Namespaces e Esquemas XML. Namespaces - Motivação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Namespaces e Esquemas XML. Namespaces - Motivação"

Transcrição

1 Namespaces e Esquemas XML Namespaces - Motivação Problema 1: Cada usuário ou grupo pode criar suas próprias etiquetas (tags): mesmas tags podem ter sîgnificados diferentes Problema 2: quando se juntam dois documentos que usam a mesma etiqueta (tag) com significados diferentes Precisa-se, de alguma maneira, remover a ambigüidade Usam-se então Namespaces URLs são usados não por apontarem para uma dada localização mas por serem exclusivos 1

2 Namespaces Permitem que seja usado um esquema de atribuição de nomes ao longo de um conjunto de documentos Usa IP para associar nomes exclusivos a URI Usa o atributo xmlns Declaração e uso de Namespace <x xmlns:edi='http://ecommerce.org/schema'> <!-- the 'price' element's namespace is --> <edi:price units='euro'>32.18</edi:price> </x> 2

3 Múltiplos Namespaces <?xml version="1.0"?> <!-- both namespace prefixes are available throughout --> <bk:book xmlns:bk='urn:loc.gov:books' xmlns:isbn='urn:isbn: '> <bk:title>cheaper by the Dozen</bk:title> <isbn:number> </isbn:number> </bk:book> Outro Exemplo <aaa > <bbb > <ccc /> </bbb> <BBB > <CCC /> </BBB> <x111 > <x222 /> </x111> </aaa> 3

4 Exemplo <lower:aaa xmlns:lower = "http://zvon.org/lowercase" > <lower:bbb > <lower:ccc /> </lower:bbb> <upper:bbb xmlns:upper = "http://zvon.org/uppercase" > <upper:ccc /> </upper:bbb> <xnumber:x111 xmlns:xnumber = "http://zvon.org/xnumber" > <xnumber:x222 /> </xnumber:x111> </lower:aaa> Declararação de namespaces na raiz <lower:aaa xmlns:lower = "http://etc.org/lowercase xmlns:upper = "http://etc.org/uppercase" xmlns:xnumber = "http://etc.org/xnumber" > <lower:bbb > <lower:ccc /> </lower:bbb> <upper:bbb > <upper:ccc /> </upper:bbb> <xnumber:x111 > <xnumber:x222 /> </xnumber:x111> </lower:aaa> 4

5 Namespace Default Namespaces não têm que ser declarados explicitamente com prefixos. O atributo xmlns define o namespace default que é usado para o elemento onde ele ocorre e para seus filhos e descendentes. <aaa > <bbb xmlns = "http://etc.org/lowercase" > <ccc /> </bbb> <BBB xmlns = "http://etc.org/uppercase" > <CCC /> </BBB> <x111 xmlns = "http://etc.org/xnumber" > <x222 /> </x111> </aaa> Exemplo Elementos podem até pertencer a diferentes namespaces embora eles tenham os mesmos prefixos! <aaa > <lower:bbb xmlns:lower = "http://etc.org/lowercase" > <lower:ccc /> </lower:bbb> <lower:bbb xmlns:lower = "http://etc.org/uppercase" > <lower:ccc /> </lower:bbb> <lower:x111 xmlns:lower = "http://etc.org/xnumber" > <lower:x222 /> </lower:x111> </aaa> 5

6 Namespaces e seu uso Namespaces são amplamente usados nas diversas iniciativas associadas ao XML <xsl:stylesheet version="1.0" xmlns:xsl="http://www.w3.org/1999/xsl/transform"> <xsl:template match="pattern"> <template><value-of select="."/></template> </xsl:template> </xsl:stylesheet> Esquemas XML DTD XML Schemas 6

7 Uso de Esquema XML Possibilita o processamento de documentos identificando as limitações de estrutura e conteúdo Possibilita verificar se o documento é válido Facilita a troca de informações. Esquema XML Esquema em XML significa uma definição da estrutura de uma classe de documentos XML Formas de representar Esquema XML: DTD XML Schema Outras propostas: XDR - XML Data Reduced - Microsoft SOX - Schema for OO XML - Commerce One Schematron, DSD: foco na validação de esquemas e ainda DCD, DDML, Assertion Grammars, RELAX 7

8 DTD Document Type Definition Contém declarações que definem: a seqüência e aninhamento de elementos exigida ou permitida valores e tipos dos atributos exigidos ou permitidos nomes de entidades internas e externas necessárias e das notações utilizadas Tipos de DTDs DTD Interno: declarações em DOCTYPE DTD externos - SYSTEM e PUBLIC DOCTYPE: associa declarações de DTD com um documento Declarações básicas ELEMENT, ATTLIST, ENTITY, NOTATION DTD (Document Type Definition) Exemplo de definição e uso do DTD no mesmo documento: livro.xml: <?xml version="1.0"?> <!DOCTYPE livrodtd[ <!ELEMENT livro (titulo, isbn)> <!ELEMENT titulo (#PCDATA)> <!ELEMENT isbn (#PCDATA)> ]> <livro> <titulo> XML Metadata </titulo> <isbn> </isbn> </livro> 8

9 DTD - Tipos de conteúdo de um Elemento conteúdo elemento: pode ter elementos filho. conteúdo misto: pode conter caractere ou outros elementos. ANY: pode ter conteúdo de qualquer estrutura. O parser não valida. EMPTY: não tem elemento filho ou conteúdo de dado do tipo caracter, somente atributos são permitidos. PCDATA: pode conter dado do tipo caracter somente, pode ter atributos. DTD - Exemplos usando categorias de conteúdo: contéudo elemento: Lista Sequencial <!ELEMENT publicacoes (publicacao1, publicacao2, publicacao3)> <!-- documento XML terá as três publicações, mesmo que como elementos vazios --> conteúdo elemento: Lista de escolha <!ELEMENT publicacoes (publicacao1 publicacao2 publicacao3)+> <!-- documento XML poderá ter 1 ou mais publicações apresentadas em qualquer ordem --> 9

10 DTD - Exemplos usando categorias de conteúdo conteúdo misto <!ELEMENT autor (#PCDATA primeiro_nome segundo_nome)*> ANY <!ELEMENT outra_informacao ANY> <!-- o elemento outra_informacao poderá receber conteúdo de qualquer tipo --> EMPTY <!ELEMENT marca EMPTY> DTD - Exemplo de definição e uso do DTD (em arquivo separado) livraria.dtd: (armazenado em c:\projeto\projetoxml) <!ELEMENT livraria (livro*)> <!ELEMENT livro (titulo, autor+, ano, editora)> <!ELEMENT titulo (#PCDATA)> <!ELEMENT autor (#PCDATA)> <!ELEMENT ano (#PCDATA)> <!ELEMENT editora (#PCDATA)> livraria.xml: <?xml version="1.0"?> <!DOCTYPE livraria SYSTEM "c:\projeto\projetoxml\livraria.dtd"> <livraria> <livro> <titulo> XML Metadata </titulo> <autor> Kal Ahmed </autor> <autor> Danny Ayers </autor> <ano> 2001 </ano> <editora> Wrox Press </editora> </livro> </livraria> 10

11 DTD Ocorrência de elementos Tipos de ocorrência (, ): elementos devem ocorrer na ordem especificada; : apenas um dos elementos deve ocorrer; Cardinalidade sem operador: uma ocorrência do elemento é requerida.? : zero ou uma ocorrência é permitida. * : zero ou mais ocorrências de um elemento são permitidas. + : uma ou mais ocorrências de um elemento são permitidas. Atributos Tipos de Atributos CDATA: string ID: ident único IDREF/IDREFS: referencia(s) para um ID (existente) ENTITY/ENTITIES: entidade(s) externa pré-def NMTOKEN/NMTOKENS: um nome/lista de nomes delimitados por branco NOTATION: um de um conj de nomes declarados no DTD [Valor enumerado]: um de um conj definido 11

12 ATTLIST: Valores default #REQUIRED: obrigatório #IMPLIED: opcional #FIXED: sempre fixo, aparece opcionalmente apenas valor: valor assumido qdo não especificado Exemplo de declaração de lista de atributos contatos.dtd: (armazenado em c:\projeto\projetoxml) <!ELEMENT contatos (telefone*)> <!ELEMENT telefone (#PCDATA)> <!ATTLIST telefone tipo (residencia escritorio celular) #REQUIRED> contatos.xml: <?xml version="1.0"?> <!DOCTYPE contatos SYSTEM "c:\projeto\projetoxml\contatos.dtd"> <contatos> <telefone tipo="residencia"> </telefone> <telefone tipo="escritorio"> </telefone> <telefone tipo="celular"> </telefone> </contatos> OBS: com o uso de #REQUIRED todo elemento telefone tem que identificar um tipo da lista. 12

13 Atributos mais exemplos Atributos ID e IDREF Estes tipos de atributos permitem criar uma referência a um documento <! - declaração do element secao --> <! - o atributo de identificação de secao --> <! - target é optional --> <!ELEMENT secao (#PCDATA xref)* > <!ATTLIST secao target ID #IMPLIED > <! - declaracao do elemento xref --> <!ELEMENT xref EMPTY > <!ATTLIST xref ref IDREF #REQUIRED> <secao target='x321'> conteúdo de uma seção </secao> <secao> outra seção. Faz referência à seção X321 <xref ref='x321'/> </secao> Não referenciamos de fato uma seção, mas um elemento do documento que possui um atributo do tipo ID e cujo valor é X321. Entidades: ENTITY Entidades Internas Entidades pré-definidas certos caracteres, como < > & ' " não podem ser utilizados dentro do texto de um documento estes caracteres devem ser representados por seus códigos pré-definidos, chamadas entidades prédefinidas <: < >: > &: & 13

14 Entidades: ENTITY ENTIDADES INTERNAS (cont.) Entidades definidas pelo usuário é possível declarar as entidades dentro do DTD esta declaração tem a forma <!ENTITY nome-entidade "valor-entidade"> Exemplo a declaração seguinte <!DOCTYPE toto [ <!ENTITY copyright " Editions titi"> ]> <toto> &copyright; </toto> produzirá Editions titi observação: 00A9 é o código Unicode do caracter Entidades externas endereçadas por URL Exemplo <?xml version='1.0'?> <!DOCTYPE livro [ <!ENTITY capitulo1 SYSTEM "chap1.xml"> <!ENTITY capitulo2 SYSTEM "chap2.xml"> <!ENTITY autor "toto"> ]> <livro> <titulo> XML para idiotas </titulo> <autor> &autor; </autor> <intro> Era uma vez uma Web </intro> &capitulo1; &capitulo2; </livro> Restrição: as entidades externas devem ser documentos bem formados 14

15 Notações e entidades não XML Exemplo <!DOCTYPE exemplo [ <!NOTATION jpeg SYSTEM "/usr/local/bin/xview"> <!ENTITY foto-ferias SYSTEM "./fotos/foto1.jpg" NDATA jpeg> <!ELEMENT exemplo (foto)> <!ELEMENT foto EMPTY> <!ATTLIST foto img ENTITY #REQUIRED> <exemplo> <foto img='foto-ferias'/> </exemplo> ]> A declaração de notação associa ao formato jpeg a aplicação xview que poderá ser utilizada em extensão da aplicação XML. A declaração da entidade foto-ferias indica que o conteúdo dos dados está situado no arquivo foto1.jpg A palavra-chave NDATA indica que este arquivo é de um formato não XML DTD - Limitações Um documento XML pode estar associado a somente uma DTD DTD não é extensível Não tem integração com namespaces XML Não provê herança Usa um único tipo atômico (PCDATA) Não tem integer, float, etc. Não permite declarar restrições de domínio os valores para o elemento <sexo> devem ser F ou M. Não garante integridade referencial Não pode ser garantido que um autor de um livro só pode ser uma referência a uma instância de elemento do tipo pessoa. Não é escrito em linguagem XML, escrito em EBNF (Extended Backus- Naur Form); 15

16 XML Schemas XML Schema As limitações do DTD levaram o W3C a desenvolver XML Schema, também chamado de XSD Schema Vantagens: Escrito em linguagem XML Provê integração com namespaces XML Provê integração de esquemas estruturais com tipos de dados Provê herança Inclui os tipos primitivos inteiro, data e dado binário XSD possui facilidade de documentação por meio dos elementos <xsd:annotation> e <xsd:documentation> que são específicos para documentação 16

17 XML Schema Mais vantagens: As mesmas ferramentas usadas para criação e edição de documentos XML podem ser usadas para a criação do esquema Suporta os tipos dados usados na maioria das linguagens de programação XML Schema - Uso de namespace No namespace xsd (http://www.w3.org/2001/xmlschema) estão os elementos e tipos de dados padrões usados para construir esquemas. Exemplos: schema, element, complextype, sequence, string, etc. "schema" é o elemento raiz. Os elementos e tipos próprios do esquema podem ser definidos em outro namespace. 17

18 Exemplo XML Schema <?xml version='1.0'?> <xsd:schema xmlns:xsd="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> <!-- exemplo de XML Schema --> <xsd:complextype name="endereco"> <xsd:element name="nome" type="xsd:string"/> <xsd:element name="rua" type="xsd:string"/> <xsd:element name="cidade" type="xsd:string"/> <xsd:element name="estado" type="xsd:string"/> <xsd:element name="cep" type="xsd:string"/> <xsd:element name="pais" type="xsd:string"> <xsd:simpletype> <xsd:restriction base="xsd:string"> <xsd:enumeration value="brasil"/> <xsd:enumeration value="frança"/> </xsd:restriction> </xsd:simpletype> </xsd:schema> Declara o namespace xsd arquivo exemplo1.xsd Comparando um DTD com um XML Schema BookStore.dtd <!ELEMENT BookStore (Book)+> <!ELEMENT Book (Title, Author, Date, ISBN, Publisher)> <!ELEMENT Title (#PCDATA)> <!ELEMENT Author (#PCDATA)> <!ELEMENT Date (#PCDATA)> <!ELEMENT ISBN (#PCDATA)> <!ELEMENT Publisher (#PCDATA)> Copyright [2001]. Roger L. Costello. All Rights Reserved. 18

19 Copyright [2001]. Roger L. Costello. All Rights Reserved. <?xml version="1.0"?> <xsd:schema xmlns:xsd="http://www.w3.org/2001/xmlschema" M.L.M.Campos targetnamespace="http://www.books.org" & Paulo Pires xmlns="http://www.books.org" elementformdefault="qualified"> <xsd:element name="bookstore"> <!ELEMENT BookStore (Book)+> <xsd:element ref="book" minoccurs="1" maxoccurs="unbounded"/> <xsd:element name="book"> <xsd:element ref="title" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="author" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <!ELEMENT Book (Title, Author, Date, <xsd:element ref="date" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> ISBN, Publisher)> <xsd:element ref="isbn" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="publisher" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element name="title" type="xsd:string"/> <!ELEMENT Title (#PCDATA)> <xsd:element name="author" type="xsd:string"/> <!ELEMENT Author (#PCDATA)> <xsd:element name="date" type="xsd:string"/> <!ELEMENT Date (#PCDATA)> <xsd:element name="isbn" type="xsd:string"/> <!ELEMENT ISBN (#PCDATA)> <xsd:element name="publisher" type="xsd:string"/> <!ELEMENT Publisher (#PCDATA)> </xsd:schema> <?xml version="1.0"?> <xsd:schema xmlns:xsd="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> <xsd:element name="bookstore"> M.L.M.Campos & Paulo Pires <xsd:element ref="book" minoccurs="1" maxoccurs="unbounded"/> <xsd:element name="book"> Schema é sempre a raiz do documento <xsd:element ref="title" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="author" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="date" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="isbn" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="publisher" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element name="title" type="xsd:string"/> <xsd:element name="author" type="xsd:string"/> <xsd:element name="date" type="xsd:string"/> <xsd:element name="isbn" type="xsd:string"/> <xsd:element name="publisher" type="xsd:string"/> </xsd:schema> Os elementos e tipos de dados são usados para construir esquemas: - schema -element -complextype - sequence - string e estão descritos no namespace /XMLSchema Copyright [2001]. Roger L. Costello. All Rights Reserved. 19

20 Exemplo: Um Poema "Soneto Já Antigo" (Álvaro de Campos) Olha, Daisy: quando eu morrer tu hás-de dizer aos meus amigos aí de Londres, embora não o sintas, que tu escondes a grande dor da minha morte. Irás de Londres p'ra Iorque, onde nasceste (dizes que eu nada que tu digas acredito), contar áquele pobre rapazito que me deu horas tão felizes, embora não o saibas, que morri... Mesmo ele, a quem eu tanto julguei amar, nada se importará... Depois vai dar a notícia a essa estranha Cecily que acreditava que eu seria grande... Raios partam a vida e quem lá ande! Elementos Estruturais: Poema: título, autor, corpo, data Corpo: quadra, quadra, terno, terno. Quadra: verso, verso, verso, verso Terno: verso, verso, verso Verso: (texto nome)+ Nome: texto (extraído de apresentação de Jósé Ramalho) (1922) Poema anotado <poema><titulo>soneto Já Antigo</titulo> <autor>álvaro de Campos</autor> <quadra> <verso>olha,<nome> Daisy</nome>: quando eu morrer tu hás-de</verso> <verso>dizer aos meus amigos aí de <nome>londres</nome>,</verso> <verso>embora não o sintas, que tu escondes</verso> <verso>a grande dor da minha morte. Irás de</verso> </quadra><quadra> <verso><nome>londres</nome> p'ra <nome>iorque</nome>, onde nasceste (dizes</verso> <verso>que eu nada que tu digas acredito),</verso> <verso>contar àquele pobre rapazito</verso> <verso>que me deu horas tão felizes,</verso> </quadra><terno> <verso>em bora não o saibas, que morri...</verso>...</terno> <data>1922</data></poema> 20

21 Especificação do tipo poema usando DTD Poema: título, autor, corpo, data Corpo: quadra, quadra, terno, terno. Quadra: verso, verso, verso, verso Terno: verso, verso, verso Verso: (texto nome)+ DTD Nome: texto <!ELEMENT poema (titulo,autor,corpo,data) > <!ELEMENT corpo (quadra,quadra,terno,terno) > <!ELEMENT quadra (verso,verso,verso,verso) > <!ELEMENT terno (verso,verso,verso) > <!ELEMENT verso (#PCDATA nome)* >... Especificação do tipo poema usando XML Schema <?xml <?xml version="1.0" version="1.0" encoding="utf-8"?> encoding="utf-8"?> <xs:schema <xs:schema xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> name="poema"> name="poema"> <xs:complextype> <xs:complextype> <xs:sequence> <xs:sequence> name="titulo" name="titulo" type="xs:string"/> type="xs:string"/> name="autor" name="autor" type="xs:string"/> type="xs:string"/> name="data" name="data" type="xs:string"/> type="xs:string"/> name="corpo" name="corpo" type="tcorpo"/> type="tcorpo"/> </xs:sequence> </xs:sequence> <xs:attribute <xs:attribute name="tipo" name="tipo" type="xs:string" type="xs:string" use="required" use="required" default="soneto"/> default="soneto"/> </xs:complextype> </xs:complextype> </xs:element> </xs:element> <xs:complextype <xs:complextype name="tcorpo"> name="tcorpo"> <xs:sequence> <xs:sequence> name="quadra" name="quadra" type="tquadra"/> type="tquadra"/> name="quadra" name="quadra" type="tquadra"/> type="tquadra"/> name="terno" name="terno" type="tterno"/> type="tterno"/> name="terno" name="terno" type="tterno"/> type="tterno"/> </xs:sequence> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:complextype> </xs:schema> </xs:schema> 21

22 Exemplo: O Poema <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xs:schema xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> name="poema"> <xs:complextype> <xs:complextype name="tquadra"> <xs:sequence> <xs:sequence> name="titulo" type="xs:string"/> <xs:complextype name="tcorpo"> name="verso" type="tverso"/> name="autor" type="xs:string"/> <xs:sequence> name="verso" type="tverso"/> name="data" type="xs:string"/> name="verso" name="corpo" name="quadra" type="tverso"/> type="tcorpo"/> type="tquadra"/> </xs:sequence> name="verso" name="quadra" type="tverso"/> type="tquadra"/> </xs:sequence> <xs:attribute name="tipo" name="terno" type="tterno"/> </xs:complextype> type="xs:string" name="terno" type="tterno"/> <xs:complextype </xs:sequence> name="tterno"> use= optional" </xs:complextype> <xs:sequence> default="soneto"/> name="verso" type="tverso"/> </xs:complextype> name="verso" type="tverso"/> </xs:element> name="verso" type="tverso"/>... </xs:schema> </xs:sequence> </xs:complextype> Exemplo: O Poema <?xml version="1.0" encoding="utf-8"?> <xs:schema xmlns:xs="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> name="poema"> <xs:complextype> <xs:complextype name="tquadra"> <xs:sequence> <xs:sequence> name="titulo" type="xs:string"/> <xs:complextype name="tverso" name="tcorpo"> name="verso" name="autor" mixed="true"> type="tverso"/> type="xs:string"/> <xs:choice <xs:sequence> minoccurs="0" name="verso" name="data" maxoccurs="unbounded"> type="tverso"/> type="xs:string"/> name="verso" name="corpo" name="nome" name="quadra" type="tverso"/> type="tcorpo"/> type="xs:string"/> type="tquadra"/> </xs:sequence> name="verso" name="lugar" name="quadra" type="tverso"/> type="xs:string"/> type="tquadra"/> </xs:sequence> <xs:attribute </xs:choice> name="tipo" name="terno" type="tterno"/> </xs:complextype> type="xs:string" name="terno" type="tterno"/> <xs:complextype </xs:sequence> name="tterno"> use= optional" </xs:complextype> <xs:sequence> default="soneto"/> name="verso" type="tverso"/> </xs:complextype> name="verso" type="tverso"/> </xs:element> name="verso" type="tverso"/>... </xs:schema> </xs:sequence> </xs:complextype> 22

23 XML Schema - Tipos Primitivos Tipos M.L.M.Campos de & dados Paulo Pires Descrição primitivos xsd:string strings em XML xsd:boolean valores lógico (true, false) xsd:decimal números decimais xsd:float tipo ponto flutuante precisão simples xsd:double tipo ponto flutuante precisão dupla xsd:duration uma duração de tempo xsd:datetime um instante de tempo específico xsd:time um instante de tempo que ocorre todo dia xsd:date uma data do calendário xsd:gyearmonth mês e ano gregoriano específicos xsd:gyear ano gregoriano específico xsd:gmonthday uma data gregoriana que ocorre cada ano xsd:gday um dia gregoriano que ocorre cada mês xsd:gmonth um mês gregoriano que ocorre todo ano xsd:hexbinary dado binário em base hexa xsd:base64binary dado binário em base 64 xsd:anyuri uma URI (Uniform Resource Identifier) xsd:qname um nome XML qualificado xsd:notation tipo de atributo NOTATION do XML 1.0 XML Schema - Tipos Primitivos Tipos M.L.M.Campos de & dados Paulo Pires Descrição primitivos xsd:string strings em XML xsd:boolean valores lógico (true, false) xsd:decimal números decimais xsd:float tipo ponto flutuante precisão simples xsd:double tipo ponto flutuante precisão dupla xsd:duration uma duração de tempo xsd:datetime um instante de tempo específico xsd:time um instante de tempo que ocorre todo dia xsd:date uma data do calendário xsd:gyearmonth mês e ano gregoriano específicos xsd:gyear ano gregoriano específico xsd:gmonthday uma data gregoriana que ocorre cada ano xsd:gday um dia gregoriano que ocorre cada mês xsd:gmonth um mês gregoriano que ocorre todo ano xsd:hexbinary dado binário em base hexa xsd:base64binary dado binário em base 64 xsd:anyuri uma URI (Uniform Resource Identifier) xsd:qname um nome XML qualificado xsd:notation tipo de atributo NOTATION do XML 1.0 name="nome" type="xs:string"/> name="lugar" type="xs:string"/> 23

24 XML Schema - Tipos Derivados Derivam dos tipos primitivos integer (decimal), long (integer),... Por restrição Por extensão XML Schema - Simple and Complex Types Os tipos de dados em XML Schema: simple ou complex. Tipo simple é um dos tipos básicos: string, date, float, double, timeduration,... Um tipo simple restringe o texto que pode aparecer no valor de um atributo ou no conteúdo de um elemento textual. Tipo complex : Um elemento que tenha atributos ou elementos filho é do Um tipo complex restringe o conteúdo de um elemento relativamente aos atributos e elementos filho que pode ter. 24

25 Exemplo: complex Type <xs:complextype name="tquadra"> <xs:sequence> name="verso" type="tverso"/> name="verso" type="tverso"/> name="verso" type="tverso"/> name="verso" type="tverso"/> </xs:sequence> </xs:complextype> Tverso é uma referência a um complex type definido em outro ponto no schema Tquadra é um complex type com nome (em oposição a um anônimo) Possíveis compositores: sequence (todos em ordem), choice (apenas um) e all (todos em qualquer ordem) XML Schema - Escopo dos elementos Um elemento pode ser declarado como global ou como local. Um elemento global é declarado como sendo filho de <schema>. Um elemento local é declarado em algum ponto na estrutura do Schema. Os elementos globais podem ser reutilizados por referência. 25

26 Exemplo - Elementos globais name="poema"> <xs:complextype> <xs:sequence> name="titulo" type="xs:string"/> name="autor" type="xs:string"/> name="data" type="xs:string"/> name="corpo"> <xs:complextype> <xs:sequence> ref = "Quadra"/> ref = "Quadra"/> ref = "Terno"/> ref = "Terno"/> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element> </xs:sequence> </xs:complextype> </xs:element> Exemplo - Elementos globais Aplicações Baseadas name= quadra > em XML <xs:complextype> <xs:sequence> name="poema"> ref="verso"/> <xs:complextype> ref="verso"/> <xs:sequence> ref="verso"/> name="titulo" type="xs:string"/> ref="verso"/> name="autor" type="xs:string"/> </xs:sequence> name="data" type="xs:string"/> </xs:complextype> name="corpo"> </xs:element> <xs:complextype> <xs:sequence> ref = "Quadra"/> ref = "Quadra"/> ref = "Terno"/> ref = "Terno"/> <?xml version= 1.0 encoding= iso ?> </xs:sequence> <quadra> </xs:complextype> <verso>olha,<nome>daisy</nome>: </xs:element> quando eu morrer tu hás-de</verso> <verso>dizer </xs:sequence> aos meus amigos aí de <nome>londres</nome>,</verso> <verso>embora </xs:complextype> não o sintas, que tu escondes</verso> <verso>a </xs:element> grande dor da minha morte. Irás de</verso> </quadra> Instância Válida 26

27 XML Schema Reutilização por Referência Outro exemplo referenciando elemento: <?xml version='1.0'?> <xsd:schema xmlns:xsd="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> <xsd:element name="primeironome" type="xsd:string"/> <xsd:element name="nomemeio" type="xsd:string"/> <xsd:element name="ultimonome" type="xsd:string"/>... <xsd:element name="nome"> <xsd:element ref="primeironome"/> <xsd:element ref="nomemeio"/> <xsd:element ref="ultimonome"/>... XML Schema - Cardinalidade <xs:complextype name="tquadra"> <xs:sequence> name="verso" type="tverso minoccurs="4" maxoccurs="4"/> </xs:sequence> </xs:complextype> A cardinalidade pode ser restringida recorrendo aos atributos: minoccurs e maxoccurs 27

28 XML Schema - Valores para elementos name= " type= xs:string default= Valor por omissão name= supervisor" type= xs:string fixed= José Carlos Ramalho"/> Valor fixo Valor fixo significa que o valor informado deve ser igual ao ao valor fixed ou ou não deve ser informado. Caso contrário, o documento não será válido. XML Schema - Atributos Os atributos declaram-se recorrendo ao elemento <attribute> Um atributo é sempre do tipo simple <xs:attribute name="tipo" type="xs:string" use= optional" default="soneto"/> use: (optional required) Se não especificarmos, assume-se optional 28

29 XML Schema - Restrição de tipos primitivos <xs:simpletype name= dia base = xs:integer > <xs:mininclusive value= 1 /> <xs:maxinclusive value= 31 /> </xs:simpletype> Restrição de domínio <xs:simpletype name= telefone base = xs:integer > <xs:pattern value= \d{4}-\d{4} /> </xs:simpletype> Restrição de formato 1 Sumário de Declaração de Atributos (2 formas) <xsd:attribute name="nome" type= tipo-simples" use= como-usado" value="valor"/> xsd:string xsd:integer xsd:boolean... required default fixed optional prohibited This attribute is only used with use="default" and use="fixed" 2 <xsd:attribute name="nome" use= como-usad" value="valor"> <xsd:simpletype> <xsd:restriction base= tipo-simples"> <xsd:facet value="valor"/> </xsd:restriction> </xsd:simpletype> </xsd:attribute> 29

30 XML Schema - Restrições ou facetas mininclusive maxinclusive maxexclusive Length minlength maxlength Pattern Enumeration minexclusive Precision Scale Encoding Period Duration Exemplo - Restrição por enumeração <xs:simpletype name= diasemana base = xs:string > <xs:enumeration value= Domingo /> <xs:enumeration value= Segunda /> <xs:enumeration value= Terça /> <xs:enumeration value= Quarta /> <xs:enumeration value= Quinta /> <xs:enumeration value= Sexta /> <xs:enumeration value= Sábado /> </xs:simpletype> 30

31 Exemplo - Referenciando atributo que representa restrição <?xml version='1.0'?> <xsd:schema xmlns:xsd="http://www.w3.org/2001/xmlschema"> <xsd:attribute name="controle"> <xsd:simpletype> <xsd:restriction base="xsd:string"> O atributo controle foi declarado globalmente. <xsd:enumeration value="drh"/> <xsd:enumeration value="dp"/> </xsd:restriction> </xsd:simpletype> Referencia a declaração do atributo </xsd:attribute> Controle feita anteriormente.... <xsd:element name="infosalario"> <xsd:attribute ref="controle"/>... XML Schema - Outros exemplos de restrição Restringe o elemento CreditoMaximo a ter o valor máximo de <xsd:element name="creditomaximo"> <xsd:simpletype> <xsd:restriction base="xsd:positiveinteger"> <xsd:maxinclusive value="1000"/> </xsd:restriction> </xsd:simpletype>... Máximo permitido. E <mininclusive> poderia ter sido usado para mínimo. Restringe o tipo Num a ter uma expressão regular... <xsd:simpletype name="num"> <xsd:restriction base="xsd:string"> <xsd:pattern value="[a-z] {2}-\d{3}"/> </xsd:restriction> </xsd:simpletype>... 2 letras, um traço e 3 números. 31

32 Observação sobre Atributos A declaração de atributos sempre vem após as declarações de elementos. aa e ab são atributos de A" <xsd:element name= A"> <xsd:attribute name= aa" /> <xsd:attribute name= ab" /> Elementos vazios name="ref"> <xs:complextype> <xs:attribute name="destino" type="xs:string" use="required"/> </xs:complextype> </xs:element> name="imagem"> <xs:complextype> <xs:attribute name="path" type="xs:string" use="required"/> <xs:attribute name="formato" type="xs:string" use="optional"/> </xs:complextype> </xs:element> 32

33 Comentários no XML Schema O elemento <annotation> é usado para comentar o esquema Use <documentation> para comentários para usuários humanos Use <appinfo> para comentários para programas O conteúdo pode ser qualquer texto XML bem formado. Os comentários não têm efeito sobre a validação do esquema <xsd:annotation> <xsd:documentation> The following constraint is not expressible with XML Schema: The value of element A should be greater than the value of element B. So, we need to use a separate tool (e.g., Schematron) to check this constraint. We will express this constraint in the appinfo section (below). </xsd:documentation> <xsd:appinfo> <assert test="a > B">A should be greater than B</assert> </xsd:appinfo> <xsd:/annotation> Comentários no DTD DTD também permite comentários <!-- comment goes here --> Vantagens do comentário do XML Schema Os comentários podem ser estruturados Aplicando um style sheet, o esquema se torna auto-descrito <xs:group <xs:group name="creditordebitgroup"> <xs:annotation> <xs:annotation> <xs:appinfo> <xs:appinfo> if if (currentnode.firstchild!="credit")!="credit") docparser.load(debiturl); else else document.write("your account account will will be be credited credited...");..."); </xs:appinfo> </xs:appinfo> </xs:annotation> </xs:annotation> </xs:group> </xs:group> 33

34 Exemplo: Conversão do DTD CatalogoLivros.dtd para XML Schema <!ELEMENT CatalogoLivros(livro)*> <!ELEMENT livro(titulo, autor, data, isbn, editora) <!ELEMENT titulo (#PCDATA) <!ELEMENT autor (#PCDATA) <!ELEMENT data (#PCDATA) <!ELEMENT isbn (#PCDATA) <!ELEMENT editora (#PCDATA) <?xml version="1.0"?> <xsd:schema xmlns:xsd="http://www.w3.org/2000/10/xmlschema" M.L.M.Campos & Paulo targetnamespace="http://www.publishing.org" Pires xmlns="http://www.publishing.org" elementformdefault="qualified"> <xsd:element name="catalogolivros"> <xsd:element ref= livro" minoccurs="0" maxoccurs="unbounded"/> <xsd:element name= livro"> <xsd:element ref= titulo" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref= autor" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref= data" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref="isbn" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element ref= editora" minoccurs="1" maxoccurs="1"/> <xsd:element name= titulo" type="xsd:string"/> <xsd:element name= autor" type="xsd:string"/> <xsd:element name= data" type="xsd:string"/> <xsd:element name="isbn" type="xsd:string"/> <xsd:element name= editora" type="xsd:string"/> </xsd:schema> 34

XML Schema. Vanessa de Paula Braganholo vanessa@inf.ufrgs.br ftp://metropole/pub/curso/xml/index.html. Janeiro de 2001. XML Schema

XML Schema. Vanessa de Paula Braganholo vanessa@inf.ufrgs.br ftp://metropole/pub/curso/xml/index.html. Janeiro de 2001. XML Schema XML Schema Vanessa de Paula Braganholo vanessa@inf.ufrgs.br ftp://metropole/pub/curso/xml/index.html Janeiro de 2001 XML Schema XML Schema Utilizado para descrever a estrutura de um documento XML, assim

Leia mais

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br)

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) XML: uma introdução prática X100 Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Atualizado em Jan 2003 O que é um Esquema XML? Documentos que aderem à especificação (válidos) O esquema representa uma classe

Leia mais

Banco de Dados. Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo

Banco de Dados. Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo Dados na Web Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo 1 O objetivo é integrar todos os tipos de informação, incluindo informação não estruturada Informação

Leia mais

extensible Markup Language XML XML XML vs. HTML Evolução

extensible Markup Language <XML/> XML XML XML vs. HTML Evolução extensible Markup Language Lirisnei Gomes de Sousa Jair C Leite lirisnei@hotmail.com jair@dimap.ufrn.br O que é XML? Uma linguagem de marcação para a descrição de dados, imagens e etc., onde o usuário

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo Questões Eu descobri que sempre tenho

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza ROTEIRO Introdução ao DTD Elementos Atributos Entidades Validando um documento XML DTD (DOCUMENT

Leia mais

Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML

Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Alexandre Tagliari Lazzaretti Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Trabalho Individual

Leia mais

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.1 Conceitos Básicos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Discutir

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

XDocValidator: Uma Interface Gráfica Para Atualização e Validação Incremental de Documentos XML

XDocValidator: Uma Interface Gráfica Para Atualização e Validação Incremental de Documentos XML XDocValidator: Uma Interface Gráfica Para Atualização e Validação Incremental de Documentos XML Fabio Pasquali 1, Denio Duarte 2 1 Universidade Comunitária Regional de Chapecó / Unochapecó CETEC 2 Universidade

Leia mais

Série Desenvolvimento de Sistemas. Curso de XML. Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer.

Série Desenvolvimento de Sistemas. Curso de XML. Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer. Série Desenvolvimento de Sistemas Curso de XML Conceito básicos, XML Schema, Namespaces, DOM/SAX, XPath, XSLT, XLink e XPointer Rogério Araújo Série Desenvolvimento de Sistemas Curso de XML Conceitos básicos,

Leia mais

Introdução ao XML. Extensible Markup Language

Introdução ao XML. Extensible Markup Language Introdução ao XML Extensible Markup Language Tutorial - XML XML: Extensible Markup Language Uma linguagem de marcas na estruturação, no armazenamento e no transporte de dados na Web Gere os dados numa

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Gerência de Dados da Web - DCC922 -

Gerência de Dados da Web - DCC922 - Gerência de Dados da Web - DCC922 - XML Fundamentos Alberto H. F. Laender Evolution of Data Management What Who How Long Rel. model a theoretician one paper DBMS system people one book XML W3C committee

Leia mais

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Florianópolis - SC 2006 Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas

Leia mais

Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST

Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST Agenda Introdução ao XML XML Schema XML Namespaces Agenda Introdução ao XML XML Schema XML Namespaces Revolução da Web HTML é a linguagem da

Leia mais

Especificação Técnica ACSS

Especificação Técnica ACSS Especificação Técnica ACSS ET.ACSS 19:2010 ACSS Plataforma de Integração Receita Modelo de dados Canónico ICS 35.240.80 DESCRITORES Informática médica; software; especificação técnica; sistema de saúde;

Leia mais

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Florianópolis - SC 2006 Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online

Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online Roteiro para Transmissão Ambiente de Testes da Guias Online (GRH) Acessar o sistema pelo site: http://www.sdas.org.br/ Acessar o sistema com o Usuário: 9999 e Senha: PMG52 Será disponibilizado o ambiente

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

Histórico de Revisões

Histórico de Revisões 1 Histórico de Revisões Data Versão Responsável Histórico 16/03/2012 1.0 Robson M. Matos Elaboração da documentação técnica 24/10/2014 2.0 Robson M. Matos Atualização da documentação técnica 2 Histórico

Leia mais

Uma Proposta de Mapeamento do Modelo XML Schema para o Modelo Relacional

Uma Proposta de Mapeamento do Modelo XML Schema para o Modelo Relacional UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Cláudio Roberto Marquetto Mauricio Uma Proposta de Mapeamento do Modelo XML Schema para o Modelo Relacional Dissertação

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Web Services XML SOAP WSDL UDDI Desenvolvimento Informações Adicionais 1 Web Services Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas

Leia mais

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional)

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional) WS-* Desenvolvimento 1 Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas a outros web services [IBM] são componentes de software com

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

SIOE-E: WebService público DGAEP

SIOE-E: WebService público DGAEP SIOE-E: WebService público DGAEP Índice 1 Introdução... 5 2 SIOESERVICE... 6 2.1 Search... 6 2.1.1 Request... 6 2.1.2 Response... 42 2.2 Get... 43 2.2.1 FetchInfo... 44 2.2.2 GetResponse... 48 3 Adenda...

Leia mais

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação.

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. Em XML, os tags não são pré-definidos. Temos de definir os nossos tags. XML utiliza um Document

Leia mais

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos Sintaxe XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos XML. Sintaxe XML Marcação de documentos eletrônicos XML é

Leia mais

Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD

Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD Soluções de integração: SOA, web services e REST + XML/XSD WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Acesse nosso site em WWW.DOMINANDOTI.COM.BR Cursos Livros Fórum Simulados Blog Materiais Turmas em Brasília, na sua cidade,

Leia mais

Desmistificando XML: da Pesquisa à Prática Industrial

Desmistificando XML: da Pesquisa à Prática Industrial Capítulo 5 Desmistificando XML: da Pesquisa à Prática Industrial Mirella M. Moro, Vanessa Braganholo Abstract XML is a language for specifying semi or completely structured data. It has been widely explored

Leia mais

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES EDI XML - Importação de Pedidos via XML

CATÁLOGO DE APLICAÇÕES EDI XML - Importação de Pedidos via XML CATÁLOGO DE APLICAÇÕES EDI XML - Importação de Pedidos via XML Objetivo do projeto Este projeto tem como objetivo tratar a importação de Pedidos de Venda, Orçamentos e Faturas de Exportação através de

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DE MENSAGEM

MANUAL TÉCNICO DE MENSAGEM MANUAL TÉCNICO DE MENSAGEM 1 Histórico de Versões Data Versão Descrição Responsável 08/11/2012 1.0 Versão Inicial 28/12/2012 1.1 1. Inclusão do texto "Em casos de mensagens públicas o campo To terá como

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

XML Schema. Vanessa Braganholo. Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo

XML Schema. Vanessa Braganholo. Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo XML Schema Vanessa Braganholo Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo XML Schema Utilizado para descrever a estrutura de um documento

Leia mais

Igor Fabiano Nazar. X-Tool: Uma Ferramenta de Teste de Esquemas para Estrutura de Dados

Igor Fabiano Nazar. X-Tool: Uma Ferramenta de Teste de Esquemas para Estrutura de Dados Igor Fabiano Nazar X-Tool: Uma Ferramenta de Teste de Esquemas para Estrutura de Dados Dissertação apresentada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre. Programa de Pós-Graduação em Informática,

Leia mais

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Semana da Ciência e da Tecnologia 2002 FOR $l IN document( wwwestvipvpt/biblioteca/bdbiblioxml ) //livro WHERE

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados Introdução Definição Validação Apresentação Processamento Banco de Dados Universo XML Prof. Enzo Seraphim Popularidade do HTML Extremamente simples Estilo próprio para formatação de documentos Ligações

Leia mais

XML-Schema e Modelo de Dados em SOA

XML-Schema e Modelo de Dados em SOA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA Relatórios Técnicos do Departamento de Informática Aplicada da UNIRIO n o 0009/2010 XML-Schema e Modelo de Dados

Leia mais

XML. Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden. ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida )

XML. Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden. ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) XML Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) Objetivos Apresentar a linguagem de marcação XML bem como

Leia mais

Dados Semi-Estruturados

Dados Semi-Estruturados Dados Semi-Estruturados Ronaldo dos Santos Mello - ronaldo@inf.ufrgs.br 1 ; ronaldo@inf.ufsc.br 2 Carina Friedrich Dorneles - dorneles@inf.ufrgs.br 1 Adrovane Kade - adrovane@upf.tche.br 1,3 Vanessa de

Leia mais

Uma Abordagem para o Mapeamento de Definições XML Schema para SQL:1999

Uma Abordagem para o Mapeamento de Definições XML Schema para SQL:1999 Patrícia Martins Uma Abordagem para o Mapeamento de Definições XML Schema para SQL:1999 Dissertação apresentada ao Curso de Pós-Graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais

Leia mais

Capítulo 9: XML! Database System Concepts! Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)!

Capítulo 9: XML! Database System Concepts! Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)! Capítulo 9: XML! XML para transferência de dados" Estrutura hierárquica do XML" DTDs e XML Schema" Consultas de documentos XML: Xpath " Consultas de documentos XML: XQuery" Transformação de documentos

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML NAMESPACES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML NAMESPACES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML NAMESPACES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza Introdução XML Namespaces fornecem um método para evitar conflitos de nomes de elementos

Leia mais

Número: Nome: 1 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação Exame: tipo Dezembro

Leia mais

definição e composição de esquemas instâncias documentação

definição e composição de esquemas instâncias documentação X170 definição e composição de esquemas instâncias documentação 2002, 2005, 2008 Helder da Rocha (helder.darocha@gmail.com) 1 Cabeçalho e namespace Todas as declarações do XML Schema estão contidas em

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) XML (extensible Markup Language) João Carlos Pinheiro jcarlos026@ig.com.br Comentário As implicações mais amplas de um formato de dados padrão e de fácil processamento como XML, são difíceis de imaginar,

Leia mais

MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML

MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML Palmas 2003 MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML Monografia apresentada como

Leia mais

Conteúdos. Linguagens de Anotação XML, SGML,... O que é um documento? O que é que fazemos com eles? Que "suportes" utilizamos? O Problema: Anotação

Conteúdos. Linguagens de Anotação XML, SGML,... O que é um documento? O que é que fazemos com eles? Que suportes utilizamos? O Problema: Anotação Linguagens de Anotação XML, SGML, José Carlos L. Ramalho jcr@di.uminho.pt gepl - DI - UM Conteúdos Anotação O que é? Anotar para quê? SGML - a história e o passado ciclo de vida dos documentos A Evolução

Leia mais

Adenda Técnica :: LCPA :: Manual Técnico XML

Adenda Técnica :: LCPA :: Manual Técnico XML Adenda Técnica :: LCPA :: Manual Técnico XML Ficheiros de Reporte no Âmbito da Lei dos Compromissos e Pagamentos em Atraso Ver. 2.0 31 agosto 2012 www.acss.min-saude.pt www.acss.min-saude.pt 1 Página 1

Leia mais

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL Deinf/Dine4 Versão 1.3 20/05/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 06/11/2007 1.0 Elaboração da primeira versão

Leia mais

MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES DO REGISTRO CIVIL NACIONAL CRC NACIONAL. Provimento nº 38/2014 e 46/2015 Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES DO REGISTRO CIVIL NACIONAL CRC NACIONAL. Provimento nº 38/2014 e 46/2015 Conselho Nacional de Justiça (CNJ) MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES DO REGISTRO CIVIL NACIONAL CRC NACIONAL Provimento nº 38/2014 e 46/2015 Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Versão 2.0 MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES

Leia mais

XML & Banco de Dados

XML & Banco de Dados SECCOM - UFSC Semana de Cursos e Palestras da Computação Outubro/2004 XML & Banco de Dados Ronaldo dos Santos Mello INE / CTC / UFSC ronaldo@inf.ufsc.br Roteiro 1. Introdução 2. Tecnologia XML 3. Gerenciamento

Leia mais

PEDRO FILIPE DE JESUS VIEIRA MARQUES TROCA DE INFORMAÇÃO DE NEGÓCIO PARA NEGÓCIO - DO EDI AO XML/EDI E EBXML UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA

PEDRO FILIPE DE JESUS VIEIRA MARQUES TROCA DE INFORMAÇÃO DE NEGÓCIO PARA NEGÓCIO - DO EDI AO XML/EDI E EBXML UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PEDRO FILIPE DE JESUS VIEIRA MARQUES TROCA DE INFORMAÇÃO DE NEGÓCIO PARA NEGÓCIO - DO EDI AO XML/EDI E EBXML UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA PORTO 2003 PEDRO FILIPE DE JESUS VIEIRA MARQUES TROCA DE INFORMAÇÃO

Leia mais

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML.

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. Relatório do GPES Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. XML Estrutura do documento Um documento XML é uma árvore rotulada onde um nó externo consiste de: [1] Dados de caracteres (uma

Leia mais

HTML, CSS, JavaScript e XML. Prof. Carlos Bazilio

HTML, CSS, JavaScript e XML. Prof. Carlos Bazilio HTML, CSS, JavaScript e XML Prof. Carlos Bazilio Referências http://www.w3schools.com/ Site com tutoriais on-line rápidos e com muita qualidade http://www.csszengarden.com/ Site que demonstra as potencialidades

Leia mais

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes Desenvolvimento Web Introdução a XHTML Prof. Bruno Gomes 2014 Introdução HTML e XHTML Estrutura básica do documento DTDs Validação do documento Exercícios HTML e XHTML HTML (Hipertext Markup Language)

Leia mais

Armazenamento e Gestão de dados XML

Armazenamento e Gestão de dados XML Armazenamento e Gestão de dados XML Fortech 2002 FOR $l IN document( www.estv.ipv.pt/biblioteca/bdbiblio.xml ) //livro WHERE $l/editora/nome = FCA AND $l/ano > 1995 RETURN $l/autor bdbib/livro[editora/nome=

Leia mais

UM MODELO DE MAPEAMENTO DE ESTRUTURAS E DADOS RELACIONAIS PARA DOCUMENTOS XML

UM MODELO DE MAPEAMENTO DE ESTRUTURAS E DADOS RELACIONAIS PARA DOCUMENTOS XML UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Liluyoud Cury de Lacerda UM MODELO DE MAPEAMENTO DE ESTRUTURAS E DADOS RELACIONAIS PARA DOCUMENTOS XML Dissertação

Leia mais

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0?

Web de hoje (2.0) Porquê WEB 2.0? WEB 2.0 Conceitos O termo Web 2.0 refere-se a mudança para uma Internet como plataforma e um entendimento das regras para obter sucesso nesta nova plataforma. Segundo Tim O'Reilly, um dos criadores do

Leia mais

Orientações Técnicas para o desenvolvimento da funcionalidade Transmissão em Lote do SISCOSERV (Módulos Venda e Aquisição)

Orientações Técnicas para o desenvolvimento da funcionalidade Transmissão em Lote do SISCOSERV (Módulos Venda e Aquisição) Orientações Técnicas para o desenvolvimento da funcionalidade Transmissão em Lote do SISCOSERV (Módulos Venda e Aquisição) Página 1 de 42 1. Introdução Brasília, fevereiro de 2012 As funcionalidades de

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

Um estudo sobre esquemas para documentos XML

Um estudo sobre esquemas para documentos XML Um estudo sobre esquemas para documentos XML Marcus Barbosa Pinto 1, Deise de Brum Saccol 2 1, 2 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal 15.064

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML DICOM - XML Introdução aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML Introdução Até a década de 70, maioria dos dispositivos armazenava imagens em formatos

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML Otávio C. Décio Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML de Otávio C. Décio Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610

Leia mais

Jorge Manuel Neves Coelho. Processamento de XML em

Jorge Manuel Neves Coelho. Processamento de XML em Jorge Manuel Neves Coelho Processamento de XML em Programação em Lógica Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2002 Jorge Manuel Neves Coelho Processamento

Leia mais

LUIZ WAGNER ARAÚJO NUNES ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA API JAXR PARA ACESSO A REGISTROS XML

LUIZ WAGNER ARAÚJO NUNES ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA API JAXR PARA ACESSO A REGISTROS XML LUIZ WAGNER ARAÚJO NUNES ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA API JAXR PARA ACESSO A REGISTROS XML Palmas 2005.2 LUIZ WAGNER ARAÚJO NUNES ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DA API JAXR PARA ACESSO A REGISTROS XML Trabalho apresentado

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML Juliano Niederauer Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML de Juliano Niederauer Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

Alexandre Tagliari Lazzaretti. XDC: Uma Proposta de Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML

Alexandre Tagliari Lazzaretti. XDC: Uma Proposta de Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Alexandre Tagliari Lazzaretti XDC: Uma Proposta de Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Florianópolis SC 2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Informatica PowerCenter (Versão 9.6.0) Guia XML

Informatica PowerCenter (Versão 9.6.0) Guia XML Informatica PowerCenter (Versão 9.6.0) Guia XML Informatica PowerCenter Guia XML Versão 9.6.0 Janeiro 2014 Copyright (c) 1998-2014 Informatica Corporation. Todos os direitos reservados. Este software e

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação

INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação Número: Nome: 1 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Gestão e Tratamento de Informação Exame 2 - Solução

Leia mais

Bibliografia. http://www.w3schools.com/ Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes.

Bibliografia. http://www.w3schools.com/ Use a Cabeça HTML com CSS e XHTML, Freeman e Freeman. XML for Dummies, Lucinda Dykes. Conceitos e tecnologias relacionadas à Internet: Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet; Linguagens de marcação, transformação e apresentação. Usabilidade,

Leia mais

Documento de Regras para Webservice SIGAF

Documento de Regras para Webservice SIGAF I Introdução Um webservice é uma solução utilizada na integração de sistemas e na comunicação entre aplicações diferentes. Com esta tecnologia é possível que sistemas desenvolvidos em plataformas diferentes

Leia mais

Introdução a XML X100

Introdução a XML X100 Introdução a XML X100 Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Atualizado em setembro de 2001 1 O que é XML? extensible Markup Language: padrão W3C Uma maneira de representar informação não é uma linguagem

Leia mais

Conceitos de Linguagens de Programação

Conceitos de Linguagens de Programação Conceitos de Linguagens de Programação Aula 07 Nomes, Vinculações, Escopos e Tipos de Dados Edirlei Soares de Lima Introdução Linguagens de programação imperativas são abstrações

Leia mais

PROTÓTIPO DE PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE DADOS CONTÁBEIS USANDO XML

PROTÓTIPO DE PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE DADOS CONTÁBEIS USANDO XML i UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) PROTÓTIPO DE PADRÃO DE COMUNICAÇÃO E ARMAZENAMENTO DE DADOS CONTÁBEIS USANDO XML TRABALHO

Leia mais

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula)

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula) XML (extensible Markup Language) por Rafael Port da Rocha (Notas de Aula) 2007 Introcução Componentes de um Documento Eletrônico Digital Conteúdo: formado pelas informações que o documento transmite aos

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. NFS-e

Nota Fiscal de Serviços Eletrônica. NFS-e Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Manual de Integração (Especificação Técnica de Integração entre Sistema ERP do Contribuinte e Cliente NFS-e) Sumário 1. Modelo Operacional... 3 2. Padrão de Mensagens

Leia mais

Computação Orientada a Serviços

Computação Orientada a Serviços Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio Computação Orientada a Serviços Elias Canhadas Genvigir Roteiro de Apresentação Introdução Problema Computação Orientada a Serviços Serviços

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

www.f2b.com.br 21/07/2005 Cobrança F2b Web Services Web rev 26

www.f2b.com.br 21/07/2005 Cobrança F2b Web Services Web rev 26 www.f2b.com.br 21/07/2005 Cobrança F2b Web Services Web rev 26 Controle de Revisões Cobrança F2b Web Services/Web 21/07/2006 Revisão Data Descrição 00 14/11/2002 Emissão inicial. 01 03/12/2002 Substituição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CAMPUS CHAPECÓ CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GEOMAR ANDRÉ SCHREINER

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CAMPUS CHAPECÓ CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GEOMAR ANDRÉ SCHREINER UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL CAMPUS CHAPECÓ CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GEOMAR ANDRÉ SCHREINER EXTRAÇÃO DE ESQUEMAS DE DOCUMENTOS XML: UMA ABORDAGEM PROBABILÍSTICA CHAPECÓ 2014 GEOMAR ANDRÉ

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES DO REGISTRO CIVIL NACIONAL CRC NACIONAL. Provimento nº 38/2014 e 46/2015 Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES DO REGISTRO CIVIL NACIONAL CRC NACIONAL. Provimento nº 38/2014 e 46/2015 Conselho Nacional de Justiça (CNJ) MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES DO REGISTRO CIVIL NACIONAL CRC NACIONAL Provimento nº 38/2014 e 46/2015 Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Versão 2.2 MANUAL DE CARGA DA CENTRAL DE INFORMAÇÕES

Leia mais

CARLOS EDUARDO GESSER UMA ABORDAGEM PARA A INTEGRAÇÃO DINÂMICA DE SERVIÇOS WEB EM PORTAIS

CARLOS EDUARDO GESSER UMA ABORDAGEM PARA A INTEGRAÇÃO DINÂMICA DE SERVIÇOS WEB EM PORTAIS CARLOS EDUARDO GESSER UMA ABORDAGEM PARA A INTEGRAÇÃO DINÂMICA DE SERVIÇOS WEB EM PORTAIS FLORIANÓPOLIS 2006 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENG. ELÉTRICA UMA ABORDAGEM

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS - XQUERY. Prof. Angelo Augusto Frozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS - XQUERY. Prof. Angelo Augusto Frozza GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS - XQUERY Prof. Angelo Augusto Frozza XQUERY (XML QUERY LANGUAGE) XQuery é para XML o que o SQL é para Banco de Dados. XQUERY (XML QUERY LANGUAGE) XQuery é uma linguagem

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services (continuação) WSDL - Web Service Definition Language WSDL permite descrever o serviço que será oferecido

Leia mais