GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://www.about.me/tilfrozza"

Transcrição

1 GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -DTD Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

2 ROTEIRO Introdução ao DTD Elementos Atributos Entidades Validando um documento XML

3 DTD (DOCUMENT TYPE DEFINITION) Conjunto de regras (gramática) para a organização de elementos em um documento XML Documento XML bem-formado tags bem definidas; existe um elemento raiz; valores de atributos entre ou Documento XML válido documento correto de acordo com uma DTD ou XSD Parser programa que verifica se um documento XML é bem-formado ou válido

4 DTD - ELEMENTOS Cada tag XML corresponde a um elemento na DTD Um elemento de uma DTD pode possuir um dos seguintes tipos: PCDATA Elementos filhos ANY EMPTY Conteúdo misto

5 ELEMENTO COM CONTEÚDO PCDATA O Elemento é composto por texto XML <nome>vitor</nome> DTD <!ELEMENT nome (#PCDATA)>

6 ELEMENTO COM ELEMENTOS FILHOS O Elemento é composto por outros elementos XML <aluno> <nome>vitor</nome> </aluno> DTD <!ELEMENT aluno (nome)> <!ELEMENT nome (#PCDATA)> Se o elemento tiver mais de um filho, os demais devem aparecer separados por vírgula.

7 CARDINALIDADE DOS ELEMENTOS Vazio (default) Um para um? Zero para um * Zero para muitos + Um para muitos

8 DEFINIÇÃO DE CARDINALIDADE DTD XML <!ELEMENT depto (aluno+)> <!ELEMENT aluno (nome, ?,disciplina*)> <depto> <aluno> <nome>vitor</nome> </aluno> <aluno> <nome>janio</nome> <disciplina>poo</disciplina> <disciplina>logica</disciplina> </aluno> <depto>

9 OPERADORES DE LISTAGEM DE ELEMENTOS, Sequência (em ordem) Escolha (um de muitos)

10 USANDO OPERADOR DE SEQUÊNCIA DTD XML <!ELEMENT depto (aluno+)> <!ELEMENT aluno (nome, )> <!ELEMENT nome (#PCDATA)> <!ELEMENT (#PCDATA)> <depto> <aluno> <nome>janio</nome> </aluno> </depto>

11 USANDO OPERADOR DE ESCOLHA <!ELEMENT depto (aluno+)> <!ELEMENT aluno (nome, contato)> <!ELEMENT nome (#PCDATA)> <!ELEMENT contato ( telefone)> <!ELEMENT (#PCDATA)> <!ELEMENT telefone (#PCDATA)>

12 USANDO OPERADOR DE ESCOLHA <depto> <aluno> <nome>vitor</nome> <contato> <telefone> </telefone> </contato> </aluno> <aluno> <nome>janio</nome> <contato> </contato> </aluno> </depto> ou o aluno tem telefone ou tem

13 AGRUPAMENTO DE ELEMENTOS Elementos podem ser agrupados dentro de outro elemento utilizando cardinalidades específicas ou operadores de listagem.

14 AGRUPAMENTO DE ELEMENTOS <!ELEMENT depto (alunos)+> <!ELEMENT alunos (nome, (disciplina, nota)*, ( telefone))> <!ELEMENT nome (#PCDATA)> <!ELEMENT disciplina (#PCDATA)> <!ELEMENT nota (#PCDATA)> <!ELEMENT (#PCDATA)> <!ELEMENT telefone (#PCDATA)>

15 AGRUPAMENTO DE ELEMENTOS <depto> <alunos> <nome>vitor</nome> <telefone> </telefone> </alunos> <alunos> <nome>janio</nome> <disciplina>poo</disciplina> <nota>8</nota> <disciplina>logica</disciplina> <nota>4</nota> </alunos> </depto>

16 EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EM SALA Implemente a DTD inicial para o arquivo XML do AGENCIAMENTO DE MÃO DE OBRA. Considere apenas os elementos e suas cardinalidades nesse momento.

17 EXERCÍCIO 02 (INÍCIO) Implemente a DTD inicial para o arquivo XML criado no Exercício 01. Considere apenas os elementos e suas cardinalidades nesse momento.

18 DTD - ATRIBUTOS Um elemento de uma DTD pode possuir atributos com um dos seguintes tipos: CDATA NMTOKEN NMTOKENS ENTITY ENTITIES ID IDREF IDREFS NOTATION ENUMERADO

19 ATRIBUTO CDATA Possui um valor textual <!ELEMENT aluno (#PCDATA)> <!ATTLIST aluno situacao CDATA> <aluno situacao= regular > Vitor </aluno>

20 MODIFICADORES DE ATRIBUTO #IMPLIED atributo não é obrigatório <!ATTLIST aluno CDATA #IMPLIED> #REQUIRED atributo obrigatório <!ATTLIST aluno CDATA #REQUIRED> #FIXED valor fixo para atributo <!ATTLIST aluno universidade CDATA #FIXED IFC > Valor default (usado em enumerações) <!ATTLIST aluno situacao (regular especial) regular >

21 DEFINIÇÃO DE ELEMENTOS Elementos compostos - sequência <!ELEMENT livro(titulo,autor+,imagem?,capitulo+)> elementos compostos sequência de definição (sub-elementos) <!ELEMENT autor(nome, *, endereço?)> cardinalidade do sub-elemento <livro> <titulo>xml companion</titulo> <autor> <nome>neil Bradley</nome> <endereco>... </endereco> </autor> <capitulo>... </capitulo> <capitulo>... </capitulo> </livro>

22 DEFINIÇÃO DE ELEMENTOS Elementos compostos - escolhas <!ELEMENT endereco(residencial comercial)> Elementos simples <!ELEMENT title(#pcdata)> Elementos especiais <!ELEMENT image EMPTY)> <!ELEMENT comment ANY> sub-elementos alternativos texto (string) não possui conteúdo admite qualquer elemento do esquema como conteúdo

23 DEFINIÇÃO DE ELEMENTOS E ATRIBUTOS Elementos mistos <!ELEMENT capitulo(#pcdata secao)+> misto de texto e sub-elementos Atributos <!ATTLIST imagem arquivo CDATA #REQUIRED tamanho CDATA> <!ATTLIST book tipo (technical fiction) atributos ISBN ID #IMPLIED referencias IDREFS> <!ATTLIST chapter name CDATA #REQUIRED> restrições para atributos tipos de atributos

24 ENTIDADES Variáveis que representam uma determinada informação. Podem ser vistas como constantes Usadas para porções de texto que se repetem muito Iniciam com & e terminam com ;

25 ENTIDADES Declaradas dentro da DTD Representam atalhos para um conjunto de informações O valor correto das entidades é substituído quando o documento XML é processado pelo processador XML Existem dois tipos de Entidades: Parameter entities para uso na própria DTD <!ENTITY % name definition> General entities para uso no documento XML <!ENTITY name definition>

26 GENERAL ENTITIES Só podem ser usadas dentro de documentos XML <!ENTITY ERBD Escola Regional de Banco de Dados > ANTES do processador XML fazer seu processamento... Oficina da &ERBD;

27 GENERAL ENTITIES Só podem ser usadas dentro de documentos XML <!ENTITY ERBD Escola Regional de Banco de Dados > DEPOIS do processador XML fazer seu processamento... Oficina da Escola Regional de Banco de Dados

28 GENERAL ENTITIES Alguns caracteres usados pela linguagem XML se confundem com os caracteres que representam dados. <teste>5 < 8</teste> Isso funciona???

29 GENERAL ENTITIES Entidades pré-existentes: < < > > & & &apos; " <teste>5 < 8</teste>

30 DEFINIÇÃO DE ENTIDADES <!ENTITY xml "extensible Markup Language")> <!ENTITY % estrutura "(paragrafo lista tabela)">... <!ELEMENT secao (nome, (%estrutura;)*> <!ELEMENT appendix (number, name, (%estrutura;)*>... DTD... Documento XML <capitulo> A linguagem XML (&xml;) é um padrão... <secao> <nome>tecnologia</nome> <paragrafo>a tecnologia da &xml; inclui... </paragrafo>... </secao> </capitulo>...

31 DEFINIÇÃO DE ENTIDADES <!ENTITY % endereco "(logradouro, numero, bairro, cidade, estado, cep)"> <!ELEMENT end_residencial (%endereco;)> <!ELEMENT end_comercial (%endereco;)> <!ELEMENT logradouro(#pcdata)>......

32 <!ENTITY % estrutura "(paragrafo lista tabela)"> <!ELEMENT livros(livro+)> <!ELEMENT livro(titulo, autor+, capitulo+)> <!ATTLIST livro tipo (tecnico ficcao) ISBN ID referencias IDREFS #IMPLIED> <!ELEMENT titulo(#pcdata)> <!ELEMENT autor(nome, *, endereco?)> <!ELEMENT nome(#pcdata)> <!ELEMENT (#pcdata)> <!ELEMENT endereco(residencial comercial)> <!ELEMENT residencial(#pcdata)> <!ELEMENT comercial(#pcdata)> <!ELEMENT capitulo(#pcdata secao)+> <!ATTLIST capitulo nome CDATA #REQUIRED> <!ELEMENT secao(nome, (%estrutura;)*> DTD (esquema) <livros> <livro tipo="tecnico" ISBN="120"> <titulo>xml Companion</titulo> <autor> <nome>neil Bradley</nome> </autor> <endereco> <comercial> 34 Main street London </comercial> </endereco> <capitulo nome="introduction"> XML raises as a standard... <secao> <nome>xml Technology</nome>... </secao> </capitulo>... </livro>... </livros> Documento XML

33 INCORPORAR DTD NO DOCUMENTO XML Deve-se indicar no documento XML qual a DTD que ele vai usar: <!DOCTYPE elementoraiz SYSTEM "arquivo.dtd"> Exemplo: <!DOCTYPE pedido SYSTEM "GDSE-Aula003-DTD-PEDIDO.dtd">

34 EXERCÍCIO EM SALA Monte um documento XML e a DTD para representar a seguinte estrutura: TCC Título Autor Orientação Texto Orientador Co-orientador Introdução Desenvolvimento Ref.Bibl. Livro ArtigoEvento Dissertação AutorL TítuloL CidadeL EditoraL AnoL

35 EXERCÍCIO EM SALA Itens obrigatórios: Criar o arquivo XML de acordo com a estrutura proposta Criar o arquivo da DTD contendo pelo menos: Elementos e suas Cardinalidades Entidade: General e Parameter Modificadores: #IMPLIED, #REQUIRED e default Atributos: CDATA, enumerado Estender os elementos artigoevento e Dissertacao Consulte como em

36 EXERCÍCIO 02 (CONCLUSÃO) Implemente a DTD inicial para o arquivo XML criado no Exercício 01. Inclua os atributos que achar necessário para o documento XML do Exercício 01. Enviar ao professor por , com subject Exercício 02 - DTD

37 VALIDANDO UM DOCUMENTO XML DOM ParseError Object Veja os códigos exemplos em:

38 VALIDANDO UM DOCUMENTO XML DOM ParseError Object As propriedades do objeto parseerror Propriedade errorcode reason line linepos srctext url filepos Descrição Retorna o código de erro (longint) Retorna a razão para o erro (string) Retorna o número da linha em que ocorreu o erro (longint) Retorna a posição na linha em que ocorreu o erro (longint) Retorna a linha (texto) que causou o erro (string) Retorna a URL apontando para o documento lido Retorna a posição do erro no arquivo (longint)

39 DÚVIDAS? Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

40 EXTRAS Validador HTML Validador XHTML/XML Validador (X)HTML5 Validador HTML/XHTML/WML/XML

41 Série de tutoriais sobre XML e DTD mentos+xml

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs

Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário inventa as marcas através de DTDs XML Um documento XML possui Unidade lógica - os elementos Usuário "inventa" as marcas através de DTDs Unidade física - as entidades Armazenamento separado dos dados Como toda linguagem de marcação: XML

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA

XML XML. XML extensible Markup Language HTML. Motivação. W3C: World Wide Web Consortium XML 1.0. Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Mário Meireles Teixeira DEINF-UFMA Motivação extensible Markup Language W3C: World Wide Web Consortium http://www.w3.org 1.0 W3C Recommendation, 10/Fev/1998 (inicial) W3C Recommendation, 04/Fev/2004, 3

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

L A C Laboratory for Advanced Collaboration

L A C Laboratory for Advanced Collaboration Publicação de Dados Governamentais no Padrão Linked Data 2.1 Conceitos Básicos Karin Breitman José Viterbo Edgard Marx Percy Salas L A C Laboratory for Advanced Collaboration Objetivo deste módulo 1.Discutir

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

XML Schema. Vanessa de Paula Braganholo vanessa@inf.ufrgs.br ftp://metropole/pub/curso/xml/index.html. Janeiro de 2001. XML Schema

XML Schema. Vanessa de Paula Braganholo vanessa@inf.ufrgs.br ftp://metropole/pub/curso/xml/index.html. Janeiro de 2001. XML Schema XML Schema Vanessa de Paula Braganholo vanessa@inf.ufrgs.br ftp://metropole/pub/curso/xml/index.html Janeiro de 2001 XML Schema XML Schema Utilizado para descrever a estrutura de um documento XML, assim

Leia mais

Banco de Dados. Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo

Banco de Dados. Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo Dados na Web Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca, Ana Carolina Salgado & Robson Fidalgo 1 O objetivo é integrar todos os tipos de informação, incluindo informação não estruturada Informação

Leia mais

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação.

extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. extensible Markup Language (XML) XML é uma linguagem de anotação. XML utiliza tags para descrever informação. Em XML, os tags não são pré-definidos. Temos de definir os nossos tags. XML utiliza um Document

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) XML Origens. HTML Problemas Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) (extensible( Markup Language ) Origens (extensible Markup Language linguagem de marcação extensível) Criada em 1996 pelo W3C (World

Leia mais

Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML

Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Alexandre Tagliari Lazzaretti Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Trabalho Individual

Leia mais

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula)

XML (extensible Markup Language) por. Rafael Port da Rocha. (Notas de Aula) XML (extensible Markup Language) por Rafael Port da Rocha (Notas de Aula) 2007 Introcução Componentes de um Documento Eletrônico Digital Conteúdo: formado pelas informações que o documento transmite aos

Leia mais

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos

Sintaxe XML. César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br. Outubro de 2000. Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos Sintaxe XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Introdução à sintaxe XML. Marcação tradicional x marcação de documentos XML. Sintaxe XML Marcação de documentos eletrônicos XML é

Leia mais

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados

Introdução. Definição. Validação. Universo XML. Apresentação. Processamento. Prof. Enzo Seraphim. Banco de Dados Introdução Definição Validação Apresentação Processamento Banco de Dados Universo XML Prof. Enzo Seraphim Popularidade do HTML Extremamente simples Estilo próprio para formatação de documentos Ligações

Leia mais

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML.

Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. Relatório do GPES Este relatório tem por objetivo, abordar a sintaxe XML. XML Estrutura do documento Um documento XML é uma árvore rotulada onde um nó externo consiste de: [1] Dados de caracteres (uma

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) XML (extensible Markup Language) João Carlos Pinheiro jcarlos026@ig.com.br Comentário As implicações mais amplas de um formato de dados padrão e de fácil processamento como XML, são difíceis de imaginar,

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

A Linguagem XML (& Markup Languages)

A Linguagem XML (& Markup Languages) SCC0265 Sistemas Interativos Web A Linguagem XML (& Markup Languages) Renata Pontin M. Fortes (renata@icmc.usp.br) PAE: Willian Watanabe (watinha@gmail.com) Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação

Leia mais

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br)

XML: uma introdução prática X100. Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) XML: uma introdução prática X100 Helder da Rocha (helder@argonavis.com.br) Atualizado em Jan 2003 O que é um Esquema XML? Documentos que aderem à especificação (válidos) O esquema representa uma classe

Leia mais

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Florianópolis - SC 2006 Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas

Leia mais

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Alexandre Tagliari Lazzaretti. XDC: Uma Proposta de Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML

Alexandre Tagliari Lazzaretti. XDC: Uma Proposta de Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Alexandre Tagliari Lazzaretti XDC: Uma Proposta de Controle de Restrições de Integridade de Domínio em Documentos XML Florianópolis SC 2005 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Processamento de dados XML

Processamento de dados XML Processamento de dados XML César Vittori cvittori@inf.ufrgs.br Outubro de 2000 Resumo Considerações no desenvolvimento de software para processar dados XML. Processamento de uma DTD para interpretar marcação

Leia mais

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET D Ilton Moreira Silveira 1, Fabiano Fagundes 1, Deise de Brum Saccol 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário

Leia mais

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo

http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais XML Schema Rogério Araújo Questões Eu descobri que sempre tenho

Leia mais

Introdução ao XML. Extensible Markup Language

Introdução ao XML. Extensible Markup Language Introdução ao XML Extensible Markup Language Tutorial - XML XML: Extensible Markup Language Uma linguagem de marcas na estruturação, no armazenamento e no transporte de dados na Web Gere os dados numa

Leia mais

Programação para Internet I Aulas 10 e 11

Programação para Internet I Aulas 10 e 11 Programação para Internet I Aulas 10 e 11 Fernando F. Costa nando@fimes.edu.br XML Definição e origem extensible Markup Language (XML) é linguagem de marcação de dados que provê um formato para descrever

Leia mais

Manual XML. Versão: 1.1

Manual XML. Versão: 1.1 Manual XML Versão: 1.1 Data da última atualização: 19/09/2011 Arquivo revendas.xml Para portais de revendas, este arquivo é o responsável por listar todas as suas revendas. Para própria revenda, o arquivo

Leia mais

MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML

MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML Palmas 2003 MARCUS BARBOSA PINTO UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DE ESQUEMAS PARA DOCUMENTOS XML Monografia apresentada como

Leia mais

Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO DE CÓDIGOS-FONTE BASEADA EM XML

Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO DE CÓDIGOS-FONTE BASEADA EM XML Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO DE CÓDIGOS-FONTE BASEADA EM XML Palmas 2004 Bruno Ribeiro de F. Machado DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA PARA DOCUMENTAÇÃO

Leia mais

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes

Desenvolvimento Web Introdução a XHTML. Prof. Bruno Gomes Desenvolvimento Web Introdução a XHTML Prof. Bruno Gomes 2014 Introdução HTML e XHTML Estrutura básica do documento DTDs Validação do documento Exercícios HTML e XHTML HTML (Hipertext Markup Language)

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMAS DE TROCA DE INFORMAÇÃO: EDI E XML

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMAS DE TROCA DE INFORMAÇÃO: EDI E XML GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMAS DE TROCA DE INFORMAÇÃO: EDI E XML Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Compreender as diferentes tecnologias de troca de informação em uma Cadeia de Suprimentos

Leia mais

Programação para Internet I 4. XML. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt

Programação para Internet I 4. XML. Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Programação para Internet I 4. XML Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Standard do W3C (www.w3c.org) Formato de ficheiros de texto derivado de SGML (Standard Generalized Markup Language)

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

Jorge Manuel Neves Coelho. Processamento de XML em

Jorge Manuel Neves Coelho. Processamento de XML em Jorge Manuel Neves Coelho Processamento de XML em Programação em Lógica Departamento de Ciência de Computadores Faculdade de Ciências da Universidade do Porto 2002 Jorge Manuel Neves Coelho Processamento

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora

Guia de Consulta Rápida XML. Otávio C. Décio. Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML Otávio C. Décio Novatec Editora Guia de Consulta Rápida XML de Otávio C. Décio Copyright@2000 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610

Leia mais

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML

Keli Cristina Manini Susane Schmidt. Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas XML a partir de Documentos XML Florianópolis - SC 2006 Keli Cristina Manini Susane Schmidt Uma Ferramenta para Geração de Esquemas

Leia mais

XML. Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden. ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida )

XML. Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden. ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) XML Introdução Ferramentas para Internet Marx Gomes Van der Linden ( Material baseado no original de Marcelo José Siqueira Coutinho de Almeida ) Objetivos Apresentar a linguagem de marcação XML bem como

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML NAMESPACES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML NAMESPACES. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML NAMESPACES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza Introdução XML Namespaces fornecem um método para evitar conflitos de nomes de elementos

Leia mais

Exercícios Aula 2 BR 2013

Exercícios Aula 2 BR 2013 Conceitos e tecnologias relacionadas à Internet: Protocolos relevantes para aplicações Internet; Princípios e arquitetura da Internet; Linguagens de marcação, transformação e apresentação. Usabilidade,

Leia mais

Sistema de Processamento Eletrônico de Cartas Precatórias da Justiça do Trabalho

Sistema de Processamento Eletrônico de Cartas Precatórias da Justiça do Trabalho Sistema de Processamento Eletrônico de Cartas Precatórias da Justiça do Trabalho Maio/2007 Página 1 Sumário Apresentação... 3 Links de Atalho... 4 Distribuição Processual... 5 Autuação Processual... 6

Leia mais

5a. Aula - XML 2013.2

5a. Aula - XML 2013.2 5a. Aula -XML 2013.2 Introdução Criando Documentos XML Validando Documentos XML DTD ( Documents Type Definition) XML Schema ConsultandoXML com Xpath com XQuery Modularizando XML Namespaces Entities TransformandoXML

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST

Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST Recapitular XML... Gestão e Tratamento de Informação DEI IST Agenda Introdução ao XML XML Schema XML Namespaces Agenda Introdução ao XML XML Schema XML Namespaces Revolução da Web HTML é a linguagem da

Leia mais

Apostila de XHTML Curso de Internet Professor Rinaldo Demétrio

Apostila de XHTML Curso de Internet Professor Rinaldo Demétrio Conteúdo XHTML - Por quê?... 2 Porque XHTML?... 2 Diferenças Entre XHTML e HTML... 3 Como Preparar-se para a XHTML... 3 As Diferenças Mais Importantes:... 3 Os Elementos Devem Estar Devidamente Aninhados...

Leia mais

XML (Extensible Markup Language)

XML (Extensible Markup Language) XML (Extensible Markup Language) XML é uma Recmendaçã W3C XML apenas descreve s dads e que eles significam O HTML que fi desenvlvid para mstrar s dads e a aparência deles XML é um cmplement a HTML e nã

Leia mais

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos

Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Linguagem de Programação para Web Introdução ao HTML 5 e Implementação de Documentos Prof. Mauro Lopes 1-31 20 Objetivo Iremos aqui apresentar a estrutura básica de um documento HTML e iremos também apresentar

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Estrutura Básica do Documento HTML

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Estrutura Básica do Documento HTML IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage EstruturaBásicadoDocumentoHTML ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger

Leia mais

Programando em PHP. Conceitos Básicos

Programando em PHP. Conceitos Básicos Programando em PHP www.guilhermepontes.eti.br lgapontes@gmail.com Conceitos Básicos Todo o escopo deste estudo estará voltado para a criação de sites com o uso dos diversos recursos de programação web

Leia mais

Bem-vindo ao XML. Apostila de XML

Bem-vindo ao XML. Apostila de XML Bem-vindo ao XML Bem-vindo a Extensible Markup Language, XML, a linguagem para tratamento de dados em uma forma compacta, fácil de gerenciar sem mencionar o mais poderoso avanço visto na Internet nos últimos

Leia mais

P.V. Descrição Ocorrências Linhas

P.V. Descrição Ocorrências Linhas Relatório da URL: http://www.cultura.gov.br Erros Prioridade. 22 36 37 38 39 40 45 46 50 53 59 63 32 33 369 39 395 459 460 472 473 474 476.6 Assegurar a acessibilidade do conteúdo de frames, fornecendo

Leia mais

Manual Integração Valecard CIOT

Manual Integração Valecard CIOT ELABORAÇÃO FRM.TI-0.22-22 1 de 42 Manual Integração Valecard CIOT ELABORAÇÃO 1. Introdução FRM.TI-0.22-22 2 de 42 O objetivo deste documento é apresentar a definição das especificações e critérios técnicos

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br

Guia de Consulta Rápida XHTML. Juliano Niederauer. Novatec Editora. www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML Juliano Niederauer Novatec Editora www.novateceditora.com.br Guia de Consulta Rápida XHTML de Juliano Niederauer Copyright 2002 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos

Leia mais

Leiaute-IMPORTAÇÃO-Plano de Contas - XML

Leiaute-IMPORTAÇÃO-Plano de Contas - XML Leiaute-IMPORTAÇÃO-Plano de Contas - XML DOC-IN 1.0 1 / 6 Leiaute-IMPORTAÇÃO-Plano de Contas - XML Leiaute-IMPORTAÇÃO-Plano de Contas - XML DOC-IN 1.0 2 / 6 ÍNDICE ARQUIVO DE LEIAUTE... 3 Formato... 3

Leia mais

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011

XML Básico. Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro. 17 de maio de 2011 XML Básico Murillo Vasconcelos Henriques B. Castro 17 de maio de 2011 O QUE É? Sigla para extensible Markable Language É uma linguagem de marcação, assim como HTML Desenvolvida para ser auto explicativa

Leia mais

Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais

Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais Um Modelo de Controle de Acesso para Conteúdos Digitais Valerio Rosset, Carla Merkle Westphall INE - LRG (Laboratório de Redes e Gerência) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Caixa Postal 476

Leia mais

Um estudo sobre esquemas para documentos XML

Um estudo sobre esquemas para documentos XML Um estudo sobre esquemas para documentos XML Marcus Barbosa Pinto 1, Deise de Brum Saccol 2 1, 2 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal 15.064

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web

Introdução à Tecnologia Web Introdução à Tecnologia Web JavaScript Sintaxe da Linguagem: Delimitadores e etc Profª MSc. Elizabete Munzlinger JavaScript Sintaxe da Linguagem Índice 1 SINTAXE DA LINGUAGEM... 2 1.1 Delimitadores de

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARRETOS Secretaria Municipal de Administração e Finanças Setor de Fiscalização de Tributos

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE BARRETOS Secretaria Municipal de Administração e Finanças Setor de Fiscalização de Tributos ARQUIVO DE LEIAUTE Formato O arquivo de leiaute para importação de dados da Nota Fiscal Eletrônica utiliza o formato XML (extensible Markup Language) que é uma recomendação da W3C (World Wide Web Consortium

Leia mais

SciELO Markup PMC. Roberta Takenaka Equipe de Desenvolvimento 18/06/2012

SciELO Markup PMC. Roberta Takenaka Equipe de Desenvolvimento 18/06/2012 SciELO Markup PMC Roberta Takenaka Equipe de Desenvolvimento 18/06/2012 Documentação: Http://docs.scielo.org Fluxo atual e transitorio ATUAL NOVO AMBOS Recepção de arquivos Preparação dos arquivos: HTML.html

Leia mais

Gerência de Dados da Web - DCC922 -

Gerência de Dados da Web - DCC922 - Gerência de Dados da Web - DCC922 - XML Fundamentos Alberto H. F. Laender Evolution of Data Management What Who How Long Rel. model a theoretician one paper DBMS system people one book XML W3C committee

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Declaração DOCTYPE e Tag Raiz html

Introdução à Tecnologia Web HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Declaração DOCTYPE e Tag Raiz html IntroduçãoàTecnologiaWeb HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage DeclaraçãoDOCTYPEeTagRaizhtml ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger

Leia mais

Web Design Aula 11: XHTML

Web Design Aula 11: XHTML Web Design Aula 11: XHTML Professora: Priscilla Suene priscilla.silverio@ifrn.edu.br Motivação HTML 1.0-2.0: Havia hipertextos, não havia preocupação com a apresentação HTML 3: Guerra dos Browser (Microsoft

Leia mais

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE DOCUMENTOS XML

REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE DOCUMENTOS XML UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DE DOCUMENTOS XML TRABALHO DE GRADUAÇÃO Matheus Koehler Zanella Santa Maria, RS, Brasil 2011

Leia mais

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML

Introdução. aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML DICOM - XML Introdução aborda algumas das metodologias de conversão de imagens médicas no padrão DICOM para o padrão XML Introdução Até a década de 70, maioria dos dispositivos armazenava imagens em formatos

Leia mais

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br

XML extensible Markup Language. Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML extensible Markup Language Prof. Fellipe Aleixo fellipe.aleixo@ifrn.edu.br XML Projetada para transportar e armazenar dados (estruturados) Importante conhecer e fácil de entender Exemplo de documento

Leia mais

XML Schema. Vanessa Braganholo. Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo

XML Schema. Vanessa Braganholo. Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo XML Schema Vanessa Braganholo Curso baseado em mini-cursos apresentados no SBBD. Autores: Carlos Heuser, Carina Dorneles e Vanessa Braganholo XML Schema Utilizado para descrever a estrutura de um documento

Leia mais

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1

Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Professor: Paulo Macos Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 4/6/2011 1 Do inglês, Cascading Style Sheet, ou folha de estilo em cascata. É uma linguagem

Leia mais

Introdução de XML. Dados da Web. Gerência de Dados da Web. A Web representa, nos dias de hoje, um repositório universal de dados, onde:

Introdução de XML. Dados da Web. Gerência de Dados da Web. A Web representa, nos dias de hoje, um repositório universal de dados, onde: Dados da Web Introdução de XML Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM

Leia mais

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL

BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL BCValidador VALIDAÇÃO DE ARQUIVOS XML RECEBIDOS PELO BANCO CENTRAL DO BRASIL Deinf/Dine4 Versão 1.3 20/05/2013 Histórico de Revisão Data Versão Descrição Autor 06/11/2007 1.0 Elaboração da primeira versão

Leia mais

Capítulo 9: XML! Database System Concepts! Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)!

Capítulo 9: XML! Database System Concepts! Silberschatz, Korth and Sudarshan (modificado)! Capítulo 9: XML! XML para transferência de dados" Estrutura hierárquica do XML" DTDs e XML Schema" Consultas de documentos XML: Xpath " Consultas de documentos XML: XQuery" Transformação de documentos

Leia mais

DESCRIÇÃO, GERAÇÃO E DIFUSÃO DE POLÍTICAS DE SEGURANÇA

DESCRIÇÃO, GERAÇÃO E DIFUSÃO DE POLÍTICAS DE SEGURANÇA Sumário DESCRIÇÃO, GERAÇÃO E DIFUSÃO DE POLÍTICAS DE SEGURANÇA Filipe Caldeira 1, Edmundo Monteiro 2 caldeira@di.estv.ipv.pt, edmundo@dei.uc.pt Laboratório de Comunicações e Telemática Centro de Informática

Leia mais

Acessibilidade no SIEP (Sistema de Informações da Educação Profissional e Tecnológica) Módulo de Acessibilidade Virtual CEFET Bento Gonçalves RS Maio 2008 ACESSIBILIDADE À WEB De acordo com Cifuentes (2000),

Leia mais

IMPLEMENTANDO WRAPPERS XML E RELACIONAL PARA O CoDIMS

IMPLEMENTANDO WRAPPERS XML E RELACIONAL PARA O CoDIMS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO TATIANA MARA CÔCO IMPLEMENTANDO WRAPPERS XML E RELACIONAL PARA O CoDIMS VITÓRIA 2005 TATIANA MARA CÔCO IMPLEMENTANDO WRAPPERS

Leia mais

Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax

Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax Mais sobre uso de formulários Site sem Ajax Página com busca padrão 1 Página com o resultado da busca carregada no local da anterior (o formulário está vazio) Site com Ajax 2 Site usando Ajax para preencher

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010 HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Elementos da Seção do Cabeçalho

Introdução à Tecnologia Web 2010 HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Elementos da Seção do Cabeçalho IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage ElementosdaSeçãodoCabeçalho ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger

Leia mais

MÓDULO 1 - xhtml Básico

MÓDULO 1 - xhtml Básico MÓDULO 1 - xhtml Básico 1. Introdução xhtml significa Extensible Hypertext Markup Language (Linguagem de Marcação Hipertextual Extensível) e é a linguagem de descrição de documentos usada na World Wide

Leia mais

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira

WEBDESIGN. Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira WEBDESIGN Professor: Paulo Trentin paulo@paulotrentin.com.br http://www.paulotrentin.com.br Escola CDI de Videira 1 CDI - Curso de Webdesign - Prof. Paulo Trentin Objetivos para esta aula Debater sobre

Leia mais

IFSC-Programação para a WEB - prof. Herval Daminelli

IFSC-Programação para a WEB - prof. Herval Daminelli 1 Um script em PHP ou página HTML pode transferir dados para outro script em PHP no servidor de diversas maneiras. Algumas destas maneiras são: Por meio de formulários, usando o método GET ou POST; Através

Leia mais

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional)

2.Consulta UDDI. 3.Obtém URL, WSDL. 1.Registra. 4.Invoca o serviço. 5.Retorno (opcional) WS-* Desenvolvimento 1 Definição Web services são aplicações modulares auto- descritas e auto-contidas, que podem ser conectadas e acopladas a outros web services [IBM] são componentes de software com

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS - XQUERY. Prof. Angelo Augusto Frozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS - XQUERY. Prof. Angelo Augusto Frozza GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS - XQUERY Prof. Angelo Augusto Frozza XQUERY (XML QUERY LANGUAGE) XQuery é para XML o que o SQL é para Banco de Dados. XQUERY (XML QUERY LANGUAGE) XQuery é uma linguagem

Leia mais

Declaração do tipo de documento. Ana Cuper ana@instructor.com.br

Declaração do tipo de documento. Ana Cuper ana@instructor.com.br Declaração do tipo de documento Ana Cuper ana@instructor.com.br Declaração do tipo de documento Todo documento HTML deve começar com uma declaração. Esta declaração identifica o tipo de documento e aponta

Leia mais

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB

LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO WEB GABRIELA TREVISAN Formulários e Aula 3 Relembrando HTML 5 Tag Form o Utilizada para marcar a região do formulário. o Os atributos mais importantes são o method e o action.

Leia mais

Médio Integrado Aula 02 2014 Thatiane de Oliveira Rosa

Médio Integrado Aula 02 2014 Thatiane de Oliveira Rosa Aplicativos Web e Webdesign Aula 02 2014 Thatiane de Oliveira Rosa 1 Roteiro Tema: Introdução ao HTML Introdução ao HTML; Tags Estruturais; Títulos; Cabeçalhos; Parágrafos; 2 HTML HTML Hypertext Markup

Leia mais

XML & Banco de Dados

XML & Banco de Dados SECCOM - UFSC Semana de Cursos e Palestras da Computação Outubro/2004 XML & Banco de Dados Ronaldo dos Santos Mello INE / CTC / UFSC ronaldo@inf.ufsc.br Roteiro 1. Introdução 2. Tecnologia XML 3. Gerenciamento

Leia mais

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza

Técnicas e processos de produção. Profº Ritielle Souza Técnicas e processos de produção Profº Ritielle Souza INTRODUÇÃO HTML Sigla em inglês para Hyper Text Markup Language, traduzindo daria algo como Linguagem para marcação de Hipertexto. E o que seria o

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web 2010 HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Listas

Introdução à Tecnologia Web 2010 HTML HyperText Markup Language XHTML extensible HyperText Markup Language Seção do Corpo Listas IntroduçãoàTecnologiaWeb2010 HTML HyperTextMarkupLanguage XHTML extensiblehypertextmarkuplanguage SeçãodoCorpo Listas ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger SeçãodoCorpo Listas Índice

Leia mais

Folhas de estilo. Jomi Fred Hübner jomi@inf.furb.br. (XSL e XPath) FURB / DSC

Folhas de estilo. Jomi Fred Hübner jomi@inf.furb.br. (XSL e XPath) FURB / DSC Folhas de estilo (XSL e XPath) Jomi Fred Hübner jomi@inf.furb.br FURB / DSC Fevereiro, 2004 XML Stylesheet Language (XSL) XSL é uma linguagem para descrever folhas de estilo para documentos XML. Transformer

Leia mais

Instruções e Funcionalidades para geração e transmissão do SIB XML Versão 1.1.1

Instruções e Funcionalidades para geração e transmissão do SIB XML Versão 1.1.1 Instruções e Funcionalidades para geração e transmissão do SIB XML Versão 1.1.1 Estas instruções são válidas somente para arquivos XML gerados para atender o disposto na Resolução Normativa nº 295, de

Leia mais

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS

BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS BANCO DE DADOS GEOGRÁFICOS E WEBMAPPING -KML(KEYHOLE MARKUP LANGUAGE) Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza INTRODUÇÃO KML é um formato de arquivo usado para exibir dados geográficos

Leia mais

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa

Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android. Cristiano Costa Minicurso introdutório de desenvolvimento para dispositivos Android Cristiano Costa Desenvolvimento da interface estática Sobre mim Graduando em Engenharia Eletrônica - UNIFEI Trabalhou em desenvolvimento

Leia mais

BANCO DE DADOS. Ferramenta ERWin Parte 1. Introdução. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 9. Formas de trabalho. Formas de trabalho

BANCO DE DADOS. Ferramenta ERWin Parte 1. Introdução. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 9. Formas de trabalho. Formas de trabalho Banco de Dados / 1 Banco de Dados / 2 Introdução Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 9 Ferramenta ERWin Parte 1 Ferramenta da empresa Logic Works: Suporta várias metodologias Vamos usar

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais