Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL I. Teoria Geral do Direito Processual Civil II. Jurisdição, Ação e Competência III. Processo IV. Formação, Suspensão e Extinção do processo V. Sujeitos da Relação Processual VI. Intervenção de Terceiros, Litisconsórcio e Assistência VII. Atos Processuais VIII. Petição Inicial IX. Resposta do Réu X. Prova XI. Da Sentença e da Coisa Julgada XII. Recursos XIII. Da Execução e do Cumprimento de Sentença XIV. Processo Cautelar XV. Incidente de Uniformização de Jurisprudência e de Inconstitucionalidade XVI. Procedimentos Especiais de Jurisdição Contenciosa e Voluntária XVII. Mandado de Segurança, Ação Popular, Ação Civil Pública e Habeas Data XVIII. Execução Fiscal

2 DIREITO PROCESSUAL CIVIL I. A NORMA PROCESSUAL E SUA CARACTERÍSTICAS (PRINCÍPIOS) O Processo Civil, dada a sua relevância dentro do Direito pátrio, é permeado por princípios constitucionais que orientam e norteiam a interpretação e aplicação de suas normas. Além dos princípios próprios, ditos internos (como o princípio dispositivo, inquisitivo, da instrumentalidade das formas, etc.), temos disposições de grau Constitucional, tais como: a) Princípio da inafastabilidade do controle jurisdicional: Art. 5º, XXXV a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito Cuida-se do direito de ação e de defesa; direito público, subjetivo e abstrato de exigir do Estado a prestação da tutela jurisdicional. É poder decorrente da proibição da auto-tutela do indivíduo, que cede ao estado a função jurisdicional, e encontra-se, portanto, legitimado a requerer a proteção deste sempre que se sentir violado ou ameaçado. Direito de ação e de defesa porque o direito em tela é do autor em propor a ação e do réu em contestá-la. É conexo ao princípio do acesso à justiça que deve ser garantido a todos de forma efetiva e envolve tanto a defesa do direito violado, quanto do ameaçado, envolvendo as tutelas preventivas, cautelares ou não, que também recebem a proteção constitucional. b) Princípio do Devido Processo Legal: Art. 5º, LIV - ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal; O princípio do devido processo legal é considerado por muitos como um superprincípio, que dá origem a todos os outros de forma direta ou indireta, informando tanto o processo quanto o procedimento. Modernamente, inclusive, associa-se a noção de devido processo legal à de processo justo, ou seja, aquele que é regido pelo magistrado natural e competente, que possibilita o acesso à justiça, garante a ampla defesa, o contraditório, etc. 2

3 De fato, independentemente da concepção do devido processo legal que adotarmos (mais ampla ou mais restrita), permanece o fato de que se cuida de um dos princípios mais caros ao processo civil brasileiro. Através dele, garante-se que para que o indivíduo possa sofrer uma alteração em seu patrimônio ou em seu estado, há a necessidade prévia do processo justo, de acordo com os ditames legais, garantindo às partes igualdade de tratamento. É direito fundamental do cidadão e pilar sustentador do Estado Democrático de Direito. c) Princípio do Juiz Natural: Art. 5º, LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão pela autoridade competente; Art. 5º, XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção; A Constituição determina que os processos apenas poderão ser administrados validamente pela autoridade competente, que é aquela investida de jurisdição pelo Estado e com competência para atuar na forma prevista em lei (Constituição Federal, Lei de Organização Judiciária e Código de Processo Civil). Assim, o magistrado que possui a função jurisdicional depende ainda da competência legal para poder conduzir o processo (competência de juízo e de foro). Por outro lado, os incisos proíbem, também, o tribunal de exceção, que é aquele criado em caráter especial ou de exceção, para julgar litígios ocorridos anteriormente a sua própria existência. É princípio que incide, outrossim, sobre membros do Ministério Público, com a exigência, em muitos casos, especialmente na esfera penal, da figura do Promotor natural. d) Princípio do Contraditório: Art. 5º, LV - aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral são assegurados o contraditório e ampla defesa, com os meios e recursos a ela inerentes; O devido processo legal exige, conforme se viu, a necessidade da igualdade entre as partes. A principal consequência dessa exigência é a obrigação de ouvir a pessoa perante a qual será proferida a decisão, garantindo-lhe o pleno direito de defesa e de pronunciamento sempre que contra ela for sustentado ou produzido algo. Ao princípio do contraditório se submetem tanto as partes como o próprio juiz, que haverá de respeitá-lo mesmo naquelas hipóteses em que procede a exame e deliberação de oficio acerca de certas questões que envolvem matéria de ordem pública. 3

4 É princípio absoluto, que deve ser sempre observado, sob pena de nulidade do processo. Pode ocorrer, contudo, que ele seja postergado para um segundo momento, de acordo com a necessidade do caso concreto, por uma composição de princípios como do acesso à justiça e da tutela eficaz (em síntese, do devido processo legal). As liminares, por exemplo, sejam cautelares ou antecipatórias, implicam o adiamento do contraditório, mas nunca sua exclusão. Há três tipos de contraditório: Prévio: modelo geral, aquele que se dá antes do provimento jurisdicional; Postecipado: aquele exercido depois do provimento já ter sido proferido (característico dos procedimentos antecipatórios e cautelares); e Eventual: aqueles que para seu exercício dependem de iniciativa do demandado. e) Princípio da Ampla Defesa art. 5, LV: Não só se garante o direito de se manifestar sobre os fatos alegados pela parte contrária e sobre os provimentos relevantes no curso do processo, como também se garante que, para isso, o indivíduo possa se valer do direito amplo de demonstrar suas versões sobre os fatos. Ou seja, para demonstrar a veracidade de suas alegações o indivíduo tem a sua disposição todos os meios lícitos admitidos em Direito, não podendo receber restrições quanto ao tipo de prova que deverá produzir, salvo ressalva legal. No entanto, conforme se viu, esse princípio sofre mitigações no próprio texto constitucional, quando se impede a produção de provas obtidas por meios ilícitos, por exemplo (art. 5º, LVI). f) Princípio do duplo grau de jurisdição: Também conhecido como princípio da recorribilidade, implica na necessidade de que toda a decisão seja recorrível, como forma de se evitar ou corrigir os erros e falhas que são inerentes aos julgamentos humanos, possibilitando, para isso, a oportunidade da revisão das decisões por outro órgão. Sua existência no ordenamento constitucional, entretanto, é controversa, preponderando o entendimento no STF de que inexiste. Ainda que consideremos sua existência, temos de ressaltar, nada obstante, as exceções a esse princípio no próprio texto constitucional, conforme se percebe com os feitos de competência originária dos tribunais (art. 29, X, CF, p. ex.). 4

5 g) Princípio do dever legal de fundamentação das decisões judiciais: Art. 93, IX - todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade, podendo a lei limitar a presença, em determinados atos, às próprias partes e a seus advogados, ou somente a estes, em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o interesse público à informação; Cuida-se de corolário do princípio do pleno acesso à justiça. Deveras, não há como se falar em uma prestação jurisdicional plena e efetiva quando o jurisdicionado desconhece as razões que levaram o julgador a pender para um ou outro lado. Não há jurisdição em um provimento que decide questão sem externar os motivos de seu convencimento: há arbitrariedade. É princípio de extrema relevância para se garantir a possibilidade do contraditório e da ampla defesa e essencial para a garantia de um Estado Democrático de Direito que assegura a seus cidadãos o conhecimento de suas ações. h) Princípio da publicidade dos atos processuais art. 93, IX: Outra característica de um Estado Democrático de Direito é a publicidade dos atos de poder, especialmente com a finalidade de exercer controle sobre os atos arbitrários. Assim sendo, a Constituição garante a publicidade destes atos, ressalvadas as hipóteses de proteção da intimidade dos interessados. II. JURISDIÇÃO, AÇÃO E COMPETÊNCIA 1. JURISDIÇÃO A jurisdição, monopólio do poder estatal, é una e indivisível e pode ser contenciosa ou voluntária. Contenciosa justamente porque o objetivo primeiro da função jurisdicional é a pacificação social, ou seja, a resolução de conflitos. Quando voluntária também denominada administração pública de interesses privados, não há lide, mas controvérsia; não há partes, mas interessados; não há processo, mas procedimento; não há pretensão, mas interesses comuns ou paralelos; não há pedido, mas requerimento. Nesta, o Estado não acolhe, nem rejeita pretensões, apenas atua com os interessados para a realização de negócios jurídicos, a fim de lhes dar maior segurança, bem como possibilitar a fiscalização estatal. Segundo o princípio da aderência, os juízes e os tribunais exercem a atividade jurisdicional somente no território nacional e esta atividade é dividida com observância das regras de competência. Já, em relação à competência internacional, prevista nos art. 88 e 89 do CPC, não seria isto competência, mas verdadeira jurisdição. 5

6 A jurisdição é indelegável. O que se pode delegar, consoante as regras legais, é a competência, ou seja, o limite para o exercício jurisdicional, a extensão do poder de julgar, e não a jurisdição. Todo o magistrado investido na sua função possui jurisdição, que é a atribuição de compor os conflitos emergentes na sociedade. Assim, jurisdição todos têm, desde que sejam juízes ordinários regularmente investidos. Interesse aqui é o interesse processual, e não de direito material, de mérito. O interesse processual é a utilidade a ser proporcionada pelo provimento jurisdicional e a necessidade de vir a juízo para a obtenção deste provimento útil. É necessário, ainda, ter legitimidade, tanto ativa daquele que propõe a demanda como passiva daquele contra quem é proposta a ação. É parte legítima quem está autorizado por lei a ingressar em juízo. Cabe lembrar que legitimidade não se confunde com representação processual, prevista nos arts. 8º a 12, todos do CPC. Por fim, o termo pleitear, previsto no art. 6º do CPC, é entendido, por grande parte da doutrina, como coisa exclusiva do autor, como se apenas o autor pretendesse algo. Ocorre que este termo deve ser entendido como algo mais amplo, tendo em vista que o réu, quando contesta, pleiteia a improcedência do pedido. No mais, a 1ª parte deste dispositivo corresponde à legitimidade ordinária, ou seja, somente pode pleitear no processo aquele que é parte da relação de direito material. Por outro lado, a 2ª parte deste artigo refere que, quando a lei autorizar, não precisa ocorrer a coincidência de partes no plano material e no plano processual. Trata da legitimação extraordinária, que é exceção. A substituição processual, espécie do gênero legitimação extraordinária, ocorre quando alguém, autorizado por lei, atua em juízo como parte, em nome próprio e no seu interesse, na defesa de pretensão alheia. 2. AÇÃO 2.1. CONDIÇÕES DA AÇÃO As condições da ação são: Legitimidade; Possibilidade jurídica do pedido; Interesse de agir. 6

7 Legitimidade ad causan Legitimidade é a aptidão para a condução de um processo em que se discute determinada situação jurídica. Para saber se tem ou não legitimidade, é preciso averiguar a situação jurídica discutida em juízo. Não há como saber se o sujeito é legítimo ou não sem examinar a relação discutida. O sujeito pode ser legítimo para um assunto e ilegítimo para outro assunto, em face a situação discutida. No concurso, em uma dissertação, vale a pena dizer que a legitimidade é a pertinência subjetiva da ação Classificações da Legitimidade: Primeira: a) Legitimidade Exclusiva: a legitimação é atribuída a somente um sujeito. b) Legitimidade concorrente: a legitimação é atribuída a mais de um sujeito, sendo que mais de uma pessoa é legítima para discutir determinada relação em juízo. É também chamada de co-legitimação. Exemplo: credores solidários; condôminos; sujeitos do Art. 103/CF para propor ADI. Segunda: a) Legitimidade Ordinária: sempre que alguém vai a juízo defendendo em nome próprio direito próprio. Há uma coincidência entre o legitimado e o sujeito da relação jurídica discutida. É a regra. b) Legitimidade extraordinária: quando a lei atribui a alguém o direito de discutir o direito de outra pessoa em juízo, defendendo em nome próprio direito alheio. É o que acontece nas ações coletivas, onde o legitimado está em juízo defendendo interesses da coletividade. b.1. Considerações sobre a legitimação extraordinária. a) há casos em que o sujeito está em juízo discutindo interesse próprio e alheio. É uma situação ambivalente. É o que acontece com o credor solidário e o condômino, que defendem um direito que é deles, junto com outras pessoas. b) a doutrina costuma referir a outra expressão quando cuida de legitimação extraordinária Substituição Processual esta e legitimação extraordinária costumam ser utilizadas como sinônimos. 7

8 Alguns doutrinadores porém, preferem distinguir essas expressões, colocando a substituição processual como espécie de legitimação extraordinária. Seria uma legitimação extraordinária que ocorre quando o legitimado extraordinário estiver sozinho em juízo, defendendo o interesse de outra pessoa, sendo ele um substituto processual. Se estiver em juízo em litisconsórcio com o titular do direito, não haveria substituição processual. Exemplo: alimentos para o menino. Se o Ministério Público vai sozinho pleitear alimentos para o menino, será substituto processual. Mas se for junto com o menino, será um legitimado extraordinário, sendo litisconsorte do menino. c) aprenderemos a distinguir substituição processual de sucessão processual. Na sucessão processual, ocorre uma mudança de sujeitos no processo, saindo um sujeito, entrando o outro. Por exemplo: o réu morreu, entra o espólio. d) aprenderemos a distinguir substituição processual de representação processual. Na representação processual, alguém está em juízo discutindo interesse de outra pessoa só que não em nome próprio, mas sim em nome alheio. Age em nome alheio defendendo direito alheio. Exemplo: menininho vai a juízo representado pela mãe. A parte é o menininho, e a mãe é a representante. b.2. Características da Legitimação Extraordinária: a) tanto a substituição processual quanto a legitimação extraordinária, têm que derivar da Lei. Consequentemente, não pode haver legitimação extraordinária por força de contrato. Art. 6/CPC. b) o substituto processual é parte. Consequentemente paga as custas, pode ser multado por litigância de má-fé, é em relação a ele que se vai examinar a competência em razão da pessoa. c) a falta de legitimação extraordinária implica decisão que não examina o mérito da causa. O juiz apenas diz que o sujeito não pode discutir tal direito. Tanto é assim que há uma tendência legislativa e doutrinária de fazer com que a falta de legitimação extraordinária não gere a extinção do processo. Ao invés de extinguir, o juiz promova uma sucessão processual, trazendo quem possa para prosseguir no processo. Isso acontece na Ação Coletiva. Intimamse outros legitimados para aproveitar a causa. d) tradicionalmente, se diz que a coisa julgada proveniente de um processo conduzido por um substituto processual atinge o substituído, sendo uma exceção a regra de que a coisa julgada somente atinge as partes do processo. Pode ser que o legislador excepcione isso. 8

9 A exceção é não atingir. Mas para isso é preciso autorização expressa da Lei, como o fez nas causas coletivas. Ação coletiva não prejudica a coletividade, só beneficia Possibilidade jurídica do pedido Possibilidade jurídica do pedido significa que haverá ação se o pedido formulado puder ser, em tese, acolhido. Para Liebman, extinção sem o exame do mérito. Até hoje não há explicação para esse pressuposto. Liebman não tratou sobre tal. Este capítulo foi excluído do seu livro. Note que o Art. 3/CPC não traz possibilidade jurídica do pedido e o Art. 267, VI/CPC traz possibilidade jurídica do pedido. O primeiro é a cópia integral do Código de Processo Italiano. O segundo é de criação brasileira. Dinamarco, que é discípulo de Liebman, desenvolveu o seu pensamento, e passou a denominar essa condição da ação de Possibilidade jurídica da demanda porque ele diz que o exame da possibilidade jurídica deve abranger todos os elementos da demanda e não somente o pedido. É preciso averiguar, por exemplo, se a causa de pedir é legítima. Exemplo: cobrança de dívida de jogo o que se tem é uma ilicitude na causa de pedir e não no pedido Interesse de agir Há interesse de agir quando o processo for útil e necessário. É preciso que o processo possa propiciar algum proveito para a parte, para o demandante. Se o pedido, mesmo acolhido, não puder propiciar qualquer proveito ao sujeito, será inútil o processo. É preciso também a demonstração de que a utilidade almejada só pode ser alcançada pelo processo. Tem que demonstrar que o processo é necessário para alcançar aquilo que se deseja. Tem que demonstrar a necessidade de se ir a juízo. Há um fenômeno chamado de Ações Necessárias, sendo aquelas ações que veiculam direitos que só podem ser exercidos em juízo. Nessas ações, nem se discute a necessidade da ação. Exemplos: Anulação de contrato; Interdição; Falência; Rescisória de Sentença; Exclusão de Herdeiro. Dica: toda ação necessária é constitutiva. 9

10 Há uma corrente muito forte em São Paulo, tanto na USP quando na PUC, que defende que o interesse de agir tem uma terceira dimensão, além da utilidade e necessidade. Dizem que o interesse de agir pressupõe também a adequação. É preciso, para que haja interesse de agir, que o procedimento seja adequado ao pedido. Se escolhido o procedimento errado, faltaria interesse de agir, extinguindo-se o processo sem o julgamento do mérito. 3. COMPETÊNCIA As regras de competência são um conjunto de normas que atribuem concretamente a função de exercer a jurisdição aos diversos órgãos jurisdicionais. Desse modo, pode-se conceituar competência como sendo o instituto que define o âmbito de exercício da atividade jurisdicional de cada um desses órgãos. Esse âmbito de exercício, segundo princípio da perpetuatio jurisdicionis estabelecido no art. 87, é fixado no momento do ajuizamento da ação, e mantém-se posteriormente, ainda que se alterem as condições de fato ou de direito. Contudo, a perpetuatio jurisdicionis só se aplica à competência relativa, que será estudada oportunamente Competência internacional Por razões de efetividade da decisão, o direito nacional discrimina as ações que podem ser julgadas no território brasileiro, tendo em vista a possibilidade de cumprir a decisão, bem como a conveniência do exercício da jurisdição. Nada adianta que juiz brasileiro julgue causa que não tenha vínculo com o Brasil ou não possa aqui ser cumprida. Diante disso, o CPC divide a competência internacional em concorrente (ou cumulativa) e exclusiva. Competência internacional concorrente ou cumulativa A competência internacional concorrente é aquela prevista no art. 88 do CPC. Pergunta-se se a causa pode ser processada na justiça brasileira, independentemente da lei a ser aplicada. Juizes brasileiros e estrangeiros podem julgar a causa. A decisão proferida em outro país pode ter validade no território nacional, desde que homologada pelo STJ. A mera propositura de demanda perante tribunal estrangeiro, a respeito de causa que poderia, por competência concorrente, ser conhecida pela jurisdição brasileira, não induz litispendência nem impede que a autoridade brasileira conheça da mesma causa e das que lhe forem conexas. É o que determina o art. 90 do CPC. 10

Direito Processual do Trabalho. Professor Raphael Maia

Direito Processual do Trabalho. Professor Raphael Maia Direito Processual do Trabalho Professor Raphael Maia 2.1 Funções dos Princípios no Processo do Trabalho: a) Função informadora: a) Tem por objetivo é orientar o legislador b) Função Interpretativa: a)

Leia mais

Capítulo II A UNIDADE PROCESSUAL Concepção dualista Concepção unitária Em abono da unidade... 40

Capítulo II A UNIDADE PROCESSUAL Concepção dualista Concepção unitária Em abono da unidade... 40 SUMÁRIO Capítulo I A TEORIA GERAL DO PROCESSO... 25 1. Teoria Geral do Processo: objeto e pressuposto... 25 2. A Teoria Geral como tronco dos diferentes ramos do processo... 26 3. Ensino da disciplina...

Leia mais

CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES Considerações As reformas do Código de Processo Civil - Maiores Esclarecimentos...

CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES Considerações As reformas do Código de Processo Civil - Maiores Esclarecimentos... Sumário CAPÍTULO 1 CONSIDERAÇÕES PREAMBULARES... 21 1.1 Considerações... 21 1.2 As reformas do Código de Processo Civil - Maiores Esclarecimentos... 23 CAPÍTULO 2 ASPECTOS RELEVANTES DA TEORIA GERAL DO

Leia mais

PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese

PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese PRINCÍPIOS INFORMADORES DO DIREITO PROCESSUAL PENAL PRINCÍPIO = começo; ideia-síntese os princípios da política processual de uma nação não são outra coisa senão os segmentos de sua política (ética) estatal

Leia mais

a DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS DIREITO PROCESSUAL CIVIL

a DELEGAÇÃO DE SERVIÇOS NOTARIAIS E REGISTRAIS DO RS DIREITO PROCESSUAL CIVIL 1 SUMÁRIO 1. TEORIA GERAL DO PROCESSO... 03 2. DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO... 07 3. SUJEITOS DA RELAÇÃO PROCESSUAL... 10 4. MINISTÉRIO PÚBLICO... 21 5. COMPETÊNCIA... 23 6. O JUIZ... 29 7. AUXILIARES DA JUSTIÇA...

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL I. Princípios Constitucionais e Infraconstitucionais do Processo Civil. Jurisdição... 002 II. Ação... 013 III. Competência... 015 IV. Processo... 021 V. Sujeitos do Processo...

Leia mais

20/11/2014. Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ

20/11/2014. Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ Direito Constitucional Professor Rodrigo Menezes AULÃO DA PREMONIÇÃO TJ-RJ 1 01. A Constituição Federal de 1988 consagra diversos princípios, os quais exercem papel extremamente importante no ordenamento

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Princípios Processuais. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Princípios Processuais. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Princípios Processuais Prof. Luiz Dellore www.dellore.com Twitter: @dellore Facebook: Luiz Dellore II Instagram: @luizdellore LinkedIn: Luiz Dellore 1. NOVIDADES DO NCPC QUANTO

Leia mais

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1

LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Sumário LIVRO I Do Processo de Conhecimento...1 Capítulo 1 Da Jurisdição...3 1.1. Conceito de Jurisdição... 5 1.2. Exercício da Jurisdição Quem Exerce a Jurisdição?...15 1.3. Características da Jurisdição...17

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Coordenador: Leonardo Barreto Moreira Alves MINISTÉRIO PÚBLICO ESTADUAL Promotor de Justiça Estadual 2ª edição 2016 DIREITO PROCESSUAL CIVIL Renato Bretz Pereira 1. DO PROCESSO DE CONHECIMENTO (MPE/SP/Promotor/2015)

Leia mais

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE

CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE As normas elaboradas pelo Poder Constituinte Originário são colocadas acima de todas as outras manifestações de direito. A própria Constituição Federal determina um procedimento

Leia mais

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO E O ESTADO DE DIREITO. CONCEITO DE PROCESSO

PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO E O ESTADO DE DIREITO. CONCEITO DE PROCESSO ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DO CEARÁ ESMEC ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO CONSTITUCIONAL MÓDULO: PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO Profa. Ms. Ana Paula Lima de Melo EMENTA: PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS

Leia mais

DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DO PROCESSO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DO PROCESSO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO Princípios Constitucionais do Processo Princípio do Devido Processo Legal ( artigo 5o., LIV- CF) - o substantive due process of law: garantia do trinômio

Leia mais

Processo Civil aula 1

Processo Civil aula 1 Processo Civil aula 1 * Conteúdo da aula: - Jurisdição: conceito, modalidades, estrutura jurisdicional brasileira. - Competência: conceito, espécies, argüição de incompetência, regras de fixação. - Processo:

Leia mais

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR.

PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR. PROCESSO PENAL ANTONIO DOS SANTOS JUNIOR asjunior2004@uolcombr JURISDIÇÃO Poder Judiciário: garantir a realização dos direitos através de seus órgãos; Órgãos devem ter jurisdição (função de conhecer os

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL CIVIL

INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL CIVIL CapítuloI INTRODUÇÃO AO DIREITO PROCESSUAL CIVIL... 17 1. Con ito de interesses e lide... 17 2. Funções do direito... 18 2.1. Direção de condutas... 19 2.2. Tratamento dos con itos... 19 3. Modos de tratamento

Leia mais

NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL

NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL NOVO CODIGO DE PROCESSO CIVIL INSTITUTOS IMPORTANTES PARA O MERCADO DE SEGUROS MARCIO MALFATTI NOVEMBRO 2016 DO INCIDENTE DE RESOLUÇÃO DE DEMANDAS REPETITIVAS IRDR DO CABIMENTO Art. 976. É cabível a instauração

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Coisa Julgada. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Coisa Julgada. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Coisa Julgada Professor Rafael Menezes Conceitos Gerais Substantivista (Kolher) Processualista (Stein) Carnelutti Imperatividade Liebman Imutabilidade Art. 467. Denomina-se coisa

Leia mais

Sumário EQUIVALENTES JURISDICIONAIS...29

Sumário EQUIVALENTES JURISDICIONAIS...29 Sumário APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO...13 capítulo 1 ASPECTOS GERAIS DA MATÉRIA...17 1.1. Notas introdutórias... 17 1.2. Nomenclatura... 18 1.3. Autonomia do direito processual... 18 1.4. Diferença entre o

Leia mais

CAPÍTULO 1: NOTAS INTRODUTÓRIAS...1

CAPÍTULO 1: NOTAS INTRODUTÓRIAS...1 Sumário CAPÍTULO 1: NOTAS INTRODUTÓRIAS...1 1. Introdução...1 2. Pressupostos Teóricos do Controle de Constitucionalidade...2 3. Supremacia Constitucional Fundamento do Mecanismo de Controle de Constitucionalidade...2

Leia mais

1 Direito processual constitucional, 7

1 Direito processual constitucional, 7 1 Direito processual constitucional, 7 1.1 Esclarecimentos iniciais, 7 1.2 Direito processual constitucional: objeto de estudo, 8 1.3 Jurisdição, processo, ação e defesa, 10 1.4 Constituição e processo,

Leia mais

LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada

LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada LIMINARES DE NATUREZA CAUTELAR Cautelar e Tutela Antecipada o Semelhança advinda da sumariedade, medida cautelar e antecipação da tutela não se confundem. Distinguem as figuras no objetivo; a medida cautelar

Leia mais

SUMÁRIO LIVRO I IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. Parte 1 Direito Material Rafael Carvalho Rezende Oliveira

SUMÁRIO LIVRO I IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA. Parte 1 Direito Material Rafael Carvalho Rezende Oliveira SUMÁRIO LIVRO I IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA Parte 1 Direito Material Rafael Carvalho Rezende Oliveira 1. INTRODUÇÃO 1.1. A importância do combate à corrupção 1.2. Conceito de improbidade administrativa

Leia mais

SUMÁRIO PARTE I PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS INTRODUÇÃO GERAL... 21

SUMÁRIO PARTE I PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS INTRODUÇÃO GERAL... 21 SUMÁRIO PARTE I PEÇAS PRÁTICO-PROFISSIONAIS... 19 INTRODUÇÃO GERAL... 21 CAPÍTULO I PETIÇÃO INICIAL DE AÇÃO PELO RITO ORDINÁRIO... 23 1. Considerações gerais... 23 2. Elementos da ação... 24 2.1. Partes...

Leia mais

DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS

DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS DAS AÇÕES POSSESSÓRIAS Posse para Savigny Posse é um fato que se converte em direito justamente pelos interditos concedidos pelo ordenamento Posse para Ihering Teoria da defesa complementar da propriedade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE GOIÁS. Professor Aldo Sabino. Processo Civil Conhecimento. Simulado Discursivas e objetivas

ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE GOIÁS. Professor Aldo Sabino. Processo Civil Conhecimento. Simulado Discursivas e objetivas ESCOLA SUPERIOR DA MAGISTRATURA DO ESTADO DE GOIÁS Professor Aldo Sabino Processo Civil Conhecimento Simulado Discursivas e objetivas 1. (Magistratura-GO, 1999 e 2004, Prova Oral, Banca de Processo Civil)

Leia mais

CONCEITO DE PROCESSO: CÂMARA ramos da ciência jurídica que estuda e regulamente o exercício, pelo Estado, da função jurisdicional.

CONCEITO DE PROCESSO: CÂMARA ramos da ciência jurídica que estuda e regulamente o exercício, pelo Estado, da função jurisdicional. CONCEITO DE PROCESSO: CÂMARA ramos da ciência jurídica que estuda e regulamente o exercício, pelo Estado, da função jurisdicional. Conjunto de princípios e normas que visam regular a função jurisdicional.

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL

DIREITO PROCESSUAL CIVIL DIREITO PROCESSUAL CIVIL FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS (FCC) TÉCNICO TRT s 07 PROVAS 34 QUESTÕES (2012 2010) A apostila contém provas de Direito Processual Civil de concursos da Fundação Carlos Chagas (FCC),

Leia mais

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e

AULA ) PROCEDIMENTO COMUM (art. 270 e seguintes do CPC a 318 e Turma e Ano: Master A (2015) 08/06/2015 Matéria / Aula: Direito Processual Civil / Aula 18 Professor: Edward Carlyle Silva Monitor: Alexandre Paiol AULA 18 CONTEÚDO DA AULA: Procedimento, contestação 10)

Leia mais

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL

DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL E DA COOPERAÇÃO INTERNACIONAL CAPÍTULO I DOS LIMITES DA JURISDIÇÃO NACIONAL Em virtude do novo Código de Processo Civil (Lei 13.105, de 16.3.15, que entrará em vigor em 17.3.16, passará a vigorar as novas disposições sobre a Competência Internacional, conforme os artigos abaixo

Leia mais

SUMÁRIO. Capítulo II SUBSTABELECIMENTO... 31

SUMÁRIO. Capítulo II SUBSTABELECIMENTO... 31 SUMÁRIO Capítulo I PROCURAÇÃO AD JUDICIA... 19 1. Conceito... 19 2. Extensão dos poderes conferidos pelo outorgante ao advogado... 21 3. Modelo da procuração ad judicia com poderes para o foro em geral...

Leia mais

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura:

Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO. Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: Disciplina: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Data: 10/outubro/2011 Nota: Nota por extenso: Docente: Assinatura: 1. O que é interpretação autêntica da lei? Critique-a do ponto de vista hermenêutico. (0,5

Leia mais

Aula 11 - Ação e Petição Inicial 1. Conceituações 2. Natureza jurídica 3. Elementos da ação 4. Condições da ação

Aula 11 - Ação e Petição Inicial 1. Conceituações 2. Natureza jurídica 3. Elementos da ação 4. Condições da ação Aula 11 - Ação e Petição Inicial 1. Conceituações O direito de provocar o exercício da tutela jurisdicional pelo Estado para solucionar dado conflito existente entre certas pessoas denomina-se Ação. Dissidio

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RESOLUÇÃO STJ/GP N. 2 DE 1º DE FEVEREIRO DE 2017. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno dos autos no âmbito do Superior Tribunal de Justiça. A PRESIDENTE DO SUPERIOR

Leia mais

DA CONVERSÃO DA AÇÃO INDIVIDUAL EM AÇÃO COLETIVA NO NOVO CPC. Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

DA CONVERSÃO DA AÇÃO INDIVIDUAL EM AÇÃO COLETIVA NO NOVO CPC. Por Carlos Eduardo Rios do Amaral DA CONVERSÃO DA AÇÃO INDIVIDUAL EM AÇÃO COLETIVA NO NOVO CPC Por Carlos Eduardo Rios do Amaral A desejada molecularização das lides em detrimento de ações individuais repetitivas que guardam o mesmo objeto

Leia mais

16/09/2012 DIREITO PROCESSO PENAL I. Processo penal I

16/09/2012 DIREITO PROCESSO PENAL I. Processo penal I DIREITO I 9ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 Processo penal I 2 1 AÇÃO PENAL É o direito público subjetivo do Estado Administração, de pedir ao Estado a aplicação do direito penal objetivando

Leia mais

Gustavo Filipe Barbosa Garcia CPC. Novo. e Processo do Trabalho. 39 e 40 de 2016 do TST. Conforme a Lei / ª edição Revista e atualizada

Gustavo Filipe Barbosa Garcia CPC. Novo. e Processo do Trabalho. 39 e 40 de 2016 do TST. Conforme a Lei / ª edição Revista e atualizada Gustavo Filipe Barbosa Garcia Novo CPC e Processo do Trabalho 39 e 40 de 2016 do TST Conforme a Lei 13.467/2017 3ª edição Revista e atualizada 2017 CAPÍTULO 1 ORGANIZAÇÃO ESTRUTURAL DO CPC DE 2015 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO

AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO AULA 9 AÇÃO TRABALHISTA Elementos da Resposta do Réu DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PROFª KILMA GALINDO DO NASCIMENTO RESPOSTAS DO RÉU CONTESTAÇÃO; EXCEÇÃO (Incompetência relativa, suspeição

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Sentença e coisa julgada. Prof. Luiz Dellore

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Sentença e coisa julgada. Prof. Luiz Dellore DIREITO PROCESSUAL CIVIL Sentença e coisa julgada Prof. Luiz Dellore 1. Providências preliminares Após a inicial e contestação, pode ser que uma destas ocorram no processo: - especificação de provas, caso

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO P L A N O D E E N S I N O I IDENTIFICAÇÃO Curso: Direito Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Ano Letivo: 2016 Semestre: 2º Semestre Turno:

Leia mais

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS:

PLANO DE ENSINO OBJETIVOS GERAIS: PLANO DE ENSINO FACULDADE: Faculdade de Ciências Jurídicas e Sociais CURSO: Direito Período: 3 DEPARTAMENTO: Ano: 2016 DISCIPLINA: Teoria Geral do Processo CARGA HORÁRIA: 80 horas PRÉ-REQUISITO: não há.

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças

Sumário Capítulo 1 Prazos Capítulo 2 Incompetência: principais mudanças Sumário Capítulo 1 Prazos 1.1. Forma de contagem: somente em dias úteis 1.2. Prática do ato processual antes da publicação 1.3. Uniformização dos prazos para recursos 1.4. Prazos para os pronunciamentos

Leia mais

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO PROCESSUAL CIVIL

1ª Fase PROVA OBJETIVA DIREITO PROCESSUAL CIVIL 1ª Fase PROVA OBJETIVA P á g i n a 1 DIREITO PROCESSUAL CIVIL QUESTÃO 1 - Assinale a alternativa correta: A. segundo o novo CPC, o dever de transparência patrimonial só pode ser imposto às partes; B. no

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 09/11/2016

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção de São Paulo SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ. Atualizado em 09/11/2016 SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA STJ Atualizado em 09/11/2016 RESOLUÇÃO STJ/GP N. 1 DE 18 DE FEVEREIRO DE 2016. Dispõe sobre o pagamento de custas judiciais e porte de remessa e retorno dos autos no âmbito

Leia mais

Processo do Trabalho I

Processo do Trabalho I Processo do Trabalho I»Aula 5 Jurisdição e Competência Parte 1 Introdução Jurisdição Competência Em razão da Matéria Competência Funcional Jurisdição e competência da Justiça a do Trabalho I Introdução

Leia mais

A União Federal em Juízo. Editora Lumen Juris. 354:347.9(81) S728u 3.ed.

A União Federal em Juízo. Editora Lumen Juris. 354:347.9(81) S728u 3.ed. JOÃO CARLOS SOUTO Procurador da Fazenda Nacional. Mestre em Direito Público. Membro do Instituto dos Advogados da Bahia. Professor de Direito Constitucional. Diretor de Publicações e Relações Internacionais

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (TJ/RJ)

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (TJ/RJ) TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (TJ/RJ) Chegamos ao nosso 2º encontro! Bons estudos! Agora vamos lá! AVISOS: Disponibilizamos Cursos de: LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA DO TJ/RJ -TODOS OS CARGOS

Leia mais

1. CONCEITO DE JURISDIÇÃO 1. Várias teorias, na doutrina, buscam conceituar a jurisdição, mas o conceito

1. CONCEITO DE JURISDIÇÃO 1. Várias teorias, na doutrina, buscam conceituar a jurisdição, mas o conceito 1 PROCESSO CIVIL PONTO 1: CONCEITO DE JURISDIÇÃO PONTO 2: CARACTERÍSTICAS DA JURISDIÇÃO PONTO 3: MODALIDADES DE JURISDIÇÃO PONTO 4: TEORIAS DA AÇÃO diverge. 1. CONCEITO DE JURISDIÇÃO 1. Várias teorias,

Leia mais

SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS

SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS Sumário SUMÁRIO A ESSÊNCIA DO CPC DE 2015 E AS NOVAS TENDÊNCIAS PARA OS CONCURSOS PÚBLICOS... 15 CÓDIGO PROCESSUAL CIVIL... 37 PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS... 37 TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS

Leia mais

SUMÁRIO SUMÁRIO. 1. A evolução do MS no sistema constitucional Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27

SUMÁRIO SUMÁRIO. 1. A evolução do MS no sistema constitucional Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27 SUMÁRIO SUMÁRIO..................... 1. A evolução do MS no sistema constitucional... 25 2. Direito líquido e certo a evolução conceitual... 27... 1. MS como tutela jurisdicional diferenciada com cognição

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A ação e suas condições Cleber Santos Guterres O conceito que o nosso código adotou em 1973 foi o de ação que foi inspirado pela teoria das condições da ação que tinha sido influenciado

Leia mais

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL E ADMINISTRATIVO I. Constituição Federal... 002 II. Dos Direitos e Garantias Fundamentais... 009 III. Da Organização Político-Administrativa... 053 IV. Organização dos

Leia mais

Escola Superior do Ministério Público de S. Paulo. 10º Curso de Especialização em Interesses Difusos e Coletivos Mód. III IC e ACP (2015)

Escola Superior do Ministério Público de S. Paulo. 10º Curso de Especialização em Interesses Difusos e Coletivos Mód. III IC e ACP (2015) Escola Superior do Ministério Público de S. Paulo 10º Curso de Especialização em Interesses Difusos e Coletivos Mód. III IC e ACP (2015) Hugo Nigro Mazzilli 1 Hoje Ação civil pública Legitimidade Representatividade

Leia mais

PONTO 1: PRINCÍPIOS NO CPC 1. PRINCÍPIOS NO CPC. Jurisdição:... Direito de Ação:... Processo:... Procedimento:...

PONTO 1: PRINCÍPIOS NO CPC 1. PRINCÍPIOS NO CPC. Jurisdição:... Direito de Ação:... Processo:... Procedimento:... 1 PROCESSO CIVIL PONTO 1: PRINCÍPIOS NO CPC 1. PRINCÍPIOS NO CPC Conceitos: Jurisdição:...... Direito de Ação:...... Processo:... Procedimento:... Os Princípios do Processo Civil são denominados de Princípios

Leia mais

Sumário. Apresentação da série Prefácio Apresentação Capítulo II

Sumário. Apresentação da série Prefácio Apresentação Capítulo II Apresentação da série... 13 Prefácio... 15 Apresentação... 17 Capítulo I Natureza do instituto: introdução histórica ao mandado de segurança e direito comparado... 25 1. Judicial review a possibilidade

Leia mais

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Professor Alessandro Dantas Coutinho CONTROLE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 1 - Introdução A Administração Pública atua por meio de seus órgãos e seus agentes, os quais são incumbidos do exercício das funções

Leia mais

Plano de Ensino 1. Petição inicial. Requisitos.

Plano de Ensino 1. Petição inicial. Requisitos. Plano de Ensino 1. Petição inicial. Requisitos. (CPC, arts. 282 a 285-A) Petição Inicial Conceito: petição inicial é o ato formal do autor que introduz a causa em juízo (Vicente, 135). Características:

Leia mais

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas.

É preciso diferenciar a natureza jurídica da antecipação de tutela da decisão de antecipação de tutela, não sendo expressões sinônimas. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Civil / Aula 24 Professor: Edward Carlyle Conteúdo: Antecipação de Tutela: Efetividade, Momento do Requerimento; Revogação e Modificação; Fungibilidade;

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL O tema envolve, de início, o exame da competência para julgamento da causa que envolve a União Federal e Universidade particular havendo fatos encadeados

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Revisão Criminal. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Revisão Criminal Gustavo Badaró aula de 10.11.2015 PLANO DA AULA 1. Noções gerais 2. Condições da ação 3. Pressupostos processuais 4. Procedimento 1. NOÇÕES

Leia mais

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ

QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ QUESTÕES DE CONCURSOS FISCAL DE RENDAS ICMS/RJ - 2009 01 Assinale a alternativa que defina corretamente o poder regulamentar do chefe do Executivo, seja no âmbito federal, seja no estadual. a) O poder

Leia mais

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios.

Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da verdade. Jurisdição: Conceito, Princípios. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Processo Penal / Aula 08 Professor: Elisa Pittaro Conteúdo: Ação Penal nos Crimes contra a Honra: Pedido de explicações, audiência de conciliação, exceção da

Leia mais

LEI Nº , DE 16 DE MARÇO DE 2015 LEI N 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973

LEI Nº , DE 16 DE MARÇO DE 2015 LEI N 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973 LEI Nº 13.105, DE 16/03/2015 / LEI N 5.869, DE 11/01/1973 NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL COMPARADO LEI Nº 13.105, DE 16 DE MARÇO DE 2015 LEI N 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973 PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS

Leia mais

Capítulo 1. A Interdisciplinaridade do Direito Tributário... 3

Capítulo 1. A Interdisciplinaridade do Direito Tributário... 3 Sumário Parte I Introdução... 1 Capítulo 1. A Interdisciplinaridade do Direito Tributário... 3 Parte II Petição inicial e contestação... 7 Capítulo 1. Introdução... 9 Capítulo 2. Estrutura da petição inicial...

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 133.536 - SP (2014/0094067-4) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES SUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 24A VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SUSCITADO : JUÍZO

Leia mais

Prática Processual Civil. Programa

Prática Processual Civil. Programa ORDEM DOS ADVOGADOS COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I - A CONSULTA JURÍDICA 1.1 - A consulta ao cliente 1.2 - Tentativa de resolução amigável 1.3 - A gestão do

Leia mais

HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. NOVA ORIENTAÇÃO.

HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. NOVA ORIENTAÇÃO. HABEAS CORPUS SUBSTITUTIVO DE RECURSO ORDINÁRIO. NOVA ORIENTAÇÃO. A Turma, acompanhando recente orientação do STF, decidiu não ser cabível a impetração de habeas corpus substitutivo de recurso ordinário,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DISSÍDIO COLETIVO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DISSÍDIO COLETIVO DISSÍDIO COLETIVO 1. Conceito - Dissídio coletivo é o processo que vai dirimir os conflitos coletivos do trabalho, por meio do pronunciamento do Poder Judiciário, criando ou modificando condições de trabalho

Leia mais

CAPÍTULO 1 Jurisdição... 1 CAPÍTULO 2 AÇÃO... 23

CAPÍTULO 1 Jurisdição... 1 CAPÍTULO 2 AÇÃO... 23 CAPÍTULO 1 Jurisdição... 1 1. Origem... 1 2. A Jurisdição: poder, função ou atividade?... 2 3. A Trilogia Estrutural do Processo Civil... 3 4. O Conceito de Jurisdição... 4 4.1. Teoria Unitária do Ordenamento

Leia mais

Por iniciativa das partes (art. 262 Regra Geral). Princípio da Inércia. Princípio Dispositivo. Desenvolvimento por impulso oficial.

Por iniciativa das partes (art. 262 Regra Geral). Princípio da Inércia. Princípio Dispositivo. Desenvolvimento por impulso oficial. Direito Processual Civil I EXERCÍCIOS - 2º BIMESTRE Professor: Francisco Henrique J. M. Bomfim 1. a) Explique como ocorre a formação da relação jurídica processual: R. Início do Processo: Por iniciativa

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 831.699 DISTRITO FEDERAL RELATORA RECTE.(S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :EDVALDO BORGES DE ARAÚJO ADV.(A/S) :ANTONIO DANIEL CUNHA RODRIGUES DE SOUZA E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S) :CELIO

Leia mais

Quais os três conceitos fundamentais do direito processual?

Quais os três conceitos fundamentais do direito processual? Quais os três conceitos fundamentais do direito processual? Jurisdição + Ação ( e defesa) + Processo Qual o conceito de ação? AÇÃO= direito ( ou poder) de exigir do Estado o exercício da atividade jurisdicional

Leia mais

Número:

Número: Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão PJe - Processo Judicial Eletrônico Consulta Processual 30/09/2016 Número: 0857074-64.2016.8.10.0001 Classe: MANDADO DE SEGURANÇA Órgão julgador: 4ª Vara da Fazenda

Leia mais

Justiça Comum. Justiças Especiais

Justiça Comum. Justiças Especiais 1. JURISDIÇÃO. O judiciário é a função jurisdicional do Estado. Jurisdição é a função/poder do Estado, que por intermédio de seus órgãos aplica o direito ao caso concreto. O Direito aplicado é o Direito

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO I. IDENTIFICAÇÃO Unidade Acadêmica: UNID. ACAD. ESP/LETRAS-HUMANAS-SOCIAIS Curso: Direito Disciplina: TEORIA GERAL DO PROCESSO Carga horária semestral: 64H/AULA. Teórica: 43hs.. Prática:

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS PRINCÍPIOS REGENTES DA ATIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Everaldo Rocha Bezerra Costa Procuradoria Federal junto à UFG

NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS PRINCÍPIOS REGENTES DA ATIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Everaldo Rocha Bezerra Costa Procuradoria Federal junto à UFG NOÇÕES BÁSICAS SOBRE OS PRINCÍPIOS REGENTES DA ATIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Everaldo Rocha Bezerra Costa Procuradoria Federal junto à UFG I INTRODUÇÃO II PRINCÍPIOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA A administração

Leia mais

Direitos Difusos e Coletivos

Direitos Difusos e Coletivos Direitos Difusos e Coletivos noções fundamentais Hugo Nigro Mazzilli www.mazzilli.com.br 1 O processo coletivo Processo estava voltado p/ conflitos tradicionais entre Estado x indivíduo entre indivíduo(s)

Leia mais

Processo Civil Prof. Darlan Barroso Aula de Respostas do Réu 2ª Fase Civil XXIII Exame de Ordem

Processo Civil Prof. Darlan Barroso Aula de Respostas do Réu 2ª Fase Civil XXIII Exame de Ordem Enunciado aula de defesa Processo Civil Lupicínio, em 2000, realizou doação de um de seus imóveis ao sobrinho Ticio com a finalidade de permitir que ele pudesse realizar casamento com Aurélia, constando

Leia mais

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que:

1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS DIREITO PROCESSUAL PENAL 1. Sobre as medidas cautelares pessoais no processo penal, é correto afirmar que: I - De acordo com o Código de Processo Penal, as

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Teoria da Ação: Conceitos Iniciais. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Teoria da Ação: Conceitos Iniciais. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Teoria da Ação: Conceitos Iniciais Professor Rafael Menezes Trilogia Estrutural do Processo Jurisdição Ação Processo Pode-se dizer que a jurisdição é a função estatal de tutela

Leia mais

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de

Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Correlação entre acusação e sentença. Gustavo Badaró aula de Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Correlação entre acusação e sentença Gustavo Badaró aula de 11.08.2015 1. Noções Gerais PLANO DA AULA 2. Distinção entre fato penal e fato processual penal

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO DIREITO PROCESSUAL CIVIL PROFESSOR EDUARDO FRANCISCO 1 Nomeação à autoria arts. 62 a 69, CPC. Intervenção de terceiros Mecanismo de correção do polo passivo Dever do réu, vide art. 69, CPC. 1.1 - A nomeação

Leia mais

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS

QUESTÃO 1 ASPECTOS MACROESTRUTURAIS QUESITOS AVALIADOS QUESTÃO 2. Foro competente (ECA, art. 209) 0.75 2.2 Legitimidade para a propositura da ação civil pública (ECA, art. 20) 0.75 2.3 Cabimento da ação mandamental / objetivo da ação (ECA, art. 22) 0.75 QUESTÃO

Leia mais

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP)

Aula 14. EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo único, CPP) Turma e Ano: Regular 2015 / Master B Matéria / Aula: Direito Processual Penal / Aula 14 Professor: Elisa Pittaro Monitora: Kelly Soraia Aula 14 EMBARGOS INFRINGENTES E DE NULIDADE (art. 609, parágrafo

Leia mais

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1

Sumário. Capítulo 1 A Situação Concreta Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Sumário Capítulo 1 A Situação Concreta... 1 1.1. Exposição da Situação Concreta e de suas mais de 50 Petições Vinculadas...1 Capítulo 2 Petições Cíveis: Procedimento Comum... 7 2.1. Petição Inicial...7

Leia mais

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso sétimo módulo. Falaremos da petição inicial, da(s) resposta(s) do réu e do fenômeno da revelia.

Olá, pessoal! Chegamos ao nosso sétimo módulo. Falaremos da petição inicial, da(s) resposta(s) do réu e do fenômeno da revelia. CURSO DE RESOLUÇÃO DE QUESTÕES DE PROCESSO CIVIL PONTO A PONTO PARA TRIBUNAIS MÓDULO 7 PETIÇÃO INICIAL. RESPOSTA DO RÉU. REVELIA. Professora: Janaína Noleto Curso Agora Eu Passo () Olá, pessoal! Chegamos

Leia mais

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho

SUMÁRIO. Direito do Trabalho Direito Processual Civil Direito Processual do Trabalho SUMÁRIO Direito do Trabalho... 05 Direito Processual Civil... 139 Direito Processual do Trabalho... 195 DIREITO DO TRABALHO ÍNDICE CAPÍTULO 01... 7 Fontes e Princípios de Direito do Trabalho... 7 Surgimento

Leia mais

Sumário. Prefácio Introdução Considerações Relativas à Implantação dos Juizados. Especiais da Fazenda Pública Estadual e Municipal

Sumário. Prefácio Introdução Considerações Relativas à Implantação dos Juizados. Especiais da Fazenda Pública Estadual e Municipal Sumário Prefácio... 17 Introdução... 19 Parte I Considerações Relativas à Implantação dos Juizados Especiais da Fazenda Pública Estadual e Municipal... 23 Pressupostos da instituição dos Juizados Especiais

Leia mais

DA ADVOCACIA 1ª Parte

DA ADVOCACIA 1ª Parte Página1 1. O ADVOGADO Não é tarefa simples dissertar sobre o advogado. A profissão desperta paixões e ódios. Ao mesmo. Ao mesmo tempo em que se enaltece, de forma romântica e poética, aquele que tem por

Leia mais

PRINCÍPIOS PROCESSUAIS PENAIS SISTEMAS PROC PENAIS e LEI PROC PENAL. Profª. Karem Ferreira Facebook: Karem Ferreira OAB

PRINCÍPIOS PROCESSUAIS PENAIS SISTEMAS PROC PENAIS e LEI PROC PENAL. Profª. Karem Ferreira Facebook: Karem Ferreira OAB PRINCÍPIOS PROCESSUAIS PENAIS SISTEMAS PROC PENAIS e LEI PROC PENAL Profª. Karem Ferreira Facebook: Karem Ferreira OAB Twitter: @Prof_KaFerreira 1. PRINCÍPIOS PROCESSUAIS PENAIS 1.1. Devido Processo Legal

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: PROCESSO DE CONHECIMENTO (CÓD. ENEX 60123) ETAPA: 4ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo de aula Habilidades e Competências Textos,

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO ARTIGOS 127 A 130 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO ARTIGOS 127 A 130 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL MINISTÉRIO PÚBLICO ARTIGOS 127 A 130 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL Órgão constitucional autônomo, incumbido de promover a ação penal e fiscalizar a execução da lei perante a jurisdição penal e exercer, ante

Leia mais

Prezados amigos e leitores,

Prezados amigos e leitores, Prezados amigos e leitores, Abaixo, traço breves comentários sobre quatro questões de Direito Processual Civil da prova de analista da área judiciária do concurso do TRT da 1ª Região (2013). Para aprofundar

Leia mais

PROVIDÊNCIAS JURÍDICAS

PROVIDÊNCIAS JURÍDICAS PROVIDÊNCIAS JURÍDICAS São também chamadas e conhecidas por remédios jurídicos. As sete providências jurídicas a seguir enumeradas, são asseguradas a toda e qualquer pessoa dentro do território nacional

Leia mais

Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL TÍTULO I DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO Seção II Do Auxílio Direto Arts.

Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL TÍTULO I DA JURISDIÇÃO E DA AÇÃO Seção II Do Auxílio Direto Arts. Índice (CPC/2015) Índice (CPC/2015) PARTE GERAL LIVRO I DAS NORMAS PROCESSUAIS CIVIS... 39 TÍTULO ÚNICO DAS NORMAS FUNDAMENTAIS E DA APLICAÇÃO DAS NORMAS PROCESSUAIS... 39 CAPÍTULO I DAS NORMAS FUNDAMENTAIS

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Trilogia Estrutural: O Processo. Professor Rafael Menezes

DIREITO PROCESSUAL CIVIL. Trilogia Estrutural: O Processo. Professor Rafael Menezes DIREITO PROCESSUAL CIVIL Trilogia Estrutural: O Processo Professor Rafael Menezes Natureza Jurídica do Processo Teoria Contratualista Ótica jurídica do contrato social de Rousseau O processo seria um contrato

Leia mais

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do

Título I PETIÇÃO INICIAL Capítulo I PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal Cabimento Espécies de ritos do processo do Sumário Manual de Prática Trabalhista Título I PETIÇÃO INICIAL PETIÇÃO INICIAL EM DISSÍDIO INDIVIDUAL Fundamento legal... 19 Cabimento... 19 Espécies de ritos do processo do trabalho... 19 Rito sumário...

Leia mais

Condições da Ação Penal -Possibilidade jurídica do pedido A pretensão do autor deve referir-se a providência admitida pelo direito objetivo. Para que

Condições da Ação Penal -Possibilidade jurídica do pedido A pretensão do autor deve referir-se a providência admitida pelo direito objetivo. Para que AÇÃO PENAL Ação é o direito subjetivo de se invocar do Estado- Juiz a aplicação do direito objetivo a um caso concreto. Tal direito é público, subjetivo, autônomo, específico, determinado e abstrato (TOURINHO

Leia mais

DA RESPOSTA DO RÉU. ESPÉCIES Contestação (Art. 300 a 303 do CPC); Reconvenção (Art. 315 a 318 do CPC); Exceção (Art. 304 a 314 do CPC).

DA RESPOSTA DO RÉU. ESPÉCIES Contestação (Art. 300 a 303 do CPC); Reconvenção (Art. 315 a 318 do CPC); Exceção (Art. 304 a 314 do CPC). DA RESPOSTA DO RÉU DISPOSIÇÕES GERAIS Uma vez efetuada a citação válida, a relação jurídica processual está completa, surgindo o ônus do réu de oferecer a defesa contra fatos e direitos sustentados pelo

Leia mais

Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II

Sumário CAPÍTULO I CAPÍTULO II Sumário CAPÍTULO I Introdução ao processo penal... 17 1. Conceito e função do processo penal... 17 2. Ação. Processo. Procedimento... 18 3. Princípios do processo penal... 19 3.1. Devido processo legal...

Leia mais