IWA - Sistema de Comunicação e Armazenamento de Imagem (PACS) Usando a Tecnologia de Grade Computacional: Protótipo Inicial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IWA - Sistema de Comunicação e Armazenamento de Imagem (PACS) Usando a Tecnologia de Grade Computacional: Protótipo Inicial"

Transcrição

1 IWA - Sistema de Comunicação e Armazenamento de Imagem (PACS) Usando a Tecnologia de Grade Computacional: Protótipo Inicial Danilo Lauande Franco 1, Lúcio Dias da Silva 2, Aristófanes Corrêa Silva 3, Gilberto Cunha Filho 4 1,2,3,4 Laboratório de Processamento e Análise de Imagens(LABPAI), Departamento de Engenharia Elétrica(DEE) Universidade Federal do Maranhão (UFMA), São Luís, MA, Brasil Resumo - Atualmente, os grandes centros hospitalares procuram associar as informações dos pacientes aos seus exames (incluindo as imagens destes) através de chaves textuais ou numéricas. Os sistemas capazes de promover tal associação são denominados Sistemas de Arquivamento e Comunicação de Imagens (Picture Archive and Communication System). Entretanto, os atuais sistemas PACS possuem uma limitação computacional, visto que eles têm capacidades de armazenamento e processamento limitado ao hardware local. Para contornar tal problema, desenvolvemos um protótipo inicial de um PACS que faz o uso da tecnologia de grades computacionais, estas que têm como objetivo somar recursos computacionais de diversos computadores dispersos geograficamente. Assim, este artigo descreve um PACS que estende as funcionalidades dos sistemas tradicionais ao possibilitar recuperação de imagens baseado em conteúdo (CBIR Content Based Image Retrieval), e mostra como a utilização de uma grade computacional pode tornar a capacidade de processamento e de armazenamento deste tipo de sistema praticamente infinita. Palavras-chave: PACS, Grades Computacionais, CBIR, Imagens Médicas. Abstract - Nowadays, the biggest hospitals centers are integrating the patient s information to their exams (including its images) through textual and numerical keys. The systems that are able to do this association are called Picture Archive and Communication System (PACS). However, current PACS systems have a computational limitation, because their storage and processing capacities are limited to their local hardware. To solve this limitation, we have developed an initial prototype of a PACS that uses a computer grid, which its major goal is to add computer resources from many computers geographically spreads. In this way, this article describes a PACS that extends the functionalities of the traditional systems when it allows the image retrieval based on its content (CBIR Content Based Image Retrieval), and shows how a computer grid can turns the capacity of processing and storage of a system like this almost infinite. Key-words: PACS, Grid Computing, CBIR, Medical Images. 1. Introdução Os Sistemas de Armazenamento e Comunicação de Imagens (Picture Archive and Communication System PACS), como o próprio nome sugere, são sistemas que integram as imagens de um paciente às informações tradicionais [1]. Tais sistemas representam a evolução natural do trabalho com imagens no formato digital (ex.: tomografia computadorizada, ressonância magnética, etc.). Além de fornecer um acesso melhor, mais rápido e mais seguro as imagens armazenadas e minimizar suas perdas [2]. Os PACS possuem recursos de tratamento de imagens, que possibilitam obter informações mais precisas sobre estruturas anatômicas e patologias, ajudando médicos a diagnosticar doenças que até então não poderiam ser detectadas por procedimentos tradicionais [1]. Não auxiliando apenas no diagnóstico, estes sistemas permitem o intercâmbio de informações, tanto entre médicos, quanto entre pacientes e médicos. Através da internet vários médicos podem analisar as mesmas imagens, e debater sobre estas. Ao passo que, após alguns instantes de realizado o exame, o paciente pode acessar de qualquer computador com acesso a internet, dados sobre o seu exame, inclusive o laudo médico. Ao promover uma maior segurança dos dados contra perdas e deterioração, ao armazená-los de forma eletrônica, os PACS não só fornecem um acesso aos dados mais rápido como também reduz custos. Pois a partir do momento em que é implementado, o departamento radiológico passa a ter uma redução nos gastos com filmes que pode

2 chegar ate 25% [1], o que é conhecido como radiologia film-less. Os PACS tradicionais baseiam-se na recuperação de imagens usando somente atributos textuais previamente associados às mesmas, tais como nome do paciente, tipo de patologia e etc. Porém, um sistema de busca baseado no conteúdo pictórico das imagens (Content Based Image Retrival - CBIR) potencializa o diagnóstico e ajuda no tratamento de uma possível doença. Tradicionalmente, os PACS são implementados utilizando-se uma arquitetura clienteservidor. As imagens ficam localizadas em um banco de dados no servidor e este as distribui para máquinas clientes. Com o desenvolvimento de tecnologias de rede e de sistemas de comunicação e transferência eficiente de informações, tornou-se possível projetar um banco de arquivamento distribuído, onde as imagens e os dados podem ser armazenados em diferentes lugares de uma rede e ainda ser acessível em qualquer parte desta rede[1]. Entretanto, este tipo de implementação, e até mesmo a arquitetura de bancos de dados distribuídos possuem limitações computacionais. As capacidades de armazenamento e de processamento estão limitadas ao hardware local. E isto não é um problema trivial, visto que imagens de exames médicos precisam ter alta resolução, e geralmente são em grande número, logo necessitam de muito espaço de armazenamento. Para contornar este problema, podemos fazer o uso da tecnologia de grades computacionais para aumentar o poder de processamento e armazenamento dos PACS, estas que possuem como principal característica a capacidade de somar recursos computacionais de diversos computadores dispersos geograficamente. Neste trabalho nós estamos propondo um protótipo inicial de um PACS, denominado IWA, que além de fornecer as características de PACS atuais no que tange o armazenamento, tratamento e recuperação de imagens, ele permitirá a recuperação de imagens através de seu conteúdo e fará o uso de uma grade computacional. Este artigo está organizado da seguinte forma: ainda nesta Seção apresentaremos as grades computacionais, descrevendo a sua arquitetura básica e o seu funcionamento, faremos uma breve introdução ao middleware de grade MAG (Mobile Agents Technology for Grid Computing Environments) que está sendo desenvolvido na Universidade Federal do Maranhão. Finalizaremos a seção mostrando a motivação para a integração do PACS e as grades computacionais. Na Seção de metodologia será apresentado o IWA e suas ferramentas para o tratamento de imagens, os meios de publicação e busca de dados na grade. Por fim, serão apresentados os resultados, as conclusões finais e os trabalhos futuros. 1.1 Grades Computacionais As grades computacionais surgiram em meados da década de 90, tendo como idéia principal somar recursos computacionais de máquinas independentes, e dispostas em diversos locais, fornecendo ao seu usuário a integração de recursos computacionais de forma transparente e eficiente. As principais diferenças das grades computacionais para os outros modelos de computação distribuída são: a heterogeneidade e a escalabilidade [4]. Nos sistemas distribuídos atuais, devemos ter aplicações rodando sobre os mesmos sistemas, e, além disso, por maior que seja o número de nós do cluster, sempre haverá uma limitação física. Tais problemas não ocorrem na grade, visto que, ele foi desenvolvido para rodar simultaneamente em diferentes arquiteturas de software/hardware, e ele não sofre de limitações físicas, pois ele é um serviço que se utiliza da internet, ou seja, não são necessários cabos interligando os computadores. Com isso torna-se fácil expandi-la. Na busca por uma definição para o que é uma grade computacional, Foster e Kesselman, definiram que, grade computacional é uma arquitetura de hardware e software, que promove acesso seguro, consistente, pervasivo e barato a recursos computacionais [5]. Mais tarde a IBM deu uma definição comercial, onde grade computacional é uma arquitetura padronizada de recursos e aplicações, que torna possível a sistemas e aplicações heterogêneas, compartilhar, processar e armazenar recursos de forma transparente Arquitetura Básica A grade tem como cérebro o middleware, pois é ele quem gerencia todos os recursos e componentes dela, agenda a execução de tarefas, promove a escalabilidade e heterogeneidade da grade, é o responsável pela tolerância à falhas e pela segurança na grade [4]. Além disto, é ele quem faz a comunicação entre a aplicação do usuário e a grade [6]. Em geral as grades computacionais são complexas, sendo assim, nos focaremos nos seus componentes que são de nosso interesse, que são estes: o serviço de dados, que manipula os dados, o catálogo de metadados, que é quem localiza os dados na grade e a interface do usuário Funcionamento

3 O middleware de grade permite que a aplicação do usuário da grade realize três tarefas básicas: submeter tarefas, publicar dados e buscar dados Submissão de Tarefas Para submeter uma tarefa à grade, o usuário deve utilizar a interface fornecida por esta para enviar o código da aplicação que ele pretende executar na grade. Depois disso, o middleware da grade localiza os melhores lugares para executar tal aplicação e a distribui. Ao final da computação a saída gerada é retornada ao usuário Publicação e Busca de Dados A publicação e a busca de dados na grade utilizam-se do serviço de metadados. Já o acesso a esses dados é realizado através do serviço de dados. O serviço de metadados funciona como as páginas amarelas do serviço de dados, pois é ele quem diz a aplicação quais dados estão disponíveis. E o serviço de dados por sua vez retorna os dados solicitados pela aplicação cliente. A Figura 1 mostra o relacionamento entre os serviços de metadados e de dados da grade. A aplicação faz uma solicitação ao serviço de metadados (1), apenas descrevendo os dados de interesse, este, por sua vez, atende a essa solicitação e retorna a localização do dado na grade (2), assim essa localização é passada ao serviço de dados para que ele acesse o dado (3). de forma transparente. Muito semelhante ao que ocorre no P2P (peer-to-peer). Da mesma forma que se publica os dados, para consultá-los, mais uma vez utilizamos a linguagem própria do serviço de dados, realizando um query. Para o usuário ele estará sempre trabalhando com dados locais, pois a grade torna esse armazenamento transparente para ele, e a interface com o serviço de metadados é realizada pela aplicação cliente. 1.2 MAG Mobile Agents for Grid Computing Environments O MAG é uma infra-estrutura de software baseada na tecnologia de agentes móveis. Permite o desenvolvimento e a execução de tarefas computacionalmente intensivas em uma grade de computadores[4], e está sendo desenvolvido no Laboratório de Sistemas Distribuídos da Universidade Federal do Maranhão UFMA. A execução de aplicações no MAG é feita através da transferência dinâmica do código da aplicação para um agente móvel, sendo que este agente pode ser realocado dinamicamente em qualquer nó da grade através de um mecanismo de migração transparente, fornecendo assim suporte a nós com máquinas não dedicadas[4]. Através dele podem ser submetidas à grade aplicações Java regulares e paramétricas (Bag-Of-Tasks) Parte do ciclo de execução do middleware foi aproveitado do InteGrade [4], desenvolvido no Instituto de Matemática e Estatística da Universidade Federal de São Paulo, com isso o MAG também permite a execução de aplicações regulares e paramétricas com código nativo. Faremos o uso deste middleware de grade para armazenar dados e realizar as tarefas computacionalmente intensivas do nosso sistema. 1.3 PACS e Grades Computacionais Figura 1 Serviço de dados e metadados Para publicar dados na grade deve-se utilizar a linguagem definida pelo middleware da grade. Salienta-se que isto é transparente para o usuário, pois quem faz a interface com o middleware é a aplicação do usuário. A grade, além de disponibilizar para outros usuários a base de dados local de quem a utiliza, ela também permite estender esta base de dados, pois permite a integração de várias bases de dados Como as imagens geradas por sistemas radiológicos devem possuir resolução muito alta para serem clinicamente aceitáveis [1], o seu tamanho acaba se tornando muito grande. E em tais sistemas, são geradas centenas de imagens diariamente, e isto se transforma em um grande problema, pois se torna economicamente inviável armazenar todas as imagens em discos magnéticos. A outra limitação dos atuais PACS, diz respeito à capacidade de processamento, pois os sistemas que implementam buscas baseadas no conteúdo pictórico da imagem (Content Based Image Retrival - CBIR) necessitam de muito poder

4 computacional para poder realizar tal busca em um intervalo de tempo aceitável. A solução proposta neste trabalho é fazer o uso da tecnologia de grades computacionais para aumentar o poder de processamento e armazenamento dos PACS. Lembrando que uma característica das grades computacionais é a escalabilidade, assim, o poder computacional do sistema em geral pode ser aumentado de forma rápida e econômica, bastando para isso, adicionar novos computadores a grade. Ao delegar o armazenamento das imagens para a grade, não utilizamos apenas o hardware local para guardá-las, além dele utilizamos os demais nós da grade. Assim, promovemos uma integração de dados entre as diferentes instituições que fazem parte da grade, e aumentamos a capacidade total de armazenamento do sistema. Apesar das bases de dados estarem dispostas em locais diferentes, o usuário do PACS as vê como uma só base de dados localizada em sua máquina local. Quanto ao processamento, a grade diminui de forma significativa o tempo necessário para extrair índices sobre as características das imagens, uma vez que toda esta computação é dividida entre os nós disponíveis na grade. 2 Metodologia 2.1 IWA Nesta seção iremos apresentar as características e os recursos disponíveis no nosso protótipo de PACS, denominado IWA. O IWA possui dois modos de execução, ele pode funcionar como uma aplicação stand-alone, onde não há nenhuma ligação com a grade, nesse modo ele armazena, processa e recupera imagens no hardware local. O outro modo é onde ele utiliza a grade para o armazenamento, processamento e busca de imagens Recursos O IWA ainda está em fase desenvolvimento, desta forma apenas alguns recursos estão atualmente disponíveis. Além disso, hoje em dia nós estamos usando apenas imagens de tomografia computadorizada do tórax, onde temos cerca de 1 GB de imagens para testes. Os recursos do IWA são: integração das imagens com os registros do paciente (nome, idade, sexo, filiação, médico e etc); interface gráfica simples e de fácil utilização; armazenamento e recuperação de imagens e metadados no padrão DICOM; gerenciamento de pacientes, médicos, exames e etc; tratamento de imagem (zoom, controle de brilho e contraste, LUT, janelamento e etc.); busca de pacientes através de dados textuais; busca de imagens baseado no conteúdo pictórico; publicação, recuperação e processamento de dados na grade. O IWA está sendo desenvolvido utilizando o paradigma de orientação a objetos com a linguagem Java, o que promoverá portabilidade entre diversas plataformas, utilizamos um banco de dados SQL para armazenar as imagens localmente e, além disso, fazemos o uso da tecnologia de grades computacionais através do middleware de grade MAG [4], que também está sendo desenvolvido neste projeto Armazenando e Recuperando Informações O IWA permite que sejam feitos dois tipos de buscas por imagens: busca através de chaves textuais e através do conteúdo pictórico. Em ambos os casos são permitidos escolher onde será feita a busca: na grade ou no hardware local. Antes de realizar uma busca por imagens precisamos armazená-las, seja no hardware local ou na grade Armazenando Informações no IWA Para armazenar as imagens no banco de dados local, apenas salvamos o caminho onde a imagem está armazenada dentro da nossa estrutura de diretórios. Entretanto, as imagens são armazenadas de uma forma diferente na grade. Ao armazená-las precisamos guardar junto com elas informações que serão úteis para realizar a pesquisa por conteúdo textual e pictórico. A busca baseada em conteúdo no IWA compara as medidas contidas no vetor de características da imagem, que é uma descrição pictórica da imagem, este vetor é preenchido com medidas que foram extraídas da imagem através de diferentes métodos, o Método da Dependência Espacial do Nível de Cinza (SGLDM) [7], o Método da Diferença dos Níveis de Cinza (GLDM) [7] e o Método de Comprimento de Primitivas dos Níveis de Cinza (GLRLM) [7]. A comparação entre a imagem a ser consultada e as imagens armazenadas são feitas utilizando a distância euclidiana dessas medidas. Portanto, ao publicar as imagens na grade, devemos antes realizar o cálculo dessas medidas. Como esse cálculo é computacionalmente custoso, devido à própria natureza do algoritmo e também a quantidade de imagens, esta tarefa é delegada a grade. Para isso, o IWA faz o uso da interface fornecida pela MAG para passar à coleção

5 de imagens que será publicada ao ASCT (1), que é a ferramenta de submissão do MAG. Agora a grade deve calcular as distâncias euclidianas utilizando os vários métodos de extração de características da imagem. Para isso, a grade divide esta tarefa entre vários nós, onde cada nó recebe uma parte da coleção de imagens e calcula as distâncias em paralelo. Ao fim da execução em cada nó da grade, as imagens são armazenadas junto com o seu vetor de características no DataManager (2), que é o serviço de dados do MAG, e publicadas no magcat (3), que é o serviço de metadados. Com isso temos as imagens (juntamente com seu vetor de características) publicadas na grade, e podemos acessá-las através do magcat (4). A Figura 2 mostra o processo descrito anteriormente. Depois de obtido o vetor de característica da imagem, este é anexado à imagem também no banco de dados local, a fim de permitir a busca por conteúdo no modo stand-alone. Figura 2 Esquema de busca de dados na grade Recuperação de Dados através de chaves textuais Com a busca por chaves textuais podemos recuperar imagens com base no nome do paciente, no diagnóstico, na enfermidade, na região de interesse do corpo e etc. O processo de busca no IWA através de chaves textuais no hardware local é realizado fazendo consultas simples no banco de dados. A busca através de chaves textuais utilizando a grade é semelhante à busca no modo stand-alone, apenas realizamos consultas básicas, a diferença é que na grade utilizamos à linguagem própria do middleware, e é claro, acionamos os componentes da grade. A busca começa quando o IWA gera uma consulta através da interface fornecida pelo MAG(1), e entrega essa consulta ao magcat(4), o magcat realiza a consulta baseado nas chaves textuais dadas como entrada e retorna como resultado para o IWA os metadados da imagem e a localização física dela(4), que é passada ao DataManager(5) para que este acesse a imagem e a entregue ao IWA. A Figura 2 mostra este processo Recuperação de Imagens através do conteúdo pictórico Na recuperação baseada em conteúdo pictórico (CBIR) utilizamos o vetor de características associado às imagens e que foi armazenado/publicado junto com elas. Assim, a busca é realizada através de características intrínsecas à imagem. A busca utilizando o CBIR no modo standalone recebe uma imagem como entrada, que é a imagem que queremos tomar como base para buscar imagens semelhantes. Primeiro é realizada uma filtragem baseada na região da imagem (atualmente tórax), ou seja, através de uma consulta textual são selecionadas somente as imagens da mesma região da imagem base. Depois disso, utilizamos os diversos métodos de extração de características da imagem, para obter o vetor de características da imagem base, o próximo passo é comparar os valores desse vetor com os valores dos vetores das imagens resultantes da primeira filtragem, assim é criado um ranking de imagens. Por fim, as imagens são entregues ao usuário, ordenadas da mais semelhante a menos semelhante. Vale lembrar que o número de imagens retornadas (tanto no modo stand-alone, quanto utilizando a grade) é definido pelo usuário, uma vez que é permitido fazer consultas do tipo: retorne as 15 imagens mais parecidas com esta imagem base. A consulta baseada no conteúdo pictórico na grade é um pouco diferente do que a do modo stand-alone. Primeiro o IWA através da interface da grade(1), passa para o ASCT(1), uma imagem de entrada, que é tomada como base para a busca por imagens semelhantes. Assim, da mesma forma que ocorre no modo stand-alone, é feita uma primeira filtragem, e o resultado dessa filtragem é retornada ao IWA, que agora deve comparar as diversas medidas entre as imagens retornadas pelo magcat(4) e a imagem tomada como base. Assim, mais uma vez, o IWA solicita ao MAG que faça essas comparações, que são feitas de forma semelhante ao cálculo das medidas. Este processo também é descrito na Figura 2. No final desse processo, o IWA recupera do DataManager(5) em uma escala de maior semelhança para menor semelhança, as imagens com conteúdo pictórico parecidos ao da imagem tomada como base e repassa ao usuário. 3 Resultados O gráfico da Figura 3 nos mostra que o tempo gasto com a geração do vetor de características de diversas coleções de imagens diminui consideravelmente utilizando a grade. Vemos que

6 para qualquer número de imagens o tempo levado pela grade utilizando somente um computador é muito próximo ao de um computador executando o algoritmo sozinho, o que mostra que a utilização da grade, mesmo que com apenas um computador, não provoca redução de desempenho. Ao adicionarmos mais um computador a grade, o tempo de execução se reduz em 35%, e ao rodamos o algoritmo com três computadores na grade o tempo de execução se reduz em 53%. O que nós mostra que o uso da grade realmente contribui em um aumento de desempenho, e a medida que são adicionados novos nós este desempenho cresce ainda mais. Quanto ao armazenamento, o sistema atual está em fase de testes e ainda não foram feitos testes de performance. Tempo de Execução (ms) , , , , , , , ,0 0,0 Avaliação de Desempenho (Aplicação PACS) Número de Imagens Figura 3 Teste de desempenho 4 Discussão e Conclusões Normal As grades computacionais surgem hoje como uma das grandes promessas tecnológicas do século 21, por isso o seu estudo é de grande interesse no meio cientifico e empresarial. Sendo assim, a já consolidada tecnologia dos PACS pode fazer o uso desse crescente investimento que vem sendo feito em cima das grades computacionais para corrigir problemas encontrados em implementações atuais. Nesse trabalho mostramos um protótipo de PACS, que batizamos de IWA, que faz o uso de uma grade computacional para melhorar o seu desempenho. Diante do exposto vemos que integrar o PACS à grade traz diversas vantagens, como: integração entre diferentes bases de dados de diferentes instituições; aumento na capacidade de armazenamento do sistema e uma diminuição no tempo de comparação entre imagens, esta que é uma tarefa de grande importância devido o mecanismo de recuperação de imagens por conteúdo. Outro fator de grande importância é a escalabilidade das grades computacionais, elas foram projetadas para permitir que sejam agregados novos computadores de forma rápida e facilitada, assim pode-se aumentar a capacidade do sistema com a mesma facilidade e rapidez. 5 Agradecimentos Gostaríamos de agradecer a CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) por financiar esta pesquisa (processo número /2004-2). 6 Referências [1] Josiane, M.B, (2001),Suporte a Recuperação de Imagens Médicas Baseada em Conteúdo através de Histogramas Médicos, Tese de Doutorado, Instituto de Ciências Matemáticas e Computação, USP São Carlos, São Paulo, 148p. [2] Osteaux M, Van B, Verhelle F, Mey J. (1996), Picture archiving and communication system (PACS): a progressive approach with small systems. European Journal of Radiology 1996 Feb 18; p [3] Jianguo Z, Johannes N, Huang H, Xiaoqiang Z, Lou SL, Koun S (2005). Real Time Teleconsultation with High-Resolution and Large-Volume Medical Images for Collaborative Healthcare. [4] Rafael, F.L., Francisco, J.S.S, Bysmarck B. S. (2005), MAG: A Mobile Agent based Computational Grid Platform, Proceedings of the 4th International Conference on Grid and Cooperative Computing (GCC 2005).Lecture Notes in Computer Science, Springer-Verlag. Beijing. [5] Ian F., Carl K, (1998), The Grid: Blueprint for a New Computing Infrastructure, 1st edition, San Francisco: Morgan Kaufmann Publishers. [6] Maozhen L., Mark B. (2005), The Grid, Core Technologies, Australia: John Wiley and Sons, Ltd. [7] Ross FW (2005), Adaptive Multi-Scale Texture Analysis with application to automated cytology, Department of Electrical & Computing Engineering, The University of Queensland, Australia. 7 Contato Danilo Lauande Franco, Universidade Federal do Maranhão, Depto de Engenharia Elétrica. Av. dos Portugueses,s/n, Campus do Bacanga, São Luís, MA Brasil. Telefone: (98)

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens

Projeto FlexiGrid IWA. Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Projeto FlexiGrid IWA Sistema de Armazenamento e Comunicação de Imagens Aristófanes C. Silva Danilo Launde Lúcio Dias Roteiro PACS Definição Infra-Estrutura Camadas Problemas Soluções DICOM IWA Histórico

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL

SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL SISTEMA DISTRIBUÍDO DE MONITORAMENTO/DETERMINAÇÃO DE SERVIÇOS E RECURSOS DIPONÍVEIS DE UM AMBIENTE DE GRID COMPUTACIONAL Thais Cabral de Mello, Bruno Schulze, Luis Rodrigo de Oliveira Gonçalves 1 Laboratório

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente

Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Novas Tecnologias para Construção do Prontuário Eletrônico do Paciente Fabiane Bizinella Nardon 1, Sérgio Furuie 2, Umberto Tachinardi 3 Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina

Leia mais

Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas

Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas Proposta de um Padrão de Metadados Para Imagens Médicas Fabio Massao Hasegawa 1,2, João Paulo Aires 1,3 1 UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Ponta Grossa Av. Monteiro Lobato, Km

Leia mais

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo

Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo Uma Proposta de Recuperação de Imagens Mamográficas Baseada em Conteúdo H. E. R. Gato 1,3, F. L. S. Nunes 2 e H. Schiabel 1 1 USP- Depto. de Engenharia Elétrica, São Carlos, Brasil 2 Centro Universitário

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM

PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM PEER DATA MANAGEMENT SYSTEM INTRODUÇÃO, INFRA-ESTRUTURA E MAPEAMENTO DE ESQUEMAS AGENDA Data Management System Peer Data Management System P2P Infra-estrutura Funcionamento do PDMS Mapeamento de Esquemas

Leia mais

Agentes Móveis: Uma Abordagem para a Execução de Aplicações Longas em Ambientes Oportunistas

Agentes Móveis: Uma Abordagem para a Execução de Aplicações Longas em Ambientes Oportunistas Agentes Móveis: Uma Abordagem para a Execução de Aplicações Longas em Ambientes Oportunistas Vinicius Pinheiro 1 Alfredo Goldman 1 Francisco José da Silva e Silva 2 1 Departamento de Ciência da Computação

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática

Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Grades Computacionais: Uma Introdução Prática Raphael Y. de Camargo Ricardo Andrade Departamento de Ciência da Computação Instituto de Matemática e Estatística Universidade de São Paulo, Brasil São Paulo,

Leia mais

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br

Soluções em Software para Medicina Diagnóstica. www.digitalmed.com.br Soluções em Software para Medicina Diagnóstica www.digitalmed.com.br NOTA DE AGRADECIMENTO Primeiramente, agradecemos pela sua receptividade em conhecer as nossas soluções, afinal, é sempre uma imensa

Leia mais

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo

Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Extensão do SGBD PostgreSQL para suportar recuperação de imagens por conteúdo Ernani Viriato de Melo V Jornada Científica 24/10/2006 Tópicos Abordados Motivação Imagens e Características PostgreSQL-IE:

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network

Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos. Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Desenvolvimento de uma Rede de Distribuição de Arquivos Development of a File Distribution Network Talles

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid

Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid Sistema de Banco de Dados Distribuídos e DataGrid Leandro Melo de Sales Mário Hozano Lucas de Souza Trabalho para obtenção de nota da disciplina Banco de Dados Professor: Marcus Sampaio 25 de abril de

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI

Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI Administração e Desenvolvimento de Soluções em TI Projeto Corporativo Missão: Oferecer soluções corporativas em Tecnologia da Informação, fornecendo e integrando produtos e serviços profissionais de alta

Leia mais

SIAPDI: UM SISTEMA DE PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO DE IMAGENS MÉDICAS COM CORBA

SIAPDI: UM SISTEMA DE PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO DE IMAGENS MÉDICAS COM CORBA SIAPDI: UM SISTEMA DE PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO DE IMAGENS MÉDICAS COM CORBA Euclides de Moraes Barros Junior Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC CTC Campus Universitário Trindade Caixa Postal,

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

3 Arquitetura do Sistema

3 Arquitetura do Sistema 3 Arquitetura do Sistema Este capítulo irá descrever a arquitetura geral do sistema, justificando as decisões de implementação tomadas. Na primeira seção iremos considerar um conjunto de nós interagindo

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário

Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário Sistema de Recuperação de Imagens Similares em um Hospital Universitário Natália Abdala Rosa 1,6, Roberto Figueira Santos Filho 2, Josiane M. Bueno 3, Agma J. M. Traina 4, Caetano Traina Junior 5 1,2,3,4,5

Leia mais

Opala: uma biblioteca de indexação e busca de textos e imagens por conteúdo

Opala: uma biblioteca de indexação e busca de textos e imagens por conteúdo Opala: uma biblioteca de indexação e busca de textos e imagens por conteúdo Lidijanne de Miranda Santos (1); Aécio Solano Rodrigues Santos (2); Ricardo Martins Ramos (3); Valéria Oliveira Costa (4) Instituto

Leia mais

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário X CONGRESSO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA EM SAÚDE Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Autores: Edilson Carlos Caritá Enzo Seraphim Marcelo

Leia mais

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Modelos de Arquiteturas. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Modelos de Arquiteturas Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Arquitetura de Sistemas Distribuídos Clientes e Servidores Peer-to-Peer Variações Vários Servidores Proxy Código Móvel

Leia mais

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados

Sistema de Bancos de Dados. Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados Sistema de Bancos de Dados Conceitos Gerais Sistema Gerenciador de Bancos de Dados # Definições # Motivação # Arquitetura Típica # Vantagens # Desvantagens # Evolução # Classes de Usuários 1 Nível 1 Dados

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g Daniel Murara Barcia Especialista em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande do Sul daniel@guaiba.ulbra.tche.br Resumo. Esse artigo aborda

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Carlos Ferraz cagf@cin.ufpe.br Tópicos da Aula Apresentação do curso Introdução Definição de sistemas distribuídos Exemplo Vantagens e desvantagens Convergência digital Desafios Visão

Leia mais

Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS *

Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS * Uma comparação de algoritmos e estruturas de dados para armazenamento de dados em sistemas operacionais Palm OS * Rogério Celestino dos Santos 1, Rodrigo Otavio Rodrigues Antunes 1* ¹Instituto de Informática

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário

Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Implantação de PACS com Suporte à Recuperação de Imagens Baseada em Conteúdo em Hospital Universitário Edilson Carlos Caritá 1, Enzo Seraphim 2, Marcelo Ossamu Honda 1, Paulo Mazzoncini de Azevedo Marques

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos

Tipos de Sistemas Distribuídos (Sistemas de Informação Distribuída e Pervasivos) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery

Sistemas Operacionais Introdução. Professora: Michelle Nery Sistemas Operacionais Introdução Professora: Michelle Nery Área de Atuação do Sistema Operacional Composto de dois ou mais níveis: Tipo de Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Monotarefas Sistemas

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS. Aula 2- Aplicações distribuídas e TI VERDE

ARQUITETURA DE SISTEMAS DISTRIBUÍDOS. Aula 2- Aplicações distribuídas e TI VERDE Aula 2- Aplicações distribuídas e TI VERDE ESTRUTURA DA DISCIPLINA AULA 1 Introdução AULA 2 Aplicações Distribuídas AULA 3 Tratamento de Falhas AULA 4 Classificação de Flynn AULA 5 Modelo Cliente/Servidor

Leia mais

Iniciativa CDC RNP. Projeto CDC Piloto Huawei Encontro sobre Computação em Nuvem UNICAMP, 07 de abril de 2014

Iniciativa CDC RNP. Projeto CDC Piloto Huawei Encontro sobre Computação em Nuvem UNICAMP, 07 de abril de 2014 Iniciativa CDC RNP Projeto CDC Piloto Huawei Encontro sobre Computação em Nuvem UNICAMP, 07 de abril de 2014 Sumário Programa de Computação em Nuvem da RNP Iniciativa CDC RNP Estratégia Piloto Huawei Programa

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Questões Em uma rede de sobreposição (overlay), mensagens são roteadas de acordo com a topologia da sobreposição. Qual uma importante desvantagem

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

2 Trabalhos Relacionados

2 Trabalhos Relacionados 2 Trabalhos Relacionados Nesse capítulo, apresentamos os trabalhos relacionados ao GridFS, entrando em mais detalhes sobre os sistemas citados durante a introdução e realizando algumas considerações sobre

Leia mais

Convergência tecnológica em sistemas de informação

Convergência tecnológica em sistemas de informação OUT. NOV. DEZ. l 2006 l ANO XII, Nº 47 l 333-338 INTEGRAÇÃO 333 Convergência tecnológica em sistemas de informação ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo l Atualmente vivemos em uma sociedade na qual o foco

Leia mais

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores

Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos. Introdução. Um Serviço Provido por Múltiplos Servidores Camadas de Serviço de Hardware e Software em Sistemas Distribuídos Arquiteutra de Sistemas Distribuídos Introdução Applications, services Adaptação do conjunto de slides do livro Distributed Systems, Tanembaum,

Leia mais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais

Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Persistência e Banco de Dados em Jogos Digitais Prof. Marcos Francisco Pereira da Silva Especialista em Engenharia de Software Jogos Digitais - Computação Gráfica 1 Agenda Vantagens de usar a abordagem

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor

Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Introdução ao Modelos de Duas Camadas Cliente Servidor Desenvolvimento de Sistemas Cliente Servidor Prof. Esp. MBA Heuber G. F. Lima Aula 1 Ciclo de Vida Clássico Aonde estamos? Page 2 Análise O que fizemos

Leia mais

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo Ramón n A. Moreno e Sérgio S S. Furuie Instituto do Coração (InCor) de São Paulo - HCFMUSP Introdução Sistemas de Recuperação de Imagens Baseado

Leia mais

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br]

INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO. Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] INTRODUÇÃO AO GEOPROCESSAMENTO Profª Iana Alexandra Alves Rufino [iana_alex@uol.com.br] Introdução ao Geoprocessamento Conceitos básicos Componentes de um SIG Exemplos de aplicações Conceitos Geoprocessamento

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS

BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS BACKUP 101: PLANEJAMENTOS E FERRAMENTAS Jerônimo Medina Madruga (UFPel) Resumo: Em um mundo onde quase todo serviço conta informações digitais, a garantia da segurança desses dados muitas vezes é uma das

Leia mais

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo

Proposta para Grupo de Trabalho. GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados. Roberto Samarone dos Santos Araujo Proposta para Grupo de Trabalho GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de Dados Roberto Samarone dos Santos Araujo Agosto/2011 1 Título GT-Computação em Nuvem para Ciência: Armazenamento de

Leia mais

Disciplina de Banco de Dados Introdução

Disciplina de Banco de Dados Introdução Disciplina de Banco de Dados Introdução Prof. Elisa Maria Pivetta CAFW - UFSM Banco de Dados: Conceitos A empresa JJ. Gomes tem uma lista com mais ou menos 4.000 nomes de clientes bem como seus dados pessoais.

Leia mais

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging

Aplicações de GED. Aplicações de GED. Document imaging. Document imaging Aplicações de GED Processamento, arquivamento e recuperação de documentos (Document Imaging) Gerenciamento de documentos (Document Management) Sistema de Gerenciamento de documentos técnicos (engineering

Leia mais

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens

Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Novas tecnologias otimizando a avaliação de bens Avaliando Imóveis Urbanos em 2 minutos Antônio Pelli Neto Eng. Civil e Mecânico INTRODUÇÃO Agenda: Conceitos básicos sobre Avaliando nas Nuvens Porque somente

Leia mais

Nathalie Portugal Vargas

Nathalie Portugal Vargas Nathalie Portugal Vargas 1 Introdução Trabalhos Relacionados Recuperação da Informação com redes ART1 Mineração de Dados com Redes SOM RNA na extração da Informação Filtragem de Informação com Redes Hopfield

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

Framework colaborativo para processamento de imagens utilizando a tecnologia jini

Framework colaborativo para processamento de imagens utilizando a tecnologia jini Framework colaborativo para processamento de imagens utilizando a tecnologia jini Daniel Welfer (UFSM) welfer@inf.ufsm.br Fábio Paulo Basso (UFSM) fbasso@inf.ufsm.br Marcos Cordeiro d Ornellas (UFSM) ornellas@inf.ufsm.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Caracterização de Sistemas Distribuídos Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido

Roteiro. Arquitetura. Tipos de Arquitetura. Questionário. Centralizado Descentralizado Hibrido Arquitetura Roteiro Arquitetura Tipos de Arquitetura Centralizado Descentralizado Hibrido Questionário 2 Arquitetura Figura 1: Planta baixa de uma casa 3 Arquitetura Engenharia de Software A arquitetura

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

OPORTUNIDADE DE MERCADO. Explosão de dados

OPORTUNIDADE DE MERCADO. Explosão de dados SOLUÇÕES EM GERENCIAMENTO E ARMAZENAMENTO VIRTUALIZADO DE DADOS OPORTUNIDADE DE MERCADO Explosão de dados 2 INVESTIMENTO x DEMANDA NOVOS DESAFIOS Evolução dos custos/gb em projetos de virtualização de

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP

Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Sistema de Entrega para Suporte Varejista Utilizando a Metaheurística GRASP Gil Romeu A. Pereira 1, Ivairton M. Santos 1 1 Universidade Federal de Mato Grosso(UFMT) Campus Universitário do Araguaia Instituto

Leia mais

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço

For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço For-All - Uma Plataforma para Sistemas Pervasivos Orientados a Serviço Elenilson Vieira da S. Filho 1, Ângelo L. Vidal de Negreiros 1, Alisson V. Brito 2 1 Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP

Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Soluções Inteligentes para regulamentações e negócios em aplicações SAP Uma nova visão no Gerenciamento da Aplicação INDICE 1. A Union IT... 3 2. A importância de gerenciar dinamicamente infra-estrutura,

Leia mais

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo:

A consolidação de servidores traz uma séria de vantagens, como por exemplo: INFRAESTRUTURA Para que as empresas alcancem os seus objetivos de negócio, torna-se cada vez mais preponderante o papel da área de tecnologia da informação (TI). Desempenho e disponibilidade são importantes

Leia mais

Paradigma Cliente/Servidor

Paradigma Cliente/Servidor Paradigma Cliente/Servidor Mário Meireles Teixeira UFMA Departamento de Informática Dezembro, 2012 Comunicação em Sistemas Distribuídos! Os processos em um SD estão lógica e fisicamente separados. Precisam

Leia mais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais

23/05/12. Computação em Nuvem. Computação em nuvem: gerenciamento de dados. Computação em Nuvem - Características principais Computação em Nuvem Computação em nuvem: gerenciamento de dados Computação em nuvem (Cloud Computing) é uma tendência recente de tecnologia cujo objetivo é proporcionar serviços de Tecnologia da Informação

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO

CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO CAPÍTULO 12 CONCLUSÃO Existe somente um avanço. A hora mais escura da noite é o prenúncio do alvorecer. Nos dias sombrios de inverno, prosseguem incessantemente os preparativos para a primavera. Tudo que

Leia mais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais

Produtos ehealth. Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais Produtos ehealth Desenvolvimento de negócios ehealth Diretoria P&S Verticais 1 Participação da Telefônica Vivo nas Instituições de Saúde TIC TIC TIC TIC Telemedicina TIC Telemedicina Desenvolvimento de

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing

Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing Otimização de Desempenho e Escalabildade do Sistema Falibras-Web com o uso de Grid Computing João Paulo Ferreira da Silva e Patrick Henrique da Silva Brito Laboratório de Pesquisa e Extensão em Computação

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE III: Infraestrutura de Tecnologia da Informação Atualmente, a infraestrutura de TI é composta por cinco elementos principais: hardware, software,

Leia mais

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt

Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Virtualização e Consolidação de Centro de Dados O Caso da UTAD António Costa - acosta@utad.pt Agenda A UTAD Virtualização Uma definição Introdução e abrangência

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

CSGrid: um Sistema para Integração de Aplicações em Grades Computacionais

CSGrid: um Sistema para Integração de Aplicações em Grades Computacionais CSGrid: um Sistema para Integração de Aplicações em Grades Computacionais Maria Julia de Lima, Taciana Melcop, Renato Cerqueira, Carlos Cassino, Bruno Silvestre, Marcelo Nery, Cristina Ururahy 1 Grupo

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br

Gestão em Sistemas de Informação. Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Profa.: Me. Christiane Zim Zapelini E-mail: christianezapelini@nwk.edu.br Gestão em Sistemas de Informação Cloud Computing (Computação nas Nuvens) 2 Cloud Computing Vocês

Leia mais

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 Diante da evolução de técnicas e ferramentas tecnológicas, aliado a novas necessidades curriculares,

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos 1 de 9 Sistemas Distribuídos O que é um sistema distribuído? Um conjunto de computadores autonomos a) interligados por rede b) usando um software para produzir uma facilidade de computação integrada. Qual

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

GRADS ON-LINE - INTERFACE JAVA PARA VISUALIZAR DADOS DE MODELOS NUMÉRICOS PELA INTERNET

GRADS ON-LINE - INTERFACE JAVA PARA VISUALIZAR DADOS DE MODELOS NUMÉRICOS PELA INTERNET GRADS ON-LINE - INTERFACE JAVA PARA VISUALIZAR DADOS DE MODELOS NUMÉRICOS PELA INTERNET Felipe Odorizi de Mello 1, Luiz HenriqueR. C. da Silva 1, José Alberto da Silva Ferreira 1, Waldenio Gambi de Almeida

Leia mais

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology

ACESSIBILIDADE INOVADORA. UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Radiology Vue PACS Radiology UMA ÁREA DE TRABALHO ÚNICA. BENEFÍCIOS INCONTÁVEIS PARA O SEU FLUXO DE TRABALHO. Já está aqui: acesso rápido e fácil a todas as ferramentas e aplicações clínicas dos quais os radiologistas

Leia mais

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA

SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA SIAPDI: um sistema de processamento distribuído de imagens medicas com CORBA Euclides de Moraes Barros Junior, M.Sc - UFSC O SIAPDI O desenvolvimento deste trabalho teve como motivação solucionar os problemas

Leia mais

Fundamentos de Banco de Dados

Fundamentos de Banco de Dados Fundamentos de Banco de Dados SISTEMAS BASEADOS NO PROCESSAMENTO DE ARQUIVOS Sistema A Funcionário Pagamento Cargo Sistema B Funcionário Projeto SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS (SGBD) Sistema

Leia mais