Os seus direitos de segurança social na Eslovénia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os seus direitos de segurança social na Eslovénia"

Transcrição

1 Os seus direitos de segurança social na Eslovénia Comissão Europeia Emprego, Assunto Sociais e Inclusão

2 O presente guia foi redigido e actualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Protecção Social (MISSOC). Coordenada desde 1990 pela Comissão Europeia, a rede MISSOC abrange até dois representantes oficiais das administrações públicas de 31 países europeus (os 27 Estados-Membros da União Europeia, a Suíça, o Listenstaine, a Noruega e a Islândia). O MISSOC publica regularmente informações e análises actualizadas, que são essencialmente utilizadas por funcionários, investigadores e pessoas que se deslocam na Europa. Estão disponíveis mais informações sobre a rede MISSOC em: O presente guia não apresenta uma descrição exaustiva do regime de segurança social aplicável na Eslovénia. Se necessitar de informações mais pormenorizadas sobre a segurança social neste e noutros países europeus, consulte os quadros comparativos MISSOC, os gráficos e descrições MISSOC sobre a organização da protecção social e o anexo MISSOC sobre a protecção social dos trabalhadores independentes, todos disponíveis na hiperligação supramencionada. A Comissão Europeia, ou qualquer pessoa que actue em seu nome, declina toda a responsabilidade pela utilização que possa ser feita das informações constantes da presente publicação. União Europeia, 2011 Reprodução autorizada mediante indicação da fonte. 2

3 Índice Capítulo I: Introdução, organização e financiamento...6 Introdução... 6 Organização da protecção social... 7 Financiamento... 7 O seu direito a prestações de segurança social quando se desloca na Europa... 7 Capítulo II: Cuidados de saúde...9 Aquisição do direito aos cuidados de saúde... 9 Cobertura... 9 Acesso aos cuidados de saúde... 9 O seu direito a cuidados de saúde quando se desloca na Europa Capítulo III: Prestações pecuniárias por doença...11 Aquisição do direito a prestações pecuniárias por doença Cobertura Acesso às prestações pecuniárias por doença O seu direito a prestações pecuniárias por doença quando se desloca na Europa Capítulo IV: Prestações por maternidade e por paternidade...13 Aquisição do direito a prestações por maternidade ou por paternidade Cobertura Acesso às prestações por maternidade e paternidade O seu direito a prestações por maternidade e paternidade quando se desloca na Europa Capítulo V: Prestações por invalidez...16 Aquisição do direito a prestações por invalidez Cobertura Acesso às prestações por invalidez O seu direito a prestações por invalidez quando se desloca na Europa Capítulo VI: Pensões e prestações por velhice...19 Aquisição do direito a prestações por velhice Cobertura Acesso às prestações por velhice O seu direito a prestações por velhice quando se desloca na Europa

4 Capítulo VII: Prestações por sobrevivência...21 Aquisição do direito a prestações por sobrevivência Cobertura Acesso às prestações por sobrevivência O seu direito a prestações por sobrevivência quando se desloca na Europa Capítulo VIII: Prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais...24 Aquisição do direito a prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais. 24 Cobertura Acesso às prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais O seu direito a prestações por acidentes de trabalho e doenças profissionais quando se desloca na Europa Capítulo IX: Prestações familiares...26 Aquisição do direito a prestações familiares Cobertura Acesso às prestações familiares O seu direito a prestações familiares quando se desloca na Europa Capítulo X: Desemprego...29 Aquisição do direito a prestações por desemprego Cobertura Acesso às prestações por desemprego O seu direito a prestações por desemprego quando se desloca na Europa Capítulo XI: Recursos mínimos...31 Aquisição do direito a prestações de recursos mínimos Cobertura Acesso às prestações de recursos mínimos O seu direito a prestações de recursos mínimos quando se desloca na Europa Capítulo XII: Cuidados de longa duração...33 Aquisição do direito a cuidados de longa duração Cobertura Acesso a cuidados de longa duração O seu direito a cuidados de longa duração quando se desloca na Europa Anexo I: Informações de contacto das instituições e endereços úteis na Internet36 4

5 Anexo II: Prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo

6 Capítulo I: Introdução, organização e financiamento Introdução O sistema de segurança social da Eslovénia compreende o seguro social, as prestações familiares e o regime de acção social. Os regimes de seguro social consistem nos seguros obrigatórios de pensões e invalidez, seguro de doença, seguro de desemprego e seguro de protecção parental. Os seguros são obrigatórios para todos os trabalhadores por conta de outrem e independentes, à excepção do seguro de desemprego, facultativo para os independentes. Os seguros são financiados pelas contribuições para a segurança social pagas pelos assalariados e pelas entidades patronais. Seguro de pensão e invalidez obrigatório O seguro de pensão e de invalidez obrigatório cobre os riscos de velhice, invalidez, cuidados e assistência, deficiência física e morte. A sua subscrição é obrigatória para os trabalhadores por conta de outrem, os trabalhadores independentes, os agricultores e outras categorias de pessoas que desenvolvem determinadas actividades cobertas pelo seguro. É gerido por uma única agência, o Instituto do Seguro de Pensão e de Invalidez da Eslovénia (Zavod za pokojninsko in invalidsko zavarovanje Slovenije), que desenvolve a sua actividade nos serviços centrais em Ljubljana, bem como nas unidades regionais e nas delegações locais. O conselho dos Serviços é composto por representantes do Governo, dos sindicatos, das associações patronais e dos reformados, bem como pelo representante das pessoas com incapacidade para o trabalho e dos funcionários do próprio Serviço. Seguro de doença obrigatório As pessoas que subscrevem o seguro de doença obrigatório têm direito a prestações médicas em espécie (cuidados de saúde) e a prestações pecuniárias, nomeadamente, prestações pecuniárias por doença, prestação de montante fixo por morte, reembolso parcial de despesas de funeral e reembolso de despesas de tratamento médico fora da Eslovénia. O sistema abrange trabalhadores por conta de outrem, trabalhadores independentes, agricultores, beneficiários de prestações da segurança social (incluindo pensionistas) e outras pessoas residentes na República da Eslovénia, bem como os seus familiares. O Instituto de Seguro de Doença da Eslovénia (Zavod za zdravstveno zavarovanje Slovenije) é o único prestador de seguro de doença obrigatório. Desenvolve as suas actividades através das unidades regionais e das delegações locais. O seu conselho de administração é composto por representantes dos segurados e das entidades patronais. Está previsto um seguro de doença complementar voluntário (seguro para comparticipação nos custos) destinado a cobrir prestações médicas que não são integralmente cobertas pelo seguro obrigatório. Seguro de desemprego O regime do seguro de desemprego garante o pagamento das prestações de desemprego. O Serviço de Emprego da Eslovénia (Zavod Republike Slovenije za zaposlovanje) desenvolve as suas actividades através de unidades regionais e das agências de emprego. O seu conselho de administração é composto por representantes das organizações patronais, dos sindicatos, dos funcionários dos Serviços de Emprego e do Governo. O seguro de desemprego cobre ainda os reembolsos de despesas de transporte e mudança e garante o direito aos cuidados de saúde e a cobertura do seguro de pensão 6

7 e de invalidez. A aplicação destes dois direitos é feita com base nas disposições que regulam as matérias em questão. Seguro de protecção parental O seguro de protecção parental prevê a atribuição das licenças parentais (maternidade, assistência e guarda de crianças, paternidade e adopção) e prestações parentais (maternidade, assistência e guarda de crianças e adopção) a trabalhadores por conta de outrem, trabalhadores independentes, agricultores e a outras categorias de pessoas na República da Eslovénia. O sistema desenvolve as suas actividades através de 62 centros locais de acção social (centri za socialno delo). Prestações familiares As prestações familiares são prestações pecuniárias que incluem o subsídio parental, o subsídio por nascimento, o abono de família, o complemento para famílias numerosas, o subsídio para assistência a filho e a compensação parcial por perda de rendimentos. Assistência social No sistema de segurança social esloveno, a par da acção social geral, há várias categorias de prestações de acção social, nomeadamente, a pensão do regime geral. Organização da protecção social O Ministério do Trabalho, da Família e dos Assuntos Sociais supervisiona as actividades do Instituto do Seguro de Pensão e de Invalidez, do Serviço de Emprego e dos centros de acção social. As prestações médicas destinadas aos segurados são definidas pelo Ministério da Saúde em colaboração com o Instituto de Seguro de Doença e representantes das instituições e profissões ligadas aos cuidados de saúde. O Instituto de Seguro de Doença fiscaliza a aplicação de convenções celebradas com instituições de saúde, bem como o modo e o processo de aplicação do seguro de doença. As prestações familiares, a acção social e os serviços sociais são concedidos pelos Centros de Acção Social locais. O Ministério do Trabalho, da Família e dos Assuntos sociais é responsável pela fiscalização. Financiamento Na Eslovénia, os regimes de seguro social são financiados por contribuições das entidades patronais e quotizações dos trabalhadores para a segurança social. O Estado tem a obrigação constitucional de suprir quaisquer eventuais perdas dos regimes de seguro social. O seguro de desemprego e o seguro de protecção parental são predominantemente financiados pelo Orçamento de Estado. As prestações familiares e a acção social são financiadas integralmente pelo Orçamento de Estado. O seu direito a prestações de segurança social quando se desloca na Europa Os sistemas de segurança social diferem de país para país na Europa, razão pela qual foi necessário estabelecer disposições ao nível da UE para os coordenar. É importante que existam regras comuns que garantam o acesso a prestações sociais para evitar que os trabalhadores europeus se encontrem em situação de desvantagem ao exercerem o seu direito de livre circulação. Estas regras assentam em quatro princípios. Quando se desloca no interior da Europa, está sempre segurado ao abrigo da legislação de um Estado-Membro: em princípio, se estiver activo, será o país onde trabalha; caso contrário, será o país onde reside. 7

8 O princípio da igualdade de tratamento garante que possui os mesmos direitos e obrigações que os nacionais do país onde está segurado. Quando necessário, os períodos de seguro cumpridos noutros países da UE podem ser tomados em consideração para efeitos de atribuição de uma prestação. É possível exportar prestações pecuniárias se viver num país diferente daquele onde está segurado. Pode invocar as disposições da UE em matéria de coordenação da segurança social nos 27 Estados-Membros da UE bem como na Noruega, Islândia, Listenstaine (EEE) e Suíça (31 países no total). No final de cada capítulo, são fornecidas algumas informações gerais sobre as disposições da UE. Estão disponíveis mais informações sobre a coordenação dos direitos de segurança social quando se desloca ou viaja na UE ou na Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça, em: 8

9 Capítulo II: Cuidados de saúde Aquisição do direito aos cuidados de saúde Se é trabalhador por conta de outrem, trabalhador independente, agricultor, beneficiário de prestações de segurança social (pensão de velhice, invalidez ou sobrevivência, prestações de desemprego, assistência social permanente) ou uma pessoa com residência permanente que não subscreveu nenhum outro regime de seguro, é obrigatório que subscreva o seguro de doença. Familiares a cargo, incluindo cônjuges ou parceiros civis, filhos e enteados, bem como outras pessoas que necessitam de assistência de terceiros, também têm direito a cuidados de saúde. Por norma, não é exigido qualquer período mínimo de contribuição anterior. Pode haver excepções no que se refere a equipamento ortopédico, óculos, aparelhos de audição, próteses e outros dispositivos de assistência médica. Cobertura Este seguro confere acesso a médicos ou a centros de cuidados primários convencionados pelo Instituto do Seguro de Saúde. Caso não disponham de seguro complementar de comparticipação, as pessoas abrangidas pelo regime obrigatório de seguro terão de participar nas despesas de saúde, suportando 5% a 90% dessas despesas (2009 e 2010). No caso de algumas prestações médicas, o beneficiário não participa nas despesas. Por exemplo, não há comparticipação do utente nas despesas de cuidados de saúde preventivos, tratamento e reabilitação de crianças (incluindo medicamentos das listas positiva e intermédia), estudantes e mulheres, bem como de algumas doenças graves, de cuidados urgentes e outras prestações. Os cuidados de saúde que não têm objectivos clínicos, nomeadamente, a cirurgia estética, e os produtos farmacêuticos que não constam das listas positiva e intermédia, bem como os cuidados de saúde alternativos (por exemplo, a homeopatia) não são abrangidos pelo seguro de doença obrigatório. Terão de ser integralmente pagos pelos utentes. Pode ter direito a reembolso de despesas de deslocação se, por exemplo, tiver de consultar um médico fora da sua zona de residência ou se for encaminhado/convocado pelo médico responsável. Se a deslocação demorar mais de 12 horas, também poderá ser reembolsado por despesas limitadas de alojamento. Acesso aos cuidados de saúde Pode escolher livremente o seu médico (médico de família, ginecologista, pediatra e dentista). O acesso a especialistas depende do encaminhamento do médico de família. Ao verificar-se esse encaminhamento, o beneficiário dispõe igualmente de liberdade ao escolher o tratamento médico, os especialistas e os hospitais públicos ou os hospitais privados convencionados. Os nomes e os endereços dos médicos públicos e dos médicos privados convencionados encontram-se na lista do Instituto do Seguro de Saúde: Izvajalci zdravstvenih storitev. 9

10 O seu direito a cuidados de saúde quando se desloca na Europa Caso se encontre temporariamente ou resida noutro país da União Europeia ou na Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça, pode usufruir dos serviços públicos de cuidados de saúde prestados nesse país, o mesmo acontecendo com a sua família. Tal não significa necessariamente que o tratamento seja gratuito; tudo depende das regras nacionais. Se estiver a planear uma estada temporária (férias, viagem de negócios, etc.) noutro país da UE ou na Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça, deve requerer o Cartão Europeu de Seguro de Doença (CESD) antes de partir. Estão disponíveis mais informações sobre o CESD e o modo de o requerer em: Se estiver a planear instalar-se permanentemente noutro país da UE, pode obter mais informações sobre os seus direitos em matéria de cuidados de saúde em: 10

11 Capítulo III: Prestações pecuniárias por doença Aquisição do direito a prestações pecuniárias por doença O seguro de doença atribui uma prestação pecuniária por doença para compensar a perda temporária de capacidade para o trabalho de segurados economicamente activos. Essa prestação é paga a trabalhadores por conta de outrem, a trabalhadores independentes, a empresários, a atletas e a jogadores de xadrez de primeiro plano, bem como a agricultores. Cobertura Geralmente, as prestações pecuniárias por doença são pagas pela entidade patronal nos primeiros 30 dias de ausência. Não é exigido o cumprimento prévio de seguro e o montante da prestação depende da causa do impedimento. No caso de doença não relacionada com o trabalho, ascende a 80% do salário médio do último mês. A partir do 31º dia de ausência, as prestações pecuniárias por doença são pagas pelo Instituto do Seguro de Saúde. Em determinados casos são pagas a partir do primeiro dia de ausência. Isso verifica-se, por exemplo, em caso de dádiva de tecidos, órgãos ou sangue, de cuidados prestados a familiar próximo, bem como em caso de isolamento e de acompanhamento prescritos pelo médico. Por norma, as prestações pecuniárias por doença são concedidas, no máximo, durante um ano. Excepcionalmente, são atribuídas por períodos mais prolongados, caso o tratamento médico não tenha ficado concluído no tempo decorrido. Podem igualmente ser pagas por um período máximo de 30 dias após a conclusão de um contrato de trabalho. A duração é limitada em caso de prestação de cuidados a familiar, nomeadamente, um filho ou o cônjuge. Nesse caso, está limitado a sete dias úteis. Caso se trate de um filho com menos de sete anos ou um filho com deficiência, será de 15 dias úteis. Estão previstos prolongamentos, por exemplo, nos casos mais graves até à maioridade do filho. A prestação pecuniária por doença é calculada com base no salário mensal médio, ou com base na média das quotizações pagas (no caso dos trabalhadores independentes), no ano civil anterior ao ano em que teve início o impedimento para o trabalho. O montante das prestações pecuniárias por doença varia entre 80% e 100% da base de cálculo. Por exemplo, corresponde a 80% em caso de lesão não resultante do trabalho e em caso de prestação de cuidados a um familiar próximo, 90% em caso de doença não resultante do trabalho e 100% em caso de dádiva de tecidos, órgãos ou sangue, bem como de isolamento prescrito pelo médico. Acesso às prestações pecuniárias por doença As prestações pecuniárias por doença são pagas nos primeiros 30 dias, na condição de avaliação pelo médico de família da incapacidade para o trabalho ou da necessidade de prestação de cuidados a familiar. Após esse período, ou noutros casos em que as prestações pecuniárias por doença são pagas pelo seguro de doença a partir do primeiro dia de impedimento, é necessário o aval de um médico convencionado. Nesse caso, está previsto o recurso para a Comissão de Saúde do Instituto de Seguro de Doença. 11

12 Em princípio, a partir do 31º dia do início do impedimento, as prestações pecuniárias por doença também são pagas pela entidade patronal. A entidade patronal será reembolsada pelo Instituto de Seguro de Doença mediante a apresentação de um certificado válido e pormenorizado sobre o impedimento para o trabalho, bem como os documentos de cálculo. O seu direito a prestações pecuniárias por doença quando se desloca na Europa Em regra, as prestações pecuniárias por doença (ou seja, as prestações que visam geralmente substituir um rendimento que é suspenso por motivo de doença) são sempre pagas em conformidade com a legislação do país onde está segurado, seja qual for o país onde reside ou onde se encontra temporariamente. Caso se instale noutro país da União Europeia ou na Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça, sempre que a aquisição do direito a prestações por doença dependa do preenchimento de certas condições, a instituição competente (ou seja, a instituição do país onde está segurado) tem de tomar em consideração os períodos de seguro, residência ou emprego que tenha cumprido ao abrigo da legislação de qualquer um dos países supramencionados. Garante-se, deste modo, que as pessoas que mudam de emprego e se instalam noutro país não perdem a cobertura do seu seguro de doença. Estão disponíveis mais informações sobre a coordenação dos direitos de segurança social quando se desloca ou viaja na Europa em: Algumas prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo são concedidas exclusivamente no país onde o beneficiário reside e, como tal, não são exportáveis. Estas prestações encontram-se enumeradas no Anexo II, no final do presente guia. 12

13 Capítulo IV: Prestações por maternidade e por paternidade Aquisição do direito a prestações por maternidade ou por paternidade As mulheres têm direito a cuidados de saúde antes, durante e após o parto a título do seguro de doença obrigatório. O direito à licença e às prestações pecuniárias parentais é conferido pelo seguro de protecção parental. Para ter o direito a prestações de maternidade ou de paternidade, é necessário que o beneficiário tenha subscrito o seguro antes do primeiro dia de licença ou, pelo menos, durante um ano nos três anos anteriores. A licença e as prestações por maternidade podem geralmente ser requeridas pela mãe de uma criança. Só excepcionalmente pode ser requerida pelo pai da criança ou por outro segurado que cuide da criança, ou ainda um pai adoptivo, em caso de falecimento da mãe, de abandono ou de incapacidade em viver e trabalhar independentemente. Por norma, os pais e os pais adoptivos têm direito a prestações especiais. Se as condições de seguro não forem preenchidas, poderá haver direito a subsídio parental a título do regime de prestações familiares. Cobertura O seguro de protecção parental abrange a licença parental (licença de maternidade, de paternidade, de adopção e assistência a filho), as prestações parentais (prestações de maternidade, paternidade, adopção e assistência a filho) e o direito a trabalhar a tempo parcial por nascimento de um filho. Licença de parto A licença de parto tem uma duração de 105 dias consecutivos, com início 28 dias antes da data prevista do parto e 77 dias após essa data. É obrigatória após o parto e os dias de licença não gozados antes do parto não podem ser gozados depois do nascimento da criança. Licença de paternidade O pai tem direito a 90 dias de licença de paternidade, 15 dos quais devem ser gozados durante os primeiros seis meses de vida do filho. Os 75 dias restantes devem ser gozados antes de o filho completar três anos. Licença para assistência a filho Após a conclusão da licença de parto, qualquer dos progenitores pode requerer uma licença para assistência a filho. Tem uma duração de 260 dias consecutivos e, em certos casos, pode ser prolongada. Por exemplo, pode ser prolongada mais 90 dias em caso de nascimentos múltiplos (por cada filho adicional), ou na eventualidade de a criança necessitar de cuidados especiais. Pode igualmente ser prolongada se os progenitores já têm dois ou mais filhos com menos de oito anos, ou ainda em caso de nascimento prematuro. Licença por adopção A licença de adopção pode ser gozada por um ou ambos os adoptantes, com vista a que estes e a criança se possam dedicar inteiramente uns aos outros após a adopção. A licença por adopção tem uma duração de 150 dias, no caso de crianças de idade compreendida entre um e quatro anos, e de 120 dias, no caso de crianças de idade 13

14 compreendida entre quatro e dez anos. Quando a licença de adopção é requerida pelos dois pais adoptivos simultaneamente, a duração total é limitada a 150 ou 120 dias, respectivamente. Prestações parentais (maternidade, paternidade, assistência a filho e adopção) As prestações parentais são pagas durante a licença parental. Para ter direito às prestações parentais, basta ter subscrito o seguro na véspera do dia do início da licença parental. Se não se verificar o direito a licença parental, pode haver direito a prestações parentais, se o beneficiário tiver estado segurado pelo menos 12 meses nos três anos anteriores. O montante das prestações parentais equivale a 100% do salário médio (ou de outra base de cálculo) dos 12 meses que antecederam a apresentação do pedido de licença parental. Caso não estejam preenchidas as condições de tempo, é tido em conta um limiar mínimo. O montante das prestações parentais é limitado, com excepção no que se refere à licença de maternidade. As prestações parentais são, geralmente, pagas durante a licença parental. A única excepção refere-se às prestações por paternidade. Estas são pagas apenas nos primeiros 15 dias. Nos restantes 75 dias, apenas serão pagas ao pai quotizações para a segurança social baseadas no salário mínimo. Um dos progenitores tem direito a trabalhar em tempo parcial (não menos que metade do horário completo) até a criança completar três anos de idade. Caso a família tenha dois ou três filhos, o período é prolongado até o filho mais novo completar seis anos. Se o agregado familiar tem quatro ou mais filhos, um dos pais pode abandonar por completo a actividade laboral. No caso de uma criança com deficiência, o direito a trabalhar a tempo parcial pode ser prolongado até o filho atingir a maioridade. Em todos os casos referidos, a entidade patronal garante o pagamento relativo a trabalho efectivo. As quotizações para a segurança social relativas ao tempo restante são pagas pelo seguro de protecção parental. Acesso às prestações por maternidade e paternidade A licença e as prestações parentais são requeridas ao Centro Regional de Acção Social no local de residência permanente da mãe. Os beneficiários devem informar a entidade patronal, normalmente, 30 dias antes do início previsto da licença parental. Caso este prazo não possa ser respeitado, a entidade patronal deve ser informada no prazo de três dias após o parto. O seu direito a prestações por maternidade e paternidade quando se desloca na Europa As disposições de coordenação abrangem as prestações por maternidade e por paternidade equiparadas. Sempre que a aquisição do direito a prestações dependa do preenchimento de certas condições, a instituição competente (ou seja, a instituição do país onde está segurado) tem de tomar em consideração os períodos de seguro, residência ou emprego cumpridos ao abrigo da legislação de qualquer outro país da União Europeia, da Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça. Em regra, as prestações pecuniárias (ou seja, as prestações que visam substituir o rendimento suspenso) são sempre pagas em conformidade com a legislação do país onde está segurado, seja qual for o país onde reside ou onde se encontra 14

15 temporariamente. As prestações em espécie (ou seja, cuidados médicos, medicamentos e internamento hospitalar) são concedidas em conformidade com a legislação do seu país de residência, tal como se nele estivesse segurado. Estão disponíveis mais informações sobre a coordenação dos direitos de segurança social quando se desloca ou viaja na Europa em: Algumas prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo são concedidas exclusivamente no país onde o beneficiário reside e, como tal, não são exportáveis. Estas prestações encontram-se enumeradas no Anexo II, no final do presente guia. 15

16 Capítulo V: Prestações por invalidez Aquisição do direito a prestações por invalidez Poderá ter direito a prestações por invalidez, desde que a invalidez seja atestada. A invalidez ocorre quando, em virtude de uma alteração nas condições de saúde (resultante de acidente ou de doença) que não pode ser corrigida por tratamento médico ou reabilitação, se dá uma diminuição ou perda da capacidade para trabalhar. A Comissão de Invalidez do Instituto do Seguro de Pensão e de Invalidez determina uma das três categorias de invalidez em função da capacidade para trabalhar ainda existente: categoria I: o segurado deixou de estar apto a efectuar um trabalho de produção organizado; categoria II: a aptidão do segurado para o trabalho, no que se refere à sua profissão, está diminuída em 50% ou mais; categoria II: o segurado deixou de ser capaz de trabalhar a tempo inteiro, podendo, contudo, executar um determinado trabalho a tempo parcial, ou a aptidão do segurado para o trabalho, no que se refere à sua profissão, sofreu uma redução inferior a 50%, ou o segurado pode trabalhar a tempo inteiro na sua profissão mas está inapto para as tarefas que lhe foram atribuídas. As pessoas que adquiriram o direito a prestações por invalidez antes dos 45 anos de idade serão submetidas a exames médicos obrigatórios de cinco em cinco anos. Também podem ser exigidos exames médicos após essa idade ou antes da conclusão do período de cinco anos, atendendo às circunstâncias específicas de cada caso. Pode ainda dar-se o caso de não serem exigidos exames médicos, ainda que a pessoa tenha menos de 45 anos. Cobertura Pensão de invalidez O segurado pode beneficiar de uma pensão por invalidez, caso esta seja comprovadamente de: categoria I: categoria II, se não estiver apto para qualquer outro trabalho adequado sem reconversão profissional, que não lhe é proposta apenas pelo facto de ter mais de 50 anos de idade; categoria II ou III, se não lhe foi proposto qualquer emprego ou afectação adequados pelo facto de ter 63 anos (para os homens) ou 61 anos (para as mulheres). Se a invalidez foi causada por um acidente de trabalho ou por uma doença profissional, o segurado tem direito a uma pensão por invalidez sem exigência de subscrição prévia de um seguro. De outro modo, só haverá direito a uma pensão por invalidez se existir uma determinada densidade de seguro, como a seguir fica exposto. 16

17 Por exemplo, o período de seguro deve abranger pelo menos 1/3 do período entre os 20 anos de idade (ou 23 ou 26 após a conclusão de bacharelato ou licenciatura, respectivamente) e a ocorrência da invalidez. Se a pessoa incapacitada tiver mais de 21 anos e menos de 30, exige-se apenas uma subscrição de seguro durante um quarto do período entre os 21 anos e a ocorrência da invalidez. Caso a invalidez de categoria I tenha ocorrido antes dos 21 anos, as condições estipuladas são menos rígidas. Neste caso, é apenas exigida a titularidade de seguro à data da ocorrência da invalidez ou, pelo menos, três meses de subscrição de seguro. O montante da pensão por invalidez é determinado na mesma base utilizada para o cálculo da pensão de velhice (salário médio nos últimos 18 melhores anos consecutivos após 1970). Caso a pessoa não tenha atingido a idade de reforma 63 anos para os homens e 61 anos para as mulheres - a percentagem da base de cálculo é fixada em função do prazo de garantia real e do prazo de garantia acrescido (fictício). Subsídio complementar Os beneficiários de pensões de invalidez muito baixas podem ter direito a um subsídio complementar (varstveni dodatek), que equivale a assistência social específica. Prestações por invalidez Podem beneficiar de prestações por invalidez (nadomestilo za invalidnost) os segurados com invalidez da categoria II que tiverem mais de 50 anos, bem como os segurados com invalidez da categoria III. Subsídio de grande inválido O subsídio de grande inválido (invalidnina) é uma prestação pecuniária mensal que o segurado ou o beneficiário de uma pensão pode receber devido a uma deficiência física que se tenha manifestado durante o período de seguro ou de benefício de pensão. Não é necessário que a invalidez tenha sido causada por doença. O montante do subsídio de grande inválido depende da causa da deficiência física e do seu grau (existem oito graus). Se a incapacidade foi causada por doença ou acidente não relacionados com o trabalho, para a atribuição de subsídio de grande inválido, ela terá de ser, pelo menos, de 50%. É exigido um período de seguro equivalente ao requerido para a pensão por invalidez. Reabilitação profissional A reabilitação profissional é organizada pela entidade patronal em colaboração com o Instituto do Seguro de Pensão e de Invalidez, que suporta os custos. As prestações por reabilitação profissional (nadomestilo za čas poklicne rehabilitacije) são atribuídas no período imediatamente antes, durante e após a reabilitação profissional. Acesso às prestações por invalidez A perda de capacidade para o trabalho ou o grau ainda existente de capacidade para o trabalho, a deficiência física e a necessidade de outras prestações por invalidez são avaliadas pelos peritos médicos, ou pela Comissão de Invalidez, no primeiro e no segundo caso. Os peritos individuais e as comissões de invalidez são entidades peritas do Instituto de Seguro de Pensão e de Invalidez. 17

18 O seu direito a prestações por invalidez quando se desloca na Europa A instituição competente do país onde requer a pensão de invalidez tomará em consideração períodos de seguro ou residência cumpridos ao abrigo da legislação de qualquer outro país da UE, da Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça, se tal for necessário para o cálculo das prestações. O pagamento das prestações por invalidez não depende do local de residência ou de estada na União Europeia, Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça. Normalmente, os controlos administrativos e exames médicos que se revelarem necessários serão realizados pela instituição competente do país onde reside. Em alguns casos, poder-lhe-á ser exigido que realize os referidos exames no país que paga a sua pensão, caso o seu estado de saúde o permita. Cada país aplica os seus próprios critérios para determinar o grau de invalidez. Deste modo, é possível que determinados países considerem que o grau de invalidez de uma pessoa é de 70 %, enquanto outros consideram que, nos termos da sua legislação, essa pessoa não é, de todo, inválida. Esta potencial disparidade resulta do facto de os sistemas nacionais de segurança social não estarem harmonizados, sendo apenas coordenados por disposições da UE. Estão disponíveis mais informações sobre a coordenação dos direitos de segurança social quando se desloca ou viaja na Europa em: Algumas prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo são concedidas exclusivamente no país onde o beneficiário reside e, como tal, não são exportáveis. Estas prestações encontram-se enumeradas no Anexo II, no final do presente guia. 18

19 Capítulo VI: Pensões e prestações por velhice Aquisição do direito a prestações por velhice Pensão de reforma O direito a pensão de reforma está condicionado pela idade, sexo e duração do período contributivo efectivo. O segurado tem direito à pensão de reforma: aos 58 anos de idade, com 40 anos de direitos adquiridos à pensão(para os homens) ou 38 anos (para as mulheres). Estas condições mínimas para as mulheres serão aplicáveis após um período de transição que culminará em 2014, ou aos 63 anos de idade (para os homens) ou aos 61 anos (para as mulheres), com 20 anos de direitos adquiridos à pensão, ou aos 65 anos de idade (para os homens) ou aos 63 anos (para as mulheres), com 15 anos de período de seguro. O período de aquisição de direitos inclui os períodos não contributivos creditados, nomeadamente, estudos completados para licenciatura ou pós-graduação, serviço militar, formação para unidades de polícia, ou o tempo de inscrição nos serviços de emprego. À excepção desses períodos, o tempo de seguro cobre apenas períodos para os quais foram pagas quotizações. Em certos casos, a idade mínima de reforma pode ser antecipada. Por exemplo, pode ser reduzida num determinado período correspondente à educação de filhos; também pode ser reduzida no caso de mulheres que estiveram empregadas entre os 15 e os 18 anos. Assim, a idade mínima de reforma para as mulheres é aos 55 anos e para os homens aos 58 anos. Pensão estatal Se as condições mínimas correspondentes à pensão de reforma não forem preenchidas, a pessoa pode ter direito a uma pensão do regime geral como uma prestação de assistência social específica para pessoas com mais de 65 anos de idade. Cobertura Pensão de velhice O montante da pensão de velhice é calculado a partir da percentagem da base de cálculo da pensão. Esta tem em conta 18 anos de contribuição consecutiva desde 1970, considerando-se o cálculo de pensão mais favorável para o segurado. A percentagem em causa depende do sexo - é ligeiramente mais elevada para as mulheres e da duração do período de pensão. Por exemplo, para um período de aquisição de direitos de pensão de 40 anos (homens) ou 38 anos (senhoras), o montante da pensão por velhice equivale a 72,5% da base de cálculo da pensão. Não está previsto limite máximo. Aliás, os segurados são encorajados a trabalhar durante mais tempo e a adiarem a data da reforma. Se um segurado cumprir mais do que o período contributivo completo (40 anos para os homens e 38 anos para as mulheres) ou se reformar depois da idade de reforma (63 e 61), é-lhe atribuída uma bonificação no 19

20 cálculo (uma percentagem suplementar). Também está prevista uma redução (penalização), se a pessoa se reformar antes de atingir a idade legal de reforma. Pensão parcial Caso o segurado já beneficie de uma pensão por velhice, tem direito a uma pensão parcial. O beneficiário não pode trabalhar por conta de outrem nem realizar actividade independente por mais do que metade do horário completo. Não obstante a redução, a pensão parcial equivale sempre a metade da pensão por velhice a que o segurado teria direito caso requeresse a reforma completa. Complemento anual Os pensionistas têm direito a um complemento anual (letni dodatek) que está previsto em dois montantes, dependendo do valor da pensão. É ligeiramente mais elevado para beneficiários de pensões um pouco mais baixas. Subsídio complementar Os beneficiários de pensões por velhice muito baixas podem ter direito a um subsídio complementar (varstveni dodatek), que equivale a assistência social específica. Acesso às prestações por velhice O pedido deve ser apresentado na delegação do Instituto do Seguro de Pensão e de Invalidez da zona de residência onde subscreveu pela última vez o seguro. O seu direito a prestações por velhice quando se desloca na Europa As disposições da UE relativas às pensões por velhice respeitam unicamente a regimes públicos de pensões, não sendo aplicáveis aos regimes privados, profissionais ou instituídos pelas empresas. Estas disposições garantem o seguinte: Em cada país da UE (e também na Islândia, Listenstaine, Noruega e Suíça) onde está seguro, o seu histórico de contribuições é mantido até que atinja a idade de reforma nesse país. Cada país da UE (e também a Islândia, Listenstaine, Noruega e Suíça) em que tenha estado seguro terá de pagar uma pensão por velhice quando atingir a idade da reforma. O montante da pensão que irá receber de cada Estado-Membro dependerá do período de contribuições em cada um deles. A sua pensão será paga no país da UE em que reside (e também na Islândia, Listenstaine, Noruega e Suíça). Deve apresentar o pedido de pensão à caixa de seguro de pensões do país da UE (ou da Islândia, Listenstaine, Noruega ou Suíça) em que reside, salvo se nunca aí tiver trabalhado. Neste caso, deve apresentar o seu pedido no país onde exerceu a sua última actividade profissional. Estão disponíveis mais informações sobre a coordenação dos direitos de segurança social quando se desloca ou viaja na Europa em: Algumas prestações pecuniárias especiais de carácter não contributivo são concedidas exclusivamente no país onde o beneficiário reside e, como tal, não são exportáveis. Estas prestações encontram-se enumeradas no Anexo II, no final do presente guia. 20

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl

INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl INSTITUTO NACIONAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAl REGIMES de Previdência Social: - Trabalhadores por Conta de Outrem - Trabalhadores por Conta Própria/Independentes - Agentes da Administração Pública Central -

Leia mais

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições

Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições 1971R1408 PT 28.04.2006 006.001 1 Este documento constitui um instrumento de documentação e não vincula as instituições B REGULAMENTO (CEE) N. o 1408/71 DO CONSELHO de 14 de Junho de 1971 relativo à aplicação

Leia mais

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010

L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 L 306/2 Jornal Oficial da União Europeia 23.11.2010 Projecto DECISÃO N. o / DO CONSELHO DE ASSOCIAÇÃO instituído pelo Acordo Euro-Mediterrânico que cria uma associação entre as Comunidades Europeias e

Leia mais

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015

Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio de doença Atualizado em: 06-03-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Seguro social voluntário: Trabalhadores

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho

CONSELHO DE MINISTROS. Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 41/08 de 2 de Julho Considerando que a protecção social visa assegurar o bem estar das pessoas, das famílias e das comunidades através de acções de

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Portugal

Os seus direitos de segurança social. em Portugal Os seus direitos de segurança social em Portugal O presente guia foi redigido e atualizado em estrita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Noruega

Os seus direitos de segurança social. na Noruega Os seus direitos de segurança social na Noruega O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO

CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO REPÚBLICA DE ANGOLA CONSELHO DE MINISTROS DECRETO Nº 50/05 DE 8 DE AGOSTO Considerando que a protecção na morte integra o âmbito de aplicação material da protecção social obrigatória e visa compensar os

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA [VERSÃO MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro

PRESIDENTE DA REPÚBLICA. DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro REPÚBLICA DE ANGOLA PRESIDENTE DA REPÚBLICA DECRETO PRESIDENCIAL N.º 8/11 de 7 de Janeiro Considerando a necessidade de se regulamentar de modo sistemático as prestações que integram o regime jurídico

Leia mais

Os artistas sujeitos ao regime dos independentes podem optar, como a generalidade dos restantes trabalhadores, entre dois esquemas de protecção.

Os artistas sujeitos ao regime dos independentes podem optar, como a generalidade dos restantes trabalhadores, entre dois esquemas de protecção. I. o regime de protecção social aplicável aos artistas tem algumas particularidades em relação ao regime geral, porque se reconhece que as condições do exercício da sua actividade, designadamente uma certa

Leia mais

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS

MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: PAULO ELIAS FORMADORA: MARIA JOSÉ BANHA DEZ/ 2014 TRABALHO REALIZADO POR: MARIA ANTÓNIA PAULO ELIAS SEGURANÇA SOCIAL A Segurança Social Portuguesa está sob a tutela do Ministério da Solidariedade e da Segurança Social

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Bulgária

Os seus direitos de segurança social. na Bulgária Os seus direitos de segurança social na Bulgária O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ

ACORDO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE PORTUGAL E O CANADÁ Decreto n.º 34/81 Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e o Canadá O Governo decreta, nos termos da alínea c) do artigo 200.º da Constituição, o seguinte: Artigo único. É aprovada

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Polónia

Os seus direitos de segurança social. na Polónia Os seus direitos de segurança social na Polónia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro

Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro Decreto-Lei n.º 40/89, de 12 de Fevereiro Institui o seguro social voluntário, regime contributivo de carácter facultativo no âmbito da Segurança Social, em que podem ser enquadrados os voluntários. Este

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015

Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 SEGURANÇA SOCIAL Subsídio por cessação de atividade Atualizado em: 07-12-2015 Esta informação destina-se a Trabalhadores independentes O que é e quais as condições para ter direito O que é É uma prestação

Leia mais

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe).

Parentalidade. Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Parentalidade Bom para os pais, melhor para os filhos. Licença parental até 6 meses (se partilhada entre pai e mãe). Adopção equiparada à licença parental. Trabalhadores independentes com direitos alargados.

Leia mais

Apoio Social à Maternidade e Paternidade

Apoio Social à Maternidade e Paternidade Apoio Social à Maternidade e Paternidade 2 Compete aos serviços de saúde proporcionar à mulher o conhecimento sobre as condições de apoio que o estado pode dar à prossecução da gravidez e à maternidade.

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS REGIME DE DESENVOLVIMENTO [MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Suíça

Os seus direitos de segurança social. na Suíça Os seus direitos de segurança social na Suíça O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social (MISSOC).

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS. Capítulo I - Disposições Gerais... 2. Capítulo II... 4. Secção I - Serviços de Saúde... 4 REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS Capítulo I - Disposições Gerais... 2 Capítulo II... 4 Secção I - Serviços de Saúde... 4 Secção II - Complementos de Reforma... 5 Capítulo III - Benefícios suportados pelo Fundo

Leia mais

As disposições comunitárias de segurança social

As disposições comunitárias de segurança social As disposições comunitárias de segurança social Os seus direitos quando se desloca no interior da União Europeia Emprego assuntos sociais Segurança social e integração social Comissão Europeia Direcção-Geral

Leia mais

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes PARENTALIDADE A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao

Leia mais

Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça

Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça Decreto n.º 33/95 Acordo Adicional à Convenção sobre Segurança Social entre Portugal e a Suíça Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados. TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se

Leia mais

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade

1/5. Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Ficha 4.1 Maternidade Paternidade Código do trabalho: Lei 99/2003, de 27 de Agosto Grávida, puérpera e lactante art. 34 Licença de maternidade 35º/68º Em situação de risco clínico na gravidez 35º/68º Licença

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Suíça. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social na Suíça. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social na Suíça Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança social

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril No âmbito da concretização do direito à segurança social de todos os trabalhadores, a Lei n.º 4/2009, de 29 de Janeiro,

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Lituânia

Os seus direitos de segurança social. na Lituânia Os seus direitos de segurança social na Lituânia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma.

É criado um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior que se rege pelo disposto no presente diploma. Decreto-Lei N.º 512/99 De 24 de Novembro Cria um regime de crédito bonificado aos estudantes do ensino superior A Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro - Lei de Bases do Financiamento do Ensino Superior Público

Leia mais

GUIA DO SEGURADO E DO CONTRIBUINTE DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA

GUIA DO SEGURADO E DO CONTRIBUINTE DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA NOTA INTRODUTÓRIA O GUIA DO SEGURADO E DO CONTRIBUINTE DA PROTECÇÃO SOCIAL OBRIGATÓRIA é um instrumento que oferece informação jurídica sistematizada sobre a forma de organização e o funcionamento deste

Leia mais

Apoio Social à Maternidade e Paternidade

Apoio Social à Maternidade e Paternidade Apoio Social à Maternidade e Paternidade Compete aos serviços de saúde proporcionar à mulher o conhecimento sobre as condições de apoio que o estado pode dar à prossecução da gravidez e à maternidade.

Leia mais

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social

FICHA TÉCNICA. TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada. PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pensão de Reforma Antecipada PROPRIEDADE Instituto Nacional de Segurança Social AUTOR Instituto Nacional de Segurança Social MORADA Rua Cirílo da Conceição e Silva, 42,

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade Conciliação do Trabalho com a Família e a vida pessoal Para pais, filhos e avós 1 Este guia sumário de Direitos é apenas informativo e destina-se fundamentalmente a resolver

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Suécia

Os seus direitos de segurança social. na Suécia Os seus direitos de segurança social na Suécia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade Conciliação do Trabalho com a Família e a vida pessoal Para pais, filhos e avós SITRA 1 Este guia sumário de Direitos é apenas informativo e destina-se fundamentalmente a resolver

Leia mais

30.4.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia L 158/ 77. DIRECTIVA 2004/38/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004

30.4.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia L 158/ 77. DIRECTIVA 2004/38/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004 30.4.2004 PT Jornal Oficial da União Europeia L 158/ 77 DIRECTIVA 2004/38/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 29 de Abril de 2004 relativa ao direito de livre circulação e residência dos cidadãos

Leia mais

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia

Mobilidade Europeia. Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein. Comissão Europeia 9 Mobilidade Europeia Os seus direitos de segurança social no Liechtenstein Comissão Europeia Mobilidade Europeia (na União Europeia, no Espaço Económico Europeu e na Suíça) Os seus direitos de segurança

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA

CONVENÇÃO SOBRE SEGURANÇA SOCIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE ANGOLA Decreto n.º 32/2004 Aprova a Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a República de Angola, assinada em Luanda em 27 de Outubro de 2003 Tendo em conta que a República Portuguesa

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA. eu gosto particularmente na Suíça.» sobre o lago e os Alpes, é o que. «Um esplêndido nascer de sol «Um esplêndido nascer de sol sobre o lago e os Alpes, é o que eu gosto particularmente na Suíça.» Claudia Ruisi, parteira, Bélgica VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA + O SISTEMA DE SEGURANÇA SOCIAL NA SUÍÇA +

Leia mais

Serviços de Assistência Médico-Social Sindicato dos Bancários do sul e Ilhas

Serviços de Assistência Médico-Social Sindicato dos Bancários do sul e Ilhas Serviços de Assistência Médico-Social Sindicato dos Bancários do sul e Ilhas REGULAMENTO DA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE A BENEFICIÁRIOS (REGIME GERAL) (Regulamento aprovado em 19.11.2003 nos Conselhos

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

Lei n.º 17/95 de 9 de Junho

Lei n.º 17/95 de 9 de Junho Lei n.º 17/95 de 9 de Junho Estabelece protecção social aos agregados familiares de que façam parte deficientes profundos e doentes crónicos A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º,

Leia mais

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE Denominação da entidade empregadora: informa que, de acordo com a legislação em vigor, designadamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE

GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE GUIA PRÁTICO PEDIDO DE PENSÃO COM APLICAÇÃO DE INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INVALIDEZ, VELHICE E MORTE INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/17 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Pedido de

Leia mais

Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra

Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra Ministério dos Antigos Combatentes e Veteranos de Guerra Lei n.º 13/02 de 15 de Outubro Considerando que o Decreto n. º 28/92, de 26 de Junho não define nem salvaguarda de forma abrangente e eficaz os

Leia mais

As disposições da UE em matéria de segurança social

As disposições da UE em matéria de segurança social Actualização 2010 As disposições da UE em matéria de segurança social Os seus direitos quando se desloca no interior da União Europeia Comissão Europeia As disposições da UE em matéria de segurança social

Leia mais

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e

Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e ESTATUTO DO PESSOAL Aprovado por Despacho do Senhor Secretário de Estado dos Transportes, de 25 de Maio de 2000 e Despacho do Senhor Secretário de Estado do Tesouro e das Finanças, de 6 de Julho de 2000.

Leia mais

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo

Município de Arganil Câmara Municipal. Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil. Preâmbulo Município de Arganil Câmara Municipal Regulamento do Banco de Voluntariado de Arganil Preâmbulo A Lei nº 71/98, de 3 de Novembro, estabelece as bases do enquadramento jurídico do voluntariado, definindo-o

Leia mais

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América

Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Decreto n.º 48/88 Acordo sobre Segurança Social entre Portugal e os Estados Unidos da América Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Artigo único.

Leia mais

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004.

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3/2004 Data:2 de Setembro de 2004 RECURSOS HUMANOS Nº PAUTA: 203.14 ASSUNTO: PROTECÇÃO DA MATERNIDADE E DA PATERNIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho e Regulamentação

Leia mais

Fiscalidade de Seguros

Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros Fiscalidade de Seguros (aplicável a partir de 01 de Janeiro de 2015) O presente documento tem natureza meramente informativa, de carácter necessariamente geral, e não constitui nem

Leia mais

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões

Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Glossário sobre Planos e Fundos de Pensões Associados Benchmark Beneficiários Beneficiários por Morte CMVM Comissão de Depósito Comissão de Gestão Comissão de Transferência Comissão Reembolso (ou resgate)

Leia mais

Decreto-Lei n.º 248/99 de 2 de Julho

Decreto-Lei n.º 248/99 de 2 de Julho Decreto-Lei n.º 248/99 de 2 de Julho 1 - A reparação das doenças profissionais apareceu na legislação da maioria dos países, incluindo Portugal, intimamente ligada à dos acidentes de trabalho, quer com

Leia mais

Pensão de velhice Atualizado em: 01-04-2016

Pensão de velhice Atualizado em: 01-04-2016 SEGURANÇA SOCIAL Pensão de velhice Atualizado em: 01-04-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores por conta de outrem Trabalhadores independentes Membros de órgãos estatutários Trabalhadores

Leia mais

REGIMES DA APOSENTAÇÃO GUIA DO UTENTE

REGIMES DA APOSENTAÇÃO GUIA DO UTENTE REGIMES DA APOSENTAÇÃO E DAS PENSÕES DE SOBREVIVÊNCIA GUIA DO UTENTE Caixa Geral de Aposentações Av. 5 de Outubro, 175 1050-053 LISBOA Tel. 21 780 78 07 Linha azul Fax 21 780 77 82 M@il cga@cgd.pt Website

Leia mais

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009.

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 1/200 /2009 Data: 30 de Abril de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: PARENTALIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER Código do Trabalho Decreto-Lei nº91/2009, de 9 de Abril,

Leia mais

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral 3. Proteção na parentalidade Tânia Santos Direito Laboral Protecção na parentalidade conciliação entre a vida profissional e as situações de maternidade e paternidade. Concretiza-se na consagração de normas

Leia mais

Regulamento de Bolsas do CCMar

Regulamento de Bolsas do CCMar Regulamento de Bolsas do CCMar CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia ao abrigo do Decreto-Lei nº 123/99, de 20 de Abril,

Leia mais

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória

Dispensa para consultas pré-natais e sessões de preparação para o parto. Licença por paternidade, obrigatória Legislação da Maternidade e da Paternidade Leis da maternidade e da paternidade (Código do Trabalho e Regulamentação do Código do Trabalho) Consagração do direito que assiste à familia, de protecção da

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. na Grécia

Os seus direitos de segurança social. na Grécia Os seus direitos de segurança social na Grécia O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. no Listenstaine

Os seus direitos de segurança social. no Listenstaine Os seus direitos de segurança social no Listenstaine O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO SOCIAL DE DESEMPREGO, INICIAL OU SUBSEQUENTE AO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/36 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático

Leia mais

Tendo em conta que a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe gozam de excelentes relações bilaterais;

Tendo em conta que a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe gozam de excelentes relações bilaterais; Decreto n.º 24/2005 Aprova a Convenção sobre Segurança Social entre a República Portuguesa e a República Democrática de São Tomé e Príncipe, assinada em Lisboa em 17 de Fevereiro de 2004 Tendo em conta

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Espanha

Os seus direitos de segurança social. em Espanha Os seus direitos de segurança social em Espanha O presente guia foi redigido e atualizado em estreita colaboração com os correspondentes nacionais do Sistema de Informação Mútua sobre a Proteção Social

Leia mais

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL

CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL CUIDADOS DE SAÚDE PARA PENSIONISTAS DE UM ESTADO-MEMBRO DA UNIÃO EUROPEIA, ESPAÇO ECONÓMICO EUROPEU OU DA SUÍÇA QUE VENHAM RESIDIR PARA PORTUGAL abril 2015 Ficha Técnica Autor Direção-Geral da Segurança

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (A TERMO CERTO) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho a termo certo, sendo permitido o acréscimo e a eliminação

Leia mais

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA

VIVER E TRABALHAR NA SUÍÇA Endereços importantes Secretaria de Estado da Economia SECO Direcção do Trabalho / EURES Holzikofenweg 36 3003 Berne/Suíça info@eures.ch.eures.ch.espace-emploi.ch Hotline: +41 (0)58 463 25 25 Secretaria

Leia mais

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6

Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 Protocolo de Delegação de Competências Anexo N6 FUNDO DE EMERGÊNCIA SOCIAL DE LISBOA AGREGADOS FAMILIARES CRITÉRIOS DE ATRIBUIÇÃO (Deliberação 27/AML/2012, publicada no 1º Sup. ao BM nº 951, de 10 de Maio

Leia mais

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO CARTÃO EUROPEU DE SEGURO DE DOENÇA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Cartão Europeu de Seguro de Doença (N39 - v4.07) PROPRIEDADE Instituto da Segurança

Leia mais

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO Manual de GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO DE DESEMPREGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/22 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Subsídio de Desemprego (6001 v4.04_2) PROPRIEDADE

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS

MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS N. o 255 29 de Outubro de 2004 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 6443 MINISTÉRIO DOS NEGÓCIOS ESTRANGEIROS Decreto n. o 32/2004 de 29 de Outubro Tendo em conta que a República Portuguesa e a República de Angola

Leia mais

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC

CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CONTRATO CONSTITUTIVO DO FUNDO DE PENSÕES DOS ADMINISTRADORES E/OU DIRECTORES DA ROBBIALAC CAPÍTULO I (DISPOSIÇÕES GERAIS) 1 A existência do Fundo de Pensões dos Administradores e/ou Directores da Robbialac

Leia mais

Tutela da Parentalidade. Catarina de Oliveira Carvalho

Tutela da Parentalidade. Catarina de Oliveira Carvalho Tutela da Parentalidade Catarina de Oliveira Carvalho 1 Análise do regime legal português Início de vigência O novo Código do Trabalho publicado em 12/02/2009 + vacatio legis = entrada em vigor em 17/02/09

Leia mais

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS

REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS A MUTUALIDADE DA MOITA Associação Mutualista REGULAMENTO DE BENEFÍCIOS CAPITULO I ASSOCIADOS ARTIGO 1º São condições de inscrição: a) Ter idade até 45 anos (inclusive), salvo se a modalidade associativa

Leia mais

GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL

GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL GUIA PRÁTICO BENEFICIÁRIOS DE ACORDOS INTERNACIONAIS VÍTIMAS DE ACIDENTE DE TRABALHO OU DE DOENÇA PROFISSIONAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Beneficiários

Leia mais

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO REGIME ESPECIAL DE PROTEÇÃO NA INVALIDEZ (ESCLEROSE MÚLTIPLA, ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA (ELA), DOENÇA DE PARKINSON (DP), DOENÇA DE ALZHEIMER (DA), ENTRE OUTRAS). INSTITUTO DA SEGURANÇA

Leia mais

CAPÍTULO I Âmbito e vigência do Acordo

CAPÍTULO I Âmbito e vigência do Acordo CAPÍTULO I Âmbito e vigência do Acordo Cláusula 1.ª (Âmbito pessoal e territorial do Acordo) 1. O presente Acordo de Empresa ( AE ) obriga: a) Por um lado, a ISU Estabelecimentos de Saúde e Assistência,

Leia mais

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO

BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO Última atualização 15.04.2015 1 Tipos de bolsas 1.1 Quais os tipos de bolsas e montantes definidos no Regulamento das Bolsas? As bolsas distinguem-se de

Leia mais

Lei da maternidade e da paternidade

Lei da maternidade e da paternidade Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt Lei da maternidade e da paternidade "Os pais e as mães têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação

Leia mais

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro

Advocacia e Cidadania. e Paternidade. Inês Albuquerque e Castro As Mudanças na Maternidade e Paternidade Inês Albuquerque e Castro Nova terminologia Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; Licença por interrupção de gravidez; Licença parental, em qualquer

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010

Serviços de Acção Social da Universidade dos Açores Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Regras Técnicas 2008-2009/2009-2010 Considerando o regime de atribuição de bolsas de estudo a estudantes do Ensino Superior Público, determino os critérios e procedimentos técnicos a adoptar pelos Serviços

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO DO ENSINO SUPERIOR PREÂMBULO A educação e formação dos jovens estarrejense são factores essenciais para o desenvolvimento económico e social do concelho

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais

REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I. Disposições Gerais REGULAMENTO DAS BOLSAS RICARDO JORGE CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei n.º 40/2004, de 18 de Agosto,

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Trabalhadores Independentes de Segurança Social Trabalhadores Independentes Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE Maternidade, Paternidade, Adoção Guia da Parentalidade Ficha Técnica Autor: Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

BASE DE DADOS DA LEGISLAÇÃO PARA A DEFICIÊNCIA

BASE DE DADOS DA LEGISLAÇÃO PARA A DEFICIÊNCIA BASE DE DADOS DA LEGISLAÇÃO PARA A DEFICIÊNCIA COM O APOIO: 1 Aquisição de viatura Legislação: O que é? Quem tem direito? Onde dirigir-se: Lei n.º 22-A/2007 de 29 de Junho Podem beneficiar da isenção do

Leia mais

Os seus direitos de segurança social. em Portugal

Os seus direitos de segurança social. em Portugal Os seus direitos de segurança social em Portugal Em algum momento das nossas vidas, talvez tenhamos de depender de uma prestação de segurança social. Estas prestações estão disponíveis para os cidadãos

Leia mais

Secretaria de Estado para o Ensino Superior

Secretaria de Estado para o Ensino Superior Secretaria de Estado para o Ensino Superior Decreto n.º 21/08 de 28 de Fevereiro Com a aprovação da Lei de Bases do Sistema de Educação, torna se necessário regulamentar a política de Acção Social no Ensino

Leia mais