about Eduardo Coimbra

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "about Eduardo Coimbra"

Transcrição

1

2 sobre Eduardo Coimbra Eduardo Coimbra é conhecido pelas suas instalações arquitetônicas site-specific com mídias variadas. Seus primeiros trabalhos usam objetos familiares resgatados do anonimato por meio de pequenos motores, luzes e máquinas elétricas. Muitas vezes convidando a participação do público, a obra de Coimbra inclui paisagens surreais e construídas, bem como maquetes imaginativas e ecológicas feitas de pequenos objetos domésticos, lâmpadas fosforescentes, aço e ferro. Nuvem (2011), sua grande escultura pública, é composta de cinco caixas de luz quadradas, de 4,7 metros de altura e largura, com uma nuvem no centro e espelhos decorando as laterais. A escultura cria um portal surreal, convidando os espectadores a andarem pela instalação e vivenciarem o ambiente ao seu redor. Paisagem foi exibida na sua mostra individual no Museu da Pampulha em À primeira vista, a escultura parece um grande campo de grama, mas se dissolve em pequenos vasos individuais, como se o verde exuberante fosse pixels compondo a paisagem, permitindo que a vegetação invadisse o espaço interno do museu, revelando-se simultaneamente como imagem e matéria. Eduardo Coimbra nasceu em 1955, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha. Participou da 29ª Bienal de São Paulo (2010) e da 3ª Bienal do Mercosul, em Porto Alegre (2001), ambas no Brasil. Exposições coletivas recentes incluem: A experiência com arte (CCBB Brasília, Brasília, São Paulo, Brasil, 2014); Coleção Itaú de fotografia brasileira (Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil, 2013; Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brasil, 2013); Bola na rede (Funarte, Brasília, Brasil, 2013); Espelho refletido (Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, Brasil, 2012); Höhenrausch 2 (Offenes Kulturhaus Oberösterreich, Linz, Áustria, 2011); Lugar algum (SESC Pinheiros, São Paulo, Brasil, 2010); e After utopia (Centro per l Arte Contemporanea Luigi Pecci, Prato, Itália, 2009). Algumas de suas mostras individuais recentes são: Futebol no Campo Ampliado (Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil, 2014) 2 esculturas (Praça Tiradentes, Rio de Janeiro, Brasil, 2013); Entre arquitetura e paisagem (Studio X, Rio de Janeiro, Brasil, 2013); Projeto Nuvem (Lexus Hybrid Art Project, Moscou, Rússia, 2013; Arte na Cidade, São Paulo, Brasil, 2012); Museu observatório (Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, Brasil, 2011); e Natureza da paisagem (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 2007). about Eduardo Coimbra Eduardo Coimbra is best known for his site-specific, mixed-media architectural installations. He first started making works where familiar objects were rescued from anonymity through the use of tiny motors, lights, and electrical machines. Often inviting audience participation, Coimbra s works include surreal, constructed landscapes and imaginative, eco friendly maquettes made from small household objects, fluorescent lights, steel and iron. His large public sculpture Nuvem (2011), composed of five square boxes of light, 4.7 meters in height and length, with a photograph of a cloud at the center and mirrors adorning the lateral facets, created a surreal portal, inviting the viewers to walk around the installation and experience the environment anew. And on the other hand, Paisagem showcased in his solo show at Museu da Pampulha in At first, seemingly a large grass field, when seen up close dissolves into small individual pots. As if the lush greenery were pixels that composed the landscape, Paisagem allows the vegetation to invade the internal space of the museum, revealing itself as image and matter at the same time. Eduardo Coimbra was born in 1955 in Rio de Janeiro, where he lives and works. He featured in the 29th Bienal de São Paulo (2010) and the 3rd Mercosul Biennial, in Porto Alegre (2001), both in Brazil. Recent group shows include: A experiência com arte (CCBB Brasília, Brasília, São Paulo, Brazil, 2014); Coleção Itaú de fotografia brasileira (Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brazil, 2013; Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brazil, 2013); Bola na rede (Funarte, Brasília, Brazil, 2013); Espelho refletido (Centro Municipal de Artes Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, Brazil, 2012); Höhenrausch 2 (Offenes Kulturhaus Oberösterreich, Linz, austria, 2011); Lugar algum (SESC Pinheiros, São Paulo, Brazil, 2010); and After utopia (Centro per l Arte Contemporanea Luigi Pecci, Prato, Italy, 2009). Recent solo shows include: Futebol no Campo Ampliado (Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brazil, 2014); 2 esculturas (Praça Tiradentes, Rio de Janeiro, Brazil, 2013); Entre arquitetura e paisagem (Studio X, Rio de Janeiro, Brazil, 2013); Projeto Nuvem (Lexus Hybrid Art Project, Moscow, Russia, 2013; Arte na Cidade, São Paulo, Brazil, 2012); Museu observatório (Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, Brasil, 2011); and Natureza da paisagem (Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil, 2007).

3 Nuvem estrutura de alumínio, impressão em duratrans, lâmpadas fluorescentes, acrílico, espelhos/ aluminum structure, print on duratrans, fluorescent lightbulbs, acrylic and mirrors -- Petrowka, Moscou, Rússia

4 Nuvem obra instalada temporariamente na Praça Charles Miller, São Paulo / temporarily installed at Praça Charles Miller, São Paulo

5 Nuvem 2008 Praça XV, Rio de Janeiro

6 Topologia da paisagem infinita Guilherme Bueno Topology of the infinite landscape Guilherme Bueno Os homini sublime dedit coelumque tueri [o criador] deu ao homem um rosto voltado ao céu para que ele o possa olhar face a face. OVIDIO...Vers le ciel quelquefois, comme l homme d Ovide, Vers le ciel ironoique et cruellement bleu, Sur son cou convulsif tendant sa tête avide, Comme s il adressait des reproches à Dieu! BAUDELAIRE Céu, tão grande é o céu. E bandos de nuvens que passam ligeiras. TOM JOBIM, ALOYSIO DE OLIVEIRA, RAY GILBERT Nuvem, projeto de Eduardo Coimbra destinado a ocupar a Praça XV, no Centro da cidade do Rio de Janeiro, inscreve-se em uma discussão que permeia boa parte da obra do artista, seja em intervenções diretas no espaço urbano, seja naquelas outras efetivadas pelo pensamento por meio do encontro com suas maquetes ou objetos e instalações e que, inclusive, batiza um trabalho seu de 1998: A invenção da paisagem. A proposta para a Praça XV consiste na disposição em série de backlights quase o triplo da altura de um cidadão médio, no qual é impressa em cada uma das caixas a imagem de uma nuvem, um pequeno céu na terra, que apela à imaginação e não à evasão. Sua potência evidencia-se em trazer o que está longe para perto, incorporando-o ao nosso entorno acidentado. O transeunte passa entre elas no seu percurso diário. Do alto do viaduto engarrafado ou não vê-se o céu ali abaixo... Trata-se de deslocar a paisagem de sua suposta naturalidade, seja pelo seu local ou pela sua consistência (isto é, o aglomerado de injunções conceituais que constituem um modelo de visão por meio de determinados códigos formais), e se relacionar a outra invenção, a do espaço. Se a torção do espaço já surgira em Paisagem (2000) e Asteróides (1999) como uma espécie de superfície contínua e infinita que amalgamava a esfericidade da Terra de Co- Os homini sublime dedit coelumque tueri [the creator] gave man a faced turned tow ard the sky so he can look at Him face to face. OVID...Vers le ciel quelquefois, comme l homme d Ovide, Vers le ciel ironoique et cruellement bleu, Sur son cou convulsif tendant sa tête avide, Comme s il adressait des reproches à Dieu! BAUDELAIRE Sky, so vast is the sky With faraway clouds just wandering by TOM JOBIM, ALOYSIO DE OLIVEIRA, RAY GILBERT Cloud, a project by Eduardo Coimbra destined to occupy Praça XV, a piazza located in Rio de Janeiro s downtown, is related with some questions present in other works of the artist, either in direct interventions in public spaces, or in others accomplished by thought through the meeting with his maquettes or objects or installations and that, also, baptizes one of his 1998 works: The invention of landscape. The proposal for Praça XV consists of a series of backlights almost three times the height of an average person, in which the image of a cloud is printed in each one of the boxes, a small heaven on earth, that appeals to the imagination (not evoking evasion). Its potency becomes clear by bringing near that which is far away, incorporating it in our varied surroundings. The passerby goes through them in its daily trajectory. From above the viaduct whether in a bottleneck or not one may see the sky down below It is about displacing the landscape from its supposed naturality, whether due to its place or to its consistency (that is, the assemblage of conceptual injunctions that constitute a visual model by the means of determined formal codes), and to relate with another invention, the one of space. If the torsion of space was already present in Landscape (2000) and Asteroids (1999), as a kind of infinite and continuous surface that amalgamated the spherical quality of Earth of

7 lombo ao eterno retorno da fita de Moebius, na qual o chão está simultaneamente acima e abaixo, em Paisagem-erupção (1997) e nos Horizontes ( ), há o fenômeno inverso, o céu se torna chão. A questão daí advinda reside na tensão de conferir a uma entidade que no senso comum evoca o vazio o papel de fixar-se como fundação física daqueles mundos. O céu como medida é zero e infinito. Essencial para a definição do espaço, posto que é por meio de sua capacidade de ocupar o entorno entre os corpos que tudo se torna coercível de delimitar o lugar e a configuração das coisas, ele acaba existindo como própria negação, ou seja, o nada que se materializa graças à suposta ausência. E, curiosamente, o único objeto que cremos ser apto a ocupar naturalmente esta vastidão é outro igualmente de mensuração aparentemente insólita, a nuvem. Ainda que dependentes reciprocamente, coexistentes, nuvem e céu, mais do que antitéticos à solidez de nosso espaço bruto, são também opostos entre si: seriam duas modalidades de inaptidão para a forma por excelência (às quais poderíamos atribuir a palavra francesa informe). Tanto nos Horizontes quanto em Paisagem-erupção, contudo, ambos irrompem do chão, saem de suas profundezas a pressão atmosférica, ao invés de moldar os corpos por fora, o faz de dentro e mantém o solo firme como se eles nuvem e céu fossem seu vigamento ou, no último caso, em suspensão estável, além de suscitarem um reconhecimento enigmático de que o ar não é o céu, apesar de formados pela mesma matéria física, mas dissidentes quanto àquela poética que lhes reveste (o ar é o banal e corriqueiro que nos circunda, o céu a projeção dos desejos mais elevados de ultrapassar nossas contingências mundanas), conforme transparece no confronto direto entre o vazio do espaço que separa o cume da base de uma montanha e no interior deles serem vistas imagens de céus e nuvens. O lapso entre base e cume, este estranho oco-sólido distingue-se categoricamente do vazio-cheio do interior. Em suma, evocam os paradoxos de o vazio demandar para sua visualização a presença de uma imagem (um duplo vazio) para que se torne apreensível e do incomensurável sustentar e ocupar um volume métrico do espaço retido, configurado e dominado por nossas mãos. Podemos tomar estas premissas para refletir sobre aquilo que acontece na Nuvem da Praça XV. Conforme assinalamos antes, elas não lidam apenas com a invenção do espaço e da paisagem, mas também fazem o inventário de seus modelos. A questão vai desde a capacidade de construir uma objetualidade presencial mensurável para a vastidão e o infinito, tornando-os racionalizáveis (e nisso temos outro dilema fundador), até o seu embate com o mundo. De fato, o elemento decisivo para a existência do céu no espaço visual da pintura era a nuvem. Ela implantava-se como um índice para a significação daquela parcela projetada para além dos planos, distinguindo-os e conferindo a cada um sua posição apropriada. O problema, contudo, ao menos para o espaço renascentista (conforme aponta o filósofo francês Hubert Damisch) reside na inadequação formal da nuvem àquela grade geométrica, na medida que sua configuração vacilante não cabe pacificamente na malha cúbica do cenário, mas que, por outro lado, é fundamental para sua mecânica. Se o céu anuncia o infinito, a nuvem é o zero, ou seja, aquele valor objetivo (e curiosamente, profundamente abstrato) capaz de organizar a permutação entre as variáveis de uma equação. De certa maneira, a Nuvem é um marco zero na malha urbana da Praça XV, é nosso parâmetro solidificado de cálculo e travessia daquele ter- Columbus into the eternal return of a Moebius strip, in which the ground is simultaneously above and below, in Landscape-Eruption (1997) and Horizons ( ), just the opposite happens: the sky becomes floor. The question raised by such device resides in the tension of granting to an entity that the common sense perceives as emptiness the role of being fixed as the physical foundation for those worlds. As measurement, the sky is zero and infinite. Being essential for the definition of space, since it s due to its capacity of occupying the surrounding space between bodies that everything becomes feasible for the delimitation of places and the configuration of things, it ends up existing as negation itself, that is, the nothingness that is materialized thanks to its supposed absence. And, curiously, the only object that we believe is apt to naturally occupy such vastness is another one of an apparently equally implausible measurement, the cloud. Even if reciprocally dependent and coexisting, cloud and sky, more than antithesis of the solidity of our bare space, are also opposite among themselves: they would be two modalities of ineptitude for form par excellence (to which we could attribute the French word informe (i.e. formless). In Horizons as well in Landscape-eruption, nevertheless, both emerge from the ground, surfacing from their depthness atmospheric pressure, instead of molding the bodies from the outside, does it from inside out and keep the ground stable as if they (cloud and sky) were their foundation, or, at least, in a state of stable suspension, besides invoking an enigmatic recognition of which air is not the sky, although formed by the same physical matter, but dissident in relation to that poetics that envelops them (air being whether is banal and commonplace around us, whereas the sky the projection of the highest aspirations of transcending our mundane contingencies), as it becomes clear in the direct confrontation between the emptiness of the space that separates the peak from the base of a mountain and the images of skies and clouds seem in their interior. The gap between base and peak, this strange solid-hollowness is categorically distinct from the full-emptiness of the interior. In short, they evoke the paradoxes of emptiness demanding for its visualization the presence of an image (a double emptiness) in order to be apprehensible and the immeasurable to sustain and to occupy a metric volume of contained, configurated and man-controlled space. We can assume these instances in order to reflect on that which happens with the Praça XV s Cloud. As we have noticed before, they do not only deal with the invention of space and landscape, but also make the inventory of their models. The point goes from the capacity of constructing a measurable presential objectuality for vastness and the infinite, turning them able of being rationalized (and here we have another founding dilemma), to its confront with the world. In fact, the cloud was the decisive element for the existence of the sky in the visual space of painting. It was installed as an index for the signification of that portion projected beyond the planes, discerning and conferring to each one of them their appropriate position. The problem, nevertheless, at least for the Renaissancist space (as pointed out by the French philosopher Hubert Damisch) resides in the formal inadequation of the cloud to that geometric grid, in the sense that its hesitant configuration cannot peacefully fit in the cubic pattern of the scenario, but is, on the other hand, fundamental for its mechanics. If the sky announces the infinite, the cloud is the zero, that is, that objective value (and, curiously, profoundly abstract) able to organize the permutation among the variables of an equation. In a way, Cloud is a ground zero in Praça XV s urban fabric, is our solidified parameter of calculation

8 ritório, a assimilação do percurso, da trajetória como matéria, tal como percebida pela arte contemporânea, tanto por Smithson quanto por Acconci. A Nuvem é, de fato, um composto heterogêneo que se aglutina mediante a presença fugidia do transeunte. Ela existe simultaneamente como seqüência de módulos individualizados e como forma maior na qual os backlights se integram por meio da luz emanada de seu interior, ocupando os vãos existentes entre eles. É o ingresso do espectador neste campo dúplice, que acaba por integrar e cortar aquela entidade por um único e mesmo gesto atravessá-la, fazendo-a ser tanto nuvem quanto nuvens. Ela é sempre um objeto relacional, seu significado visual nunca é estanque ou fixo (assim como não são imóveis as nuvens no céu...), mas dependente do elo estabelecido entre as partes envolvidas a obra, o espectador e a situação urbana que as medeia. Tudo vem a ser questão de ponto de vista; ou de passagem. Pode-se acrescentar ainda: ao cruzar o vazio de ar entre as caixas, ele ativa o cheio da luz irradiada, que habita aqueles intervalos de maneira ironicamente diáfana, quase inconsútil e também decididamente artificial. Nuvem problematiza também o grau zero do espaço moderno. Superpondo-se ao bird eye view decisivo ao espaço de Malevich, por exemplo, no qual se reinventava pelo distanciamento elevado o esquadrinhamento perceptivo das coisas (e entre elas) a ponto de permitir ao mundo perceber a si mesmo pelo descortinar daquilo dirimido através e para além de sua aparência imediata, o trabalho de Coimbra interessa-se em reflui-lo para aquém. Por um lado, a nuvem ou o céu passam a existir como experiência objetual justamente ao se fazerem imagem. Eles dependem de sua sombra para se oferecerem palpáveis, mas por serem duplos visuais, convidam o corpo e o olho conservando uma distância mínima e aguda: o vacilo do espectador em saber até que ponto eles são táteis, isto é, o enigma entre a proximidade da coisa pela sua parcela objetual e o seu afastamento demarcado pela sua existência apenas enquanto projeção de algo que permanece distante. A questão é, pois, desta situação fazer-se presente não em uma instância puramente especulativa, mental, porém em meio ao percurso deste fog tropical, veraneio, poluído e plástico. O atravessamento físico da imagem traz consigo outra inversão nascida deste processo de transferência de materialidades visuais: se as nuvens se movem soltas no céu, aqui elas são estáticas, quase monumentais, quem se desloca é o espectador e, pode-se acrescentar, é este trânsito que ativa o trabalho, tal como, numa comparação feita pelo artista, o avião as fura no alto. Aqui temos, então, o outro lado do deslocamento de Coimbra em relação àqueles mundos pré-moderno e moderno. Mesmo retida a visão do alto que decifra o que lhe está abaixo, há o seu rebaixamento, ou melhor, sua imersão na superfície (in)finita, descontínua e acidentada da cidade. Substitui-se o olhar do pássaro bird eye view pelo do pedestre. Se o homem de Ovídio, tal como apontava Baudelaire na menção a um dos personagens do poeta latino, voltava-se para o céu para nele conjurar o rosto da divindade, ou o sujeito moderno malevichiano procurava o mundo afastando-se dele aqui céu e terra se confundem, descobrem-se ao se contaminarem: o céu e as nuvens estão a nossa altura e, quando vistos das pistas elevadas do viaduto, abaixo dela. O infinito cabe numa caixa and passage of that territory, the assimilation of the itinerary, of the route as matter, as it is perceived by contemporary art, both in Smithson and in Acconci. The Cloud is, in fact, a heterogeneous composition gathered by the fleeting presence of the passerby. It simultaneously exists as a sequence of individualized modules and as a greater form in which the backlights are integrated through the light generated from their interiors, occupying the gaps among them. It is the entry of the spectator in this double field that at last integrates and cuts that entity with a single and sole gesture crossing it making of it at the same time cloud and clouds. It is always a relational object; its visual meaning is never static or fixed (as the clouds in the sky are never immovable ), but dependent from the link established with the involved parts the work, the spectator and the urban situation that mediates them. Everything turns out a question of point of view; or of passage. We may add as well: by crossing the air emptiness between the boxes, the spectator activates the fullness of the irradiated light, that inhabits those intervals in an ironically diaphanous, almost unthinkable, but also decidedly artificial way. Cloud also problematizes the zero degree of modern space. Juxtaposing itself over the bird eye view, which for instance was fundamental for Malevich s space, where the perceptive framing of things (and between them) was reinvented by the elevated distancing to the point of allowing the world to perceive itself by the unveiling of that which was voided through and beyond its immediate appearance, Coimbra s work is interested in summoning it. On one hand, the cloud and the sky start to exist as an objectual experience exactly by becoming image. They depend of their shadow to become palpable, but by being visual doubles, they invite body and eye maintaining a minimum and sharp distance: the spectator s hesitancy in knowing to what extent they are tactile, that is, the enigma between the proximity of the thing through its objectual portion and the distancing demarked by its existence only as a projection of something that remains distant. Thus, the point is to make this situation present not in a purely speculative or mental instance, but amidst the itinerary of this tropical, polluted and plastic fog. The physical crossing of the image brings with it another inversion born from this process of transference of visual materialities: if the clouds move loosened in the sky, here they are static, almost monumental, it is the spectator who moves and, we may add, it is this transit that activates the work, in the same way that, in a comparison made by the artist, the airplane pierces it high above. Here we have then the other side of Coimbra s displacement in relation to those modern and post-modern worlds. Even if maintained the vision that deciphers that which is below, there is its lowering, or, better saying, its immersion in the (in)finite, discontinuous and varied surface of the city. The bird eye view is replaced by the pedestrian view. If Ovid s man, as Baudelaire pointed out mentioning one of the characters of the Latin poet, turned towards the sky to convey in it the face of the divinity, or the modern Malevichian subject searched the world by distancing himself from it here sky and earth are mingled, and unveil themselves by contaminating each other: sky and clouds share our height and, seem from the elevated tracks of the viaduct, below us. The infinite can

9 de luz disposta em pleno Centro da cidade, logo ali ao nosso alcance. Erigida como um monólito, ela desafia nossa percepção histórica e sensível da nuvem como a única coisa que parecia naturalmente não se submeter à gravidade, que escaparia de nosso desejo de tomar e reter tudo que nos cerca. Por conta da maneira como o trabalho se especifica, ou seja, dado seu caráter escultórico, ele revela ainda a capacidade do artista de vivenciar poeticamente outra tradição daquela espacialidade arredia que conseguia escamotear seu recalque do informe no ardil de uma oscilação entre o tátil e o visual. Dito de outro modo, a manifestação do problema para o espaço pictórico e para o espaço escultórico, ou seja, entre as nuvens de Piero della Francesca, Constable e Magritte e as de Bernini, Warhol e Carmela Gross, para citarmos exemplos de épocas e contextos diferentes (além de nos lembramos, complementarmente do uso do vazio aquele incomensurável por Tatlin). Se, conforme apontamos, a foto da nuvem é, dada sua condição imagética, uma partição traumática da coisa que lhe deu origem, a caixa, enquanto escultura, restitui-lhe a constituição volumétrica, mesmo que ironicamente amparada pela sua silhueta minimalista. Tão real quanto as nuvens, tão conceitual quanto suas demais representações ao longo da história da arte, a obra de Coimbra incide sobre uma terceira invenção/inventário: a literalidade enquanto método. Devemos entender tal propósito, no entanto, não como uma visualidade que, diante da oposição entre o evidente e o aparente, precisa escolher um deles para seguir seu projeto de construção da forma. No seu caso, há tanto a simultaneidade quanto a sobreposição, fazendo com que seu espaço sempre viva uma pulsão semelhante àquela provocada pelo sintomático vigamento da terra pelo céu comentado acima. Como tal latência ocorre na Praça XV? Precisamente no reverso topológico ocorrido por conta da situação urbana das nuvens ali dispostas. Comparemos o caso com as obras anteriores: se antes o céu e as nuvens se moldavam nas frestas da relva, isto é, se a forma da terra dependia da expansão das forças protuberantes abaixo dela, aqui a solidez da nuvem e do céu se dá pelo fato de ambos, ao invés de emergirem do ventre da terra ou se colocarem longinquamente acima dela, apoiarem-se nela; a terra sustenta o céu, não só o que está contido nas caixas, como igualmente aquele que deu origem ao infinito e nele se prolonga. A nuvem, que antes equacionara o cenário renascentista por sua esquizofrenia morfológica, agora ganha uma silhueta ao habitar o palco heterogêneo e errante do informe da vida contemporânea. O homem de Ovídio olha para o alto ao mirar suas solas de tênis sujas. Guilherme Bueno be fit in a light box placed in the middle of the city s downtown, at our reach. Built as a monolith, it challenges our historical and sensible perception of the cloud as the sole thing that naturally seemed not submitted to the law of gravity, that could escape our desire of taking and retaining everything that surrounds us. Due to how the work specifies itself, that is, given its sculptural character, it reveals as well the artist s capacity of poetically experiencing another tradition from that withdrawn spatiality that was able to hide its suppression of the formless with the stratagem of oscillating between the tactile and the visual. In other words, the manifestation of the problem for the pictorial space and for the sculptural space, that is, among the clouds of Piero della Francesca, Constable and Magritte and those of Bernini, Warhol and Carmela Gross, to mention examples from different epochs and contexts (besides remembering, complementarily, the use of emptiness that immeasurable by Tatlin). If, according to what we said, the photo of the cloud is, given is imagetic condition, a traumatic partition of the thing that originated it, the box, as sculpture, restores its volumetric constitution, even if ironically held by its minimalist silhouette. As real as the clouds, as conceptual as its other representations throughout art history, Coimbra s works falls on a third invention/inventory: literality as method. We should understand such purpose, nevertheless, not as a visuality that, before the opposition between the evident and the apparent, needs to choose one of them in order to resume its project of form construction. In its case, there is both simultaneity and juxtaposition, making that its space always experiments a pulsion similar to that generated by the symptomatic foundation of the earth by the sky, as commented above. How such latency takes place in Praça XV? Precisely in the topological reverse that took place due to the urban situation of the clouds. Let s compare this case with previous works: if before sky and clouds were molded in the fissures of the grass, that is, if the shape of the earth depended on the expansion of the protuberant forces below it, here the solidness of both sky and cloud is achieved because, instead of emerging from the belly of the earth or being placed far above it, they are supported by it; earth supports the sky, not only the one that is contained inside the boxes, but equally the one who gave origin to the infinite and is prolonged by it. The cloud, that before harmonized the Renaissancist scenario with its morphological schizophrenia, now gains a silhouette by inhabiting the heterogeneous and errant stage of the formless of contemporary life. Ovid s man looks up by looking at the dirty soles of his sneakers. Guilherme Bueno

10 Luz Natural ª Bienal de São Paulo, lâmpadas fluorescentes, acrílico, impr. fotogr. s/ duratrans/fluorescent lightbulbs, acrylic, photographic impression on duratrans

11

12 Luz Natural lampadas fluorescentes, acrílico, impressão fotográfica sobre duratrans / 60 fluorescent lamps, acrylic, photographic impression on duratrans. dimensões variáveis / variable dimensions

13 Luz Natural (SESC Bom Retiro) lâmpadas fluorescentes, acrílico, impressão fotográfica sobre duratrans/ 100 fluorescent lightbulbs, acrylic, photographic impression on duratra ns 122 x 830 cm

14 obras selecionadas/selected works

15 Escada relevo em madeira/relief on wood x 120 cm

16 Escadas 2011 fórmica com rejunte/formica with gesso 103,5 x 114,5 x 7 cm Dan descendo a escada 2011 MDF pintado e acrílico espelhado/painted MDF and mirrored acrylic 90 x 50 x 50 cm

17 Estádio III 2011 MDF pintado e miniatura de plástico/ painted MDF and plastic miniatures ed 1/3 + 2PA ,5 x 142,5 x 23 cm

18 Estádio II MDF pintado e miniatura de plástico/painted MDF and plastic miniatures -- ed 1/3 + 2PA x 135 x 36 cm

19 Estádio V / Stadium V MDF pintado e miniatura de plástico/painted MDF and plastic miniatures -- ed 1/3 + 2PA ,5 x 130,5 x 32 cm

20 Escotilha, 2011 alumínio, acrílico, impressão em Duratrans e lâmpada fluorescente / aluminum, acrylic, photographic impression on duratrans and fluorescent lightbulbs 47,5 x 47,5 x 7,5 cm

2014 Futebol no Campo Ampliado, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil

2014 Futebol no Campo Ampliado, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil eduardo coimbra 1955 nasceu no rio de janeiro vive e trabalha no rio de janeiro exposições individuais 2015 Eduardo Coimbra, curadoria de Glória Ferreira, Casa de Cultura Laura Alvim, Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

2014 Futebol no Campo Ampliado, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brazil

2014 Futebol no Campo Ampliado, Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brazil eduardo coimbra 1955 born in rio de janeiro lives and works in rio de janeiro solo exhibitions 2015 Fatos Arquitetônicos, Galeria Nara Roesler, Rio de Uma Escultura na Sala, curadoria de Glória Ferreira,

Leia mais

índice index trabalhos works curriculum artigos de jornal e resenhas newspaper articles and reviews

índice index trabalhos works curriculum artigos de jornal e resenhas newspaper articles and reviews ana holck portfolio índice index trabalhos works bastidor backstage 2010 sala A contemporanea centro cultural banco do brasil rio de janeiro splash 2010 lugar algum sesc pinheiros são paulo desvio shift

Leia mais

ELIZABETH JOBIM. Oi Futuro. Rio de Janeiro, Brasil

ELIZABETH JOBIM. Oi Futuro. Rio de Janeiro, Brasil ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL TF +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.COM ELIZABETH JOBIM Exposições individuais 2015 Bloco B 2013 Blocos Oi Futuro. Rio

Leia mais

exposições individuais / solo exhibitions 2015 Horizonte Deserto Tecido Cimento, Galeria Nara Roesler São Paulo, Brazil

exposições individuais / solo exhibitions 2015 Horizonte Deserto Tecido Cimento, Galeria Nara Roesler São Paulo, Brazil fabio miguez n.b. 1962-- sao paulo, brazil vive e trabalha em / lives and works in são paulo exposições individuais / solo exhibitions 2015 Horizonte Deserto Tecido Cimento, Galeria Nara Roesler São Paulo,

Leia mais

ARTE E ARQUITETURA: desenhos do lugar

ARTE E ARQUITETURA: desenhos do lugar ARTE E ARQUITETURA: desenhos do lugar Maria Luiza Fatorelli (Malu Fatorelli) - UERJ RESUMO O artigo examina a questão da escala e da dimensão consideradas no âmbito de obras artísticas da autora. Escala

Leia mais

RAUL MOURÃO. solo exhibitions

RAUL MOURÃO. solo exhibitions RAUL MOURÃO solo exhibitions 2015 Su Casa Gitler &, New York, NY Fenestra Lurixs Arte Contemporânea, Rio de Janeiro Please touch Bronx Museum, New York 2014 MOTO Galeria Nara Roesler, São Paulo 2013 Movimento

Leia mais

Exposições Individuais / Solo Exhibitions

Exposições Individuais / Solo Exhibitions Fabiano Gonper Exposições Individuais / Solo Exhibitions 1997 Fabiano Gonper Pinacoteca da Universidade Federal da Paraíba / João Pessoa PB 1998 Desenho-Objeto Centro Cultural São Francisco / João Pessoa

Leia mais

2009 Athos Bulcão - Compositor de Espaços, Museu Nacional do Conjunto Cultural da República, Brasília DF, Brasil

2009 Athos Bulcão - Compositor de Espaços, Museu Nacional do Conjunto Cultural da República, Brasília DF, Brasil athos bulcão 1918-2008 nasceu no rio de janeiro exposições individuais 2015 Galeria Nara Roesler, São Paulo, 2009 Athos Bulcão - Compositor de Espaços, Museu Nacional do Conjunto Cultural da República,

Leia mais

BA in sculpture from the Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

BA in sculpture from the Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro. JARBAS LOPES Born in Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, 1964 Lives and works in Rio de Janeiro, Brazil Education BA in sculpture from the Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Solo Exhibitions

Leia mais

Almandrade. (Antônio Luiz M. Andrade)

Almandrade. (Antônio Luiz M. Andrade) (Antônio Luiz M. Andrade) Artista plástico, arquiteto, mestre em desenho urbano, poeta e professor de teoria da arte das oficinas de arte do Museu de Arte Moderna da Bahia e Palacete das Artes. Participou

Leia mais

DUDI MAIA ROSA. 1946, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo

DUDI MAIA ROSA. 1946, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo DUDI MAIA ROSA 1946, São Paulo, Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS SELECIONADAS / SELECTED SOLO EXHIBITIONS 2009 Plásticos, Galeria Millan, São Paulo, SP,

Leia mais

GENEALOGIA DE UM DESENHO EM MOVIMENTO

GENEALOGIA DE UM DESENHO EM MOVIMENTO 1653 GENEALOGIA DE UM DESENHO EM MOVIMENTO Maria Luiza Fatorelli. UERJ RESUMO: A comunicação examina aspectos do desenho no âmbito de obras artísticas da autora. São apresentadas quatro instalações que

Leia mais

exposições individuais selecionadas / selected solo exhibitions

exposições individuais selecionadas / selected solo exhibitions raul mourão n.b. 1967 -- rio de janeiro, brazil vive e trabalha em / lives and works in rio de janeiro exposições individuais selecionadas / selected solo exhibitions 2015 Fenestra Lurixs Arte Contemporânea,

Leia mais

2014 O Guardião das coisas inúteis, MAMAM, Recife, Brasil. 2012 Chronos, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil

2014 O Guardião das coisas inúteis, MAMAM, Recife, Brasil. 2012 Chronos, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil marcelo silveira 1962 nasceu em gravatá vive e trabalha em recife exposições individuais O Guardião das coisas inúteis, MAMAM, Recife, Brasil 2012 Chronos, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brasil 2008

Leia mais

Tatiana Grinberg MERCEDES VIEGAS ARTE CONTEMPORÂNEA

Tatiana Grinberg MERCEDES VIEGAS ARTE CONTEMPORÂNEA Tatiana Grinberg Artista Plástica com Pós-Graduação pelo Goldsmiths College da University of London e Bacharelado em Comunicação Visual pela Escola de Belas Artes da UFRJ. Estudou na EAV do Parque Lage,

Leia mais

RODRIGO ANDRADE. 1962, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo

RODRIGO ANDRADE. 1962, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo RODRIGO ANDRADE 1962, São Paulo, Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS SELECIONADAS / SELECTED SOLO EXHIBITIONS 2014 Pinturas de onda, mato e ruína, Galeria

Leia mais

Instalação para viagem - Série Espaços. Madeira, espelhos, lentes, aço inox, acrílico, refletores. 8x16x26cm 2008/2011

Instalação para viagem - Série Espaços. Madeira, espelhos, lentes, aço inox, acrílico, refletores. 8x16x26cm 2008/2011 Claudio Álvarez CLAUDIO ÁLVAREZ nasceu em Rosário-Argentina. Vive e trabalha em Curitiba, Paraná, Brasil desde 1977. Expõe desde 1981. Realizou mais de 13 exposições individuais e participou de várias

Leia mais

SOPHIE WHETTNALL Endless landscape. Vera Cortês, Agência de Arte Inauguração dia 7 de Novembro às 22h

SOPHIE WHETTNALL Endless landscape. Vera Cortês, Agência de Arte Inauguração dia 7 de Novembro às 22h scroll down for English version SOPHIE WHETTNALL Endless landscape Vera Cortês, Agência de Arte Inauguração dia 7 de Novembro às 22h De dia 8 de Novembro a dia 6 de Dezembro Terça a sexta das 11h às 19h

Leia mais

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos.

Óptica. Feixe de Raios Paralelos: A luz do sol que atinge a terra pode ser considerada um feixe de raios paralelos. Óptica Os fenômenos ópticos que observamos através do nosso aparelho de visão (Olho Humano) são todos devidos às propriedades da luz. Para estudarmos a óptica, ou seja, os efeitos sofridos pela luz, utilizaremos

Leia mais

QUASE AQUI DANIEL SENISE VERMELHO INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR / INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR

QUASE AQUI DANIEL SENISE VERMELHO INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR / INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR VERMELHO QUASE AQUI DANIEL SENISE CONTATO / CONTACT INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR / INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR END / ADDRESS TEL / PHONE WEB RUA MINAS GERAIS. 350. CEP:01224-010. HIGIENÓPOLIS. SÃO PAULO.

Leia mais

Dioptro plano Teoria e exercícios para vestibulares de ponta

Dioptro plano Teoria e exercícios para vestibulares de ponta Dioptro plano Teoria e exercícios para vestibulares de ponta Singular SBC Chico Boca Um dioptro plano consiste num conjunto de dois meios opticamente homogêneos e transparentes separados por uma superfície

Leia mais

ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS

ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS 1 ARTE DE MAIO, OU DE QUALQUER OUTRO MÊS A exposição Maio, realizada na Galeria Vermelho, em 2005, composta por individuais de Rogério Canella e Nicolás Robbio é uma mostra que desvela nossa época, evidencia

Leia mais

Obra Limpa III. Nome: Rodrigo Paglieri Cidade: Brasília Tipo de proposta: Intervenção Urbana

Obra Limpa III. Nome: Rodrigo Paglieri Cidade: Brasília Tipo de proposta: Intervenção Urbana Nome: Rodrigo Paglieri Cidade: Brasília Tipo de proposta: Intervenção Urbana Obra Limpa III A intervenção urbana Obra Limpa é construída a partir da limpeza dos muros da cidade. Retirando da superfície

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL

LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL LISTA DE EXERCÍCIOS 1º ANO ACADÊMICO PROF. FELIPE KELLER TURMAS: 1C01 a 1C10 Lista para a prova da 1UL 1 (Unirio) Durante a final da Copa do Mundo, um cinegrafista, desejando alguns efeitos especiais,

Leia mais

LENÇÓIS ESQUECIDOS NO RIO VERMELHO INTERVENÇÃO URBANA

LENÇÓIS ESQUECIDOS NO RIO VERMELHO INTERVENÇÃO URBANA 572 LENÇÓIS ESQUECIDOS NO RIO VERMELHO INTERVENÇÃO URBANA Selma Parreira t r a v e s s i a s e d. 1 0 i s s n 1 9 8 2-5 9 3 5 As fotos registram a intervenção urbana, site specific que aconteceu no leito

Leia mais

ELIZABETH JOBIM. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil Celma Albuquerque Galeria de Arte.

ELIZABETH JOBIM. Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, Brasil Celma Albuquerque Galeria de Arte. ARTE CONTEMPORÂNEA RUA PAULO BARRETO 77, BOTAFOGO 22280-010 RIO DE JANEIRO RJ BRASIL TF +55 (21) 2541 4935 WWW.LURIXS.COM ELIZABETH JOBIM Exposições individuais 2013 Blocos Celma Albuquerque Galeria de

Leia mais

Es c o l h e r p e n s a r

Es c o l h e r p e n s a r Es c o l h e r p e n s a r As fotografias de Daniel Costa (1973-2000) apresentadas aqui constituem parte de um conjunto que ele próprio concebeu como alternância de duas séries a de fotografias de nuvens

Leia mais

HENRIQUE OLIVEIRA. 1973, Ourinhos, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo

HENRIQUE OLIVEIRA. 1973, Ourinhos, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo HENRIQUE OLIVEIRA 1973, Ourinhos, São Paulo, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS SELECIONADAS / SELECTED SOLO EXHIBITIONS 2014 Museu de Arte Contemporânea

Leia mais

1989 Contemporary Art Gallery 110, Concerto Concrete, Rio de Janeiro, Brazil

1989 Contemporary Art Gallery 110, Concerto Concrete, Rio de Janeiro, Brazil Paulo Roberto Leal Born in, 1946 Died in, 1991 Solo Exhibitions 1989 Contemporary Art Gallery 110, Concerto Concrete, Galeria São Paulo, São 1976 Gallery Oscar Seraphico, Brasilia, Brazil 1975 Art Gallery

Leia mais

Curriculum Vitae. João Atanásio Maranhão, 1948

Curriculum Vitae. João Atanásio Maranhão, 1948 Curriculum Vitae João Atanásio Maranhão, 1948 Estudou pintura nos anos 80 na Escola de Artes Visuais do Rio de Janeiro e gravura na PUC-RIO. De 1985 a 1987, residiu na Espanha onde freqüentou a Faculdade

Leia mais

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar.

15/09/2015 1 PRINCÍPIOS DA ÓPTICA O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. O QUE É A LUZ? A luz é uma forma de energia que não necessita de um meio material para se propagar. PRINCÍPIOS DA ÓPTICA A luz do Sol percorre a distância de 150 milhões de quilômetros com uma velocidade

Leia mais

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta...

Assim caminha a luz. Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem. Em linha reta... A UU L AL A Assim caminha a luz Logo após o jantar, Roberto e Ernesto saem para dar uma volta. - Olha, pai, como a Lua está grande! - diz Ernesto. - É, aparentemente isso é verdade. Mas pegue essa moeda

Leia mais

2014 Sonnabend Gallery, Nova York, EUA Precaução de Contato, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brazil

2014 Sonnabend Gallery, Nova York, EUA Precaução de Contato, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brazil carlito carvalhosa 1961 nasceu em são paulo vive e trabalha no rio de janeiro exposições individuais 2014 Sonnabend Gallery, Nova York, EUA Precaução de Contato, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brazil

Leia mais

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos

Construção Geométrica com Espelhos Esféricos Construção Geométrica com Espelhos Esféricos 1. (Ufsm 2012) A figura de Escher, Mão com uma esfera espelhada, apresentada a seguir, foi usada para revisar propriedades dos espelhos esféricos. Então, preencha

Leia mais

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares.

O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da. de Daniel Neto e Elenir tavares. O diretor-presidente da COPASA, Ricardo Simões, tem o prazer de convidá-lo para a abertura da exposição Entre Silêncio e Paisagem, de Daniel Neto e Elenir tavares. Abertura 23 de outubro, às 19 horas.

Leia mais

1970 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: pintura e colagem, na Prisma Galeria de Arte

1970 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: pintura e colagem, na Prisma Galeria de Arte Eduardo Sued Exposições individuais 1968 - Rio de Janeiro RJ - Individual, na Galeria Bonino 1970 - Rio de Janeiro RJ - Eduardo Sued: pintura e colagem, na Prisma Galeria de Arte 1974 - Rio de Janeiro

Leia mais

Exercícios de Óptica Conceitos básicos

Exercícios de Óptica Conceitos básicos COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR BARBACENA MG POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS Exercícios de Recuperação de Física 1ª prova DATA: SOESP: Profª. Eliane Ensino Médio Série 2º Turmas 201-202-203 1ª etapa

Leia mais

quem? NOVA JOIA é coordenado por Mirla Fernandes e Renata Porto.

quem? NOVA JOIA é coordenado por Mirla Fernandes e Renata Porto. quem? NOVA JOIA é coordenado por Mirla Fernandes e Renata Porto. Com um percurso muito parecido, ambas fizeram sua descoberta da Art Jewellery na Europa. Renata Porto no Ar.Co em Lisboa, e Mirla Fernandes

Leia mais

2001 Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil Fundação Castro Maia, Rio de Janeiro, Brazil

2001 Paço Imperial, Rio de Janeiro, Brasil Fundação Castro Maia, Rio de Janeiro, Brazil DANIEL FEINGOLD Rio de Janeiro, Brazil, 1954 vive e trabalha no Rio de Janeiro SOLO EXHIBITIONS 2014 Daniel Feingold. Galeria Raquel Arnaud, São Paulo, Brazil 2013 Acaso contorlado. Museu de Arte Moderna

Leia mais

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO

COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO COM TRABALHOS INÉDITOS NO OI FUTURO, PAULO CLIMACHAUSKA ABRE DUAS EXPOSIÇÕES NO RIO Artista paulistano inaugura Re-subtrações - Paulo Climachauska, no Oi Futuro no Flamengo dia 14 de janeiro e Fluxo de

Leia mais

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da

Qualquer fotografia une planos num só plano, desloca um lado da F A Z E N D O E S C O L A C O M I M A G E N S TREM DO DESEJO...fotografias despregadas do real Wenceslao Machado de Oliveira Jr Uma jangada à deriva a céu aberto leva os corações despertos a sonhar por

Leia mais

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar

Antropologia da Face Gloriosa. Arthur Omar Antropologia da Face Gloriosa Arthur Omar Arthur Omar é um artista brasileiro múltiplo, com presença de ponta em várias áreas da produção artística contemporânea. Formado em antropologia e etnografia,

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Minimalismo Principais Artistas. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

Minimalismo Principais Artistas. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Minimalismo Principais Artistas Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes Definição Minimalismo se refere a uma tendência das artes visuais que ocorreu no fim dos anos 1950 e início dos

Leia mais

DORA LONGO BAHIA IMAGENS CLARAS X IDEAS VAGAS

DORA LONGO BAHIA IMAGENS CLARAS X IDEAS VAGAS VERMELHO DORA LONGO BAHIA IMAGENS CLARAS X IDEAS VAGAS CONTATO / CONTACT INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR / INFO@GALERIAVERMELHO.COM.BR END / ADDRESS TEL / PHONE WEB RUA MINAS GERAIS. 350. CEP:01224-010. HIGIENÓPOLIS.

Leia mais

Solo Exhibitions. 2012 Inabsência, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brazil Galeria Del Paseo, Punta del Este, Uruguay

Solo Exhibitions. 2012 Inabsência, Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brazil Galeria Del Paseo, Punta del Este, Uruguay The São Paulo-born Artur Lescher stands out in the contemporary Brazilian art scene with his three-dimensional work. His pieces transcend their sculptural character, crossbreeding the boundaries of installations

Leia mais

Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais).

Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais). Cotando desenhos Linear Aligned Ordinate Radius Diameter Angular Quick Dimension Baseline Cria medidas de distâncias entre dois pontos que serão sempre projeções no eixo X e Y (cotas horizontais e verticais).

Leia mais

REVISÃO PARA PROVA. Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes

REVISÃO PARA PROVA. Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo. Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes REVISÃO PARA PROVA Surrealismo; Cinema e Vídeo-Arte; Minimalismo Professora: Caroline Bonilha Componente Curricular: Artes O SURREALISMO foi o movimento artístico moderno da representação do irracional

Leia mais

Conteúdo Programático Anual

Conteúdo Programático Anual INGLÊS 1º BIMESTRE 5ª série (6º ano) Capítulo 01 (Unit 1) What s your name? What; Is; My, you; This; Saudações e despedidas. Capítulo 2 (Unit 2) Who s that? Who; This, that; My, your, his, her; Is (afirmativo,

Leia mais

On/Offline Residência artística "Olhar o passado para construir o futuro" XVIII BIENAL DE CERVEIRA

On/Offline Residência artística Olhar o passado para construir o futuro XVIII BIENAL DE CERVEIRA On/Offline Residência artística "Olhar o passado para construir o futuro" XVIII BIENAL DE CERVEIRA NEREA CASTRO (SP) TOM BORGAS (AUS) De 10 a 30 Agosto 2015 CONCEITO Não é incomum que Nerea Castro (Espanha)

Leia mais

karin lambrecht n./b. 1957 -- porto alegre, brazil vive e trabalha em/lives and works in porto alegre

karin lambrecht n./b. 1957 -- porto alegre, brazil vive e trabalha em/lives and works in porto alegre karin lambrecht n./b. 1957 -- porto alegre, brazil vive e trabalha em/lives and works in porto alegre exposições individuais / solo exhibitions 2015 Pintura e desenho, Galeria do Instituto Ling, Porto

Leia mais

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho.

II- Quanto mais próximo está um objeto de um espelho plano, mais distante está sua imagem do espelho. Professor: DUDU (óptica geométrica e espelhos planos) 1ºLista de exercícios física 1-Considere a figura a seguir que representa uma caixa cúbica que tem, em uma de suas faces, um espelho plano com a face

Leia mais

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini

Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Espaço, tempo e seus desdobramentos na obra de Rafael Pagatini Luísa Kiefer...a nossa experiência diária parece mostrar que nos constituímos como seres que se deslocam pela vida, com a única certeza da

Leia mais

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120

O maior ângulo entre os espelhos, para que se possam enxergar onze imagens inteiras desse objeto, será de: a) 20 b) 30 c) 45 d) 60 e) 120 Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Turma 1º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Bimestral Aulas 6 a 8 1) A figura a seguir representa um raio de luz incidindo

Leia mais

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ----

Valores eternos. MATÉRIA PROFESSOR(A) ---- ---- Valores eternos. TD Recuperação ALUNO(A) MATÉRIA Física II PROFESSOR(A) Fernando ANO SEMESTRE DATA 2º 1º Julho/2013 TOTAL DE ESCORES ESCORES OBTIDOS ---- ---- 1. Considere a figura ao lado. Com base no

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G eoff Rees Be neat h t he re ef, 199 2, s er igr af i a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam

Leia mais

Perspectiva Quadridimensional. Denis Mandarino. São Paulo

Perspectiva Quadridimensional. Denis Mandarino. São Paulo Perspectiva Quadridimensional Denis Mandarino São Paulo SUMÁRIO Introdução... 02 Apresentação do sistema... 03 Casos de Perspectiva Quadridimensional... 13 Conclusão... 19 Conheça também... 20 Bibliografia...

Leia mais

QUANDO RAMOS SÃO SUBTRAÍDOS ANDRÉ KOMATSU. GALERIA VERMELHO Rua Minas Gerais 350 SP 01244010/ 55 11 3257 2033

QUANDO RAMOS SÃO SUBTRAÍDOS ANDRÉ KOMATSU. GALERIA VERMELHO Rua Minas Gerais 350 SP 01244010/ 55 11 3257 2033 QUANDO RAMOS SÃO SUBTRAÍDOS ANDRÉ KOMATSU GALERIA VERMELHO Rua Minas Gerais 350 SP 01244010/ 55 11 3257 2033 Vista da exposição Quando os ramos são subtraídos na Galeria Vermelho, São Paulo, Brasil, 2007.

Leia mais

O eclipse solar e as imagens do Sol observadas no chão ou numa parede

O eclipse solar e as imagens do Sol observadas no chão ou numa parede O eclipse solar e as imagens do Sol observadas no chão ou numa parede The solar eclipse and the Sun s images observed on the ground or on a wall Caderno Brasileiro de Ensino de Física, n. 24, v. 3: p.

Leia mais

Pedro Motta. 2015 Prêmio ICCo/Sp-Arte.

Pedro Motta. 2015 Prêmio ICCo/Sp-Arte. Pedro Motta Nascido em 1977, Belo Horizonte, Vive e trabalha em Belo Horizonte, Educação Prêmios e Bolsas: 2015 Prêmio ICCo/Sp-Arte. Exposições Individuais Testemunho, Galeria Celma Albuquerque, Belo Horizonte,

Leia mais

LUZ E SOMBRA NA ARTE

LUZ E SOMBRA NA ARTE LUZ E SOMBRA NA ARTE A luz e a sombra são elementos fundamentais da linguagem visual. Com elas podemos criar no desenho, na pintura e escultura belíssimos efeitos como o de dilatação do espaço, o de profundidade

Leia mais

exposições individuais / solo exhibitions 2014 Sonnabend Gallery, New York, USA Precaução de Contato, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brazil

exposições individuais / solo exhibitions 2014 Sonnabend Gallery, New York, USA Precaução de Contato, Galeria Nara Roesler, São Paulo, Brazil carlito carvalhosa n./b. 1961-- sao paulo, brazil vive e trabalha no/lives and works in rio de janeiro exposições individuais / solo exhibitions 2014 Sonnabend Gallery, New York, USA Precaução de Contato,

Leia mais

A arquitetura dos memoriais

A arquitetura dos memoriais PARTE 01: Conteúdo para a prova A arquitetura dos memoriais Você já ouviu falar em memorial ou já visitou um espaço arquitetônico destinado à memória de alguma personalidade, de um povo ou de algum fato

Leia mais

sala das nuvens e do céu 37^ ~ L 1 T" sala das pedras EAV - Parque Lage Cavalariças

sala das nuvens e do céu 37^ ~ L 1 T sala das pedras EAV - Parque Lage Cavalariças í sala das nuvens e do céu 1 T" 37^ ~ L sala das pedras EAV - Parque Lage Cavalariças A artista Formação: Licenciatura Plena em Artes Plásticas, Escola de Belas Artes, UFRJ; Gravura em Metal, Atelier de

Leia mais

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br

Preposições em Inglês: www.napontadalingua.hd1.com.br Preposições na língua inglesa geralmente vem antes de substantivos (algumas vezes também na frente de verbos no gerúndio). Algumas vezes é algo difícil de se entender para os alunos de Inglês pois a tradução

Leia mais

Marcus André. Rio de Janeiro, 1961 Vive e trabalho no Rio de Janeiro, Brasil. Exposições Coletivas

Marcus André. Rio de Janeiro, 1961 Vive e trabalho no Rio de Janeiro, Brasil. Exposições Coletivas Marcus André Rio de Janeiro, 1961 Vive e trabalho no Rio de Janeiro, Brasil Exposições Coletivas 2009 Museu de Arte Contemporânea de Paraná 63 o. Salão Paranaense de Arte. Curitiba PR 2008 Durex Arte Contemporânea

Leia mais

2014 Retrospectiva, Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brasil; Museu de Arte Moderna Retrospectiva, Aloísio Magalhães, Recife, Brasil

2014 Retrospectiva, Palácio das Artes, Belo Horizonte, Brasil; Museu de Arte Moderna Retrospectiva, Aloísio Magalhães, Recife, Brasil angelo venosa 1954 nasceu em são paulo vive e trabalha no rio de janeiro exposições individuais 2014 Retrospectiva, Palácio das Artes, Belo Horizonte, ; Museu de Arte Moderna Retrospectiva, Aloísio Magalhães,

Leia mais

1970 - VI Salão de Arte Contemporânea de Campinas - Museu de Arte Contemporânea - Campinas - SP

1970 - VI Salão de Arte Contemporânea de Campinas - Museu de Arte Contemporânea - Campinas - SP Ana Vitória Mussi Ana Vitória Mussi nasceu em Laguna SC e vive no Rio de Janeiro. Estuda arte com Ivan Serpa de 1968 a 1971 e fotografia com Kaulino e Ricardo Holanda no SENAC (RJ) de 1972 a 1973. Trabalha

Leia mais

LENORA DE BARROS. Born 1953 São Paulo, Brazil Lives and works in São Paulo, Brazil. Solo Exhibitions

LENORA DE BARROS. Born 1953 São Paulo, Brazil Lives and works in São Paulo, Brazil. Solo Exhibitions LENORA DE BARROS Born 1953 São Paulo, Brazil Lives and works in São Paulo, Brazil Solo Exhibitions 2014 Umas e Outras (Some and Others), curated by Glória Ferreira, PIVÔ, São Paulo-SP, Brazil 2013 Umas

Leia mais

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco

Curso Wellington - Física Óptica Espelhos Planos Prof Hilton Franco 1. Considere um objeto luminoso pontual, fixo no ponto P, inicialmente alinhado com o centro de um espelho plano E. O espelho gira, da posição E 1 para a posição E 2, em torno da aresta cujo eixo passa

Leia mais

HOTEL TIVOLI VICTÓRIA VILAMOURA, ALGARVE

HOTEL TIVOLI VICTÓRIA VILAMOURA, ALGARVE HOTEL TIVOLI VICTÓRIA VILAMOURA, ALGARVE ARTISTS ARTISTAS > Adelina Lopes, João Louro, Gabriela Albergaria, Mariana Viegas, Nuno Cera, Pedro Calapez, Ricardo Valentim GALLERIES GALERIAS > Cristina Guerra,

Leia mais

RUBENS MANO. 1960, São Paulo, SP, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo

RUBENS MANO. 1960, São Paulo, SP, Brasil Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo RUBENS MANO 1960, São Paulo, SP, Vive e trabalha em São Paulo / Lives and works in São Paulo EXPOSIÇÕES INDIVIDUAIS SELECIONADAS / SELECTED SOLO EXHIBITIONS 2012 Corte e retenção, Casa da Imagem, São Paulo,

Leia mais

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1

FÍSICA ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 2014_Física_2 ano FÍSICA Prof. Bruno ÓPTICA GEOMÉTRICA FÍSICA 1 1. (Uftm 2012) Uma câmara escura de orifício reproduz uma imagem de 10 cm de altura de uma árvore observada. Se reduzirmos em 15 m a distância

Leia mais

Poderes da Pintura.indd 11

Poderes da Pintura.indd 11 Figura 1 Estranho e poderoso quadro (Figura 1). Quando o olho sou imediatamente arrastado por um movimento centrífugo que me lança no ar, rodopiando como uma hélice que gira da direita para a esquerda,

Leia mais

Conclusão do Curso de Bacharel em Direito - Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte-MG, Brasil

Conclusão do Curso de Bacharel em Direito - Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte-MG, Brasil Nasceu em Paraisópolis-MG, - 1920 Faleceu em Belo Horizonte-MG, - 2002 Formação 1945 Conclusão do Curso de Bacharel em Direito - Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - Belo Horizonte-MG,

Leia mais

exposições individuais / solo exhibitions Artur Lescher: Inside-Out, Piero Atchugarry Gallery, Punta Del Este, Uruguay

exposições individuais / solo exhibitions Artur Lescher: Inside-Out, Piero Atchugarry Gallery, Punta Del Este, Uruguay artur lescher n./b. 1962 -- sao paulo, brazil vive e trabalha em/lives and works in sao paulo, brazil exposições individuais / solo exhibitions 2016 Artur Lescher: Inside-Out, Piero Atchugarry Gallery,

Leia mais

Física José Ranulfo (joranulfo@hotmail.com)

Física José Ranulfo (joranulfo@hotmail.com) 05. (UFPE 97/Fís. 3) Considere um raio de luz contido em um plano perpendicular aos dois espelhos planos, conforme a figura abaixo. O raio refletido formará o ângulo γ com o feixe incidente, cujo valor

Leia mais

NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL

NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia Néli Falcão Barbosa NAS TRAMAS DO COTIDIANO: ADULTOS E CRIANÇAS CONSTRUINDO A EDUCAÇÃO INFANTIL Dissertação de Mestrado DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Educação Rio de Janeiro

Leia mais

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos:

Neste ano estudaremos a Mecânica, que divide-se em dois tópicos: CINEMÁTICA ESCALAR A Física objetiva o estudo dos fenômenos físicos por meio de observação, medição e experimentação, permite aos cientistas identificar os princípios e leis que regem estes fenômenos e

Leia mais

Teoria Económica Clássica e Neoclássica

Teoria Económica Clássica e Neoclássica Teoria Económica Clássica e Neoclássica Nuno Martins Universidade dos Açores Jornadas de Estatística Regional 29 de Novembro, Angra do Heroísmo, Portugal Definição de ciência económica Teoria clássica:

Leia mais

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula.

Gráficos: Q2)Para cada função posição x(t) diga se a aceleração é positiva, negativa ou nula. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA-CFM DEPARTAMENTO DE FÍSICA FSC 5107 FÍSICA GERAL IA Semestre 2012.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 2 - MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO Gráficos: Q1) Para cada gráfico seguinte de

Leia mais

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas.

ÓPTICA. Conceito. Divisões da Óptica. Óptica Física: estuda os fenômenos ópticos que exigem uma teoria sobre a natureza das ondas eletromagnéticas. ÓPTICA Conceito A óptica é um ramo da Física que estuda os fenomenos relacionados a luz ou, mais amplamente, a radiação eletromagnética, visível ou não. A óptica explica os fenômenos de reflexão, refração

Leia mais

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e

Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e A U A UL LA Atira mais em cima! O pessoal está reunido na casa de Gaspar e Alberta. O almoço acabou e todos conversam em torno da mesa. - Eu soube que você está interessado em ótica - diz Gaspar a Ernesto.

Leia mais

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR

TURMA 801. Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR TURMA 801 Aula 07 PERSPECTIVA LINEAR Nós habitamos um mundo tridimensional. Ou seja, vemos o mundo em três dimensões: a altura, a largura e a profundidade. É por conta da profundidade que dizemos a árvore

Leia mais

Paula Almozara «Paisagem-ficção»

Paula Almozara «Paisagem-ficção» Rua da Atalaia, 12 a 16 1200-041 Lisboa + (351) 21 346 0881 salgadeiras@sapo.pt www.salgadeiras.com Paula Almozara «Paisagem-ficção» No âmbito da sua estratégia internacional, a Galeria das Salgadeiras

Leia mais

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de

Questão 57. Questão 58. alternativa D. alternativa C. seu mostrador deverá indicar, para esse mesmo objeto, o valor de OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s ; para a massa específica

Leia mais

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer?

Câmbio MONEY CHANGER. I d like to exchange some money. Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Where can I find a money changer? MONEY CHANGER Câmbio I d like to exchange some money. Where can I find a money changer? Gostaria de cambiar um pouco de dinheiro. Onde posso encontrar um câmbio? I d like to exchange (I would) Where can

Leia mais

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura

O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura The little things world: prints for textile made with objects of sewing universe Cavalcante, Vanessa Peixoto;

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2

γ = 5,0m/s 2 2) Cálculo da distância percorrida para a velocidade escalar reduzir-se de 30m/s para 10m/s. V 2 2 OBSERVAÇÃO (para todas as questões de Física): o valor da aceleração da gravidade na superfície da Terra é representado por g. Quando necessário, adote: para g, o valor 10 m/s 2 ; para a massa específica

Leia mais

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4

Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano. Questão 1. Questão 4 Título: Professor: Turma: 2ª Lista de Física II Tadeu 2ª Ano Questão 1 Um raio luminoso emitido por um laser de um ponto F incide em um ponto I de um espelho plano. O ponto F está a uma distância b do

Leia mais

exposições individuais / solo exhibitions 2015 Afluentes, Galeria Nara Roesler, Rio de Janeiro, Brazil

exposições individuais / solo exhibitions 2015 Afluentes, Galeria Nara Roesler, Rio de Janeiro, Brazil artur lescher n. b. 1962 -- sao paulo, brazil vive e trabalha em / lives and works in sao paulo, brazil exposições individuais / solo exhibitions 2015 Afluentes, Galeria Nara Roesler, Rio de Janeiro, Brazil

Leia mais

L U M E A R Q U I T E T U R A. Projetores Air Landing, normalmente utilizados para faróis de aviões, enfatizam a leveza do monumento.

L U M E A R Q U I T E T U R A. Projetores Air Landing, normalmente utilizados para faróis de aviões, enfatizam a leveza do monumento. Projetores Air Landing, normalmente utilizados para faróis de aviões, enfatizam a leveza do monumento. c a p a Salas de exposições do mezanino. Obras de arte receberam mesmo sistema de iluminação flexível

Leia mais

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com

diálogo ARTES Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com ARTES diálogo Gonçalo Barreiros Experiência alienante SANDRA VIEIRA JÜRGENS sandravieirajurgens@gmail.com Nas suas intervenções artísticas, no domínio da escultura e da instalação, Gonçalo Barreiros pode

Leia mais

Nós entre o Visível e o Invisível

Nós entre o Visível e o Invisível 44 Nós entre o Visível e o Invisível We, between visible an invisible Correia, Carlos (2014) Nós entre o Visível e o Invisível. Revista Gama, Estudos Artísticos. ISSN 2182-8539, e-issn 2182-8725. Vol.

Leia mais

Jogos de dados de Rafael Assef

Jogos de dados de Rafael Assef Jogos de dados de Rafael Assef Jogo 10 - da série Jogo de Dados (2005) Rafael Assef/ fotografia/ 78 x 100 cm Jogo 11 - da série Jogo de Dados (2005) Rafael Assef/ fotografia/ 78 x 100 cm Jogo 13 - da série

Leia mais