SUMÁRIO 1.3 TRANSFORMAÇÕES DO CONCEITO DE GUERRA E O "NASCIMENTO DA IDADE MODERNA" 2.1 HISTÓRICO DOS CONFLITOS ENTRE FRANÇA E ALEMANHA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUMÁRIO 1.3 TRANSFORMAÇÕES DO CONCEITO DE GUERRA E O "NASCIMENTO DA IDADE MODERNA" 2.1 HISTÓRICO DOS CONFLITOS ENTRE FRANÇA E ALEMANHA"

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 1 A GRANDE GUERRA 1.1 ANTECEDENTES 1.2 OS FRONTS 1.3 TRANSFORMAÇÕES DO CONCEITO DE GUERRA E O "NASCIMENTO DA IDADE MODERNA" 2 TÓPICO A - ALEMANHA 2.1 HISTÓRICO DOS CONFLITOS ENTRE FRANÇA E ALEMANHA 2.2 A NAÇÃO POLONESA E SUA VIABILIDADE 2.3 POLÍTICAS DE PAZ PARA A ALEMANHA 3 TÓPICO B - O LESTE EUROPEU, OS BALCÃS E O ORIENTE MÉDIO 3.1 A SITUAÇÃO DOS BALCÃS E DO IMPÉRIO AUSTRO-HÚNGARO 3.2 AS PROMESSAS DO TRATADO DE LONDRES 3.3 A IDEIA DE UMA IUGUSLÁVIA 3.4 A QUESTÃO SIONISTA E A TURQUIA 3.5 MANDATOS, PROTETORADOS, IMPERIALISMO E AUTODETERMINAÇÃO 4 TÓPICO C - PERSPECTIVAS PARA MANUTENÇÃO DA PAZ: ENTRE A LIGA DAS NAÇÕES E A POLÍTICA DE REPARAÇÃO 4.1 WOODROW WILSON: ENTRE O LIBERALISMO E O IDEALISMO 4.2 PERSPECTIVAS EUROPEIAS SOBRE A PAZ ENTRE AS NAÇÕES 5 ANEXOS 6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

3 1- A GRANDE GUERRA 1.1 ANTECEDENTES Unificação Alemã, Unificação Italiana e Império dos Habsburgo Entre os séculos XVII e XVIII, a população cuja língua mãe é o alemão se dividia em uma série de reinos e regiões, que apesar de possuírem diferenças, compartilhavam com características culturais semelhantes. Essa peculiaridade é tida como reminiscência da dissolução progressiva do Sacro Império Romano Germânico desde a Paz de Westefália, que permitiu autonomia aos principados que o compunham, até sua dissolução com as Guerras Napoleônicas em É importante ressaltar, no entanto, que o Sacro Império não tinha aspirações de ser um Estado Germânico unificado, pois excluía nações que falavam o alemão, tais quais a Suíça e a Prússia Oriental, e incluía uma série de minorias não-germânicas, como os tchecos, poloneses, eslovenos, italianos e flamengos (BLACKBOURN, 1997). Além disso, os Estados que compunham o Sacro Império eram bastante diversos em tamanho, força econômica e. Havia desde grandes reinos como a Prússia e a Áustria, até pequenos reinos como Lippe e Lichtenberg. Os poderios econômico e políticos também variavam extensamente, destaques à Prússia, Áustria e à Saxônia. Também havia territórios sobre domínio eclesiástico, que variavam quanto ao seu tamanho e influência como os demais territórios que compunham o Império, além das cidades imperiais. Segundo Blackbourn, o Antigo Regime imperava na Europa central não sob uma unidade territorial, mas sob um arquipélago de jurisdições com interesses diversos, o que prejudicava a condução legislativa e administrativa de um Império. Após o Congresso de Viena, e a estabilização europeia, iniciou-se a recuperação dos 38 Estados Germânicos, que sofreram perdas durante as Guerras Napoleônicas. Nesse processo há uma forte construção de nacionalismos monárquicos, criando uma noção muito forte de identidade. Essa construção identitária já mostra seus indícios em 1815, com a criação da Confederação Germânica, liderada pela Áustria dos Habsburgo. Exalta-se ao longo do século XIX a língua e a arte alemã, além de toda uma construção de ideários na educação, outro ponto chave da construção nacional. No que tange a educação, Blackbourne ressalta a importância de conexões emocionais entre

4 os povos de língua germânica, ressaltando um passado comum e as realizações dos mesmos. Blackbourne também ressalta uma consolidação burocrática na região, aumentando-se o controle sobre a sociedade e promovendo maior eficiência e uniformidade do Estado, figura chave para compreender a ascensão germânica. O Estado, em especial o prussiano, foi essencial na promoção de incentivos ao crescimento industrial, criação de infraestrutura, desenvolvimento tecnológico, além da promoção do nacionalismo, seja utilizando-se da via educacional, bélica ou cultural. No que tange os esforços bélicos, ressalta-se o alistamento obrigatório na Prússia, além da manutenção de grandes exércitos, cada vez mais capacitados pelo treinamento intensivo e pela modernização da indústria de armamentos e suprimentos militares. A justificativa dos grandes gastos com efetivo militar se justificam na ameaça que Napoleão havia apresentado no primeiro quarto do século XIX, bem como o poderio do Império Russo, que tinha claras ambições territoriais na Europa Continental. A Áustria também propunha seu próprio projeto de unificação alemão sob sua liderança, a Großdeutschland (A grande Alemanha). Esse conflito entre Prússia e Áustria guiou boa parte da política da região desde o enfraquecimento do Sacro Império Romano Germânico, se acirrando com sua dissolução. O projeto o qual era liderado pela Prússia ficou conhecido como Kleindeutschland (A pequena Alemanha). Nesse contexto, percebe-se a tentativa bem sucedida de imposição prussiana enquanto potência regional sobre os demais Estados, especialmente quando em 1834 institui-se o Zollvenrein, uma zona aduaneira comum aos germânicos, com exceção da Áustria, que buscava fortalecer seu poder na Confederação Germânica, a qual era líder. Nos anos que se seguiram a adesão de diversos Estados se deu, bem como acordos entre a Zona Aduaneira e países não germânicos, engrandecendo a rede comercial dos países da região da Europa Central. Evidencia-se a estratégia da Prússia de tentar isolar a outra potência germânica, buscando miná-la em suas aspirações expansionistas e sua influencia entre os demais Estados que foram oficializados após o Congresso de Viena em Porém, o essencial sobre a concepção de uma zona aduaneira alemã é a uniformização de impostos e importações, favorecendo a indústria nacional, que em meados do século XIX crescia a passos largos em

5 seu processo tardio 1 de desenvolvimento. O livre comércio entre as nações envolvidas também foi fundamental na integração dos mercados e no incentivo ao crescimento do parque industrial, bem como o desenvolvimento tecnológico da indústria, que no início do século XX ultrapassaria a Grã-Bretanha. Vale ressaltar que o Zollvenreinfoi essencial para promover a forte integração entre os Estados Germânicos, que aderiram voluntariamente à unificação em grande parte. O forte crescimento da influencia prussiana e principalmente a ascensão de Otto von Bismark como primeiro-ministro do Kaiser Guilherme I em 1862, foram os headstarters da Unificação alemã, que se deu justamente sob liderança da Prússia, efetivando o processo sob a proposta da Kleindeutschland. A liderança e perspicácia política de Bismark foram essenciais no empreendimento das guerras de unificação alemãs, destacandose o grande poder retórico e estratégico do estadista prussiano. O grau de desenvolvimento industrial e a recuperação bélica após as Guerras Napoleônicas também foram fundamentais para que a unificação fosse bem sucedida, via adesão voluntária dos Estados menores ou pela imposição bélica. Em 1864 promoveu-se a guerra contra a Dinamarca conjuntamente com a Áustria, uma busca pela anexação dos ducados de Schleswig e Holstein, outrora parte do Sacro Império Romano Germânico. Em tese, os ducados deveriam ser divididos entre ambos os reinos, porém a Prússia anexou ambos, o que com a progressiva adesão dos Estados menores do antigo Sacro Império e a dissolução da Conferência Germânica, gerou uma guerra entre as nações. O resultado de tal foi a vitória prussiana 2, e a confirmação da Prússia como líder germânica. Nesse contexto vê-se o esvaziamento do poder austríaco 3, também minado pela dissolução da Santa 1 O processo de industrialização alemã é considerado tardio, se comparado a nações como Inglaterra, apesar de ainda ter ocorrido no século XIX. 2 Há também participação da Itália, que também em processo de unificação e em disputa territorial com a Áustria, se junta aos esforços prussianos. 3 Os Habsbugo foram os Imperadores do Sacro Império Romano Germânico e do Império Austríaco, enfraquecido pela onda de nacionalismos da segunda metade do século XIX. Destaca-se a Unificação alemã sob a égide prussiana, a Unificação Italiana, que absorve uma série de territórios do sul, e a Independência da Hungria, que posteriormente se religa a Áustria formando o Império Austro-Húngaro em 1867, sob a condição da manutenção de um parlamento relativamente autônomo em Budapeste.

6 Aliança, dadas as disputas entre os próprios membros e as incoerências das atuações dos membros, vide a Guerra da Criméia. A hegemonia prussiana no contexto alemão é então definitivamente consolidada. Os alemães, italianos e praticamente todos os movimentos nacionais envolvidos na revolução, exceto os franceses, viramse lutando contra o grande império multinacional dos Habsburgos, que espalhava-se pela Alemanha e Itália, também incluindo os tchecos, húngaros, uma parte substancial de poloneses, romenos, iugoslavos e outros povos eslavos. (Hobsbawm, A Era do Capital p. 28) O outro passo para a consolidação da unificação alemã envolve os territórios da Alsácia Lorena, em disputa historicamente entre germânicos e franceses. Sob o discurso pangermânico e a origem germana da população dessa região, que assim como os ducados dinamarqueses também eram parte histórica da composição do Sacro Império, a Prússia empreendeu uma guerra bem sucedida contra a França, anexando os territórios em disputa e assim completando o processo de unificação, dando origem à Alemanha moderna.com a unificação, a Alemanha tornou-se uma potencia industrial europeia reconhecidamente, sendo que, as vésperas da Grande Guerra, podia ser considerada o maior poder econômico do mundo. Isso se deve ao seu grande desenvolvimento industrial, como também o declínio do poder britânico. Sobre a Unificação Italiana é necessário lembrar que ainda na primeira metade do século XIX o que hoje é compreendido como Itália era uma colcha de retalhos, que continha reinos, territórios isolados, domínios eclesiásticos e regiões dominadas pelos Habsburgo. Nesse aspecto o processo se assemelha muito ao alemã, anteriormente descrito. A peculiaridade, porém se dá pela não centralidade do processo italiano, que ocorreu em duas frentes, uma liderada por Cavour, em nome do Rei Vitor Emanuel II do reino de Piemonte-Sardenha, e Giuseppe Garibaldi, militante republicano popular no sul. Cavour procurou alianças diversas para promover a Unificação do norte, em especial teve colaboração francesa na guerra contra a Áustria (1860), buscando a anexação de uma série de territórios ao norte de Piemonte- Sardenha. A campanha, que ocorreu no mesmo período da guerra entre Áustria e Prússia foi vitoriosa, porém não foram incorporados à Itália todos os territórios pretendidos, reconhecidamente as províncias irridentas. No fronte

7 sul, Garibaldi, republicano convicto, liderando o movimento dos camisasvermelha tomou e unificou os territórios ao sul, conhecidos como Reino das Duas Sicílias. Cavour, por seu turno, precisava mobilizar um aliado (França) para expulsar a Áustria da Itália [...]Cavour encontrou-se [também] diante de uma Itália dividida, com a metade superior unificada sob controle do Estado, e a metade inferior unificada pela guerra revolucionária, liderada militarmente [...] (pelo) chefe guerrilheiro de camisa vermelha Giuseppe Garibaldi ( ). Rápido pensar, veloz conversação e brilhantes manobras foram necessárias para persuadir Garibaldi a entregar o poder ao rei, o que veio a fazer em (Idem, p. 87) Após articulações políticas, Garibaldi reconheceu Vitor Emanuel como rei da Itália unificada, reconhecida formalmente no cenário internacional em 1861 por diversas nações, com exceção da Áustria. O restante do processo de unificação, que incluiu a anexação dos estados pontífices, ocorreram em 1870, com a retirada das tropas francesas que protegiam os domínios papais dado o advento da Guerra Franco-prussiana. Percebe-se, portanto, que ambas as unificações do segundo quarto do século XIX foram altamente interligadas e tiveram forte papel no enfraquecimento dos Habsburgo. Políticas de Aliança The fundamental issue in the international crisis that followed was whether the Austro-Serbian standoff would trigger a showdown between the two great European blocs: the Central Powers of Austria-Hungary and Germany, and the Triple Entente of Russia, France, and Britain. (Stevenson, 1997; p.125) No século XIX percebeu-se uma forte tendência à formação de Alianças, sendo essa uma política predominante da diplomacia em um período de crescente militarização entre os Estados, que apesar de contidos em uma estrutura de Balança de Poder, tinham interesses expansionistas, seja em território europeu, como também em domínios além-mar. Nesse período formam-se dois eixos de aliança principais: a Tríplice Aliança e a Tríplice Entente.

8 A Tríplice Aliança referia-se às Potências Centrais Europeias, estas sendo Alemanha e Áustria-Hungria, com a posterior aliançaitaliana e otomana. Essa política de alianças é, no entanto, peculiar. Alemanha e Áustria-Hungria, mesmo com os ressentimentos e disputas no processo de Unificação Alemã se encontraram como aliadas na defesa de interesses comuns, deter o avanço expansionista russo que ameaçava a estabilidade nos Bálcãs. Além disso, traços culturais germânicos comuns forjaram um sentimento de irmandade entre os povos. Um acordo formal de aliança foi firmado ainda em A Itália era tida como uma aliada Alemã, especialmente dadaà semelhança e a concomitância do processo de unificação, apesar de conter fortes desejos expansionistas em territórios austríacos, o que tornava uma aliança que envolvesse a Áustria-Hungria bastante frágil. No entanto, em 1882 foi firmado um pacto triplo de aliança entre Itália, Alemanha e Áustria-Hungria. Stevenson, por exemplo, não chega a considerar a Itália como efetiva integrante da tríplice aliança, dado que a crise nos Bálcãs no verão de 1914 fez romper-se o frágil arranjo entre italianos e germânicos. Por fim, o Império Otomano viveu um tenso século XIX e início do XX, com fortes movimentos nacionais nos Bálcãs, que promoveram seu esfacelamento progressivo na região e criaram um vácuo de poder. Por outro, seus domínios no norte da África e no Oriente Médio 4 passaram a ser constantemente ameaçados pelos interesses imperialistas. Dada essa situação de fragilidade frente ao domínio por outras potências, o Império Otomano forja uma aliança com a Alemanha, buscando manter os Bálcãs longe da influencia pan-eslavista 5 russa e, principalmente, conter os avanços imperialistas no Oriente Médio. A Tríplice Entente tem origem de um pacto bilateral entre França e Rússia, a primeira nutrindo um forte revanchismo com relação à Alemanha e a segunda ambicionando expansão imperial para os Bálcãs, rivalizando fortemente com a Áustria-Hungria nesse aspecto. Tensões com os austríacos certamente envolveriam a Alemanha em uma guerra nos Bálcãs e essa percepção promoveu um alinhamento Britânico, mesmo que informal, temeroso 4 O Império Turco-Otomano teve sucessivas perdas territoriais nessas regiões, notadamente a Síria, para o Egito, e a Líbia, para Itália. 5 Sobre o pan-eslavismo é interessante ressaltar que o movimento nacionalista nos Bálcãs teve forte influencia etnocêntrica eslava, discurso fortemente apoiado pela Rússia, tida como mãe dos povos eslavos.

9 da emergência de poderes e conflitos muito fortes no centro europeu, em especial nos Bálcãs. Forma-se, então, a Tríplice Entente. Cabe como observação final o fracasso da tentativa de manter-se uma aliança antiga entre russos, alemães e austríacos baseados no Tratado dos Três Imperadores e resquícios de alianças no contexto da Santa Aliança. Á essa política de alianças, Sombra (2007) ressalta a participação política fundamental de Bismark na costura de acordos, que tinham como principal objetivo minar o apoio aos franceses e, portanto, sua influencia na Europa continental. Percebe-se que os interesses imperialistas expansionistas foram mais fortes que os laços que uniram as monarquias, em especial na repressão da Primavera dos Povos em Escalada de Tensões O último quarto do século XIX foi marcado pela expansão imperialista, que buscava inserção nos mercados asiáticos e africanos. É importante ressaltar que esse período compreende ao auge da Segunda Revolução Industrial e do desenvolvimento econômico francês, alemão e outros Estados europeus. Também é perceptível um aumento significativo da velocidade de desenvolvimento dos transportes e comunicações e, consequentemente a maior integralização mundial. Passa a ser altamente vantajoso deter domínios além-mar que forneçam matérias primas e absorvam a crescente produção industrial que se desenvolve no contexto europeu. Além disso, há uma forte crença de que a expansão e a criação de impérios é altamente necessária e lucrativa para os Estados, tida quase como a única fórmula de sobrevivência econômica. Before I914, Europeans tended to exaggerate the political and economic benefits that accrued from conquests. This misconception was common throughout Europe, but, like many other misperceptions, it was most pronounced in Germany and among the armed forces. Military officers often warned that national economic survival depended on the acquisition of more territory. (van Evera, 1985; p.89). Nesse contexto emergem uma série de disputas por domínios diretos e indiretos no globo. As tensões se acirram no pós Unificação Alemã e Italiana, pois, agora com um status político mais amplo, ambas reivindicam territórios no

10 contexto afro-asiático.a Conferencia de Berlim de teve por mote a divisão da África entre as potências europeias e a tentativa alemã de conseguir maior expressividade imperialista e, conseguiu temporariamente manter os ânimos reativamente calmos até o início do século XX. Isso ocorreu de forma violenta, principalmente no contexto de partilha da África, da ocupação territorial de grande parte da Ásia e da abertura da China. Após essa segunda onda de expansão colonial, não havia mais no mundo qualquer verdadeiro vácuo de poder. (Sombra, p.78) Destaca-se no contexto imperialista a divisão da China em zonas de influencia, bem como a tomada da Índia como colônia britânica. Há também momentos de tensão entre as potências, em especial na Crise do Marrocos ( ) 6 que tencionou ainda mais as relações entre França e Alemanha, pois nesse período houve a tentativa alemã de frear os interesses franceses na região, sob a bandeira de defender a soberania do Marrocos. Em 1911 emergiu um segundo ponto de tensão entre as marinhas britânicas e alemã, quanto a uma interferência militar francesa em Marrocos. Britânicos apoiaram cordialmente a França, tecendo os laços da Entente. A Alemanha cedeu aos interesses franceses no Marrocos no que ficou conhecida como a Crise de Agadir, porém, teve como compensação, cessões territoriais no Congo Francês. Outras tensões emergiram no vácuo de poder deixado pela fragmentação do Império Turco-Otomano ao longo do século XIX 7, especialmente gerando tensões entre nações que queriam expandir seu poder na região. A Áustria-Hungira tinha notáveis interesses na região e em 1908, anexou a Bósnia-Herzegovina, incitando russos e os recém independentes sérvios a se preparem para ofensivas nesse âmbito, protegendo seus próprios interesses expansionistas. Os russos sobre o discurso pan-eslavista notoriamente se propuseram a intervir caso as hostilidades austro-húngaras permanecessem, bem como os sérvios e seu projeto da Grande Sérvia foram profundamente mobilizados pela anexação bósnia. 6 Segundo Stevenson, a maior presença alemã em interesses conflitantes com Inglaterra e França pode ter sido um reflexo da diminuição do poderio russo nesse contexto, dadas as revoluções de 1905 e a derrota na guerra russo-japonesa, frustrando pretensões imperialistas russas no Pacífico. 7 Destaque para a interferência russa nos processos, em especial no Tratado de São Estevão e na independência Grega.

11 Outra crise pré-guerra foi a Guerra dos Bálcãs, que uniu quatro recémindependentes 8 Estados do Império Turco-Otomano contra o próprio Império. Essa guerra foi um marco do esfacelando e da perda de poder pelos turcootomanos, como também um forte crescimento do discurso pan-eslavista. As tensões nos Bálcãs aumentaram a animosidade entre Áustria-Hungria e Rússia, bem como fortaleceu os nacionalismos eslavos da região. A corrida armamentista se intensificou na região e fez todas às potencias europeias, direta ou indiretamente envolvidas na tensão se mobilizassem. Sombra (2007) aponta que foi justamente dastensões nos Bálcãs que eclodiu a Primeira Guerra com o assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando, herdeiro do trono austríaco, na Sérvia em junho de A declaração de guerra à Sérvia pela Áustria-Hungria no mês seguinte foi o gatilho para ativação de uma série de políticas de aliança que mergulhou a Europa na Grande Guerra. 1.2 Os Fronts Apesar da tentativa historiográfica de padronização do modelo de combate da primeira guerra, é observado durante o tempo que as frentes de batalhas do conflito eram diversas. Aspectos geográficos, a disponibilidade de recursos e a importância tática da região produziram teatros de guerra singulares que ajudaram a ditar o ritmo e a direção dos acontecimentos em escala global. Tomando como referencia a cronologia dos fatos é evidente uma macro divisão dos frontes de batalha determinada pela posição geográfica do conflito. Dentre os diferentes focos é possível inferir que os conflitos na Europa Ocidental, Europa Oriental, no leste asiático e pacifico, no mediterrâneo, na África ocidental e na África oriental possuíam formatos e aspirações diversas. Contudo, é evidente a concentração de capital, recursos e homens, quanto mais próximos os combates se encontram da Europa. Devido a tal organização de guerra e a distribuição de recursos o potencial de destruição dos eventos eram diferentes, entretanto as conseqüências para cada região são incalculáveis. 8 Sérvia, Montenegro, Bulgária e Grécia.

12 1.3 Transformações do conceito de guerra e o "Nascimento da Idade Moderna" Para os que cresceram antes de 1914, o contraste foi tão impressionante que muitos [ ] se recusaram a ver qualquer continuidade com o passado. "Paz" significava "antes de 1914": depois disso veio algo que não mais merecia esse nome. (HOBSBAWM, 1995, p.30) Neste capítulo pretendemos debater a Grande Guerra sob uma perspectiva teórica que combinará reflexões de diferentes historiadores. Nosso objetivo é provocar reflexões sobre a Grande Guerra, seu impacto político e social, e principalmente as percepções que se construíram sobre esse fenômeno ao longo do último século. Muitos autores participaram da constituição de uma historiografia sobre a Grande Guerra, que buscou investigar não apenas os fatos políticos e militares desse fenômeno. Os autores aqui abordados propuseram alternativas que permitissem compreender o que motivava o cidadão comum a participar de uma guerra tão sangrenta. Buscaram entender como o mundo europeu moderno, fundado em ideais iluministas como o direito à vida, não apenas permitiu, como contribuiu para a concretização de tamanho desastre. Focaremos nossa exposição nas obras de Modris Eksteins (1991), George L. Mosse (1990) e Eric Hobsbawm (1995). Na abertura do capítulo A Era da Guerra Total 9, Eric Hobsbawm deixa claro que a Grande Guerra foi percebida, à época, como o início do fim dos tempos. O autor inicia seu capítulo citando Edward Grey, então Secretário de Relações Exteriores do Reino Unido: as luzes se apagam em toda a Europa [ ] [n]ão voltaremos a vê-las acesas em vida (HOBSBAWM, 1995, p.29). Essa é apenas uma das citações do autor a contemporâneos da Grande Guerra; todos eles se mostram assombrados pela perspectiva real de que aquela guerra significaria o fim de boa parte da raça humana. Ao comparar as guerras do século XX a todas que as precederam, sendo a Grande Guerra a 9 Esse capítulo trata do período que compreende da Primeira Guerra Mundial aos tratados de paz de sucederam a Segunda Guerra Mundial; entretanto, focaremos nas afirmações feitas pelo autor acerca da Primeira Guerra Mundial, por acreditarmos que essas são mais relevantes para as discussões desse comitê.

13 primeira dessas, Hobsbawm afirma que 1914 inaugura a era do massacre (HOBSBAWM, 1995, p.32). Levas de homens saíam por cima do parapeito, geralmente protegido por rolos e teias de arame farpado, para a "terra de ninguém", um caos de crateras de granadas inundadas de água, tocos de árvores calcinadas, lama e cadáveres abandonados, e avançavam sobre as metralhadoras, que os ceifavam, como eles sabiam que aconteceria. A tentativa alemã de romper a barreira em Verdun, em 1916 (fevereiro-julho), foi uma batalha de 2 milhões de homens, com 1 milhão de baixas. Fracassou. A ofensiva dos britânicos no Somme, destinada a forçar os alemães a suspender a ofensiva de Verdun, custou à Grã-Bretanha 420 mil mortos - 60 mil no primeiro dia de ataque. Não surpreende que na memória dos britânicos e franceses, que travaram a maior parte da Primeira Guerra Mundial na Frente Ocidental, esta tenha permanecido como a "Grande Guerra", mais terrível e traumática na memória que a Segunda Guerra Mundial. (HOBSBAWM, 1995, p.33) Entre os autores da História Cultural que propuseram explicações para a Grande Guerra - e a massiva participação popular entre seus combatentes - destacam-se Modris Eksteins (1991) e George L. Mosse (1990). Mosse (1990) aborda a Grande Guerra como o primeiro encontro entre o europeu comum e o assassinato em massa sancionado pelo Estado, ressaltando que [m]ais do que o dobro de homens morreram em batalha ou em decorrência de ferimentos na Primeira Guerra do que em todas as principais guerras entre 1790 e (MOSSE, 1990, p.3). O encontro foi, ainda, aprofundado pelo método: a guerra de trincheiras expôs, dia após dia, o soldado comum ao convívio com insetos e cadáveres em decomposição, utilizados como suporte para armas (MOSSE, 1990, p.5). As roupas, botas e outros pertences dos mortos eram constantemente usurpadas pelos sobreviventes. Eksteins (1991) oferece um panorama mais ampliado sobre a Grande Guerra e suas causas. Para o autor, a ideia de que a guerra é feita entre nações, não apenas cavalheiros e exércitos, emerge naquele momento, 10 Tradução livre: [m]ore than twice as many men died in action or of their wounds in the First World War as were [ ] in all major wars between 1790 and 1914.

14 especialmente a partir da formação do exército alemão. Surge, nesse momento, uma proposta de reestruturação da sociedade através do militarismo e de seus valores. Por causa da ampliação do conceito de guerra e sua abrangência, os civis e todo o apoio que oferecem aos exércitos de seus países tornam-se também alvo da guerra: linhas de abastecimento, monumentos históricos, bibliotecas nada escapou à mira de canhões e bombardeiros (é o caso da Biblioteca da Universidade Católica de Louvain, por exemplo). Essa ampliação do conceito de guerra e de seus alvos imediatos constitui a base do que Hobsbawm (1995) chamou de princípio da Guerra Total. A lógica, que Eksteins (1991) atribui ao Império Alemão, logo se reproduziu pelos militarismos que se espalharam pela Europa. O princípio da Guerra Total foi acompanhado, e viabilizado, por inovações táticas e tecnologias, que subvertiam todas as práticas de guerra até então. Na Primeira Guerra foram introduzidos o uso de lança chamas, a guerra irrestrita de submarinos, inclusive contra navios civis e carregamentos de alimentos, e o uso de gazes letais. Além disso, a guerra prolongada de trincheiras testou a resiliência de nações inteiras: seus exércitos, milhões de homens, encontraram-se sob fogo de artilharia enquanto afundados em cadáveres, lama e infestações. A manutenção da guerra moderna exigiu total mobilização da sociedade civil, incumbida não apenas de alimentar os fronts, mas de suprir todas suas necessidades quanto à produção maciça de armas. Eksteins (1991) busca compreender como isso foi possível. Por que milhões de homens se sujeitaram a essa forma de fazer a guerra? Para o autor, a moral da classe média europeia era o pilar dos esforços na Grande Guerra. Uma moral fundada exatamente nos valores da modernidade: o nacionalismo e a racionalização. Era a classe média que idealizava um desejo individual que pudesse ser conciliado com a necessidade pública, e essa idealização materializou-se em uma ideologia segundo a qual o cumprimento do dever era o grande objetivo daquela classe. A percepção do dever como elo central de comoção e mobilização social e popular teve papel chave na participação massiva da classe média na burocracia estatal, nos empregos públicos e também no exército.

15 O advento da educação secular com valores nacionalistas e históricos, bem como a participação da classe média no aparato estatal, fortaleceram os laços de identificação identitária desse grupo com a nação. Nacionalismo, dever e valorização do trabalho são, portanto, valores que se consolidam simultaneamente e fortalecem as bases morais que, por exemplo, faltavam aos russos para um exército forte. A isso se somava a história de caráter positivista e nacionalista, que buscava conceder substrato sólido, no caso desses países, para o patriotismo. Cumprir o dever era um valor forte na Inglaterra e na França, retomado o tempo todo por políticos, e muito mais sólido que qualquer desejo por aventura (EKSTEINS, 1991). Outra motivação importante foi o uso político, por líderes, de uma barbárie alemã : quanto maior o recrudescimento e o uso de armas e táticas não convencionais e consideradas ilegais e imorais por esses, maior força da vontade de lutar contra a barbárie e por um ideário de civilização. Propagandear a barbárie alemã foi instrumento político de mobilização, que reforçava um senso de dever de defender um mundo em que os ideais ingleses e franceses pudessem triunfar sobre o pragmatismo cruel que as classes médias desses países atribuíram, sem ressalvas, aos alemães (EKSTEINS, 1991). Por outro lado, à medida que a guerra avança, os argumentos deixam o plano da idealização nacional e se transferem para preocupações concretas com suas relações pessoais e a defesa dessas: família, esposa, filhos, vizinhos, amigos. A resiliência ocupa o lugar do entusiasmo. Entretanto, mesmo que não se mencione mais o dever em escritos quando se aproxima o fim da guerra, em 1917, a valorização desse se mantém forte, e até o impacto das insubordinações é restrito. A vontade de perseverar (depois de tantas mazelas) ganha destaque, e é das mais fortes quando relatada nos diários e cartas de soldados que o autor estuda (EKSTEINS, 1991). Para Eksteins (1991), a partir de certo tempo no campo de batalha, o comportamento do soldado passava a ser regido por instintos e reflexos, e pela obediência de ordens enquanto o sujeito se encontra em um estado de consciência praticamente anestesiada pelo choque emocional. O autor afirma que o indivíduo continua a lutar por razões que são muito mais positivas do que negativas, relacionadas a sua cultura: nação, família, relações pessoais, o

16 dever, a responsabilidade que ele inspirava, o conceito de masculinidade que a guerra evocava. Não havia, necessariamente, uma consciência favorável à guerra e à forma como ela é conduzida, mas um arcabouço cultural e de representações - entre elas o nacionalismo. Eksteins (1991) admite que na maioria dos casos esse soldado jamais pensaria nas razões que o mantinham ali; na realidade, o soldado anestesiado raramente pensava em qualquer coisa. O autor fala sobre a superficialidade das cartas enviadas às famílias, sobre a morte dos sentimentos dos soldados, sobre a inutilidade do pensar, reforçando sua teoria, de que o recrudescimento da guerra era tamanho, que houve pouco ou nenhum espaço para a racionalização. No caso do front, os laços de convivência e sociabilidade construídos entre soldados do mesmo regimento se torna destaque, e a resiliência se torna um valor compartilhado. A Sagração da Primavera confirma que, ainda que deserções e insubordinação em exércitos fossem punidos de maneira exemplar, em muitos casos com a morte, não era isso que motivava o soldado da Grande Guerra. Aliás, índices de insubordinação e deserção eram baixos nos exércitos da Europa Ocidental. Ainda que houvesse exceções, fica claro que os principais motins e insubordinações durante a Grande Guerra constituíam-se a partir da contestação de práticas cotidianas, e não de um questionamento à guerra em si. Ao falar do caso russo, a exceção mais marcante entre os exércitos nacionais participantes da guerra, atribui-se a insubordinação e o abandono da guerra à não consolidação de um Estado-Nação moderno e à ausência de uma moral de cunho nacionalista. Um dos elementos que permitiram a subordinação de milhões a exércitos nacionais era fundamentalmente uma educação para o nacionalismo, fenômeno que só foi possível em Estados-Nação modernos, era exatamente o elemento que faltava aos russos (EKSTEINS, 1991). Por fim, para Eksteins (1991), a Grande Guerra teria sido marcada por seu caráter peculiar e transformador, mas também intrinsecamente moderno; já em seu título, o autor chama o evento de nascimento da Era Moderna. A Grande Guerra, afinal, partia da racionalização, valor exaltado pela modernidade, para tentar fabricar mortes eficientes. As partes envolvidas - especialmente a Alemanha - estavam dispostas a subverter todas as regras e tradições vigentes em sua busca por uma revolução das estruturas de poder e relações internacionais. A vitória na guerra era percebida como mais do que a

17 conquista de novos territórios, mas como uma revolução, uma revitalização de ordem espiritual, moral e política. A Alemanha se via como potência, e não mediu esforços para assumir seu papel no concerto internacional de nações, independente dos custos. Seus esforços foram respondidos com iniciativas miméticas da parte da Tríplice Entente, e similar barbaridade e racionalização. Ao fim, a Grande Guerra era percebida, de maneira geral, pelos líderes do mundo, como uma guerra que só podia ser vencida por inteiro ou perdida por inteiro (HOBSBAWM, 1995, p.37). Há que se perguntar o porquê disso, e a explicação de Hobsbawm nos parece convincente: a Grande Guerra foi um conflito em que - ambas partes, tinham como finalidade objetivos ilimitados. A Alemanha reivindicava para si uma posição de única potência no cenário global, assim como faziam Reino Unido e França, e esses objetivos ilimitados determinaram uma completa incapacidade de diálogo e busca por soluções pactuadas, por ambos. A guerra era total também em seus objetivos (HOBSBAWM, 1995). Por fim, a Grande Guerra levou todos a ruínas: a economia britânica demorou muito a se recompor após uma Guerra de tamanhas proporções; a França tornou-se tão amedrontada pelas baixas da Guerra que praticamente preferiu não lutar em 1939; os Impérios Habsburgo, Otomano e Russo entraram em absoluto colapso; e a Alemanha amargou por décadas seguintes a derrota, a crise econômica que se seguiu, e um profundo ódio pelo restante da Europa. Mais que isso, a brutalidade do confronto deixou imaginários coletivos em ruínas após forçar milhões a experimentar de perto o massacre coletivo. Sobre a Grande Guerra, e o século XX, Hobsbawm afirma: sem isso [compreender a primeira guerra], é difícil explicar a crescente brutalidade e desumanidade do século XX (HOBSBAWM, 1995, p.60). 2 - TÓPICO A ALEMANHA 2.1 HISTÓRICO DE CONFLITOS ENTRE FRANÇA E ALEMANHA Impactos da Revolução Francesa e da Era Napoleônica Seguindo um retrospecto histórico, a Revolução Francesa foi um marco no fim do século XVIII e modificou o caminhar do século XIX, repercutindo mudanças importantes no pensamento e na política. Não houve uma revolução na mesma escala na Alemanha, que foi eclipsada na história no período que

18 corresponde à Revolução Francesa e à Era Napoleônica. Nesse contexto, entre 1789 e 1806, houve a dissolução progressiva do Sacro Império Romano Germânico, como já anunciado desde a Paz de Westefália, fragmentando a região e mudando os paradigmas políticos. Porém, a chamada Revolução Francesa despertou o sentimento de mudança no contexto alemão, uma proposição de reforma sobre um sistema considerado atrasado. As revoltas alemãs influenciadas pela Revolução Francesa começaram próximas à fronteira em , em Boppard, Trier, Koblenz, Aachen, Mainz e Colônia. Também havia uma onda de perturbações rurais nas regiões de Renânia, Mosel Valley e Sare, influenciadas pelas jaqueries, revoluções camponesas. O aparato militar foi utilizado na repressão dos movimentos e a Lei Marcial foi declarada.. Foi na segunda metade dos anos 1790 que as revoltas contra os preços altos e os impostos atingiram seu auge, levando às insurreições a Munique, Nuremberg, Augsburg, Stuttgart e Ulm, além de outros focos menores pelas regiões germânicas. O Sacro Império teve dificuldade em controlar os focos revoltosos, dada a grande discordância interna entre os príncipes germânicos. Destaque para o caráter ortodoxo antirrevolucionário na Prússia, inclusive ordenando a prisão de quem mencionasse a Revolução Francesa. The revolution in France was a singular occurrence, the product of a particular combination of social stress, fiscal crisis, noble intransigence, mounting opposition, and loss of confidence in the political system. Some of these elements present in all parts of Germany, all them in some (BLACKBOURNE, p. 41). A estrutura social no que compreende a atual Alemanha remonta um cenário essencialmente rural no qual havia uma superpopulação campesina, pobreza e desemprego. Soma-se a isso uma classe burguesa em formação insatisfeita com a condução política e, principalmente, com a manutenção de privilégios da nobreza em um mundo moderno. No entanto, os camponeses alemães desfrutavam de um grau menor de exploração em relação ao que ocorreu durante o Antigo Regime na França, além de desfrutarem de mais acesso, ainda que limitado, a recursos legais. Também vale ressaltar, que um sistema capitalista menos desenvolvido contribuiu para a contenção do espalhamento de revoltas, destacando-se o ainda grande poder das guildas no

19 processo produtivo, um resquício medieval. Esse é um dos fatos que não permitia a caracterização de uma burguesia propriamente dita como na França, segundo Blackbourn (2003). Nesse período há também o princípio da disputa pela região da Alsácia Lorena, via decreto francês de agosto de 1789 que abolia os domínios feudais alemães na região. A intempérie das disputas entre Prússia e Áustria sobre territórios poloneses na década de 1790 preconizava as grandes disputas entre os reinos que viriam a ser enormes no decorrer do século seguinte, além de dificultar o enfrentamento do inimigo comum, a França. No entanto, ambos reinos concordaram em reafirmar seu suporte ao principio monárquico por meio da Pillnitz, na qual apoiavam o rei da França e se posicionavam contra a revolução. Houve uma intervenção na França, em 1792, na qual a Prússia sofre derrotas para os revolucionários franceses e assina um acordo de paz em 1795, e há a ocupação da Renânia pelos revolucionários. A Áustria também sofre consecutivas derrotas que resultam nos tratados de Campo Formio (1797), Lunéville (1801) e Pressburg (1805). Tais derrotas marcaram o cenário da época, pois os exércitos da Europa central eram expressivos e temidos,e sua derrota demonstrou a força da Revolução Francesa e da mobilização nacionalista popular. Nesse ponto há a percepção do nacionalismo francês como uma força imensa de mobilização popular para causa militar, destacado por Clausewitz (1793). A force appered that beggared all imagination... The people became a participant in war; instead of governments and armies as heretofore, the full weight of the nation was thrown into the balance (Clausewitz 11, 1793). As campanhas de mudaram bastante a história alemã. Além das mudanças de fronteiras, a criação de novos territórios e populações que mudaram de mãos foram distúrbios comuns na época. Além disso, em 1806, há a dissolução do Sacro Império Romano Germânico dado o enorme abalo sofrido com a campanha contra os franceses e a desunião entre os príncipes quanto a quem apoiar. A Prússia, por exemplo se alinhou inicialmente contra Napoleão e a Saxônia à favor. 11 Fala atribuída a Carl vonclausewitz ( ), general prussiano.

20 Napoleão criou Estados independentes e os colocou sob o controle da família Bonaparte, a exemplo do Ducado de Berg e do Reino de Vestefália. Há também a criação do Império Austríaco, apesar das perdas territoriais no sul e próximas a Renânia para Napoleão. A mudança de fronteiras também se dá pela posterior anexação da França dos portos de Bremen, Lubeck e Hamburgo, além do Ducado de Oldenburg. Essa forte expansão dos exércitos de Napoleão caracterizou a emergência de uma animosidade entre os povos germânicos e seus vizinhos latinos. Tais problemas são acentuados necessidade de abastecimento do exercito francês que ocupavam os territórios, abastecimento de provisões, impostos e taxas cobrados sobre as regiões subjugadas criaram um clima de forte rejeição á dominação. Há também indícios que os franceses também roubaram arte e literatura, mandando-as a seus museus e bibliotecas. Esse golpe cultural também é extremamente caro a um nacionalismo alemão emergente. Paradoxalmente, a importância militar desta tática revolucionária para os antifranceses foi quase certamente maior do que a importância militar do jacobinismo estrangeiro para os franceses. Nenhuma área fora das fronteiras da própria França manteve um governo jacobino por um momento sequer após a derrota ou retirada das tropas francesas [...] A razão é óbvia: nessas áreas os movimentos contra a conquista francesa eram movimentos camponeses. Onde o nacionalismo antifrancês não se baseou nos camponeses, sua importância militar foi desprezível. O patriotismo retrospectivo criou uma guerra de libertação alemã em , mas podemos seguramente dizer que, na medida em que se supõe que isso se baseou numa resistência popular aos franceses, é pura ficção. Na Espanha, o povo manteve a resistência aos franceses depois que os exércitos fracassaram; na Alemanha, os exércitos ortodoxos os derrotaram de uma maneira totalmente ortodoxa (Hobsbawm, 1963, p ). A Alemanha não foi reduzida a um celeiro agrícola francês, apesar de ter sofrido em diversas regiões, teve períodos de desenvolvimento em outras, seguindo-se a análise de Balckbourn. Regiões que descaíram com o comércio, em especial as litorâneas, recuperaram-se rapidamente depois. E há destaque

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br

EUROPA NO SÉCULO XIX. http://historiaonline.com.br EUROPA NO SÉCULO XIX A INGLATERRA NO SÉCULO XIX: Era Vitoriana (1837-1901): Hegemonia marítima inglesa. Fortalecimento do poder político da burguesia. Expansão da economia industrial 2ª Revolução Industrial.

Leia mais

Objetivos: - IDENTIFICAR as principais etapas dos processos de unificação da Itália e da Alemanha.

Objetivos: - IDENTIFICAR as principais etapas dos processos de unificação da Itália e da Alemanha. Objetivos: - IDENTIFICAR as principais etapas dos processos de unificação da Itália e da Alemanha. - RELACIONAR as unificações da Itália e da Alemanha aos interesses da burguesia na expansão do capitalismo.

Leia mais

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848

Europa do século XIX IDADE CONTEMPORÂNEA. Revoluções de 1820, 1830 e 1848 IDADE CONTEMPORÂNEA Europa do século XIX O século XIX apresentou, na Europa, a consolidação dos ideais burgueses liberais e a vitória sobre as forças conservadoras/reacionárias. O avanço das forças produtivas

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

Revoluções Liberais do Século XIX

Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Revoluções Liberais do Século XIX Após a queda de Napoleão, os países absolutistas buscaram retomar o Antigo Regime com o Congresso de Viena. As diretrizes básicas do

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa.

Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Aula 17 Primeira Guerra Mundial E Revolução Russa. Esta aula abordará a Primeira Guerra Mundial, suas causas e conseqüências, entre as conseqüências; destaque para a Revolução Russa e a criação do primeiro

Leia mais

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA

HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA HISTÓRIA - 1 o ANO MÓDULO 55 O CONGRESSO DE VIENA E A SANTA ALIANÇA Fixação 1) Em perfeita sintonia com o espírito restaurador do Congresso de Viena, a criação da Santa Aliança tinha por objetivo: a)

Leia mais

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 1914-1918

PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 1914-1918 PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL 1914-1918 ANTECEDENTES BELA ÉPOCA - PERÍODO DE EUFORIA VIVIDO PELA HUMANIDADE PROVOCADO PELO ADVENTO DAS CONQUISTAS TECNOLÓGICAS E ECONÔMICAS DA II REVOLUÇÃO INDUSTRIAL. A ARTE

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

I GUERRA MUNDIAL 1914-1918. Os antecedentes e o conflito

I GUERRA MUNDIAL 1914-1918. Os antecedentes e o conflito I GUERRA MUNDIAL 1914-1918 Os antecedentes e o conflito Somente aqueles que nunca deram um tiro, nem ouviram os gritos e os gemidos dos feridos, é que clamam por sangue, vingança e mais desolação. A guerra

Leia mais

Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação);

Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação); 1. Fatores que contribuíram para a eclosão do conflito: 1.1 - Concorrência econômica ( choque de imperialismos): Inglaterra-1ºpais industrializado X Alemanha (aceleradamente desenvolvida após a unificação);

Leia mais

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo.

Colégio Visão. História Prof. Alexandre. Discursiva D4. Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Colégio Visão História Prof. Alexandre Discursiva D4 Questão 01 - (UFJF MG) Analise as seguintes figuras e leia o texto abaixo. Figura 1: Imperador Napoleão III (left) em Sedan, a 2 de Setembro de 1870,

Leia mais

A Itália e a Alemanha, até o final do século XIX eram regiões descentralizadas. politicamente, formada por diversos

A Itália e a Alemanha, até o final do século XIX eram regiões descentralizadas. politicamente, formada por diversos UNIFICAÇÃO POLÍTICA DA ALEMANHA E DA ITÁLIA A Itália e a Alemanha, até o final do século XIX eram regiões descentralizadas Estados independentes. Em 1871 ocorreu o processo de unificação política destes

Leia mais

A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ. Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais

A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ. Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais A UNIFICAÇÃO ITALIANA E ALEMÃ Direitos Autorias: Prof. Ronaldo Queiroz de Morais SÍNTESE DO PROCESSO O nacionalismo foi a ideologia [ideia motivadora] que justificou a unificação; O Estado-nação se apropriou

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista

A era dos impérios. A expansão colonial capitalista A era dos impérios A expansão colonial capitalista O século XIX se destacou pela criação de uma economia global única, caracterizado pelo predomínio do mundo industrializado sobre uma vasta região do planeta.

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A questão da Irlanda do Norte

A questão da Irlanda do Norte A presença de vários grupos étnicos e religiosos num determinado país pode desencadear conflitos internos, principalmente quando um desses grupos aspira à conquista de sua autodeterminação política. Enquadraram-se

Leia mais

Guerra por domínio territorial e econômico.

Guerra por domínio territorial e econômico. Guerra da Crimeia Quando: De 1853 até 1856 Guerra por domínio territorial e econômico. Cerca de 595 mil mortos Por que começou: A Rússia invocou o direito de proteger os lugares santos dos cristãos em

Leia mais

UNIFICAÇÃO Ã DA D ITÁLIA

UNIFICAÇÃO Ã DA D ITÁLIA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA SUIÇA PENÍNSULA ITÁLICA ÁUSTRIA ESLOVENIA UNIFICAÇÃO DA ITÁLIA Localizada no centro-sul da Europa. Ao norte, faz fronteira com França, Suíça, Áustria e Eslovênia ao longo dos Alpes.

Leia mais

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida

Sumário. David Justino e Sílvia de Almeida Sumário 3. Para uma -pologia da formação das nações e dos nacionalismos 3.3. A unificação da Alemanha e as origens do nacionalismo alemão 3.4 A unificação italiana e o Rissorgimento 3.5 Crise dos impérios

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

Século XIX -> riqueza cultural;

Século XIX -> riqueza cultural; Século XIX -> riqueza cultural; A partir de 1870, inicia-se na França um movimento artístico e cultural chamado Belle Époque (bela época). Respingou mundo à fora, retratando a pujança da burguesia. Nessa

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 1 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. A proclamação da República correspondeu ao encontro de duas forças diversas Exército e fazendeiros de café movidas por razões

Leia mais

CONGRESSO DE VIENA. Três princípios básicos guiaram as negociações:

CONGRESSO DE VIENA. Três princípios básicos guiaram as negociações: CONGRESSO DE VIENA Entre 2 de maio de 1814 e9de Junho de 1815 reuniram-se em Viena os principais representantes do conservadorismo político, comopropósitoderestauraroantigoregimee combater os ideais de

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

Palestina - em defesa da nação oprimida

Palestina - em defesa da nação oprimida Palestina - em defesa da nação oprimida Que o Hamas entregue armas à população! Derrotar a ofensiva sionista com o levante das massas palestinas! Unidade dos explorados do Oriente Médio para enfrentar

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

GEOGRAFIA. Sobre as conseqüências das transformações em curso no Leste Europeu, assinale a opção correta:

GEOGRAFIA. Sobre as conseqüências das transformações em curso no Leste Europeu, assinale a opção correta: GEOGRAFIA Sobre as conseqüências das transformações em curso no Leste Europeu, assinale a opção correta: (A) A maior preocupação com os problemas econômico-sociais tem feito praticamente desaparecer os

Leia mais

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil

A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A vinda da família real e o governo joanino no Brasil A Europa no século XIX Napoleão realizou uma série de batalhas para a conquista de novos territórios para a França. O exército francês aumentou o número

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

Revolução francesa. Monarquia absolutista*

Revolução francesa. Monarquia absolutista* Revolução francesa No desenrolar dos fatos históricos, alguns deles de tão marcantes, dividem os períodos da humanidade. Atualmente os seres humanos dividem a sua atuação no mundo em cinco partes. Pré-História

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

sentimento nacionalista esteve presente em grandes revoluções do século XIX e novamente no

sentimento nacionalista esteve presente em grandes revoluções do século XIX e novamente no 244 A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL INTRODUÇÃO: O crescimento da capacidade de produção mundial provocou uma grande disputa entre as potências mundiais, na procura por novos mercados consumidores e de novas

Leia mais

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique.

2 Por que a Alemanha nazista rompeu com o Pacto Germano Soviético no ano de 1941? Explique. 2 Lista exercícios 2ª Guerra Mundial 1 Os Estados Unidos entraram fundamentalmente na Segunda Guerra Mundial no ano de 1941. Quais foram os principais fatores que causaram a entrada dos Estados Unidos

Leia mais

História Fascículo 06 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 06 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 06 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História Geral A relação entre as guerras mundiais...1 Exercícios...2 Gabarito...4 História Geral A relação entre

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

EXERCÍCIOS HISTÓRIA PRIMEIRA GUERRA

EXERCÍCIOS HISTÓRIA PRIMEIRA GUERRA LICEU DE ESTUDOS INTEGRADOS Aluno:... Série: 3º ano do ENSINO MÉDIO Professor: ANSELMO EXERCÍCIOS HISTÓRIA PRIMEIRA GUERRA 1- Os Tratados de Paz assinados ao fim da Primeira Guerra Mundial "aglutinaram

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria

Oriente Médio. Geografia Monitor: Renata Carvalho e Eduardo Nogueira 21, 24 e 25/10/2014. Material de Apoio para Monitoria Oriente Médio 1.(VEST - RIO) A Guerra do Líbano, o conflito Irã/ Iraque, a questão Palestina, a Guerra do Golfo, são alguns dos conflitos que marcam ou marcaram o Oriente Médio. Das alternativas abaixo,

Leia mais

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro.

10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA. No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10 MULHERES PODEROSAS DA HISTÓRIA No mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, uma seleção com aquelas que governaram com mãos de ferro. 10. Maria Stuart País que governou Escócia Período 1542-1567

Leia mais

A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918)

A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918) A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL (1914-1918) O século XX foi marcado por inúmeras guerras e revoluções. Muitas dessas ocorrências estiveram ligadas às disputas imperialistas travadas entre as grandes potências

Leia mais

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra.

Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. Marcel Gromaire, A Guerra. A partida de soldados portugueses para a guerra. No início de agosto de 1914, as potências europeias desencadearam um conflito militar que ficou conhecido, entre os contemporâneos,

Leia mais

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila

Os Impérios e o Poder Naval. Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Os Impérios e o Poder Naval Apresentação cedida, organizada e editada pelos profs. Rodrigo Teixeira e Rafael Ávila Considerações Iniciais Esse capítulo discutirá a importância que o poder naval teve na

Leia mais

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo

HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo HISTÓRIA Professores: Pedro Alexandre, Guga, André, Osvaldo Comentário Geral Como sempre foi ressaltado em sala de aula, temas como Grécia, Idade Média, Revolução Francesa, Direitos Civis, refugiados,

Leia mais

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX

ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX ONDAS REVOLUCIONÁRIAS LIBERAIS EUROPA NO SÉCULO XIX 1820 Independência da Grécia submetida ao Império turco-otomano, o movimento conquista a autonomia política da região com apoio popular e internacional.

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

MAHATMA GANDHI. Cronologia

MAHATMA GANDHI. Cronologia Cronologia 1869 Data de nascimento de Gandhi 1888 1891 Estudou direito em Londres 1893 1914 Período em que viveu na África do Sul 1920 Lutou pelo boicote aos produtos ingleses 1930 Campanhas de desobediência

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS: 1ª GUERRA MUNDIAL

LISTA DE EXERCÍCIOS: 1ª GUERRA MUNDIAL 1. (Upe 2013) O período de duração da Primeira Guerra Mundial, entre 1914 e 1918, foi marcado por várias mudanças sociopolíticas que redefiniram o mundo de então. Sobre esse contexto, assinale a alternativa

Leia mais

Tensões Separatistas na Bélgica

Tensões Separatistas na Bélgica Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 18 de fevereiro de 2008 Tensões Separatistas na Bélgica Resenha Integração Regional Diego Cristóvão Alves

Leia mais

O MUNDO MENOS SOMBRIO

O MUNDO MENOS SOMBRIO O MUNDO MENOS SOMBRIO Luiz Carlos Bresser-Pereira Jornal de Resenhas n.1, março 2009: 6-7. Resenha de José Luís Fiori, Carlos Medeiros e Franklin Serrano (2008) O Mito do Colapso do Poder Americano, Rio

Leia mais

O continente africano

O continente africano O continente africano ATIVIDADES Questão 04 Observe o mapa 2 MAPA 2 Continente Africano Fonte: . A região do Sahel, representada

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL

UNICAMP REVOLUÇÃO FRANCESA HISTÓRIA GEAL 1. (Unicamp 94) Num panfleto publicado em 1789, um dos líderes da Revolução Francesa afirmava: "Devemos formular três perguntas: - O que é Terceiro Estado? Tudo. - O que tem ele sido em nosso sistema político?

Leia mais

A UNIFICAÇÃO ALEMÃ (1870-1871)

A UNIFICAÇÃO ALEMÃ (1870-1871) A UNIFICAÇÃO ALEMÃ (1870-1871) 1)O Poder Austríaco na Confederação Germânica 1.1. Formação da Confederação Germânica pós-1815 * Após a extinção do Santo Império Romano-Germânico, o Congresso de Viena abriu

Leia mais

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História

ENEM 2014 - Caderno Rosa. Resolução da Prova de História ENEM 2014 - Caderno Rosa Resolução da Prova de História 5. Alternativa (E) Uma das características basilares do contato entre jesuítas e os povos nativos na América, entre os séculos XVI e XVIII, foi o

Leia mais

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais.

a) A humilhação sofrida pela China, durante um século e meio, era algo inimaginável para os ocidentais. Questões: 01. Ao final do século passado, a dominação e a espoliação assumiram características novas nas áreas partilhadas e neocolonizadas. A crença no progresso, o darwinismo social e a pretensa superioridade

Leia mais

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM

O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM O ANTIGO REGIME FRANCÊS ANCIEN REGIM Organização social que vigorou na França, principalmente na época em que os reis eram absolutistas, ou seja, de meados do século XVII até a Revolução Francesa. Tal

Leia mais

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem

A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem QUESTÃO IRLANDESA A Irlanda do Norte, ou Ulster, e a República da Irlanda, ou Eire, situam-se na Ilha da Irlanda. Na Irlanda do Norte, que integra o Reino Unido, vivem cerca de 1,8 milhão de habitantes,

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 8 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Elabore um texto utilizando as palavras do quadro. França Napoleão Bonaparte Egito 18 Brumário guerra Constituição 2. Sobre

Leia mais

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo.

HISTÓRIA. Assinale a alternativa que preenche corretamente os parênteses da Coluna B, de cima para baixo. HISTÓRIA 37 Associe as civilizações da Antigüidade Oriental, listadas na Coluna A, às características políticas que as identificam, indicadas na Coluna B. 1 2 3 4 COLUNA A Mesopotâmica Fenícia Egípcia

Leia mais

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política

Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Modelos de Gestão no setor público e intervenção política Agnaldo dos Santos Observatório dos Direitos do Cidadão Participação Cidadã (Instituto Pólis) Apresentação O Observatório dos Direitos do Cidadão,

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

O globo em jornal. Nesta aula vamos aprender que existem

O globo em jornal. Nesta aula vamos aprender que existem A U A UL LA Acesse: http://fuvestibular.com.br/ O globo em jornal Nesta aula vamos aprender que existem muitas diferenças e semelhanças entre as nações que formam o mundo atual. Vamos verificar que a expansão

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

EUROPA CONFLITOS ÉTNICOS RELIGIOSOS

EUROPA CONFLITOS ÉTNICOS RELIGIOSOS EUROPA CONFLITOS ÉTNICOS RELIGIOSOS A Questão do País Basco Espaço: A etnia separatista basca habita o noroeste da Espanha e sudoeste da França. Os Fatores do Conflito A singularidade do povo basco que

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D]

CADERNO 1 BRASIL CAP. 3. Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA. Resposta da questão 1: [D] Gabarito: EXERCÍCIOS DE SALA Resposta da questão 1: Somente a proposição está correta. Com a expansão napoleônica na Europa e a invasão do exército Francês em Portugal ocorreu a vinda da corte portuguesa

Leia mais

A Organização da Aula

A Organização da Aula Curso: Ciências Sociais Prof. Me: Edson Fasano Sociedade Capitalista: REVOLUÇÃO FRANCESA A Organização da Aula 1º Bloco: Iluminismo e Independência dos EUA. 2º Bloco: - Antecedentes da Revolução Francesa.

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

2) Leia atentamente a manchete da revista abaixo e escolha a alternativa correta:

2) Leia atentamente a manchete da revista abaixo e escolha a alternativa correta: ESCOLA ESTADUAL DR JOSÉ MARQUES DE OLIVEIRA TRABALHO DOS ESTUDOS INDEPENDENTES DO ANO 2013 Aluno: Nº: 9º ano: Matéria: Geografia Valor: 30,00 pontos Nota: Professora: Claudia Vicentino Supervisora: Daniella

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto 3-5-2010 CURSO DE TIS MAHATMA GANDHI Sandra Jacinto 1869 Gandhi nasce no dia 2 de outubro, na Índia ocidental( Porbandar). 1891 - Forma-se em direito em Londres volta para a Índia a fim de praticar a advocacia.

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9

R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9 R E V O LU Ç Ã O F R A N C E S A 17 8 9-17 9 9 A bandeira francesa - o azul representa o poder legislativo/liberdade (Liberté), branco o poder Executivo/Igualdade, (Égalité) e o vermelho o Povo/Fraternidade

Leia mais

REVOLUÇÃO EUROPÉIAS - NACIONALISMO E UNIFICAÇAO. NOVA ONDA REVOLUCIONÁRIA A explosão do liberalismo e do nacionalismo na Europa.

REVOLUÇÃO EUROPÉIAS - NACIONALISMO E UNIFICAÇAO. NOVA ONDA REVOLUCIONÁRIA A explosão do liberalismo e do nacionalismo na Europa. TEXTO HISTÓRIA GERAL PROFESSOR RIBAMAR REVOLUÇÃO EUROPÉIAS - NACIONALISMO E UNIFICAÇAO NOVA ONDA REVOLUCIONÁRIA A explosão do liberalismo e do nacionalismo na Europa. O Congresso de Viena (1814-1815) propôs

Leia mais

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã

Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã Exercícios de Guerra Fria: Guerra da Coreia ao Vietnã 1. As mudanças no panorama internacional representadas pela vitória socialista de Mao-Tsé-tung na China, pela eclosão da Guerra da Coréia e pelas crescentes

Leia mais

Cópia autorizada. II

Cópia autorizada. II II Sugestões de avaliação História 9 o ano Unidade 8 5 Unidade 8 Nome: Data: 1. Marque V para as sentenças verdadeiras e F para as falsas sobre a União Soviética. a) Os russos representavam a maioria no

Leia mais

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA

EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPÉIA E CONQUISTA DA AMÉRICA EXPANSÃO EUROPEIA E CONQUISTA DA AMÉRICA Nos séculos XV e XVI, Portugal e Espanha tomaram a dianteira marítima e comercial europeia, figurando entre as grandes

Leia mais