Guia do Visitante

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guia do Visitante www.ethos.org.br/mostra2009"

Transcrição

1 Guia do Visitante 1

2 MOSTRA DE TECNOLOGIAS SUSTENTÁVEIS 2009 Local: Hotel Transamerica Av. das Nações Unidas, Santo Amaro - São Paulo (SP) Estacionamento no local, pago pelo visitante. Dias e horários abertos para visitação à Mostra de Tecnologias Sustentáveis: 16 de junho das 9h00 às 20h00 17 de junho das 9h00 às 20h00 18 de junho das 9h00 às 17h00 Os participantes inscritos na Conferência Internacional Ethos 2009 têm livre acesso à Mostra de Tecnologias Sustentáveis. O público interessado em visitá-la tem entrada gratuita, que deve ser solicitada pelo site 2

3 O EVENTO A segunda edição da Mostra de Tecnologias Sustentáveis é uma exposição que acontece simultaneamente à Conferência Internacional Ethos 2009 e se destina a trazer ao público tecnologias que privilegiem a sustentabilidade. Tais tecnologias compreendem metodologias, técnicas, sistemas, equipamentos ou processos economicamente viáveis e passíveis de serem reproduzidos e aplicados, de forma a minimizar os impactos negativos e a promover impactos positivos no meio ambiente, na qualidade de vida das pessoas envolvidas e na sustentabilidade da sociedade. Promovida pelo Instituto Ethos, a Mostra 2009 é um evento realizado pelo UniEthos, em parceria com o Movimento Nossa São Paulo, o Instituto Akatu e a São Paulo Turismo (SPTuris). Esta realização também conta com a parceria das organizações internacionais AccountAbility, Business for Social Responsibility (BSR), Forum Empresa, Global Reporting Initiave (GRI), SustainAbility e Pacto Global das Nações Unidas. Sem a pretensão de ser uma feira de produtos, de empresas ou de ciências, esta exposição visa proporcionar ao visitante um ambiente inspirador, onde ele poderá ver, interagir e conhecer o funcionamento de tecnologias que privilegiam a sustentabilidade, assim como suas limitações e os requisitos para o seu adequado desempenho. Estas tecnologias estão sendo apresentadas com o intuito de: Tornar possível a identificação das situações em que podem ser aplicadas; Apresentar suas vantagens e desvantagens econômicas, sociais e ambientais; Demonstrar como podem ser adequadamente utilizadas; Evidenciar as implicações para o usuário e para o ambiente no qual são utilizadas. Isso permite a compreensão de seus impactos ambientais, sociais e econômicos e as mudanças culturais decorrentes de sua implementação. 3

4 PROCESSO DE SELEÇÃO DAS TECNOLOGIAS As tecnologias expostas devem oferecer soluções relacionadas a variáveis críticas para a sustentabilidade, tais como Energia, Gases de Efeito Estufa, Consumo de Materiais, Resíduos, Água, Biodiversidade, Equidade, Diversidade, Integridade e Combate à Corrupção, Trabalho Decente e Inclusão Social. Essas iniciativas estão aplicadas na gestão sustentável dos seguintes contextos: Cidades Negócios rurais Conservação e manejo sustentável de ecossistemas As tecnologias apresentadas foram desenvolvidas por organizações não-governamentais, centros de tecnologia, institutos de pesquisa, universidades, empreendedores sociais e empresas. No período de 24 de novembro de 2008 a 8 de março de 2009, diversas organizações e pessoas físicas inscreveram gratuitamente suas iniciativas para concorrer a um processo de seleção, composto por etapas e critérios de avaliação descritos em regulamento publicado no site do evento. O processo de seleção das tecnologias expostas foi conduzido por um Comitê Curador, composto por especialistas representantes das seguintes organizações: Ana Carolina Evangelista e Raquel Diniz Instituto Akatu pelo Consumo Consciente Ana Luisa M. da Riva International Finance Corporation (IFC) Beatriz Bulhões e Sueli Mendes Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) Clayton Campanhola Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) João Gilberto Azevedo Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social larissa Barros Rede de Tecnologia Social (RTS) Luiz Bouabci Ashoka Marco Augusto Salles Teles Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia Marcus Fuchs Avina Sérgio Mauro de Souza Santos Filho Instituto Socioambiental (ISA) Vanderley John Conselho Brasileiro de Construção Sustentável (CBCS) 4 Saiba mais em

5 CONHEÇA AS TECNOLOGIAS EXPOSTAS NA MOSTRA 2009 A energia do sol direcionada à geração de conforto e renda para a família brasileira...8 Aparelhos auditivos recarregáveis, recarregador solar de baterias e baterias recarregáveis...9 Aquecedor solar com reutilizáveis Associação Saúde Criança Renascer - Uma perspectiva integral de saúde Bioplásticos biodegradáveis: compostáveis obtidos por meio de fontes renováveis agrícolas Biossistemas integrados (BSI) Bottle-to-Bottle Do campo à cidade: uma história de sustentabilidade Ecocesto para coleta seletiva de materiais recicláveis Ecoelce/Ecoampla troca de resíduos por bônus na conta de energia elétrica Ecomag: redutor de gases poluentes Eletro Floculação e Flotação Forçada E3F Encauchados de Vegetais da Amazônia Equipamento E Estação Resgate: Mineração Sustentável Fogo da Água GásLimpo CleanGas Geração de créditos de carbono através da compostagem de resíduos orgânicos Gravata incorporada: solução de formas para estruturas de concreto armado Inclusão social do agricultor familiar através do cooperativismo

6 Índios On Line Kits DIY para divisória-armário, voltados à habitação de interesse social Lavagem de superfície sem o uso de água Manufatura Reversa de Aparelhos de Refrigeração Master LED Meliponicultura: desmatamento evitado Metodologia e processo de adaptação das edificações da CEF para promoção da acessibilidade Polietileno produzido a partir do álcool de cana-de-açúcar Processo de reciclagem de baterias recarregáveis Val Eas Projeto MelhorAr de mobilidade sustentável Recuperador de Calor para Chuveiros Elétricos Rewatt Sensor ActiLume Silagem de colostro Sistema para Monitoramento Remoto do Consumo de Água utilizando padrão de comunicação sem fio, através de redes ZigBee Sítio Sustentável Somos de papel Tramando justiça social e sustentabilidade Tratamento e valorização de dejetos de suínos como tecnologia social para a gestão da água Usinas Sociais Inteligentes

7 TECNOLOGIAS EXPOSTAS 7

8 A energia do sol direcionada à geração de conforto e renda para a família brasileira Água quente para toda a sociedade O Aquecedor Solar de Baixo Custo (ASBC) foi desenvolvido para substituir a energia elétrica usada para o aquecimento de água em casas e apartamentos. Utilizando materiais termoplásticos da construção civil, como tubos de PVC, boia e caixa d água, a tecnologia custa 10% do preço de um aquecedor solar comum. A ideia de desenvolver um produto como esse nasceu em 1992, com o apoio do Sebrae, para ser apresentado durante a Eco 92, no Rio de Janeiro. A partir daí, a equipe continuou estudando formas para baratear o custo dos aquecedores solares. Em 2001, foi fundada a ONG Sociedade do Sol, sediada no Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec), no Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), da Universidade de São Paulo (USP), com o objetivo de democratizar o uso da água quente. A tecnologia atinge uma parcela da população que dificilmente teria acesso a aquecedores a gás ou solares. Seu uso resulta numa economia de 25% a 50% do custo da energia. A Sociedade do Sol disponibiliza manuais de manufatura do ASBC em quatro línguas e assistência técnica gratuita oferecida por 60 monitores voluntários, que atendem por meio de carta, ou pessoalmente. A tecnologia é hoje utilizada em países da América Latina e na África. O ASBC pode aquecer de 200 a litros de água diariamente. Essa capacidade permite que o sistema seja aplicado também em hospitais e creches, e não apenas em residências. Organização: Sociedade do Sol Telefone: (11) Site: sociedadedosol.org.br 8

9 Aparelhos auditivos recarregáveis, recarregador solar de baterias e baterias recarregáveis Aparelhos auditivos de baixo custo, com baterias solares Aparelho auditivo digital com bateria recarregável a preço popular será em breve uma realidade para toda a America Latina. A tecnologia foi desenvolvida pelo canadense Howard Weinstein, que chefiou um projeto similar em Botswana, na África. Anos depois, Weinstein propôs a produção do aparelho ao Instituto Cefac, cuja missão é oferecer serviços e produtos que proporcionem às pessoas com distúrbios de comunicação oral e escrita, voz e audição, condições para assumir seu papel de cidadão. A tecnologia permite regular o aparelho de acordo com a necessidade do usuário. Quanto mais profunda é a perda auditiva, maior potência é exigida do aparelho e mais bateria é usada. Um aparelho regulável, com bateria recarregável a partir da luz solar, permite maior economia para o usuário e reduz o total de baterias descartadas no meio ambiente. Em dias de chuva, a bateria pode ser recarregada com a energia de lâmpadas comuns. Mantendo o foco na preocupação ambiental, as embalagens serão confeccionadas com papel reciclado e terão indicações em cinco idiomas (português, espanhol, inglês, francês e braille). Além de ser uma tecnologia inovadora, o programa inclui no mercado de trabalho pessoas com deficiência auditiva. A montagem dos aparelhos auditivos e do carregador solar de baterias será realizada por jovens surdos brasileiros, que receberão treinamento de deficientes auditivos africanos, funcionários da Godisa, ONG que desenvolveu o projeto africano. A iniciativa é fruto de uma parceria entre o Instituto Cefac, a Fundação Lemelson e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), da Universidade de São Paulo. Organização: Cefac Associação Assistencial em Saúde e Educação Telefone: (11) Site: novo.cefac.br/publicar/index2.php 9

10 Aquecedor solar com reutilizáveis Garrafas PET, caixas tetrapack e outros materiais reutilizáveis viram peças de aquecedor solar Trata-se de um aquecedor que funciona pelo princípio do termossifão, ou seja, aquece por meio de circulação de água quente. Esse sistema economiza em até 30% o consumo de energia elétrica e em 50% o consumo de gás de cozinha. Durante o projeto-piloto, foram instalados 123 coletores solares com reutilizáveis em 39 municípios de Santa Catarina. A ação beneficiou cerca de pessoas e diversas entidades beneficentes, e retirou do meio ambiente 70 mil garrafas PET. Agora, o projeto vai atender aproximadamente 500 unidades consumidoras do Maciço do Morro da Cruz, em Florianópolis, complexo que abriga 45 comunidades empobrecidas, em área de preservação ambiental. Além dos benefícios sociais, ao longo de cinco anos o projeto vai contribuir para impedir o lançamento de quase 120 mil garrafas PET e 120 mil caixas tetrapack no meio ambiente. A tecnologia pode ser implantada em qualquer situação, principalmente em locais com incidência de sol expressiva durante as quatro estações do ano. O aquecedor solar com reutilizáveis é patenteado, mas sua multiplicação é permitida para cooperativas e instituições sem fins lucrativos. Organização: Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc) Telefone: (48) Site: portal.celesc.com.br/portal/home/index.php 10

11 Associação Saúde Criança Renascer - Uma perspectiva integral de saúde Tratamento holístico que gera resultado eficaz Cansados de ver crianças e seus familiares sendo internados inúmeras vezes pelos mesmos motivos, um grupo da sociedade civil e profissionais do Hospital da Lagoa, no Rio de Janeiro (RJ), sob coordenação da médica Vera Cordeiro, criaram a Associação Saúde Criança Renascer, com a proposta de um tratamento holístico e integral, que leva em conta não apenas os sintomas físicos do paciente, mas suas condições sociais e psicológicas. Durante anos de atendimento, esses profissionais observaram que, após receber alta, o paciente voltava para a mesma condição de miséria que, na maioria das vezes, era a causa de sua doença. Para que os resultados do tratamento se tornassem mais eficientes, era preciso desenvolver um atendimento multidisciplinar. Por isso, a associação criou uma tecnologia de atendimento que leva em conta cinco áreas consideradas essenciais para a reestruturação familiar: saúde, renda familiar, moradia, educação e cidadania. Por meio de triagens, as necessidades do paciente e de sua família são levantadas. Com as informações, a equipe elabora um plano de ação familiar e oferece serviços como atendimento psicológico, orientação para regularização de documentos e benefícios, encaminhamento a cursos profissionalizantes, palestras socioeducativas, reforma de moradia, fornecimento de medicamentos de acordo com a prescrição médica, cesta básica e vale-transporte. Essa tecnologia social já é utilizada pela Rede Saúde Criança, que conta com 24 instituições ligadas a outros hospitais públicos, e pela Secretaria de Saúde de Belo Horizonte (MG). O método pode ser aplicado em qualquer hospital público, no Brasil ou no exterior. A Associação Saúde Criança Renascer dispõe de uma cartilha que explica o método e sua implantação. Já existem estudos para que a tecnologia se transforme em política pública. Organização: Associação Saúde Criança Renascer Telefone: (21) Site: 11

12 Bioplásticos biodegradáveis: compostáveis obtidos por meio de fontes renováveis agrícolas Embalagens plásticas biodegradáveis já são uma realidade A Biomater Eco-Materiais, empresa de base tecnológica, produz matéria-prima para plásticos à base de produtos agrícolas como mandioca, batata, milho, girassol, canade-açúcar, tabaco, celulose etc. Conhecido como bioplástico, esse material chega ao mercado para oferecer uma alternativa ao uso do petróleo. Com ele já é possível fabricar sacos de lixo e sacolinhas de plástico num ciclo fechado em relação à emissão de gás carbônico. Estima-se que, para cada quilo de plástico produzido com petróleo, são emitidos de 2 a 4 quilos de gás carbônico na atmosfera. O bioplástico pode ser processado nas mesmas máquinas usadas para plástico comum. A tecnologia terá um grande impacto para toda a indústria de transformação de embalagens termoplásticas, papel, papelão, descartáveis em geral e produtos para agricultura e para a indústria de reflorestamento. O bioplástico já é utilizado por empresas como Mamaplast, Ecoplast e Taiff. A Biomater Eco-Materiais trabalha em parceria com a Universidade de São Paulo (USP), a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e a Rodenburg Biopolymers. Organização: Biomater Eco-Materiais Telefone: (16) Site: 12

13 Biossistemas integrados (BSI) Biomassa é aproveitada para a geração de energia, ração animal e adubo natural Os biossistemas integrados (BSI) são um conjunto de equipamentos implantados que imitam os ciclos da natureza, para que os resíduos descartados pelos humanos percam seu potencial poluidor. A tecnologia foi desenvolvida pela ONG O Instituto Ambiental (OIA), sediada em Petrópolis (RJ), que tem como finalidade o reaproveitamento da biomassa disponível para geração de energia ração animal e adubo natural que podem ser aproveitados na recuperação de áreas degradadas. O processo inicia-se na remoção do lodo, que segue direto para os biodigestores, transformando-se em energia ou em compostagem, como minhocário, para a produção de adubo natural. Em seguida, a água segue por tanques de algas, que auxiliam na oxigenação do efluente, e passam por zonas de raízes, que removem parte dos nutrientes, como nitrogênio e fósforo. No final, utilizam-se plantas macrófitas, que fazem uma excelente absorção adicional de nutrientes e remoção de patógenos. Agora, já recuperado, o efluente poderá retornar ao ambiente, na forma de irrigação, infiltração ou mesmo enviado para um rio. Os BSI podem ser adaptados a projetos em pequena escala, como residências, sítios de lazer ou comunidades com até 500 moradores, bem como a projetos em larga escala, como em pequenos municípios, comunidades organizadas, condomínios e produtores agrícolas em geral. Em áreas onde existe espaço disponível, incluem-se tanques para a criação de peixes e aves aquáticas, contribuindo para o aumento da produção de proteína animal. As indústrias com grandes quantidades de resíduos orgânicos, como as agroindústrias, podem fazer uso de biossistemas para sanear e gerar mais trabalho para os que vivem no entorno de suas unidades de produção. Entre as vantagens de implantação dos BSI, podemos citar: o fato de ser um tratamento local, minimizando custos; a reciclagem de nutrientes, que possibilita seu reúso na propriedade ou em seu entorno; o aproveitamento energético na forma de calor, para cozinhar e aquecer água; e, principalmente, o aspecto social, que é dar uma solução sustentável e cidadã para o problema do esgoto. Organização: O Instituto Ambiental (OIA) Telefone: (11) Site: 13

14 Bottle-to-Bottle Reciclagem sem desperdício de água aumenta a renda dos catadores No sistema de reciclagem Bottle-to-Bottle, as garrafas PET usadas são selecionadas, moídas e limpas por um processo de intensa lavagem, o qual permite retirar todos os resíduos que possam ser contaminantes. Nessa tecnologia, a reciclagem compreende vários sistemas de operações, envolvendo trituração, lavagem, filtragem e secagem, e culmina na renovação das características e propriedades dos polímeros usados, o que dá ao produto obtido as características de material novo. Esse processo permite a utilização de volumes menores de água e de energia que outros sistemas de produção de PET para uso alimentício. A tecnologia também possibilita reciclar embalagens PET empregadas no armazenamento de óleos vegetais comestíveis. Com a tecnologia Bottle-to-Bottle, o PET reciclado passa a ter um destino mais nobre que a reciclagem usual, pois retorna à indústria de alimentos. Por isso, é mais valorizado, aumentando a renda do catador e beneficiando as cooperativas que trabalham com o recolhimento de lixo. Esse método também estimula o consumidor a separar as embalagens que podem ser recicladas. A expectativa é de que, nos próximos dez anos, até 25% da resina PET utilizada no Brasil seja material reciclado de grau alimentício. Considerando-se o consumo atual, isso significa 100 mil toneladas de resina. Atualmente, não há uso dessa resina, uma vez que as empresas estão em processo de obtenção de autorização para suas fábricas na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Essa tecnologia foi criada pela empresa americana United Resource Recovery Corporation (URRC), dos Estados Unidos, que em 1994 desenvolveu e patenteou o processo híbrido UnPet para, quimicamente, purificar o flake de PET pós-consumo. Em 1996, a companhia se juntou à The Coca-Cola Company para comercializar o processo, produzindo resina de PET reciclado grau alimentício. Organização: Coca-Cola Brasil Telefone: (21) Site: 14

15 Do campo à cidade: uma história de sustentabilidade Tecnologia beneficia toda a cadeia produtiva do algodão A Cooperativa de Produção Têxtil e Afins do Algodão do Estado da Paraíba (Coopnatural) nasceu da necessidade de fortalecer as empresas têxteis e confecções da cidade de Campina Grande. Para enfrentar a concorrência do mercado externo, microempresas apostaram na utilização de produtos socialmente e ecologicamente sustentáveis como diferencial. O Coopnatural envolve 67 agricultores e 30 grupos de artesãos. A pluma de algodão é comprada diretamente do produtor, sem nenhum intermediário. Essa prática garante um preço acima do mercado e valoriza o trabalhador do campo. Os artesãos dão aos produtos finais, vendidos pela marca Natural Fashion, uma característica da cultura local. Além de trabalhar a questão social, a cooperativa ajuda na certificação orgânica, garantindo que o algodão utilizado nas peças seja livre de produtos químicos, como agrotóxicos e adubos sintéticos, que agridem o meio ambiente. A Coopnatural é uma tecnologia social que fortalece toda a cadeia produtiva, valoriza o trabalhador do campo, inclui os artesãos no mercado de trabalho e aproveita todo o resíduo de corte, sem haver desperdício. Organização: Cooperativa de Produção Têxtil e Afins do Algodão do Estado da Paraíba (Coopnatural) Telefone: (83) Site: 15

16 Ecocesto para coleta seletiva de materiais recicláveis Tampinhas de garrafas PET usadas viram objetos utilitários e de decoração Pensando em aproveitar melhor as tampinhas plásticas de garrafa PET usadas, a Associação Meio Ambiente Preservar e Educar (Amape), que tem como missão promover a gestão sustentável de resíduos e a inclusão dos catadores, desenvolveu o ecocesto, que pode ser utilizado na coleta seletiva de materiais recicláveis. Depois de lavadas e furadas, as tampinhas são unidas por fios de nylon, formando uma malha que vai se articulando até ser fechada. Por ser flexível e versátil, essa malha também pode ser utilizada para compor peças decorativas como luminárias, biombos, caixas etc. Os ecocestos são produzidos com matéria-prima comprada de catadores de materiais recicláveis e são montados artesanalmente por pessoas que estão fora do mercado de trabalho, têm baixa escolaridade e vivem em comunidades carentes. É uma tecnologia capaz de gerar renda e retirar do meio ambiente um potencial poluidor. A ideia surgiu em 2001, diante da necessidade de chamar a atenção da sociedade para o problema da produção excessiva de lixo. Organização: Associação Meio Ambiente Preservar e Educar (Amape) Telefone: (81) Site: 16

17 Ecoelce/Ecoampla troca de resíduos por bônus na conta de energia elétrica Materiais reciclados valem desconto na conta de luz O Programa Ecoelce/Ecoampla foi realizado por meio de iniciativas das empresas distribuidoras de energia elétrica da holding Endesa Brasil a Ampla, localizada no Estado do Rio de Janeiro, e a Coelce, no Ceará. Trata-se de um incentivo para que a população adote a coleta seletiva de lixo em suas residências, proporcionando, em contrapartida, uma alternativa para contribuir no pagamento da conta de energia com o uso dos resíduos coletados. A ideia é simples: o consumidor que entrega lixo reciclável nos pontos de coleta do programa ganha descontos na conta de energia elétrica. Uma pesquisa realizada em 184 comunidades de baixa renda da Grande Fortaleza (CE) revelou que grande parte do lixo gerado pelos moradores é descartado de forma inadequada no meio ambiente. Também foi constatado que essas mesmas comunidades apresentavam os maiores índices de inadimplência e furto de energia elétrica. Essa realidade inspirou a criação do Ecoelce/Ecoampla, um programa que propicia melhoria na qualidade de vida nas comunidades beneficiadas. O programa beneficia atualmente mais de 145 mil clientes e possui 71 postos de coleta em 38 municípios, nos Estados do Ceará e do Rio de Janeiro. Em breve, outras distribuidoras do grupo Endesa na América Latina replicarão o programa. Desde seu início foram arrecadados 2 milhões de quilos de resíduos para reciclagem, entre os quais 575 mil quilos de papel, 520 mil de metal, 234 mil de vidro e 217 mil de plástico. Também já foram contabilizados mais de R$ 720 mil em créditos aos clientes. Organização: Endesa Brasil Telefone: (21) Site: 17

18 Ecomag: redutor de gases poluentes Tecnologia simples e inovadora para diminuir a poluição do ar O Ecomag é um magneto que reduz os gases poluentes dos veículos em até 40%, economiza combustível e aumenta a vida útil de peças do motor como vela, carburador, injeção eletrônica etc. O magneto atua no combustível, quebrando suas moléculas. Esse processo facilita a combustão e diminui a emissão de gases poluentes que saem pelo escapamento. A tecnologia pode ser utilizada em qualquer veículo e nos quatro tipos de combustíveis empregados no Brasil: álcool, gasolina, GNV e diesel. O Ecomag pode ser reciclado, não gera resíduos e tem vida útil de dez anos. Criado em 2001, pela empresa P.S.G. Indústria e Comércio, o produto ganhou o selo verde do Conselho Nacional de Defesa Ambiental (CNDA) e já é usado pela frota de veículos da cidade de Campo Limpo Paulista e por transportadoras como a JSA, a TBN e a PTS. Organização: P.S.G. Indústria e Comércio Telefone: (11) Site: 18

19 Eletro Floculação e Flotação Forçada E3F A tecnologia E3F permite sistemas distribuídos de tratamento de esgotos com estações compactas e inodoras, que permitem a recuperação de energia do lodo produzido A Eletro Floculação e Flotação Forçada E3F é uma completa mudança de paradigma no saneamento baseado no tratamento eletrolítico de esgotos e efluentes industriais. A tecnologia foi desenvolvida no Brasil numa estação (E3F) compacta, que faz a eletrocoagulação dos sólidos e emulsões do efluente enquanto realiza a flotação forçada das partículas agregadas. Ela se diferencia dos sistemas convencionais por não utilizar agentes químicos para efetuar a coagulação, evitando assim sistemas dosadores, misturadores e o tempo de detenção necessário para a coagulação. O saneamento e o uso da água são uma preocupação mundial. Um relatório da ONU prevê que 4 bilhões de pessoas não terão acesso a água potável em Países em desenvolvimento, como o Brasil, enfrentam graves deficiências, como a falta de tratamento de esgotos. A introdução da cultura do reúso da água, por meio de uma alternativa factível e econômica, contribui para diminuir os custos e melhorar o acesso a esse recurso natural Empreendedor: João Batista Gerais de Camargo Rangel Telefone: (11) Site: 19

20 Encauchados de Vegetais da Amazônia Conhecimento indígena e tecnologias modernas são usados na extração da borracha Os Encauchados de Vegetais da Amazônia são uma tecnologia social que recupera a atividade extrativa da borracha amazônica, combinando o conhecimento indígena tradicional da manipulação do látex nativo com as tecnologias usadas atualmente pelas indústrias de artefatos de borracha. O processo foi desenvolvido por Francisco Samonek e organizado pelo Polo de Proteção da Biodiversidade e Uso Sustentável dos Recursos Naturais (Poloprobio). Atualmente, a tecnologia é aplicada em 28 unidades produtivas, coletivas ou familiares, como aldeias indígenas e comunidades extrativistas do Acre, Amazonas, Pará e Rondônia. O projeto promove a inclusão social das populações indígenas e das comunidades de seringueiros, possibilitando uma atividade de acordo com os costumes da região e em harmonia com a natureza. Esta tecnologia foi premiada pela Fundação Banco do Brasil em 2007 e ganhou o Prêmio Professor Samuel Benchimol, do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em 2006, o Prêmio Finep de Inovação, em 2007 e em 2008, e o Prêmio Equatorial 2008, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Organização: Polo de Proteção da Biodiversidade e Uso Sustentável dos Recursos Naturais (Poloprobio) Telefone: (68)

21 Equipamento E1 Sistema ziguezague promove melhor fluxo de energia, proteção e economia no consumo O Enerkeeper, conhecido no Brasil como E1, é um equipamento elétrico que oferece solução para problemas na qualidade da energia elétrica. Sua peça central é uma bobina com sistema ziguezague que reduz a impedância, o desbalanceamento e a defasagem entre corrente e tensão. Essa bobina é capaz de igualar a densidade do fluxo magnético de forma uniforme, evitando a direção da corrente elétrica em sentido contrário. O resultado é um melhor fluxo de energia, com o aumento da eficiência energética, gerando economia no consumo, maior proteção para os equipamentos, menor número de paradas não programadas na atividade da empresa, otimização do custo operacional etc. Na Coreia do Sul, onde está sendo utilizado, o E1 apresentou excelentes resultados. O Bank of Korea, por exemplo, reduziu o consumo de energia em 11% e prédios comerciais o diminuíram em 13%, enquanto escolas economizaram mais de 12% na conta de luz. O equipamento é indicado para qualquer estabelecimento que apresente gastos expressivos com energia elétrica ou problemas com a qualidade de energia e pode ser utilizado em todos os tipos de cargas, como iluminação, motores, resistências e cargas mistas. O E1 foi desenvolvido pelo sul-coreano Hoon Yang Park, da empresa Enertech. Por meio de uma parceria comercial, a Eficien Energia obteve exclusividade de vendas no Brasil. Organização: Eficien Energia Telefone: (15)

22 Estação Resgate: Mineração Sustentável Projeto minimiza a extração de recursos naturais para a construção civil, proporciona destino correto aos resíduos e diminui distância entre matéria-prima e consumidor O desenvolvimento das cidades aumenta o consumo de materiais de construção civil e gera grandes volumes de resíduos de construção e demolição (RCD). A Estação Resgate propõe a reciclagem desses resíduos, transformando-os em novas matérias-primas, como areia e brita. A ideia é colocar estações de reciclagem próximas aos aterros de resíduos, destino dos caminhões de entulho. Assim, o material que não puder ser reutilizado é despejado no aterro e o material reciclado volta para a construção civil. Normalmente, os caminhões de entulho voltam vazios dos aterros e a matéria-prima para construção civil costuma vir de portos de areia e pedreiras muito distantes dos centros urbanos. A tecnologia proposta consiste em reduzir a emissão de CO2, por meio da logística reversa e da diminuição das distâncias entre a matéria-prima e o consumidor. A grande inovação do projeto está em minimizar a extração de recursos naturais, agregar valor ao produto, proporcionar destino correto aos resíduos da construção civil e ainda reduzir a emissão de CO2. Com a reciclagem dos RCDs haverá também aumento da vida útil dos aterros. Numa experiência em São Paulo (SP), o aterro já foi licenciado e a operação de reciclagem está em fase de análise pela Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb). A recicladora terá uma capacidade aproximada de absorver 800 toneladas de RCD por dia. Estudos da Fundação de Apoio a Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Cultura (Fapetec), parceira do projeto, apontam que o município de São Paulo comporta oito recicladoras. É um projeto que envolve órgãos públicos, governo, prefeituras, construtoras, demolidoras, consumidores de madeira, empresas; escritórios de arquitetura, administradoras de imóveis e condomínios e fabricantes de materiais de construção civil. O projeto Estação Resgate: Mineração Sustentável é desenvolvido por Gilberto Meirelles Neto, José Rubens Paiva Gomes e Patrícia Simas. Além da Fapetec, é parceiro do projeto o Instituto Peabiru. Organização: Fundação de Apoio a Pesquisa, Ensino, Tecnologia e Cultura (Fapetec) Telefone: (11) Site: 22

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais

O quadro abaixo mostra que a disposição dos resíduos em aterros é aquela que traz menos benefícios ambientais VANTAGES PROJETO PEGASUS E RECICLAGEM ENERGÉTICA O problema do lixo é extremamente grave em nosso país. Estimativas baseadas nos dados do IBGE mostram que no País são geradas diariamente cerca de 140 mil

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS O Instituto Brasil Ambiente apresenta uma proposta de Gestão Integral de Resíduos Municipais desenvolvida pelo Prof. Dr.

Leia mais

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS:

Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE. Plano de Metas EP+20 +5. O O que diz a AGENDA AMBIENTAL. Reaproveitamento de águas de chuva METAS: Barra/Gávea 2012 EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE Plano de Metas EP+20 +5 O O que diz a AGENDA AMBIENTAL ÁGUA Reaproveitamento de águas de chuva Tratamento de águas cinzas Fitodepuração do Rio Rainha 1.

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar!

Sustentabilidade do Planeta. Todo mundo deve colaborar! Sustentabilidade do Planeta Todo mundo deve colaborar! Situação no mundo atual O Planeta pede socorro!!!! A atividade humana tem impactado negativamente o meio ambiente. Os padrões atuais de consumo exploram

Leia mais

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira

Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Economia verde, desenvolvimento sustentável e inovação - Os caminhos da indústria brasileira Nelson Pereira dos Reis Federação das Indústrias do Estado de São Paulo Fiesp Vice presidente Departamento de

Leia mais

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos?

Ambiental. Cartilha. Aquecimento Global. Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2. Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Cartilha Ambiental Vamos deixar um futuro melhor para nossos filhos? Saiba como reduzir ou até neutralizar suas emissões de Co2 Com atitudes simples você pode contribuir para diminuir sua emissão de CO2,

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

EcoFiltro. Plano de Negócios

EcoFiltro. Plano de Negócios EcoFiltro Plano de Negócios EcoFiltro Perfil dos Executivos O Problema: Água contaminada e Lixo O Contexto no Brasil: Água e Lixo A Solução Custo e Viabilização Estratégia de Distribuição Escopo do Projeto

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE

Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Segurança, Meio Ambiente e Saúde QHSE Preservação e Conservação A preservação é o esforço para proteger um ecossistema e evitar que ele seja modificado. Depende também da presença e ação do homem sobre

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva

MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva PROJETO LIXO LIMPO: MÓDULO I MÓDULO I: Universalização da coleta seletiva VANTAGENS PARA TODA A COMUNIDADE O primeiro módulo visa a Universalização da Coleta Seletiva, promove a consciência ambiental e

Leia mais

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos

Reciclagem Energética. Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Reciclagem Energética Alternativa para destinação de Resíduos Sólidos Urbanos Claudio Marcondes Engenheiro de Materiais com especialização em Polímeros pela Universidade Federal de São Carlos. Pós graduado

Leia mais

Viver Confortável, Morar Sustentável

Viver Confortável, Morar Sustentável Viver Confortável, Morar Sustentável A Verde Lar foi criada em Março de 2009, dando início a uma jornada com o compromisso e ética das questões ambientais no mercado habitacional oferecendo soluções para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee

Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Malwee Malhas LTDA. Jaraguá do Sul (SC) Garrafas PET: Um lixo que Virou Moda nas Coleções Malwee Categoria Tecnologias Socioambientais 1. Sobre a organização participante: Razão social: - Malwee Malhas

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

Eixo: LOGISTICA REVERSA

Eixo: LOGISTICA REVERSA PREFEITURA MUNICIPAL DE ESTÂNCIA VELHA RESSANEAR PROJETO INTEGRADO DE SANEAMENTO BÁSICO E RESÍDUOS SÓLIDOS LEI 11.445/2007 Eixo: LOGISTICA REVERSA PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS

12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 12ª EDIÇÃO DO SELO AMBIENTAL DE GUARULHOS 1. APRESENTAÇÃO O Selo Ambiental de Guarulhos é uma premiação anual criada em 2002 pela Câmara Municipal de Guarulhos através do Decreto Legislativo 003/2002.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Magazine Meio Ambiente

Magazine Meio Ambiente Página 1 de 5 Magazine Meio Ambiente MEIO AMBIENTE Dez atitudes domésticas ecologicamente corretas Publicado a 28 Janeiro 2011 por Danielrox01 Substituir sacolas de plástico A sacola de plástico é a atual

Leia mais

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque

AGENDA AMBIENTAL Escola Parque ALIMENTAÇÃO RESÍDUOS MATERIAIS ENERGIA ÁGUA TRANSPORTE BIODIVERSIDADE AGENDA AMBIENTAL Escola Parque AÇÕES SOLIDÁRIAS EDUCAR PARA A SUSTENTABILIDADE \ ENTORNO EXTERI\\OR ENRAIZAMENTO PEDAGÓGICO ENRAIZAMENTO

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O mundo inteiro discute, nos dias de hoje, a adoção de medidas globais e locais com o objetivo de diminuir ou, quem sabe, reverter o avanço dos efeitos do aquecimento global. Ações

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq

Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq Química Verde e Petroquímica Impactos na Distribuição Décio Oddone Vice-presidente responsável pela quantiq AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO QUÍMICA PILARES FUTURO FUTURO DA DISTRIBUIÇÃO AGENDA BRASKEM DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL

GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL ESTRATÉGIAS DE GESTÃO AMBIENTAL GESTÃO E GERENCIAMENTO AMBIENTAL GESTÃO AMBIENTAL: Planejamento. GERENCIAMENTO AMBIENTAL: Execução e Controle. GESTÃO ETAPAS: 1. Definição dos Objetivos do Planejamento = metas. 2. Inventário/ Banco de

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

Logística reversa e PNRS

Logística reversa e PNRS Videoconferência Logística reversa e PNRS Cristiane de S. Soares Assessora especial da CNC Julho, 2015 Rio de Janeiro RJ Política Nacional de Resíduos Sólidos Instrumento que institui a Responsabilidade

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS

ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS ASSOCIAÇÃO TECNOLOGIA VERDE BRASIL - ATVerdeBrasil MINUTA DE PROJETO DE LEI A SER SUGERIDA AOS PODERES PÚBLICOS PROJETO DE LEI DO LEGISLATIVO Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação de telhados verdes

Leia mais

Brasil: Cenário Atual

Brasil: Cenário Atual Encontro ILSI Brasil São Paulo, 10 de Dezembro de 2012 Brasil: Cenário Atual 8 milhões de quilômetros quadrados 194 milhões de habitantes 84% em cidades com crescimento desordenado 6ª maior economia mundial,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa

Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa Crédito Imobiliário do HSBC apresenta: Sustentabilidade em Casa Seja bem-vindo ao Guia Sustentabilidade em Casa do HSBC. O Guia Sustentabilidade em Casa é uma iniciativa do Crédito Imobiliário do HSBC

Leia mais

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado

Plásticos x Meio Ambiente. Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado Plásticos x Meio Ambiente Jamille Valéria Piovesan Silvane Machado JUSTIFICATIVA A maioria das invenções modernas estão diretamente relacionadas com nosso conforto e praticidade, porém muitas delas são

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Consumo Consciente e Criação de Valor Compartilhado

Consumo Consciente e Criação de Valor Compartilhado Nestlé Brasil Ltda. Consumo Consciente e Criação de Valor Compartilhado ALAS Agosto, 2010 CSV - Responsabilidade Social Corporativa na Nestlé Além da sustentabilidade: criar valor CRIAR VALOR COMPARTILHADO

Leia mais

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos

São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos São José dos Campos e a Política Nacional de Resíduos Sólidos Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos Este sistema garante tratamento e destino adequado aos resíduos gerados na cidade, de modo que eles não

Leia mais

Projeto Oficina Verde

Projeto Oficina Verde 2009 Projeto Oficina Verde PROJETO OFICINA VERDE Responsáveis: Daniel Filipe, Glauber Franco e Alexandre Xavier Centro de Experimentação e Segurança Viária CESVI BRASIL S/A I.Q.A Instituto de Qualidade

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte

Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Sustentabilidade Ambiental na Cidade de Belo Horizonte Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal Adjunto de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Abril 2013 A Construção de uma Cidade Sustentável

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI N o 418, DE 2011 Proíbe o envasamento e a comercialização de bebida em embalagem PET e dá providências correlatas Autor: Deputado

Leia mais

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei

Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis. Foto: Augusto Bartolomei Plásticos Biodegradáveis e Compostáveis 1 Foto: Augusto Bartolomei Conteúdo O que são plásticos biodegradáveis e compostáveis Certificação Aplicações Descarte aterro, reciclagem, compostagem Alinhamento

Leia mais

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade

46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade 46º Congresso da SBPC/ML terá ações de sustentabilidade Durante o 46º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial serão desenvolvidas ações com o objetivo de conscientizar os participantes

Leia mais

Unindo forças por um mesmo objetivo

Unindo forças por um mesmo objetivo Unindo forças por um mesmo objetivo Seguindo o conceito do programa em fomentar iniciativas de coleta e reciclagem, a parceria vai ampliar a atuação do Programa de Reciclagem do Óleo de Fritura (PROL),

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

Eco Dicas - Construir ou Reformar

Eco Dicas - Construir ou Reformar Eco Dicas - Construir ou Reformar São dicas de como preservar e economizar os recursos naturais quando se pensa em obras. Praticando-as, nosso bolso também agradece. É bom saber que: a fabricação de PVC

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO (Módulo: Resíduos Sólidos) Rio Claro SP LEI Nº 11.445/2007 LEI Nº 12.305/2010 1. OBJETIVOS - Realizar diagnósticos; - Elaborar propostas de intervenções; - Definir

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá

REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá REUTILIZAÇÃO 100% Engenheiro Químico Celso Luís Quaglia Giampá PROJETO FÊNIX IMPLANTANDO SOLUÇÃO GERENCIAMENTO DOS RSU EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONTINUADA NA POPULAÇÃO COLETA SELETIVA PARA RESÍDUOS SECOS E ÚMIDOS

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

S O C I O A M B I E N TA L

S O C I O A M B I E N TA L Apresentação Todas as ações desenvolvidas pelo Banrisul estão comprometidas em preservar o meio ambiente, seja no momento de realizar um contrato de financiamento agrícola, investimento em projeto, seja

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas

RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 2008/2010. Vonpar - Divisão Bebidas RELATÓRIO DE SUSTENTABILIDADE 200/200 Neste documento você terá o extrato em números dos dados contidos no Relatório de Sustentabilidade 200/200 da Vonpar. Conforme a versão digital animada (disponível

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº DE 2013

PROJETO DE LEI Nº DE 2013 PROJETO DE LEI Nº DE 2013 Dispõe sobre as atividades relativas a geração, transporte, filtragem, estocagem e geração de energia elétrica térmica e automotiva com biogás, e dá outras providências. Art.

Leia mais

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA

MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA MEU NEGÓCIO É RECICLAR A EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOINHAS - BAHIA NO APOIO AO MOVIMENTO DE CATADORES DE RUA Patrícia Cristina de Lima Moreira (1) Assistente Social (UNIT), Assistente Social do Serviço

Leia mais

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS

PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS PRESERVAR O MEIO AMBIENTE UMA MISSÃO DE TODOS NÓS Meio Ambiente Tudo que está a nossa volta: todas as formas de vida e todos os elementos da natureza. Ecologia Ciência que estuda a relação dos seres vivos

Leia mais

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis Engenharia A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis A construção sustentável é um novo conceito que está surgindo dentro da engenharia civil. A construção sustentável além de tornar a obra ecológica,

Leia mais

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva

GB ECO Solutions. especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL. Reuso e Aproveitamento de Água da Chuva GB ECO Solutions especialista em soluções ambientais para um PLANETA SUSTENTÁVEL GB ECO Solutions www.gb-ecosolutions.com.br info@gb-ecosolutions.com.br + 55 11 4702-4619 Cotia/SP Sistemas de Remediação

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos

Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Já foi o tempo em que podíamos considerar de lixo os resíduos sólidos urbanos pois, com as palavras do Aurélio, lixo são coisas inservíveis, o que indica a sua inexistência, uma

Leia mais

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento

Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Seminário Sustentabilidade Os Desafios do Desenvolvimento Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná (Guaraná Antarctica) Maior

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL

III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina III-053 - PET PÓS-CONSUMO: UMA PROPOSTA DE INCLUSÃO SOCIAL Maria de Fátima Nunesmaia(1)

Leia mais