CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA:"

Transcrição

1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 02 Aprovação em: 18/08/2014 Unidade Responsável: Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes e procedimentos para o registro e controle de bens móveis que forem incorporados ao patrimônio do legislativo municipal. II ABRANGÊNCIA Abrange a Secretaria de Administração e Finanças - SAF, enquanto unidade responsável e todas as unidades da estrutura organizacional, definida na Resolução n. 03/2013, como unidades executoras, em especial, as chefias administrativas designadas responsáveis pelos bens de sua unidade. III CONCEITOS 1 Bens Imóveis: Os bens não suscetíveis de movimento próprio ou de remoção por força alheia, tais como: terrenos, edifícios, construções etc. 2 Bens Móveis: Os bens suscetíveis de movimento próprio ou de remoção por força alheia tais como: material permanente e material de consumo. 3 Material Permanente: Aquele que em razão de seu uso corrente, não perde a sua identidade física, mesmo quando incorporado a outro bem e/ou tem uma durabilidade superior a dois anos, tais como: equipamentos, veículos, máquinas e mobiliário. 4 Material de Consumo: Aquele que em razão de seu uso corrente, perde normalmente sua identidade física ou tem sua utilização limitada a dois anos, tais como: material de limpeza, higiene e conservação, componentes, acessórios, peças de reposição etc.

2 5 Recebimento: É o ato pelo qual o material encomendado é entregue ao almoxarifado, ou outro local previamente designado, não implicando em aceitação; transfere apenas a responsabilidade pela guarda e conservação do material pelo fornecedor ao órgão recebedor. 6 Inventário: É o procedimento administrativo realizado por meio de levantamento físico de todos os bens patrimoniais móveis estocados ou distribuídos existentes no correspondente ambiente de trabalho. 7 - Patrimônio: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública. 8 - Tombamento: Números seqüenciais de registro patrimonial para identificação e inventário de bens recebidos por ocasião de sua aquisição ou incorporação. 9 - Avaliação patrimonial: a atribuição de valor monetário a itens do ativo e do passivo decorrentes de julgamento fundamentado em consenso entre as partes e que traduza, com razoabilidade, a evidenciação dos atos e dos fatos administrativos Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil Valor justo: é o valor pelo qual um ativo poderia ser negociado, ou um passivo liquidado em uma transação em que não há favorecidos e em que as partes estejam informadas e dispostas a transacionar. 12 Depreciação: é a alocação sistemática do valor depreciável de um ativo ao longo de sua vida útil Valor depreciável: é o custo de um ativo, ou outra base que substitua o custo, menos o seu valor residual. 14 Exaustão: Corresponde à perda do valor, decorrente da sua exploração, de direitos cujo objeto sejam recursos minerais ou florestais, ou bens aplicados nessa exploração. 15 Amortização: é a redução do valor aplicado na aquisição de direitos de propriedade e quaisquer outros, inclusive ativos intangíveis, com existência ou exercício de duração limitada, ou cujo objeto sejam bens de utilização por prazo legal ou contratualmente limitado Vida útil: é o período durante o qual a entidade espera utilizar o ativo, ou número de unidade de produção ou de unidades semelhantes que a entidade espera obter pela utilização do ativo.

3 IV BASE LEGAL E REGULAMENTAR A presente Instrução Normativa integra o conjunto de ações, de responsabilidade do Chefe do Poder Legislativo, sobre o qual dispõem os Artigos 31, 37, 70 e 74 da Constituição Federal, Artigos 94, 95, 96 e 106 da Lei Federal n 4.320/64 e a Lei Federal n 8.429/92, Portaria STN n 406 de 20/06/2011; Resoluções do CFC números 1.128, 1.129, 1.132, e que aprovaram as NBC T de números 16.1, 16.2, 16.5, 16.8 e 16.9 respectivamente, Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal n 162 de 31/12/1998 Anexos I e II, além de outras normas que venham assegurar o cumprimento dos princípios inerentes, bem como Legislação Municipal e disposições do Tribunal de Contas do Estado. V- RESPONSABILIDADES 1 Do Presidente do Poder Legislativo a) Nomear através de Portaria os membros da Comissão Permanente para levantamento do inventário de bens patrimoniais da Câmara Municipal de Sinop. b) Nomear através de Portaria o Chefe de Divisão de Patrimônio. 2 Da Secretaria de Administração e Finanças a) Promover a divulgação e implementação da Instrução Normativa, mantendo-a atualizada; orientar as áreas executoras e supervisionar sua aplicação; b) Promover discussões técnicas com as unidades executoras e com a unidade responsável pelo controle interno, para definir as rotinas de trabalho e os respectivos procedimentos de controle que devem ser objeto de alteração, atualização ou expansão. 2 Da Divisão de Patrimônio a) Conferir e receber os bens patrimoniais, proceder ao tombamento e registro no sistema patrimonial informatizado, controlar a saída de bens para manutenção/conserto, afixar as etiquetas/plaquetas nos bens, emitir o Termo de Responsabilidade e o Termo de Transferência, além de acompanhar a realização dos inventários e proceder aos ajustes necessários para que haja compatibilidade entre a existência física e o registro contábil; b) Alertar a Secretaria de Administração e Finanças sobre alterações que se fizerem necessárias nas rotinas de trabalho, objetivando sua otimização, tendo em vista, principalmente, o aprimoramento dos procedimentos de controle e o aumento da eficiência operacional;

4 c) Manter a Instrução Normativa à disposição de todos os funcionários da Divisão de Patrimônio, velando pelo fiel cumprimento da mesma; d) Cumprir fielmente as determinações da Instrução Normativa, em especial, quanto à padronização dos procedimentos na geração de documentos, dados e informações. 3 Da Divisão de Compras e Almoxarifado a) Realizar as compras de materiais e bens, conforme as solicitações, observando os procedimentos previstos na Instrução Normativa SCL 001/2009; b) Receber os materiais e bens adquiridos, proceder ao registro nos controles pertinentes e zelar pela guarda e controle dos mesmos; c) Cumprir fielmente as determinações da Instrução Normativa, em especial, quanto à padronização dos procedimentos na geração de documentos, dados e informações. 4 Da Secretaria de Controle Interno a) Prestar apoio técnico por ocasião das atualizações da Instrução Normativa, em especial no que tange à identificação e avaliação dos pontos de controle e respectivos procedimentos de controle; b) Através da atividade de auditoria interna, avaliar a eficácia dos procedimentos de controle inerentes ao SPA Sistema de Controle Patrimonial, propondo alteração na Instrução Normativa para aprimoramento dos controles; c) Elaborar check-list de controle. VI PROCEDIMENTOS 1 Da Aquisição, Descrição e Racionalização As compras de materiais para reposição e/ou aqueles para atender necessidades específicas de qualquer unidade deverão, em princípio, ser efetuadas, obedecendo aos princípios da racionalização e da economicidade, através da Divisão de Compras e Licitações ou da Comissão Permanente de Licitação, na forma da Lei n de 21 de junho de Toda aquisição de bens móveis deverá, preferencialmente, estar prevista nos Instrumentos de Planejamento de Governo, ou seja, na Lei de Diretrizes Orçamentária e na Lei Orçamentária Anual A descrição do material para o pedido de compra deverá ser elaborado através dos seguintes métodos:

5 a) Descritivo: que identifica com clareza o item através da enumeração de suas características físicas, mecânicas, de acabamento e de desempenho, possibilitando sua perfeita caracterização para a boa orientação do processo licitatório; b) Referencial: que identifica indiretamente o item através do nome do material aliado ao seu símbolo ou número de referência estabelecido pelo fabricante, não representando necessariamente preferência de marca Quando se tratar de descrição de material que exija maior conhecimento técnico poderá ser juntado ao pedido outros elementos necessários, tais como: modelos, gráficos, desenhos, prospectos, amostras, entre outros Todo pedido de aquisição só deverá ser processado após a verificação da inexistência no almoxarifado, do material solicitado ou de similar ou sucedâneo, que possa atender às necessidades do usuário Deve ser evitada a compra volumosa de materiais sujeitos, num curto espaço de tempo, à perda de suas características normais de uso, também daqueles perecíveis e daqueles que rapidamente se podem tornar obsoletos. 2 Do Recebimento e Aceitação do Bem O recebimento ocorrerá no almoxarifado da Câmara Municipal, salvo quando o mesmo não possa ou não deva ali ser estocado ou recebido, caso em que a entrega far-se-á nos locais designados Qualquer que seja o local de recebimento, a entrada será sempre registrada no almoxarifado Quando da chegada do bem, a Divisão de Patrimônio deverá ser avisada, para fins de conferência e aceitação do mesmo Quando se tratar de bem que requer conhecimento técnico especializado, o responsável pelo patrimônio acionará imediatamente a unidade respectiva, antes de proceder ao recebimento definitivo Quando o material não corresponder com exatidão ao que foi pedido, ou ainda, apresentar falhas, imperfeições ou defeitos, o encarregado pelo recebimento providenciará junto ao fornecedor a regularização, para efeito de aceitação A 2ª via ou cópia da Nota Fiscal, deverá ser repassada à Divisão de Patrimônio para fins de tombamento, demais registros e arquivo.

6 2.7 - A 1ª via da Nota Fiscal, depois de conferida e assinada o recebimento pela Divisão de Patrimônio, deverá ser encaminhado à Contabilidade para fins de liquidação do empenho A 1ª via da Nota Fiscal deverá ter o carimbo Tombado e a data. 3 Do Tombamento, Registro e Controle de Bens Móveis O responsável pela Divisão de Patrimônio de posse da 2ª via ou cópia da NF lançará a entrada no sistema próprio informatizado, inserindo o número de tombamento e data sobre a mesma A etiqueta ou plaqueta de numeração gerada será afixada, no bem, em local de fácil visualização pela Divisão de Patrimônio Termo de Responsabilidade Patrimonial será expedido, exclusivamente, pela Divisão de Patrimônio, sempre que houver alteração na Relação de Carga Patrimonial, assinado pelo responsável pelo patrimônio e da unidade depositária do(s) bem(s) O Termo de Responsabilidade Patrimonial também será emitido quando houver mudança de chefia. 4 Da Movimentação de Bens Móveis A movimentação de bens móveis da Câmara Municipal dar-se-á por transferência de carga patrimonial ou cessão Quando se tratar de transferência de bem ou de carga patrimonial entre os setores, compete à unidade responsável pelo bem solicitar sua movimentação à Divisão de Patrimônio A transferência somente será efetivada após: a) A emissão e assinatura do Termo de Transferência Patrimonial e; b) Emissão e assinatura do Termo de Responsabilidade Patrimonial Quando se tratar de transferência de equipamentos para o Setor de Patrimônio, por não mais ser do interesse da unidade detentora da carga inicial, os bens deverão ser obrigatoriamente inspecionados pela Divisão de Patrimônio.

7 4.5 - A cessão de bens móveis pertencentes à Câmara Municipal, admissível para outros Órgãos da Administração Pública, somente poderá ser efetivada quando autorizado pelo Presidente da Câmara Municipal após, cumpridas as exigências legais e a celebração de Termo de Cessão de Uso A Divisão de Patrimônio remeterá o processo que autoriza a cessão à Contabilidade para a escrituração no Sistema de Compensação da responsabilidade de utilização da entidade beneficiada Através do Termo de Transferência Patrimonial, a Divisão de Patrimônio deverá alterar no Sistema a responsabilidade pela guarda do(s) bem(s) É de inteira responsabilidade do cessionário a guarda e conservação dos bens A cessão não poderá exceder o mandato do Presidente da Câmara Municipal que autorizou, sendo necessário até o final do mandato o cessionário enviar a relação dos bens sob sua guarda, informando suas reais condições para controle da comissão de transmissão, e ainda se há interesse sobre a continuidade da cessão Em havendo interesse do cessionário, caberá ao novo Presidente da Câmara Municipal decidir sobre a renovação do Termo de Cessão de Uso, que em caso positivo seguirá o item e em caso negativo os bens deverão retornar para Câmara Municipal A saída de bens das dependências do Legislativo Municipal para fins de manutenção/conserto após, autorizadas, são de inteira responsabilidade da Divisão de Patrimônio. 5 Da Responsabilidade por Uso, pela Guarda e Conservação Os vereadores e servidores (efetivos, comissionados e contratados) da Câmara Municipal são responsáveis pelos bens que estão sob seu uso e/ou guarda É de responsabilidade dos vereadores e servidores, especificamente, entre outras: a) Conservar os bens do acervo patrimonial, ligar, operar e desligar os equipamentos conforme as recomendações e especificações de seu fabricante; b) Adotar e propor à Chefia imediata providências que preservem a segurança e conservação dos bens móveis existentes em sua unidade; c) Manter os bens de pequeno porte em local seguro;

8 d) Comunicar, o mais breve possível, à Chefia imediata a ocorrência de qualquer irregularidade envolvendo o patrimônio do Legislativo Municipal, providenciando, em seguida, a comunicação por escrito; e) Apoiar os servidores da Divisão de Patrimônio na realização de levantamentos e inventários ou na prestação de qualquer informação sobre bem em uso no seu local de trabalho Os vereadores e servidores públicos poderão ser responsabilizados pelo desaparecimento de bem que lhe tenha sido confiado para guarda ou uso, bem como pelo dano que, dolosa ou culposamente, causar a qualquer bem, esteja ou não sob sua guarda É expressamente vedada a utilização de qualquer bem patrimonial do Legislativo Municipal para fins particulares. 6 Do Inventário de Bens Patrimoniais Móveis A realização dos inventários dos bens patrimoniais móveis tem como objetivo o que segue: a) Cumprir o que determina o artigo 96 da Lei n 4.320/64, de modo que o balanço patrimonial reflita a realidade das exigências e permita o controle de cada bem em uso ou em estoque; b) Verificar a exatidão do detalhamento físico do material com os descritivos no sistema de controle patrimonial, mediante a realização de arrolamento dos materiais em um ou mais ambientes de trabalho; c) Verificar a adequação entre os registros do sistema de controle patrimonial e a contabilidade; d) Fornecer subsídios para avaliação e controle gerencial de materiais permanentes; e) Fornecer informações a órgãos fiscalizadores e para o balanço patrimonial dos bens patrimoniais; f) Confirmar a atribuição de responsabilidade e localização dos bens patrimoniais móveis; g) Verificar a ocorrência de dano, extravio ou qualquer outra irregularidade dos bens patrimoniais móveis Os inventários dos bens patrimoniais móveis do Legislativo Municipal serão realizados: a) Anualmente, para comprovar a exatidão dos registros de controles patrimoniais móveis, demonstrando os bens de cada unidade, o valor total do ano anterior e as variações ocorridas no

9 exercício, elaborado de acordo com o Plano de Contas da Administração Pública em cumprimento ao disposto nos artigos 94 a 96 da Lei n 4.320/64; b) A qualquer tempo, com objetivo de averiguar qualquer bem ou conjunto de bens; c) Na transferência, quando da mudança de um determinado bem para outro setor do Poder Legislativo e mudança de servidor responsável - transferência de responsabilidade; d) Por solicitação da administração da Câmara e solicitação do controle externo ou interno O relatório dos Inventários Analíticos dos bens patrimoniais, para a perfeita caracterização, deverá conter: a) Descrição padronizada; b) Número de registro; c) Valor (aquisição, custo de produção, valor arbitrado ou preço de avaliação); d) Estado (bom, ocioso, recuperável, antieconômico, obsoleto ou irrecuperável); e) Outros elementos julgados necessários O relatório do inventário anual ainda deverá destacar as seguintes ocorrências: a) Os bens localizados fisicamente e não contabilizados; b) Os bens contabilizados e não localizados fisicamente; c) Os bens passíveis de baixa; d) Os bens sem plaqueta e/ou etiqueta de identificação patrimonial; e) Dos bens que sofreram alterações de suas características sem autorização do ordenador de despesas; f) Dos bens cedidos a outros órgãos/entidades Os relatórios finais do Inventário Patrimonial Anual, dos bens existentes em 31 de dezembro de cada exercício, deverão ser encaminhados à Contabilidade da Câmara Municipal até o dia 20 de janeiro do exercício seguinte ao do levantamento, para integrar a Prestação de Contas Físico-Financeira da Câmara Municipal.

10 6.6 - O Inventário Físico Anual será realizado pela Comissão de Permanente de Patrimônio, nomeada através de Portaria, composta de no mínimo 03 (três) servidores, sendo, preferencialmente, 02 (dois) efetivos e estáveis como membros. 7 Disposições Complementares Em nenhuma hipótese os bens móveis podem ser transferidos, cedidos ou recolhidos ao almoxarifado sem a emissão do Termo de Transferência Patrimonial Todo e qualquer recebimento de bem móvel deverá ser conferido e identificado pela Divisão de Patrimônio nos termos definidos por esta Instrução Normativa A guarda e o zelo pelos bens móveis serão sempre de responsabilidade do chefe da unidade administrativa em que os mesmos estiverem lotados Ao final de cada mandato deverá ser elaborada relação completa dos bens e, lavrada ata de transmissão, a qual será assinada pelo gestor que deixa o cargo e daquele que assume a nova gestão Qualquer alteração de característica de um determinado bem patrimonial móvel deverá ser precedida da autorização do Presidente do Poder Legislativo Municipal A reavaliação dos bens patrimoniais será feita por classe de contas (terrenos, edificações, veículos, móveis, equipamentos etc.) anualmente para as contas que variam significativamente e a cada 4 (quatro) anos para as demais contas, de forma simultânea afim de evitar a seletividade Obrigatoriamente, deverão ser divulgados em notas explicativas as seguintes situações que afetam a análise e interpretação dos usuários da informação contábil: a) As incertezas de valores nas demonstrações contábeis ex: inventários b) Valores desatualizados ex: ausência de depreciação ou reavaliação c) Mudança de critérios contábeis d) Critérios de mensuração de valores, métodos de depreciação, definição de vida útil de bens, bens depreciados, bens baixados entre outros. VII DISPOSIÇÕES GERAIS 1 - O descumprimento dos procedimentos aqui definidos será objeto de instauração de Processo Administrativo para apuração da responsabilidade dos atos. 2 - A inobservância desta Instrução Normativa constitui omissão de dever funcional e será punida na forma prevista em lei.

11 3 - Os esclarecimentos adicionais a respeito deste documento poderão ser obtidos junto a Secretaria de Controle Interno SCI que, por sua vez, através de procedimentos de checagem (visitas de rotinas) ou auditoria interna, aferirá a fiel observância de seus dispositivos por parte das unidades da estrutura organizacional. 4 - Esta Instrução Normativa entra em vigor a partir da data de sua publicação, revogando as disposições contrárias e especialmente a Instrução Normativa SPA 001/2009 versão 01, de 31/07/2009. Sinop/MT, 18 de agosto de 2014 Dalton Benoni Martini Presidente da Câmara Municipal José Marcelo Philippsen Secretário de Controle Interno Astério Venceslau Gomes Secretário Geral Rafael de Carvalho dos Reis Secretário de Administração e Finanças

12 ANEXO I IN 001/2009 TERMO DE CESSÃO DE USO DE BENS MÓVEIS DA CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP EM FAVOR DA XXXXXXXXXX. A CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP Estado de Mato Grosso, inscrita no CNPJ sob o nº / , situada na avenida das figueiras nº 1835, Setor Comercial, Sinop - Estado de Mato Grosso, doravante denominada CEDENTE, neste ato representada pelo seu Presidente, o Exmo. Sr.xxxxxxxxxxxxxx, e de outro lado (NOME, CNPJ, ENDEREÇO COMPLETO, ETC), doravante denominada CESSIONÁRIA, neste ato representada pelo Sr. xxxxxxxxxxx, têm entre si ajustado o presente TERMO DE CESSÃO DE USO, mediante as seguintes condições: CLÁUSULA PRIMEIRA O presente TERMO tem por objeto a Cessão de Uso de bem(ns) móvel (is) pertencente(s) à CEDENTE e descrito(s) no Anexo I, em favor da CESSIONÁRIA, que ficará(ao) alocados na xxxxxx, pelo prazo de xxxxxxx, a contar da data de sua assinatura O prazo fixado no caput poderá ser renovado, desde que a CESSIONÁRIA manifeste o seu interesse mediante comunicação prévia feita, no mínimo 30 dias antes do término da vigência deste instrumento de Cessão de Uso, e aceito pela CEDENTE A CEDENTE, a qualquer momento, poderá revogar a presente Cessão de Uso, caso em que o(s) bem(ns) deverá(ao) ser devolvido(s) imediatamente pela CESSIONÁRIA.

13 CLÁUSULA SEGUNDA Constituem obrigações da CESSIONÁRIA: 2.1. Zelar pela integridade do(s) bem(ns), conservando-o(s) em perfeito estado; 2.2. Devolver o(s) bem(ns), objeto(s) do presente ajuste, em perfeitas condições, ressalvado o seu desgaste normal, tanto na hipótese de término do prazo fixado na Cláusula Primeira, como no caso de sua rescisão antecipada Encaminhar anualmente relação dos bens sob sua guarda em consonância com os procedimentos estabelecidos pela Divisão de Patrimônio da CEDENTE Permitir à CEDENTE a fiscalização do(s) bem(ns) Em caso de perda, a qualquer título, ou dano no(s) bem(ns) cedido(s), ressarcir a CEDENTE pelos prejuízos causados, podendo, a critério da CEDENTE, tal reposição ser realizada por bem(ns) de igual valor, espécie, qualidade e quantidade Arcar com as despesas de transporte e seguro ou quaisquer outras que venham a incidir sobre o(s) bem(ns) objeto(s) da presente Cessão de Uso.

14 CLÁUSULA TERCEIRA Fica eleito o foro da Comarca de Sinop, Estado de Mato Grosso como competente para julgar dúvidas ou controvérsias que não puderem ser resolvidas amigável e administrativamente pelas partes. E, por estarem justas e acordadas, firmam o presente Termo de Cessão de Uso de Bem(ns) em duas vias de igual teor e forma, acompanhadas das testemunhas abaixo subscritas: Sinop, Estado de Mato Grosso. Em, CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP Testemunhas: 1. 2.

15 ANEXO I ESPECIFICAÇÕES DO BEM(NS)

16 ANEXO II IN 001/2009 PROCEDIMENTOS Verificar se: 1 Os membros da Comissão Permanente para levantamento do inventário de bens patrimoniais foram nomeados através de Portaria e respeitado o numero mínimo de 03 servidores, sendo preferencialmente dois servidores do quadro efetivo. 2 Existem registros atualizados relativos à identificação, à localização, ao valor dos bens móveis e dos responsáveis pela sua guarda e administração. 3 Os registros contábeis dos bens móveis conferem com os registros cadastrais. 4 No controle dos bens móveis há registro de: a Distribuição dos bens móveis; b Afixação de plaquetas de identificação com número do registro; c Emissão de termo de responsabilidade e guarda dos bens; d Recolhimento por inservibilidade, perda ou extravio, furto ou roubo, alienação, doação, desnecessidade, obsoleto, etc; e Redistribuição; f Cessão, troca ou transferência; g Baixa, etc. 5 As ocorrências com os bens são comunicadas pelos responsáveis ao departamento de patrimônio. 6 No controle cadastral dos bens móveis há informações de: a Número do registro cadastral; b Requisitante do bem; c Nomenclatura e descrição do bem;

17 d Dados do fornecedor; e Número da nota de empenho, valor e fonte de recursos; f Movimentação de carga, data, número do documento fiscal, número do termo de responsabilidade, transferência, recolhimento, descrição da declaração, etc; g Identificação do responsável que autorizou a baixa. 7 Existem termos contento assinatura dos responsáveis por setor. 8 Todos os bens em uso estão identificados por meio do número de tombamento. 9 As aquisições, baixas, cessões, doações e permutas estão regularmente registradas na contabilidade. 10 Foram observadas as normas de licitação nas aquisições e alienações. 11 Estão sendo realizados inventários anuais dos bens e a soma dos valores obtidos conferem com o valor registrado na contabilidade. 12 Ao realizar depreciações, correções (se for o caso) e reavaliações legais foram utilizados índices vigentes Houve divulgação em notas explicativas das seguintes situações que afetam a análise e interpretação dos usuários da informação contábil: a) As incertezas de valores nas demonstrações contábeis ex: inventários b) Valores desatualizados ex: ausência de depreciação ou reavaliação c) Mudança de critérios contábeis d) Critérios de mensuração de valores, métodos de depreciação, definição de vida útil de bens, bens depreciados, bens baixados entre outros. 14 O setor contábil foi informado sobre aquisições, alienações, cessões, permutas, baixas, reavaliações ou quaisquer alterações havidas, e se estes atos estão autorizados pela administração superior. 15 Todos os bens móveis cedidos ou recebidos em regime de comodato possuem o respectivo termo de cessão de uso. 16 A cessão não excedeu ao mandato do Presidente da Câmara Municipal que autorizou. 17 Em toda saída e retorno do bem para conserto existe controle formal. 18 Está sendo realizado inventário físico-financeiro de todos os bens móveis, pelo menos uma vez por ano.

18 19 No final de cada mandato foi elaborada relação completa dos bens e lavrada ata de transmissão assinada pelo gestor que deixa o cargo e por aquele que assume a nova gestão. BENS IMÓVEIS Verificar se: 1 O imóvel tem escritura pública devidamente arquivada e registrada em cartório. 2 Consta do processo do bem imóvel os documentos complementares como: a Planta do terreno com representação das benfeitorias; b Planta de situação; c Folha de tombo; d Ficha de cadastro do imóvel no controle patrimonial; e Laudo de vistoria; g Termo de entrega e recebimento do imóvel; h Termos de recebimento provisório e definitivo de obra; i original do habite-se 3 Existe registro de relato das condições dos imóveis sobre limpeza, conservação e posse. 4 Há registro de emissão de laudo de avaliação anual do imóvel emitido por comissão, e atualização por lançamento contábil no ativo não circulante. 5 Existe registro contábil identificando o bem imóvel pertencente à Câmara. 6 Há comunicação à contabilidade, através de documento hábil, a ocorrência de baixa ou incorporação de bem imóvel. 7 O bem imóvel está arrolado no inventário analítico anual. 8 O bem está corretamente classificado nas demonstrações contábeis.

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 31/07/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011. Sistema de Controle Patrimonial INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 22/12/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de Controle Patrimonial I FINALIDADE Estabelecer as diretrizes,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 002/2009. Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA:

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 002/2009. Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA: CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 002/2009 Versão: 02 Aprovação em: 18/08/2014 Unidade Responsável: Secretaria de Administração e Finanças - SAF SPA: Sistema de Controle

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína CNPJ 04.709.778/000-25 SCI - 007/203 3/05/203 /8 ) DOS OBJETIVOS:.) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Patrimônio;.2) Regulamentar o fluxo operacional de movimentação patrimonial móveis

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014

PODER EXECUTIVO. Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 Publicado no D.O. de 14.01.2014 DECRETO Nº 44.558 DE 13 DE JANEIRO DE 2014 REGULAMENTA A GESTÃO DOS BENS MÓVEIS INTEGRANTES DO PATRIMÔNIO PÚBLICO DO PODER EXECUTIVO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO E DÁ OUTRAS

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA PORTARIA Nº. 006/2014 Dispõe sobre a nomeação de comissão especial de inventário físico, contábil e baixa do patrimônio público no âmbito da Câmara Municipal de Jangada MT. O Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 010/2012

MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 010/2012 MINUTA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº. 010/2012 DISPÕE SOBRE AS NORMAS E PROCEDIMENTOS A SEREM OBSERVADOS NO REGISTRO, CONTROLE, INVENTÁRIO E DEPRECIAÇÃO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICÍPIO DE NOVA VENÉCIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2010

RESOLUÇÃO Nº 12/2010 RESOLUÇÃO Nº 12/2010 Dispõe sobre a incorporação, carga patrimonial, movimentação, controle, responsabilização, conservação, recuperação, baixa, reaproveitamento e alienação de bens permanentes no âmbito

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 02/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE NOVA MUTUM CRIADA PELA LEI MUNICIPAL N.º 241/94 DE 28/03/94 - CNPJ 00.203.134/0001-00

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE NOVA MUTUM CRIADA PELA LEI MUNICIPAL N.º 241/94 DE 28/03/94 - CNPJ 00.203.134/0001-00 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/2012 Versão: 01 Aprovação em: 23/10/2012 Ato de aprovação: Resolução /2012 Data da aprovação: 23/10/2012 Unidade Responsável: Departamento de Controle de Patrimônio I - FINALIDADE

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 016/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social, RESOLVE: Art. 1º - Estabelecer normas e

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO 1 - INTRODUÇÃO O Setor de Patrimônio do Campus Timóteo é uma extensão da Divisão de

Leia mais

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop.

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP PARANÁ. CONSELHO ADMINISTRATIVO SESCOOP PARANÁ RESOLUÇÃO No. 06 de 14 de fevereiro de 2000 ORIENTA E NORMATIZA O CONTROLE DE BENS PERMANENTES

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES

INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 001/2014 DISPÕE SOBRE REGISTRO, CONTROLE E INVENTÁRIO DE BENS MÓVEIS E IMÓVEIS DO MUNICIPIO DE VENDA NOVA DO IMIGRANTE - ES Versão: 02 Aprovação em: 23/12/2014 Ato de aprovação:

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP.

Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP. Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP. O Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL nº. 002 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCL Sistema de Compras e Licitações Versão: 1.0 Aprovada em: 17/12/2010 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Licitações

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE

CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE CONTROLES DE PATRIMÔNIO, ALMOXARIFADO E TRANSPORTE PATRIMÔNIO CONCEITO: Compreende o conjunto de bens, direitos e obrigações avaliáveis em moeda corrente, das entidades que compõem a Administração Pública.

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido RESOLUÇÃO Nº. 012/2012. Homologa a Instrução Normativa do Sistema de Controle de Patrimônio - SCP Nº 01/2012 VERSÃO 01/2012, que dispõe sobre os procedimentos de controle patrimonial de bens móveis do

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 799/2007. (publicada no DOE nº 230, de 05 de dezembro de 2007) Regulamenta a administração dos

Leia mais

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e,

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e, Publicação: 22/09/99 PORTARIA Nº 1145/1999 Dispõe sobre aquisição, controles e formas de desfazimento de bens móveis permanentes no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e Comarcas do Estado de Minas

Leia mais

DECRETO 4.479 DE 01 DE AGOSTO DE 2013.

DECRETO 4.479 DE 01 DE AGOSTO DE 2013. DECRETO 4.479 DE 01 DE AGOSTO DE 2013. Dispõe sobre o controle e a baixa do material permanente e de consumo no âmbito da Prefeitura Municipal de Severínia e Autarquias, nomeia a Comissão de Reavaliação,

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº RJ-PGD-2007/00095 de 8 de outubro de 2007

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº RJ-PGD-2007/00095 de 8 de outubro de 2007 PORTARIA Nº RJ-PGD-2007/00095 de 8 de outubro de 2007 O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS SERVIÇOS AUXILIARES DA - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ESTADO DO PARANÁ CONTROLADORIA INTERNA

CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS PINHAIS ESTADO DO PARANÁ CONTROLADORIA INTERNA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 09/2008 Dispõe sobre as normas gerais e orientações a serem adotadas para o controle e conservação dos bens patrimoniais sob a responsabilidade da Câmara Municipal de São José dos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 003/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 003/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 003/2015. DISPÕE SOBRE O PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE ESTOQUE, QUANTO AO RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM, ENVIO DE MATERIAIS ADQUIRIDOS PELA

Leia mais

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1.1) CONTROLE DE ACERVO BIBLIOGRÁFICO Os livros, periódicos e demais acervos considerados gráficos (discos, fitas, slides, etc) serão registrados e tombados na

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006

INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 INSTRUÇÃO Nº 019 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2006 Orienta os órgãos da Administração Direta do Poder Executivo Estadual sobre os procedimentos a serem aplicados no controle patrimonial de bens móveis, em conformidade

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS

ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS ROTEIRO DE AUDITORIA DE BENS PATRIMONIAIS 1 - OBJETIVO A Auditoria de Bens Patrimoniais tem por objetivo examinar os controles administrativos e contábeis, a situação e condições, bem como a verificação

Leia mais

MINUTA DE DECRETO. CASP Online - DPM

MINUTA DE DECRETO. CASP Online - DPM MINUTA DE DECRETO CASP Online - DPM Normatiza o controle da movimentação dos bens patrimoniais móveis da administração pública direta do Município. Art. 1º Este Decreto estabelece normas administrativas

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido RESOLUÇÃO Nº. 011/2012. Aprova a Instrução Normativa do Sistema de Controle Interno - SCA N.º 001/2012 VERSÃO 01/2012, que dispõe sobre a elaboração de Normativa do Sistema de Almoxarifado paro o Sistema

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso PORTARIA Nº 005, DE 06 DE JANEIRO DE 2014. O Vereador WELITON ÚNGARO DUARTE, Presidente da Câmara Municipal de Tangará da Serra, Estado de Mato Grosso, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA CNPJ 15.061.773/0001-55

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE NORTELÂNDIA CNPJ 15.061.773/0001-55 PORTARIA N.º 012/GP/2010 DE 01 DE SETEMBRO DE 2.010. Dispõe sobre o controle e a baixa do material permanente e de consumo no âmbito do Poder Legislativo e nomeia a Comissão de Reavaliação, Baixa, Registro,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA N.º 001/2014 Versão: 01 Data da aprovação: 31 de março de 2014. Ato de aprovação: Decreto Municipal nº 069/2014. Unidade Responsável: Departamento de Patrimônio da Secretaria Municipal

Leia mais

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil.

Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior ao valor líquido contábil. Avaliação e Mensuração de Bens Patrimoniais em Entidades do Setor Público 1. DEFINIÇÕES Reavaliação: a adoção do valor de mercado ou de consenso entre as partes para bens do ativo, quando esse for superior

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013. Versão nº 01 Aprovação em: 22/01/2013 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 010/2013 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Patrimônio/Comissão

Leia mais

PREFEITURA DE ITABIRITO CONTROLE INTERNO INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERNA nº 014/2013 NORMAS DE PATRIMÔNIO

PREFEITURA DE ITABIRITO CONTROLE INTERNO INSTRUÇÃO NORMATIVA INTERNA nº 014/2013 NORMAS DE PATRIMÔNIO Dispõe sobre a incorporação, carga patrimonial, movimentação, controle, responsabilização, conservação, recuperação, baixa, reaproveitamento e alienação de bens permanentes no âmbito do Poder Executivo

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001 de 03 de julho de 2012. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO Regulamenta os procedimentos para movimentação física dos bens patrimoniais,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 *******************************

RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* RESOLUÇÃO Nº 08/2013 ******************************* Promulgo a presente Resolução de conformidade com a legislação vigente. Em 30 de agosto de 2013. Silvio Rodrigues de Oliveira =Presidente da Câmara=

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº. 003/2013-01

INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº. 003/2013-01 INSTRUÇÃO NORMATIVA SEMGESP Nº. 003/2013-01 Estabelece normas e procedimentos relativos à organização, responsabilidade e baixa dos bens permanentes do acervo patrimonial da Prefeitura de Anápolis e dá

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 ESTADO DA PARAÍBA MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2012 Estabelece normas e procedimentos relativos à organização, responsabilidade e baixa dos bens permanentes

Leia mais

III - CONCEITOS 1.PATRIMONIO O patrimônio é o objeto administrado que serve para propiciar às entidades a obtenção de seus fins.

III - CONCEITOS 1.PATRIMONIO O patrimônio é o objeto administrado que serve para propiciar às entidades a obtenção de seus fins. INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA nº. 01/2013 Versão:01 Aprovação em: 27/12/2013 Ato de aprovação: Portaria 034/13 Unidade Responsável: Unidade de Contabilidade I - FINALIDADE Disciplinar as rotinas e os procedimentos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 012/UNIR/GR/2014, DE 25 DE AGOSTO DE 2014. Estabelece procedimentos para o inventário de bens móveis, imóveis e bens de consumo da Fundação Universidade Federal de Rondônia. A Reitora

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSG 001/2011. Sistema Serviços Gerais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSG 001/2011. Sistema Serviços Gerais INSTRUÇÃO NORMATIVA SSG 001/2011 Versão: 01 Aprovação em: 10/10/2011 Unidade Responsável: Coordenadoria de Administração - CAD SSG: Sistema Serviços Gerais I FINALIDADE Dispor sobre as normas e procedimentos

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROVIMENTO Nº 001 /98 Estabelece normas e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais existentes na Universidade. O CONSELHO DE CURADORES, no uso de sua competência, atribuída através do artigo

Leia mais

PORTARIA nº 649/2005

PORTARIA nº 649/2005 PORTARIA nº 649/2005 O SECRETÁRIO DA ADMINISTRAÇÃO DO MUNICÍPIO DO SALVADOR, no uso de suas atribuições, com base na Lei 4.320/64, e em cumprimento ao disposto no Decreto Municipal nº 16.126 de 10 de novembro

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I

INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015. Unidade Responsável: Secretaria Municipal do Interior e Transportes CAPÍTULO I INSTRUÇÃO NORMATIVA STR SISTEMA DE TRANSPORTES Nº. 002/2015 DISPÕE SOBRE AS ROTINAS E PROCEDIMENTOS PARA A REALIZAÇÃO DE MANUTENÇÕES PREVENTIVAS E CORRETIVAS DA FROTA DE VEÍCULOS E NOS EQUIPAMENTOS PESADOS,

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais

MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL

MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL MANUAL DE CONTROLE PATRIMONIAL 1. OBJETIVO 1.1. O objetivo deste manual é definir conceitos e competências, estabelecendo normas e uniformizando procedimentos para toda a movimentação física e contábil

Leia mais

OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL

OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL OBJETIVO DO CONTROLE PATRIMONIAL NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE PATRIMONIAL OBJETIVO Estabelecer os procedimentos necessários para administração do patrimônio imobilizado da empresa. CONCEITOS Constitui

Leia mais

ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS MÓVEIS

ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS MÓVEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO NORMA INTERNA SPA N.º 01/2008 DATA VIGÊNCIA 01/10/2008 Versão II Atualizada em 10/03/2014 ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015 INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 14, 16 DE JANEIRO DE 2015 O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO, da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL, no uso das suas atribuições e considerando o disposto na Instrução

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT

PODER EXECUTIVO MUNICIPAL DE ITIQUIRA- MT INSTRUÇÃO NORMATIVA STI Nº 002/2012, DE 06 DE NOVEMBRO DE 2012. Versão nº 01 Aprovação em: 06/11/2012 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 56/2012 Unidade Responsável: Departamento de Tecnologia da Informação

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE CUIABÁ INSTRUÇÃO NORMATIVA SGA Nº. 007/2011 DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, REGISTRO, TRAMITAÇÃO, CONTROLE E EXPEDIÇÃO DE DOCUMENTOS NA. Versão: 01 Aprovação: 13/06/2011 Ato de aprovação: 13/06/2011

Leia mais

ATO DA MESA Nº 63, DE 1997

ATO DA MESA Nº 63, DE 1997 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 63, DE 1997 Aprova o Regulamento de Controle Patrimonial da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas

Leia mais

29/09/2014. Contabilidade Pública Novo Modelo de Gestão COMISSÃO DE NORMAS TÉCNICAS E DE LEGISLAÇÃO APLICADAS AS ENTIDADES PÚBLICAS DO CRCCE

29/09/2014. Contabilidade Pública Novo Modelo de Gestão COMISSÃO DE NORMAS TÉCNICAS E DE LEGISLAÇÃO APLICADAS AS ENTIDADES PÚBLICAS DO CRCCE Contabilidade Pública Novo Modelo de Gestão COMISSÃO DE NORMAS TÉCNICAS E DE LEGISLAÇÃO APLICADAS AS ENTIDADES PÚBLICAS DO CRCCE 1 Convergência às Normas Internacionais de Contabilidade Surge um novo modelo

Leia mais

PATRIMôNIO NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO. PRESIDENTE Arnaldo Bernardino Alves. DIRETORA EXECUTIVA Rosângela Conde Watanabe

PATRIMôNIO NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO. PRESIDENTE Arnaldo Bernardino Alves. DIRETORA EXECUTIVA Rosângela Conde Watanabe VENTVRIS VENTIS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde - FEPECS fepecs Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

NORMA DE PATRIMÔNIO NOR 202

NORMA DE PATRIMÔNIO NOR 202 MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO COD. 200 ASSUNTO: NORMA DE PATRIMÔNIO COD: NOR-202 APROVAÇÃO: Resolução nº 092/94 de 20/10/94 Alteração Resolução nº 014 24/06/04 NORMA DE PATRIMÔNIO NOR 202 2/35 SUMÁRIO 1. FINALIDADE...

Leia mais

Instrução Normativa nº 02/CI/2013

Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Instrução Normativa nº 02/CI/2013 Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo e permanentes no Almoxarifado da Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região - Ceará. Manual de Procedimentos para Controle Patrimonial

Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região - Ceará. Manual de Procedimentos para Controle Patrimonial Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região - Ceará Manual de Procedimentos para Controle Patrimonial Fortaleza - CE 2010 E X PE DI E N T E Comissão de Elaboração DAVID CAPELO DE CARVALHO ELIZABETH MARIA

Leia mais

MANUAL CONTROLE PATRIMONIAL

MANUAL CONTROLE PATRIMONIAL MANUAL CONTROLE PATRIMONIAL Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO A partir da vigência da Constituição de 1988, a Administração Pública passou a conviver com normas e leis mais rígidas de controle contábil, financeiro,

Leia mais

NORMAS DO PATRIMÔNIO

NORMAS DO PATRIMÔNIO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO S e t o r d e P a t r i m ô n i o SEPAT 1 Introdução: NORMAS DO PATRIMÔNIO Dentro das instituições Públicas, torna-se cada vez mais necessário o uso de manuais

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 001/2013, DE 15 DE AGOSTO DE 2013.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 001/2013, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 001/2013, DE 15 DE AGOSTO DE 2013. Versão nº 01 Aprovação em: 15/08/2013 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 42/2013 Unidade Responsável: Secretária Municipal de Saúde I -

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA SG Nº 383 DE 19 DE AGOSTO DE 1993

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA SG Nº 383 DE 19 DE AGOSTO DE 1993 MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PORTARIA SG Nº 383 DE 19 DE AGOSTO DE 1993 O SECRETÁRIO-GERAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, no uso de suas atribuições regimentais estabelecidas pela Portaria-PGR nº 752, de

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA - SPA Nº 005/2013. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS DE RECEBIMENTO, ARMAZENAGEM, DISTRIBUIÇÃO E CONTROLE DE ENTRADAS E SAÍDAS DE MATERIAIS DE CONSUMO NO ALMOXARIFADO. Versão: 01 Aprovação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.137/08 Aprova a NBC T 16.10 Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCV Nº. 003 UCCI - Unidade Central de Controle Interno SCV Sistema de Convênios e Consórcios Versão: 1.0 Aprovada em: 30/11/2011 Unidade Responsável: Secretaria de Administração I -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA

REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE PONTA DELGADA Reveste-se de suma importância a elaboração de um regulamento que sirva de pilar orientador do património da Freguesia de

Leia mais

CURSO DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS

CURSO DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS CURSO CURSO DE CONTROLE PATRIMONIAL NAS ENTIDADES PÚBLICAS SÃO LUÍS - MA 27 a 28/11 NOVEMBRO/2014 APRESENTAÇÃO Nas várias facetas que se reveste o tema gestão pública, certamente aquele que trata da gestão

Leia mais

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA

Itabuna PREFEITURA MUNICIPAL DE ITABUNA D E C R E T O Nº 11.028, de 10 de novembro de 2014 EMENTA: Dispõe sobre os procedimentos e prazos para o Encerramento do Exercício Financeiro de 2014, no âmbito da Administração Pública Municipal e, dá

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios

Associação Matogrossense dos Municípios PORTARIA Nº 021/2010 O Presidente da Associação Matogrossense dos Municípios AMM, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas pelo Estatuto Social e Resolução 002/2010 da AMM, RESOLVE: Art.

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do Campus Bento Gonçalves do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012.

No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do Campus Bento Gonçalves do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012. Norma Operacional número 01/2012 Bento Gonçalves, 13 de janeiro de 2012 No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012. Norma Operacional nº 01/2012

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS Instrução Normativa CGM Nº 003/2013. Ementa: Dispõe sobre os procedimentos de recebimento, armazenagem, distribuição e controle de entradas e saídas de materiais de consumo no Almoxarifado Central da Administração

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 001/2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 001/2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 001/2012 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DAS INSTRUÇÕES NORMATIVAS (NORMAS DAS NORMAS) Versão: 03 Aprovação em: 28/08/2013 Ato de aprovação: PORTARIA/GAB.PREF. Nº. 568/2013

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI Nº. 003 UCCI Unidade Central de Controle Interno SCI Sistema de Controle Interno Versão: 1.0 Aprovada em: 31/10/2011 Unidade Responsável: Unidade Central de Controle Interno I -

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI - 01

INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI - 01 INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI - 01 DISPÕE SOBRE O CONTROLE DA RECEITA E DAS DISPONIBILIDADES FINANCEIRAS VINCULADAS E NÃO- VINCULADAS. VERSÃO : 01 DATA: 22/03/2012 ATO APROVAÇÃO: Instrução Normativa SCI Nº 001/2010

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013 Publicada no Boletim de Serviço, n. 11, p. 6-14 em 13/11/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 163, DE 21 DE OUTUBRO DE 2013 Dispõe sobre a administração de bens móveis patrimoniais no âmbito da Secretaria do Supremo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 006/2012 SISTEMA: ADMINISTRAÇÃO ASSUNTO: RECEBIMENTO E REGISTRO DE BENS PERMANENTES OBJETIVO 1. Esta Instrução tem por objetivo disciplinar o recebimento e registro de bens permanentes,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010)

RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) RESOLUÇÃO N o 016, de 1º de junho de 2009. (Modificada pela Res. 019/2010) Aprova Regimento Interno da Pró-Reitoria de Administração PROAD. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE PATRIMÔNIO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE PATRIMÔNIO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE PATRIMÔNIO Apresentação Dentre as diversas atribuições administrativas da UNIPAMPA está a de efetuar a aquisição, manutenção, controle e desfazimento do seu ativo permanente.

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE CONTROLE PATRIMONIAL DO SAM/INCQS GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE DE

INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE CONTROLE PATRIMONIAL DO SAM/INCQS GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE DE INSTITUTO NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE EM SAÚDE CONTROLE PATRIMONIAL DO SAM/INCQS GUIA DE PROCEDIMENTOS PARA CONTROLE DE 2012 OBJETIVOS DESTE GUIA Estabelecer uma Cultura Institucional de Controle

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA

JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA JUNTA DE FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS MUNICÍPIO DE ODEMIRA REGULAMENTO DE INVENTÁRIO E CADASTRO DO PATRIMÓNIO DA FREGUESIA DE BOAVISTA DOS PINHEIROS Reveste-se de uma suma importância a elaboração

Leia mais

Manual de Procedimentos Divisão de Patrimônio

Manual de Procedimentos Divisão de Patrimônio PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE SUPRIMENTOS E AQUISIÇÕES DIVISÃO DE PATRIMÔNIO Manual de Procedimentos Divisão de Patrimônio A fim de uniformizar os procedimentos que envolvam gestão

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Aripuanã LEI Nº. 721/2007 SÚMULA: DISPÕE SOBRE O SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DO MUNICÍPIO DE ARIPUANÃ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Estado de Mato Grosso, seguinte Lei: EDNILSON LUIZ FAITTA, Prefeito Municipal de Aripuanã,

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FED. DE EDUCAÇÃO,CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRETORIA DE CONTABILIDADE

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO NORMATIVO N.º 47/2007

ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO NORMATIVO N.º 47/2007 ESTADO DE ALAGOAS PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ATO NORMATIVO N.º 47/2007 DISPÕE SOBRE NORMAS PARA MOVIMENTAÇÃO E CONTROLE DOS BENS MÓVEIS NO ÂMBITO DAS UNIDADES DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 21 DE SETEMBRO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 21 DE SETEMBRO DE 2010 O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e tecnologia Catarinense Campus Araquari, Prof. Robert Lenoch, no uso das atribuição que lhe

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE AGOSTO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE AGOSTO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 11, DE 23 DE AGOSTO DE 2012 Estabelece Normas de Administração de Bens Móveis Permanentes e de Material de Consumo. A Câmara Municipal de Pato Branco, Estado do Paraná, aprovou e eu, Presidente,

Leia mais