Curso de análise de projeto de energia limpa

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso de análise de projeto de energia limpa"

Transcrição

1 Curso de análise de projeto de energia limpa reeep

2 O Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa RETScreen International foi criado para uso em instituições educacionais e de ensino localizadas em todo o mundo, como também para uso de profissionais e estudantes participantes em cursos a distância. Cada módulo de treinamento pode ser apresentado como um seminário ou workshop separado, ou como parte de um curso universitário.os módulos combinados podem ser apresentados num curso intensivo de duas semanas ou como um curso regular com duração de um semestre. Além dos slides de apresentação, gravação das palestras dos palestrantes e notas de rodapé, o material de treinamento inclui também uma coleção de estudos de caso e um Livrotexto de engenharia (www.retscreen.net).

3 Curso de análise de projeto de energia limpa INTRODUÇÃO AO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE ENERGIA LIMPA Panorama do curso Status de tecnologias de energia limpa Análise de projeto de energia limpa com Software RETScreen Análise da emissão de GEE com o Software RETScreen Análise de risco e financeira com o Software RETScreen Resumo MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE ENERGIA EÓLICA MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE PEQUENAS HIDRO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO FOTOVOLTÁICO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE COGERAÇÃO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE CALOR A PARTIR DA BIOMASSA MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR DO AR MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR DA ÁGUA MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE AQUECIMENTO SOLAR PASSIVO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE BOMBAS DE CALOR DE FONTE SUBTERRÂNEA

4 Disclaimer This publication is distributed for informational purposes only and does not necessarily reflect the views of the Government of Canada nor constitute an endorsement of any commercial product or person. Neither Canada, nor its ministers, officers, employees and agents make any warranty in respect to this publication nor assume any liability arising out of this publication. Minister of Natural Resources Canada

5 INTRODUÇÃO AO MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETO DE ENERGIA LIMPA Panorama do curso Status de tecnologias de energia limpa Análise de projeto de energia limpa com Software RETScreen Análise da emissão de GEE com o Software RETScreen Análise de risco e financeira com o Software RETScreen Resumo

6

7 Introdução a Análise de Projetos de Energia Limpa Curso de Análise de Projetos de Energia Limpa Análise de Projeto de Energia Limpa é um curso baseado em um estudo de caso, para profissionais e estudantes universitários, rios, que desejam aprender a melhor forma de analisar técnica t e financeiramente os possíveis projetos de energia limpa. RETScreen International Centro de Suporte de Decisão de Energia Limpa Desenvolver ferramentas que facilitem a avaliação de tecnologias em eficiência energética e energias renováveis, veis, por parte de planejadores, niveis decisórios e indústrias, principalmente no estagio inicial de planejamento. Disponibilzar ferramentas reduzindo substancialmente o custo de avaliação o de possíveis projetos Disseminar essas ferramentas sem custos, para usuários ao redor do mundo, através s da Internet & CD-ROM Fornecer através s de uma rede internacional de Treinadores de RETScreen, treinamento e suporte técnico Disponibilizar localmente, Produtos e Serviços para a indústria, através s da Internet Ao completar o curso Você estará mais familiarizado com aplicações viáveis veis de energia limpa Parede solar Prédio residencial E você estará habilitado a desenvolver estudos de viabilidade preliminares de alta qualidade à baixo custo, utilizando o Software RETScreen Casa de Professores, Botswana Foto cedida por: Enermodal Foto cedida por: Vadim Belotserkovsky 1

8 Visão Geral do Curso Introdução à Análise de Projetos de Energia Limpa Análise de Projetos de Energia EólicaE Análise de projetos de Pequenas Hidroelétricas Análise de Projetos Fotovoltaicos Análise de Projetos de Cogeração Análise de Projetos de Calor por Biomassa Análise de Projetos de Aquecimento do Ar por energia Solar Análise de Projetos de Aquecimento d`água por energia Solar Análise de Projetos de Aquecimento Solar Passivo Análise de Projetos de Bomba de Calor de fonte subterrânea Análise de Projeto de Refrigeração Materiais do Curso Baixar Grátis em: 2

9 Software & Dados RETScreen International Software de Análise de Projetos de Energia Limpa Modelos de Tecnologias de Energia Limpa Dados de Produtos Internacionais Fornecedores de Equipmentos Dados climáticos Internacionais estações de monitoramento terrestre Conjunto de dados meteorológicos e de energia solar fornecidos por Satélites da NASA Manual do Usuário Online Material de Treinamento Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa Slides de apresentação Ferramentas de e-aprendizado Voz Notas do Palestrante Aquecedor Solar de Água Piscina Municipal e-livrotexto & Estudos de Caso e-livrotexto & Estudos de Caso Análise de Projeto de Energia Limpa: RETScreen Engenharia & Casos Livrotexto eletrônico para nível Universitário e Profissional Embasamento em tecnologias Descrição detalhada dos algorítmos do RETScreen 60+ estudos de caso internacionais de projetos reais Disponível sem custo em Inglês & Francês 3

10 Area de Atuação & Calendario Area de Atuação Baseada na Internet Ligando indústria e clientes online Busca por objetivo, tecnologia & região Exemplos: Fornecedores de equipamentos, FV, América do Norte Prestadores de serviço, energia eólica, Europa Forums de Internet Públicos & Privados Calendário e registro para Treinamento Online Panorama do Módulo de Introdução Panorama do Curso (completado) Status das Tecnologias de Energia Limpa Análise de Projetos de Energia Limpa com o software RETScreen Análise das Emissões de Gas de Efeito Estufa com o Software RETScreen en Análise de Risco e Financeira com o Software RETScreen Resumo Centro de Tecnologia em Energia CANMET - Varennes 4

11

12

13 Status das Tecnologias de Energia Limpa Curso Análise de Projeto de Energia Limpa Fazenda Eólica Casa Solar Passiva Foto cedida por: Nordex Gmbh Foto cedida por: McFadden, Pam DOE/NREL Objetivo Disseminar a informação sobre as tecnologias em energias renováveis veis (RETs) e medidas de eficiencia energética Mercados Aplicações típicas Geração de Eletricidade com Resíduos de Madeira Foto cedida por: Warren Gretz, NREL PIX Aquecimento Solar e Fotovoltaico da Água Foto cedida por: Vadim Belotserkovsky Definições Tecnologias de Energia Limpa Eficiencia Energética Utilizar menos recursos energéticos para atender a mesma demanda por energia Energia Renovável vel Utilizar recursos naturais não esgotáveis para atender às necessidades energéticas 100% Casa Solar Passiva Super Isolada Foto cedida por: Jerry Shaw Energy Demand Demanda de Energia 75% 50% 25% 0% Conventional Convencional Efficient Eficiente Eficiente Efficient e & Renovável Renewable 1

14 Motivos para Tecnologias de Energia Limpa Ambientais Mudanças climáticas Poluição local Economicas Custos do ciclo de vida Energia Eólica: Custo geração de eletricidade Esgotamento dos 0 combustíveis fósseis Anos Sociais Geração de empregos Redução das perdas de receitas locais Crescimento da demanda energética (x3 em 2050) Custo Eletricidade Fonte: National Laboratory Directors Para o U.S. Department of Energy (1997) Características comuns às Tecnologias de Energia Limpa Em relação às s tecnologias convencionais: Normalmente, custos iniciais mais altos Geralmente, menores custos operacionais Ambientalmente mais limpas Normalmente com bom retorno em relação ao ciclo de vida Custo Total de um Sistema de Geração ou Consumo de Energia Custo total Custo total Custo de aquisição = Custo de aquisição + custo anual com combustível e O&M + custo com grandes manutenções + custo com desativação + custo financeiro + etc. 2

15 Tecnologias de Geração de Eletricidade à partir de Fontes Renováveis veis Energia EólicaE Tecnologia & Aplicações Lâmina do rotor Vento Nascele com embreagem e Gerador Precisa de bons ventos (>4 10 m/s) Areas costeiras, montanhas curvas, planícies abertas Aplicações ões: Vento Altura do rotor Torre Rede Central Warren Gretz, NREL PIX Rede Isolada Phil Owens, Nunavut Power Fora da Rede Southwest Windpower, NREL PIX Mercado de Energia EólicaE Instalação Anual de Turbinas Eólicas pelo Mundo Capacidade mundial instalada (2003): MW (~20,6 milhões kwh/casa/ano e 30% fator de capacidade) MW Alemanha: MW Espanha: MW Estados Unidos: MW Dinamarca: MW MW em 2007 (previsão) Fontes: Danish Wind Turbine Manufacturers Association, BTM Consult, World Wind Energy Association, Renewable Energy World 3

16 Medidor Geração Distrubuída Rede Elétrica Medidor Pequenas Hidroelétricas Tecnologia & Aplicações COMPONENTES DE UM SISTEMA HIDROELÉTRICO Barragem Comportas Cabeceira Adução Casa de Força Tipos de Projetos: Reservatório À fio d àgua Aplicações: Rede Central Rede Isolada Fora da Rede Turbina Francis Linha de transmissão Gerador Turbina Tubo de dreno Corredeira Mercado de Pequenas Hidroelétricas 19% da eletricidade no mundo é produzida por pequenas e grandes hidroelétricas No mundo: MW instalados (potência < 10 MW) Previsão: a MW em 2020 China: plantas existentes (potência < 25 MW) MW instalados Além de MW econ. viáveis Europa: MW instalados Além de MW econ. viáveis Canadá: MW instalados Além de MW econ. viáveis Fontes de dados: ABB, Renewable Energy World, and International Small Hydro Atlas Pequena Central Hidroelétrica Fotovoltaica (PV) Tecnologia & Aplicações Células PV Sistema PV doméstico Central de Geração PV Acumulador Foto cedida por: Tsuo, Simon DOE/NREL Bateria Luz Bombeio de água PV Prédio integrado conectado à rede PV Foto cedida por: Strong, Steven DOE/NREL 4

17 Mercado Fotovoltaico 800 Instalações Anuais Fotovoltaicas no Mundo Capacidade Mundial instalada (2003): MWp (~1,2 milhões kwh/casa/ano) 32% Aumento de encomendas MWp Fonte: PV News Cogeração (CHP) Produção simultânea de dois ou mais tipos de energias úteis, a partir de uma única fonte energética Eficiência da recuperação de calor (55/70) = 78,6% Eficiência Total ((30+55)/100) = 85,0% Gas de Exaustão 15 unidades Calor 55 unidades Caldeira de Recuperação Carga térmica Calor + Exaustão Combustível 70 unidades 100 unidades Eletricidade Sistema de Energia Gerador 30 unid. Carga Elétrica Cogeração Aplicações ões,, Combustíveis e Equipamentos Várias Aplicações Vários Combustíveis Ciclo de Coleta do Gás do Aterro Sanitário Produção de Vapor Processo Sistema de tubos para coleta do Gás Biomass for CHP Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL Vários Equipamentos Compressor Resfriador /secador Produção de Energia Filtro Tocha Foto cedida por: Gaz Metropolitan Máquina Alternativa para Geração de Energia Foto cedida por: Rolls-Royce plc 5

18 Cogeração Aplicações Prédios individuais Comerciais e industriais Condominios Sistemas energéticos distritais (p.ex. Comunidades) Processos industriais Cogeração, Prefeitura de Kitchener Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan Cogeração à GFL para aquecimento distrital, Suécia Micro turbina em estufa Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan Cogeração Tipos de Combustível Combustíveis Renováveis veis Resíduos de madeira Gas de Lixo (LFG) Biogás Subprodutos agrícolas Bagaço Reflorestamentos etc. Combustíveis fósseisf Gas natural Diesel (óleo tipo #2) Carvão, etc. Energia Geotérmica Hidrogênio, etc. Biomassa para Cogeração Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL Geiser Geotérmico Foto cedida por: Joel Renner, DOE/ NREL PIX Cogeração Equipmentos & Tecnologias Equipamento de Resfriamento Compressores Chillers de Absorção Resfriamento livre Geração de eletricidade Turbina à Gás Turbina à Gás de ciclo combinado Turbina à vapor Máquina Alternativa Célula de combustível Etc. Equipamento de Calor Caldeiras Recuperadores de calor Turbina à Gás Foto cedida por: Rolls-Royce plc Equipamento de Resfriamento Foto cedida por: Urban Ziegler, NRCan 6

19 Cogeração Mercado Região Canadá EEUU China Rússia Alemanha Inglaterra Brasil Índia África do Sul Mundo Capacidade Comentários 12 GW 67 GW 32 GW 65 GW 11 GW 4,9 GW 2,8 GW 4,1 GW 0,5 GW 247 GW Maioria para papel e celulose e indústria de óleo Em expansão ão,, políticas de apoio p/ Cogeração Cogeração predominantemente à carvão Cerca de 30% da eletricidade de Cogeração Mercado crescente para Cogeração municipal Fortes incentivos para energias renováveis veis Ger. distribuída da associada à instal. fora da rede Maioria Cogeração de bagaço o p/ usinas de açúa çúcar Substituindo energia de carvão Previsão de crescimento de 10 GW por ano Fonte: World Survey of Decentralized Energy 2004, WADE Energias Renováveis veis Tecnologias para Calor e Refrigeração Calor a partir da Biomassa Tecnologia & Aplicações Cavaco de Madeira Combustão controlada de madeira, resíduos agrícolas, resíduos municipais, etc., para geração de calor Prédios individuais e/ou aquecimento distrital Foto cedida por: Wiseloger, Art DOE/NREL Planta de Calor Foto cedida por: Oujé-Bougoumou Cree Nation 7

20 Mercado de Calor a partir da Biomassa No mundo: A combustão de Biomassa fornece 11% das Fontes Primárias de Energia (TPES) no mundo Mais de 20 GW th de sistemas de aquecimento à combustão controlada Países em desenvolvimento: Cocinação, aquecimento Nem sempre sustentável Africa: 50% da TPES India: 39% da TPES China: 19% da TPES Novas Instalações de New Installations of Small Pequenos Sistemas de Países industrializados: Scale Aquecimento (<100 kw) à Biomassa Biomass Calor, eletricidade, fogões à lenha Heating (< 100 kw) Systems na Áustria in Austria Finlandia: 19% da TPES Suécia: 16% da TPES Áustria: 9% da TPES Dinamarca: 8% da TPES 0 Canadá: 4% da TPES EEUU: 68% de todos os renováveis Fonte: IEA Statistics Renewables Information 2003, Renewable Energy World 02/ Câmara de combustão Foto: Ken Sheinkopf/ Solstice CREST Fonte: Ingwald Obernberger citing the Chamber of Agriculture and Forestry, Lower Austria Aquecimento Solar do Ar Tecnologia & Aplicações Coletor não n envidraçado ado para pré- aquecimento do ar O ar frio é aquecido quando passa pelos pequenos orifiícios na placa metálica de absorção (Solarwall TM TM ) Um ventilador circula o ar quente pelo prédio Painel solar perfurado Ar Fresco Difusor da parede Ventilador Mercado para Aquecimento Solar do Ar Pré aquecimento do ar de ventilação, dos prédios com grandes volumes de ar fresco Também m para secagem da colheita Custo competitivo para prédios novos ou grandes reformas Prédio Industrial Foto cedida por: Conserval Engineering Secagem solar da colheita Foto cedida por: Conserval Engineering 8

21 Aquecimento Solar da Água Tecnologia & Aplicações Coletores Envidraçados ados e não n envidraçados ados Armazenamento de Água (tanque ou piscina) Prédios Comerciais/Institucionais e Piscinas Aquacultura Viveiro de Salmão Mercado para Aquecimento Solar da Água Mais de 30 milhões de m 2 de coletores pelo mundo Europa: 10 milhões de m 2 de coletores em operação Crescimento anual de 12% Alemanha, Grécia e Áustria Meta para 2010: 100 milhões de m 2 Forte mercado mundial para aquecedores solares de piscinas Barbados possui sistemas Fonte: Renewable Energy World, Oak Ridge National Laboratory Conjuntos Residenciais e Piscinas Prédios Residenciais Foto cedida por: Chromagen Aquecimento Solar Passivo Tecnologia & Aplicações Fornecimento de 20 a 50% do aquecimento ambiental necessário na temporada de aquecimento Ganhos solares obtidos com janelas de alto rendimento direcionadas para o Equador Armazenam calor na estrutura do prédio Utilizam sombra para reduzir ganhos do calor do verão Inverno Verão Aquecimento solar passivo de apartamentos Foto: Fraunhofer ISE (from Siemens Research and Innovation Website) 9

22 Mercado para Aquecimento Solar Passivo Uso de janelas eficientes é prática comum nos padrões atuais de aquecimento solar passivo Para novas construções acréscimo mínimo m de custos Janelas de Alta eficiência Orientação do Prédio Sombra adequada Prédios residenciais Prédios comerciais Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL Custo competitivo para novos prédios e reformas Foto cedida por: DOE/NREL Bomba de Calor de Fonte Subterrânea Tecnologia & Aplicações Loop Vertical no solo Resfriamento e aquecimento de água/ambiental Eletricidade opera em ciclo de compressão a vapor Calor extraído do solo no inverno e rejeitado do solo no verão Horizontal Ground-Loop Mercado para Bomba de Calor de Fonte Subterrânea GSHP Residencial No mundo: unidades instaladas Capacidade Total de MW th Taxa de crescimento anual de 10% EEUU: instalações anualmente Suécia, Alemanha e Suiça a são s maiores mercados Europeus Canada: unidades residenciais unidades industriais e comerciais 435 MW th instalados Prédios Comerciais, Industriais e Institucionais Foto cedida por : Geothermal Heat Pump Consortium (GHPC) DOE/NREL 10

23 Outras Tecnologias de Energia Limpa Comerciais Combustíveis: etanol e biodiesel Sistemas eficientes de refrigeração Motores de velocidade variável vel Sistemas de iluminação o e Luz do dia eficientes Recuperação de calor de ventilação Outros Combustível oriundo de resíduo agrícola Foto cedida por: David and Associates DOE/NREL Refrigeração eficiente no Rinque de Patinação Iluminação eficiente e Luz do dia Foto cedida por: Robb Williamson/ NREL Pix Tecnologias de Energia Limpa Emergentes Energia térmica t Solar Energia térmica t Oceânica Energia das marés Planta de Energia Solar através de Parabólicas Foto cedida por: Gretz, Warren DOE/NREL Energia das correntes oceânicas Energia das ondas etc. Receptor central da Planta de Energia Solar Foto cedida por: Sandia National Laboratories DOE/NREL Conclusões Existem oportunidades de retorno comprovado Sistema Hibrido Parks Canada de PV-Eólica (Arctico em 81 N) Muitos casos de sucesso Mercado em expansão Estão disponíveis oportunidades para a eficiência energética e recursos para energias renováveis veis Foto cedida por: Michael Ross Renewable Energy Research Instalação de turbina eólica de 600 kw Telefone PV Foto cedida por: Nordex Gmbh Foto cedida por: Price, Chuck 11

24 Perguntas? 12

25

26

27 Análise de Projeto de Energia Limpa com o Software RETScreen Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa Os Cinco Passos análise padrão Modelo Energia Análise de custo Análise de GEE Resumo Financeiro Análise de Sensibilidade e Risco Opcional Opcional Clique no Hyperlink azul ou no ícone flutuante para acessar dados Fluxo de caixa do projeto Sub-Planilha(s) Pronto para tomar decisão Objetivos Ilustrar resultados de estudos de viabilidade preliminares Demonstrar como funciona o Software RETScreen Demonstrar como RETScreen facilita na identificação e avaliação de projetos potenciais Processo de Implementação de Projetos de Energia Análise de de Pré-viabilidade Análise de de Viabilidade Engenharia & Desenvolvimento Barreiras Significativas Construção & Comissionamento Os projetos de Energia Limpa não n serem considerados inicialmente! 1

28 Perguntas O que é um nível n aceitável de precisão para estimativas de custos de projetos? Quanto custam esses estudos normalmente? O Dilema da Precisão vs. Custo do Investmento Faixa de precisão da estimativa, igual ao custo estimado dividido pelo custo final, assumindo moeda estável Custo estimado antes da cotação com precisão de +/- 10% Propostas recebidas com precisão de +/- 5% Custo final Construção Estudo de Viabilidade com precisão do custo entre 15% e 25% Estudo de pré-viabilidade com precisão do custo entre 40% e 50% 100 $ a $! Tempo Quando deveriam ser consideradas tecnologias de energia limpa? Necessidade de sistema de energia Análise de de Pré-viabilidade Análise de de Viabilidade Estudo de Viabilidade Preliminar Construção nova ou reforma planejada Altos custos da energia convencional Interesse por parte dos principais participantes Possiveis aprovações Investimento e Financiamento acessíveis Bom recurso local de energia limpa, etc. 2

29 A Viabilidade do Projeto (Exemplo Eólico) Depende de Diversos Fatores Recurso energético disponível no local do projeto (p.ex. Velocidade do vento) Torre e turbina eólica Desempenho do equipamento (p.ex. Curva de potência da turbina eólica) Custo inicial do projeto (p.ex. Turbinas eólicas, torres, engenharia) Créditos do Caso base (p.ex. Geradores diesel para unidades remotas) Custos regulares e periódicos do projeto (p.ex. Limpeza das lâminas da turbina eólica) A Viabilidade do Projeto (Exemplo Eólico) E Depende de Diversos Fatores - cont Custo evitado com energia (p.ex. Preço final da eletricidade) Energia Eólica Financiamento (p.ex. Relação e extensão da dívida, taxa de juros) Impostos sobre equipamentos & receita (ou economia) Características ambientais da energia desmobilizada (p.ex. Carvão, gás natural, óleo, grandes hidroelétricas, nucleares) Créditos ambientals e/ou subsídios (p.ex. Tarifas da energia tarifas, Créditos de carbono, créditos de GEE, fundo perdido) Definição do Tomador de decisão sobre custo efetivo (p.ex. Período de retorno, TIR, VPL, Custos de Produção de energia) Foto cedida por: Middelgrunden Wind Turbine Co-operative Por que usar RETScreen? Simplifica avaliações preliminares Necessita de relativamente poucas entradas Calcula indicadores técnicos e financeiros importantes, automaticamente Custa 1/10 do valor de outros métodos m de avaliação Procedimentos padrão possibilitam comparações objetivas Aumenta o potencial de sucesso na implementação de projetos de energia limpa 3

30 Exemplos de Validação RETScreen Todos os modelos validados por comparação com dados de fabricantes e monitorados 160 HOMER 140 RETScreen 120 Eficiência (%) 100% 80% 60% 40% 20% 0% RETScreen Fabricante Curvas de eficiencia turbina hidráulica: RETScreen vs. Fabricante 0% 20% 40% 60% 80% 100% Porcentagem da vazão nominal Energia PV Power PV (kwh) Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec Month Mês Comparando a Produção de Energia PV Calculada pelo RETScreen e HOMER e/ou por comparação com ferramentas de simulação horárias rias Demonstração do Software RETScreen (Exemplo de Modelo de Projeto de Energia Eólica) E Os Cinco Passos - análise padrão Modelo de Análise Energia de Custo Análise de GEE Resumo Financeiro Análise de Sensibilidade e Risco Opcional Opcional Clique no Hyperlink azul ou no ícone flutuante para acessar dados Fluxo de caixa do projeto Sub Planilha(s) Pronto para tomar uma decisão Características Integradas Dados climáticos Dados do produto Manual Online Curso de treinamento Livro texto de engenharia Estudos de Caso Mercado Online Forums de Internet 4

31 Codificação das cores das CélulasC Células de entrada e saída branco Saída do modelo calculado pelo modelo amarelo Entrada usuário necessário para operar modelo azul cinza Entrada usuário necessário para operar modelo e banco de dados online Entrada usuário apenas para referência. Não é necessário para operar modelo 5

32 Conjunto de Dados de Energia Solar e meteorologia da superfície 6

33 7

34 Dados Foram selecionados Modelo escolhido do RETScreen: Energia Eólica Software RETScreen Método de Análise Financeira Comparação ão: Caso Base vs. Caso Proposto Sistema convencional vs. sistema de energia limpa Exemplo: Cladding do edifício padrão (siding) e um aquecedor de ar à gás s natural vs. Cladding da Parede solar com aquecimento solar do ar mais o aquecedor do ar convencional à gás s natural Parede solar da Escola Yellowknife, em construção Foto cedida port: Arctic Energy Alliance 8

35 Demo do Software Projeto de Energia Eólica E de 20 MW Entrada/Saída (RETScreen ) Cenário #1 (Planta Merchant) Cenário # 2 (Planta de Energia Verde) Local do Projeto: Velocidade do Vento: Redução das emissões de GEE: Custo da turbina Eólica: E Crédito pela produção de ER: E Crédito GEE (planta à carvão ão): Prazo da Dívida: D Fluxo de Caixa Positivo: Retorno do Investimento: Calgary, AB 4,4 m/s tco 2 /ano $/kw 0 $/kwh 0 $/ton 10 anos 42,7 7 anos - 7,1% Pincher Creek, AB Lethbridge 7,00 m/s tco 2 /ano $/kw 0, $/kwh 5 $/ton 15 anos 5,22 anos 22,8% Demo do Software Cenário 1 Cenário #1 (Planta Merchant) Calgary, AB 4,4 m/s $/kw t /ano CO2 0 $/kwh 0 $/ton 10 anos 42,7 7 anos - 7,1% Demo do Software Velocidade do Vento & Redução das Emissões de GEE Cenário # 1a (Planta de Energia Verde) Pincher Creek, AB Lethbridge 7,00 m/s t /ano CO2 18,2 2 anos 4,8% 9

36 Demo do Software Custo da Turbina EólicaE Cenário # 1b $/kw 16,5 5 anos 6,5% Demo do Software Crédito relativo à Produção de ER Cenário # 1c 0, $/kwh 10,1 1 anos 17,7% 7% Demo do Software Créditos relativos à Emissões de GEE Cenário # 1d 5 $/ton 7,55 anos 20,1% 10

37 Demo do Software Condições da DívidaD Cenário # 2 15 anos 5,22 anos 22,8% Perguntas? 11

38

39

40

41 Análise da Emissão de Gas de Efeito Estufa com o Software RETScreen Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa Photo Credit: Environment Canada Minister of Natual Resources Canada Objetivos Introduzir uma metodologia para calcular as reduções das emissões de gas de efeito estufa (GEE) Demonstrar o Modelo RETScreen de Análise da Redução das Emissões de GEE Minister of Natural Resources Canada O que precisa ser calculado? Redução Anual de emissão de gas de efeito estufa Caso Base (tecnologia tipicamente convencional) vs. Caso Proposto (tecnologia de energia limpa) Unidades: toneladas de CO 2 por ano Emissões de CH 4 e N 2 O convertidas para emissões equivalentes de CO 2 em termos de seu potencial de aquecimento global Minister of Natural Resources Canada

42 Como é calculado? Redução da emissão annual de GEE (t (t CO2 ) = Caso Base Fator de emissão de GEE (t /MWh) CO2 (t CO - Caso Proposto Fator de emissão de GEE (t /MWh) CO2 (t CO x Uso final Energia utilizada anualmente (MWh) RETScreen adjusta a redução anual para considerar perdas por transmissão & distribuição, bem como taxas de remuneração por transações com GEE (Versão 3.0 ou superior) Minister of Natural Resources Canada Modelo RETScreen de Análise da Redução da Emissão de GEE Metodologia padronizada desenvolvida pelo NRCan em conjunto com o Programa Ambiental das Nações Unidas (UNEP), o Centro UNEP RISØ de Energia, Clima e Desenvolvimento Sustentável (URC), e o Fundo de Protótipo tipo de Carbono do Banco Mundial (PCF) Validado por um grupo de especialistas do Governo e da Indústria Minister of Natural Resources Canada Tipo de Análise Análise Padrão: : RETScreen utiliza automaticamente os valores padrões da indústria e do IPCC para: Fatores de equivalencia de CO 2 para CH 4 e N 2 O Emissões de CO 2, CH 4 e N 2 O para combustíveis comuns Eficiência para conversão de combustível para calor ou eletricidade Análise Customizada: : o usuário especifica esses valores Análise definida pelo usuário rio: : o usuário entra diretamente com os fatores de emissão de GEE (Versão 3.0 ou superior) Não especifica combustíveis e eficiencias de conversão Minister of Natural Resources Canada

43 Definindo a Linha de Base Diferentes linhas de base para cálculos c de emissões de GEE: Linha de Base estática histórica (toda a capacidade de geração existente) Linha de Base estática histórica baseada em tendencias recentes Linha de Base estática futura baseada em projetos de expansão Linha de Base dinâmica marginal futura Outros RETScreen permite uma mudança a da linha de base durante o curso do projeto (Versão 3.0 ou superior) Pode ser baseado em áreas internacionais, nacionais ou sub- nacionais Ainda em negociação através s do Protocolo de Kyoto O usuário deve ser habilitado a decidir pelo tipo de linha de base e não superestimar a redução de emissões Minister of Natural Resources Canada RETScreen Facilita os Projetos de MDL e IC do Protocolo de Kyoto Projetos do Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL) : Países industrializados or empresas que investem em projetos de redução de emissão de GEE em países em desenvolvimento, granham créditos por esses projetos Projetos de pequena escala de MDL podem utilizar metodos de linha de base simplificados Projetos de eletricidade 15 MW Projetos de Eficiência Energética com economia 15 GWh por ano Projetos de Implementação Conjunta (IC) : Países industrializados ou empresas ganham créditos por redução de emissão através de investimento em projeto em outro país que tenha metas de redução de emissão pelo Protocolo de Kyoto (p.ex. Países do Anexo I) Projetos típicos de países com economia em tansição Projetos de MDL e IC precisam comprovar adicionalidade reduções de emissão superiores àquelas obtidas no cenário da linha de base Minister of Natural Resources Canada

44 Conclusões RETScreen calcula a redução anual de emissão de GEE para um projeto de energia limpa comparado a um sistema de caso de base Fácil de usar, porém exige que o usuário defina o cenário do caso base cuidadosamente, para projetos de maior porte Modelo considera novas regras do Protocolo de Kyoto a nível de estudo de pré viabilidade Para manter a credibilidade, o usuário não n deve superestimar a redução de emissões de GEE do projeto proposto Minister of Natural Resources Canada Perguntas? Photo Credit: Environment Canada Minister of Natural Resources Canada

45

46

47 Análise Financeira e de Risco com o Software RETScreen Curso de Análise de Projeto de Energia Limpa Foto cedida por: Green Mountain Power Corporation/ NRELPix Minister of Natual Resources Canada Objetivos Apresentar a metodologia RETScreen para avaliar a viabilidade financeira de um projeto de energia limpa potencial Observar parâmetros (entrada) financeiros importantes Revisar indicadores chave da viabilidade financeira Examinar premissas para o cálculo do fluxo de caixa Ressaltar diferenças entre custos iniciais, payback simples e indicadores financeiros chave Demonstrar a Planilha de Resumo Financeiro do RETScreen Mostrar como incentivos, créditos de produção, créditos de GEE e impostos podem ser incluídos na análise financeira Apresentar análise de sensibilidade e de risco com o RETScreen Demonstrar a Planilha RETScreen de Análise de Sensibilidade e de Risco (Versão 3.0 ou superior) 1

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen

GRUPO SAGE Análise de projetos utilizando o software RETScreen Análise de projetos utilizando o software RETScreen Apresentação Grupo SAGE Serviço de Apoio à Gestão Empresarial Fundação: Maio de 1997 Sede: Rio de Janeiro Filiais: Brasília e Quito/Equador Mercado:

Leia mais

O que pode fornecer um sistema FV?

O que pode fornecer um sistema FV? O que pode fornecer um sistema FV? Eletricidade (CA/CC) Sistema de Iluminação Casa Solar, West Bengal, India mas também Fiabilidade Simplicidade Modularidade Imagem Silêncio Componentes dos Sistemas FV

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar.

Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Energia Renovável Fontes Alternativas de Energia Energias: Eólica e Solar. Prof. Dr. Luiz Roberto Carrocci Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Campus de Guaratinguetá Definições a) Energia

Leia mais

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos

Engenharia Gerencial. A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A cogeração como alternativa aos desafios energéticos A visão corrente de que o Brasil possui um dos maiores parques de energia hidrelétrica do mundo, nos afasta de uma realidade um pouco distante disto.

Leia mais

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA

FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA FONTES ALTERNATIVAS DE ENERGIA Iria Müller Guerrini, No Brasil a maior quantidade de energia elétrica produzida provém de usinas hidrelétricas (cerca de 95%). Em regiões rurais e mais distantes das hidrelétricas

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira.

Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. Águas de Minas e Energia a Contribuição de Minas para o Sistema Elétrico Importância dos Reservatórios de Cabeceira. 1 Sumário Produção de Energia Elétrica no Brasil e o no Mundo Características de Usinas

Leia mais

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte

ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte ENERGIA EÓLICA : Potencial / oportunidades para aplicação turbinas eólicas de pequeno porte Palestrante: Profa Dra Eliane Amaral Fadigas Instituição: USP - Universidade de São Paulo Escola Politécnica

Leia mais

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN

ção Profissional na Cogeraçã EDUCOGEN Conhecimento e Capacitaçã ção Profissional na Cogeraçã ção EDUCOGEN José R. Simões-Moreira SISEA Laboratório de Sistemas Energéticos Alternativos Depto. Engenharia Mecânica Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz

Efeitos da Corrente Elétrica. Prof. Luciano Mentz Efeitos da Corrente Elétrica Prof. Luciano Mentz 1. Efeito Magnético Corrente elétrica produz campo magnético. Esse efeito é facilmente verificado com uma bússola e será estudado no eletromagnetismo. 2.

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA ARMAZENAMENTO TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA INVENTIVE BY NATURE ECO biopowe r Precis ão alem ã, energia brasileira! www.ecobiopower.com.br

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais

Eficiência e Inovação no sector da energia. Jorge Cruz Morais Eficiência e Inovação no sector da energia Jorge Cruz Morais Paradigma do século XX Energia abundante Energia barata factores da alteração Preço dos combustíveis fósseis Aumento da Procura Emissões de

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net

WEG Depto Negócios em Energia Solar. Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net WEG Depto Negócios em Energia Solar Eng. Casiano Rodrigo Lehmert (47) 3276 4707 casianorl@weg.net Autoprodução Solar: Vale a pena? Visão mundial Visão Brasil Evolução Mercado Energia Solar Europa Potencial

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio

ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio ENERGIA SOLAR Adriano Rodrigues 1546632730 Adriano Oliveira 9930001250 Fabio Rodrigues Alfredo 2485761798 Frank Junio Basilio 1587938146 Jessika Costa 1581943530 Rafael Beraldo de Oliveira 1584937060 A

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 3 Geração, transmissão e distribuição da energia elétrica.

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS

APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS APROVEITAMENTO DE BIOGÁS EM ATERROS SANITÁRIOS Apresentado por: Engº Francisco J. P. Oliveira Setembro / 2010 Objetivo Demonstrar de forma sucinta projetos de MDL, que envolvam a obtenção de créditos de

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual.

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. O processo de ciclo orgânico de Rankine (OCR) é similar ao ciclo básico de Rankine mas em vez de água utiliza um azeite orgânico em uma caldera de baixa

Leia mais

Agenda Elétrica Sustentável 2020

Agenda Elétrica Sustentável 2020 Congresso Eficiência Energética Casa Alemã A Casa Ecoeficiente São Paulo, 14 de Abril de 2010 Agenda Elétrica Sustentável 2020 Estudo de Cenários para um Setor Elétrico Brasileiro Eficiente, Seguro e Competitivo

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações Fontes de Energia 1. Consumo médio de energia 2. Fontes de Energia Hidroelétrica Termoelétrica (combustíveis fósseis) Eólica Solar Biomassa (termoelétrica renovável) 3. Cogeração ou Geração Distribuída

Leia mais

UNICAMP IFGW Projeto de F 809. Energia Eólica. Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio

UNICAMP IFGW Projeto de F 809. Energia Eólica. Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio UNICAMP IFGW Projeto de F 809 Energia Eólica Nome do aluno: Bruno Ferreira de Camargo Yabu-uti RA: 008201 Nome do orientador: Pedro Raggio 1 1. Objetivos: -Construir um aparato que ilustre didaticamente

Leia mais

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência.

Conceito Geral. Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Microgeração Conceito Geral Produção de eletricidade em pequena escala por intermédio de instalações de pequena potência. Meio para produção de energia através de instalações de pequena escala, utilizando

Leia mais

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas

Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Soluções Completas para Pequenas Centrais Hidrelétricas Answers for energy. Turbina Francis, gerador síncrono e unidade hidráulica Cubículos de média tensão Transformadores de distribuição Uma completa

Leia mais

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável

A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável A Biomassa Florestal como Fonte de Energia Renovável Seminário: Biomassa Florestal, Energia e Desenvolvimento Rural João Bernardo, DGGE Índice Enquadramento do Sector Energético As fontes de Energia Renovável

Leia mais

Capital de Risco para projetos de Energia

Capital de Risco para projetos de Energia Workshop Internacional sobre Geração de Eletricidade com Gás de Lixo em São Paulo Capital de Risco para projetos de Energia São Paulo, 25 de junho de 2001 1 Fontes de recursos para Projetos e Empresas

Leia mais

SOLAR FOTOVOLTAICA FUNCIONAMENTO E SOLUÇÕES PARA A CADEIA DO FRIO. Niels Kleer, Diretor Comercial da EBES

SOLAR FOTOVOLTAICA FUNCIONAMENTO E SOLUÇÕES PARA A CADEIA DO FRIO. Niels Kleer, Diretor Comercial da EBES SOLAR FOTOVOLTAICA FUNCIONAMENTO E SOLUÇÕES PARA A CADEIA DO FRIO Niels Kleer, Diretor Comercial da EBES BEM VINDO!! QUEM JÁ TEM UM GERADOR SOLAR FOTOVOLTAICO NA SUA CASA OU EMPRESA? GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Leia mais

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com.

SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com. SMART GRID COPA E OLIMPÍADA SUSTENTÁVEL! Paulo Roberto Pedroso de Oliveira (11) 3378 8600 (11) 9935 9080 paulo @ascx.com.br http://www.ascx.com.br É DIFÍCIL FAZER ALGUÉM MUDAR DE COMPORTAMENTO, SE ÊLE

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Energias Renováveis em Portugal

Energias Renováveis em Portugal Energias Renováveis em Portugal António Joyce Departamento de Energias Renováveis INETI - Instituto Nacional de Engenharia, Tecnologia e Inovação Estrada do Paço do Lumiar, 1649-038 Lisboa, PORTUGAL Antonio.Joyce@ineti.pt

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL E GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas

Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas Capítulo 1 Introdução ao Guia de Ferramentas 1. OBJETIVO DO GUIA DE FERRAMENTAS Então você está pensando em começar ou expandir um negócio de energia limpa? Este é um guia passo a passo para que seu negócio

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL

Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Projeto Megawatt Solar Usina Solar Fotovoltaica no Edifício Sede da ELETROSUL Luis Felipe Pozzatti Chefe do Setor de Estudos de Novos Potenciais luis.pozzatti@eletrosul.gov.br Eletrosul Segmentos: transmissão

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil Instituto Tecnológico de Aeronáutica Divisão de Engenharia Civil O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Infraestrutura do ITA (PG-EIA) é um dos pioneiros do país em sua área e lançou as bases para

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

Seção 1: Solicitação de Registro

Seção 1: Solicitação de Registro F-MDL-REG Formulário de Registro e Validação de Atividade de Projeto de MDL (Ao submeter este formulário, a entidade operacional designada confirma que a atividade de MDL proposta atende a todos os requisitos

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos

Classificação dos Sistemas Fotovoltaicos Só Elétrica Indústria e Comércio de Equipamentos Elétricos Rua Duque de Caxias, 796 Centro Joaçaba CEP: 89600-000 Fone: (49) 3522-2681 Um sistema fotovoltaico é uma fonte de potência elétrica, na qual

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira

ENERGIAS RENOVÁVEIS NA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA. 15-09-2011 Agostinho Figueira PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA 15-09-2011 Agostinho Figueira TÓPICOS: 1. Política energética 2. Integração de fontes de energia renovável 3. Sistema electroprodutor Fontes renováveis 4. Plano de acção -

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica

DEMANDA GT. Arranjos alternativos para geração eólica DEMANDA GT Arranjos alternativos para geração eólica OBJETIVOS Desenvolver uma turbina eólica de eixo vertical de pás fixas, de pequeno porte e custo reduzido. Realizar ensaios de rendimento do equipamento

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010

ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 ENERGIAS RENOVÁVEIS NO BRASIL MAIO 2010 Índice Conceito de Energia Renovável Energias Renováveis no Brasil Aspectos Gerais de Projetos Eólicos, a Biomassa e PCHs Outorga de Autorização de Projetos Incentivos

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas

O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas O Fundo Clima e sua ferramenta de estimativa de emissões evitadas Seminário Internacional sobre Finanças Climáticas São Paulo, 26 de fevereiro de 2015 Estrutura da Apresentação 1 O Fundo Clima 2 Ferramenta

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade.

ENTERPRISE EUROPE NETWORK. Título: Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Tipo de parceria:joint venture Empresa da Eslováquia certificada especializada na produção de painéis fotovoltaicos de alta qualidade. Empresa da Eslováquia certificadaespecializada na produção de painéis

Leia mais

Uso da Biomassa na Geração de Energia

Uso da Biomassa na Geração de Energia Uso da Biomassa na Geração de Energia Rui Guilherme Altieri Silva Superintendente de Regulação dos Serviços de Geração SRG/ANEEL 01/07/2011 Brasília-DF 1. Potencial Energético 2. Aspectos Tecnológicos

Leia mais

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia.

Apague velhos. Acenda uma grande. hábitos. idéia. Apague velhos hábitos. Acenda uma grande idéia. Crise Energética Por que todos falam em crise energética? Porque a crise energética sul-americana deixou de ser um cenário hipotético para se transformar

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

GE Energy. Motores a gás. America Latina

GE Energy. Motores a gás. America Latina GE Energy Motores a gás America Latina 2012 Negócios de Motor a Gás da GE Funcionários: ~ 2.600 Operando em + de 100 países* Geração de Energia Compressão de Gás Recuperação de Calor Jenbacher, Waukesha

Leia mais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais

Energia Offshore. Jorge Cruz Morais Energia Offshore Jorge Cruz Morais factores da alteração Aumento da Procura Emissões de CO2 O consumo mundial de energia primária Evolução do consumo mundial de energia primária, 1970-2009 Mtep 11.164

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO

GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA HIDRELÉTRICA-SISTEMA ELÉTRICO HIDRELÉTRICAS Definição Originada a partir da energia solar, responsável pela evaporação da água; A água que precipita é armazenada na forma de

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso

Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Resultados dos Estudos Preliminares da Captura e Utilização de Biogás dos Aterros Sanitários de Uberaba e Santana do Paraíso Belo Horizonte, 26 de Abril de 2011 Jim Michelsen SCS Engineers & Frederico

Leia mais

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs:

Parcerias. São parceiros estratégicos no desenvolvimento das UREs: Institucional A Unidade de Recuperação Energética (URE) Barueri é um empreendimento da Foxx Haztec, empresa líder em serviços ambientais no Brasil com atuação nas áreas de resíduos sólidos, consultoria

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil.

O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. Eficiência Energética e a Nova Regulamentação do PEE ANEEL O conceito de eficiência energética está ligado à minimização de perdas na conversão de energia primária em energia útil. EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada.

Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Impacto do custo do GN no preço médio do Kwh e aumento de competitividade da co-geração qualificada. Eng./Arq. Marco Tulio Starling de Vasconcellos Clima Rio 23 de Maio de 2006 Tópicos da Apresentação

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa

Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa Prof. Augusto C. Pavão Fontes Alternativas de Energia (3 créditos/45 aulas) Ementa O problema energético global. Aproveitamento das energias solar, eólica, hidráulica e da biomassa. Energia solar e as

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Energia, Riqueza e População

Energia, Riqueza e População Energia, Riqueza e População Legenda - Colunas à Esquerda: Crescimento relativo da oferta total de energia - Colunas Centrais: Crescimento relativo do Produto Interno Bruto (PIB) - Colunas à Direita: :

Leia mais

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo

Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Volatilidade e Mudanças Estruturais Impactos na Indústria de Petróleo Cristina Brunet de Figueiredo Coordenadora da Comissão de Responsabilidade Social do IBP Coordenadora de Comunicação e Relações Externas

Leia mais

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng.

ENERGIA SOLAR NAS CIDADES. Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. ENERGIA SOLAR NAS CIDADES Isabel Salamoni, Arquiteta e Urbanista, Dra. Eng. 1 Matriz energética mundial FONTES DE PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA BRASIL 4,60% 2,70% 1,40% 0,10% 8,40% Hidráulica Nuclear 3,20%

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais