ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF / NIRE Código CVM n.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF 61.695.227/0001-93 NIRE 35.300.050.274 Código CVM n."

Transcrição

1 ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF / NIRE Código CVM n.º COMUNICADO AO MERCADO ESCLARECIMENTOS SOBRE CONSULTA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A., sociedade por ações, com sede no Município de Barueri, Estado de São Paulo, na Av. Dr. Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues, 939, lojas 1 e 2 (térreo) e 1º ao 7º andar, Torre 2, Bairro Sítio Tamboré, CEP , inscrita no CNPJ/MF sob n.º / , com seus atos constitutivos devidamente arquivados na JUCESP sob o NIRE , registrada na Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) como companhia aberta categoria A sob o n.º 14176, em atenção ao OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 271/2013, datado de 17 de junho de 2013 e recebido pela Companhia em 19 de junho de 2013 ( Ofício ), cujo prazo de manifestação foi prorrogado por decisão da CVM, vem por meio deste comunicado, apresentar os esclarecimentos solicitados à Companhia pela CVM por meio do referido Ofício. Para melhor compreensão da consulta formulada e dos esclarecimentos prestados pela Companhia, o inteiro teor do Ofício segue trasladado como Documento 01 e a resposta da Companhia à consulta consta como Documento 02 ao presente. Nos termos da legislação aplicável e em conformidade com as melhores práticas de governança, a Companhia manterá seus acionistas, seus investidores e o mercado em geral informado. Barueri, 21 de junho de Rinaldo Pecchio Junior Diretor Vice-Presidente e Relações com Investidores

2 ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF / NIRE Código CVM n.º COMUNICADO AO MERCADO ESCLARECIMENTOS SOBRE CONSULTA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOCUMENTO 01 TRASLADO DO OFÍCIO

3 OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 271/2013 Ao Senhor Rinaldo Pecchio Junior Diretor de Relações com Investidores de ELETROPAULO METROPOLITANA EL.S.PAULO S.A Av. Dr. Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues, nº 939, torre 2, 7º Andar, Sítio Tamboré Barueri São Paulo - CEP: Tel: (11) Fax: (11) Assunto: Solicitação de Esclarecimentos Senhor Diretor, Rio de Janeiro, 17 de junho de 2013 Reportamo-nos à notícia veiculada em na Revista Exame, intitulada A Empresa que Apagou, na qual constam, dentre outras informações, a afirmação de que no pior cenário, as ações da companhia podem chegar a valer zero. Adicionalmente, são levantadas informações a respeito da aplicação de multas por parte da Agência Nacional de Energia Elétrica, que afetariam adversamente a companhia, que aliadas ao elevado volume de endividamento, deixariam a companhia em situação difícil. A respeito, determinamos que V.Sª. esclareça se a notícia é verídica, e, se confirmada sua veracidade, deverá explicar os motivos pelos quais entendeu não se tratar de fato relevante. Tal manifestação deverá incluir referência a este ofício, e ser encaminhada ao Sistema IPE, categoria Comunicado ao Mercado, tipo Esclarecimentos sobre consultas CVM/BOVESPA. Lembramos que pelo 1º, do artigo 3º, da Instrução CVM nº 358/02, o Diretor de Relações com Investidores deverá inquirir as pessoas com acesso a atos e fatos relevantes, para apurar se há qualquer informação não adequadamente divulgada ao mercado. De ordem da Superintendência de Relações com Empresas SEP, alertamos que a ela caberá, no uso de suas atribuições legais e, com fundamento no inciso II, do artigo 9º, da Lei 6.385/76, e na Instrução CVM nº 452/07, determinar a aplicação de multa cominatória, no valor de R$ 1.000,00 (mil reais), sem prejuízo de outras sanções administrativas, pelo não cumprimento da exigência contida neste ofício no prazo de até 24 horas a contar do conhecimento do teor deste expediente, ora também enviado por fax e por . Necessitando esclarecimentos adicionais, entrar em contato com Bruno Rocha, analista responsável pelo assunto em apreço, através do telefone (21) Atenciosamente, BAR NILZA MARIA SILVA DE OLIVEIRA Gerente de Acompanhamento de Empresas-1

4 ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A. Companhia Aberta CNPJ/MF / NIRE Código CVM n.º COMUNICADO AO MERCADO ESCLARECIMENTOS SOBRE CONSULTA DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DOCUMENTO 02 ESCLARECIMENTOS DA COMPANHIA SOBRE A CONSULTA

5 Barueri, 21 de junho de COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Rua Sete de Setembro, º, 3.º, 5.º, 6.º (parte), 23.º, 26.º ao 34.º Andares Centro CEP Rio de Janeiro, RJ, Brasil At: Ilma. Sra. Nilza Maria Silva de Oliveira Gerente de Acompanhamento de Empresas - 1 Ilmo. Sr. Bruno Rocha Analista da Gerência de Acompanhamento de Empresas - 1 Ref.: Esclarecimento sobre consulta CVM/BOVESPA - OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 271/2013 Prezados Senhores, Em atenção à consulta formulada por meio do OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 271/2013, datado de 17 de junho de 2013 e recebido pela Companhia em 19 de junho de 2013 ( Ofício ), relativa à matéria veiculada na Revista Exame, edição de 13 de junho de 2013, intitulada A Empresa que Apagou, a ELETROPAULO METROPOLITANA ELETRICIDADE DE SÃO PAULO S.A., sociedade por ações, com sede no Município de Barueri, Estado de São Paulo, na Av. Dr. Marcos Penteado de Ulhôa Rodrigues, 939, lojas 1 e 2 (térreo) e 1º ao 7º andar, Torre 2, Bairro Sítio Tamboré, CEP , inscrita no CNPJ/MF sob n.º / , com seus atos constitutivos devidamente arquivados na JUCESP sob o NIRE , registrada na Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) como companhia aberta categoria A sob o n.º ( Companhia ), vem pela presente apresentar abaixo as considerações e esclarecimentos aplicáveis. Preliminarmente, vale anotar que no dia 20 de junho de 2013 a Companhia protocolizou pedido de dilação do prazo para manifestação acerca do Ofício, solicitando a esta D. Comissão que o termo final para a manifestação da Companhia fosse prorrogado até o dia 21 de junho de 2013, após o fechamento do mercado. 1

6 Como o pedido de prorrogação do prazo de resposta foi aprovado por esta D. Comissão, concluise pela tempestividade da presente resposta. Inicialmente, salienta-se que referida matéria baseou-se em fatos de conhecimento público e devidamente divulgados pela Companhia em conformidade com a legislação aplicável. No entanto, apesar da utilização de informações públicas divulgadas pela Companhia, as conclusões contidas na matéria não são encontradas em nenhum documento público divulgado pela Companhia e decorrem de avaliação particular dos impactos desses fatos e eventos nas atividades da Companhia. De fato, neste momento, abalizada em sua grande experiência e no seu profundo conhecimento do funcionamento do setor, a Companhia considera que as conclusões expressas na matéria decorrem de uma visão muito individualizada das perspectivas da Companhia. Assim como qualquer investidor e agente de mercado pode utilizar as informações públicas para analisar a Companhia, as conclusões trazidas pela matéria decorrem de julgamento próprio sobre as perspectivas da Companhia. Embora referidas conclusões sejam construídas com base em informações públicas sendo muitas dessas informações divulgadas pela Companhia - não correspondem a uma fidedigna representação da situação atual da Companhia bem como a possível evolução de seus negócios. A Companhia procura não comentar, endossar ou contradizer as conclusões dos investidores e agentes de mercado a respeito de sua situação financeira, atividades e perspectivas. Por outro lado, a fim de facilitar o exame da situação, das perspectivas e do valor da Companhia pelos acionistas, pelos investidores e pelos agentes de mercado, os anexos ao presente instrumento contêm algumas considerações fundamentadas nas informações e documentos públicos divulgados pela Companhia a respeito dos seguintes pontos mencionados na matéria em tela: (1) Processo de revisão tarifária (Anexo I); (2) Processo administrativo sobre possível ativo inexistente (Anexo II); (3) Ação judicial movida pelas Centrais Elétricas Brasileiras S.A. ( Eletrobras ) referente ao Contrato de Financiamento ECF-1.046/1986 (Anexo III); e (4) Endividamento relacionado ao novo tratamento contábil das despesas com entidade de previdência Deliberação CVM 695/12 (Anexo IV). Como é possível depreender da leitura das informações dos anexos, algumas informações constantes da matéria em questão basearam-se nas divulgações realizadas pela própria Companhia 2

7 enquanto outras representam livres opiniões de agentes de mercado (como analistas, investidores e outros). Tendo em vista que (1) tais informações públicas foram amplamente disponibilizadas e divulgadas pela Companhia; e (2) as conclusões apesentadas na matéria decorrem de opinião particular e individualizada sobre o futuro da Companhia, a Companhia entende que não há fato ou evento que possa influir, de modo ponderável, na decisão dos investidores negociarem os valores mobiliários de emissão da Companhia a ser divulgado. Adicionalmente, a administração da Companhia aproveita o ensejo e reforça sua confiança na estratégia adotada pela Companhia focada na constante geração de valor para seus acionistas. Por fim, a Companhia reitera seu compromisso com os melhores padrões de governança corporativa, o que inclui o constante aprimoramento das informações divulgadas e a necessidade de sempre manter o mercado, seus acionistas e seus investidores informados sobre a situação da Companhia e o desenvolvimento de suas atividades. Sendo o que se tinha para o momento, renovam-se os votos de elevada estima e apreço, e permanece-se à disposição caso quaisquer esclarecimentos adicionais sejam julgados necessários. Atenciosamente, Rinaldo Pecchio Junior Diretor Vice-Presidente e Relações com Investidores 3

8 ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE REVISÃO TARIFÁRIA O processo de revisão tarifária mencionado na matéria é de conhecimento geral dos agentes de mercado e foi amplamente divulgado pela Companhia. Nesse sentido, a Companhia divulgou fato relevante no dia 3 de julho de 2012, informando que a Agência Nacional de Energia Elétrica ( Aneel ), em Reunião Pública de Diretoria realizada em 02 de julho de 2012, aprovou um índice final de revisão tarifária periódica da companhia de -9,33% (efeito médio a ser percebido pelo consumidor) e -5,60% (efeito econômico), referente a 04 de julho de A informação foi complementada pelo fato relevante divulgado após o fechamento do mercado no dia 4 de julho 2012, no qual a Companhia esclareceu que a Aneel autorizou um reajuste tarifário médio de +5,51% a ser aplicado em sua tarifa a partir de 04 de Julho de 2012 sobre a tarifa homologada em 02 de Julho de Este fato relevante também divulgou as memórias de cálculo elaboradas pela ANEEL e descreveu detalhes técnicos adicionais relacionados ao processo de revisão tarifária. Importante notar que o item 7.5 do formulário de referência da Companhia (efeitos relevantes da regulação estatal nas atividades) e a nota explicativa 34.4 (risco de preço) constante nas demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2012 detalham as informações e cálculos técnicos e financeiros utilizados em cada ciclo de revisão tarifária, incluindo referências aos questionamentos administrativos realizados pela Companhia com relação aos valores utilizados pela ANEEL na revisão tarifária. No que tange o efeito da postergação da metodologia do 3.º ciclo de revisão tarifária, aplicado pela ANEEL a todas as distribuidoras que teriam revisão tarifária no ano 2011, vale ressaltar que a nota explicativa 34.4 das demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2012 esclareceu que de acordo com o contrato de concessão, a revisão tarifária da Companhia deveria ter ocorrido em 4 de julho de Porém, devido ao atraso na definição da metodologia a ser aplicada no 3 Ciclo de Revisão Tarifária, a ANEEL decidiu postergar a aplicação da nova metodologia de revisão tarifária para 4 de julho de 2012, em conjunto com o reajuste tarifário. Conforme estabelecido pela ANEEL, o montante relativo ao passivo regulatório referente à postergação da aplicação da metodologia do 3 ciclo de revisão tarifária periódica não foi considerado no reajuste tarifário de De acordo com a nota técnica 203/2012, o montante poderá ser devolvido nas proporções de 1/3 e 2/3 nos reajustes tarifários de 2013 e 2014, respectivamente. No entanto, o montante a ser devolvido em cada reajuste e a forma de correção monetária deverão ainda ser definidos pela ANEEL. 4

9 Adicionalmente, as notas explicativas 33.4 do formulário de informações trimestrais ITR do trimestre encerrado em 31 de março de 2013 mencionam expressamente que o montante relativo ao passivo regulatório referente à postergação da aplicação da metodologia do 3 ciclo de revisão tarifária periódica, calculado pela ANEEL em R$ , não foi considerado no reajuste tarifário de Em 31 de março de 2013 a melhor estimativa desse montante corrigido representa R$ Lembra-se, ademais, que na apresentação dos resultados da Companhia do 1.º trimestre de 2013, divulgada no dia 9 de maio de 2013 (disponível no Sistema IPE na categoria comunicado ao mercado, tipo apresentações a analistas/agentes do mercado ), a Companhia informou que em seu recurso administrativo relacionado à revisão tarifária pleiteia a reversão da exclusão de R$ 728 milhões referente à quantidade de cabos e R$ 533 milhões referente à reclassificação de contas e ajustes na quantidade de equipamentos. Adicionalmente, a Companhia requer a inclusão de R$ 442 milhões referente à componentes menores e capitalização de pleito de mão de obra na chamada base incremental. Posteriormente, no dia 4 de junho de 2013, a Companhia divulgou mais informações relacionadas ao recurso administrativo junto à ANEEL, conforme página 23 da apresentação disponível no Sistema IPE sob a categoria comunicado ao mercado, tipo apresentações a analistas/agentes do mercado. Em tal apresentação, a Companhia não só detalhou o andamento do recurso de revisão tarifária como também apresentou os principais argumentos para a reversão da exclusão dos cabos e inclusões de ativos na composição da tarifa. 5

10 ANEXO II INFORMAÇÕES ACERCA DE PROCESSO ADMINISTRATIVO SOBRE POSSÍVEL ATIVO INEXISTENTE Conforme constante da nota explicativa 34.4 das demonstrações financeiras do exercício findo em 31 de dezembro de 2012, [e]m 21 de novembro de 2012, foi aberto processo para que fossem examinados determinados ativos pertencentes à base blindada da Base de Remuneração Regulatória da Companhia e eventual sobreavaliação de ativos e possível devolução de valores cobrados em excesso de consumidores. Por sua vez, o item 7.5 do formulário de referência da Companhia esclareceu que [e]m 18 de fevereiro de 2013 foi sorteado o relator André Pepitone para o processo aberto pela Superintendência de Regulação Econômica para atender à determinação da Diretoria da ANEEL, no âmbito da decisão da Revisão Tarifária Periódica, para análise sobre ativo possivelmente inexistente. 6

11 ANEXO III INFORMAÇÕES SOBRE A AÇÃO JUDICIAL DA ELETROBRAS RELATIVA AO CONTRATO DE FINANCIAMENTO ECF-1.046/1986 A existência e as principais decisões relacionadas à ação judicial movida pela Eletrobras são de conhecimento público no setor e foram amplamente divulgadas pela Companhia. O histórico da discussão envolvendo o Contrato de Financiamento ECF-1.046/1986 encontra-se detalhado na nota explicativa 20.2 (processos com probabilidade de perda classificada como possível), das demonstrações financeiras da Companhia relativas ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de Conforme esclarecido nas referidas notas explicativas, a discussão judicial envolvendo a Companhia e a Eletrobras foi classificada como probabilidade de perda possível, embasada em relatórios preparados por consultores jurídicos da Companhia. Adicionalmente, a nota explicativa nota explicativa 20.2 do formulário de informações trimestrais (ITR) referente ao trimestre encerrado em 31 de março de 2013 menciona expressamente que [c]aso sobrevenha decisão final desfavorável, a Companhia terá que desembolsar o valor de R$ 1.352,946, atualizado até 31 de março de O resumo dos principais fatos do processo encontra-se no item 4.3 do formulário de referência da Companhia (processos judiciais, administrativos ou arbitrais não sigilosos e relevantes), no qual também a Companhia informa que [o]s assessores legais da Companhia mantêm a classificação de êxito como possível. Entretanto, apesar da classificação dada pelos assessores jurídicos, a Companhia dá ampla divulgação à existência do processo, pois entende que o processo é relevante devido ao valor envolvido. Algumas informações adicionais a respeito da ação judicial encontram-se no item 3.3 formulário de referência da Companhia (eventos subsequentes), conforme abaixo: Em 21 de fevereiro de 2013, foi publicada decisão do TJRJ favorável à Companhia, que anulou integralmente a decisão de 1ª instância que havia sido desfavorável para a companhia. Dessa forma, o processo deverá ser reiniciado em 1ª instância para que se prossiga com a análise das questões técnicas e jurídicas, incluindo a realização de perícia contábil. Ao término de tal procedimento, deverá ser proferida nova decisão, que indicará o responsável e o valor devido à Eletrobrás. A estimativa é que os trabalhos periciais não se encerrem em um prazo inferior a 6 meses a ser contado do início dos trabalhos periciais ainda não iniciados. Ao final dos trabalhos, caberá ao perito apontar o montante da dívida e o responsável pelo pagamento, informação essa que será utilizada pelo juiz na determinação do responsável pelo pagamento para a Eletrobrás. 7

12 Vale ressaltar, também, que as principais decisões no âmbito do processo movido pela Eletrobras foram recentemente objeto de fatos relevantes divulgados pela Companhia nos dias 14 de dezembro de 2012, 21 de janeiro de 2013 e 21 de fevereiro de 2013 e encontram-se atualizadas nas informações financeiras para o trimestre findo em 31 de março de 2013 (vide nota explicativa 20.2, item a do formulário de informações trimestrais ITR do trimestre encerrado em 31 de março de 2013). 8

13 ANEXO IV ENDIVIDAMENTO RELACIONADO AO NOVO TRATAMENTO CONTÁBIL DAS DESPESAS COM ENTIDADE DE PREVIDÊNCIA DELIBERAÇÃO CVM 695/12 Conforme divulgado na nota explicativa 18.2 das demonstrações financeiras do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012 e na nota 3 das informações trimestrais da Companhia relativas ao 1.º trimestre de 2013, em 13 de dezembro de 2012 a CVM editou a Deliberação nº 695/2012, que aprovou o documento de revisão do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC referente ao pronunciamento CPC 33 - benefícios a empregados. Deixou-se claro em referidas notas, que o CPC 33(R1) é aplicável a exercícios iniciados a partir de 1º de janeiro de 2013, com aplicação retrospectiva. Adicionalmente, as notas explicativas esclareceram que aplicação do CPC 33 (R1) possui dois efeitos principais, a saber: (i) a eliminação do critério do corredor e (ii) o cálculo da estimativa do retorno dos ativos utilizando a mesma taxa de desconto utilizada no cálculo do passivo atuarial. Basicamente, a aplicação dessas normas requererá a descontinuação do método do corredor e consequente registro da perda atuarial não registrada em contrapartida a outros resultados abrangentes. Consequentemente, a nota explicativa 18.2 das demonstrações financeiras do exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2012 informou que o aumento no passivo é decorrente do registro do corredor em contrapartida a outros resultados abrangentes no montante de R$ A aplicação retroativa da taxa de desconto na estimativa do retorno dos ativos do plano no montante de R$ [mil] afetará o montante registrado no resultado do exercício com despesa de previdência privada em contrapartida de outros resultados abrangente. Adicionalmente haverá o registro dos tributos diferidos ativos em contrapartida de um crédito na rubrica de outros resultados abrangentes no montante de R$ [mil]. Logrando aumentar o entendimento sobe os impactos da adoção do CPC 33 (R1), a Companhia realizou conferência telefônica em 25 de março de 2013 e divulgou pelo Sistema IPE apresentação na mesma data (categoria comunicado ao mercado, tipo apresentações a analistas/agentes do mercado ) esclarecendo as principais mudanças e impactos da nova norma contábil na situação econômico-financeira da Companhia. Ademais, no dia 9 de maio de 2013, o release de resultados relativos ao trimestre encerrado em 31 de março de 2013 (disponível no Sistema IPE, categoria Dados econômicos financeiros, tipo press 9

14 release ) divulgou considerações adicionais a respeito da mudança da norma contábil para registro das despesas com entidade de previdência privada. Na página 13 do release, a Companhia explicou que as alterações trazidas pelo CPC 33(R1) fizeram com que os ganhos e perdas atuariais, que constituíam o corredor e eram informados apenas em nota explicativa das Demonstrações Financeiras da Companhia passaram a ser contabilizados como dívida e terão contrapartida no Patrimônio Líquido no Balanço Patrimonial da Companhia, na linha de outros resultados abrangentes. Também foi explicado no release de resultados que o corredor é excluído do total da dívida para fins do cálculo dos covenants da Companhia, conforme ajuste efetuado em outubro de 2012 nas escrituras e contratos de dívidas da Companhia (p. 13). 10

São Paulo, 18 de março de 2013.

São Paulo, 18 de março de 2013. São Paulo, 18 de março de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários - CVM Superintendência de Relações com Empresas Gerência de Acompanhamento de Empresas 2 At. Sr. Fernando Soares Vieira Sr. Daniel Alves

Leia mais

Comissão de Valores Mobiliários - CVM Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários Superintendência de Relações com Empresas

Comissão de Valores Mobiliários - CVM Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários Superintendência de Relações com Empresas Klabin SA Avenida Brigadeiro Faria Lima 3600, 3º 04538-132 São Paulo SP tel 11 3046 5800 www.klabin.com.br São Paulo, 30 de outubro de 2014. À Comissão de Valores Mobiliários - CVM Superintendência de

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 142/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Fernando Martins Vaz Chabert Diretor de Relações com Investidores da Hotéis Othon S/A Rua Teófilo Otoni, 15, sala 1201, Centro

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-1/Nº 140/2011 Rio de Janeiro, 30 de março de 2011. Ao Senhor Carlos Antonio Tilkian Diretor de Relações com Investidores da MANUFATURA DE BRINQUEDOS ESTRELA SA Rua Gomes de Carvalho,

Leia mais

Esclarecimento ao Mercado divulgado pela Oi

Esclarecimento ao Mercado divulgado pela Oi Comunicado Lisboa 31 de outubro de 2014 Esclarecimento ao Mercado divulgado pela Oi A Portugal Telecom, SGPS S.A. informa sobre o comunicado divulgado pela Oi, S.A. com esclarecimento ao mercado, de acordo

Leia mais

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF: 02.762.115/0001-49 NIRE: 33.3.0026111-7 (Companhia Aberta)

MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF: 02.762.115/0001-49 NIRE: 33.3.0026111-7 (Companhia Aberta) MMX MINERAÇÃO E METÁLICOS S.A. CNPJ/MF: 02.762.115/0001-49 NIRE: 33.3.0026111-7 (Companhia Aberta) COMUNICADO AO MERCADO Esclarecimento sobre nota veiculada na imprensa À Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012.

OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. OFÍCIO/CVM/SEP/GEA-5/Nº 121/2012 Rio de Janeiro, 09 de maio de 2012. Ao Senhor, CARLOS ALBERTO BEZERRA DE MIRANDA Diretor de Relações com Investidores da BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A Avenida Madre

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO TÉCNICA OCPC 08 Reconhecimento de Determinados Ativos ou Passivos nos relatórios Contábil-Financeiros de Propósito Geral das Distribuidoras de Energia Elétrica

Leia mais

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A.

Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Empresa de Transmissão do Alto Uruguai S.A. Relatório sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados para Atendimento ao Despacho ANEEL nº 4.991/11 e Ofício ANEEL nº 507/12 Relativo ao Manual

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

Ofício nº 376/2015/CVM/SEP/GEA-2 Rio de Janeiro, 19 de novembro de 2015.

Ofício nº 376/2015/CVM/SEP/GEA-2 Rio de Janeiro, 19 de novembro de 2015. Ofício nº 376/2015/CVM/SEP/GEA-2 Rio de Janeiro, 19 de novembro de 2015. Ao Senhor, José Roberto Lettiere Diretor de Relações com Investidores da NATURA COSMÉTICOS S.A. Av. Alexandre Colares, 1.188- Vila

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações contábeis do exercício encerrado

Leia mais

MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF nº 03.853.896/0001-40 NIRE 35.216.957.541 COMUNICADO AO MERCADO

MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF nº 03.853.896/0001-40 NIRE 35.216.957.541 COMUNICADO AO MERCADO MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. COMPANHIA ABERTA CNPJ/MF nº 03.853.896/0001-40 NIRE 35.216.957.541 COMUNICADO AO MERCADO A MARFRIG GLOBAL FOODS S.A. ( Companhia ou Marfrig ), nos termos do artigo 157, 4º da

Leia mais

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de

MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de MBK Securitizadora S.A. Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 MBK Securitizadora S.A. Demonstrações Financeiras

Leia mais

São Paulo, 08 de novembro de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Relações com Empresas Sr. Fernando Soares Vieira

São Paulo, 08 de novembro de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Relações com Empresas Sr. Fernando Soares Vieira São Paulo, 08 de novembro de 2013. À Comissão de Valores Mobiliários Superintendência de Relações com Empresas Sr. Fernando Soares Vieira C/c: BM&FBovespa S.A. Bolsa de Valores, Mercadorias e Futuros At.:

Leia mais

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo.

As principais alterações trazidas pela Instrução CVM 571 encontram-se resumidas abaixo. MERCADO DE CAPITAIS 01/12/2015 CVM ALTERA INSTRUÇÃO QUE DISPÕE SOBRE A CONSTITUIÇÃO, A ADMINISTRAÇÃO, O FUNCIONAMENTO, A OFERTA PÚBLICA DE DISTRIBUIÇÃO E A DIVULGAÇÃO DOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO

Leia mais

Companhia de Energia Elétrica do Estado de Tocantins - CELTINS

Companhia de Energia Elétrica do Estado de Tocantins - CELTINS ABCD Companhia de Energia Elétrica do Estado de Tocantins - CELTINS Relatório sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados conforme determinado no Manual de Orientação dos Trabalhos de Auditoria

Leia mais

Recurso contra aplicação de multa cominatória

Recurso contra aplicação de multa cominatória PARA: GEA-2 DE: Paulo Portinho RA/CVM/SEP/GEA-2/Nº 105/2015 DATA: 22/06/2015 ASSUNTO: Recurso contra aplicação de multa cominatória CIA. INDL. SCHLOSSER S.A. Processo CVM nº 2014-14745 1. Senhor Superintendente,

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011

Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações do ativo imobilizado Exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A. Demonstrativo das mutações

Leia mais

14/Março/2007 À Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações At.: Sr. Saulo de Tarso Alves de Lara

14/Março/2007 À Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações At.: Sr. Saulo de Tarso Alves de Lara 14/Março/2007 À Cyrela Brazil Realty S.A. Empreendimentos e Participações At.: Sr. Saulo de Tarso Alves de Lara Ref.: Laudo de Avaliação n٥ 965-2007-7 Prezado Senhor, Pela presente, estamos encaminhando

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014.

Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. Rio de Janeiro, 14 de fevereiro de 2014. STEA:- 80/2014/153 Ilma. Sra. Dra. Jussara Carvalho Salustino M.D. Diretora Presidente da ECOS Ref:- Parecer Atuarial sobre o Balanço de 31/12/2013 Plano BD Prezada

Leia mais

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A.

UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. UNIPAR UNIÃO DE INDÚSTRIAS PETROQUÍMICAS S.A. (POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE ATO OU FATO RELEVANTE APROVADA NA RCA DE 2002) FINALIDADE A política de divulgação de Ato ou Fato Relevante da Unipar observará

Leia mais

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012

Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Relatório sobre as demonstrações financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2012 Demonstrações Financeiras Período de 13 de abril de 2012 (Data de

Leia mais

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94.

RESOLUÇÃO 942 / 99. Assunto: Aprovação das NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA, e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. RESOLUÇÃO 942 / 99 Assunto: Aprovação das "NORMAS PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESAS DE CONSULTORIA", e revogação da Resolução nº 823/94, de 13.4.94. Referência: INFORMAÇÃO PADRONIZADA SD/CCE - 01 /99, de

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA

RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA RESUMO DO RELATÓRIO DO COMITÊ DE AUDITORIA 1- INTRODUÇÃO O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social, por meio do Decreto nº 5.212, de 22 de setembro de 2004, teve o seu Estatuto Social alterado

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01999-2 TOTVS S/A 53.113.791/0001-22 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/6/21 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Reapresentação Espontânea O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES

Leia mais

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 ANDRADE GUTIERREZ CONCESSÕES S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES

ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES ANEXO VII MODELOS DE DECLARAÇÕES SUMÁRIO I - MODELO DE SOLICITAÇÃO DE ESCLARECIMENTOS... 3 II - TERMOS E CONDIÇÕES MÍNIMOS DO SEGURO-GARANTIA PARA GARANTIA DE PROPOSTA... 4 III - MODELO DE FIANÇA-BANCÁRIA

Leia mais

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007

A Importância do RI na Abertura de Capital. Etapas do Processo de IPO. José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 A Importância do RI na Abertura de Capital Etapas do Processo de IPO José Luiz Homem de Mello 03 de outubro de 2007 Agenda Registro Inicial de Companhia Aberta Registro de Oferta Pública de Distribuição

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01910-0 CAROACI PARTICIPAÇÕES S.A. 04.032.433/0001-80 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01910-0 CAROACI PARTICIPAÇÕES S.A. 04.032.433/0001-80 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/22 O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO OS SEUS ADMINISTRADORES RESPONSÁVEIS PELA VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS.

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

Radar Stocche Forbes Março 2015

Radar Stocche Forbes Março 2015 Março 2015 RADAR STOCCHE FORBES - SOCIETÁRIO Ofício-Circular CVM-SEP 2015 Principais Novidades No dia 26 de fevereiro de 2015, a Comissão de Valores Mobiliários ( CVM ) emitiu o Ofício-Circular nº 02/2015

Leia mais

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF

1 - CÓDIGO CVM 2 - DENOMINAÇÃO SOCIAL 3 - CNPJ 01896-1 MEHIR HOLDINGS S.A. 04.310.392/0001-46 3 - CEP 4 - MUNICÍPIO 5 - UF SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL ITR - INFORMAÇÕES TRIMESTRAIS Data-Base - 3/9/25 EMPRESA COMERCIAL, INDUSTRIAL E OUTRAS Divulgação Externa O REGISTRO NA CVM NÃO IMPLICA QUALQUER APRECIAÇÃO SOBRE A COMPANHIA, SENDO

Leia mais

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A.

EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA COMPANHIA EVEN CONSTRUTORA E INCORPORADORA S.A. Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 27 de abril de 2012

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 BAESA-ENERGETICA BARRA GRANDE S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015

TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 TOTVS S.A. CNPJ/MF Nº 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ANEXO I À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 18 DE DEZEMBRO DE 2015 POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta. NIRE 35.300.172.507 CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 FATO RELEVANTE

DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta. NIRE 35.300.172.507 CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 FATO RELEVANTE DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. Companhia Aberta NIRE 35.300.172.507 CNPJ/MF n.º 61.486.650/0001-83 FATO RELEVANTE DIAGNÓSTICOS DA AMÉRICA S.A. ("Companhia" ou "DASA"), em complemento aos fatos relevantes

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

Formulário Cadastral - 2012 - ELETROPAULO METROPOLITANA EL.S.PAULO S.A Versão : 4. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3.

Formulário Cadastral - 2012 - ELETROPAULO METROPOLITANA EL.S.PAULO S.A Versão : 4. Dados gerais 1. Endereço 2. Valores mobiliários 3. Índice Dados Cadastrais Dados gerais 1 Endereço 2 Valores mobiliários 3 Auditor 4 Escriturador de ações 5 DRI ou pessoa equiparada 6 Departamento de acionistas 7 1. Dados gerais Nome empresarial Data de

Leia mais

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 VIVER INCORPORADORA E CONSTRUTORA S.A. (atual denominação da INPAR S.A.) 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados

Leia mais

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014

QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 QUALICORP ADMINISTRADORA DE BENEFÍCIOS S.A. 1ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

ENERGISA S.A. EXERCÍCIO DE 2013

ENERGISA S.A. EXERCÍCIO DE 2013 ENERGISA S.A. 3ª. EMISSÃO sendo a 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011.

O FIOSAÚDE está adotando, no que aplica, as Leis nº 11.638/07 e nº 11.941/09 em suas demonstrações contábeis de 31 de dezembro de 2011. Notas explicativas às Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de dezembro de. (Valores expressos em Reais) 1. Contexto Operacional A Caixa de Assistência Oswaldo Cruz FIOSAÚDE, pessoa jurídica

Leia mais

TOTVS S.A. CNPJ/MF 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 28 DE OUTUBRO DE 2014

TOTVS S.A. CNPJ/MF 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 28 DE OUTUBRO DE 2014 TOTVS S.A. CNPJ/MF 53.113.791/0001-22 NIRE 35.300.153.171 ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REALIZADA EM 28 DE OUTUBRO DE 2014 1. - DATA, HORA E LOCAL DA REUNIÃO: Realizada no dia 28 de outubro

Leia mais

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO

FORPART S.A. - EM LIQUIDAÇÃO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 Demonstrações Contábeis Em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório da Administração e do Liquidante Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

Net São José do Rio Preto Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de incorporação

Net São José do Rio Preto Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 para fins de incorporação Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 30 de Setembro de 2009 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

2. APURAÇÃO E DESTINAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO SOCIAL

2. APURAÇÃO E DESTINAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO SOCIAL 1. INTRODUÇÃO EMENTA: Procedimentos a serem observados pelas companhias abertas na elaboração das demonstrações financeiras relativas ao encerramento do exercício social a partir de 28.02.86. Inteligência

Leia mais

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável

Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Publica Rating A-(bra) da Casan; Perspectiva Estável Fitch Ratings - Rio de Janeiro, xx de outubro de 2015: A Fitch Ratings publicou, hoje, o Rating Nacional de Longo Prazo A-(bra) (A menos(bra))

Leia mais

BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2010.

BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2010. BROOKFIELD INCORPORAÇÕES S.A. 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2010. Rio de janeiro, 29 de Abril de 2011. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS DEZEMBRO 2013 Exercícios findos em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 Valores expressos em milhares de reais. SUMÁRIO Demonstrações Financeiras Regulatórias Balanços Patrimoniais

Leia mais

ANEXO I MODELOS E DECLARAÇÕES

ANEXO I MODELOS E DECLARAÇÕES CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL N 01/SES/2015 PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA (PPP) NA MODALIDADE DE CONCESSÃO ADMINISTRATIVA PARA MODERNIZAÇÃO, OTIMIZAÇÃO, EXPANSÃO, OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE REMOTO E EM TEMPO

Leia mais

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento

Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento LUCIANA BARBOSA SILVEIRA Superintendente de Jurídico e Compliance Novas Instruções da CVM sobre Fundos de Investimento Sumário A partir de out/2015, novas normas passarão a reger a indústria de fundos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução

CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87. Comitê de Auditoria Estatutário. Regimento Interno. Capítulo I Introdução PÁGINA 1 DE 7 DO PÁGINA 1 DE 7 DO CNPJ/MF nº 29.978.814/0001-87 Comitê de Auditoria Estatutário Regimento Interno Capítulo I Introdução Artigo 1º. O Comitê de Auditoria Estatutário ( Comitê ou CAE ) da

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004 E 2003 CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S.A. CEASA DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2004

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013

Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013 DOU de 17.9.2013 Dispõe sobre o Regime Tributário de Transição (RTT) instituído pelo art. 15 da Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. O SECRETÁRIO

Leia mais

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento

Amortização de ágio ou deságio somente influenciará o resultado quando da alienação do investimento Conheça o tratamento fiscal aplicável ao ágio e ao deságio apurados na aquisição dos investimentos avaliados pelo Método de Equivalência Patrimonial - MEP AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS - Ágio ou Deságio na

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2013 - INEPAR TELECOMUNICAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A

CEMEPE INVESTIMENTOS S/A CEMEPE INVESTIMENTOS S/A RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras do exercício

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Banco do Nordeste Fundo de Investimento Ações Petrobras (Administrado pelo Banco do Nordeste do Brasil S.A. - CNPJ: 07.237.373/0001-20) 31 de março de 2014 com Relatório dos Auditores

Leia mais

Parecer do Comitê de Auditoria

Parecer do Comitê de Auditoria Parecer do Comitê de Auditoria 26/01/2015 Introdução Título do documento De acordo com o que estabelece o seu regimento interno, compete ao Comitê de Auditoria assegurar a operacionalização dos processos

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008

INSTRUÇÃO CVM Nº 469, DE 2 DE MAIO DE 2008 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera as Instruções CVM n 247, de 27 de março de 1996 e 331, de 4 de abril de 2000. A PRESIDENTE DA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

Leia mais

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE

VIVO PARTICIPAÇÕES S.A. Companhia Aberta CNPJ MF 02.558.074/0001 73 NIRE 35.3.001.587 92 TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A. TELESP FATO RELEVANTE FATO RELEVANTE As administrações da Vivo Participações S.A. ( Vivo Part. ) e da Telecomunicações de São Paulo S.A. Telesp ("Telesp") (conjuntamente referidas como Companhias ), na forma e para os fins

Leia mais

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013

INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 INSTRUÇÃO PREVIC Nº 5, DE 01 DE NOVEMBRO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos a serem observados pelas entidades fechadas de previdência complementar na divulgação de informações aos participantes e assistidos

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE AÇÕES 2 I. Finalidade A presente Política de Divulgação de Informações e de Negociação de Ações tem como finalidade estabelecer as práticas de divulgação

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05.

VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. VOTO PROCESSO: 48500.003850/2012-05. INTERESSADOS: Edifício Master Tower Ibirapuera, Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. - AES Eletropaulo, Agência Reguladora de Saneamento e Energia

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 3.0 - Julho/2014) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 3.0 - Julho/2014) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE INOVAÇÃO DE FIBRIA CELULOSE S.A. CAPÍTULO I DO COMITÊ DE INOVAÇÃO 1. O Comitê de Inovação (o "Comitê") é um órgão colegiado de assessoramento e instrução, instituído pelo

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE MINAS GERAIS - GASMIG 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO

COMPANHIA DE GÁS DE MINAS GERAIS - GASMIG 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO COMPANHIA DE GÁS DE MINAS GERAIS - GASMIG 2ª. EMISSÃO PÚBLICA DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas,

Leia mais

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional)

Graal Investimentos S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 (em fase pré-operacional) Demonstrações financeiras Período de 10 de agosto de 2011 (data de constituição da Companhia) a 31 de dezembro de 2011 (em

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

Net Sorocaba Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 31 de outubro de 2010 para fins de incorporação

Net Sorocaba Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 31 de outubro de 2010 para fins de incorporação Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 31 de outubro de 2010 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 KPDS 82388 Ourinvest Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A. Demonstrações

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS Objetivos da POLÍTICA 1. Esta POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES E DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS ( POLÍTICA ) estabelece as diretrizes e os procedimentos que orientam a WEG S.A., as empresas

Leia mais

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A.

Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. Política de Divulgação de Ato ou Fato Relevante da Marisa Lojas S.A. A presente Política de Divulgação de Informações relevantes tem como princípio geral estabelecer o dever da Marisa Lojas S.A. ( Companhia

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades.

A companhia permanece com o objetivo de investir seus recursos na participação do capital de outras sociedades. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Apresentamos as Demonstrações Financeiras da Mehir Holdings S.A. referente ao exercício social encerrado em 31 de dezembro de 2004 e as respectivas Notas

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS. Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REGULATÓRIAS Período findo em 31 de Dezembro de 2011, 2010 e 2009. Valores expressos em milhares de reais SUMÁRIO Demonstrações Contábeis Regulatórias Balanços Patrimoniais Regulatórios...3

Leia mais

Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. CNPJ nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540

Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. CNPJ nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 Invest Tur Brasil Desenvolvimento Imobiliário Turístico S.A. CNPJ nº 08.723.106/0001-25 NIRE 35.300.340.540 Ata da Reunião do Conselho de Administração realizada em 7 de janeiro de 2009 Data, hora e local

Leia mais

PDG COMPANHIA SECURITIZADORA. 7ª SÉRIE da 3ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO

PDG COMPANHIA SECURITIZADORA. 7ª SÉRIE da 3ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO PDG COMPANHIA SECURITIZADORA 7ª SÉRIE da 3ª. EMISSÃO DE CERTIFICADOS DE RECEBÍVEIS IMOBILIÁRIOS RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2013 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2014. Prezados Senhores

Leia mais

Aegea Saneamento e Participações S.A. Comunicado ao Mercado. Resposta ao Ofício/CVM/SEP/GEA-2/Nº 019/2015

Aegea Saneamento e Participações S.A. Comunicado ao Mercado. Resposta ao Ofício/CVM/SEP/GEA-2/Nº 019/2015 Aegea Saneamento e Participações S.A. Companhia Aberta CNPJ nº 08.827.501/0001-58 NIRE: 35.300.435.613 Código CVM 2339-6 Comunicado ao Mercado Resposta ao Ofício/CVM/SEP/GEA-2/Nº 019/2015 São Paulo, 26

Leia mais

Comentários sobre questões passíveis de recurso da prova de Contabilidade Concurso: Auditor-Fiscal do Município de São Paulo ISS 2007

Comentários sobre questões passíveis de recurso da prova de Contabilidade Concurso: Auditor-Fiscal do Município de São Paulo ISS 2007 1 INTRODUÇÃO...1 2 QUESTÃO 06 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL RESULTADOS NÃO REALIZADOS CABE RECURSO....2 3 QUESTÃO 07 PARTICIPAÇÕES SOCIETÁRIAS, RECEBIMENTO DE DIVIDENDOS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015)

Política de Exercício de Direito de Voto. (Versão 4.0 - Março/2015) Política de Exercício de Direito de Voto (Versão 4.0 - Março/2015) 1. Objeto e Aplicação 1.1. Esta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ), em conformidade com as disposições do Código

Leia mais

NATURA COSMÉTICOS S.A. EXERCÍCIO DE 2014

NATURA COSMÉTICOS S.A. EXERCÍCIO DE 2014 NATURA COSMÉTICOS S.A. 5ª. EMISSÃO (PÚBLICA) DE DEBÊNTURES RELATÓRIO ANUAL DO AGENTE FIDUCIÁRIO EXERCÍCIO DE 2014 Rio de Janeiro, 30 de Abril de 2015. Prezados Senhores Debenturistas, Na qualidade de Agente

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais