CONCENTRAÇÕES DE PARTICULAS INALÁVEIS EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E A GESTÃO AMBIENTAL DO AR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONCENTRAÇÕES DE PARTICULAS INALÁVEIS EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E A GESTÃO AMBIENTAL DO AR"

Transcrição

1 1 CONCENTRAÇÕES DE PARTICULAS INALÁVEIS EM SÃO JOSÉ DO RIO PRETO E A GESTÃO AMBIENTAL DO AR RESUMO José Mário Ferreira de Andrade 1 Em 2011, o ar de São José do Rio Preto apresentou uma concentração média anual de Material Particulado (MP 10 ), de 39 µg/m³. Essa concentração foi a sétima maior dentre as 41 estações de monitoramento da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB) e está 95% acima do valor guia da Organização Mundial da Saúde (OMS), o qual é de 20 µg/m³. As principais fontes de poluição do ar em Rio Preto são a queima da palha da cana-de-açúcar, as queimadas urbanas e a fumaça preta emitida pelos veículos diesel. Para manter a qualidade do ar compatível com as metas da OMS, propõe-se a implementação de um plano para a gestão ambiental do ar. Palavras-chave: partículas inaláveis, queimadas, gestão ambiental do ar. ABSTRACT In 2011, the air of São José do Rio Preto had an annual average concentration of particulate material (PM 10 ), 39 µg/m³. This concentration was the seventh largest among the 41 monitoring stations of the Environmental Company of the State of São Paulo (CETESB) and is 95% above the guideline value of the World Health Organization (WHO), which is 20 µg/m³. The main sources of air pollution the Rio Preto are the burning of sugar cane, urban fires and black smoke emitted by diesel vehicles. To maintain air quality compatible with the goals of the WHO, it hasbeen to implement an environmental management plan for air. Key-words: inhalable particles, fires, environmental management of air. 1 Engenheiro civil e sanitarista da CETESB. Professor de Gestão Ambiental do Centro Universitário SENAC. - 1º Encontro SENAC de Conhecimento Integrado, ISSN nº , São José do Rio Preto,

2 2 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AIA Auto de Infração Ambiental APP Área de preservação permanente BEESP Balanço Energético do Estado de São Paulo CANASAT Mapeamento de Cana Via Imagens de Satélite) CETESB Companhia Ambiental do Estado de São Paulo CMA Conselho Municipal de Meio Ambiente CNT Confederação Nacional do Transporte CO Monóxido de carbono CONAMA Conselho Nacional do Meio Ambiente DENATRAM Departamento Nacional de Trrânsito EENP Estação Ecológica Noroeste Paulista GEE Gases de Efeito Estufa HPA Hidrocarboneto Policíclico Aromático INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais IF Instituto Florestal IPA Instituto Penal Agrícola IQA Instituto de Qualidade Automotiva Kg MP/tc Quilograma de Material Particulado por tonelada de cana Kg NO x /tc Quilograma de óxidos de nitrogênio por tonelada de cana Kg CO 2 eq/tc Quilograma de dióxido de carbono equivalente por tonelada de cana MP 10 material particulado com diâmetro aerodinâmico menor que 10 micras (ou micrômetros) MP 2,5 material particulado com diâmetro aerodinâmico menor que 2,5 micras (ou micrômetros)

3 3 N 2 O Dióxido de nitrogênio NO x Óxidos de nitrogênio O 3 Ozônio OMS Organização Mundial da Saúde PAM Plano de Auxilio Mútuo PMMVD Programa de Melhoria da Manutenção de Veículos Diesel PNQA Plano Nacional da Qualidade do Ar PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PQAR Padrão de Qualidade do Ar Pró-Ar Programa de Melhoria da Qualidade do Ar Qualar Sistema de Informações da Qualidade do Ar SEADE Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados SIMA Semana Integrada de Meio Ambiente SMA Secretaria de Meio Ambiente SMMAURB Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo, SO X Óxidos de enxôfre UFESP Unidade Fiscal do Estado de São Paulo UNICA União da Agroindústria da Cana-de-açúcar USEPA United States Environmental Protection Agency µm micrômetro ou micra µg/m³ micrograma por metro cúbico 4ºBPAmb 4º Batalhão de Polícia Ambiental de São José do Rio Preto 13ºGB 13º Grupamento de Bombeiros de São José do Rio Preto

4 4 CARACTERÍSTICAS DE RIO PRETO Segundo a Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE), o município de Rio Preto tem uma população de habitantes. As cidades de Rio Preto, Mirassol, Guapiaçu, Bady Bassit, Ipiguá e Cedral estão em processo de conurbação e somam habitantes. Atualmente, de acordo com o Departamento Nacional do Trânsito (Denatram), encontram-se licenciados em Rio Preto veículos 1. Desses veículos, são caminhões, caminhonetas e ônibus a diesel. As rodovias Washington Luis (SP 310), Assis Chateaubriand (SP 425) e Transbrasiliana (BR 153) formam o entroncamento rodoviário mais importante do Noroeste do Estado de São Paulo. Essas rodovias cruzam a área urbana central da cidade. A BR 153 liga os polos petroquímicos de Camaçari, na Bahia, ao de Triunfo, no Rio Grande do Sul. Estima-se que por esse entrocamento rodoviário transitam diariamente cerca de caminhões, ônibus e outros veículos a diesel. De acordo com a Conjuntura Econômica de Rio Preto, a população aumenta em habitantes e a frota de veículos cresce unidades por ano. Em Rio Preto ocorre uma das mais altas taxas de veículos por habitante do Brasil (76 veículos para cada 100 habitantes) 2. Conforme o Balanço Energético do Estado de São Paulo (BEESP, 2011), na região administrativa de Rio Preto (96 municípios), ocorre o terceiro maior consumo de combustíveis líquidos do Estado. Anualmente são criados cerca de novos lotes a partir de sítios e chácaras, anteriormente ocupados por pastagens, onde a principal atividade econômica desenvolvida era a pecuária bovina. Com os novos loteamentos, cessa a pecuária e as antigas pastagens, não sendo mais consumidas, transformam-se em biomassa seca, propícia a focos de incêndios. Segundo o 13º Grupamento de Bombeiros (13ºGB), em 2011, houve queimadas urbanas 3. Na região administrativa de Rio Preto, a principal cultura agrícola é a cana-deaçúcar. Em 2011, segundo o projeto CANASAT (Mapeamento de Cana Via Imagens de

5 5 Satélite) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), os canaviais ocupavam ha, dos quais ha (30,8%) ainda eram submetidos às queimadas. A queima da palha da cana, além de provocar poluição do ar, também causa danos aos animais, gera incômodos ao bem-estar público, interrompe as linhas de transmissão de energia elétrica e provoca riscos à segurança das rodovias. Em que pese o avanço da mecanização da colheita da cana, são frequentes os incêndios acidentais. Nos meses de estiagem ocorre a emissão de poeiras provenientes das vias públicas não pavimentadas e das grandes obras de terra, como novos shoppings, acessos rodoviários e conjuntos habitacionais. Nos 108 loteamentos irregulares cadastrados pela Secretaria Municipal da Habitação, as vias públicas são em terra batida, o que torna esses adensamentos populacionais fontes difusas de poluição do ar. Em Rio Preto e demais municípios circunvizinhos, não ocorre a disposição ambientalmente adequada de podas de árvores e da biomassa verde. Por dia são geradas cerca de 200 toneladas de material lenhoso, periodicamente incendiado, o que gera mais poluição do ar. CONCENTRAÇÕES DE PARTÍCULAS INALÁVEIS - MP 10 Segundo a OMS, o material particulado (MP) afeta mais a saúde das pessoas do que qualquer outro poluente 4. Seus principais componentes são sulfato, nitratos, amônia, cloreto de sódio, carbono, pó mineral e água. É constituído por uma mistura complexa de partículas sólidas e líquidas de substâncias orgânicas e inorgânicas suspensas no ar. As partículas são identificadas de acordo com seu diâmetro aerodinâmico. Há o MP 10, particulado grosso, inalável, composto por partículas com um diâmetro aerodinâmico médio inferior a 10 micrômetros 5 (µm). Também há o MP 2,5, particulado fino, respirável, com diâmetro aerodinâmico médio inferior a 2,5 µm. O MP 2,5 é o mais perigoso, já que, quando respirado, pode atingir as regiões periféricas dos bronquíolos e interferir na troca de gases no interior dos pulmões. As partículas mais grossas podem se acumular nas vias respiratórias superiores, agravando os problemas de asma e bronquite. A OMS

6 6 declara que o MP é um contaminante do ar, pois pode provocar doenças respiratórias, cardiovasculares e mutagênicas. Na atmosfera, o MP age no clima da Terra pela sua capacidade de absorção e de dispersão da radiação solar. Atua também como núcleo formador de nuvens (Freitas e Solci, 2009). Por meio do Sistema de Informações da Qualidade do Ar (Qualar), da CETESB, obtiveram-se as concentrações médias anuais de partículas inaláveis em 41 estações de monitoramento, conforme a Tabela I, a seguir. Tabela 1 Concentrações médias anuais de partículas inaláveis (MP 10 ) [período entre 01/01/2011 e 31/12/2011] Ranking Estações de Monitoramento MP 10 [µg/m³] 6 1º Cubatão Vila Parisi 99 2º Cubatão Vale do Mogi 61 3º Osasco 50 4º Araçatuba (*) 48 5º Paulínia Sul 47 6º São Bernardo (*), Santos (*) 40 7º São José do Rio Preto, Parelheiros, São Caetano do Sul e Santana 39 8º Nossa Senhora do Ó, Parque D. Pedro, Cubatão Centro, Taboão da Serra, Santos Ponta da Praia 9º Americana, Congonhas, Ibirapuera, Mauá 37 10º Piracicaba, Diadema, Pinheiros, Santo André Capuava 36 11º Araraquara, Bauru, Jaú, Paulínia Centro 35 12º Catanduva, Sorocaba, Santo André Paço Municipal 34 13º Campinas Centro, Mooca 33 14º Ribeirão Preto 32 15º Jundiaí, Cerqueira Cesar 31 16º São José dos Campos, Tatuí 26 17º Jacareí 25 18º Marília, Presidente Prudente Fonte: elaboração própria com dados do sistema Qualar da CETESB. (*) Obs.: número de dias amostrados não representativos. Na Tabela l, verifica-se que a concentração média anual de partículas inaláveis em Rio Preto, (39 µg/m³), foi a sétima maior dentre as 41 estações monitoradas pela CETESB em 2011.

7 7 Para analisar a distribuição das concentrações de partículas inaláveis de forma mais apurada, estudou-se também o período entre os dias 01/11/2011 e 31/03/2012. Nessa época normalmente não ocorrem as queimadas. Os dados obtidos estão reunidos na Tabela 2, a seguir. Tabela 2 Concentrações médias anuais de partículas inaláveis (MP 10 ) [período entre 01/11/2011 e 31/03/2012] Ranking Estações de Monitoramento MP 10 [µg/m³] 1º Cubatão Vila Parisi 82 2º Cubatão Vale do Mogi 65 3º Paulínia Sul 47 4º Osasco 41 5º Santos Ponta da Praia 38 6º Congonhas, Cubatão Centro 34 7º Santo André Capuava, Santo André Paço Municipal, São Caetano 8º Nossa Senhora do Ó, Mauá, Parque D. Pedro II, Santana 32 9º 10º Carapicuíba (*), Diadema, Santos, São Bernardo, Santo Amaro (*), Taboão da Serra, Araçatuba Americana, Cerqueira Cesar, Guarulhos Paço Municipal (*), Ibirapuera, Interlagos (*) 11º Mooca, Parelheiros 28 12º Campinas Centro, Piracicaba 27 13º Paulínia, Sorocaba 26 14º Jundiaí 25 15º Catanduva, São José do Rio Preto 23 16º Jaú 22 17º Jacareí, Araraquara, Bauru 21 18º Tatuí 20 19º São José dos Campos 19 20º Ribeirão Preto 18 21º Marília, Presidente Prudente Fonte: elaboração própria com dados do sistema Qualar da CETESB. OBS.: (*) número de dias amostrados não representativos. Entre os dias 01/11/2011 e 31/03/2012, a concentração média de MP 10 no ar de Rio Preto foi de 23 µg/m³. Esse valor foi a 15ª maior concentração dentre as 44 estações de monitoramento da CETESB relacionadas. Comparativamente ao período entre

8 8 01/01/2011 e 31/12/2011 (Tabela 1), a concentração média anual de MP 10 reduziu-se em 39% e está muito próxima do valor guia da OMS (<20 µg/m³). Excluídos os fatores meteorológicos, como chuvas, umidade do ar, direção e velocidade dos ventos, pode-se inferir que as queimadas são as fontes de poluição do ar que mais impactam as concentrações médias de MP 10 em Rio Preto. Para visualizar a distribuição das concentrações médias de MP 10 ao longo do ano de 2011, elaborou-se o gráfico da Figura I, abaixo. Figura 1 Distribuição da média mensal de MP 10 [período entre 01/01/2011 e 31/12/2011] concentração Guia da OMS para a média anual [<20 µg/m³] Fonte: sistema Qualar da CETESB Apenas nos meses de janeiro a março (período no qual costumeiramente não ocorrem queimadas) é que as concentrações de MP 10 permaneceram inferiores ao valor guia da OMS (< 20 µg/m³). A maior concentração média mensal de MP 10 (67 µg/m³) ocorreu no mês de Setembro.

9 9 EPISÓDIOS AGUDOS DE POLUIÇÃO DO AR A poluição do ar provavelmente acompanha a humanidade desde os tempos remotos. No entanto, passou a ser sentida de forma acentuada quando as pessoas começaram a viver em assentamentos urbanos de grande densidade demográfica, em consequência da Revolução Industrial, a partir de quando o carvão mineral começou a ser utilizado como fonte de energia. As inovações tecnológicas ocorridas no século XX e a utilização do petróleo como combustível acentuaram ainda mais essa poluição, bem como os processos industriais e a crescente utilização de automóveis e outros meios de transporte movidos a combustíveis fósseis que passaram a predominar no cotidiano como agentes poluidores de destaque. Atualmente a poluição do ar é um problema mundial, com reflexos em todo o planeta, como o efeito estufa e a redução da camada de ozônio (O 3 ) estratosférico. (Assunção, 2004). Segundo Assunção, vários eventos que aconteceram no século XX demonstram que a poluição do ar se constitui numa ameaça grave à saúde pública. Esses eventos são denominados episódios agudos de poluição do ar. Em 2010, na Rússia os incêndios florestais e nas turfeiras atingiram milhares de hectares e se prolongaram por mais de 40 dias. Nessa ocasião o número de mortes em Moscou dobrou e superou a casa de 700 óbitos por dia. No Brasil não há registros de episódios tão severos. Castro (2009), no Rio de Janeiro, comprovou a associação entre a poluição do ar por Material Particulado (MP) e a diminuição da capacidade respiratória. No interior do Estado de São Paulo, a queima da palha da cana-de-açúcar causa o aumento dos sintomas e das internações hospitalares por problemas respiratórios (Arbex, 2004). Internações hospitalares por problemas respiratórios e possíveis associações à exposição humana aos produtos da queima de palha também foram inferidas por Lopes e Ribeiro (2006). Riguera, André e Zanetta (2011) concluíram que a poluição provocada pela queima da palha da cana pode exacerbar os episódios de asma e rinite entre escolares de Monte Aprazível. Na região conurbada de Rio Preto, entre 2010 e 2012 houve uma redução de 80% no número de focos de incêndios registrados pelo INPE 7 (Tabela 3). Contudo, isso não foi

10 10 suficiente para determinar uma diminuição significativa nas concentrações de MP 10, as quais se mantiveram elevadas, comparativamente ao valor guia da OMS de 20 µg/m³. É importante frisar que a maioria dos focos de incêndios detectados pelo INPE referem-se às queimadas de cana, cujo módulo de queima está entre um e três hectares. Como as queimadas urbanas raramente são desse porte, elas podem não ser captadas pelos satélites do INPE. Tabela 3 Focos de incêndio e concentração média anual de MP 10 Município Focos de incêndios [número] Concentração média anual de MP 10 [µg/m³] Rio Preto Mirassol Guapiaçu Bady Bassit Cedral Ipiguá TOTAL Fonte: elaboração própria com dados do INPE. Entre janeiro e abril de 2010, segundo o 13º GB, foram atendidas 290 ocorrências de queimadas urbanas. Esse número praticamente duplicou em relação a 2009, quando, no mesmo período, foram registradas 146 queimadas em áreas sem edificações (terrenos baldios) 11. As queimadas urbanas culminaram, no dia 28/05/2010, com um incêndio que consumiu 20 hectares de pastagens situadas próximas ao antigo Instituto Penal Agrícola (IPA). As chamas atingiram 4,8 ha de mata nativa 12. O gráfico da Figura 2 mostra a distribuição das concentrações médias mensais de MP 10 em Apenas entre os meses de Janeiro/março e novembro/dezembro as concentrações mantiveram-se dentro dos limites recomendados pela OMS (<20 µg/m³).

11 11 Figura 2 Distribuição da média mensal de MP 10 [período entre 01/01/2010 e 31/12/2010] concentração guia da OMS para a média anual [<20 µg/m³] Fonte: sistema Qualar da CETESB Em 2010, houve pelo menos 86 dias sem chuvas entre os meses de maio e agosto, e a umidade do ar baixou a níveis próximos de 10%. No mesmo ano, a maior parte dos focos de incêndio registrados pelo INPE no Estado de São Paulo concentrou-se na região Noroeste 13. O número de pacientes que procurou as unidades de saúde aumentou 50% naqueles dias 14. Esse quadro agravou-se com o incêndio, no bairro de Gonzaga de Campos, em local conhecido como Ponto de Apoio, costumeiramente empregado pela Prefeitura Municipal para o descarte diário de podas de árvores e de outros resíduos de madeira. O fogo consumiu milhares de toneladas de resíduos e as emissões de fumaça e fuligem persistiram por mais de 31 dias 15. Durante 2010, a Polícia ambiental emitiu dezenas de autuações que somaram R$ ,00 em multas relativas a ha de canaviais incendiados.

12 12 Em 2011, o cenário se repetia, o depósito de podas de árvores do IPA voltou a se incendiar duas vezes e a CETESB autuou a Prefeitura Municipal com multa no valor equivalente a Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (UFESP[s]) Até o dia 23 de julho daquele ano, foram incendiados ha de canaviais e as multas aplicadas pela Polícia ambiental perfizeram R$ 1.200,000,00. Nos dias mais críticos, o corpo de bombeiros chegou a atender 12 ocorrências diárias de queimadas urbanas 18. Entre janeiro e agosto de 2012, o 4º Batalhão de Polícia Ambiental de Rio Preto (4ºBPAmb) autuou 82 queimadas de cana irregulares, das quais 48 apenas durante agosto. Essas queimadas atingiram ha de canaviais. As multas aplicadas somaram R$ , No dia 1º de setembro de 2012, novamente a área do IPA foi incendiada (Foto 1). Foto 1 Pluma de fumaça sobre a área urbana de Rio Preto 01/09/2012 Fonte: TV TEM Rio Preto.

13 13 Para controlar as chamas foram acionadas equipes do 13º grupamento de bombeiros (Foto 2). Foi necessária a atuação do helicóptero Águia, do Grupo de Salvamento Aéreo de Rio Preto. Foto 2 Ação do corpo de bombeiros 01/09/2012 Fonte: TV TEM Rio Preto. O INPE detectou esse foco de incêndio. As emissões de material particulado eram visíveis até mesmo para moradores do centro da cidade. O sinistro prejudicou a visibilidade junto à Rodovia Washington Luis, alterou os procedimentos de decolagem/aterrissagem do aeroporto local e incomodou alunos de um grande colégio situado nas proximidades. Em virtude desses danos ambientais, a CETESB aplicou à Municipalidade nova multa no valor equivalente a UFESP[s] (R$ ,00).

14 14 A pluma de MP gerada pelo incêndio do IPA foi captada pela estação de monitoramento da qualidade do ar da CETESB, sendo que houve uma elevação acentuada das concentrações horárias de MP, conforme a Figura 3 Figura 3 Concentração média horária de MP 10 [01/09/2012] concentração guia da OMS para a média diária [<50 µg/m³] Fonte: sistema Qualar da CETESB. Pelo gráfico da Figura 3 acima, pode-se inferir que o incêndio do IPA prejudicou a qualidade do ar no dia 01/09/2012. Nesse dia a CETESB acusou uma concentração média diária de MP de 89 µg/m³, superior ao valor guia da OMS (< 50 µg/m³). Ainda nesse mesmo dia, às 14:00 h, a concentração horária do parâmetro ozônio (O 3 ) [168,0 µg/m³] superou o Padrão de Qualidade do Ar (PQAR) de 160 µg/m³ (Figura 4). O ozônio é um poluente secundário, formado na baixa atmosfera (troposfera), em altas temperaturas, a partir da reação entre óxidos de nitrogênio e compostos orgânicos voláteis (vapores de gasolina, tiner, etanol etc.). Os óxidos de nitrogênio, no caso de Rio Preto, são gerados

15 15 principalmente pelas queimadas. O ozônio troposférico é um forte oxidante e afeta a saúde das pessoas, provocando irritações e a constrição das vias respiratórias Figura 4 Concentração média horária de ozônio (O 3 ) [01/09/2012] Padrão de Qualidade do Ar (PQAR)< 160 µg/m³ Fonte: sistema qualar da CETESB. QUEIMA DA PALHA DA CANA-DE-AÇÚCAR Andrade (2009) enfatiza que apesar de haver restrição ao uso de fogo nas matas e outras formas de vegetação desde 1934, quando do primeiro Código Florestal Brasileiro 20, as queimadas nunca deixaram de ser empregadas na agricultura e em áreas urbanas, como método de minimização de volume de resíduos sólidos, de limpeza de terrenos, de eliminação de árvores e de controle e erradicação de pragas.

16 16 A Lei , de 19/09/2002, estabeleceu que a queima nos canaviais deverá ser eliminada gradativamente, com a proibição total no ano de Em junho de 2007, o governo do Estado de São Paulo firmou, com a União da Agroindústria da Cana-deaçúcar (UNICA), o protocolo agroambiental para reduzir o prazo para o fim das queimadas até 2014, nas áreas mecanizáveis, e 2017, nas não mecanizáveis. Na região administrativa de Rio Preto, a principal cultura agrícola é a cana-deaçúcar. Em 2011, segundo o projeto CANASAT, os canaviais ocupavam ha, dos quais ha ainda eram queimados. Essa área de cana queimada é a maior do Estado. A Tabela 4 mostra as áreas de cana cultivada e de cana queimada nos muncípios limítrofes a Rio Preto ha de canaviais (18%) ainda são queimados. Em Monte Aprazível, dos ha cultivados, ha (66,5%) foram queimados na safra/2011. Tabela 4 - Cana cultivada e cana queimada Município Área de cana cultivada [ha] Área de cana queimada [ha] São José do Rio Preto Mirassol Guapiaçu Bady Bassit Cedral Ipiguá Onda Verde TOTAL Fonte: elaboração própria com dados do CANASAT. O mapa da Figura 5 mostra as áreas de cana queimada e as estações de monitoramento do ar da CETESB.

17 Figura 5 Localização das Estações de monitoramento do ar da CETESB e das áreas de queima de palha de cana-de-açúcar autorizadas [safra 2011] 17 Fonte: relatório de qualidade do Ar da CETES

18 18 Segundo Leme (2005), a queima da cana emite para a atmosfera cerca de 3,73 Kg MP/tc, 2,01 Kg NO x /tc e 16,5 Kg CO 2 eq/tc. Admitindo-se que na safra houve uma produção média de 70 toneladas de cana por hectare, pode-se inferir que as queimadas de cana nos municípios limítrofes de Rio Preto emitiram para atmosfera toneladas de material particulado (MP), toneladas de óxidos de nitrogênio (NO x ) e t de CO 2 eq/tc como Gases de Efeito Estufa (GEE). Novaes (2011), afirma que existe uma expectativa positiva para que o protocolo agroambiental seja cumprido até 2014 e seja extinta a queima da palha da cana no Estado de São Paulo, ao menos nas áreas mecanizáveis. Esse prognóstico é plausível ao se verificar na Tabela 3 que o número de focos de incêndios registrados pelo INPE em 2012 diminuiu 69%, comparativamente a A redução do número de queimadas está sendo acompanhada pela diminuição de autuações. Em 2011, o 4º BPAmb emitiu 289 Autos de Infração Ambiental (AIA) em virtude de queimadas. Até o dia 15/09/2012, esse número tinha caído para 185, isto é, uma redução de 36%. FUMAÇA PRETA EMITIDA PELOS VEÍCULOS DIESEL Os motores diesel atingiram níveis de eficiência, de robustez e de versatilidade tais que estão presentes em praticamente todas as atividades humanas. Caminhões, ônibus, tratores, guinchos, guindastes, grupos geradores, embarcações, bombas hidráulicas, perfuratrizes e outros são movidos por motores diesel. As máquinas diesel são mais duráveis que aquelas à gasolina, a etanol ou a gás. Além disso, o preço do diesel é bastante inferior ao preço dos outros combustíveis. Não obstante as vantagens dos motores diesel, sua combustão gera gases nocivos à saúde e ao meio ambiente. A OMS declarou recentemente que as emissões gasosas provenientes da queima do diesel são efetivamente carcinogênicas 21. A combustão do diesel gera gases como o monóxido de carbono (CO), óxidos de enxôfre (SO X ), óxidos de nitrogênio (NO x ) e hidrocarbonetos policíclicos aromáticos (HPA).

19 19 Além dos gases, a combustão do diesel gera uma grande quantidade de material particulado (MP). 80% desse material é a fuligem, ou seja, a fumaça preta que sai dos escapamentos. Essa fumaça tem partículas infinitesimais com diâmetro aerodinâmico medido em micrômetros (ou micras, 1 µm = 1/1000 do milímetro). As partículas com tamanho inferior a 10 µm são conhecidas como MP 10 e são chamadas de inaláveis, pois têm a capacidade de vencer as defesas respiratórias e atingir os alvéolos pulmonares. Parte do MP expelido pelos motores diesel tem diâmetro aerodinâmico menor que 2,5 µm e são conhecidas como partículas respiráveis finas (MP 2,5 ). De 80 a 95% do MP 2,5 é formado por partículas que têm entre 0,05 µm e 1,0 µm de diâmetro (média de 0,2 µm). Quanto menor o tamanho das partículas, maior a chance de atingirem a corrente sanguínea. A legislação brasileira não prevê padrões de qualidade do ar para as concentrações de MP 22 2,5. O padrão de longo prazo adotado pela United States Environmental Protection Agency (USEPA) é de 15 µg/m³. Segundo o relatório da qualidade do ar da CETESB, no triênio 2009, 2010 e 2011, a concentração média anual de MP 2,5 em Rio Preto foi de 12 µg/m³. Essa concentração ultrapassou o valor guia anual de 10 ug/m³ estabelecido pela OMS. O Decreto Estadual 8468/1976, alterado pelo Decreto 54487/2009, estabelece: Artigo 32 - Nenhum veículo automotor de uso rodoviário com motor do ciclo diesel poderá circular ou operar no território do Estado de São Paulo emitindo poluentes pelo tubo de descarga: I - com densidade colorimétrica superior ao Padrão 2 da Escala Ringelmann, ou equivalente, por mais de 5 (cinco) segundos consecutivos; II - com níveis de opacidade superiores aos limites estabelecidos nas Resoluções nº 8, de 31 de agosto de 1993, nº 16, de 13 de dezembro de 1995, e nº 251, de 7 de janeiro de 1999, do Conselho Nacional do Meio Ambiente - CONAMA, avaliados pelo teste de aceleração livre descrito no Anexo 12. O parágrafo 2º desse Decreto fixou que cabe à CETESB, à Polícia Militar ou, mediante convênio, aos Municípios, fazer cumprir as disposições do artigo 32.

20 20 A escala de Ringelmann (Figura 6) consiste em um cartão com um pentágono vazado no centro. Em cada lado desse pentágono, estão posicionados os padrões colorimétricos (escalas 1 a 5, densidades de 20 a 100%, respectivamente). Figura 6 Escala de Ringelman Fonte: CETESB. A aferição da conformidade de emissão de um veículo diesel é feita segurando-se a escala com o braço totalmente estendido e comparando-se a fumaça (vista pelo orifício) com o padrão colorimétrico, determinando-se qual tonalidade da escala que mais

21 21 se assemelha à tonalidade (densidade) da fumaça. A atividade de fiscalização de fumaça preta emitida por veículos diesel tem como objetivo primordial proteger a saúde da população. A escala de Ringelmann pode ser empregada também como uma ferramenta educativa para que os alunos e professores tenham percepção da poluição do ar, quer a provocada por veículos automotores, quer a provocada pelas fontes estacionárias (chaminés). Nesse caso, o padrão colorimétrico exigido é a escala I Densidade 20%. A popularização da escala, entretanto, esbarra em seu custo relativamente alto 23. A CETESB fiscaliza os níveis de fumaça preta desde Durante o inverno, quando as condições meteorológicas são mais desfavoráveis à dispersão dos poluentes, intensifica-se a fiscalização 24. Aos proprietários dos veículos infratores é emitida uma multa no valor equivalente a 70 UFESP[s] (R$ 1.290,80). Em 2011 foram lavradas multas. Em 2012, até agosto, contabilizavam-se multas. A legislação concede 70% de desconto aos infratores que comprovam que periodicamente regulam os veículos em oficinas e retíficas credenciadas pela CETESB. Por meio dessas oficinas credenciadas pelo Programa de Melhoria da Manutenção de Veículos Diesel (PMMVD), implementado em parceria com o Instituto de Qualidade Automotiva (IQA), as empresas, os frotistas e os proprietários podem aferir as emissões dos motores através de opacímetro. A CETESB estimula a participação do cidadão por meio do serviço Denuncie Fumaça Preta. No seu site ou através do telefone , recebe denúncias de veículos que transitam emitindo fumaça preta em excesso. Mediante a comunicação da placa do veículo, é endereçada ao proprietário uma carta educativa, orientando-o a fazer as regulagens necessárias. Em 2011, foram enviadas correspondências educativas. De acordo com CETESB observa-se que 4% dos veículos diesel transitam emitindo fumaça em excesso. A Confederação Nacional do Transporte, (CNT) por meio do programa despoluir, promove a avaliação ambiental veicular, com vistas à redução da poluição e o uso racional de combustíveis. Entre 2007 e setembro de 2012, a entidade avaliou a opacidade de veículos a diesel, com 88,05% de aprovação 25.

22 22 Pró-AR PROGRAMA DE MELHORIA DA QUALIDADE DO AR No dia 24/04/2012, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Urbanismo (SMMAURB), ouvido o Conselho Municipal de Meio Ambiente (CMA), definiu que a Semana Integrada de Meio Ambiente (SIMA) enfocaria como tema central o Pró-Ar (Programa de Melhoria da Qualidade do Ar). O Pró-Ar objetiva: Capacitar os professores quanto aos diversos aspectos da poluição do ar; Capacitar dos alunos instrumentalizando-os para ações que contribuam para a melhoria da qualidade do ar; Otimizar do controle dos terrenos baldios de forma a reduzir o número das queimadas urbanas; Conscientizar a população para as boas práticas que evitam a ocorrência de queimadas e a queima ao ar livre de resíduos de qualquer natureza; Conscientizar os proprietários de veículos automotores para a necessidade da regulagem frequente dos motores, de maneira a evitar a emissão de fumaça preta e outros poluentes; Prevenir a ocorrência de incêndios florestais. CONCLUSÃO/RECOMENDAÇÕES As concentrações médias anuais de partículas inaláveis (MP 10 ) em Rio Preto estão acima dos valores guias da OMS. As principais fontes de poluição do ar são as queimadas de cana, as queimadas urbanas e a fumaça preta emitida pelos veículos a diesel. Para se reduzir o número de queimadas urbanas, especificamente aquelas que ocorrem nos terrenos baldios dos grandes loteamentos, será necessário um trabalho de convencimento dos empreendedores, das imobiliárias, dos projetistas e dos proprietários.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira.

Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Combate à poluição: importante como o ar que você respira. Ar A poluição do ar e a sua saúde O que é poluente atmosférico? É toda e qualquer forma de matéria ou energia em quantidade, concentração, tempo

Leia mais

Novos Padrões de Qualidade do Ar. Estado de São Paulo

Novos Padrões de Qualidade do Ar. Estado de São Paulo Novos Padrões de Qualidade do Ar Estado de São Paulo GT - Revisão da Resolução CONAMA nº3/90 19/11/2013 Maria Helena Martins Divisão de Qualidade do Ar CETESB eqq_cetesb@sp.gov.br Histórico - RECOMENDAÇÃO

Leia mais

Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP

Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP V Encontro Nacional da Anppas 4 a 7 de outubro de 2010 Florianópolis - SC - Brasil Impactos na Qualidade do Ar e na Saúde Humana da Poluição Atmosférica na Região Metropolitana de São Paulo - SP Louise

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB

INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB INTRODUÇÃO AO CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Fonte: CETESB 1 INTRODUÇÃO A poluição do ar é um fenômeno recorrente principalmente da atividade humana em vários aspectos. Dentre os quais podemos destacar:

Leia mais

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula

Poluição do ar. Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador. Deu no jornal. Nossa aula A UU L AL A Poluição do ar Segundo o pesquisador Paulo Saldiva, coordenador do laboratório de poluição atmosférica experimental da Faculdade de Medicina da USP, a relação entre o nível de poluição e a

Leia mais

ANÁLISE DE QUALIDADE DO AR EM AÇAILÂNDIA MA

ANÁLISE DE QUALIDADE DO AR EM AÇAILÂNDIA MA ANÁLISE DE QUALIDADE DO AR EM AÇAILÂNDIA MA Rayane Brito Milhomem (IC); Karla Regina R. Soares (IC); Ewerton G. Cabral (IC); Suzenilde Costa Maciel(PQ) Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia

Leia mais

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos

1.1 Poluentes atmosféricos. 1.2 Principais Poluentes Atmosféricos 18 1. Introdução Nos últimos anos, o crescimento econômico dos países desenvolvidos provocou o aumento da demanda mundial por energia. Com esta também veio um forte aumento da dependência do petróleo e

Leia mais

3 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 3.1 OBJETIVO 3.2 PARÂMETROS DE QUALIDADE DO AR 3.3 PADRÕES DE QUALIDADE DO AR 3.4 ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR 3.

3 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 3.1 OBJETIVO 3.2 PARÂMETROS DE QUALIDADE DO AR 3.3 PADRÕES DE QUALIDADE DO AR 3.4 ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR 3. 3 MONITORAMENTO DA QUALIDADE DO AR 3.1 OBJETIVO 3.2 PARÂMETROS DE QUALIDADE DO AR 3.3 PADRÕES DE QUALIDADE DO AR 3.4 ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR 3.5 REDES DE AMOSTRAGEM 3.5.1 Rede Automática 3.5.2 Redes

Leia mais

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente

XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente XII Semana CIESP/FIESP de Meio Ambiente Tema: As questões ambientais da Região Metropolitana de São Paulo Palestra: Estratégias de Proteção da Qualidade do Ar na RMSP Debatedor: Nelson Nefussi Consultor

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André

PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André Semasa Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André PROAR - Programa da Qualidade Do Ar de Santo André 2003 TEMA: PROAR - Programa da Qualidade

Leia mais

Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar

Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar Crescimento da frota atendida 2765 28% 2896 2970 3453 3550 2007 2008 2009 2010 2011 Avaliações anuais Despoluir e Economizar O

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Queimadas: o que

Leia mais

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR

TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR TEXTO DE APOIO I PERCURSO AR Todas as atividades econômicas humanas geram poluição Quem vive nas grandes cidades, às vezes, enfrenta dias de pele irritada ou um incômodo nos olhos, sem uma razão aparente.

Leia mais

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo

Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo Novos Padrões de Qualidade do Ar do Estado de São Paulo BASE LEGAL Decreto Estadual nº 59.113 de 23 de abril de 2013 Resolução CONAMA 03/90 PONTOS IMPORTANTES Novos padrões de qualidade do ar, conforme

Leia mais

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES

XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES XVII Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva SIMEA 2009 VEÍCULOS ELÉTRICOS HÍBRIDOS E A EMISSÃO DE POLUENTES Sílvia Velázquez São Paulo, 17 de setembro de 2009. Resíduos Urbanos e Agrícolas Briquetes

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL CERTIFICADO DE REGULARIDADE Emitido em: Cadastro de Atividades Potencialmente Poluidoras Registro http://servicos.ibama.gov.br/ctf/modulos/certificadoregistro/certificado... 1 de 1 25/09/2013 09:16 Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

Leia mais

América Latina Logística Malha Sul ALL

América Latina Logística Malha Sul ALL América Latina Logística Malha Sul ALL Capítulo 21. Gerenciamento de Emissões e Imissões Atmosféricas Rio Grande do Sul Junho/2010 Revisão 0 21.1 INTRODUÇÃO O presente documento visa a elaboração de um

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS

ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS ESTUDO DA EMISSÃO DE GASES DE VEÍCULOS DO CICLO OTTO NO MUNICÍPIO DE LAJEADO/RS Ronei Tiago Stein (*), Roberta Karinne Mocva Kurek, Marcelo Pozzagnolo * Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), mestrando

Leia mais

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar

Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Impactos ambientais das queimadas de cana-de-açúcar Expansão da cana-de-açúcar Desde o advento do carro flex, o setor agrícola brasileiro vem sendo marcado por um novo ciclo no plantio da cana-de-açúcar

Leia mais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó. Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais

POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA. Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó. Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA Maria Lúcia Pereira Antunes UNESP Unidade Diferenciada Sorocaba/Iperó Eng. Ambiental GEA Grupo de Estudo Ambientais O Desenvolvimento de nossa sociedade urbana e industrial, por não

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS

SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS SUBPROGRAMA DE CONTROLE E MONITORAMENTO DE EMISSÕES ATMOSFÉRICAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O Programa de Controle e Monitoramento de Emissões Atmosféricas da Ferrovia Norte- Sul parte da premissa que as questões

Leia mais

O AR QUE RESPIRAMOS Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

O AR QUE RESPIRAMOS Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br O AR QUE RESPIRAMOS Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação, redija

Leia mais

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias

Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Poluição do Ar e a Saúde Respiratória no Município de Duque de Caxias Felipe Sodré felipe.b4rros@gmail.com ( PUC-Rio) Felipe Fraifeld felipefrai@gmail.com (PUC-Rio) Leonardo Novaes - Objetivo geral: O

Leia mais

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA

IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes. DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA IV Seminário Internacional Frotas e Fretes Verdes { DSc. Luciana Ventura Chefe de Serviço Controle da Poluição Veicular - INEA Diretoria de Segurança Hídrica e Qualidade Ambiental Gerência da Qualidade

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MEIO AMBIENTE

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DE ALAGOAS - DETRAN/AL QUESTÕES SOBRE MEIO AMBIENTE A falta de conservação e a desregulagem dos veículos: 1 apenas contribuem para a poluição do solo. 2 não agridem o meio ambiente. 3 acarretam, única e exclusivamente, o desgaste do veículo. 4 contribuem,

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina

Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina Biocombustível 100% Renovável Produção Pela Usina 1. Quem somos 2. O que é o Ethabiodiesel 2.1. Diferencial competitivo 2.2. Certificações/Autorizações 3. Transportes com Ethabiodiesel Quem somos Vinna

Leia mais

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada

00 05/11/2009 Elaboração Emissão Aprovada Página 1 de 8 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 05/11/29 Elaboração Emissão Aprovada OBSERVAÇÃO: O USUÁRIO É RESPONSÁVEL PELA ELIMINAÇÃO DAS REVISÕES ULTRAPASSADAS DESTE ELABORAÇÃO ANÁLISE

Leia mais

Questões ambientais em regiões urbanas. Mônica Yukie Kuwahara Eraldo Genin Fiore

Questões ambientais em regiões urbanas. Mônica Yukie Kuwahara Eraldo Genin Fiore Questões ambientais em regiões urbanas Mônica Yukie Kuwahara Eraldo Genin Fiore Objetivos Apresentar os contornos gerais dos principais problemas ambientais de regiões urbanas, com foco para a cidade de

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Filtro Automotivo Separador de Poluentes Controle da emissão de poluentes

Filtro Automotivo Separador de Poluentes Controle da emissão de poluentes Ricardo Castro de Aquino Filtro Automotivo Separador de Poluentes Controle da emissão de poluentes Trabalho desenvolvido com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Transporte do Tribunal Superior do Trabalho

Leia mais

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e

Considerando o previsto na Resolução CONAMA nº 5, de 15 de junho de 1989, que instituiu o Programa Nacional de Controle da Qualidade do Ar PRONAR, e Resolução CONAMA nº XX, de XX de XXXX, de 20XX Dispõe sobre padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a resolução CONAMA nº 3/1990. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONAMA,

Leia mais

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Emissão de Gases de Efeito Estufa Inventário de de Gases de Efeito Estufa Projeto Coral Vivo Priscila G. C. Sette Moreira CREA 49.354/D Inventário de de Gases de Efeito Estufa 1 Introduça o A variação do clima é um fenômeno natural que

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas

Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas CONCURSO PETROBRAS TÉCNICO(A) AMBIENTAL JÚNIOR Emissões Atmosféricas e Mudanças Climáticas Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO DRAFT Produzido por Exatas Concursos www.exatas.com.br

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT (2011/2012)

ACOMPANHAMENTO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT (2011/2012) ACOMPANHAMENTO DA VARIAÇÃO DO ÍNDICE DE QUALIDADE DO AR: ANÁLISE DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ-MT (2011/2012) Mariane Xavier Duarte(*), Juliano Bonatti * IFMT, e-mail: marianexadu@gmail.com RESUMO Poluentes atmosféricos

Leia mais

Universidade de São Paulo Instituto de Química De São Carlos Programa de Educação Tutorial PET

Universidade de São Paulo Instituto de Química De São Carlos Programa de Educação Tutorial PET Universidade de São Paulo Instituto de Química De São Carlos Programa de Educação Tutorial PET Monografia: Queimadas e suas consequências. Aluno: Daiane Cristina Marqui Tutor: Prof. Dr. Hidetake Imasato

Leia mais

Q UA L I DA D E D0 AR NO ESTADO DE SÃO PAULO

Q UA L I DA D E D0 AR NO ESTADO DE SÃO PAULO SÉRIE R E L AT Ó R I O S Q UA L I DA D E D0 AR NO ESTADO DE SÃO PAULO 2 0 1 4 G O V E R N O D O E S TA D O D E S Ã O PA U L O S E C R E T A R I A D O M E I O A M B I E N T E CETESB - C O M PA N H I A A

Leia mais

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS

INTRODUÇÃO EQUIPAMENTOS INTRODUÇÃO Por iniciativa da Belgo Mineira Participação e da DaimlerChrysler - Juiz de Fora, e sob a interveniência da FEAM-MG, foi assinado termo aditivo com a UFJF, pelo qual as empresas cediam ao Laboratório

Leia mais

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável

O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável O Estado de São Paulo, Mudanças Climáticas e Estratégias para o Desenvolvimento Sustentável Principais pontos de abordagem: Legislação Paulista que aborda Mudanças Climáticas; Estratégias para o Desenvolvimento

Leia mais

ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS PESADOS A DIESEL, MINAS GERAIS, BRASIL 2007

ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS PESADOS A DIESEL, MINAS GERAIS, BRASIL 2007 ESTIMATIVA DA EMISSÃO DE POLUENTES POR VEÍCULOS PESADOS A DIESEL, MINAS GERAIS, BRASIL 2007 Edwan Fernandes Fioravante 1, Elisete Gomides Dutra 1, Leonardo Victor Pita Figueiredo 1 1 Fundação Estadual

Leia mais

SUGESTÃO PARA REDUÇÃO GLOBAL DA EMISSÃO DE POLUENTES DOS AUTOMOVEIS José Góes de Araujo Prof. Aposentado Abstract Comments about the reduction possibility of CO² on the atmosphere by the limitation of

Leia mais

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG

Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS LABORATÓRIO DE CLIMATOLOGIA E ANÁLISE AMBIENTAL Monitoramento da Qualidade do Ar em Juiz de Fora

Leia mais

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com.

Endereço: Rua Max de Vasconcelos, n 270, Parque Leopoldina Campos dos Goytacazes RJ Telefone: (22) 9829-6934 mail: ramonfisicacefet@yahoo.com. IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS DE ACÚMULO DE RDC (RESÍDUO DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO) EM ÁREAS DE RISCO AMBIENTAL NA CIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES: AVALIAÇÃO DOS RISCOS E PROPOSIÇÃO DE MEDIDAS MITIGADORAS.

Leia mais

O clima está diferente. O que muda na nossa vida?

O clima está diferente. O que muda na nossa vida? O clima está diferente. O que muda na nossa vida? 06/2011 Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada. 2 SUMÁRIO

Leia mais

EMISSÃO VEICULAR E O OZÔNIO TROPOSFÉRICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL

EMISSÃO VEICULAR E O OZÔNIO TROPOSFÉRICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL EMISSÃO VEICULAR E O OZÔNIO TROPOSFÉRICO NA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS, BRASIL Elisete Gomides Dutra 1, Edwan Fernandes Fioravante 1, Flávio Daniel Ferreira 1 1 Fundação Estadual

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO

ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO ESTUDO DE CASO DA INFLUÊNCIA DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA NA QUALIDADE DO AR EM UMA UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Edvan Casagrande dos Santos¹; Alice César Fassoni de Andrade¹; Rita de Cássia Marques Alves¹ Norton

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

Qualidade do Ar de Fortaleza e do Distrito Industrial de Maracanaú Ceará

Qualidade do Ar de Fortaleza e do Distrito Industrial de Maracanaú Ceará Qualidade do Ar de Fortaleza e do Distrito Industrial de Maracanaú Ceará Lúcia de Fátima Pereira Araújo * Magda Kokay Farias ** * Engenheira Química pelo Centro de Tecnologia da Universidade Federal do

Leia mais

Problemas Ambientais Urbanos

Problemas Ambientais Urbanos Problemas Ambientais Urbanos INVERSÃO TÉRMICA É comum nos invernos, principalmente no final da madrugada e início da manhã; O ar frio, mais denso, é responsável por impedir a dispersão de poluentes (CO,

Leia mais

O AR QUE RESPIRAMOS. Desequilíbrios no Ar Atmosférico

O AR QUE RESPIRAMOS. Desequilíbrios no Ar Atmosférico O AR QUE RESPIRAMOS O homem respira cerca de 8 litros de ar por minuto quando em repouso e morre se ficar aproximadamente 5 minutos sem respirar. Isto bem demonstra como é importante esse material na vida

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFALMG ANDREA NATAN CARLA COSTA JOÃO CARLOS VIEIRA JULIANNE CARAVITA GRISOLIA KARINA NUNES SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL PARA O CONTROLE DA POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Divirta-se com o Clube da Química

Divirta-se com o Clube da Química Divirta-se com o Clube da Química Produzido por Genilson Pereira Santana www.clubedaquimica.com A idéia é associar a Química ao cotidiano do aluno usando as palavras cruzadas, o jogo do erro, o domino,

Leia mais

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10

FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE DO AR AMBIENTE NAS ESTAÇÕES DE MONITORAMENTO DE SO 2, CO, O 3, NO 2 E MP 10 ENERGÉTICA IND.E COM. LTDA. Rua Gravataí, 99 Rocha CEP 20975-030 Rio de Janeiro RJ CNPJ 29.341.583/0001-04 IE 82.846.190 Fone: (0xx21) 501-1998; Fax: (0xx21) 241-1354 FREQÜÊNCIA DE COLETA DE DADOS DA QUALIDADE

Leia mais

POLUIÇÃO DO AR. Composição Atmosférica. Nitrogênio Oxigênio Vapor de água Argônio Dióxido de Carbono Neon Hélio Metano

POLUIÇÃO DO AR. Composição Atmosférica. Nitrogênio Oxigênio Vapor de água Argônio Dióxido de Carbono Neon Hélio Metano PLUIÇÃ Composição Atmosférica Gases % em Volume D AR Nitrogênio xigênio Vapor de água Argônio Dióxido de Carbono Neon Hélio Metano 78.1% 21% varia de 0-4% 0.93% por volta de 0.3% abaixo dos 0.002% 0.0005%

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Efeitos da poluição do ar

Efeitos da poluição do ar Efeitos da poluição do ar Por: Vânia Palmeira Campos UFBA IQ -Dpto Química Analítica - LAQUAM (Laboratório de Química Analítica Ambiental) Campus Universitário de Ondina, s/n, CEP:40-170-290, Salvador-BA

Leia mais

Lei Nº 7454 DE 14/03/2013

Lei Nº 7454 DE 14/03/2013 Lei Nº 7454 DE 14/03/2013 Publicado no DOE em 19 mar 2013 Define procedimentos, proibições, estabelece regras de execução e medidas de precaução a serem obedecidas quando do emprego do fogo em práticas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

HUMANIDADE E AMBIENTE. Profª Janaina Q. B. Matsuo

HUMANIDADE E AMBIENTE. Profª Janaina Q. B. Matsuo HUMANIDADE E AMBIENTE Profª Janaina Q. B. Matsuo POLUIÇÃO AMBIENTAL POLUIÇÃO: É a presença concentrada de poluentes (substâncias ou agentes físicos no ambiente), em geral produzidos pelas atividades humanas.

Leia mais

Cartilha informativa

Cartilha informativa Cartilha informativa CONSTRUINDO A CIDADANIA A necessidade de estabelecer a relação entre cidadania e meio ambiente está expressa no direito do indivíduo ter um meio ambiente saudável e no dever que cada

Leia mais

DIRETORIA DE ENGENHARIA E QUALIDADE AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE QUALIDADE AMBIENTAL DIVISÃO DE QUALIDADE DO AR EQQA / EQQM / EQQT

DIRETORIA DE ENGENHARIA E QUALIDADE AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE QUALIDADE AMBIENTAL DIVISÃO DE QUALIDADE DO AR EQQA / EQQM / EQQT DIRETORIA DE ENGENHARIA E QUALIDADE AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE QUALIDADE AMBIENTAL DIVISÃO DE QUALIDADE DO AR EQQA / EQQM / EQQT OPERAÇÃO INVERNO 2013 QUALIDADE DO AR JANEIRO/2014 RESUMO A CETESB publica

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS - FISPQ. Produto: SERICRYL SUPER MACIO Código do produto: SM Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 Data: 20/1/2011 Página: 1 de 5 1. Identificação do produto e da empresa Nome do produto - Código interno: SERICRYL SUPER MACIO SM Código das Cores: 001, 002, 003, 010, 014, 015, 016, 017, 020, 025, 030,

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução

SP 06/93 NT 165/93. Emissão de gases poluentes / curvas tipo. Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução SP 06/93 NT 165/93 Emissão de gases poluentes / curvas tipo Engº José Tadeu Braz (GPC/SPR) 1. Introdução As questões ambientais requisitam de maneira crescente mais espaço dentro da engenharia de tráfego,

Leia mais

Frota de veículos automotores e seca no Distrito Federal: os efeitos sobre a saúde pública

Frota de veículos automotores e seca no Distrito Federal: os efeitos sobre a saúde pública Frota de veículos automotores e seca no Distrito Federal: os efeitos sobre a saúde pública Weeberb João Réquia Júnior (Universidade de Brasília - UnB) Engenheiro Ambiental, Doutorando do Instituto de Geociência

Leia mais

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental

Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental João Wagner Alves 1 Divisão de Questões Globais PROCLIMA Programa de Prevenção às Mudanças Climáticas CETESB Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental Agradecimentos: Prof. Dr. Ronaldo Balassiano

Leia mais

Generalidades sobre a poluição na cidade de São Paulo e suas bacias de sedimentação. Engº José Tadeu Braz Arqº Edison de Oliveira Vianna Jr.

Generalidades sobre a poluição na cidade de São Paulo e suas bacias de sedimentação. Engº José Tadeu Braz Arqº Edison de Oliveira Vianna Jr. SP 04/96 NT 196-A/96 Generalidades sobre a poluição na cidade de São Paulo e suas bacias de sedimentação Engº José Tadeu Braz Arqº Edison de Oliveira Vianna Jr. 1. Introdução Os períodos entre invernos

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

Noções de Cidadania. Profª Karin

Noções de Cidadania. Profª Karin Noções de Cidadania Profª Karin Meio Ambiente e Saúde Ecologia: estudo seres vivos, ambiente, solo, água, ar, animais e vegetais. Equilíbrio entre o homem e meio ambiente. Avaliar as atitudes e consequências

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010

Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão. Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 3:22:03 1 Emissões de poluentes e gases de efeito estufa por veículos automotores e motores de combustão Paulo Romeu Moreira Machado Panambí, RS - 2010 Roteiro 1 Introdução 2 O motor de combustão interna

Leia mais

INSPEÇÃO VEICULAR & SAÚDE I/M-SP DIESEL 2011 LPAE/FMUSP

INSPEÇÃO VEICULAR & SAÚDE I/M-SP DIESEL 2011 LPAE/FMUSP Introdução O impacto de ações ambientais ou o desenvolvimento e comparação de cenários de intervenção ambiental requerem a combinação de um conjunto de diferentes técnicas para quantificar indicadores

Leia mais

Manual para Controle de Emissão de Fumaça Escura em Fornos e Caldeiras de Pequena Capacidade

Manual para Controle de Emissão de Fumaça Escura em Fornos e Caldeiras de Pequena Capacidade Manual para Controle de Emissão de Fumaça Escura em Fornos e Caldeiras de Pequena Capacidade Manual para Controle de Emissão de Fumaça Escura em Fornos e Caldeiras de Pequena Capacidade Abril/2009 GOVERNO

Leia mais

MONITORAMENTO DOS POLUENTES EMITIDOS PELA FROTA DE ÔNIBUS RELACIONADOS COM INTERNAMENTOS NA PRIMEIRA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS

MONITORAMENTO DOS POLUENTES EMITIDOS PELA FROTA DE ÔNIBUS RELACIONADOS COM INTERNAMENTOS NA PRIMEIRA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS MONITORAMENTO DOS POLUENTES EMITIDOS PELA FROTA DE ÔNIBUS RELACIONADOS COM INTERNAMENTOS NA PRIMEIRA MICRORREGIÃO DE SAÚDE DO ESTADO DE ALAGOAS MONITORING OF POLLUTANTS EMITTED BY BUS FLEET INTERNAL RELATED

Leia mais

SAMARCO MINERAÇÃO S.A.

SAMARCO MINERAÇÃO S.A. SAMARCO MINERAÇÃO S.A. MINAS GERAIS E ESPÍRITO SANTO INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO DA LINHA 03 DE MINERODUTO PLANO BÁSICO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL DO EMPREENDIMENTO OS Tramitação Via Data 1SAMA013-OS-00003 1SAMA013-TR-000021

Leia mais

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE

AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE AÇÃO DO HOMEM NO MEIO AMBIENTE NEVES, Daniela 1 TEIXEIRA, Flávia 2 RESUMO: O Meio Ambiente está sendo destruído, o que acabou ocasionando o aquecimento global que tem sido provocado pela destruição de

Leia mais

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br

Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br Profa. Dra. Adriana Gioda Pontifícia Universidade Católica PUC-Rio agioda@puc-rio.br } Os contaminantes do ar de ambientes de interiores podem causar danos a saúde dos ocupantes. } Em muitos ambientes

Leia mais

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel

Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel Emissão Veicular de Gases de Efeito Estufa (GEE) Em Automotivos Movidos a Diesel *MELO JUNIOR, A. S a.;gatti, L. b.; FERREIRA, P. G c.; FRUGOLLI, A. d a.universidade de São Paulo (USP)/Universidade Paulista,

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis. III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014

Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis. III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014 Atuação da ANP diante da legislação ambiental e dos novos combustíveis III Seminário Internacional Frotas & Fretes Verdes Novembro 2014 1 Cenário Atual Poluição Local e Legislação Ambiental Óleo Diesel

Leia mais

Logística e Sustentabilidade. Valter Luís de Souza Diretor Presidente Tora Transportes Industriais Ltda

Logística e Sustentabilidade. Valter Luís de Souza Diretor Presidente Tora Transportes Industriais Ltda Logística e Sustentabilidade Valter Luís de Souza Diretor Presidente Tora Transportes Industriais Ltda Roteiro: Introdução; Situação atual; Iniciativas do Governo; As iniciativas da Tora voltadas a sustentabilidade;

Leia mais

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE.

Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. Resoluções RESOLUÇÃO Nº 315, DE 29 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre a nova etapa do Programa de Controle de Emissões Veiculares- PROCONVE. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso de suas competências

Leia mais

Escola Secundária/3 Morgado Mateus

Escola Secundária/3 Morgado Mateus Escola Secundária/3 Morgado Mateus Disciplina de Geografia A Poluição nas grandes cidades Diogo nº 9 9ºA Filipe nº 13 9ºA Francisco nº 14 9ºA Professora: Maria Otília Duarte Ano lectivo de 2007/2008 Introdução

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS. Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS. Faço saber que o Poder Legislativo Estadual decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 6.656, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2005. Cria o Programa Estadual de Inspeção e Manutenção de Veículos em uso, destinado a promover a redução da poluição do Meio Ambiente através do controle da emissão

Leia mais

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990.

Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. São Paulo, 6 de fevereiro de 2014 Análise da Minuta que dispõe sobre novos padrões de qualidade do ar, previstos no PRONAR, atualiza e complementa a Resolução CONAMA nº 3/1990. Considera-se a iniciativa

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

De RTZ a ACT. Controle do tabaco tem uma interface com todos os temas que estão na pauta da sociedade civil organizada

De RTZ a ACT. Controle do tabaco tem uma interface com todos os temas que estão na pauta da sociedade civil organizada As ONGs e o Controle do Tabagismo no Brasil 25 de agosto de 2007 Dr. Paulo César R P Corrêa Secretário-Executivo da ONG Aliança de Controle do Tabagismo (ACT) Grupo pesquisa Germinal / Projeto Elsa Presidente

Leia mais

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO

ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO ESTIMATIVA DAS EMISSÕES DE POLUENTES DOS AUTOMÓVEIS NA RMSP CONSIDERANDO AS ROTAS DE TRÁFEGO Autor:Marcelo Camilli Landmann Aluno de doutorado do PROCAM/USP Programa de Ciência Ambiental Universidade de

Leia mais

O zono. B uraco do ozono

O zono. B uraco do ozono O zono O ozono (O 3 ) é um gás cuja molécula é formada por três átomos de oxigénio; existente na atmosfera numa percentagem mínima (tem efeitos prejudiciais para os seres vivos quando se encontra junto

Leia mais

APRESENTAÇÃO MINAS GERAIS SÃO PAULO RIO DE JANEIRO ESPÍRITO SANTO

APRESENTAÇÃO MINAS GERAIS SÃO PAULO RIO DE JANEIRO ESPÍRITO SANTO APRESENTAÇÃO No transporte rodoviário desde 1953, a Empresa de Transportes Martins oferece um sistema de prestação de serviços de carga geral industrial e comercial, possuindo atualmente a seguinte composição

Leia mais

PRÁTICA E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEIMADAS NA CIDADE DE PALMAS - TO PRACTICE AND CONSEQUENCES OF FOREST FIRES IN THE CITY OF PALMAS TO

PRÁTICA E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEIMADAS NA CIDADE DE PALMAS - TO PRACTICE AND CONSEQUENCES OF FOREST FIRES IN THE CITY OF PALMAS TO PRÁTICA E CONSEQUÊNCIAS DAS QUEIMADAS NA CIDADE DE PALMAS - TO PRACTICE AND CONSEQUENCES OF FOREST FIRES IN THE CITY OF PALMAS TO Wellyda Bispo de Sousa Gomes¹ Alexandre Barreto Almeida dos Santos² RESUMO

Leia mais

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012

LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 LEI Nº 14.418 DE 05 DE OUTUBRO DE 2012 (Publicação DOM 08/10/2012: 03) INSTITUI O PLANO INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal aprovou e

Leia mais