ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.867"

Transcrição

1 PARECER Nº TRADUTOR PÚBLICO E INTÉRPRETE COMERCIAL. INCLUSÃO, REINCLUSÃO E HABILITAÇÃO EM MAIS UM IDIOMA, SOB CONDIÇÃO PRECÁRIA. IMPOSSIBILIDADE. Vêm ao exame desta Equipe de Consultoria, encaminhados pela Secretaria do Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais - SEDAI, expedientes que tiveram origem em pedidos de inclusão e reinclusão como tradutor e intérprete na Junta Comercial do Estado do Rio Grande do Sul - JUCERGS. No expediente /07-0, a interessada alega ter sido nomeada como tradutora pública e intérprete comercial para o idioma inglês, em caráter precário, em 03 de maio de 1996 e que, após ter mudado de endereço em 2001, perdeu o prazo para o recadastramento ocorrido em 2003 sobre o qual não tomou ciência na época própria e foi excluída da lista de tradutores precários. Requer, escudada em suas qualificações acadêmicas, a reinclusão na lista, até a realização do concurso público para seleção de tradutores. O Presidente da JUCERGS, embora asseverando que a legislação regulamentar do Ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial estabelece o exercício das funções em decorrência de habilitação em concurso público de provas, permitindo apenas em casos especiais a nomeação ad hoc, sem que haja previsão de nomeação a título precário, reconhece que ocorreram nomeações de tradutores a este título. Esclarece que em março de 2003 foram enviadas correspondências para os tradutores até então nomeados e que os tradutores precários que não atenderam ao chamado tiveram seus registros cancelados. Finda por solicitar o exame do requerimento pela Procuradoria-Geral do Estado, para evitar futuras demandas judiciais.

2 A assessoria jurídica da SEDAI, vislumbrando defeito no cancelamento do registro efetivado pela JUCERGS, opina pelo recadastramento da interessada, vindo o expediente para exame por determinação do Secretário Substituto da pasta. Já no expediente nº /07-3, o interessado informa que a JUCERGS não abre concurso para tradutor juramentado há mais de 25 anos, não permitindo que profissionais habilitados possam exercer sua profissão e que os registros de tradutores vêm sendo resolvidos na base de exceções, razão pela qual solicita o registro provisório que lhe permita trabalhar numa comarca onde não há tradutores juramentados. O Presidente da JUCERGS, depois de reafirmar a inexistência de previsão de nomeação a título precário, informa que as tratativas realizadas desde o ano de 2003 para a realização de concurso público restaram infrutíferas e para evitar constrangimentos, mesmo considerando as tratativas atuais com a Fundação para o Desenvolvimento de Recursos Humanos - FDRH para a realização do concurso, solicita o exame da matéria pela Procuradoria-Geral do Estado. A assessoria jurídica da SEDAI, por sua vez, reconhecendo que a legislação ampara apenas a nomeação de tradutor e intérprete ad hoc para um único e exclusivo ato, conclui favoravelmente à nomeação do interessado como tradutor e intérprete ad hoc no município de Chuí, determinando o Secretário Substituto da pasta o encaminhamento a esta Procuradoria-Geral. Solicitadas informações complementares, o Presidente da JUCERGS informou que: a) não existe fundamento normativo para a nomeação, matrícula e inclusão de Tradutores a título precário, sendo que as nomeações feitas a este título decorreram de decisões tomadas por administrações passadas e que datam de 1996 as últimas inclusões; b) que, após o prazo fixado para o recadastramento, aqueles que detinham títulos precários e não acorreram ao chamado foram excluídos da relação que é publicada no mês de março de cada ano; 2

3 c) que não há previsão para a realização de concurso, pendente a liberação de recursos financeiros, não obstante a FDRH já esteja trabalhando para apresentar proposta de preços para realização do certame. Juntou, ainda, cópia da correspondência enviada aos Tradutores abrindo prazo para o recadastramento e cópia da Resolução Plenária nº 003/2003 da JUCERGS, que determinou a realização do recadastramento. Posteriormente, foi distribuído para exame conjunto o expediente nº /07-0, que contém solicitação de assinatura de Termo de Compromisso como Tradutora Pública e Intérprete Comercial para o idioma francês, tendo em vista que a interessada requereu a nomeação, a título precário, no ano de 1995 para os idiomas francês e italiano e que obteve o deferimento para ambos, embora só tenha sido efetivamente nomeada para o idioma italiano. O Presidente da JUCERGS, depois de novamente afirmar a inexistência de previsão de nomeação a título precário, registra que a requerente, embora tenha solicitado nomeação para os idiomas italiano e francês, assinou Termo de Compromisso apenas para o idioma italiano, mas, para evitar constrangimentos, solicita o exame da matéria pela Procuradoria-Geral do Estado. A assessoria jurídica da SEDAI, em nova manifestação, opina pelo cadastramento da interessada como tradutora e intérprete no idioma francês, vindo o expediente para exame por determinação do Secretário Substituto da pasta. É o relatório. Inicio com o exame da legalidade das nomeações para o exercício do ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial, a título precário, visto que prejudicial ao exame dos pedidos formulados pelos interessados. Assim, os tradutores públicos e intérpretes comerciais que são agentes auxiliares do comércio têm sua habilitação e nomeação processada pelas 3

4 Juntas Comerciais, como previsto no art. 1º da Lei Federal nº 8934/94 e também no artigo 7º do Decreto Federal nº 1800/96, que dispõe: Art. 7º Compete às Juntas Comerciais: (...) III - processar, em relação aos agentes auxiliares do comércio: a) a habilitação, nomeação, matrícula e seu cancelamento dos tradutores públicos e intérpretes comerciais; (...) V - expedir carteiras de exercício profissional para agentes auxiliares do comércio, titular de firma mercantil individual e para administradores de sociedades mercantis e cooperativas, registradas no Registro Público de Empresas Mercantis e Atividades Afins, conforme instrução normativa do Departamento Nacional de Registro do Comércio - DNRC; E a habilitação para o exercício da função decorre de aprovação em concurso público de provas, como determinado no Regulamento do Ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial, aprovado pelo Decreto Federal nº /43 (art. 1º) e pela Instrução Normativa nº 84/00, do Departamento Nacional do Registro do Comércio, cujo artigo 1º estabelece: Art. 1º - O Ofício de Tradutor Público e Intérprete Comercial será exercido mediante nomeação e matrícula pela Junta Comercial, em decorrência de habilitação em concurso público de provas. Por oportuno, registre-se que, embora as mencionadas disposições regulamentares façam referência à nomeação, o vocábulo não está empregado no sentido que esta palavra tem no direito administrativo (ato de investidura no servidor no cargo) e sim como um sinônimo de credenciamento, de autorização ou licença para exercício de determinada atividade, uma vez que os tradutores públicos e intérpretes comerciais não mantêm vínculo funcional com a Administração, desempenhando suas funções como profissionais autônomos, embora sujeitos à fiscalização da Junta Comercial. E ao lado da nomeação decorrente da habilitação em concurso, as disposições regulamentares prevêem a nomeação de tradutor e intérprete ad hoc, a qual, porém, somente ocorrerá na falta ou impedimento de tradutor para determinado 4

5 idioma e valerá para um único e exclusivo ato, como expresso no artigo 10 da Instrução Normativa nº 84/00: Art. 10 Somente na falta ou impedimento de Tradutor Público e Intérprete Comercial para determinado idioma, poderá a Junta Comercial, para um único e exclusivo ato, nomear tradutor e intérprete ad hoc. Evidente, pois, que inexiste fundamento normativo para as nomeações a título precário levadas a efeito pela JUCERGS; ou o tradutor e intérprete foi habilitado em concurso público de provas ou, na falta ou impedimento de tradutor para determinado idioma, a Junta deve nomear intérprete ad hoc, para um único e exclusivo ato. E, desse modo, não há que se cogitar de novas nomeações a título precário, de reinclusão de intérprete precário com matrícula cancelada ou de assinatura, por tradutor precário, de termo de compromisso para outro idioma porque qualquer uma delas acarretará descumprimento das normas que regulamentam o exercício das funções, situação que, aliás, já se flagra em relação a todos os intérpretes e tradutores que não se submeteram à seleção pública. Contudo, ainda que deva manter uma relação de tradutores habilitados composta exclusivamente por aqueles que se submeteram à seleção pública, poderá a Junta Comercial, até que esta se realize - medida que se impõe seja implementada no menor tempo lapso temporal possível -, abrir prazo para que eventuais interessados, que detenham a formação necessária, componham um cadastro prévio para as nomeações ad hoc, nas hipóteses estritas em que estas se fizerem necessárias, cadastro no qual desde logo ingressarão todos os atuais tradutores públicos e intérpretes comerciais precários, uma vez que já forneceram documentação comprobatória da qualificação técnica. É o parecer. Porto Alegre, 23 de janeiro de

6 ADRIANA MARIA NEUMANN, PROCURADORA DO ESTADO. Processo nº /07-0 6

7 Processo n.º /07-0 Acolho as conclusões do PARECER n.º , da Procuradoria de Pessoal, de autoria da Procuradora do Estado Doutora ADRIANA MARIA NEUMANN. Restitua-se o expediente ao Excelentíssimo Senhor Secretário de Estado do Desenvolvimento e dos Assuntos Internacionais. Em 07 de agosto de Eliana Soledade Graeff Martins, Procuradora-Geral do Estado.

Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa

Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa Patrimônio Genético - Cadastramento de Instituições e Autorização de Acesso e Remessa RN-017/2010 O Presidente do CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO - CNPq, no uso das atribuições

Leia mais

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964

DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 DECRETO nº 53.464 de 21-01-1964 Regulamenta a Lei nº 4.119, de agosto de 1962, que dispõe sobre a Profissão de Psicólogo. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o art.87, item

Leia mais

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES

REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR. Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES REGULAMENTO DA DISCIPLINA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS SUPERIORESDE GRADUAÇÃO DO CEFET-PR Capítulo I DO ESTÁGIO E SUAS FINALIDADES Art. 1º - O Estágio Curricular, baseado na lei nº 6.494,

Leia mais

RESOLUÇÃO DIR-008/2014

RESOLUÇÃO DIR-008/2014 RESOLUÇÃO DIR-0082014 Estabelece normas sobre o aproveitamento de estudos em componentes curriculares dos Cursos de Graduação da Faculdade Campos Elíseos. O Diretor da Faculdade Campos Elíseos FCE, no

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CONSULTORIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO CONSULTORIA PARECER Nº 15.149 A PARCELA RELATIVA A ADICIONAL NOTURNO INCORPORADA AO VENCIMENTO DO SERVIDOR EXTRANUMERÁRIO INTEGRANTE DO QUADRO ESPECIAL COMPOSTO DOS SERVIDORES DA EXTINTA CAIXA ECONÔMICA ESTADUAL É

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO CONSULTORIA JURÍDICA DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO CONSULTORIA JURÍDICA DO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO PARECER/MP/CONJUR/SMM/Nº 1653-3.5 / 2009 PROCESSO Nº: 03080.002850/2009-34 EMENTA: CONSULTA FORMULADA PELA SECRETARIA DE GESTÃO DESTE MINISTÉRIO ACERCA DA INTERPRETAÇÃO DAS DISPOSIÇÕES CONTIDAS NO ARTIGO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.895 Servidores do Quadro Especial criado pela Lei n o 10.959/98. Auxílio-rancho e gratificação ordinária incorporada. Inclusão na base de cálculo de outras vantagens pecuniárias. Vem a esta

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005. RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005. REGULAMENTA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS/CERTIFICADOS DE PÓS-GRADUAÇÃO, EXPEDIDOS POR ESTABELECIMENTOS ESTRANGEIROS DE ENSINO SUPERIOR. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2014 Dispõe sobre a aprovação das normas para revalidação de diplomas e certificados de Ensino Fundamental, Ensino Médio e Cursos Técnicos expedidos por estabelecimentos estrangeiros

Leia mais

(Publicada no DOU de 20/12/2012 (nº 245, Seção 1, pág. 123)

(Publicada no DOU de 20/12/2012 (nº 245, Seção 1, pág. 123) (Publicada no DOU de 20/12/2012 (nº 245, Seção 1, pág. 123) PORTARIA N o 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre as normas relacionadas ao credenciamento de instrutores dos cursos voltados à formação,

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.389/12 Dispõe sobre o Registro Profissional dos Contadores e Técnicos em Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE:

Leia mais

PARECER Nº 13046. Este o relatório.

PARECER Nº 13046. Este o relatório. PARECER Nº 13046 MANDATO SINDICAL. COMPANHIA RIOGRANDENSE DE MINERAÇÃO CRM. LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE SINDICAL. ARTIGO 27, I E II, CONSTITUIÇÃO ESTADUAL. LEI Nº 9.073/90. O Diretor Presidente da Companhia

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR POSSIBILIDADE DO PROFISSIONAL MÉDICO EXERCER A ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR RESOLUÇÃO CFM Nº 1441/94. Referência: Protocolo CFM nº 905/95 ORIGEM:

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 15.220 PROFESSOR. CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL. DURAÇÃO DO PERÍODO DE FÉRIAS. GOZO DE LICENÇA POR OCASIÃO DE LUTO OU CASAMENTO. Por determinação da Secretária Adjunta da Educação, vem a esta Procuradoria-Geral

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N. 14.016

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER N. 14.016 PARECER N. 14.016 Sociedade de Economia Mista. Diretores. Remuneração. Participação nos lucros. O presente expediente administrativo tem origem na Secretaria de Energia, Minas e Comunicações, a partir

Leia mais

PARECER Nº 13238. São formulados objetivamente os seguintes questionamentos: Relatei.

PARECER Nº 13238. São formulados objetivamente os seguintes questionamentos: Relatei. PARECER Nº 13238 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL. CONTRATAÇÃO EMERGENCIAL PELO REGIME DA CLT. ARTIGO 37, IX, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 C/C ARTIGO 443 DA CLT. Vem a esta Procuradoria-Geral

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 12672

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 12672 PARECER Nº 12672 Faixas de domínio marginais às estradas de rodagem cuja exploração é objeto de contrato de concessão. Uso por particulares, sem exclusividade. Autorização. Competência. Licitação. Expondo

Leia mais

Sumário 1. INTRODUÇÃO

Sumário 1. INTRODUÇÃO Registro profissional dos contabilistas Em face da publicação da Resolução CFC nº 1.461/2014 - DOU 1 de 17.02.2014, este procedimento foi atualizado. Tópico atualizado: 1.1 Sujeição e aprovação em exame

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 EDITAL DE CADASTRAMENTO DE ADVOGADOS VOLUNTÁRIOS, ADVOGADOS DATIVOS, TRADUTORES, PERITOS, INTÉRPRETES E CURADORES (PRAZO DE : a partir da data da publicação

Leia mais

AVERBAÇÃO Salvador, Agosto/2010 1

AVERBAÇÃO Salvador, Agosto/2010 1 AVERBAÇÃO Salvador, Agosto/2010 1 I) AVERBAÇÃO. CONCEITO E NOÇÕES INTRODUTÓRIAS. Conceito: É o registro, nos assentamentos do servidor, de determinado tempo de serviço/contribuição. Noções genéricas, que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 0020, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2005 Publicada no DOE(Pa) de 29.11.05. Alterada pela IN 05/13. Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Informações Econômico-Fiscais - DIEF relativa

Leia mais

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. ESTABELECE NORMAS SOBRE OS RELATÓRIOS DOS ÓRGÃOS LOCAIS E SETORIAIS DO SISTEMA JURÍDICO E REVOGA A RESOLUÇÃO PGE Nº 2.928, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2011. A PROCURADORA-GERAL

Leia mais

Regulamento de Estágio

Regulamento de Estágio Regulamento de Estágio Capitulo I - Do Estágio e suas Finalidades Capitulo II - Da Forma de Realização Capitulo III - Da Inscrição, Duração e Encerramento do Estágio Capitulo IV - Do Acompanhamento e Avaliação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA

CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA CENTRO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA NATUREZA Instituto de Física Instituto de Geociências Instituto de Matemática Observatório do Valongo CURSO DE CIÊNCIAS MATEMÁTICAS E DA TERRA REGULAMENTO I DOS OBJETIVOS

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DO CONSELHO, ATRIBUIÇÕES E SUA COMPOSIÇÃO Art. 1.º- O Conselho Municipal de Educação de Carlos Barbosa, criado pela Lei Municipal nº1.176 de

Leia mais

quarta-feira, 19 de março de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (52) 17-

quarta-feira, 19 de março de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (52) 17- quarta-feira, 19 de março de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (52) 17- Resolução SE-12, de 18-3-2014 - Dispõe sobre a situação funcional dos servidores da Secretaria da Educação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse. Qualificação Jurídica

Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse. Qualificação Jurídica Workshop de Qualificação para a Décima Primeira Rodada de Licitações Manifestação de Interesse Qualificação Jurídica Regularidade Fiscal e Trabalhista Mileno Feitosa Jr. Superintendência de Promoção de

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROENS Nº 01/2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROENS Nº 01/2014. INSTRUÇÃO NORMATIVA PROENS Nº 01/2014. Orienta aos acadêmicos e às Secretarias das Unidades os procedimentos a serem observados e cumpridos para a realização de rematrículas e/ou ajustes, a partir do próximo

Leia mais

Of. Circ. nº 277/2012 Porto Alegre, 03 de julho de 2012. Prezado(a) Colega:

Of. Circ. nº 277/2012 Porto Alegre, 03 de julho de 2012. Prezado(a) Colega: Of. Circ. nº 277/2012 Porto Alegre, 03 de julho de 2012. Prezado(a) Colega: A Associação dos Servidores do Ministério Público APROJUS, tendo em vista as demandas apresentadas pelos associados que questionam

Leia mais

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes

B - Programa de Inclusão, Capacitação para Filhos, Dependentes Legais e Estudantes Bolsas de estudo A - Programa de Capacitação do PROFESSOR/AUXILIAR Todo PROFESSOR/AUXILIAR tem direito a bolsa de estudo integral, incluindo matrícula, em cursos de graduação, sequenciais e pós-graduação

Leia mais

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014

EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Governo do Estado do Ceará Secretaria da Ciência, Tecnologia e Educação Superior Universidade Estadual do Ceará REITORIA EDITAL N o 06/2014-REITORIA, DE 05 DE MARÇO DE 2014 Estabelece as normas e fixa

Leia mais

Magnífico Reitor Prof. Felipe Martins Müller DD. Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Universidade Federal de Santa Maria

Magnífico Reitor Prof. Felipe Martins Müller DD. Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Universidade Federal de Santa Maria Magnífico Reitor Prof. Felipe Martins Müller DD. Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão Universidade Federal de Santa Maria ASSOCIAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA COMISSÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2010/CPG Estabelece procedimento para o reconhecimento e o registro de diploma de conclusão de curso de Pós-Graduação expedidos por instituições de ensino superior estrangeiras.

Leia mais

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação

Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER. Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação Controladoria-Geral da União Ouvidoria-Geral da União PARECER Referência: 25820.005586/20-07 Assunto: Restrição de acesso: Ementa: Órgão ou entidade recorrido (a): Recorrente: Recurso contra decisão denegatória

Leia mais

PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009.

PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009. PORTARIA RIOPREVIDÊNCIA Nº. 148 DE 09 DE FEVEREIRO DE 2009. ALTERA O MODELO DE CERTIDÃO DE TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO - CTC, DISCIPLINA PROCEDIMENTOS QUANTO À SUA EXPEDIÇÃO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PRESIDENTE

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURSOS SUPERIORES SUMÁRIO Apresentação...03 Regulamentação de estágio Estágio...04 Matrícula de estágio...05 Carga Horária e prazo para conclusão...05

Leia mais

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade de Lucas do Rio Verde Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 05/2008, DE 06 DE MARÇO DE 2008 Aprova o Regulamento das Atividades Complementares para o Curso de Graduação em Direito da Faculdade de Lucas do Rio Verde. O Presidente

Leia mais

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015

RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 RESOLUÇÃO CONCEA NORMATIVA Nº 21, DE 20 DE MARÇO DE 2015 Altera os critérios e procedimentos para requerimento, emissão, revisão, extensão, suspensão e cancelamento do Credenciamento Institucional para

Leia mais

CONVÊNIO Nº 002/2015

CONVÊNIO Nº 002/2015 CONVÊNIO Nº 002/2015 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM A JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO AMAPÁ E O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO AMAPÁ, VISANDO A COOPERAÇÃO MÚTUA PARA FACILITAR E AGILIZAR O PROCESSO DE NOMEAÇÃO AD

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO DE SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE CONTABILISTAS CERTIFICADOS E NOMEAÇÃO PELAS SOCIEDADES DE CONTABILIDADE DO DIRETOR TÉCNICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O presente

Leia mais

A Sua Excelência o Senhor Deputado Enio Tatto, 1º Secretário da Egrégia Mesa da Assembleia Legislativa do Estado.

A Sua Excelência o Senhor Deputado Enio Tatto, 1º Secretário da Egrégia Mesa da Assembleia Legislativa do Estado. GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO CASA CIVIL São Paulo, de junho de 2014 CC-ATL nº 236/2014 Senhor 1º Secretário Tendo em vista o disposto no artigo 20, inciso XVI, da Constituição do Estado, venho transmitir

Leia mais

Estado de Goiás PREFEITURA MUNICIPAL DE ANICUNS Adm. 2013 / 2016 EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS

Estado de Goiás PREFEITURA MUNICIPAL DE ANICUNS Adm. 2013 / 2016 EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS EDITAL 009-2015 CHAMAMENTO PÚBLICO QUALIFICAÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS A Secretaria Municipal de Educação de Anicuns, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ: 02.262.368/0001-53, por intermédio

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 023/2015 CONSEPE

RESOLUÇÃO Nº 023/2015 CONSEPE RESOLUÇÃO Nº 023/2015 CONSEPE Estabelece procedimentos para revalidação de diplomas expedidos por estabelecimentos estrangeiros de ensino superior, em observância as normas do Conselho Nacional de Educação.

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA EMENTA: REVALIDAÇÃO DE DIPLOMA PROVENIENTE DA ARGENTINA CONVÊNIO DE INTERCÂMBIO CULTURAL BRASIL/ARGENTINA ATO ADMINISTRATIVO NULIDADE EFEITOS. 1.O Convênio de Intercâmbio Cultural

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS PARA ACEITAÇÃO DE DIPLOMAS DE GRADUAÇÃO E PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU E CERTIFICADOS DE CURSOS DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU PARA FINS DE ADMISSÃO, CONTRATAÇÃO, PROMOÇÃO FUNCIONAL E INCENTIVO POR

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO DE SOCIEDADES PROFISSIONAIS DE TÉCNICOS OFICIAIS DE CONTAS E NOMEAÇÃO PELAS SOCIEDADES DE CONTABILIDADE DO RESPONSÁVEL TÉCNICO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito O

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

A Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, de conformidade com a legislação em vigor, e

A Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, de conformidade com a legislação em vigor, e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO N o 12/2007 Dá nova redação à Resolução 10/2005 sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º O Colegiado Estadual de Procuradores e Advogados Municipais de Santa Catarina, que passará a utilizar com exclusividade a denominação

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ALVARO DIAS RELATOR AD HOC: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ALVARO DIAS RELATOR AD HOC: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sobre a Proposta de Emenda à Constituição nº 95, de 2003, primeiro signatário o Senador Paulo Paim, que dá nova redação ao inciso III,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO DE 2013 Presidência da República Secretaria da Micro e Pequena Empresa Secretaria de Racionalização e Simplificação Departamento de Registro Empresarial e Integração INSTRUÇÃO NORMATIVA DREI Nº 7, DE 5 DE DEZEMBRO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil Inspetoria da Receita Federal do Brasil em São Paulo ORDEM DE SERVIÇO IRF/SPO Nº 12, DE 24 DE MAIO DE 2011 Dispõe, provisoriamente, sobre a

Leia mais

RESOLUÇÃO CFN N.º 227/99

RESOLUÇÃO CFN N.º 227/99 RESOLUÇÃO CFN N.º 227/99 DISPÕE SOBRE O REGISTRO E FISCALIZAÇÃO PROFISSIONAL DE TÉCNICOS DA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Conselho Federal de Nutricionistas (CFN), no uso das

Leia mais

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995

DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 DEPARTAMENTO DA POLÍCIA FEDERAL PORTARIA Nº 1.129, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1995 O Diretor do Departamento de Polícia Federal, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo ítem III, do Artigo 30 do Regimento

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - DIREITO

FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - DIREITO FACULDADES INTEGRADAS BARROS MELO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - DIREITO DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento disciplina o funcionamento do Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) e o Estágio

Leia mais

RECONHECIMENTO DE DIPLOMA DE PÓS-GRADUAÇAO DE MESTRADO E DOUTORADO OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA

RECONHECIMENTO DE DIPLOMA DE PÓS-GRADUAÇAO DE MESTRADO E DOUTORADO OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA RECONHECIMENTO DE DIPLOMA DE PÓS-GRADUAÇAO DE MESTRADO E DOUTORADO OBTIDO EM INSTITUIÇÃO ESTRANGEIRA De acordo com a Resolução Complementar nº01/2007, de 8/11/2007, Art.1º, a Universidade Federal de Minas

Leia mais

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto;

a.1.4) Em caso de Associação Civil, a aceitação de novos associados, na forma do estatuto; CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 002/2014 QUALIFICAÇÃO DE ENTIDADES PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS COMO ORGANIZAÇÃO SOCIAL NA ÁREA DE SAÚDE O Município de Fontoura Xavier, Estado do Rio Grande do Sul, pessoa jurídica

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE DESIGN DE MODA CAPÍTULO I. Da Origem, Definição e Finalidades

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE DESIGN DE MODA CAPÍTULO I. Da Origem, Definição e Finalidades REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO CURSO DE DESIGN DE MODA CAPÍTULO I Da Origem, Definição e Finalidades Artigo 1º - O Estágio Supervisionado é matéria constante do Currículo Pleno do Curso

Leia mais

CAPÍTULO I FINALIDADE

CAPÍTULO I FINALIDADE CAPÍTULO I FINALIDADE Art. 1º - O presente regulamento de recursos humanos tem por finalidade apresentar os princípios básicos de gestão de pessoas que devem orientar a área de Recursos Humanos no desempenho

Leia mais

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS

CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES ANO 2007 CURSOS ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS INTRODUÇÃO: Tendo como objetivo propiciar ao aluno um conjunto de oportunidades que se refletirão, de forma direta

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO RONALDO FONSECA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI N 0 5.618, DE 2005 (Apensados os Projetos de Lei nº 7.456, de 2006 e nº 7.741, de 2010) Dispõe sobre a regulamentação da profissão

Leia mais

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga

ESAMC. MBA Executivo. Unidades: Sorocaba. Itapetininga ESAMC MBA Executivo Unidades: Sorocaba Itu Itapetininga REGULAMENTO INTERNO DA INSTITUIÇÃO ÚLTIMA REVISÃO: NOVEMBRO/2009 SUMÁRIO ii 1) DO REGIME ESCOLAR... 1 1.1) CRITÉRIO DE CONTAGEM DE CRÉDITOS... 1

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES DO IFSULDEMINAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO PARA OS CURSOS TÉCNICOS E SUPERIORES

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE IMPERATRIZ SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL Nº 01/2015 SEMED (Prazo: 30 dias) Processo Seletivo para a concessão de licença para qualificação profissional

Leia mais

Certificado de Origem

Certificado de Origem Mercadores Certificado de Origem Coletânea (Versão Histórica) Versão 2.00 - Maio de 2010 Atualizada até: Instrução Normativa RFB nº 777, de 19 de outubro de 2007 Paulo Werneck mercadores.blogspot.com www.mercadores.com.br

Leia mais

Referência: 52750.000176/2012-24

Referência: 52750.000176/2012-24 NOTA TÉCNICA /2012/OGU/CGU-PR Referência: 52750.000176/2012-24 Assunto: Recurso contra decisão denegatória ao pedido de acesso à informação requerido ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio

Leia mais

BOLSAS DE EXTENSÃO PARA PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE

BOLSAS DE EXTENSÃO PARA PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE BOLSAS DE EXTENSÃO PARA PROJETOS NA ÁREA DA SAÚDE Edital Nº 003/2013 Em consonância com a Resolução Normativa 03/CUn/09 de 8 de dezembro de 2009 e com a Resolução Normativa N.º 09/CUn/10, de 7 de dezembro

Leia mais

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital.

1º O acesso ao Sistema deverá ser feito por meio de Senha Web ou certificado digital. ÍNTEGRA DA INSTRUÇÃO NORMATIVA O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE FINANÇAS, no uso de suas atribuições legais, considerando o disposto nos artigos 113 e 114 do Decreto n 53.151, de 17 de maio de 2012, RESOLVE:

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO PROJETO DE LEI N o 3.687, DE 2012 Altera o inciso I do artigo 37 da Lei nº 8.934, de 18 de novembro de 1994, que Dispõe sobre o Registro Público

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO DE GESTÃO DO PATRIMÔNIO GENÉTICO RESOLUÇÃO Nº 15, DE 27 DE MAIO DE 2004 Estabelece procedimentos para o transporte de amostra de componente do patrimônio genético existente

Leia mais

Requeridos: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL SÃO LUCAS IDESAL e FACULDADE REUNIDA - FAR

Requeridos: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL SÃO LUCAS IDESAL e FACULDADE REUNIDA - FAR Requeridos: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL SÃO LUCAS IDESAL e FACULDADE REUNIDA - FAR Assunto: Não autorização do MEC para ofertar cursos de graduação, pós-graduação e formação docente. RECOMENDAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 124, DE 26 DE MAIO DE 2015. (Publicado no DOU, Seção 1, de 17/06/2015, pág. 70)

RESOLUÇÃO N 124, DE 26 DE MAIO DE 2015. (Publicado no DOU, Seção 1, de 17/06/2015, pág. 70) RESOLUÇÃO N 124, DE 26 DE MAIO DE 2015. (Publicado no DOU, Seção 1, de 17/06/2015, pág. 70) Institui o Diário Eletrônico do Conselho Nacional do Ministério Público e dá outras providências. O CONSELHO

Leia mais

ANEXO II MODELOS DA LICITAÇÃO MODELO N.º 3 DECLARAÇÃO DE PLENO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE HABILITAÇÃO

ANEXO II MODELOS DA LICITAÇÃO MODELO N.º 3 DECLARAÇÃO DE PLENO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE HABILITAÇÃO ANEXO II MODELOS DA LICITAÇÃO MODELO N.º 1 CARTA CREDENCIAMENTO MODELO N.º 2 PROPOSTA COMERCIAL MODELO N.º 3 DECLARAÇÃO DE PLENO ATENDIMENTO AOS REQUISITOS DE HABILITAÇÃO MODELO N.º 4 DECLARAÇÃO DE REGULARIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 - O discente ingressante no Curso de Direito da Faculdade Zumbi dos Palmares deverá cumprir obrigatoriamente 240 (duzentas e quarenta) de atividades complementares.

Leia mais

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV

RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV RADIODIFUSÃO EDUCATIVA ORIENTAÇÕES PARA NOVAS OUTORGAS DE RÁDIO E TV 1. O QUE É A RADIODIFUSÃO EDUCATIVA? É o serviço de radiodifusão, tanto em frequência modulada (FM) quanto de sons e imagens (TV), que

Leia mais

Ato PGJ nº 001/2012 RESOLVE:

Ato PGJ nº 001/2012 RESOLVE: Ato PGJ nº 001/2012 Dispõe sobre a jornada de trabalho, a prestação de serviço extraordinário, o banco de horas e o controle de frequência dos servidores do Ministério Público do Estado do Piauí, e dá

Leia mais

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade

Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Manual de procedimentos do Alvará de Licença e Funcionamento de Atividade Prefeitura Municipal de São Leopoldo Secretaria Municipal da Fazenda Coordenadoria Tributária Divisão de Tributos Mobiliários Seção

Leia mais

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares

Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares CAPACITAÇÃO DE CONSELHEIROS, DELEGADOS, MÉDICOS FISCAIS E SERVIDORES Salvador/2012 REGISTRO Lei nº 6.839 /80 Obrigatoriedade do registro das empresas de prestação de serviço médicohospitalares nos conselhos

Leia mais

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 015/2015

DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA BOLETIM 015/2015 DEPARTAMENTO JURÍDICO TRABALHISTA ADM 049/2015-02/02/2015 BOLETIM 015/2015 Novos procedimentos para emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) para estrangeiros A Portaria SPPE nº 4/2015

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA 0 FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS DA BAHIA FATEC/BA REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FATEC/BA ALAGOINHAS 2014 1 SUMÁRIO I - Disposições Preliminares... 2 II Das Atividades

Leia mais

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

PARECER Nº 13.865 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 13.865 VALE-TRANSPORTE É DEVIDO QUANDO A RESIDÊNCIA DO EMPREGADO FOR SERVIDA POR TRANSPORTE COLETIVO PÚBLICO URBANO OU INTERMUNICIPAL COM CARACTERÍSTICAS ESPECÍFICAS DE URBANO E, EM SE TRATANDO

Leia mais

Resolução 146/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de novembro de 2014

Resolução 146/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de novembro de 2014 Resolução 146/Reitoria/Univates Lajeado, 26 de novembro de 2014 Aprova o Edital Univates/Prodesi Eventos no Exterior 01/2014: destinado aos docentes permanentes dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu,

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências (CPRSC)

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências (CPRSC) Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Conselho Permanente de Reconhecimento de Saberes e Competências (CPRSC) EDITAL 01, de 29 de maio de 2014 Processo Seletivo de Avaliadores

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA DEPARTAMENTO DE POLÍCIA FEDERAL DIRETORIA EXECUTIVA COORDENAÇÃO GERAL DE CONTROLE DE SEGURANÇA PRIVADA PORTARIA Nº- 12.620, DE 13 DEZEMBRO DE 2012 (Alterada pela Portaria nº 30.536/13

Leia mais

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95

INFORMATIVO. Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 INFORMATIVO Dispensa de IR sobre as contribuições do participante de 01/01/89 a 31/12/95 Este informativo tem o propósito de orientar as associadas sobre as principais questões atinentes aos procedimentos

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Almino Afonso Fernandes

Gabinete do Conselheiro Almino Afonso Fernandes PROCESSO N 0.00.000.000237/2012-32 ASSUNTO: Pedido de Providências RELATOR: Conselheiro Almino Afonso Fernandes REQUERENTE: Associação Nacional dos Procuradores da República e outros EMENTA PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO Normas e Procedimentos 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A UNIVESP instituiu, por deliberação de seu Conselho de Curadores, o PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP, com as características

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução;

RESOLUÇÃO Nº 2.689. I - constituir um ou mais representantes no País; II - preencher formulário, cujo modelo constitui o Anexo a esta Resolução; RESOLUÇÃO Nº 2.689 Documento normativo revogado, a partir de 30/3/2015, pela Resolução nº 4.373, de 29/9/2014. Dispõe sobre aplicações de investidor não residente nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 7 DE 23 DE ABRIL DE 2010 Estabelece as normas para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal

Leia mais

PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES

PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES NOTA TÉCNICA N.º 008/2012 PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES O assunto tratado na presente Nota Jurídica é de fundamental importância

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI

INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI INTERESSADO: Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI EMENTA: Autoriza o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI Departamento Regional do Ceará, por intermédio de suas seis Unidades

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.166/09 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. regimentais, O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 11, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2012 Estabelece os critérios de concessão de acesso ao Sistema de Gestão de Convênios e Contratos de Repasse SICONV. O SECRETÁRIO DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA

Leia mais