LEGISLAÇÃO PROFº: DIEGO GOMES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LEGISLAÇÃO 2013.1 1 PROFº: DIEGO GOMES"

Transcrição

1 LEGISLAÇÃO PROFº: DIEGO GOMES

2 2 AULA II 1 - CONSTITUIÇÃO 1.1 CONTEXTO HISTÓRICO O sistema constitucional tem sua existência incerta, todavia sabe-se que em Atenas (Grécia) o regime jurídico tinha uma ordem constitucional que foi criada pela vontade do povo mediante a inserção de leis. Mais a frente, na Idade Média, o Foral de Leão, aceito pelas Cortes desde 1188, como pacto político e civil entre os nobres e D. Afonso IX também podem ser considerado outro marco histórico sobre o tema. Ele assegurava a boa administração da Justiça, a inviolabilidade do domicílio, o direito de propriedade e outros, além de conter a solene promessa do Rei de não promover a Guerra nem a paz: "senão de acordo com o conselho dos bispos, nobres e homens bons, pelo qual devo reger-me". Já a Magna Carta dos ingleses, datada de 1215, e a Bula de Otiro dos húngaros, de 1222, são também marcos expressivos na história do constitucionalismo. A Inglaterra, ou mais propriamente o Reino Unido, com sua tradição liberal, com o seu direito público costumeiro, com o seu sistema típico de regras fundamentais não escritas, é pioneira na história do constitucionalismo, com início no século XIII. De acordo com José Luiz Quadro de Magalhães, ao tratar da Inglaterra vem a dizer que : a Magna Carta não é a primeira Constituição, mas nela podemos encontrar os elementos essenciais do constitucionalismo moderno: limitação do poder do Estado e declaração de direitos da pessoa. A Constituição inglesa delimitou o poder do estado, distribuindo assim competências para as organizações, além da proteção dos direitos das pessoas. Analisando o caráter de construção, contexto e implementação da Constituição Inglesa no século XIII José de Magalhães destaca ainda que : A Constituição inglesa é de extrema complexidade, pois não foi construída sobre uma única base, um texto constitucional produto de um poder constituinte originário, sistematizado, codificado, dividido em títulos, capítulos, seções, artigos, incisos e alíneas, mas é formado por diversas leis que são interpretadas, reinterpretadas e formalmente modificadas, isto tudo somado a Convenções não escrita acordadas no parlamento, o que torna a compreensão da Constituição Inglesa extremamente difícil para nós. Por sua vez, o Constitucionalismo moderno teve início no último quarto do Século XVIII, quando surgiram as primeiras Constituições escritas, como as leis básicas das repúblicas liberais, registrando no seu texto as conquistas da filosofia liberal-individualista. O Estado liberal deveria ser regido por uma Constituição, ou seja, uma lei básica, um código supremo, espécie de pacto ou contrato entre o povo e o Estado, segundo a teoria Jean Jaques Rousseau. Nesse mesmo período e contexto, com a guerra da independência dos Estados Unidos da América do Norte e a revolução francesa, ambas impulsionadas pelas pregações nacionalistas dos séculos XVII e XVIII, surgiu o Estado liberal, documentado pela Constituição escrita, em cujo texto se declaram aqueles direitos fundamentais do homem. Adriano Koenigkam de Oliveira afirma que: A origem formal do constitucionalismo tem vínculo com as constituições dos Estados Unidos da América em 1787 (posteriormente à independência das treze Colônias), e da França em 1791 (após a revolução francesa), com duas características: organização do Estado e limitação do poder estatal, mediante previsão de direitos e garantias fundamentais. Tais previsões foram feitas visando eliminação do arbítrio em benefício do povo titular do poder. Portanto, a Constituição norte americana de 1787 que estabeleceu normas como a forma federal do Estado, os órgãos internos e independentes de poder e suas formas de funcionamento marcam esse momento constitucionalista do mundo, que teve influencia dos estudos de Nicolau Maquiavel, Tomas Hobbes, Jean Jaques Rousseau e Montesquieu.

3 3 1.2 CONSTITUIÇÃO FEDERAL Adriano Koenigkam de Oliveira destaca que: a palavra constituição conduz necessariamente a ideia de que algo foi construído, formado, elaborado, estabelecido, o que não se afastado do conceito de Constituição enquanto norma jurídica, já que ela constitui o Estado, assim considerado como realidade jurídica. A Constituição Federal é o alicerce de todo o sistema jurídico de um País. É a lei fundamental de um Estado, não devendo se sujeitar a interferências externas para a sua confecção. José Afonso da Silva vem a afirmar que a Constituição Federal é um: Sistema de normas jurídicas, escritas ou costumeiras, que regula a forma do Estado, a forma de seu governo, o modo de aquisição e o exercício do poder, o estabelecimento de seus órgãos, os limites de sua ação, os direitos fundamentais do homem e as respectivas garantias. Em síntese, a constituição é o conjunto de normas que organiza os elementos constitutivos do Estado. Por sua vez, Hans Kelsen afirma que a Carta Magna de um país é : é a norma fundamental hipotética (dever-ser), que serve de fundamento lógico de validade da norma positiva suprema, dentro de um ordenamento jurídico, que regula a criação de outras normas. Assim a Constituição pode ser considerada como sistema de normas jurídicas, escritas ou costumeiras, estabelecidas pelo Poder Constituinte, que regulam a estrutura do Estado, a forma de seu governo, o modo de aquisição e o exercício do poder, a organização de seus órgãos, os limites de sua atuação, os direitos fundamentais do homem e suas respectivas garantias CLASSIFICAÇÃO Importante destacar elementos básicos de uma Constituição Federal, tendo em vista suas características específicas, observando assim o contexto de cada uma delas. Assim podemos dizer que as constituições se classificam quanto entre outras características quanto à forma e à origem QUANTO À FORMA: Escritas: quando suas normas se encontram consignadas em um texto. São aquelas cuja preceituação estruturadora do Estado vem documentada em um texto. As constituições escritas, por sua vez, podem ser: Codificadas quando condensadas em um único documento. não-codificadas quando esparsas em diversas leis. Não-escritas também denominadas de constituições costumeiras ou consuetudinárias, elas se baseiam nos usos, costumes e tradições nacionais, bem como na jurisprudência e nas convenções. são as que se fundamentam nos usos e costumes cristalizados pela passagem do tempo e obedecidos por aqueles aos quais se dirigem QUANTO À ORIGEM (OU MODO DE ELABORAÇÃO): Históricas: que emergem de um longo processo de sedimentação política e jurídica. É uma obra que se estende no tempo, através do concerto dos costumes e usos consagrados por diversas gerações. Dogmáticas: também denominadas de populares, democráticas ou promulgadas, são as constituições que o próprio povo elabora e promulga, na instrumentalidade de seus representantes, reunidos em Assembleia Constituinte, especialmente eleitos pelo sufrágio universal e direto.

4 Outorgadas: as que resultam de uma verdadeira concessão do Chefe do Estado, Junta ou Assembleia Governista. São caracterizadas pela ausência de participação popular durante qualquer período do processo CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Durante o período colonial o Brasil não possuiu uma Constituição Federal, até porque Portugal também não tinha em seu ordenamento jurídico uma constituição. A Corte portuguesa era, à época, uma monarquia absolutista, prevalecendo a vontade do soberano ou mesmo de um Primeiro- Ministro todopoderoso, como por exemplo o famoso Marquês de Pombal. Cada monarca que comandava Portugal inseriu algumas Ordenações do Reino Manuelinas, Alfonsinas e Filipinas mas não uma Constituição. Já em 1808, Portugal começou a manifestar o desejo de ter uma Constituição, na esteira da invasão napoleônica a Portugal, num momento em que a Corte portuguesa abandonara o país para refugiar-se no Brasil. A chamada súplica de Constituição foi uma petição endereçada a Napoleão, mediante a qual se pedia a outorga de uma Constituição. Todavia Portugal só veio a ter a primeira Constituição em 1822, após a revolução ocorrida em 1820, que desaguou na eleição em 1821 das Côrtes Geraes, Extraordinárias, e Constituintes, também chamadas de Soberano Congresso. Essa revolução propiciou a elaboração da Constituição de 1822, o que afastou a monarquia absolutista, e criou em Portugal a monarquia constitucional. Ao passo que Portugal lutava contra revoltas internas o que culminou com a mudança de poder, aqui na Colônia D. Pedro I decide ficar no Brasil, culminando em 07 de setembro de 1822 na Independência do Brasil EM 1824 SURGE A PRIMEIRA CONSTITUIÇÃO DO PAÍS Ela nasceu após forte disputa política, sendo que de um lado estava o partido brasileiro com integrantes da chamada elite latifundiária escravista e que ao não aceitar o que estava sendo discutido produziu um anteprojeto, que limitava o poder imperial e tinha o viés antiabsolutista de D. Pedro I e discriminava os portugueses. Esse ante projeto foi denominado de constituição mandioca com forte intenção nacionalista. Dom Pedro I, por sua vez, apoiado pelo partido português (ricos comerciantes portugueses e altos funcionários públicos), em 1823 dissolveu a Assembleia Constituinte existente até então e no ano seguinte impôs seu próprio projeto, que se tornou a primeira constituição brasileira, outorgada ou seja, imposta pelo Imperador. Algumas características desta constituição era o Estado centralizado com poder na Monarquia Constitucional e hereditária exercida pelo rei que estava comandando o país. Essa mesma constituição versava que o país tinha quatro poderes, ou seja, Executivo, Legislativo, Judiciário e o Moderador, que era exercido pelo imperador. Apenas os ricos votavam, pois foi inserido o chamado voto censitário, onde eleitores ricos votavam e os candidatos a qualquer cargo deveria ter bens dentro dos limites definidos pela lei. O catolicismo era a religião oficial do país. Essa Constituição ficou em vigência por 65 anos. Segundo dados históricos o primeiro documento legislativo a tratar sobre a Previdência Social no Brasil foi a Constituição de 1824, a qual dedicou o inciso XXXI de seu art. 179 a tal escopo. Tal dispositivo garantia aos cidadãos o direito aos então denominados socorros públicos EM 1891 SURGE A SEGUNDA CONSTITUIÇÃO BRASILEIRA A Constituição de 1891 surgiu após a proclamação da república no, com os interesses e anseios diretos da oligarquia latifundiária, principalmente os cafeicultores que possuíam bastante força econômica e política no país. Entre outras características estão à definição do Estado Federativo formado por uma

5 República Presidencialista e com três e não quatro poderes como anteriormente. Foi extinto o Poder Moderador do Imperador. Passou a valer o voto universal, para todos, mas com exceções como a impossibilidade dos analfabetos. Todavia, o É instituído o Estado Laico, separando assim da Igreja. Ao invés de províncias os Estados são instituídos formalmente, proporcionando assim maior autonomia aos mesmos. No que diz respeito a Previdência Social a Constituição brasileira de 1891 previu em seu bojo dois dispositivos relacionados ao tema, quais sejam, o art. 5º e o art. 75, sendo que o primeiro dispunha sobre a obrigação de a União prestar socorro aos Estados em calamidade pública, se tal Estado solicitasse, e o último dispunha sobre a aposentadoria por invalidez dos funcionários públicos CONSTITUIÇÃO DE 1891 E O FEDERALISMO Todo o processo de colonização brasileira caminhou para a maior centralização administrativa. O começo das capitanias hereditárias deu, em consequência, o sistema de governos gerais, centralizando na colônia a administração das capitanias. Com uma passagem pelo Vice-Reino até a administração direta do Príncipe Regente, D. João, no Rio de Janeiro, chegamos ao Império. Já aqui estava consolidada a centralização; presidentes de províncias nomeados e por vezes alguns movimentos pedindo Federalismo, mais por incentivo das elites locais, ávidas de poder político, que por consciência política das províncias. Quando, em 1889, com a Proclamação da República foi transformado em Federação viu-se de saída a falta de condições das províncias se administrarem. Por outro lado, nosso sistema federativo não é muito aberto, saturando de competência a União, esvaziando as Constituições estaduais. Aqui, pois, tivemos o inverso do que ocorrera com a Federação Norte-Americana, ou seja, as Constituições estaduais são posteriores à Constituição federal. Assim, o Federalismo caracteriza-se pela autonomia conferida às suas unidades administrativas. Embora sujeitas a um poder maior, que é o da União, possuem, contudo, um certo grau de poder de decisão. As unidades de um sistema federativo têm sua autonomia regulada pela Constituição Federal, que possibilitará maior ou menor centralização administrativa, isto é, estabelecendo um maior ou menor número de competências para estas unidades. Outro aspecto importante dos sistemas federativos é a projeção, em âmbitos regionais e locais, da estrutura funcional do poder: legislativo, executivo e judiciário VARGAS E A CONSTITUIÇÃO DE 1934 O Brasil passou com a mesma constituição por momentos marcantes no início do século XX, como por exemplo, o fim da primeira guerra, a Semana de Arte Moderna de 1922 e a quebra da bolsa em Entretanto com a ascensão de Getúlio Vargas ao Poder, através de um governo provisório é que surgiu mais uma constituição federal. Em 1933 é que foi eleita e instalada a Assembleia Constituinte e que redigiu uma nova constituição para o Brasil e que entrou em vigor em Ela foi promulgada, ou seja, realizada em conformidade com a legislação, através da escolha dos membros por voto. Mudanças sensíveis foram realizadas como a Reforma Eleitoral, que possibilitou o voto secreto e o voto feminino. A Criação da Justiça do Trabalho, além de Leis Trabalhistas com jornada de 8 horas diárias, repouso semanal, férias remuneradas. A constituição de 1934 foi a de menor duração, pois em 1935 Getúlio Vargas suspendeu as garantias constitucionais através do estado de sítio, sendo-o eleito indiretamente para a presidência da república. Essa Constituição foi a primeira no Brasil a prever que o trabalhador, o empregador e o Estado deveriam contribuir para o financiamento da Previdência Social, o que significou um grande progresso de tal Instituto em nosso país.

6 VARGAS E A CONSTITUIÇÃO DE 1937 Eleito indiretamente para o cargo de presidente até 1938, Getúlio Vargas através de uma manobra dentro do governo da um golpe de estado e torna-se ditador. Nesse período o comunismo crescia pelo mundo e Vargas usou dessa situação para justificar o golpe realizado por ele, instituindo assim poderes extraordinários para proteger a sociedade brasileira da ameaça comunista. Ele criou inclusive um falso plano comunista denominado do Cohen.O regime implantado, de clara inspiração fascista, ficou conhecido como Estado Novo. Como características, temos uma Constituição outorgada, ou seja, imposta pelo ditador, com inspiração fascista e de regime ditatorial, com perseguição aos opositores e a intervenção do estado na economia nacional. Vargas aboliu os partidos políticos assim como também a liberdade de imprensa. Ele teve o mandato presidencial prorrogado até a possível realização de um plebiscito que nunca foi realizado. Devido a similaridade com ditaduras da Itália e Polônia, por exemplo, essa Constituição ficou conhecida como a Carta Magna polaca. Paulo Sérgio da Silva ao falar sobre o tema faz uma critica sobre a idealização da Constituição, fazendo um levantamento histórico e comparado ao destacar que: Ao contrário das anteriores (a de 1891 e a de 1934), a Carta de 1937 não seguiu a metodologia republicana clássica ou seja, um anteprojeto elaborado por alguma comissão e posteriormente aprovado pelo Congresso. Foi obra individual do jurista Francisco Campos. Não por acaso, a Constituição de Campos passaria a ser chamada pelos seus críticos de polaca, numa referência à outorgada pelo marechal de Jozsef Pilsudski ( ), líder do golpe militar que o levou ao poder na Polônia em O apoio popular, em função da simpatia pessoal do ocupante do poder, tornara-se, em muitos países, a principal força motriz da unidade política. Nesta Constituição Federal foi instituído o art. 137, alínea m, os seguros em decorrência de acidente de trabalho, sendo eles os seguros de vida, de invalidez e de velhice CONSTITUIÇÃO DE 1946 E A REDEMOCRATIZAÇÃO Após a queda de Getúlio Vargas e a consequente redemocratização do país, era necessário existir uma nova ordem jurídica constitucional, com uma visão democrática e plural. Assim o Congresso Nacional então eleito assumiu a tarefa de discutir e votar a nova Constituição. Como características principais estão o fato de ter sido feita de maneira legal, sendo promulgada e não outorgada. O mandato de o presidente eleito ser de cinco anos, além de oferecer autonomia político-administrativa ainda maior aos estados e municípios. A Constituição de 1946 assegurou ainda à defesa da propriedade privada, inclusive do latifúndio, o direito de greve e de livre associação sindical, a garantia liberdade de opinião e de expressão. Através da emenda de 1961 foi implantado o parlamentarismo, com situação para a crise sucessória após a renúncia de Jânio Quadros. Em 1962, através de plebiscito, os brasileiros optaram pela volta do presidencialismo. A Constituição brasileira de 1946 não representou nenhuma mudança de conteúdo no que tange à Previdência Social se comparada com a Constituição anterior. Todavia, é no bojo desta Constituição que cai totalmente em desuso o termo seguro social, o qual foi substituído, pela primeira vez em termos constitucionais no Brasil, pelo termo Previdência Social CONSTITUIÇÃO DE 1967 E A DITADURA MILITAR Durante o período militar o país teve uma nova Constituição Federal, instituída em 1967 e emendada em 1969 quando absolveu diversos atos institucionais, entre eles o AI-5 que versava sobre a intervenção do governo federal em estados e municípios, suspensão dos direitos políticos, cassação de mandatos, suspensão do habeas corpus e a censura a imprensa. Como características, temos a

7 7 promulgação da Constituição pelo Congresso Nacional após diversas cassações de parlamentares, além da confirmação dos Atos Institucionais. Podemos destacar que durante esse período a Guerra Fria dominava o mundo, principalmente com a medição de forças entre os Estados Unidos, de um lado, e a então União Soviética de outro. O primeiro com regime capitalista enquanto que o segundo com regime econômico socialista. No que diz tange à Previdência Social a maior inovação trazida pela Constituição Federal de 1967 foi a instituição do seguro desemprego. Importante dizer ainda que foi nesse momento incluído o salário família, que antes só havia recebido tratamento infraconstitucional A CONSTITUIÇÃO CIDADÃ DE 1988 Após duas décadas de Ditadura Militar o Brasil retornou ao ambiente democrático na metade dos anos 1980, com a eleição de um presidente não militar, mas de forma indireta, ou seja, por voto pelo Colégio Eleitoral, Tancredo Neves. Com a sua morte antes mesmo de assumir quem comandou o país foi vice-presidente, José Sarney, que assumiu a presidência e cumpriu o mandato até o fim. Sob o comando de José Sarney a Assembleia Constituinte debateu e aprovou a Constituição Federal de 1988, também conhecida como Constituição Cidadã, pois foram inseridos diversos direitos para a população com a implantação do SUS sistema único de saúde, voto facultativo para cidadãos entre 16 e 17 anos, garantia de demarcação das terras indígenas, direitos políticos e civis, a defesa do consumidor, garantia de aposentadoria para trabalhadores rurais sem precisarem ter contribuído para o INSS, fim da censura a emissoras de rádio, TV, jornais e revistas, e novos direitos trabalhistas como férias remuneradas acrescidas de 1/3 do salário, redução da jornada semanal e seguro desemprego. O atual sistema de seguridade social é pautado, em nossa Carta vigente, por vários princípios, dentre eles o princípio da universalidade de cobertura e de atendimento, o que demonstra que o sistema de seguridade social da Constituição Federal de 1988 possui caráter ideário REPÚBLICA BRASILEIRA: res + pública = coisa pública (Estado) Sistema de governo com divisão de poderes, em que o povo exerce por si mesmo a soberania, durante certo lapso de tempo renovável, escolhendo eletivamente delegados para dirigir a Nação e representá-lo nas Câmaras Legislativas, havendo perfeita igualdade de direitos e deveres dos cidadãos. Apresentam-se com maior ou menor autoridade do Presidente; A eleição do Presidente pode ser direta ou indireta: Direta os eleitores votam diretamente no candidato. Indireta: a) o Presidente é eleito através do legislativo; b) o Presidente é eleito por um colégio eleitoral REPÚBLICA PRESIDENCIALISTA Caracteriza-se por uma certa preponderância do executivo, pelo fato do presidente da república possuir um número maior de competências que na república parlamentarista. Apareceu pela primeira vez na convenção de Filadélfia, como versão republicana da monarquia constitucional. São suas principais características: O Presidente nomeia o ministério, que é responsável perante ele;

8 8 A Chefia do Estado e do Governo se incorporam na pessoa do presidente, que tem em suas mãos toda a plenitude do Poder Executivo; A separação das funções do poder é rigorosamente assegurada, embora o seu exercício se caracterize pela independência harmônica. 2. DIREITO DO TRABALHO E LEGISLAÇÃO TRABALHISTA O Direito do Trabalho nasceu junto com o surgimento da sociedade industrial e do trabalho assalariado contra a exploração da mão-de-obra do trabalhador pelo empregador assim como pelo capitalismo e sua evolução histórica vem com as lutas sociais. Todavia as primeiras relações de trabalho eram escravistas e duraram até o século XV, depois veio a servidão feudal no período do feudalismo. No andamento histórico social veio o trabalho no período da burguesia comercial e com a expansão do capitalismo a necessidade de mão de obra humana. De acordo com Vera Lúcia Carlos o aparecimento do Direito do Trabalho decorreu de causas econômicas, políticas, jurídicas e sociais: 1. Econômicas: Revolução industrial (século XVIII): desenvolvimento tecnológico decorrente da implementação do vapor como fonte de energia e do surgimento da máquina, que gerou a produção de bens de consumo em larga escala em fábricas; 2. Políticas: Transformação do Estado Liberal em intervencionista, com a finalidade de conter os abusos que vinham sendo cometidos pelos empregadores, as condições desumanas de trabalho nas fábricas e a revolta dos trabalhadores demonstrada por meio de movimentos grevistas, passando a reconhecer a desigualdade de forças entre os sujeitos da relação de trabalho assalariado e impondo garantias mínimas à parte mais fraca da relação de emprego; 3. Jurídicas: exercício do direito de associação e reivindicação pelos trabalhadores atingidos pelas péssimas condições de trabalho nas fábricas, tais como jornadas de trabalho de 12 a 16 horas, salários infames, desproteção diante de acidentes de trabalho e outras que exigiram um Direito que os protegesse; 4. Social: começaram a surgir doutrinas que influenciaram a criação do Direito do Trabalho, como a doutrina social da Igreja Católica, representada para Encílica Rerum Novarum ( coisas novas ), de 1891, até hoje presente em nosso meio. Segundo os estudos de L. Martin Granizo a formação da legislação do trabalho ocorreu durante os anos de 1802 a 1848 quando foram estabelecidas as primeiras leis de proteção ao trabalhador. Entre 1848 a 1891 delimitou-se o limite de horário de trabalho. Enquanto isso a Consolidação da legislação ocorreu principalmente entre os anos de 1891 a 1919 com a fundação da Organização Internacional do Trabalho (OIT), após a Primeira Guerra Mundial, por influência de Marx. A autonomia do Direito do Trabalho vem ocorrendo desde o ano de 1919 quando a internacionalização das normas do trabalho aconteceu. 2.1 LEGISLAÇÃO TRABALHISTA NO BRASIL No Brasil até o final do século XIX predominava o trabalho escravo. Foi em 1850 o Código Comercial regulou o aviso prévio. Todavia em 1871 com a Lei do Ventre Livre, em 1888 com a abolição da Escravatura e a Constituição Federal de 1891 que permitia associações e reuniões, sem armas podem ser consideradas como as primeiras legislações sobre o direito do trabalho no país. Nesse mesmo ano a legislação proibiu o trabalho de menores de 12 anos. O Marcus Vinícius Pessoa Cavalcanti Villar afirma que : O primeiro período, que se estende de 1500 a 1888, é considerado, pelos especialistas brasileiros, como a pré-história do nosso Direito do Trabalho. Muito embora seja a fase mais profunda da vida do país, esse

9 9 período abarca momentos vivos da história nacional, inclusive da história do trabalho, pois se estende até às vésperas da proclamação da República. No início do século XX, mais precisamente em 1903 foi criado o primeiro estatuto associativista do país com o Decreto 979. Por sua vez, em 1907 surgiu a primeira lei sindical enquanto que em 1916 o Código Civil regulou a relação de emprego como locação de serviços. Frederico Gonçalves Cezar destaca o primeiro Código Civil Brasileiro no ano de 1916 afirmando que as normas ali inseridas serviram de base para a ulterior elaboração da legislação trabalhista especializada, especialmente: a fixação de um prazo máximo de 4 anos para os contratos de duração determinada (art ); aviso prévio de 8 dias para mensalistas, de 4 dias para semanalistas e quinzenalistas e de véspera quando o contrato tivesse duração inferior a 7 dias (art ); enumeração de algumas hipóteses de justa causa para rescisão do contrato (art ); e critérios de reparação decorrentes da rescisão semjusta causa (arts a 1.231). No ano seguinte, em 1917 ocorreram greves gerais por todos os cantos do país, mas foi em 1919 que a legislação regulou o acidente de trabalho. Já em 1922 foram criados os tribunais rurais ao passo em que em 1923 foi instituída a caixa de pensões e aposentadoria dos ferroviários pela Lei Elói Chaves. No ano de 1925 a lei de férias anuais proporcionou o descanso de 15 dias aos trabalhadores. Em 1931 ocorreu a mutilação dos sindicatos no período Vargas através do Decreto Marcus Vinícius Pessoa Cavalcanti Villa destaca, ao falar da década de 1930 que : a primeira medida relevante, nesse setor, de parte dos novos administradores do país, foi a criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio (muitos anos depois transformado no atual Ministério do Trabalho e Emprego). Seu primeiro titular foi LINDOLFO COLLOR, um político que, sem ser jurista, tinha notável formação de sociólogo e pôde, por isso, assessorando-se de técnicos de alto valor, lançar a pedra fundamental do Direito do Trabalho, de que hoje dispomos. Já em 1935 foi criada a primeira lei de indenização por despedida injusta dentro da Lei Geral do Trabalho. Segundo Alessandro Cabral Costa a defesa dos trabalhadores, através da legislação, mais incisiva: inicia-se com a revolução de 1930, a chamada Era Vargas. O advento do Estado Novo operou mudanças decisivas na política interna com a quebra das oligarquias tradicionais que representavam os interesses agrário-comerciais. Durante o governo de Getúlio foi adotada uma política industrialista bastante agressiva, com a substituição da mão-de-obra imigrante pela nacional, formada pelo êxodo rural. Foi criada também uma infraestrutura industrial caracterizada por fortes investimentos na indústria de base e energia e a criação do Conselho Nacional do Petróleo (1938), Companhia Siderúrgica Nacional CSN (1941), Companhia Vale do Rio Doce (1943), Companhia Hidrelétrica do São Francisco (1945). Nos anos de 1946, 1964 e 1989 foram instituídas leis que regularam o direito de greve. Em 1949 tivemos a legislação confirmando o repouso semanal remunerado, ao passo que em 1962 foi criada a lei do 13º salário. Em 1966, 1989 e 1990 regulou-se o FGTS enquanto que em 1972 foi à vez do empregado doméstico ter sua profissão normatizada. No ano de 1973 veio a Lei do trabalho rural e em 1976 a Lei do plano de alimentação do trabalhador. Em 1985 a Lei do vale transporte e no ano de 1988 a Constituição Federal atualmente em vigor e em 1990 veio a Lei do seguro-desemprego. 2.2 CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS TRABALHISTAS A Consolidação das Leis Trabalhistas surgiu em 1943 após os trabalhadores terem garantidos diversos direitos como vimos acima. Destaca-se que o então Ditador Getúlio Vargas não fez um Código, pois como o período era de tensão e de guerra mundial, imaginava-se que após essa época teria um código internacional que iria viger sobre o assunto, assim o governo Vargas compilou a legislação até então existente, criando outros direitos aos trabalhadores instituindo-se assim uma reunião de direitos já existentes.

10 De acordo com Diego Viana : foi designada uma comissão, em 1942, para criar uma lei definitiva. seus dez membros prepararam um anteprojeto para a CLT, que em janeiro de 43 foi levado aos sindicatos e aos empresários para que propusessem eventuais mudanças. 10 Arnaldo Lopes Süssekind destaca que: A ideia inicial do ministro era fazer uma Consolidação das Leis do Trabalho e da Previdência Social. Mas, logo na primeira reunião, o então membro Oscar Saraiva, em nome de toda a comissão, mostrou a S. Exª, o Ministro Marcondes Filho, que os princípios eram diferentes, que a Previdência Social nasceu dentro do Direito do Trabalho, mas dele estava se divorciando, com doutrina própria, com campo de aplicação mais amplo do que o contrato de trabalho. Ele concordou e dividiu a comissão, ficando a do Trabalho com os nomes que enunciei. Importante citar novamente Diego Viana na medida em que o mesmo vem a dizer que Até o fim do século 20, a CLT sofreu mudanças só em tópicos específicos, como a remuneração das férias. O que houve de significativo foi a equiparação gradual do trabalhador rural ao urbano. Atualmente a CLT possui oito capítulos, onze títulos e 922 artigos. Destaca-se também, como vimos anteriormente, diversas outras leis foram criadas após a CLT para normatizar relações trabalhistas, sendo inclusive algumas delas advindas de decretos e que foram inseridos dentro da própria CLT, haja vista que estamos falando de um direito dinâmico e que muda com as alterações do mundo. O Capítulo V da CLT, por exemplo, Da Seguridade e Medicina do Trabalho foi inserida pela Lei de 1977 e dedica dos artigos 154 a 223 para a segurança e a medicina do trabalho, dividindo-o basicamente, em três partes: condições de segurança; condições de salubridade e; outras condições de trabalho tendentes a assegurar o conforto do trabalhador. Já a Constituição Federal, além de tratar de direitos inerentes ao trabalhador versa em seu artigo 7º, inciso XXII, que assegura aos trabalhadores o direito a redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de saúde higiene e segurança. 2.3 LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA As legislações trabalhistas e previdenciárias caminham em paralelo em nosso ordenamento jurídico, tendo em vista que uma, a previdenciária em muitos momentos precisa da outra, a trabalhista. Mas sobre a Previdência Social Lincoln Nolasco vem a dizer que é salutar destacar que os direitos relativos à Previdência Social fazem parte dos assim denominados direitos fundamentais sociais, os quais, de acordo com o disposto pelo art. 6º da Constituição Federal de 1988, são os direitos à educação, à saúde, ao trabalho, à moradia, ao lazer, à segurança, à previdência social, à proteção à maternidade e à infância, à assistência aos desamparados. E sobre direitos sociais o insigne José Afonso da Silva conceitua como : Prestações positivas proporcionadas pelo Estado direta ou indiretamente, enunciadas em normas constitucionais, que possibilitam melhores condições de vida aos mais fracos, direitos que tendem a realizar a igualização de situações sociais desiguais. São, portanto, direitos que se ligam ao direito de igualdade. A Constituição Federal de 1988 inseriu a Previdência Social em um sistema de proteção social mais amplo. Em conjunto com políticas de saúde e assistência social, a previdência compõe o sistema de seguridade social, conforme consta do art. 194, do capítulo que trata da Seguridade Social. De acordo com o citado art. 194, a seguridade social consiste em um conjunto de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da sociedade, destinado a assegurar o direito à saúde, à previdência social e à assistência social. A própria Constituição Federal de 1998 traz, em seus arts. 201 e 203, características da Previdência Social e da Assistência Social, respectivamente, não havendo margem para que haja a confusão entre os dois institutos.

11 Para a finalidade do presente trabalho, nos interessa entender o que vem a ser a Previdência Social. O art. 201 da CF/88 dispõe que a previdência social será organizada sob a forma de regime geral, de caráter contributivo e de filiação obrigatória observados critérios que preservem o equilíbrio financeiro e atuarial. Desta forma, pode-se concluir que a Previdência Social consiste em uma poupança forçada, imposta ao cidadão para que este possua condições financeiras de usufruir da vida em sociedade quando não mais possuir capacidade laboral. Dentre os documentos legais editados durante o referido período, merece destaque a Lei Elói Chaves (Decreto Legislativo n /1923). O referido decreto data do dia 14 de janeiro do referido ano, e pode ser considerado um dos grandes marcos no que toca ao progresso da Previdência Social no Brasil, tendo em vista que foi responsável pela criação das caixas de aposentadorias e pensões para os ferroviários. Além disso, após a Lei Elói Chaves foram sendo criadas inúmeras caixas de aposentadoria em prol das mais variadas categorias de trabalhadores, como os portuários, os servidores públicos, os mineradores etc. Quase todas as caixas de aposentadoria e pensão previam a forma de custeio da previdência da respectiva categoria, além dos benefícios a serem concedidos. Em ordem cronológica, tem-se que o primeiro documento legal editado sob a égide da Constituição Federal de 1937 foi o Decreto-Lei n. 288, o qual data de 23 de fevereiro de O referido decreto foi responsável pela criação do Instituto de Previdência e Assistência dos Servidores do Estado. Logo após, ainda em 1938, foi editado, em 26 de agosto, o Decreto-Lei n. 651, o qual transformou a Caixa de Aposentadoria e Pensões dos Trabalhadores em Trapiches e Armazéns, criando, assim, o Instituto de Aposentadorias e Pensões dos Empregados em Transportes e Cargas. Ademais, já em 1939, foi editado o Decreto-Lei n , datado do dia 9 de março do referido ano. Tal documento, além de ter sido responsável pela filiação dos condutores de veículos ao Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Empregados em Transportes e Cargas, também fez uma ressalva no que tange ao princípio da vinculação pela categoria profissional, utilizando como critério a atividade genérica da empresa. Ainda no ano de 1939 tivemos a edição do Decreto-Lei n , no dia 19 de junho, documento este que instituiu o Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Operários Estivadores. Para finalizar as inovações legislativas ocorridas no ano de 1939, tivemos a edição do Decreto-Lei n , no dia 1º de agosto, o qual foi responsável pela criação do Serviço Central de Alimentação do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários. Por sua vez, no ano de 1940, foi editado o Decreto-Lei n , na data de 9 de abril. Tal documento dispunha sobre o regime de filiação de comerciantes ao sistema da Previdência Social, que passou a ser misto. Em 6 de agosto de 1945, houve a edição do Decreto-Lei n , que estabeleceu um percentual mínimo de 70% e 35% do salário mínimo para as aposentadorias e pensões, respectivamente. Por fim, no dia 19 de janeiro de 1946, pouco antes da promulgação da Constituição Federal de 1946, foi editado o Decreto-Lei n , o qual teve o condão de criar o Departamento Nacional de Previdência Social. A referida Lei Orgânica da Previdência Social (Lei n /1960) instituiu o auxílio-reclusão, o auxílio-natalidade e o auxílio-funeral tendo, portanto, representado grandes avanços também no plano substancial. Em 14 de setembro de 1967 foi editada a lei n , a qual passou a incluir na Previdência Social o seguro de acidentes de trabalho. Em 1º de maio de 1969 foi editado o Decreto-Lei n. 564, o qual passou a contemplar o trabalhador rural na Previdência Social. Em 7 de setembro de 1970 foi editada a LC n. 7. Tal lei foi a responsável pela criação do PIS (Programa de Integração Social). Ademais, ainda no ano de 1970, especificamente de 3 de dezembro, foi editada a LC n. 8, que foi responsável pela criação do PASEP (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público). Em 1971, a LC n. 11, datada de 25 de maio, teve o condão de substituir o plano básico de Previdência Social Rural pelo Programa de Assistência ao Trabalhador Rural (PRÓ-RURAL). Já em 1972, a lei n , de 11 de dezembro, foi a responsável pela inclusão, na Previdência Social, dos empregados 11

12 domésticos. Em 1º de maio de 1974 foi editada a lei n , a qual desmembrou o Ministério do Trabalho e Previdência Social, dando origem ao Ministério da Previdência e Assistência Social. Em 4 de novembro de 1974, a lei n teve o poder de autorizar a criação, pelo Poder Executivo, da Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social (DATAPREV). Em 24 de janeiro de 1976 foi editado o Decreto n , o qual instituiu a Consolidação das Leis da Previdência Social. Já no ano de 1977, especificamente no dia 1º de setembro, foi editada a lei n , responsável pela criação do Sistema Nacional de Previdência e Assistência Social (SINPAS), o qual possuía o escopo de propor a política de previdência e assistência médica, farmacêutica e social. Por fim, como último documento legal editado sob a égide da Constituição Federal de 1967, pode-se citar o Decreto n , o qual foi edital no dia 23 de janeiro de 1984, e teve o condão de aprovar uma nova Consolidação das Leis da Previdência Social. A Previdência Social brasileira é pautada, basicamente, por duas características, a saber: a relação entre o padrão-social do contribuinte e a abrangência da proteção previdenciária a ele conferida; e a restrição da proteção ao nível das necessidades básicas, ou seja, a Previdência Social só abrange a proteção do nível de vida do contribuinte, atentando-se, conforme já salientado, aos limites econômicos estabelecidos de forma prévia. A referida limitação da abrangência da proteção da Previdência Social foi reforçada com o advento da Emenda Constitucional n. 20, de 1998, a qual, além de ratificar o regime contributivo e limitado, também tratou de dispor sobre os regimes de Previdência Social complementares, os quais não possuem limite de cobertura e possuem um regime de vinculação facultativa. Por fim, importante mencionar as mudanças trazidas pela EC n. 41, de 2003, a qual indiscutivelmente trouxe maiores benefícios aos servidores públicos, pois concedeu o direito à aposentadoria integral daqueles que ingressaram no serviço público antes da referida emenda constitucional. 12

13 13 REFERÊNCIAS CARLOS, Vera Lúcia. Direito do Trabalho/ Vera Lúcia Carlos, Gleibe Pretti. São Paulo: Barros, Fischer & Associados, CEZAR, Frederico Gonçalves. O processo de elaboração da CLT: Histórico da Consolidação das Leis Trabalhistas Brasileiras em Disponível em Acessado em 20 a 25 de março de 2013 COSTA, Alessandro Cabral. A Evolução histórica da legislação trabalhista no Brasil Interpretação e aplicação. Disponível em Acessado de 20 a 25 de março de 2013 DA SILVA, José Afonso. Curso de Direito Constitucional Positivo. 15.ed. São Paulo: Malheiros, 1998, p.40. DA SILVA, José Afonso. Curso de direito constitucional positivo, 22 Edição, editora Malheiros, FERREIRA, Pinto. Curso de direito constitucional, p. 97. FIGUEIRA, Manoel Augusto Sales. Estudos Propedêuticos das Instituições de Direito Público e Privado. Salvador: ADUSB / UESB, 1995, p. 105/6. MAGALHÃES, José Luiz Quadros de. O constitucionalismo inglês. Jus Navigandi, Teresina, ano 9, n. 452, 2 out Disponível em: Acesso em: 24 mar KELSEN, Hans. Teoria Geral do Direito e do Estado. Trad. Luis Carlos Borges. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, TEMER, Michel. Elementos de Direito Constitucional. São Paulo: Malheiros, 2001, p. 26. SILVA, Paulo Sérgio. A polaca Disponível em: Acessada em 23 de março de SUSSEKIND, Arnaldo Lopes. Plano de Segurança do Trabalho Disponível em: Acessado em 20 a 25 de março de SUSSEKIND, A.; MARANHÃO, D; VIANNA, S.; TEIXEIRA, L. (2003) Instituições de Direito do Trabalho no Brasil São Paulo: LTR. VILLAR, Marcus Vinícius Pessoa Cavalcanti. Desenvolvimento histórico da legislação trabalhista no Brasil. Disponível em Acessado em 22 de março de 2013 VIANA, Diego. Conheça a História da CLT, que modernizou a legislação em Disponível em Acessado em 24 de março de 2013.

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FICHA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Legislação Trabalhista CÓDIGO: GCT016 UNIDADE ACADÊMICA: FACIP

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito agrário: função social da propriedade; sua evolução e história Paula Baptista Oberto A Emenda Constitucional Nº. 10 de 10/11/64 foi o grande marco desta recente ciência jurídica

Leia mais

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF

Questões fundamentadas Art. 6º ao 11 da CF 1 Para adquirir a apostila de 200 Questões Fundamentadas Dos Direitos Sociais Art. 6º a 11 da CF acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESSA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO. S U M

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles

AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles AS MUDANÇAS NO ESTATUTO JURÍDICO DOS DOMÉSTICOS EC 72/13 Gáudio R. de Paula e José Gervásio Meireles A aprovação do projeto de Emenda Constitucional 66/2012, e a subsequente edição da EC 72/13, relativo

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 3 DIREITO DO TRABALHO 3.1 Conceito de empregador e empregado De acordo com o que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva

Leia mais

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO

RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO RELAÇÃO DE EMPREGO DOMÉSTICO FELIPE VASCONCELLOS CAVALCANTE Universidade Federal de Goiás UFG Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional e Recursos Humanos Departamento de Desenvolvimento de Recursos

Leia mais

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil?

2. O que a Funpresp Exe traz de modernização para o sistema previdenciário do Brasil? Perguntas Frequentes 1. O que é a Funpresp Exe? É a Fundação de Previdência Complementar do Servidor Público Federal do Poder Executivo, criada pelo Decreto nº 7.808/2012, com a finalidade de administrar

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799

REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 REVOLUÇÃO FRANCESA 1789-1799 À procura de solução para a crise: 1787 Luís XVI convocação dos conselheiros para criação de novos impostos Acabar com a isenção fiscal do Primeiro e Segundo Estados CONSEQUÊNCIA

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 067, DE 2011 Regulamenta o exercício das profissões de transcritor e de revisor de textos em braille. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Na produção de textos no sistema

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL NO MERCOSUL ELIANNE MARIA MEIRA ROSA Professora Titular de Direito Internacional Público da Faculdade de Direito da Universidade Braz Cubas. Mogi das Cruzes-SP. Professora de Ética Geral e Profissional da Faculdade

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR Luciana Santos Trindade Capelari Advogada trabalhista e empresarial, Especialista em Direito Processual, e em Direito

Leia mais

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda

Direito Constitucional. Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direito Constitucional Professor Marcelo Miranda professormiranda@live.com facebook.com/professormarcelomiranda Direitos fundamentais de segunda geração Surgimento: necessidade de intervenção estatal em

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil

Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil A palavra democracia (governo do povo) tem origem na Grécia antiga e o princípio democrático tal qual conhecemos hoje tem suas

Leia mais

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO

RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO RELACIONAMENTO JURÍDICO DO ESTADO BRASILEIRO COM INSTITUIÇÕES RELIGIOSAS, NO QUE CONCERNE À EDUCAÇÃO GEORGE DE CERQUEIRA LEITE ZARUR Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais,

Leia mais

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS

TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Autora: Idinéia Perez Bonafina Escrito em maio/2015 TRATADOS INTERNACIONAIS E SUA INCORPORAÇÃO NO ORDENAMENTO JURÍDICO 1. DIREITOS FUNDAMENTAIS E TRATADOS INTERNACIONAIS Nas relações internacionais do

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A isenção da contribuição previdenciária dos servidores públicos (abono de permanência) Luís Carlos Lomba Júnior* O presente estudo tem como objetivo traçar breves considerações

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA

O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL DO MUNICÍPIO DE TAQUARITINGA 1. INTRODUÇÃO A previdência social no Brasil pode ser divida em dois grandes segmentos, a saber: Regime Geral de Previdência Social (RGPS):

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR

PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR PREVIDÊNCIA SOCIAL DO PROFESSOR A Política previdenciária brasileira está organizada em pública e privada. A primeira se subdivide em: Regime Geral da Previdência Social RGPS - abrange a população do setor

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA

O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA O CÔMPUTO DO TEMPO DE PERCEBIMENTO DO SEGURO-DESEMPREGO PARA FINS DE APOSENTADORIA * Juliana de Oliveira Xavier Ribeiro 1) Introdução A finalidade do presente texto é demonstrar a natureza jurídica do

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL DE 1988 Emendas Constitucionais Emendas Constitucionais de Revisão Ato das Disposições

Leia mais

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO

DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO DECLARAÇÃO DA OIT SOBRE OS PRINCÍPIOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Considerando que a criação da OIT procede da convicção de que a justiça social é essencial para garantir uma paz universal e permanente;

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS DO EMPREGADO A LUZ DAS NORMAS DO REGIMENTO GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RGPS Ricardo Benevenuti Santolini 1 Resumo: A norma jurídica possui como princípio basilar regulamentar a conduta

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES.

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES. CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES. Como é uma questão muito exigida em provas objetivas, resolvi resumir diversos livros sobre o tema e postar no site para vocês. Aí vai: 1. Quanto ao conteúdo: Constituição

Leia mais

Senado Federal Subsecretaria de Informações

Senado Federal Subsecretaria de Informações Senado Federal Subsecretaria de Informações Data 19/12/2003 EMENDA CONSTITUCIONAL Nº 41 Modifica os arts. 37, 40, 42, 48, 96, 149 e 201 da Constituição Federal, revoga o inciso IX do 3º do art. 142 da

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02

AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 AULA 02 ROTEIRO CONSTITUIÇÃO FEDERAL ART. 5º; 37-41; 205 214; 227 229 LEI 8.069 DE 13/07/1990 ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE E C A PARTE 02 CAPÍTULO VII DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SEÇÃO I DISPOSIÇÕES

Leia mais

IX ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES

IX ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES IX ENCONTRO NACIONAL DE VEREADORES Previdência Pública Servidores e Agentes Políticos Geilton Costa da Silva Conceito primitivo de previdência A raiz da palavra aponta para a faculdade ou ação de prever,

Leia mais

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu:

A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: A Constituição Federal de 1988 estabeleceu: Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, observado o seguinte: Art. 37º... VI - é garantido ao servidor público civil o direito à livre associação

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL

FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL FLÁVIO ALENCAR DIREITO CONSTITUCIONAL 78 QUESTÕES DE PROVAS DA BANCA ORGANIZADORA DO CONCURSO SEFAZ/MS E DE OUTRAS INSTITUIÇÕES DE MS GABARITADAS. Seleção das Questões: Prof. Flávio Alencar Coordenação

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da Aula 2) Como estabelecer um governo? Constituintes e Constituição 3) Características

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função:

ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS. 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: ESTUDO DIRIGIDO 1 - RESPOSTAS 1. Princípios do Direito do Trabalho 1.1. Quais as funções dos Princípios? RESPOSTA: Os princípios apresentam uma tríplice função: a) Função informativa/inspiradora: informam

Leia mais

Apresentação. Caicó/RN 2010

Apresentação. Caicó/RN 2010 Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação da Faculdade Católica Santa Teresinha CPA/FCST (Aprovado pela Resolução 001/2010-DG/FCST, datado de 14/07/2010) Caicó/RN 2010 Apresentação O Regimento

Leia mais

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012

Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos. Atualizado até a EC n. 70/2012 Resumo de Direito Previdenciário de Servidores Públicos Atualizado até a EC n. 70/2012 Dânae Dal Bianco Procuradora do Estado de São Paulo, mestre em Direito da Seguridade Social pela Universidade de

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O

REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O REVOLUÇÃO FRANCESA Aulas 19 e 20 Pág. 15 P R O F ª C L E I D I V A I N E D A S. R E Z E N D E D I S C. H I S T Ó R I A / 8 º A N O 1 - INTRODÇÃO 1789 a Bastilha (prisão) foi invadida pela população marca

Leia mais

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I: DA NATUREZA E FINALIDADE REGULAMENTO DOS NÚLCLEOS DE ESTUDOS AFRO-BRASILEIROS E INDÍGENAS (NEABIs) DO IFRS Aprovado pelo Conselho Superior do IFRS, conforme Resolução nº 021, de 25 de fevereiro de 2014. CAPÍTULO I: DA NATUREZA

Leia mais

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental

Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental XI Salão de Iniciação Científica PUCRS Meio Ambiente do Trabalho Saudável como Direito Fundamental João Pedro Ignácio Marsillac (apresentador), Denise Pires Fincato (orientadora) Faculdade de Direito -

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS

DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS DIREITO PREVIDENCIÁRIO PARA O CONCURSO DO INSS Primeira Parte Elementos básicos do Direito Previdenciário Célio Cruz Marcos Elesbão Mapas mentais Resumos esquematizados Legislação previdenciária atualizada

Leia mais

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO

DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO CARTA DEL LAVORO (Aprovada no Grande Conselho Fascista, de 21 de abril de 1927) DO ESTADO CORPORATIVO E SUA ORGANIZAÇÃO I - A Nação italiana é um organismo com finalidades, vida, meios, de ação superior,

Leia mais

Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais

Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais Seguridade Social conceituação e princípios constitucionais Seguridade Social Existe no Brasil um sistema de proteção social destinado a proteger todos os cidadãos em todas as situações de necessidade,

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO

VOTO EM SEPARADO DA DEPUTADA ANDRÉIA ZITO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI Nº 6.708, DE 2009. Acrescenta Capítulo III-A ao Título V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO

DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES MÓDULO 3 OUTROS TIPOS DE CONTRATOS DE TRABALHO Índice 1. Outros Tipos de Contratos de Trabalho...3 1.1. Trabalho Rural... 3 1.2. Estagiário... 4 1.3. Trabalho Temporário... 5 1.4.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

O CÁLCULO DO VALOR DO SALÁRIO DE BENEFÍCIO DAS APOSENTADORIAS POR INVALIDEZ DE ACORDO COM O INCISO II DO ART. 29 DA LEI N. 8.

O CÁLCULO DO VALOR DO SALÁRIO DE BENEFÍCIO DAS APOSENTADORIAS POR INVALIDEZ DE ACORDO COM O INCISO II DO ART. 29 DA LEI N. 8. O CÁLCULO DO VALOR DO SALÁRIO DE BENEFÍCIO DAS APOSENTADORIAS POR INVALIDEZ DE ACORDO COM O INCISO II DO ART. 29 DA LEI N. 8.213/91 AUTOR: SÉRGIO ROBERTO LEAL DOS SANTOS. Procurador Federal, Mestre em

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO GRUPO DE TRABALHO QUE PROMOVE A CÂMARA DE NEGOCIAÇÃO DEDESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL DESTINADA A DISCUTIR PROPOSTAS QUE INTERESSAM À CLASSE TRABALHADORA E AOS EMPRESÁRIOS EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL

Leia mais

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2

EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 EMPREGADO DOMÉSTICO Taciana Gimenes NOGUEIRA 1 Fabiana Souza PINHEIRO 2 RESUMO: O presente estudo vem a demonstrar a evolução do trabalhador doméstico no tempo e espaço, desde o inicio de seu reconhecimento

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC

REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA MCC REVOLUÇÃO FRANCESA. MOVIMENTO BURGUÊS França antes da revolução TEVE APOIO DO POVO Monarquia absolutista Economia capitalista.(costumes feudais) sociedade estamental. 1º Estado-

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade.

REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. REVOLUÇÃO FRANCESA REVOLUÇÃO FRANCESA - Marco Histórico: Fim da Idade Moderna. 1789 Símbolo: Queda da Bastilha (1789). Lema: Liberdade, Fraternidade, Igualdade. Influência: Iluminista. DIVISÃO SOCIAL 1º

Leia mais

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE

APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE APOSENTADORIA INTEGRAL X INTEGRALIDADE Alex Sandro Lial Sertão Assessor Jurídico TCE/PI alex.sertao@tce.pi.gov.br Até o advento da EC nº 41/03, era direito do servidor público aposentar-se com base na

Leia mais

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007

Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público. junho de 2007 Audiência Pública na Comissão do Trabalho, Administração e de Serviço Público junho de 2007 Sumário Regulamentação do direito de greve dos servidores públicos Previdência complementar dos servidores da

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL

APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL APOSENTADORIA ESPECIAL DO POLICIAL CIVIL José Heitor dos Santos Promotor de Justiça/SP Silvio Carlos Alves dos Santos Advogado/SP A Lei Complementar Paulista nº. 1.062/08, que disciplina a aposentadoria

Leia mais

Direitos do Empregado Doméstico

Direitos do Empregado Doméstico Direitos do Empregado Doméstico Com a aprovação da Emenda Constitucional n 72, que ocorreu em 02/04/2013, o empregado doméstico passou a ter novos direitos. Alguns deles independem de regulamentação e,

Leia mais

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana

DIREITOS HUMANOS. Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana DIREITOS HUMANOS Noções Gerais Evolução Histórica i Concepções, classificações e características A teoria das gerações de DDHH Fundamento dos DDHH e a dignidade Humana Positivismo e Jusnaturalismo Universalismo

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

II - Fontes do Direito Tributário

II - Fontes do Direito Tributário II - Fontes do Direito Tributário 1 Fontes do Direito Tributário 1 Conceito 2 - Classificação 3 - Fontes formais 3.1 - principais 3.2 complementares 4 Doutrina e jurisprudência 2 1 - Conceito As fontes

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas)

Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) Questões Dissertativas (máximo 15 linhas) 1) O que é tributo? Considerando a classificação doutrinária que, ao seguir estritamente as disposições do Código Tributário Nacional, divide os tributos em "impostos",

Leia mais

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior

A proteção previdenciária do brasileiro no exterior A proteção previdenciária do brasileiro no exterior Hilário Bocchi Junior Especialista em Previdência Social 1 A Seguridade Social está prevista no capítulo II do título VIII (Da Ordem Social) da Constituição

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Férias Remuneradas na Agricultura

Férias Remuneradas na Agricultura 1 CONVENÇÃO N. 101 Férias Remuneradas na Agricultura I Aprovada na 35ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1952), entrou em vigor no plano internacional em 24.7.54. II Dados referentes

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Controle da constitucionalidade: França e Brasil

Controle da constitucionalidade: França e Brasil Fonte: Dr. Carlos Roberto Siqueira Castro Seção: Artigo Versão: Online Controle da constitucionalidade: França e Brasil Publicado 3 horas atrás Crédito @fotolia/jotajornalismo Por Maria Augusta Carvalho

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA DOS ESTADOS UNIDOS DO BRASIL 1891 Nós, os Representantes do Povo Brazileiro, reunidos em Congresso Constituinte, para organizar um regimen livre e democratico, estabelecemos,

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais