MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO"

Transcrição

1 MANUAL OPERACIONAL GESTÃO DE PATRIMÔNIO

2 ÍNDICE: CAPÍTULO 01 NORMA E PROCEDIMENTOS 1 - OBJETIVO VISÃO DISPOSIÇÕES GERAIS DEFINIÇÕES CLASSIFICAÇÃO PEDIDO DE MATERIAL PERMANENTE AQUISIÇÃO RECEBIMENTO REGISTRO PATRIMONIAL RESPONSABILIDADE POR USO, GUARDA E CONSERVAÇÃO MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL INVENTÁRIO DESFAZIMENTO E RENÚNCIA BAIXA PATRIMONIAL ATIVIDADES OPERACIONAIS POR FUNÇÃO 07 CAPÍTULO 02 FLUXOGRAMA OPERACIONAL 1 - MOVIMENTAÇÃO DE BENS ENTRE SETORES (NA PRÓPRIA UNIDADE) MOVIMENTAÇÃO DE BENS ENTRE UNIDADES BENS INSERVÍVEIS BANCO DE PEÇAS SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO NEGATIVA CONTROLE E MOVIMENTAÇÃO DE CILINDROS SOLICITAÇÃO DE CARREGADORES 16 CAPÍTULO 03 MODELOS DE FORMULÁRIOS 1 - FO TRANSFERÊNCIA DE BENS DE UNIDADE PARA UNIDADE FO TRANSFERÊNCIA DE BENS DE UNIDADE PARA MANUTENÇÃO FO OCORRÊNCIA PATRIMONIAL FO LAUDO TÉCNICO DE EQUIPAMENTOS TR INVENTÁRIO ANUAL 21 2

3 1) Objetivo Realizar de modo eficiente e eficaz o controle de bens patrimoniais referente a: inventário, movimentação, disponibilização, baixa patrimonial e manutenção de pequeno monte; zelando pelo patrimônio do Viva Rio e de projetos, convênios e contratos de gestão associados; com qualidade, responsabilidade, agilidade e compromisso. Atuando em parceria com os demais setores da Instituição para a otimização de processos de trabalho e garantia de boas práticas administrativas. 2) Visão Ser reconhecido na Instituição Viva Rio como um setor administrativo de excelência, criando e mantendo competência para a gestão de bens patrimoniais, produzindo e otimizando continuamente soluções de interesse institucional. 3) Disposições Gerais O presente documento dispõe acerca do controle patrimonial de bens móveis e imóveis que integram o patrimônio dos Contratos de Projetos Administrados pelo Viva Rio 4) Definições Material Permanente: É aquele que, em razão de seu uso corrente, não perde normalmente sua identidade física e/ou tem uma durabilidade superior a dois (02) anos. Sua aquisição é realizada em despesa de capital e possui controle individualizado. 5) Classificação Quanto à forma de utilização, um bem móvel é classificado em: a) De uso individual, quando apenas uma pessoa o utiliza contínua e constantemente; b) De uso coletivo ou comum, quando for utilizado por várias pessoas. Quanto à situação patrimonial, um bem é classificado como: a) Bom quando estiver em perfeitas condições e em uso normal; b) Ocioso quando, embora esteja em perfeitas condições, não está sendo usado; c) Recuperável quando estiver avariado e sua recuperação for possível e orçar, no máximo, até cinquenta por cento de seu valor de mercado; d) Antieconômico quando estiver avariado e sua recuperação orçar mais do que cinquenta por cento de seu valor de mercado ou seu rendimento for precário, em virtude de uso prolongado, desgaste prematuro ou obsoletismo; e) Irrecuperável quando não mais puder ser utilizado para o fim a que se destina devido à perda de suas características ou em razão da inviabilidade econômica de sua recuperação. 3

4 6) Pedido de Material Permanente Ao identificar a necessidade de compra de um novo bem, a gerencia da unidade ou setor deve acionar a Coordenação Técnica do Projeto. A Coordenação de cada projeto deve solicitar e formalizar o pedido de compra ao departamento de Aquisições e Logística. 7) Aquisição Os materiais componentes do patrimônio podem ser adquiridos mediante compra ou doação: a) Compra aquisição remunerada de material com utilização de recursos orçamentários; b) Doação modalidade de aquisição em que os materiais são entregues gratuitamente ao Projeto, por entidades públicas ou privadas; No caso de compra do material, é responsabilidade do Setor de Compras a aquisição do bem, previamente autorizado pelo requisitante, de acordo com o que dispõe a Lei nº 8.666/93. 8) Recebimento Compete ao Almoxarife, em conjunto com o Setor de Patrimônio, o recebimento dos bens móveis e materiais adquiridos. Ao dar entrada no Almoxarifado, o bem deve estar acompanhado: a) No caso de compra, de Nota Fiscal e Ordem de Fornecimento, ambos têm que constar a quantidade a ser entregue, a unidade de destino. O recebimento físico deve estar de acordo com os documentos. b) No caso de doação, deve constar o termo ou outro documento comprobatório que oriente o registro do bem no sistema. Após o processo, propriamente dito, de recebimento e entrada, os bens devem ser encaminhados para a unidade a qual se destina, conforme autorização técnica de cada projeto. 9) Registro Patrimonial Consiste na formalização da inclusão física de um material permanente, com a atribuição de um número único gravado em uma plaqueta e afixado no bem. Na fixação de plaqueta, deverão ser observados os seguintes aspectos: a) Fixar na parte posterior do bem, porém o mesmo deve ficar em local de fácil visualização para efeito de identificação; b) Evitar fixar plaqueta em partes que não ofereçam boa aderência; c) Evitar áreas que possam acarretar a deteriorização da plaqueta. 4

5 Materiais permanentes recebidos, mediante a qualquer processo de aquisição, devem ser incorporados ao Patrimônio e plaqueados, antes de serem distribuídos às unidades que irão utilizá-los. 10) Responsabilidade por uso guarda, e conservação. Cabe ao responsável pela Carga Patrimonial receber, zelar, guardar e conservar o bem que está destinado ao uso do setor, estando sob sua chefia. Compete ao responsável pela Carga Patrimonial (gerente da unidade e/ou setor): a) Solicitar no início de suas atividades na unidade para qual foi designado, que seja lavrado o Termo Geral de Responsabilidade de Bens que serão mantidos sob sua guarda; b) Conferir e certificar o Material Permanente existente sob sua guarda, quando dispensado das atribuições na unidade para a qual foi designado; c) Adotar medidas, estabelecer procedimentos complementares às normas constantes nesse manual, que visem garantir o efetivo controle do Material Permanente existente em sua unidade; d) Realizar conferência periódica, parcial ou total, sempre que julgar conveniente e oportuno, independentemente do inventário anual; e) Supervisionar as atividades relacionadas com o bom uso e guarda dos bens localizados em sua unidade. f) Dedicar cuidado aos bens, bem como ligar, operar e desligar equipamentos conforme as recomendações e especificações do fabricante; g) Adotar providências que preservem a segurança e conservação dos bens existentes na unidade; h) Manter os bens de pequeno porte em local seguro; i) Comunicar, o mais breve possível, ao Setor de Patrimônio, a ocorrência de qualquer irregularidade envolvendo o bem, providenciando, em seguida, a comunicação escrita. O responsável pelo bem na unidade poderá ser chamado à responsabilidade pelo dano que, dolosa ou culposamente, causar a qualquer material que esteja sob sua guarda. 11) Movimentação de material A movimentação de bens entre unidades deve ser precedida de registro no instrumento de controle no período ocorrido entre sua incorporação e desincorporação patrimonial. O Setor de Patrimônio deve supervisionar e controlar a transferência de bens entre unidades. Nenhum material deve ser movimentado sem a ciência do Setor de Patrimônio, e toda movimentação deve ser realizada mediante o termo de responsabilidade e termo de transferência, devidamente assinados pelos responsáveis. 5

6 12) Inventário Procedimento administrativo realizado por meio de levantamentos físicos, que consiste no arrolamento físico-financeiro de todos os bens existentes nas unidades e setores administrativos Objetivos: a) verificar a exatidão dos registros de controle patrimonial, mediante a realização de levantamentos físicos na unidade ou setor administrativo; b) fornecer subsídios para a avaliação e controle gerencial de materiais permanentes Tipos de Inventários a) de verificação: realizado a qualquer tempo, com o objetivo de verificar qualquer bem, por iniciativa do Setor de Patrimônio ou a pedido do responsável pela carga patrimonial; b) de transferência realizado quando da mudança de um titular de função de confiança detentor da carga patrimonial; c) de criação realizado quando da criação de uma unidade; d) de extinção - realizado quando da extinção ou transformação de uma unidade; e) anual realizado para comprovar a exatidão dos registros de controle de todo o patrimônio. Durante a realização de qualquer tipo de inventário, fica vedada toda e qualquer movimentação física de bens localizados nas unidades. O inventário anual é realizado por uma Comissão de Inventário, onde é representada por uma pessoa da equipe do setor de Patrimônio, um responsável da unidade ou seu representante, e caso possível, um servidor do município. A Comissão de Inventário é competente para: a) Identificar a situação patrimonial e o estado de conservação dos bens inventariados; b) Propor ao Gerente a apuração de irregularidades constatadas; c) Relacionar e identificar com numeração própria os bens permanentes que se encontram sem o Registro Patrimonial (plaqueta metálica); d) Solicitar o livre acesso em qualquer recinto para efetuar levantamento e vistoria de bens. 13) Desfazimento e renúncia O material permanente considerado pela Comissão específica como ocioso, recuperável, antieconômico ou irrecuperável, cuja permanência ou remanejamento seja julgado desaconselhável ou inexequível, é passível de doação ou desfazimento, por meio de inutilização ou abandono. Sendo esses autorizados conforme abaixo: a) Doação, permitida exclusivamente para fins e uso de interesse social; 6

7 A doação deve ser devidamente justificada pela autoridade competente, observando-se o seguinte quanto à destinação do material: a) Ocioso e Recuperável, para órgãos ou entidades públicas; b) Antieconômico para Estados e Municípios mais carentes, empresas públicas, instituições filantrópicas; c) Inservível, para instituições filantrópicas, desde que reconhecidas de utilidade pública pelo governo federal. O desfazimento dos bens considerados genericamente inservíveis fica a cargo da Comissão de Baixa composta de, no mínimo, três membros, sendo um o responsável pelo patrimônio do Viva Rio, o outro pelo setor de patrimônio da secretaria de saúde do município e estado, e o terceiro, pelo responsável do setor de manutenção. 14) Baixa patrimonial Retirada de bem do patrimônio, mediante registro de transferência para o controle de bens baixados, feita exclusivamente pela Comissão de Baixa. O número do bem baixado não será aproveitado para qualquer outro bem. A autorização de efetivação da baixa patrimonial compete a Comissão de Baixa, em processo administrativo com a devida justificativa. 15) Atividades operacionais por função Responsável pelo setor: Orientar e supervisionar as atividades de patrimônio e estoque; Controle de folhas de pontos / férias; Acompanhamento e fechamento de processos administrativos de baixa de bens; Solicitar o laudo de avaliação técnica dos bens; Abertura de sindicância patrimonial para desaparecimento de bens; Visita às unidades, para orientação e manutenção dos fluxos; Visita às unidades e setores. Almoxarife: Controle de estoque de materiais permanentes Controle e agendamento de transportes Recebimento de materiais diversos Expedição de materiais diversos (Separação, identificação e embalagem) Controle de envio de notas fiscais para pagamento Controle dos cilindros de Gases Medicinais 7

8 Banco de Peças: Avaliar bens recebidos como inservíveis; Aproveitar peças em bom estado; Montagem de novos bens, a partir das peças recolhidas; Reparo em bens avariados; Controle de estoque de peças; Recebimento, conferência e acompanhamento de bens em manutenção. Assistente Administrativo 01: (Controle Geral) Controle de recebimento de solicitações via (distribuição de atividades) Controle de malote (Envio e recebimento de documentos) Controle de atendimento do Banco de peças Emissão de documentos para transferência de bens para unidade Emissão de documentos diversos (Memorandos, ofícios, termos de responsabilidades) Assistente Administrativo 02: (Sistema e Arquivo) Inserção de dados no software (Patrimônio Expert / JDE) Arquivo eletrônico Arquivo físico Assistente Administrativo 03: (Atividades externas) Acompanhamento de Inventários (Orientação à comissão de inventário) Acompanhamento de retirada de bens da unidade (Transferência entre unidades ou Inservíveis) Identificação de bens entregues direto na unidade Acompanhamento patrimonial e implementação de inauguração de unidades Assistente Administrativo 04: (Conferência) Conferência e acompanhamento de Ocorrência Patrimonial por inutilização; Conferência e acompanhamento de Ocorrência Patrimonial por desaparecimento de bens (Furto); Conferência e acompanhamento de transferência de bens entre unidades e/ou setores; Conferência, acerto no software e fechamento de relatórios (Inventário). Legenda: SMS Secretaria Municipal de Saúde OP Ocorrência Patrimonial (Formulário) (*) Contato do setor: / (21)

9 Indicadores: MOVIMENTAÇÃO DE BENS ENTRE SETORES (NA PRÓPRIA UNIDADE) MOVIMENTAÇÃO DE BENS ENTRE UNIDADES BENS INSERVÍVEIS BANCO DE PEÇAS SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO NEGATIVA CONTROLE E MOVIMENTAÇÃO DE CILINDROS SOLICITAÇÃO DE CARREGADORES 9

10 MOVIMENTAÇÃO DE BENS ENTRE SETORES (NA PRÓPRIA UNIDADE) Início O gerente identifica a necessidade de transferência do bem entre setores Sim Fluxograma de solicitação de carregadores (VIDE PÁGINA 16) Necessita Carregador? Não O bem é retirado do setor de origem e transferido para o setor de destino. O gerente envia para o Setor de Patrimônio, com cópia para a Coord. Técnica informando: Tipo do bem Característica do bem Setor de Origem Setor de Destino O gerente e/o ponto focal (administrativo) atualiza o controle de patrimônio da unidade. O Setor de Patrimônio efetiva a transferência atualizando o software (Patrimônio Expert). 10

11 MOVIMENTAÇÃO DE BENS ENTRE UNIDADES Início O gerente identifica a necessidade de retirada do bem da unidade e solicita por para Coord. Técnica com cópia para o Setor de Patrimônio (*) Gerente e/ou assessor verifica se outra unidade tem necessidade do bem Sim É necessário? Não Gerente emite documento de transferência entre unidades, indicando: Gerente emite documento de transferência entre unidades, indicando: Tipo do bem Característica do bem Nº. de Patrimônio Unidade de Origem Unidade de destino Sim Necessita Carregador? Tipo do bem Característica do bem Nº. de Patrimônio Unidade de Origem Com destino para o Almoxarifado da Penha Fluxograma de solicitação de carregadores VIDE PÁGINA 16 Não O Setor de Patrimônio estabelece o prazo de separação do material e informa a data de transporte do bem. O Setor de Patrimônio estabelece o prazo de separação do material e informa a data de transporte do bem. Setor de Patrimônio recebe a documentação de transferência, confere, atualiza o software e arquiva o documento. Setor de Patrimônio recebe a documentação de transferência, confere, atualiza o software e arquiva o documento. 11

12 BENS INSERVÍVEIS Início O gerente identifica um bem como inservível. Bom Estado do bem Com defeito ou Ruim O gerente da unidade entra em contato com a Coord. Técnica e verifica se o bem é necessário em outra unidade da mesma AP. O gerente emite a ocorrência patrimonial e envia para o Setor de Patrimônio. É necessário? Sim Não O gerente preenche o formulário de transferência de bens entre unidade e Setor de Patrimônio e solicita transporte. O Setor de Patrimônio abre o processo administrativo e solicita avaliação dos bens ao Setor de Manutenção. O gerente preenche o formulário de transferência de bens entre unidades. (VIDE PÁGINA 2) Transferência do bem O Setor de Patrimônio agenda a transferência do bem com o gerente da unidade. O Setor de Patrimônio informa o resultado do parecer técnico e solicita que o gerente preencha o formulário de transferência de bens para a Manutenção. (VIDE MODELO EM ANEXO) Sim O reparo é viável? Não O bem é necessário? Sim Não O setor de Patrimônio transfere o bem para o Almoxarifado. O setor de Patrimônio emite o documento de conclusão do processo e solicita autorização da Coordenação Administrativa da CAP para o descarte. O Setor de Patrimônio transfere para a unidade após o reparo. O setor de Patrimônio recebe a autorização e Providencia a retirada dos bens da unidade O setor de Patrimônio providencia junto aos procedimentos internos, o descarte dos bens inservíveis. 12

13 BANCO DE PEÇAS Início O Setor de Patrimônio efetua o recolhimento dos bens inservíveis da unidade. O Setor de Patrimônio solicita a avaliação técnica do item recolhido. Sim Tem possibilidade De reparo? Não A equipe do Banco e Peças efetua o reparo do bem. A Equipe do Banco de Peças emite um laudo de condenação do bem em questão. O Setor de Patrimônio informa à unidade sobre o reparo do bem e verifica sobre a necessidade de devolução do bem. A equipe do Banco de Peças reavalia o bem, em busca de peças que poderão ser reaproveitadas. Não É necessário Retorno? Sim A equipe do Banco de Peças retira as peças em bom estado para reaproveitamento. O Setor de Patrimônio inclui o bem reparado no controle de estoque do projeto de origem. O Setor de Patrimônio providencia a expedição A equipe do Banco de Peças encaminha o restante do bem inservível para descarte. (VIDE PÁGINA 03) 13

14 SOLICITAÇÃO DE CERTIDÃO NEGATIVA Início É identificada a necessidade de um bem A Coord. Técnica solicita posição de estoque ao Setor de Patrimônio, via (*) Sim Setor de Patrimônio entra no procedimento de expedição Há disponibilidade De estoque? Não Setor de Patrimônio emite uma certidão negativa e envia para a Coordenação Técnica. Almoxarife entra no procedimento de expedição (Fluxograma da pág. 06). 14

15 CONTROLE E MOVIMENTAÇÃO DE CILINDROS Início A unidade solicita o Cilindro de O², informando o tamanho e a quantidade de cilindros carregados em estoque. OBS: A solicitação deve ser realizada, assim que o Cilindro de O² se encontrar descarregado. O Setor de Patrimônio recebe a solicitação, emite 03 guias de remessa e solicita o transporte de envio do Cilindro para a unidade. O Setor de Patrimônio envia o Cilindro de O² carregado acompanhando a guia de remessa. A unidade recebe o Cilindro de O² carregado, assina o protocolo de envio, acusando o recebimento e envia o Cilindro vazio com o mesmo tamanho (A/C do Setor de Patrimônio), no mesmo veículo. 15

16 SOLICITAÇÃO DE CARREGADORES Início O gerente entra e contato com o Setor de Patrimônio indicando: Nº. Do Patrimônio Característica do bem Origem do Bem Destino do Bem Melhor dia e horário para agendamento Setor de Patrimônio verifica necessidade de carregadores e o prazo de execução do serviço. Acerta com o gerente o agendamento. Providencia: Agendamento de transporte de materiais (Quando for transferência entre unidades). Agenda o transporte dos profissionais para a unidade. O setor de Patrimônio orienta os profissionais quanto ao serviço a ser realizado, inclui o agendamento no controle e acompanha a agenda. 16

17 Modelos de Formulário: FO - Transferência de Bens de Unidade para Unidade 17

18 FO - Transferência de Bens da Unidade para Manutenção 18

19 FO Ocorrência Patrimonial 19

20 FO Laudo Técnico de Equipamento 20

21 TR Inventário Anual 21

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO GROSSO DO ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA Nº 03/2011 Versão: 01 Publicação: DJE nº de / /2012 Unidade Responsável: Departamento de Material e Patrimônio - DMP I FINALIDADE Dispor sobre os procedimentos

Leia mais

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1

Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 Manual de Procedimentos ISGH Gestão de Patrimônio Página 1 ELABORAÇÃO Gracília dos Santos Gonçalves FORMATAÇÃO Silvânia Oliveira Teixeira REVISÃO Cristina Isidio Rodrigues Aguiar Albuquerque DATA Estabelecido

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA DIRETORIA DE GESTÃO ADMINISTRATIVA - DA NORMA DE EXECUÇÃOIDAIN. -11/0 DE 39 DE ~~rt-o Dispõe sobre

Leia mais

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE

CONTROLE PATRIMONIAL ÍNDICE ÍNDICE 00 FOLHA 01 05/98 ASSUNTO FOLHA GENERALIDADES 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/01 SOLICITAÇÃO DE BENS MÓVEIS 03 01/01 CADASTRAMENTO E TOMBAMENTO DE BENS MÓVEIS 04 01/02 CONTROLE DA MOVIMENTAÇÃO DE BENS

Leia mais

Câmara Municipal dos Barreiros

Câmara Municipal dos Barreiros Barreiros, 30 de Abril de 2010 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ofício nº 006/2010 SCI EXMO. SR. JOSÉ GERALDO DE SOUZA LEÃO M.D. Presidente da Câmara de Vereadores dos Barreiros NESTA O Coordenador do Sistema

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL GOVERNO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA E DA DEFESA SOCIAL COMANDO GERAL PORTARIA Nº 019 /2014 GAB CMDO CBMRN. (BGCB Nº 019, de 04 de fevereiro de 2014) Aprova

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de aperfeiçoamento do controle

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 110, DE 21 DE JULHO DE 2010

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 110, DE 21 DE JULHO DE 2010 Publicada no Boletim de Serviço, nº 8 em 6/8/2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 110, DE 21 DE JULHO DE 2010 Dispõe sobre a administração de bens móveis patrimoniais no âmbito da Secretaria do Supremo Tribunal

Leia mais

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e,

PORTARIA Nº 1145/1999. O Desembargador Lúcio Urbano, PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE MINAS GERAIS, no uso de suas atribuições legais e, Publicação: 22/09/99 PORTARIA Nº 1145/1999 Dispõe sobre aquisição, controles e formas de desfazimento de bens móveis permanentes no âmbito da Secretaria do Tribunal de Justiça e Comarcas do Estado de Minas

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Norma Geral de Funcionamento da UNIDADE DE PATRIMÔNIO COLEGIADO EXECUTIVO EBSERH/HUSM

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 001/2013 "Estabelece normas de controle para o Patrimônio do Poder Executivo Municipal." A Unidade Central de Controle Interno, no uso de suas atribuições, conforme determina o

Leia mais

ATO DA MESA Nº 63, DE 1997

ATO DA MESA Nº 63, DE 1997 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 63, DE 1997 Aprova o Regulamento de Controle Patrimonial da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso de suas

Leia mais

DIÁRIO DA JUSTIÇA ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO ANO CVIII Nº 026 SÃO LUÍS, QUINTA-FEIRA, 06 DE FEVEREIRO DE 2014 EDIÇÃO DE HOJE: 12 PÁGINAS

DIÁRIO DA JUSTIÇA ESTADO DO MARANHÃO PODER JUDICIÁRIO ANO CVIII Nº 026 SÃO LUÍS, QUINTA-FEIRA, 06 DE FEVEREIRO DE 2014 EDIÇÃO DE HOJE: 12 PÁGINAS ESTADO DO MARANHÃO DIÁRIO DA JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO ANO CVIII Nº 026 SÃO LUÍS, QUINTA-FEIRA, 06 DE FEVEREIRO DE 2014 EDIÇÃO DE HOJE: 12 PÁGINAS SUMÁRIO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO MARANHÃO Procuradoria

Leia mais

GERENCIAR GARANTIA E FISCALIZAR MOVIMENTAÇÃO DE BENS DE TI 1 OBJETIVO

GERENCIAR GARANTIA E FISCALIZAR MOVIMENTAÇÃO DE BENS DE TI 1 OBJETIVO GERENCIAR GARANTIA E FISCALIZAR MOVIMENTAÇÃO DE BENS DE TI Proposto por: Equipe da Divisão de Equipamentos de TI (DIETI) Analisado por: Departamento de Suporte e Atendimento (DEATE) Aprovado por: Diretoria

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Campus Samambaia PORTARIA N 2017, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília Campus Samambaia PORTARIA N 2017, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. PORTARIA N 2017, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. O DIRETOR-GERAL DO CAMPUS SAMAMBAIA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE BRASÍLIA- IFB, nomeado pela Portaria nº 1.600, de 15 de outubro

Leia mais

PORTARIA TC Nº 349, DE 01 DE JULHO DE 2015

PORTARIA TC Nº 349, DE 01 DE JULHO DE 2015 ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE CONTAS PORTARIA TC Nº 349, DE 01 DE JULHO DE 2015 Disciplina a sistemática de controle patrimonial de bens móveis e imóveis pertencentes ao patrimônio desta Corte e aprova

Leia mais

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE

ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL NO ALMOXARIFADO DO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO SAAE 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pela autarquia SAAE; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS Estado de Mato Grosso INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL- Nº. 002/2013- Versão 02 Unidade Responsável: Secretaria Legislativa de Administração Unidade Executora: Setor de Material e Patrimônio Aprovação em: 24/01/13 Dispõe sobre os procedimentos

Leia mais

Manual do. Almoxarifado

Manual do. Almoxarifado Manual do Almoxarifado Parnaíba 2013 APRESENTAÇÃO O Almoxarifado é o local destinado à guarda, localização, segurança e preservação do material adquirido, adequado à sua natureza, a fim de suprir as necessidades

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 348, DE 8 DE AGOSTO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 348, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 348, DE 8 DE AGOSTO DE 2014. Publicado em: 08/08/2014 Normatiza os procedimentos para registro, baixa, avaliação e depreciação de bens patrimoniais no âmbito do Sistema CFBio/CRBios. O CONSELHO

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 002/2010 ESTABELECE NORMAS DE ADMINISTRAÇÃO PATRIMONIAL DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES DO MUNICÍPIO DE GUARAPARI / ES IPG E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Diretor Presidente

Leia mais

Manual de Procedimentos Divisão de Patrimônio

Manual de Procedimentos Divisão de Patrimônio PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO GERAL DE SUPRIMENTOS E AQUISIÇÕES DIVISÃO DE PATRIMÔNIO Manual de Procedimentos Divisão de Patrimônio A fim de uniformizar os procedimentos que envolvam gestão

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS CAMPUS TIMÓTEO 1 - INTRODUÇÃO O Setor de Patrimônio do Campus Timóteo é uma extensão da Divisão de

Leia mais

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop.

Esta Norma estabelece critérios e procedimentos para o controle dos bens patrimoniais do Sescoop. SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM DO COOPERATIVISMO SESCOOP PARANÁ. CONSELHO ADMINISTRATIVO SESCOOP PARANÁ RESOLUÇÃO No. 06 de 14 de fevereiro de 2000 ORIENTA E NORMATIZA O CONTROLE DE BENS PERMANENTES

Leia mais

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína

Departamento de Água e Esgoto Sanitário de Juína CNPJ 04.709.778/000-25 SCI - 007/203 3/05/203 /8 ) DOS OBJETIVOS:.) Disciplinar e normatizar os procedimentos do Setor de Patrimônio;.2) Regulamentar o fluxo operacional de movimentação patrimonial móveis

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO E CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 SUMÁRIO CAPÍTULO I 4 DA ORGANIZAÇÃO 4 CAPÍTULO II 5 DOS FUNCIONÁRIOS 5 CAPÍTULO III 5 DA INFRAESTRUTURA 5 Seção I 6 Das Dependências 6 Seção II 6 Do Hardware e Software 6 Seção III 7 Das Manutenções 7

Leia mais

ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS MÓVEIS

ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS MÓVEIS PREFEITURA MUNICIPAL DE RONDONÓPOLIS UNIDADE CENTRAL DE CONTROLE INTERNO NORMA INTERNA SPA N.º 01/2008 DATA VIGÊNCIA 01/10/2008 Versão II Atualizada em 10/03/2014 ASSUNTO: CONTROLE PATRIMONIAL DE BENS

Leia mais

Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região - Ceará. Manual de Procedimentos para Controle Patrimonial

Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região - Ceará. Manual de Procedimentos para Controle Patrimonial Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região - Ceará Manual de Procedimentos para Controle Patrimonial Fortaleza - CE 2010 E X PE DI E N T E Comissão de Elaboração DAVID CAPELO DE CARVALHO ELIZABETH MARIA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça PORTARIA STJ N. 409 DE 31 DE JULHO DE 2014. Define normas gerais sobre a administração de material e patrimônio no Superior Tribunal de Justiça. O PRESIDENTE DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, usando da

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS

ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ATRIBUIÇÕES DAS FUNÇÕES GRATIFICADAS ASSESSORIA DE IMPRENSA: Função GERENTE. Assessorar a Diretoria da Ceasa; Promover e divulgar notícias relacionadas a Ceasa; Estreitar o relacionamento da mídia com

Leia mais

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente

Estado de Santa Catarina CÂMARA MUNICIPAL DE PALHOÇA Setor de Expediente PROJETO DE LEI N 493/2015 DISCIPLINA OS PROCEDIMENTOS DE BAIXA DE BENS MÓVEIS PERMANENTES DO PODER EXECUTIVO MUNICIPAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE PALHOÇA, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

60.202 ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE DO PATRIMÔNIO Data da aprovação: 09/4/1999 - Data da alteração: 08/11/2006 ÍNDICE

60.202 ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE DO PATRIMÔNIO Data da aprovação: 09/4/1999 - Data da alteração: 08/11/2006 ÍNDICE 60.202 ADMINISTRAÇÃO E CONTROLE DO PATRIMÔNIO Data da aprovação: 09/4/1999 - Data da alteração: 08/11/2006 ÍNDICE CAPÍTULO I - GENERALIDADES... 1/3 I - Objetivo II - Competência III - Aplicação IV - Definições

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria

Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Universidade Federal de Santa Maria Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares Hospital Universitário de Santa Maria Relatório de Atividades UNIDADE DE PATRIMÔNIO 2015 1 COLEGIADO EXECUTIVO EBSERH/HUSM

Leia mais

ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE ORGANIZAÇÃO SOCIAL PRO-EDUCA- INSTITUTO SOCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E SUSTENTABILIDADE CNPJ N 05.303.355/0001-73 REGISTRO EM RCPJ- BARUERI/SP 222857 REGULAMENTO DE COMPRAS, CONTRATAÇÕES DE

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº RJ-PGD-2007/00095 de 8 de outubro de 2007

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº RJ-PGD-2007/00095 de 8 de outubro de 2007 PORTARIA Nº RJ-PGD-2007/00095 de 8 de outubro de 2007 O JUIZ FEDERAL - DIRETOR DO FORO E CORREGEDOR PERMANENTE DOS SERVIÇOS AUXILIARES DA - SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

ACERP Diretoria Administrativa e Financeira Gerência de Logística Núcleo de Suprimento Norma de Suprimentos

ACERP Diretoria Administrativa e Financeira Gerência de Logística Núcleo de Suprimento Norma de Suprimentos ACERP Diretoria Administrativa e Financeira Gerência de Logística Núcleo de Suprimento Norma de Suprimentos OBJETIVO Estabelecer Normas e Procedimentos sobre a aquisição de Bens e Serviços visando assegurar

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/99-TJAP O Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amapá, o Desembargador LUIZ CARLOS GOMES DOS SANTOS, no uso das suas atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 26,

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE NOVA MUTUM CRIADA PELA LEI MUNICIPAL N.º 241/94 DE 28/03/94 - CNPJ 00.203.134/0001-00

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO SUPERIOR DE NOVA MUTUM CRIADA PELA LEI MUNICIPAL N.º 241/94 DE 28/03/94 - CNPJ 00.203.134/0001-00 INSTRUÇÃO NORMATIVA N.º 001/2012 Versão: 01 Aprovação em: 23/10/2012 Ato de aprovação: Resolução /2012 Data da aprovação: 23/10/2012 Unidade Responsável: Departamento de Controle de Patrimônio I - FINALIDADE

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA

ESTADO DE MATO GROSSO CÂMARA MUNICIPAL DE JANGADA PORTARIA Nº. 006/2014 Dispõe sobre a nomeação de comissão especial de inventário físico, contábil e baixa do patrimônio público no âmbito da Câmara Municipal de Jangada MT. O Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS.

ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. ANEXO III ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS. 01. SERVENTE Descrição Sintética: compreende os cargos que se destinam a executar, sob supervisão, serviços de limpeza como varrer, lavar, desinfetar e arrumar as dependências

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial

Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial Perguntas e Respostas sobre Gestão Patrimonial 1) Como fazer uma doação de um Bem para o Instituto Federal do Paraná Câmpus Curitiba, adquirido com recursos de Projetos de Pesquisa? Deverá comunicar o

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 8 Nível: Médio Reporte: Coordenador Sumário Executar atividades administrativas de apoio às diversas áreas da empresa. Atividades Arquivar documentos Arquivar documentos, classificando-os em pastas específicas,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 12/2010

RESOLUÇÃO Nº 12/2010 RESOLUÇÃO Nº 12/2010 Dispõe sobre a incorporação, carga patrimonial, movimentação, controle, responsabilização, conservação, recuperação, baixa, reaproveitamento e alienação de bens permanentes no âmbito

Leia mais

ADMINISTRAR A CRECHE HISTÓRICO. Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por:

ADMINISTRAR A CRECHE HISTÓRICO. Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por: Ministério da Saúde FIOCRUZ Fundação Oswaldo Cruz ADMINISTRAR A CRECHE HISTÓRICO Data Revisão Descrição Elaborado por: Aprovado por: 00 Emissão Inicial 10/03/2012 01 Alteração do Formato Ivania Martins

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA GESTÃO DO PATRIMÔNIO MÓVEL DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS

PROCEDIMENTOS PARA GESTÃO DO PATRIMÔNIO MÓVEL DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS REITORIA ANEXO À PORTARIA 137/GR, DE 21 DE JANEIRO DE 2016. PROCEDIMENTOS PARA GESTÃO DO PATRIMÔNIO

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS COMPRADORES E FORNECEDORES FUNDAÇÃO DE APOIO À UNIFESP 2015 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Dos Objetivos Específicos... 2 3. Dos Envolvidos

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE COMPRAS, CONTRATAÇÃO DE OBRAS E SERVIÇOS E AQUISIÇÃO DE BENS COM EMPREGO DE RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO CAPÍTULO I DA INTRODUÇÃO Art. 1º - O presente regulamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DO NORTE MT CNPJ.: 03.238.672/0001-28 DECRETO Nº. 810/2015, DE 03 DE FEVEREIRO DE 2015 Regulamenta o estágio de estudantes em órgãos municipais, com base na Lei Federal nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES E CONTRATOS Nº 001/2015. DISPÕE SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA A AQUISIÇÃO DE BENS E SERVIÇOS MEDIANTE LICITAÇÃO, INCLUSIVE DISPENSA E INEXIGIBILIDADE,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso

CÂMARA MUNICIPAL Tangará da Serra Estado de Mato Grosso PORTARIA Nº 005, DE 06 DE JANEIRO DE 2014. O Vereador WELITON ÚNGARO DUARTE, Presidente da Câmara Municipal de Tangará da Serra, Estado de Mato Grosso, usando das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 396, DE 02 DE OUTUBRO DE 2014. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE CÂMPUS DO CÂMPUS DO PANTANAL, da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, e Considerando

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Capítulo I Da Definição e Finalidade Art. 1º Entende-se como Estágio Supervisionado o conjunto de atividades práticas direcionadas para o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido

Associação Matogrossense dos Municípios. Municipalismo integrado e fortalecido RESOLUÇÃO Nº. 012/2012. Homologa a Instrução Normativa do Sistema de Controle de Patrimônio - SCP Nº 01/2012 VERSÃO 01/2012, que dispõe sobre os procedimentos de controle patrimonial de bens móveis do

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS REGULAMENTO DE CURSO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS JUNHO/2011 CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1º. Os cursos de Pós Graduação Lato Sensu da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA

1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1) RECOMENDAÇÕES SOBRE PATRIMÔNIO DA UFBA 1.1) CONTROLE DE ACERVO BIBLIOGRÁFICO Os livros, periódicos e demais acervos considerados gráficos (discos, fitas, slides, etc) serão registrados e tombados na

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 014/2006.

ATO NORMATIVO Nº 014/2006. ATO NORMATIVO Nº 014/2006. Dispõe sobre a organização da Superintendência de Gestão Administrativa do Ministério Público do Estado da Bahia e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL

NP-NORMAS E PROCEDIMENTOS EM SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL Página 1 de 5 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer procedimentos para controle e uso de EPI - Equipamentos de Proteção Individual 2. CAMPO DE APLICAÇÃO 2.1. Esta NP (Normas e Procedimentos) é aplicável no âmbito

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP.

Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP. Instrução nº 2550/12 Dispõe sobre procedimentos relativos à responsabilidade e ao inventário físico-financeiro dos bens permanentes do Crea-SP. O Presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB

ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB ORDEM DE SERVIÇO Nº 03/2003-GAB Fixa normas e procedimentos administrativos relativos ao controle patrimonial do ativo imobilizado da FFFCMPA. O Diretor da Fundação Faculdade Federal de Ciências Médicas

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012

Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Ministério da Educação Universidade Federal Fluminense Hospital Universitário Antonio Pedro MINUTA DETERMINAÇÃO DE SERVIÇO Nº, DE DE NOVEMBRO DE 2012 Dispõe sobre normas de segurança e acesso aos prédios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Salvador, Bahia Sexta-Feira 21 de novembro de 2014 Ano XCIX N o 21.577 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 019/2014 Orienta os órgãos e entidades da Administração Pública do Poder Executivo Estadual, sobre a realização

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 CIRCULAR Nº 3.629, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2013 Aprova o regulamento de comunicação eletrônica de dados no âmbito do Sistema Financeiro Nacional (SFN). A Diretoria Colegiada do Banco Central do Brasil, em

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS

REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS REGULAMENTO DE COMPRAS E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS RCC IJUCI/MG CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS SEÇÃO I DOS PRINCÍPIOS Art. 1º Este regulamento aplica os procedimentos e os princípios observados pelo Instituto

Leia mais

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL

1/5 NORMA INTERNA Nº: DATA DA VIGÊNCIA: 26/2010 ASSUNTO: SISTEMA OPERACIONAL DO ALMOXARIFADO CENTRAL 1/5 1) DOS OBJETIVOS: 1.1) Normatizar os procedimentos de entrada e saída de materiais adquiridos pelo Município; 1.2) Garantir recebimento dos materiais no que se refere a quantidade, qualidade e prazo

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS

PROCEDIMENTOS DE COMPRAS PROCEDIMENTOS DE COMPRAS Estas instruções têm como objetivo a padronização dos procedimentos para a realização das compras de materiais de consumo, bens permanentes e prestações de serviços necessários

Leia mais

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00

ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$1.287,00 R$ 572,00 R$ 572,00 ANEXO I QUADRO DE VAGAS, FUNÇÕES, REMUNERAÇÃO E CARGA HORÁRIA CAMPUS FUNÇÃO REMUNERAÇÃO Caruaru Salgueiro Arcoverde Garanhuns Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade Secretaria Executiva Téc. em Contabilidade

Leia mais

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05

RECURSOS HUMANOS CONCEITUAÇÃO 01 01/02 NORMAS GERAIS 02 01/02 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 04 01/05 IN-13-2 SUBSISTEMA ÍNDICE 1 ASSUNTO FOLHA CONCEITUAÇÃO 1 1/2 NORMAS GERAIS 2 1/2 CLASSIFICAÇÃO, INSTRUTORES E PAGAMENTO DE EVENTOS 3 1/3 PLANEJAMENTO DA PROGRAMAÇÃO DE CAPACITAÇÃO 4 1/5 OPERACIONALIZAÇÃO

Leia mais

JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A:

JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL DE SINOP, ESTADO DE MATO GROSSO, no uso de suas atribuições legais; D E C R E T A: DECRETO Nº. 245/2014 DATA: 24 de novembro de 2014 SÚMULA: Disciplina a utilização das linhas telefônicas móveis, os chamados Celulares Corporativos, e dá outras providências. JUAREZ COSTA, PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012.

3. Definições: Código de Classificação de Documentos do TJAM. Código: POP-STGARQ-001. Revisão: 06. Páginas 10. Data 31/05/2012. 001/20 - Providenciar o Arquivamento, : 1. Objetivo: Padronizar os procedimentos relacionados aos pedidos de arquivamento, desarquivamento e encaminhar os autos processuais findos oriundos das Unidades

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial

CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009. Sistema de Controle Patrimonial 1 CÂMARA MUNICIPAL DE SINOP ESTADO DE MATO GROSSO INSTRUÇÃO NORMATIVA SPA 001/2009 Versão: 01 Aprovação em: 31/07/2009 Unidade Responsável: Coordenadoria de Finanças e Patrimônio - CFP SPA: Sistema de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO:

COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS FORMAS DE AQUISIÇÃO/CONTRATAÇÃO LICITAÇÃO: COMPRAS / CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS Quase todas as despesas das Unidades são realizadas através de compras ou contratações de serviços. Elas são classificadas de acordo com a forma de aquisição/contratação

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DECRETO nº 196, de 18 de outubro de 2013. Institui a obrigatoriedade de realizar os procedimentos de reavaliação, redução ao valor recuperável de ativos, depreciação, amortização e exaustão dos bens da

Leia mais

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado;

a) MORTE POR ACIDENTE Garante aos beneficiários do segurado o pagamento do valor do capital contratado; TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do Campus Bento Gonçalves do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012.

No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do Campus Bento Gonçalves do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012. Norma Operacional número 01/2012 Bento Gonçalves, 13 de janeiro de 2012 No uso de suas atribuições, o Diretor-Geral do do IFRS, institui a Norma Operacional de número 01/2012. Norma Operacional nº 01/2012

Leia mais

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015

REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 REGULAMENTO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA - 2015 Os laboratórios de informática utilizados pelos alunos das Faculdades Integradas Camões se encontram nas duas sedes: Treze de Maio e Muricy, funcionando

Leia mais

Padronizar os procedimentos relacionados à incorporação de veículos, no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ).

Padronizar os procedimentos relacionados à incorporação de veículos, no âmbito do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro (PJERJ). Proposto por: Equipe do Departamento de Patrimônio e Material (DEPAM) / Equipe do Departamento de Transporte (DETRA) Analisado por: (DGLOG) Aprovado por: Chefe do Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014

Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 Instruções para Cotação Eletrônica 152/2014 (Inciso II do Art. 24 da Lei nº 8.666/93 c/c Portaria nº 306, de 13 de dezembro de 2001). A União, por intermédio do Instituto Nacional de Câncer José Alencar

Leia mais

ATO (N) Nº 230/00 PGJ, de 03 de março 2000 (PT. 7.719/00)

ATO (N) Nº 230/00 PGJ, de 03 de março 2000 (PT. 7.719/00) ATO (N) Nº 230/00 PGJ, de 03 de março 2000 (PT. 7.719/00) Texto compilado até Ato (N) nº 710/2011 PGJ, de 16/09/2011 Regulamenta os procedimentos administrativos a serem adotados nos casos de arrolamento

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012. Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 17/CUn DE 10 DE ABRIL DE 2012 Regulamenta o Programa de Monitoria da Universidade Federal de Santa Catarina O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal de Santa

Leia mais

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)...

DOS PROCEDIMENTOS QUANTO À OCORRÊNCIA DE SINISTROS COM VEÍCULOS... 7. DO RECEBIMENTO DE BENS DOADOS PELA Receita Federal do Brasil (RFB)... Manual de Frota 2 SUMÁRIO DO CONTRATO DE MOTORISTAS TERCEIRIZADOS... 3 DAS SOLICITAÇÕES DE VEÍCULOS OFICIAIS... 3 DO ABASTECIMENTO... 4 Do Abastecimento de veículos de outros órgãos... 5 DA MANUTENÇÃO

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO

MINUTA DE RESOLUÇÃO. Capítulo I DO OBJETO MINUTA DE RESOLUÇÃO Dispõe sobre a atividade de corretagem de resseguros, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no uso da atribuição que lhe confere o art. 34, inciso

Leia mais

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O I N T E R N O Porto Alegre, 2013 TITULO I DA NATUREZA E SEUS FINS Art. 1 A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo, criada em 1962, registrada sob o nº.

Leia mais

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008

PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 PORTARIA Nº 131, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008 Estabelece os requisitos técnicos e procedimentos para credenciamento de empresas prestadoras de serviço de vistoria em veículos automotores. O DIRETOR DO DEPARTAMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD

RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD RESOLUÇÃO Nº 10/15 COPLAD Estabelece o Regimento e o Organograma da Unidade de Auditoria Interna da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE PLANEJAMENTO E ADMINISTRAÇÃO, da Universidade Federal do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 007, DE 22 JUNHO DE 2007. Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Norma de Procedimento

Norma de Procedimento PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA Código Secretaria Municipal de Administração Assessoria de Planejamento Organizacional Assunto CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO/RENOVAÇÃO/RESCISÃO DE TERMO DE COMPROMISSO 1. Finalidade:

Leia mais

30.505 INVENTÁRIO DE MERCADORIAS Data de aprovação: 18/07/2001 Data de alteração: 07/04/2009

30.505 INVENTÁRIO DE MERCADORIAS Data de aprovação: 18/07/2001 Data de alteração: 07/04/2009 30.505 NVENTÁRO DE MERCADORAS Data de aprovação: 18/07/2001 Data de alteração: 07/04/2009 CAPÍTULO - GENERALDADES...1/1 V - Objetivo - Competência - Aplicação - Definições CAPÍTULO - PERODCDADE...1/3 -

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013.

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE ITIQUIRA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013. INSTRUÇÃO NORMATIVA SCL Nº 002/2013, DE 22 DE JANEIRO DE 2013. Versão nº 01 Aprovação em: 22/01/2013 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 010/2013 Unidade Responsável: Departamento de Compras e Patrimônio/Comissão

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS 1 RESOLUÇÃO NORMATI VA N.º 0 0 6 / 2 0 0 1 O Tribunal de Contas do Estado de Goiás, considerando as atribuições estabelecidas pela Constituição Estadual em seu artigo 26, o disposto no inciso XII do art.

Leia mais

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO

REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO HOSPITALARES DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO-HOSPITALARES REGIMENTO DA COMISSÃO PERMANENTE DE PADRONIZAÇÃO DE MATERIAIS MÉDICO

Leia mais

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes

INVENTÁRIO ANUAL. Exercício 2011. Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes INVENTÁRIO ANUAL Exercício 2011 Orientações e Procedimentos para Comissões Inventariantes Elaboração: Fernando de Souza Guimarães : 3409-4674 / 3409-4675 : dimat@dsg.ufmg.br Belo Horizonte, 2011 SUMÁRIO

Leia mais