BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BuscaLegis.ccj.ufsc.Br"

Transcrição

1 BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O risco como elemento constitutivo do seguro marítimo Dannyse Passos de Oliveira* ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2. O SEGURO MARÍTIMO 3. DO RISCO 3.1. ACEPÇÕES DA PALAVRA E CONCEITO JURÍDICO 3.2. CAUSAS E ESPÉCIES 3.3. RISCOS NÃO ABRANGIDOS PELO SEGURO ANTE VEDAÇÃO LEGAL 3.4. INÍCIO E FIM DOS RISCOS 4. CONCLUSÃO 5. BIBLIOGRAFIA 1. INTRODUÇÃO O contrato de seguro marítimo, pode-se dizer, foi, e continua sendo, de fundamental importância para o desenvolvimento do comércio marítimo. De fato, permitiu um maior acesso de pequenos comerciantes às navegações marítimas, na medida em que estes, uma vez celebrado o contrato de seguro, não obstante os riscos de toda sorte que envolvem a navegação, tinham a segurança de que, mediante o pagamento de determinada quantia, denominada prêmio, caso ocorresse um sinistro ou um dano, seriam ressarcidos de tal prejuízo pelo outro sujeito do contrato de seguro, qual seja o segurador. Outrossim, beneficiou grandes empreitadas, as quais poderiam não ter se realizado, sem a garantia do seguro. Fixada, em linhas gerais, a importância do seguro marítimo, inconteste se afigura a relevância do estudo acerca de tal contrato. Contudo, por serem demasiadamente vastos os caminhos a serem percorridos quando do trato de tão empolgante tema, procurou-se, neste trabalho, discutir sobre uma das possíveis vertentes pelas quais o tema pode ser analisado: o risco como elemento constitutivo do seguro marítimo.

2 Entretanto, a parte inicial do presente estudo versará sobre o contrato de seguro marítimo numa visão geral, eis que semelhante tópico é essencial para a compreensão do assunto principal. Ressalve-se, por fim, que não se tem, aqui, a pretensão de analisar o tema de maneira profunda e exaustiva, o que se deve às limitações do autor e a própria natureza deste trabalho. 2. SEGURO MARÍTIMO O seguro marítimo, regulado, entre nós, pelo Código Comercial (arts. 666 usque 730), é o contrato pelo qual determinada pessoa, denominada segurador, em troca do recebimento de determinada quantia (prêmio), se obriga a indenizar eventuais prejuízos sofridos por outrem, que se chama segurado, quando o objeto do seguro se achar sujeito aos riscos oferecidos pelo mar. O conceito de seguro encontra-se insculpido no art. 666 do Código Comercial, verbis: Art O contrato de seguro marítimo, pelo qual o segurador, tomando sobre si a fortuna e riscos do mar, se obriga a indenizar ao segurado da perda ou dano que possa sobrevir ao objeto do seguro, mediante um prêmio ou soma determinada, equivalente ao risco tomado, só pode provar-se por escrito, a cujo instrumento se chama apólice; contudo julga-se subsistente para obrigar reciprocamente ao segurador e ao segurado desde o momento em que as partes se convierem, assinando ambas a minuta, a qual deve conter todas as declarações, cláusulas e condições da apólice. Nas palavras de Sampaio de Lacerda, o seguro marítimo é :...o contrato pelo qual uma pessoa se obriga a indenizar outra dos danos e perdas que venha a sofrer em conseqüência de risco eventual da navegação, mediante o pagamento de uma quantia certa ou uma quotização fixa ou proporcional. Como se viu das definições acima, o seguro marítimo tem a natureza jurídica de um contrato. Aliás, é um contrato sempre comercial. É um contrato bilateral ou sinalagmático (existem obrigações para ambas as partes), oneroso (as prestações são recíprocas), de adesão (as partes não debatem todas não discutem todas as cláusulas do contrato) e aleatório (a prestação a cargo do segurador só entra em cena caso se concretize o risco).

3 O contrato de seguro marítimo é, ainda, consensual, isto é, se considera aperfeiçoado desde o momento em que as partes envolvidas troquem consentimentos, desde que tais consentimentos repousem em uma minuta, que deve conter todas as declarações cláusulas e condições da apólice, sendo esta última exigida para a prova do contrato (C.Co. art. 666). O contrato de seguro possui, além dos elementos comuns a todos os contratos, alguns que lhes são peculiares, quais sejam: a) o interesse segurado, b) o risco; c) a estipulação do prêmio e d) a promessa de indenização. Apresentado que foi, em linhas bem gerais, o contrato de seguro marítimo, passa-se, neste momento, à análise de um de seus elementos : o risco. 3. DO RISCO 3.1 ACEPÇÕES DA PALAVRA E CONCEITO JURÍDICO Consoante ensina Theophilo de Azeredo Santos, a palavra risco tem recebido várias acepções, dentre elas: a) para a ciência atuarial, risco é o fenômeno natural que se introduz com certa regularidade na vida comum e depende, para ser eliminado, ante a possibilidade matemática, de verificar-se determinado evento sujeito à lei dos grandes números e à freqüência real do mesmo acontecimento, em função de sua eliminação; b) na ciência econômica, o risco é a álea que se deve sofrer ao iniciar-se ou levar-se ao fim qualquer ação econômica e pode, pois, consistir também na possibilidade de uma vantagem. No sentido jurídico, e este é o que mais de perto nos interessa, o mencionado autor, leciona que risco significa a possibilidade de um evento que modifica a situação preexistente, seja em sentido desfavorável, seja em sentido favorável...é, pois, o evento futuro e incerto, mas possível: é a possibilidade do evento. Já para Silvio de Salvo Venosa, risco é o acontecimento futuro e incerto previsto no contrato, suscetível de causar dano. Diante dos conceitos acima expostos, percebe-se que o risco é elemento essencial a todo contrato de seguro, pena de descaracterizá-lo ou, em caso de ausência, torná-lo, como no caso do seguro marítimo, nulo (C.Co, art. 677, nº4). A despeito de tal constatação, Theophilo de Azeredo Santos, comentando acerca do seguro marítimo, fornece exemplo de exceção à mesma, que ocorre quando se faz o seguro sobre boa ou má nova, ou com a cláusula perdido ou não perdido, que possibilitam a celebração do contrato de seguro marítimo ainda que a coisa segurada já esteja perdida ou a salvo, mas tal condição deve ser, necessariamente, desconhecida das partes. Vê-se, pois, que a dúvida e a incerteza são

4 características intrínsecas do risco, ainda que este, de fato, não exista, subsistindo apenas na mente das partes contratantes. Todavia, os conceitos colocados acima são por demais amplos, devendo-se buscar o conceito de risco no que diz respeito ao seguro marítimo. Pode-se dizer que o risco marítimo é o perigo de dano, total ou parcial, a que estão sujeitos não só os navios e embarcações, mas também seus aparelhos, cargas, pessoas, fretes, prêmios, entre outros objetos, materiais ou imateriais, sujeitos à fortuna do mar. Vale ressaltar, como o faz J. C. Sampaio de Lacerda, que os riscos ditos marítimos não são somente aqueles que acontecem no mar, mas os que ocorrem por conta de uma expedição marítima, ou melhor, os que têm origem nos riscos do mar. Pode-se, inclusive considerar como risco marítimo aquele ocorrido em terra. À guisa de ilustração, cite-se o exemplo de mercadorias que, devido a acidente marítimo, são desembarcadas enquanto o navio que as transportava é reparado e, neste interregno, são furtadas ou avariadas CAUSAS E ESPÉCIES Continuando o estudo do risco como elemento constitutivo do contrato de seguro marítimo, vale a pena comentar-se acerca de suas causas e espécies, o que se fará à luz da melhor doutrina. O risco pode ter diversas origens ou, como preferem os maritimistas, causas. Para J. C. Sampaio de Lacerda, o risco pode ter as seguintes causas: a) fortuna do mar (quando derivados de caso fortuito, como é o caso de tempestades, naufrágios, encalhes, cerrações); b) fatos do homem ( a albaroação, fortuita ou culposa, desde que não seja por culpa do navio segurado, arribada); c) fatos independentes de um e de outro (incêndios e explosões, por exemplo) e d) fatos imputáveis à potência estrangeira (presa, confisco, afundamento). Já para Theophilo de Azeredo Santos, as causas do riscos dividem-se em: a) fortuna do mar; b) vício próprio das coisas (defeito de construção do navio, mau funcionamento das máquinas e do leme; a combustão espontânea, o derrame, a fermentação, o apodrecimento, em relação às mercadorias); c) faltas de prepostos do segurado e d) faltas pessoais do segurado. Os riscos podem ser ordinários (quando coberto por apólices simples, sem tarifação especial) e extraordinários ( quando exigem cláusulas especiais, com tarifas especiais, tais como os denominados riscos de guerra, os quais merecerão, mais adiante, um comentário mais detalhado.)

5 3.3 RISCOS NÃO ABRANGIDOS PELO SEGURO ANTE VEDAÇÃO LEGAL O Código Comercial veda que o segurador seja responsabilizado pela concretização no mundo fático de determinados riscos. Com efeito, o art. 711 daquela código (Art O segurador não responde por danos ou avaria que aconteça por fato do segurado, ou por alguma das causas seguintes) elenca várias hipóteses em que o segurador terá sua responsabilidade excluída. Cumpre sublinhar, todavia, que não apenas em tais casos a responsabilidade do segurador poderá ser excluída, visto que, diante de disposições contratuais expressas, poderão as partes convecionar que por este ou aquele risco não responde o segurador. Neste momento, passa-se a destacar as hipóteses previstas nos números 1 a 12 do art. 711 do Código Comercial e tecer considerações sobre algumas delas: 1) desviação voluntária da derrota ordinária e usual da viagem. Como se vê, caso a rota traçada inicialmente seja desviada, o segurador, justamente porque assumiu os riscos e estipulou o prêmio de acordo com o rumo estipulado quando da celebração do contrato. Realmente, seria ludibriar o segurador, e pois ofender a boa-fé contratual, se se permitisse que, por exemplo, o navio se dirigisse para zona conhecida como palco de intempéries. Entretanto, percebe-se que a responsabilidade do segurador só é excluída se a desviação for voluntária, o que faz com tal responsabilidade subsista em caso desvio ocasionado por força maior, tais como tempestades, guerras, entre outras e, logicamente, desde que tais percalços não hajam sido provocados pelos carregadores, armadores ou capitão e seus prepostos. 2 ) alterarão voluntária na ordem das escalas designadas na apólice; salvo a exceção estabelecida no artigo nº Aqui, cabem as mesmas explicações dadas no tópico anterior. A exceção contida no art. 680 refere-se à urgente necessidade ou força maior. 3 ) prolongação voluntária da viagem, além do último porto atermado na apólice. Encurtando-se a viagem, o seguro surte pleno efeito, se o porto onde ela findar for de escala declarada na apólice; sem que o segurado tenha direito para exigir redução do prêmio estipulado.

6 De fato, não há como responsabilizar o segurador se este só se obrigou a cobrir eventuais sinistros ocorridos até determinado porto e o navio, sem qualquer justa causa a não ser a vontade de seus tripulantes, seguir viagem até porto mais distante. Admitir isto, seria promover o desequilíbrio contratual em detrimento do segurador, fato que geraria insegurança jurídica, indesejável em qualquer negócio. Ressalva o número três do art. 711, sem prejuízo da totalidade do prêmio a cargo do segurado, a possibilidade de a viagem ser encurtada, desde que o seu fim se dê em porto que se enquadre em escala prevista na apólice. Não poderia ser diferente, eis que no caso aplica-se a máxima de quem pode o mais pode o menos. Se o seguro cobria uma distância maior, evidentemente, mantida a rota e escalas previstas na apólice, que cobrirá a menor e, como o segurado não provocou o encurtamento da viagem, tem este o direito de exigir, por inteiro, o prêmio estipulado na apólice. 4 ) separação espontânea de comboio, ou de outro navio armado, tendo-se estipulado na apólice de ir em conserva dele. Por motivos óbvios, os riscos assumidos pelo segurador seriam, indevidamente, aumentados se o navio ou embarcação se separasse de comboio ( união ou associação de dois ou mais navios como pouca diferença ou de igual porte destinado à mesma viagem, para a segurança comum, e a fim de resistir e conservar-se mutuamente nas ocorrências da viagem ) ou de navio armado e na apólice estivesse previsto que o navio ou embarcação tivesse que ir em conserva deles, assim é porque um navio daria apoio ao(s) outro(s) em caso de dificuldades, o que, se não evitasse os danos, pelo menos os reduziria, diminuindo a futura obrigação do segurador. 5 ) diminuição e derramamento do líquido (artigo nº. 624). 6 ) falta de estiva, ou defeituosa arrumação da carga. 7 ) diminuição natural de gêneros, que por sua qualidade são suscetíveis de dissolução, diminuição ou quebra em peso ou medida entre o seu embarque e o desembarque; salvo tendo estado encalhado o navio, ou tendo sido descarregadas essas fazendas por ocasião de força maior; devendo-se, em tais casos, fazer dedução da diminuição ordinária que costuma haver em gêneros de semelhante natureza (artigo nº. 617). 8 ) quando a mesma diminuição natural acontecer em cereais, açúcar, café, farinhas, tabaco, arroz, queijos, frutas secas ou verdes, livros ou papel e outros gêneros de semelhante natureza, se a avaria não exceder a 10% (dez por cento) do valor seguro; salvo

7 se a embarcação tiver estado encalhada, ou as mesmas fazendas tiverem sido descarregadas por motivo de força maior, ou o contrário se houver estipulado na apólice. 9 ) danificações de amarras, mastreação, velame ou outro qualquer pertence do navio, procedida do uso ordinário do seu destino. 10 ) vício intrínseco, má qualidade, ou mau acondicionamento do objeto seguro. 11 ) avaria simples ou particular, que, incluída a despesa de documentos justificativos, não exceda de 3% (três por cento) do valor segurado. 12 ) rebeldia do capitão ou da equipagem; salvo havendo estipulação em contrário declarada na apólice. Esta estipulação é nula sendo o seguro feito pelo capitão, por conta dele ou alheia, ou por terceiro por conta do capitão. Eis os casos em que a lei, expressamente, exclui a responsabilidade do segurador por determinados riscos. Porém, como já mencionado, outros riscos, mediante cláusula explícita, podem ser excluídos. Nesta seara, ganha relevo a discussão sobre se o chamado risco de guerra é ou não coberto como um risco ordinário, isto é, que independe de cláusula expressa de cláusula neste sentido, ou se, ao contrário, necessita tal risco de previsão expressa na apólice. Os riscos de guerra são ocasionados, por exemplo, por: hostilidades ou operações bélicas, bombas, mísseis, torpedos, detenção de embarcações, entre outros fatos análogos. Inicialmente, conforme conta J.C Sampaio de Lacerda, pelo fato de as guerras marítimas serem comuns, não se cogitava sobre se o seguro marítimo cobria ou não tal risco. Contudo, com a diminuição de tais confrontos, começou-se a refletir acerca da possibilidade de exclusão do risco de guerra dos contratos de seguro marítimo, com o fito de diminuir os prêmios pagos pelos segurados. Eis as palavras do citado mestre: Eram comuns outrora (riscos de guerra), pois as guerras marítimas eram freqüentes. Por esse motivo, os seguros garantiam todos os riscos (cf. Ordenação de 1681 e Código Comercial francês). Com a raridade posterior das guerras do mar, os armadores pleitearam a exclusão dos riscos de guerra, a fim de poderem reduzir os prêmios. Deste modo, algumas legislações excluíram, expressamente, os riscos de guerra. Outras permitiam que fossem insertas cláusulas no contrato, para excluí-los. Que dizer então da legislação brasileira?

8 No Brasil, o seguro marítimo abrange os riscos de guerra, impondo-se a existência de cláusula expressa no ajuste caso se pretenda afastá-los. Sem embargo de semelhante conclusão, muitas outras questões merecem destaque quando se fala em cobertura pelos seguros marítimos dos riscos de guerra. Com efeito, indaga-se se é necessário, para que o risco ora tratado seja coberto pelo seguro marítimo, haver declaração oficial de guerra. À essa pergunta doutrinadores do mais elevado quilate têm respondido negativamente. Neste sentido, leia-se a seguinte passagem:...daí a distinção estabelecida por GEORGES RIPERT entre estado de guerra e atos de guerra, para determinar que, havendo estes últimos, há risco de guerra e com o simples estado de guerra podem não ocorrer estado de guerra. Também VIVANTE observa, no que é, aliás, apoiado por BRUNETTI, que o Código se preocupa com o estado de guerra e não da existência de um estado de direito, que em muitos casos é letra morta apenas. DANJON, porém, mais esclarecidamente,, entende que há guerra quando há hostilidades declaradas entre dois povos pertencentes a estados diferentes, embora não tenham sido as hostilidades precedidas de uma declaração regular, pois a declaração de guerra é formalidade que só interessa ao direito internacional público, mas que é indiferente às relações privadas. Realmente, para fins de cobertura pelo seguro marítimo, não necessita haver declaração expressa de guerra, haja vista que o que faz com que surjam os riscos bélicos não são declarações, mas sim efetivas ameaças provocadas por atos (bloqueios, seqüestro, etc.) que geralmente ocorrem e armas comumente utilizadas em confrontos, os quais aumentam, enormemente, os riscos já existentes em uma expedição marítima. Ainda no que concerne aos riscos de guerra, cumpre comentar sobre os denominados riscos sucessivos, eis que determinado risco, conforme o ponto de vista utilizado, pode ser considerado risco de guerra ou simples risco marítimo. Diz-se sucessivo o risco quando o mesmo resulta de uma série de acontecimentos, podendo parte de tais eventos ser caracterizado, se vistos isoladamente, como risco de guerra e parte como riscos marítimos. Como exemplo de risco sucessivo, pode-se citar caso em que um determinado navio, para escapar de bloqueio inimigo, desvia sua rota, para, no entanto, se chocar com rochedos submersos, desconhecidos por aqueles que comandam o navio. Neste caso, qual seria a natureza do risco que causou o sinistro? O risco de guerra, materializado no bloqueio inimigo, ou o simples risco marítimo, representado pelos rochedos ocultos sob as águas do mar? Para responder a essa e outras perguntas, várias teorias surgiram. Dentre elas, destacam-se a teoria da causa próxima e a teoria da causa determinante. A primeira diz que a causa que mais de perto estiver relacionada com o sinistro é que é determinante para a classificação do risco. No exemplo dado, seriam os rochedos e, pois, mero risco marítimo.

9 Já a segunda teoria (causa determinante), diz que a guerra, provocando situações de anormalidade na navegação marítima, é que deve ser considerada como causa para o sinistro. No exemplo, como o navio só desviou sua rota em por causa do bloqueio oferecido por comboio inimigo, tem-se que o risco de guerra provocou o acidente. Parece ser melhor a segunda teoria, visto que reconhece a situação de anormalidade ocasionada por cenários de guerra e dá prevalência, quando ocorrem os denominados riscos sucessivos, aos riscos de guerra como causadores do acidente. Se a anormalidade não existisse, o navio não teria se dirigido para os rochedos, os quais se encontravam completamente fora do rumo traçado para a viagem. 3.4 INÍCIO E FIM DOS RISCOS Outro tópico de indiscutível importância para o estudo do risco como elemento constitutivo do seguro marítimo é o que versa sobre o momento em que principiam e se extinguem os riscos. Na verdade, os riscos, a rigor do termo, não tem um momento preciso de início e fim, o que acontece porque é da natureza dos riscos a dúvida e a incerteza no que diz respeito a sua concretização no mundo fático (sinistro ou dano). Quando se fala em início e fim dos riscos, deve-se entender início e fim da cobertura dos mesmos pelo contrato de seguro marítimo, noutras palavras, a partir de quando e até quando terá o segurador o dever de indenizar o segurado em caso de acidentes. A seguir, confira-se a disciplina do início e fim dos riscos, previstas nos arts. 702 a 709. Não constando da apólice do seguro o tempo em que os riscos devem começar e acabar, os riscos de seguro sobre navio principiam a correr por conta do segurador desde o momento em que a embarcação suspende a sua primeira âncora para velejar, e terminam depois que tem dado fundo e amarrado dentro do porto do seu destino, no lugar que aí for designado para descarregar, se levar carga, ou no lugar em que der fundo e amarrar, indo em lastro. Segurando-se o navio por ida e volta, ou por mais de uma viagem, os riscos correm sem interrupção por conta do segurador, desde o começo da primeira viagem até o fim da última. No seguro de navios por estadia em algum porto, os riscos começam a correr desde que o navio dá fundo e se amarra no mesmo porto, e findam desde o momento em que suspende a sua primeira âncora para seguir viagem. Sendo o seguro sobre mercadorias, os riscos têm princípio desde o momento em que elas se começam a embarcar nos cais ou à borda d'água do lugar da carga, e só terminam depois que são postas a salvo no lugar da descarga; ainda mesmo no caso do capitão ser obrigado a descarregá-las em algum porto de escala, ou de arribada forçada. Fazendo-se seguro sobre fazendas a transportar alternadamente por mar e terra, rios ou canais, em navios, barcos, carros ou animais, os riscos começam logo que os efeitos são

10 entregues no lugar onde devem ser carregados, e só expiram quando são descarregados a salvamento no lugar do destino. Os riscos de seguro sobre frete têm o seu começo desde o momento e à medida que são recebidas a bordo as fazendas que pagam frete; e acabam logo que saem para fora do portaló do navio, e à proporção que vão saindo; salvo se por ajuste ou por uso do porto o navio for obrigado a receber a carga à beira d'água, e pô-la em terra por sua conta. O risco do frete, neste caso, acompanha o risco das mercadorias. A fortuna das somas mutuadas a risco principia e acaba para os seguradores na mesma época, e pela mesma forma que corre para o dador do dinheiro a risco; no caso, porém, de se não ter feito no instrumento do contrato a risco menção específica dos riscos tomados, ou se não houver estipulado o tempo, entende-se que os seguradores tomaram sobre si todos os riscos, e pelo mesmo tempo que geralmente costumam receber os dadores de dinheiro a risco. Por fim, no seguro de lucro esperado, os riscos acompanham a sorte das fazendas respectivas. 4. CONCLUSÃO Viu-se que o seguro marítimo é um contrato de fundamental importância para o desenvolvimento e expansão do comércio marítimo, uma vez que permitiu, inclusive a pequenos comerciantes, a possibilidade de se arriscar em navegações marítimas, as quais envolvem grandes riscos, com a certeza de que, mediante o pagamento de um prêmio, caso ocorresse um sinistro, seriam indenizados pelo segurador. É o seguro marítimo um contrato bilateral ou sinalagmático (existem obrigações para ambas as partes), oneroso (as prestações são recíprocas), de adesão (as partes não debatem todas não discutem todas as cláusulas do contrato), consensual (se aperfeiçoa com a troca de consentimentos entre as partes, mas desde que esteja tal acordo contido em minuta que contenha as cláusulas e condições essenciais da apólice) e aleatório (a prestação a cargo do segurador só entra em cena caso se concretize o risco).

11 O tema central do trabalho enfocou o risco que, ao lado do interesse, da estipulação do prêmio e da promessa de indenização, é um dos elementos constitutivos do contrato de seguro marítimo. O risco possui diversas acepções de acordo com o ponto de vista em que ele é estudado. No que tange ao risco marítimo pode-se conceituá-lo como sendo o perigo de dano, total ou parcial, a que estão sujeitos não só os navios e embarcações, mas também seus aparelhos, cargas, pessoas, fretes, prêmios, entre outros objetos, materiais ou imateriais, sujeitos à fortuna do mar. Os riscos marítimos, segundo a doutrina, podem ter como causas a fortuna do mar, fatos do homem, fatos independentes de um e de outro e fatos imputáveis à potência estrangeira. Podem ser ordinários Os riscos podem ser ordinários (quando coberto por apólices simples, sem tarifação especial) e extraordinários ( quando exigem cláusulas especiais, com tarifas especiais, tais como os denominados riscos de guerra. O art. 711 do Código Comercial exclui a responsabilidade do segurador por fato do segurado que implique dano ou avaria e ainda por outras hipóteses previstas em seus incisos, o que não impede a exclusão contratual, mediante cláusula expressa, de outros riscos. O risco de guerra são, v.g, aqueles ocasionados, por exemplo, por: hostilidades ou operações bélicas, bombas, mísseis, torpedos, detenção de embarcações, entre outros fatos análogos. No Brasil, o seguro marítimo abrange os riscos de guerra, impondo-se a existência de cláusula expressa no ajuste caso se pretenda afastá-los, valendo, ainda, ressaltar que não se faz necessária a existência de declaração oficial de guerra, a qual só interessa ao Direito Internacional. Em se falando acerca dos riscos de guerra, cumpre trazer à baila a questão pertinente aos denominados riscos sucessivos, os quais são aqueles que resultam de uma série de acontecimentos, podendo parte de tais eventos ser caracterizado, se vistos isoladamente, como risco de guerra e parte como riscos marítimos. Para determinar se algum risco de natureza sucessiva é ou não de guerra surgiram algumas teorias, dentre as quais sublinhouse a teoria da causa próxima e a teoria da causa determinante. A primeira diz que a causa que mais de perto estiver relacionada com o sinistro é que é determinante para a classificação do risco. Já a segunda teoria (causa determinante), diz que a guerra, provocando situações de anormalidade na navegação marítima, é que deve ser considerada como causa para o sinistro. Por fim, comentou-se sobre o início e fim dos riscos. A rigor, não se pode falar do início e fim dos riscos, eis que os mesmos não possuem um momento preciso de início e fim, haja vista que a dúvida sobre a possibilidade de os riscos virem a se concretizar é elemento essencial de tal instituto. Quando se fala em início e fim dos riscos, deve-se entender início e fim da cobertura dos mesmos pelo contrato de seguro marítimo, noutras palavras, a partir de quando e até quando terá o segurador o dever de indenizar o segurado em caso de acidentes.

12 5. BIBLIOGRAFIA BRASIL, Ávio. Transportes e Seguros Marítimos e Aéreos, Oficinas Gráficas do Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, LACERDA, J. C. Sampaio de. Curso de Direito Comercial Marítimo e Aeronáutico, 5ª ed., Livraria Freitas Bastos S.A, São Paulo, 1963 SANTOS, Theophilo de Azeredo. Direito da Navegação (Marítima e aérea), 2ª ed, Forense, Rio de Janeiro, 1968 VENOSA, Silvio de Salvo. Direito Civil, Atlas, São Paulo, 2001 Fortaleza-CE maio-2004 *Advogada Disponível em: < es>. Acesso em: 18 set

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES

GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES GLOSSÁRIO DE TERMOS TÉCNICOS SEGURO DE TRANSPORTES Este glossário apresenta-se composto de palavras e expressões comumente usadas pelo mercado segurador e por vezes desconhecidas pelo grande público consumidor

Leia mais

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA

DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA XVII CONGRESSO INSTITUTO IBEROAMERICANO DE DIREITO MARÍTIMO 05 A 07 DE NOVEMBRO DE 2012 - RIO DE JANEIRO - BRASIL DO REGIME DA RESPONSABILIDADE CIVIL POR DANOS À CARGA NA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA Paulo Campos

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 6 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 6 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 6 PARA MERCADORIAS/BENS CONGELADOS Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar ao Segurado os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 14 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 14 PARA CARVÃO (EMBARQUES AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

1.2 - São indenizáveis até o limite máximo indicado na especificação de seguro aeronáutico, os seguintes prejuízos:

1.2 - São indenizáveis até o limite máximo indicado na especificação de seguro aeronáutico, os seguintes prejuízos: CONDIÇÕES ESPECIAIS ADITIVO A GARANTIA CASCOS 1 - Objeto do seguro 1.1. Perda ou avaria da aeronave Respeitados os limites indicados na especificação de seguro aeronáutico a Seguradora, com base nas condições

Leia mais

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC)

CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) CONTRATO DE TRANSPORTE (Art. 730 a 756, CC) 1. CONCEITO O contrato de transporte é o contrato pelo qual alguém se vincula, mediante retribuição, a transferir de um lugar para outro pessoas ou bens. Art.

Leia mais

Glossário de Termos Técnicos de Seguros

Glossário de Termos Técnicos de Seguros Glossário de Termos Técnicos de Seguros O objetivo deste glossário é apresentar, como referencial, definições de termos usualmente empregados pelo mercado segurador. As definições foram selecionadas e

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 15 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 15 PARA MADEIRAS (CARGA NO CONVÉS) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO NOVO CÓDIGO CIVIL Do seguro Seção I Disposições gerais Art. 757. Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do

Leia mais

CLÁUSULAS DE SEGURO DE TRANSPORTES CLÁUSULA DE SEGURO DE CARGAS CLÁUSULA (A)

CLÁUSULAS DE SEGURO DE TRANSPORTES CLÁUSULA DE SEGURO DE CARGAS CLÁUSULA (A) CLÁUSULAS DE SEGURO DE TRANSPORTES CLÁUSULA DE SEGURO DE CARGAS CLÁUSULA (A) Este seguro cobre todos os riscos de perda ou dano sofrido pelo objeto seguro com exceção dos casos abaixo referidos nas «EXCLUSÕES»

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Civil Professor Andre Barros Data: 19/09/2009 Aula 3: Validades dos Atos, Vícios, Erro, Dolo, Coação, Estado de Perigo, Lesão, Fraude contra credores, Simulação, Efeitos dos Negócios Jurídicos, Condição, Termo, Encargo, Prescrição e Decadência. Validade

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR FERROVIÁRIO CARGA COBERTURA RESTRITA

CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR FERROVIÁRIO CARGA COBERTURA RESTRITA CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR FERROVIÁRIO CARGA COBERTURA RESTRITA Cláusula 1 a. - OBJETO DO SEGURO E RISCOS COBERTOS 1.1O presente seguro garante ao Segurado,

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 7 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 7 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Ampla Nº 7 PARA MERCADORIAS/ BENS CONGELADOS Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência

Leia mais

OS SEGUROS NA ATIVIDADE MARÍTIMA E PORTUÁRIA

OS SEGUROS NA ATIVIDADE MARÍTIMA E PORTUÁRIA OS SEGUROS NA ATIVIDADE MARÍTIMA E PORTUÁRIA SEGURO DE CASCO - Circular SUSEP 01/85 SEGURO DE TRANSPORTES Circular SUSEP 354/2007 SEGURO DE OPERADORES PORTUÁRIOS - Circular SUSEP 291/2005 SEGURO DE RC

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais;

Características Gerais dos Seguros de Transportes Internacionais: I Condições Gerais; Coberturas de Riscos UNIDADE III: Seguros: modalidades, custos e legislação internacional do setor. Cláusulas e condições gerais das apólices de seguros Características Gerais dos Seguros de Transportes

Leia mais

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007

LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 LEI N. 11.442, DE 05 DE JANEIRO DE 2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei n. 6.813, de 10 de julho de 1980 Alterações: Lei n. 12249,

Leia mais

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos

O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003. COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos O NOVO CÓDIGO CIVIL E O CONTRATO DE SEGURO NOVIDADES E POLÊMICAS Vigência: 11/01/2003 COMENTÁRIOS Ricardo Bechara Santos Capitulo XV - Do seguro Seção I Disposições gerais ART. 757 - PELO CONTRATO DE SEGURO,

Leia mais

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL

O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL O CONTRATO DE SEGURO NO CÓDIGO CIVIL Bruno Henrique Andrade Alvarenga O presente trabalho se pauta no estudo dos artigos 757 a 802 do Código Civil, mais especificamente no tocante ao Contrato de Seguro.

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP.

O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. O. Seguro de Pessoas artigo 757 e seguintes do Código Civil; diversas Regulamentações da SUSEP. Na mesma esteira dos planos de previdência privada, é comum os contratos de seguro de pessoas conterem, juntos

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

PARTE II - CONDIÇÕES ESPECIAIS

PARTE II - CONDIÇÕES ESPECIAIS PARTE II - CONDIÇÕES ESPECIAIS Apresentamos a seguir as Condições Especiais que em conjunto com as Condições Gerais, regem este seguro e estabelecem suas normas de funcionamento. LEMBRAMOS QUE SERÃO APLICÁVEIS

Leia mais

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013

SEGUROS PATRIMONIAIS. www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS PATRIMONIAIS www.sindsegsc.org.br PDES Programa de Desenvolvimento dos Executivos do Seguro Agosto/2013 SEGUROS COMPREENSIVOS Nilso Gonçalves Membro Comissão Ramos Diversos PDES Seguros Compreensivos

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Nº 21 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.0b 1 Cobertura Básica Nº 21 PARA SEGUROS DE MERCADORIAS CONDUZIDAS POR PORTADORES Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura garante, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer em conseqüência de

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 269, de 30 de setembro de 2004. Estabelece, altera e consolida as regras e critérios complementares de funcionamento e de operação dos contratos de seguros de automóveis, com inclusão

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS PARA SEGURO DE EQUIPAMENTOS ARRENDADOS OU CEDIDOS A TERCEIROS

CONDIÇÕES ESPECIAIS PARA SEGURO DE EQUIPAMENTOS ARRENDADOS OU CEDIDOS A TERCEIROS CONDIÇÕES ESPECIAIS PARA SEGURO DE EQUIPAMENTOS ARRENDADOS OU CEDIDOS A TERCEIROS Cláusula 1ª - Riscos Cobertos A Seguradora, de acordo com as "Condições Gerais" da apólice acima mencionada e as "ESPECIAIS"

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

COBERTURAS ADICIONAIS AO PROCESSO SUSEP Nº 15414.004288/2007-81 SEGURO ZURICH RISCOS NOMEADOS

COBERTURAS ADICIONAIS AO PROCESSO SUSEP Nº 15414.004288/2007-81 SEGURO ZURICH RISCOS NOMEADOS LUCROS CESSANTES CONSEQÜENTES DE DANOS MATERIAIS CLÁUSULA 1ª - OBJETO DO SEGURO 1.1. O objeto deste seguro é garantir, de conformidade com o que estiver estipulado nas demais condições desta apólice, uma

Leia mais

CONVENÇÃO DE BRUXELAS

CONVENÇÃO DE BRUXELAS CONVENÇÃO DE BRUXELAS CONVENÇÃO INTERNACIONAL PARA A UNIFICAÇÃO DE CERTAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONHECIMENTOS ASSINADA EM BRUXELAS A 25 DE AGOSTO DE 1924 (D.G. I Série n.º. 128 de 2/6/1932) Fazemos saber

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 13 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Restrita Nº 13 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Restrita Nº 13 PARA RANSPORE DE ÓLEO (PERÓLEO) A GRANEL (EMBARQUES AQUAVIÁRIOS E ERRESRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado,

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Seguro. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Seguro Seguro Seguro: latim securus - tranqüilo, sem receio, isento de cuidados, fora de perigo. Gramaticalmente exprime o sentido de livre e isento de perigos e cuidados, posto a salvo, garantido.

Leia mais

Tokio Marine TRANSPORTES

Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine TRANSPORTES Tokio Marine Transportes Objetivo Compreender o Seguro de Transportes e sua aplicação. Identificar oportunidades de negócios ligadas ao seguro de Transportes. 1. Objetivo do Seguro

Leia mais

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro.

DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912. Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. DECRETO 2.681, DE 7 DE DEZEMBRO DE 1912 Regula a responsabilidade civil das estradas de ferro. O Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil: Faço saber que o Congresso Nacional decretou e eu

Leia mais

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas

APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas APÓLICE COLETIVA DE SEGURO DE TRANSPORTE Coletânea de Perguntas e Respostas 1. A quem se destina a apólice? R.: Destina-se às empresas associadas ao SICEPOT-MG, sendo extensivo às empresas do mesmo grupo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ADITIVO B GARANTIA RESPONSABILIDADE DO EXPLORADOR E TRANSPORTADOR AÉREO - R.E.T.A.

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ADITIVO B GARANTIA RESPONSABILIDADE DO EXPLORADOR E TRANSPORTADOR AÉREO - R.E.T.A. CONDIÇÕES ESPECIAIS - ADITIVO B GARANTIA RESPONSABILIDADE DO EXPLORADOR E TRANSPORTADOR AÉREO - R.E.T.A. 1. Objeto do Seguro 1.1 - Responsabilidade do explorador ou transportador aéreo 1.1.1- Respeitados

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2.000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente de Seguros de Automóvel ou dos

Leia mais

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE

24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE 24/09/2010 (Assessoria empresarial) CONTRATO DE TRANSPORTE Contrato de transporte, segundo estabelece o artigo 730 do Código Civil, pode ser conceituado como aquele em que alguém se obriga, mediante retribuição,

Leia mais

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 12 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1.

Condições Contratuais Seguro Transporte Internacional Cobertura Básica Ampla Nº 12 Processo SUSEP nº 15414.901332/2014-22 Versão 1. Cobertura Básica Ampla Nº 12 PARA EMBARQUES A GRANEL (AQUAVIÁRIOS E TERRESTRES) Cláusula 1 Riscos Cobertos 1.1. A presente cobertura tem por objetivo indenizar, ao Segurado, os prejuízos que venha a sofrer

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL DANOS À CARGA TRANSPORTADA

CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL DANOS À CARGA TRANSPORTADA CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL DANOS À CARGA TRANSPORTADA Cláusula 1 - Objeto do Seguro e Risco Coberto 1.1 - O presente contrato

Leia mais

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das

CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das CIRCULAR SUSEP Nº 145, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2000 Publicada no DOU de 09/11/2000 Dispõe sobre a estruturação mínima das Condições Contratuais e das Notas Técnicas Atuariais dos Contratos exclusivamente

Leia mais

SEGURO DE EMPREITADA

SEGURO DE EMPREITADA Page 1 SEGURO DE EMPREITADA Sede: Av. 25 de Setembro, n.º 1230, 2.º Andar, Porta 201, Prédio 33 Andares Assinatura:... Page 2 APÓLICE Nº. A Companhia de Seguros Indico, SA abreviadamente designada por

Leia mais

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro

SEGURO. 1. Referência legal do assunto. Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro 1. Referência legal do assunto Art. 757 ao art. 802 do CC. 2. Conceito de seguro SEGURO O seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa, o segurado, se faz

Leia mais

Coberturas Opção 03 Palestras, Reuniões, Seminários e Cursos Similares.

Coberturas Opção 03 Palestras, Reuniões, Seminários e Cursos Similares. COBERTURA BÁSICA N.º 115 - PROMOÇÃO DE EVENTOS ARTÍSTICOS, ESPORTIVOS E SIMILARES CONDIÇÕES ESPECIAIS 1 - RISCO COBERTO 1.1 - O risco coberto é a responsabilização civil do Segurado por DANOS CORPORAIS

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59, de 28.06.80 - DCN de 03 de julho de 1980 Convênio sobre Transportes Marítimos entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da China Assinado em 22 de maio de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 59,

Leia mais

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI Advogada. Pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho/CESUSC. Membro da Comissão de Direito Securitário da OAB/SC. Art.

Leia mais

AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS

AVARIA GROSSA PRIMEIRAS LINHAS RESUMO Artigo que propõe apresentar as primeiras linhas sobre o tema AVARIA GROSSA, sua previsão legal, características e iniciando a abordagem prática. AVARIA GROSSA Alexandro Alves Ferreira alexandro@br-asgroup.com

Leia mais

A) INTERRUPÇÃO DE PRODUÇÃO E COBERTURAS ADICIONAIS PERMITIDAS À MESMA INTERRUPÇÃO DE PRODUÇÃO CONSEQÜENTE DE DANOS MATERIAIS - PERDA DE RECEITA BRUTA

A) INTERRUPÇÃO DE PRODUÇÃO E COBERTURAS ADICIONAIS PERMITIDAS À MESMA INTERRUPÇÃO DE PRODUÇÃO CONSEQÜENTE DE DANOS MATERIAIS - PERDA DE RECEITA BRUTA A) INTERRUPÇÃO DE PRODUÇÃO E COBERTURAS ADICIONAIS PERMITIDAS À MESMA INTERRUPÇÃO DE PRODUÇÃO CONSEQÜENTE DE DANOS MATERIAIS - PERDA DE RECEITA BRUTA CLÁUSULA 1ª - OBJETO DO SEGURO Fica entendido e acordado

Leia mais

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS

SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS SEGUROS NA INTERNACIONALIZAÇÃO DE EMPRESAS Paulo Robson Alves FATORES DE COMPETITIVIDADE Seguradoras devem ter atuação Global Preço do Seguro compatível com o mercado internacional Coberturas de Seguros

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO

RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO RESUMO DAS CONDIÇÕES GERAIS DO SEGURO DE PERDA, FURTO E ROUBO DO CARTÃO TRIBANCO Estipulante: BANCO TRIÂNGULO S. A. Seguradora: PORTO SEGURO CIA DE SEGUROS GERAIS Número processo SUSEP: 15414.000223/2007-67

Leia mais

1.2.2 Os honorários dos advogados serão integralmente pagos pelas partes, Segurador e Segurado, quando cada qual designar seu próprio advogado.

1.2.2 Os honorários dos advogados serão integralmente pagos pelas partes, Segurador e Segurado, quando cada qual designar seu próprio advogado. CONDIÇÕES GERAIS PARA O SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL DO TRANSPORTADOR RODOVIÁRIO EM VIAGEM INTERNACIONAL (DANOS CAUSADOS A PESSOAS OU COISAS TRANSPORTADAS OU NÃO, À EXCEÇÃO DA CARGA TRANSPORTADA) 1.

Leia mais

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO

LIBERTY VELA FICHA DE PRODUTO FICHA DE PRODUTO O Liberty Vela é um Seguro de Embarcações Particulares de Recreio que garante os danos de Pequenas é Medias Embarcações à Vela, dos respectivos ocupantes, bem como danos causados a terceiros.

Leia mais

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões

SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL. ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões Responsabilidade Civil 1 SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL 2 Quais são os seguros de responsabilidade civil

Leia mais

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT

ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT ILUSTRÍSSIMO SENHOR PREGOEIRO DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES - DNIT IMPUGNAÇÃO DE EDITAL PREGÃO ELETRÔNICO N 0109/2011 A PORTO SEGURO COMPANHIA DE SEGUROS GERAIS (PORTO SEGURO),

Leia mais

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004.

Resolução nº 194 RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. RESOLUÇÃO Nº 194-ANTAQ, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. APROVA A NORMA PARA A HOMOLOGAÇÃO DE ACORDO OPERACIONAL ENTRE EMPRESAS BRASILEIRAS E ESTRANGEIRAS DE NAVEGAÇÃO PARA TROCA DE ESPAÇOS NO TRANSPORTE MARÍTIMO

Leia mais

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004

Transportes. Condições gerais. Pela protecção dos valores da vida. 1060267-03.2004 Condições gerais 1060267-03.2004 Pela protecção dos valores da vida. Liberty Seguros, S.A. Av. Fontes Pereira de Melo, nº 6 1069-001 Lisboa Fax 21 355 33 00 Pessoa Colectiva n.º 500 068 658 Cons. Reg.

Leia mais

Termos e Condições Gerais para as Vendas da Aalborg Industries

Termos e Condições Gerais para as Vendas da Aalborg Industries Termos e Condições Gerais para as Vendas da Aalborg Industries 1) Validade dos Termos e Condições: 1.1) Os pedidos para fornecimento de produtos, materiais, serviços, ferramentas, pessoal, etc. doravante

Leia mais

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES

MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES MANUAL DO SEGURADO SEGURO DE PERDA OU ROUBO DE CARTÕES Estipulante: ATUAL TECNOLOGIA E ADMINISTRACAO DE CARTOES. CNPJ: 07.746.799/0001-09 1. OBJETIVO DO SEGURO O presente contrato de seguro tem por objetivo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DE ARMAZÉNS GERAIS

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DE ARMAZÉNS GERAIS CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DE ARMAZÉNS GERAIS Cláusula 1ª - RISCOS COBERTOS 1.1. Considera-se risco coberto a responsabilidade civil do segurado, caracterizada na

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

Seguros de Mercadorias Transportadas

Seguros de Mercadorias Transportadas Seguros de Mercadorias Transportadas Via Marítima, Aérea ou Terrestre Índice Introdução Parte 1 - Breve Resumo Histórico Parte 2 - O Seguro de Mercadorias O Tráfego de Mercadorias O Seguro de Mercadorias

Leia mais

PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE)

PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE) PRAZO PRESCRICIONAL DA SOBRE-ESTADIA (DEMURRAGE) Ao adentrarmos nos aspectos legais envolvendo a sobre-estadia de contêineres, faz-se necessário expor um breve escorço histórico. No inicio da navegação

Leia mais

Contrato de Engajamento de Marinheiros

Contrato de Engajamento de Marinheiros 1 CONVENÇÃO N. 22 Contrato de Engajamento de Marinheiros I Aprovada pela 9ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1926), entrou em vigor no plano internacional em 4.4.28. II Dados referentes

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.442, DE 5 DE JANEIRO DE 2007. Mensagem de veto Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante

Leia mais

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos

DIREITO CIVIL Espécies de Contratos DIREITO CIVIL Espécies de Contratos Espécies de Contratos a serem estudadas: 1) Compra e venda e contrato estimatório; 2) Doação; 3) Depósito; 4) Mandato; 5) Seguro; 6) Fiança; 7) Empréstimo (mútuo e comodato);

Leia mais

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980.

Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. LEI Nº 11.442, de 05/01/2007 Dispõe sobre o transporte rodoviário de cargas por conta de terceiros e mediante remuneração e revoga a Lei nº 6.813, de 10 de julho de 1980. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES DE TRANSPORTE DA XBS LOG, LDA.

TERMOS E CONDIÇÕES DE TRANSPORTE DA XBS LOG, LDA. TERMOS E CONDIÇÕES DE TRANSPORTE DA XBS LOG, LDA. 1. Noções Para efeitos dos presentes termos e condições que regulam o Contrato de Transporte celebrado entre a XBS e o Cliente, os termos abaixo indicados

Leia mais

«Parte geral», «Seguro de danos» e «Seguro de pessoas». NOVO REGIME GERAL DO CONTRATO DE SEGURO

«Parte geral», «Seguro de danos» e «Seguro de pessoas». NOVO REGIME GERAL DO CONTRATO DE SEGURO NOVO REGIME GERAL DO CONTRATO DE SEGURO «Parte geral», «Seguro de danos» e «Seguro de pessoas». No passado dia 16 de Abril foi publicado o Decreto-Lei n.º 72/2008 que consagra a implantação, num único

Leia mais

Condições Gerais de Venda da. Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal

Condições Gerais de Venda da. Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal Condições Gerais de Venda da Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal Siglas: RF Rodamientos Feyc SA, Sucursal em Portugal CGV Condições Gerais de Veda 1. Âmbito 1.As presentes condições gerais estabelecem

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos ADVERTÊNCIA Informamos que os textos das normas constantes deste material são digitados ou digitalizados, não sendo, portanto, textos oficiais. São reproduções digitais de textos publicados na internet

Leia mais

EXPERT GROUP MEETING ON SUSTAINABLE URBAN TRANSPORT: MODERNISING AND GREENING TAXI FLEETS IN LATIN AMERICAN CITIES

EXPERT GROUP MEETING ON SUSTAINABLE URBAN TRANSPORT: MODERNISING AND GREENING TAXI FLEETS IN LATIN AMERICAN CITIES EXPERT GROUP MEETING ON SUSTAINABLE URBAN TRANSPORT: MODERNISING AND GREENING TAXI FLEETS IN LATIN AMERICAN CITIES United Nations Department of Economic and Social Affairs (DESA) Rio de Janeiro, 18 e 19

Leia mais

ACORDO SOBRE TRANSPORTE MULTIMODAL NO ÂMBITO DO MERCOSUL

ACORDO SOBRE TRANSPORTE MULTIMODAL NO ÂMBITO DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. 15/94 ACORDO SOBRE TRANSPORTE MULTIMODAL NO ÂMBITO DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: o Tratado de Assunção, as Decisões 4/91 e 1/92 do Conselho do Mercado Comum e a Recomendação conjunta 1/94

Leia mais

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos

internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos internacionalizar Seguros COSEC com Garantia do Estado Fichas de Produtos Novembro de 2013 Índice Seguro de Créditos à Exportação de Médio e Longo Prazo com a Garantia do Estado 03 Seguro de Créditos Financeiros

Leia mais

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA

ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO_ ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA ACORDO MARITIMO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A UNIÃO ECONOMICA BELGO-LUXEMBURGUESA O GOVERNO

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 241, de 9 de janeiro de 2004. Dispõe sobre a estruturação mínima das condições contratuais e das notas técnicas atuariais dos contratos de seguros de automóvel, com inclusão ou não,

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DE CONDOMÍNIOS COMERCIAIS (SHOPPING-CENTER)

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DE CONDOMÍNIOS COMERCIAIS (SHOPPING-CENTER) CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL DE CONDOMÍNIOS COMERCIAIS (SHOPPING-CENTER) Cláusula 1ª - RISCOS COBERTOS 1.1. Considera-se risco coberto a responsabilidade civil do segurado,

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Promoção Quintas do Pontal Promoção BIENVENUE À SAINT TROPEZ

Promoção Quintas do Pontal Promoção BIENVENUE À SAINT TROPEZ Promoção BIENVENUE À SAINT TROPEZ REGULAMENTO Esta PROMOÇÃO é instituída na modalidade "comprou, ganhou" pela GAFISA S/A (GAFISA), com sede na Av. das Nações Unidas, 8.501, 19º andar, Alto de Pinheiros,

Leia mais

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS

QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS MINUTA DE RESOLUÇÃO QUADRO PADRONIZADO PARA APRESENTAÇÃO DE SUGESTÕES E COMENTÁRIOS Remetente: Signatário: RESOLUÇÃO PROPOSTA SUGESTÃO DE ALTERAÇÃO JUSTIFICATIVA OU COMENTÁRIO A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS

Leia mais

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos

CÓDIGO CIVIL. Livro III. Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III. Dos Atos Ilícitos CÓDIGO CIVIL Livro III Dos Fatos Jurídicos TÍTULO III Dos Atos Ilícitos Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS

IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS IBRACON NPC nº 14 - RECEITAS E DESPESAS - RESULTADOS Objetivo 1. As transações e eventos decorrentes das atividades normais de uma empresa são, de acordo com determinados parâmetros e circunstâncias, classificados

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OPERAÇÕES

CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OPERAÇÕES CONDIÇÕES ESPECIAIS DA COBERTURA BÁSICA DE RESPONSABILIDADE CIVIL OPERAÇÕES Cláusula 1ª - RISCOS COBERTOS 1.1. Considera-se risco coberto a responsabilidade civil do segurado, caracterizada na forma da

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais