O Manual de Iniciação Científica (IC)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Manual de Iniciação Científica (IC)"

Transcrição

1 O Manual de Iniciação Científica (IC) Folheto Informativo Engenharias CIVIL e AMBIENTAL Muita gente, quando criança, tinha o sonho de ser cientista um dia. Usar aquele avental branco, com óculos grandes, cabelo bagunçado e ficar explodindo coisas por aí. Realmente parecia ser uma profissão bem interessante. Mas por que a grande maioria dessas pessoas desistiu desse sonho? Bom, é muito verdade que a pesquisa científica é um ramo difícil. É exigido trabalho duro e dedicação intensa, que nem sempre, culminam em resultados positivos. No Brasil, então, nem se fala, né? Aqui há inúmeros processos burocráticos, descaso do governo, faltam políticas de incentivo e outras coisas mais que tornam a situação ainda pior. Talvez seja por isso que a criancinha que queria ser cientista cresce e quer é mesmo ficar sentada na poltrona de um banco... E mesmo quando alguém supera esses traumas e tenta dar continuidade aos seus sonhos de ciência, acaba esbarrando em um monte de dúvidas, inseguranças e fica completamente perdido... O pior de tudo é que cada vez mais, nesses pequenos probleminhas, vai se perdendo aquele pequenino cientista que tanto queria explodir o seu laboratório... É justamente nessa parte que nós do Diretório Acadêmico da Poli (Grêmio e os 7 Centros Acadêmicos) queremos ajudar você! A nossa proposta com este manual é guiar você nas linhas de pesquisa dos diversos Departamentos da Escola, esclarecer as dúvidas de como você pode começar a fazer pesquisas na escola e quais são os primeiros passos para que, logo menos, você esteja ganhando um prêmio Nobel! Esperamos sinceramente que quando isso acontecer, você nos cite no seu discurso de agradecimento! Nosso guia já começa, de cara, com uma sessão de FAQ (Frequently Asked Questions) sobre as pesquisas científicas. Nessa sessão de FAQ temos um material introdutório de como é feita a pesquisa científica na graduação, quais são os passos e requisitos para ser um pesquisador e também tentamos esclarecer os mais variados tipos de dúvidas. Logo depois, temos a apresentação dos departamentos. Lá apresentamos os laboratórios de cada departamento, e suas respectivas linhas de pesquisa. Apresentamos também uma tabela com informações sobre as principais bolsas de iniciação científica e outra tabela com os docentes da Escola, suas informações de contato e seus laboratórios. Por fim, temos depoimentos de alunos e professores, que contam um pouco sobre a sua experiência. Esperamos que esse manual te ajude a conhecer melhor o mundo da iniciação científica!

2 FAQ (Frequently Asked Questions) Como consigo um programa de IC? Para conseguir uma IC, você precisa sair batendo de porta em porta em cada professor (possível futuro orientador) e perguntar se ele te aceita como um aluno de iniciação científica. Simples assim. Minhas notas não são lá aquelas coisas, serei excluído por causa disso? Isso costuma depender do orientador, mas você não deve ter medo se tiver tido um escorregão em alguma disciplina. Se você mostrar interesse, é bem provável que esse tipo de deslize seja perdoado e que você consiga ser selecionado. E se no final eu não virar cientista, essa iniciação vai ter me ajudado? A partir de qual ano posso conseguir uma IC? Mesmo as linhas de pesquisa que não precisam de muito conhecimento prévio e são mais flexíveis não costumam aceitar alunos do primeiro ano, mas você já pode começar a conhecer os laboratórios e os docentes. Já no início do segundo ano, a maior parte das portas está aberta, então é só correr para conseguir sua vaguinha. Recebo alguma coisa fazendo IC? Em geral, quando você se candidata a uma vaga de IC, seu orientador encaminha o seu projeto a uma fundação de amparo à pesquisa para que eles concedam uma bolsa de estudos enquanto você estiver trabalhando no projeto. Algumas dessas agências são: CNPq, FAPESP e FUSP, e os valores das bolsas são, em média, R$ 400,00. Com certeza! Embora a iniciação tenha um programa voltado à realização de atividades acadêmicas, as habilidades pessoais e competências nos mais diversos aspectos são exercitadas a todo instante e te ajudarão em seu amadurecimento e preparação para qualquer que seja a sua direção escolhida pro futuro, não só nas vias científicas. A IC não atrapalha o meu desempenho escolar? A carga horária da iniciação científica, de mais ou menos 20 horas semanais, em que estão incluídos também os estudos e leituras que você deve fazer em casa, foi feita para se adequar à sua grade, portanto em épocas de provas, seu orientador não te negará uma folga se você pedir. É só conversar! Além disso, algumas atividades na IC são complementares àquelas da graduação, dessa forma você acaba eliminando algumas tarefas que você teria que realizar de qualquer forma. Não deixe de conferir a versão completa para mais perguntas e respostas! 2

3 Busca de Bolsa para Projeto de IC Mas como é o processo de obtenção de uma I.C.? Depois de identificar uma área que lhe interessa, visite laboratórios, converse com professores e colegas que tenham feito ou estejam fazendo Iniciação Científica e procure inteirar-se bem sobre o tema. Procure então um professor que trabalhe com essa área e que possa ser seu orientador no trabalho Em seguida, para obtenção de uma bolsa, deve-se redigir, junto com seu orientador, um Plano de Pesquisa a ser submetido a uma agência/órgão financiador (opcional). Dentre esses órgãos estão: FAPESP, PRP/USP, CNPq, AEP, FDTE, etc. Ao final de sua I.C com o desenvolvimento de seu trabalho, você deverá reportar o que foi realizado através de relatórios, artigos, e/ou apresentações em eventos. A seguir, estão apresentados um fluxograma sobre o processo de obtenção de bolsas e algumas de suas opções. 3

4 Quais são os requisitos para um bolsista de I.C.? Estar matriculado na graduação; Não ter vínculo empregatício e dedicar-se integralmente às atividades acadêmicas e de pesquisa; Ser selecionado/indicado pelo orientador; Apresentar currículo na Plataforma Lattes atualizado (www.cnpq.br) Quais são os compromissos de um bolsista? No momento de atribuição da bolsa PIC, não estar recebendo bolsa do CNPq ou de outras agências; Apresentar sua produção científica, sob a forma de pôster ou apresentação oral no SIICUSP; Nas publicações e trabalhos apresentados, fazer referência à condição de bolsista do CNPq, institucional RUSP ou Santander; Apresentar relatório de atividades, parcial e relatório final; Devolver a bolsa, em valores atualizados, (a)s mensalidade(s) recebida(s), caso os requisitos e compromissos não sejam cumpridos. Quais são os requisitos para um orientador? Ser docente, pesquisador ou pós-doutorando da USP com título de doutor, que tenha expressiva produção científica, tecnológica ou artístico-cultural recente; Se Pós-Doutorando, o término da bolsa deve ser maior ou igual a da vigência da I.C.; Estar, preferencialmente, credenciado nos programas de pós-graduação. Quais são os compromissos de um orientador? Escolher e indicar, para bolsista, o aluno com perfil e desempenho acadêmico compatível com as atividades previstas observando princípios éticos e conflito de interesse; Incluir o nome do bolsista nas publicações e nos trabalhos apresentados em congressos e seminários, cujos resultados tiveram a participação efetiva do bolsista; Atuar como avaliador durante o processo de seleção dos Comitês e durante as atividades do SIICUSP. Quais são os direitos de um orientador? Mediante justificativa, solicitar a exclusão do bolsista, podendo indicar um novo aluno para a vaga, desde que satisfeitos os prazos operacionais estabelecidos pela Comissão de Pesquisa de sua Unidade e Pró-Reitoria de Pesquisa. 4

5 Os Departamentos da Civil e Ambiental PCC: Departamento de Engenharia de Construção Civil O PCC oferece habilitação em Engenharia Civil desde a fundação da Escola Politécnica, em Suas atividades se relacionam diretamente às demandas tecnológicas, de produtividade, qualidade e sustentabilidade da indústria da construção civil, uma das mais importantes do país, representando aproximadamente 10% do seu Produto Interno Bruto. Seu principal objetivo consiste em superar as limitações tecnológicas da área e desenvolver soluções inovadoras para os problemas da engenharia de construção civil e de seus consumidores. Linhas de Pesquisa: Engenharia e Planejamento Urbanos: Gestão das Cidades, Gestão Habitacional. Engenharia de Sistemas Prediais: Gestão dos Sistemas Automação Predial e Comunicações, Sistemas Prediais (de Energia Convencional, Alternativa e Gases; de Segurança contra Incêndio e Patrimonial; Hidráulicos; Para Conforto). Materiais e Componentes para a Construção Civil: Concretos Especiais, Corrosão das Armaduras, Materiais (de Construção para o Desenvolvimento Sustentável; Reforçados com Fibras), Pastas e Argamassas, Reabilitação de de Concreto, Reciclagem de Resíduos. Real Estate: Administração de Empresas e Empreendimentos, Concessões e Investimentos de Longo Prazo, Comportamentos de Mercados de Real Estate, Economia setorial, Empreendimentos Imobiliários, Planejamento Estratégico e Econômico. Tecnologia Computacional para Construção Civil: Métodos Computacionais e Modelos Matemáticos, Modernização das Técnicas de Ensino de Desenho Técnico e Geometria em Engenharia, Simulação Ambiental para Análise de Conforto em Edificações, Tecnologia da Informação. Tecnologia e Gestão da Produção na Construção Civil: Competitividade, Qualidade e Modernização Produtiva, Gestão (da Produção; de Projetos), Inovação e racionalização nos processos construtivos. Contatos no Departamento: Prof. Cheng Liang Yee (membro da CPq) Prof. Rafael Pileggi (membro da CPq) Profa. Mércia de Barros Sra. Denise Fernanda (secretaria) 5

6 6 Nome Descrição Coordenação Contato Retrofit(Urbano Desenvolvimento(de(uma(proposta(metodológica(para(o(retrofit(urbano,(na(escala( de(bairros(e(distritos,(como(uma(ferramenta(prática(que(auxilie(os(processos(de( tomada(de(decisão(e(de(planejamento(urbano.(a(metodologia(proposta(objetiva( indicar(como(as(intervenções(integradas(do(processo(de(retrofit(urbano(irão( contribuir(para(atingir(metas(e(desafios(de(cenários(futuros,(através(da( mensuração(por(indicadores(de(sustentabilidade(urbana. Prof.(Alex( Abiko Estudo(de(Impacto( de(vizinhança Desenvolvimento(de(uma(metodologia(objetiva,(prática,(abrangente,(segura(e( confiável(de(se(avaliar(os(impactos(decorrentes(da(implantação,(alteração(ou( requalificação(de(empreendimentos(no(meio(urbano.(dentro(dessa(metodologia,( objetivakse(também(estabelecer(um(índice,(uma(forma(de(se(mensurar(o(impacto.( Prof.(Alex( Abiko Sustentabilidade Urbana Aplicada no Porto Maravilha/ Rio de Janeiro O(Porto(Maravilha(no(Rio(de(Janeiro(configura(uma(intervenção(urbana(de(grande( escala(que(visa(revitalizar(a(zona(portuária(da(cidade.(este(projeto(foi(concebido( baseado(em(princípios(sustentáveis(e(a(análise(das(estratégias(de(sustentabilidade( aplicadas(na(escala(urbana(compõem(o(objetivo(geral(deste(trabalho.( Prof.(Alex( Abiko Inventários(de( emissões( antrópicas(de( gases(de(efeito( estufa(em(projetos( de(requalificação( urbana O(objetivo(desta(proposta(de(pesquisa(é(desenvolver(um(método(abrangente(para( apoiar(a(elaboração(de(inventários(de(gases(de(efeito(estufa((gee)(ao(nível(de( uma(região(urbana(específica,(especialmente(com(foco(em(projetos(de( reabilitação(urbana.(desenvolvimento(de(uma(metodologia(objetiva,(prática,( abrangente,(segura(e(confiável(de(se(avaliar(os(impactos(decorrentes(da( implantação,(alteração(ou(requalificação(de(empreendimentos(no(meio(urbano Prof.(Alex( Abiko Sistemas(prediais( de(água(não( potável Avaliar(o(desempenho(de(sistemas(de(água(não(potável(em(edifícios(existentes. Profa.(Lúcia( Helena(de( Oliveira O(impacto(da( conservação(de( água(no( dimensionamento( de(sistemas( prediais(de(esgoto( sanitário Realizar(ensaios(laboratoriais(na(torre(hidráulica(do(laboratório(de(sistemas( prediais(em(uma(configuração(típica(de(um(banheiro,(tendo(em(vista(reduzir(o( diâmetro(de(100(mm(para(75(mm(de(trechos(do(sistema(predial(de(esgoto( sanitário. Profa.(Lúcia( Helena(de( Oliveira Sistemas(prediais( de(água(não( potável Avaliar(o(desempenho(de(sistemas(de(água(não(potável(em(edifícios(existentes. Profa.(Lúcia( Helena(de( Oliveira BIM(e(Eficiência( Energética (Estudar(a(capacidade(de(extração(de(dados(de(programas(modeladores(para( servirem(de(entrada(para(programas(simuladores. (Propor(o(acréscimo(de(dados(e(características(no(modelo(BIM(de(modo(a(que(o( modelo(seja(efetivamente(útil(no(ambiente(de(simulação. Prof.(Sérgio( Leal(Ferreira BIM(e(Eficiência( Energética (Estudar(a(capacidade(de(extração(de(dados(de(programas(modeladores(para( servirem(de(entrada(para(programas(simuladores. (Propor(o(acréscimo(de(dados(e(características(no(modelo(BIM(de(modo(a(que(o( modelo(seja(efetivamente(útil(no(ambiente(de(simulação. Prof.(Sérgio( Leal(Ferreira Análise(do( escoamento do(concreto(fresco( utilizando(o( ambiente( FREEFLOWK3D Estudar(o(escoamento(do(concreto(fresco(através(de(uma(ferramenta(numérica( FREEFLOW((baseado(no(método(de(diferenças(finitas)(para(contribuir(na(melhoria( da(qualidade(na(construção(civil(e(no(desenvolvimento(da(tecnologia(da( concretagem. Prof.( Fernando( Kurokawa Análise(numérica( da(ação(do(vento( em(pontes( suspensas Análisar,(via(CFD,(a(ação(do(vento(sobre(uma(seção(transversal(do(tabuleiro(de( uma(ponte(suspensa,(com(o(intuito(de(investigar(o(comportamento(aerodinâmico( e(aeroelástico. Prof.( Fernando( Kurokawa Análise(numérica( do(escoamento(de( ar(em(ambientes( cirúrgicos((cfd) O(foco(dessa(pesquisa(é(analisar(o(escoamento(do(ar(no(interior(de(uma(sala( cirúrgica(para(contribuir(em(uma(melhor(qualidade(do(ar(no(interior(desses( ambientes,(utilizando(uma(ferramenta(de(simulação(computacional(design( Builder. Prof.( Fernando( Kurokawa Simulação(dos( escoamento(nos( sistemas(prediais( de(esgoto Estudo(do(escoamento(interno(nos(sistemas(de(esgotos(prediais(e(os(efeitos(da redução(de(consumo(de(água(no(desempenho(dos(sistemas. Prof.(Cheng( Yee Simulação(dos( escoamento(nos( sistemas(pluviais Estudo(do(escoamento(externo(nos(sistemas(pluviais(de(edificações(para(otimizar( o(dimensionamento(e(testar(novas(soluções. Prof.(Cheng( Yee Simulação(dos( processos( concretagem(por( um(método(de( partículas Modelagem(do(escoamentos(nãoKnewtonianos(e(otimização(dos(processos(de( concretagem. Prof.(Cheng( Yee Simulação(dos( escoamento( multifásico(em( meio(poros Estudar(o(fenômeno(de(percolação(e(determinar(a(permeabilidade(do(meio( poroso. Prof.(Cheng( Yee Simulação(dos( escoamento(nos( sistemas(pluviais Estudo(do(escoamento(externo(nos(sistemas(pluviais(de(edificações(para(otimizar( o(dimensionamento(e(testar(novas(soluções. Prof.(Cheng( Yee Simulação(dos( escoamento( multifásico(em( meio(poros Estudar(o(fenômeno(de(percolação(e(determinar(a(permeabilidade(do(meio( poroso. Prof.(Cheng( Yee Simulação(dos( escoamento( multifásico(em( meio(poros Estudar(o(fenômeno(de(percolação(e(determinar(a(permeabilidade(do(meio( poroso. Prof.(Cheng( Yee

7 PHA: Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Para implementar seus projetos, o PHA conta atualmente com três laboratórios: o Centro Tecnológico de Hidráulica e Recursos Hídricos (CTH), que opera em convênio com o DAEF, o Laboratório de Saneamento Prof. Dr. Lucas Nogueira Garcez (LabSan) e o Laboratório de Sistemas de Suporte a Decisões (LabSid). As disciplinas de graduação do departamento estão organizadas segundo as áreas de hidráulica, saneamento, recursos hídricos, hidrologia, introdução à engenharia ambiental, construções hidráulicas e portos e vias navegáveis. Possui especialização na pós-graduação nas áreas de obras hidráulicas, fluviais e marítimas, saneamento, meio ambiente e recursos hídricos. Linhas de Pesquisa: Hidráulica e Obras Hidráulicas: Fenômenos Hidráulicos e Hidrossedimentológicos, Infraestruturas e Gestão de Empreendimentos em Bacias Hidrográficas e de Obras Marítimas. Recursos Hídricos: Sistemas de Informação em Recursos Hídricos, Água e Meio Ambiente, Águas Urbanas, Análise de Sistemas aplicados a Recursos Hídricos, Hidrologia, Sistema de Suporte à Decisão em Recursos Hídricos, Sistemas de Alertas Hidrológicos. Saneamento e Meio Ambiente: Gerenciamento e tratamento de resíduos gerados em processos de tratamento de água, águas residuárias e efluentes industriais, Avaliação e gestão de impactos ambientais, Conservação e reuso da água, Ecoeficiência, Prevenção e controle da poluição ambiental, Sistemas de abastecimento de água, Sistemas de coleta e transporte de esgotos sanitários, Tratamento de águas de reabastecimento, águas residuárias e efluentes industriais. Nome Descrição Coordenação Contato Impactos)e) adaptações)das) estruturas) Diagnosticar)as)alterações)das)condições)maregráficas,)do)clima) ondulatório)e)hidrológicas,)com)base)em)séries)históricas)de)longo) portuárias)e)costeiras) período,)e)projetá>las)na)escala)da)vida)útil)das)obras)portuárias)e) Prof.)Paolo) num)cenário) costeiras)brasileiras,)avaliando)como)a)engenharia)portuária)e)costeira) Alfredini de)mudanças) e)o)ambiente)deverão)se)adaptar)para)aumentar)a)resiliência)das)obras. climáticas)globais A)interligação)das) hidrovias)do)rio) Paraguai,)Araguaia)e) Paraná Esta)pesquisa)integra>se)à)proposta)de)um)plano)geral)para) implementar)o)transporte)hidroviário)do)brasil.)o)objetivo)é)propor) canais)de)interligação)entre)algumas)das)mais)importantes)hidrovias)do) Brasil,)a)do)rio)Paraná>Tietê)com)as)dos)rios)Paraguai)e)Araguaia.)Essas) propostas)baseiam>se)num)cenário)pós) )Plano)Hidroviário)Estratégico) (após)2030),)ou)seja,)com)uma)rede)hidroviária)já)bastante)melhorada.) Serão)estudados)os)vários)tipos)de)obras)de)transposição)de)nível) possíveis.)esse)estudo)é)necessário)para)se)poder)escolher)as)obras)mais) adequadas)no)momento)das)propostas)de)ligações,)para)os)traçados)das) ligações,)bem)como)as)obras)de)transposição)necessárias,)tentando) minimizar)a)distância)e)o)desnível)total.)várias)alternativas)podem)ser) propostas)para)a)otimização. Prof.)Paolo) Alfredini 7

8 8 Impacto(das( mudanças( Climáticas(na( capacidade(das( hidrovias(6 Hidrovia(do(Rio( Paraguai A(navegação(interior(tem(papel(extremamente(importante(no( desenvolvimento(regional(e(no(transporte(de(cargas.(em(um(contexto( de(mudanças(climáticas(é(necessário(se(reavaliar(a(participação(desse( modal,(em(função(de(suas(características(ambientais(amigáveis(de(baixa( emissão(de(gases(estufa.(esta(pesquisa(terá(como(foco(a(hidrovia(do(rio( Paraguai. Prof.(Paolo( Alfredini Avaliação(de(risco(na( operação(de(sistemas( hídricos Projetos(de(aproveitamento(de(recursos(hídricos(envolvem(riscos( associados(aos(fenômenos(hidrológicos(e(às(estruturas(dos(sistemas( hídricos.(o(risco(de(ocorrência(de(eventos(extremos(pode(provocar( impactos(negativos(sociais,(econômicos(e(ambientais(consideráveis.( Métodos(estatísticos(e(modelos(de(alocação(de(água(podem(ser( utilizados(para(quantificar(o(risco(de(ocorrência(de(eventos(extremos(e( assim(fornecer(informações(que(permitam(que(os(sistemas(hídricos( sejam(melhor(operados. Prof.(Arisvaldo( V.(Méllo(Jr. Desmatamento(e( reflorestamento(e( seus(impactos(no( regime(hidrológico A(importância(das(florestas(para(os(ecossistemas(é(indiscutível.(O(seu( papel(no(comportamento(do(regime(hidrológico(nas(bacias( hidrográficas(tem(sido(discutido(há(muitos(anos.(métodos(que(avaliem(a( variação(temporal(do(regime(hidrológico(resultante(da(alteração(da( vegetação(em(diferentes(condições(edafoclimáticas(podem(dar( informações(para(o(correto(manejo(a(ser(adotado(na(bacia(hidrográfica( a(fim(de(minimizar(impactos(em(sistemas(de(abastecimento. Prof.(Arisvaldo( V.(Méllo(Jr. Análise(de(sistemas( de(recursos(hídricos Análise(de(sistemas(de(recursos(hídricos((modelos(de(simulação(e(de( otimização(de(sistemas) Água(urbana,(com(destaque(para(drenagem(urbana,(principalmente(em( projetos(de(controle(de(cheias,(modelos(matemáticos,(modelos(de( previsão(de(cheias(em(tempo(real(etc. Prof.(Mario( Thadeu(Leme( de(barros Remoção(e( Recuperação(de( Nutrientes(de(Esgoto( Sanitário Remoção(de(Nitrogênio(e(Fósforo(de(esgoto(em(processos(híbridos( anaeróbios/anóxicos/aeróbios;(nitrificação(e(desnitrificação(simultânea;( processos(de(remoção(de(nutrientes(em(reatores(de(bateladas( sequenciais;(recuperação(de(nitrogênio(e(fósforo(de(esgoto(por( precipitação(como(estruvita. Prof.(Roque( Passos(Piveli Desenvolvimento(de( Reatores(Anaeróbios( Para(Tratamento(de( Esgoto Proposição(de(alterações(na(configuração(de(reatores(anaeróbios; Controle(de(odores(em(reatores(anaeróbios(do(tipo(UASB; Pós6tratamento(de(efluentes(de(reatores(anaeróbios. Prof.(Roque( Passos(Piveli Síntese(e(modificação( de(membranas(para( tratamento(de(água(e( efluentes Projeto(voltado(para(o(desenvolvimento(de(membranas(poliméricas(de( microfiltração(e(ultrafiltração(para(utilização(em(sistemas(de( tratamento(de(água(e(efluentes.(o(objetivo(do(projeto(é(melhorar(o( desempenho(das(membranas(existentes(com(a(utilização(de(aditivos( orgânicos(e(inorgânicos.( Prof.(José(Carlos( Mierzwa Processos(de( separação(por( membranas(para( tratamento(de(água(e( efluentes( Projeto(relacionado(à(utilização(de(membranas(poliméricas(para( aplicação(em(tratamento(de(água(e(efluentes.(este(projeto(está( vnculado(ao(projeto(de(síntese(e(modificação(de(membranas.(o( principal(objetivo(deste(projeto(é(avaliar(o(desempenho(das( membranas(poliméricas(modificadas(em(unidades(piloto(de(tratamento( de(água(e(esgotos. Prof.(José(Carlos( Mierzwa

9 9 Tratamento)de)Águas) de)abastecimento:) Processos)Avançados) de)tratamento Remoção)de)interferentes)endócrinos)e)compostos)farmacêuticos)no) tratamento)de)águas)de)abastecimento; Otimização)da)aplicação)de)carvão)ativado)em)pó)e)granular)na) remoção)de)compostos)causadores)de)gosto)e)odor; Emprego)de)biofilmes)combinados)com)processos)de)adsorção)na) remoção)de)metais)pesados)em)águas)naturais)e)residuárias). Prof.)Sidney) Seckler)Ferreira) Filho Tratamento)de) Resíduos)Gerados)em) Estações)de) Tratamento)de)Águas) de)abastecimento Técnicas)para)o)controle)de)dosagens)de)produtos)químicos)utilizados) nas)etapas)de)adensamento)e)desidratação)de)lodos; Modelação)matemática)de)pósPsecagem)de)lodos)por)meio)de)sistemas) naturais; Efeitos)da)disposição)de)lodos)de)ETAs)em)estações)de)tratamento)de) esgotos. Prof.)Sidney) Seckler)Ferreira) Filho Remoção)biológica)de) nitrogênio)de)águas) residuárias) combinando) nitritação)e)anammox) em)reator)único Estratégias)de)engenharia)para)coexistência)de)biofilmes Prof.Theo)Syrto) Octavio)de) Souza Tratamento)de)águas) de)abastecimento:) Otimização)de) processos)unitários) de)tratamento Otimização)de)remoção)de)algas)no)tratamento)de)águas)de) abastecimento; Cinética)de)floculação)de)suspensões)coloidais)para)águas)com)baixa) turbidez; Configuração)de)filtros)rápidos)por)gravidade)do)tipo)camada)profunda) e)otimização)de)materiais)filtrantes. Prof.)Sidney) Seckler)Ferreira) Filho Uso)Racional)e)Reúso) de)água Projeto)relacionado)ao)desenvolvimento)de)práticas)e)programas)para)a) racionalização)do)uso)e)o)reúso)de)água)em)ativiades)urbanas)e) industriais.)a)busca)de)ações)para)a)otimização)do)uso)da)água)são) baseadas)no)programa)de)prevenção)à)poluição,)onde)são)identificadas) opções)para)redução)do)uso)da)água)por)meio)de)alterações)em) procedimentos)operacionais)e)uso)de)equipamentos)economizadores.)a) opção)de)reúso)é)avaliada)de)maneira)abrangente,)priorizandopse)as)o) reúso)interno. Prof.)José)Carlos) Mierzwa Digestão)anaeróbia) de)resíduos)sólidos) orgânicos)em)reator) anaeróbio))de)leito) fixo)com)adição)de) enzimas Este)trabalho)terá)como)objetivo)avaliar)um)sistema)de)digestão) aneróbia)de)resíduos,)utilizando)enzimas)para)aceleração)do)processo)e) possível)aumento)da)geração)de)biogás. Serão)avaliados)fatores)que)podem)interferir)no)processo)e)na) qualidade)final)do)material)digerido. )Este)trabalho)visa)também)avaliar)o)potencial)de)geração)de)biogás)) dos)resíduos)orgânicos)para)aproveitamento)energético. Prof.)Ronan) Cleber)Contrera Compostagem)de) resíduos)sólidos) orgânicos)prép tratados)em) digestores)anaeróbios O)préPtratamento)anaeróbio)dos)resíduos)orgânicos)permite)o)seu) aproveitamento)energético)através)da)geração)de)metano,)mas)não) produz)um)resíduo)final)totalmente)estabilizado)para)aplicação)no)solo. A)compostagem),)por)sua)vez,)permite)que)os)resíduos)da)digestão) anaeróbia)sejam)completamente)estabilizados),)humificados)e) tranformados)em))compostos)orgânicos)que)podem)ser)utilizados)como)) condicionadores)de)solo)na)agricultura)ou)em)áreas)verdes)urbanas. Prof.)Ronan) Cleber)Contrera Recuperação)de) nutrientes)de) lixiviados)de)aterros) sanitários)através)de) processos)físicop químicos Este)trabalho)terá)como)objetivo)o)aproveitamento)de)alguns)nutrientes) de))lixiviados)de)aterros)sanitários)utilizandopse)processos)físicop químicos)))para)extração,)visando)o)seu)reuso)agrícola)ou)industrial.) Além)disso,)))será)avaliada)também)a)viabilidade)econômica)do) processo.) Prof.)Ronan) Cleber)Contrera

10 PEF: Departamento de Engenharia de e Geotécnica O PEF ocupa-se da concepção e do projeto (análise e detalhamento) de estruturas que se constituem em elementos portantes ou infraestrutura para todo e qualquer tipo de obra da Engenharia Civil, bem como do estudo das propriedades tecnológicas dos materiais estruturais, naturais ou manufaturados. Aspectos relacionados aos métodos construtivos, utilização, manutenção e recuperação de estruturas são o foco de suas atividades. Em Engenharia Mecânica, Naval e Aeronáutica identificam-se estruturas que devem ser adequadamente concebidas e projetadas, ampliando-se assim o espectro de atuação do PEF. Na Geotecnia Ambiental a ligação se dá até mesmo com outras áreas que não exclusivamente a Engenharia. O PEF abrange os seguintes laboratórios: Laboratório de Mecânica Computacional (LMC) Laboratório de e Materiais Estruturais (LEM) Laboratório de Mecânica dos Solos (LMS) Linhas de Pesquisa: - Engenharia de : Mecânica dos Sólidos Deformáveis: Modelagem Matemática e Computacional dos Sólidos Deformáveis. Coordenação: Prof. Miguel Luiz Bucalem Contato: Métodos Computacionais em Mecânica Aplicada: Métodos Computacionais aplicados à Engenharia de ; Métodos Computacionais em Mecânica Aplicada. Coordenação: Prof. Paulo de Mattos Pimenta Contato: Projeto e Métodos Construtivos de : Grandes : projeto, métodos construtivos e monitoração; Projeto e Métodos Construtivos de Obras Subterrâneas; de de Barragens; de Edifícios Coordenação: Prof. Fernando Rebouças Stucchi Sistemas e Materiais Estruturais: Análise Experimental de e Novos Materiais; Sistemas Estruturais de Concreto; de Madeira; Metálicos. Coordenação: Prof. Túlio Nogueira Bittencourt Contato: Teoria das : Dinâmica e Estabilidade de ; Modelagem Matemática e Computacional em Mecânica das Coordenação: Prof. Carlos Eduardo Nigro Mazzilli Contato: 10

11 - Engenharia Geotécnica: Fundações e Escavações: Comportamento das Fundações; Escavações a Céu Aberto; Fundações; Túneis e Escavações Subterrâneas. Coordenação: Prof. Waldemar Coelho Hachich Contato: Geomecânica: Comportamento de Solos Tropicais; Mecânica das Rochas; dos Solos Computacional; dos Solos Não-Saturados; Teórica e Experimental. Coordenação: Prof. Carlos de Sousa Pinto Geotecnia Ambiental: Análise de Riscos Geo-Ambientais; Biotecnologia; Disposição de Rejeitos e Resíduos; Transportes de Poluentes em Meios Porosos. Coordenação: Profa. Maria Eugênia Gimenez Boscov Obras de Terra e Enrocamento: Aterros sobre solos moles; Barragens e Aterros; Taludes Naturais e de Corte; Tratamento e Melhoria de Maciços. Coordenação: Prof. Faiçal Massad *Algumas linhas de pesquisa específicas (caso tenha interesse por outros temas ou IC s nas áreas listadas acima, entre em contato com seus coordenadores): Tema% Descrição Orientação Contato 1.(Caracterização(do(comportamento(de(solos(expansivos 2.(Caracterização(da(capacidade(de(retenção(de(água(de(meios(porosos 3.(Estudo(do(comportamento(mecânico(de(solos(residuais 4.(Estudo(do(comportamento(de(solos(compactados 5.(Desenvolvimento(de(modelo(físico(monitorado(de(barragens 6.(Estudo(sobre(liquefação(de(minérios Mecânica(dos(solos( Prof.(Fernando( 7.(Microscopia(de(superfícies(de(ruptura(em(solos não(saturados A.(M.(Marinho 8.(Monitoramento(de(sucção(e(teor(de(umidade(em(campo 9.(Avaliação(da(permeabilidade(ao(ar(em(meios(porosos 10.(Avaliação(da(estabilidade(de(taludes(submetidos(a(variações( meteorológicas 11.(Estudo(sobre(o(movimento(da(água(na(interface(soloOatmosfera 12.(Estudo(sobre(drenagem(de(meios(porosos Engenharia(de( Engenharia(de( Engenharia(de( 1.(dinâmica(não(linear(de(estruturas,(incluindo(comportamentos( caóticos(e(carregamentos(não(ideais;(2.(vibrações(aleatórias;(3.( estabilidade(de(estruturas;(4.(otimização(de(estruturas(sob( carregamentos(dinâmicos;(5.(vibrações(de(bases(de(máquinas;(6.(efeito( dinâmico(do(vento(sobre(estruturas;(7.(efeito(dinâmico(de(sismos(sobre( estruturas;(8.(efeito(dinâmicos(de(ondas(em(estruturas(offshore;(9.( formas(alternativas(de(geração(de(energia;(10.(tenso(estruturas(de( cabos(e(membranas.( Dinâmica(linear(e(nãoOlinear(de(estruturas; Excitação(paramétrica; Interação(fluidoOestrutura; Comportamento(dinâmico(de(turbinas(eólicas; Coleta(de(energia(a(partir(de(vibrações(estruturais; Vibrações(induzidas(pela(emissão(de(. Método(dos(elementos(finitos(aplicado(a(contato(entre(estruturas; Estudo(dinâmico(de(pás(de(turbinas(eólicas; Estudo(dinâmico(de(linhas(de(ancoragem(para(turbinas(eólicas( oceânicas. Prof.(Reyolando( Brasil Prof.(Guilherme( Rosa(Franzini Prof.(Alfredo( Gay(Neto 11

12 12 )em)situação)de)incêncio Prof.)Valdir) Pignatta)e)Silva Tensoestruturas Prof.)Ruy)M.)O.) Pauletti Geotecnica Análise)Probabilística)em)geotecnica Prof.)Waldemar) Hachich Geotecnia Investigação)de)campo,)ensaios)não)destrutivos,)interação)soloL) estrutura,)modelagem)computacional. Aplicações:)aterros)sobre)solos)moles,)estabilidade)de)taludes,)muros) reforçados,)túneis,)ferrovias,)torres)eólicas. Prof.)Marcos) Massao)Futai Análise)experimental)de)estruturas Prof.)Reyolando) M.)L.)R.)da) Fonseca)Brasil Dinâmica,)estabilidade)e)controle)de)estruturas Prof.)Carlos)E.) Nigro)Mazzilli )oceânicas Prof.)Miguel)A.) M.)Buelta Modelagem)de)estruturas)de)concreto Prof.)Túlio)N.) Bittencourt Modelagem)de)estruturas)de)aço Prof.)Valdir) Pignatta)e)Silva Geotecnia Solos)não)saturados Prof.)Fernando) A.)M.)Marinho Geotecnia Geotecnia)ambiental Profa.)Maria) Eugênia) Gimenez)Boscov Geotecnia Modelos)reológicos)para)solos Prof.)José)Jorge) Nader Geotecnia Solos)moles Profa.)Heloísa) Helena)Silva) Gonçalves Monitoração)e)análise)estrutural)de)pontes)ferroviárias Prof.)Túlio)N.) Bittencourt Modelagem)de)estruturas)offshore Prof.)Rodrigo) Provasi L Desenvolvimento)de)software)de)MEF Prof.)Rodrigo) Provasi L Otimização)Topológica)de))ou)de)Seção)Tranversal Prof.)Valério) Silva)Almeida Dinâmica)de)estruturas:)interação)fluidoLestrutura Prof.)Guilherme) Franzini il.com Dinâmica)de)estruturas)com)foco)na)coleta)de)energia)(energy) harvesting) Prof.)Guilherme) Franzini il.com Dinânica)de)turbinas)eólicas Prof.)Guilherme) Franzini il.com Estudo)de)risers)(estruturas)oceânicas) Prof.)Alfredo)G.) Neto Mecânica)de)fios)de)cabelo Prof.)Alfredo)G.) Neto Modeling)of)discrete)media:)granular)materials)and)particulate) materials Prof.)Eduardo) M.)B.)Campello Geotecnia Aterros)sobre)solos)moles)com)uso)de)reforços,)drenos)ou)tratamento) de)solo:)análises)computacionais Prof.)Marcos) Massao)Futai Estabilidade)de) Taludes Modelagem)numérica)de)interação)soloL atmosfera.)efeitos)extremos)do)clima)em)desastres. Prof.)Marcos) Massao)Futai Muros)Reforçados Prof.)Marcos) Massao)Futai Geotecnia Túneis)em)solos)e)rocha Prof.)Marcos) Massao)Futai

13 PTR: Departamento de Engenharia de Transportes O PTR foi criado a partir da união das disciplinas de Engenharia de Transportes com ênfase para Topografia, Estradas e Ferrovias com as de Tráfego e Transporte Urbano, em É estruturado em torno de três áreas: Planejamento e Operação de Transportes envolve os laboratórios de: Estudos Metodológicos em Transportes (LEMT), de Modelagem em Algorítmos em Transporte e Logística (LMAT) e Planejamento de Transportes (LPT). Infraestrutura de Transportes e Aquisição envolve os laboratórios de: Mecânica de Pavimentos (LMP), de Tecnologia e Pavimentação (LTP). Tratamento e Uso de Informações Espaciais envolve os laboratórios de: Geoprocessamento (LGP) e Topografia e Geodésica (LTG). Linhas de Pesquisa: Cartografia: Bases cartográficas; Sistemas de projeção; Tecnologias; Modelagem digital de terrenos; História da cartografia. Geodésica e Topografia: Posicionamento por satélite (GNSS); Estudo da ionosfera; Monitoramento de estruturas; Superfícies de referência; Modelos geoidais. Geoprocessamento: Tratamento e análise da informação espacial; sensoriamento remoto, técnicas de reconhecimento de padrões. Materiais de Pavimentação: Uso de solos tropicais em pavimentação, misturas asfálticas; estabilização de solos; cimentos e concretos; agregados naturais e artificiais; resíduos e rejeitos. Mecânica de Pavimentos: Avaliação tensional de pavimentos em projetos estruturais; desenvolvimento de critérios de dimensionamento de pavimentos. Projeto Geométrico de Vias de Transportes: Concepção de alinhamentos de rodovias, vias urbanas, ferrovias e aeroportos, seus impactos e drenagem das vias. Gerência de Pavimentos: Avaliação funcional e estrutural de pavimentos, técnicas de manutenção e conservação viária, gerência de redes viárias. Logística e Sistema de Transportes e Distribuição: Planejamento de sistemas logísticos; modelos para otimização, simulação de sistemas de transportes. Transporte Urbano: Modelagem de demanda e oferta de transportes; planejamento, economia e avaliação de políticas de transporte; sistemas de transportes público. Laboratórios e Iniciações Científicas: LPT Laboratório de Pavimentação Contato: Profa. Dra. Liedi Bernucci Profa. Dra. Rosangela Motta e Profa. Dra. Kamilla Vasconcelos Savasini Oportunidades de IC: Reciclagem de pavimentos; Acidentes por derragens e soluções asfálticas para sua redução; 13

14 Ruído ao rolamento; Novos materiais asfálticos caracterização reológica; Novos tipos de misturas asfálticas; Dimensionamento de estruturas pavimentos asfálticos; Estudo e monitoramento de ferrovias; Revestimentos asfálticos para aeroportos; Estudos de pavimentos drenantes e permeáveis Drenagem de infraestrutura viária (estudo de materiais e dimensionamento hidráulico) LTG Laboratório de Topografia e Geodésia Contato: Profo Dro Jorge Pimental Cintra Profo Dr. Edvaldo Simões da Fonseca Jro [Coordenador] Prof. Dr. Flávio G. Vaz de Almeida Fo Prof. Dr. Claudio L. Marte Oportunidades de IC: Desenvolve trabalhos de pesquisa com ênfase na calibração e aferição de instrumentos (distanciômetros, teodolitos e níveis); Estabelecimento e/ou estudo de redes fundamentais (planimétrica, altimétrica e gravimétrica); Cartografia digital (modelagem digital de terrenos e atualização de mapas por sensoriamento remoto); Posicionamento por satélite (sistema GPS). LPT Laboratório de Planejamento e Operação de Transportes Contato: Prof. Dr. Nicolau D. Fares Gualda Oportunidades de IC: planejamento, modelagem, análise econômico-operacional e informatização de sistemas logísticos e de transportes. LMP Laboratório de Mecânica dos Pavimentos C Contato: Prof. Dr. José Tadeu Balbo Oportunidades de IC: Construção e análise de calçadas experimentais com concretos permeáveis como auxílio à drenagem urbana (bolsa de iniciação científica já garantida, com projeto do CNPq, de 12 a 36 meses); Calçadas em concretos permeáveis e drenantes; Ciclovias com infraestrutura de materiais reciclados sustentáveis; Pavimento de concreto continuamente armado análises em pista experimental; Pavimentação em blocos de concreto; Estudo de critérios de projeto de análise estrutural de pavimentos de Aeroportos e de Portos Fluviais e Marítimos. 14

15 LMAT Laboratório de Modelagem e Algoritmos em Transportes e Logística Calçadas em concretos permeáveis e drenantes; Contato: Calçadas Prof. em Dr. concretos Claudio Barbieri permeáveis da Cunha e drenantes; Ciclovias com infraestrutura de materiais reciclados sustentáveis; Ciclovias com infraestrutura de materiais reciclados sustentáveis; Oportunidades Pavimento de de concreto IC: continuamente armado análises em pista experimental; Pavimento de concreto continuamente armado análises em pista experimental; Pavimentação em blocos de concreto; Pavimentação em blocos de concreto; Estudo de Projeto critérios e de Análise projeto de Redes análise de Transporte estrutural de Coletivo pavimentos por Ônibus; de Aeroportos e de Portos Estudo de critérios de projeto de análise estrutural de pavimentos de Aeroportos e de Portos Fluviais e Marítimos. Distribuição Urbana de Cargas; Fluviais e Marítimos. Logística do Comércio Eletrônico em Áreas Urbanas. LMAT Nome Laboratório de Modelagem Descrição, e Algoritmos em Transportes Orientação, e Logística Contato LMAT Laboratório de Modelagem e Algoritmos em Transportes e Logística Objetivo:%Criar%séries%históricas%das%diferentes%estações% Contato: RBMC% %Rede% Prof. Dr. da%rbmc%e%disponibilizáclas%em%um%site. Claudio Barbieri da Cunha Contato: Brasileira%de% Prof. Dr. Claudio Barbieri Cunha Aprendizado:%Processamento%de%dados%GNSS,%analise% Prof.%Edvaldo%Fonseca% Oportunidades Monitoramento% de IC: Oportunidades de%série%históricas%e%análise%das%técnicas%ppp%e%rtk Contínuo de IC: Projeto e Análise de Redes de Transporte Coletivo por Ônibus; Projeto e Análise Estudo%da%cartografia%histórica%do%Estado%%de%São% de Redes de Transporte Coletivo por Ônibus; Distribuição Cartografia% Urbana de Cargas; Paulo,%com%ênfase%no%mapeamento%histórico%da% Histórica%de%São% Distribuição Urbana de Cargas; Logística do Comércio Prof.%Jorge%Cintra% Comissão%Geográfica%e%Geológica%(século%XIX) Eletrônico em Áreas Urbanas. Logística Paulo do Comércio Eletrônico em Áreas Urbanas. %Coleta%de%dados% espaciais%através%de% aplicativos%gps%+% IMU%em%smartC phone%android%%e% seu%controle%de% qualidade. Navegação% Autônoma Monitoramento% Geodésico%de% Deslocamentos%em% Grandes%% Uso%do%GPS%na% estimativa%de% emissões%de%gases% causadores%do% Efeito%Estufa%(GEE) Agradecimentos:" Estudo%de%aplicativos%%em%smartCphones%Android%em% sensores%mems,%coletores%de%dados,%tais%como%% receptor%gnss%(gps),%bússola%eletrônica% (magnetômetro),%acelerômetro%e%outros,%com%ênfase%% no%posicionamentos%e%trajetórias%percorridas. Desenvolver%uma%plataforma%autônoma%que%possa%se% deslocar%sem%a%interversão%humana.%a%plataforma%será% posicionada%por%gnss%(outdoor)%ou%por%redes%wicfi% (indoor).%há%ainda%a%necessidade%de%integrar%outros% sensores%para%dar%mobilidade%e%evitar%colisões.% Idealização:"Diretório!Acadêmico!da!Escola!Politécnica" da Realização:"Alice!Lepique,!Fernanda!Fulan,!Alice!Lopes,!Julie!Miyuki,!! Aline Moraes, Fulan, Lopes, Julie Victor!Ortega,!Aline!Moraes! Miyuki, Ortega. Prof.%Jorge%Cintra% Prof.%Edvaldo%Fonseca% Desenvolver%e%aperfeiçoar%as%técnicas%geodésicas%de% monitoraçào%de%grandes%estruturas. Prof.%Edvaldo%Fonseca% Tratamento%e%análise%de%dados%obtidos%pelo%GPS% embarcados%em%veículos%de%carga%para%a%aplicação%em% modelos%matemáticos%de%estimativa%da%emissão%de% Gases%causadores%do%Efeito%Estufa%(GEE).% Geoprocessamento% Geoprocessamento%para%Megacidades para%megacidades Prof.%Flávio%Vaz Prof.%José%Alberto% Quintanilha%e% Profa.Mariana% Abrantes%Giannotti%%% sp.br!

16 Confira"o"Manual"de" Iniciação" Científica"Completo!" " O!Diretório!Acadêmico!preparou!uma!atualização!do! manual!de!ic!complete!de!2015!para!te!orientar! melhor!na!hora!da!escolha.!nele!você!confere!maiores! detalhes!não!só!sobre!as!iniciações!científicas!da!civil!e! Ambiental,!mas!também!sobre!as!IC s!relacionadas!às! outras!engenharias!da!poli,!além!de!mais!informações! sobre!o!processo!de!escolha!e!bolsas.!também!não! deixe!de!comparecer!à!semana!de!iniciação!científica,! que!ocorrerá!na!semana!dos!dias!23!a!27!de!março.!!! Participe,"informeSse!"!! 16! 16

Grande Área da Engenharia Civil. Março de 2015

Grande Área da Engenharia Civil. Março de 2015 3ª Semana de Iniciação Científica da Poli Grande Área da Engenharia Civil Março de 2015 Comissão de Pesquisa da Escola Politécnica da USP CPq Pesquisa científica na Poli Pesquisa científica na Poli Você

Leia mais

Programa de Pós Graduação em Engenharia de Transportes EDITAL Nº 01/2012 PTR

Programa de Pós Graduação em Engenharia de Transportes EDITAL Nº 01/2012 PTR 1. INFORMAÇÕES GERAIS EDITAL Nº 01/2012 PTR Fundada em 1893 e tendo como primeiro diretor Antônio Francisco de Paula Souza, a Escola Politécnica (EP) contou desde o seu início com um curso de Engenharia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.267, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil com

Leia mais

Mestrado em Construções Civis

Mestrado em Construções Civis Mestrado em Construções Civis Guarda, 22 de fevereiro de 2015 Índice 1. Enquadramento... 3 2. Objetivos do ciclo de estudos... 4 2.1. Objetivos gerais... 4 2.2. Objetivos específicos... 4 3. Competências

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br

ENGENHARIA CIVIL. COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br ENGENHARIA CIVIL COORDENADOR José Carlos Bohnenberger bohnen@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2009 187 Engenheiro Civil ATUAÇÃO Ao Engenheiro Civil compete o desempenho das atividades profissionais previstas

Leia mais

EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011.

EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011. EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011. INFORMAÇÕES GERAIS: O processo seletivo do Programa de Iniciação Científica da USP na Faculdade de Medicina da USP baseia-se no edital 2011/

Leia mais

Programa de Iniciação Científica Universidade de São Paulo

Programa de Iniciação Científica Universidade de São Paulo EDITAL 2014/2015 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do da USP, com base em diretrizes debatidas e acordadas pelo Conselho de tornam público o presente Edital de abertura de inscrições, visando

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.465, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2013 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em

Leia mais

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011 Natureza Créditos Horas-aula Disciplinas Obrigatórias 210 3.150

Leia mais

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil

Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil Estrutura Curricular do Curso de Engenharia Civil 1º Semestre 1. Cálculo Diferencial e Integral I 2. Desenho Básico 3. Física I 4. Laboratório de Física I 1º Básica 5. Química Geral 6. Introdução a Engenharia

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC

ENGENHARIA AMBIENTAL. Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC ENGENHARIA AMBIENTAL Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá

ENGENHARIA CIVIL. Universidade de Cuiabá ENGENHARIA CIVIL Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA CIVIL Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal da Mantenedora

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL 1. TURNO: Noturno GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Construção Civil PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 4 anos Máximo = 7 anos 2. OBJETIVO/PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO Objetivo

Leia mais

Áreas do Conhecimento - Engenharias

Áreas do Conhecimento - Engenharias Áreas do Conhecimento - Engenharias Engenharias Engenharia Civil Construção Civil Materiais e Componentes de Construção Processos Construtivos Instalações Prediais Estruturas Estruturas de Concreto Estruturas

Leia mais

MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015

MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015 MESTRADO E DOUTORADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO 2015 1. CARACTERIZAÇÃO GERAL 1.1 O Núcleo de Geotecnia da Escola de Minas da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) coordena o Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Norma Interna: Ajuste Curricular

Norma Interna: Ajuste Curricular Norma Interna: Ajuste Curricular A RESOLUÇÃO Nº 61/08-CEPE fixa o currículo do MESTRADO e DOUTORADO acadêmico em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental da Universidade Federal do Paraná. Este currículo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓREITORIA ACADÊMICA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Fase Cód. Disciplina I II III IV V VI Matriz Curricular do curso de Engenharia Civil PréReq.

Leia mais

RESULTADO DEFINITIVO DA SELEÇÃO DE PROPOSTAS Após o julgamento dos recursos administrativos segue a lista final dos projetos.

RESULTADO DEFINITIVO DA SELEÇÃO DE PROPOSTAS Após o julgamento dos recursos administrativos segue a lista final dos projetos. RESULTADO DEFINITIVO DA SELEÇÃO DE PROPOSTAS Após o julgamento dos recursos administrativos segue a lista final dos projetos. CHAMADA PÚBLICA SENAT/TRANSPORTES Nº 001/2013 Em Ordem Alfabética A) PROPOSTAS

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal)

X (X-X): Total de Créditos (Carga Teórica semanal-carga Prática semanal) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Curso: Engenharia Agrícola e Ambiental Matriz Curricular 1 Período IB 157 Introdução à Biologia 4 (2-2) IT 103 Técnicas Computacionais em Engenharia 4 (2-2)

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR 2013. Prof. Marcelo Ribeiro Barison Coord. Estágios IRN

ESTÁGIO CURRICULAR 2013. Prof. Marcelo Ribeiro Barison Coord. Estágios IRN ESTÁGIO CURRICULAR 2013 Prof. Marcelo Ribeiro Barison Coord. Estágios IRN NOVA LEI DE ESTÁGIO (2008) 1) A carga horária está limitada a 06 horas diárias/30 horas semanais; 2) Não há vínculo empregatício;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE - FURG SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS DELIBERAÇÃO Nº 006/2013 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO

ESTRUTURA CURRICULAR - 2012/1º semestre (Aprovada pela Resolução nº 01 CONSEPE, de 09/02/2012). 1º PERÍODO 2º PERÍODO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI INSTITUTO DE CIÊNCIA, ENGENHARIA E TECNOLOGIA - TEÓFILO OTONI CURSO DE GRADUAÇÃO - ENGENHARIA CIVIL ESTRUTURA CURRICULAR

Leia mais

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição.

Agradeço a todos que colaboraram para a elaboração e edição desta publicação e aos alunos bolsistas que ajudaram na sua edição. Apresentação A disciplina Tópicos em Geotecnia e Obras de Terra foi oferecida pela primeira vêz nesta Faculdade em 1996, logo após sua criação e aprovação nos orgãos colegiados. Foi criada com a intenção

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

COORDENAÇÃO DE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL - 1º PERÍODO 2015.1. Segunda-Feira Terça-Feira Quarta-Feira Quinta-Feira Sexta-Feira. 09901-5 A / B Física 1

COORDENAÇÃO DE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL - 1º PERÍODO 2015.1. Segunda-Feira Terça-Feira Quarta-Feira Quinta-Feira Sexta-Feira. 09901-5 A / B Física 1 COORDENAÇÃO DE CURSO DE ENGENHARIA CIVIL - 1º PERÍODO 2015.1 08910-9 C / D Cálculo 1 06216-2 A / B Leitura e Produção de Textos para Civil 09901-5 A / B 1 08111-6 C / D Geometria Analítica 08910-9 C /

Leia mais

1º período. 2º período

1º período. 2º período 1º período Eixo Disciplina CH Pré-requisito Correquisito (C) 1 Cálculo I 90 9 Contexto Social e Profissional do Engenheiro Civil 30 7 Desenho Técnico 30 1 Geometria Analítica e Álgebra Vetorial 90 2 Laboratório

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR ESTRUTURA CURRICULAR O currículo proposto busca atender além do perfil do formando, também competências e habilidades necessárias ao profissional para garantir uma boa formação tanto teórica quanto prática

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ 1. Curso O Curso de Engenharia Civil foi criado em 19 de dezembro de 1912, sendo um dos cursos fundadores da. O Curso de Engenharia Civil é reconhecido pela

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 08/2011 Altera a Resolução n. 15/2006 do CONSEPE, que aprova a Projeto Pedagógico do

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011.

EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011. EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011. INFORMAÇÕES GERAIS: O processo seletivo do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 197 ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 198 Currículos dos Cursos do CCE UFV Engenheiro Ambiental ATUAÇÃO O curso de Engenharia Ambiental da UFV

Leia mais

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt

CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA. www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA www.isep.ipp.pt CURSOS FORMAÇÃO CONTÍNUA ÍNDICE ENGENHARIA CIVIL 05 Regime Regulamentar dos Betões de Ligantes Hidráulicos, das Armaduras e da Execução de Estruturas de Betão Armado

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA CIVIL

ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA CIVIL CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENADORIA DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO ESTRUTURA CURRICULAR DA ENGENHARIA

Leia mais

O guia completo da Engenharia: Saiba como escolher o seu curso e se destacar no mercado de trabalho

O guia completo da Engenharia: Saiba como escolher o seu curso e se destacar no mercado de trabalho O guia completo da Engenharia: Saiba como escolher o seu curso e se destacar no mercado de trabalho INTRODUÇÃO Hoje, na FSG, podemos dizer que aproximadamente 85% dos alunos já estão empregados ou realizando

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO IEAV- 03/2015

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO IEAV- 03/2015 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA INSTITUTO DE ESTUDOS AVANÇADOS EDITAL DE SELEÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO IEAV- 03/2015 A UNIÃO, por intermédio do Ministério da Defesa, neste ato

Leia mais

2º SEMESTRE. Cálculo I 04 00 60 Introdução ao Cálculo Álgebra Linear e Geometria Analítica

2º SEMESTRE. Cálculo I 04 00 60 Introdução ao Cálculo Álgebra Linear e Geometria Analítica Resolução CONSUN Nº 34/2014 de 29/10/2014 COD. NOME DA DISCIPLINA T P CH Pré-Requisito 1º SEMESTRE Introdução à 04 00 60 Introdução ao Cálculo 04 00 60 Química Geral Antropologia 02 00 30 Desenho Técnico

Leia mais

ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br

ENGENHARIA AMBIENTAL. COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br ENGENHARIA AMBIENTAL COORDENADORA Ann Honor Mounteer ann@ufv.br 180 Currículos dos Cursos do CCE UFV Currículo do Curso de Engenharia Engenheiro ATUAÇÃO O curso de Engenharia da UFV habilita o futuro profissional

Leia mais

Mestrado em Aeronáutica Militar, na especialidade de Engenharia de Aeródromos

Mestrado em Aeronáutica Militar, na especialidade de Engenharia de Aeródromos Áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para a obtenção do grau ou diploma: Obrigatórios Mestrado Optativos Área científica Sigla Ciências Militares Aeronáuticas Ciências Militares CMIL 30

Leia mais

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL - PROPEC Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica

Leia mais

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos

Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos Mestrado em Engenharia Civil Apresentação do novo Plano de Estudos CCMEC, 8 de Junho de 2015 1 Sumário 1 Introdução 2 Estrutura curricular do novo plano Tronco comum Perfil de Edificações Perfil de Estruturas

Leia mais

Engenharia de Aeródromos (ENGAED)

Engenharia de Aeródromos (ENGAED) Academia da Força Aérea Mestrado em Ciências Militares Aeronáuticas na especialidade Engenharia de Aeródromos (ENGAED) ENGAED 1º Ano, 1º Semestre Álgebra Linear MAT Semestral 168 48 32 0 0 0 0 0 6,0 Cálculo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.902 DE 21 DE SETEMBRO DE 2009 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil.

Leia mais

Construção. Dia Horário Código Turma Disciplina Docente Sala Segunda-feira. 09h às 12h e 14h

Construção. Dia Horário Código Turma Disciplina Docente Sala Segunda-feira. 09h às 12h e 14h Segunda-feira 09h às 12h e 14h Metodologia de Pesquisa em Construção (Será oferecida na 1º IC929 A às 17h metade do 1º período letivo de 2016) Regina Coeli Ruschel Quarta-feira 09h às 12h IC936 A Controle

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ENGENHARIA CIVIL MISSÃO DO CURSO O Curso de Engenharia Civil do CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTACIO RADIAL DE SÃO PAULO tem por missão graduar Engenheiros Civis

Leia mais

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas

Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Soluções tecnológicas Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Soluções tecnológicas O que é Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A. Uma das primeiras instituições de P&D&I aplicados

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/senai/iniciativas/programas/unindustria/2013/11/1,29083/senai-educacao-profissional.html 21 de Novembro de 2013 SENAI - Educação profissional As possibilidades

Leia mais

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP

VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ GABINETE DA REITORIA EDITAL Nº 07/2013 CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR EFETIVO ANEXO I VAGAS POR ÁREA DE CONHECIMENTO VAGAS NO CAMPUS MARCO ZERO, EM MACAPÁ-AP 101-Área de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973

RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 RESOLUÇÃO Nº 218, DE 29 DE JUNHO DE 1973 Discrimina atividades das diferentes modalidades profissionais da Engenharia, Arquitetura e Agronomia. O CONSELHO FEDERAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA,

Leia mais

SIGLA NOME DA DISCIPLINA C.H. CR CARÁTER ETD DOCÊNCIA ORIENTADA 30 2 OBRIGATÓRIA COT CONFORTO TÉRMICO 45 3 ELETIVA

SIGLA NOME DA DISCIPLINA C.H. CR CARÁTER ETD DOCÊNCIA ORIENTADA 30 2 OBRIGATÓRIA COT CONFORTO TÉRMICO 45 3 ELETIVA DISCIPLINA/CARGA HORÁRIA/CRÉDITOS SIGLA NOME DA DISCIPLINA C.H. CR CARÁTER MEP SES METODOLOGIA DA PESQUISA SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA URBANA E SUSTENTABILIDADE 45 3 OBRIGATÓRIA 45 3 OBRIGATÓRIA ETD DOCÊNCIA

Leia mais

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010

MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 108/2010 EMENTA: Estabelece o Currículo do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica - Niterói O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL PRIMEIRO PERÍODO Calculo I 4 72 60 - Geometria Analítica 4 72 60 - Introdução a Engenharia Civil 4 72 60 - Metodologia Cientifica 4 72 60 - Filosofia Geral

Leia mais

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTAÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUÍS ROSSLER PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FEPAM

FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTAÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUÍS ROSSLER PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FEPAM FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTAÇÃO AMBIENTAL HENRIQUE LUÍS ROSSLER PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC/FEPAM A Fundação Estadual de Proteção Ambiental (FEPAM), órgão estadual do meio

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco

SUAPE GLOBAL GT 4. Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco SUAPE GLOBAL GT 4 Atividades de Ensino e de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação no Setor Metal Mecânico em Pernambuco Instituição: Universidade Católica de Pernambuco Agenda Proposta para o Primeiro Semestre

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 06/2015 PROPGPI

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 06/2015 PROPGPI PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 06/2015 PROPGPI EDITAL DE CHAMADA DE PROJETOS PARA O XIX PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA - PROBIC/FAPEMIG/UFJF

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS PONTOS PARA CONCURSO PÚBLICO DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR EDITAL 001/2009 Matéria/Área do Conhecimento: MATEMÁTICA 1. Transformações Lineares e Teorema do Núcleo

Leia mais

ANEXO I - MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL/UFG. Córequisito Pré-requisito

ANEXO I - MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL/UFG. Córequisito Pré-requisito ANEXO I - MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL/UFG Nº Disciplina Unidade Responsável Córequisito Pré-requisito CHS CHT CHP CH Núcleo Natureza Nº DISCIPLINAS NÚCLEO COMUM OBRIGATÓRIAS 1 Álgebra

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES PESQUISA. Definições dos Programas de Pesquisa oferecidos pelo CNPq:

PERGUNTAS FREQUENTES PESQUISA. Definições dos Programas de Pesquisa oferecidos pelo CNPq: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PERGUNTAS

Leia mais

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano

Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano Gestão das Águas Pluviais no Meio Urbano PROF. DR. JOSÉ RODOLFO SCARATI MARTINS ESCOLA POLITÉCNICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO A CIDADE É O GRANDE VILÃO AMBIENTAL Grandes demandas concentradas sobre uma

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. (Vigência a partir de 2011/1)

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL. (Vigência a partir de 2011/1) Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 11/10 CONSUNI, de 21 de setembro de 2010. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL (Vigência a partir de 2011/1) Fase Cód. Disciplina Pré- Req. I II III

Leia mais

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009.

NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. NORMA DE FISCALIZAÇÃO CONJUNTA DA CÂMARA DE ENGENHARIA CIVIL E QUÍMICA N 001/09 DE ABRIL DE 2009. Esclarece a competência dos Engenheiros: Civis, de Fortificações, Sanitaristas e Químicos quanto projetos,

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/URCA

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/URCA Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/URCA Chamada Pública PRPGP-URCA 07/2014 A Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa torna público

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 35/73

Faculdade Figueiredo Costa 35/73 35/73 CAPITULO VII GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL AS ATRIBUIÇÕES, ÁREAS DE ATUAÇÃO E O MERCADO DE TRABALHO A Resolução CONFEA/CREA Nº 1.010, de 22 de Agosto de 2005, dispõe sobre a regulamentação da atribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Có-requis. Pré-requisito Respons. CHT CHP DISCIPLINAS NÚCLEO COMUM OBRIGATÓRIAS. 1 Álgebra Linear (AL) IME - - 4 0 64 NC OBR 1

Có-requis. Pré-requisito Respons. CHT CHP DISCIPLINAS NÚCLEO COMUM OBRIGATÓRIAS. 1 Álgebra Linear (AL) IME - - 4 0 64 NC OBR 1 Matriz Curricular do Curso de Graduação em Engenharia Civil - Bacharelado A seguir é apresentada a Matriz Curricular, onde se notam as disciplinas componentes do Núcleo Comum, do Núcleo Específico, prérequisitos,

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 008/2008 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Mestrado, com área de concentração em Engenharia de Edificações e Saneamento.

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/IFSP EDITAL N 075/2010

Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/IFSP EDITAL N 075/2010 Programa Institucional de Bolsas de Iniciação em Desenvolvimento Tecnológico e Inovação PIBITI/CNPq/IFSP EDITAL N 075/2010 A Pró-reitoria de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS

ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS ANEXO LISTA DOS CURSOS DE GRADUAÇÂO ELEGIVEIS PELO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS Agricultura Sustentável Agrimensura Agroecologia Agroindústria Agroindústria - Alimentos Agroindústria - Madeira Agronegócio

Leia mais

1 solidez e compromisso com o futuro

1 solidez e compromisso com o futuro S o l i d e z e c o m p r o m i s s o c o m o F u t u r o 1 solidez e compromisso com o futuro 2 solidez e compromisso com o futuro EMPRESA Há mais de 55 anos estabelecida e reconhecida no mercado brasileiro

Leia mais

1º SEMESTRE. - utilizar sistemas de unidades de medida e ordens de grandeza envolvidas em medidas usuais na Engenharia;

1º SEMESTRE. - utilizar sistemas de unidades de medida e ordens de grandeza envolvidas em medidas usuais na Engenharia; 1º SEMESTRE - Identificar e relacionar conhecimentos de Álgebra, Geometria e Cálculo com aplicações na área de Engenharia; - identificar e utilizar os principais elementos da expressão gráfica, na concepção

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL (540/I Integral 02 e SEM_02) (Para alunos ingressos entre 2006 a 2008) CÓD. D. DEPTOS. DISCIPLINAS 1º 2º 3º 4º 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª C/H 0872/I DEMAT/I Cálculo I 3 51 0873/I

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO N.º 08/2014 Altera a estrutura curricular do Curso de Engenharia Civil, modalidade

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação científica para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal de Ciências

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

07/02/2014. Professor

07/02/2014. Professor UniSALESIANO Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Curso de Engenharia Disciplina: Introdução à Engenharia Aspectos Gerais sobre a Eng. Eng. Dr. André Luís Gamino Professor Aspectos Gerais da

Leia mais

CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS

CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS CURSO ORÇAMENTO E CÁLCULO DO CUSTO DE OBRAS 1. Curso de ORÇAMENTO E CALCULO DE CUSTOS de Obras Inclui Composição de Preços, BDI e Programa de Orçamento Edificações Terraplanagem Estruturas Pavimentação

Leia mais

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga

EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga EDITAL 191/2015 Programa de Iniciação Científica Voluntária/IFSP Campus Itapetininga A Direção Geral do campus Itapetininga do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP), torna

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO DA USC PIBIC/PIBITI 2013/2014 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o

Leia mais

INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA

INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA Topografia INTRODUÇÃO À TOPOGRAFIA Prof. Paulo Carvalho, M.Sc. Macedo, M.Sc. Poli, Brasil.. 2014 2/27 Topografia: Topo + Graphein = Lugar + Descrição: Descrição de um lugar Descrição da forma e características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA CIVIL - 1º. SEMESTRE LETIVO DE 2013. 1º período

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS - ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA CIVIL - 1º. SEMESTRE LETIVO DE 2013. 1º período 1º período EMC013 Desenho Projetivo para Engenharia A 6ª 09:25 11:55 1162 - BL 4 B 5ª 07:30 10:00 1162 - BL 4 C 5ª 10:15 12:45 1162 - BL 4 ENG011 Introdução à Engenharia Civil A 4ª 09:25 11:05 1165 - BL

Leia mais

C o n s t r u t o r a

C o n s t r u t o r a C o n s t r u t o r a Trabalhamos em todo território nacional, com equipes qualificadas, supervisão diária, trazendo qualidade, preço, prazo e excelência em sua obra. Clientes Principais Serviços Projetos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS

CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS CLIQUE AQUI PARA PASSAR AS PÁGINAS NOSSA EMPRESA 01MISSÃO Produzir soluções de Engenharia Geotécnica para todos os agentes da Construção Civil. 02VISÃO Tornar-se referência como uma consultoria de excelência

Leia mais

Muro de Arrimo por Gravidade

Muro de Arrimo por Gravidade Muro de Arrimo por Gravidade CONCEITO É a solução estrutural mais antiga e por ser relativamente barato e não exigir mão de obra especializada é mais comum. É executado junto a um talude (inclusive de

Leia mais

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos.

Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável. Conceitos Básicos. Geoprocessamento: Uma Ferramenta Para o Desenvolvimento Regional Sustentável Sistema de Informação Dados Armazenados Questão Informação Laboratório de Geoprocessamento (LAGEO) Programa de Mestrado em Ciências

Leia mais

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP

BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1. Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP BARRAGENS DE TERRA E DE ENROCAMENTO AULA 1 Prof. Romero César Gomes - Departamento de Engenharia Civil /UFOP Conceitos Gerais As barragens convencionais são estruturas construídas transversalmente aos

Leia mais

SÍNTESE DO PROCESSO EVOLUTIVO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NA MODALIDADE EaD DA UAB-UFSCAR

SÍNTESE DO PROCESSO EVOLUTIVO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NA MODALIDADE EaD DA UAB-UFSCAR 1 SÍNTESE DO PROCESSO EVOLUTIVO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL NA MODALIDADE EaD DA UAB-UFSCAR SÃO CARLOS, MAIO/2011 Luiz Marcio Poiani UFSCar lmpoiani@ufscar.br Marilu Pereira

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

DOCUMENTO PARA DEBATE EM SESSÃO NO DIA 05 DE OUTUBRO DE 2015 Linhas Transversa is INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA GRADUAÇÃO E CONSCIÊNCIA DO

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015

DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 DELIBERAÇÃO CONSEP Nº 092/2015 Altera a Deliberação CONSEP Nº 275/2014, que altera o Currículo do Curso de Engenharia Civil para regime seriado semestral. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA, na conformidade

Leia mais