TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERRAPLENAGEM Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição Operações básicas da terraplenagem: Classificação dos materiais:"

Transcrição

1 - Conceitos Básicos de Terraplenagem - Elaboração do Projeto de terraplenagem - Movimento de terra Cálculo de volumes, DMT e notas de serviço - Diagrama de Bruckner - Execução de terraplenagem- equipamentos e processos construtivos - Controles topográficos e Geotécnicos da execução -Componente Ambiental

2 Conceitos Básicos de Terraplenagem Definição: conjunto de operações necessárias para a remoção do excesso de terra para locais onde esteja faltando, no contexto de uma obra de engenharia. Operações básicas da terraplenagem: Escavação Carga do material escavado Transporte Descarga e espalhamento Classificação dos materiais: 1ª categoria 2ª categoria 3ª categoria Cubação de volumes de cortes e aterros Cálculo das áreas Mapas de cubação

3 Conceitos Básicos de Terraplenagem Empolamento dos solos Compactação dos solos Empréstimos e Bota-foras Distancias médias de transporte Diagrama de massas Medição e pagamento Metodologia do DNIT

4 Elaboração do projeto de Terraplenagem Contexto e relações com estudos e projetos Estudos topográficos Definição do terreno e de áreas para empréstimos e botaforas Estudos Géológicos/Geomorfológicos Visão macro da área atravessada, com enfoque para genealogia dos materiais e do modelado Estudos Geotécnicos Caracterização dos materiais do subleito Caracterização dos materiais de empréstimos Definição dos parâmetros de controle geotécnico na execução Definição de parâmetros para soluções especiais Definição dos fatores de empolamento

5 Elaboração do projeto de Terraplenagem Contexto e relações com estudos e projetos Projeto Geométrico Definição do greide de terraplenagem Definição dos parâmetros da seção transversal de terraplenagem: larguras, declividades e taludes Projeto de OAC Reaterros e compactações Projeto de OAE Soluções para encontros de obras, maciços de terra armada Projeto Ambiental Recuperação das áreas de exploração ou bota-foras Recuperação de passivos ambientais

6 Elaboração do projeto de Terraplenagem Apresentação do projeto Seções transversais tipo larguras, espessuras, declividades e taludes Notas de serviço Planilhas ou Planos cotados Movimento de terra Mapa para o cálculo das DMTs Quadro resumo Gráfico linear do movimento de terra Ocorrências de materiais Mapa geral com empréstimo e bota-foras Croquí e indicações gerais dos empréstimos Caracterização do subleito Sondagens e Resumo de ensaios

7 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo de volumes O método usual supõe ser um sólido geométrico(prismóide) o volume contido entre 02 seções transversais consecutivas. Este prismóide tem faces paralelas( as seções transversais extremas) e superfícies planas laterais(a plataforma, os taludes e superfície do terreno natural) Figura:

8 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo de volumes O volume do prismóide pode ser calculado pela fórmula: V = L/6 (A 1 + 4A m + A 2 ) Onde: A 1 e A 2 = são as áreas das seções transversais extremas A m = área da seção transversal no ponto médio entre A 1 e A 2 L = a distancia entre as Seções A 1 e A2 Compatibilizando com as diretrizes vigentes de Estudos Topográficos e Projeto Geométrico onde o estaqueamento normalmente é de 20m, adota-se a simplificação de A m = (A 1 + A 2 )/ 2 Resultando na fórmula: V = L/2 ( A 1 + A 2 )

9 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo de volumes Mapa de cubação ESTACA ÁREAS SOMA DAS ÁREAS D/2 VOLUME VOLUME ACUMULADO

10 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo das áreas das seções Tipos de Seções Seção de corte Seção de Aterro Seção mista

11 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo das áreas das seções Métodos utilizados Método geométrico Método Mecânico Uso do planímetro polar

12 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo das áreas das seções Métodos utilizados Método Analítico Baseado na fórmula de Gauss A seção é transformada num polígono onde as coordenadas dos vértices(distancias e cotas) são conhecidas: (x 1, Y 1 ), (x 2, Y 2 ),... (X n, Y n ) A Área é dada por:

13 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo das áreas das seções Métodos utilizados Método da fita Divide-se a seção em faixas de largura igual, supondo-se que estas faixas são pequenos retângulos. A Área é dada por: A = d. Σ hi onde: d = largura adotada hi = altura das faixas

14 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo das DMTs As distancias expressam a extensão horizontal ao longo da qual o volume será transportado entre a origem e o destino; Em geral as distancias são medidas entre os centros os centros geométricos dos segmentos de corte e aterro; também podem ser considerados as distancias entre os centros de massa dos segmentos de corte e aterros; Não são consideradas os deslocamentos transversais nas mesmas seções (seções mistas); As distancias são calculadas em metro ou km Quando o material é de empréstimo, a distancia é calculada para o centro geométrico do aterro pelo trajeto mais curto e viável; Momento de transporte É dado pelo produto do volume individual de terraplenagem pela distancia individual de transporte sendo expresso em m 4 ou m 3 /km

15 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Cálculo da DMT geral do trecho O volume total de escavação é dado pelo somatório dos volumes individuais de escavação V = Σ V i O momento total de de transporte é a soma dos momentos individuais: M = Σ V i. d i Neste caso a DMT para o trecho(d) será dada por: D = M / V Esta distancia representa a média ponderada entre as distancias individuais de transporte, tomando-se os volumes individuais como fatores de ponderação

16 Movimento de terra Cálculo de volumes e DMT Distribuição de material As premissas básicas são: - A menos distancia de transporte possível (DMT) - Aproveitamento integral dos materiais oriundos de corte para a execução dos aterros respeitando as limitações geotécnicas - O expurgo de materiais(bota-foras) em áreas mais próximas possíveis dos locais de origem; - A utilização de volumes de empréstimo em aterros mais próximo

17 Diagrama de Bruckner Representação gráfica dos volumes acumulados de cortes(positivo) e aterros(negativo) utilizado para o planejamento do movimento de terra. Cálculo dos volumes acumulados:

18 Diagrama de Bruckner Desenho Propriedades do diagrama 1. O diagrama não é um perfil 2. Inclinações muito elavadas indicam grandes movimentos de terra; 3. Trecho ascendente=corte, trecho descendente=aterro; 4. A diferença de ordenada entre 02 pontos mede o volume de terra entre esses pontos; 5. Os pontos extremos do diagrama correspondem aso pontos de passagem (PP); 6. Pontos de máximo: corte para aterro; Ponto de mínimo: aterro para corte; 7. Qualquer horizontal traçada sobre o diagrama determina trechos de volumes compensados(corte=aterro corrigido). Essa linha é chamada linha de compensação 8. O volume é dado pela diferença de ordenadas entre o ponto de máximo ou mínimo do trecho compensado e a linha de compensação

19 Diagrama de Bruckner Desenho Propriedades do diagrama 9. A posição da onda do diagrama em relação a linha de compensação indica a direção do movimento de terra: onda positiva transporte no sentido do estaqueamento; onda negativa transporte no senti contrário. 10. A área compreendida entre a curva de Bruckner e alinha de compensação mede o momento de transporte da distribuição considerada; 11. A distancia média de transporte de cada distribuição pode ser considerada como a base de um retangulo de área equivalente à do segmento compensado

20 Diagrama de Bruckner Distancia econômica de transporte È a distancia crítica para a qual o custo da compensação longitudinal é igual ao custo do bota-fora mais o custo do empréstimo Para as distancias menores que a distancia econômica, é mais econômico transpor a terra dos cortes para os aterros; para distancias maiores é mais barato fazer bota-fora do material do corte e empréstimo do material para construção do aterro. A distancia econômica é dada por: d=d bf + d emp + Ce/Ct Onde: d= distancia econômica, em km d bf = distancia média de bota-fora, em km d emp = distancia média de empréstimo, em km Ce = custo de escavação, em R$/m 3 Ct = custo de transporte, em R$/m 3.km

21 Diagrama de Bruckner Escolha da linha econômica: A linha mais econômica é aquela para a qual a soma dos segmentos que ficam abaixo da linha de Bruckner é igual à soma dos segmentos que ficam acima A linha precisa cortar todos os trechos ascendentes e descendentes da linha de Bruckner e as distancias de transporte não forem maiores que a distancia econômica.

22 Execução da Terraplenagem Etapas: Serviços preliminares Instalação do canteiro Construção de desvios e caminhos de serviços Consolidação dos terrenos de fundação de aterros Locação Topográfica Desmatamento e limpeza do terreno Escavação Carga transporte Descarga Espalhamento/regularização Compactação

23 Execução da Terraplenagem Máquinas e equipamentos Escavadoras - empurradoras Escavadoras-transportadoras Niveladoras Escavadora-carregadora Escavadeira com caçamba frontal(shovel) Unidades de transporte Compactadoras Equipamentos auxiliares

24 Execução da Terraplenagem Execução de cortes: Locação topográfica: marcação dos off-sets Preparo de caminhos e praças de manobra Execução do corte com equipamentos de escavação, carga e transporte: Solos brejosos/turfosos: retroescavadeira, escavadeira frontal, drag-line e caminhões 1ª categoria: trator de lamina, scraper, escavadeira frontal e caminhões 2ª categoria:escarificadores, carregadeiras e caminhões 3ª categoria: desmonte com explosivos, carregadeiras frontais e caminhões Acabamento

25 Execução da Terraplenagem Máquinas e equipamentos Escavadeira com caçamba frontal(shovel)

26 Execução da Terraplenagem Execução de Aterros: Locação topográfica: marcação dos off-sets Preparo de caminhos e praças de manobra Consolidação das fundações Adensamento por recalques Substituição do material Execução do aterro: equipamentos de espalhamento, regularização e compactação Lançamento do material Espalhamento e regularização Compactação por camadas

27 Execução da Terraplenagem Execução de Aterros: Escolha dos rolos compactadores 100% argila Silte Misturas Argila + silte + areia 100% Areia Pedras Rolo pé-de-carneiro Estático Rolo pé-de-carneiro Vibratório Rolo Liso Vibratório Rolo Pneumático leve Rolo Pneumático pesado Rolo de grade Rolo liso Metálico estático Rolo de placas Rolos combinados

28 Execução da Terraplenagem Controle topográfico: Locação de eixos e/ou linhas-base Marcação de off-sets Verificação de inclinação de taludes Conferencias de larguras e declividades Conferencias de cotas Conferencia de espessuras de camadas Levantamentos planialtimétrico de áreas de bota-fora e empréstimo Nivelamentos para medição de volumes de aterros, cortes e empréstimos. Controle Geotécnico Verificação da compactação e umidade; Caracterização do material: CBR, LL, LP e Granulometria

29 Execução da Terraplenagem Componente Ambiental: Fases Estudos Ambientais Projeto Ambiental O que deve ser considerado: Legislação específica Resoluções do CONAMA Recomendações/condicionantes dos órgão ambientais Política ambiental e documentos do DNIT Fragilidade da área de influencia da rodovia Normas, Manuais e instruções do DNIT

30 Execução da Terraplenagem Componente Ambiental: Projeto Ambiental Soluções e medidas de proteção ambiental para prevenção, mitigação ou compensação de passivos ambientais. Medidas para evitar impactos ambientais na Terraplenagem Escolha de traçado Escolha do local de empréstimos jazidas e pedreiras Descompactar solos compactados Medidas da engenharia como proteção contra erosão, deslizamentos, assoreamentos, etc. Hidrossemeadura e enleivamento em zonas suscetíveis à erosão Captação de água superficial da rodovia no topo de taludes como proteção contra erosão Melhoria das camadas de solo superficiais como proteção da água subterrânea Construção de pontes em vez de aterros

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS

SESI PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS SIMÕES FILHO BAHIA. PROJETO EXECUTIVO DE TERRAPLENAGEM PARA QUADRA POLIESPORTIVA DA UNIDADE SESI-SIMÕES FILHO/BA VOLUME ÚNICO RELATÓRIO DOS PROJETOS Salvador, Outubro/2010 SIMÕES FILHO BAHIA. A P R E S

Leia mais

Estrada de Rodagem Terraplanagem

Estrada de Rodagem Terraplanagem Estrada de Rodagem Terraplanagem Prof. Dr. Rodrigo de Alvarenga Rosa rodrigoalvarengarosa@gmail.com (27) 9941-3300 1 O motivo para realizar terraplenagem é que o terreno natural não é adequado ao tráfego

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS GEOMETRIA DE VIAS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) 1. INTRODUÇÃO: Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já

Leia mais

200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 15

200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM. Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 15 200794 Pavimentos de Estradas I TERRAPLANAGEM Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 34224244 AULA 15 1. TERRAPLANAGEM Após traçados o perfil longitudinal e transversal, já se

Leia mais

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM

EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Unidades de tração ou tratores Representa a máquina matriz da terraplenagem. Trator: Unidade autônoma. Executa a tração ou empurra outros equipamentos para o aumento da tração

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-T02 ATERROS COMPACTADOS 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA Í N D I C E PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. MATERIAIS... 3 4. EQUIPAMENTO...4 5. FUNDAÇÕES

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia.

CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM. a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. CONSTRUÇÃO DE ESTRADAS E VIAS URBANAS: TERRAPLENAGEM Objetivo: a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia. Terraplenagem mecanizada: requer grandes investimentos em equipamentos

Leia mais

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM

ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM ISF 211: PROJETO DE TERRAPLENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Terraplenagem nos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES

Leia mais

TERRAPLENAGEM. Caracterização do Serviço de Terraplenagem

TERRAPLENAGEM. Caracterização do Serviço de Terraplenagem TERRAPLENAGEM Caracterização do Serviço de Terraplenagem O serviço de terraplenagem tem como objetivo a conformação do relevo terrestre para implantação de obras de engenharia, tais como açudes, canais

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO I REFERENTE AO EDITAL DE TOMADA DE PREÇOS Nº 004/2013 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Página 1 de 10 Serviços de Terraplanagem na Subestação de Interligação à Rede Básica Construção de novo Bay de Saída

Leia mais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais

Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Departamento de Estradas e Rodagem de Minas Gerais Diretoria de Infra-Estrutura Manual de Fiscalização de Obras e Vias Rurais Rodovia: Contrato: Lista de Verificação das Principais Atividades do Eng. Fiscal

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto;

MEMORIAL DESCRITIVO. * escavação dos materiais constituintes do terreno natural até o greide de terraplenagem indicado no projeto; MEMORIAL DESCRITIVO Município: Piratini/RS Local da obra: Rua 24 de Maio, Rua Princesa Isabel e Rua Rui Ramos. Área total: 12.057,36 m² 1) Introdução: O presente Memorial Descritivo tem por finalidade

Leia mais

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM

PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM PRAÇA MOINHOS DE VENTO PROJETO PLANIALTIMÉTRICO E DE TERRAPLENAGEM Rua da Alegria, Bairro Estância Velha PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS RS CONTRATO 178/2011 TOMADA DE PREÇOS 018/2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Terraplenagem - cortes

Terraplenagem - cortes MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL 2 Publicação IPR - 727/2006 Diretrizes Básicas

Leia mais

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO

ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO ISF 209: PROJETO GEOMÉTRICO 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto Geométrico dos Projetos de Engenharia Ferroviária, Projeto Básico e Projeto Executivo. 2. FASES DO PROJETO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CAPEADOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-11/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros capeados,

Leia mais

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS

Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Elementos geométricos de uma estrada (Fonte: PONTES FILHO, 1998) GEOMETRIA DE VIAS 1. INTRODUÇÃO: A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Infra-estrutura urbana Pavimentação Asfáltica, Micro-drenagem, e Rede água potável. Município: Vera Cruz/RS Local da obra: Rua Cipriano O presente

Leia mais

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios

Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Página 1 de 9 Noções de Topografia Para Projetos Rodoviarios Capitulos 01 - Requisitos 02 - Etaqpas 03 - Traçado 04 - Trafego e Clssificação 05 - Geometria 06 - Caracteristicas Técnicas 07 - Distancia

Leia mais

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM

Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM Capítulo 6 ELEMENTOS GEOMÉTRICOS DAS ESTRADAS DE RODAGEM 6.1. INTRODUÇÃO A geometria de uma estrada é definida pelo traçado do seu eixo em planta e pelos perfis longitudinal e transversal. A Fig. 6.1 apresentada

Leia mais

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA

CLIENTE SUCAB SUPERINTENDÊNCIA DE CONSTRUÇÕES ADMINISTRATIVAS DA BAHIA EMISSÃO: GO/2008 CLIENTE SUCB SUPERINTENDÊNCI DE CONSTRUÇÕES DMINISTRTIVS D BHI PROJETO HOSPITL DO SUBÚRBIO SLVDOR - B TÍTULO MEMORIL DESCRITIVO/ ESPECIFICÇÕES TÉCNICS DT GO/2008 ESPECILIDDE GRUPO 01 SERVIÇOS

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98

08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 TOPOGRAFIA 08-LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIMETRIA pg 98 levantamento pontos planimétricos, altimétricos ou planialtimétricos pontos de apoio (partir destes ) Projeção ΔX = D. sen Az ΔY = D. cos Az TÉCNICAS

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-P02 PREPARO DO SUBLEITO DO PAVIMENTO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO... 3 2. DESCRIÇÃO... 3 3. TERRAPLENAGEM... 3 4. COMPACTAÇÃO

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA:

MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: SERVIÇOS INICIAIS, CAPEAMENTO ASFÁLTICO, QUEBRA-MOLA, SINALIZAÇÃO E SERVIÇOS FINAIS E COMPLEMENTARES MUNICÍPIO: ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL - RS LOCAL: RUA LUIZ GRAEF ÁREA: 427,20

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO SARJETAS E VALETAS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-01/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de sarjetas e valetas,

Leia mais

MC-06-116/SP-344-0-Q04/901. 1 de 36 15/7/2011

MC-06-116/SP-344-0-Q04/901. 1 de 36 15/7/2011 Código MC-06-116/SP-344-0-Q04/901 Revisão 0 Lote : Rodovia : 06 BR 116 - ROD. RÉGIS BITTENCOURT Trecho : SÃO PAULO - CURITIBA DUPLICAÇÃO DA SERRA DO CAF. - km 344+000 ao km 363+000 Objeto : Quadro de Cálculo

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA

ESTADO DE SANTA CATARINA PREFEITURA MUNICIPAL DE BOMBINHAS PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA - 1 - PROJETO PAVIMENTAÇÃO COM LAJOTAS SEXTAVADAS E DRENAGEM PLUVIAL RUA CANGERANA MUNICÍPIO DE BOMBINHAS - SC PROJETO: AMFRI Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí Carlos Alberto Bley

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Venâncio Aires MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Terraplenagem, Micro-drenagem, Pavimentação e Sinalização Local: Rua Reynaldo Schmaedecke Bairro Brígida Área de Pavimentação com Blocos: 3.920,57 m² Município: Venâncio Aires

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO

Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Prefeitura Municipal de Vera Cruz MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Infra-estrutura urbana Pavimentação Asfáltica, Micro-drenagem e Sinalização Horizontal/Vertical Município: Vera Cruz/RS Local da obra: Rua São

Leia mais

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA

PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA MUNICÍPIO: INDAIAL PLANILHA DE ORÇAMENTO PARA OBRAS E SERVIÇOS DE ENGENHARIA PROJETO: PAVIMENTAÇÃO INTERTRAVADA COM BLOCO DE CONCRETO LOCALIZAÇÃO: TRECHO: RUA MINAS GERAIS (EST. 0+00 PP) AO PARQUE MUNICIPAL

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Infra-estrutura Urbana Município: Venâncio Aires/RS Rua Padre Réus Trecho: Entre a Rua Armando Ruschel e a Estaca 0+345 Área: 345,00m x 6,00m = 2.070,00m² Rua dos Expedicionários

Leia mais

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS

ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS ISF 203: ESTUDOS TOPOGRÁFICOS PARA PROJETOS BÁSICOS DE FERROVIAS 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços de Estudos Topográficos nos Projetos Básicos de Engenharia Ferroviária. Devem ser considerados

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE ALMIRANTE TAMANDARÉ DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: CALÇAMENTO COM PEDRAS DE BASALTO IRREGULAR ÁREA: 4.990,99m² - CONTRATO 1016190.50 LOCAL: Rua Andina M. de Quadros, Dosalina M. de Quadros e Manoel Ferreira da Silva no Bairro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

Estabilidade: Talude e Aterro

Estabilidade: Talude e Aterro Estabilidade: Talude e Aterro Introdução Definições gerais - Talude: É o plano inclinado (declive, rampa) que delimita uma superfície terrosa ou rochosa. - Aterro: Preparação do terreno a fim de obter

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA

SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA SECRETARIA DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL E POLÍTICA URBANA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PARCELAMENTO DO SOLO LOTEAMENTOS E DESMEMBRAMENTOS 04 vias do processo contendo na capa o número

Leia mais

GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA

GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE TERRAPLENAGEM CAPÍTULO 01 Cia/Seção: Cmt Pel E Cnst DATA EMISSÃO: 09/04/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: 18/03/14 1. DEFINIÇÃO DE TERRAPLENAGEM Qualquer

Leia mais

Auditoria de Obras Rodoviárias em

Auditoria de Obras Rodoviárias em Curso Escrito: Auditoria de Obras Rodoviárias em Exercícios Comentados TCU 2011 Professor Marcus Campiteli Aula 00 AULA DEMONSTRATIVA AUDITORIA DE OBRAS RODOVIÁRIAS PARA O TCU (Exercícios comentados inclusive

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE

SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE SENAI SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL/SE CURSO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MEDIO DA CONSTRUÇÃO CIVIL, COM ÊNFASE EM CANTEIRO DE OBRAS 2ª parte: Altimetria e Planialtimetria (APLICÁVEL

Leia mais

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS

DER/PR ES-T 03/05 TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS TERRAPLENAGEM: EMPRÉSTIMOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS LONGITUDINAIS PROFUNDOS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-06/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO DRENOS SUB-SUPERFICIAIS Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-07/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de drenos subsuperficiais,

Leia mais

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO

LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO A NECESSIDADE DE UM LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO O LP deve ser feito a partir da entrevista com o cliente atendendo as condições solicitadas num programa de necessidades.

Leia mais

TOPOGRAFIA. Áreas e Volumes

TOPOGRAFIA. Áreas e Volumes TOPOGRAFIA Áreas e Volumes A estimativa da área de um terreno pode ser determinada através de medições realizadas diretamente no terreno ou através de medições gráficas sobre uma planta topográfica. As

Leia mais

4.1 MOVIMENTOS DE TERRAS 4.2 DEFINIÇÃO DE ATERRO 4.3 ASSENTAMENTOS DOS ATERROS

4.1 MOVIMENTOS DE TERRAS 4.2 DEFINIÇÃO DE ATERRO 4.3 ASSENTAMENTOS DOS ATERROS CAPÍTULO IV ATERROS 4.1 MOVIMENTOS DE TERRAS Entende-se por movimentos de terras, todas as alterações intencionais na forma dos terrenos quer por escavação quer por aterro. O terreno pode ser natural ou

Leia mais

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS

TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS TABELA DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS 01 Consultas técnicas no escritório (por hora) 01.01 Com solução verbal R$ 400,00 01.02 Com solução por escrito R$ 600,00 01.03 Com consulta a arquivos, registros ou

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM MURO DE SOLO REFORÇADO NA OBRA DE RECOMPOSIÇÃO DE TALUDE EM JACAREPAGUÁ RJ Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Gerson Cunha Eng. Maria Francisca

Leia mais

LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP. Março 2006

LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP. Março 2006 LAVRA A CEU ABERTO GE - 902 GEOLOGIA DE MINAS, LAVRA E TRATAMENTO DE MINÉRIOS IG/UNICAMP Março 2006 História da Mineração Idade da Pedra 450.000 a 4.000 AC Idade do Bronze 4.000 a 1.500 AC Idade do Ferro

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS METÁLICAS Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-08/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de estacas

Leia mais

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin

Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação dos Solos Mecânica de Solos Prof. Fabio Tonin Compactação É o processo mecânico de aplicação de forças externas, destinadas a reduzir o volume dos vazios do solo, até atingir a massa específica

Leia mais

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi

ESTRADAS E AEROPORTOS. Prof. Vinícius C. Patrizzi ESTRADAS E AEROPORTOS Prof. Vinícius C. Patrizzi MÁQUINAS MOTRIZES E OPERATRIZES 1. INTRODUÇÃO: Execução da Terraplanagem: Objetivos das obras de terras - Implantar ou alargar caminhos, disciplinar os

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG

ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG DNIT - SREMG João Monlevade - 28/06/2012 ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO DE ENGENHARIA DE DUPLICAÇÃO, RESTAURAÇÃO E MELHORAMENTOS DA RODOVIA BR-381/MG RODOVIA: BR-381MG TRECHO: DIVISA ES/MG - DIV. MG/SP

Leia mais

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA

EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL Área de Topografia e Geoprocessamento 1 EXERCÍCIOS DE TOPOGRAFIA Professores: Rubens Angulo Filho

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE VENÂNCIO AIRES PROJETO ARQUITETÔNICO ADEQUAÇÕES NA USINA DE TRIAGEM DE LIXO LINHA ESTRELA MEMORIAL DESCRITIVO 1 MEMORIAL DESCRITIVO 1. OBJETIVO: USINA DE TRIAGEM DE LIXO A presente especificação tem por objetivo estabelecer

Leia mais

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO

ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO ANEXO I ORÇ AMENTO B ÁSI CO MÓDULO SERVIÇOS CONTRATANTE I II III PLANILHA RESUMO DE INVESTIMENTOS ANUAIS Sistema de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Urbanos Sistema de Serviços Complementares de

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M)

MEMORIAL DESCRITIVO TERRAPLENAGEM REMOÇÃO DE CAMADA SUPERFICIAL (0,20 M) MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIA A APRESENTAÇÃO DE LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E OS RESULTADOS DOS ENSAIOS REALIZADOS EM CADA ETAPA DOS SERVIÇOS, CONFORME EXIGÊNCIAS DO DNIT Departamento Nacional

Leia mais

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM

ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM ISF 210: PROJETO DE DRENAGEM 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Drenagem e Obras de Arte Correntes nos Projetos de Engenharia de Infraestrutura Ferroviária. 2. FASES

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS

MEMORIAL DESCRITIVO. Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS ANEXO IV MEMORIAL DESCRITIVO Projeto: Capeamento asfáltico Município: Fontoura Xavier / RS Local: Rua Pedro Azelin da Silva Trecho: Entre a Rua 09 de Julho e a Rua Ernesto Ferreira Maia Área: TRECHO 01:

Leia mais

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS

FOLHA DE CAPA CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS FOLHA DE CAPA TÍTULO ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ABERTURA DE VALAS NÚMERO ORIGINAL NÚMERO FOLHA ET-6000-6520-940-TME-002 ET-65-940-CPG-002 1 / 8 CONTROLE DE REVISÃO DAS FOLHAS ESTA FOLHA DE CONTROLE INDICA EM

Leia mais

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental

IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS. 1. Conceituação de passivo ambiental SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA IS MA 19 PROCEDIMENTOS PARA LEVANTAMENTO DE PASSIVOS AMBIENTAIS 1. Conceituação de passivo ambiental Na conceituação ambiental

Leia mais

CADERNO DE ENCARCOS E ESPECIFI- CAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DAS OBRAS DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS DO PORTO ORGANIZADO DE ARATU CANDEIAS - BA

CADERNO DE ENCARCOS E ESPECIFI- CAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DAS OBRAS DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS DO PORTO ORGANIZADO DE ARATU CANDEIAS - BA CADERNO DE ENCARCOS E ESPECIFI- CAÇÕES TÉCNICAS PARA EXECUÇÃO DAS OBRAS DE ESTABILIZAÇÃO DE ENCOSTAS DO PORTO ORGANIZADO DE ARATU CANDEIAS - BA ELABORADO PELA COORDENAÇÃO DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO DE

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA MEDIÇÃO DE SERVIÇOS RODOVIÁRIOS DA AGETOP

PROCEDIMENTOS PARA MEDIÇÃO DE SERVIÇOS RODOVIÁRIOS DA AGETOP PROCEDIMENTOS PARA MEDIÇÃO DE SERVIÇOS RODOVIÁRIOS DA AGETOP GRUPO DE SERVIÇO 1 TERRAPLENAGEM GRUPO DE SERVIÇO: 1 - TERRAPLENAGEM 40005 - DESMATAMENTO, DESTOCAMENTO E LIMPEZA (ÁRVORE D

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

DISTÂNCIA MÉDIA DE TRANSPORTE - DMT CONCEITO:

DISTÂNCIA MÉDIA DE TRANSPORTE - DMT CONCEITO: DISTÂNCIA MÉDIA DE TRANSPORTE - DMT CONCEITO: É a distancia, em projeção horizontal, entre o centro de massa de uma camada do pavimento e o(s) centro(s) de massa da(s) jazidas(s) que fornecerá(ão) materiais

Leia mais

Informador das construções

Informador das construções 02 01 TERRAPLENAGEM Informador das Contruções 02 01 01 DESMATAMENTO, DESTOC. E LIMP DE ÁRVORES, ARB. E VEGET. RASTEIRA (Execução na espessura de até 30 cm, incluindo remanejamento de material p/ fora da

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 2 CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes 2.1 Critérios de Projeto de Muros de Arrimo. 2.2 Análises da Estabilidade de Muros de Arrimo. 2.3 Exemplo de Cálculo. Aula

Leia mais

TECNICAS CONSTRUTIVAS I

TECNICAS CONSTRUTIVAS I Curso Superior de Tecnologia em Construção de Edifícios TECNICAS CONSTRUTIVAS I Prof. Leandro Candido de Lemos Pinheiro leandro.pinheiro@riogrande.ifrs.edu.br FUNDAÇÕES Fundações em superfície: Rasa, Direta

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO

MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO MEMORIAL DESCRITIVO EXECUÇÃO DE PASSEIO PÚBLICO AGUA BOA - MT AGROVILA SANTA MARIA Rua Projetada A - B - C Avenida Projetada - LD e LE 3.1 - CALÇADA 3.1.1- Introdução Calçamentos são elementos complementares

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS ES-D01 OBRAS DE DRENAGEM SUPERFICIAL DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 8 ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E BJETIVO... 10 2. S... 10 3. LOCAÇÃO DA OBRA... 12 4. LIMPEZA DO TERRENO...

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Blocos e Alicerces CONCEITO

Blocos e Alicerces CONCEITO CONCEITO Os blocos são elementos estruturais de grande rigidez que são ligados pelas vigas baldrame. Sua profundidade varia de 0,5 a 1 metro. São utilizados quando há atuação de pequenas cargas, como em

Leia mais

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA

DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA DIRETRIZES EXECUTIVAS DE SERVIÇOS PARA ES-C01 ESTRUTURAS DE ARRIMO 1 DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA ÍNDICE PÁG. 1. OBJETO E OBJETIVO...3 2. S...3 3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS...3 4. MUROS DE CONCRETO ARMADO...4

Leia mais

Compactação de Aterros Aulas 2 e 3

Compactação de Aterros Aulas 2 e 3 Compactação de Aterros Aulas 2 e 3 Profa. Andrea Sell Dyminski Maio/2009 Compactação em Campo 1)Escolha da área de empréstimo: É função de: Distância de Transporte Volume do material disponível Tipos de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE CAMPINAS

UNIVERSIDADE DE CAMPINAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS LABORATÓRIO DE RISERS E SISTEMAS MARÍTIMOS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO LABRISER ETAPA 1 MEMORIAL DESCRITIVO Este MEMORIAL DESCRITIVO foi elaborado pela GRACO Graco Projetos, Empreendimentos

Leia mais

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA

COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA COMPLETA AUTOMAÇÃO PARA TOPOGRAFIA E GEODÉSIA Algumas Novidades da Versão Office: Reformulação das Planilhas de Cálculos; GeraçãodeLayoutsdeImpressão; Inserção e Georreferenciamento de Imagens Raster;

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMAÇARI 1/7 MANUTENÇÃO DE REDE DE DRENAGEM 1. INFRA-ESTRUTURA 1.1 ESCAVAÇÃO MANUAL EM ÁREA URBANA 1.1.1 Escavação manual de vala ou cava em material de 1ª categoria, profundidade até 1,50m m 3 3.920,00 1.1.2 3,00m

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO

MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCINAS PARA PAVIMENTAÇÃO EM PARALELEPÍPEDO PROPRIETÁRIO: Prefeitura Municipal de Araripina PE OBRA: Construção de Pavimentação em Araripina LOTE III LOCAL: Rua Trav.

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI TOPOGRAFIA E MOVIMENTO DE TERRA 14/1/2014

CONSTRUÇÃO DO FÓRUM TRABALHISTA DO CARIRI TOPOGRAFIA E MOVIMENTO DE TERRA 14/1/2014 TOPOGRAFIA E MOVIMENTO DE TERRA 1 - Uso da Topografia para Locação da Obra 2 - Corte terreno natural para terraplenagem 3 - Marcação pontos topográficos terreno 4 - Retirada da camada vegetal 5 - Escavação

Leia mais

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado.

7.5 Planialtimetria 7.5.1 Topologia Tem por objetivo o estudo das formas da superfície terrestre e das leis que regem o seu modelado. CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA UNIDADE DE FLORIANÓPOLIS DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO TÉCNICO DE GEOMENSURA MÓDULO II UNIDADE CURRICULAR TOPOGRAFIA III 7.5

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO

SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS PARA IRRIGAÇÃO Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Disciplina: Topografia Básica Facilitadores: Nonato, Julien, Fabrício e Rogério SISTEMATIZAÇÃO DE TERRENOS

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA CONTENÇÃO EM GABIÕES NO KM 4,7 DA RODOVIA MGT 383

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA CONTENÇÃO EM GABIÕES NO KM 4,7 DA RODOVIA MGT 383 APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NA CONTENÇÃO EM GABIÕES NO KM 4,7 DA RODOVIA MGT 383 Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: João Carlos Costa Andrade Luiz Augusto Duarte Perdigão Eng.

Leia mais

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso

Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Faixa de Domínio Solicitação para adequação/regularização de acesso Nos termos do Contrato de Concessão, bem como dos regulamentos administrativos impostos pelo Poder Concedente, compete à ECO101 Concessionária

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Métodos de Aquisição de dados Planialtimétricos Recife, 2014 Métodos de Aquisição dos Dados O cuidado

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO MACADAME SECO Grupo de Serviço PAVIMENTAÇÃO Código DERBA-ES-P-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de macadame seco em camadas

Leia mais

ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA. 1. Generalidades

ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA. 1. Generalidades ES MA 05 RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS PELA UTILIZAÇÃO DE ÁREAS DE JAZIDAS, CAIXAS DE EMPRÉSTIMOS E BOTA FORA 1. Generalidades A presente Especificação Técnica trata dos procedimentos para a utilização

Leia mais

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos

Sistema topograph 98. Tutorial Módulo Projetos Sistema topograph 98 Tutorial Módulo Projetos Como abrir um projeto existente _ 1. Na área de trabalho do Windows, procure o ícone do topograph e dê um duplo clique sobre ele para carregar o programa.

Leia mais

PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO

PONTE ESTAIADA SOBRE O RIO NEGRO SRMM Secretaria de Desenvolvimento Sustentável da Região Metropolitana de Manaus UGPSUL Unidade Gestora do Programa de Desenvolvimento e Integração da Região Sul da Cidade de Manaus PONTE ESTAIADA SOBRE

Leia mais

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação

Reabilitação de barragens de aterro. Barragem do Roxo. Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Reabilitação de barragens de aterro Barragem do Roxo Anomalias, Diagnóstico e Reabilitação Caraterísticas Gerais da Barragem do Roxo > Vale assimétrico Forte inclinação na margem esquerda Suave na margem

Leia mais

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5

DER-ES - Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Espírito Santo Emitido em : 22/04/2013-15:28:48 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Tabela de Preços - Sintética Página: 1 de 5 Grupo de Serviço: 12 - SERVIÇOS DIVERSOS 42878 Aluguel de automóvel VW/ Gol (flex) 1,0 ou equivalente, inclusive combustível, sem motorista Mes 3.816,81 42888

Leia mais

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1

Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 Parecer Técnico de Análise das Causas do Desabamento do Ed. Coroa do Meio RESUMO 1 1 OBJETIVO / FINALIDADE / INTERESSADO O Parecer Técnico tem por objetivo identificar as causas do desabamento do edifício

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DO CUSTO DE SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM: CASO DA TRAVESSIA URBANA DE SANTA MARIA/RS

ESTUDO COMPARATIVO DO CUSTO DE SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM: CASO DA TRAVESSIA URBANA DE SANTA MARIA/RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DO CUSTO DE SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM: CASO DA TRAVESSIA URBANA DE SANTA MARIA/RS TRABALHO DE

Leia mais

Muro de arrimo segmentado

Muro de arrimo segmentado 1 de 12 01/11/2010 18:40 Muro de arrimo segmentado Este artigo apresenta a seqüência executiva de um muro de arrimo segmentado. A técnica consiste no reforço de solo pela inclusão de elementos planos (geogrelhas

Leia mais

SUMÁRIO. 1 As máquinas possibilitam a construção 1. 4 Solos e rochas 94. 5 Equipamentos para compactação e estabilização do terreno 118

SUMÁRIO. 1 As máquinas possibilitam a construção 1. 4 Solos e rochas 94. 5 Equipamentos para compactação e estabilização do terreno 118 SUMÁRIO 1 As máquinas possibilitam a construção 1 Ser competitivo 1 A história dos equipamentos de construção 3 O setor da construção civil 10 Segurança 11 Os contratos de construção civil 13 O planejamento

Leia mais

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I

TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I TEC 159 TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES I Aula 9 Fundações Parte 1 Cristóvão C. C. Cordeiro O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais