O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados."

Transcrição

1 TRABALHADORES EM CONTRATO INDIVIDUAL DE TRABALHO Lei 7/2009, de 12 de Fevereiro 1. Férias 1.1. Qual a duração do período de férias? O período anual de férias tem a duração de 22 dias úteis, considerando-se úteis os dias de 2f.ª a 6f.ª, com excepção dos feriados Em que condições se adquire o direito à majoração das férias? - O trabalhador poderá gozar até mais três dias de férias no caso de não ter faltado ou de ter apenas faltas justificadas no ano anterior, nos seguintes termos: a) Três dias de férias, até uma falta ou dois meios dias; b) Dois dias de férias, até duas faltas ou quatro meios dias; c) Um dia de férias, até três faltas ou seis meios dias; Para efeitos de majoração da duração do período de férias, apenas não são consideradas faltas as seguintes ausências: a) Licença em situação de risco clínico durante a gravidez; b) Licença por interrupção da gravidez; c) Licença parental, em qualquer das modalidades; d) Licença por adopção; e) Licença parental complementar, em qualquer das modalidades A avaliação de desempenho pode ter algum efeito na duração do período de férias?

2 O reconhecimento de Desempenho Excelente em três anos consecutivos confere ao trabalhador, no ano seguinte e se o Conselho de Administração assim o entender, o direito a cinco dias de férias. O reconhecimento de Desempenho Relevante em três anos consecutivos, confere ao trabalhador, no ano seguinte e se o Conselho de Administração assim o entender, o direito a três dias de férias Após aprovação do mapa de férias, é possível solicitar alteração do mesmo? Qualquer alteração ao mapa de férias deverá ser devidamente autorizada pelo superior hierárquico do trabalhador e submetida à aprovação do Conselho de Administração com 15 dias de antecedência No ano de admissão a quantos dias de férias o trabalhador tem direito? No ano de admissão, e após 6 meses completos de execução do contrato, o trabalhador pode gozar dois dias úteis de férias por cada mês de duração do contrato, até ao máximo de 20 dias. No caso do ano civil terminar antes de decorridos os referidos 6 meses, as férias são gozadas até 30 de Junho do ano subsequente, não sendo, contudo, possível o gozo de mais de 30 dias úteis no mesmo ano civil As férias referentes a um determinado ano civil, podem transitar para o ano seguinte? Em caso de impedimento, as férias não gozadas no ano em que vencem, podem ser gozadas até 30 de Abril do ano civil seguinte, por acordo entre o empregador e o trabalhador Em que casos poderá ocorrer a suspensão do gozo de férias?

3 O gozo das férias poderá não ter início ou ser suspenso quando o trabalhador esteja temporariamente impedido por motivo de doença ou outro factor que não lhe seja imputável, desde que o comunique ao empregador Como é marcado o período de férias? O período de férias é marcado por acordo entre o trabalhador e o empregador, processo que deve estar concluído até 15 de Abril de cada ano. O gozo do período de férias pode ser interpolado, desde que sejam gozados, no mínimo 10 dias úteis consecutivos. 2. Faltas 2.1. Quais as faltas que são consideradas justificadas? São consideradas justificadas as seguintes faltas: a) As dadas durante 15 dias seguidos por altura do casamento; b) As motivadas por falecimento de cônjuge, parente ou afim, nos seguintes termos: - Até cinco dias consecutivos, por falecimento de cônjuge não separado de pessoas e bens ou de pessoa que viva em união de facto ou economia comum ou de parente ou afim no 1.º grau da linha recta (pais, filhos e sogros); - Até dois dias consecutivos, por falecimento de outro parente ou afim na linha recta (netos, bisnetos, avós e bisavós) ou no 2.º grau da linha colateral (irmãos e cunhados). A contagem dos dias a que o trabalhador tem direito inicia no dia do falecimento. c) A motivada pela prestação de prova de avaliação em estabelecimento de ensino até 2 dias, por cada prova de avaliação, no máximo de 4 por disciplina em cada ano lectivo, sendo um dia o da prova e o outro o imediatamente anterior, onde se incluem sábados, domingos e feriados. Em caso de provas em dias consecutivos ou de mais que uma prova por dia, os dias anteriores são tantos quantas as provas de avaliação a efectuar.

4 d) A motivada por impossibilidade de prestar trabalho devido a facto não imputável ao trabalhador, nomeadamente observância de prescrição médica no seguimento de recurso a técnica de procriação medicamente assistida, doença, acidente ou cumprimento de obrigação legal (entidades policiais ou judiciais); e) A motivada pela prestação de assistência inadiável e imprescindível a: - Filho: o trabalhador pode faltar ao trabalho para prestar assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a filho menor de 12 anos ou, independentemente da idade, a filho com deficiência ou doença crónica, até 30 dias por ano ou durante todo o período de hospitalização. No caso de filho com 12 ou mais anos de idade, desde que pertença ao seu agregado familiar, o limite de faltas para assistência é 15 dias por ano. A estes períodos de ausências acresce um dia por cada filho além do primeiro. A possibilidade de faltar para prestar assistência a filho não pode ser gozada simultaneamente pelo pai e pela mãe. - Neto: O trabalhador pode faltar até 30 dias consecutivos, a seguir ao nascimento de neto que consigo viva em comunhão de mesa e habitação e que seja filho de adolescente menor de 16 anos. - Membro do agregado familiar de trabalhador: o trabalhador tem direito a faltar ao trabalho até 15 dias por ano para prestar assistência inadiável e imprescindível, em caso de doença ou acidente, a cônjuge ou pessoa que viva em união de facto ou economia comum com trabalhador, parente ou afim na linha recta ascendente (pai/mãe; sogro/sogra; padrasto/madrasta; avó/avô; bisavô/bisavó) ou no 2.º grau da linha colateral (irmão(ã), cunhado(a)). No caso de assistência a pessoa com deficiência, a este período de ausência permitido acrescem 15 dias por ano. f) A motivada por deslocação ao estabelecimento de ensino de responsável pela educação de menor por motivo da situação educativa deste, pelo tempo estritamente necessário, até quatro horas por trimestre, por cada educando. g) A ausência do trabalhador por motivo do desempenho de funções em estrutura de representação colectiva dos trabalhadores de que seja membro;

5 h) A de candidato a cargo público, nos termos da correspondente lei eleitoral; i) A autorizada ou aprovada pelo empregador; j) A que por lei como tal seja considerada O trabalhador deve comunicar previamente que irá ausentar-se ao serviço? Quando a ausência for previsível, o trabalhador deverá comunica-la ao Conselho de Administração, apresentando o motivo da mesma, com uma antecedência mínima de 5 dias. Para o efeito recorre ao impresso de Faltas e Férias, disponibilizado pelo SGRH. Este deverá estar devidamente preenchido, incluindo a informação do responsável do serviço e deverá ser entregue no SGRH. Quando imprevisível, a ausência deve ser comunicada logo que possível Para justificação da falta, o trabalhador deve apresentar comprovativo do motivo de ausência? Para justificação da falta é obrigatória a apresentação de comprovativo do facto invocado para a justificação Quais os efeitos da falta justificada? A falta justificada não afecta qualquer direito do trabalhador, excepto perda de retribuição no caso das seguintes faltas justificadas: a) Por motivo de doença, dado que a protecção na doença é assegurada pela Segurança Social; b) Por motivo de acidente no trabalho, sendo neste caso responsabilidade da seguradora; c) Por motivo de assistência a membro do agregado familiar; d) As motivadas por deslocação a estabelecimento de ensino, quando excedam 30 dias por ano; e) A autorizada ou aprovada pelo empregador.

6 2.5. Quais os efeitos da falta injustificada? A falta injustificada constitui uma violação do dever de assiduidade e determina perda da retribuição correspondente ao período de ausência, o qual não conta para efeitos de antiguidade do trabalhador. As faltas injustificadas podem dar origem a despedimento com justa causa, quando o seu número atinja, em cada ano civil, cinco seguidas ou 10 interpoladas. 3. Parentalidade 3.1. A trabalhadora grávida pode ser dispensada do serviço para a realização de consultas pré-natais? A trabalhadora tem direito a dispensa do trabalho para consultas pré-natais, pelo tempo e número de vezes necessários. Sempre que possível, a consulta pré-natal deve ter lugar fora do horário de trabalho. Caso a consulta ocorra dentro do horário de trabalho, a trabalhadora deve apresentar comprovativo da comparecência à mesma A trabalhadora grávida pode ser dispensada do serviço para frequência de curso de preparação para o parto? A preparação para o parto é equiparada a consulta pré-natal, pelo que a trabalhadora tem direito à dispensa para frequência de aulas de preparação para o parto nos mesmos termos que a dispensa para a realização de consultas pré-natais O pai tem direito a dispensa para acompanhamento da trabalhadora grávida a consultas pré-natais? O pai tem direito a três dispensas do trabalho para acompanhar a trabalhadora a consultas pré-natais.

7 3.4. Em caso de risco clínico durante a gravidez, que direitos assistem à trabalhadora grávida? Em situações de risco clínico para a trabalhadora grávida e/ou para o nascituro, impeditivo do exercício de funções, e caso não exista a possibilidade de prestação de trabalho de acordo com o seu estado e categoria profissional, a trabalhadora tem direito a licença pelo período de tempo que a prescrição médica aconselhar. Para o efeito, a trabalhadora deve informar o empregador e apresentar o devido atestado médico com indicação da duração da licença, com antecedência de 10 dias, ou em caso de urgência comprovada pelo médico, logo que possível Em caso de interrupção da gravidez, a trabalhadora tem direito a licença? A trabalhadora tem direito a uma licença por interrupção da gravidez por um período de 14 a 30 dias, devendo apresentar, logo que possível, atestado médico com indicação do período da licença Em caso de licença por risco clínico durante a gravidez ou de interrupção da mesma, a trabalhadora tem direito à remuneração? Durante o período de licença por risco clínico durante a gravidez ou de interrupção da gravidez, a Segurança Social atribui à trabalhadora um subsídio cujo montante diário é igual a 100% da Remuneração de Referência Qual a duração da licença parental? Após o nascimento de filho, a mãe ou o pai têm direito ao gozo de licença parental inicial de 120 ou 150 dias consecutivos. Esta licença é acrescida em 30 dias no caso de cada um dos progenitores gozar, em exclusivo, um período de 30 dias consecutivos, ou dois períodos de 15 dias

8 consecutivos após o período de 6 semanas obrigatório a gozar exclusivamente pela mãe logo imediatamente a seguir ao parto (licença parental exclusiva da mãe). Em caso de partilha do gozo da licença, a mãe e o pai informam os respectivos empregadores, até sete dias após o parto, do início e termo dos períodos a gozar por cada um, entregando para o efeito, declaração conjunta. Em caso de nascimentos múltiplos, o período de licença é acrescido de 30 dias por cada gémeo além do primeiro Qual o período de licença parental exclusiva da mãe? É obrigatório o gozo, por parte da mãe, de seis semanas de licença a seguir ao parto Qual o período de licença parental exclusiva do pai? É obrigatório o gozo pelo pai de 10 dias úteis de licença parental, seguidos ou interpolados, nos 30 dias seguintes ao nascimento, 5 dos quais devem ser gozados de modo consecutivo imediatamente após o parto. Após o gozo deste período, o pai tem ainda direito a gozar 10 dias úteis de licença, seguidos ou interpolados, desde que gozados em simultâneo com o gozo da licença parental inicial por parte da mãe Durante o período de licença parental, o(a) trabalhador(a) tem direito à remuneração? Durante o período de licença parental, o trabalhador tem direito, desde que reúna as condições legalmente definidas, a subsídio parental atribuído pela Segurança Social Quanto se recebe de subsídio parental? Licença Parental Inicial com duração de 120 dias 100% da Remuneração de Referência

9 Licença Parental Inicial com duração de 150 dias 80% da Remuneração de Referência Licença Parental Partilhada com duração de 150 dias ( ) 100% da Remuneração de Referência Licença Parental Partilhada com duração de 180 dias ( ) 83% da Remuneração de Referência Licença Parental Exclusiva do Pai 100% da Remuneração de Referência Como é feito o cálculo da Remuneração de Referência? A remuneração de referência é definida por R/180, em que R representa o total de remunerações declaradas à Segurança Social nos primeiros seis meses civis que precedem o segundo mês anterior ao da data do facto determinante da protecção (primeiros seis meses dos últimos oito anteriores ao nascimento). Para o cálculo da Remuneração de Referência são igualmente englobados os montantes relativos a subsídio de férias e de Natal declarados nesse período. Artigo 28.º do Decreto-Lei n.º 91/2009, de 9 de Abril A mãe trabalhadora tem direito a ser dispensada para amamentação? A mãe que amamenta o filho tem direito a dispensa do trabalho durante o tempo que durar a amamentação O pai e a mãe têm direito a serem dispensados para aleitação? No caso de não haver amamentação, desde que ambos os progenitores exerçam actividade profissional, qualquer deles ou ambos, consoante decisão conjunta, têm direito a dispensa para aleitação, até o filho completar 1 ano de idade Qual a duração da dispensa diária para amamentação ou aleitação?

10 A dispensa diária deve ser gozada em dois períodos distintos, com duração máxima de uma hora cada, salvo se outro regime for acordado com a entidade empregadora, acrescido de 30 minutos por cada gémeo além do primeiro Qual o procedimento para requisição de dispensa de amamentação? A trabalhadora deve comunicar, com uma antecedência de 10 dias relativamente ao início da dispensa, que amamenta o filho, devendo apresentar atestado médico se a dispensa se prolongar para além do primeiro ano de vida do filho Qual o procedimento para requisição de dispensa de aleitação? O progenitor comunica com uma antecedência de 10 dias o início da dispensa, devendo apresentar documento onde conste a decisão conjunta, declarando qual o período de dispensa gozado pelo outro progenitor, sendo caso disso, e prova que o outro progenitor é trabalhador e que informou o respectivo empregador da decisão conjunta.

Direitos de Parentalidade

Direitos de Parentalidade Direitos de Parentalidade 1 - INFORMAÇÃO POR PARTE DA ENTIDADE EMPREGADORA (Artigos 24.º n.º 4 e 127º nº 4 do Código do Trabalho) O empregador deve afixar nas instalações da empresa, em local apropriado,

Leia mais

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE

INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE INFORMAÇÃO A PRESTAR AOS TRABALHADORES RELATIVA AOS DIREITOS E DEVERES EM MATÉRIA DE MATERNIDADE E PATERNIDADE Denominação da entidade empregadora: informa que, de acordo com a legislação em vigor, designadamente

Leia mais

UNIVERSIDADE DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO SECÇÃO DE PESSOAL EXPEDIENTE E ARQUIVO

UNIVERSIDADE DOS AÇORES ADMINISTRAÇÃO SECÇÃO DE PESSOAL EXPEDIENTE E ARQUIVO INFORMAÇÃO N.º 13/SPEA/2009 ASSUNTO: FÉRIAS E FALTAS FÉRIAS Duração do Período de Férias Nos termos do art.º 173.º da Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro, o período normal de férias tem, em função da idade

Leia mais

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE

PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE SINDICATO DOS QUADROS TÉCNICOS DO ESTADO Rua Braamcamp, 88-2º Dto. - 1269-111 LISBOA Tel. 21 386 00 55 / Fax 21 386 07 85 www.ste.pt / ste@ste.pt PROTECÇÃO DA PARENTALIDADE 1.O STE considera que a melhor

Leia mais

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva

jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS jornadas O Novo Código do Trabalho Filipe Fraústo da Silva Feriados, férias e faltas Feriados: 234 a 236 (ex-208 a 210) Férias: 237 a 247 (ex-211 a 223) Faltas: 248 a 257 (ex-224

Leia mais

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009.

A presente Orientação Normativa produz os seus efeitos a partir de 01 de Maio de 2009. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 1/200 /2009 Data: 30 de Abril de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: PARENTALIDADE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER Código do Trabalho Decreto-Lei nº91/2009, de 9 de Abril,

Leia mais

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes

A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes PARENTALIDADE A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes Os trabalhadores têm direito à protecção da sociedade e do Estado na realização da sua insubstituível acção em relação ao

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S)

Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) Pág. 1 Perguntas frequentes sobre o regime de Faltas (FAQ S) 1. Quais são as faltas justificadas e injustificadas? Consideram-se faltas as ausências do trabalhador no local de trabalho e durante o período

Leia mais

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS

PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS PARENTALIDADE: ASPECTOS LEGAIS I Encontro sobre Aleitamento Materno da ULS da Guarda, 7 e 8 Outubro 2011 Paula Rabaça Semana Mundial do Aleitamento Materno 2011: Comunicação! Aleitamento Materno Experiência

Leia mais

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa).

A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). Ana Alves A proteção na parentalidade é um direito constitucionalmente reconhecido (artigo 68º da Constituição da República Portuguesa). A maternidade e a paternidade constituem valores sociais eminentes.

Leia mais

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores

Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores Maternidade, Paternidade e Família dos Trabalhadores A empresa tem de respeitar os direitos dos trabalhadores em matérias relativas à maternidade e paternidade e a outras relações familiares. Desta forma,

Leia mais

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

EFEITOS DE FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS DE, FALTAS E LICENÇAS TIPO DE AUSÊNCIA BASE LEGAL PERÍODO Secção I - Pessoal Nomeado Funcionário até aos 39 anos de idade alínea a) do nº 1 do artº 2º e artº 4º do D.L nº 100/99 - na redacção dada pelo

Leia mais

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO, FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5.

REGULAMENTO DE HORÁRIO DE TRABALHO, FÉRIAS, FERIADOS E FALTAS 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5. Pág.: 1 / 5 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. HORÁRIO DE TRABALHO 2 3. FÉRIAS 2 4. FERIADOS 3 5. FALTAS 3 A QUEM INTERESSA ESTE DOCUMENTO Para acção Para informação Colaboradores Elaborado: Director da DAP Aprovado:

Leia mais

Férias, feriados e faltas

Férias, feriados e faltas Férias, feriados e faltas Durante a vigência do contrato de trabalho a empresa tem de respeitar um conjunto de direitos dos trabalhadores relativos a férias, feriados e faltas, e estes também têm várias

Leia mais

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante

Código do Trabalho. SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º. Artigo 90.º. Noção de trabalhador-estudante SUBSECÇÃO VIII Trabalhador-estudante Artigo 89.º Noção de trabalhador-estudante Código do Trabalho 1 Considera-se trabalhador-estudante o trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem

Leia mais

PESSOAL EM CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS

PESSOAL EM CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS PESSOAL EM CONTRATO DE TRABALHO EM FUNÇÕES PÚBLICAS Catálogo de Ausências Versão 0.8 Novembro 2009 Divisão de Gestão de Recursos Humanos Controlo do Documento Responsável: Ana Pina Chefe da Divisão de

Leia mais

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral

3. Proteção na parentalidade. Tânia Santos Direito Laboral 3. Proteção na parentalidade Tânia Santos Direito Laboral Protecção na parentalidade conciliação entre a vida profissional e as situações de maternidade e paternidade. Concretiza-se na consagração de normas

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas (LTFP) Lei 35/2014 de 20/06, em vigor desde 01/08 1- Falta: Considera-se falta a ausência de trabalhador do local em que devia desempenhar a atividade durante

Leia mais

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO

NOTA: ESTE DOCUMENTO DEVERÁ ESTAR EXPOSTO DE 15 DE ABRIL A 31 DE OUTUBRO Mapa de Férias O mapa de Férias tem que ser elaborado até ao dia 15 de Abril. O mapa de férias com a indicação do início e fim dos períodos de férias de cada trabalhador deve ser elaborado até ao dia 15

Leia mais

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho)

O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA. Aplica-se a legislação Geral do Trabalho. (Código de Trabalho) O QUE DIZ O CÓDIGO DE TRABALHO - PRIVADO (IPSS) - O CONTRATO INDI- VIDUAL DE TRAB- ALHO NA ADMINIST- RAÇÃO PÚBLICA Regime da Função Pública FALTAS As ausências inferiores a um dia são somadas até perfazerem

Leia mais

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH

Orientação Normativa N.º 1/2004, de 20/02/2004 Módulo de Férias do Manual de Formação Técnica RH ORIENTAÇÃO NORMATIVA N.º 2/2009 Data: 25 de Maio de 2009 RECURSOS HUMANOS Assunto: FÉRIAS Enquadramento Convencional e Legal: Acordo de Empresa Código do Trabalho Revogações: Orientação Normativa N.º 1/2004,

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho)

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE. Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Lei n.º 99/2003, de 27 de Agosto (Aprova o Código do Trabalho) Artigo 17.º (Trabalhador-estudante) O disposto nos artigos 81.º e 84.º do Código do Trabalho assim como

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Decreto-Lei n.º 89/2009 de 9 de Abril No âmbito da concretização do direito à segurança social de todos os trabalhadores, a Lei n.º 4/2009, de 29 de Janeiro,

Leia mais

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional)

REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE. Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) REGRAS PARA A CONCESSÃO DO ESTATUTO DE TRABALHADOR- ESTUDANTE Artigo 1.º (Valorização pessoal e profissional) 1. A ERC compromete-se a criar as necessárias condições por forma a proporcionar iguais oportunidades

Leia mais

5120 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 221 23 de Setembro de 2000 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

5120 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 221 23 de Setembro de 2000 MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE 5120 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 221 23 de Setembro de 2000 que a resolução pelo Estado do contrato de investimento será fundamento para a resolução do contrato de concessão. Visto e aprovado em

Leia mais

1.1. Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e durante o período em que devia desempenhar a actividade a que está adstrito.

1.1. Falta é a ausência do trabalhador no local de trabalho e durante o período em que devia desempenhar a actividade a que está adstrito. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº. 5/2004 De 26 de Novembro de 2004 Nº. Pauta 203.14 ASSUNTO: FALTAS ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: AE/ REFER; Código do Trabalho; REVOGAÇÕES: Orientação Normativa nº.02/2000,

Leia mais

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE

ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE ESTATUTO DO TRABALHADOR-ESTUDANTE Data de emissão Janeiro 2005 Data de revisão Janeiro 2005 Autor GabIGT Acesso Público ÍNDICE Págs. 1. Quem é considerado trabalhador estudante? 3 2. Como se pode beneficiar

Leia mais

TRABALHADOR - ESTUDANTE

TRABALHADOR - ESTUDANTE TRABALHADOR - ESTUDANTE O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalhador-Estudante Trabalhador que frequenta qualquer nível de educação escolar, bem como curso de pós-graduação, mestrado ou doutoramento em instituição

Leia mais

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho)

Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Direito a férias (art.ºs 237º ss do Código de Trabalho) Nos termos do Código de Trabalho ( CT ) em vigor, aprovado pela Lei nº 07/2009 de 12/02, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 23/2012, de

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE

FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo Ministério da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território AÇÃO DE FORMAÇÃO: FÉRIAS, FALTAS E PARENTALIDADE

Leia mais

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1

RI AEV assiduidade alunos CGT versão consulta pública Página 1 Artigo 54.º Faltas do aluno do ensino pré-escolar 1. No ensino pré-escolar, o conceito de falta aplica-se quando a criança não comparece durante todo o dia no Jardim de Infância ou nas atividades previstas

Leia mais

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP. Tempos de não trabalho Férias, faltas e licenças. Tempos de não trabalho

Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP. Tempos de não trabalho Férias, faltas e licenças. Tempos de não trabalho Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas - LTFP Tempos de não trabalho Férias, faltas e licenças 1 Tempos de não trabalho 2 1 Tempos de não trabalho Parte II Vinculo de emprego público Título IV Conteúdo

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Análise comparativa - Regime de Nomeação/Regime do Contrato de Trabalho em Funções Públicas - MADRP-SG Fev 2009 1 FÉRIAS ausência ao serviço previamente autorizada duração variável

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL. 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 2194 Diário da República, 1.ª série N.º 70 9 de Abril de 2009 Março de 2009, e transferida a sua gestão para o Clube de Caça e Pesca do Concelho de Tondela. Entretanto, a entidade titular veio requerer

Leia mais

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS ADENDA AO APOSENTAÇÃO, FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Páginas 19 O artigo 1.º foi revogado pela Lei n.º 60/2005, de 29 de Dezembro: São revogados o artigo 1.º do Estatuto da Aposentação, aprovado pelo Decreto-Lei

Leia mais

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES

DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES DURAÇÃO E ORGANIZAÇÃO DO TEMPO DE TRABALHO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES I - CONCEITOS E DEFINIÇÕES Tempo de Trabalho qualquer período durante o qual o trabalhador está a desempenhar a actividade ou permanece

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade

PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE. Maternidade, Paternidade, Adoção. Guia da Parentalidade PROTEÇÃO SOCIAL NA PARENTALIDADE Maternidade, Paternidade, Adoção Guia da Parentalidade Ficha Técnica Autor: Direção-Geral da Segurança Social (DGSS) - Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

1.2. A manutenção deste estatuto depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior.

1.2. A manutenção deste estatuto depende de aproveitamento escolar no ano lectivo anterior. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 3/2009 Data: 6 de Outubro de 2009 RECURSOS HUMANOS ASSUNTO: TRABALHADOR-ESTUDANTE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho REVOGAÇÕES: Orientação Normativa n.º 04/2004,

Leia mais

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República

Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Regulamento de Horário de Funcionamento e de Atendimento e Horário de Trabalho da Secretaria-Geral da Presidência da República Considerando a necessidade de proporcionar aos Serviços da Secretaria-Geral,

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015

S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA Despacho n.º 341/2015 de 6 de Fevereiro de 2015 Considerando que nos termos do disposto na Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas o empregador público deve elaborar regulamentos

Leia mais

Comportamento nas Organizações

Comportamento nas Organizações Comportamento nas Organizações Trabalho realizado por: Pedro Branquinho nº 1373 Tiago Conceição nº 1400 Índice Introdução... 3 Comportamento nas organizações... 4 Legislação laboral... 5 Tipos de contrato

Leia mais

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça

Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Regulamento Interno de Duração e Organização do Tempo de Trabalho da Direcção-Geral da Política de Justiça do Ministério da Justiça Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º (Objecto e âmbito de aplicação)

Leia mais

CÓDIGO DO TRABALHO. LIVRO I Parte geral. TÍTULO I Fontes e aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I Fontes do direito do trabalho

CÓDIGO DO TRABALHO. LIVRO I Parte geral. TÍTULO I Fontes e aplicação do direito do trabalho. CAPÍTULO I Fontes do direito do trabalho CÓDIGO DO TRABALHO Aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de fevereiro, com as alterações introduzidas pelas Leis n.º s 105/2009, de 14 de setembro, 53/2011, de 14 de outubro, 23/2012, de 25 de junho, e 47/2012,

Leia mais

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO

PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO PRINCIPAIS ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO TRABALHO Agosto de 2012 Leis n. os 23/2012, de 25 de junho e 47/2012, de 29 de agosto TRABALHO DE MENORES Requisitos de admissão de menor a prestar trabalho no tocante

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA Regulamento das Férias e Turnos Judiciais Aprovado na Sessão do Plenário do Conselho Superior da Magistratura, de 16 de Outubro de 2012 Capítulo I Férias Artigo 1.º Férias Judiciais As férias judiciais

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO

CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO CONTRATO DE TRABALHO (MENORES COM 16 ANOS DE IDADE COMPLETOS) MODELO Observações: 1. O presente modelo de contrato de trabalho destina-se apenas aos contratos de trabalho entre menores com 16 anos de idade

Leia mais

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218

Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Despacho n.º 28777/2008, de 10 de Novembro Série II n.º 218 Regulamento de horário de trabalho aplicável aos trabalhadores da DGCI que prestam serviço no Edifício Satélite 1 - Em conformidade com o disposto

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Sexta-feira, 8 de março de 2013. Série. Número 32 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Sexta-feira, 8 de março de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Portaria n.º 19/2013 Aprova o Programa Juventude Ativa. 2 8 de

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública e a Administração Central do Sistema de Saúde,

Leia mais

PARECER N.º 185/CITE/2013

PARECER N.º 185/CITE/2013 PARECER N.º 185/CITE/2013 I OBJETO A CITE recebeu um pedido de parecer sobre o assunto referido em epígrafe. A Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) tem por missão prosseguir a igualdade

Leia mais

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor

O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO. De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO De acordo com as normas previstas no código de trabalho em vigor O QUE DEVE SABER SOBRE NECESSIDADES DE RECORRER AO TRABALHO TEMPORÁRIO As Empresas de Trabalho

Leia mais

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos:

TRABALHO TEMPORÁRIO. Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: TRABALHO TEMPORÁRIO O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Trabalho Temporário assenta numa relação triangular traduzida nos seguintes contratos: Contrato de Trabalho Temporário Celebrados entre Ou uma empresa de

Leia mais

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS

Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS Lei n.º 29/87, de 30 de Junho ESTATUTO DOS ELEITOS LOCAIS A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164.º, alínea d), 167.º, alínea g), e 169.º, n.º 2, da Constituição, o seguinte: Artigo

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO Proposta de Alteração do Regulamento de Atribuição de Benefícios Sociais do Fundo de Solidariedade Social da Ordem dos Médicos As alterações estão realçadas em itálico sublinhado com excepção do Artigo

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho

Alterações ao Código do Trabalho São três as alterações: Lei nº 53/2011, de 14 de Outubro Primeira alteração, revogada (parcialmente) pela terceira alteração. Lei 3/2012, de 10 de Janeiro Segunda alteração, revogada (parcialmente) pela

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004.

ENTRADA EM VIGOR: A presente Orientação Normativa reporta os seus efeitos a 28 de Agosto de 2004. ORIENTAÇÃO NORMATIVA Nº 4/2004 Data: 3 de Setembro de 2004 RECURSOS HUMANOS Nº PAUTA: 203.22 ASSUNTO: TRABALHADOR ESTUDANTE ENQUADRAMENTO CONVENCIONAL E LEGAL: Código do Trabalho e Regulamentação do Código

Leia mais

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo

Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Horário de Trabalho, Assiduidade e Controlo Regulamento Nota Justificativa O presente regulamento foi elaborado, de acordo com a Lei nº 59/2008 de 11 de Setembro, com a adaptação pelo Acordo Colectivo

Leia mais

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM

MUNICIPIO DE CASTRO MARIM MUNICIPIO DE CASTRO MARIM Câmara Municipal REGULAMENTO, INTERNO DE FUNCIONAMENTO, ATENDIMENTO E HORÁRIO DE TRABALHO DA CÂMARA MUNICIPAL DE CASTRO MARIM Regulamento Interno de Funcionamento, Atendimento

Leia mais

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO PRESTAÇÕES COMPENSATÓRIAS DOS SUBSÍDIOS DE FÉRIAS, NATAL OU OUTROS SEMELHANTES INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Prestações compensatórias dos subsídios

Leia mais

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS

DIREITOS SINDICAIS I DISPOSIÇÕES GERAIS DIREITOS SINDICAIS O QUE DIZ A LEI OBSERVAÇÕES Direito de Associação Sindical I DISPOSIÇÕES GERAIS Os trabalhadores têm o direito de constituir associações sindicais a todos os níveis para defesa e promoção

Leia mais

REGIME DAS FALTAS E LICENÇAS, E SEUS EFEITOS. Lei da Parentalidade: Dec-Lei 89/2009, de 9 de Abril e Código do Trabalho (CT)

REGIME DAS FALTAS E LICENÇAS, E SEUS EFEITOS. Lei da Parentalidade: Dec-Lei 89/2009, de 9 de Abril e Código do Trabalho (CT) Lei da Parentalida:, 9 Abril e Código do Trabalho (CT) Dispensa para consulta prénatal trabalhadora grávida Pelo tempo e número vezes necessárias Prova claração que a consulta só é durante o horário Art.ºs

Leia mais

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho

Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Regulamento Interno de Execução do Horário de Trabalho Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação 1 - O presente Regulamento estabelece os períodos de funcionamento do Gabinete

Leia mais

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS

FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS FÉRIAS, FALTAS E LICENÇAS Decreto-Lei n.º 100/99, de 31 de Março, com as alterações introduzidas pela Lei 117/99, de 11 de Agosto e pelos Decretos-Lei n.º 503/99, de 20 de Novembro, 157/2001, de 11 de

Leia mais

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007)

REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) REGULAMENTO HORÁRIO DE TRABALHO (Aprovado na reunião do Executivo Municipal de 10/12/2007) CAPÍTULO I NORMAS GERAIS Artigo 1.º Legislação Habilitante Lei nº 23/2004, de 22 de Junho; Decreto-Lei nº 100/99.

Leia mais

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012

Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 Alterações ao Código do Trabalho A partir de 1 de Agosto de 2012 A Lei nº 23/2012, de 25 de Junho procede à terceira alteração ao Código do Trabalho, aprovado pela Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro. Principais

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE HORÁRIOS DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MURÇA NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO INTERNO DE HORÁRIOS DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MURÇA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO INTERNO DE HORÁRIOS DE TRABALHO E CONTROLO DE ASSIDUIDADE E PONTUALIDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE MURÇA NOTA JUSTIFICATIVA Nos termos do disposto no art.º 115º da Lei 59/2008, de 11 de Setembro,

Leia mais

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Noções Básicas do Trabalho.

ExpressARTE. Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais. Manual da Formanda drmadorr1manda. Noções Básicas do Trabalho. ExpressARTE Recursos Didácticos para Aprender a Ser Mais Manual da Formanda drmadorr1manda Noções Básicas do Trabalho A Visão da Lei Autor: Ana Luísa Maia Título: Noções Básicas do Trabalho A Visão da

Leia mais

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS

FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO ADMINISTRATIVA DE RECURSO HUMANOS FORMAÇÃO PROFISSIONAL A FORMAÇÃO CONTÍNUA DE TRABALHADORES NAS EMPRESAS OBJECTIVOS DA FORMAÇÃO PROFISSIONAL A Formação Profissional tem como objectivos:

Leia mais

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF

GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF Manual de GUIA PRÁTICO REGIME DE LAYOFF INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/20 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Regime de Layoff (6006 v1.15) PROPRIEDADE Instituto

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito

REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU. CAPITULO I Disposições Gerais. Artigo 1º Âmbito REGULAMENTO DAS BOLSAS CENTRO CIENTÍFICO E CULTURAL DE MACAU CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito O presente Regulamento, aprovado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia ao abrigo da Lei

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA. Regulamento Interno de Funcionamento/ Atendimento e Horário de Trabalho da Câmara Municipal de Moura. Nota justificativa

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA. Regulamento Interno de Funcionamento/ Atendimento e Horário de Trabalho da Câmara Municipal de Moura. Nota justificativa Regulamento Interno de Funcionamento/ Atendimento e Horário de Trabalho da Câmara Municipal de Moura Nota justificativa Com a entrada em vigor do Regime de Contrato de Trabalho em Funções Públicas (RCTFP),

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE I. OBJECTIVO O presente documento tem como objectivo divulgar as instruções de utilização das unidades de marcação (UM), adaptar as regras de assiduidade

Leia mais