FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE"

Transcrição

1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE 2013

2 Sumário 1. APRESENTAÇÃO LOCALIZAÇÃO Código de Numeração das Salas NOSSA HISTÓRIA DOCUMENTOS LEGAIS E NORMATIVOS ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR Normas funcionais e pedagógicas Frequência Acadêmica Diário de Classe Plano de Ensino Recuperação Paralela CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações Que profissão é esta: Tecnólogo em Sistemas de Telecomunicações Estrutura curricular (Currículos em extinção progressiva) Estrutura Curricular do Curso (currículo novo ingresso a partir de 2013/1) Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Que profissão é esta: Tecnólogo em Automação Industrial Estrutura curricular (Currículos em Extinção Progressiva) Estrutura Curricular do Curso (currículo novo - a partir de 2013/1) Atividades Complementares Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Sistema de avaliação do processo de ensino-aprendizagem ACELERAÇÃO DE ESTUDOS Aproveitamento Formal de Estudos Aproveitamento de Experiências Anteriores FREQUÊNCIA Legislação Abono de Faltas Exercícios Domiciliares MATRÍCULA, TRANCAMENTO E CANCELAMENTO Matrícula Trancamento de Matrícula Cancelamento de Matrícula TRANSFERÊNCIAS, REOPÇÃO DE CURSO E DE TURNO Transferência de Outras Instituições... 27

3 11.2 Reopção de Curso/Turno AVALIAÇÃO INSTITUICIONAL ENADE REDE ACADÊMICA AMBIENTES DE APRENDIZAGEM BIBLIOTECA Empréstimos ATENDIMENTO AO ALUNO Atendimento da Coordenação de Curso Núcleo de Apoio psicopedagógico (NAP) Nivelamento Nivelamento de Português Nivelamento de Matemática Reforço em Matemática do Ensino Superior Curso de inglês Monitoria Sala de Estudos NORMAS E PROCEDIMENTOS ACADÊMICOS E ADMINISTRATIVOS ORGANOGRAMA DA FACULDADE... 34

4 1. APRESENTAÇÃO Estimados Professores, Estamos disponibilizando o Guia do Professor. Esperamos que seja um importante instrumento para a melhoria do seu trabalho e uma referência positiva direcionada ao aperfeiçoamento e à qualidade do ensino da nossa Faculdade. Entendemos que a missão e objetivos de nossa instituição, serão somente alcançados com a participação de todo o nosso Corpo Docente devidamente comprometido com a qualidade do ensino desta organização. Com a elaboração deste Guia, intencionamos oferecer informações facilitadoras da prática docente e auxiliar o professor em questões relacionadas ao processo ensino aprendizagem. Esperamos que este Guia seja utilizado como forte aliado para disseminar conhecimento, atingindo assim os seus objetivos como educador. Bom trabalho! Mantenedora Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI/RS Av. Assis Brasil, 8787 Porto Alegre Site: Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre Av. Assis Brasil, Porto Alegre - RS Site: Fone: (51) Diretora Dra. Adriana Rivoire Menelli de Oliveira Fone: (51) Supervisora de Educação e Tecnologia Esp. Clarice Bellebone Klein Fone: (51) Administração Edelhardt Krause Filho Fone: (51) Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Me. Alexandre Gaspary Haupt Fone: (51) Coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações Me. Leandro José Cassol Fone: (51)

5 Secretária Acadêmica e Pesquisadora Institucional Sandra Regina Lopes Vieira Fone: (51) Orientadora Pedagógica Me. Dione Danesi Gallo de Araújo Fone: (51) Bibliotecária Esp. Gilmara Freitas Gomes Fone: (51) NAP Núcleo de Apoio Psicopedagógico Esp. Marília Gluck Loureiro Marques Fone: (51) CPA Comissão Própria de Avaliação Coordenadora: Audrey Castilhos de Oliveira Local: sala 260 Fone: (51) Ouvidoria Ouvidora: Audrey Castilhos de Oliveira Local: sala 260 Fone:

6 2. LOCALIZAÇÃO 2.1 Código de Numeração das Salas Bloco Andar Número Sala

7 3. NOSSA HISTÓRIA O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial SENAI foi criado em 22 de janeiro de 1942, pelo Decreto Lei nº com a finalidade de formar recursos humanos e dar aporte tecnológico à indústria brasileira que também sofria as consequências da desorganização no mundo, provocada pela II Guerra Mundial. Na ocasião a escassez da oferta de mão de obra qualificada do imigrante europeu, levou os empresários da área da indústria à organização de uma entidade que oferecesse cursos destinados a formar e capacitar profissionais indispensáveis às fábricas, que aos poucos se instalavam, e que atendesse às necessidades do mercado de trabalho. Com uma experiência de sete décadas de atividades, o SENAI, instituição de direito privado mantido através de contribuição compulsória das indústrias, atua em Educação Profissional, na prestação de serviços de consultoria, em apoio tecnológico, na pesquisa aplicada, na captação e transferência de tecnologias, em serviços laboratoriais e disseminação de informação tecnológica gerando soluções que garantem a inovação, a competitividade e a excelência na formação de profissionais para as empresas industriais. A rede SENAI-RS compreende o Departamento Regional e Unidades Operacionais, fixas (Faculdade, Centros Tecnológicos, Escolas de Educação Profissional, Centros de Educação Profissional e Agências de Educação Profissional), móveis, outras extensões e unidades semipermanentes. Atua intensamente na educação profissional, em todos os níveis (formação inicial e continuada, nível técnico, graduação tecnológica e pós-graduação). A Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre foi credenciada pelo MEC, em Sua trajetória é recente, pois iniciou as primeiras turmas dos cursos superiores no primeiro semestre de 2007, porém já está gradativamente ampliando sua atuação na educação profissional e em serviços, com vistas à inovação e aperfeiçoamento contínuo e ao atendimento às demandas da região metropolitana da grande Porto Alegre. Na proposta de atuação estão os cursos de pós-graduação lato sensu, direcionados à determinada área profissional e de mercado, tendo caráter de educação continuada. O instrumento norteador de suas ações é o PDI - Projeto Pedagógico Institucional, elaborado em consonância com a Missão Institucional, a Política da Qualidade, os Valores, os Projetos Pedagógicos dos Cursos, a legislação educacional e a sua realidade. A partir desse compromisso, a instituição define sua política de trabalho em consonância com as necessidades e expectativas gerais da sociedade local e em interface permanente com o mercado de trabalho global e com o sistema educacional. Nossa Missão é: Promover a educação profissional e tecnológica, a inovação e a transferência de tecnologias industriais, contribuindo para elevar a competitividade da Indústria Brasileira. Pretendemos até 2017: Apoiar as ações do SENAI para a sua consolidação como o líder nacional em educação profissional e tecnológica e ser reconhecido como indutor da inovação e da transferência de tecnologias para a Indústria Brasileira, atuando com padrão internacional de excelência. Sustentamos nossas ações nos seguintes Princípios e Valores:

8 Livre Iniciativa Ética Transparência Satisfação dos Clientes Alta Performance Valorização das Pessoas 4. DOCUMENTOS LEGAIS E NORMATIVOS Muito importante dedicar algum tempo do seu trabalho para estudar os principais documentos orientadores das atividades acadêmicas. Você os encontrará na secretaria ou com o coordenador de curso. CREDENCIAMENTO DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE - Portaria MEC nº de 03/11/ D.O.U. 06/11/2006 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES - Autorizado pela Portaria MEC nº 173, D.O.U. 24/11/2006 e reconhecido com conceito 4 pela Portaria MEC nº 446 de 1/11/ D.O.U. 3/11/2011 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL - Autorizado pela Portaria MEC nº 173, D.O.U. 24/11/2006 e reconhecido com conceito 4 pela Portaria MEC nº 490 de 20/12/ D.O.U 23/12/2011 CREDENCIAMENTO JUNTO AO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - Resolução nº 37, Publicada no D.O. U em 26/10/ Pelo CATI Comitê da Área de Tecnologia da Informação Regimento Interno PDI - Plano de Desenvolvimento Institucional PPC - Projeto Pedagógico do Curso Superior de Automação Industrial PPC - Projeto Pedagógico do Curso Superior de Sistemas de Telecomunicações Resoluções e Regulamentos Internos Estes documentos encontram-se no Moodle e na Secretaria Acadêmica.

9 5. ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR É imprescindível para a atividade docente que o professor tenha domínio do Projeto Pedagógico do Curso - PPC aplicando integralmente suas orientações. 5.1 Normas funcionais e pedagógicas A tolerância para o registro do ponto é de - 5 minutos na entrada e de + 5 minutos na saída. É obrigatório que o professor cumpra em sala de aula os horários estabelecidos pela instituição: Currículos em Extinção - Manhã: das 8h às 12h com intervalo das 9h45min às 10h - Noite: das 19h às 23h com intervalo das 20h45min às 21h Currículos Novos - Manhã: das 8h30 às 12h com intervalo das 9h45min às 10h - Noite: das 19h às 22h30 com intervalo das 20h45min às 21h A participação de turmas em eventos (palestras, visitas, seminários, troca de salas, troca de professores) pode ser realizada somente com a autorização prévia da coordenação do curso. Na página inicial do Moodle, no menu principal, o aluno pode acessar o relatório de atividades curriculares em curso e já cursadas.

10 O professor deve cumprir seu horário funcional. Qualquer alteração neste horário deve ter autorização prévia da coordenação do curso utilizando para isto um formulário específico. Caso o professor necessite faltar em horário que deveria estar em sala de aula/laboratório, deve comunicar antecipadamente ao Coordenador de Curso, sendo de sua responsabilidade providenciar substituição e o cumprimento da carga horária da Unidade Curricular (aspecto legal), não sendo permitida a compensação destas horas em atividades extraclasse. A frequência e o aproveitamento do aluno devem ser atualizados regularmente no ambiente Moodle. A frequência deve ser atualizada diariamente e as datas limites para as publicações de grau estão divulgadas no calendário acadêmico. 5.2 Frequência Acadêmica O professor deve registrar a frequência do aluno diariamente. A frequência mínima exigida para a aprovação é de 75% (setenta e cinco por cento) do total da carga horária das Unidades Curriculares do Módulo em que o aluno estiver matriculado, salvo os casos amparados por legislação vigente. 5.3 Diário de Classe O preenchimento correto do Diário de Classe da Unidade Curricular é de responsabilidade do(s) docente(s). A partir de 2013/1 o diário de classe deve ser preenchido no ambiente Moodle. Os conteúdos trabalhados em aula devem estar de acordo com o previsto no Plano de Ensino e alinhados ao Projeto Pedagógico do Curso PPC, sendo registrados em completa conformidade com a respectiva ementa. Observar que rasuras não são permitidas, conforme legislação e procedimentos da qualidade vigentes. É proibida a inclusão/alteração de alunos ou dados no diário de classe, sem prévia autorização da secretaria. Alunos não matriculados não podem assistir às aulas. O registro de frequência deve ser realizado no início e no final da aula, devendo este procedimento ser informado aos acadêmicos no 1º dia de aula. O registro de frequência deve ser atualizado no Moodle e finalizado por todos os professores ao final de cada mês. Ao final de cada módulo, o diário de classe deve ser impresso, conferido e assinado por todos os professores da Unidade Curricular, devendo ser entregue à coordenação até a data indicada no Calendário Acadêmico. Os Exercícios Domiciliares autorizados pela coordenação de curso devem ser registrados em formulário próprio e no campo observações do diário de classe (O aluno fulano realizou exercícios Domiciliares no período de / / a / /, totalizando xx h, conforme legislação vigente e normas internas da IES). Os conteúdos trabalhados nas aulas devem ser registrados diariamente no ambiente Moodle. 5.4 Plano de Ensino O Plano de Ensino deve ser entregue impresso e protocolado na Supervisão e Educação e Tecnologia e postado no MOODLE antes do início do período letivo. O Plano de Ensino deve ser apresentado pelo professor no primeiro dia de aula e retomado com os alunos durante o semestre letivo. Os professores devem cumprir o cronograma e os critérios de avaliação estabelecidos no Plano de Ensino.

11 É de responsabilidade do professor informar aos alunos os critérios de avaliação utilizados na Unidade Curricular, esclarecendo dúvidas sempre que necessário. Durante o semestre letivo é obrigatória a realização de pelo menos três avaliações. Os resultados das avaliações devem ser postados no MOODLE. As avaliações e trabalhos realizados devem ser devolvidos aos alunos. Recomenda-se que os instrumentos de avaliação sejam diversificados de forma a avaliar as competências adquiridas (mobilização de conhecimentos, habilidades e atitudes). Nos cursos em extinção, tem direito a AVALIAÇÃO FINAL (não é recuperação) o aluno que obteve conceito C em apenas UMA Unidade Curricular. A AVALIAÇÃO FINAL avalia todo o conteúdo da Unidade Curricular e deve ser elaborada em conjunto pelos professores da Unidade. 5.5 Recuperação Paralela A recuperação paralela tem caráter processual e acontece a partir da identificação das dificuldades do aluno. Devem ser disponibilizadas atividades de apoio (correção da prova, aula de reforço, exercícios, etc.) de forma simultânea e integrada ao processo de ensino e aprendizagem. As atividades de recuperação de conteúdos devem ser REGISTRADAS no diário de classe no campo CONTEÚDOS/ATIVIDADES: Recuperação dos conteúdos xxx, yyy, mediante correção de prova, exercícios, etc. Na semana definida no calendário acadêmico, deve ser oferecida ao aluno a oportunidade de recuperar os padrões de desempenho Não Demonstrados. O conceito obtido na avaliação de recuperação substitui o conceito anterior. 6. CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA O curso de tecnólogo é uma modalidade de curso superior, que se concentra em uma área específica do conhecimento e é voltada para o mercado de trabalho. Embora tenha a sua origem no setor de tecnologia, hoje atua em diversas áreas, tais como: gestão, comércio, turismo e comunicação. Os cursos de tecnologia possuem um tempo de formação menor, possibilitando ao aluno ingressar mais rapidamente no mercado. A Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre oferece dois cursos: 6.1 Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações Que profissão é esta: Tecnólogo em Sistemas de Telecomunicações O Tecnólogo em Sistemas de Telecomunicações é o profissional capaz de desenvolver e implantar soluções de redes e sistemas de telecomunicações, e gerenciar a operação e manutenção, de acordo com metodologias e padrões de desenvolvimento, adotando normas técnicas, de qualidade, de saúde e segurança do trabalho e preservação ambiental. São competências desenvolvidas no Curso Superior de Tecnologia em Sistemas de Telecomunicações: Estabelecer a logística do projeto interpretando a topologia, a infraestrutura do sistema e atendendo aos processos administrativos, de recursos humanos, da legislação específica.

12 Implementar o projeto elaborando plano de ação, interpretando diagramas elétricos e lógicos, estabelecendo cronograma, normas e processos de execução e definindo contingências de execução. Desenvolver e coordenar equipes de trabalho, identificando necessidades, planejando as atividades com os integrantes da equipe. Orientar e integrar equipes de trabalho, supervisionando a execução das atividades, desenvolvendo planos de treinamento e avaliando o desempenho individual e coletivo da equipe. Monitorar o desempenho do sistema estabelecendo critérios de indicadores, utilizando os instrumentos de medição, aplicativos em computadores e aplicando os parâmetros de desempenho definidos. Avaliar o desempenho do sistema identificando e aplicando os métodos de avaliação analisando os resultados e implementando melhorias. Planejar e executar a manutenção preventiva otimizando o desempenho do sistema, revisando e atualizando periodicamente os planos. Executar a manutenção corretiva identificando as anormalidades nos planos de manutenção preventiva dos equipamentos e softwares dos sistemas de comunicações, identificando oportunidades de melhoria e implementando as correções definidas no desempenho do sistema. Conceber a solução otimizada definindo custos, tecnologia, equipamentos e instrumentos a serem utilizados e atendendo Normas e Legislação vigentes. Executar o projeto, elaborando plano de ação, cronograma e definindo contingências de execução. Certificar os sistemas de telecomunicações, verificando e aceitando a execução, validando e emitindo a documentação definitiva; emitindo laudo de pendência, definindo e mensurando parâmetros de desempenho dos sistemas, emitindo laudo de pendência e elaborando manual de operação dos sistemas. Orientar a equipe de trabalho para a utilização racional dos recursos disponíveis e na aplicação dos procedimentos de gestão e garantia da qualidade. Participar do desenvolvimento de pesquisas da área técnica da empresa com a finalidade de analisar melhorias nos sistemas e serviços. Responsabilizar-se tecnicamente perante os órgãos competentes. Propor, implementar e apoiar ideias inovadoras considerando a evolução e o desenvolvimento tecnológico. Elaborar propostas de racionalização de energia, redução dos custos e melhorias na produção/serviço. Adaptar-se as mudanças tecnológicas, organizativas, profissionais e socioculturais que incidem nas suas atividades profissionais no mercado. Desenvolver a liderança da equipe com ética, dinamismo, iniciativa, criatividade e responsabilidade. Respeitar e fazer respeitar os procedimentos técnicos, legislação específica de saúde, segurança e meio ambiente. Desenvolver e manter relações interpessoais, através da comunicação, interação e cooperação respeitando os valores éticos e raciais. Negociar com os interlocutores implicados para a introdução de melhorias que otimizem os produtos ou serviços.

13 6.1.2 Estrutura curricular (Currículos em extinção progressiva) Aprovada pela Resolução do Conselho Superior nº 13 de 05/07/2010 Módulo I Certificações Parciais UC11 - Instalação Elétrica para Telecomunicações - 240h UC12 - Expressões Gráficas - 160h Módulo II UC21 Sistemas de Telecomunicações - 240h UC22 Processos da Qualidade - 80h UC23 Redes de Comunicação de Dados - 80h Libras Unidade Curricular Optativa 80h (*) Módulo III UC31 - Eletrônica - 160h UC32 Sistemas de Comunicação Analógicos - 160h UC33 - Roteamento em Redes - 80h Instalador de Sistemas de Telecomunicações Módulo IV UC41 Administração de Redes - 80h UC42 Sistemas de Transmissão e Recepção Digital -240h UC43 Comutação de Redes Locais - 80h Módulo V UC52 Aplicações e Gerenciamento de Redes - 160h UC51 Segurança em Redes -160h UC53 Tecnologias de Redes Geograficamente Distribuídas - 80h Mantenedor de Sistemas de Telecomunicações Módulo VI UC61 - Sistemas Móveis de Rede - 160h UC62 Projeto de Integração - 240h Módulo VII TCC - Trabalho de conclusão de Curso 200h Integrador de Sistemas de Telecomunicações Estrutura curricular válida a partir de 2010/2 (*) Pode ser cursada em qualquer módulo a partir do Módulo 2 Certificações Intermediárias O currículo do curso possibilita certificações que oportunizam a inserção e valorização do aluno no mercado de trabalho durante o período de formação. Ao longo do curso o aluno irá obter 3 (três) certificações de qualificação profissional de nível tecnológico que expressam as grandes unidades de competências do curso (Instalar, Manter e Integrar) e 4 (quatro) certificações do programa Cisco CCNA Exploration, que está integrado ao currículo do curso de Sistemas de Telecomunicações. A integração do programa Cisco CCNA Exploration ao currículo do curso visa fornecer aos alunos um diferencial em termos de capacitação para o mercado de trabalho, uma vez que o programa é mundialmente conhecido na preparação de estudantes para novas oportunidades de

14 carreira profissional na área de redes de comunicação de dados sendo considerado como prérequisito para ingresso em muitas empresas que atuam nesta área. São previstas as seguintes certificações intermediárias, ao aluno. Conclusão de UC ou Módulo UC23 Certificado Intermediário Recebido CCNA Exploration: Fundamentos de Rede UC33 CCNA Exploration: Conceitos e Protocolos de Roteamento UC43 CCNA Exploration: Switching LAN e Redes sem fio UC53 Módulo II Módulo IV Módulo VI CCNA Exploration: Acessando à WAN Qualificação Profissional de Nível Tecnológico de Instalador de Sistemas de Telecomunicações; Qualificação Profissional de Nível Tecnológico de Mantenedor de Sistemas de Telecomunicações Qualificação Profissional de Nível Tecnológico de Integrador de Sistemas de Telecomunicações Estrutura Curricular do Curso (Currículo novo ingresso a partir de 2013/1) SEMESTRE CÓDIGO NOME DA UNIDADE CURRICULAR CRED C.H. S011 Comunicação e Metodologia de Pesquisa 4 S066 Redes de Comunicação de Dados 4 1 S016 Desenho Técnico 4 S051 Princípios de Telecomunicações 4 S007 Cálculo Básico 4 S0 Roteamento em Redes 4 S002 Análise de Circuitos 4 2 S053 Programação Básica 4 S008 Cálculo Diferencial e Integral 4 S037 Infraestrutura de Redes de Comunicação de Dados 4

15 SEMESTRE CÓDIGO NOME DA UNIDADE CURRICULAR CRED C.H. S013 Comutação de Redes Locais 4 S088 Sistemas Operacionais de Código Aberto 4 3 S019 Eletrônica Analógica 4 S047 Matemática Aplicada 4 S027 Estatística Aplicada à Engenharia 4 S093 Tecnologias de Redes de Longas Distâncias 4 4 S074 Serviços com Sistemas Operacionais de Código Aberto S021 Eletrônica Digital 4 4 S076 Sistemas de Comunicação Analógicos 4 S065 Redes de Acesso 4 S010 Comunicação Digital 4 S071 Segurança de Redes 4 5 Optativa 1 4 S035 Gerenciamento de Redes 4 S033 Gerência de Projeto 4 S003 Antenas e Propagação 4 S092 Tecnologia de Redes de Banda Larga 4 6 S048 Metodologia para Elaboração do TCC 4 S095 Tópicos Especiais 4 Optativa 2 4 S068 Redes sem Fio 4 7 S062 Projeto Prático de Redes e Telecom 4 S012 Comunicações Multimídia 4

16 SEMESTRE CÓDIGO NOME DA UNIDADE CURRICULAR CRED C.H. S025 Engenharia Econômica 4 S023 Empreendedorismo 4 S096 Trabalho de Conclusão de Curso 4 Atividades Complementares TOTAL DO CURSO (SEM TCC) TOTAL DO CURSO (COM TCC) UNIDADES CURRICULARES OPTATIVAS CÓDIDO NOME DA UNIDADE CURRICULAR CRED. C.H. [horas] S029 Ética e Legislação 4 S043 Libras 4 S044 Liderança e Gestão Organizacional 4 S057 Programação WEB 4 S049 Modelagem de Banco de Dados 4 S085 Sistemas Distribuídos 4 Certificações Intermediárias O currículo do curso possibilita certificações que oportunizam a inserção e valorização do aluno no mercado de trabalho durante o período de formação. Ao longo do curso o aluno irá obter 4 (quatro) certificações do programa Cisco CCNA Exploration, que está integrado ao currículo do curso de Sistemas de Telecomunicações. A integração do programa Cisco CCNA Exploration ao currículo do curso visa fornecer aos alunos um diferencial em termos de capacitação para o mercado de trabalho, uma vez que o programa é mundialmente conhecido na preparação de estudantes para novas oportunidades de carreira profissional na área de redes de comunicação de dados sendo considerado como prérequisito para ingresso em muitas empresas que atuam nesta área. São previstas as seguintes certificações intermediárias, ao aluno. UC Concluída S066 Redes de Comunicação de Dados S0 Roteamento em Redes S013 Comutação de Redes Locais S093 Tecnologias de Redes de Longas Distâncias Certificado Intermediário Recebido CCNA Exploration: Fundamentos de Rede CCNA Exploration: Conceitos e Protocolos de Roteamento CCNA Exploration: Switching LAN e Redes sem fio CCNA Exploration: Acessando à WAN

17 6.2 Curso Superior de Tecnologia em Automação Industrial Que profissão é esta: Tecnólogo em Automação Industrial O Tecnólogo em Automação Industrial é um profissional a serviço da modernização das técnicas de produção utilizadas no setor industrial, atuando no planejamento, instalação e supervisão de sistemas de integração e automação. Esse profissional atua na automatização dos chamados processos contínuos que envolvem a transformação ininterrupta de materiais, por meio de operações biofísico-químicas. Na sua atividade de execução de projetos, instalação e supervisão de sistemas de automação são bastante empregadas, tecnologias como controladores lógicos, sensores, transdutores, redes industriais, controles de temperatura, pressão, vazão, atuadores eletropneumáticos, sistemas supervisórios, entre outras. Serão competências desenvolvidas no CST em Automação Industrial: Agir com empreendedorismo no desenvolvimento das atividades. Coordenar equipes para a instalação, demonstrando atitude de liderança, cooperação e interação. Definir soluções, equipamentos e materiais, verificando as alternativas de automação do processo, selecionando a mais viável, considerando os aspectos técnicos e econômicos. Desenvolver ações coerentes com a política referente a qualidade total e ao sistema de garantia de qualidade implementados pela empresa. Desenvolver e manter relações interpessoais e a coordenação de equipes, através da comunicação, liderança, interação, cooperação e aplicando os princípios da ética. Documentar tecnicamente o projeto, emitindo memorial descritivo e elaborando manual. Efetuar posta-em-marcha startup para validação do sistema. Especificar equipamentos, interpretando catálogos e manuais de fabricantes e interagindo com fornecedores. Executar a manutenção corretiva, diagnosticando e solucionando o problema. Identificar possíveis problemas durante o processo de planejamento do produto ou serviço e resolver os problemas que se apresentam durante sua realização. Implementar possíveis mudanças orientadas para a evolução e o desenvolvimento tecnológico. Instalar Sistemas automatizados, interpretando o projeto, planejando a instalação. Manter a performance do processo produtivo através da parametrização e ajuste de equipamentos, acompanhando o funcionamento do sistema, efetuando ajustes e aplicando melhoria continua. Manter os registros as alterações técnicas do projeto, atualizando a documentação técnica do sistema automatizado. Negociar com os interlocutores implicados para a introdução de melhorias que otimizem os produtos ou serviços. Orientar usuários e clientes através de comunicação verbal e escrita. Planejar e executar a manutenção preditiva e preventiva de sistemas automatizados. Programar, parametrizar e ajustar equipamentos do sistema, interpretando o projeto e efetuando os testes. Resolver situações de conflito, analisando as variáveis envolvidas e suas possíveis causas, buscando o consenso na resolução dos impasses ocorridos. Respeitar e fazer respeitar os procedimentos técnicos, legislação específica de saúde, segurança e meio ambiente. Utilizar as ferramentas e procedimentos de gestão da qualidade implantados pela empresa.

18 6.2.2 Estrutura curricular (Currículos em Extinção Progressiva) Aprovada pela resolução do Conselho Superior nº 19 de 17/12/2010 Módulo I Certificações Parciais UC11 Instalação Elétrica para Automação 240h UC12 Desenho Técnico 80h UC13 Redação Técnica 80h Módulo II UC21 Eletricidade Industrial 80h UC22 Processos da Qualidade 80h UC23 Sistemas Eletropneumáticos 80h UC24 Cálculo Diferencial e Integral - 80h UC25 Introdução à Automação Industrial 80h Libras Unidade Curricular Optativa 80h (*) Módulo III UC31 Sistemas de Automação Industrial 160h UC32 Eletrônica 160h UC33 Manutenção Mecânica Preventiva 80h Instalador de Sistemas de Automação Industrial Módulo IV UC41 Manutenção de Sistemas Automatizados 160h UC42 Manutenção Eletrônica 80h UC43 Manutenção Mecânica 160h Módulo V UC51 Integração Eletrônica 160h UC52 Controle 160h UC53 Processos de Automação na Manufatura 80h Mantenedor de Sistemas de Automação Industrial Módulo VI UC61 Controle Distribuído de Processos 80h UC62 Projetos de Integração 240h UC63 Instrumentação 80h Módulo VII TCC - Trabalho de conclusão de Curso 200h Estrutura curricular válida a partir de 2011/2 Integrador de Sistemas de Automação Industrial *Pode ser cursada em qualquer módulo a partir do Módulo 2 Certificações Intermediárias

19 O curso possibilita certificações que oportunizam a inserção e valorização do aluno no mercado de trabalho durante o período de formação. Ao longo do curso o aluno irá obter 3 (três) certificações de qualificação profissional de nível tecnológico que expressam as grandes unidades de competências do curso (Instalar, Manter e Integrar). São previstas as seguintes certificações intermediárias, ao aluno. Conclusão de UC ou Módulo Módulo II Módulo IV Módulo VI Certificado Intermediário Recebido Qualificação Profissional de Nível Tecnológico de Instalador de Sistemas de Automação Industrial; Qualificação Profissional de Nível Tecnológico de Mantenedor de Sistemas de Automação Industrial Qualificação Profissional de Nível Tecnológico de Integrador de Sistemas de Automação Industrial Estrutura Curricular do Curso (Currículo novo - a partir de 2013/1) SEMESTRE CÓDIGO NOME DA UNIDADE CURRICULAR CRED C.H. S041 Introdução à Automação Industrial 4 S011 Comunicação e Metodologia de Pesquisa 4 1 S016 Desenho Técnico 4 S053 Programação Básica 4 S007 Cálculo Básico 4 S002 Análise de Circuitos 4 S014 Controladores Industriais 4 2 S022 Eletrotécnica 4 S030 Física Aplicada à Engenharia 4 S008 Cálculo Diferencial e Integral 4 3 S019 Eletrônica Analógica 4 S021 Eletrônica Digital 4

20 SEMESTRE CÓDIGO NOME DA UNIDADE CURRICULAR CRED C.H. 3 S050 Pneumática e Hidráulica 4 S046 Máquinas Elétricas 4 S026 Equações Diferenciais e Transformadas 4 S067 Redes Industriais 4 S020 Eletrônica de Potência 4 4 S045 Manutenção Industrial 4 S086 Sistemas Microprocessados 4 S082 Sistemas de Manufatura 4 S015 Controle Distribuído de Processos 4 S023 Empreendedorismo 4 5 S077 Sistemas de Controle 4 S056 Programação Orientada a Objetos 4 S038 Instrumentação Industrial 4 S080 Sistemas de Controle Digital 4 S025 Engenharia Econômica 4 6 S079 Sistemas de Controle 2 4 S048 Metodologia para elaboração do TCC 4 S069 Robótica 4 S059 Projeto de Sistemas de Automação 4 7 S018 Eficiência de Sistemas Automatizados 4 Optativa 1 4 S006 Automação para Sistemas de Energia 4

GUIA ACADÊMICO 1º SEMESTRE DE

GUIA ACADÊMICO 1º SEMESTRE DE 1º SEMESTRE DE 2014 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 3 2 NOSSA LOCALIZAÇÃO... 5 3 NOSSA HISTÓRIA... 6 4 DOCUMENTOS LEGAIS E NORMATIVOS... 7 5 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA... 8 5.1 Curso Superior de Tecnologia

Leia mais

SUMÁRIO. Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre www.senairs.org.br/faculdade

SUMÁRIO. Faculdade de Tecnologia SENAI Porto Alegre www.senairs.org.br/faculdade GUIA ACADÊMICO SUMÁRIO 1 - INFORMAÇÕES... 4 2 LOCALIZAÇÃO... 6 2.1 Código de Numeração das Salas...6 3. HISTÓRICO DA MANTENEDORA E DA FACULDADE... 7 3.1 Histórico da Mantenedora...7 3.2 Histórico da Faculdade...7

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS

RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS RESOLUÇÃO N o 38 de 30/12/2011 - CAS O Conselho Acadêmico Superior (CAS), no uso de suas atribuições conferidas pelo Estatuto da Universidade Positivo (UP), dispõe sobre as normas acadêmicas dos cursos

Leia mais

Faculdade Escola Paulista de Direito

Faculdade Escola Paulista de Direito Faculdade Escola Paulista de Direito MANUAL DO ALUNO Este manual tem por finalidade informar à comunidade universitária as normas e os procedimentos acadêmicos institucionais da Faculdade Escola Paulista

Leia mais

Portal do Aluno Parfor UFPA

Portal do Aluno Parfor UFPA Do Ingresso do Professor de Educação Básica no PARFOR/UFPA O ingresso do professor da Educação básica como aluno do PARFOR na UFPA dar-se-á através de algumas etapas. A primeira delas é a inscrição dos

Leia mais

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS

FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO UBERABA MG INSTITUTO EDUCACIONAL GUILHERME DORÇA PRESIDENTE: LUIZ HUMBERTO DORÇA FACULDADE DE TALENTOS HUMANOS DIRETOR

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO

NORMAS COMPLEMENTARES À RESOLUÇÃO Nº 684/09 CONSEPE, REFERENTE À PRÁTICA DE ENSINO/ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO SUPERVISIONADO UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS COORDENADORIA DE LICENCIATURA EM TEATRO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM TEATRO NORMAS COMPLEMENTARES

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

10/04/2015 regeral_133_146

10/04/2015 regeral_133_146 Seção VI Da Transferência Art. 96. A UNIR aceita transferência de discentes oriundos de outras instituições de educação superior, de cursos devidamente autorizados, para cursos afins, na hipótese de existência

Leia mais

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares

REGULAMENTO DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS ESUDA. Capítulo I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Preliminares Art. 1º Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Faculdade de Ciências Humanas ESUDA orientam-se pelas normas especificadas neste Regulamento e estão sujeitos ao

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da UNINOVA destinam-se a portadores de diploma de nível superior,

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS

DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DAS FACULDADES INTEGRADAS DE VITÓRIA DOS CURSOS E SEUS OBJETIVOS Disciplina os Cursos de Pós- Graduação Lato Sensu nas modalidades Acadêmica e Profissionalizante

Leia mais

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO PORTARIA Nº. 14/REITORIA/10, de 5 de julho de 2010 CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Institui e estabelece critérios para o Aproveitamento de Estudos e Verificação de Proficiência para fins de certificação

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS

REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS REGIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MODELAGEM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DA CONCEPÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º. O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Modelagem Matemática da UNIJUÍ Universidade

Leia mais

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL

Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL Regulamento dos Cursos do Programa ESMP-VIRTUAL A DIRETORA DA ESCOLA SUPERIOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS no exercício de suas atribuições legais, com fundamento no art. 65, inciso II da Lei

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA

RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA RESOLUÇÃO FADISA N.º 005/2008 CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO FADISA O Presidente do CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE DIREITO SANTO AGOSTINHO - FADISA, Professor Ms. ANTÔNIO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada

Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Regulamento dos Cursos da Diretoria de Educação Continuada Art. 1º Os Cursos ofertados pela Diretoria de Educação Continuada da Universidade Nove de Julho UNINOVE regem-se pela legislação vigente, pelo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DO ICSP/FESP CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS 1 FESP ICSP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CGC/MF: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua General Carneiro, 216 Fone/Fax (0xx41) 264-3311

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Rio de Janeiro, 2003 CAPÍTULO I DOS CURSOS: MODALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º. Em conformidade com o Regimento Geral de nos termos da Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica

Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica Regulamento de Estágio Supervisionado do Curso de Engenharia Elétrica 1. APRESENTAÇÃO O Estágio Curricular Supervisionado Obrigatório no curso de Engenharia Elétrica é uma atividade curricular obrigatória

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 04, DE 09 DE JUNHO DE 2015 Institui regulamento referente ao Trabalho de Conclusão de Curso para o curso de Medicina do Instituto Metropolitano de Ensino Superior. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação da UNIABEU são regidos pela Lei Federal 9394/96 Lei de Diretrizes

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU DO COLEGIADO DE CURSO Art. 1º O colegiado de curso é órgão consultivo da Coordenação de Curso, destinado a subsidiar a

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Logística da FAE Blumenau.

R E S O L U Ç Ã O. Fica aprovado o Regulamento de Projeto Integrador do Curso Superior de Tecnologia em Logística da FAE Blumenau. RESOLUÇÃO CSA N.º 12/2010 APROVA O REGULAMENTO DE PROJETO INTEGRADOR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM LOGÍSTICA DA FAE BLUMENAU. O Presidente do Conselho Superior de Administração CSA, no uso das atribuições

Leia mais

Regulamento de Matrícula

Regulamento de Matrícula Regulamento de Matrícula A Coordenadora do Curso de Direito da Faculdade Processus, juntamente com a Diretora do Curso, no exercício de suas atribuições, com o intuito de normatizar a efetividade e dinâmica

Leia mais

Lato Sensu - Especialização

Lato Sensu - Especialização Regulamento Geral do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu - Especialização da Fundação Educacional de Além

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO Art. 1º O presente conjunto de regras tem por finalidade normatizar as atividades que compõem o núcleo flexível do Currículo de Graduação em Direito e cujo

Leia mais

Faculdade SENAI de Tecnologia Porto Alegre

Faculdade SENAI de Tecnologia Porto Alegre Faculdade SENAI de Tecnologia Porto Alegre desenvolvendo talentos em Telecomunicações e Redes de Computadores Coordenador: MSc. Leandro J. Cassol Faculdade SENAI de Tecnologia Porto Alegre Educação Brasileira

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO Departamento de Administração

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO Departamento de Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E DE TURISMO Departamento de Administração PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU GESTÃO ESTRATÉGICA DE

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos.

CAPÍTULO I Das definições preliminares, das e dos objetivos. Resolução n.º 03/2010 Regulamenta os Cursos de Pós-Graduação da Faculdade Campo Real. O CONSU Conselho Superior, por meio do Diretor Geral da Faculdade Campo Real, mantida pela UB Campo Real Educacional

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU À DISTÂNCIA TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu à distância da FAZU - Faculdades Associadas de

Leia mais

Perguntas frequentes:

Perguntas frequentes: Perguntas frequentes: 1. Enade 1.1. Qual a legislação pertinente ao Enade? Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004: Criação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes) Portaria Normativa

Leia mais

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização

Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Regulamento do Núcleo de Pós- Graduação Lato Sensu - Especialização Juiz de Fora-MG Regulamento do Núcleo de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015. Rev.: 10 10/02/2015 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ATIVIDADES COMPLEMENTARES INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2015 Rev.: 10 10/02/2015 CURITIBA 2015 1 SUMÁRIO CAPITULO I DAS ATIVIDADES... 2 CAPITULO II - DO APROVEITAMENTO DAS ATIVIDADES...

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

Formação de Formadores

Formação de Formadores REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: Formação de Formadores São Paulo 2012 1 Sumário Título I Da Constituição do Programa... 03 Capítulo I Dos Fins e Objetivos... 03 Capítulo II

Leia mais

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA

3 DAS CONDIÇÕES DA MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA EDITAL DE MATRÍCULA ESPECIAL E TRANSFERÊNCIA EXTERNA PARA 2015.2 Edital de 01 de junho de 2015 O Instituto Mantenedor de Ensino Superior - IMES, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen

Faculdade de Tecnologia SENAI Roberto Simonsen 1 SUMÁRIO Conteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. O CURSO... 3 3. PERFIL DO TECNÓLOGO EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL... 3 4. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 3 5. CONDIÇÕES GERAIS DO ESTÁGIO... 5 6. MATRÍCULA...

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE SÃO GOTARDO ltda. Avenida Francisco Resende Filho, 35 - São Gotardo/MG CEP 38800-000 PORTARIA Nº 21, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre a regulamentação dos Programas de Pósgraduação Lato Sensu no âmbito do Centro de Ensino Superior de São Gotardo CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2015

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2015 PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2015 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

Leia mais

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE CASTANHAL CAPÍTULO I DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Art. 1º. As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios,

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PARCERIA TECNOLÓGICA COM O COMPLEXO DE ENSINO RENATO SARAIVA (CERS) Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA - ACITA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO GERAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DA FAIT ATUALIZADO EM 22 DE MAIO DE 2013. PARA VIGÊNCIA A PARTIR DE 2013 2º SEMESTRE Itapeva- SP 1 ANO DE 2013 - REGULAMENTO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES

CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CENTRO UNIVERSITÁRIO AUTÔNOMO DO BRASIL CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFESSOR ME. ORLEI JOSÉ POMBEIRO REGULAMENTO ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURITIBA 2015 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC

Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC FACULDADE DA IGREJA MINISTÉRIO FAMA Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão CONSEPE Coordenação de Pós-Graduação, Extensão e Atividade Complementares CEPAC Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS

ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS Curso de Mestrado Profissional em Administração Pública MAP Pós Graduação Stricto Sensu FGV/EBAPE REGULAMENTO TÍTULO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA UNIVERSIDADE BRAZ CUBAS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu da Universidade Braz Cubas oferecidos nas

Leia mais

SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR AMADEUS FACULDADE AMADEUS GUIA ACADÊMICO ARACAJU/SE

SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR AMADEUS FACULDADE AMADEUS GUIA ACADÊMICO ARACAJU/SE SOCIEDADE DE ENSINO SUPERIOR AMADEUS FACULDADE AMADEUS GUIA ACADÊMICO ARACAJU/SE SUMÁRIO 1. A INSTITUIÇÃO 04 1.1. ÓRGÃOS DA FACULDADE 04 2. MISSÃO 04 3. CURSOS OFERECIDOS 04 4. INFORMAÇÕES ACADÊMICAS 04

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO REGULAMENTOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO 1. Admissão aos Cursos 2. Matrícula Inicial 3. Matrícula em Disciplinas 4. Alteração de Matrícula em Disciplinas 5. Progressão nas Séries 6. Coeficiente de Rendimento

Leia mais

REGULAMENTO SOBRE PROCESSO DE REGIME DE EXERCÍCIOS DOMICILIARES E ABONOS DE FALTAS

REGULAMENTO SOBRE PROCESSO DE REGIME DE EXERCÍCIOS DOMICILIARES E ABONOS DE FALTAS REGULAMENTO SOBRE PROCESSO DE REGIME DE EXERCÍCIOS DOMICILIARES E ABONOS DE FALTAS Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 30 de junho de

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO

Regulamento das Atividades Complementares Obrigatórias ACO Art. 1º. Este Regulamento tem por finalidade regular o aproveitamento e a validação das Atividades Complementares Obrigatórias ACO que compõem a Matriz Curricular do Curso de Graduação em Administração

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADES DEL REY Sumário Título I... 3 Das disposições Preliminares... 3 Título II... 4 Caracterização do Estágio... 4 Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA NÍVEL MESTRADO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS TÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DO PROGRAMA Art. 1º O Programa de Pós-Graduação em Economia (PPE),

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.640, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

ENADE 2014. 7 - ATENDIMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DA PROVA...Pag. 07 8 - PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO DO ESTUDANTE...Pag. 07

ENADE 2014. 7 - ATENDIMENTO ESPECIAL PARA REALIZAÇÃO DA PROVA...Pag. 07 8 - PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO DO ESTUDANTE...Pag. 07 ENADE 2014 SUMÁRIO 1 - APRESENTAÇÃO...Pag. 02 2 - PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ALUNOS INGRESSANTES... Pag. 02 3 - PROCEDIMENTOS OBRIGATÓRIOS PARA ALUNOS CONCLUINTES... Pag. 03 4 - OFICIALIZAÇÃO DA PARTICIPAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ENGENHARIA DE SOFTWARE, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPGEM Regimento Interno do Curso de Mestrado Acadêmico em Engenharia Mecânica do Programa de Pós Graduação em Engenharia Mecânica Este programa de Pós-Graduação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO

SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO DE CULTURA DE GOIANIA LTDA FACULDADE PADRÃO SUMÁRIO TÍTULO I 3 DA PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU E SEUS OBJETIVOS 3 TÍTULO II 5 DA ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA 5 CAPÍTULO I 5 DA ESTRUTURA 5 CAPÍTULO II 6 DA COORDENAÇÃO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU 6 CAPÍTULO

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR

PROF. RAIMUNDO NONATO DA COSTA SABÓIA VILARINS Presidente do Conselho Universitário Reitor Pro Tempore da UERR Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Geral da Pós Lato Sensu da Universidade Estadual de Roraima. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO E REITOR PRO TEMPORE DA - UERR, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia

Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia Universidade do Vale do Paraíba Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas e Comunicação Curso Superior de Tecnologia em Gastronomia PASSO A PASSO PARA ATIVIDADES PRÁTICAS COMPLEMENTARES São atividades obrigatórias

Leia mais

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009.

RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. RESOLUÇÃO CAS Nº. 25, DE 6 DE AGOSTO DE 2009. Regulamenta o processo de dependência e atendimento especial e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR DO CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL I INTRODUÇÃO O estágio curricular do curso de Serviço Social é uma atividade obrigatória, em consonância com as Diretrizes Curriculares Nacionais

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA, APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS E ACESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA SUPERIOR

REGULAMENTO DOS PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA, APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS E ACESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA SUPERIOR REGULAMENTO DOS PROCESSOS DE TRANSFERÊNCIA, APROVEITAMENTO DE ESTUDOS E COMPETÊNCIAS E ACESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA SUPERIOR (Aplicado aos cursos de Graduação) Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento)

Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento) Normas e Procedimentos para os Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu (MBA, Especialização e Aperfeiçoamento) 1 Contato com alunos O contato com o aluno de Pós-Graduação da UCS acontece, de forma preferencial,

Leia mais

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1

MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 45 (Quarenta e cinco) vagas. PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA MBA EM CONSULTORIA E GESTÃO DE NEGÓCIOS 2014.1 O MBA EM CONSULTORIA & GESTÃO DE NEGÓCIOS,

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014

EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 EDITAL N.º 001/2014 PROCESSO SELETIVO 1º SEMESTRE DE 2014 A Diretora Maria Aparecida Pinto, Diretora da Faculdade de São Lourenço, no uso de suas atribuições, torna público que, no período de 02 de setembro

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais

PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais PROJETO DE CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Gestão e Relações Internacionais IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Curso de Especialização em Gestão e Relações Internacionais Área de Conhecimento: Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL. REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL. REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESTÁCIO DE SÁ PÓS - GRADUAÇÃO NACIONAL REGULAMENTO nº 02/2014 TÍTULO I DAS DIRETRIZES GERAIS PARA OS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 1º - Os cursos de Pós - Graduação lato sensu estão distribuídos

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais