The impact of interpolation of meteorological measurements in the quality of IWV-GNSS. values

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "The impact of interpolation of meteorological measurements in the quality of IWV-GNSS. values"

Transcrição

1 The impact of interpolation of meteorological measurements in the quality of IWV-GNSS Mariana Dias Chaves Luiz Fernando Sapucci João F. Galera Monico values

2 Sumário Introdução; Propagação dos erros do IWV; Experimento; Dados analisados.

3 Introdução As observáveis básicas do posicionamento geodésico utilizando o Sistema Global de Navegação por Satélites (Global Navigation Satellite System - GNSS) são: distâncias entre as antenas dos satélites artificiais do sistema e dos receptores com base nos sinais de radiofrequência. Uma das fontes de erros associadas a esse tipo de medidas é a camada eletricamente neutra da atmosfera terrestre, Troposfera, que causa o chamado atraso troposférico (Tropospheric Delay D trop ) nos sinais que a percorrem. Figura 1: Propagação do sinal de radiofreqüência na atmosfera Fonte:

4 Introdução O D trop pode ser estimado juntamente com a minimização das demais fontes de erros das observáveis GNSS. As estimativas do atraso, quando tratadas na direção zenital (Z TD ) podem ser convertidas em estimativas do vapor d água integrado na atmosfera (Integrated Water Vapor - IWV). Os valores do IWV apresentam um benefício potencial para a Previsão Numérica de Tempo (PNT), pois com a assimilação desse tipo de dado é corrigida a estrutura vertical do vapor d água, e, por conseqüência, se obtêm um melhor estado inicial no modelo. Atualmente, encontra-se em fase de teste a assimilação desses dados no Centro de Previsão de Tempo e estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC-INPE).

5 Introdução O emprego de redes de monitoramento contínuo dos sinais GNSS para essa finalidade, no caso, a utilização dos dados da RBMC (Rede Brasileira de Monitoramento Contínuo) sobre o território brasileiro requer que medidas de pressão atmosférica e temperatura sejam realizadas junto à antena GNSS para obter a máxima precisão nos valores do IWV. Na ausência de tais medidas, algumas alternativas podem ser a utilização de valores oriundos de Plataformas de Coleta de Dados (PCDs) ou de informações provenientes das estações meteorológicas convencionais homologadas pela Organização Mundial de Meteorologia.

6 Introdução Figura : Estações meteorológicas automáticas do Brasil Fonte: Figura 3: Estações RBMC no Brasil Fonte: ftp://geoftp.ibge.gov.br/rbmc/relatorio/rbmc_010.png

7 Introdução Embora as PCDs possuam coleta automatizada e independam da intervenção humana para a realização das medições, muitas delas estão munidas de barômetros de baixa precisão (1 hpa). Já nas estações convencionais, o problema é que as medidas são efetuadas por operadores e por isso a taxa de coleta não é uniforme sendo requerido uma interpolação temporal nas medidas. Em ambas as opções há a problemática de que a densidade de estações não é grande e, por isso, há estações GNSS em que as meteorológicas mais próximas estão distantes alguns quilômetros, exigindo nesse caso uma correção nas medidas em função da distância.

8 Propagação dos erros do IWV O IWV é estimado e expresso em função de medidas. IWV Z WD. R w 10 k ' 6 k 3 Tm Z TD Z HD Z WD Z HD (, x10-3 ) (1-0,006 cos Ps - 0,0008 h) IWV f ( Z TD, Z HD, Z WD, Tm, R W, K ', K 3 ) Tais medidas estão dispersas em torno de um valor, apresentando variância. Para efetivar uma eficiente assimilação do IWV, a análise das fontes de erros presentes na conversão do valor do atraso em IWV é um fator determinante na precisão dos valores. Dessa forma, esses erros devem ser quantificados corretamente.

9 Propagação dos erros do IWV A avaliação das medidas nas quantidades calculadas e eventuais correlações como funções das dispersões das medições é definida como a Propagação de Variância-Covariância (Propagação dos erros). Z HD Assim, aplicando-se a Lei de Propagação Variância-Covariância nas equações, tem-se: 0,0008 (1 0,0006, cos( ) x10-3 P s 0,0008 h) Ps (1 0,0006, cos( x10 ) -3 0,0008 h) h Z WD Z TD Z HD Y k ' K T M 3 W 10 R W 6 Y IWV W ' Z WD RW K K 3 Z WD Z WD RW Y T M Y K T 3 4 M Y T M

10 Experimento Figura 4: Localização das estações GNSS e Meteorológicas Para analisar os dados provenientes das estações e confirmar a importância da determinação da propagação da variância das variáveis do IWV, dados de estações meteorológicas e GNSS foram organizados e analisados sob dois aspectos: os impactos em função da latitude e altitude em que se encontram tais estações. Para análise de latitude, foram consideradas as seguintes estações: Belém (BELE), Recife (RECF), Rio de Janeiro (RIOD) e Santa Maria (SMAR). Para a análise da altitude, foram consideradas as seguintes estações: Rio de Janeiro (RIOD), São Paulo (SAOP), Presidente Prudente (PPTE) e Brasilia (BRAZ).

11 Experimento

12 Experimento

13 Experimento Para análise dos resultados apresentados nas tabelas, ao considerar os dois aspectos investigados e a incerteza na temperatura de 1K, a figura a esquerda foi elaborada e apresenta os valores dos desvios padrão em função da latitude. Da mesma maneira, a figura ao lado apresenta os desvios padrão em função da altitude.

14 Experimento A análise dos resultados mostrados na figura com relação à latitude indica que as incertezas: apresentam comportamento diretamente proporcional à incerteza da pressão. Quanto a comparação entre as estações: o maior valor do desvios padrão de IWV está na estação SMAR, e; o menor valor é encontrado na estação BELE. Tais resultados revelam que a incerteza apresenta um padrão de ser maior quanto maior a latitude da estação.

15 Experimento Quanto a análise com relação à altitude, os resultados indicam que os valores do IWV também apresentam comportamento diretamente proporcional à incerteza da pressão. Quanto a comparação entre as estações: os maiores valores de desvios padrão de IWV estão dispostos nas estações SAOP e BRAZ respectivamente, situadas na maiores altitudes, e; valores menores de desvios padrão encontram-se nas estações localizadas em baixas altitudes. Tais resultados revelam que a incerteza é diretamente proporcional aos valores de altitude.

16 Dados analisados Para a conversão de valores do Z TD em valores de IWV há a necessidade de que medidas da pressão atmosférica de boa qualidade na altura da antena GPS estejam disponíveis. A configuração ideal para isso é que os sensores sejam instalados próximos à antena GPS e que sejam providos de sistemas apropriados de leitura automática e disponibilizados de forma contínua. No entanto, as estações GNSS e meteorológicas disponíveis não são densas e por isso há estações GNSS em que as mais próximas estão distantes alguns quilômetros exigindo, neste caso uma correção nas medidas.

17 Dados analisados A localização espacial das estações meteorológicas e GNSS, instaladas na cidade de Salvador (BA), por exemplo, indicam que, embora a rede de estações meteorológicas no Brasil seja, em algumas regiões, densa, a distância entre as estações não atende a aplicação. Em contrapartida, é possível identificar um tipo de problemática envolvendo a distância das estações meteorológicas e GNSS com a qualidade e distribuição espacial dos dados medidos das estações disponíveis. Nesse caso, tem-se uma estação meteorológica ao lado de uma GNSS.

18 Dados analisados Um experimento realizado baseou-se em dados de outro experimento de coleta intensiva realizada em Alcântara - MA (http://gpmchuva.cptec.inpe.br/) utilizando dois receptores GPS. Um problema a ser resolvido era a disponibilidade de valores de temperatura e pressão junto aos receptores. Enquanto um estava próximo de um radiômetro, o qual possui sensores meteorológicos de temperatura, pressão e umidade, o outro tinha duas opções: uma estação automática de número 3573, localizada a poucos metros de distância, pertencente à rede do INPE, e assim denominada, e uma estação automática da força aérea, denominada Radar, a qual estava distante aproximadamente km.

19 Dados analisados Figura 5: Localização do experimento em Alcântara-MA, Brasil Fonte: Figura 6: Localização das estações meteorológicas do experimento Fonte:

20 Dados analisados Estação Radiômetro: adotada como referência para que fosse possível a comparação entre as estações Radar e INPE, já que os dados das estações Radar e Radiômetro comportavam-se de maneira semelhante nas séries temporais, tanto de pressão quanto de temperatura. Estação Radar: intitulada parâmetro de comparação para as outras, por ser uma estação meteorológica fixa e de taxa de amostragem grande com coletas de 1 minuto enquanto que as estações INPE e Radiômetro apresentavam as taxas 3 horas e 6 minutos respectivamente.

21 Dados analisados Os dados dessas estações foram comparados a fim de avaliar o impacto no IWV-GPS.

22 Dados analisados Após a verificação de sua consistência, a estação de número 3573 no sitio do INPE, apesar de apresentar bons resultados quanto a temperatura, não seria indicada para uso de coleta de pressão. Fato que se dá por ser uma estação com baixa taxa de amostragem, e que pode apresentar falhas técnicas.

23 Agradecimentos

MODELAGEM NEUTROSFÉRICA COM ASSIMILAÇÃO DE DADOS E SUA AVALIAÇÃO UTILIZANDO GNSS

MODELAGEM NEUTROSFÉRICA COM ASSIMILAÇÃO DE DADOS E SUA AVALIAÇÃO UTILIZANDO GNSS MODELAGEM NEUTROSFÉRICA COM ASSIMILAÇÃO DE DADOS E SUA AVALIAÇÃO UTILIZANDO GNSS Tayná Aparecida Ferreira Gouveia Dr. Luiz Fernando Sapucci Dr. João Francisco Galera Monico Presidente Prudente, 10 de Maio

Leia mais

IMPACTO DA INTERPOLAÇÃO DAS MEDIDAS ATMOSFÉRICAS NA QUALIDADE DO IWV OBTIDO VIA GNSS

IMPACTO DA INTERPOLAÇÃO DAS MEDIDAS ATMOSFÉRICAS NA QUALIDADE DO IWV OBTIDO VIA GNSS IMPACTO DA INTERPOLAÇÃO DAS MEDIDAS ATMOSFÉRICAS NA QUALIDADE DO IWV OBTIDO VIA GNSS ELIAS R. SOUZA (1) LUIZ F. SAPUCCI (2) LUCAS A. AVANÇO (2) MARIANA CHAVES (3) (1) Instituto Federal de Educação do Norte

Leia mais

Modelagem Troposférica para a América do Sul utilizando Previsão Numérica de Tempo com Assimilação de Dados e sua avaliação utilizando GNSS

Modelagem Troposférica para a América do Sul utilizando Previsão Numérica de Tempo com Assimilação de Dados e sua avaliação utilizando GNSS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Programa de Pós-Graduação em Ciências Cartográficas Modelagem Troposférica para a América do Sul utilizando

Leia mais

IV GEGE: Potencialidades do Sinal GNSS no Monitoramento da Atmosfera

IV GEGE: Potencialidades do Sinal GNSS no Monitoramento da Atmosfera unesp unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Campus de Presidente Prudente Faculdade de Ciências e Tecnologia Programa de Pós Graduação em Ciências Cartográficas IV GEGE: Potencialidades do Sinal GNSS no

Leia mais

PROCEDIMENTOS INICIAIS VISANDO A OPERACIONALIZAÇÃO DA ASSIMILAÇÃO DE IWV PROVENIENTES DE REDES DE RECEPTORES GPS NO BRASIL

PROCEDIMENTOS INICIAIS VISANDO A OPERACIONALIZAÇÃO DA ASSIMILAÇÃO DE IWV PROVENIENTES DE REDES DE RECEPTORES GPS NO BRASIL PROCEDIMENTOS INICIAIS VISANDO A OPERACIONALIZAÇÃO DA ASSIMILAÇÃO DE IWV PROVENIENTES DE REDES DE RECEPTORES GPS NO BRASIL Éder Martins da Silva Luiz Fernando Sapucci Nota técnica finalizada em 14 de dezembro

Leia mais

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados

Introdução. A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Introdução A importância da compreensão dos fenômenos meteorologicos Grande volume de dados Estações meteorológicas Imagens de satélite Radar Aeronaves, navios e bóias oceânicas Necessidade de rapidez

Leia mais

I Workshop da RBMC São Paulo SP.

I Workshop da RBMC São Paulo SP. I Workshop da RBMC São Paulo SP. Parte 1: Estimativas da umidade atmosférica usando a RBMC na operação do CPTEC: status e perspectivas futuras Parte 2: Configuração ideal das estações da RBMC para potencializar

Leia mais

ASSIMILAÇÃO DE PRODUTOS GNSS-METEOROLOGIA NO LETKF: ZTD OU IWV QUAL A MELHOR OPÇÃO?

ASSIMILAÇÃO DE PRODUTOS GNSS-METEOROLOGIA NO LETKF: ZTD OU IWV QUAL A MELHOR OPÇÃO? Anais do III Simpósio Brasileiro de Geomática, Presidente Prudente - SP, 5-7 de julo de 01. v.1. p. 000-000 ASSIMILAÇÃO DE PRODUTOS GNSS-METEOROLOGIA NO LETKF: ZTD OU IWV QUAL A MELHOR OPÇÃO? LUIZ FERNANDO

Leia mais

Sistema de Posicionamento por Satélite (GPS)

Sistema de Posicionamento por Satélite (GPS) Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: p Topografia p g III Sistema de Posicionamento por Satélite (GPS) Renato de Oliveira

Leia mais

Avaliação do RTKLib e NTRIP Client para posicionamento em tempo real

Avaliação do RTKLib e NTRIP Client para posicionamento em tempo real Avaliação do RTKLib e NTRIP Client para posicionamento em tempo real Chaenne Alves; Tayná A. F. Gouveia; Marcelo S. Pinto; Marco M. Mendonça; Vinicius F. Rofatto; João F. G. Monico INTRODUÇÃO RTKLIB BNC

Leia mais

!"! #!" #! $ $ % &' " ( &

!! #! #! $ $ % &'  ( & !"! #!" #! $ $ % &' " ( & $)**+, $+!$$ $-$. Os sistemas de posicionamento global surgiram como sistemas militares, sendo concebidos dentro do contexto da guerra fria. O GPS (Global Positioning System)

Leia mais

Sistema de Navegação Global por Satélite

Sistema de Navegação Global por Satélite Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Topografia II Sistema de Navegação Global por Satélite Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

Novembro de 2012 Sumário

Novembro de 2012 Sumário 11 Novembro de 2012 Sumário BOLETIM DIÁRIO DO TEMPO... 2 Boletim do Tempo para 11 de Novembro... 2 Previsão do Tempo para o dia 12 de Novembro de 2012 (24 horas)... 5 Tendência para o dia 13 de Novembro

Leia mais

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS)

SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) SIMULAÇÃO E DETERMINAÇÃO DE DESLOCAMENTO COM GNSS (GPS) Simulation and Determination of Displacement with GNSS (GPS) João Carlos Chaves 1 Paulo Cesar Lima Segantine 2 1 Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

- Banco de Dados Inglês Técnico 40

- Banco de Dados Inglês Técnico 40 Curso Técnico Subsequente em Meteorologia CÂMPUS FLORIANÓPOLIS MATRIZ CURRICULAR 1 o Semestre Carga horária total: 400h Unidade Curricular C/H Semestral PréRequisito Meteorologia Fundamental 60 Física

Leia mais

PREDIÇÕES DO ATRASO ZENITAL TROPOSFÉRICO NA AMÉRICA DO SUL PARA POSICIONAMENTO GNSS EM TEMPO REAL

PREDIÇÕES DO ATRASO ZENITAL TROPOSFÉRICO NA AMÉRICA DO SUL PARA POSICIONAMENTO GNSS EM TEMPO REAL Anais do III Colóquio Brasileiro de Ciências Geodésicas 0 PREDIÇÕES DO ATRASO ZENITAL TROPOSFÉRICO NA AMÉRICA DO SUL PARA POSICIONAMENTO GNSS EM TEMPO REAL Luiz Fernando Sapucci 1 João Francisco Galera

Leia mais

CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS

CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 4 TECNOLOGIA ESPACIAL NO ESTUDO DE FENÔMENOS ATMOSFÉRICOS Jorge Conrado Conforte INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 4 T E C N O L O G I A E S P A C I A L N O E S T

Leia mais

(") ; b) ρ b1b2 = 0,5; ρ b1b3 = 0,5; ρ b1b4 = 0

() ; b) ρ b1b2 = 0,5; ρ b1b3 = 0,5; ρ b1b4 = 0 GA PROJETO E ANÁLISE E REES GEOÉSICAS EXERCÍCIOS ) Estimar a precisão do perímetro e da área de uma circunferência, e do volume de uma esfera, cujo raio (R) pode ser medido com as seguintes características:

Leia mais

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS PLANO DE ENSINO Curso: Bacharelado em Meteorologia Departamento: Física

unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE CIÊNCIAS PLANO DE ENSINO Curso: Bacharelado em Meteorologia Departamento: Física unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CÂMPUS UNIVERSITÁRIO DE BAURU FACULDADE DE CIÊNCIAS Curso: Bacharelado em Meteorologia Departamento: Física PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO Código: Disciplina: Observações

Leia mais

ATIVIDADE AVALIATIVA

ATIVIDADE AVALIATIVA Climatologia 2. Atmosfera Terrestre ATIVIDADE AVALIATIVA Valor: 1,0 Tempo para responder: 15min 1) Qual a importância da concentração dos gases que compõe a atmosfera terrestre, em termos físicos e biológicos?

Leia mais

Frente fria provoca deslizamentos e mais de 30 mortes na região serrana do RJ

Frente fria provoca deslizamentos e mais de 30 mortes na região serrana do RJ Frente fria provoca deslizamentos e mais de 30 mortes na região serrana do RJ No decorrer do dia 17/03 e madrugada do dia 18/03/2013 houve chuvas torrenciais que ocasionaram diversos impactos em áreas

Leia mais

ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS

ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS ESTUDO OBSERVACIONAL DAS CONDIÇÕES REGISTRADAS NOS EXTREMOS NORTE E SUL DE FLORIANÓPOLIS Felipe Mendes Silva Guilherme Carmo Isoppo Isla Folchini Pereira Jorge Henrique Bortolloto de Oliveira Thiago Silva

Leia mais

GLONASS Sistema idêntico ao GPS, mas projetado e lançado pela Rússia.

GLONASS Sistema idêntico ao GPS, mas projetado e lançado pela Rússia. Sumário UNIDADE TEMÁTICA 1 Movimentos na Terra e no Espaço. 1.1 - Viagens com GPS Funcionamento e aplicações do GPS. Descrição de movimentos. Posição coordenadas geográficas e cartesianas. APSA GPS e Coordenadas

Leia mais

SISTEMA DE ASSIMILAÇÃO LOCAL DE DADOS UTILIZADO NO INMET. Gilberto Ricardo Bonatti 1 Reinaldo Silveira 1 Ricardo Raposo dos Santos 1 Juliana Mol 1

SISTEMA DE ASSIMILAÇÃO LOCAL DE DADOS UTILIZADO NO INMET. Gilberto Ricardo Bonatti 1 Reinaldo Silveira 1 Ricardo Raposo dos Santos 1 Juliana Mol 1 SISTEMA DE ASSIMILAÇÃO LOCAL DE DADOS UTILIZADO NO INMET Gilberto Ricardo Bonatti 1 Reinaldo Silveira 1 Ricardo Raposo dos Santos 1 Juliana Mol 1 RESUMO Desde 2000 o INMET inicializa o Modelo Brasileiro

Leia mais

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES

PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES PROJETO BÁSICO AMBIENTAL UHE TELES PIRES P.10 PROGRAMA DE MONITORAMENTO CLIMATOLÓGICO Parecer Técnico EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO DESENVOLVIMENTO DAS ATIVIDADES DO PROGRAMA INTEGRANTES CONSELHO CTF

Leia mais

Configurações GPS semelhantes não resultam em coordenadas iguais

Configurações GPS semelhantes não resultam em coordenadas iguais Configurações GPS semelhantes não resultam em coordenadas iguais Prof. Dr. Antonio Simões Silva 1 Acad. Geíza Coutinho Figueiredo 1 Profa. Dra. Verônica Maria Costa Romão 2 Prof. Dr. Dalto Domingos Rodrigues

Leia mais

AVALIAÇÃO ROBUSTA DA MODELAGEM NEUTROSFÉRICA SOBRE O TERRITÓRIO BRASILEIRO BASEADA EM MODELOS DE PREVISÃO NUMÉRICA DE TEMPO DA AMÉRICA DO SUL

AVALIAÇÃO ROBUSTA DA MODELAGEM NEUTROSFÉRICA SOBRE O TERRITÓRIO BRASILEIRO BASEADA EM MODELOS DE PREVISÃO NUMÉRICA DE TEMPO DA AMÉRICA DO SUL BCG - Boletim de Ciências Geodésicas - On-Line version, ISSN 1982-2170 http://dx.doi.org/10.1590/s1982-21702014000200028 AVALIAÇÃO ROBUSTA DA MODELAGEM NEUTROSFÉRICA SOBRE O TERRITÓRIO BRASILEIRO BASEADA

Leia mais

ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NA REGIÃO DO MACIÇO DE BATURITÉ: ABORDAGEM VIA REDES NEURAIS ARTIFICIAIS.

ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NA REGIÃO DO MACIÇO DE BATURITÉ: ABORDAGEM VIA REDES NEURAIS ARTIFICIAIS. ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NA REGIÃO DO MACIÇO DE BATURITÉ: ABORDAGEM VIA REDES NEURAIS ARTIFICIAIS. Arini de Menezes Costa 1, Kaio Martins Ramos 2, Hugo Hermano da Costa Castro 3, Antonio Alisson P.

Leia mais

APLICAÇÃO DE UM MÉTODO DE INTERPOLAÇÃO FÍSICO-ESTATÍSTICO PARA A TEMPERATURA E PRESSÃO ATMOSFÉRICA SOBRE UMA REGIÃO DE TOPOGRÁFICA VARIÁVEL

APLICAÇÃO DE UM MÉTODO DE INTERPOLAÇÃO FÍSICO-ESTATÍSTICO PARA A TEMPERATURA E PRESSÃO ATMOSFÉRICA SOBRE UMA REGIÃO DE TOPOGRÁFICA VARIÁVEL APLICAÇÃO DE UM MÉTODO DE INTERPOLAÇÃO FÍSICO-ESTATÍSTICO PARA A TEMPERATURA E PRESSÃO ATMOSFÉRICA SOBRE UMA REGIÃO DE TOPOGRÁFICA VARIÁVEL Clara M. CELESTINO 12, Thaís G. ALVES 1, Aline A. AMORIM 1, Caroline

Leia mais

O que é meteorologia?

O que é meteorologia? O que é meteorologia? Estudo dos fenômenos atmosféricos Distinção de meteorologia de climatologia (clima vs tempo) Física newtoniana (mecânica dos fluidos) aplicada à atmosfera. Movimentos obedecem à 2ª.

Leia mais

ReNEP Rede Nacional de Estações Permanentes GNSS

ReNEP Rede Nacional de Estações Permanentes GNSS ReNEP Rede Nacional de Estações Permanentes GNSS Divisão de Geodesia Lisboa, 04 de Novembro de 2009 Instituto Geográfico Português Autoridade Nacional nos domínios de: Geodesia Cartografia Cadastro No

Leia mais

Avaliação de previsões de tempo do modelo ETA. para subsidiar pesquisas agrícolas no Brasil

Avaliação de previsões de tempo do modelo ETA. para subsidiar pesquisas agrícolas no Brasil MS777 - Projeto Supervisionado Avaliação de previsões de tempo do modelo ETA para subsidiar pesquisas agrícolas no Brasil Aluna: Dânia Naomi Osato Meira Orientadora: Doutora Ana Maria Heuminski de Ávila

Leia mais

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS

GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Cartográfica e de Agrimensura GA119 MÉTODOS GEODÉSICOS Profa. Regiane Dalazoana 4 Métodos baseados em Geodésia Espacial 4.1 Métodos Celestes da Geodésia

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE ÍNDICES DE INSTABILIDADE E OCORRÊNCIA DE CONVECÇÃO EM URUGUAIANA NO PERÍODO DE MARÇO DE 2007 A FEVEREIRO DE

RELAÇÃO ENTRE ÍNDICES DE INSTABILIDADE E OCORRÊNCIA DE CONVECÇÃO EM URUGUAIANA NO PERÍODO DE MARÇO DE 2007 A FEVEREIRO DE RELAÇÃO ENTRE ÍNDICES DE INSTABILIDADE E OCORRÊNCIA DE CONVECÇÃO EM URUGUAIANA NO PERÍODO DE MARÇO DE 2007 A FEVEREIRO DE 2008 MOREIRA, Paula Doubrawa 1 ; TUCHTENHAGEN, Patrícia Nunes 2, FOSTER, Paulo

Leia mais

Dados ambientais. Previsão do tempo. Imagem de satélite GOES

Dados ambientais. Previsão do tempo. Imagem de satélite GOES Dados ambientais. A terra recebe energia solar continuamente. A instituição recebe a radiação solar, que a através do aquecimento diurno e resfriamento noturno caracteriza o clima. Serão estudados dentro

Leia mais

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE EMED - Empreendimentos Educacionais Ltda Centro de Formação Profissional BOM PASTOR MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE Centro de Formação Profissional Colégio Bom Pastor Curso

Leia mais

Relatório - Aplicativo SOS Chuva

Relatório - Aplicativo SOS Chuva Relatório - Aplicativo SOS Chuva 1. Introdução O projeto SOS Chuva visa desenvolver pesquisa em previsão imediata de tempestades com base no conhecimento adquirido sobre as propriedades físicas das nuvens

Leia mais

BOIA FORTALEZA. FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M)

BOIA FORTALEZA. FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M) BOIA FORTALEZA FABRICANTE: Axys Technologis Inc. MODELO: 3-Meters (3M) CARACTERÍSTICAS: Diâmetro: 3,4 metros Peso: 1500 kg Profundidade de fundeio: 200 metros -1/5- DESENHO ESQUEMÁTICO: SENSORES: Pressão

Leia mais

Forma e Dimensões da Terra Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior

Forma e Dimensões da Terra Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Topografia e Geomática Fundamentos Teóricos e Práticos AULA 02 Forma e Dimensões da Terra Prof. Rodolfo Moreira de Castro Junior Características Gerais da Terra A Terra gira em torno de seu eixo vertical

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS DE MONITORAMENTO CLIMÁTICO MENSAL E TRIMESTRAL DAS CHUVAS NO BRASIL NA PÁGINA DO CPTEC/INPE

INFORMAÇÕES SOBRE PRODUTOS DE MONITORAMENTO CLIMÁTICO MENSAL E TRIMESTRAL DAS CHUVAS NO BRASIL NA PÁGINA DO CPTEC/INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos - CPTEC Rodovia Pres. Dutra, km 40, Cachoeira Paulista, SP, CEP: 12630-000 www.cptec.inpe.br INFORMAÇÕES

Leia mais

Métodos Estatísticos em Física Experimental

Métodos Estatísticos em Física Experimental Métodos Estatísticos em Física Experimental Compilação de termos e definições gerais de metrologia. Os termos e definições apresentadas a seguir foram extraídos da 1ª edição brasileira do Guia para Expressão

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE TEMPO E CLIMA

INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE TEMPO E CLIMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS DE TEMPO E CLIMA Glauber Lopes Mariano Faculdade de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br Meteorologia Ciência que estuda os fenômenos

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSAMENTO DE DADOS GPS EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES CONDIÇÕES DE RASTREIO

ANÁLISE DO PROCESSAMENTO DE DADOS GPS EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES CONDIÇÕES DE RASTREIO 17 ANÁLISE DO PROCESSAMENTO DE DADOS GPS EM FUNÇÃO DAS DIFERENTES CONDIÇÕES DE RASTREIO A GPS observation analysis as a consequence of different tracking conditions COSTA, M. F. LAGO, I. F. PRADO, A. Universidade

Leia mais

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA OROGRAFIA NA ÁREA EFETIVA DE ABRANGÊNCIA DO RADAR METEOROLÓGICO DAVID FERRAN MONCUNILL

ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA OROGRAFIA NA ÁREA EFETIVA DE ABRANGÊNCIA DO RADAR METEOROLÓGICO DAVID FERRAN MONCUNILL ESTUDO DA INFLUÊNCIA DA OROGRAFIA NA ÁREA EFETIVA DE ABRANGÊNCIA DO RADAR METEOROLÓGICO DAVID FERRAN MONCUNILL Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos Av.Bezerra de Menezes, 1900, Fortaleza,

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA

ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA ANÁLISE ESTATÍSTICA DO REGIME PLUVIOMÉTRICO E DE SUA TENDÊNCIA PARA OS MUNICÍPIOS DE PORTO DE PEDRAS, PALMEIRA DOS ÍNDIOS E ÁGUA BRANCA Alaerte da Silva Germano 1, Rosiberto Salustino da Silva Júnior,

Leia mais

2ª AULA de TOPOGRAFIA 2

2ª AULA de TOPOGRAFIA 2 NIVELAMENTO TRIGONOMETRICO O nivelamento trigonométrico baseia-se na resolução de um triângulo retângulo. Para tanto, é necessário coletar em campo, informações relativas à distância (horizontal ou inclinada),

Leia mais

Meteorologia para Jornalistas. Previsão Numérica de Tempo e Clima: Aspectos Gerais

Meteorologia para Jornalistas. Previsão Numérica de Tempo e Clima: Aspectos Gerais Meteorologia para Jornalistas Previsão Numérica de Tempo e Clima: Aspectos Gerais Professor: José Antonio Aravéquia Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos CPTEC/INPE http://www.cptec.inpe.br

Leia mais

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP.

ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. ESTUDO PLUVIOMÉTRICO E FLUVIOMÉTRICO PRELIMINAR NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO EMBU-GUAÇU, SP. Rita Monteiro Falcão - Aluna do curso de Geografia da FFLCH/USP. E-mail: rita.falcao@usp.br Emerson Galvani

Leia mais

ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP

ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP ESTIMATIVA DO ALBEDO E TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS PARA O MUNICÍPIO DE BARRA BONITA SP Laurizio Emanuel Ribeiro Alves 1 ; Heliofábio Barros Gomes 1 ; Sandro Correia de Holanda

Leia mais

ANÁLISE DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL MÉDIO DO MAR NAS ESTAÇÕES DA RMPG

ANÁLISE DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL MÉDIO DO MAR NAS ESTAÇÕES DA RMPG ANÁLISE DA VARIAÇÃO TEMPORAL DO NÍVEL MÉDIO DO MAR NAS ESTAÇÕES DA RMPG Luciana Maria da Silva Prof. Dr. Sílvio Rogério Correia de Freitas La Paz, 24 de novembro de 2014 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Meteorologia. Profa.: Rita Ynoue

Disciplina: Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências. Meteorologia. Profa.: Rita Ynoue Disciplina: 1400200 - Física da Terra e do Universo para Licenciatura em Geociências Meteorologia Profa.: Rita Ynoue O que é meteorologia? Estudo dos fenômenos atmosféricos Física newtoniana (mecânica

Leia mais

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009

ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 ANÁLISE SINÓTICA DE UM CASO DE TEMPO SEVERO OCORRIDO NA CIDADE DE SÃO PAULO (SP) DURANTE O DIA 7 DE FEVEREIRO DE 2009 A partir da tarde e parte da noite do dia 7 de fevereiro de 2009 foram registradas

Leia mais

Continuidade do Sistema de Coleta de Dados

Continuidade do Sistema de Coleta de Dados Continuidade do Sistema de Coleta de Dados Bolsista PCI: Aurea A. S. Simões (INPE) Supervisão: Wilson Yamaguti (INPE) Participação: Bruno Braz (INPE) Mario Marcos Quintino da Silva (Coord. ETE até 2012)

Leia mais

26/10/2012. Professor

26/10/2012. Professor Universidade Paulista - Unip Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia ICET Curso de Engenharia Civil Disciplina: 227L - Geodésia Introdução à Geodésia Prof. Dr. André Luís Gamino Professor Definição:

Leia mais

Tratamento estatístico de observações

Tratamento estatístico de observações Tratamento estatístico de observações Prof. Dr. Carlos Aurélio Nadal OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição. DADO: é o resultado do tratamento de uma observação (por aplicação de uma

Leia mais

GPS: conceitos, funcionamento e utilidade

GPS: conceitos, funcionamento e utilidade GPS: conceitos, funcionamento e utilidade Prof. Adriana Alves Abril 2015 Adaptado por Prof. André Negrão Abril 2017 Introdução às geotecnologias (bacharelado) 0440221 O que você deve saber depois da aula...

Leia mais

Levantamentos GPS. Gustavo Bueno Lelli Instrutor Instituto GEOeduc. Cursos GEOeduc Todos os direitos reservados Cópia não autorizada

Levantamentos GPS. Gustavo Bueno Lelli Instrutor Instituto GEOeduc. Cursos GEOeduc Todos os direitos reservados Cópia não autorizada Levantamentos GPS Gustavo Bueno Lelli Instrutor Instituto GEOeduc Ementa do curso Entendendo a tecnologia GNSS; Prática com o equipamento; Processamento dos dados no computador. Entendendo a tecnologia

Leia mais

MEDIDAS DE BASES E ÂNGULOS: REDUÇÕES

MEDIDAS DE BASES E ÂNGULOS: REDUÇÕES MEDIDAS DE BASES E ÂNGULOS: REDUÇÕES Nas redes geodésicas, cujos pontos materializam o SGR, as coordenadas geodésicas são referidas ao elipsóide de referência, devidamente orientado. As operações de cálculo

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I CADERNO DE PROVAS TEMA: PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Global Positioning System

Global Positioning System Global Positioning System O termo Global Positioning System (SIG) é aplicado para sistemas que realizam o posicionamento baseado por satélites operacionalizado pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

Leia mais

5 Modelagem da previsão de atenuação por chuvas em enlaces LEO

5 Modelagem da previsão de atenuação por chuvas em enlaces LEO Modelagem da previsão de atenuação por chuvas em enlaces LEO Neste capítulo são apresentadas as aplicações das modelagens realizadas nos capítulos anteriores a previsão da atenuação por chuvas em enlaces

Leia mais

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica

Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Principais fontes e combustíveis utilizados na geração de energia elétrica Wildson W de Aragão Físico Professor de Física de Escolas de Ensino Médio e Cursos Pré Vestibular da rede particular de Ensino

Leia mais

Análise da aplicação do GNSS para monitoramento do nível do rio Paraguai

Análise da aplicação do GNSS para monitoramento do nível do rio Paraguai Embrapa Informática Agropecuária/INPE, p. 366-373 Análise da aplicação do GNSS para monitoramento do nível do rio Paraguai Fabricio dos Santos Prol 1 José Marcato Junior 1,2 Antonio Conceição Paranhos

Leia mais

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná

CC54Z - Hidrologia. Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características. Universidade Tecnológica Federal do Paraná Universidade Tecnológica Federal do Paraná CC54Z - Hidrologia Precipitação: definição, métodos de medição e grandezas características Prof. Fernando Andrade Curitiba, 2014 Objetivos da aula Definir a importância

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM A PARTIR DE IMAGENS DE SENSORES ORBITAIS DE ALTA RESOLUÇÃO Francisco José Silva Soares Mendes Graduando em Geografia pela Universidade Federal do Ceará- UFC/Fortaleza-CE. mendesfjss@yahoo.com.br.

Leia mais

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES

ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES ANÁLISE DE ARQUIVOS CLIMÁTICOS PARA A SIMULAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICODE EDIFICAÇÕES Camila Scheller Márcio José Sorgato Ana Paula Melo Roberto Lamberts Florianópolis, abril de 2015 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Pressão Atmosférica. Capítulo VIII. Objetivos:

Pressão Atmosférica. Capítulo VIII. Objetivos: Pressão Atmosférica Capítulo VIII Objetivos: 1. Conceituar pressão atmosférica; 2. Citar as unidades de pressão mais comuns com suas equivalências; 3. Explicar a origem das variações de pressão atmosférica;

Leia mais

7 Experimentos. Figura 2 Sensor Inercial (Xsens) Figura 3 Sensor GPS (Garmin) Figura 1 Robô Ambiental Híbrido

7 Experimentos. Figura 2 Sensor Inercial (Xsens) Figura 3 Sensor GPS (Garmin) Figura 1 Robô Ambiental Híbrido 7 Experimentos Foram realizados dois experimentos distintos com o sensor GPS da marca Garmin e o sensor inercial da marca Xsens, Fig. 83 e 84 respectivamente: Na floresta amazônica, onde os sensores foram

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 17 O Meio Atmosférico I: Propriedades e Mecanismos Profª Heloise G. Knapik 1 Poluição Atmosférica - Histórico Período prérevolução

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE IMPERATRIZ Disciplina: 2E321 - METEOOROLOGIA E CLIMATOLOGIA CONCEITOS INICIAIS Professor: Luiz Carlos A. dos Santos Tempo atmosférico ou

Leia mais

GPS Conceitos Fundamentais HISTÓRIA ICIST ICIST. núcleo 7 ICIST

GPS Conceitos Fundamentais HISTÓRIA ICIST ICIST. núcleo 7 ICIST GPS Conceitos Fundamentais HISTÓRIA núcleo 7 núcleo 7 1 Posicionamento Astronómico Radar e Distanciómetro II Guerra Mundial 1973 Navigation System with Timing and Ranging Global Positioning System (Directiva

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O NÚMERO DE CASOS DE J00 NASOFARINGITE DE VÍRUS NÃO IDENTIFICADO, OCORRIDOS EM MACEIÓ - AL NO ANO DE 2002.

RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O NÚMERO DE CASOS DE J00 NASOFARINGITE DE VÍRUS NÃO IDENTIFICADO, OCORRIDOS EM MACEIÓ - AL NO ANO DE 2002. RELAÇÃO ENTRE VARIÁVEIS METEOROLÓGICAS E O NÚMERO DE CASOS DE J00 NASOFARINGITE DE VÍRUS NÃO IDENTIFICADO, OCORRIDOS EM MACEIÓ - AL NO ANO DE 2002. Edmara Ramos Melo¹, Nareida Simone Delgado da Cruz¹,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE BASEADAS EM EXTRAPOLAÇÃO E INTERPOLAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL

AVALIAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE BASEADAS EM EXTRAPOLAÇÃO E INTERPOLAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL AVALIAÇÃO DE ESTIMATIVAS DE RADIAÇÃO SOLAR INCIDENTE BASEADAS EM EXTRAPOLAÇÃO E INTERPOLAÇÃO NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL Ricardo A. Guarnieri, Fernando R. Martins, Enio B. Pereira, Sheila A. B. Silva.

Leia mais

PREVISÃO DO TEMPO/CLIMA COMO UM PROBLEMA MATEMÁTICO E PRINCÍPIOS FÍSICOS

PREVISÃO DO TEMPO/CLIMA COMO UM PROBLEMA MATEMÁTICO E PRINCÍPIOS FÍSICOS PREVISÃO DO TEMPO/CLIMA COMO UM PROBLEMA MATEMÁTICO E PRINCÍPIOS FÍSICOS Importância atual da previsão do tempo e da previsão climática Um sonho desde... que dura até hoje A previsão numérica do tempo

Leia mais

Unidade 1. Viagens com GPS. Sistema de Posicionamento Global. Movimentos na Terra e no espaço MOVIMENTOS NA TERRA E NO ESPAÇO

Unidade 1. Viagens com GPS. Sistema de Posicionamento Global. Movimentos na Terra e no espaço MOVIMENTOS NA TERRA E NO ESPAÇO Unidade 1 MOVIMENTOS NA TERRA E NO ESPAÇO Viagens com GPS 1 Sistema de Posicionamento Global 2 O GPS é um sistema de rádio - navegação por satélites desenvolvido e controlado pelo Departamento de Defesa

Leia mais

Simulações do Perfil Vertical do Vento na Camada Limite Planetária com o Modelo WRF - ARW Utilizando Diferentes Esquemas de Parametrizações

Simulações do Perfil Vertical do Vento na Camada Limite Planetária com o Modelo WRF - ARW Utilizando Diferentes Esquemas de Parametrizações Simulações do Perfil Vertical do Vento na Camada Limite Planetária com o Modelo WRF - ARW Utilizando Diferentes Esquemas de Parametrizações Everton de Almeida Unipampa Marcelo Romero Unipampa Alejandro

Leia mais

SIAGRI MOBILE A TECNOLOGIA GPS INTEGRADA AOS NEGÓCIOS Por Luis Holdefer

SIAGRI MOBILE A TECNOLOGIA GPS INTEGRADA AOS NEGÓCIOS Por Luis Holdefer SIAGRI MOBILE A TECNOLOGIA GPS INTEGRADA AOS NEGÓCIOS Por Luis Holdefer Prezado Leitor, Esta é a quinta matéria do BIS dedicada ao Produto SIAGRI Mobile, bem como um espaço para entendermos melhor as tendências

Leia mais

ALTITUDE DENSIDADE JORNADA DE SEGURANÇA OPERACIONAL HELIBRAS

ALTITUDE DENSIDADE JORNADA DE SEGURANÇA OPERACIONAL HELIBRAS ALTITUDE DENSIDADE JORNADA DE SEGURANÇA OPERACIONAL HELIBRAS ROTEIRO DEFINIÇÕES ALTÍMETRO E SEUS ERROS FATORES DE RISCO CORREÇÕES VERIFICAÇÃO DE CASOS 2 ALTITUDE DENSIDADE A Altitude Densidade é um importante

Leia mais

ESTIMATIVAS DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS ABSOLUTAS DO AR NO ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTIMATIVAS DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS ABSOLUTAS DO AR NO ESTADO DE SANTA CATARINA ESTIMATIVAS DAS TEMPERATURAS MÁXIMAS E MÍNIMAS ABSOLUTAS DO AR NO ESTADO DE SANTA CATARINA Angelo Mendes Massignam 1 ; Fábio Lopes ; Hugo José Braga 3 ; Cristina Pandolfo 3 1 Eng. Agrônomo, PhD, Epagri/Ciram

Leia mais

Resumo de Resultados Matosinhos Daniel Sebastião

Resumo de Resultados Matosinhos Daniel Sebastião Título Editor Autores Resumo de Resultados Matosinhos Daniel Sebastião Data 2014/10/24 Versão 01 Distribuição Documento Sumário Daniel Sebastião, Mónica Branco Vários FAQtos_091_01_Ext_ResResultCMMatosinhos

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA TRÁFEGO AÉREO ICA 100-2 CORREÇÃO QNE 2016 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO TRÁFEGO AÉREO ICA 100-2 CORREÇÃO

Leia mais

Uso do GPS na estimativa de emissões de gases causadores do efeito estufa (GEE) Prof. Dr. Flávio Vaz.

Uso do GPS na estimativa de emissões de gases causadores do efeito estufa (GEE) Prof. Dr. Flávio Vaz. Uso do GPS na estimativa de emissões de gases causadores do efeito estufa (GEE) Prof. Dr. Flávio Vaz flaviovaz@usp.br Agenda Apresentação do problema Apresentação sistema GPS Trabalho de campo Análise

Leia mais

EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL

EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL EXPERIMENTOS METEOROLÓGICOS DO PROGRAMA REVIZEE A BORDO DO NAVIO OCEANOGRÁFICO ANTARES NA ÁREA DO OCEANO ATLÂNTICO TROPICAL SUL Manoel F. Gomes Filho Mário de Miranda Leitão Vicente de Paula S. Filho Edglay

Leia mais

Estimativa da Temperatura da TST

Estimativa da Temperatura da TST Estimativa da Temperatura da Superfície Terrestre TST Estimativa da TST TST estimada a partir da temperatura de brilho (TB) (temperatura radiante radiação emitida pela superfície) A TB é uma estimativa

Leia mais

Estudo de caso de chuva significativa no interior da Região Nordeste do Brasil ocorrida no mês de abril de 2009.

Estudo de caso de chuva significativa no interior da Região Nordeste do Brasil ocorrida no mês de abril de 2009. Estudo de caso de chuva significativa no interior da Região Nordeste do Brasil ocorrida no mês de abril de 2009. INTRODUÇÃO Chuvas fortes e contínuas causaram transtornos e destruição em algumas localidades

Leia mais

MODELAGEM ATMOSFÉRICA

MODELAGEM ATMOSFÉRICA MODELAGEM ATMOSFÉRICA Simulação do transporte de aerossóis devido à erupção do vulcão Pinatubo, Filipinas, 15 de julho de 1991 Processos Físicos na Modelagem do Tempo/Clima Modelo Conceitual do Sistema

Leia mais

Coordenadas Geográficas

Coordenadas Geográficas GEOGRAFIA SÉRIE: 1º ano Coordenadas Geográficas Profº Luiz Gustavo Silveira Unidade I A linguagem geográfica e a leitura no mundo Livro: parte I Capítulo 4 Nós estamos aqui Tópicos do capítulo Terra no

Leia mais

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I (ENGF99) PROFESSOR: EDUARDO SIMAS (EDUARDO.SIMAS@UFBA.BR)

Leia mais

ATIVIDADE ON-LINE DISCIPLINA: Redação. PROFESSOR: Dinário Série: 1ª Série Ensino Médio Atividade para dia: / /2017

ATIVIDADE ON-LINE DISCIPLINA: Redação. PROFESSOR: Dinário Série: 1ª Série Ensino Médio Atividade para dia: / /2017 1) Observe a imagem a seguir: Vista do Monte Everest O fator determinante para o clima da área retratada pela imagem é: a) a latitude. b) a continentalidade. c) as massas de ar. d) o albedo. e) a altitude.

Leia mais

CONDIÇÕES PARA FORMAÇÃO DE NEVOEIRO EM PELOTAS - PARTE IV - MÉTODO DE PREVISÃO.

CONDIÇÕES PARA FORMAÇÃO DE NEVOEIRO EM PELOTAS - PARTE IV - MÉTODO DE PREVISÃO. CONDIÇÕES PARA FORMAÇÃO DE NEVOEIRO EM PELOTAS - PARTE IV - MÉTODO DE PREVISÃO. Vladair Morales de Oliveira 1 e-mail: vladair@cpmet.ufpel.tche.br Natalia Fedorova e-mail : natalia@cpmet.ufpel.tche.br Centro

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS NA ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS ESTATÍSTICAS NA ANÁLISE DA PLUVIOMETRIA NO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO APLICAÇÃO DE FERRAMETAS ESTATÍSTICAS A AÁLISE DA PLUVIOMETRIA O MUICÍPIO DE SÃO PAULO Vasques, R. S 1, Silva F. M. A, Vasques E. R 3, Barja P. R. n 1 Hifumi nº 911, Urbanova, São José dos Campos, São Paulo,

Leia mais

6 Validação Metrológica

6 Validação Metrológica 6 Validação Metrológica Com o propósito de facilitar o entendimento do trabalho, o capítulo apresenta conceitos básicos de metrologia e definições relacionadas ao tem objeto da investigação. 6.1. Conceitos

Leia mais

O que são os satélites?

O que são os satélites? Pág 1 O que são os satélites? Um satélite artificial é um sistema que orbita em torno do nosso planeta, com uma altitude e velocidade constante. Geralmente os satélites estão equipados com meios radioeléctricos

Leia mais

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas.

CARTOGRAFIA. (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. CARTOGRAFIA (do grego chartis = mapa e graphein = escrita) é a ciência que trata da concepção, produção, difusão, utilização e estudo dos mapas. ELEMENTOS DE UM MAPA. Escala: é a proporção entre o tamanho

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 ESTUDO DE TEMPESTADES DO VERÃO 2001/2002 NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO: ASPECTOS OBSERVACIONAIS E NUMÉRICOS Igor Cerqueira Oliveira UFRJ - Dept. de Meteorologia - Laboratório de Prognósticos em Mesoescala

Leia mais

Desenvolvimento de sistemas para extração e análise de dados de cintilação ionosférica e do Conteúdo Eletrônico Total(CET)

Desenvolvimento de sistemas para extração e análise de dados de cintilação ionosférica e do Conteúdo Eletrônico Total(CET) Desenvolvimento de sistemas para extração e análise de dados de cintilação ionosférica e do Conteúdo Eletrônico Total(CET) Anderson Paulo S. Dutra - Bolsista PCI-DD Dr. Eurico Rodrigues de Paula - Orientador

Leia mais

Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água

Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água Sensoriamento Remoto e Qualidade da Água Fabricio Imamura Isabella Perri Brito Melissa Pegoraro Paola Martinelli AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DE MANSO ATRAVÉS DO SENSORIAMENTO REMOTO

Leia mais

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS

METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS METEOROLOGIA OBSERVACIONAL I ESTAÇÕES METEOROLÓGICAS COMET Professor: A estação meteorológica é o local onde o observador faz a avaliação de um ou mais elementos meteorológicos que estão ocorrendo no momento

Leia mais

ANÁLISE DA VARIÂNCIA DE DISPERSÃO EM PILHAS DE BLENDAGEM UTILIZANDO SIMULAÇÃO GEOESTATÍSTICA

ANÁLISE DA VARIÂNCIA DE DISPERSÃO EM PILHAS DE BLENDAGEM UTILIZANDO SIMULAÇÃO GEOESTATÍSTICA ANÁLISE DA VARIÂNCIA DE DISPERSÃO EM PILHAS DE BLENDAGEM UTILIZANDO SIMULAÇÃO GEOESTATÍSTICA Diego Machado Marques, UFRGS, diegommarques@yahoo.com.br João Felipe C. L. Costa, UFRGS, jfelipe@ufrgs.br Introdução

Leia mais

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ

VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ VARIAÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA NO ESTADO DO CEARÁ Francisco Solon Dantas Neto (1); Tarcísio Da Silveira Barra (1) Eng.º Agrº, Pós-graduação em Agrometeorologia, DEA/UFV, CEP:

Leia mais