os projetos de urbanização de favelas 227

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "os projetos de urbanização de favelas 227"

Transcrição

1 5.36 Localização e 38 Nova Guarapiranga, depois. Acervo sehab Nova Guarapiranga. Foto aérea Nova Guarapiranga, depois. Acervo sehab. os projetos de urbanização de favelas 227 miolo_final.indd :10:20

2 estruturador e abertura de claros nas áreas centrais para a criação de praças -, as propostas urbanísticas exploraram possibilidades de projeto que foram descobertas na ocupação informal desestruturada. Não eram intervenções de grandes dimensões espaciais, porém mudavam completamente a paisagem local, possibilitando as conexões com os bairros vizinhos, e outra descoberta dessa fase, criando um relação de pertencimento à cidade entre os moradores e o novo bairro, que se sentiam recompensados após anos de convívio com condições precárias e bastante orgulhosos de seu bairro diferenciado. 5.6 as áreas de lazer dos novos bairros 22 Nas favelas, em geral, os moradores estão preocupados com o acesso à moradia individual e, com esse propósito, investem, inicialmente na construção do abrigo e, ao longo dos anos, na melhoria e ampliação do patrimônio construído. Assim, é possível encontrar, nas favelas paulistanas, casas de vários pavimentos e com acabamento interno refinado, em conformidade com os padrões predominantes nas lojas populares de materiais de construção. O que vai além da soleira da porta, considerado espaço público, não é objeto da atenção do morador, o que resulta na transformação destas áreas em locais sem usos, cuidados, quase sempre transformados em lugar da marginalidade, da violência, das práticas ilícitas, como por exemplo, o consumo de drogas, que tanto amedronta as famílias que vivem em sua vizinhança mais próxima 23. Conforme relatado no início deste capítulo, à medida que as primeiras obras de urbanização de favelas (Lote i) eram implantadas, os espaços públicos remanescentes tendiam a ser ocupados de modo individual, mesmo quando se tratava de uma viela sanitária, aberta para a passagem das redes de água e esgoto. Em geral, os moradores não consideravam ser um problema ou uma infração ampliar sua casa ocupando as novas áreas livres que iam surgindo, mesmo porque não existia um código pré-estabelecido definindo os limites entre privado e público aos moldes das urbanizações formais. As evidências sobre um possível embate que ocorreria entre os moradores propensos à incorporação das áreas livres ao seu patrimônio e a prefeitura, interessada em preservar a condição de área livre comum, apresentaram-se como novas oportunidades de projeto 22 Esse texto foi elaborado a partir da experiência apresentada em Sales, França e Filardo Jr. (2000, p. 185). 23 É comum, nas favelas que estão sendo urbanizadas, que a população vizinha aos futuros espaços públicos se manifeste contra sua implantação, alegando que será usado para o consumo de drogas, motel ao ar livre, local para atividades que causam barulho e conflitos. Em geral, após longo processo de debates em reuniões com os arquitetos, as famílias se convencem da melhoria que um espaço aberto com o acesso livre para os moradores representa uma valorização geral do bairro. os projetos de urbanização de favelas 228 miolo_final.indd :10:20

3 e como forma de controle dessas expansões e adensamento ilimitado. A partir dessa primeira experiência, adotou-se, como premissa dos projetos, a qualificação dos espaços públicos remanescentes com o propósito de delimitar o território de interesse comum, em suas várias escalas, definindo usos para o desenvolvimento de atividades coletivas, a qual foi incorporada quando da elaboração do Termo de Referência para Projetos. Os projetos e obras dos espaços públicos realizados tanto no interior das favelas, como nas áreas livres dos loteamentos localizados na Bacia do Guarapiranga, compreendiam desde pequenas intervenções, como melhoria urbanística de escadarias de acesso, espaços remanescentes com locais de estar com bancos, floreiras, playgrounds, equipamentos para prática de esportes (campos de futebol, pistas de skate, quadras de basketball, ciclovias entre outros), até praças maiores com ambientes para jogos de mesa, quadras poliesportivas e campos de futebol, parques lineares com diversas atividades localizadas ao longo do córrego. O uso de cores que destacassem o espaço público na paisagem cinza das habitações autoconstruídas foi estimulado, bem como a adoção de bons padrões técnicos quando da especificação de projeto. A implantação dos espaços públicos seguiram o modelo adotado por Oriol Bohigas em Barcelona (1986, p. 22), conhecido como método das ações pontuais programadas, com o objetivo de implantar uma pequena rede de espaços públicos, até então inexistente no interior desses assentamentos. O impacto desses projetos assume uma dimensão urbanística e social, na medida em que funcionam como elementos de qualificação e estruturação, conferindo identidade e pequenas centralidades a setores com uma morfologia urbana fragmentada e extremamente densa. Socialmente, esses espaços de convivência funcionam como elementos agregadores, direcionando e canalizando as energias dos moradores para atividades esportivas, culturais e sociais. É evidente que, quando em um bairro degradado ou não conformado urbanisticamente se constrói um espaço público, este atua como um spot exemplar, como motor de uma regeneração do entorno sob a iniciativa dos próprios usuários, inclusive provocando um novo equilíbrio da demografia, frequentemente alterada pela persistência de algumas condições físicas deficientes e pela ausência de uma estrutura de habitabilidade e de significação e representação urbanas: [ ] A criação de espaço livre e a atribuição de um significado a este espaço são os dois fatores decisivos para a reconstrução de um bairro. Esta é a política urgente de transformação, porque através dela se conseguem três objetivos muito claros a permeabilidade e higienização sem destruir a estrutura essencial do bairro, uma maior aglutinação social do setor afetado mediante os processos de significação e monumentalização, e a geração de transformações sucessivas a partir do foco constituído pelo novo espaço livre (bohigas, 1986, p. 18). Entre 1995 e 2000, cerca de vinte espaços públicos foram implantados nas áreas urbanizadas, variando em dimensões entre a metros quadrados, todos observando as mesmas diretrizes estabelecidas nos TdR, que previa a qualificação urbana como forma de incorporar os assentamentos precários à cidade reconhecida como formal. os projetos de urbanização de favelas 229 miolo_final.indd :10:20

4 Os seis exemplos apresentados a seguir ilustram os resultados obtidos com a implantação dos projetos que foram elaborados segundo a hipótese apresentada no presente trabalho. No loteamento Parque Boulogne, situado na margem esquerda da represa, tendo acesso às Estradas do M'Boi Mirim e da Baronesa, foi implantada a praça na área destinada como espaço livre público do loteamento (1.800 m 2 ), o qual configurava um talude íngreme com processos erosivos e depósitos de lixo em sua base. O projeto buscou uma melhor destinação para o terreno público localizado entre dois setores do loteamento, que não se comunicavam devido às diferenças de nível entre eles. A partir da escadaria proposta, os dois setores foram conectados. E nos patamares criados para vencer o grande desnível, foram implantados espaços de estar com jogos e equipamentos de lazer Parque Boulogne. Projeto Parque Boulogne. Acervo sehab Localização Parque Boulogne. Acervo sehab. os projetos de urbanização de favelas 230 miolo_final.indd :10:23

5 A praça do Jardim Vista Alegre, também área pública municipal espaço livre do loteamento contíguo -, tem como acessos principais a Avenida Guarapiranga e a Estrada do Itupu. A área sofreu, durante décadas, aterros de ponta (tipo bota-fora ), o que ocasionou a configuração de taludes inadequados sobre o talvegue, assim como processos erosivos que contribuíam para o contínuo assoreamento da represa. A praça executada (7.000 m 2 ) recuperou geomorfológica e urbanisticamente o terreno anteriormente abandonado e mal utilizado. Buscou-se, além da instalação de quadras de esportes, campo de futebol e equipamentos de lazer, tirar partido da localização privilegiada que dispõe o lugar um belvedere para a represa Jardim Vista Alegre. Projeto Localização 5.45 JardimVista Alegre. Acervo sehab Jardim Vista Alegre. Espaço público. A praça do loteamento Vila Natal (7.500 m2) localiza-se em área destinada a espaço livre do loteamento, correspondendo a situações desfavoráveis, seja do ponto de vista da topografia, seja com relação à situação geomorfológica. Neste caso, o terreno disponível, além dos desníveis existentes, consistia num grande talvegue, caminho das águas de toda a sub-bacia denominada Campinas, na margem direita da represa. As obras de macrodrenagem e de pavimentação executadas nas ruas lindeiras e no próprio terreno, permitiram, seguindo a declividade do terreno e com alguns ajustes de nível, a construção de montante a jusante de duas quadras poliesportivas, um grande piso arborizado com bancos e mesas de jogos, e patamares nas cotas inferiores com áreas de estar, playground e gramados. os projetos de urbanização de favelas 231 miolo_final.indd :10:25

6 5.44 Vila Natal. Acervo sehab Localização Também localizada nos limites da Bacia do Guarapiranga, ao sul do bairro de Campo Limpo, a praça implantada no Parque Amélia ocupou uma área de convergência da contribuição de drenagem natural e de esgotos tanto da favela, quanto do loteamento a montante. O espaço livre tem como referência a copa de um alto eucalipto, marco paisagístico na árida paisagem do entorno. Nesse espaço de aproximadamente m 2, geometricamente central em relação à favela, foram definidos diferentes tratamentos para os pisos, configurados acessos que respeitavam a relação com as vielas existentes e a topografia, e implantados equipamentos de lazer, como pista de patins, quadra de esportes, playground, tirando-se partido, também, da canalização de três nascentes que hoje funcionam como pequeno lago para crianças. O novo espaço funciona como nó de articulação entre a comunidade local e os loteamentos lindeiros, como comprova a maior frequência verificada nos finais de semana Parque Amélia. Acervo sehab Localização os projetos de urbanização de favelas 232 miolo_final.indd :10:27

7 Ainda na margem direita, no Jardim Boa Sorte, foi implantada uma área de lazer (4.000 m 2 ), em uma encosta antes ocupada por habitações precárias e em situação de risco. Após a remoção das famílias, foram criados patamares que possibilitaram a implantação de uma quadra de esportes e locais de lazer contemplativo, os quais se conectavam por várias escadarias. A posição privilegiada da área de lazer permitiu criar um belvedere com vista para o lago Localização 5.49 Jardim Boa Sorte. Projeto e 51 Jardim Boa Sorte. Acervo sehab. Na margem esquerda da represa, cabe destacar o exemplo da Praça Israel, localizada no bairro Interlagos. Em 1999, os moradores da região procuraram a coordenação do programa para expressar seu incorformismo frente às notícias de implantação de praças nas favelas da região, enquanto o bairro de classe média não recebia investimentos e a área pública localizada na Avenida Robert Kennedy era castigada pelos constantes alagamentos nos períodos de chuva. Assim, foi implantada a nova praça (4.700 m 2 ), com projeto paisagístico adequado à região e elementos que desenhavam caminhos a serem percorridos para integrar os vários pequenos equipamentos ali instalados. os projetos de urbanização de favelas 233 miolo_final.indd :10:29

8 5.52 Praça Israel. Acervo sehab Praça Israel. Projeto Localização Praça Israel. Acervo sehab. 5.7 a implantação dos projetos e novos aprendizados A experiência adquirida com as primeiras obras permitiu entender que os projetos executivos, mais que um instrumento técnico a ser executado automaticamente, constituiam-se em referência para a equipe da empresa construtora, que necessitava de constantes mediações e readequações, tendo em vista a realidade das áreas, as condições de solo, a topografia e, as reivindicações sociais, que surgiam à medida que a população se interava do projeto. Inicialmente, o projeto de urbanização parte da definição do traçado urbano geral, o qual ocorre em função de determinada realidade existente e das possibilidades oferecidas pela morfologia da área, a partir do qual são distribuidos os fluxos internos e externos, os projetos de urbanização de favelas 234 miolo_final.indd :10:31

9 a acessibilidade para pedestres, veículos, serviços urbanos, redes de infraestrutura e as conexões com outros bairros e equipamentos públicos localizados na região. Definido o traçado, parte-se para a elaboração dos projetos de redes de infraestrutura, geométrico e pavimentação, micro e macro-drenagem, distribuição de água, esgotamento sanitário e consolidação geotécnica. Ao final dessa fase, também estará definido o número de remoções de casas (famílias que serão reassentadas em unidades localizadas fora da área de mananciais) e de relocações (parte da moradia que será perdida). O traçado das redes internas de esgotamento sanitário, a viabilização da passagem de coletores de esgoto em fundos de vale, bem como a viabilização de acesso para coleta de lixo e manutenção mecânica das redes de esgoto mais importantes, definidos em funções dos padrões estabelecidos pela empresa concessionária dos serviços de água e esgoto (sabesp) e empresas concessionárias de serviços públicos no caso da coleta de lixo, constituíram o principal condicionante para a definição da abertura do sistema viário, das obras de macrodrenagem e de parte das obras de consolidação geotécnica. Os padrões e normas exigidos por esses órgãos implicaram na busca do diálogo entre o projeto e a norma, obtendo avanços significativos, seja mediante a adaptação destas, seja por meio da colaboração intensa com concessionárias no sentido da criação de padrões adequados. Durante a fase de obras, o processo de revisão de projetos continua existindo de forma intensa, tendo em vista que parte considerável das decisões será tomada durante o desenvolvimento dos trabalhos. O período que separa a elaboração do projeto e o início da obra pode resultar no surgimento de novas interferências, quase sempre com consequências que impedem a implantação das soluções adotadas para o acesso viário e redes de infraestrutura, resultando na obsolescência prematura dos projetos executivos, e na necessária revisão e reelaboração dos projetos, bem como em alterações no escopo dos serviços contratados. Essa realidade apontava para a necessidade dos projetos executivos serem elaborados pari passu com as obras, implicando em uma mudança de procedimentos quando da contratação de obras de urbanização, que passou a ser realizada a partir do projeto básico, previsto na legislação que regulamenta as licitações no país (Lei Federal n o 8666/93). Um avanço significativo, resultado do aprendizado empírico possibilitado pela implantação das primeiras obras, foi a consolidação da ideia de que a intervenção em favelas não deve prender-se à ideia da obra mais barata, mas, sim, ao serviço mais adequado à realidade dessas áreas, o que poderá representar custos mais elevados do que os utilizados em situações não sujeitas a mudanças de toda ordem. O exemplo mais significativo deste enunciado está relacionado às áreas de lazer: um playground implantado em uma nova praça será utilizado ao máximo da sua capacidade, portanto deve ser produzido com material mais resistente e durável, o que representa custos maiores do que os equipamentos tradicionais implantados em locais onde são pouco utilizados. Aprendeu-se que, para implantar ações dessa natureza em condições tão adversas, é necessário o envolvimento de profissionais com enorme capacidade técnica e de os projetos de urbanização de favelas 235 miolo_final.indd :10:32

10 iniciativa diante das interferências e surpresas que se apresentam no dia a dia da obra, experiência no enfrentamento da contínua necessidade de adequação dos projetos à realidade mutante da favela, treinamento e desenvoltura para trabalhar com a comunidade e com profissionais das mais diversas disciplinas. Enfim, exige-se, desse técnico, ao mesmo tempo que um perfil polivalente, treinamento específico para aliar a boa técnica ao trato das questões sociais e urbanísticas, muito além do estabelecido nos currículos escolares. A implantação de obras em situações de insalubridade, com risco de escorregamentos de encostas e margens de córregos, inundações, baixa capacidade de suporte do solo e do subsolo, lençol freático aflorante, dificuldade de acessos, e principalmente interferências com as moradias existentes, significa enfrentar dificuldades, muitas delas não previstas. Essa realidade demanda o trabalho de acompanhamento social, e o esclarecimento contínuo dos objetivos a serem alcançados com a urbanização, a participação das lideranças comunitárias e dos moradores na definição dos projetos, e o cadastramento daqueles que sofrerão interferências diretas com as obras, são fundamentais para o bom andamento das intervenções. Imediatamente após a conclusão das obras, novas dinâmicas dominam os novos espaços públicos - ruas ocupadas com a circulação de veículos e pedestres, moradores investindo na melhoria das suas casas, utilização das áreas de lazer. O contraste acentuado entre as favelas e o bairro vizinho, assim, desaparece. A implantação das pequenas centralidades, espaços de convivência que funcionam como elementos agregadores da vida social do bairro, ao mesmo tempo em que cumprem uma função educativa, os quais servem como observatórios de reconhecimento dos processos naturais (como no caso da recuperação das nascentes), conferem uma dimensão urbana aos novos bairros. O impacto desses projetos assume uma dimensão urbanística, ambiental e social, na medida em que funcionam como elementos de qualificação e estruturação, conferindo identidade a setores com uma morfologia urbana fragmentada e extremamente densa. Ambientalmente, permite-se recuperar parte dos processos naturais, antes rompidos pelas ocupações precárias. os projetos de urbanização de favelas 236 miolo_final.indd :10:32

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais ü Devido ao crescimento populacional nas áreas dos fundos de vale, os 83

ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais ü Devido ao crescimento populacional nas áreas dos fundos de vale, os 83 CONDEITO E JUSTIFICATIVA DO PUAMA ü Contribuir para equacionar os problemas ambientais, urbanís4cos e sociais que afetam a cidade de Goiânia, resultantes da ocupação desordenada do espaço urbano, em especial

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ

PARQUE VÁRZEAS TIETÊ INTRODUÇÃO PARQUE VÁRZEAS TIETÊ O Programa Parque Várzeas do Tietê (PVT), visa a recuperação da capacidade de contenção de cheias que ocorrem nas várzeas do rio Tietê desde a barragem da Penha até o município

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária

PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária PROGRAMA PARAISÓPOLIS Regularização Fundiária POLÍTICA HABITACIONAL DA CIDADE DE SÃO PAULO Plano Diretor Estratégico do Município (Lei 13.430/02, art. 79): Moradia digna é aquela que garante ao morador

Leia mais

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas

Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas Lições Aprendidas em Urbanizações de Favelas World Urban Forum 2010 Side Event Principais Conclusões do Eixo Físico-Urbanístico Consultor Sênior - Prof. Dr. João Sette Whitaker Ferreira Antecedentes históricos

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais

Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns Informações Gerais O Programa Urbano Ambiental Macambira Anicuns corresponde a um conjunto de ações a serem desenvolvidas pela Prefeitura Municipal de Goiânia,

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO

NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO NOÇÕES GERAIS DE GERENCIAMENTO DE ÁREAS DE RISCO PERGUNTAS BÁSICAS 1. O QUE E COMO OCORRE: Processos 2. ONDE OCORREM OS PROBLEMAS: Mapeamento 3. QUANDO OCORREM OS PROBLEMAS: Correlação, monitoramento 4.

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO As ocupações irregulares em áreas de Manancial configuram o principal problema ambiental da Região Metropolitana de Curitiba. A problemática ambiental que envolve o município de Campo Magro é complexa.

Leia mais

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ

PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO DE USO E OCUPAÇÃO DO CÂMPUS ITAJAÍ Agosto/2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ

PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Objetivos Gerais: PROJETO MACIÇO DO MORRO DA CRUZ Melhorar as condições de vida dos moradores do MACIÇO DO MORRO DA CRUZ, a partir de investimentos em infra-estrutura e serviços sociais. Objetivos Específicos:

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA PROJETO DE LEI Nº 051/2012 PROJETO DE LEI Nº 051/2012 Torna obrigatória a adoção de pavimentação ecológica nas áreas que menciona e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA: Artigo 1º

Leia mais

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel

3.1. Prolongamento da Avenida Jornalista Roberto Marinho via túnel 3. CARACTERIZAÇÃO DOS EMPREENDIMENTOS Este capítulo apresenta as principais características das obras propostas para o prolongamento da Avenida Roberto Marinho via túnel e o Parque Linear com vias locais,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 -

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA. OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA LINHA VERDE - Setembro. 2012 - OPERAÇÃO URBANA CONSORCIADA - LINHA VERDE - Lei de criação : Lei Municipal n.º 13.919 de 19 de dezembro de 2011

Leia mais

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados

OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados OPERAÇÕES URBANAS CONSORCIADAS Instrumentos de viabilização de projetos urbanos integrados DEAP/SNAPU/MCIDADES Maio/2015 Contexto brasileiro Necessidade de obras públicas para requalificação e reabilitação

Leia mais

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL

PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL Ã ÇÃ ÇÃ Á PROGRAMAS: HABITAR BRASIL E HABITAR BRASIL BID PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS SECRETARIA MUNICIPAL DA HABITAÇÃO E SANEAMENTO AMBIENTAL APRESENTAÇÃO O projeto Chico Mendes compreende uma

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar

Alexandre Brasil André Prado. Carlos A. Maciel Danilo Matoso. Revitalização do Centro de Goiânia Goiânia, GO projeto: 2000 concurso 1o lugar Alexandre Brasil André Prado Carlos A. Maciel Danilo Matoso projeto: 2000 concurso 1o lugar O conjunto objeto desta proposta se constitui de três partes de caráter notadamente diferenciadas: a primeira,

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

AÇÃO INTERSECRETARIAL

AÇÃO INTERSECRETARIAL AÇÃO INTERSECRETARIAL Programas Ambientes Verdes e Saudáveis (PAVS) Fortalecimento da ação integrada entre os setores de meio ambiente, saúde e desenvolvimento social, com enfoque multidisciplinar em saúde

Leia mais

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo

AlphaVille Urbanismo. Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos. Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo AlphaVille Urbanismo Eficiência e qualidade, compromissos cumpridos Sede - AlphaVille Urbanismo AlphaVille, São Paulo História A história de um conceito de bem viver 1974 2008 História A história de um

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS

ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS ANEXO VII ESTRATÉGIA DE COMPATIBILIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 1. OBJETIVO O presente Plano tem por objetivo ordenar os trabalhos necessários para a viabilização das obras de Saneamento

Leia mais

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011.

LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. LEI Nº 1.275, DE 28 DE JULHO DE 2011. Dispõe sobre o uso e ocupação do solo, limites e prescrições urbanísticas da Área Especial de Interesse Social AEIS Padre João Maria e As Dez, localizado no Loteamento

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ

PLANO DIRET O DIRET R O DE MACR MA ODRENA CR GEM ODRENA DA BACIA DO ALTO TIETÊ PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA PLANO DIRETOR DE MACRODRENAGEM DA BACIA DO ALTO TIETÊ MAPA DE LOCALIZAÇÃO A ANÁLISE E O ENCAMINHAMENTO DE SOLUÇÕES PARA AS QUESTÕES DE DRENAGEM URBANA TÊM SIDO UM DOS

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE SÃO SEPÉ TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS DA UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI Relatório de Andamento N o. 01 (RTA-Jari-ProcessosErosivos-01/12) Preparado por: Especialmente para:

Leia mais

Renova SP: uma experiência Felipe de Souza Noto, Maira Francisco Rios, Paulo Emílio Buarque Ferreira

Renova SP: uma experiência Felipe de Souza Noto, Maira Francisco Rios, Paulo Emílio Buarque Ferreira Renova SP: uma experiência Felipe de Souza Noto, Maira Francisco Rios, Paulo Emílio Buarque Ferreira A Prefeitura de São Paulo, em parceria com o Instituto dos Arquitetos do Brasil, ao propor o Concurso

Leia mais

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO!

ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! ATIVIDADE 03 POR água ABAIXO! A água, elemento fundamental para a sobrevivência humana, foi motivo de muitos problemas para os moradores da Regional Norte. Além das dificuldades que eles tiveram de enfrentar

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. PROGRAMA : ADMINISTRAÇÃO GERAL OBJETIVO : Manter as atividades administrativas e operacionais dos órgãos para melhoria da prestação de serviços ao público Valores (R$ 1,00) 2006 11.700,000 Manutenção das

Leia mais

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ

Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Ações técnicas e governamentais no contexto de enchentes em Campos dos Goytacazes/RJ Edison Pessanha Campos dos Goytacazes, que já enfrentou grandes enchentes, como as de 2007, com o rio Paraíba atingindo

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho.

24/03/2011. E. Topografia Evidenciar as características físicas do terreno, tal como inclinação e desenho. 1 2 Recursos de desenho para a análise urbana A. Mapa de Zoneamento Macroestudo do entorno, características do lote em relação a uma determinada região, características do ponto de vista do zoneamento

Leia mais

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas

Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Riscos de deslizamentos de encostas em áreas urbanas Thiago Galvão Geógrafo Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Celso Carvalho Frederico Seabra Leonardo Ferreira Thiago Galvão A resposta necessária

Leia mais

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida

Proponente/Agente Promotor: Prefeitura Municipal de Salto do Jacuí - RS. 1.000.000,00 Contrapartida TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL TATUQUARA 03/04/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro

Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos. Demian Garcia Castro Políticas de moradia: entre o direito e a violação de direitos humanos Demian Garcia Castro Hipótese central: a nova rodada de mercantilização da cidade vem ampliando os processos de segregação socioespacial

Leia mais

Publicidade e divulgação

Publicidade e divulgação CONDOMÍNIOS VERTICAIS RESIDENCIAIS NA CIDADE DE SÃO PAULO (2000-2008): CONDOMÍNIOS - CLUBE Publicidade e divulgação Os informes publicitários, como já discutido nos capítulos anteriores, trazem imagens

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

Manual de Loteamentos e Urbanização

Manual de Loteamentos e Urbanização Manual de Loteamentos e Urbanização Juan Luis Mascaró ARQ 1206 - Urbanização de Encostas - Análise Prof Sônia Afonso segundo trimestre 2003 Adriana Fabre Dias 1. Retículas Urbanas e Custos 1.1. Aspectos

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL A FUNÇÃO SOCIAL DA CIDADE E O PAPEL SOCIAL DA PROPRIEDADE Autor(es): Pascoal Mário Costa Guglielmi e Pedro Ribeiro Guglielmi Condicionada pela sua complexa topografia, a ocupação inicial do Rio de Janeiro

Leia mais

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2

A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO DE BOMBINHAS ETAPA 2 SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA PROBLEMÁTICA POSSÍVEIS SOLUÇÕES ETAPAS OPORTUNIDADES - Ampliação do atendimento (75% de cobertura);

Leia mais

Esgotamento Sanitário

Esgotamento Sanitário CAPÍTULO 14 Esgotamento Sanitário Impacto socioambiental das práticas de esgotamento sanitário 14. 1 Soluções de esgotamento sanitário 14. 2 Modelo de gestão para o saneamento integrado 14. 3 245 14. 1

Leia mais

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I

RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I RESIDENCIAL SANTA MONICA MEMORIAL DESCRITIVO ANEXO I CONTRATO N.º ANEXO I MEMORIAL DESCRITIVO DO RESIDENCIAL SANTA MÔNICA A INFRAESTRUTURA DE IMPLANTAÇÃO DO LOTEAMENTO RESIDENCIAL SANTA MONICA OBEDECERÁ

Leia mais

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz

O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis. Maria Teresa Diniz O projeto Magia da Reforma na revitalização de Paraisópolis Maria Teresa Diniz Município de São Paulo População = 10, 5 milhões hab. Área = 1.509 km² Subprefeituras = 31 Distâncias: Norte-Sul = 60 Km Leste-Oeste

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

HIS Sustentável. Diretrizes de Inserção Urbana e Projeto Urbanístico

HIS Sustentável. Diretrizes de Inserção Urbana e Projeto Urbanístico 2010 HIS Sustentável Diretrizes de Inserção Urbana e Projeto Urbanístico Projetos Urbanísticos O conceito da sustentabilidade sempre esteve presente nos projetos de urbanismo da CECAP à CDHU. (em maior

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. LEI COMPLENTAR Nº 136, DE 15 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o Sistema Viário Básico do Município de Nova Mutum e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito Municipal de Nova Mutum, Estado

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE VICENTE DUTRA/RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA

MEIO AMBIENTE CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA CARTA AMBIENTAL DE GOIÂNIA Documento referendado pela plenária da I Conferência Municipal de Meio Ambiente de Goiânia. O momento mais importante de qualquer reflexão sobre os problemas de uma cidade é

Leia mais

CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA

CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS E PROJETOS DE ENGENHARIA OBJETIVO O objetivo deste documento é orientar todas as ações e atividades que devem ser desenvolvidas na elaboração dos projetos de engenharia

Leia mais

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S

BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S BAIRRO PLANEJADO BASE I N V E S T I M E N T O S Sua vida em transformação Do sonho à realidade. Do projeto à execução. Da necessidade dos clientes à superação das expectativas. Com essas idéias em mente,

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS

Análise de Projeto Técnico Social APT MUNICÍPIO DE TURUÇU/ RS UF: RS TE-SER Social Consultoria e Assessoria de Projetos Ltda. Rua Upamaroti, 1129/121 Bairro Cristal Porto Alegre/RS CEP: 90.820-140 CNPJ: 08.798.484/0001-78 Inscrição Municipal: 510.834.26 Análise de Projeto

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Maio 2012 BAIRROS PLANEJADOS UMA REALIDADE NO BRASIL Ivo Szterling, Arquiteto Urbanista Diretor de Urbanismo da Cipasa Desenvolvimento

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE ASSUNTOS JURÍDICOS LEI COMPLEMENTAR Nº 292, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2014. Dispõe sobre a criação da Zona Especial de Interesse Social ZEIS Palmas Sul, estabelece normas para a implantação de Empreendimento Habitacional de Interesse

Leia mais

VIVER BEM É UMA ARTE.

VIVER BEM É UMA ARTE. VIVER BEM É UMA ARTE. LOCALIZAÇÃO Estrada Vereador Alceu de Carvalho - Recreio dos Bandeirantes A região que não para de se valorizar LOCALIZAÇÃO LOCALIZAÇÃO EXCELENTE LOCALIZAÇÃO FACILIDADE DE ACESSO

Leia mais

ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS PARQUE CANTINHO DO CÉU. SÃO PAULO

ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS PARQUE CANTINHO DO CÉU. SÃO PAULO ESPAÇOS PÚBLICOS INICIATIVAS INSPIRADORAS PARQUE CANTINHO DO CÉU. SÃO PAULO ÍNDICE INTRODUÇÃO PERFIL DO LOCAL OS PASSOS PARA A IMPLANTAÇÃO DO PARQUE CANTINHO DO CÉU PASSO 1. DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE INTERVENÇÃO

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA,

Carta de Campinas 1) QUANTO AO PROBLEMA DO MANEJO DAS CRISES E REGULAÇÃO DA PORTA DE INTERNAÇÃO E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA, Carta de Campinas Nos dias 17 e 18 de junho de 2008, na cidade de Campinas (SP), gestores de saúde mental dos 22 maiores municípios do Brasil, e dos Estados-sede desses municípios, além de profissionais

Leia mais

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP

DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 213 DIRETRIZES PROJETUAIS PARA A REABILITAÇÃO DO CENTRO OLÍMPICO DE PRESIDENTE PRUDENTE SP Melina Yumi Koyama¹; Hélio

Leia mais

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo

Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Início Notícias Viva Rio lança trabalho socioambiental que contempla Nova Friburgo Iniciativa é parte do projeto Rios da Serra. Sede provisória da organização é montada no Prado TERÇA FEIRA, 19 DE MAIO

Leia mais

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO

PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC - RIO ARCO METROPOLITANO TRAÇADO GERAL E SEGMENTAÇÃO Ligação entre a BR 101/NORTE em Manilha/Itaboraí a BR-101/SUL (Rod. Rio-Santos) em Itaguaí Extensão de 145

Leia mais

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr

Direito à Moradia e a Questão Ambiental. Suyá Quintslr Direito à Moradia e a Questão Ambiental Suyá Quintslr Roteiro da aula 1. A questão ambiental : do surgimento do preservacionismo no período moderno à problemática ambiental na atualidade 2. A ambientalização

Leia mais

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB

SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB SEMINÁRIO PROJETO BÁSICO E PROJETO EXECUTIVO NAS CONTRATAÇÕES PÚBLICAS ASPECTOS TÉCNICOS SIURB PROJETOS DE INFRAESTRUTURA URBANA DRENAGEM CANAIS RESERVATÓRIOS MICRODRENAGEM OU DRENAGEM SUPERFICIAL OBRAS

Leia mais

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO

Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO Experiências locais RIBEIRÃO PRETO E REGIÃO ATIVIDADE DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA CAU UNIP RIBEIRÃO PRETO INFORMAÇÕES BÁSICAS datas de início e término: local: fonte de recursos: arranjo institucional: 2015

Leia mais

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO

NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 1 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO VALEC NAVA 10 2 de 13 NORMA AMBIENTAL VALEC Nº 10 PROCEDIMENTOS E ROTINAS PARA MONITORAMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010

DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 DECRETO Nº 050, DE 11 DE MARÇO DE 2010 Define o Modelo Localizado de Gestão Urbana para o Projeto Parque Linear do Rio Ressaca. O Prefeito Municipal de São José dos Pinhais, Estado do Paraná, no uso de

Leia mais

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac

Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo. Nelson Brissac Urbanismo infraestrutural Mutações na Zona Leste de São Paulo Nelson Brissac Nos limites da cidade, os processos urbanos envolvem grandes obras de infraestrutura metropolitana, moradia precária e necessidade

Leia mais

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife.

Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Esta apresentação foi realizada no âmbito do projeto Moradia é Central durante o seminário do projeto em Recife. Data: dia 29 de abril de 2009 Local: sede da ONG Etapas no Recife PROGRAMA REABILITAÇÃO

Leia mais

1A - Gestão Fiscal e Financeira do Município 1B - Gestão Urbana e Ambiental 1C - Gestão, Monitoramento e Avaliação do Projeto

1A - Gestão Fiscal e Financeira do Município 1B - Gestão Urbana e Ambiental 1C - Gestão, Monitoramento e Avaliação do Projeto O PROJETO O Projeto Capibaribe Melhor tem como objetivo geral proporcionar condições para a dinamização urbana e sócio-econômica dos habitantes do trecho da bacia do rio Capibaribe, situado à jusante da

Leia mais

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015

Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi. FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 Desafios e perspectivas do Trabalho Social Profa. Rosana Denaldi FGV EAESP 25 de Setembro de 2015 estrutura da apresentação Trabalho Social? O trabalho social tornou-se componente obrigatório nos programas

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

REMOÇÃO E REASSENTAMENTO DE POPULAÇÃO EM OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA ESTRUTURA DE SANEAMENTO EM FAVELAS

REMOÇÃO E REASSENTAMENTO DE POPULAÇÃO EM OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA ESTRUTURA DE SANEAMENTO EM FAVELAS REMOÇÃO E REASSENTAMENTO DE POPULAÇÃO EM OBRAS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRA ESTRUTURA DE SANEAMENTO EM FAVELAS Paula Dias Pini (1) Economista pelo Institut d Estudes Économiques et Sociales, Universidade de

Leia mais

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária

REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS. Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA DE ÁREAS PÚBLICAS Cartilha de orientação sobre o Programa de Regularização Urbanística e Fundiária APRESENTAÇÃO Esta Cartilha foi desenvolvida como suporte ao trabalho da Prefeitura

Leia mais

Continua o diálogo entre população, prefeitura, consórcio e SABESP

Continua o diálogo entre população, prefeitura, consórcio e SABESP Continua o diálogo entre população, prefeitura, consórcio e SABESP Prazos e metas para o atendimento das solicitações apresentadas pela população foram pauta da reunião que aconteceu na prefeitura no início

Leia mais

Plano Urbanístico - Tiquatira 2 - Arche Consultoria, Planejamento e Projetos

Plano Urbanístico - Tiquatira 2 - Arche Consultoria, Planejamento e Projetos Plano Urbanístico - Tiquatira 2 - Arche Consultoria, Planejamento e Projetos ARCHE CONSULTORIA PLANEJAMENTO E PROJETOS VIRGINIA MURAD Arquiteta Urbanista ELSA BURGUIÈRE Arquiteta Urbanista JOÃO PAULO HUGUENIN

Leia mais

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av.

limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. ÁREA 3-3 Limites e potencialidades limites definidos por barreiras físicas significativas como linha da TRENSURB, Av. Farrapos, Av. dos Estados e a free-way/ RS- 290. espaço adequado para novas atividades

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada;

BANCO DE PROJETOS. A infra-estrutura dos Estados e Municípios necessita ser planejada; BANCO DE PROJETOS É O ACERVO DE PROJETOS EXECUTADOS COM ANTERIORIDADE PARA DAR SUPORTE A UM PROGRAMA DE OBRAS, ESPECIALMENTE DE MÉDIO E LONGO PRAZO, COM VISTAS A UM EFICIENTE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE

Leia mais

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI

ECO SHOPPING LAGOA DO PERI Boletim do Investimento Urbano Sustentável ECO SHOPPING LAGOA DO PERI A agenda estratégica de desenvolvimento sustentável Floripa 2030, constitui um marco para a mudança das formas de uso e ocupação do

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais