Arquitetura Empresarial com TOGAF 9.1 e ArchiMate 2.1 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arquitetura Empresarial com TOGAF 9.1 e ArchiMate 2.1 1"

Transcrição

1 Arquitetura Empresarial com TOGAF 9.1 e ArchiMate Henk Jonkers, Dick Quartel, Bas van Gils, Henry Franken e Marc Lankhorst Sumário executivo O padrão ArchiMate para modelagem da arquitetura empresarial oferece suporte à modelagem completa através de todo o ciclo de desenvolvimento da arquitetura. Ele permite a descrição e visualização de diferentes domínios da arquitetura e seus relacionamentos, bem como a motivação por trás da arquitetura e o planejamento da implementação de projetos e da migração. A linguagem ArchiMate complementa o TOGAF, o método padrão do The Open Group para o desenvolvimento de arquiteturas corporativas. Neste artigo, destacamos o que há de novo nas novas versões destes dois padrões, e ilustramos a forma como eles podem ser usados em conjunto para fornecer uma abordagem de arquitetura corporativa integral. 1 ArchiMate e TOGAF são marcas registradas do The Open Group Data de publicação: 15 de Março de 2014 Tradução autorizada pelos autores 2014 BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 1

2 Sumário Introdução... 3 Uma Abordagem Integrada para a Arquitetura Corporativa... 3 Forma de trabalho: TOGAF... 4 Os componentes do TOGAF... 4 O Método de Desenvolvimento da Arquitetura (ADM-Architecture Development Method)... 4 Método de Modelagem: ArchiMate... 5 Resumo do núcleo do ArchiMate... 6 Resumo das extensões do ArchiMate... 7 ArchiMate e TOGAF... 8 Exemplo de caso: ArchiSurance... 9 Motivação... 9 Arquitetura de Negócio Arquitetura de Aplicativos Arquitetura de Dados Arquitetura Tecnológica Análise de Lacunas Sumário e Conclusões Referências BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 2

3 Introdução O TOGAF é a estrutura padrão e o método para o desenvolvimento de arquitetura empresarial do The Open Group. O ArchiMate, padrão de modelagem de arquitetura empresarial do The Open Group, foi desenvolvido com o objetivo de fornecer uma representação uniforme para descrições de arquitetura empresarial [4] [6]. Ele oferece uma abordagem arquitetônica integrada através da qual as organizações podem descrever e visualizar diferentes domínios de arquitetura, bem como seus relacionamentos e dependências subjacentes. Na Versão 2 da linguagem foram adicionados conceitos para modelar a motivação por trás da arquitetura, e para apoiar o planejamento da implementação e migração. Com estas extensões o ArchiMate fornece suporte à modelagem completa de todo o ciclo de desenvolvimento de arquitetura do TOGAF. Neste artigo, descrevemos uma abordagem integrada para a arquitetura empresarial com base nestes dois padrões do The Open Group. Nós apresentamos brevemente o TOGAF e o ArchiMate, e destacamos o que há de novo nas novas versões destes padrões. Nós ilustramos nossa abordagem com um exemplo. Uma Abordagem Integrada para a Arquitetura Corporativa Estruturas para a arquitetura corporativa variam em relação aos tipos de suporte que elas oferecem. Elas podem ter, entre outros, qualquer combinação dos seguintes ingredientes (veja a Figura 1): Um processo ("método de trabalho") para a criação de arquiteturas; ele pode ser acompanhado de orientações, técnicas e melhores práticas. Um conjunto ou classificação de pontos de vista. Uma linguagem ("método de modelagem") para descrever arquiteturas (definindo conceitos e relacionamentos, mas também uma notação). O conceito de um repositório (virtual) da arquitetura, possivelmente contendo artefatos arquitetônicos prédefinidos e modelos (de referência). Figura 1. Ingredientes de uma Abordagem de Arquitetura Empresarial Integrada TOGAF e ArchiMate têm uma firme base comum em sua noção compartilhada de arquitetura empresarial. Ambos adotam o conceito central de pontos de vista sobre um único repositório de modelos subjacente, visando um conjunto específico de partes interessadas e preocupações. Por outro lado, os padrões se complementam: o TOGAF oferece um método elaborado, incluindo processos, diretrizes e técnicas, para o desenvolvimento da arquitetura empresarial, enquanto o ArchiMate fornece uma linguagem bem definida, incluindo uma notação gráfica, para a modelagem da arquitetura empresarial. Juntos, estes dois padrões formam uma abordagem completa e integrada para a arquitetura corporativa BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 3

4 Método de trabalho: TOGAF Os componentes do TOGAF A estrutura principal do TOGAF 9.1 consiste de seis componentes: 1. O núcleo do TOGAF é formado pelo Método de Desenvolvimento da Arquitetura (ADM-Architecture Development Method), uma abordagem iterativa passo a passo para o desenvolvimento e implementação de uma arquitetura empresarial. As fases do ADM serão explicadas com mais detalhes abaixo. 2. Uma coleção de Orientações e Técnicas para apoiar a aplicação do ADM. As orientações abrangem a adaptação do ADM a fim de lidar com uma série de cenários de utilização, incluindo diferentes estilos de processo (por exemplo, o uso de iteração) e arquiteturas especializadas específicas (por exemplo, a arquitetura de segurança). As técnicas suportam tarefas específicas dentro do ADM, tais como, definição de princípios, cenários de negócios, análise de lacunas, planejamento de migração e gestão de riscos. 3. A Estrutura de Conteúdo da Arquitetura (ACF-Architecture Content Framework) fornece um modelo detalhado dos produtos dos trabalhos arquitetônicos,incluindo as entregas, artefatos dentro das entregas e os blocos de construção de arquitetura representados pelas entregas. Embora o ACF defina um metamodelo de conteúdo que especifica os tipos relevantes de blocos de construção, ele não fornece uma linguagem de modelagem completa; é aqui onde o ArchiMate complementa o TOGAF. 4. O Continuum Empresarial descreve uma visão do repositório da arquitetura (um conceito que também é trabalhado no TOGAF), e fornece métodos para a classificação dos artefatos de arquitetura e de solução, mostrando como os diferentes tipos de artefatos evoluem, e como eles podem ser aproveitados e reutilizados. Isto é baseado em arquiteturas (no Continuum da Arquitetura) e soluções (no Continuum das Soluções) existentes tanto na empresa como na indústria em geral, e que a empresa tenha coletado para uso no desenvolvimento das arquiteturas. 5. Dois Modelos de Referência para possível inclusão no Continuum Empresarial: o Modelo de Referência Técnica do TOGAF (TRM-Technical Reference Model) e o Modelo de Referência de Infra-estrutura de Informação Integrada (III-RM-Integrated Information Infrastructure Reference Model). 6. A Estrutura de Capacidades de Arquitetura (ACF-Architecture Capability Framework) é um conjunto de recursos, orientações, modelos e informações básicas fornecidas para ajudar o arquiteto a estabelecer a prática da arquitetura dentro da organização. O Método de Desenvolvimento da Arquitetura (ADM-Architecture Development Method) O núcleo do TOGAF é formado pelo Método de Desenvolvimento da Arquitetura (ADM-Architecture Development Method), uma abordagem iterativa passo a passo para o desenvolvimento e implementação de uma arquitetura empresarial (veja a Figura 2). Figura 2. ADM-Método de Desenvolvimento da Arquitetura [7] 2014 BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 4

5 As fases do ADM podem ser agrupadas em quatro partes principais, também mostradas na Figura 2: 1. "Comprometendo e envolvendo a organização": A Fase Preliminar prepara a organização como um todo para "trabalhar sob uma arquitetura", e envolve atividades como o estabelecimento de uma capacidade de arquitetura, adaptação dos métodos e técnicas da arquitetura para as características específicas da organização, e definição de um conjunto inicial de princípios de arquitetura; A Fase A, Visão da Arquitetura, prepara para um único ciclo de desenvolvimento da arquitetura, e inclui a formulação de uma visão de arquitetura com uma visão geral de alto nível da mudança pretendida. 2. "Obtendo a arquitetura correta" se refere à descrição da arquitetura de base atual e da arquitetura alvo, e uma análise das lacunas entre a linha de base e o alvo. As três fases neste grupo estão preocupadas com os três tipos principais de arquitetura: arquitetura do negócio (Fase B), arquitetura dos sistemas de informação (Fase C) e arquitetura tecnológica (Fase D). 3. "Fazendo a arquitetura funcionar" se preocupa com a implementação da arquitetura desenvolvida e com o planejamento da migração para a nova situação. Ela inclui a Fase E, Oportunidades e Soluções, em que os resultados da análise de lacunas são consolidados e potenciais pacotes de trabalho de implementação são identificados; Fase F, Planejamento de Migração, em que pacotes de trabalho são priorizados e um plano de migração é estabelecido; e Fase G, Governança da Implementação, que garante a conformidade dos projetos de implementação com a arquitetura. 4. "Mantendo o processo em funcionamento" está preocupado com a gestão, priorização e controle de versão dos requisitos na arquitetura. O processo central de Gerenciamento de Requisitos administra os requisitos durante o ciclo de desenvolvimento da arquitetura. Na Fase H, Gerenciamento de Mudança, novos requisitos são identificados, o que pode levar ao início de um novo ciclo de desenvolvimento da arquitetura. O TOGAF também inclui a identificação de pontos de vista, técnicas e modelos de referência. No entanto, ele não define uma linguagem de modelagem real. A Estrutura de Conteúdo de Arquitetura-ACF do TOGAF, de fato, identifica blocos de arquitetura relevantes, mas ela não constitui uma linguagem precisamente definida, nem fornece uma notação para estes blocos de construção. O ArchiMate complementa isto definindo uma linguagem de modelagem (gráfica) totalmente funcional, incluindo a definição dos pontos de vista relevantes. Esta linguagem também fornece uma visualização concreta dos pontos de vista identificados no TOGAF. Método de Modelagem: ArchiMate Dentro de organizações maiores pode-se, tipicamente, encontrar vários domínios de arquitetura, tais como as estruturas organizacionais, produtos, processos de negócio, sistemas de informação, aplicativos e infraestrutura técnica. Tradicionalmente, cada domínio da arquitetura emprega modelos e visualizações específicas, o que simplifica a comunicação, discussão e análise dentro do domínio. No entanto, os relacionamentos entre estes diferentes domínios são, em muitos casos, pouco claros. Além disso, estes domínios tendem a se sobrepor (pelo menos parcialmente). Assim sendo, o ArchiMate fornece uma maneira unificada para modelar as arquiteturas corporativas, ao mesmo tempo que integra os vários domínios e os descreve em uma forma facilmente legível. O ArchiMate está posicionado no nível de arquitetura empresarial, o que implica que a linguagem não fornece o nível de detalhe que é normalmente encontrado em linguagens utilizadas no "nível do design" [10], como BPMN [9] para o projeto de processos de negócios e UML [8] para o projeto de aplicativos e infra-estrutura técnica. O ArchiMate foi concebido de uma forma estruturada, através da definição de uma estrutura genérica que se torna específica nas diferentes camadas da arquitetura. Ele também define um conjunto limitado de tipos de relacionamentos que são usados em toda a linguagem. Finalmente, o ArchiMate fornece uma notação gráfica padrão para os conceitos e relacionamentos da modelagem. Nesta seção, nós discutimos brevemente a estrutura e os elementos principais da linguagem ArchiMate. No artigo A anatomia da linguagem Archimate [10] é fornecido um relato mais detalhado das exigências sobre a linguagem, e as decisões de design que sustentam a sua concepção BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 5

6 Figura 3. Integração dos domínios de arquitetura Em complemento ao núcleo o ArchiMate Versão 2 inclui duas extensões. Com estas extensões, o ArchiMate fornece suporte para a modelagem de todo o TOGAF ADM: A extensão Motivação define conceitos para modelar a motivação para as escolhas feitas no projeto da arquitetura. Isto inclui conceitos como parte interessada, direcionador, objetivo, requisito e princípio. Para os elementos de motivação foi definido um conjunto limitado de relacionamentos, em parte reutilizados a partir do núcleo do ArchiMate A extensão Implementação e Migração define conceitos para apoiar a identificação de projetos de implementação e o planejamento de migração. Isto inclui conceitos como pacote de trabalho, entrega, platô e lacuna O The Open Group também oferece um programa de certificação para os profissionais ArchiMate, ferramentas e cursos de formação. Resumo do Núcleo do ArchiMate O núcleo do ArchiMate define os conceitos para real modelagem das arquiteturas, conforme descrito em fases B, C e D do ADM do TOGAF. Esta é essencialmente a parte do ArchiMate descrita na versão 1.0 da linguagem, com exceção das alterações mencionadas anteriormente. A Figura 4 resume os conceitos mais utilizados do núcleo do ArchiMate, posicionados destro da estrutura do ArchiMate. O quadro identifica três camadas de arquitetura, que correspondem aproximadamente às três fases da arquitetura de desenvolvimento no TOGAF ADM: a camada de negócios, a camada de aplicativos e a camada de infraestrutura. Dentro de cada camada, três aspectos são descritos: a estrutura ativa, ou seja, as entidades que executam o comportamento (por exemplo, atores do negócio, componentes de aplicativos, os nós de infraestrutura), o comportamento propriamente dito (por exemplo, processos, funções e serviços), e a estrutura passiva, ou seja, os objetos (informação) que são processados como parte do comportamento BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 6

7 Figura 4. Resumo do núcleo do ArchiMate Resumo das Extensões do ArchiMate Conforme descrito nas seções anteriores, o núcleo do ArchiMate apoia principalmente a modelagem das arquiteturas nas Fases B, C e D no TOGAF ADM ("Obtendo a arquitetura correta" na Figura 2), como é ilustrado na Figura 13. Os modelos resultantes são utilizados como entrada para as fases subsequentes do ADM; conceitos de modelagem especificamente destinadas às outras fases - por exemplo, conceitos para os princípios de modelagem, objetivos e requisitos, ou conceitos para apoiar o planejamento da migração - foram adicionados a partir da versão 2.0 do ArchiMate, por meio de duas extensões: uma para descrever a motivação (por exemplo, as partes interessadas, os objetivos e requisitos), apoiando as fases "Comprometendo e envolvendo a organização" e "Mantendo o processo em funcionamento" na Figura 2, e uma para o planejamento da implementação e da migração, apoiando as fases em "Fazendo a arquitetura funcionar" da Figura 2. As próximas subseções descrevem estas duas extensões. A Figura 5 acrescenta as duas extensões à estrutura do ArchiMate, e mostra como os principais conceitos das extensões estão relacionados com o núcleo. A extensão Motivação do ArchiMate [1] acrescenta conceitos relacionados à modelagem de objetivos e o gerenciamento de requisitos de negócios. Eles podem ser usados para a identificação, descrição, análise e validação de objetivos e requisitos ao nível do negócio, e a sua realização através de modelos de arquitetura empresarial, descritos através dos conceitos fundamentais do ArchiMate. Os conceitos de motivação, baseados em fontes como o Modelo de Motivação de Negócios [11] do OMG, princípios de arquitetura [12] [13] e engenharia de requisitos orientada a objetivos [14] [15] [16] são usados para modelar as motivações, ou intenções, que fundamentam a concepção de uma arquitetura empresarial. Estas intenções influenciam, orientam e restringem o design da arquitetura. Intenções são perseguidas pelas partes interessadas, que podem ser indivíduos ou grupos, como uma equipe de projeto, uma empresa ou a sociedade. Além disso, as intenções podem ser organizadas em determinadas áreas de interesse, chamadas direcionadores, como a satisfação do cliente, a conformidade com a legislação ou a rentabilidade. As intenções reais são representadas por objetivos, princípios e requisitos. Objetivos representam algum resultado desejado - ou fim - que uma parte interessada quer alcançar; por exemplo, aumentar a satisfação do cliente em 10 por cento. Princípios e requisitos representam propriedades desejadas das soluções - ou meios - para realizar os objetivos. Princípios representam propriedades desejadas que são requeridas de todas as soluções possíveis em um determinado contexto; requisitos representam propriedades desejadas de soluções específicas, individuais. Por exemplo, um requisito "Use um sistema de CRM único" é uma especialização de um princípio "Os dados devem ser 2014 BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 7

8 armazenados apenas uma vez", através da sua aplicação à arquitetura atual da organização no contexto da gestão de dados de clientes. Uma restrição é um tipo específico de requisito que restringe a maneira pela qual um sistema é realizado. Requisitos são realizados por elementos do núcleo. Figura 5. Resumo das extensões do ArchiMate A extensão Implementação e Migração define uma série de conceitos adicionais que permitem a modelagem do processo de mudança da arquitetura e aumenta o conhecimento sobre essas mudanças, bem como a sua capacidade de gestão em termos de portfólio e gerenciamento de projetos e tomada de decisão. Ao definir conceitos tais como pacote de trabalho (para modelar o trabalho de implementação em diferentes níveis de granularidade, por exemplo, programas, projetos ou tarefas do projeto), entregas e o platôs é possível conectar o ArchiMate com padrões de gerenciamento de programas e projetos e com melhores práticas, tais como MSP [17], PRINCE2 [19] e PMBoK [18]. Entregas realizam platôs ou elementos do núcleo, e platôs agregam elementos do núcleo. Relacionamentos podem ser estabelecidos entre os modelos de arquitetura empresarial criados em diferentes momentos no tempo e os modelos de migração. Estas diferenças são capturadas pelo conceito de lacuna. Uma lacuna é um resultado importante de uma análise de lacunas nas fases B, C e D do TOGAF ADM e constitui uma entrada importante para o posterior planejamento da implementação e da migração. O conceito de lacuna está relacionado a dois platôs (por exemplo, linha de base e arquitetura-alvo, ou duas arquiteturas de transição sucessivas), e representa as diferenças entre estes platôs. ArchiMate e TOGAF A Figura 6 mostra um mapeamento global da estrutura do ArchiMate (núcleo e extensões) para as fases do TOGAF ADM. Como indicado anteriormente, os conceitos do núcleo são utilizados principalmente para modelar as arquiteturas reais nas Fases B, C e D ("Obtendo a arquitetura correta"). Além disso, as três camadas da estrutura do núcleo do ArchiMate correspondem estreitamente aos três principais tipos de arquitetura que são tratados nestas fases. Os conceitos da extensão de Motivação são especialmente úteis em fases iniciais do ADM ("Comprometendo e envolvendo a organização"), para apoiar a análise das partes interessadas e para a formulação dos princípios e objetivos do negócio, bem como nas fases de Gerenciamento de Mudança e de Gerenciamento de Requisitos ("Mantendo o processo em funcionamento") para modelar e gerenciar os requisitos e restrições. Finalmente, os conceitos da extensão Implementação e Migração apóiam principalmente as fases finais do ADM ("Fazendo a arquitetura funcionar"), para modelar programas e projetos de implementação, bem como platôs e lacunas para o planejamento de migração BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 8

9 Figura 6. Mapeamento entre o TOGAF ADM e o ArchiMate [6] Exemplo de caso: ArchiSurance Usando um pequeno exemplo baseado em uma companhia de seguros fictícia, ilustramos como as diferentes arquiteturas, conforme definidas no TOGAF, podem ser expressas usando os conceitos do núcleo do ArchiMate. A ArchiSurance é uma fusão de três empresas anteriormente independentes: Home & Away, para seguro residencial e de viagem, PRO-FIT, para seguro de automóveis, e Legally Yours, para o seguro de assistência jurídica. A nova empresa tem um único serviço de atendimento (front-office) e três escritórios de retaguarda (black-office) separados. A ArchiSurance tem planos para racionalizar o seu portfólio de aplicativos, integrando os aplicativos legados com funcionalidade similar das antigas empresas (que ainda estão em uso). Note-se que estes exemplos proporcionam uma ideia da linguagem ArchiMate, mas não mostram todos os conceitos. Para uma visão completa da linguagem, consulte a especificação do ArchiMate [6]. Motivação A Figura 7 mostra um fragmento do modelo de motivação para a alteração proposta. As preocupações das partes interessadas, modeladas como direcionadores, levam aos objetivos do negócio. Estes objetivos são realizados através de princípios, que por sua vez são tornados mais específicos em termos de requisitos BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 9

10 Figura 7. Exemplo da Extensão de Motivação Arquitetura de Negócio A Arquitetura de Negócio fornece o contexto para as trajetórias de desenvolvimento de sistemas, mostrando, entre outros, os principais serviços e processos de negócio, os atores e os papéis que executam nestes processos, e as informações (objetos) trocadas entre os processos. No nível mais alto de abstração, usamos funções de negócio para expressar a essência do que uma organização faz. Este é geralmente o seu aspecto mais estável. Na Figura 8, vemos parte da arquitetura de funções do negócio da nossa empresa-exemplo ArchiSurance. Figura 8. Arquitetura de Funções do Negócio 2014 BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 10

11 A Figura 9 mostra um exemplo de uma Arquitetura de Negócio expressa em ArchiMate. Assumimos que a arquitetura de negócio da ArchiSurance não muda no processo de racionalização dos aplicativos. A distinção entre os atores do negócio e papéis do negócio permite modelar os vários papéis que uma mesma pessoa ou unidade organizacional pode realizar em diferentes contextos. A figura também mostra um produto, que compreende uma série de serviços empresariais e um contrato. Estes serviços, por sua vez, são realizados pelos processos de negócio e são utilizados pelo ator de negócio Cliente em seus papéis de Segurado e Reclamante. Figura 9. Processos de Negócio e Arquitetura de Serviços Arquitetura de Aplicativos A Arquitetura de Aplicativos mostra os aplicativos ou componentes de aplicativos, seus relacionamentos e sua funcionalidade. A Figura 10 mostra a Arquitetura de Aplicativos de base da ArchiSurance. As funcionalidades que os aplicativos oferecem ao seu ambiente são modeladas como serviços. O conceito de serviço desempenha um papel central no ArchiMate, também na Arquitetura de Negócios e na Arquitetura Tecnológica (embora isto não seja mostrado no nosso exemplo), e, em particular, como um ponto de ligação entre as diferentes arquiteturas BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 11

12 Figura 10. Arquitetura de Aplicativos No ArchiMate, visões separadas podem ser usadas para mostrar os relacionamentos entre as diferentes arquiteturas. Como um exemplo, a Figura 11 mostra como os serviços da Arquitetura de Aplicativos são utilizados nos processos da Arquitetura do Negócio. Figura 11. Alinhamento Negócio-Aplicativo Arquitetura de Dados A Arquitetura de Dados mostra os principais objetos de dados utilizados dentro dos aplicativos, bem como seus relacionamentos. A Figura 12 mostra a Arquitetura de Dados da ArchiSurance, que assumimos não vai mudar no processo de racionalização dos aplicativos. Figura 12. Linha de Base e Alvo da Arquitetura de Dados 2014 BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 12

13 Arquitetura Tecnológica A Arquitetura Tecnológica mostra, entre outros, os dispositivos e software de sistema no qual são executados os aplicativos, os dispositivos de ligação em rede e os artefatos que formam a implementação física dos componentes de aplicativo ou objetos de dados. A Figura 13 mostra a linha de base da Arquitetura Tecnológica da ArchiSurance, mostrando que existem servidores de aplicativos separados para as diferentes aplicações de front-office e backoffice. Figura 13. Linha de Base da Arquitetura Tecnológica Nós podemos relacionar a arquitetura tecnológica com as arquiteturas de aplicativos e de dados através do uso de serviços, e a realização de componentes de aplicativos e dados através de artefatos, como mostrado na Figura 14. Figura 14. Alinhamento Aplicativo-Tecnologia Análise de Lacunas Um passo importante nas Fases B, C e D do TOGAF ADM é uma análise de lacunas, que revisa as diferenças entre a linha de base e a arquitetura alvo. Ela mostra que blocos de construção são transportados desde a linha de base até a arquitetura alvo, que blocos de construção são novos na arquitetura alvo (o que pode ser usado como uma base para decidir pela compra ou desenvolvimento destes blocos de construção), e quais os elementos que foram eliminados da arquitetura de base (de propósito ou acidentalmente, ou seja, uma análise de lacunas também pode ser utilizada como um mecanismo para validação da arquitetura alvo). Posteriormente, as Fases E, F e G do TOGAF ADM lidam com a implementação da arquitetura alvo proposta. O TOGAF sugere o uso de uma matriz de lacunas como uma técnica de análise de lacunas. No entanto, os modelos do ArchiMate também formam um ponto de partida útil para a análise de lacunas, e os resultados também podem ser apresentados como uma visão do ArchiMate. A Figura 15 mostra um exemplo disto para a Arquitetura Tecnológica BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 13

14 Figura 15. Análise de Lacunas da Arquitetura Tecnológica - Implementação e Planejamento de Migração A Figura 16 mostra um exemplo da utilização dos pacotes de trabalho e entregas. Ela mostra o programa de implementação da modernização dos sistemas de back-office da ArchiSurance. Este programa é dividido em uma série de projetos, que produzem entregas bem definidas. Papéis foram designados para realizar estas tarefas, incluindo a responsabilidade global do Gerente de Programa. Figura 16. Pacotes de Trabalho e Entregas Um importante pressuposto no TOGAF é que as diferentes arquiteturas são descritas através de diferentes estágios ao longo do tempo. Em cada uma das fases B, C, e D do ADM, uma Arquitetura de Linha de Base e uma Arquitetura Alvo são criadas, descrevendo a situação atual e a situação futura desejada. Na Fase E, Arquiteturas de Transição são definidas, mostrando a empresa em estados incrementais que refletem períodos de transição entre as Arquiteturas de Linha de Base e Alvo. Arquiteturas de Transição são usadas para permitir que pacotes de trabalho individuais e projetos sejam agrupados em portfólios e programas gerenciados, mostrando o valor para o negócio em cada estágio. A fim de apoiar este processo, foi introduzido o conceito de platô. A Figura 17 mostra um exemplo com uma única arquitetura de transição intermediária. Por exemplo, após a conclusão do projeto de integração de back-office, como descrito acima, uma situação intermediária é criada com um único back-office integrado, mas ainda com duas aplicações de CRM separadas. O conceito de lacuna é usado para mostrar a diferença entre dois platôs explícitos (uma diferença está geralmente associada com os elementos da arquitetura que são modificadas entre os platôs). Isto pode ser associado a um pacote de trabalho que tem de fechar esta lacuna BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 14

15 Figura 17. Conceitos de Planejamento de Migração Sumário e Conclusões Durante vários anos o TOGAF tem sido o método de arquitetura corporativa líder, desenvolvido e mantido por membros do The Open Group. O ArchiMate foi adotado como um outro padrão do The Open Group, visando a modelagem de arquiteturas empresariais. O ArchiMate fornece suporte à modelagem completa de todo o ciclo de desenvolvimento da arquitetura. TOGAF e ArchiMate têm uma visão compartilhada em relação à arquitetura empresarial, através do uso de pontos de vista e do conceito de um repositório comum subjacente de artefatos e modelos arquitetônicos; ou seja, eles têm uma base comum firme. No entanto, eles se complementam no que diz respeito à definição de um processo de desenvolvimento de arquitetura e na definição de uma linguagem de modelagem de arquitetura empresarial. O ArchiMate fornece uma visualização concreta para as arquiteturas e as visões propostas pelo TOGAF. Assim, estes dois padrões abertos complementares se reforçam mutuamente e ajudam a avançar a disciplina da arquitetura empresarial em geral. Para saber mais sobre este assunto e conhecer as ferramentas da BiZZdesign para modelagem da Arquitetura Empresarial, entre em contato com a Centus: (31) ou ou acesse nosso site em BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 15

16 Referências [1] W. Engelsman, H. Jonkers e D.A.C. Quartel, ArchiMate Extension for Modeling and Managing Motivation, Principles, and Requirements em TOGAF, artigo, The Open Group, Fevereiro de [2] H. Jonkers, H. van den Berg, M.-E. Iacob & D. Quartel, ArchiMate Extension for Modeling the TOGAF Implementation and Migration Phases, Artigo, The Open Group, Dezembro de [3] H. Jonkers, E. Proper, M. Turner, TOGAF and ArchiMate: A Future Together. A Vision for Convergence & Co-Existence. Artigo, The Open Group, Novembro de [4] M.M. Lankhorst et al., Enterprise Architecture at Work Modelling, Communication and Analysis, 3a edição, Primavera, [5] D.A.C. Quartel, W. Engelsman, H. Jonkers, M. J. van Sinderen, A Goal-Oriented Requirements Modeling Language for Enterprise Architecture. Em Proceedings of the 13th IEEE International EDOC Enterprise Computing Conference, Auckland, Nova Zelândia, Setembro de 2009, pp [6] The Open Group, ArchiMate 2.1 Specification, Van Haren Publishing, Também disponível em [7] The Open Group, TOGAF Version 9.1, Van Haren Publishing, Também disponível em [8] Object Management Group, Unified Modeling Language: Superstructure, v2.0. OMG Document Number formal/ , Agosto de 2005 [9] Object Management Group, Business Process Modeling Notation, v1.1. OMG Document Number formal/ , Janeiro de [10] M.M. Lankhorst, H.A. Proper, e H. Jonkers. The anatomy of the Archimate language. International Journal of Information System Modeling and Design (IJISMD), 1(1):1-32, [11] Object Management Group, Business Motivation Model (BMM) Specification. Relatório técnico dtc/ , Agosto de [12] D. Greefhorst and H.A. Proper. Architecture Principles - The Cornerstones of Enterprise Ar-chitecture. Enterprise Engineering Series. Primavera, Berlim, Alemanha, [13] H.A. Proper e D. Greefhorst. The Role of Principles in Enterprise Architecture. em H.A. Proper, M.M. Lankhorst, M. Schönherr, J. Barjis, e S.J. Overbeek (eds.), Proceedings of the 5th Workshop on Trends in Enterprise Architecture Research, TEAR 2010, Delft, The Netherlands, volume 70 of Lecture Notes in Business Information Processing, pp Primavera, Berlim, Alemanha, Novembro de [14] E.S.K. Yu e J. Mylopoulos. Understanding why in software process modelling, analysis, and design. Em Proceedings of the 16th international conference on Software engineering, Sorrento, Italy, Los Alamitos, California, pp , Los Alamitos, California, [15] G. Regev e A. Wegmann. Where do goals come from: the underlying principles of goal-oriented requirements engineering. Em Proceedings of the 13th IEEE International Conference on Requirements Engineering (RE05), Paris, França, Agosto de [16] A. Van Lamsweerde. Goal-Oriented Requirements Engineering: A Guided Tour. Em Proceedings of the 5th International Symposium on Requirements Engineering, [17] J. Chittenden e J. Van Bon, Programme Management Based on MSP: A Management Guide, Van Haren Publishing, [18] The Project Management Institute, Project Management Body of Knowledge. Relatório técnico, Novembro de [19] The Stationary Office, Managing Successful Projects with PRINCE2, BiZZdesign Todos os direitos reservados Página 16

Modelação dos mecanismos de controlo de acesso numa arquitectura empresarial

Modelação dos mecanismos de controlo de acesso numa arquitectura empresarial Modelação dos mecanismos de controlo de acesso numa arquitectura empresarial Tópicos de Investigação, MEIC, 27/01/2011 Ricardo Martins, 55391 Agenda Enquadramento e problema Objectivos e perguntas de investigação

Leia mais

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços

Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços Modelagem de Arquiteturas Organizacionais de TI Orientadas a Serviços João Paulo A. Almeida Núcleo de Estudos em Modelagem Conceitual e Ontologias (NEMO) Departamento de Informática Universidade Federal

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

Modelos de Negócio Alinhando a Estratégia de Negócios e a Arquitetura Empresarial

Modelos de Negócio Alinhando a Estratégia de Negócios e a Arquitetura Empresarial Modelos de Negócio Alinhando a Estratégia de Negócios e a Arquitetura Empresarial Henk Jonkers, Dick Quartel e Remco Blom Sumário executivo Embora a estratégia de negócios deva ser a base de qualquer mudança

Leia mais

TOGAF 9 Certified - Arquitetura Corporativa Curso Oficial reconhecido pelo The Open Group (TOGAF 9 Accredited TOGAF Training Course)

TOGAF 9 Certified - Arquitetura Corporativa Curso Oficial reconhecido pelo The Open Group (TOGAF 9 Accredited TOGAF Training Course) TOGAF 9 Certified - Curso Oficial reconhecido pelo The Open Group (TOGAF 9 Accredited TOGAF Training Course) Investimento (Sem prova de certificação): R$ 2.795,00 Opção 1 - À vista com 5% de desconto:

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Uma abordagem para extração de artefatos de software de modelos de Arquitetura Corporativa de TI

Uma abordagem para extração de artefatos de software de modelos de Arquitetura Corporativa de TI Uma abordagem para extração de artefatos de software de modelos de Arquitetura Corporativa de TI Gabriel M. Miranda, Paulo S. dos Santos Jr., Rodrigo F. Calhau, Mateus B. Costa Instituto Federal do Espírito

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio

Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Representando Características Autonômicas nos Processos de Negócio Karolyne Oliveira, Tarcísio Pereira, Emanuel Santos, Jaelson Castro Universidade Federal de Pernambuco UFPE, Recife, PE 50 740-560, Brazil

Leia mais

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can

versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento

UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento UNIVERSIDADE FUMEC Faculdade de Ciências Empresariais Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Informação e Gestão do Conhecimento Arquitetura de Dados: modelo conceitual e abordagem para criação e manutenção.

Leia mais

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação

Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Utilização da modelagem UML em um sistema de gerenciamento de uma franquia do setor de alimentação Use of UML modeling in a management system for a food franchising Richard B. N. Vital, Tatiane M. Vital.

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos

PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos PMONow! Serviço de Implantação de um Escritório de Projetos As organizações em torno do mundo estão implantando processos e disciplinas formais

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Por que conhecer o COBIT 5

Por que conhecer o COBIT 5 10Minutos Tecnologia da Informação Saiba quais são as novidades da versão 5 do COBIT Por que conhecer o COBIT 5 Destaques A utilização do COBIT 5 como guia de melhores práticas permite alinhar de modo

Leia mais

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP

RUP. Evolução. Principais Características do RUP. Principais Características do RUP RUP RUP Rational Unified Process ( Unificado de Desenvolvimento da Rational) Conjunto de passos que tem como objetivo atingir uma meta de software na ES, processo que visa a produzir o software - de modo eficiente

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Engenharia de Software Orientada a Serviços (SOA) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Engenharia de Software Orientada a Serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Copyright protected. Use is for Single Users only via a VHP Approved License. For information and printed versions please see www.vanharen.

Copyright protected. Use is for Single Users only via a VHP Approved License. For information and printed versions please see www.vanharen. TOGAF Versão 9.1 Um Guia de Bolso The Open Group Publicações disponíveis pela Van Haren Publishing Séries TOGAF: TOGAF Version 9.1 TOGAF Version 9.1 A Pocket Guide TOGAF 9 Foundation Study Guide, 2nd Edition

Leia mais

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i*

Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Avaliação de Modelos i* com o Processo AIRDoc-i* Cleice Souza 1, Cláudia Souza 1, Fernanda Alencar 2, Jaelson Castro 1, Paulo Cavalcanti 1, Monique Soares 1, Gabriela Guedes 1, Eduardo Figueiredo 3 1 Centro

Leia mais

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK

Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Uma visão geral da versão 2.0 do BABOK Cover this area with a picture related to your presentation. It can be humorous. Make sure you look at the Notes Pages for more information about how to use the template.

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP.

O modelo unificado de processo. O Rational Unified Process, RUP. Cursos: Sistemas de Informação Disciplina: Administração ADM Prof. Jarbas Avaliação: Prova B1, 5º/6º semestres Data: 27/09/2010 Nome: Gabarito RA: Assinatura: Turma: 1) Segundo as afirmações a seguir,

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS ITIL V3 GUIA DE MELHORES PRÁTICAS EM GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO ITIL V3 1.1. Introdução ao gerenciamento de serviços. Devemos ressaltar que nos últimos anos, muitos profissionais da

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Martha A. D. Abdala Centro Técnico Aeroespacial (CTA) martha@iae.cta.br Resumo Os processos utilizados na engenharia

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais

Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Gerenciamento de Projetos Modulo I Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - MÓDULO 3 - MODELAGEM DE SISTEMAS ORIENTADA A OBJETOS COM UML 1. INTRODUÇÃO A partir de 1980, diversos métodos de desenvolvimento de sistemas surgiram para apoiar o paradigma orientado a objetos com uma

Leia mais

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software

Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Notas de Aula 02: Processos de Desenvolvimento de Software Objetivos da aula: Introduzir os conceitos de um processo de desenvolvimento de software Definir os processos básicos Apresentar as vantagens

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança.

EMC Consulting. Estratégia visionária, resultados práticos. Quando a informação se reúne, seu mundo avança. EMC Consulting Estratégia visionária, resultados práticos Quando a informação se reúne, seu mundo avança. Alinhando TI aos objetivos de negócios. As decisões de TI de hoje devem basear-se em critérios

Leia mais

Trilhas Técnicas SBSI - 2014

Trilhas Técnicas SBSI - 2014 brunoronha@gmail.com, germanofenner@gmail.com, albertosampaio@ufc.br Brito (2012), os escritórios de gerenciamento de projetos são importantes para o fomento de mudanças, bem como para a melhoria da eficiência

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto

Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Gerenciamento de Projetos Modulo II Ciclo de Vida e Organização do Projeto Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com PMBoK Organização do Projeto Os projetos e o gerenciamento

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo?

O que é a UML? Introdução a UML. Objetivos da Modelagem. Modelos. A UML não é. Princípios da Modelagem. O que é um modelo? O que é a UML? Introdução a UML Linguagem Gráfica de Modelagem para: Visualizar Especificar Construir Documentar Comunicar Artefatos de sistemas complexos Linguagem: vocabulário + regras de combinação

Leia mais

Melhores Práticas em TI

Melhores Práticas em TI Melhores Práticas em TI Referências Implantando a Governança de TI - Da Estratégia à Gestão de Processos e Serviços - 2ª Edição Edição - AGUINALDO ARAGON FERNANDES, VLADIMIR FERRAZ DE ABREU. An Introductory

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Processos de Software

Processos de Software Processos de Software Prof. Sandro Bezerra (srbo@ufpa.br) Adaptado a partir de slides produzidos pelo Prof. Dr. Alexandre Vasconcelos 1/27 Processo Ação regular e contínua (ou sucessão de ações) realizada

Leia mais

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI

Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Fator Estratégico para a Governança e a Efetividade da TI Introdução Conceituação Transformando a TI: de Operacional para Estratégica Por que implementar Quem implementou Quem está implementando Como Implementar

Leia mais

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens

Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens Academia de Tecnologia da IBM White paper de liderança de pensamento Novembro de 2010 Estratégias para avaliação da segurança da computação em nuvens 2 Proteção da nuvem: do desenvolvimento da estratégia

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Processo Unificado (RUP)

Processo Unificado (RUP) Fases do Desenvolvimento Processo Unificado (RUP) Ulf Bergmann ulf@ime.eb.br Domínio do Problema Objetos Objetos do do Mundo Mundo real real Modelo Semântico Domínio da Solução Aplicação Interface Serviços

Leia mais

Curso de. Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI

Curso de. Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI Curso de Formação Executiva em Estratégia, Governança e Processos de TI Descrição da Ementa do Curso Como integrar negócio e tecnologia? Como maximizar o retorno sobre investimentos em projetos de Tecnologia

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos Grupo de Consultores em Governança de TI do SISP 20/02/2013 1 Agenda 1. PMI e MGP/SISP 2. Conceitos Básicos - Operações e Projetos - Gerenciamento de Projetos - Escritório de

Leia mais

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA

CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA CAMINHOS. PARA A GESTÃO PARA OS PROFISSIONAIS PARA A TECNOLOGIA Alguns conceitos GESTÃO PROFISSIONAIS TECNOLOGIA 2D Gestão de Informação documental (digital 2D ou impressa) ESCRITORIO DE ARQUITETURA EMPRESA

Leia mais

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI

MDMS-ANAC. Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC. Superintendência de Tecnologia da Informação - STI MDMS-ANAC Metodologia de Desenvolvimento e Manutenção de Sistemas da ANAC Superintendência de Tecnologia da Informação - STI Histórico de Alterações Versão Data Responsável Descrição 1.0 23/08/2010 Rodrigo

Leia mais

Rational Unified Process

Rational Unified Process Rational Unified Process Engenharia de Software Bruno Braun Fernando Coelho Jonatas Teixeira Vinicius Massuchetto Sobre o RUP Metodologia proprietária de desenvolvimento de software Iterativo e incremental

Leia mais

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge

4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge 58 4. PMBOK - Project Management Body Of Knowledge No Brasil, as metodologias mais difundidas são, além do QL, o método Zopp, o Marco Lógico do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Mapp da

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC DCC Departamento de Ciência da Computação Joinville-SC CURSO: Bacharelado em Ciência da Computação DISCIPLINA: ANPS Análise e Projeto de Sistemas AULA NÚMERO: 3 DATA: PROFESSOR: Murakami Sumário 1 APRESENTAÇÃO...1 2 DESENVOLVIMENTO...1 2.1 Revisão...1 2.1.1

Leia mais

Wesley Vaz, MSc., CISA

Wesley Vaz, MSc., CISA Wesley Vaz, MSc., CISA Objetivos Ao final da palestra, os participantes deverão ser capazes de: Identificar e compreender os princípios do Cobit 5; Identificar e conhecer as características dos elementos

Leia mais

Gerenciamento de Projetos

Gerenciamento de Projetos Gerenciamento de Projetos PMI, PMP e PMBOK PMI (Project Management Institute) Estabelecido em 1969 e sediado na Filadélfia, Pensilvânia EUA, o PMI é a principal associação mundial, sem fins lucrativos,

Leia mais

Guia de Modelagem de Casos de Uso

Guia de Modelagem de Casos de Uso Guia de Modelagem de Casos de Uso Sistema de e-commerce de Ações Versão 1.1 1 Histórico da Revisão. Data Versão Descrição Autor 13 de Setembro de 2008 1.0 Criação do documento Antonio Marques 28 de Setembro

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem:

1. Serviços SAP Business Transformation and Plan Os serviços SAP Business Transformation and Plan atualmente incluem: Descrição de Serviços Serviços Business Transformation and Plan O SAP Business Transformation and Plan é um serviço de consultoria e prototipagem para promover a inovação e transformação da Licenciada

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

Definição de Processos

Definição de Processos Definição de Processos Introdução Prof Ms Vinícius Costa de Souza www.inf.unisinos.br/~vinicius viniciuscs@unisinos.br Agenda Processos Definição Componentes Documentação Características Aplicações Nomenclaturas

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE O GERENCIAMENTO DE REQUISITOS E A SUA IMPORTÂNCIA EM PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Leonardo Manoel Mendes¹, Rogério Homem da Costa², Reinaldo Lorenso³ 1. Especializando do Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Análise e Projeto de Sistemas

Análise e Projeto de Sistemas Análise e Projeto de Sistemas Unified Modeling Language Benno Eduardo Albert benno@ufrj.br O que é modelagem Tripé de apoio ao desenvolvimento. Notação: UML Ferramenta: Rational Rose. 2 O que é modelagem

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita

Unified Process. Sueleni Mendez Batista. Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Unified Process Sueleni Mendez Batista Orientadora: Dra. Elisa Hatsue Moriya Huzita Processo de Desenvolvimento de Software 8O processo de desenvolvimento de software é um conjunto de atividades e resultados

Leia mais

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional

Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem. Serviços HP Cloud Professional Folheto Acelere sua jornada rumo à nuvem Professional Folheto Professional A HP oferece um portfólio abrangente de serviços profissionais em nuvem para aconselhar, transformar e gerenciar sua jornada rumo

Leia mais

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI

AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI CUSTOMER SUCCESS STORY Março 2014 AT&S Ganha Eficiência e Agilidade de Negócio com Melhor Gestão de TI PERFIL DO CLIENTE Indústria: Manufatura Empresa: AT&S Funcionários: 7.500 Faturamento: 542 milhões

Leia mais

Certificações do Governo Britânico para Gerenciamento de Projetos - Prince2

Certificações do Governo Britânico para Gerenciamento de Projetos - Prince2 Certificações do Governo Britânico para Gerenciamento de Projetos - Prince2 Paulo A. Ferreira, PMP paf@pafferreira.com.br Apresentação Consultoria e Capacitação em Gerenciamento de Projetos Especialista

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS

GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS GERENCIAMENTO DE PROJETOS EM UM ESCRITÓRIO DE ARQUITETURA: VISÃO TRADICIONAL X NEGÓCIOS BASEADOS EM PROJETOS Ana Carolina Freitas Teixeira¹ RESUMO O gerenciamento de projetos continua crescendo e cada

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com Conceito Com base nas definições podemos concluir que: Governança de de TI TI busca o compartilhamento de de decisões de de TI TI com os os demais dirigentes

Leia mais

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE

LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE LEVANTAMENTO DE REQUISITOS SEGUNDO O MÉTODO VOLERE RESUMO Fazer um bom levantamento e especificação de requisitos é algo primordial para quem trabalha com desenvolvimento de sistemas. Esse levantamento

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza

Modelagem OO com UML. Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Modelagem OO com UML Vítor E. Silva Souza (vitorsouza@inf.ufes.br) http://www.inf.ufes.br/ ~ vitorsouza Departamento de Informática Centro Tecnológico Universidade Federal do Espírito Santo Modelos Maneira

Leia mais

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai

Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug and play options, integrating systems Opções de plug and play, integrando sistemas Flavio de Nadai Plug & Play Options Integrating Systems Flávio De Nadai Desenvolvimento de Negócios Utilities & Telecom

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web

Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Informática Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Sistemas para Web } Com o forte crescimento do comércio eletrônico por

Leia mais