TSW200E1. (Produto desenvolvido e fabricado no Brasil) 1. DESCRIÇÃO:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TSW200E1. (Produto desenvolvido e fabricado no Brasil) 1. DESCRIÇÃO:"

Transcrição

1 TSW200E1 (Produto desenvolvido e fabricado no Brasil) 1. DESCRIÇÃO: O TSW200E1 é um analisador de comunicação digital, equipamento utilizado para manutenção e instalação de linhas de comunicação de dados síncronas e assíncronas e que permite testar links de dados em velocidades que variam de 1200 bps até 2 Mbps, com ou sem estrutura de quadros. O equipamento é conectado na interface digital do modem e o teste consiste em enviar um padrão de bits pré-determinado, que irá trafegar pelo meio de transmissão até a ponta remota, onde outro equipamento semelhante verifica a integridade dos dados que chegam. Desse modo a taxa de bits errados (BER) pode ser medida, além de diversos outros parâmetros que irão caracterizar o link de comunicação de dados em teste. 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS: Interfaces V.24/RS232, V.35/V.11, V.36/V.11, X.21/V.11, RS530, G Kbps (codirecional) e G.703-2Mbps (Rec.G.704 ITU-T). Módulos Padrão: são sempre instalados no equipamento. BERT/BLERT: teste de taxa de erro (BER) e diversos outros parâmetros em modems com diferentes velocidades, tanto no modo síncrono como assíncrono. E1/G.704: teste de taxa de erro (BER) em links E1 (2Mbps) que utilizam a estrutura de quadro G.704 (PCM30, PCM30C, PCM31 e PCM31C). Módulos Opcionais: são instalados mediante solicitação do cliente, no momento da compra do equipamento, ou adquiridos posteriormente. Módulo Frame Relay: teste de redes que utilizam o protocolo de comunicação Frame Relay. Módulo Frame Relay Plus: idêntico ao anterior, com dois testes adicionais: Monitor e Loopback Módulo PPP: teste de conectividade e tempos de resposta em redes IP, que utilizam o protocolo PPP e a comunicação síncrona. Módulo PPP Plus: idêntico ao anterior, com dois testes adicionais: Monitor e Traceroute. Página 1 de 8

2 Módulo X.25: teste de redes que utilizam protocolos de comunicação SDLC, HDLC, X.25, ASYNC, SYNC e DDCMP. Módulo X.50: teste em equipamentos que utilizem o protocolo X.50. Módulo R2 Digital: permite analisar ou simular uma comunicação entre centrais digitais (ou PABX) que utilizam a sinalização MFC-R2 Módulo VT-100: permite a comunicação entre o TSW200E1 e outros dispositivos que utilizam como protocolo de comunicação o VT100, tais como modems, roteadores e outros equipamentos. Módulo Ethernet: possibilita que o equipamento seja conectado a uma rede Ethernet. O objetivo dos testes que utilizam a interface ETHERNET é verificar a conectividade de uma rede local ou desta rede com a Internet. Módulo HDLC Cisco: teste de conectividade e tempos de resposta em redes IP, que utilizam o protocolo HDLC proprietário da empresa Cisco Systems. Módulo Pulse Mask: permite verificar graficamente se o sinal recebido na interface G.703 está dentro dos padrões ITU-T. Modo Slip Monitor: este modo permite verificar se há escorregamento (slip) entre dois clocks de links E1, e medir seu valores com precisão de bps. Módulo ISDN: permite analisar ou simular uma comunicação entre centrais digitais (ou PABX) que utilizam o protocolo ISDN-PRI. 3. MODOS DE OPERAÇÃO 3.1. Módulo BERT/BLERT a) Modos SÍNCRONO e ASSÍNCRONO: Velocidade de operação síncrona: de 1200 bps até 2048 Kbps. Velocidade de operação assíncrona: de 50 bps até bps. Full-Duplex. Taxa de bits/blocos errados. Análise de erros de acordo com as normas G.821, G.826 e M Contagem de minutos degradados, segundos severamente errados, segundos errados, segundos livres de erro, segundos disponíveis e segundos indisponíveis conforme a norma G.821 do ITU-T. Contagem de SLIPS de relógio em tempo real conforme norma G.822 do ITU-T. Seleção de bit de paridade, bits/char e stop bits (no modo assíncrono). Seqüências geradas: 63, 511, 2047, 4095, 2E15-1, 2E20-1, 2E23-1, Marca, Espaço, ALT-M/S, USER, 7:1, 1:7, nas polaridades normal e invertida. Relógio interno, externo, recuperado (RECOVERED) para a interface G Kbps e regenerado (FROM RX) para a interface G.703-2Mbps. Código de linha na interface G.703-2Mbps: HDB3 ou AMI. Impedância da interface G.703-2Mbps: 75 Ohms, 120 Ohms ou Alta Impedância (HIGH-Z). Testes contínuos ou com tempo pré-determinado pelo usuário. Inserção de erros: simples ou automática. Resolução para os histogramas: minutos ou horas Módulo E1/G.704 Página 2 de 8

3 a) Modo TX/RX Framed: transmite e recebe um padrão de teste qualquer com estrutura de quadros e faz a análise de taxa de bits/blocos errados, erro de FAS, erro de CRC, erro de código. Geração de sinal com a estrutura de quadros do PCM30, do PCM30C, do PCM31 ou do PCM31C. Seqüências geradas: 63, 511, 2047, 2E15-1, 2E20-1, 2E23-1, Marca, Espaço, ALT-M/S, USER, 7:1, 1:7, IDLE. Seleção do(s) timeslot(s) a serem testados. Seleção do idle code a ser transmitido nos canais não selecionados. Relógio interno, externo e regenerado da recepção (FROM RX). Opção "DROP & INSERT" para retirada/inserção dos dados do(s) timeslot(s) selecionado(s) via outra interface. Interfaces: RS232, V.35, V.36 e X.21 (somente se uma das opções: DROP, INSERT ou DROP & INSERT for selecionada). Código de linha na interface G.703-2Mbps: HDB3 ou AMI. Impedância da Interface G.703-2Mbps: 75 Ohms, 120 Ohms ou Alta Impedância(HIGH-Z). Seleção das palavras de NFAS/NMFAS. Remote Alarm, RMF Alarm, Si bit. Programação dos bits Sa das palavras NFAS e dos bits ABCD s do timeslot 16. Contagem de minutos degradados, segundos severamente errados, segundos errados, segundos livres de erro, segundos disponíveis e segundos indisponíveis conforme a norma G.821 do ITU-T. Análise dos erros como contagem de blocos, blocos errados, erro de bloco background, segundos errados, segundos severamente errados, segundos disponíveis e indisponíveis conforme norma G.826 do ITU-T. Análise dos erros como blocos errados, segundos errados, segundos severamente errados, segundos disponíveis e indisponíveis conforme norma M.2100 do ITU-T. Baseado nesta norma é feita uma avaliação se um certo período é aceito, rejeitado ou inconclusivo. Testes contínuos ou com tempo pré-determinado pelo usuário. Inserção de erros: simples ou automática. Resolução para os histogramas: minutos ou horas. b) Modo Through Framed: o TSW200E1 é inserido no circuito em teste e o sinal com estrutura de quadros recebido no receptor do TSW200E1 é enviado ao transmissor do mesmo. Desta forma, é possível retirar/inserir, via interface RS232, V.35, V.36 ou X.21, os dados com estrutura de quadros em um ou mais timeslots. Possibilidade de substituir os dados de um ou mais timeslots por uma seqüência conhecidas. Monitorar um determinado timeslot, inclusive sendo possível "ouvir" uma transmissão de voz com auxílio do alto-falante embutido no equipamento. c) Modo MUX: o TSW200E1 é utilizado para testar multiplexadores. Um padrão de teste qualquer é enviado em um ou mais canais do multiplexador, por meio das interfaces RS232, V.35, V.36 ou X.21. O feixe de dados com estrutura de quadros a 2 Mbps gerado pelo multiplexador é, então, analisado na interface G.703-2Mbps do TSW200E1. d) Modo DEMUX: o TSW200E1 realiza testes de demultiplexadores. Dados a 2 Mbps são transmitidos pelo TSW200E1 em um ou mais timeslots no lado com Página 3 de 8

4 estrutura de quadros do multiplexador. Do outro lado do multiplexador, os dados em um ou mais canais podem ser monitorados em uma das interfaces: RS232, V.35, V.36 ou X.21. e) Modo Monitor: o TSW200E1 realiza as seguintes funções: Monitora os bits Si, Sa, A e E da palavra NFAS no timeslot 0 Monitora e apresenta no display as palavras FAS, NFAS, MFAS, NMFAS e CRC MFAS. Monitora e apresenta no display a palavra código de oito bits em qualquer timeslot. Monitora e apresenta no display o status do CAS (Channel Associated Signalling) para todos os 30 canais telefônicos. f) Modo Frequency/Level: permite que uma senóide digitalizada com nível e freqüência programáveis seja inserida em um timeslot qualquer. Simultaneamente, permite analisar o nível e a freqüência de uma senóide na saída do canal. g) Modo ROUND-TRIP Delay: permite medir o delay de um certo link de comunicação. Para isso, faz-se um loop remoto e insere-se uma marca. O delay é obtido pela inserção dessa marca na transmissão e o tempo que essa marca leva para retornar na recepção. Interfaces: RS232, V.35, V.36, X.21 e G.703-2M. O TSW200E1 permite fazer esse teste tanto em circuitos não estruturados como estruturados. Todos os padrões de teste podem ser utilizados na transmissão. h) Modo Slip Monitor: (MODO DE TESTE OPCIONAL, NÃO INCLUSO NO MÓDULO E1. DEVE SER SOLICITADO JUNTO A ÁREA COMERCIAL DA WISE) O modo Slip tem como objetivo monitorar o sincronismo em um link E1. Durante a realização do teste, dois sinais E1 são comparados e, através da detecção de slips, verifica-se o sincronismo entre eles. Se dois sinais com clocks diferentes são medidos haverá a ocorrência de slip e a taxa de slip por segundo nos dirá a diferença em hertz (Hz) entre os clocks. Além dos clock slips, são mostrados também os frame slips e o tempo total de teste Módulo FRAME RELAY Realiza o gerenciamento de enlace entre CPE (equipamento proprietário do cliente) e a rede e verifica se os quadros estão sendo transmitidos e recebidos corretamente numa estrutura com protocolo Frame Relay. O modo Frame Relay realiza três tipos de teste. a) TURN UP Detecção da idle flag (7E hexadecimal) Verificação de enlace ativo (Frame Relay Heartbeat) Análise das mensagens Status Enquiry (pergunta) e Status (resposta) Verificação de integridade de enlace (LIV) Identificação das DLCIs configuradas e do seu status Checagem de erro no quadro Frame Relay por meio do FCS b) PING Página 4 de 8

5 Verificação de conectividade fim a fim em redes que operam com o protocolo TCP/IP c) FOX Verificação de conectividade fim a fim em redes que não operam com o protocolo TCP/IP e não podem ser testadas pelo PING. Verificação do "stress" da rede por meio de um tráfego contínuo de quadros numa taxa definida pelo usuário (CIR) Módulo FRAME RELAY PLUS Além de incluir os três testes do módulo Frame Relay, inclui também: a) Modo Monitor Permite monitorar o tráfego entre o roteador do cliente e o modem, em Kbps. Utiliza o cabo W, desenvolvido e fornecido pela Wise para uso exclusivo neste teste. O tráfego é mostrado na forma de histograma. O tráfego pode ser monitorado nos dois sentidos, mas não simultaneamente. b) Modo Loopback Virtual Possibilita colocar em loop uma determinada DLCI (definida pelo usuário), fazendo o tráfego retornar para a ponta de origem Módulo PPP Realiza testes de conectividade em redes que utilizam o protocolo PPP, e pode, por exemplo, substituir um roteador e pingar um ponto remoto. Interfaces: V.24/RS232, V.35/V.11, V.36/V.11 e X.21/V.11. Velocidade de operação: desde 1200 bps até 256 Kbps, somente no modo de comunicação síncrono. Primeiro o TSW200E1 envia pacotes do protocolo LCP, estabelece e configura o link. Em seguida, são enviados pacotes do protocolo NCP, para definir que protocolo de rede será utilizado. Neste caso o protocolo utilizado será o IPCP. Permite a verificação da conectividade fim a fim dentro da rede e dos tempos de resposta de pontos remotos por meio do envio de pacotes PING Módulo PPP PLUS Além dos testes realizados no módulo PPP, inclui também: a) Modo Monitor Permite monitorar o tráfego entre o roteador do cliente e o modem, em Kbps. Utiliza o cabo W, desenvolvido e fornecido pela Wise para uso exclusivo neste teste. O tráfego é mostrado na forma de histograma. O tráfego pode ser monitorado nos dois sentidos, mas não simultaneamente. b) Modo Traceroute Página 5 de 8

6 Monitora a rota percorrida na Internet pelos pacotes de PING até que cheguem ao seu destino. Cada roteador encontrado pelo caminho é identificado pelo seu endereço IP Módulo X.25/XDLC Realiza testes nos protocolos SDLC, HDLC, X.25, ASYNC, SYNC e DDCMP e verifica a integridade de enlace ao observar se os quadros estão sendo transmitidos e recebidos corretamente. Testes ASYNC e SYNC monitoram os dados que passam através de um enlace ligando DTE a um DCE, por meio do envio e do recebimento de dados armazenados previamente em buffers. Interfaces: V.24/RS232, V.35/V.11, V.36/V.11 e X.21/V.11. Velocidade de operação: desde 1200 bps até 256 Kbps em síncrono ou 50 bps até bps em assíncrono. Operam com códigos ASCII, HEX e EBCDIC Módulo X.50 A estrutura X.50 usada a 64 Kbps permite o transporte de muitos canais de dados com taxas menores dentro da largura de banda de 64Kbps síncrona. Geração e análise de sinal com a estrutura de quadros nas divisões 2 e 3. Seqüências geradas: 63, 511, 2047, 2E15-1, 2E20-1, Marca, Espaço, ALT-M/S, USER, nos modos normal e invertido. Seleção dos octetos de transmissão e recepção são independentes. Análise de erros e alarmes. Relógio interno, externo e regenerado da recepção. Programação do idle code e dos bits de status BERT/IDLE. Duração dos testes: contínuo ou programável pelo usuário Módulo CAS MFC-R2 O módulo de teste CAS MFC-R2 permite analisar a comunicação entre centrais digitais que utilizam sinalização MFC-R2. Uma das centrais também pode ser substituída pelo TSW200E1, que pode simular a comunicação com a central remota. No display são mostradas as variações de CAS, a freqüência e a duração de cada tom codificado que é utilizado na comunicação Módulo VT-100 O módulo VT-100 permite a comunicação entre o TSW200E1 e outro dispositivo que utilize como protocolo de comunicação o VT-100. Estes dispositivos são, na maioria dos casos, modems, roteadores, e outros equipamentos que dispõem de um console de configuração por linha de comando e que são normalmente configurados utilizando o utilitário hyperterminal (Windows) ou outro similar. A grande utilidade do módulo VT-100 é eliminar a necessidade de ter por perto um microcomputador para configurar tais dispositivos. Página 6 de 8

7 3.11. Módulo ETHERNET O módulo ETHERNET possibilita que o equipamento seja conectado a uma rede Ethernet. O objetivo dos testes que utilizam a interface ETHERNET é verificar a conectividade de uma rede local ou desta rede com a internet. Pode-se escolher entre dois testes: PING ou BROWSER. No teste de PING, o usuário escolhe o endereço IP ou a URL para onde serão enviados os pacotes de PING. Com o teste de BROWSER pode-se acessar uma página na internet Módulo HDLC Cisco Realiza testes de conectividade em redes que utilizam o protocolo HDLC, da Cisco, e pode, por exemplo, substituir um roteador Cisco, pingar um outro roteador ou ser pingado por ele. Interfaces: V.24/RS232, V.35/V.11, V.36/V.11, X.21/V.11 e G.703-2M. Velocidade de operação: de 1200 bps até 2Mbps, somente no modo de comunicação síncrono. Primeiramente o TSW200E1 envia pacotes do protocolo SLARP, que estabelecem e configuram o link. Permite a verificação da conectividade ponto a ponto dentro da rede e dos tempos de resposta de pontos remotos por meio do envio contínuo de pacotes PING Módulo PULSE MASK O módulo permite visualizar na tela um pulso do sinal recebido da linha e a máscara que pode ser desenhada junto com o sinal. Lembrando que o objetivo é saber se o sinal obedece ao formato (máscara) definido pela ITU - T. O módulo também efetua as medidas de tempo de subida e descida, overshoot, undershoot, nível do sinal e largura do pulso Módulo ISDN O módulo ISDN permite que o TSW200E1 simule e monitore chamadas dentro de uma rede digital ISDN. Configurado como simulador, o instrumento pode gerar e receber chamadas como se fosse um terminal do usuário ou também simulando a central digital da operadora de telefonia. Configurado como monitor, o instrumento mostra toda a troca de sinalização entre o equipamento do usuário e da operadora, possibilitando um rápido diagnóstico do problema Módulo DTMF No módulo DTMF, o TSW200E1 permite simular o processo de chamada de um usuário final utilizando DTMF. Os dígitos podem ser inseridos manualmente através do teclado do instrumento. O usuário também pode fazer edição dos padrões de CAS utilizados e das seguintes características dos tons: tempo de duração, tempo do intervalo entre tons e nível dos tons. Utiliza-se apenas a interface G.703-2M. Página 7 de 8

8 O TSW200E1 possibilita ainda: Armazenar na memória resultados dos testes realizados, para posterior verificação. Armazenar as configurações mais comuns dos parâmetros de teste. Imprimir os resultados dos testes armazenados, por meio da interface serial, em impressoras seriais, paralelas (com uso de cabo de conversão serial-paralelo) e PCs (pelo hyper-terminal). Auto-teste para verificar itens como memória, display, leds e teclado. Display com backlight, para ambientes com pouca iluminação. 4. DIMENSÕES DO GABINETE: Altura: 25 cm Largura: 12,5 cm Profundidade: 6 cm Página 8 de 8

TSW200E1. Manual de Operação

TSW200E1. Manual de Operação Manual de Operação versão 10 revisão 4 Agosto/2007 Direitos de edição Este manual foi elaborado pela equipe da Wise Indústria de Telecomunicações. Nenhuma parte ou conteúdo deste manual pode ser reproduzido

Leia mais

Manual de Operação TSW200E1

Manual de Operação TSW200E1 Manual de Operação TSW200E1 Versão: 10 Revisão: 9 Novembro/2010 Direitos de edição Este manual foi elaborado pela equipe da Wise Indústria de Telecomunicações. Nenhuma parte ou conteúdo deste manual pode

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br Frame Relay DÉCADA DE 80 Uso do protocolo X.25 (RENPAC) Linhas Analógicas Velocidade baixa Altas taxas de erros Computadores lentos e caros Circuitos

Leia mais

Suporte Técnico de Vendas

Suporte Técnico de Vendas Suporte Técnico de Vendas Telefonia básica Hoje vivemos a sociedade da informação. A rede de telecomunicações desempenha papel fundamental na vida moderna. História das Telecomunicações Em 1876, o escocês

Leia mais

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome:

Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012. Nome: Redes de Computadores II Prova 3 13/07/2012 Nome: 1. Com base na rede mostrada abaixo: i. Assumindo que essa rede use IP, circule as subredes IP que nela devem ser criadas. ii. Identifique um protocolo

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2

PROTOCOLO PPP. Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 PROTOCOLO PPP Luciano de Oliveira Mendes 1 Ricardo dos Santos 2 RESUMO Neste trabalho é apresentado o Protocolo PPP, Suas principais características e seu funcionamento. Suas variações também são enfocadas

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

NETALARM GATEWAY Manual Usuário

NETALARM GATEWAY Manual Usuário NETALARM GATEWAY Manual Usuário 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Requisitos de Instalação... 3 3. Instalação... 3 4. Iniciando o programa... 5 4.1. Aba Serial... 5 4.2. Aba TCP... 6 4.3. Aba Protocolo...

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CONVERSOR - IP / USB / SERIAL - 317 RV1 SÃO CAETANO DO SUL 06/06/2014 SUMÁRIO Descrição do Produto... 3 Características... 3 Configuração USB... 4 Configuração... 5 Página

Leia mais

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

Voz sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito Voz sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Camada de adaptação Voz não comprimida (CBR) AAL 1 Voz comprimida (VBR) AAL 2 Para transmissão de voz sobre a rede ATM podemos utilizar a camada de adaptação

Leia mais

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05

Centro Universitário Fundação Santo André. Disciplina Redes de Computadores. Módulo 05 Centro Universitário Fundação Santo André Disciplina Redes de Computadores Módulo 05 2006 V1.0 Conteúdo Telecomunicação e Canais de Comunicação Multiplexação Tipos de Circuitos de Dados DTE e DCE Circuit

Leia mais

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS

CAPÍTULO 13. Conectividade Linhas Privativas Comercias LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS CAPÍTULO 13 LINHAS PRIVATIVAS COMERCIAIS Todos os serviços de conectividade e comunicação de dados oferecidos por qualquer operadora de telecomunicações, devem terminar nos pontos finais de utilização

Leia mais

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário

NETALARM GATEWAY. Manual do Usuário Índice 1. Introdução...3 2. Requisitos Mínimos de Instalação...3 3. Instalação...3 4. Inicialização do Programa...5 5. Abas de Configuração...6 5.1 Aba Serial...6 5.2 Aba TCP...7 5.2.1 Opções Cliente /

Leia mais

Versão: 11 Revisão: 6 Novembro/2014 TSW200E1

Versão: 11 Revisão: 6 Novembro/2014 TSW200E1 Versão: 11 Revisão: 6 Novembro/2014 Manual de operação TSW200E1 Direitos de edição Este manual foi elaborado pela equipe da Wise Indústria de Telecomunicações. Nenhuma parte ou conteúdo deste manual pode

Leia mais

Redes Industriais ModBus RTU

Redes Industriais ModBus RTU Padrão EIA RS-232 O padrão RS (Recommended Standart) é uma padronização de interface para comunicação de dados criada nos anos 60 por um comitê da Electronic Industries Association (EIA). O equipamento

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Analisador de Linhas TN-10E

Analisador de Linhas TN-10E Analisador de Linhas TN-10E O Analisador de Linhas TN-10E é um instrumento compacto com capacidade de realizar medições digitais e analógicas para testes e ensaios em linhas de transmissão de dados que

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: Rodrigo Caetano Filgueira Tecnologias WAN TECNOLOGIAS WAN Quando uma empresa cresce e passa a ter instalações em várias localidades, é necessário interconectar as redes

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

Integrated Services Digital Network

Integrated Services Digital Network Integrated Services Digital Network Visão Geral ISDN é uma rede que fornece conectividade digital fim-a-fim, oferecendo suporte a uma ampla gama de serviços, como voz e dados. O ISDN permite que vários

Leia mais

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO

CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO 2. SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO 3. COMUNICAÇÃO CDE4000 MANUAL 1. INTRODUÇÃO O controlador CDE4000 é um equipamento para controle de demanda e fator de potência. Este controle é feito em sincronismo com a medição da concessionária, através dos dados

Leia mais

Quadro de consulta (solicitação do mestre)

Quadro de consulta (solicitação do mestre) Introdução ao protocolo MODBUS padrão RTU O Protocolo MODBUS foi criado no final dos anos 70 para comunicação entre controladores da MODICON. Por ser um dos primeiros protocolos com especificação aberta

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos

Porta Série. Trabalhos Práticos AM 2007/2008. Porta Série. Objectivos 3 Objectivos - Configurar os parâmetros associados à comunicação série assíncrona. - Saber implementar um mecanismo de menus para efectuar a entrada e saída de dados, utilizando como interface um terminal

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO

ABB Automação. 13.82kV 119.4kA. 13.81kV 121.3kA. 13.85kV 120.2kA IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO IDR 144 INDICADOR DIGITAL REMOTO MODO DE USO 13.82kV 119.4kA 13.81kV 121.3kA 13.85kV 120.2kA Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Protocolo de comunicação Modbus RTU Dimensional ABB

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR 1 PLANO DE ENSINO DA DISCIPLINA: TÓP. ESP. EM COMP.: TELEPROCESSAMENTO E REDES DE Validade: A partir de 01/91 Departamento Acadêmico de: Engenharia Elétrica Curso: Engenharia Industrial Elétrica Carga

Leia mais

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/

Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Bateria REDES MPU Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ STJ 2008 Com relação a transmissão de dados, julgue os itens

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-200

Descritivo Técnico AirMux-200 Multiplexador Wireless Broadband -Visualização da unidade indoor IDU e unidade outdoor ODU com antena integrada- Principais Características Rádio e multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1

Leia mais

Codificação e modulação

Codificação e modulação TRABALHO DE REDES UNIVERSIDADE CATÓLICA DO SALVADOR CURSO: BACHARELADO EM INFORMÁTICA PROF.:MARCO ANTÔNIO C. CÂMARA COMPONENTES: ALUNO: Orlando dos Reis Júnior Hugo Vinagre João Ricardo Codificação e modulação

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação.

TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO, responsável pela confiabilidade da entrega da informação. Protocolo TCP/IP PROTOCOLO é um padrão que especifica o formato de dados e as regras a serem seguidas para uma comunicação a língua comum a ser utilizada na comunicação. TCP é um protocolo de TRANSMISSÃO,

Leia mais

Matriz seletora VGA/WXGA & Controle RS-232. 8 x 8 TRANSCORTEC STATUS OUTPUT 2

Matriz seletora VGA/WXGA & Controle RS-232. 8 x 8 TRANSCORTEC STATUS OUTPUT 2 MX-88 Matriz seletora VGA/WXGA & Controle RS-232 8 x 8 TRANSCORTEC STATUS OUTPUT 2 1 3 4 5 6 7 8 INPUT AUDIO IN AUDIO OUT 1 2 3 4 5 6 7 8 1 2 3 4 5 6 7 8 AC IN VGA/WXGA OUT 1 VGA/WXGA OUT 2 VGA/WXGA OUT

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

Redes II ISDN e Frame Relay

Redes II ISDN e Frame Relay Redes II ISDN e Frame Relay Súmario 1. Frame Relay 02 1.1 Introdução 02 1.2 Velocidade 03 1.3 A Especificação X.25 03 1.3.1 Nível de Rede ou pacotes 03 1.3.2 Nível de Enlace ou de Quadros 04 1.3.3 Nível

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais

Descritivo Técnico AirMux-400

Descritivo Técnico AirMux-400 Multiplexador Wireless Broadband Principais Características Rádio e Multiplexador wireless ponto-a-ponto com interface E1 e Ethernet; Opera na faixa de 2.3 a 2.5 Ghz e de 4.8 a 6 Ghz; Tecnologia do radio:

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 6 Redes xdsl Sumário Introdução; Taxas de transmissão DSL e qualidade

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores

Curso Técnico em Informática. Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Curso Técnico em Informática Rafael Barros Sales Tecnico em Informática CREAC/AC Teclogo em Redes de Computadores Visão Geral Para entender o papel que os computadores exercem em um sistema de redes, considere

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA. RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410. Revisão C ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RÁDIO DIGITAL PDH SHF (1+1) 4x2, 8x2, 16x2 Mbps 02.112-TI/SI 1410 Revisão C SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

RCO2. Introdução à camada física

RCO2. Introdução à camada física RCO2 Introdução à camada física 1 Transmissão de uma stream de bits por um meio de transmissão 2 Atribuições da camada física: Transmissão de sequências de bits pelo meio físico Modulação (transmissão

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas.

Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria. Compatível com fechaduras magnéticas, eletroímãs e cancelas. 1/8 SISTEMA ZIGLOCK TCP Visão Geral: Instalação e configuração simplificada. Alta capacidade de armazenamento de registros e usuários. Acionamento através de senha*, cartão de proximidade ou biometria.

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO O computador não é uma máquina interessante se não pudermos interagir com ela. Fazemos isso através de suas interfaces e seus periféricos. Como periféricos serão considerados os

Leia mais

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro

Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Tratamento do sinal Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Modulação e demodulação Técnicas de modulação Analógica AM, FM e PM. Digital ASK, FSK e PSK. Multiplexação e demultiplexação

Leia mais

Manual de Operação X.50 FRAME

Manual de Operação X.50 FRAME Manual de Operação X.50 FRAME Anexo ao Manual de Operação do TSW200E1 Versão: 4 Revisão: 4 Dezembro/2008 Direitos de edição Este manual foi elaborado pela equipe da Wise Indústria de Telecomunicações.

Leia mais

FieldLogger. Apresentação

FieldLogger. Apresentação Solução Completa Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um módulo de leitura e registro de variáveis analógicas,

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Protocolos da camada de ligação de Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Maio de 2006 Modelo OSI Redes de Computadores 2 1 Camada de Ligação de

Leia mais

Cisco Packet Tracer 5.3

Cisco Packet Tracer 5.3 Cisco Packet Tracer 5.3 www.rsobr.weebly.com O PT 5.3 (Packet Tracer) permite criar ambientes de redes LANs e WANs e além disso simular também, permitindo realizar diversas situações como por exemplo:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Como recuperar e mudar o endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do RateMux C6920

Como recuperar e mudar o endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do RateMux C6920 Como recuperar e mudar o endereço IP de Um ou Mais Servidores Cisco ICM NT do RateMux C6920 Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Como se conectar ao RateMux

Leia mais

Infrared Data Association

Infrared Data Association IRDA Infrared Data Association Jorge Pereira DEFINIÇÃO Define-se protocolo como um conjunto de regras que estabelece a forma pela qual os dados fluem entre transmissor e receptor, critérios para verificação

Leia mais

Manual Técnico Interface Modbus

Manual Técnico Interface Modbus Manual Técnico Interface Modbus RTA Interface Modbus 05/2007-1 - Histórico de Revisões Ver. Num. Data Responsável Observações 1.000 17/05/07 Marcos Romano Criação Inicial RTA Rede de Tecnologia Avançada

Leia mais

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay

Generated by Foxit PDF Creator Foxit Software http://www.foxitsoftware.com For evaluation only. Multiplexação e Frame Relay e Frame Relay o Consiste na operação de transmitir varias comunicações diferentes ao mesmo tempo através de um único canal físico. Tem como objectivo garantir suporte para múltiplos canais. o A multiplexação

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay

Ilustração 1: Exemplo de uma rede Frame Relay Laboratório de RCO2 12 o experimento Objetivo: Introdução Configurar uma rede Frame Relay A tecnologia WAN Frame Relay é uma rede de transporte implantada como infraestrutura em operadoras de serviço (por

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3:

Figura 1 - Comparação entre as camadas do Modelo OSI e doieee. A figura seguinte mostra o formato do frame 802.3: Introdução Os padrões para rede local foram desenvolvidos pelo comitê IEEE 802 e foram adotados por todas as organizações que trabalham com especificações para redes locais. Os padrões para os níveis físico

Leia mais

Lista de Erros Discador Dial-Up

Lista de Erros Discador Dial-Up Lista de Erros Discador Dial-Up Erro Código Descrição Ok 1 Usuário autenticado com sucesso e conexão encerrada pelo usuário OK 11 Usuário autenticado com sucesso e discador terminado pelo usuário OK 21

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

1 Lista de exercícios 01

1 Lista de exercícios 01 FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 1 Lista de exercícios 01 1) No desenvolvimento e aperfeiçoamento realizado em redes de computadores, quais foram os fatores que conduziram a interconexão de sistemas abertos

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Módulo 1 Introdução às Redes

Módulo 1 Introdução às Redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 1 Introdução às Redes Ligação à Internet Ligação à Internet Uma ligação à Internet pode ser dividida em: ligação física; ligação lógica; aplicação. Ligação física

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco

Introdução Fourth level à Tecnologia Cisco Instituto Federal do Ceará IFCE Campus de Canindé Prof. DSc. Rodrigo Costa - rodrigo.costa@ifce.edu.br Introdução à Tecnologia Cisco Definições Básicas Mercado em Redes Componentes Básicos Funcionamento

Leia mais

... Máquina 1 Máquina 2

... Máquina 1 Máquina 2 Exercícios Apostila Parte 1 Lista de Exercícios 1 1) Descreva sucintamente a função de (ou o que é realizado em) cada uma das sete camadas (Física, Enlace, Redes, Transporte, Sessão, Apresentação e Aplicação)

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

Comunicação de dados. Introdução

Comunicação de dados. Introdução Comunicação de dados Introdução Os microcontroladores AVR estão equipados com dois pinos destinados à comunicação serial, UART (Universal Asynchronous Reciever/Transmitter), ou seja, permitem trocar informações

Leia mais

Fluxograma de Solução de Problemas de PPP

Fluxograma de Solução de Problemas de PPP Fluxograma de Solução de Problemas de PPP Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Terminologia Fluxogramas de Solução de Problemas Fase do Protocolo de Controle

Leia mais

Desempenho. Prof. Thiago Nelson

Desempenho. Prof. Thiago Nelson Desempenho Prof. Thiago Nelson Utilização da Rede A utilização reflete o percentual da capacidade da rede utilizada em um dado instante de tempo. Exemplo: Um tráfego de 30% em um segmento Ethernet 10 Mbpsrepresenta

Leia mais

ZEUS SERVER STUDIO V2.07

ZEUS SERVER STUDIO V2.07 ZEUS SERVER STUDIO V2.07 FERRAMENTA DE CONFIGURAÇÃO DO ZEUS SERVER 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto

Arquitetura CAN. José Sérgio da Rocha Neto Arquitetura CAN 1 Sumário Rede CAN. Arquitetura do Sistema Implementado. Interface SPI. Controlador CAN MCP2510. Transceiver MCP2551. ADuC812. Resultados Obtidos. Conclusões. 2 REDE CAN CAN Controller

Leia mais

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7

Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Professor: Macêdo Firmino Configuração TCP/IP no Windows 7 Se você tem mais que um computador ou outros dispositivos de hardware, como impressoras, scanners ou câmeras, pode usar uma rede para compartilhar

Leia mais

Manual de Instalação IREC100 1.5

Manual de Instalação IREC100 1.5 Manual de Instalação IREC100 1.5 Este documento consiste em 16 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Julho de 2009. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PRJET DE REDES www.projetoderedes.com.br urso de Tecnologia em Redes de omputadores Disciplina: Redes I Fundamentos - 1º Período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA 1: onceitos de Redes de Dados

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência

Unidade 2.1 Modelos de Referência Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Redes de Computadores Disciplina: Redes de Computadores Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2.1 Modelos de Referência 2 Bibliografia da disciplina

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet

Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Manual do Usuário -TED1000 versão TC100 Ethernet Indice: Apresentação...2 Ligando o terminal...3 Configurações iniciais...3 Configuração de IP...3 Teclas especiais...4 Cabo de rede...4 Leitor externo...4

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO

Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO Telecomunicações CONCEITOS DE COMUNICAÇÃO 1 COMUNICAÇÃO A COMUNICAÇÃO pode ser definida como a transmissão de um sinal através de um meio, de um emissor para um receptor. O sinal contém uma mensagem composta

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25

Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 Trabalho De Redes de Computadores PPP PPPoE X.25 3 de novembro de 2013 Otávio Thomas Daniel Nicolay Giovane Monari 1 O que é PPP e PPPoE? Protocolo Ponto a Ponto (PPP) e Protocolo Ponto a Ponto sobre Ethernet

Leia mais

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009

Unidade 2.1 Modelos de Referência. Bibliografia da disciplina. Modelo OSI. Modelo OSI. Padrões 18/10/2009 Faculdade INED Unidade 2.1 Modelos de Referência Curso Superior de Tecnologia: Redes de Computadores Disciplina: Fundamentos de Redes Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 2 Bibliografia da disciplina Bibliografia

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais