens; Mediante a disponibilização de meios de transporte; Cooperando na reabilitação de infra estruturas danificadas; Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 25

32 o o o o o o o Através do fornecimento de alimentação, géneros alimentares, abastecimento de água e alojamento de emergência; Prestando auxílio no domínio da saúde, nomeadamente na hospitalização e evacuação de feridos e doentes; Efetuando reconhecimentos terrestres, aéreos e marítimos; Prestando apoio em telecomunicações; Cooperando em ações de salubridade das áreas de catástrofe; Colaborando nos Planos de emergência elaborados aos diferentes níveis, quer Nacional, Regional, Distrital e Municipal; Colaborando na realização de exercício de simulação nos termos da lei. 4. INEM - Instituto Nacional de Emergência Médica Missão, tarefas e responsabilidades (Decreto-Lei n.º167/2003, de 29 de julho) o Ordenar a atuação coordenada dos agentes de saúde nas situações de catástrofe ou calamidade, integrando a organização definida em Planos de emergência / catástrofe, nomeadamente na fase de emergência, de acordo com o definido também neste PME. o Fazer a triagem e o encaminhamento de todos os feridos. o Essa triagem pode ser feita no PMA (posto médico avançado) e nos T.O. 5. Autoridade de saúde do município Missão, tarefas e responsabilidades o o Ao delegado de saúde compete o encaminhamento dos mortos, identificação e respetiva elaboração de listagem. Gerir a instalação provisória dos mortos em instalações adequadas à situação e ao número que se prevê. 6. Dirigente máximo da unidade de saúde local Missão, tarefas e responsabilidades o Ações de controlo ambiental, doenças, assim como a verificação da qualidade dos bens essenciais. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 26

33 7. Presidente da Sociedade Gestora do Estabelecimento Hospitalar Vila Franca de Xira Missão, tarefas e responsabilidades o Ativar e coordenar os meios médicos e os serviços de urgência de que dispõem. 8. Cruz Vermelha Portuguesa Delegação do Carregado Missão, tarefas e responsabilidades (Lei n.º 281/2007, de 7 de agosto) o Busca e salvamento; o Colaboração na evacuação; o Socorro, assistência sanitária e social; o Montagem de tendas para Zonas de triagem, primeiros socorros e mortos; o Apoio na instalação de alojamentos temporários, bem como na montagem de postos de triagem; o Transporte de desalojados e ilesos; o Levantamento de feridos e cadáveres; o Apoio psicossocial o Distribuição de roupas, cobertores e alimentos às populações evacuadas Fase de Reabilitação 1. Cruz Vermelha Portuguesa - Carregado Missão, tarefas e responsabilidades (Lei n.º 281/2007, de 7 de agosto) o Apoio psicossocial o Distribuição de roupas, cobertores e alimentos às populações evacuadas. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 27

34 2. Autoridade de saúde do município Missão, tarefas e responsabilidades o Compete ao Delegado de Saúde o encaminhamento dos mortos, identificação e respetiva elaboração de listagem. o Gerir a instalação provisória dos mortos em instalações adequadas à situação e ao número que se prevê. 3. GNR Guarda Nacional Republicana Missão, tarefas e responsabilidades (Lei n.º 63/2007, de 6 de novembro) o Proteger, socorrer e auxiliar os cidadãos, defender e preservar os bens que se encontrem em situações de perigo, por causas provenientes da ação humana ou da natureza; o Controle de tráfego rodoviário e restrições de circulação; o Deteção, investigação e prevenção das atividades criminosas; 4. CFMTFA - Centro de Formação Militar e Técnico da Força Aérea Missão, tarefas e responsabilidades (Decreto Regulamentar n.º 18/93 e Decreto-Lei n.º 51/93, de 26 de fevereiro de 1993) o Operações de reabilitação de áreas afetadas por catástrofe ou calamidade, nomeadamente nas infra estruturas danificadas; o Intervêm no abastecimento de água às populações e no reforço das redes de comunicação. Formas de colaboração o o o o o o Através do apoio em pessoal não especializado, designadamente para o rescaldo de incêndios e a organização e montagem de acampamentos de emergência; Através do apoio em pessoal especializado para reforço do pessoal civil, nomeadamente no campo da saúde; Participando em ações de busca e de salvamento de pessoas e bens; Mediante a disponibilização de meios de transporte; Cooperando na reabilitação de infra-estrutura danificadas; Através do fornecimento de alimentação, géneros alimentares, abastecimento de água e alojamento de emergência; Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 28

35 o o o o o o Prestando auxílio no domínio da saúde, nomeadamente na hospitalização e evacuação de feridos e doentes; Efetuando reconhecimentos terrestres, aéreos e marítimos; Prestando apoio em telecomunicações; Cooperando em ações de salubridade das áreas de catástrofes; Colaborando nos Planos de emergência elaborados aos diferentes níveis, Nacional, Regional, Distrital e Municipal; Colaborando na realização de exercício de simulação nos termos da lei. 3.2 Missão dos Organismos e Entidades de Apoio Fase de Emergência Serviço Municipal de Proteção Civil o o o o o o o Avalia permanentemente os riscos e as vulnerabilidades; Assegura a informação e a sensibilização das populações; Promove as medidas preventivas de mitigação dos riscos; Elabora e atualiza o PME; Realiza exercícios com vista à preparação dos serviços, agentes de proteção civil e demais entidades e organizações de apoio; Assegura a coordenação de administração e logística; Apoia a avaliação de dados e disponibiliza a informação sobre a caraterização da situação. Serviços de Segurança Social e Solidariedade Missão, tarefas e responsabilidades o Podem assegurar o alojamento. Santa Casa da Misericórdia de Alenquer Missão, tarefas e responsabilidades o Assistência sanitária e social. Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Missão, tarefas e responsabilidades o Assistência sanitária e social. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 29

36 Cooperativa Antena Rádio Local Voz de Alenquer Missão, tarefas e responsabilidades o o o Informa a população da situação de alerta, dado pelo Presidente da Câmara Municipal que é também o presidente da CMPC; Informa acerca das medidas de segurança a seguir pela população; Servir de elo de informação para todos os comunicados que o SMPC considerar necessários emitir. Esta Cooperativa dispõe de 3 geradores, que lhe permite assegurar a permanência no ar com a sua emissão, apesar de eventuais quebras de energia. (Quadro de Geradores referenciados no Inventário de Meios e Recursos) Fase de Reabilitação Cooperativa Antena Rádio Local Voz de Alenquer Missão, tarefas e responsabilidades o o o Informar a população que a Fase de Emergência se encontra concluída, passando à fase de Reabilitação; Informa acerca das medidas de segurança a seguir pela população; Servir de elo de informação para todos os comunicados que o SMPC considerar necessários emitir. Águas de Alenquer, Águas do Oeste e EPAL Missão, tarefas e responsabilidades o Reabilitação do abastecimento de água, no que respeita à recuperação da rede de abastecimento, bem como o encerramento de válvulas, no caso de existirem ruturas na rede. EDP - Eletricidade de Portugal Missão, tarefas e responsabilidades o Reabilitação da rede elétrica. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 30

37 LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil Missão, tarefas e responsabilidades o Análise de estruturas e vias danificadas, quanto à consolidação das edificações afetadas ou atingidas. Santa Casa da Misericórdia de Alenquer Missão, tarefas e responsabilidades o Assistência sanitária e social. Santa Casa da Misericórdia de Aldeia Galega da Merceana Missão, tarefas e responsabilidades o Assistência sanitária e social. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 31

38 vila verde dos francos UF abrigada cabanas de torres ventosa ota UF aldeia galega aldeia gavinha olhalvo meca UF Santo Estêvão triana UF ribafria pereiro carnota B. V. Merceana B. V. alenquer UF carregado cadafais I I I. á r e a s de.intervenção

39 PARTE III Áreas de Intervenção 1. Administração de Meios e Recursos Estrutura de coordenação: Todo o pessoal do Serviço de Ação Social Coordena as tarefas na ZCAP COM (Rodolfo Batista) coordena todas as operações dos agentes de Proteção Civil Diretor Do Departamento Operativo (Dr. Joaquim António) convoca: Encarregado Geral Operacional (Sr. José Carlos) Encarregado Operacional (Sr. José Artur) CMPC Todos os Delegados devem atuar de acordo com as suas competências Presidente da Câmara convoca: Diretora do Departamento Administrativo Financeiro (Dr.ª Ana Isabel Brázia) SMPC (deve coordenar a célula da Logística) Interlocutor das Juntas de Freguesias (Sr. José Honrado) Convoca os Presidentes Juntas Chefe de Divisão de Contratação Pública, em regime de substituição (Dr.ª Ana Maria Pereira) O diagrama configurado delineia a estrutura de coordenação por parte do Sr. Presidente da Câmara Municipal, que tem a competência de convocar a CMPC, bem como os elementos da Autarquia cujas funções são determinantes, em termos de disponibilização dos meios necessários nas Fases de Emergência e Reabilitação. O COM tem as suas competências bem definidas no que respeita ao TO e à coordenação de todos os agentes de proteção civil. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 32

40 O Diretor do Departamento Operativo, Dr. Joaquim António, tem a função de convocar e coordenar os chefes da estrutura operacional, nomeadamente o Encarregado Geral Operacional, afeto à área de limpeza urbana, assim como o Encarregado Operacional, afeto ao setor dos transportes e motoristas. O SMPC, deve estabelecer a célula de logística com todos os elementos que a compõem, tal como está descrito nas páginas seguintes. Os delegados da CMPC, devem entrar em funções de imediato ativando todos os meios disponíveis em face da ocorrência em análise. A Cooperativa Antena Rádio Local Voz de Alenquer integra a CMPC, permitindo a possibilidade de emissão de uma comunicação tanto oportuna como imediata pertinente às necessidades e orientações consideradas relevantes, facultadas inicialmente de meia em meia hora, na Fase de Emergência, passando posteriormente de hora a hora, no início dos noticiários. Os trabalhadores afetos ao Serviço de Ação Social, desta Autarquia deve dar apoio na ZCAP, designadamente na avaliação dos bens necessários e solicitá-los à célula de logística. As Divisões de Aprovisionamento / Compras e Contabilidade, serão ativadas para integrarem a equipa de Logística, e coordenarem a gestão de bens e serviços que tenham que ser adquiridos a empresas ou que sejam doados. O interlocutor das Juntas de Freguesia, Sr. José Honrado, deve contatar os Presidentes das Juntas de Freguesia afetadas pelo acidente grave ou catástrofe, bem como os Presidentes das Juntas que podem colaborar com a disponibilização de meios e recursos, assim como entidades particulares que de alguma forma possam contribuir para menorizar os danos envolvidos. Entidades Intervenientes: A Câmara Municipal compromete-se a ativar todos os meios de que dispõe, através da convocação de todos os colaboradores referidos anteriormente. As Juntas de Freguesia, por intermédio dos respetivos Presidentes, comprometem-se a disponibilizar meios e recursos. (Quadro dos meios das Juntas de Freguesia) Entidades Particulares previamente contatadas, compromissadas no âmbito deste projeto a envolverem-se no TO quando requisitadas para iniciativas de socorrismo, disponibilizando pessoas, meios e recursos de que dispõem afetos às suas estruturas. (Quadro dos meios particulares na Parte IV, Secção III, com os custos/hora e respetivos contatos). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 33

41 Prioridades de Ação: a) Determinada a área do acidente grave ou catástrofe, o número inicial de feridos e de mortos, e ativado o PME, o COM deve coordenar o TO, segundo o organograma da Parte II. b) Executar a PME, segundo o que está definido para a Fase de Emergência (na Parte II.2 - Execução do Plano), nomeadamente definir as ZS, ZCR, ZCAP, ZA, ZI. c) Criada a PMA do INEM, após a triagem, os feridos serão encaminhados para aos hospitais ou são socorridos logo no local, com a colaboração da Cruz Vermelha Portuguesa, em exercício na área do concelho. d) Mapiadas as necessidades pelo COM e adjuntos de operações, o Presidente da Câmara convoca os elementos que se encontram no diagrama de coordenação acima descrito e convocam-se os motoristas e trabalhadores operacionais, dando o seu contributo quer no manuseamento de máquinas e outros meios de transporte, quer na remoção de destroços ou desimpedimento de vias, bem como no transporte de geradores e outras tarefas relacionadas. e) Em caso de necessidade de alojamento, os mesmos deverão ser inventariados pela Cruz Vermelha Portuguesa, encaminhando-os e transportando-os para a ZCAP. f) Na ZCAP o pessoal do serviço de ação social da Câmara deve providenciar todo o apoio necessário, nomeadamente solicitar à célula logística bens de primeira necessidade tais como, agasalhos, alimentos, água e outros que se julguem pertinentes. g) As equipas E, F e G da célula de logística devem fazer chegar os bens solicitados. h) Criadas as áreas da célula logística, o SMPC desencadeará contatos com os trabalhadores afetos à Divisão de Contabilidade, Aprovisionamento e Compras, de forma a controlarem todos os meios necessários quer por via de requisições ou donativos. i) No caso dos equipamentos pertencentes ao património desta Autarquia não serem os suficientes, dever-se-á consultar os Quadros referentes aos equipamentos disponibilizáveis por entidades particulares e solicita-los, sendo os mesmos inventariados pela Divisão de Contabilidade, a fim de serem contabilizados os custos inerentes aos mesmos. j) Os mortos serão colocados em áreas definidas pelo Delegado de Saúde, para o efeito. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 34

42 Pessoal envolvido o Os trabalhadores requisitados pertencentes aos quadros da Administração Pública serão remunerados pelos organismos a que pertencem. o Os trabalhadores de outras Entidades e Organismos previstos na PME são remunerados por essas mesmas Entidades e Organismos. o Os voluntários deverão, apresentar-se nos quarteis dos Bombeiros e nos locais de apoio da Cruz Vermelha Portuguesa, a fim de serem recenseados. Finanças o A aquisição de bens e serviços será feita nos termos legais por requisição da CMPC assim como a sua liquidação será efetuada pelo SMPC, de acordo com o estabelecido na Divisão de Contabilidade da Câmara Municipal de Alenquer. o As despesas realizadas em operações de proteção civil são da responsabilidade das Entidades e Organismos envolvidos. Eventuais comparticipações serão determinadas de acordo com o que vier a ser estabelecido superiormente. o Os subsídios e donativos, recebidos em numerário, com destino às Operações de Emergência, são canalizados para o SMPC que os enviará à Divisão de Contabilidade. o As despesas resultantes da ativação do PME, no que respeita ao apoio às populações em risco, serão suportadas pela Autarquia, a qual poderá, através da CMPC solicitar o apoio da conta especial de emergência administrada pela ANPC. o No caso de determinada área do Município ser declarada situação de calamidade, os auxílios serão concedidos de acordo com a legislação em vigor. o Os bombeiros voluntários não assalariados pelos corpos de Bombeiros, poderão ser ressarcidos de alimentação durante o período em que estejam a prestar serviço, assim como indemnizados relativamente aos salários não auferidos por parte das entidades patronais, até ao montante igual caso assim o entendam, nos termos da legislação em vigor. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 35

43 Logística Alimentação, Alojamento, Agasalhos e medicamentos o Alimentação e alojamento das Entidades e do pessoal dos Organismos intervenientes nas operações, estarão a cargo do SMPC. o Alimentação, abrigos provisórios e agasalhos das populações evacuadas, quando necessário, serão da responsabilidade do SMPC, através das verbas disponibilizadas superiormente para o efeito. o O grupo de Abastecimento e Armazém estabelecerá as normas de mobilização dos meios e recursos. o A célula de logística constituída pelas várias equipas, procederá à receção e distribuição dos referidos itens supra mencionados. Combustíveis e Lubrificantes o Podem ser adquiridos em locais designados pelo SMPC ou em entidades e organismos intervenientes no mercado local, através de guia de fornecimento a liquidar, posteriormente, se necessário, mediante coordenação e controle do SMPC, promovendo a sua liquidação no caso em que não possam ser liquidadas por outras Entidades ou por verbas especialmente consagradas para o efeito. o A equipa G Gestão Combustíveis da Célula de Logística, estabelecerá os procedimentos para o abastecimento dos mesmos. Manutenção e reparação de material o As despesas efetuadas na manutenção e reparação de material ficarão a cargo dos utentes. Em caso de surgir despesas extraordinárias estas serão liquidadas pelo SMPC, através de verbas destinadas para o efeito. Transportes o Na Célula de Logística, a Equipa H Gestão de Transportes requisita os meios necessários e estabelece as normas de mobilização. Material Sanitário o Material desta natureza será disponibilizado pelas entidades e organismos próprios intervenientes em acidentes graves ou catástrofes, podendo ainda ser constituídas nas instalações dos Centros de Saúde e das Forças de Socorro, postos de fornecimento de material sanitário através de requisições, devendo os pedidos dar entrada na CMPC. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 36

44 Serviços Técnicos o Serão estabelecidos programas de atuação dos serviços técnicos no âmbito da reabilitação dos serviços mínimos essenciais. 2. Logística Em caso de acidentes graves ou catástrofes que requeiram a ativação do PME, a célula de logística deve definir os meios que serão necessários para desencadear as tarefas mais prementes. Neste contexto encontram-se disponíveis os contactos e meios quer de entidades privadas, das Juntas de Freguesia ou do próprio município, mencionados no IV-III-1 e IV-III-2 Quadros 2.1.1, e Para a requisição de bens e serviços, usar-se-á um documento adequado para o efeito (Parte IV, secção III - Modelos de relatórios e requisições), o original para a Contabilidade, o duplicado para o fornecedor e um triplicado na célula de logística para que posteriormente se possa analisar os custos inerentes. Estrutura de coordenação da Célula Logística Equipa - H Gestão Meios Transportes Equipa - G Gestão combustíveis Equipa I Gestão Materiais operacionais (geradores, etc) Responsável pela Documentação (requisições e faturas) Célula Logística Equipa - C Distribuição bens alimentares população Equipa - B distribuição de bens Intervenientes no socorro Equipa - A Receção de bens alimentares Equipa - D Receção e distribuição medicamentos Equipa - F Distribuição de agasalhos e vestuário Equipa - E Receção de agasalhos e vestuário Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 37

45 Célula Logística Equipa A Receção de bens alimentares Tem por tarefa a receção de bens alimentares e organizá-los em termos de armazenagem. Equipa B Distribuição de bens intervenientes no socorro Distribuir os bens alimentares às equipas intervenientes nas operações de socorro. Equipa C Distribuição de bens alimentares às populações Tem como tarefa a distribuição de bens alimentares às populações evacuadas e que se encontram nas zonas de alojamento. Equipa D Receção e distribuição de medicamentos Recebe e distribui os medicamentos. Será uma equipa especializada, provavelmente da Cruz Vermelha Portuguesa em exercício no concelho, voluntários de enfermagem ou da área da saúde. Equipa E Receção de agasalhos e vestuário Recolhe e armazena de forma organizada os agasalhos e vestuários que forem doados por instituições como, Cruz Vermelha Portuguesa, Caritas, Misericórdias, exército e outras entidades. Equipa F Distribuição de agasalhos Labora em parceria com a equipa E, de forma a poder distribuir os agasalhos e vestuários às populações afetadas que se encontrem nas zonas de alojamento e/ou nas zonas de primeiros socorros. Equipa G Gestão de combustíveis Elabora em documento próprio a requisição de combustível (da secção III da Parte IV), e conduz os meios para a zona de abastecimento (instalações da CMA, situadas no Complexo do Barnabé). Equipa H Gestão de meios de transportes Deve contatar os meios necessários, nomeadamente os da Câmara Municipal, Juntas de Freguesia e das entidades particulares, para transporte de evacuados e ou outros meios que sejam solicitados pelo PC. (Anexo I Quadros) Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 38

46 Equipa I Gestão de materiais operacionais Requisita meios materiais operacionais, como geradores, bombas de extração de água, ou outros equipamentos que sejam solicitados pelo PCO. (Quadros e Parte IV, secção III). Responsável pela documentação Dr.ª Ana Isabel Brázia Departamento Administrativo e Financeiro Organiza o desempenho de outras duas pessoas que irão tratar de toda a burocracia do processo, no que respeita às requisições e receção de faturas, mesmo na fase de reabilitação. Findo o período de emergência e de reabilitação, estes documentos devem constituir um processo e ser entregues à Câmara Municipal de Alenquer bem como à ANPC, de modo a que se avaliem os custos e os encargos a ser suportados quer pela autarquia, quer pelo Estado Apoio logístico às forças de intervenção Estrutura de coordenação: Enquadrados nesta estrutura os agentes de proteção civil, serão coordenados pelo COM e seus adjuntos. Numa primeira fase serão conduzidos à ZCR e posteriormente enviados para os vários cenários segundo o acidente grave ou catástrofe. Fase de Emergência As forças de intervenção nomeadamente os agentes de proteção civil e outras entidades que venham a comparecer no TO, têm assegurado as questões de bens alimentares pela equipa de distribuição de bens aos intervenientes. (Quadro Parte IV, secção III) Quanto aos combustíveis, manutenção e reparação de equipamentos, transportes, material sanitário, material de mortuária e outros artigos essenciais à prossecução das missões de socorro, salvamento e assistência, a Câmara Municipal assume a responsabilidade dos custos, bem como o fornecimento dos bens que possua. Caso esta Autarquia não tenha capacidade para o fornecimento dos supra mencionados, recorrer-se-á aos meios privados. (Quadro Parte IV, secção III). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 39

47 Fase de Reabilitação È da responsabilidade da Câmara Municipal dar apoio logístico ao pessoal das redes e serviços técnicos essenciais, nomeadamente energia elétrica, gás, água, telefones e saneamento básico, de forma a que todos estes serviços fiquem restabelecidos o mais célere possível (Quadro Parte IV, secção III). Prioridades de ação: O PMA sendo a Zona prioritária para onde convergem os feridos, deve ser abastecida de medicamentos e material de socorro, sendo responsabilidade da equipa D. O pessoal do PMA, Bombeiros, Forças de Segurança e GNR receberão alimentação no horário compreendido entre 12h00-14h00 e das 19h00-21h00, providenciando-se reforçado às 3h00, 8h00 e 17h Apoio logístico às populações O presente Plano contempla os locais definidos para alojar temporariamente em caso de calamidade consoante as áreas afetadas por acidentes: Numa primeira fase, em matéria de alojamento são os quartéis dos bombeiros deste concelho sitos em Alenquer, Olhalvo, Abrigada, Merceana, os centros de acolhimento pelo fato de possuírem pavilhões de grandes dimensões equipados com WC s, duches e espaços de parqueamento para viaturas de resgate. Possui ainda SMPC a possibilidade de utilizar as instalações da Câmara Municipal de Alenquer, situadas no Complexo do Barnabé, por reunir condições de logística relacionadas com a receção de mercadorias. Os quartéis dos bombeiros, reúnem condições para a realização de reuniões de controlo dos residentes para efetuar despistes de eventuais desaparecidos. Adicionalmente no âmbito do acolhimento, dispõem ainda o SMPC as edificações afetas às coletividades do município, caraterizadas com a possibilidade de dormidas, alimentação e higiene pessoal, assim como pavilhões desportivos equipados com duches e Wc s, e alguns campos de futebol com a possibilidade de montagem de tendas e aterragem de meios aéreos. (Quadro Alojamentos). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 40

48 Na fase de emergência, o alojamento da população desalojada estará a cargo das forças militares e dos meios de socorro e salvamento, sendo da responsabilidade da Cruz Vermelha trabalhar em conjunto com as equipas A, B, C, D, F e E descritas na célula de logística. Na vertente de apoio médico sanitário estão definidos os contatos dos centros de saúde, médicos, enfermeiros e entidades privadas que poderão dar o seu contributo como meio de salvamento e prestação de primeiros socorros. (Quadro parte IV, secção III I) Estrutura de coordenação: Na célula de Logística, caraterizada pelas equipas A, B, C e D, recebem os bens para apoio às populações, e a equipa D e F promove a distribuição para as ZCAP. A distribuição destes, será efetuada pelos motoristas e os respetivos transportes serão assegurados pela Câmara ou mesmo pelas entidades que disponibilizem os bens. Em caso de interrupção do fornecimento de água, os autotanques dos bombeiros asseguram o seu abastecimento. Entidades intervenientes: O serviço de ação social da Câmara Municipal de Alenquer terá a função de coordenar os meios que são necessários na ZCAP. Particulares que disponibilizam bens alimentares, como supermercados, mercearias, talhos, padarias, etc. Prioridades de ação: Crianças e idosos, bem como os equipamentos onde estes dois grupos etários se inserem, nomeadamente infantários, escolas, lares e centros de dia, tendo a especial preocupação com a alimentação, roupas, agasalhos e medicamentos, bem como as condições sanitárias. Em matéria de logística deve-se providenciar não só a alimentação em que se privilegia a inclusão de leite e papas, assim como fraldas quer para crianças, quer para adultos e outros bens de primeira necessidade. No âmbito dos agasalhos, cobertores e colchões, devem ser supridos e enviados para a ZCAP. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 41

49 3. Comunicações Estrutura de coordenação: Em caso de acidente grave ou catástrofe, é da responsabilidade do adjunto de relações públicas nomeado pelo COM no PC, cabendo-lhe informar o Presidente da Câmara do decorrer da evolução da situação, e reunir com os órgãos de informação para que os comunicados possam ser emitidos. Entidades intervenientes: No processo de comunicações, a rádio local tem um papel determinante, porque através dos meios que dispõem, lhes é permitido informar a população em tempo útil e no local do sinistro. As Juntas de Freguesias, por intermédio dos seus Presidentes e utilizando viaturas com megafones, informaram a população das ocorrências A comunicação social ao nível Nacional, serão informadas dos vários comunicados emitidos pelo CDOS. Prioridades de Acão: Na eventualidade da ocorrência ser em período diurno, a prioridade é informar os responsáveis das entidades que albergam crianças e idosos, nomeadamente os agrupamentos de escolas, infantários e lares. Seguidamente informar toda a população, através de comunicados, dos locais para onde se devem dirigir para serem socorridos e alojados. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 42

50 O sistema de comunicações de instrução e de coordenação respeitam um circuito que está definido no plano de comunicações que se segue: Plano de comunicações: PC - canal nacional 1 CMA - canal municipal CMA - canal municipal 2 4 MA - meios aéreos - canal nacional M - canais de manobra M canais de manobra - carros bra - carros M - canais de manobra - carros M - canais de manobra - carros M - canais de manobra - carros M - canais de manobra - carros Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 43

51 Plano de frequências da Proteção Civil: Estação Repetidor Canal Frequência (MHz) TX RX CDOS Lisboa Montejunto Meios de comunicação - via Rádio do Município de Alenquer Entidade Número rádios Banda Alta Base Portátil Móveis CMA AHBV - Alenquer AHBV - Merceana Cruz Vermelha É competência do Comandante das operações de socorro estabelecer o plano de comunicações para cada TO. E de acordo com os carros de comando operacional que sejam disponibilizados pela ANPC e pelo CDOS. Assim, dependendo do tipo de sinistro e do local do mesmo, ter-se-á um plano de comunicação para cada situação e definir-se-á uma zona de sinistro, de apoio e de concentração e reserva. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 44

52 3.2 Meios de comunicação - VCOC Os carros VCOC são o veículo comando operacional de comunicações e podem prestar ajuda ao nosso concelho permitindo a criação de PC. Existem 3 VCOC: B.V. Torres Vedras, B.V. Mafra e o VCOC da ANPC, todos equipados com os meios de comunicação essenciais para um acidente grave ou catástrofe. O sistema de comunicações do PME utiliza os meios de comunicação das redes telefónicas, serviço de Fax e radiocomunicações do Sistema Nacional de Telecomunicações de Proteção Civil. Utilizar-se-á a rede fixa da Portugal Telecom, redes móveis da Vodafone, TMN ou Optimus bem como a rede rádio da SMPC, Corpo de Bombeiros e canais privados. As forças intervenientes utilizam os meios próprios de telecomunicações. 4. Gestão da Informação 4.1. Gestão de informação entre as entidades atuantes nas operações Em caso de acidente grave o esquema de informação a implementar é coordenado pelo Adjunto de comunicação, que deve proporcionar uma comunicação rápida e eficiente entre os agentes de proteção civil e o COM. Todos os intervenientes no TO na fase de emergência serão contatados pelos respetivos canais de comunicação (esquema das páginas anteriores) e/ou pelos contatos telefónicos. (Quadro de Contatos - Parte IV - secção III) Pontos de situação e perspetivas de evolução futura No TO e de acordo com o local e tipo de sinistro é montado um PC com um veículo de comunicações equipado para o efeito, sendo da sua competência acompanhar ao detalhe a ocorrência e perspetivar cenários futuros em face das condições e variáveis em análise. É também o PC que informa os agentes de Proteção Civil e que lhes dá diretrizes para onde se devem deslocar, segundo a evolução da situação. Para tal os comandos de todas as forças intervenientes devem estar no PC junto do COM e do Adjunto de comunicação. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 45

53 Deve-se informar os agentes de Proteção Civil atuantes dos seguintes pontos: a) Área afetada b) Estradas intransitáveis e alternativas c) Estimativa de número de pessoas afetadas d) Tipo de população afetada em termos etários, se existem lares, infantários e escolas ou equipamentos desportivos e/ou culturais e) Meteorologia: intensidade do vento e sua direção, temperatura e previsões para as próximas horas f) Quais os hospitais que vão receber os feridos g) Zonas de alojamento temporário de população desalojada ZCAP h) Zonas de colocação dos mortos i) Zonas de montagens de tendas para primeiros socorros - PMA j) Zonas de aterragem de meios aéreos k) ZCR - Zona de Concentração e Reserva l) ZA - Zona de Apoio Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 46

54 Instruções de coordenação Procedimentos Instruções de coordenação Destinatários Chamar CDOS Coordenar ação GNR Coordenar ação GNR/GIPS Coordenação ação do INEM Coordenação ação Cruz Vermelha Portuguesa Coordenação da ZCR Coordenação ação membros SMPC COM Alenquer chama CDOS Informa coordenadas Posto Comando e ZCR Solicita VPCC Interdita área de sinistro Coloca meios no TO Interdita a via Protege a área de intervenção Baliza Posto de Comando Baliza PMA Condiciona vias de acesso à ZS apenas a meios de socorro. Coloca equipa binómio deteção no TO Intervém no TO Apresenta comando no PC Monta PMA em Coloca uma equipa em cada TO Reporta feridos ao PC Apresenta comando no PC Monta PMA em Reporta feridos ao INEM e PC Todos os comandantes dos meios exteriores apresentam-se no PC Informa meios que tem Envia (veículo ) para TO Conduz esta equipa ao TO. Aponta todas as comunicações do COM Verifica se a logística já enviou alimentação Distribui ração de combate pelos agentes, nos TO e nas ZI CDOS GNR GNR/GIPS INEM Cruz Vermelha Portuguesa ZCR Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 47

55 Entidades intervenientes: A gestão de toda esta informação é feita com a coordenação do adjunto de comunicação e com a colaboração de um membro do SMPC, que poderão fazer o elo de ligação entre o PC (adjunto de comunicação) e as entidades exteriores intervenientes, nomeadamente as rádios e jornais, bem como com entidades privadas que precisem ser contatadas Dados ambientais e sociais Em termos ambientais existem fatores que podem ser decisivos para o ponto de situação e para perspetivas de evolução futura. As entidades atuantes nas operações devem ter acesso a informação relativa: o o o o Estado do tempo meteorologia (http://www.meteo.pt/pt) Estado e direção do vento Medidas dos caudais dos rios através do sistema de medição do SNIRH O estado das marés Socialmente as entidades atuantes nas operações devem ser informadas de quais os grupos etários que se encontram nas zonas atingidas pelo acidente grave ou catástrofe. o o o o o Equipamentos sociais com idosos Equipamentos escolares/creches com crianças Equipamentos desportivos (pavilhões, piscinas, campos desportivos ou outros) Equipamentos culturais (cinema, teatro, etc ) Se existem pessoas com dificuldades de locomoção Outras informações Poderão surgir informações de outra abrangência que sejam importantes e relevantes para as entidades atuantes, tais como o o Saber se os concelhos limítrofes também estão a ser atingidos Quais as outras entidades congéneres que estão no terreno das operações Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 48

56 4.2. Gestão da informação às entidades intervenientes do Plano, nomeadamente entidades de apoio Na fase de reabilitação após a fase de emergência, outras entidades entram em ação no TO, tais como a Cruz Vermelha Portuguesa, Forças Armadas, EDP, REN, operadores de Tele comunicações, abastecimento de águas, EP- Estradas de Portugal e outras que se julguem pertinentes, em dar o seu contributo para o restabelecimento das condições mínimas a recuperar estando estas em contato constante com o PC. Por esta razão estas entidades devem ser informadas pelo PC, acerca de algumas questões que podem ser vitais na sua atuação: Ponto de situação de acordo com o incidente que tenha ocorrido, se existe área de restrição Zona definida para realojamento ZCAP Zona definida para primeiros socorros - PMA Quais as entidades que fornecem bens alimentares (Quadro Parte IV, secção III) Zona definida para recolha de alimentos e agasalhos Locais de abastecimento de água (Quadro Parte IV, secção III) Estradas intransitáveis para limpar os destroços Estradas a reconstruir pela sua importância Áreas habitacionais sem abastecimento de água Restabelecer a Luz - EDP Restabelecer o saneamento Restabelecer comunicações telefónicas Instruções de coordenação: Procedimentos Instruções de coordenação Destinatários Coordenar Segurança Social Coordenar Abastecimento de água Coordenar ação entre EDP e REN Informar superiormente o n.º de desalojados Intervir na ZCAP Verificar a existência de roturas na área de sinistro Verificar as áreas afetadas com interrupção de energia São:. Segurança Social ADA-Águas de Alenquer, EPAL e/ou Águas do Oeste EDP e REN Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 49

57 4.3. Informação Pública Nesta vertente a população deverá ser informada de imediato em caso de acidente grave ou catástrofe, e consoante o tipo de acidente, de modo a que possa agir em conformidade com as diretrizes delineadas pelas autoridades, bem como conhecerem as medidas mais eficazes de autoproteção convenientes em face do cenário detetado. Inicialmente a informação deverá ser facultada de meia em meia hora, de modo a evitar o caos, sendo que gradualmente e em face do posicionamento dos meios enquadrados na fase de emergência será facultada informação hora a hora no início dos noticiários Informação periódica aos órgãos de comunicação social 1ª FASE É a Célula de Comunicação que coordena toda a informação, em qualquer tipologia de acidente veiculando a mesma através da rádio local, rádios nacionais e TV, caraterizando os mesmos relativamente aos seguintes fatores: Tipo de acidente Grau de gravidade Intensidade Quais as zonas abrangidas Pedir às populações para não entrarem em pânico e tranquilizandoas informando que com a celeridade possível será dada toda a informação pertinente de acordo com o desenrolar dos vários cenários 2ª FASE Os órgãos de informação deverão ser informados pelo PC relativamente às seguintes indicações: Ponto de situação Perspetivas a considerar nomeadamente quanto a possíveis réplicas, indicadores da probabilidade do índice caudal, coordenadas dos ventos, etc. Indicações específicas à população relativamente ao seu comportamento: o Zonas definidas para realojamento temporário o Zonas a evacuar o Zonas definidas para prestar primeiros socorros em feridos ligeiros o Estradas intransitáveis e suas alternativas o Medidas de autoproteção que devem seguir Esta informação deverá continuamente atualizada em face do surgimento de novos dados, de forma que a população possa sensibilizada para as indicações que gradualmente forem fornecidas. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 50

58 3ª FASE Na Fase de reabilitação são os órgãos de comunicação social que divulgarão procedimentos adequados ao cenário constatável: o Zonas de abastecimento de bens alimentares o Zonas de abastecimento de água o Zonas de apoio da Cruz Vermelha Portuguesa o Locais de logística onde podem procurar familiares referenciados, assim como consulta de listas. o Estradas recuperadas e transitáveis Avisos e informação pública via sonora Os avisos sonoros devem ser emitidos por carros munidos de megafones das Forças Armadas, Bombeiros e GNR. Em caso de Acidentes industriais o Medidas de autoproteção o Cumprimento de regras de segurança interna o Não saírem para a via pública e encerrarem janelas e portas o Em caso de sintomas nomeadamente, vómitos, irritação ocular ou dificuldade respiratória, ligar para a emergência médica n.º 112 o Ligarem os rádios e ouvirem as indicações das autoridades o Manterem-se calmas e serenas Em caso de Sismo o Desligar a eletricidade e gás o Afastar das janelas, móveis, colocando-se debaixo de mesas ou vãos de portas o Munirem-se do Kit emergência (lanterna, rádio com pilhas, alguns cereais, água, velas e isqueiro) e dirijam-se a um abrigo o Indicação de zonas de abrigo ou acolhimento, com indicações dos mesmos mantendo a calma possível o Afastamento de prédios altos o Zonas de realojamento o Zonas de prestação de primeiros socorros o Zonas de abastecimento Em caso de Incêndio o Desligar a eletricidade e gás o Fechar janelas e portas o Evacuação da área e locais de refugio o Estradas intransitáveis e respetivas alternativas Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 51

59 Sinais de aviso na fase de emergência Frequência da Cooperativa Antena Rádio Local Voz de Alenquer emite os comunicados difundidos pelo CCO, os alertas e apelos que a célula de comunicação mande divulgar. Na fase de emergência os avisos à população serão feitos através dos meios de comunicação social, tal como definido anteriormente. 5. Procedimentos de evacuação Face a um acidente grave ou catástrofe o COM, uma vez identificada a área do sinistro deve reunir com os agentes de proteção civil responsáveis pela segurança e ordem, coordenando os procedimentos a serem realizados. Em geral, a evacuação é proposta pelo COM e validada pela autoridade política de Proteção Civil. A tarefa de orientação, evacuação e a movimentação das populações, quer seja de áreas, de localidades ou de edificações, deve ser da responsabilidade das forças de segurança. A evacuação será feita para as ZCAP, que são as Zonas de Concentração e Apoio à População, que segundo o risco e cada cenário, têm posições diversas. Assim, temos: Em caso de Risco Sísmico, como os estudos apontam para a probabilidade de uma maior área afetada nas seguintes freguesias: União das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana) e União das freguesias de Carregado e Cadafais, prevê-se que a evacuação será feita para a ZCAP situada no Centro de Formação Militar Técnico da Força Aérea da Ota. Declarado o cenário de Cheias temos o seguinte quadro com as ZCAP s, em função da área afetada: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 52

60 Mapa de Localidades que poderão ser afetadas pelas zonas inundáveis Freguesia Localidades ZCAP União das Freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres Eiras Estribeiros S.F.U.P.A. - Abrigada Centro Mariápolis da Cidadela Arco-Irís em Abrigada Quartel dos Bombeiros 3.ª seção - Abrigada Sport Clube do Estribeiro Etc União das Freguesias de Aldeia Galega Merceana e Aldeia Gavinha Merceana Arneiro Barbas Aldeia Galega Montegil Aldeia Gavinha Quartel dos Bombeiros Voluntários da Merceana Centro Cultural Recreativo da Coletividade do Paiol Centro Recreativo da Coletividade de Montegil Etc Freguesia de Meca Freguesia de Olhalvo Bogarréus Casais da Ribeira Casais da Ramalheira Estalagem Espiçandeira Olhalvo Cruzeiro Pousa Instalações da Junta de Freguesia de Meca Sociedade Filarmónica Olhalvense Centro Cultural e Desportivo de Penafirme da Mata Quartel dos Bombeiros 2.ª seção Olhalvo Etc Freguesia de Ota Ota Paços Instalações da Junta de Freguesia de Ota Centro Social Recreativo e Desportivo da Ota Futebol Clube da Ota CFMTFA em Ota União das Freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana) Alenquer Camarnal Quartel dos Bombeiros Voluntário de Alenquer Sporting Club de Alenquer Sport Alenquer e Benfica Sociedade Recreativa do Camarnal S.U.M.A. Etc União das Freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana Mato Espinçadeira Azenha das Machadas Ribafria Instalações da Junta de Freguesia em Ribafria e delegação em Pereiro de Palhacana Sociedade Recreativa e Desportiva de Palaios Grupo Recreativo e Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 53

61 Cultural de Ribafria Etc Freguesia de Ventosa Cortegana Freixial de Cima Centro Social Paroquial de Nossa Senhora das Virtudes U.R.D.A. Penafirme da Ventosa União Desportiva e Recreativa da Atalaía Associação Recreativa Freixial de Cima Relativamente a outras tipologias de riscos suscetíveis de afetar o concelho de Alenquer, as ZCAP s estão disponíveis em quaisquer das zonas supra referenciadas, tendo em conta a sua utilidade em relação à zona de ocorrência afetada. A evacuação das populações será efetuada para locais de concentração das ZCAP s, definidos nos vários cenários. O regresso das populações às áreas anteriormente evacuadas deve ser controlado pelos agentes da GNR, tendo em vista a manutenção das condições de tráfego. (Parte IV deste Plano de Emergência) Os agentes envolvidos nas operações de evacuação têm as seguintes funções: o GNR competências: Abertura de corredores de circulação de emergência Controlo de acesso às áreas afetadas Controlo do tráfego através de circuitos alternativos às vias intransitáveis Controlo do tráfego rodoviário em redor do TO de modo a que a circulação das populações não interfira com a mobilidade das forças de intervenção. o Forças Armadas Competências: Coordenar a movimentação das pessoas criando barreiras de encaminhamento de tráfego e pontos de controlo. Dar indicações às pessoas dos locais de refugio providenciados a titulo provisório Encaminhar os feridos para as áreas de primeiros socorros Orientar as pessoas em estado apático ou em choque Encaminhar pessoas para as zonas de concentração local previamente definidas Orientar o trânsito mantendo a ordem Na fase da reabilitação proteger os bens nas zonas do sinistro, nomeadamente as casas, os comércios, as indústrias e outros. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 54

62 6. Manutenção da ordem pública Tendo em vista a manutenção da ordem pública a GNR que mantém a segurança para além de controlarem os processos de evacuação têm a responsabilidade de: o o o o Limitar o acesso às zonas de sinistro e de apoio, de modo a que as forças de intervenção possam atuar sem constrangimentos. Devendo criar barreiras e outros meios de controlo. Se for decretado o recolher obrigatório compete à GNR e às forças militares fazer o patrulhamento nas zonas evacuadas, com vista a impedir roubos e pilhagens, incluindo a possibilidade de detenção de todos os indivíduos aí encontrados. As zonas de apoio, nomeadamente as zonas de realojamento, zonas de abastecimento e zonas de apoio devem ser controladas pelas forças de segurança. Para a segurança dos estabelecimentos industriais e comerciais deve recorrer-se a empresas de segurança privadas, cujos vigilantes devem apresentar-se uniformizados e que serão da responsabilidade dos empresários. 7. Serviços médicos e transporte de vítimas Face a um acidente que provoque um elevado número de vítimas as atividades de saúde e evacuação secundária ficam à responsabilidade do INEM segundo as suas atribuições. No entanto, as primeiras equipas a prestar socorro tem a tarefa de evacuação primária para os postos de triagem que forem estabelecidos. Compete ao COS identificar e informar o COM relativamente à quantidade previsível de meios complementares necessários para triagem, assistência hospitalar e evacuação secundária das vítimas. A direção do plano tem a competência de identificar ao meios a solicitar e coordenar com o INEM o estabelecimento da ligação aos hospitais de evacuação. Hospitais de Evacuação e Tratamento o Serão utilizadas as estruturas hospitalares públicas e privadas disponíveis, reforçadas com hospitais de campanha montados pelo INEM e CVP. Postos de Triagem e de Socorros o Serão montados Postos de Triagem e de Socorros em estruturas fixas ou temporais, pelos Centros de Saúde, pelos Bombeiros, INEM e CVP. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 55

63 Cabe ao INEM coordenar: o o o o o o o A triagem dos feridos em tendas grandes montadas para o efeito, consoante o local da ocorrência, PMA. Serão locais amplos com espaço para a movimentação de ambulâncias. Por exemplo, em Alenquer o parque de estacionamento da estação rodoviária. Na Merceana o campo da feira. Na Ota seria na Base da Ota. Em Abrigada preferencialmente no parque da EBI de Abrigada. Avisar os hospitais de Vila Franca de Xira, de Torres Vedras, Santarém e Leiria do número de vítimas que vão ter que socorrer, de modo a poderem distribuir as vítimas pelos vários hospitais. Prestar a assistência pré-hospitalar aos P1, P2 e P3 (feridos muito graves, graves e ligeiros, respetivamente). O encaminhamento dos feridos graves P1 e P2 para os hospitais de Vila Franca de Xira, de Torres Vedras, ou ainda de Santarém e Leiria. O encaminhamento dos feridos ligeiros P3 para a zona de dos feridos ligeiros com vista a receberem os primeiros socorros e cuidados. A orientação de médicos e enfermeiros voluntários que possam acorrer ou serem chamados (ver quadro de meios de socorro Anexo I Quadro 2.1.8). A recolha e distribuição de materiais e equipamentos médicos de primeiros socorros, fica a cargo da Cruz Vermelha que os deve entregar na zona de triagem e na zona de primeiros socorros. É responsabilidade da Autoridade Concelhia de Saúde o Direção das ações de controlo ambiental, de doenças e da qualidade dos bens essenciais 8. Socorro e salvamento As operações de salvamento e socorro estão a cargo dos bombeiros e das equipas do INEM, podendo ser solicitados os serviços da Cruz Vermelha do Carregado. Esta coordenação é responsabilidade do COM. Face a um acidente grave ou catástrofe cabe às forças mais próximas do local da ocorrência ou que apresentem missão especifica mais adequada. De acordo com a legislação, o chefe da primeira equipa de intervenção assume a função de comandante das operações de socorro. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 56

64 Consoante o tipo de acidente as equipas de salvamento e socorro para além de procederem às ações de busca e salvamento, podem ainda incluir a extinção de incêndios, o escoramento de estruturas, o resgate ou desencarceramento de pessoas, a contenção de fugas e derrames de produtos perigosos entre outras necessidades. Assim o comandante de operações deve dividir as equipas de intervenção em grupos de ação de acordo com o acidente em questão. Em caso de Acidente industrial Equipa de intervenção junto do acidente deve ajudar no controlo da situação no interior das instalações onde se deu o acidente. Equipa para intervir no exterior tomando as medidas necessárias ao condicionamento do acidente. Equipa para prestar socorro às pessoas envolvidas no acidente Equipa para prestar socorro às populações atingidas na zona do acidente. Em caso de Sismo Equipas de salvamento e socorro na área do sinistro Equipa de extinção de incêndios que possam ocorrer Equipa de escoramento de estruturas Equipa de resgate Equipa de desencarceramento de pessoas Equipa de contenção de fugas e derrames de produtos perigosos. Equipa de deteção de seres vivos Em caso de Incêndio florestal Equipas de combate ao incêndio Equipa de socorro a populações Equipa de evacuação da população Equipa de prevenção e segurança. Em caso de Cheia Equipas com motobombas o (dos BVA, BVM ou das Águas de Alenquer, veja-se quadro Máquinas de aspiração de água, no Inventário de Meios e Recursos) Equipa de socorro a populações Equipa de evacuação da população Equipa de prevenção e segurança. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 57

65 Quando o COM decide que está terminada a fase de emergência, inicia-se a fase de reabilitação. Nesta fase devem-se desmobilizar os meios de salvamento e socorro, entrando em Acão os meios que têm funções no âmbito da reabilitação. De notar que sempre que exista transferência de comando deverá ocorrer um briefing para o próximo Comandante e uma notificação a todo o pessoal informando que uma mudança de comando está a acontecer. 9. Serviços mortuários O adjunto de segurança deve ativar os serviços mortuários e coordenar a instalação provisória dos mortos. Em caso de elevado número de vítimas, a recolha e o depósito de cadáveres são tarefas muito sensíveis que devem estar sujeitas a rigorosos procedimentos, devido aos aspetos que se relacionam com a investigação forense, caso haja necessidade de a realizar. Neste caso deverá ser ativada a GNR, que em caso de necessidade chamará a polícia judiciária. É competência do Delegado de Saúde definir o local mais indicado para a reunião de vítimas mortais e de morgues provisórias. Locais de reunião de mortos e morgues o Serão estabelecidos locais de reunião de mortos e morgues com base em estruturas fixas e temporárias das Casas Mortuárias (de acordo com o limite suportado por cada uma delas). O espaço escolhido deve ter algumas características, nomeadamente: As instalações devem ser planas e fáceis de limpar e com câmaras de frio Com boa drenagem Boa ventilação natural Água corrente Energia elétrica Deve-se ter atenção às acessibilidades, às comunicações e às facilidades de segurança. Normalmente escolhem-se hangares, terminais de camionagem, parques de estacionamento cobertos, armazéns e edifícios similares. Depende do local do incidente e da área afetada a escolha deste espaço. O Instituto de medicina legal trata da identificação dos mortos e da sua entrega para serem sepultados. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 58

66 Os locais mais apropriados para a recolha de mortos são as casas mortuárias e pavilhões, tipo as instalações da Romeira, em Alenquer. 10. Protocolos Algumas instituições, nomeadamente a CFMTFA e a IPSS-Mariápolis disponibilizaram o seu apoio logístico, (caso seja ativado o Plano Municipal de Emergência) razão pela qual, não sentimos necessidade de estabelecer protocolos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 59

67 iv.informação complementar

68 PARTE IV Informação complementar SEÇÃO I 1. Organização Geral da Proteção Civil em Portugal A Proteção Civil é a atividade desenvolvida pelo Estado, Regiões Autónomas e Autarquias Locais, pelos cidadãos e por todas as entidades públicas e privadas, e tem por finalidade a prevenção de riscos coletivos inerentes a situações de acidentes graves ou catástrofes, e de atenuar os seus efeitos, proteger e socorrer as pessoas e bens em perigo em caso de calamidades. Objetivos: Prevenir riscos coletivos e ocorrência de acidentes graves ou de catástrofes deles resultantes; Atenuar os riscos coletivos e limitar os seus efeitos; Socorrer e assistir as pessoas e outros seres vivos em perigo; Proteger bens e valores culturais, ambientais e de elevado interesse público; Apoiar a reposição da normalidade da vida das pessoas em áreas afetadas por acidentes graves ou catástrofe. Domínios de Atuação: Previsão, levantamento, avaliação e prevenção dos riscos coletivos; Análise permanente das vulnerabilidades perante situações de risco; Informação e formação das populações, visando a sua sensibilização em matéria de auto proteção e colaboração com as autoridades; Planeamento de soluções de emergência, visando a busca, salvamento e a prestação do socorro e de assistência, bem como a evacuação, alojamento e abastecimento das populações; Inventariação dos recursos e meios disponíveis e dos mais facilmente mobilizáveis, a nível local, regional e nacional; Estudo e divulgação de formas adequadas de proteção de edifícios, monumentos e outros bens culturais, infra estruturas, património arquivístico, instalações de serviços essenciais, bem como do ambiente e recursos naturais; Previsão e planeamento de ações atinentes à eventualidade de isolamento de áreas afetadas por riscos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 60

69 Com a entrada em vigor da Lei n.º 27/2006, de 3 de julho, que aprovou a Lei de Bases de Proteção Civil, foi redefinido o sistema de proteção civil, assumindo a ANPC um papel fundamental no âmbito do planeamento, coordenação e execução da política de proteção civil. Com do Decreto-Lei n.º 134/2006, de 25 de julho, iniciou-se a implementação do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS), passo nuclear reformador das funções de socorro, definindo-se a organização operacional suportada na caraterização do território nacional e nas caraterísticas estruturantes dos agentes de proteção civil. ANPC integra três direções nacionais: Áreas de recursos de proteção civil; Planeamento de emergência e bombeiros; Estrutura de comando do SIOPS Estrutura da Proteção Civil Está organizada a nível municipal da seguinte forma: Serviço Municipal de Proteção Civil O SMPC de Alenquer funciona nas instalações da Câmara Municipal, situadas no Complexo do Barnabé, e é constituído por três elementos, o COM, 2 Técnicos Administrativos / Operacionais e um técnico do (GTF). Tem como objetivos: Assegurar o funcionamento de todos os organismos municipais de Proteção Civil, bem como centralizar, tratar e divulgar toda a Informação recebida; Elaborar, Rever e Atualizar o PME; Realizar simulacros e exercícios que permitam testar quer o Plano, quer a comunicação e articulação dos agentes e demais entidades e organismos envolvidos em prováveis acidentes; Inventariar e atualizar permanentemente os registos dos meios e dos recursos existentes no concelho, com interesse para o SMPC; Planear o apoio logístico a prestar às vítimas e às forças de socorro e situação de emergência; Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 61

70 Levantar, organizar e gerir os centros de alojamento a acionar em situação de emergência; Manter a informação atualizada sobre acidentes graves ou catástrofes ocorridas no concelho, bem como, relativamente às condições de ocorrência dos mesmos, e ainda as medidas adotadas para fazer face às respetivas consequências e conclusões sobre o êxito ou insucesso das ações empreendidas em cada caso. COM (Comandante Operacional Municipal) Missão, tarefas e responsabilidades: Acompanhar permanentemente as operações de socorro que ocorram na área do concelho; Promover a elaboração dos Planos prévios de intervenção com vista à articulação de meios face a cenários previsíveis; Promover reuniões periódicas de trabalho sobre matérias de âmbito exclusivamente operacional, com os comandantes dos corpos de bombeiros; Dar parecer sobre o material mais adequado à intervenção operacional; Comparecer no local do sinistro sempre que as circunstâncias o aconselhem; Assumir a coordenação das operações de socorro de âmbito municipal, nas situações previstas no PME, bem como quando a dimensão do sinistro requeira o emprego de meios de mais de um corpo de bombeiros. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 62

71 Comissão Municipal de Proteção Civil A Comissão Municipal de Proteção Civil de Alenquer foi instituída a 26 de junho de 2008, de harmonia com a Lei n.º 65/2007, de 12 de novembro. Em caso de acidentes graves ou catástrofes, e em necessidade de ativação do Plano, a CMPC reunirá numa forma mais reduzida, nomeadamente sob a direção do Presidente da Câmara, o COM, os Bombeiros e a GNR de modo a permitir uma ação mais célere e eficaz, sendo todos os outros delegados ativados de acordo com a tipologia de acidente e sua gravidade. Agentes de Proteção Civil No exercício da execução das suas atribuições: a) Associações humanitárias de bombeiros voluntários: Alenquer, seções de Olhalvo, Abrigada e Merceana b) Forças de segurança - GNR c) CFMTFA d) INEM e demais serviços de saúde A Cruz Vermelha Portuguesa, na sua delegação do Carregado exerce, em cooperação com os demais agentes e de harmonia com seu estatuto próprio, funções de proteção civil nos domínios da intervenção, apoio, socorro e assistência sanitária e social. Ainda as seguintes instituições têm especial dever de cooperação com os agentes de proteção civil acima mencionados: a) Instituições de segurança social b) Instituições com fins de socorro e de solidariedade c) Organismo responsável pela floresta, conservação da natureza, indústria e energia, transportes, comunicações, recursos hídricos e ambiente Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 63

72 1.2. Estrutura das Operações De harmonia com a Lei n.º 65/2007 conjugado com o Decreto-Lei n.º 134/2006, a Estrutura das Operações obedece a um esquema com três níveis: Nível Nacional, Distrital e Municipal. CNOS CCON Nível Nacional CDOS Nível Distrital CCOD CMPC Ativa o Plano de Emergência Presidente, COM, Bombeiros, GNR Nível Municipal COM (SMPC) Agentes de Proteção Civil Outras entidades de apoio A.H.B.V. Alenquer A.H.B.V. Merceana CFMTFA GNR Um sistema de gestão de operações tem 4 princípios: Unidade de comando Obrigatoriedade da função de COS Manutenção da capacidade de controlo Manutenção das comunicações Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 64

73 Estrutura hierárquica do SGO (Sistema de Gestão de Operações) COS O Oper ações Adjuntos do Comandante OS Comandante Operações de Socorro Comandante da célula do PCO (Posto Comando Operacional) Comandantes dos Setores (responsáveis por uma área geográfica do TO) Chefes dos Grupos de Combate (responsáveis por um grupo de veículos ou de equipas, com funções comuns caráter funcional) Chefe veículo ou Chefe Equipa (responsável por um meio técnico de socorro do tipo VCI, VTT, etc. e respetiva equipa) Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 65

74 A. Objetivos: Face a um acidente grave, o primeiro comandante ao chegar ao local do sinistro assume o comando das operações delineando um Plano Estratégico de Ação que é a base do desenvolvimento da organização no TO, onde se determina a localização dos meios e se estabelece os objetivos táticos. A.1 - Configuração do SGO Níveis de Atuação Nível Estratégico É da responsabilidade do Comandante das Operações de Socorro; Determina a estratégia apropriada; Estabelece os objetivos estratégicos da operação; Define as prioridades; Fixa os objetivos específicos para o nível tático; Distribui os meios adicionais; Prevê os resultados. Desenvolve o Plano Estratégico de Ação (PEA) O PEA é a base do desenvolvimento da organização no TO, que determina a localização dos meios, e estabelece os objetivos táticos. Nível Tático Dirige as atividades operacionais tendo em conta objetivos táticos específicos, que deverão corresponder à estratégia definida no PEA. Graduados responsáveis pelo nível Tático: o Comandantes de setor o Chefes de Grupo de Combate, que coordenam os agrupamentos de meios disponíveis. Nível Manobra Corresponde às tarefas que são realizadas pelos veículos de combate ou por equipas específicas Responsáveis pelo nível de Manobra: o Chefes de veículo ou de Equipa, os resultados alcançados deverão corresponder aos objetivos táticos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 66

75 2. Mecanismos da Estrutura da Proteção Civil A Lei n.º 65/2007 de 12 de novembro define o enquadramento legal institucional e operacional da proteção civil, a organização dos serviços municipais de proteção civil e determina as competências do COM. A CMPC aprova o PME, acompanha a sua elaboração e aprova o seu conteúdo. Para além destas funções tem outras competências que a seguir se inúmera: 2.1. Composição, convocação e competências: A CMPC é o órgão de coordenação em matéria de proteção civil no município. Esta Comissão tem a composição que se descreve a seguir, mas em caso de acidente grave ou catástrofe, ficou definido que para a ativação do PME basta que o Sr. Presidente da Câmara ou o seu substituto reúna com o COM, com o representante dos Bombeiros e da GNR, solicitar-se-á a presença de outros membros tendo em conta a tipologia da ocorrência em análise. Está Comissão reunir-se-á nas instalações do SMPC, situadas nas instalações do Complexo do Barnabé, considerando o espaço favorável, bem como à facilidade de estacionamento e comunicações, serão estes contatados via telefone. (Quadro de contatos da CMPC - parte IV - secção III). Na eventualidade das referidas instalações ficarem inoperantes, decidiu esta Comissão que se reunirá nas instalações dos Bombeiros, 3.ª Seção em Abrigada., considerando que este quartel se localiza a norte do concelho e reúne todas as condições necessárias para o desenvolvimento dos trabalhos necessários. No caso do acidente grave ou catástrofe ser um sismo, e de acordo com estudos realizados, considera-se a probabilidade de ser a zona menos afetada do concelho em contraste com a união das freguesias de Carregado e Cadafais e União das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana), consideradas as zonas mais afetadas. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 67

76 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 68

77 A Comissão Municipal de Proteção Civil é presidida pelo Presidente da Câmara Municipal de Alenquer. Competências a) Colaborar na elaboração de Planos de Emergência; b) Apreciar os Planos de âmbito Municipal; c) Proceder ao reconhecimento dos critérios e normas técnicas sobre a organização do inventário de recursos e meios públicos e privados, mobilizáveis ao nível local, em caso de acidentes graves ou catástrofes; d) Definir as prioridades e objetivos a estabelecer com vista ao escalonamento de esforços dos organismos e estruturas com responsabilidades no domínio da proteção civil, relativamente à sua preparação e participação em tarefas comuns de proteção civil; e) Aprovar e acompanhar as iniciativas públicas tendentes à divulgação das finalidades da proteção civil e à sensibilização dos cidadãos para a auto proteção e para a colaboração a prestar aos organismos e agentes que exercem aquela atividade. f) Apreciar e aprovar as formas de cooperação externa que os organismos e estruturas do sistema de proteção civil desenvolvem nos domínios das suas atribuições e competências específicas Critérios e âmbito para declarar situações de alerta A situação de alerta pode ser declarada quando, face à ocorrência ou iminência de ocorrência de algum ou alguns dos acontecimentos onde seja reconhecida a necessidade de adotar medidas preventivas e ou medidas especiais de reação. A declaração de Situação de Alerta deve mencionar: a) A natureza do acontecimento que originou a situação declarada. b) O âmbito temporal e territorial c) A estrutura de coordenação e controlo dos meios e recursos a disponibilizar. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 69

78 A declaração de Situação de Alerta obriga: a) A obrigatoriedade da convocação da CMPC; b) Ao estabelecimento de procedimentos adequados à coordenação técnica e operacional dos serviços e agentes de proteção civil, bem como dos recursos a utilizar; c) Ao estabelecimento das orientações relativas aos procedimentos de coordenação da intervenção das forças e serviços de segurança; d) À adoção de medidas preventivas adequadas à ocorrência; e) Colaboração dos meios de comunicação social, em particular das rádios e das televisões, com a estrutura de coordenação, visando a divulgação das informações relevantes relativas à situação. No que respeita aos riscos previstos para o este Concelho, a situação de Alerta deverá estar subjacente à constatação de serem considerados acidentes graves ou catástrofes, de acordo com a matriz de risco para o concelho de Alenquer, podemos referir que se declara a situação de Alerta quando constatado que sejam as seguintes características: Incêndio Florestal - A situação de Alerta pode ser considerada se o índice de risco de incêndio for máximo (indicação facultada do Instituto de Meteorologia), caso as condições atmosféricas indiquem que o incêndio em deflagração, pode colocar em risco as populações, habitações ou ainda se houver possibilidade de atingir alvos potencialmente perigosos e/ou explosivos. Cheias - Pode ser declarada a situação de Alerta (indicação facultada através das estações do Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos do INAG), ou ainda perante a possibilidade de com alguma antecedência prever-se inundações. No entanto, as cheias provocadas por um período de chuva intensa, podem levar a uma situação de Alerta no caso de haver populações em risco. Sismos A situação de Alerta em caso de sismo será definido em função da área afetada e dos danos que se verifiquem, segundo a intensidade do abalo (informação facultada pelo Instituto de Meteorologia) sendo posteriormente comunicado pelo CDOS. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 70

79 2.3. Sistema de monitorização, alerta e aviso. Sistemas de monitorização Existem vários tipos de sistemas de monitorização consoante os riscos. Em caso de incêndios florestais o sistema de Avisos Meteorológicos do Instituto de Meteorologia, avisando de ventos adversos ou de outros parâmetros suscetíveis de influenciar o combate do incêndio, bem como os parâmetros relativos à humidade relativa do ar e temperatura. No concelho de Alenquer existem estações meteorológicas nos seguintes locais: Alenquer, Penedos de Alenquer e em Vila Chã. No caso de cheias dispomos do Sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos do Instituto da Água, que no concelho de Alenquer tem estações de monitorização dispersas instaladas na ponte e ainda ao longo do curso do rio de Alenquer (Barnabé e Stª Catarina), em Penedos de Alenquer, no rio Grande da Pipa (ponte da Couraça) bem como no rio da Ota. No caso de acidente tecnológico o Sistema de Vigilância de Emergências Radiológicas da Agência Portuguesa do Ambiente pode fornecer os elementos necessários. No caso de sismo, o Instituto de Meteorologia no capítulo da sismologia dará todas as indicações necessárias em relação a sismos que vão ocorrendo e as respetivas intensidades, bem como a possibilidade de virem a ocorrer outros nas próximas horas. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 71

80 Sistemas de Alerta e Aviso De acordo com a extensão da zona afetada assim se adaptará um dispositivo de aviso. Em caso de acidente noturno, as populações mais isoladas ou mais distantes deverão ser alertadas por via megafone (da responsabilidade da GNR) Existe também a possibilidade de recorrer à Cooperativa Antena Rádio Local Voz de Alenquer (que dispõe de um gerador fixo e outro num carro móvel), quer seja de dia ou de noite, através de comunicados de alerta e de instruções à população, nomeadamente: o Locais de refugio o Procedimentos o Quais os possíveis bens a salvar o Quais as vias utilizáveis para as Zonas de Apoio o Quais os meios de transporte utilizáveis Os diferentes canais de TV devem ser informados da declaração de alerta e receber as instruções de como o devem propagar. Estas funções são do PC, mais propriamente a Célula de Comunicação. Deve-se avisar os delegados da CMPC, bem como os Presidentes das Juntas de Freguesia via telefone (Quadro - Lista de Contatos), caso não haja contato via telefone, serão convocados por intermedio da radio local, para que possam dar o alerta às pessoas que se tem conhecimento que não ouvem rádio, nem vêm TV, por qualquer tipo de dificuldade. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 72

81 SEÇÂO II 1. Caraterização Geral 1.1. Inserção Regional do Concelho de Alenquer Este concelho com uma área de 304,22 km 2, localiza-se na margem direita da seção terminal da bacia hidrográfica do rio Tejo, integrando-se no setor setentrional do Distrito de Lisboa. Em termos de enquadramento sub-regional, Alenquer insere-se na NUTS III do Oeste, a qual confina a Sul com a Grande Lisboa, a Este com a Lezíria do Tejo e, a Norte, com o Pinhal Litoral, como se pode ver na figura1. A sub-região Oeste tem demonstrado sinais de mudança, por um lado, no sentido de uma urbanização e industrialização difusas, complementada por uma diversidade produtiva (Ligar Europa e o Atlântico Competitividade e Solidariedade, 1999). No que respeita ao sistema territorial, os principais centros urbanos do Oeste Caldas da Rainha e Torres Vedras estruturam a sub-região. O primeiro relaciona-se mais fortemente com Santarém e a região Centro, enquanto o segundo, com a AML Norte. Destaca-se ainda, um conjunto de subsistemas urbanos locais complementares uma vez que funcionam de um modo mais autónomo: Alenquer, Carregado, Sobral de Monte Agraço, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Nazaré, Alcobaça, Peniche e Lourinhã. Este sistema provém da conjugação de vários fatores associados com as suas caraterísticas internas ou com a sua localização, e que resulta num nível de coesão territorial insuficiente. Deste modo, os processos difusos de urbanização e de industrialização acarretam constrangimentos ao desenvolvimento e à afirmação de polos que estruturando de forma mais clara o território contribuiriam para lhe conferir uma maior unidade funcional. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 73

82 Por outro lado, a afirmação do meio urbano neste espaço é, de modo geral, concorrente com a atividade agrícola produtiva. De fato, a ocupação do espaço para atividades agrícolas na região Oeste tem-se especializado face às necessidades do mercado da Área Metropolitana de Lisboa, ao mesmo tempo que a procura de solo para usos urbanos (entre estes o turístico, o industrial e o de logística) se tem intensificado. Estas caraterísticas genéricas refletem-se igualmente neste Concelho de Alenquer, onde se verificam complexas inter-relações que confrontam a ruralidade ainda marcada da área envolvente à Serra de Montejunto e a influência metropolitana que irradia a partir da cidade de Lisboa. A localização do Concelho em relação ao principal corredor logístico e de transporte do país (A1 e linha do Norte), a par da proximidade relativa à capital, constituem assim fatores que têm vindo a motivar a sua progressiva integração na bacia económica da AML, circunstâncias que serão potenciadas no médio prazo com a realização de novas infraestruturas de transportes (por exemplo, a A10) Assim, e do ponto de vista da organização do sistema urbano regional, o Concelho de Alenquer apresenta uma situação de charneira entre a AML e os subsistemas urbanos do Oeste e da Lezíria do Tejo, beneficiando da já referida proximidade ao corredor constituído pelo A1/Linha do Norte. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 74

83 Figura 1 Sistema Urbano da Região de Lisboa e Vale do Tejo Fonte: COMISSÃO DE COORDENAÇÃO DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO, Ordenamento do Território e Política de Cidades, in Sistema Urbano Nacional Cidades Médias e Dinâmicas Territoriais, vol. 3, Direcção-Geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano, Lisboa, 1999, p. 61. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 75

84 Esta localização configura um apreciável potencial de atração de pessoas e atividades, sendo especialmente influenciada pelos referidos movimentos de reorganização espacial e funcional em curso na AML. A vocação industrial/logística que tem caracterizado a dinâmica recente desta área, a par do seu crescimento demográfico e habitacional, com a aposta no triângulo Carregado/Azambuja/Ota (com apoio de Alenquer em termos de equipamentos e serviços) enquanto nó de articulação da AML com o exterior. A manutenção e/ou afirmação desta tendência constitui um fator que induzirá importantes transformações ao nível da base socioeconómica local, da pressão sobre o recurso solo e da articulação funcional com a envolvente, devendo por isso ser ativamente gerida em função das opções estratégicas que vierem a ser delineadas. Como podemos induzir, o posicionamento do Concelho de Alenquer na sua envolvente regional tem sido um processo bastante dinâmico que se pauta por um conjunto de inter-relações complexas que, de modo algum, se restringem ao binómio espaço rural periférico versus periferia desqualificada da AML. O Concelho tem-se afirmado claramente como um espaço plurifuncional cada vez mais atrativo para pessoas e atividades e alguns processos em curso, como, por exemplo, a desejada melhoria das ligações com o Oeste e o Vale do Tejo, constituem, a este nível, um fator que reforçará a importância da plataforma logística do Carregado/Ota/Azambuja como nó de intermediação regional, potenciando condições de centralidade funcional que poderão induzir dinâmicas positivas ao nível da atividade económica e da criação de emprego. Neste sentido, a qualificação urbanística e ambiental deste nó revestir-se-á de especial importância enquanto elemento-chave na sua atratividade, sob pena de se assistir a uma mera expansão das características dominantes no eixo de Sacavém/ Vila Franca de Xira. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 76

85 1.2. Enquadramento Geográfico e Divisão Administrativa do Município O Município de Alenquer confina a Norte com Cadaval, a Este/Nordeste com Azambuja, a Oeste com Torres Vedras, Sudoeste com Sobral de Monte Agraço, a Sul com Arruda dos Vinhos e Vila Franca de Xira (este último concelho abrange também o quadrante Sudeste) (Mapa 1). Internamente, o concelho é constituído por 11 freguesias: União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha, União das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão), União das freguesias de (Carregado e Cadafais), União das freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana, freguesia de Carnota, freguesia de Meca, freguesia de Olhalvo, freguesia de Ota, freguesia de Ventosa e freguesia de Vila Verde de Francos. Mapa 1 Enquadramento Geográfico de Concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 77

86 Quadro 1 Área das Freguesias do Concelho de Alenquer Freguesias Área Km 2 % Freguesia de Carnota 18,09 5,9 Freguesia de Meca 14,12 4,6 Freguesia de Olhalvo 8,30 2,7 Freguesia de Ota 46,32 15,2 Freguesia de Ventosa 22,21 7,3 Freguesia de Vila Verde dos Francos União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha União das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana) União das freguesias de Carregado e Cadafais União das freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana 28,13 9,2 46,15 15,2 27,95 9,2 50,08 16,5 24,52 8,1 18,34 6,0 Total de Concelho 304, Fonte: INE - Censos 2011 Da análise do quadro 1 constata-se que a freguesia com maior área é a de união das freguesias de Alenquer (Santo Estevão e Triana), que corresponde a 50,08% da área total do concelho, seguida da freguesia de Ota (46,32%) e união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres (46,15%). Na posição contrária encontram-se a freguesia de Olhalvo (8,30%), freguesia de Meca (14,12%) e freguesia de Carnota (18,09%). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 78

87 2. CARATERIZAÇÃO FÍSICA 2.1. Hipsometria O território municipal é na sua maioria, caraterizado por um relevo acidentado, atingindo a sua máxima expressão na parte norte Serra de Montejunto que atinge os 666 metros de altitude. Analisando o Mapa hipsométrico é possível caracterizar a paisagem de Alenquer em três unidades distintas: A Norte localiza-se a Serra de Montejunto, que se eleva a 666 metros de altitude e se prolonga a Sudoeste pela Serra Galega, constituída por calcários numa estrutura anticlinal; A segunda unidade corresponde ao conjunto de relevos calcários que se estendem no sentido SW-NE desde o Monte Redondo (Ota) até à Serra de Santana da Carnota. Esta unidade compreende, ainda, vestígios de vulcanismo, mais concretamente um cone vulcânico de atividade extinta (Cabeço de Meca) na freguesia de Meca; A última unidade é a planície aluvial situada no sector sul - sudeste do concelho e que integra a bacia cenozoica do Tejo. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 79

88 Mapa 2 MDT Modelo Digital do Terreno de Concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 80

89 2.2. Declives Ao interpretar o Mapa de Declives do Concelho (Mapa 3) verifica-se que existe uma consonância com as unidades topográficas descritas anteriormente e que no geral expressam um declive mais acidentado na zona norte do concelho (Serra de Montejunto) e mais aplanada na parte sul e sudeste. Deste modo, na parte nascente do território que se desenvolve até ao limite de concelho e progride para sul o relevo apresenta-se ondulado suave até ondulado muito suave (entre os 0-10%). Para além da Serra de Montejunto, surge bem evidenciado o declive acidentado da Serra de Ota (com declives superiores a 40%) que se ergue para Noroeste da localidade da Ota até Sul da de Abrigada. Também a parte central do concelho é marcada por um relevo irregular, fato que advém essencialmente da ação erosiva da escorrência superficial, em especial do Rio de Alenquer. O concelho de Alenquer apresenta uma orografia acidentada, o que tem implicações diretas na DFCI, nomeadamente nas acessibilidades e dificuldade de extinção. A configuração do relevo condiciona alguns fatores climáticos, em particular o vento, o que será mais detalhado na Caraterização Climática. O território do concelho apresenta áreas contínuas de espaços florestais, nas freguesias de Ota, união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, freguesia de Vila Verde dos Francos e freguesia de Ventosa. Nestes espaços dominam os povoamentos de eucalipto e matos, encontrando-se por vezes em encostas de acentuado declive, como ocorre nas Serras de Ota, Montejunto e Galega. A continuidade de combustível associada ao declive acentua a dificuldade de extinção destes incêndios, com elevada velocidade de propagação e frentes de grandes dimensões. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 81

90 Mapa 3 Declives do Concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 82

91 2.3. Exposições Como foi referido anteriormente, outro fator que influencia o risco e a propagação dos incêndios é a exposição das encostas, já que a quantidade de radiação solar recebida varia conforme a exposição. Ao analisar a Carta de Exposições (Mapa 4) verifica-se que em grande parte da Serra de Montejunto prevalecem as zonas voltadas a Sul, sendo por isso esta área muito sensível á propagação de grandes incêndios. Para além desta zona Norte do concelho é, também facilmente identificável um conjunto de situações dispersas pelo território onde predomina uma exposição do quadrante sul. Contudo, numa parte significativa do concelho encontram-se preferencialmente zonas planas e voltadas a Este, proporcionando um risco menos elevado. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 83

92 Mapa 4 Exposições do Concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 84

93 2.4. Hidrografia O regime hidrológico encontra-se em estreita dependência do regime pluviométrico e da geomorfologia. A rede hidrográfica do concelho é marcada pela presença de sub-bacias da Bacia Hidrográfica do Rio de Tejo, e uma pequena parte das Ribeiras do Oeste, na freguesia de Vila Verde dos Francos. Da análise do Mapa 5, que representa a distribuição das linhas de água no município, conclui-se que a rede hidrográfica é relativamente densa em todo o seu território. Contudo grande parte das linhas de águas representadas tem um carácter temporário. De facto, as únicas linhas de água permanentes são o Rio de Alenquer, o Rio de Ota, a Vala de Archino e o Rio Grande de Pipa, e mesmo nestas, não são observáveis caudais em toda a sua extensão em determinados períodos do ano. (estio) O rio de Alenquer é a maior sub-bacia hidrográfica presente no concelho e nasce a sul da Serra Galega até desaguar no Rio Tejo. O rio de Ota nasce a sul da Serra de Montejunto atravessando a Serra de Ota, para desaguar no Tejo. Ambos os cursos de água têm uma orientação NO-SE e apresentam bacias perfeitamente individualizadas no que respeita a níveis de escoamento e caudais, estando assinalados no mapa 5 com um azul mais forte. Verifica-se que as diferentes linhas de água existentes, pela sua pequena dimensão e pela inexistência de cordões ripícolas, em particular quando estas atravessam os principais espaços florestais do concelho, não constituem barreiras naturais significativas à progressão do fogo. Esta situação também se verifica em relação aos pontos de água (charcas e albufeiras). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 85

94 Mapa 5 Hidrografia do Concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 86

95 2.5. Caraterização Climática O Clima é um elemento do meio natural sobre o qual o homem não tem controlo, sobretudo quando estão em causa áreas extensivas. Assim funciona como uma imposição, uma variável exógena relativamente aos sistemas florestais. A floresta é composta por plantas vivas que, tal como todos os seres vivos estão adaptadas a determinadas condições climáticas para se desenvolverem e subsistirem. Deste modo, terá de existir um equilíbrio entre a gama de variação de elementos climáticos suportada por cada espécie, e as condições que esta encontra no ambiente que a rodeia, para que o seu desenvolvimento se processe com o mínimo de sobressaltos e se possam atingir os melhores desempenhos produtivos. Por um lado deveremos considerar uma ação direta do clima sobre a floresta - a ação do clima sobre os processos vitais das plantas. Mas, por outro lado, também deveremos considerar a sua ação indireta sobre a floresta, que resulta do clima influenciar: os processos de erosão dos solos, a ocorrência de incêndios e também o regime hidrológico das áreas florestais, três aspetos fortemente relacionados com as funções dos sistemas florestais. A influência das caraterísticas climáticas nos incêndios florestais, pode ser vista em termos indiretos, na medida em que afeta o crescimento e acumulação de carga combustível e, também em termos de influência direta no início e propagação de um incêndio. Temos assim que o clima afeta duas arestas do célebre triângulo de comportamento do fogo o qual é composto por três arestas: meteorologia, topografia e combustível. Os fatores meteorológicos a ter em conta neste âmbito são: temperatura, humidade, precipitação, velocidade e direção dos ventos Rede Climatológica Os dados que aqui se apresentam resultam da consulta da Normais Climatológicas da série O Clima de Portugal, especificamente das normais climatológicas (1961/1990) da estação meteorológica de Ota/Base Aérea (Lat: N, Long W, Alt: 40m), conforme solicitado no Guia Técnico para a elaboração do PMDFCI. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 87

96 Temperatura O aumento da temperatura atmosférica tende a elevar a probabilidade de ignição. Ao subir a temperatura do ar, os combustíveis, especialmente os finos e mortos, tendem a perder humidade para alcançar o equilíbrio higroscópio com o ar que os rodeia, o que os deixa em condições mais favoráveis para que se inicie e se propague um incêndio. Gráfico 1 Valores mensais da temperatura média, média das máximas e valores máximos no concelho de Alenquer ( ) 50,0 40,0 30,0 ºC 20,0 10,0 0,0 Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Média Mensal 10,1 11,0 12,8 14,4 16,9 20,0 22,4 22,5 21,4 17,8 13,4 10,7 Média das Máximas 14,7 15,7 17,7 19,2 22,0 25,6 28,4 28,7 27,4 23,1 18,0 15,1 Valores Máximos 21,6 24,5 27,3 29,4 36,5 43,5 40,5 40,9 39,8 33,6 29,4 22,8 Observando o gráfico acima exposto, constata-se que as temperaturas médias mensais mais reduzidas registam-se, como seria de esperar, nos meses de Inverno (Dezembro, Janeiro e Fevereiro), e as mais elevadas nos meses de Julho, Agosto e Setembro. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 88

97 Relativamente às temperaturas mínimas e máximas mensais verifica-se que as médias mensais podem chegar a valores próximos dos 10,7 0 C no Inverno (janeiro) e dos 29 0 C no Verão. Deste modo, e uma vez que o aumento da temperatura leva à perda de humidade dos combustíveis florestais, os meses mais propícios para ocorrência de incêndios são os de julho e agosto. O território do concelho de Alenquer encontra-se distribuído entre o Rio Tejo e os relevos das Serras de Montejunto e Galega. Assim, verifica-se que a temperatura média aumenta à medida que nos aproximamos do Vale do Tejo, devido ao efeito de barreira exercido pelos relevos acima referidos em relação à entrada das massas de ar marítimas. Deste modo, uma área considerável do concelho (zona Este) que se estende desde o sopé da Serra de Montejunto até ao Tejo apresenta valores da temperatura média superiores aos verificados na parte Oeste do concelho. Acresce ainda que nesta zona os povoamentos florestais, essencialmente de eucalipto, encontram-se instalados em solos arenosos, cuja capacidade de retenção de água é diminuta, o que vem contribuir para uma rápida dessecação dos combustíveis finos (gramíneas). Esta situação pode potenciar, como se verificou em 2003, incêndios florestais violentos e com grande velocidade de propagação, particularmente quando os ventos são de sueste Precipitação e Humidade Relativa A precipitação é fundamental para recarregar a reserva hídrica do solo e assim possibilitar o crescimento das plantas. Mas se essa precipitação se verificar com uma intensidade superior à capacidade de infiltração, verifica-se o escorrimento superficial, e surge a erosão hídrica do solo. No concelho de Alenquer, o regime pluviométrico tem um comportamento oposto ao da temperatura, isto porque os maiores valores de pluviosidade registam-se entre os meses de outubro a fevereiro enquanto que os meses mais secos são os de verão (julho e agosto). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 89

98 Gráfico 2 Precipitação Mensal no Concelho de Alenquer, Média e Máxima diária (1961/1990) mm Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Média 84,6 88,7 61,8 56,7 44,1 20,9 4,5 5,7 23,2 74,1 103,6 89,2 Max imo 60,2 39,6 79,9 37, , ,9 43, A distribuição da precipitação no concelho de Alenquer apresenta uma acentuada assimetria com valores mínimos anuais de cerca de 550 mm na Ota, e valores máximos anuais de cerca de 1000 mm em Montejunto. Os reduzidos valores de precipitação registados na parte Este do concelho, associado a solos arenosos, contribui para uma rápida dessecação dos combustíveis, o que potencia a ocorrência de incêndios de grande intensidade. 100 Gráfico 3 Humidade Relativa Mensal no Concelho de Alenquer, ás 9.00 horas e às horas (1961/1990) % Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 9.00 h h Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 90

99 Quanto à humidade relativa, o seu aumento faz diminuir a possibilidade de início de incêndio, e dificulta a sua propagação, já que a atmosfera cede humidade aos combustíveis dificultando assim a sua combustão. No Concelho, esta variável do clima apresenta uma oscilação diária normal, uma vez que os valores mais elevados verificam-se no decorrer da noite e primeiras horas da manhã, tornando-se mais moderada até às primeiras horas da tarde (15 horas), para daí em diante começar a aumentar progressivamente até ao início da noite. Analisando a variação da humidade relativa ao longo dos meses do ano, verifica-se uma vez mais a distinção entre Inverno e Verão. Nos meses de Inverno o ar é mais húmido, especialmente no período da manhã, enquanto que nos meses de Verão o ar apresenta-se mais seco. Conforme foi anteriormente referido, o concelho de Alenquer apresenta uma acentuada assimetria climática entre a zona oeste, mais exposta às massas de ar marítimo, e a zona este mais protegida desta influência. Assim, os valores da humidade relativa do ar são mais elevados na parte oeste do concelho, sobretudo durante a noite e manhã. Esta situação deve ser tida em conta nas ações de vigilância, combate, rescaldo e vigilância pós-rescaldo. No entanto, na presença de ventos do quadrante leste, esta situação tende a atenuar-se Classificação Climática O Clima, no concelho de Alenquer, é caraterizado pela existência de temperaturas amenas ao longo de todo o ano. A temperatura média anual é de 16,1 0 C e a amplitude térmica é moderada (12,4 0 C). Analisando o gráfico Termo pluviométrico constata-se que aos meses mais quentes correspondem os mínimos de pluviosidade, ou seja os meses de junho a setembro consideram-se como meses secos, uma vez que a precipitação média mensal é inferior ao dobro da temperatura registada nesse mesmo período. Mesmo nos meses de Inverno os valores de precipitação são moderados. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 91

100 Podemos, com base nos dados disponíveis, incluir o clima do Concelho de Alenquer, no tipo C da classificação de KOPPEN Climas Mesotérmicos Húmidos: Temperatura do mês mais frio abaixo dos 18ºC, mas acima de 0ºC. Verão quente, temperatura do mês mais quente superior a 22ºC. Verão seco onde chove, pelo menos, três vezes mais no mês mais pluvioso de Inverno que no mês mais seco de Verão (<40mm). Contudo, qualquer que seja a classificação climática adotada, pode-se concluir que o clima de Alenquer carateriza-se pela sua temperatura amena e irregularidade sazonal da precipitação. Gráfico 4 Gráfico Termo pluviométrico do Concelho de Alenquer (1961/1990) C mm Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez 0 Temperatura 10,1 11,2 12,8 14,4 16, ,4 22,5 21,4 17,8 13,4 10,7 Precipitação 84,6 88,7 61,8 56,7 44,1 20,9 4,5 5,7 23,2 74,1 103,6 89,2 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 92

101 Ventos Dominantes O vento aumenta a velocidade de propagação dos incêndios, já que fornece oxigénio de combustão, transporta ar quente, seca os combustíveis e dispersa as partículas em ignição. Por outro lado, os ventos fortes limitam a produtividade florestal; ou por diminuírem a taxa de crescimento anual, ou por poderem provocar o derrube de árvores. No concelho, os ventos mais habituais ao longo do ano são os de Norte e Noroeste, predominantes de abril a outubro. Os menos frequentes registam-se a Sul e a Sudeste predominantes entre outubro e abril. Nos meses de julho a agosto, os ventos de velocidade média mais elevados são os de Norte, enquanto que nos restantes meses são os de Sul enquanto que nos restantes meses são os de Sul e Sudoeste. A velocidade média dos ventos de Oeste tem uma certa importância nos meses de dezembro a abril. Durante o Verão, sobretudo durante épocas particularmente quentes, os ventos são Este e Sueste, secos e por vezes de grande intensidade. No entanto, na maioria destes dias esta situação altera-se durante a tarde com a entrada da Nortada. Assim este fato deve ser considerado, particularmente durante as ações de combate e vigilância pós-rescaldo, pois como ocorreu em 2003, esta alteração da direção do vento pode ser bastante problemática. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 93

102 Quadro 2 Médias mensais da frequência e velocidade do vento no Concelho de Alenquer ( ) F =FREQUÊNCIA (%) E V = VELOCIDADE DO VENTO (KM/H) Mês N NE E SE S SW W NW C F V F V F V F V F V F V F V F V F Jan. 23,8 13,2 8,6 10,7 5,2 11,2 4,6 11,7 9,1 12,2 5 16,3 7,6 15,9 7,9 18,2 28 Fev. 25,5 14,7 8,4 11, ,3 11,4 10,3 15,8 5,1 18,3 7,4 17,8 9, Mar 28,4 17,1 8,4 11,5 6,7 13,3 6,3 13,9 9,2 14,6 5,1 16,8 8,4 17,1 10,8 17,5 16,7 Abr. 31,8 18,8 7,3 11,5 5,7 13,5 4,9 12,7 8,1 15 5,2 16,1 10,6 17,7 13,9 19,2 12,7 Mai. 36,2 19,3 6,9 14,2 3,4 13,1 2,7 10,6 7,2 14,2 6,1 16,8 12,2 15,4 16,4 17,6 8,8 Jun. 35,2 18,3 7,1 11,3 3,3 10,9 3,6 10,3 6,4 13,3 4,8 14,2 12,9 15,8 15, Jul. 39,9 19,4 6,4 11,9 2,8 9,6 2 10,4 4,1 10,4 2,5 11, , ,3 Ago. 46,2 20,3 6, ,2 2,3 11,1 4,2 11,7 1,9 14,4 9,9 14,5 15,8 18,3 10,9 Set. 32,6 16,5 6,5 10,9 3,4 9,2 4,4 10,6 8,9 14,2 5 15,4 8,5 14,1 13,2 16,5 17,3 Out. 30,5 14,6 8 10,9 4,6 11,5 6,5 12,2 10,2 14,8 4 14,5 7,9 16,2 9,2 18,1 19,2 Nov. 28,7 13,1 8,4 11,2 5,5 9,8 5,7 12,2 8,5 13,2 3,5 16,7 5,8 15,5 9,8 17,4 24,1 Dez. 26,9 13,4 11,2 10,9 5,4 10,3 5,3 11,6 7,8 12,2 3,7 15,2 6,4 18,1 7,5 16,7 25,8 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 94

103 2.6. Caraterização Sismológica A sismicidade de Portugal Continental é caraterizada pela ocorrência, mais ou menos contínua, de sismos de magnitude fraca a média (inferiores a 5.0) e, esporadicamente, de um sismo de magnitude moderada a forte (superior a 6.0). A sismicidade concentra-se, sobretudo, na região do Algarve (incluindo a zona marítima adjacente) e na região de Lisboa e Vale do Tejo, em particular junto à cidade de Lisboa e à vila de Benavente. A atividade sísmica do território português resulta de fenómenos localizados na falha Açores-Gibraltar fronteira entre as placas euro-asiática e africana (sismicidade intraplaca) e de fenómenos localizados no interior da placa euroasiática (sismicidade intraplaca). Os epicentros de vários sismos históricos que afetaram Portugal Continental situaram-se perto do Banco de Gorringe, localizado aproximadamente a 200 km a sudoeste do Cabo de S. Vicente, nomeadamente o sismo de 1 de Novembro de 1755, que foi seguido de um grande maremoto na costa oeste e sul da Península Ibérica (estimou-se a sua magnitude em 8.75). Também a Falha do Vale Inferior do Tejo tem uma enorme importância na medida em que já foi responsável por alguns sismos de intensidade significativa. A falha do Vale Inferior do Tejo, com direção aproximada NE-SW, corresponde a uma fonte sismogénica em que se têm verificado vários eventos catastróficos (p. ex.: 1344, 1531, 1909), que atingem, por vezes com grande violência, a cidade de Lisboa. Foi nesta falha, provavelmente nas proximidades de Vila Franca de Xira, que ocorreu o sismo de 26 de Janeiro de 1531 (um dos mais energéticos com epicentro em terra), e que destruiu muitas aldeias no Vale de Santarém. Foi também nesta falha que se gerou o sismo de Benavente, em 23 de Abril de 1909 (que destruiu por completo esta vila e várias aldeias próximas, causando, também, danos em Lisboa), cuja magnitude está estimada entre 6 e 7,6, e que é considerado o sismo mais destruidor, em Portugal Continental, no século XX. O concelho de Alenquer segundo um estudo de 2004 da ANPC, na altura o SNBPC, está sujeito a ser afetado de uma forma considerável quer o epicentro do sismo seja em Lisboa, em Benavente ou em Setúbal. Na secção II, ponto 6. Cenários, analisaremos mais pormenorizadamente este aspeto. No entanto convém analisar a carta de intensidades sísmicas de Portugal, para verificarmos que Alenquer está numa zona de forte intensidade. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 95

104 Figura 2 Intensidade sísmica de Portugal Continental Sobrepondo o concelho de Alenquer à carta de intensidades de Portugal obtemos o mapa 16 onde podemos verificar que a União das freguesias do Carregado e Cadafais e a união das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão) serão sujeitas a intensidades mais altas pelo que sofrerão mais danos. Por essa razão houve uma enorme preocupação em colocar os Postos de Comando e as ZCAP nas Freguesias mais a Norte do concelho. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 96

105 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 97

106 2.7. Caraterização do Uso do Solo Ocupação do Solo A carta de ocupação do solo foi realizada a partir da informação disponibilizada pelo IGEO Instituto Geográfico Português, referente ao ano de Da análise da carta podemos concluir que uma parte significativa do concelho de Alenquer apresenta ocupação agrícola (cerca de 14000ha), sendo a vinha a cultura dominante, nomeadamente na freguesia de Ventosa, a União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha e Olhalvo. A floresta ocupa também uma área considerável com cerca de 6500ha, repartindo-se pela União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, Ota, União das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão) e Vila Verde dos Francos. No entanto parte considerável destes povoamentos florestais foram destruídos pelos incêndios de 2012, em particular nas freguesias que são abrangidas pela Serra de Montejunto. (Quadro 2) Destaca-se ainda a área classificada por improdutiva com cerca de 11000ha, com particular incidência na união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, Vila Verde dos Francos e União das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão). As áreas sociais abrangem cerca de 1400ha, sendo de destacar a União das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estevão), União das freguesias de Carregado e Cadafais) e Ventosa. No concelho de Alenquer verifica-se um aumento de áreas agrícolas abandonadas (vinhas), sobretudo em zonas de declive acentuado e minifúndio. Estas pequenas parcelas formam no seu conjunto extensas áreas, por vezes na periferia de povoamentos florestais, aglomerados urbanos e zonas industriais. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 98

107 Quadro 2 Ocupação e uso do solo no concelho Freguesia União das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana) Áreas Sociais ha Floresta ha Agricultura ha Improdutivo ha 372,69 468, , ,42 União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres 152, , , ,31 União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha Carnota União das freguesias de Carregado e Cadafais 137,81 355, ,16 253,23 50,10 80, ,6 898,03 257,32 14,98 874,9 876,98 Meca 72,04 179,30 552, ,86 Olhalvo 83,14 85,16 478,4 226,13 Ota 50, ,17 565, ,17 União das freguesias de Ribafria e Pereiro Palhacana Ventosa Vila Verde Francos 57,73 38, ,4 595,03 102,50 177, ,5 52,82 74, , , ,00 Total Concelho 1.410, , , ,98 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 99

108 Mapa 6: Uso e Ocupação do Solo do Concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 100

109 Povoamentos Florestais O Mapa 6 evidencia que os povoamentos de eucalipto distribuem-se pela união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, Ota e Vila Verde dos Francos, em manchas de grande dimensão, sendo a espécie florestal com maior expressão no concelho de Alenquer. As resinosas, nomeadamente o Pinheiro-bravo e o Pinheiro de Alepo, sofreram uma redução acentuada nas suas áreas em particular na Serra de Montejunto, devido aos incêndios de No entanto, no Perímetro Florestal da Serra de Ota existe ainda uma área de resinosas, a qual apresenta no seu interior e espaço envolvente uma elevada carga combustível. Tal situação, associada ao fato de se tratar de uma região com declives acentuados, configura uma situação de elevado risco de incêndio. A execução da faixa de contenção sanitária do PROLUNP, em 2007 veio reduzir significativamente a área com resinosas nas freguesias de Ota, união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres e Olhalvo. Os povoamentos de quercíneas, nomeadamente de Sobreiro ocupam áreas pouco significativas, em particular nas freguesias de Ota na união das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão. Existem ainda bosquetes de Carvalho-português dispersos pelo concelho, mas que na sua totalidade ocupam uma área reduzida. Nas freguesias de Ota e na união das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão) na união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, encontram-se instalados extensos povoamentos de eucalipto, em zonas de declive suave. No entanto, algumas destas parcelas apresentam elevada carga combustível e uma deficiente rede viária florestal. Assim, face a esta situação e também à continuidade destes povoamentos, encontram-se reunidas condições para a ocorrência de incêndios florestais de grandes dimensões, pelo que são locais onde as ações de prevenção e vigilância devem ser reforçadas. Na freguesia de Vila Verde dos Francos (Serra Galega) existe também extensos povoamentos de eucalipto em zonas de forte declive e mau acesso, o que dificulta bastante o combate. Acresce ainda que estes povoamentos se prolongam para o concelho de Torres Vedras, ocupando na sua totalidade uma vasta área florestal. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 101

110 Os povoamentos de resinosas da Serra de Ota, apresentam uma elevada carga combustível, o que associado às caraterísticas do local (declive, rede viária, continuidade do combustível, tipo de vegetação) configura uma situação de alto risco em caso de ocorrência de um incêndio florestal. Quadro 3 Povoamentos Florestais por freguesia Freguesia Eucalipto ha Pinhal ha Sobreiros ha Povoamentos Mistos ha União das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana) 310,90 148,24 8,90 0,0 União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres 1.096,78 169,32 27,06 24,8 União das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha 355,08 0,32 0,00 0,0 Carnota 74,06 6,21 0,15 3,6 União das freguesias de Carregado e Cadafais 1,58 13,40 0,00 0,00 Meca 88,69 90,61 0,00 0,0 Olhalvo 62,46 22,70 0,00 0,0 Ota 1.918,78 657,10 206,29 0,0 União das freguesias de Ribafria e Pereiro Palhacana 30,59 0,00 8,21 0,0 Ventosa 167,01 9,05 1,01 0,0 Vila Verde Francos 970,82 34,96 0,00 1,7 Total Concelho 5.076, ,91 251,62 30,10 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 102

111 2.8. Zonas Especiais Áreas Protegidas, Rede Natura 2000 e Regime Florestal O Concelho de Alenquer engloba no seu território parte da área da Paisagem Protegida da Serra de Montejunto (PPSM). Esta área protegida foi criada pelo Decreto Regulamentar nº 11/99 de 22 de Julho, uma vez, que segundo o respetivo diploma a serra de Montejunto constitui um repositório de vegetação natural de importância nacional, para além do interesse de ordem geológica, traduzido nos afloramentos rochosos, que proporcionam aspetos de grande interesse paisagístico, encenando panorâmicas de grande beleza natural. Sem prejuízo do disposto no artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 19/93, de 23 de Janeiro, constitui objetivo específico da Paisagem Protegida: a) A conservação da Natureza e a valorização do património natural da serra de Montejunto como pressuposto de um desenvolvimento sustentável; b) A promoção do repouso e do recreio ao ar livre em equilíbrio com os valores naturais salvaguardados. A Paisagem Protegida tem uma dimensão territorial de 4847ha e está inserida nos concelhos do Cadaval e de Alenquer. Em termos administrativos abrange parcialmente cinco freguesias (três do concelho do Cadaval e duas no concelho Alenquer). No quadro seguinte podem apreciar-se as áreas de cada freguesia dentro do limite da área protegida, e a sua comparação com a área total da freguesia. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 103

112 Quadro 4 Área da Paisagem Protegida da Serra de Montejunto por freguesia Concelho Freguesia Área (ha) inserida na PPSM Área Territorial Total da Freguesia % Freg. inserida na PPSM Cadaval União das Freguesias de Cercal e Lamas ,5% Freguesia de Vilar ,9% Alenquer União das Freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres ,0% Freguesia de Vila ,4% Verde dos Francos Total ,6% A proporção da área da Paisagem Protegida de cada freguesia em relação à sua área total varia entre um mínimo de 12% na Abrigada e um máximo de 53% em Cabanas de Torres. Grande parte da área da PPSM corresponde a um sítio da Rede Natura 2000, designado de Sitio da Serra de Montejunto (PTCON0048). (Mapa 7) O Sitio da Serra de Montejunto tem uma área total de 3830ha, mas só 26% desta área integra o Concelho de Alenquer, estando a restante em território do Concelho do Cadaval. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 104

113 Quadro 5 Distribuição da Área do Sitio da Serra de Montejunto CONCELHO ÁREA (ha) % DO CONCELHO CLASSIFICADO % DO SÍTIO NO CONCELHO Alenquer % 26 % Cadaval % 74 % Figura 2 Rede Natura 2000 Sítio da Serra de Montejunto Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 105

114 De acordo com o relatório do Plano Setorial Rede Natura 2000, a serra de Montejunto está englobada no maciço calcário estremenho. Estes calcários apresentam formações cársicas características, originadas pela erosão. As escarpas que caraterizam a paisagem são os biótopos mais importantes da serra. Para além de um carvalhal (relíquia) e de endemismos próprios dos calcários do Centro de Portugal, existem taxas endémicos ou raros em Portugal que aqui se encontram localizados, havendo outros que, na sua limitada distribuição geográfica, têm aqui uma boa representação. Em termos faunísticos, em particular no que diz respeito aos Quirópteros, trata-se de uma zona de grande importância, não só de hibernação como também de reprodução. Este Sítio é constituído essencialmente por um abrigo muito importante na época de criação para uma colónia de morcego-rato-grande - Myotis myotis. Abrigo satélite importante para morcego-de-peluche - Miniopterus schreibersi. É também importante durante o resto do ano. Durante a época de criação é um abrigo satélite importante para machos e fêmeos não reprodutores de várias espécies de morcegos com estatuto de ameaça. A área envolvente constituída por montados assume um papel importante como zona de alimentação. Segundo o mesmo documento, os principais fatores de vulnerabilidade/ameaça neste Sitio, para além dos incêndios, são a florestação com eucaliptos e outras alóctones, a extração de inertes e a edificação e colocação de antenas no cimo da serra. As orientações de gestão identificadas para o Sitio da Serra de Montejunto decorrem da transposição direta das orientações associadas ao conjunto de valores naturais que motivaram a classificação deste Sítio. A vertente sul da Serra de Montejunto apresenta declives acentuados (superiores a 40%), com uma área contínua de matos com cerca de 800 ha, onde domina o Carrasco Quercus coccifera. Assim, esta zona apresenta uma elevada dificuldade de extinção, devido ao difícil combate, rescaldo e à probabilidade de reacendimentos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 106

115 Em relação ao Regime Florestal, no caso do Concelho de Alenquer, existem duas zonas com regime florestal parcial, um localiza-se na Serra de Montejunto e o outro na Serra de Ota. O regime florestal parcial aplicase em áreas não pertencentes ao domínio do Estado, em que a existência da floresta é subordinada a determinados fins de utilidade pública. Figura 4 Regime Florestal em Portugal Continental (Perímetros e Matas Florestais) Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 107

116 O Regime Florestal, segundo o decreto de 1901, é "...o conjunto de disposições destinadas não só à criação, exploração e conservação da riqueza silvícola, sob o ponto de vista da economia nacional, mas também o revestimento florestal dos terrenos cuja arborização seja de utilidade pública, e conveniente ou necessária para o bom regime das águas e defesa das várzeas, para a valorização das planícies áridas e benefício do clima, ou para a fixação e conservação do solo, nas montanhas, e das areias no litoral marítimo." O perímetro florestal da Serra de Ota ocupa cerca de 311ha e abrange somente a freguesia da Ota. Relativamente ao perímetro florestal da Serra de Montejunto, o mesmo sobrepõem-se, em parte, à área da PPSM e ao Sitio da Serra de Montejunto. Tem uma área total de aproximadamente 1520 ha, embora, apenas 522,8 ha coincidam com o território concelhio, estando a restante área no domínio territorial do Concelho do Cadaval. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 108

117 Mapa 7: Áreas Protegidas, Rede Natura 2000 e Regime Florestal do Concelho de Alenquer e Concelhos Limítrofes Instrumentos de Gestão Florestal O Concelho de Alenquer tem, como já foi referido anteriormente duas zonas do território afetas ao Regime Florestal. Neste sentido estas duas áreas do Concelho estão sujeitas a Plano de Gestão Florestal por parte da AFN, encontrando-se os mesmos em elaboração, bem como o PUB Plano de Utilização de Baldios. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 109

118 As áreas sob gestão das empresas Silvicaima e Portucel, possuem também Planos de Gestão Florestal. Estão ainda previstas duas Zonas de Intervenção Florestal, que ocupam uma parte significativa dos povoamentos de eucalipto existentes. 3. Caraterização Socioeconómica A evolução do concelho de Alenquer tem vindo a ser particularmente condicionada pelo seu posicionamento territorial em relação à Área Metropolitana de Lisboa (AML), principal centro de produção e consumo do País. Esta circunstância, muito ligada à proximidade geográfica e à crescente dotação em matéria de infraestruturas de transporte, conferiu a Alenquer (nomeadamente às zonas do Concelho melhor servidas neste domínio) uma significativa vantagem competitiva com efeitos na criação de importantes dinâmicas de desenvolvimento. A sua localização privilegiada confere a Alenquer as características de um espaço de transição, sujeito a transformações estruturais de grande intensidade. Na análise da evolução do tecido económico e empresarial do concelho detetam-se importantes transformações, constituindo um dos domínios em que tanto as condições de acessibilidade à AML como o posicionamento privilegiado enquanto plataforma logística de articulação com outras áreas do país mais têm feito sentir os seus efeitos. A capitalização de vantagens locativas decorrentes do atravessamento do concelho pela IC2/EN1 (induzindo processos de industrialização difusa) e da proximidade a importantes vias de âmbito metropolitano/ regional e nacional tem tido como principal resultado a atração de iniciativas empresariais exógenas (frequentemente de capitais estrangeiros). Este aumento da atratividade do concelho de Alenquer não pode desprezar igualmente o esforço de disponibilização de espaços infraestruturados para localização empresarial, nomeadamente no Carregado, por força da sua proximidade às vias de comunicação rodoferroviárias e ao Pólo Industrial de Azambuja. O Carregado apresenta-se, por isso, como um dos principais Polos de localização de atividades industriais e de logística a nível sub-regional, configurando um triângulo estratégico conjuntamente com os nós de Azambuja e Ota. Não obstante, deve ser referida a existência de importantes constrangimentos que derivam quer da deficiente estruturação das implantações de unidades empresariais, de onde relevam a sua interpenetração com espaços urbanos, bem como da crescente incapacidade de resposta à procura existente de locação de unidades empresariais. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 110

119 Em termos de potencial de recursos humanos, a dinâmica de crescimento populacional traduziu-se num aumento quantitativo que posiciona Alenquer enquanto parte relevante da bacia económica da AML, bem como, a nível qualitativo, numa tendência para a melhoria dos níveis de habilitações e qualificações detidas pela população empregada (não obstante persistirem carências a este nível). A diversificação da estrutura de atividades produtivas localizadas no concelho e, em concreto, a expressividade da indústria transformadora e das atividades de logística são evidências que refletem o dinamismo da atividade económica, às quais acresce a maior abertura ao exterior propiciada pela internacionalização das empresas quer por via do capital social das empresas instaladas, quer através das trocas externas (particularmente das importações). A indústria extrativa assume-se com um vetor estratégico e de especialização económica concelhia face ao seu enquadramento regional. No entanto, importa evitar que o desenvolvimento da atividade extrativa venha a revelar-se como fator de desvalorização do território, conduzindo ao seu uso desqualificado, com a definição de medidas de salvaguarda e recuperação ambiental, por forma a não condicionar a imagem e o processo de desenvolvimento concelhio. No que respeita ao chamado terciário económico, a situação presente encontra-se ainda marcada pelo incipiente desenvolvimento de atividades como os serviços prestados às empresas, fato que não pode ser dissociado da geografia económica do espaço metropolitano de Lisboa, caraterizada por uma forte concentração dos segmentos mais qualificados e intensivos em conhecimento e competências específicas nas áreas dotadas de maior centralidade (nomeadamente na própria capital), dispersando os restantes segundo um padrão espacial menos centralizado (vocacionado para dar resposta a procuras essencialmente locais). Importa salientar que, o concelho de Alenquer registou um acréscimo relativamente significativo da população residente entre 2001 e 2011 (10,4%), e superior ao registado na NUTS III de inserção concelhia (-7,8%), o Oeste1. Em termos de população ativa, a evolução registada em Alenquer foi ainda mais relevante (11,1%), o que se traduziu numa taxa de atividade concelhia, em 2011, de aproximadamente 50%. Esta trajetória evolutiva parece derivar, principalmente, de duas situações complementares: i) por um lado, do aumento da população concelhia residente, com um grande peso de migrações de população em idade ativa, ii) e por outro, do incremento da taxa de atividade feminina, aliás, situação que é comum a todo o território nacional. 1 A interpretação destes dados deve ter em consideração que, durante o período intercensitário 2001/2011 a configuração territorial da NUT III do Oeste sofreu alterações deixando de contemplar o Concelho de Mafra, que passou a integrar a NUT III da Grande Lisboa. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 111

120 Gráfico 1 Taxa de atividade no Oeste e Alenquer % Oeste Alenquer 10 0 HM H M HM H M Anos Fonte: Censos 2001 e 2011, INE Em comparação com a sub-região Oeste verifica-se, que o concelho de Alenquer consegue ter uma taxa de atividade superior ao conjunto de municípios da sub-região. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 112

121 Quadro Evolução da população residente e da população ativa ( ) Alenquer Oeste Var. % Var. % HM , ,8 População Residente H , ,1 M , ,5 HM , ,3 População Ativa H , ,8 M , ,5 HM , ,4 População Inativa H , ,7 M , ,4 HM 49,58% 49,88% 0,6 48,14% 47.35% -1,6 Taxa de Atividade H 57,92% 54,67% -5,6 55,83% 51,75% -7,3 M 41,50% 45,34% 9,3 40,74% 43,24% 6,1 Fonte: Censos 2001 e 2011, INE Em termos de população ativa em sentido lato, verificamos que em 2001 esta é quase exclusivamente composta por indivíduos empregados (94,6%), assumindo os desempregados um peso residual (5,4%). Contudo, este panorama altera-se significativamente em 2011, com um acréscimo significativo do peso dos desempregados na população ativa (10,9%). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 113

122 Quadro Decomposição da população ativa por situação face ao emprego (empregada e desempregada) em 2001 e 2011 Alenquer Total % Total % População Ativa - Total Geral , ,0 Total , ,1 Empregador , ,3 Trabalhador por Conta Própria , ,2 População Empregada Trabalhador Familiar não Remunerado 77 0,4 69 0,3 Trabalhador por Conta de Outrem , ,5 Membro Ativo de Cooperativa 5 0,0 6 0,03 Outra Situação 122 0, ,7 Total , ,9 População Desempregada Procura 1º Emprego 182 0, ,7 Procura Novo Emprego 864 4, ,2 Fonte: Censos 2001 e 2011, INE Assim, no que se refere ao desemprego, em 2011, existiam no concelho de Alenquer residentes desempregados, correspondendo a uma taxa de desemprego de 10,9%. Este valor, embora elevado, é inferior ao registado no mesmo ano na sub-região (11,4%) e região (11%), e ainda mais se compararmos com a média nacional que é de 13,2%. Ainda segundo os valores do quadro seguinte, verifica-se que a taxa de desemprego feminina assume um peso relativamente superior. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 114

123 Quadro Decomposição da população ativa residente desempregada em 2011 Portugal Centro Oeste Alenquer Taxa de Desemprego Total de Desempregados HM 13,2 11,0 11,4 10,9 H 12,6 10,0 10,5 9,8 M 13,8 12,1 12,2 12,2 HM H M Fonte: Censos 2011, INE Gráfico 2 Taxa de Desemprego no Oeste e Alenquer (2001/2011) M Anos H HM M H Alenquer Oeste HM % Fonte: Censos 2001 e 2011, INE Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 115

124 Ao nível da freguesia regista-se que é a freguesia do Carregado a mais afetada por esta problemática no ano de 2011, com 38,2% do total do desemprego verificado no concelho (881 desempregados), no entanto, é também a freguesia que possui o maior número de residentes. A freguesia de Cabanas de Torres foi a que viu variar de uma forma mais acentuada a taxa de desemprego entre os anos em análise (variação de 706,3%), seguida de Vila Verde dos Francos (variação de 345,5%) População Ativa por Setor de Atividade Em termos de distribuição do emprego por sectores de atividade, o sector terciário é o mais representativo com cerca de 69% da população empregada superior à média da sub-região Oeste (66,7%), seguido de sector secundário (28%) e por último o sector primário (3%). Gráfico 3 Distribuição da População Ativa por Setor de Atividade no Concelho (2011) 3% 28% 69% Primário Secundário Terciário Fonte: Censos 2011, INE Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 116

125 Tendo em conta a distribuição da população segundo o setor de atividade económica verifica-se, diferenças significativas entre freguesias (ver mapa seguinte). Na união das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão) e união das freguesias do Carregado e Cadafais, o setor primário apresenta valores inferiores a 2%, logo seguido do sector secundário com cerca de 25%, sendo o terciário o sector com mais expressão com valores superiores a 70%, o que decorre da concentração dos serviços. Nas restantes freguesias, e apesar do setor terciário continuar a ter grande representação, o setor secundário apresentam valores muito expressivos, sobretudo na união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, Meca e Vila Verde dos Francos. A freguesia de Vila Verde dos Francos é a que apresenta uma maior percentagem de população empregada no setor primário, seguida da união de freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha. Gráfico 4 Distribuição da População Ativa por Setor de Atividade nas freguesias do Concelho (2011) Ribafria e Pereiro de Palhacana Vila Verde dos Francos Ventosa Ota Olhalvo Meca Carnota Alenquer (Sto Estêvão e Triana) Primário Secundário Terciário Carregado e Cadafais Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha Abrigada e Cabanas de Torres % Fonte: Censos 2011, INE Resumindo, os dados apresentados permitem concluir que o concelho de Alenquer segue a tendência geral para a terciarização da economia. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 117

126 Mapa 8 População por Sector de Atividade do Concelho de Alenquer (2011) 10,2 4,8 55,1 34,7 7,9 60,3 34,9 3,4 24,7 63,1 29,0 3,0 72,0 9,8 29,1 2,4 67,9 63,9 26,3 63,6 34,0 1,3 7,8 25,0 60,4 31,7 5,2 73,7 63,9 30,8 1,1 26,2 72,7 Fonte: Censos 2011, INE Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 118

127 3.2. Dinâmica Demográfica Caraterização Demográfica Regional A análise da situação sociodemográfica é aqui entendida enquanto elemento relevante relacionado com a evolução recente dos movimentos de reestruturação territorial e económica em curso no espaço regional de Lisboa e Vale do Tejo, onde se insere o Concelho de Alenquer, os quais traduzem dinâmicas complexas configuradoras de um novo quadro de vocações e de necessidades específicas que interessa aqui ponderar. Neste contexto, e tendo já presentes os dados recolhidos no âmbito dos Censos 2011, constata-se que a Região de Lisboa e Vale do Tejo apresentou, ao longo da década de 90, um ritmo de crescimento demográfico superior ao registado para a década anterior, ascendendo atualmente a perto de 3,6 milhões de habitantes. Gráfico 5 Evolução Relativa da População Residente (1991/2011) 130 Oeste* Grande Lisboa 1991= Península de Setúbal Médio Tejo Lezíria do Tejo Lisboa e Vale do Tejo *no período intercensitário 2001/2011 a NUT III do Oeste não integra os dados referentes ao Concelho de Mafra, encontrandose os mesmos incluídos na NUT III da Grande Lisboa Fonte: Censos 1991, 2001 e 2011, INE Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 119

128 A análise do gráfico permite constatar que, no período intercensitário 1991/2001, as sub-regiões da Península de Setúbal e do Oeste são as principais áreas de captação de população, aspeto que não pode ser dissociado quer da sua crescente integração na esfera de influência da AML. Alargada para anéis ou eixos cada vez mais distantes de Lisboa, processo no qual se integra o concelho de Alenquer através da sua localização no corredor do A1/ Linha do Norte. Quanto ao último período considerado (2001/2011), verifica-se que as sub-regiões registaram taxas de crescimento diferenciadas, salientandose com taxas positivas a Península de Setúbal, a Grande Lisboa e a Lezíria do Tejo. Quanto às sub-regiões do Médio Tejo e do Oeste, verifica-se um decréscimo da população residente. Contudo, no caso da sub-região Oeste (onde se integra Alenquer), esta situação deve-se ao facto dos dados relativos ao concelho de Mafra se encontrarem integrados na sub-região da Grande Lisboa, de acordo com as matrizes de delimitação geográfica das NUTS para fins estatísticos estabelecidas no Decreto-Lei n.º244/2002, de 5 de Novembro. Quadro Evolução da população residente por componentes de crescimento (2001/2010) Região Crescimento natural (%) Crescimento migratório (%) Crescimento efetivo (%) Oeste -0,13-0,21 1,16 0,64 1,03 0,43 Grande Lisboa 0,21 0,23 0,53-0,11 0,74 0,12 Lezíria do Tejo -0,24-0,32 0,82 0,37 0,58 0,05 Médio Tejo -0,33-0,39 0,76 0,19 0,43-0,20 Península de Setúbal 0,26 0,20 1,23 0,62 1,49 0,82 Fonte: Instituto Nacional de Estatística Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 120

129 Assim, segundo os dados disponíveis, a análise desta dinâmica segundo o contributo das diferentes componentes de crescimento demográfico efetivo2 (crescimento natural3 e crescimento migratório4) mostra uma progressiva diminuição da capacidade endógena de substituição geracional, conferindo à intensidade e sentidos dos movimentos migratórios um papel primordial nesse processo. A tradução destas microdinâmicas tem tido como consequência a alimentação por via exógena dos escalões correspondentes aos efetivos em idade ativa, o que tem permitido uma relativa estabilidade dos respetivos índices de dependência total. Não obstante, regista-se uma tendência para o progressivo envelhecimento da base demográfica regional, a qual se deve ao aumento da proporção de idosos nesse conjunto (envelhecimento no topo) e à redução da proporção de jovens em função das baixas taxas de natalidade (envelhecimento na base). 2 Crescimento efetivo = crescimento natural + crescimento migratório. 3 Crescimento natural = nados vivos - óbitos. 4 Crescimento migratório = crescimento efetivo - crescimento natural Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 121

130 Figura 1 Representação cartográfica do crescimento natural, crescimento migratório e crescimento efetivo da população, por sub-região de Lisboa e Vale do Tejo em 2010 Médio Tejo Médio Tejo Oeste Lezíria do Tejo Oeste Lezíria do Tejo Grande Lisboa Península de Setúbal Grande Lisboa Médio Tejo Península de Setúbal Oeste Lezíria do Tejo Grande Lisboa Fonte: Instituto Nacional de Estatística Península de Setúbal Fonte: Instituto Nacional de Estatística Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 122

131 Quadro Índices - resumo da evolução da estrutura etária da população (2001/2011) Região Índice de Envelhecimento Demográfico Índice de Dependência Total Índice de Dependência dos Jovens Índice de Dependência dos Idosos Oeste 112,3 133,5 49,6 54,8 23,4 23,5 26,2 31,3 Grande Lisboa 107,7 120,0 43,8 51,1 21,1 23,3 22,7 27,9 Lezíria do Tejo 139,8 151,2 51,3 58,3 21,4 23,2 29,9 35,1 Médio Tejo 142,8 174,8 55,1 60,5 22,7 22,0 32,4 38,5 Península de Setúbal 93,4 114,1 42,2 51,5 21,8 24,1 20,4 27,5 LISBOA E VALE DO TEJO 109,6 124,1 45,3 52,2 21,6 23,3 23,7 28,9 Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos 2001 e 2011 Embora esta tendência se generalize a todas as subunidades territoriais em estudo, é importante referir situações bastante distintas no que respeita à intensidade do fenómeno, traduzindo assim diferentes níveis de vitalidade demográfica. Assim, a região do Médio Tejo é aquela onde a relação idosos-jovens regista um maior desequilíbrio em favor dos primeiros, revelando-se problemática a capacidade de reposição geracional num quadro de médio/longo prazo; deve, mais uma vez, salientar-se o papel que as migrações têm assumido na preservação de alguns equilíbrios na estrutura etária da população. Do ponto de vista das perspetivas, parece claro que a evolução que vier a ser registada pela componente migratória do crescimento demográfico regional constitui o principal fator de incerteza num contexto de médio prazo. A intensificação do processo de envelhecimento demográfico, por via das baixas taxas de natalidade e do aumento proporcional de idosos, assume-se igualmente como tendência que poderá vir a manifestar-se nesse horizonte, daí decorrendo necessidades sociais específicas que terão de ser devidamente ponderadas na formulação das estratégias de desenvolvimento local e regional. Em termos espaciais, retomando o que já anteriormente foi referido, é expectável a manutenção de processos de reorganização no seio da AML, especialmente incidentes nas componentes habitação e emprego, os quais tenderão a aumentar a pressão da procura em áreas periféricas ao seu núcleo central. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 123

132 Assim, a nível sociodemográfico, deve destacar-se que o crescimento populacional ocorrido em toda a envolvente regional do concelho de Alenquer se encontra fundamentalmente ancorado na dinâmica migratória, o que reflete o potencial atrativo que esta região ainda apresenta na atualidade. Esta realidade, a par de uma diversificação sociocultural que decorre do afluxo de imigrantes estrangeiros que, provavelmente se intensificou nesse período, deve ser entendida enquanto fonte geradora de novas necessidades sociais, nomeadamente nos planos habitacional e de acesso a equipamentos e serviços de natureza coletiva (saúde, educação), bem como de oferta de emprego e apoio ao processo de envelhecimento demográfico em curso Evolução Demográfica Concelhia e Densidade Populacional A dinâmica demográfica do concelho de Alenquer ao longo do século XX revela duas fases distintas: a primeira, até aos anos 60, caracterizou-se por um crescimento contínuo, se bem que moderado, sendo a segunda, compreendida entre essa data e 1991, marcada por uma evolução irregular, embora globalmente no sentido descendente. Como consequência, residiam no concelho de Alenquer em 1991 cerca de 34 mil habitantes, o que correspondia a aproximadamente menos 1000 habitantes que aqueles que aí residiam em 1960, valor ainda assim bastante superior ao existente no início do século XX (menos de 25 mil habitantes). Contudo, a evolução recente aponta claramente para um considerável crescimento do efetivo populacional, tendo-se verificado um aumento do mesmo em +14,9% entre 1991 e 2001, equivalente a um acréscimo de 5082 habitantes, alcançando o concelho habitantes em Comparativamente a outros referenciais geográficos em que Alenquer se insere, este crescimento relativo revelou-se bastante superior (mais de 9 pontos percentuais que os registados em Portugal e na região de Lisboa e Vale do Tejo e + 5 p.p. que a sub-região Oeste, onde surge posicionado logo a seguir a Mafra e a Sobral de Monte Agraço no ranking de crescimento). Segundo os resultados definitivos dos Censos 2011, no período intercensitário , o concelho de Alenquer registou um aumento populacional de cerca de 4087 habitantes (10,4%), encontrando-se, à data, com habitantes. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 124

133 Gráfico Evolução da população residente no concelho de Alenquer (1950/2011) Nº de Habitantes Pop. Residente Recenseamentos Fonte: Instituto Nacional de Estatística Acompanhando as dinâmicas demográficas nacionais, a década de 60 foi, também no concelho de Alenquer, caracterizada pelo início de uma quebra populacional acentuada, motivada quer pela guerra colonial, quer pelas migrações externas (para o estrangeiro) e internas, destacando-se, nestas últimas, as que tiveram como destino o mercado de trabalho da Grande Lisboa. Ao carácter massivo que tomou a saída de população do concelho, assumindo contornos de êxodo rural, não terão sido estranhas as características do respetivo tecido produtivo, através da não disponibilização de oportunidades de emprego satisfatórias para uma fatia considerável dos ativos residentes. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 125

134 A conjugação destes fatores assumiu consequências na estrutura do efetivo populacional, condicionando fortemente as dinâmicas evolutivas subsequentes. De facto, ao atingirem maioritariamente as classes mais jovens e em idade fértil, estas saídas vieram a condicionar durante décadas a evolução demográfica natural ao afetarem decisivamente a sua capacidade de reprodução endógena, sendo o duplo envelhecimento da população, traduzido no aumento da população idosa (envelhecimento no topo) e na diminuição da população jovem (envelhecimento na base), a face mais visível desse processo. A década de 70 caracterizou-se por um retomar do crescimento demográfico generalizado no Continente, não constituindo Alenquer uma exceção. O regresso da população residente nas antigas colónias, a diminuição da intensidade do movimento emigratório e o aumento das condições de vida da população contribuíram indubitavelmente para esse aumento do efetivo populacional, o qual não foi, no entanto, suficiente para ultrapassar os valores de Terminado o período de retorno das antigas colónias, fator externo e conjuntural que contribuiu para o crescimento demográfico nacional e concelhio, mantendo-se no essencial as características predominantemente rurais do concelho, os anos 80 marcaram um novo período de quebra demográfica (-1,4% entre 1981 e 1991), ao que não terá sido alheio o incremento das migrações para a AML, atrativa em diversas esferas, por oposição ao que acontece em Alenquer. O recente dinamismo concelhio em termos económicos e a sua maior integração na AML justificam uma nova inversão da tendência demográfica, apontando os dados dos Censos 2001 para um crescimento na ordem dos 15% face a 1991, ultrapassando, em cerca de 4000 indivíduos, os valores da população residente em É importante realçar que o crescimento demográfico observado superou as perspetivas traçadas pelo PDM agora em revisão em cerca de 3000 habitantes. Também a última década (2001/2011) ficou pautada pelo incremento da população residente. De acordo com os dados definitivos dos Censos 2011, a população do concelho ultrapassa já os habitantes (passou de habitantes em 2001, para habitantes em 2011, uma variação de +10,4%). Apesar do concelho de Alenquer ter vindo a registar nas últimas décadas significativos aumentos populacionais, reforçando, inclusive, o seu peso relativo face aos outros concelhos da sub-região Oeste, é importante salientar o abrandamento desse ritmo nos últimos anos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 126

135 À semelhança de outros concelhos periféricos em que a função residencial tem apresentado um comportamento explosivo, os ritmos de crescimento efetivo que Alenquer observou devem-se, sobretudo, aos efeitos de suburbanização, derivados de intensos movimentos migratórios, principalmente de população jovem e com menores rendimentos, que encontra no concelho fatores favoráveis para a aquisição de habitação, designadamente no que se refere ao custo das casas. A leitura desta evolução segundo o contributo real das diferentes componentes de crescimento demográfico efetivo5 (crescimento natural6 e crescimento migratório7) reflete uma diminuição da capacidade endógena de substituição geracional, conferindo à intensidade e sentido dos fluxos migratórios um papel determinante nesse processo. Tomando como referência os anos 2001 e 2010, constata-se uma diminuição da taxa de crescimento efetivo, motivada pelo decréscimo da componente migratória na última década, apesar do ligeiro aumento do crescimento natural. 5 Crescimento efetivo = crescimento natural + crescimento migratório. 6 Crescimento natural = nados vivos - óbitos. 7 Crescimento migratório = crescimento efetivo - crescimento natural Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 127

136 Gráfico Taxas de crescimento efetivo, natural e migratório no concelho de Alenquer (2001/2010) 2,5 2 1,5 (%) 1 0,5 0-0,5 Crescimento efetivo Crescimento natural Fonte: Instituto Nacional de Estatística Crescimento migratório ,16-0,01 2, ,64 0,02 1,62 Desta análise, ressalta a ideia central da importância da componente migratória no processo de crescimento demográfico concelhio, apesar da sua diminuição, uma vez que reflete as condições específicas que têm influenciado o grau de atratividade/repulsividade do concelho; quanto ao crescimento natural, o seu ligeiro aumento foi promovido pela conjugação entre as taxas de natalidade8 e de mortalidade9, apesar do seu decréscimo em relação ao ano de Taxa de natalidade = nados-vivos/ população residente x O volume da população residente foi calculado através da aplicação da taxa de crescimento médio anual nos períodos intercensitários 1981/ 1991 e 1991/ Taxa de mortalidade = óbitos/ população residente x O volume da população residente foi calculado através da aplicação da taxa de crescimento médio anual nos períodos intercensitários 1981/ 1991 e 1991/ Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 128

137 Gráfico - Taxas de mortalidade e de natalidade no concelho de Alenquer em 1991, 2001 e permilagem Taxa de natalidade Taxa de mortalidade Fonte: Instituto Nacional de Estatística Assim, pode concluir-se, que a mutação dos mecanismos de crescimento demográfico observada nas últimas décadas está intimamente relacionada com a envolvente externa do concelho, caracterizada pelas múltiplas formas e impactes que assumiu (e continua a assumir) localmente. No presente, o grau de sustentabilidade do efetivo demográfico do Concelho de Alenquer revela-se especialmente dependente do sentido e intensidade dos fluxos migratórios. A distribuição espacial da população no território concelhio apresenta um padrão disperso, apoiado em núcleos de pequena dimensão, situação que traduz uma rede urbana relativamente débil. Marcada por um acentuado contraste interno, a organização espacial do Concelho de Alenquer encontra-se estruturado urbanisticamente no eixo Carregado/Alenquer/Ota, com inflexão da Abrigada, traduzindo o papel das acessibilidades nesse contexto, sendo ainda atualmente visível a matriz rural de uma significativa porção do seu território. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 129

138 Em termos de dinâmica demográfica das freguesias a evolução recente tem sido caraterizada pelo acentuar das assimetrias intraconcelhias, as quais se têm apoiado em dois mecanismos distintos mas complementarem nesse processo: (i) Concentração dos ganhos populacionais nas freguesias a sudeste, melhor servidas por acessibilidades rodoviárias, nomeadamente o IC2/EN1 e a IP1/A1, e com maior dinamismo económico (com reflexos na criação de emprego). Neste contexto, verifica-se que a união das freguesias do Carregado e Cadafais, regista um valor de densidade populacional de 548,2 hab/km 2, significativamente mais elevado que aquele que se regista nas restantes freguesias do Concelho. (ii) Perdas demográficas nas freguesias essencialmente localizadas no Oeste e Noroeste do Concelho e enquadradas pela Serra de Montejunto, o que lhes confere e acentua um caráter de isolamento e distância face às principais acessibilidades do Concelho. Atentos ao mapa que se segue, que representa a variação populacional por freguesia no último período intercensitário, conclui-se que: Mantem-se a tendência de clara dicotomia no crescimento e concentração populacional nas freguesias do concelho com melhores acessibilidades a Lisboa, sensivelmente a Sul/Sudeste do concelho união das freguesias do Carregado e Cadafais e união de freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana); Uma segunda freguesia, Ota, que apresenta um crescimento populacional menos acentuado, mas que se destaca das restantes freguesias, já que todas as outras perdem população; A restante área do concelho regista uma diminuição no efetivo populacional, tornando clara a conjugação de fatores que não permitem manter a população aí residente. As freguesias de Vila Verde dos Francos (-11%), Meca (-5,2%) e Olhalvo (-5,2%), são as que apresentam uma diminuição da população mais acentuada. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 130

139 Mapa Evolução da população residente nas freguesias do concelho de Alenquer (2001/2011) Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos 2001 e 2011 Em função da dimensão do concelho, poder-se-á considerar a densidade populacional como relativamente elevada, registando em 2011 um valor médio de 142,2 hab/km 2. Contudo, apresenta um valor ligeiramente inferior à média da sub-região Oeste (163,3 hab/km 2 ). O mapa seguinte expressa a densidade populacional por freguesia e como seria de esperar, a densidade populacional é substancialmente mais elevada na união das freguesia do Carregado e Cadafais (548,2 hab/km 2 ). A freguesia de Ota apresenta a menor densidade populacional do concelho com apenas 27,8 hab/km 2. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 131

140 Mapa Densidade Populacional no Concelho de Alenquer (2011) Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos 2011 Ao nível de freguesia e considerando a relação entre o número de habitantes e a área de superfície regista-se um conjunto interessante de factos: As freguesias que registam menor densidade populacional encontramse parcialmente abrangidas por áreas fortemente condicionadas por restrições de utilidade pública: Vila Verde dos Francos pelo Parque Natural da Serra de Montejunto e a Ota por regime florestal e pela área de servidão da Base Aérea da Ota (embora nesta freguesia, também se verifica a existência de grandes propriedades de cariz florestal de produção); Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 132

141 Apesar de se encontrar entre as freguesias que perderam população, Olhalvo apresenta uma densidade populacional muito superior à média do concelho, facto que advém de ser a freguesia do concelho que apresenta menor superfície; Quadro 6 População e Densidades Populacionais por Freguesia (2001) Freguesias Área Km 2 % População Residente Densidade Populacional Freguesia de Carnota 18,09 5, ,8 Freguesia de Meca 14,12 4, ,7 Freguesia de Olhalvo 8,3 2, ,8 Freguesia de Ota 46,32 15, ,8 Freguesia de Ventosa 22,21 7, ,8 Freguesia de Vila Verde dos Francos 28,13 9, ,3 União de Freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres União das Freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha 46,15 15, ,4 27,95 9, ,2 União das Freguesias de Alenquer 50,08 16, ,1 União das Freguesias de Carregado e Cadafais União das Freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana 24,52 8, ,2 18, ,4 Total do Concelho 304, ,2 Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos 2011 Resumindo e atentos aos valores de densidade populacional por freguesia acima inscritos, verifica-se que as freguesias mais densamente povoadas correspondem à união das freguesias do Carregado e Cadafais, e união das freguesias de Alenquer (Triana e Sto. Estêvão), Olhalvo. As freguesias de Ota, Vila Verde dos Francos e união das freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana são as de menor densidade. Para além das explicações apresentadas anteriormente (influência da Serra de Montejunto e servidões da Base Aérea da Ota), é nestas freguesias que se tem registado um maior abandono da agricultura, o que implica um acumular de carga combustível e consequentemente, maior risco de incêndio. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 133

142 Estrutura Etária e Envelhecimento da População A estrutura etária da população constitui um indicador de caraterização da massa demográfica de um determinado território, fornecendo informações relevantes sobre a sua composição e sobre as necessidades sociais que configura; ao mesmo tempo, a sua análise permite aferir o respetivo grau de sustentabilidade num horizonte temporal de médio prazo, nomeadamente no que respeita à sua capacidade endógena de reposição geracional e ao potencial de recursos humanos. Pretende-se assim, caraterizar mais detalhadamente o perfil da estrutura etária e problematizar o seu significado. Assim, a dinâmica específica dos mecanismos de crescimento demográfico no Concelho de Alenquer tem sido marcada pelo sentido e intensidade assumida pelos movimentos migratórios, aspeto que se tem refletido na composição etária do seu efetivo populacional e, consequentemente, sobre a respetiva capacidade endógena de substituição geracional. O principal dado que decorre da análise da informação censitária disponível (1960 e 2011), prende-se inequivocamente com a tendência para o progressivo envelhecimento da população residente no Concelho, sendo de realçar o contexto de relativa estabilidade do efectivo populacional em que tais mudanças ocorreram. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 134

143 Gráfico 9 Evolução do Índice de Envelhecimento no Concelho de Alenquer (1960/2011) Fonte: Instituto Nacional de Estatística A existência de situações de sub-representação de efetivos nos escalões etários compreendidos entre os 35 e os 49 anos (classes ocas), especialmente visíveis em 1991, reflete a intensidade local do fenómeno migratório que ocorreu na década de 60, o qual contribuiu para uma considerável erosão da expressão relativa das classes mais jovens que ainda no início da década de 2000 se fazia sentir. Paralelamente a esta dinâmica, muito ligada a circunstâncias externas que se revelaram adversas à fixação de jovens no Concelho nas décadas anteriores a 1990, importa referir novamente que o comportamento da natalidade contribuiu para o agravamento dos desequilíbrios da sua pirâmide etária. De fato, se a redução da proporção de indivíduos em idade de procriação influenciou o volume de nascimentos, não é desprezar a trajetória descendente apresentada pela variável relativa à fecundidade, traduzindo ela própria importantes mutações sociais e, naturalmente, de ordem económica - No entanto, os dados relativos aos últimos anos ( ) apontam nitidamente para um incremento dos nascimentos, registandose mesmo um crescimento natural positivo no último triénio. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 135

144 Este fenómeno está correlacionado, antes de mais, com a entrada no concelho de população em idade reprodutora, principalmente na década de 90, e com o consequente reforço destas classes etárias no total da população (a população entre os 20 e os 39 anos registou um incremento de indivíduos entre 91 e 2001 e o seu peso na população cresceu de 26% para 31%, apesar de entre 2001 e 2011 registar apenas um aumento de 335 indivíduos). Gráfico - Estrutura etária da população residente no concelho de Alenquer (1991/2001/2011) ou + 80 a a a a a a a a a a a a a a a 14 5 a 9 0 a % 2001 % 100 ou + 95 a a a a a a a a a a a a a a a a a a 14 5 a 9 0 a Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 136 % %

145 ou + 85 a a a a a a a a a a a a a a a a 14 5 a 9 0 a % % Fonte: Instituto Nacional Estatístico Como vemos, a década de 90 corresponde a um período de visível crescimento demográfico, crescimento este, acompanhado por uma falta de capacidade endógena de substituição geracional, deslocando para a atração de população externa ao concelho o principal motor de expansão e renovação do efetivo aí residente. Do ponto de vista da estrutura etária, constata-se o agravamento do processo de envelhecimento demográfico a nível local, persistindo assim (ainda que com menor intensidade) a redução da proporção de jovens em favor do aumento da representatividade dos idosos. De acordo com os dados definitivos dos Censos de 2011, existe uma similitude percentual da população com idades entre os 15 e 24 anos, na sub-região Oeste e no concelho de Alenquer, 10,3% e 10,2%, respetivamente. No entanto, a média da população idosa no concelho de Alenquer é significativamente inferior à média da região Centro e das sub-regiões do Oeste e da Grande Lisboa, o que revela, ainda assim, uma população menos envelhecida no município de Alenquer. Já no caso da população em idade ativa (25 aos 64 anos), o peso é ligeiramente superior no concelho de Alenquer (55,8%), face à média da sub-região Oeste (54,4%) e da região Centro (53,6%), embora seja igual à média da sub-região da Grande Lisboa (55,8%). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 137

146 Gráfico Distribuição da população residente por grupos etários (em %), por concelho e região, em , anos anos 20 16,5 17, anos 65 e mais anos 10 10,2 0 Grande Lisboa Centro Oeste Alenquer Fonte: Instituto Nacional Estatístico, Censos 2011 Observando o gráfico seguinte, que contém os dados referentes a 2001 e 2011 para o concelho de Alenquer, verifica-se que houve um acréscimo de cerca de 2% da população em idade ativa. O grupo etário mais jovem (0 aos 14 anos) também registou um acréscimo, embora menos significativo (mais 0,7%). Já o grupo etário dos 15 aos 24 anos sofreu uma perda de 3%. O grupo da população com mais de 65 anos, sofreu, no mesmo período, um ligeiro aumento de 0,2%. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 138

147 Gráfico Distribuição da população residente por grupos etários (em %), no concelho de Alenquer, em 2001 e e + 17,5 17, ,2 13,2 53,7 55, ,5 15, Fonte: Instituto Nacional Estatístico, Censos 2001 e 2011 A manutenção destas tendências num horizonte de médio prazo permite configurar um quadro marcado pelo progressivo envelhecimento da população ativa e do crescimento proporcional dos indivíduos com idade igual ou superior a 65 anos, o que, a confirmar-se, preconizará um quadro de novas problemáticas que derivam de um contingente populacional pontuado por desequilíbrios crescentes na respetiva estrutura etária. Em termos socioeconómicos, a manutenção deste cenário de relativo envelhecimento da população na década atual será igualmente portadora de transformações relevantes no domínio dos recursos humanos em idade ativa, uma vez que se assistirá ao seu progressivo envelhecimento e, tendencialmente, a uma evolução menos dinâmica do seu perfil de qualificações e competências socioprofissionais. Embora, pela sua complexidade, este conjunto de relações não se possa estabelecer de modo automático, será relativamente expetável a manutenção do volume e das caraterísticas do potencial de recursos humanos residente no espaço concelhio, reduzindo a sua margem de atratividade e competitividade de novas atividades geradoras de emprego qualificado. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 139

148 À escala intraconcelhias, tendo em consideração a informação estatística de 2011, é possível verificar que a união de freguesias de Carregado e Cadafais é aquela em que o grupo que representa a população em idade ativa tem maior peso (70,1%), seguida da freguesia de Ota (67%). Em posição contrária encontra-se a freguesia de Ventosa, ao apresentar a menor percentagem de população residente em idade ativa (60%). Já a freguesia de Ventosa e Vila Verde dos Francos destacam-se por serem as que têm maior percentagem de população com idade acima dos 65 anos, 27,3% e 26,4%, respetivamente, sendo a média do concelho de 17,5%. Na situação inversa, encontra-se a freguesia do Carregado, uma vez que apenas, 8,8% dos seus residentes tem mais de 65 anos. Em termos da freguesia com mais população dos 0 aos 14 anos, e como seria expetável, surge a freguesia do Carregado com 19,7%, percentagem muito superior à média concelhia (16,5%). Quadro Estrutura Etária da População Residente nas Freguesias do Concelho de Alenquer (2001/2011) Freguesias e e + Carnota Meca Olhalvo Ota Ventosa Vila Verde dos Francos U.F. de Abrigada e Cabanas de Torres U.F. de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha U.F. de Alenquer U.F. de Carregado e Cadafais U.F. de Ribafria e Pereiro de Palhacana Fonte: Instituto Nacional Estatístico Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 140

149 Em suma, a análise da estrutura etária por freguesia revela-nos que, apesar de não ser homogénea, a situação vivida por estas unidades em 2011 não apresenta casos extremos de envelhecimento. Contudo, e à exceção da união de freguesias do Carregado e Cadafais e da união de freguesias de Alenquer, todas as restantes freguesias ostentavam um número de indivíduos com mais de 65 anos superior ao número de jovens (0 aos 14 anos). Entre estas freguesias podemos, mesmo assim, destrinçar dois grandes grupos: (i) o sector ocidental, com as freguesias mais envelhecidas (Ventosa, Vila Verde dos Francos, união de freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha, Olhalvo e união de freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana; (ii) o eixo central, com unidades ligeiramente menos envelhecidas (Ota, união de freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, Meca e Carnota). Nesta matéria, a verdadeira exceção no cenário concelhio é a freguesia do Carregado, uma vez que possuía em 2011 uma população bastante jovem, valores estes que podemos considerar mesmo bastante invulgares no contexto nacional. Em termos de variação entre 2001 e 2011 assistimos, como é lógico, a um processo de reforço da população com mais de 65 anos na maioria das freguesias. Em termos de variação entre 2001 e 2011 assistimos, como é lógico, a um processo de reforço da população com mais de 65 anos em todas as freguesias à exceção do referido caso do Carregado. Por fim, e de acordo com o quadro seguinte, analisa-se o índice de envelhecimento (número de idosos por cada 100 jovens até aos 14 anos), o índice de dependência de idosos (número de idosos por cada 100 adultos em idade ativa dos anos), o índice de dependência de jovens (número de jovens até aos 14 anos por cada 100 adultos em idade ativa dos anos), o índice de dependência total (número de jovens e idosos por cada 100 adultos em idade ativa dos anos) e o índice sustentabilidade potencial (relação entre a população em idade ativa e a população idosa). Quadro 7 Índices-Resumo da Evolução da Estrutura Etária (1981/2001) Indicador Índice de Envelhecimento Demográfico ,9 Índice de Dependência Total ,8 Índice de Dependência dos Jovens ,1 Índice de Dependência dos Idosos ,8 Fonte: Instituto Nacional Estatístico 10 Índice de Envelhecimento Demográfico = População com 65 e mais anos / População com 0 a 14 anos X Índice de Dependência Total = (População com 0 a 14 anos + População com 65 e mais anos) / População com 15 a 64 anos X Índice de Dependência dos Jovens = População com 0 a 14 anos / População com 15 a 64 anos X Índice de Dependência dos Idosos = População com 65 e mais anos / População com 15 a 64 anos X 100. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 141

150 Segundo os dados definitivos dos Censos de 2011, o índice de envelhecimento no concelho de Alenquer é de 106,9 idosos por cada 100 jovens até aos 14 anos, valor substancialmente inferior à média das unidades geográficas em análise: Oeste 133,5; Centro 164,3; Grande Lisboa 120. Comparativamente a 2001, o índice de envelhecimento diminuiu ligeiramente no concelho de Alenquer, em cerca de 2,3 idosos por cada 100 jovens. Este comportamento foi inverso ao verificado quer nas sub-regiões Oeste e Grande Lisboa, quer na região Centro, uma vez que registaram um aumento significativo do índice de envelhecimento. Quanto ao índice de dependência de idosos, este é mais baixo, em 2011, no concelho de Alenquer (26,8) face à média das sub-regiões Oeste (31,3) e Grande Lisboa (27,9), e face à média da região Centro (35,3). Em relação a 2001, o índice de dependência de idosos aumentou ligeiramente (1,1%), o que resulta não só do ténue aumento da população idosa, como também da relativa diminuição de população ativa dos 15 aos 64 anos. Pelo contrário, e como seria espetável perante os dados apresentados, o índice de dependência de jovens é relativamente superior no concelho de Alenquer (25,1) e face a 2001 registou um aumento de 1,5%, em consequência do aumento da população jovem dos 0 aos 14 anos registado na última década. No que respeita ao índice de dependência total, em 2011, constata-se que no concelho existem 51,8 efetivos não ativos (efetivos dos 0 aos 4 mais os efetivos com mais de 65 anos) por cada 100 adultos em idade ativa (15 aos 64 anos), valor ligeiramente inferior à média da sub-região Oeste (54,8) e região Centro (56,9), e equivalente à média da sub-região da Grande Lisboa (51,1). Por último, o índice de sustentabilidade potencial no concelho de Alenquer é de 3,7 adultos em idade ativa (15-64) por cada idoso, valor superior à média das unidades geográficas consideradas para esta análise comparativa: Oeste 3,2; Centro 2,8; Grande Lisboa 3,6. Analisando agora os mesmos indicadores à escala intraconcelhias, verifica-se que, ao nível do índice de envelhecimento, as freguesias apresentam valores muito díspares, sendo os valores mais baixo registados na união de freguesias do Carregado e Cadafais (51,8), união de freguesias de Alenquer (91,8) e Ota (117,3), e os valores mais altos nas freguesias de Vila Verde dos Francos (222,5) e Ventosa (21412), cujos valores superam, largamente, a média da região Centro (164,3). Como se pode observar através do mapa seguinte, a geografia parece influenciar o índice de envelhecimento, sendo que as freguesias que se encontram numa posição menos favorável localizam-se no setor noroeste do concelho e relativamente distantes dos dois principais núcleos urbanos do concelho (Carregado e Alenquer) e das sedes de concelho dos municípios vizinhos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 142

151 Mapa Índice de Envelhecimento do Concelho de Alenquer (2011) Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos 2011 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 143

152 Grau de Instrução da População A análise do grau de instrução da população revela-se fundamental na definição nas estratégias de sensibilização. De acordo com a informação estatística, aproximadamente 6,1% dos residentes do concelho de Alenquer são analfabetos, valor que se enquadra nos valores da sub-região Oeste (6,1%) e região Centro (6,4%). Contudo, o concelho apresenta um valor substancialmente superior ao registado na Grande Lisboa (3%). Gráfico Taxa de analfabetismo, em ,0 6,0 5,0 4,0 3,0 2,0 1,0 0,0 Grande Lisboa Centro Oeste Alenquer Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos de 2011 De fato, a taxa de analfabetismo no concelho diminuiu consideravelmente passando de valores na ordem dos 28% em 1981, para se fixar nos 6,1% em No entanto, e descendo a análise ao nível da freguesia verificase algumas assimetrias, uma vez que subsistem freguesias com taxas de analfabetismo muito significativas (superiores a 10%). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 144

153 Gráfico Evolução da Taxa de analfabetismo (1981/2011) Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos de 2011 Este fenómeno tem maior incidência nas freguesias de Vila Verde dos Francos (13,8%), Carnota (12%), união das freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana (11,5%) e união das freguesias de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha (11,4%), como é possível verificar no mapa seguinte. Por oposição, a união das freguesias do Carregado e Cadafais (3%) apresenta as taxas de analfabetismo mais baixas. De salientar, que também a união das freguesias de Alenquer (4,2%) e Ota (4,5%) registam taxas de analfabetismo inferiores à média concelhia. Constata-se assim, que são as freguesias do quadrante Este-Sudeste que apresentam valores mais reduzidos de taxa de analfabetismo. Este fator é explicado pelo cariz mais urbano das freguesias nesse quadrante, assim como, o facto de possuírem uma população mais jovem. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 145

154 Mapa Taxa de Analfabetismo do Concelho de Alenquer (2011) Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos de 2011 Alenquer apresenta, do ponto de vista do ensino, um comportamento semelhante ao verificado na generalidade dos concelhos a nível nacional, comportamento esse que se caracteriza por uma maior preponderância de população residente cujo grau de ensino concluído, não ultrapassa o 3º ciclo do ensino básico (o ensino obrigatório correspondia até recentemente ao 9º ano de escolaridade). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 146

155 Gráfico Grau de Instrução da População Residente (2011) 1% 8% 21% 14% 17% 26% Nenhum Básico 1º ciclo Básico 2º ciclo Básico 3º ciclo Secundário Pós-secundário Superior 13% Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos de 2011 Deste modo, em 2011, no concelho de Alenquer, cerca de residentes (56%) possuíam o ensino básico, sendo que destes, (26%) apenas completaram o 1º ciclo do ensino básico; 6013 residentes (14%) possuíam ensino secundário e apenas 3379 (7,69%) possuíam ensino superior. Percebe-se que em todas as freguesias do concelho se regista uma diferença nítida entre os residentes que concluíram o 3.º ciclo do ensino básico e os que concluíram o ensino secundário, indiciando algum abandono escolar precoce nesta transição. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 147

156 Quadro Grau de Instrução da População Residente por freguesia (2011) Nível de ensino Freguesias Nenhum Básico 1º ciclo Básico 2º ciclo Básico 3º ciclo Secundário Póssecundário Superior Carnota Meca Olhalvo Ota Ventosa Vila Verde dos Francos U.F. de Abrigada e Cabanas de Torres U.F. de Aldeia Galega da Merceana e Aldeia Gavinha U.F. de Alenquer U.F. de Carregado e Cadafais U.F. de Ribafria e Pereiro de Palhacana Concelho Fonte: Instituto Nacional de Estatística, Censos de 2011 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 148

157 4. Caraterização das infraestruturas 4.1. Rede rodoviária e ferroviária Em termos de infra estruturas o concelho de Alenquer é atravessado por várias redes nomeadamente rede rodoviária, gasoduto, ferroviária, rede elétrica muito alta, alta, média tensão. Tem a base da Ota como infraestrutura aérea com funções militares. No que respeita à rede viária é de salientar a autoestrada A1, a A10 e o nó rodoviário do Carregado que liga a A1 à A10 e à CREL. Também o IC2 atravessa grande parte do concelho de Alenquer tendo um tráfego bastante acentuado. De notar que a linha ferroviária passa no concelho de Alenquer, na união da freguesia do Carregado apenas num pequeno troço, que é atravessado por caminhos municipais. Mapa 10 Rede rodoviária e ferroviária do concelho de Alenquer 2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 149

158 4.2. Rede combustíveis No concelho de Alenquer existem dois troços de gasoduto principais, um que atravessa o território de Sul para Norte ao longo da união das Freguesias de Carregado e Cadafais, União das freguesias de Alenquer (Triana e Alenquer), Ota, União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, e outro, que se expande de Este para Oeste nas freguesias a Norte do concelho nomeadamente Ota, União das Abrigada e Cabanas de Torres e Vila Verde dos Francos. Estes dois ramais têm duas estações, uma nas Marés na freguesia de Abrigada e outra no Carregado perto da central termoelétrica. Em caso de acidente a atuação no gasoduto é sempre da responsabilidade da REN Gasodutos havendo em caso de necessidade, a intervenção de agentes de Proteção Civil, para implementarem medidas de proteção às populações ou estrições de circulação. Mapa 11 Rede combustíveis do concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 150

159 4.3. Rede elétrica O concelho de Alenquer alberga no seu território, na União das freguesias do Carregado e Cadafais um empreendimento com duas centrais termoelétricas. Portanto é normal que a rede elétrica nessa freguesia seja bastante densa. A rede de muito alta tensão tem 6 linhas que atravessam este concelho. No que se refere à rede de abastecimento doméstico, a de média tensão está distribuída de uma forma homogénea em todo o território como se pode verificar no mapa seguinte. De notar que as centrais termoelétricas têm planos de emergência interno. Mapa 12 Rede elétrica do concelho de Alenquer Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 151

160 4.4. Rede abastecimento de água No concelho de Alenquer a rede de abastecimento de água comporta um conjunto de estações elevatórias, reservatórios e cisternas. As estações elevatórias são 48 enquanto os reservatórios são 110. As 4 cisternas estão referenciadas como pontos de abastecimento em caso de incêndio. Em caso de acidente grave ou catástrofe deve-se recorrer aos reservatórios de água para abastecer os carros de abastecimento de água, quer dos bombeiros quer os da Câmara ou de meios privados, como é o caso da empresa de Águas de Alenquer ou da empresa Águas do Oeste. Mapa 13 Rede abastecimento de Água 2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 152

161 4.5. Agentes de Proteção Civil Os agentes de Proteção Civil nomeadamente os Bombeiros, a GNR, o CFMTFA da Ota bem como os Centros de Saúde, as Instituições de Solidariedade Social, a Cruz Vermelha (que não sendo agentes de Proteção Civil) estão georreferenciadas na base de informação geográfica do serviço municipal de Proteção Civil de Alenquer. Mapa 14 Agentes de Proteção Civil No concelho de Alenquer existe os seguintes agentes: Corpos de Bombeiros GNR Forças Armadas INEM Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 153

162 Para o PMDFCI foi elaborada uma carta com as áreas de 1ª intervenção demarcando os setores dos bombeiros do concelho de Alenquer. Esses setores estão definidos e marcam as Freguesias que cada Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários tem à sua responsabilidade. Mapa 15 Sectores (1.ª Intervenção) Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 154

163 Matriz de Risco Tipo Risco 5. Caracterização do risco 5.1. Análise do risco No concelho de Alenquer a probabilidade de acidente grave depende de alguns riscos que existem devido a algumas vulnerabilidades, quer em termos de riscos naturais quer em termos de riscos tecnológicos. A caraterização dos riscos deriva da sua identificação e da probabilidade e gravidade com que podem ou não ocorrer neste concelho. Temos assim que no concelho de Alenquer se pode considerar que os seguintes riscos identificados a azul têm alguma probabilidade de acontecer, enquanto os identificados a laranja não são tão prováveis. Segundo as matrizes definidas na Diretiva Operacional n.º1/anpc/2007, Estado de alerta para as organizações integrantes do Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS), teremos a seguinte matriz para os riscos do concelho de Alenquer. Probabilidade Confirmada Elevada Médiaalta Média Médiabaixa Gravidade Baixa Critica Acentuada Moderada Reduzida Residual Acidentes industriais X X Acidentes graves tráfego aéreo X X Acidentes graves tráfego ferroviário X X Acidentes graves tráfego rodoviários X X Cheias X X Colapso estrutura X X Deslizamentos X X Incêndios florestais X X Incêndios urbanos X X Transportes mercadorias perigosas X X Secas X X Sismos X X Maremotos X X Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 155

164 É de realçar o fato de no concelho de Alenquer existir a Base da Ota, que atualmente apenas funciona como centro de formação, não registando tráfego aéreo. Apesar de haver um pequeno troço de linha ferroviária que atravessa o concelho na zona do Carregado, a probabilidade de acidente é muito diminuta. Quanto aos maremotos, dada a distância a que nos encontramos do mar, a possibilidade de este tipo de risco acontecer neste concelho é muito reduzida. Passaremos então à análise e caracterização dos riscos de maior probabilidade Risco - Sísmico Este risco tem sido estudado ao longo dos anos, dado que uma grande área de Portugal se encontra assente em placas tectónicas com falhas, o que determina a grande possibilidade de sismo em qualquer momento. A atividade sísmica do território português resulta de fenómenos localizados na falha Açores-Gibraltar fronteira entre as placas euro-asiática e africana (sismicidade interplaca) e de fenómenos localizados no interior da placa euro-asiática (sismicidade intraplaca). Os epicentros de vários sismos históricos que afetaram Portugal Continental situaram-se perto do Banco de Gorringe, localizado aproximadamente a 200 km a sudoeste do Cabo de S. Vicente, nomeadamente o sismo de 1 de Novembro de 1755, que foi seguido de um grande maremoto na costa oeste e sul da Península Ibérica (estimou-se a sua magnitude em 8.75). A sismicidade de Portugal Continental é caraterizada pela ocorrência, mais ou menos contínua, de sismos de magnitude fraca a média (inferiores a 5.0) e, esporadicamente, de um sismo de magnitude moderada a forte (superior a 6.0). A sismicidade concentrase, sobretudo, na região do Algarve (incluindo a zona marítima adjacente) e na região de Lisboa e Vale do Tejo, em particular junto à cidade de Lisboa e à vila de Benavente. Como no passado houve um sismo que praticamente destruiu Lisboa, é natural que seja considerado o risco que tem maior probabilidade de acontecer. Existe, aliás uma carta de risco sísmico de Portugal Continental, da qual efetuamos um extrato correspondente ao nosso concelho. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 156

165 Mapa 16 Extrato da carta de risco sísmico de Portugal Neste extrato podemos verificar que a intensidade sísmica desta carta para valores na ordem de 7.5 a 10 na Escala de Mercalli (área a lilás) atingem grande parte do concelho de Alenquer, sendo um dos riscos com maior probabilidade e gravidade a considerar. Por essa razão têm sido feitos alguns estudos e exercícios que permitam prever os danos que podem suceder. Em 2004 o Serviço Nacional de Proteção Civil elaborou um trabalho sobre o risco sísmico, onde se criaram dois cenários com epicentros localizados em sítios diferentes, mais propriamente em Setúbal (epicentro Setúbal na falha de Ribeira de Coina), Lisboa (epicentro Lisboa histórico de 1531) e Santarém (epicentro histórico de 1909). Um dos cenários foi criado para o Distrito de Lisboa e outro para o Distrito de Santarém. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 157

166 Segundo estes cenários o concelho de Alenquer seria severamente atingido se o epicentro fosse em Lisboa ou em Santarém. A união das freguesias do Carregado e Cadafais e a união das freguesias de Alenquer (Triana e Santo Estêvão) seriam atingidas com intensidade de grau VIII, enquanto, Meca e Ota sofreriam a intensidade de grau VII, as restantes Freguesias seriam atingidas pelo grau VI, exceto Vila Verde dos Francos que seria a que menos danos. Da análise desses cenários verificou-se tanto no cenário em que o epicentro seria em Santarém como em Lisboa, que os danos neste concelho seriam avultados e graves, pelo que se deve trabalhar na mitigação deste risco. Devido a estes estudos temos uma noção da vulnerabilidade do concelho de Alenquer em caso de sismo grave, dado que o território será gravemente afetado. Assim, sabemos em termos de probabilidade que a união das freguesias do Carregado e Cadafais tem um risco elevado e será a mais afetada no que respeita a danos materiais e populacionais. Para além de ser a Freguesia que geograficamente se encontra mais perto dos epicentros previstos, sendo atingida por uma intensidade elevada, sofrendo por isso os maiores danos, é a que apresenta um maior perigo porque reúne: Maior concentração de indústrias; Maior concentração populacional; Maior concentração de prédios altos com elevado número de condóminos; Rede de Gás densa com estação; Rede elétrica muito alta tensão; Central termoelétrica do Carregado; No caso de o epicentro ser em Lisboa os danos previstos serão muito maiores do que se fosse em Setúbal ou Santarém. Sendo o epicentro em Lisboa, o concelho de Alenquer será atingido com uma intensidade muito elevada. Os danos nos edifícios serão de gravidade moderada nas localidades de Alenquer, Carregado e Cadafais, prevendo-se que haja colapso de edifícios em Alenquer. A população a ser afetada é a residente no Carregado, mais precisamente a da Quinta da Barrada, devido aos edifícios de elevada cércea (11 andares). A população da vila de Alenquer, mais propriamente a vila alta será também afetada devido aos desabamentos. Na rede viária haverá danos moderados na IC2 e a A1 sofrerá colapsos. A rede de abastecimento de água será danificada numa maior extensão na zona da Freguesia da Ota. A rede de combustíveis (gasoduto) será sujeita a algumas reparações, mas em pequenas extensões, a cargo da REN Gasodutos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 158

167 A rede elétrica terá avarias em Alenquer, na Freguesia de Ota e em Abrigada. A união das Freguesias do Carregado e Cadafais, sofrerá danos moderados. A Cruz Vermelha terá danos ligeiros. A GNR de Alenquer será atingida com danos ligeiros. O centro de saúde de Alenquer sofrerá danos, tal comos os edifícios adjacentes. Face a estes perigos avaliados e perante os resultados dos exercícios realizados neste âmbito, ficamos com a ideia de que o nosso concelho é de fato muito vulnerável a este nível, sendo fundamental a coordenação do CDOS e dos CCO em caso de acidente. Risco - Incêndios Devido ao declive acentuado em determinadas zonas do concelho de Alenquer, nomeadamente na zona norte e noroeste, o combate aos incêndios é no geral mais problemático, sendo por isso primordial definir estratégias mais eficientes de defesa da floresta contra os incêndios, nomeadamente na prevenção e combate. Nas zonas mais planas os riscos e dificuldades são naturalmente menores, á exceção de algumas áreas particulares. O risco de incêndio está contemplado no PMDFCI e no POM, que são dois planos exclusivamente dedicados à problemática dos incêndios florestais. Nestes planos fez-se a análise do risco e perspetivou-se as medidas de atuação e de mitigação do mesmo. Nestes planos está a carta de risco e de prioridades de defesa que se seguem. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 159

168 Mapa 17 Carta de risco de incêndio Nesta carta verifica-se que a Serra de Montejunto e a Serra de Ota são de fato as zonas de maior risco. Nestas zonas estão a ser tomadas medidas de prevenção e de mitigação do risco, que foram estipuladas no PMDFCI. Importa referir que o mapa de risco de incêndio não representa uma probabilidade de ocorrência de incêndio mais sim um potencial de perda, caso se verifique tal incidente. Ou seja, no caso de um incêndio florestal, o mapa de risco informa onde há maior potencial para a perda de dado económico. Neste sentido, o mapa de risco de incêndio apresenta-se como um auxiliar no combate, assim como um importante instrumento de decisão, em virtude de demonstrar o que defender primeiro em função do seu valor. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 160

169 Carta de prioridades de defesa «O objetivo do mapa de prioridade é identificar claramente quais os elementos que interessa protege ( ) representa as manchas de risco de incêndio elevado e muito elevado sobre as quais se desenham os elementos prioritários, como pontos ou polígonos conforme a sua natureza.» Assim para elaborar este mapa foram identificados uma série de valores ecológicos, sociais e histórico-culturais posteriormente sobrepostos sobre as manchas de risco elevado identificadas no mapa de risco de incêndio. Desta sobreposição resultaram três elementos de defesa prioritária em caso de incêndio florestal: A Paisagem Protegida da Serra de Montejunto; O perímetro florestal da Serra de Ota; A Mata do Areal. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 161

170 Mapa 18 Carta de prioridades de defesa Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 162

171 Carta de Combustíveis Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 163

172 Risco Cheias e Inundações As cheias são fenómenos naturais extremos e temporários, provocados por precipitações moderadas e permanentes ou por precipitações repentinas e de elevada intensidade. Este excesso de precipitação faz aumentar o caudal dos cursos de água, originando o extravasamento do leito normal e a inundação das margens e áreas circunvizinhas. Outro tipo de fenómenos meteorológicos distintos dos anteriores, são os de origem convectiva, que produzem precipitações muito intensas e confinadas a uma reduzida dimensão espaço temporal. Estas situações conduzem geralmente a pontas de cheias elevadas, sobretudo quando afetam as pequenas bacias, principalmente, as localizadas em zonas de elevadas densidades urbana e demográfica. Fator essencial para o alerta das autoridades, aviso das populações e preparação das ações de socorro é o tempo que medeia a previsão de uma inundação e a sua concretização. O sistema de Vigilância e Alerta de Recursos Hídricos (SVARH), que o Instituto da Água (INAG) tem vindo a desenvolver para apoio às ações de Proteção Civil, torna possível aceder, em tempo real, a toda a informação pertinente para a gestão das situações previsíveis ou declaradas de cheia. Dentro das inúmeras ações previstas para o controlo de cheias e requalificação ambiental da rede hidrográfica, destacam-se pela sua importância na defesa de vidas humanas e bens algumas medidas entre as quais a Noutras épocas em que houve cheias na região de Lisboa este rio de Alenquer transbordou, tendo provocado cheias graves com danos avultados para pessoas e bens. Portanto, a sua regularização foi uma obra importante para colmatar estes possíveis acidentes. No entanto, outros rios do concelho de Alenquer correm risco de provocar inundações por várias razões, nomeadamente a falta de limpeza dos seus cursos. No sentido de resolver esta questão o SMPC no inquérito que efetuou para as Juntas de Freguesia, solicitou que assinalassem as zonas prováveis de inundação e os rios que necessitasse de limpeza. As Juntas no preenchimento dos referidos inquéritos apontaram as zonas de inundação e desencadeou-se um processo na Câmara Municipal para a limpeza desses rios. A Câmara Municipal de Alenquer anualmente faz a limpeza nos pontos mais problemáticos. Em termos de risco de cheia devemos basearmo-nos na carta do INAG. Relativamente ao domínio hídrico é sobre esta carta que marcámos as zonas que frequentemente são áreas de cheia, nomeadamente a zona da Merceana, Alenquer e Ribafria. Assim sendo, é esta carta que representa o referencial para os riscos de cheia. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 164

173 Mapa 19 Carta de zonas inundáveis com os postos de comando e as ZCAP Data:2014 Fonte: INAG Deste modo estão identificadas as zonas onde provavelmente pode ocorrer uma inundação, sendo possível fazer uma previsão que nos permita salvaguardar bens e avisar a população. Nesta carta estão assinalados os Postos de Comando e as ZCAP para cada uma das zonas afetadas. O lilás está assinalado o CMTFA porque é a ZCAP preferencial em caso de cheias. De notar que existe uma relação de motobombas de aspiração de água no anexo I, quadro , pertencentes a várias entidades e com os respetivos contatos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 165

174 No concelho de Alenquer existe uma ETAR na localidade Atouguia que se situa a montante de uma nascente, podendo em caso de acidente, sofrer uma rutura e contaminar as águas, dada a sua situação, como se vê na carta que se segue. Mapa 22 ETAR de Atouguia Data:2014 Assim sendo, achamos por bem considerá-la como elemento de risco de contaminação e fica aqui assinalada porque em caso de acidente grave pode ser necessário intervir nesta zona. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 166

175 Riscos Tecnológicos Indústrias poluidoras No concelho de Alenquer a união das freguesias do Carregado e Cadafais é a que concentra um maior número de indústrias, nomeadamente indústrias poluidoras, representando a zona de maior risco. O SMPC tem todas as indústrias cartografadas (a azul escuro) e com dados associados, num projeto SIG, incluindo as mais poluentes. De notar que existe uma área de proteção envolvente (buffer de 100m) a cada industria, que nos permitiu saber quais as populações que poderiam vir a ser afetadas, em caso de acidente. Neste projeto SIG estão também marcadas as áreas residenciais (a verde) que envolvem estas indústrias poluentes. Mapa 23 Carta indústrias poluentes Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 167

176 Também as adegas, sucatas e pedreiras estão cartografadas, georreferenciadas e associadas a informação alfanumérica, dado que são indústrias que igualmente poluem e são consideradas de risco. As medidas de mitigação passam por se verificar se existem planos de emergência internos e se os planos de segurança estão devidamente implementados nessas indústrias. No concelho de Alenquer existem 2 áreas de indústrias consideradas perigosas: Na localidade das Marés, na união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, a indústria Refisol, Lda. com materiais altamente inflamáveis. Na localidade da Trombeta, na união das freguesias de Alenquer (Santo Estêvão e Triana), existem várias indústrias como as Bombas da BP e Lubrificantes, Frigicoll, Pneus J. Lourenço, TAF- Transportadores e Ibertejo. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 168

177 No mapa que se segue estão identificadas estas indústrias perigosas. Data:2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 169

178 Riscos - Acidentes rodoviários No SMPC estão cartografados os locais onde tem havido mais acidentes, segundo um registo realizado pela GNR e cujo estudo nos foi facultado pela ANSR Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. No concelho de Alenquer foi feita a seguinte análise parametrizada entre o ano de 2003 e 2012, que nos serviu de base para a análise deste tipo de risco. Acidentes e vítimas no período compreendido entre 01/01/2003 e 31/12/2012 Acidentes c/ vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vitimas Índice de Gravidade Ano ,8 Ano ,3 Ano ,6 Ano ,4 Ano ,0 Ano ,9 Ano ,9 Ano ,2 Ano ,1 Ano ,7 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 170

179 Acidentes e vítimas por freguesia Acidentes c/ Vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vitimas Índice de Gravidade Freguesia de Abrigada ,0 Freguesia de Aldeia Galega da Merceana ,0 Freguesia de Aldeia Gavinha ,0 Freguesia de Alenquer (Santo Estêvão) ,0 Freguesia de Alenquer (Triana) ,0 Freguesia de Cabanas de Torres ,0 Freguesia de Cadafais ,0 Freguesia de Carnota ,0 Freguesia de Carregado ,7 Freguesia de Meca ,0 Freguesia de Olhalvo ,0 Freguesia de Ota ,0 Freguesia de Pereiro de Palhacana ,0 Freguesia de Ribafria ,0 Freguesia de Ventosa ,0 Freguesia de Vila Verde dos Francos ,0 Não Definido ,0 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 171

180 Listagem dos acidentes com vitimas Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : ,950 IC2 Colisão frontal Abrigada : ,700 IC2 Despiste simples : Av.ª Luís de Camões, 11 Atropelamento de peões : ,900 IC2 Despiste simples : ,600 EN9 Despiste simples : ,400 EN115 Despiste c/capotamento Aldeia Galega da Merceana : ,000 EN9 Desp.c/colisão c/veículo imobil./obstáculo : R. das Fontainhas Colisão frontal : ,640 EN9 Colisão lateral c/veículo em movimento : R. Martins, 22 Desp.c/colisão c/veículo imobil./obstáculo : ,550 EN9 Desp.c/colisão c/veículo imobil./obstáculo Aldeia Gavinha 12: VAR - Variante Despiste simples : ,050 EN9 Colisão com outras situações : ,600 EN9 Despiste c/capotamento : ,100 EN9 Despiste c/transp.dispositivo retenção lateral Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 172

181 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : R. Gago Coutinho Atropelamento de peões : ,600 IC2 Atropelamento de peões : R. Gago Coutinho Atropelamento de peões : R. Principal Atropelamento de peões : ,900 EN1 Atropelamento de peões : EM - Estrada Municipal Atropelamento de peões Alenquer (Santo Estêvão) : ,820 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,000 IC2 Despiste s/dispositivo de retenção : Qt.ª do Bravo, 62 Colisão lateral com veículo em movimento : ,520 EN9 Colisão c/veiculo ou obstáculo na f.rodagem : ,500 EN1 Colisão frontal : ,900 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,200 EN1 Colisão lateral c/ veículo em movimento Alenquer (Triana) 21: ,200 IC2 Despiste com capotamento : ,300 IC2 Colisão frontal Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 173

182 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : R. da Juventude Despiste simples : R. 25 de Abril Colisão lateral c/veículo em movimento : ,650 IC2 Despiste simples : EN9 Despiste com capotamento Alenquer (Triana) 11: ,700 IC2 Colisão lateral c/veículo em movimento : Calçada da Portela Despiste com capotamento : ,500 EN9 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,150 IC2 Colisão frontal : IC2 Colisão frontal : ,100 IC2 Colisão frontal Cabanas de Torres : R. da Fonte Despiste simples : ,350 EN115-4 Colisão lateral c/veículo em movimento Cadafais 16: R. da Grécia Despiste com capotamento : ,700 EN115-4 Colisão frontal : ,600 EN115-4 Colisão traseira c/veículo em movimento Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 174

183 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : R. Calouste Gulbenkian Colisão lateral c/veículo em movimento : ,850 EN115-4 Colisão frontal Cadafais 17: ,100 EN115-4 Colisão frontal : ,500 A10 Colisão traseira c/veículo em movimento : EM - Estrada Municipal Atropelamento de peões : ,825 EN115-4 Colisão lateral c/veículo em movimento : EM1121 Colisão frontal Carnota : ,650 EN115-3 Despiste simples : ,100 EN115-4 Despiste com capotamento : Avª das Descobertas Atropelamento de peões : Estrada C. Termoeléctrica Atropelamento de peões Carregado 14: ,300 A10 Despiste simples : ,700 A1 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,050 EN3 Colisão lateral c/veículo em movimento : Pcta. Gaspar Corte Real, 62 Atropelamento de peões Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 175

184 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : Avª Vale Monteiro Atropelamento de peões : Pcta. Gaspar Corte Real Atropelamento de peões : ,400 EN3 Atropelamento de peões : ,400 A1 Despiste com dispositivo de retenção : ,300 A1 Colisão traseira c/veículo em movimento : A1 Colisão traseira c/veículo em movimento : R. Vaz Monteiro Atropelamento com fuga Carregado : Estrada C. Termoeléctrica Colisão frontal : Av.ª das Descobertas, 33 Atropelamento de peões : ,700 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,700 IC2 Colisão lateral c/veículo em movimento : ,200 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento : Estrada C. Termoeléctrica Colisão frontal : ,200 IC2 Colisão c/veiculo ou obstáculo na f.rodagem : ,500 EN3 Colisão c/veiculo ou obstáculo na f.rodagem Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 176

185 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : ,200 EN3 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,888 EN3 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,363 EN3 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,000 A1 Despiste simples : R. das Rosas, 7 Despiste sem dispositivo de retenção : ,900 IC2 Colisão com fuga : ,350 EN3 Colisão lateral c/veículo em movimento Carregado : Lg. Moisés Silva-O.Novas Colisão lateral c/veículo em movimento : Pcta.Gaspar Corte Real, Lt.62 Colisão lateral c/veículo em movimento : Estrada C. Termoeléctrica Colisão traseira c/veículo em movimento : R. Vaz Monteiro, 5 Atropelamento com fuga : R. da Liberdade Colisão traseira c/veículo em movimento : ,000 A1 Despiste c/transp.dispositivo retenção lateral : ,500 A1 Colisão choque em cadeia : Estrada da Meirinha Despiste com capotamento Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 177

186 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : ,100 EN3 Atropelamento de peões : ,800 A1 Despiste simples : ,600 A1 Colisão lateral c/veículo em movimento : ,600 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento : ,000 A1 Despiste c/transp.dispositivo retenção lateral : ,800 IC2 Colisão c/veiculo ou obstáculo na f.rodagem : EM - Estrada Municipal Atropelamento de peões Carregado : ,100 IC2 Atropelamento de peões : ,524 IC2 Colisão lateral c/veículo em movimento : ,680 A10 Despiste simples : ,400 A10 Colisão traseira c/ veículo em movimento : Pcta. Tristão Vaz Teixeira Atropelamento de peões : ,970 A1 Despiste com dispositivo de retenção : ,000 A1 Despiste com dispositivo de retenção : ,150 EN3 Atropelamento de peões Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 178

187 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : ,628 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento Carregado : ,700 IC2 Colisão lateral c/veículo em movimento : ,000 A1 Despiste simples : EN9-3 Despiste sem dispositivo de retenção : R. da CRUZ Colisão frontal Meca : R. luis de Camões Colisão frontal : ,640 EN9 Colisão frontal : ,000 EN9 Despiste simples Não Definida : ,400 IC2 Despiste simples : R. Fidalgo da Laje, 59 Despiste com capotamento : ,000 EN9 Colisão frontal Olhalvo 18: R. da GUINE, 13 Atropelamento de peões : ,255 EN9 Despiste com dispositivo de retenção : R.Dr.Joaq.M.L.Pereira Abreu, 91 Atropelamento de peões : R. Combatentes Grande Guerra Colisão lateral c/veículo em movimento Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 179

188 Localidades Data/Hora M* FG* FL* Km Via Natureza : ,950 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento : R. da Vila Despiste c/colisão veículo imobil/obstáculo : ,800 IC2 Despiste sem dispositivo de retenção : ,100 IC2 Colisão lateral c/veículo em movimento : ,800 IC2 Colisão traseira c/veículo em movimento Ota 13: ,400 IC2 Colisão lateral c/veículo em movimento : Outra Via Despiste simples : ,850 IC2 Despiste c/transp.dispositivo retenção lateral : ,956 A1 Colisão traseira c/veículo em movimento : R. da Aldeia Despiste simples : ,700 IC2 Despiste simples : ,700 IC2 Despiste com capotamento : ,500 EN1-4 Colisão frontal Ventosa : Casal Pinheiro Despiste com capotamento : ,000 EN1-4 Colisão c/veiculo ou obstáculo na f.rodagem Vila Verde dos Francos : Casal S. Miguel Despiste sem dispositivo de retenção *M=Mortos; FG=Feridos Graves; FL=Feridos Ligeiros Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 180

189 Acidentes e vítimas por mês Acidentes c/ Vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vitimas Índice de Gravidade janeiro ,5 fevereiro ,0 março ,0 abril ,0 maio ,0 junho ,0 julho ,7 agosto ,0 setembro ,3 outubro ,0 novembro ,0 dezembro ,0 Acidentes e vítimas por dia de semana Acidentes c/ Vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vitimas Índice de Gravidade Domingo ,2 segunda-feira ,0 terça-feira ,0 quarta-feira ,3 quinta-feira ,8 sexta-feira ,0 Sábado ,0 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 181

190 Acidentes e vítimas por fator de luminosidade Acidentes c/ Vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vitimas Índice de Gravidade Não Definido ,0 Em pleno dia ,3 Sol escande ante ,0 Aurora ou crepúsculo ,0 Noite - sem iluminação ,5 Noite -com iluminação ,0 Acidentes e vítimas por fatores atmosféricos Acidentes Vitimas Feridos Feridos Total de Índice de c/ vítimas Mortais Graves Leves Vitimas Gravidade Bom tempo ,9 Chuva ,6 Nevoeiro ,3 Acidentes e vítimas por tipo de via Acidentes c/ Vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vítimas Índice de Gravidade Não Definido ,0 EM (Estrada Municipal) ,0 EN (Estrada Nacional) ,9 AE (Auto Estrada) ,6 IC (Itinerário Complementar) ,0 IP (Itinerário Principal) ,0 Arruamento ,5 EF (Estrada Florestal) ,0 Outra Via ,0 VAR (Variante) ,0 PNT (Ponte) ,0 ER (Estrada Regional) ,0 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 182

191 Acidentes e vítimas segundo a natureza do acidente Acidentes c/ vítimas Vitimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Total de Vitimas Índice de Gravidade Não Definido ,0 Despiste simples ,0 Despiste c/dispositivo de retenção ,0 Despiste s/dispositivo de retenção ,0 Despiste c/transposição do dispositivo de retenção lateral ,0 Despiste com capotamento ,0 Despiste c/colisão c/ veículo imobilizado/obstáculo ,0 Despiste c/ fuga Colisão frontal ,6 Colisão traseira c/ veículo em movimento ,5 Colisão lateral c/outro veículo movimento ,3 Colisão com veículo ou obstáculo na Faixa Rodagem ,0 Colisão choque em cadeia ,0 Colisão c/ fuga ,0 Colisão c/ outras situações ,0 Atropelamento de peões ,5 Atropelamento de animais Atropelamento c/ fuga ,0 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 183

192 Acidentes e vítimas por categoria de utentes Vítimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Condutores Passageiros Peões Acidentes e vítimas por categoria de veículo Vítimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Peões Não Definido Velocípede Velocípede c/motor Ciclomotor Triciclo Motociclo c/cilindrada <= 125cc Motociclo c/cilindrada > 125cc Automóvel ligeiro Automóvel pesado Veículo agrícola Máquina industrial Veículo sobre carris Veículo de tração animal Quadriciclo Desconhecido Motociclos Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 184

193 Acidentes e vítimas por grupo etário Vítimas Mortais Feridos Graves Feridos Leves Igual ou inferior a 14 anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos anos Igual ou superior a 75 anos Não definido Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 185

194 Com base neste estudo cartografou-se os locais de maior incidência, como se pode verificar na carta que se segue: Mapa 24 Carta de acidentes rodoviários Data:2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 186

195 Como se pode verificar neste concelho apenas há a lamentar um registo de colisão em cadeia. Contudo constata-se que existem vias com mais tráfego rodoviário, onde é notório o elevado número de colisões, nomeadamente no IC2, EN3, EN9 e a EN115. Sublinha-se ainda que o concelho de Alenquer é atravessado pela A1 no Carregado onde também se encontra o nó de acesso à A10, porém nestas vias não se verificou uma grande incidência de acidentes rodoviários. Para mitigação deste risco, a prevenção rodoviária é sem dúvida o mais importante meio de diminuição de acidentes. Considera-se de primordial importância a colocação de placares de índole informativos, sensibilizando os condutores a cumprirem as normas de segurança afetos ao ato de condução, nomeadamente a redução do consumo de álcool, os excessos de velocidade, assim como respeitar a sinalização de trânsito existente nas vias. Em face do índice de sinistralidade supramencionado, sugere-se, um estudo e análise detalhado dos fatores que envolveram os mesmos, perspetivando-se ações de prevenção com vista à minimização de futuros acidentes. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 187

196 Riscos - Colapso de Estruturas Nos inquéritos efetuados às Juntas de Freguesia foram assinalados os prédios que correm risco de colapso, bem como as zonas de provável desabamento em caso de sismo. Deste modo foram marcadas estas zonas num projeto SIG do qual se extraiu a seguinte carta. Mapa 25 Carta de edifícios em risco de desabamento Data:2014 Nesta carta a amarelo estão assinalados os muros em risco de desabamento, a laranja as zonas de provável colapso, a azul os prédios muito altos no Carregado e a vermelho os prédios assinalados pelas Juntas de Freguesia como estando em risco de desabamento. De notar que para mitigar estas situações em relação aos prédios identificados foram criados os respetivos processos e identificados os proprietários, para que se possa resolverem e ultrapassar as dificuldades de resolução. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 188

197 Riscos - Deslizamentos Existem algumas zonas já identificadas como áreas propícias a deslizamentos, quer pelo declive do terreno quer pela falta de vegetação que evite o aluimento das terras. Mapa 26 Carta de Zonas de deslizamento Data:2014 Estas zonas em caso de fortes chuvas e de sismo correm risco de causar alguns problemas, nomeadamente nas estradas que podem ser afetadas como a EN 115 e EM 521 em Vila Verde dos Francos, bem como em Refugidos junto na EN Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 189

198 Nesta carta de declives verificamos que as zonas de declives mais acentuadas, correspondem às áreas de Vila Verde dos Francos e Montejunto onde assinalámos as possibilidades de deslizamento de terras. Mapa 3 Carta de Declives Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 190

199 Nesta carta sobrepõem-se as áreas referenciadas com declives e deslizamentos afetas a todo o concelho. Mapa 26 Carta de Zonas de declives e deslizamento Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 191

200 Riscos - Incêndios Urbanos Nesta carta foram contemplados os edifícios que se consideram de especial atenção, tais como edifícios de grande altura, locais de armazenamento de combustível, núcleos urbanos antigos, centros de saúde, IPSS (Instituições de Solidariedade Social lares) e estabelecimentos escolares, bem como os agentes de salvamento e socorro, como CB, Cruz Vermelha e GNR. Achámos que seria igualmente importante marcar nesta carta alguns pontos de risco como os postos de abastecimento de combustível, o traçado do gasoduto, as respetivas estações e as sucatas, de modo a verificar-se se alguns dos equipamentos assinalados ficam próximos destes de risco mais elevado. Mapa 27 Carta de Incêndios Urbanos Data:2014 Face aos elementos aqui assinalados, em caso de incêndio urbano, os agentes de proteção civil têm uma base para poderem identificar os equipamentos de risco, bem como as zonas que podem ser afetadas. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 192

201 Riscos - Transporte mercadorias perigosas O transporte de mercadorias perigosas é feito ao longo do concelho de Alenquer pelas vias assinaladas a branco, nomeadamente pela EN9, EN115 e IC2. No entanto, não nos podemos esquecer que o gasoduto atravessa o concelho de Alenquer de Sul a Norte e de Este a Oeste como se pode verificar pela linha a lilás. Como a linha ferroviária passa no concelho de Alenquer na união das Freguesias do Carregado e Cadafais, também há que registar o transporte de mercadorias perigosas via ferroviária. De notar que a REFER Gabinete de Segurança e Proteção da CP- Carga envia diariamente por fax para a ANPC, os transportes destas matérias perigosas quando estas se fazem transportar por via ferroviária, que por sua vez a ANPC envia essa informação para a CM Alenquer, mais propriamente para o Gabinete de SMPC. A REN Gasodutos dispõe de um Plano de Emergência para fazer face a eventuais acidentes no gasoduto, em caso de acidente a atuação é sempre da responsabilidade desta entidade, havendo em caso de necessidade a intervenção de agentes de Proteção Civil, para implementarem medidas de proteção das populações ou restrições de circulação. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 193

202 Mapa 28 Carta de Transporte de mercadorias perigosas Os aglomerados urbanos que são atravessados pelas vias descritas acima são: Vila Verde dos Francos, Atalaia, Cortegana, Freixial de Cima, Merceana, Arneiro, Paiol, Ota, Cheganças, Estalagem, Porto da Luz, Alenquer, Carregado. De salientar que nunca existiu qualquer acidente deste tipo no Concelho de Alenquer. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 194

203 Riscos - Secas Abastecimento de água Em caso de seca ou de acidente grave que provoque o corte de abastecimento normal de água, o concelho de Alenquer dispõe de uma rede de reservatórios e de estações elevatórias onde se pode recorrer nessas situações. Estão assinaladas no projeto SIG de abastecimento de água, bem como a rede de condutas de água. Neste projeto as cisternas de grande volume estão igualmente marcadas. No concelho de Alenquer a gestão de água está a cargo de uma empresa privada ADA - Águas de Alenquer, que nos forneceu alguma desta informação em formato digital. Mapa 29 Carta de reservatórios Abastecimento de água em caso de seca Data:2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 195

204 No que respeita às viaturas cisternas, a CM Alenquer dispõe de uma viatura, os Corpos dos Bombeiros, têm também veículos autotanques de grande capacidade. Bombeiros Alenquer (VTGC 04, VTTU01 e VTGC03) Bombeiros Merceana (VTGC01 e VTTU02). De notar que os locais onde se encontram os reservatórios também estão descritos num quadro do anexo I. Podemos verificar pelo mapa que o território está relativamente bem coberto por uma rede de reservatórios que nos permitem assegurar o abastecimento das populações de uma forma homogénea. Riscos - Maremotos Em relação aos maremotos o concelho de Alenquer por se encontrar geograficamente distante do mar, a probabilidade de ocorrência deste tipo de acidente é muito diminuto. Riscos - Fenómenos meteorológicos adversos Em caso de chuva e vento forte é de precaver a queda de árvores em algumas zonas mais arborizadas, como a serra de Ota, bem como a queda de painéis publicitários junto das rotundas de Alenquer e no Carregado. Tendo-se já registado estas ocorrências nos referidos locais Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 196

205 Riscos - Tráfego Aéreo No concelho de Alenquer temos a Base Aérea da Ota cuja servidão está representada no mapa que se segue. De salientar o fato de esta base aérea apenas estar a funcionar como centro de formação e treino, não existindo tráfego de aviões. Data:2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 197

206 5.2. Análise da vulnerabilidade Tipo Risco Afetados Populações das localidades: Número de pessoas afetadas O quê Acidentes industriais Cheias Colapso estrutura Incêndios florestais Carregado, Casais Novos, Torre, Qtª do Alconchel, Qtª dos Cónegos, Trombeta, Casais da Carambacha, Qtª da Ferraguda, Qtª Stª Teresa, Qtª das Sete Pedras, Casal Porém, Cheganças, Casal Mimoso e Marés. Eiras, Estribeiros, Merceana, Arneiro, Barbas, Aldeia Galega, Montegil, Aldeia Gavinha, Casais da Ribeira, Casais da Ramalheira, Estalagem, Espiçandeira, Cruzeiro, Ota, Paços, Soeiro Cunhado, Alenquer, Camarnal, Ribafria, Mato, Azedia, Cortegana, Freixial de Cima e Pousoa. Qtª da Barrada - 8 prédios com 12 andares sendo que têm 2 habitações por piso - correspondem a cerca de 768 pessoas se considerarmos agregados familiares de 4 pessoas. Caso o incêndio seja em Montejunto ou na Serra de Ota, as populações afetadas serão: Casais da Pedreira, Cabanas de Torres e Marés. (Ver cenários de cheias) Cerca de 768 pessoas Casais da Pedreira cerca de 15 pessoas Cabanas de Torres cerca de 100 pessoas As indústrias adjacentes (não perigosas) e as habitações envolventes Habitações e populações Carregado (8 edifícios de 12 andares) Qt.ª da Barrada Áreas florestais, e algumas habitações Sismos Cenário com epicentro em Santarém Cenário com epicentro em Lisboa Cenário com epicentro em Santarém Cenário com epicentro em Lisboa Carregado e Alenquer Carregado e Alenquer Carregado e Alenquer 3-5 feridos ligeiros - (período noturno) 0-40 Feridos ligeiros - período noturno 2 Edifícios perdidos Edifícios perdidos 3-4 feridos ligeiros - (período diurno) 0-35 Feridos ligeiros - período diurno 9-16 Edifícios com danos severos Edifícios com danos severos 0-52 desalojados 0-7 Feridos graves - período noturno Alguns danos na rede de combustível Danos na rede de água 0-7 Feridos graves - período diurno Sem danos na rede rodoviária Danos na rede de combustível 0-17 Vítimas mortais - período diurno Alguns danos na rede elétrica 0-20 Vítimas mortais - período noturno Desalojados Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 198

207 De notar que no risco sísmico temos a considerar que na zona da vila de Alenquer e na vila do Carregado existem alguns edifícios cuja interrupção do normal funcionamento teria impacto significativo na sociedade e que requerem maiores cuidados na prestação do socorro. No quadro seguinte referimos esses edifícios e foram elaboradas duas cartas de Edifícios suscetíveis de sofrerem danos, segundo a carta de intensidades sísmicas de Portugal, uma para a vila de Alenquer e outra para a vila do Carregado. Edifícios suscetíveis de sofrerem danos Alenquer Carregado Câmara Municipal de Alenquer Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Alenquer EB 2,3 de Alenquer EB1 de Alenquer EB1 das Paredes e Complexo Desportivo Tribunal GNR de Alenquer EBI Carregado EB1 Carregado Associação Desportiva do Carregado Junta de Freguesia do Carregado IPSS Lar Idosos Urbanização da Barrada Edifícios com 12 pisos Cruz Vermelha Portuguesa (Delegação Carregado, instalações Urbanização da Barrada) IPSS Infantário da Misericórdia IPSS Lar de Idosos da Misericórdia Escuteiros / Escoteiros Pavilhão do Sporting No caso de um acidente grave ser de dia e atingir estas zonas, segundo o que está previsto nos cenários de sismo, estes edifícios são prioritários nas operações de socorro, dados os grupos etários que envolvem. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 199

208 Carta de Alenquer com edifícios suscetíveis de sofrerem danos graves. Data:2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 200

209 Carta do Carregado com edifícios suscetíveis de sofrerem danos graves. Data:2014 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 201

210 Em temos de risco de cheias temos a realçar duas zonas mais vulneráveis: Mapa 20 Zona inundável da Merceana Data:2014 Nesta zona da Merceana têm sido registadas algumas situações de cheias e pequenas inundações. No troço urbano da Merceana foram efetuadas obras de limpeza de modo a evitar a repetição das situações ocorridas recentemente. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 202

211 Mapa 21 Zona inundável de Alenquer Data:2014 Ao longo dos anos e segundo o registo de cheias de há 100 anos, vários foram as situações de cheias a atingir a Vila de Alenquer, devido ao transbordo do Rio de Alenquer. Em 2007 foram realizadas obras de regularização do Rio de Alenquer, no sentido de evitar a situação de cheia. No entanto, não podemos descorar este risco e devemos estar atentos. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 203

212 Existem várias localidades que correm o risco de cheia e que já têm registo de ocorrência deste tipo de acidente. Mapa de Localidades que poderão ser afetadas pelas zonas inundáveis Freguesia Localidades ZCAP União das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres União das freguesias de Aldeia Galega Merceana e Aldeia Gavinha Meca Olhalvo Ota União das freguesias Alenquer (Santo Estevão e Triana) União das freguesias de Ribafria e Pereiro de Palhacana Eiras Estribeiros Merceana Arneiro Barbas Aldeia Galega Montegil Aldeia Gavinha Casais da Ribeira Casais da Ramalheira Estalagem Espiçandeira Cruzeiro Pousoa Ota Paços Alenquer Camarnal Ribafria Mato Azedia Espiçandeira Mariapolis - Abrigada B.V. Merceana Coletividade de Paiol Coletividade de Montegil Colectividade de Bogarréus - Meca Colectividade de Olhalvo CFMTFA de Ota B. V. Alenquer CFMTFA de Ota Coletividade de Silveira do Pinto Coletividade de Santana da Carnota Ventosa Cortegana Freixial de Cima Coletividade de Freixial de Cima Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 204

213 As ZCAP são locais de acolhimento de população desalojada devido a cheias. Em relação a estas localidades já estão a ser tomadas medidas de mitigação, através da limpeza dos rios que as atravessam. Foi elaborada uma carta de cheias (ver anexo cartografia) com as localidades que poderão ser afetadas, bem como as ZCAP, zonas de alojamento de populações afetadas Estratégia para Mitigação de Riscos Segundo a matriz de risco apresentada na pág. 112, os riscos com maior probabilidade de acontecer são os incêndios florestais, as cheias e os sismos. Portanto é sobre estes que vamos analisar a estratégia de mitigação dos riscos. No caso dos incêndios florestais como já referimos anteriormente, temos o PMDFCI e o POM, que são os planos estratégicos anuais que abordam a gestão dos riscos de incêndio florestal, assim como a mitigação dos mesmos. As medidas de mitigação para evitar os incêndios florestais estão contempladas no PMDFCI Neste plano estão previstas medidas de sensibilização com distribuição de folhetos e de cartazes promovendo a protecção da floresta, bem como medidas ao nível da criação de FGC (faixas de gestão de combustível) quer para as linhas da EDP, quer para o gasoduto e rede viária. Nesta altura as FGC da EDP e da rede viária já foram executadas de acordo com a planificação para No entanto, essas FGC serão criadas ao longo dos anos até 2010 em diferentes zonas do concelho. Foram também organizados sistemas de fiscalização e de vigilância da floresta com vários intervenientes que possibilitam uma diminuição do número de ocorrências. Este ano de 2008 verificou-se de fato, uma diminuição significativa do número de ocorrências e de área ardida. Relativamente ao Risco de Cheias, foram identificados os troços de rios e ribeiras que necessitavam de limpeza. Deste modo, com uma ação concertada de limpeza que envolve meios das Juntas de Freguesia e da Câmara Municipal consegue-se evitar o transbordo de alguns rios que podem provocar pequenas cheias e causar danos ligeiros. No que respeita ao Risco de Sismos as estratégias para mitigação deste risco passa pela criação de cenários e exercícios que permitam avaliar os meios, os recursos, as comunicações e todos os outros fatores que devam ser contemplados, no sentido de se mitigar ao máximo os danos quer nas populações quer materiais. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 205

214 O planeamento das operações e o sistema de comunicações entre os diferentes intervenientes no teatro de operações é de extrema importância para minimizar os tempos de socorro e salvamento. Para a mitigação deste risco realizou-se um exercício PROCIV III no âmbito do risco sísmico em Maio de 2008, tendo por objetivo o teste das comunicações entre as entidades intervenientes num cenário de sismo. No dia 21 de Novembro realizou-se mais um exercício prático PROCIV IV, tendo como objetivo testar o relacionamento entre as instituições e as comunicações envolvidas em caso de acidente grave. Para além dos exercícios o que se pode fazer reside na sensibilização das populações ensinando os procedimentos que devem seguir em caso de sismo, com distribuição de folhetos da ANPC, nas Juntas de Freguesia e nas Escolas. O Serviço Municipal de Proteção Civil deve assegurar-se de que nas zonas de maior risco se tomam algumas medidas para minimizar os danos, nomeadamente: Verificar se escolas e equipamentos desportivos têm planos de emergência; Verificar quais os edifícios em risco de desabamento (este estudo já foi realizado, com a colaboração da Juntas de Freguesia e os edifícios encontram-se cartografados); Verificar se as indústrias suscetíveis de risco têm plano de emergência interno; No que respeita aos incêndios florestais de notar que existem espaços que evoluem para matos com regeneração natural de Sobreiro Quercus suber e Carvalho Quercus faginea. Assim, nestes espaços será necessário executar faixas de gestão de combustível, que salvaguardem as zonas edificadas e espaços florestais confinantes. Uma das técnicas a utilizar será o fogo controlado, que permitirá a gestão de combustível e a sobrevivência das espécies referidas, pois estas apresentam uma boa resistência à passagem de fogos de baixa intensidade. Esta tendência de abandono agrícola irá criar condições para um aumento de incêndios nestas áreas, com um número significativo de ocorrências e o risco de danos para as zonas edificadas e os espaços florestais. Nas freguesias de Vila Verde dos Francos e na união das freguesias de Abrigada e Cabanas de Torres, surgem espaços agrícolas abandonados associados a zonas de pastagens naturais onde o número de ocorrências é elevado, sendo que muitas destas ocorrem já fora do período crítico (pastagens). Esta situação é particularmente preocupante visto que estes espaços se localizam nas encostas da Serra de Montejunto, podendo estes incêndios propagarem-se para o interior do Perímetro Florestal, dando origem a incêndios de grande dimensão devido à dificuldade de extinção (declive e tipo de vegetação). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 206

215 Nos relevos calcários (Serras de Ota, Montejunto e Monte Redondo) pelas suas características naturais (declive, tipo de vegetação, falta de acessos, carga e continuidade de combustível) a dificuldade de extinção é sempre elevada, pelo que serão expectáveis incêndios de grandes dimensões. De salientar que este Plano tem potencial para ser utilizado como reforço do relacionamento com as políticas de ordenamento e planeamento territorial, no sentido de poder facultar a caracterização de áreas com determinadas características para fins de apoio à emergência (zonas de concentração e reserva, campos de desalojados, hospitais de campanha, áreas cemiteriais, etc.) para o PDM e para outros instrumentos de ordenamento territorial, mesmo que a escala diferente da municipal. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 207

216 6. Cenários 6.1. Cenários de Risco Sísmico Se o acidente ou catástrofe for um sismo segundo a localização do epicentro, assim será a zona afetada pelo sinistro. De acordo com essa zona será montado um cenário onde serão definidas: Zona de colocação dos postos de comando Definição de zonas de receção dos meios de socorro vindos do exterior o Parques para receção de veículos dos bombeiros o Zona de aterragem dos meios aéreos Diagnóstico das vias intransitáveis As vias transitáveis param salvamento dos feridos por parte dos agentes de salvamento e socorro Solicitação dos meios definidos nos quadros de meios das juntas (vejase Parte IV, secção III - Quadros) e dos meios privados (veja-se Parte IV, secção III - Quadros) para remoção de escombros e abertura de caminhos Alerta aos hospitais para receção dos feridos Definição de áreas de: o Área de evacuação o Área de alojamento dos desalojados o Área de primeiros socorros provisória Zona de receção de mortos Área de recolha de bens alimentares Área de recolha de agasalhos e cobertores Cabe aos postos de comando estabelecer as comunicações com todos os agentes e informar todas as entidades atuantes nas operações. Os contatos das entidades atuantes nas operações encontram-se no Quadro de contactos (Parte IV, secção III - Quadros). Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 208

217 Neste ponto vamos referirmo-nos ao exercício criado pelo SNPC em 2004, que consistiu na criação de 3 cenários com epicentros diferentes onde se previram os danos materiais e os danos pessoais. Cenário A Epicentro em Benavente Intensidade do Sismo Áreas afetadas Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho de Alenquer 209

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE CAMPO MAIOR ÍNDICE ÍNDICE... 2 ÍNDICE DE FIGURAS... 5 ÍNDICE DE QUADROS... 7 PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 8 1 INTRODUÇÃO... 8 2 ÂMBITO DE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ELVAS ELABORADO POR: SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE ELVAS PMEPC DE ELVAS Parte I ENQUADRAMENTO GERAL ÍNDICE Parte I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ALVAIÁZERE PARTE II Índice 1. CONCEITO DE ACTUAÇÃO...3 1.1. COMISSÕES DE PROTECÇÃO CIVIL...3 1.1.1 Missão...3 1.1.2 Competências da Comissão Municipal

Leia mais

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA

PLANO MUNICIPAL PROTEÇÃO CIVIL DE EMERGÊNCIA DE CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Página 2 de 217 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1.1 INTRODUÇÃO... 8 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 8 1.3 OBJETIVOS

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

2 Organização da resposta

2 Organização da resposta 2 Organização da resposta 2.1 Conceito de actuação No exercício de funções de responsável municipal da política de protecção civil, o Presidente da Câmara Municipal, para cumprimento da sua missão, deverá

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Ílhavo Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 7 1. Introdução... 7 2. Âmbito de aplicação... 8 3. Objetivos gerais... 9 4. Enquadramento

Leia mais

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A.

Plano de Emergência Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. Plano de Externo do Estabelecimento de Armazenagem de Produtos Explosivos da MaxamPor, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DE VILA POUCA DE AGUIAR SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE GERAL

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Vila Viçosa. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vila Viçosa

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Vila Viçosa. Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vila Viçosa Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vila Viçosa 1 Índice PARTE I - ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 3 1 INTRODUÇÃO 4 2 - AMBITO DE APLICAÇÃO 5 3 - OBJETIVOS GERAIS 6 4 - ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012

Plano Geral Municipal de Emergência de Proteção Civil 2012 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 7 1. Introdução... 7 2 2. Âmbito de Aplicação... 7 3. Objetivos Gerais... 8 4. Enquadramento Legal... 9 5. Antecedentes do processo de planeamento... 9 6.

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE ANGRA DO HEROÍSMO ILHA TERCEIRA 2008 SERVIÇO MUNICIPAL DE PROTECÇÃO CIVIL DA CÂMARA MUNICIPAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA EXPOSIÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA De 6 a 17 de Maio 2008 MUNICÍPIO DO SEIXAL CÂMARA MUNICIPAL PROTECÇÃO CIVIL MUNICIPAL É a actividade desenvolvida pelas autarquias locais, com a colaboração dos

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa

Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Serpa ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO ----------------------------------------- 8 1. Introdução --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal

Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo REFINARIA DO PORTO Petrogal MAIO 2011 4. Informação complementar 4.1 Secção I 4.1.1 Mecanismos da estrutura de Protecção Civil Estrutura de Operações

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 3 Manual de apoio à elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Protecção Civil

CADERNOS TÉCNICOS PROCIV. 3 Manual de apoio à elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Protecção Civil CADERNOS TÉCNICOS PROCIV 3 Manual de apoio à elaboração e operacionalização de Planos de Emergência de Protecção Civil EDIÇÃO: AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL SETEMBRO DE 2008 02 Cadernos Técnicos

Leia mais

Plano de Emergência Externo

Plano de Emergência Externo Plano de Emergência Externo Sociedade de Explosivos Civis, S.A. Fevereiro de 2010 Índice Parte I Enquadramento Geral do Plano... 6 1.Introdução... 6 2. Âmbito de Aplicação... 7 3.Objectivos Gerais do Plano...

Leia mais

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1

II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE SEGURANÇA - MADEIRA TECNOPOLO FUNCHAL 1 30/11/2015 II COLÓQUIO - GESTÃO DO RISCO E CULTURA DE

Leia mais

MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA

MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DE XIRA Página 2 de 63 WWW..PT Página 3 de 63 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO... 7 1.1 INTRODUÇÃO... 7 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO...... 7

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE IV INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Secção I. Sistema nacional de proteção civil Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DE VILA NOVA DE GAIA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA PARTE NÃO RESERVADA Jun. 2010 VERSÃO 3 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. INTRODUÇÃO... 1 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO...

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

Figueira da Foz PMEPC. Município PLANO MUNICIPAL DE E M E R G Ê N C I A D E REVISÃO DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO DE 2014

Figueira da Foz PMEPC. Município PLANO MUNICIPAL DE E M E R G Ê N C I A D E REVISÃO DEZEMBRO 2014 DEZEMBRO DE 2014 Figueira da Foz Município REVISÃO DEZEMBRO 2014 PMEPC 2014 PLANO MUNICIPAL DE E M E R G Ê N C I A D E P R O T E C Ç Ã O C I V I L DEZEMBRO DE 2014 Ficha Técnica Realização Faculdade de Letras da Universidade

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CASTRO DAIRE PARTE I, II, III, IV (Secção I) PARTE PÚBLICA Setembro de 2010 INDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 2 1. INTRODUÇÃO...2

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil Câmara Municipal de Oeiras Outubro 2010 (Esta página foi deliberadamente deixada em branco) Serviço Municipal de Protecção Civil INDICE DO PLANO INDICE

Leia mais

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES

2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES 2. MISSÃO COMUM A TODAS AS ENTIDADES E ORGANISMOS DE APOIO IMPLANTADOS NO CONCELHO DE SINES Colaboram com o SMPC ou o CMOEPC (se estiver activado) na actualização do inventário dos seus meios e recursos.

Leia mais

Plano Especial Emergência

Plano Especial Emergência Plano Especial Emergência Neve Nevões e gelo no Serra distrito da Estrela da Guarda Ministério Administração Interna Autoridade Nacional Proteção Civil Comando Distrital Operações Socorro Guarda VERSÃO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DO SABUGAL

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DO SABUGAL PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DO SABUGAL PARTE IV INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR Secção I. Sistema nacional de proteção civil Maio 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Sabugal

Leia mais

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA

CEPSA Portuguesa Petróleos, SA Câmara Municipal de Matosinhos Plano de Emergência Externo CEPSA Portuguesa Petróleos, SA MARÇO 2011 PEE Cepsa Pág. i de 57 Índice NOTA PRÉVIA... ERRO! MARCADOR NÃO DEFINIDO. 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO...

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DO CONCELHO DA BATALHA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DO CONCELHO DA BATALHA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DO CONCELHO DA BATALHA Abril 2010 MUNICÍPIO DA BATALHA SERVIÇO MUNICIPAL DA PROTECÇÃO CIVIL PARTE I - ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 1 1. INTRODUÇÃO NTRODUÇÃO...... 1 2.

Leia mais

2011 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL

2011 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL Capítulo: 2011 PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL Câmara Municipal de Barrancos Serviços Municipais de Protecção Civil 30-05-2011 1 TÉCNICAS RESPONSÁVEIS PELA ELABORAÇÃO DO PLANO: Margarida

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE. Município de Soure REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DA JUVENTUDE Município de Soure 2014 1 Nota justificativa É hoje inquestionável a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude. São inegáveis as vantagens

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO Parte I Enquadramento geral do plano julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Penamacor

Leia mais

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Modelo básico para Plano Diretor de Defesa Civil CASA MILITAR COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE DEFESA CIVIL INTRODUÇÃO 1. O presente Termo

Leia mais

SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA

SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA SERVIÇO MUNICIPAL DE VALE DE CAMBRA PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM VALE DE CAMBRA PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO DA COLEPCCL PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO ÍNDICE

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PROJETO COFINANCIADO PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL COMPONENTES PÚBLICAS ( I, II, III, IV-I) PROJETO COFINANCIADO ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO

Leia mais

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO

Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Grupo de Trabalho para as Questões da Pessoa Idosa, Dependente ou Deficiente de Grândola REGULAMENTO INTERNO Maio de 2011 Preâmbulo As alterações demográficas que se têm verificado na população portuguesa

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil 2011 PROTECÇÃO CIVIL DA COVILHÃ INDICE GERAL Nota Introdutória...3 Parte I Enquadramento geral do Plano 1. Introdução...6 2. Âmbito de aplicação...6 3.

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA AZAMBUJA ÍNDICE

CÂMARA MUNICIPAL DA AZAMBUJA ÍNDICE PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA CÂMARA MUNICIPAL DE NOVEMBRO 2010 ÍNDICE I 1 ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 1-1 1.1 INTRODUÇÃO... 1-1 1.2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 1-1 1.3 OBJECTIVOS GERAIS... 1-2 1.4 ENQUADRAMENTO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho do Seixal Plano Geral ANEOXAS IDENTIFICAÇÃO Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral Versão: Versão 2.1 (folha em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS LABORATÓRIO DE ANÁLISE AMBIENTAL E GEOESPACIAL PLANO DE CONTINGÊNCIA DE PROTEÇÃO E DEFESA CIVIL Dezembro/2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 4 3. ESTRUTURA...

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA PROTECÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA SETEMBRO DE 2010 ÍNDICE GERAL PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. INTRODUÇÃO 5 2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 3. OBJECTIVOS GERAIS

Leia mais

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO

GOVERNO CIVIL DE CASTELO BRANCO Título Página Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução 4 2. Âmbito de Aplicação 5 3. Objectivos Gerais 5 4. Enquadramento Legal 6 5. Antecedentes do processo de planeamento 6 6. Articulação com

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Atuação em Situações de Crise

Atuação em Situações de Crise 1 Atuação em Situações de Crise Enf. José Magalhães INEM Delegação Regional do Porto Porto, 11 de Abril de 2014 2 INEM O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) é o organismo do Ministério da Saúde

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE II ORGANIZAÇÃO DA RESPOSTA Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vendas Novas Parte II Organização da resposta

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A SOCIEDADE AÇOREANA DE ARMAZENAMENTO DE GÁS (SAAGA) - PARQUE DE GPL DA HORTA PARTES PÚBLICAS

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A SOCIEDADE AÇOREANA DE ARMAZENAMENTO DE GÁS (SAAGA) - PARQUE DE GPL DA HORTA PARTES PÚBLICAS PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A SOCIEDADE AÇOREANA DE ARMAZENAMENTO DE GÁS (SAAGA) - PARQUE DE GPL DA HORTA PARTES PÚBLICAS Partes I, II, III e IV Secção I Plano de Emergência Externo para a Sociedade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1

IDENTIFICAÇÃO. Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral. Versão: Versão 2.1 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Concelho do Seixal Plano Geral IDENTIFICAÇÃO Título: Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil Plano Geral Versão: Versão 2.1 (folha em branco)

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Redondo

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Redondo Serviço Municipal de Proteção Civil de Redondo i Índice Geral Parte I Enquadramento Geral do Plano 1. Introdução....1 2. Âmbito de aplicação.....2 3. Objetivos gerais......3 4. Enquadramento legal....4

Leia mais

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer

Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Alenquer Programa 1 Regulamento Interno do Conselho Local de Acção Social de Preâmbulo Os rápidos processos de modernização que Portugal tem conhecido nas últimas décadas, se por um lado trouxeram consigo uma melhoria

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas. Preâmbulo Regulamento do Conselho Municipal de Juventude de Vendas Novas Preâmbulo Enquanto autarquia local, a Câmara Municipal deve promover a participação dos seus munícipes nas decisões relativas ao destino do

Leia mais

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho

(Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho I SÉRIE N.º 20 B. O. DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 12 DE JULHO DE 2001 (Regimento para o Conselho Nacional de Protecção Civil) Decreto-Regulamentar n.º 3/2002 De 12 de Junho A Lei de Bases de Protecção Civil,

Leia mais

PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM ARCOS DE VALDEVEZ

PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM ARCOS DE VALDEVEZ PLANO ESPECIAL DE EMERGÊNCIA DE PROTECÇÃO CIVIL PARA RISCOS QUÍMICOS GRAVES EM ARCOS DE VALDEVEZ PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO (PEE) DE ESTABELECIMENTO SEVESO SARRELIBER Março, 2013 M UNICÍPIO DE ARCOS DE

Leia mais

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Índice Geral

Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Índice Geral Plano Municipal de Emergência de Protecção Civil de Leiria Município de Leiria, Junho de 2010 Índice Geral Parte I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO... 4 1. Introdução... 4 2. Âmbito de Aplicação... 5 3. Objectivos

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO

MUNICÍPIO DE LAGOA AÇORES REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE PREÂMBULO Em 1986 a Organização Mundial de Saúde (OMS) lança o projeto Cidades Saudáveis em 11 cidades europeias. O propósito desta iniciativa visou fortalecer

Leia mais

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1

PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 PLANO DE CONTINGÊNCIA MUNICIPAL PARA A GRIPE A H1N1 1 Situação Geral Uma pandemia de gripe ocorre quando um novo vírus do tipo A, para o qual a população tem uma susceptibilidade quase universal, surge

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA CIVIL Roteiro para montagem de um Plano Preventivo de Defesa Civil Apresentamos o presente roteiro com conteúdo mínimo de um Plano Preventivo de Defesa Civil ou Plano de

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO PLANO DE SEGURANÇA 1- DEFINIÇÃO O Plano de Segurança é um documento que sistematiza um conjunto de normas e regras, enquadradas nas modalidades de segurança ativa e passiva e destinadas a minimizar os

Leia mais

DOCUMENTO DE TRABALHO

DOCUMENTO DE TRABALHO Página 1 de 1 Oferta formativa 1. Escola Nacional de Bombeiros O Regulamento dos Cursos de Formação do Bombeiro, é o normativo legal que regulamenta os cursos de formação dos elementos do Quadro de Comando

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade

IDENTIFICAÇÃO. Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09. Sistema de Gestão da Qualidade IDENTIFICAÇÃO Titulo: Sistema de Gestão da Qualidade CMSeixal MANUAL DE GESTÃO V09 Código: CMSeixalSGQ_2600204_ManualGestaoV09 Destinatários: Trabalhadores, Munícipes e Utentes da CMSeixal Campo de aplicação:

Leia mais

AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL

AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL AUXILIAR DE BOLSO SISTEMA DE GESTÃO DE OPERAÇÕES SGO INCÊNDIOS FLORESTAIS AUTORIDADE NACIONAL DE PROTEÇÃO CIVIL COMANDO NACIONAL DE OPERAÇÕES DE SOCORRO / 2015 ALERTA Este Auxiliar de Bolso não é um manual

Leia mais

1 Enquadramento Geral do Plano

1 Enquadramento Geral do Plano 1 Enquadramento Geral do Plano 1.1 Introdução Em 1992 foi elaborado um Plano de Externo (PEE) para o Complexo Industrial do Concelho de Matosinhos. A entrada em vigor da Directiva Seveso II, em 2001, originou

Leia mais

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.

AGENDA 21 escolar. Pensar Global, agir Local. Centro de Educação Ambiental. Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89 N 9º15'50. AGENDA 21 escolar Pensar Global, agir Local Centro de Educação Ambiental Parque Verde da Várzea 2560-581 Torres Vedras 39º05'08.89" N 9º15'50.84" O 918 773 342 cea@cm-tvedras.pt Enquadramento A Agenda

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO

MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Ambiente ANEXO ANEXO REGULAMENTO DAS COMISSÕES DE AVALIAÇÃO DE IMPACTE AMBIENTAL Artigo 1º Nomeação e composição 1. A Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental (CA) é nomeada pela Autoridade de Avaliação de Impacte

Leia mais

Parte III Áreas de Intervenção

Parte III Áreas de Intervenção Parte III Áreas de Intervenção 53 1. Administração de Meios e Recursos A área de intervenção de administração de meios e recursos estabelece os procedimentos e instruções de coordenação quanto às actividades

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE VENDAS NOVAS PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO Julho 2012 Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil de Vendas Novas Parte I Enquadramento geral

Leia mais

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social

Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Regulamento para a Utilização do Fundo de Emergência Social Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 06

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República

Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Regulamento de Acesso, Circulação e Permanência nas Instalações da Assembleia da República Despacho n.º 1/93, de 19 de março publicado no Diário da Assembleia da República, II Série C, n.º 22 de 22 de

Leia mais

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO

MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO MODELO DE PLANO DE EMERGÊNCIA DO AERÓDROMO (Artigo 3.º do Anexo III ao Regulamento n.º 36/2013 do INAC, I.P., publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 14, de 21 de janeiro de 2013) CLASSES I E

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I

PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I PLANO DE EMERGÊNCIA EXTERNO PARA A CENTRAL TERMOELÉCTRICA DE TUNES(PEECTT) Partes I, II, III e IV Secção I Plano de Emergência Externo para a Central Termoeléctrica de Tunes (PEECTT) Câmara Municipal de

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009. b) A requerimento do titular do complemento solidário

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009. b) A requerimento do titular do complemento solidário 4220 Diário da República, 1.ª série N.º 124 30 de Junho de 2009 b) A requerimento do titular do complemento solidário para idosos. 2 Há ainda lugar à renovação da prova de recursos sempre que: a) Seja

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA Lquadro 31 CÂMARA MUNICIPAL DE LAGOA PLANO DE EMERGÊNCIA MUNICIPAL DE LAGOA Plano Emergência Municipal do Concelho de Lagoa Equipa Técnica Relatório Fase 1 - Anexos 1 Realização Página 1 de 241 2013 EQUIPA

Leia mais

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS

ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL A PESSOAS IDOSAS PLANOS DE SEGURANÇA A sociedade é feita por todas as pessoas, em todas as idades NÚCLEO DE CERTIFICAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ALEXANDRA SANTOS E MARIA ANDERSON

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL Versão para consulta pública PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL

PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL Versão para consulta pública PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL PLANO NACIONAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL VERSÃO PARA CONSULTA PÚBLICA Maio 2012 1 ÍNDICE PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL DO PLANO 1. Introdução... 6 2. Âmbito de aplicação... 8 3. Objetivos gerais...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR

PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PLANO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA DE PROTEÇÃO CIVIL DE PENAMACOR PARTE III ÁREAS DE INTERVENÇÃO Plano Municipal de Emergência de Proteção civil de Penamacor Câmara Municipal de Penamacor Data: 20 de julho

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Considerando que: 1. A experiência do Conselho Local de Educação em Palmela procurou fomentar a valorização da educação como motor de desenvolvimento do local,

Leia mais

Regulamento Interno. Preâmbulo

Regulamento Interno. Preâmbulo Regulamento Interno Preâmbulo A Resolução de Conselho de Ministros 197/97 de 18 de Novembro define a Rede Social como um fórum de articulação e congregação de esforços baseado na adesão livre das autarquias

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL

CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCOCHETE REGULAMENTO INTERNO DO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Denominação, Sede e Âmbito 1. O Conselho Local de Acção Social do Concelho de

Leia mais

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL

MAPA DE PESSOAL UNIDADE ORGANICA CÂMARA POLICIA MUNICIPAL Nº POSTOS DE TRABALHO A PREENCHER PREENCHIDOS POR VINCULO DE EMPREGO TERMO CÂMARA POLICIA MUNICIPAL DIRETOR DE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE POLICIA MUNICIPAL Policia Municipal Licenciatura Define os objetivos

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

Compilação Legislativa

Compilação Legislativa MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Autoridade Nacional de Protecção Civil Compilação Legislativa - BOMBEIROS - 1ª Edição Setembro 2008 COMPILAÇÃO LEGISLATIVA BOMBEIROS FICHA TÉCNICA Título: Edição: Coordenação:

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST

Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho SHST O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Todos os trabalhadores têm direito à prestação de trabalho em condições de segurança, higiene e saúde, competindo ao empregador assegurar

Leia mais

Proteção Civil e Autoridade de Saúde

Proteção Civil e Autoridade de Saúde Proteção Civil e Autoridade de Saúde estrutura, articulação e atribuições Departamento de Saúde Pública Proteção Civil e Autoridade de Saúde: estrutura, articulação e atribuições Administração Regional

Leia mais

Plano de Contingência para Serviços e Empresas

Plano de Contingência para Serviços e Empresas Plano de Contingência para Este documento contém: Lista de Verificação de Medidas e Procedimentos para O Plano de Contingência consiste num conjunto de medidas e acções que deverão ser aplicadas oportunamente,

Leia mais