Norte de Portugal Uma Região - Quatro Destinos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Norte de Portugal Uma Região - Quatro Destinos"

Transcrição

1 Agenda Regional de Turismo Programa de Acção de Enfoque Temático Turismo de Saúde e Bem-Estar Índice: 1 - Enquadramento da Agenda Regional de Turismo 2 - Turismo de Saúde e Bem-Estar - e tipologia de acções prioritárias 3 - Notas Finais Porto, 09 de Julho de 2009 Nuno Fazenda Agenda Regional Turismo

2 Estratégia regional Modelo territorial Norte de Portugal Uma Região - Quatro Destinos Pólo Turístico Prioritário Plano de Desenvolvimento Turístico do Vale do Douro Região com diversidade e complementaridade de destinos

3 Estratégia regional Visão VISÃO PARA O TURISMO DO NORTE DE PORTUGAL O Norte de Portugal deverá ser uma das regiões de maior crescimento turístico no país, através de um processo de desenvolvimento sustentável baseado na Qualificação, na Excelência e na Competitividade e Inovação da sua oferta turística, transformando o Turismo como um factor de desenvolvimento e diversificação da economia regional Um destino de excelência e autenticidade histórico-cultural de âmbito nacional e internacional, suportado pelos sítios classificados Património da Humanidade - Eixo Património Mundial - e pelo vasto e rico património histórico-cultural, material e imaterial existente por toda a Região O primeiro destino enoturístico nacional com relevância internacional, gerador de experiências únicas e memoráveis, tendo como mote a cultura do vinho e da vinha e uma envolvente turística multifacetada O primeiro destino de Turismo de Natureza e Rural do país, com expressão ibérica e europeia, assente numa rede regional de áreas protegidas e rurais de elevado valor natural e paisagístico O primeiro destino de Turismo de Saúde e Bem-Estar nacional (wellness destination), com base num elemento único e diferenciador a água mineral natural - e a inovação e modernização do modelo de negócio das termas

4 Prioridades Estratégicas Iniciativas com influência directa e indirecta no desenvolvimento do Turismo Regional Matriz Estratégica e de Programação/Acção Recursos/Produtos e Infra-estruturas de suporte Qualificar valorizar os recursos turísticos, potenciando os produtos turísticos prioritários e criar as infra-estruturas de suporte ao Turismo regional Alojamento e Animação Desenvolver a oferta de Alojamento e Animação assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Formação RH Matriz Estratégica Qualificação e Formação dos Recursos Humanos Marketing e Promoção Projectar e promover a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, afirmando os seus sub-espaços e produtos turísticos prioritários Intelligence Promover um processo de dinamização, acompanhamento e informação do turismo regional Alguns exemplos QREN

5 Prioridades Estratégicas Matriz Estratégica e de Programação/Acção Recursos/Produtos e Infra-estruturas de suporte Qualificar valorizar os recursos turísticos, potenciando os produtos turísticos prioritários e criar as infra-estruturas de suporte ao Turismo regional Alojamento e Animação Desenvolver a oferta de Alojamento e Animação assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Matriz Estratégica Formação RH Qualificação e Formação dos Recursos Humanos Marketing e Promoção Projectar e promover a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, afirmando os seus sub-espaços e produtos turísticos prioritários Intelligence Promover um processo de dinamização, acompanhamento e informação do turismo regional Iniciativas com influência directa e indirecta no desenvolvimento do Turismo Regional Alguns exemplos QREN Regeneração urbana 188 M (aprovado) - Grandes e Pequenos Centros Incluindo intervenções em concelhos com oferta termal Valorização do Litoral Norte 26.5M (aprovado) - Ex. Requalificação de marginais e valorização de praias Gestão Activa de Espaços Protegidos e Classificados 11.2M (aprovado) Ex: Infra-estruturas de apoio ao turismo de natureza; Centros de interpretação ambiental, etc. Centro de Congressos Palácio de Cristal (aprovado) Turismo Douro infra-estrutural 30M (em análise) Ex. Cais fluviais, Património Histórico, Rede de informação turística, etc. MAR Terminal de Cruzeiros turísticos (em preparação)

6 Prioridades Estratégicas Matriz Estratégica e de Programação/Acção Recursos/Produtos e Infra-estruturas de suporte Qualificar valorizar os recursos turísticos, potenciando os produtos turísticos prioritários e criar as infra-estruturas de suporte ao Turismo regional Alojamento e Animação Desenvolver a oferta de Alojamento e Animação assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Matriz Estratégica Formação RH Qualificação e Formação dos Recursos Humanos Marketing e Promoção Projectar e promover a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, afirmando os seus sub-espaços e produtos turísticos prioritários Intelligence Promover um processo de dinamização, acompanhamento e informação do turismo regional Iniciativas com influência directa e indirecta no desenvolvimento do Turismo Regional Alguns exemplos QREN Projectos turísticos privados para a qualificação da oferta turística regional Alojamento, Animação e Restauração 80 Milhões de euros de investimento aprovado para o Turismo do Norte de Portugal Alguns exemplos: Melia Braga Hotel & Spa - 5* - Braga (Saúde e Bem Estar) Hotel Star Inn 3* - Porto Hotel Teatro 4* - Porto Requalificação Vintage House Hotel - Alijó - Pinhão Hotel das Termas de S. Vicente 4* - Penafiel (Saúde e Bem Estar) Pedras Salgadas Hotel 4* Vila Pouca de Aguiar (Saúde e Bem Estar) Hotel Rural Mira Caima 4* - Oliveira de Azeméis Quinta da Roda Vila Verde Open Village Sports Hotel 4* & Spa Guimarães (Saúde e Bem Estar) Porto Sea Life Centre - Porto

7 Prioridades Estratégicas Matriz Estratégica e de Programação/Acção Recursos/Produtos e Infra-estruturas de suporte Qualificar valorizar os recursos turísticos, potenciando os produtos turísticos prioritários e criar as infra-estruturas de suporte ao Turismo regional Alojamento e Animação Desenvolver a oferta de Alojamento e Animação assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Matriz Estratégica Formação RH Qualificação e Formação dos Recursos Humanos Marketing e Promoção Projectar e promover a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, afirmando os seus sub-espaços e produtos turísticos prioritários Intelligence Promover um processo de dinamização, acompanhamento e informação do turismo regional Iniciativas com influência directa e indirecta no desenvolvimento do Turismo Regional Alguns exemplos QREN Consolidação da Rede Regional de Escolas de Hotelaria e Turismo No passado recente (QCA III PO Norte) Escola de Hotelaria e Turismo de Viana do Castelo + Escola de Hotelaria e Turismo de Lamego Douro ambas concluídas Já lançando no âmbito do QREN - PO Norte Criação de nova Escola de Hotelaria e Turismo do Porto Criação de nova Escola de Hotelaria e Turismo de Sta. Maria da Feira Criação de Hotel de Aplicação e Centro de Excelência de Gastronomia e Vinhos EHT Lamego - Douro Cerca de 15 milhões de euros de investimento global para a criação de condições infra-estruturais de apoio à qualificação de RH para o Turismo do Norte de Portugal Criação de Balneário Pedagógico Transfronteiriço (Vidago) infra-estrutura para qualificação e formação especializada em Termalismo e Saúde e Bem-Estar (4.5M aprox.)

8 Prioridades Estratégicas Matriz Estratégica e de Programação/Acção Recursos/Produtos e Infra-estruturas de suporte Qualificar valorizar os recursos turísticos, potenciando os produtos turísticos prioritários e criar as infra-estruturas de suporte ao Turismo regional Alojamento e Animação Desenvolver a oferta de Alojamento e Animação assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Matriz Estratégica Formação RH Qualificação e Formação dos Recursos Humanos Marketing e Promoção Projectar e promover a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, afirmando os seus sub-espaços e produtos turísticos prioritários Intelligence Promover um processo de dinamização, acompanhamento e informação do turismo regional Iniciativas com influência directa e indirecta no desenvolvimento do Turismo Regional Alguns exemplos QREN Património Cultural imaterial 18.1 M (aprovado) Exposições, Rotas temáticas, Promoção Património Histórico (ex. Porto Património Mundial) Turismo Douro Imaterial Promoção e Animação Turística - 7.5M (em análise) Indústrias Criativas Grandes Eventos 15M (concurso aberto) Promoção do Porto e Norte de Portugal PO Norte (tipologia prevista)

9 Prioridades Estratégicas Matriz Estratégica e de Programação/Acção Recursos/Produtos e Infra-estruturas de suporte Qualificar valorizar os recursos turísticos, potenciando os produtos turísticos prioritários e criar as infra-estruturas de suporte ao Turismo regional Alojamento e Animação Desenvolver a oferta de Alojamento e Animação assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Matriz Estratégica Formação RH Qualificação e Formação dos Recursos Humanos Marketing e Promoção Projectar e promover a oferta turística do Porto e Norte de Portugal, afirmando os seus sub-espaços e produtos turísticos prioritários Intelligence Promover um processo de dinamização, acompanhamento e informação do turismo regional Iniciativas com influência directa e indirecta no desenvolvimento do Turismo Regional Alguns exemplos QREN Norte Conjuntura Relatórios Trimestrais (turismo é um dos domínios de análise) Relatório Temático anual O Turismo a Norte Estudo de Satisfação dos Turistas na Região do Norte (perfil do visitante; índice de satisfação; recomendações para actuação incluindo a dimensão do Turismo de Saúde e Bem-Estar

10 Produtos turísticos prioritários Uma Visão de Desenvolvimento Um Modelo Territorial Norte de Portugal - Uma Região 4 Destinos 5 Objectivos Estratégicos 8 Produtos turísticos prioritários entre os quais o Turismo de Saúde e Bem-Estar (um dos pilares da Visão de desenvolvimento) 8 produtos turísticos prioritários Agenda Regional de Turismo Acção focalizada em produtos turísticos prioritários Turismo de Negócios Turismo Urbano Turismo de Natureza Turismo Náutico Gastronomia & Vinhos Enoturismo Turismo de Saúde e Bem-Estar Turismo Históricocultural (touring) Golfe

11 Programa de Acção Estado de arte análise SWOT (não exaustivo) 2. Turismo de Saúde e Bem-Estar Pontos fortes Recurso natural exclusivo/ diferenciador - Água: propriedades, características e atributos da água mineral natural com benefícios reconhecidos e comprovados para a saúde e bem-estar Utilização da água mineral em conjunto com terapias de bem-estar (acrescentando valor) Região do País com maior n.º de estâncias termais, permitindo o desenvolvimento de uma oferta em rede assente em padrões de qualidade e sustentabilidade Ambiente envolvente às Estâncias termais (Património natural e cultural). Proximidade e associação a outros recursos/produtos turísticos Oportunidades Produto turístico prioritário (PENT e Agenda Regional Turismo, Delegação TPNP) QREN Dinâmica dos actores do sector Investimentos em curso neste domínio Alterações mercado/procura: aumento da esperança média de vida preocupação social com a prevenção, a saúde, a beleza e o bem-estar alteração do perfil do turista SWOT Pontos Fracos Recurso natural ainda pouco valorizado pelo consumidor Termas com necessidade de requalificação (incluindo envolvente) Lacuna em termos de Marketing e promoção do Turismo de Saúde e Bem- Estar que permita a valorização e potenciação do produto Ausência (ou deficiência) de sinalética turística (e termal) Oferta de alojamento ainda pouco qualificada Ameaças Imagem débil do termalismo (ainda associada a segmento para actividades curativas e de prevenção de doenças) Concorrência acrescida por parte de destinos com a mesma tipologia de oferta A necessidade de actuação em rede (com escala) não é compatível com pulverização e desarticulação de agentes e acções.

12 Programa de Acção Prioridades Estratégicas 2. Turismo de Saúde e Bem-Estar Prioridades Estratégicas para o Turismo de Saúde e Bem-Estar no Norte de Portugal Objectivo global Tornar o Norte o primeiro destino turístico de saúde e bem-estar nacional (wellness destination) com base num elemento único e diferenciador a água mineral natural e através da inovação e modernização do modelo de negócio das termas Objectivos estratégicos Qualificar e valorizar os recursos de base inovação e I&D qualificação e formação de RH cooperação e a actuação em rede Reposicionar e consolidar a imagem e percepção do Norte enquanto destino de Turismo de S&B-Estar

13 Programa de Acção Tipologias de acções/ projectos prioritários Algumas tipologias de acções/projectos prioritários por objectivos estratégicos 2. Turismo de Saúde e Bem-Estar Qualificar e valorizar os recursos de base Requalificação e modernização de Estâncias Termais que contribuam significativamente para a afirmação do Turismo de Saúde e Bem-Estar no Norte de Portugal Valorização das envolventes dos balneários termais e dos equipamentos de Saúde e Bem-Estar (na óptica de qualificação turística do destino). Afirmação do conceito de Vilas Termais de Excelência (ex.: Pedras Salgadas & Vidago e Gerês); Criação/requalificação de unidades hoteleiras associadas ao Turismo de Saúde e Bem-Estar Sinalética turístico rodoviária (incluindo a identificação dos espaços termais) Desenvolvimento de uma oferta de Talassoterapia com dimensão, assente em padrões de elevada qualidade e sustentabilidade inovação e I&D Fomento à implementação de sistemas de qualidade (certificação da qualidade) em equipamentos de saúde e bem-estar Elaboração de manuais de boas práticas para o Turismo de Saúde e Bem-Estar Desenvolvimento de acções de credibilização científica e comprovada dos fins terapêuticos e benefícios das águas (termais e do mar). Introdução da utilização de energias renováveis nos equipamentos de Saúde e Bem-Estar (por ex. aproveitamento geotérmico do recurso termal) Desenvolvimento de enquadramento normativo da talassoterapia a partir das melhores práticas internacionais

14 Programa de Acção Tipologias de acções/ projectos prioritários Algumas tipologias de acções/projectos prioritários por objectivos estratégicos 2. Turismo de Saúde e Bem-Estar Desenvolver a qualificação e formação especializada Criação de condições infra-estruturais para a qualificação de Recursos Humanos (especializada) em Turismo, Hotelaria e Termalismo (ex. Escolas de Hotelaria e Turismo e Balneário Pedagógico Transfronteiriço) Desenvolvimento de cursos e acções de formação especializada em Turismo de Saúde e Bem-Estar (ex. técnicas de balneoterapia e atendimento) Estágios profissionais qualificantes em estâncias termais/ equipamentos de Saúde e Bem-Estar, promovendo a formação em ambiente de trabalho. cooperação e a actuação em rede Criação de Rede Termas do Norte de Portugal, promovendo acções conjuntas de actuação (promoção, troca de informação, documentos estratégicos, etc.) Cooperação internacional e integração em redes temáticas europeias: Benchmarking Troca de experiências Projectos conjuntos (candidaturas) Intercâmbio de profissionais de Saúde e Bem-Estar (ex. Galiza e Auvergne) Reposicionar e consolidar a imagem e percepção do Norte enquanto destino de Turismo de Saúde e Bem- Estar Desenvolvimento de Plano de Marketing e comunicação para o Turismo de Saúde e Bem-Estar do Norte de Portugal (TPNP, ER) Concepção de kit s promocionais e desenvolvimento de campanhas publicitárias focalizadas no Turismo de Saúde e Bem-Estar do Norte de Portugal Acções de promoção conjunta da Rede Termas do Norte de Portugal Feiras e eventos promocionais e Missões técnicas em mercados chave Consolidação e projecção de evento internacional na Região do Norte dedicado ao Turismo de Saúde e Bem-Estar

15 3. Notas finais Planeamento Estratégico - Agenda Regional de Turismo Definição de referencial estratégico para o Turismo do Norte de Portugal consensualizado com e entre actores Programação - Evolução para fase de programação preparação de Avisos/ concursos em convergência com estratégia estabelecida Colaboração - Desenvolvimento de iniciativas sinalizadas na Agenda Regional de Turismo, colaborando na montagem técnica e institucional de Iniciativas/Programas de Acção (sendo exemplo, o presente Programa de Acção de Turismo de Saúde desenvolvido por 3 entidades e constitui o referencial estratégico para este produto turístico prioritário) Operacionalização Há trabalho a desenvolver na concretização dos projectos, mas face às aprovações que já se registaram e ao que está em preparação, afigura-se uma convergência entre os objectivos do Programa de Acção) e as iniciativas no terreno Articulação e novo quadro institucional Comité de Pilotagem da Agenda Regional Turismo (convergência de acções) e existência de um novo e reforçado quadro institucional do turismo regional (TPNP, ER - Delegação Turismo Saúde e Bem-Estar que constitui actor chave no desenvolvimento do Programa de Acção)

16 Agenda Regional de Turismo Programa de Acção de Enfoque Temático Turismo de Saúde e Bem-Estar Obrigado! Porto, 09 de Julho de 2009 Agenda Regional Turismo

MINHO INovação 2014/2020

MINHO INovação 2014/2020 MINHO INovação 2014/2020 O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia de eficiência coletiva, isto é uma ação conjunta assente numa parceria que partilha um objetivo em concreto:

Leia mais

Os PROVERE em movimento: ponto de situação dos Programas de Acção

Os PROVERE em movimento: ponto de situação dos Programas de Acção Os PROVERE em movimento: ponto de situação dos Programas de Acção Ana Abrunhosa Vogal Executiva da Comissão Directiva do Mais Centro Pilares essenciais da iniciativa PROVERE do QREN: i) os projectos âncora

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Acordo de Parceria Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006

2006-2015. Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 2006-2015 Bolsa de Turismo de Lisboa 18 de Janeiro 2006 Portugal 2015 Portugal 2015 - Metas 2005 2015 Douro Douro Oeste Oeste Serra da Estrela Serra da Estrela Alqueva Litoral Alentejano Litoral Alentejano

Leia mais

Jorge Sobrado, CCDR-N/ON.2

Jorge Sobrado, CCDR-N/ON.2 Jorge Sobrado, CCDR-N/ON.2 O ON.2_contexto ON.2_contexto ON.2_contexto O ON.2 representa 1/3 dos financiamentos do QREN aprovados na Região Norte itário (Milhões de Euros) 1800 1 600 1 400 1 200 1 000

Leia mais

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011

O PATRIMÓNIO NATURAL E O DO ALGARVE. Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 O PATRIMÓNIO NATURAL E O DESENVOLVIMENTO TURÍSTICO DO ALGARVE Conversas sobre a Ria Formosa 3 de Março de 2011 1. PENT - estratégia para o desenvolvimento do Turismo em Portugal RCM 53/2007, de 04 de Abril

Leia mais

Turismo & Desenvolvimento Regional A perspectiva das CCDR O caso da Região Norte. Aveiro, 27 de Abril 2011 Nuno Fazenda

Turismo & Desenvolvimento Regional A perspectiva das CCDR O caso da Região Norte. Aveiro, 27 de Abril 2011 Nuno Fazenda Turismo & Desenvolvimento Regional A perspectiva das CCDR O caso da Região Norte Aveiro, 27 de Abril 2011 Nuno Fazenda 1 Enquadramento 4 breves notas Uma primeira questão de fundo O Turismo utiliza uma

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJECTOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS 1. No âmbito dos

Leia mais

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades

Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Apoios ao Turismo Lições do QREN, desafios e oportunidades Piedade Valente Comissão Diretiva do COMPETE Sintra, 9 de outubro de 2014 Agenda da Competitividade (2007-2013): instrumentos de apoio eficiência

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À

SISTEMA DE INCENTIVOS À SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISOS PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE

Leia mais

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima

MINHO IN. Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia. 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima MINHO IN Seminário Valorização dos Recursos Endógenos Agroalimentar & Gastronomia 25 de Novembro de 2015, Villa Moraes, Ponte de Lima O MINHO IN Estratégia de Eficiência Coletiva O Minho IN é estratégia

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese

PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO. Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal. Síntese PLANO ESTRATÉGICO NACIONAL DO TURISMO Para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal Síntese 1 O PENT - Plano Estratégico Nacional do Turismo é uma iniciativa governamental, da responsabilidade do Ministério

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DO CAPITAL SIMBÓLICO, TECNOLOGIAS E SERVIÇOS DO TURISMO

ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DO CAPITAL SIMBÓLICO, TECNOLOGIAS E SERVIÇOS DO TURISMO ESTRATÉGIA REGIONAL DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE: ATELIÊ DO CAPITAL SIMBÓLICO, TECNOLOGIAS E SERVIÇOS DO TURISMO ccdr-n.pt/norte2020 30 DE MAIO DE 2013 PORTO Principais Conceitos A competitividade das

Leia mais

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA)

SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO (RETIFICADA) SI INOVAÇÃO INOVAÇÃO PRODUTIVA E EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO CRITÉRIOS DE INSERÇÃO DE PROJETOS NO PÓLO DE COMPETITIVIDADE E TECNOLOGIA TURISMO 2015 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTO ELEGÍVEIS (RETIFICADA) 1.

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

EEC PROVERE MINHO IN:

EEC PROVERE MINHO IN: EEC PROVERE MINHO IN: Enquadramento de projetos complementares Sessão de Divulgação Oportunidades de Financiamento de projetos complementares da EEC PROVERE MINHO IN 8 de Fevereiro de 2012 14h45 Villa

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO

PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO PROGRAMA OPERACIONAL COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO Jorge Abegão Secretário-Técnico do COMPETE Coimbra, 28 de janeiro de 2015 Estratégia Europa 2020 ESTRATÉGIA EUROPA 2020 CRESCIMENTO INTELIGENTE

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

ATELIÊ: ATIVOS DO TERRITÓRIO E TURISMO

ATELIÊ: ATIVOS DO TERRITÓRIO E TURISMO ATELIÊ: ATIVOS DO TERRITÓRIO E TURISMO Ponte de Lima, 27 de maio de 2013 ccdr-n.pt/norte2020 AGENDA 1. 2. Questões Factos e números de diagnóstico uma base de partida para reflexão O que representa o turismo

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

O ENOTURISMO. Conceito:

O ENOTURISMO. Conceito: Conceito: O conceito de enoturismo ainda está em formação e, a todo o momento, vão surgindo novos contributos; Tradicionalmente, o enoturismo consiste na visita a vinhas, estabelecimentos vinícolas, festivais

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO

CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE TURISMO Planificação anual de: T.I.A.T. (Turismo - Informação e Animação Turística) Turma, L Professor: Jaime Murta 10.ºAno 1 - Estrutura e Finalidades da disciplina A

Leia mais

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento

A. Novo Paradigma de Desenvolvimento S E M I N Á R I O AUDITORIAS DE VALOR 11 de Outubro de 2010 A. Novo Paradigma de Desenvolvimento 2007/2013 Passagem do Objectivo 1 (Convergência) para o Objectivo 2 (Competitividade e Emprego). Alteração

Leia mais

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários

Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Seminário Turismo 2020: Fundos Comunitários Plano de Ação para o Desenvolvimento do Turismo em Portugal 2014-2020 Braga, 15 de janeiro 2014 Nuno Fazenda Turismo de Portugal, I.P. TURISMO Importância económica

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI

A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Mobilidade em Cidades Médias e Áreas Rurais Castelo Branco, 23-24 Abril 2009 A MOBILIDADE EM CIDADES MÉDIAS ABORDAGEM NA PERSPECTIVA DA POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI A POLÍTICA DE CIDADES POLIS XXI Compromisso

Leia mais

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020

COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2014-2020 COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DA 2014-2020 18-11-2015 INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL, IP-RAM MISSÃO Promover o desenvolvimento, a competitividade e a modernização das empresas

Leia mais

Procura e oferta do turismo: Tendências e Desafios para o Alto Minho. Valença, 12 de Julho 2012 Nuno Fazenda

Procura e oferta do turismo: Tendências e Desafios para o Alto Minho. Valença, 12 de Julho 2012 Nuno Fazenda Procura e oferta do turismo: Tendências e Desafios para o Alto Minho Valença, 12 de Julho 2012 Nuno Fazenda TURISMO INTERNACIONAL 3000 Um setor de atividade em contínuo crescimento 2500 2000 Global economic

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos Individuais até concursos abertos 16 de abril de 2012 Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME Projetos

Leia mais

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial

CONFERÊNCIA: O futuro dos territórios rurais. - Desenvolvimento Local de Base Comunitária. Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial Painel 1: Coesão e Sustentabilidade Territorial 5 Augusto Ferreira Departamento Técnico - CONFAGRI MINHA TERRA - Federação Portuguesa de Associações de Desenvolvimento Local 20.Set.2013 Hotel da Estrela

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS

SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS SEMINÁRIO SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS S EMPRESAS PO ALGARVE21 Estratégia Regional e Enquadramento dos Sistemas de Incentivos Francisco Mendonça a Pinto PORTIMÃO, 6 de Novembro de 2008 Principal problema

Leia mais

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável 2ª CONFERÊNCIA PASSIVHAUS PORTUGAL 2014 29 de Novembro de 2014 Aveiro - Centro Cultural e de Congressos Victor Ferreira Plataforma Construção Sustentável Entidade Gestora do Cluster Habitat Sustentável

Leia mais

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul

Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul Comunidade Intermunicipal da Beira Interior Sul 1. Identificação do Recurso Endógeno e do Território Alvo PROVERE Beira Baixa: Terras de Excelência : Conjugar a valorização do território, dos produtos

Leia mais

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO INOVAÇÃO E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO O contexto da Globalização Actuação Transversal Aposta no reforço dos factores dinâmicos de competitividade Objectivos e Orientações Estratégicas para a Inovação Estruturação

Leia mais

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO

PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Nº 12 / SI / 2009 SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO (SI INOVAÇÃO) PROJECTOS DE EMPREENDEDORISMO QUALIFICADO Nos termos do Regulamento do SI Inovação, a apresentação

Leia mais

A PERSPECTIVA EMPRESARIAL ENQUADRAMENTO DO TERMALISMO

A PERSPECTIVA EMPRESARIAL ENQUADRAMENTO DO TERMALISMO A PERSPECTIVA EMPRESARIAL ENQUADRAMENTO DO TERMALISMO João Pinto Barbosa 23.10.2007 Enquadramento do Termalismo Termalismo: Que tipologia de organizações prosseguem a actividade? Autarquias Outros organismos

Leia mais

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A.

Portugal 2020. 03-11-2014 Areagest Serviços de Gestão S.A. Portugal 2020 Os Nossos Serviços Onde pode contar connosco? Lisboa Leiria Braga Madrid As Nossas Parcerias Institucionais Alguns dos Nossos Clientes de Referência Bem Vindos à Areagest Índice O QREN;

Leia mais

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011

TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal. Abrantes, 2011 TURISMO CULTURAL produto estratégico para Portugal Abrantes, 2011 O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural motiva a viagem e, por isso, aproxima

Leia mais

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013

INICIATIVA JESSICA. Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo. Faro, 22 de maio de 2013 INICIATIVA JESSICA Fundo de Desenvolvimento Urbano Turismo Faro, 22 de maio de 2013 O Turismo na economia Peso no PIB Peso no Emprego Peso nas Exportações Peso dos Mercados O Turismo e a Regeneração Urbana

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

Aviso - ALG-28-2015-11

Aviso - ALG-28-2015-11 Eixo Prioritário 5 Investir no Emprego OT 8 Promover a Sustentabilidade e a Qualidade do Emprego, e Apoiar a Mobilidade dos Trabalhadores PI 8.9 Apoio ao crescimento propício ao emprego, através do desenvolvimento

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas

IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas IV Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas Preparar a Retoma, Repensar a Logística 10 de Novembro NOVOHOTEL SETUBAL Comunicação: Factores de Atractividade da oferta logística do Alentejo Orador: Dr.

Leia mais

Tertúlia Algarvia. Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve

Tertúlia Algarvia. Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve Tertúlia Algarvia Centro de Conhecimento em Cultura e Alimentação Tradicional do Algarve Dossier de Apresentação do Projecto Janeiro de 2008 A génese do Projecto INEXISTÊNCIA NA REGIÃO Local que permita

Leia mais

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014

Apoios à Internacionalização e à Inovação. António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 Apoios à Internacionalização e à Inovação António Costa da Silva Santarém, 26 de setembro de 2014 ALENTEJO PRIORIDADES PARA UMA ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE 1. Alimentar e Floresta 2. Recursos Naturais,

Leia mais

PO AÇORES 2020 FEDER FSE

PO AÇORES 2020 FEDER FSE Apresentação pública PO AÇORES 2020 FEDER FSE Anfiteatro C -Universidade dos Açores -Ponta Delgada 04 de marçode 2015 PO AÇORES 2020 UM CAMINHO LONGO, DIVERSAS ETAPAS A definição das grandes linhas de

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo

Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos. Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Eixo Prioritário II Valorização Económica de Recursos Específicos Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Convite Público para Apresentação de Candidaturas Turismo Escolas de Hotelaria e Turismo Aviso relativo

Leia mais

Apoio à Internacionalização

Apoio à Internacionalização Apoio à Internacionalização Incentivos QREN Castelo Branco, 4 de outubro 2012 YUNIT Corporate: João Esmeraldo QREN - Sistema Incentivos Empresas I&DT - Investigação e Desenvolvimento Qualificação - Investimentos

Leia mais

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março

Programas de Incentivos e a Certificação. IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março e a Certificação IX FORUM APCER Centro de Congressos de Lisboa, 15 de Março QUALIDADE - motor do sucesso de qualquer empresa. Factor de distinçã ção o e escolha de produtos e serviços QUALIDADE e INOVAÇÃ

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal!

Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! Gestão de Energia e Eficiência Energética nas Empresas O enquadramento legal! 25 de Janeiro de 2013 Agenda: Enquadramento Legislativo e Regulamentar adequado à Utilização de Energia nas empresas; Âmbito

Leia mais

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade

A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade A Estratégia Nacional para o Turismo em Espaços de Baixa Densidade Maria José Catarino Vogal do Conselho Directivo Trancoso, 28 de Outubro de 2009 TURISMO - Contributo para o desenvolvimento sustentado

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

MINHO Inovação A Estratégia de de Especialização Inteligente e os Territórios de baixa Densidade

MINHO Inovação A Estratégia de de Especialização Inteligente e os Territórios de baixa Densidade MINHO Inovação A Estratégia de de Especialização Inteligente e os Territórios de baixa Densidade Conferência Agricultura e Desenvolvimento Rural: Que Instrumentos de Financiamento 20214-2020 Escola Superior

Leia mais

ATIVOS DO TERRITÓRIO E TURISMO NO NOVO CICLO DE APOIOS COMUNITÁRIOS 2014 2020

ATIVOS DO TERRITÓRIO E TURISMO NO NOVO CICLO DE APOIOS COMUNITÁRIOS 2014 2020 ATIVOS DO TERRITÓRIO E TURISMO NO NOVO CICLO DE APOIOS COMUNITÁRIOS 2014 2020 Rui Monteiro Diretor de Serviços de Desenvolvimento Regional da CCDR N Vila Nova de Gaia, 15 de julho de 2013 ccdr-n.pt/norte2020

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO

AGENDA VALORIZAÇÃO DO TERRITÓRIO Novas Oportunidades para o Financiamento de Investimento Público e Empresarial no âmbito do QREN --- Sines 11 de Março de 2008 A Agenda Operacional para a Valorização do Território é uma estratégia de

Leia mais

Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado

Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado Aviso para Apresentação de Candidaturas n.º 13/SI/2012 Inovação - Empreendedorismo Qualificado Prazos De 24.10.2012 a 05.09.2013 Área Tipo de Projecto Incentivos às Empresas Inovação - Empreendedorismo

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção

Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção GRUPO 2 Áreas Protegidas em processo de adesão à CETS Parques en proceso de adhesion a la CETS Tema II: Elaboração e Acompanhamento do Plano de Acção ELABORAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DO PLANO DE ACÇÃO Exemplo

Leia mais

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015

CTCV. seminários. Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020. Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 23 10 2014 Programas de apoio no novo Quadro Portugal 2020 Seminário ISO 9001 e ISO 14001 Enquadramento e alterações nos referenciais de 2015 Victor Francisco Gestão e Promoção da Inovação 21 de outubro

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade

Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade Divulgação do primeiro relatório Turismo de Portugal é pioneiro na sustentabilidade O Turismo de Portugal apresentou ontem o seu Relatório de Sustentabilidade, tornando-se no primeiro Instituto Público

Leia mais

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural

MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural I Seminário sobre Turismo Rural e Natureza Diferenciar o Produto, Qualificar a Oferta, Internacionalizar o Sector MODELOS INTEGRADOS DE COMERCIALIZAÇÃO DA OFERTA: a Central de Reservas Portugal Rural TÂNIA

Leia mais

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20

AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 AS OPORTUNIDADES PARA AS EMPRESAS NO PORL 2014-20 Vítor Escária CIRIUS ISEG, Universidade de Lisboa e Augusto Mateus & Associados Barreiro, 30/06/2014 Tópicos Enquadramento A Estratégia de Crescimento

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.

Fundos Comunitários. geridos pela Comissão Europeia. M. Patrão Neves. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves.pt. www.mpatraoneves. Fundos Comunitários geridos pela Comissão Europeia M. Patrão Neves Fundos comunitários: no passado Dependemos, de forma vital, dos fundos comunitários, sobretudo porque somos um dos países da coesão (e

Leia mais

RESTAURANTE DO FUTURO

RESTAURANTE DO FUTURO RESTAURANTE DO FUTURO LEADING TENDENCIES CARLOS COSTA IDTOUR UNIQUE SOLUTIONS/ UNIVERSIDADE DE AVEIRO PESO DA RÉGUA, 13.JANEIRO.2011 PARCEIROS DO PROJECTO CAROLINA GAUTIER / ISABEL MARTINS JOSÉ BRÁS /

Leia mais

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO

PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO ALENTEJO Alentejo 2020 Desafios Borba 17 de Dezembro de 2014 ALENTEJO Estrutura do Programa Operacional Regional do Alentejo 2014/2020 1 - Competitividade e Internacionalização

Leia mais

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7

ANEXO I. FICHAS DE CARACTERIZAÇÃO DAS MEDIDAS 3.1. e 3.2. - EIXO 3 DO PRORURAL versão 7 3.1.1. Diversificação de Actividades Não-Agrícolas na Exploração Descrição Apoio a iniciativas empresariais promotoras do saber fazer tradicional Apoio a actividades lúdicas de carácter inovador nas explorações

Leia mais

Atelier SUDOE INTELIGENTE

Atelier SUDOE INTELIGENTE Atelier SUDOE INTELIGENTE Do SUDOE 2007-2013 à Estratégia 2020 Promoção da inovação e constituição de redes estáveis de cooperação em matéria tecnológica Melhoria da sustentabilidade para a proteção e

Leia mais

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO

SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO SISTEMA DE INCENTIVOS À INOVAÇÃO AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS INOVAÇÃO PRODUTIVA - PROVERE Elisabete Félix Turismo de Portugal, I.P. - Direcção de Investimento PRIORIDADE Fomento da competitividade

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I

Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I Workshop formativo: Ampelografia das Castas do Vinho Verde I numerosos sinónimos. Objectivos: A ampelografia é a disciplina da botânica e da agronomia que estuda, identifica e classifica as variedades,

Leia mais

Agenda da Competitividade Balanço e Perspectivas. Evento Anual do ON.2 PORTO 19.Dez.2011

Agenda da Competitividade Balanço e Perspectivas. Evento Anual do ON.2 PORTO 19.Dez.2011 Agenda da Competitividade Balanço e Perspectivas Evento Anual do ON.2 PORTO 19.Dez.2011 Agenda da Competitividade Agenda da Competitividade no ON.2: No seguimento da reprogramação aprovada pela CE em 15/12/2011,

Leia mais

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014

Portugal 2020. CCILC, Junho 2014 Portugal 2020 CCILC, Junho 2014 Internacionalização: Quando? Para Quem? PME Organizações Onde? Regiões Como valorizar? + RH +Inovação O Quê? Que Investimentos? Quais? Temas Prioridades Objetivos Internacionalização:

Leia mais

O Cluster Habitat Sustentável - rede de cooperação para a sustentabilidade

O Cluster Habitat Sustentável - rede de cooperação para a sustentabilidade O Cluster Habitat Sustentável - rede de cooperação para a sustentabilidade Congresso LiderA 2013 Lisboa, 28/05/2013 Victor Ferreira (Plataforma Construção Sustentável) Cluster Habitat Sustentável - Rede

Leia mais

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe

Iniciativa PE2020. A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos. António Manzoni/Vilar Filipe Iniciativa PE2020 A Engenharia como fator de competitividade Projetos colaborativos António Manzoni/Vilar Filipe Novembro 2013 Projeto Engenharia 2020 Preocupações macroeconómicas Papel da engenharia na

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais