I Seminário de Pesquisas Eleitorais Agosto de 2003

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "I Seminário de Pesquisas Eleitorais Agosto de 2003"

Transcrição

1 I Seminário de Pesquisas Eleitorais Aspectos críticos da Legislação Eleitoral 25 e 26 de agosto de 2003 Márcia Cavallari Nunes

2 OBJETIVOS Debater de maneira propositiva os pontos polêmicos da atual legislação, buscando ainda maior transparência ao processo eleitoral no que se refere às pesquisas de opinião pública.

3 LEI 9.504/97 Caput do artigo 33 As entidades e empresas que realizarem pesquisas de opinião pública relativas às eleições ou aos candidatos, para conhecimento público, são obrigadas, para cada pesquisa, a registrar, junto à Justiça Eleitoral, até cinco dias antes da divulgação, as seguintes informações:...

4 DÚVIDA: Como contar os 5 dias a partir do registro para poder divulgar a pesquisa? Conta-se o dia do registro e divulga-se no sexto dia? Conta-se o dia posterior ao do registro e divulgase no quinto dia? Conta-se o dia do registro e divulga-se no quinto dia? Temos encontrado interpretações diferentes sobre este critério pelo país afora, por isso seria bom se tivéssemos esta interpretação explícita.

5 PONTO POLÊMICO: Redução do prazo de registro Sabemos que este ponto carece de alteração legal, não sendo facultado ao TSE alterá-lo por meio de resoluções. Entretanto, não há momento melhor para debater este tema do que este.

6 POR QUE REDUZIR O PRAZO DE REGISTRO DA PESQUISA? O prazo de 5 dias fixado pela lei hoje é incompatível com a rapidez em que mudanças ocorrem dentro de um pleito eleitoral, principalmente nos municipais. O processo é muito dinâmico e o prazo de cinco dias nos impede de aferir reflexos que fatos políticos possam ter nas intenções de voto do eleitor no momento em que ocorrem.

7 POR QUE REDUZIR O PRAZO DE REGISTRO DA PESQUISA? Além disso, o prazo de 5 dias fixado pela lei permite que ocorra especulações do mercado financeiro (eleições presidenciais) decorrente da contratação legítima de pesquisas para antecipar resultados ou tendências de pesquisas registradas que serão divulgadas por um ou outro instituto. Vale ainda ressaltar que o mercado das pesquisas fica bastante aquecido por esta situação, mas sabemos que para o país isto não é bom, todos nós lembramos o que vivemos recentemente nas últimas eleições presidenciais de 2002.

8 POR QUE REDUZIR O PRAZO DE REGISTRO DA PESQUISA? Acreditamos que é totalmente possível que este prazo seja reduzido para 2 ou 3 dias, pois é um espaço de tempo mais do que necessário para realizar uma pesquisa eleitoral sobretudo no âmbito municipal. O tema está posto ao debate, e sugerimos que, caso seja positiva sua conclusão, que este TSE seja o portador da solicitação de mudança legislativa, corroborando a já histórica posição este Órgão em sempre favorecer a modernidade com muito zelo.

9 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a I - o nome de quem contratou a pesquisa; II - valor e origem dos recursos despendidos no trabalho; III - metodologia e período de realização da pesquisa;

10 PONTO POLÊMICO: Valor dos recursos despendidos O preço final de uma pesquisa depende basicamente do tamanho da amostra, do tamanho do questionário, do tipo de análise que se fará dos resultados, etc. E por isso podem variar de pesquisa para pesquisa e de instituto para instituto. Entretanto, algumas vezes os institutos realizam pesquisas por iniciativa e recursos próprios para preencher alguma data vaga de divulgação e/ou acompanhar e entender melhor as evoluções das tendências de voto, e quando isto acontece há dúvidas sobre o valor a ser registrado (mercado ou interno).

11 PONTO POLÊMICO: Valor dos recursos despendidos Esta pode ser uma das razões para termos valores tão discrepantes nos vários registros de pesquisa para uma mesma localidade. Por isso, sugerimos que todos os institutos registrem o valor de mercado para pesquisas que são realizadas por iniciativa própria.

12 PONTO POLÊMICO: Origem dos recursos despendidos Não temos como investigar para cada cliente que nos solicita a realização de uma pesquisa eleitoral, com fins de divulgação, a origem de seus recursos. Registramos a pesquisa supondo que a origem dos recursos são provenientes do próprio contratante e nos eximimos de qualquer responsabilidade no que se refere a esta questão.

13 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a IV - o plano amostral e ponderação quanto a sexo, idade, grau de instrução, nível econômico e área física de realização do trabalho, intervalo de confiança e margem de erro;

14 PONTO POLÊMICO: Ponderação Algumas vezes os registros não são aceitos porque não apresentam os fatores de ponderação. Na grande maioria das vezes as amostras são inteiramente proporcionais e não necessitam de ponderação (fatores iguais a 1). Além disso, faz-se necessário esclarecer que o que se quer é a descrição do plano amostral e não as proporções de cada segmento que serão entrevistados (em amostras probabilísticas não temos como saber estas proporções a priori).

15 PONTO POLÊMICO: Intervalo de confiança e margem de erro O cálculo da margem de erro de uma pesquisa depende do tamanho da amostra e dos resultados encontrados na mesma. Não existe um erro amostral único e fechado como comumente vemos divulgados. Portanto, não temos como calcular a margem de erro de uma pesquisa antes de realizá-la. Fazemos o registro desta informação assumindo uma estimativa aproximada de erro máximo, considerando um modelo de amostra aleatória simples, o que na prática não é exato.

16 SUGESTÃO Por isso, sugerimos que este item seja esclarecido na próxima Resolução da seguinte forma: IV descrição do plano amostral e ponderação, se necessário, quanto a sexo, idade, grau de instrução, nível econômico e área física de realização do trabalho. Obrigatoriedade da informação da margem de erro e do intervalo de confiança somente no momento da divulgação da pesquisa (Artigo 6 o ) e não a priori no momento do registro.

17 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a V - sistema interno de controle e verificação, conferência e fiscalização da coleta de dados e do trabalho de campo, especificando o local da pesquisa, com indicação do município e dos bairros em que realizada;

18 PONTO POLÊMICO: Indicação dos municípios e dos bairros Na primeira leitura esta exigência parece dar lisura e confiabilidade às pesquisas eleitorais, na medida que torna viável avaliar a representatividade e dispersão geográfica da amostra. Entretanto, o registro prévio de 5 dias exigidos pela lei torna possível que se tente manipular o resultado da pesquisa de uma forma extremamente simples e sem maiores dificuldades.

19 PONTO POLÊMICO: Indicação dos municípios e dos bairros Sabendo previamente os bairros nos quais a pesquisa será realizada, bastará que o interessado foque seus esforços de campanha nestes locais pré-determinados para influenciar os resultados da pesquisa. Ainda neste ponto, cabe uma questão de ordem prática: existem diferentes conceitos sobre bairros e a inexistência de catalogação de todos os bairros existentes nos municípios do território nacional (IBGE têm cerca de 500 bairros listados nos municípios do Brasil).

20 PONTO POLÊMICO: Indicação do município e dos bairros Em matéria já analisada pelo TSE, na Resolução , decidiu-se que a relação de municípios e bairros fosse apresentada no momento da divulgação da pesquisa, entretanto, isto requer que a cada nova pesquisa realizada seja selecionada uma amostra diferente, pois a partir daquele momento a mesma já é conhecida de todos.

21 SUGESTÃO Entendemos que a dispensa da apresentação prévia dos bairros não implicará em qualquer prejuízo à lisura do processo eleitoral na medida que o artigo 34, 1 o da lei 9.504/97 e o artigo 7 o da resolução n o /01, possibilitam um pleno controle das pesquisas pelo Estado, Ministério Público e pelos partidos políticos, mesmo porque a denominada área física da realização do trabalho continuará sendo apresentada por exigência legal.

22 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a VI - questionário completo, aplicado ou a ser aplicado; VII - o nome de quem pagou pela realização do trabalho.

23 PONTO POLÊMICO: Questionário completo Entendemos que a exigência da apresentação do questionário completo se faz necessária para avaliar qualquer efeito que a ordem das perguntas possa exercer na intenção de voto do eleitor. Entretanto, freqüentemente, somos proibidos de aplicar perguntas feitas após a intenção de voto, tais como avaliação da atual administração. Por isso, sugerimos que seja registrado o questionário a ser aplicado até o ponto onde há informações a serem divulgadas.

24 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a Art. 3 o - Os pedidos de registro de que cuida o artigo anterior serão instruídos ainda com o extrato do contrato social da requerente e com a qualificação completa dos responsáveis legais, bem como com o endereço, o número de fax ou o correio eletrônico em que receberá notificações e comunicados da Justiça Eleitoral.

25 SUGESTÃO INSTRUMENTAL Pleiteamos que o envio do contrato social seja feito apenas uma vez e não a cada registro de uma nova pesquisa. Sugerimos que o contrato social seja cadastrado quando a primeira pesquisa for realizada naquele município ou mediante um requerimento prévio pelo qual o contrato social ficará depositado na Zona Eleitoral para ser compulsado por qualquer pessoa.

26 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a Art. 6 o - Na divulgação dos resultados da pesquisa, serão informados, obrigatoriamente, o período da realização da coleta de dados e as respectivas margens de erro e o nome de quem a contratou e da entidade ou empresa que a realizou. Estas exigências atendem aos padrões mínimos de divulgação de pesquisa.

27 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a Art. 7 o - Mediante requerimento ao órgão competente da Justiça Eleitoral, os partidos poderão ter acesso ao sistema interno de controle, verificação e fiscalização da coleta de dados das entidades que divulgaram pesquisas de opinião relativas às eleições, incluídos os referentes à identificação dos entrevistadores e, por meio de escolha livre e aleatória de planilhas individuais, mapas ou equivalentes, confrontar e conferir os dados publicados, preservada a identidade dos respondentes (Lei n o 9.504/97, art. 34, 1 o ).

28 PONTO POLÊMICO: Onde dar o acesso Os institutos de pesquisa atuam nacionalmente, mas na grande maioria dos casos, centralizam a compilação dos resultados das pesquisas em sua sede (matriz). Portanto, o acesso só pode ser dado em sua sede, onde está localizado todo o material da pesquisa. Entretanto, já recebemos punições por não darmos acesso aos partidos nos municípios onde as pesquisas foram realizadas.

29 PONTO POLÊMICO: Por meio de escolha livre e aleatória de planilhas individuais Aqui temos duas situações: Dar acesso ao relatório que foi entregue ao cliente para que o interessado possa conferir se o que o foi realmente divulgado foi entregue pelo instituto. Dar acesso aos questionários aplicados para que os interessados possam contar e verificar se os dados divulgados conferem com os que foram coletados nos questionários.

30 PONTO POLÊMICO: Por meio de escolha livre e aleatória de planilhas individuais Na segunda situação o acesso a partes não confere o todo, ou se confere tudo ou não se chegará aos resultados da pesquisa. Além disso, o interessado não pode divulgar na imprensa as conclusões tiradas com parte da conferência feita, como de fato já ocorreu.

31 SUGESTÃO Art. 7 o - Mediante requerimento ao órgão competente da Justiça Eleitoral, os partidos poderão ter acesso, na sede da empresa (ou no local determinado pela empresa), ao sistema interno de controle, verificação e fiscalização da coleta de dados das entidades que divulgaram pesquisas de opinião relativas às eleições, incluídos os referentes à identificação dos entrevistadores e, às planilhas individuais, mapas ou equivalentes, confrontar e conferir os dados publicados, preservada a identidade dos respondentes (Lei n o 9.504/97, art. 34, 1 o ).

32 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a 1 o Imediatamente após tornarem pública a pesquisa, as empresas e entidades mencionadas no artigo anterior colocarão à disposição dos partidos ou coligações as informações registradas na Justiça Eleitoral e outras que possam ser divulgadas, bem como os resultados. Esses dados poderão ser fornecidos em meio magnético ou impresso ou encaminhados por correio eletrônico, quando solicitados.

33 PONTO POLÊMICO: As informações registradas na Justiça Eleitoral Entendemos que não temos que fornecer novamente aos partidos políticos os dados e documentos já tornados públicos quando do registro da pesquisa, mais especificamente as informações constantes no artigo 33 da Lei 9.504/97. Muitas vezes somos obrigados a remeter tais documentos a partidos políticos por ser mais cômodo nos exigi-los do que ir até o TRE ou à Zona Eleitoral.

34 SUGESTÃO Com base em nossa experiência, formulamos as seguintes propostas: Isentar os institutos de pesquisa de enviarem aos partidos políticos as informações e documentos constantes do registro da pesquisa eleitoral previamente protocolados na Justiça Eleitoral. Permitir que a publicação do resultado seja feita diretamente nos TREs ou nas zonas eleitorais, sendo facultado ao instituto de pesquisa enviar por correio postal ou eletrônico, uma via do relatório da pesquisa diretamente para o órgão competente para seu registro, facultando-se o acesso aos partidos políticos.

35 SUGESTÃO Facultar que os institutos de pesquisa tornem públicos os resultados da pesquisa por intermédio da Internet, isentando-os de fornecer de forma impressa os dados que estiverem publicados em sua página. Facultar aos partido políticos que cadastrem nos institutos de pesquisa endereços eletrônicos para receber os resultados das pesquisas divulgadas por esta via.

36 PONTO POLÊMICO: Bem como os resultados Aqui cabe esclarecer que estes resultados referem-se aos que foram divulgados e não aos da pesquisa como um todo. Este é um ponto bastante polêmico, a interpretação depende de cada parte interessada.

37 SUGESTÃO 1 o Imediatamente após tornarem pública a pesquisa, as empresas e entidades mencionadas no artigo anterior colocarão à disposição dos partidos ou coligações as informações que possam ser divulgadas, bem como os resultados publicados. Esses dados poderão ser fornecidos em meio magnético ou impresso ou encaminhados por correio eletrônico, quando solicitados.

38 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a Art. 8 o - A divulgação de pesquisa sem o prévio registro das informações de que trata o art. 2 o destas instruções sujeita os responsáveis a multa no valor de R$53.205,00 (cinqüenta e três mil duzentos e cinco reais) a R$ ,00 (cento e seis mil quatrocentos e dez reais) (Lei n o 9.504/97, art. 33, 3 o ).

39 PONTO POLÊMICO: Sujeita os responsáveis a multa Outro ponto objeto de muito conflito nas eleições é a divulgação (vazamento de informações ou sua obtenção por meios espúrios) de pesquisas não registradas. Sempre que uma pesquisa é contratada com fins de não divulgação, os institutos inserem uma cláusula em seus contratos que vedam os clientes de promover qualquer publicação da mesma, no entanto, vez ou outra, parte dos resultados da pesquisa são publicados.

40 PONTO POLÊMICO: Sujeita os responsáveis a multa Sugerimos, então que sejam feitas imputações expressas da multa aos contratantes da pesquisa, à imprensa e aos candidatos e partidos políticos que divulgarem a pesquisa não registrada. Ao mesmo tempo, inserir uma ressalva de que os institutos de pesquisa se isentam da sanção, caso provem que ela decorreu de ato exclusivo de terceiro. Não objetivamos a isenção desta multa, mas somente a regulamentação do que a palavra responsáveis contida na lei significa.

41 SUGESTÃO Art. 8 o - A divulgação de pesquisa sem o prévio registro das informações de que trata o art. 2 o destas instruções sujeita o instituto de pesquisa, o contratante da pesquisa, o órgão de imprensa, o candidato, o partido político ou outro responsável a multa no valor de R$53.205,00 (cinqüenta e três mil duzentos e cinco reais) a R$ ,00 (cento e seis mil quatrocentos e dez reais) (Lei n o 9.504/97, art. 33, 3 o ), salvo demonstrado pelo instituto de pesquisa que tomou as cautelas necessárias para evitar a divulgação de pesquisa não registrada.

42 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a Art. 11 o - Nas pesquisas feitas mediante apresentação ao respondente da relação de candidatos, dela deverá constar o nome de todos aqueles que tenham solicitado o registro da candidatura. Esta exigência só pode ser cumprida, após o registro definitivo das candidaturas e as pesquisas pré-campanha são realizadas desde agora.

43 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a Art. 12 o - As pesquisas eleitorais poderão ser divulgadas a qualquer tempo, inclusive no dia das eleições (CF, art. 220, 1o; Ac.-TSE n o , de ). Comumente somos surpreendidos com proibição de realização da pesquisa no dia da eleição.

44 RESOLUÇÃO N o Instrução n o 54 - Classe 12 a De modo geral, não há quaisquer fundamentos para referida proibição, apenas o argumento de que sua realização não está prevista na Resolução do TSE, incluindo muitas vezes a prisão de nossos funcionários, por estarem única e exclusivamente exercendo sua função. Por isso, sugerimos constar não só a divulgação da previsão da divulgação das pesquisas no dia da eleição, como a sua realização.

45 SUGESTÃO Art. 12 o - As pesquisas eleitorais poderão ser realizadas e divulgadas a qualquer tempo, inclusive no dia das eleições (CF, art. 220, 1o; Ac.-TSE n o , de ).

46 CONSIDERAÇÕES FINAIS Divulgação de pesquisas em horário eleitoral Vários partidos políticos utilizam resultados de pesquisas em suas propagandas em proveito próprio no horário eleitoral. É comum a divulgação do resultado da pesquisa indicar apenas o nome do interessado na propaganda eleitoral, ou usar representações gráficas que favoreçam o interessado.

47 CONSIDERAÇÕES FINAIS Divulgação de pesquisas em horário eleitoral Sugerimos que quando houver divulgação de pesquisa dentro do horário eleitoral seja obrigatória a menção de todos os candidatos, com mais de 1% de intenção de voto, e que se cumpra integralmente o procedimento para a divulgação de pesquisa (Artigo 6 o da Resolução /01).

48 CONSIDERAÇÕES FINAIS Republicação de pesquisas Sugerimos também que as republicações de pesquisas sejam legisladas com os mesmos procedimentos da primeira divulgação. Ficamos ainda com o problema da panfletagem, muito comum em eleições municipais. Como resolver esta questão?

49 CONSIDERAÇÕES FINAIS Obrigatoriedade de divulgação de pesquisa registrada Sugerimos também que pesquisa registrada deve ser obrigatoriamente divulgada. Duas situações: O cliente compra a pesquisa para divulgação, portanto procedemos imediatamente ao registro da pesquisa e após conhecer os resultados desiste de divulgá-la (gera especulação). O cliente compra a pesquisa para uso interno da campanha, mas após conhecer os resultados quer divulgá-la, somente neste momento procederemos com o registro da pesquisa e somente após os 5 dias a mesma poderá ser divulgada (tempo grande entre a execução da pesquisa e sua divulgação).

50 CONSIDERAÇÕES FINAIS Obrigatoriedade de divulgação de pesquisa registrada Na segunda situação, corremos o risco de que quando os resultados forem divulgados não reflitarão mais a realidade daquele momento, induzindo o eleitor a uma interpretação errada. Como resolver esta questão?

51 OBRIGADA PELA ATENÇÃO FIM

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº 22.143. INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº 22.143 INSTRUÇÃO Nº 100 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Caputo Bastos. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O Tribunal Superior Eleitoral, usando das atribuições

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília).

RESOLUÇÃO Nº. INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 112 - CLASSE 12ª - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Ari Pargendler. Dispõe sobre pesquisas eleitorais. O TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, usando das atribuições que

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS

ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO PIAUÍ SECRETARIA JUDICIÁRIA COORDENADORIA DE JURISPRUDÊNCIA E DOCUMENTAÇÃO GUIA PRÁTICO 1 ROTEIRO PARA PESQUISAS ELEITORAIS RESOLUÇÃO TSE Nº 23.364/2011 ELEIÇÕES 2012 REGISTRO

Leia mais

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral.

RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. RESOLUÇÃO 23.190 INSTRUÇÃO Nº 127 CLASSE 19ª BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre pesquisas eleitorais (Eleições de 2010).

Leia mais

CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL RESOLUÇÃO N 23.190 INSTRUÇÃO N 127 - CLASSE 19 BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL. Relator: Ministro Arnaldo Versiani. Interessado: Tribunal Superior Eleitoral. Dispõe sobre pesquisas

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº xxx-xx.xxxx.x.xx.xxxx CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº xx.xxx INSTRUÇÃO Nº 952-19.2013.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Dias Toffoli Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para as eleições de 2016. O Tribunal

Leia mais

INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 23.364 INSTRUÇÃO Nº 1161-56.2011.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Arnaldo Versiani Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Ementa: Dispõe sobre pesquisas eleitorais

Leia mais

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 PRESIDÊNCIA (NÃO HÁ PUBLICAÇÕES NESTA DATA) SECRETARIA JUDICIÁRIA Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções Resolução PUBLICAÇÃO

Leia mais

Instituto Konsultta. Pesquisa Eleitoral. Cascavel 26/10/2012 Registro TSE: PR-00707/2012

Instituto Konsultta. Pesquisa Eleitoral. Cascavel 26/10/2012 Registro TSE: PR-00707/2012 Instituto Konsultta Pesquisa Eleitoral Cascavel 26/10/2012 Registro TSE: PR-00707/2012 www.institutokonsultta.com Instituto Konsultta Número do protocolo: PR-00707/2012 Data de registro: 20/10/2012 Data

Leia mais

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA LEI Nº 9.504, DE 30 DE SETEMBRO DE 1997 Estabelece normas para as eleições. O VICE-PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no exercício do cargo de PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS

REGULAMENTO ELEITORAL 2015 COMITÊ GESTOR DO PSAP DA DUKE ENERGY PARTICIPANTES ASSISTIDOS 1. FINALIDADE 1.1. O presente Regulamento tem por finalidade estabelecer normas e procedimentos para a eleição do Representante Suplente dos participantes Assistidos, do Plano de Suplementação e Aposentadorias,

Leia mais

REGISTRO DE CANDIDATO

REGISTRO DE CANDIDATO LEGISLAÇÃO APLICÁVEL - Constituição Federal - Código Eleitoral (Lei n. 4737/65) - Lei n. 9.504/97 (Lei das Eleições) - Lei Complementar n. 64/90 (Lei das Inelegibilidades) DISPOSIÇÕES GERAIS REGISTRO DE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO

RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO RESOLUÇÃO Nº 6/2013 (ELEIÇÕES-IBDFAM) ADITIVO Dispõe sobre os procedimentos, critérios, condições de elegibilidade, normas de campanha eleitoral e pressupostos de proclamação dos eleitos nas eleições do

Leia mais

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes

CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL. Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes CÁLCULO DO TAMANHO DA AMOSTRA PARA UMA PESQUISA ELEITORAL Raquel Oliveira dos Santos, Luis Felipe Dias Lopes Programa de Pós-Graduação em Estatística e Modelagem Quantitativa CCNE UFSM, Santa Maria RS

Leia mais

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão

Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão Política de Negociação de Valores Mobiliários de Emissão da KROTON EDUCACIONAL S.A. I Definições e Adesão 1. As definições utilizadas no presente instrumento têm os significados que lhes são atribuídos

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Versão 10-Set-15 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS POLO CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito

Leia mais

FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - CEPPE EDITAL Nº 03 CEPPE, DE 07 DE JULHO DE 2015

FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - CEPPE EDITAL Nº 03 CEPPE, DE 07 DE JULHO DE 2015 FACULDADE GUILHERME GUIMBALA CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO - CEPPE EDITAL Nº 03 CEPPE, DE 07 DE JULHO DE 2015 Oferta de curso de pós-graduação (lato sensu), em nível de especialização em

Leia mais

PESQUISA ELEITORAL NOVA UBIRATÃ/MT. Assunto: ELEIÇÕES 2012

PESQUISA ELEITORAL NOVA UBIRATÃ/MT. Assunto: ELEIÇÕES 2012 PESQUISA ELEITORAL NOVA UBIRATÃ/MT Assunto: ELEIÇÕES 2012 Período: 25/09/2012 a 27/09/2012 1 Especificações Técnicas: Público Pesquisado: Eleitores da Cidade de NOVA UBIRATÃ - MT Período de Campo: 25/09/2012

Leia mais

Código de Conduta AeC para Atividades Políticas. Código de Conduta para Atividades Políticas

Código de Conduta AeC para Atividades Políticas. Código de Conduta para Atividades Políticas Código de Conduta para Atividades Políticas 2012 Índice Mensagem dos Acionistas O que é o Código de Conduta Quem deve segui-lo Direitos e Deveres Regras de Conduta Disposições Finais Mensagem dos Acionistas

Leia mais

9ª PESQUISA ELEITORAL REGISTRADA - 2º TURNO

9ª PESQUISA ELEITORAL REGISTRADA - 2º TURNO ESPECIFICAÇÕES DA PESQUISA METODOLOGIA E PERÍODO DE REALIZAÇÃO DA PESQUISA PLANO AMOSTRAL PÚBLICO PESQUISADO PESQUISA A SER FEITA COM METODOLOGIA PROBABILÍSTICA E ALEATÓRIA EM CLUSTERS (CONGLOMERADOS).

Leia mais

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto;

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto; Política de Exercício de Direito de Voto em assembleias gerais de fundos de investimento e companhias emissoras de valores mobiliários que integrem as carteiras dos fundos de investimento geridos pela

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. 1 Definição e Finalidade O objetivo desta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ) é estabelecer os princípios

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE MERCADO SDM

SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE MERCADO SDM São Paulo, 12 de dezembro de 2014. À COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS CVM Rua Sete de Setembro, nº 111 Rio de Janeiro, RJ SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DE MERCADO SDM At.: Ilma. Sra. Flavia Mouta

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO E EXPLICATIVO

BOLETIM INFORMATIVO E EXPLICATIVO BOLETIM INFORMATIVO E EXPLICATIVO ELEIÇÕES CRF/MS 2011 WEB VOTO No próximo dia 10 de novembro de 2011, no horário das 8h às 18h (horário local MS), acontece as Eleições 2011 no Conselho Regional de Farmácia

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF);

RESOLUÇÃO N 2.025. 10. número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF); RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

Eleições 2008 - Sistemas de registro de candidaturas

Eleições 2008 - Sistemas de registro de candidaturas Módulo II - 2º dia de aula >>2. Considerações iniciais>>2.4. Sistema de Candidaturas módulo externo CandEx Cartilha CandEx O CandEx, módulo externo do sistema de candidaturas, foi desenvolvido pelo Tribunal

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE

ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE ANEXO II ACORDO DE CONFIDENCIALIDADE TELEFONICA BRASIL S.A, com sede à Rua Martiniano de Carvalho, nº. 851, na cidade de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob nº. 02.558.157/0001-62, neste ato representada

Leia mais

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2

MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 MEDIDA: RESPONSABILIZAÇÃO DOS PARTIDOS POLÍTICOS E CRIMINALIZAÇÃO DO CAIXA 2 16ª P R O P O S T A L E G I S L A T I V A ANTEPROJETO DE LEI Altera a Lei 9.096/95 para prevê a responsabilização dos partidos

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPIO DE SANGÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO N 003/2015

ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICIPIO DE SANGÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E CULTURA EDITAL DE PROCESSO SELETIVO N 003/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO N 003/2015 O Prefeito Municipal de Sangão, Sr. Castilho Silvano Vieira, no uso de suas atribuições conferidas pela Lei Orgânica do município, torna público a realização do processo

Leia mais

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral

Prestação de Contas Eleitoral. Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Prestação de Contas Eleitoral Flávio Ribeiro de Araújo Cid Consultor Eleitoral Janeiro de 2006 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DA PRESTAÇÃO DE CONTAS PARA AS ELEIÇÕES DE 2006 Trata-se de um tema revestido

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS LANX CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS LANX CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS LANX CAPITAL INVESTIMENTOS LTDA. CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Legal Brasil e Uruguai

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Legal Brasil e Uruguai Nível 3 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Legal Brasil e Uruguai 1 ÍNDICE 1. Definição e Finalidade... 3 2. Princípios Gerais... 3 3. Matérias Relevantes Obrigatórias... 4

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto I Aplicação e Objeto 1.1. A ARSA INVESTIMENTOS LTDA. ( ARSA ) vem por meio desta, nos termos do Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para os Fundos de

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005.

RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005. RESOLUÇÃO CEPE Nº 085, DE 16 DE AGOSTO DE 2005. REGULAMENTA REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS/CERTIFICADOS DE PÓS-GRADUAÇÃO, EXPEDIDOS POR ESTABELECIMENTOS ESTRANGEIROS DE ENSINO SUPERIOR. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013

GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013 GARDEN CITY PARTICIPAÇÕES E GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS DEZEMBRO/2013 1 A presente Política de Voto encontra-se: (i) registrada na ANBIMA (Associação

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS PAINEIRAS INVESTIMENTOS I Aplicação e Objeto 1.1. A Paineiras Investimentos ( Gestor ), vem por meio desta, em conformidade com o Código de

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS EDITAL N o 002/2013, DO CONSELHO DA FACULDADE DE GESTÃO E NEGÓCIOS Regulamenta a eleição

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS

CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS CÓDIGO DE ÉTICA 1. DISPOSIÇÕES INICIAIS 1.1. Este Código de Ética foi concebido pelo Conselho de Administração da Bolsa de Licitações e Leilões do Brasil (BLL) e é parte integrante do conceito operacional

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

NORMAS E REGULAMENTOS

NORMAS E REGULAMENTOS NORMAS E REGULAMENTOS Lei nº 9.096/1995; Lei nº 9.504/1997; Resolução TSE nº 23.406/2014; Comunicado BACEN nº 25.091/2014; IN Conjunta RFB/TSE nº 1.019/2010. REQUISITOS PARA ARRECADAR E REALIZAR GASTOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 6.996, DE 7 DE JUNHO MAIO DE 1982. Dispõe sobre a utilização de processamento eletrônico de dados nos serviços eleitorais e

Leia mais

Carta de Serviços aos Cidadãos

Carta de Serviços aos Cidadãos Carta de Serviços aos Cidadãos Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul: a cada dia mais próximo da comunidade www.tre-jus.br O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul é um órgão do Poder

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A.

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES, PRESERVAÇÃO DE SIGILO E DE NEGOCIAÇÃO DA ALIANSCE SHOPPING CENTERS S.A. I - DEFINIÇÕES 1. As definições utilizadas na presente Política de Divulgação de

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. CAPÍTULO I Aplicação e Objeto 1.1. Pelo presente documento, a INFRA ASSET MANAGEMENT LTDA. ( Gestora ), vem,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 254/2011

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 254/2011 PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 254/2011 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP A Fundação de Desenvolvimento da Unicamp - FUNCAMP

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO MANUAL DE FISCALIZAÇÃO ELEIÇÕES 2010 1 I - FISCALIZAÇÃO DURANTE A VOTAÇÃO Número de Fiscais e Delegados Cada Partido ou Coligação poderá nomear dois (2) Delegados em cada Zona Eleitoral e dois (2) Fiscais

Leia mais

JUSTI ÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO RECIFE

JUSTI ÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO RECIFE JUSTI ÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA SEXTA REGIÃO RECIFE EDITAL DE ABERTURA DE INSCRIÇÕES PARA A SELEÇÃO DE ESTÁGIO REMUNERADO PARA ESTUDANTES DE NÍVEL SUPERIOR DO CURSO DE DIREITO DESTINADOS

Leia mais

Obrigações Eleitorais

Obrigações Eleitorais Obrigações Eleitorais Votação no Catar Inscrição eleitoral para residentes no Catar Documentação necessária para inscrição eleitoral no Catar Transferência do título de eleitor para o Catar Documentação

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PREFERÊNCIAS ELEITORAIS (ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012) BLUMENAU SC. (19-20/Setembro/2012)

PESQUISA DE OPINIÃO PREFERÊNCIAS ELEITORAIS (ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012) BLUMENAU SC. (19-20/Setembro/2012) 1 PESQUISA DE OPINIÃO PREFERÊNCIAS ELEITORAIS (ELEIÇÕES MUNICIPAIS 2012) BLUMENAU SC (19-20/Setembro/2012) 2 1. APRESENTAÇÃO O presente relatório contém o resultado da pesquisa eleitoral realizada pelo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução. Os princípios Éticos que formam a consciência e fundamentam nossa imagem no segmento de recuperação de crédito e Call Center na conduta de nossa imagem sólida e confiável. Este

Leia mais

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014.

PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. PORTARIA Nº 126, DE 12 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre a implantação e o funcionamento do processo eletrônico no âmbito do Ministério das Comunicações. O MINISTRO DE ESTADO DAS COMUNICAÇÕES, no uso das

Leia mais

PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL. EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS

PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL. EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS PRÊMIO PORTO MARAVILHA CULTURAL EDITAL de PRÊMIO Nº 01/2013 EDITAL DO PROCESSO DE SELEÇÃO DE PROJETOS 1. INTRODUÇÃO 1.1. A COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO URBANO DA REGIÃO DO PORTO DO RIO DE JANEIRO ( CDURP

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988

Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Cadastramento dos doadores de sangue - Decreto-Lei 95721 de 11/2/1988 Ementa: Regulamenta a Lei n.º 7.649, de 25 de janeiro de 1988, que estabelece a obrigatoriedade do cadastramento dos doadores de sangue

Leia mais

ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA.

ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. ASK GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS CAPÍTULO I Definição e Finalidade Artigo 1º A presente Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias ( Política

Leia mais

Pesquisa de Intenção de Voto. Sucessão Municipal. Caxias do Sul. 02 e 03/10/2008-5ª pesquisa. Porto Alegre, 03 de outubro de 2008.

Pesquisa de Intenção de Voto. Sucessão Municipal. Caxias do Sul. 02 e 03/10/2008-5ª pesquisa. Porto Alegre, 03 de outubro de 2008. Pesquisa de Intenção de Voto Sucessão Municipal Caxias do Sul 02 e 03/10/2008-5ª pesquisa Porto Alegre, 03 de outubro de 2008. 1 Sumário Apresentação e Metodologia... 3 Intenção de Voto... 5 Rejeição...

Leia mais

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48

Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 HORÁRIO ELEITORAL 2014 RESOLUÇÃO TSE 23404 Resolução TSE n. 23.404 (27-02-2014) Capítulo VII artigos 33 a 48 Capítulo VII Da Propaganda Eleitoral Gratuita no Rádio e na Televisão Art. 33 A propaganda eleitoral

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE PESSOAS DE LOJAS RENNER S.A. Capítulo I Dos Objetivos Artigo 1º - O Comitê de Pessoas ( Comitê ) de Lojas Renner S.A. ( Companhia ), órgão estatutário, de caráter consultivo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS EDITAL PROPEG Nº 003/2015 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO CURSO DE

Leia mais

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM

Cartilha VOTE CONSCIENTE VOTE BEM Cartilha VOTE VOTE BEM CONSCIENTE O mês de outubro marca a escolha de quem estará, durante os próximos anos, à frente do poder no Brasil. É um dos momentos mais significativos, pois é a hora de o brasileiro

Leia mais

Proibida a reprodução.

Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. MANUAL DO ANALISTA DE VALORES MOBILIÁRIOS 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é o de nortear a atuação dos Analistas de Valores Mobiliários em consonância a Instrução CVM nº

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz

Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz Tire suas dúvidas sobre a Lei do Aprendiz 1-O que é um aprendiz? É um adolescente/jovem que tem que entre 14 e 24 anos de idade e que esteja matriculado em um Programa de Aprendizagem numa ONG, Escola

Leia mais

CONVÊNIO Nº 015/2009

CONVÊNIO Nº 015/2009 ESTADO DE SERGIPE PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE CONVÊNIO Nº 015/2009 CONVÊNIO QUE ENTRE SI CELEBRAM O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SERGIPE E A CAIXA ECONÔMICA FEDERAL. O

Leia mais

HIGHLAND BRASIL GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS. São Paulo, novembro de 2014

HIGHLAND BRASIL GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS. São Paulo, novembro de 2014 HIGHLAND BRASIL GESTORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLEIAS GERAIS São Paulo, novembro de 2014 POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS CAPÍTULO

Leia mais

São convenentes neste instrumento:

São convenentes neste instrumento: CONVÊNIO PARA A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA SANTANDER UNIVERSIDADES DE MOBILIDADE NACIONAL FIRMADO ENTRE A UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA E O BANCO SANTANDER S/A São convenentes neste instrumento: A UNIVERSIDADE

Leia mais

A. DEFINIÇÕES E ADESÃO

A. DEFINIÇÕES E ADESÃO POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA CYRELA BRAZIL REALTY S.A. EMPREENDIMENTOS E PARTICIPAÇÕES APROVADA PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM REUNIÃO NO DIA 10 DE MAIO DE 2012 A. DEFINIÇÕES

Leia mais

6ª PESQUISA ELEITORAL REGISTRADA

6ª PESQUISA ELEITORAL REGISTRADA ESPECIFICAÇÕES DA PESQUISA METODOLOGIA E PERÍODO DE REALIZAÇÃO DA PESQUISA ESTA PESQUISA É QUANTITATIVA ATRAVÉS DE UMA AMOSTRAGEM PROBABILISTICA E ALEATÓRIA. AS ENTREVISTAS SÃO REALIZADAS POR TELEFONE

Leia mais

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010

SENSUS. Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE. 03 a 07 de Novembro de 2010 Pesquisa e Consultoria Relatório CAMPANHA DE ESCLARECIMENTO DO TSE ELEIÇÕES 2010 FIELDS COMUNICAÇÃO TSE 03 a 07 de Novembro de 2010 Rua Grão Pará 737, 4 andar Cep 30150-341 Belo Horizonte MG Tel. 31-33042100

Leia mais

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS.

JUÍZO DA 1ª ZONA ELEITORAL DE SÃO PAULO Av. Brigadeiro Luis Antonio, 453 SÃO PAULO CAPITAL. Processo nº 209/08 VISTOS. VISTOS. Trata-se de representação formulada pela COLIGAÇÃO SÃO PAULO NO RUMO CERTO em face da COLIGAÇÃO SÃO PAULO, NA MELHOR DIREÇÃO e de GERALDO JOSÉ RODRIGUES ALCKMIN FILHO, nos termos do art. 96 da

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES

MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES MANUAL DE CANDIDATURA DE GRUPOS DE CIDADÃOS ELEITORES ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS 2013 Elaborado com base na legislação atualmente em vigor * * Lei Eleitoral dos Órgãos das Autarquias Locais, aprovada pela Lei

Leia mais

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS

REGULAMENTO BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA ESTRANGEIROS I. DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o fim de estimular a difusão da cultura portuguesa em países estrangeiros, a Fundação Calouste Gulbenkian, através do Serviço de Bolsas Gulbenkian, concede bolsas de

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL ORIENTAÇÃO SOBRE COMO GERAR E ENVIAR A PRESTAÇÃO DE CONTAS FINAL Termina no próximo dia 6 de novembro o prazo para a entrega das prestações de contas finais dos candidatos que concorreram no primeiro turno

Leia mais

PROPAGANDA ELEITORAL

PROPAGANDA ELEITORAL PROPAGANDA ELEITORAL Katherine Schreiner katherine@eleitoralbrasil.com.br http://www.eleitoralbrasil.com.br Propaganda Política A expressão propaganda política é empregada para significar, em síntese,

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MARKETING, CAPTAÇÃO DE CLIENTES E VENDAS DE PRODUTOS ESPECÍFICOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MARKETING, CAPTAÇÃO DE CLIENTES E VENDAS DE PRODUTOS ESPECÍFICOS CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MARKETING, CAPTAÇÃO DE CLIENTES E VENDAS DE PRODUTOS ESPECÍFICOS De uma parte, a UNISITES INFORMÁTICA LTDA., estabelecida no endereço rua Capitão José Verdi, nº 2068,

Leia mais

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação

14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação 14 --------- Como redigir o projeto de pesquisa? 14. 1.2 Identificação Nesta primeira parte são apresentados os dados essenciais à identificação do projeto, quais sejam: a) título e subtítulo (se houver);

Leia mais

CARTA CONVITE PARA ARRENDAMENTO DA CAFETERIA DO AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO

CARTA CONVITE PARA ARRENDAMENTO DA CAFETERIA DO AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO Brodowski, 11 de junho de 2014. CARTA CONVITE PARA ARRENDAMENTO DA CAFETERIA DO AUDITÓRIO CLAUDIO SANTORO 1 Introdução A ASSOCIAÇÃO CULTURAL DE APOIO AO MUSEU CASA DE PORTINARI ORGANIZAÇÃO SOCIAL DE CULTURA,

Leia mais

EDITAL Nº 13 / 2012 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação

EDITAL Nº 13 / 2012 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação 1 EDITAL Nº 13 / 2012 Pró-Reitoria de Ensino de A Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA, através da Pró-Reitoria de Ensino de PROGRAD, e amparada pelas Resoluções de CEPE Nº 73/2007 e 81/2007, anuncia

Leia mais

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI

Instrução Normativa n.º 001/2008-1/SCI [ Página n.º 1 ] DISPÕE SOBRE OS PADRÕES, RESPONSABILIDADES E PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO, EMISSÃO, ALTERAÇÃO, ATUALIZAÇÃO, IMPLEMENTAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DE INSTRUÇÕES NORMATIVAS A RESPEITO DAS ROTINAS

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DOS RECURSOS HUMANOS ESCOLA DE GOVERNO EDITAL Nº001/2010 Regulamenta o Processo Seletivo para ingresso no Curso de Pós-Graduação lato sensu em Educação a Distância

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2 21.823

RESOLUÇÃO N 2 21.823 tribunal superior eleitoral RESOLUÇÃO N 2 21.823 PROCESSO ADMINISTRATIVO N 2 19.205 - CLASSE 19 a - DISTRITO FEDERAL (Brasília). Relator: Ministro Francisco Peçanha Martins. Interessada: Corregedoria Regional

Leia mais

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015

Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 Projeto n 14593/2014 - Escritório Nacional do CATAFORTE - Negócios Sustentáveis em Redes Solidárias COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇOS Nº 06/2015 1. PREÂMBULO O CEADEC - Centro de Estudos e Apoio ao Desenvolvimento,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2.025. II - endereços residencial e comercial completos; (Redação dada pela Resolução nº 2.747, de 28/6/2000.)

RESOLUÇÃO N 2.025. II - endereços residencial e comercial completos; (Redação dada pela Resolução nº 2.747, de 28/6/2000.) RESOLUÇÃO N 2.025 Altera e consolida as normas relativas à abertura, manutenção e movimentação de contas de depósitos. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31.12.64, torna

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013.

Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. Pesquisas Eleitorais Res. TSE nº 23.453/15 Lei nº 12.891/2013. PESQUISAS E TESTES PRÉ-ELEITORAIS Duas regras básicas: 1º) para conhecimento pessoal ou uso interno, pode ser feita de forma livre e informal;

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO DE JANEIRO Corregedoria Regional Eleitoral PROVIMENTO CRE-RJ Nº 3 /2012 Disciplina a utilização do Sistema de Informações Eleitorais no âmbito do TRE/RJ e dá outras providências.

Leia mais

REGULAMENTO NORMATIVO DA ELEIÇÃO DO DIRETOR DE SAUDE DO TRABALHADORDO SINDSEMP. Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina

REGULAMENTO NORMATIVO DA ELEIÇÃO DO DIRETOR DE SAUDE DO TRABALHADORDO SINDSEMP. Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina REGULAMENTO NORMATIVO DA ELEIÇÃO DO DIRETOR DE SAUDE DO TRABALHADORDO SINDSEMP Sindicato dos Servidores Municipais de Petrolina Eleição triênio 2012/2015 A comissão eleitoral reunida no dia 14.08.2013

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA MANUAL DE CANDIDATURA A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PR 2016 LEI ELEITORAL para o PRESIDENTE DA REPÚBLICA (LEPR) Decreto-Lei nº 319-A/76, de 3 de maio Com as alterações introduzidas pelas pelos seguintes diplomas

Leia mais

POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÃO SOBRE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES ABRANGÊNCIA

POLÍTICAS DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÃO SOBRE ATO OU FATO RELEVANTE E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES ABRANGÊNCIA A Diretoria da Participações Industriais do Nordeste S.A. ( Companhia ) comunica que, por deliberação do Conselho de Administração, em reunião extraordinária realizada em 30.06.2002, foram aprovadas as

Leia mais

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DA FESPSP. Edital de Seleção 2014. Universidade Autônoma de Barcelona

PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DA FESPSP. Edital de Seleção 2014. Universidade Autônoma de Barcelona PROGRAMA DE INTERCÂMBIO INTERNACIONAL DA FESPSP Edital de Seleção 2014 Universidade Autônoma de Barcelona A área de Extensão Acadêmica e Cooperação Internacional da FESPSP em conjunto com as coordenações

Leia mais